SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Baixar para ler offline
COMO VOCÊ CONTRIBUI PARA A
AUTOESTIMA DO SEU FILHO?
Por Carina Padovan – Master Trainer Febracis Curitiba
2
Cada vez mais pesquisadores têm se
ocupado, mostrando-se interessados
pelo estudo do comportamento
humano. Dentre estes estudos, os
cientistas estão proporcionando
espaço sobre a influência da família
no desenvolvimento das crianças
e adolescentes. Nos últimos anos,
estudos apontam que os pais
produzem contextos adversos,
avessos a um desenvolvimento
saudável tanto comportamental,
quanto psicológico dos seus filhos.
Isso acontece, por meio dos valores,
sistemas de crenças dos pais, de
suas expectativas, de seus padrões
de comportamento e do clima
instalado no lar.
3
A família pode funcionar como um
fator de risco ao desenvolvimento
infantil afetando a autoestima, a
autoconfiança e o autoconceito,
quando a interação é pautada na
comunicação negativa, punição
física, agressão verbal, regras
aplicadas de forma inconsistente e
desequilíbrio da harmonia do casal.
Fala-se muito da autoestima,
seja ela baixa ou alta. Tema que
vai do ‘boca a boca’ de uma forma
superficial, mas que em sua
essência tem um papel profundo na
construção do indivíduo, impactando
de forma tanto positiva como
negativa a vida das pessoas.
Diversos estudos apontam a
baixa autoestima como fator que
influencia diretamente a imagem
corporal, a beleza e a estética. O
assunto vai muito além dessa ótica
superficial. Foi possível encontrar
correlações como o processo de
envelhecer, a vaidade feminina, a
algumas doenças crônicas como HIV,
doença renal, câncer e tratamentos
ortodônticos, foi possível encontrar
também a associação a gestantes,
dependência química e transtorno
alimentar. Muito se fala também
desse tema no âmbito escolar, na
aprendizagem, entre outros.
É POR ISSO QUE TRAGO A SEGUINTE
REFLEXÃO:
“COMO VOCÊ CONTRIBUI PARA A
AUTOESTIMA DO SEU FILHO?”
O QUE É AUTOESTIMA?
Primeiramente vamos entender o que é
autoestima. Nada mais é do que a opinião
e o sentimento que cada pessoa tem de
si mesma: da sua aparência física, das
suas habilidades, das suas realizações
profissionais e pessoais, de suas riquezas e
de sua vida afetiva.
Ligada a autoestima está o autoconceito -
maneira como a pessoa concebe a si mesma
- que associado aos sentimentos cria
crenças de controle como a autoconfiança
- capacidade de acreditar em si, uma
combinação do sentimento de capacidade
com o sentimento de ser amado.
A autoestima é
baseada em:
Aceitar-se como você é;
Controlar suas emoções;
Negociar com os outros;
Encarar os conflitos;
Aceitar o que existe (a realidade);
Afirmar-se diante dos outros;
Ter confiança em si mesmo.
4
5
O Coaching Integral Sistêmico (CIS), me-
todologia desenvolvida pelo Ph.D em Co-
aching Paulo Vieira, traz a ideia de que é
por meio das crenças pessoais sobre quem
somos e sobre o que o mundo é que de-
terminamos todas as nossas possibilida-
des, conquistas e potencial humano. São
as crenças que também determinam onde
estamos e onde poderemos ir. As crenças
formadoras do indivíduo são profundas
podendo interferir em diversas áreas da
vida. Elas dividem-se em três categorias :
Crenças de identidade (SER), capacidade
(FAZER) e merecimento (TER).
6
COMPETÊNCIA
EMOCIONAL
CRENÇA COMPORTAMENTO/
ATITUDE
merecimento
capacidade
identidade ser
fazer
tenhoTENHO
FAÇO
SOU
Na base da pirâmide, onde está
situada a crença que define a
identidade da pessoa, encontramos o
conjunto de características pessoais
de cada indivíduo. Isso não se refere
ao que a pessoa diz ser ou gostaria
de ser, e sim às características que
moldam a autoimagem.
O que vai contribuir fortemente
para a construção da autoestima
é a maneira inconsciente pela qual
percebemos a nós mesmos. Isso
determina as escolhas, decisões e
percepção do mundo ao nosso redor.
7
VOCÊ CONTRIBUI OU DESTRÓI
A AUTOESTIMA DOS SEUS FILHOS?
A SUPERPROTEÇÃO
Além de transmitir indiretamente a informa-
ção de que a criança não é capaz de se de-
fender e agir sozinha, a deixa insegura.
EXCESSO DE LIBERDADE
Faz com que a criança se sinta abandonada,
por mais que não seja a intenção dos pais.
Após saber o que é autoestima e como ela se constrói,
descubra algumas atitudes usadas no dia a dia que
irão esclarecer se você vem contribuindo negativa-
mente na construção da autoestima do seu filho.
RELEMBRAR OS ERROS DA CRIANÇA
O TEMPO TODO
Passa a sensação de que ele não é validado
positivamente pelo que faz de bom, e que o
foco está sempre no errado.
8
VOCÊ CONTRIBUI OU DESTRÓI
A AUTOESTIMA DOS SEUS FILHOS?
CRÍTICAS CONSTANTES
Faz com que a criança sinta-se desvalorizada.
COMPARAÇÃO COM COLEGAS
OU PRIMOS
Cria uma pressão e disputa involuntária que
pode levar a frustração. A comparação tem que
ser com seu próprio comportamento anterior.
PAIS AUSENTES
As crianças necessitam dos pais presentes em
suas atividades para se sentirem amadas, se-
guras e queridas. A ausência provoca senti-
mento de abandono e insegurança.
AGRESSÕES FÍSICAS
Contribui para o surgimento da crença de desvalor.
EXPECTATIVAS ALTAS OU
BAIXAS DEMAIS
O desenvolvimento infantil tem fases que
devem ser respeitadas. Cobrar o que o filho
ainda não consegue fazer pode aflorar um
sentimento de que não é suficiente para cor-
responder às expectativas dos adultos.
PALAVRAS QUE MAGOAM
Causam sentimento de depreciação a si próprio
pela falta de qualidade das palavras.
9
VOCÊ CONTRIBUI OU DESTRÓI
A AUTOESTIMA DOS SEUS FILHOS?
EXCESSO DE ELOGIO:
O exagero faz com que a criança per-
ceba que não é real. Algumas ten-
dem a ser sonhadoras e podem viver
na ilusão, outras tendem a ser mais
realistas, estas podem perder a refe-
rência de confiança ao perceber que
“os pais estão mentindo”;
SUBESTIMAR A CAPACIDADE
DA CRIANÇA
o adulto tomar a frente em tudo
achando que por serem pequenos,
a criança é incapaz. Essa atitude
impede que se desenvolvam e bus-
quem desafios, permitindo que fa-
çam muito pouco. DISCUTIR NA PRESENÇA
DA CRIANÇA
Elas tendem a sentir-se responsáveis
pelas discussões e mau humor dos
adultos e sentem-se angustiadas. As
dificuldades entre o casal devem ser
discutidas longe da criança, uma vez
que a noção de mundo na infância é
limitada ao universo ao seu redor.
10
PROMOVENDO
AUTOESTIMA POSITIVA
Para desenvolver saudavelmente a autoestima
é necessário fazer com que a criança se sinta
apreciada, amada, querida e especial. Se
ela fizer algo errado, perceberá que mesmo
tendo dificuldades e falhando, você estará ao
seu lado, incentivando e suportando as suas
frustrações. Essa conduta evita que ela fique
com sua individualidade ferida.
Mostrando para a criança que ela tem
possibilidades de escolha, transmitimos
que cada decisão gera um resultado e
que essas decisões e escolhas são de sua
responsabilidade, assim, o pequeno entende
que pode escolher melhor da próxima vez.
De acordo com Loos e Cassemiro, o
desenvolvimento de crenças saudáveis na
infância tem relação direta com a qualidade
do clima conjugal. Pais que se abraçam,
demonstram afetividade, proporcionam
sentimentos de felicidade e satisfação
ensinam mais do que palavras, e sim, uma
espécie de modelação de amor próprio de
acordo com as ações dos pais.
VOCÊ DEVE ESTAR SE PERGUNTANDO
“COMO PROMOVER UMA AUTOESTIMA
POSITIVA NO MEU FILHO?”
Outra contribuição para autoestima
positiva são as atividades lúdicas.
Ao ler para uma criança, brincar com
ela deixando de lado distrações como
celular e televisão, oportunizam
momentos de relação que despertam
a sensação de pertencimento e
consolidam a base familiar.
Ao falar palavras de qualidade, fazer
elogios aos esforços, atitudes e
ações, faz com que a criança entenda
a mensagem de que ela é aceita
e apreciada pelos seus próprios
esforços e talentos.
Listo mais alguns comportamentos
que ajudam a constituir uma
forte autoestima, como: sorriso,
abraço, toque, aceitação, tempo de
qualidade, escuta, solidariedade,
cooperação, atitude ausente de
crítica destrutiva e atribuição de
responsabilidade. O mais importante
é demonstrar o amor.
11
12
QUAL A SOLUÇÃO?
Após perceber a importância do tema e ver
a autoestima como a fonte essencial da
alegria de viver, a família pode também ser
um fator de proteção e desenvolvimento
com qualidade, gerador de autoestima
positiva para a evolução e o prosperar.
É com base no amor e na qualidade das
relações que se desencadeia uma boa
percepção de si mesmo.
É estimulando pais e educadores a
repensarem a forma de lidar com os
menores que os conscientizamos do seu
papel enquanto agentes verdadeiramente
formadores de uma nova geração.
Ainda é possível afirmar que qualquer
pessoa que se comprometa pode superar
seus dramas de baixa autoestima e
promover mudanças significativas.
Para você que se identificou com a baixa
autoestima, saiba que esta alimenta-
se de pensamentos negativos, de
acontecimentos pejorativos, crenças de
falta de amor próprio, crenças distorcidas
de si mesmo. Ao iniciar um processo de
limpeza emocional deve-se resolver o que
está pendente. Trabalhar o perdão pelos
acontecimentos que causaram dor é o
primeiro passo para elevar a autoestima.
QUAL A SOLUÇÃO?
Aprender a confiar em si, esforçar-se
para melhorar, mas não criticar-se por não
ser tão bem-sucedido. O feito é melhor
do que o bem pensado. Não perder a
perspectiva de que há possibilidade de
aperfeiçoamento, todos estamos à mercê
da falha em algum momento. O erro é a
fórmula secreta para o grande sucesso.
Os vencedores se permitem errar e não
sofrem quando os cometem.
UM ERRO NÃO É UM FRACASSO,
APENAS UM RESULTADO E UMA
APRENDIZAGEM DE COMO NÃO
FAZER NOVAMENTE.
13
14
FORMA DE PROMOVER
MUDANÇAS DAS CRENÇAS
Como mudar as crenças pessoais em benefício do indivíduo? Por meio
da Matriz Ativa de Formação de Crenças que consiste num processo
iniciando pela produção intencional de uma comunicação de vitória e
finaliza com a alteração das crenças.
COMUNICAR E AGIR
1
PENSAR
2
SENTIR
3
CRENÇAS
RESULTADOS
15
Aprecio muito a verdade que traz
uma fala de Carl Gustav Jung,
psiquiatra, psicoterapeuta e
fundador da Psicologia Analítica:
“Eu não sou o que aconteceu
comigo, eu sou o que eu escolhi me
tornar.” Ainda as sábias palavras do
escritor francês, Jean-Paul Sartre,
conhecido por ser representante do
existencialismo: “O importante não
é aquilo que fazem de nós, mas sim
o que nós próprios fazemos com
aquilo que fizeram de nós.”
Ambas citações acima se parecem
com o conceito trabalhado no
Coaching Integral Sistêmico, ligando
o peso do foco as ações - regra
10/90. Essa regra traz a premissa de
que 10% é o fato acontecido e 90%
corresponde à decisão de como você
vai enfrentar a situação. Ou seja, o
fato 10%, não é alterado, mas os 90%
restantes você tem o livre arbítrio de
escolher como será o enfrentamento:
se positivo ou negativo.
Para finalizar, independente dos
acontecimentos, fica a reflexão, de
Barbara Polletti, “você se torna o que
pensa, você se torna o que vê, você
se torna o que escuta, você se torna o
que ama.”
FORMA DE PROMOVER
MUDANÇAS DAS CRENÇAS
EM OUTRAS PALAVRAS, APESAR
DA PROGRAMAÇÃO QUE FIZERAM
EM VOCÊ, DO AMBIENTE QUE
CRESCEU, VOCÊ PODE SIM SE
TORNAR QUEM DESEJA POR MEIO
DA REPROGRAMAÇÃO DE CRENÇAS.
16
CENTRAL
0800 280 3155
CENTRAL
0800 280 3155
ACESSE
FEBRACIS.COM.BR
contato@febracis.com.br
/febraciscoaching
@febraciscoaching
/PAULOIPV

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Psicologia estadios de erikson
Psicologia   estadios de eriksonPsicologia   estadios de erikson
Psicologia estadios de eriksonAna Cláudia
 
Estádios de Erikson
Estádios de EriksonEstádios de Erikson
Estádios de EriksonTeeOliveira
 
Oito idades do homem
Oito idades do homemOito idades do homem
Oito idades do homemjalvesbts
 
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento PsicossocialErik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocialmarta12l
 
Estádios de Erikson
Estádios de Erikson Estádios de Erikson
Estádios de Erikson klismael
 
A teoria de erikson
A teoria de eriksonA teoria de erikson
A teoria de eriksonPsicologia4
 
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento PsicossocialErik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocialmarta12l
 
Principais teorias da adolescência
Principais teorias da adolescênciaPrincipais teorias da adolescência
Principais teorias da adolescênciaViviane Pasqualeto
 
Desenvolvimento erikson
Desenvolvimento eriksonDesenvolvimento erikson
Desenvolvimento eriksonAna Lopes
 
2012-04-22-Palestra-Como Entender os Sinais-Rosana De Rosa
2012-04-22-Palestra-Como Entender os Sinais-Rosana De Rosa2012-04-22-Palestra-Como Entender os Sinais-Rosana De Rosa
2012-04-22-Palestra-Como Entender os Sinais-Rosana De RosaRosana De Rosa
 
A Teoria de Erikson
A Teoria de EriksonA Teoria de Erikson
A Teoria de Eriksonjunioragogo
 
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialErikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialpsicologiaazambuja
 
Sem tempo para ser criança a infância estressada
Sem tempo para ser criança   a infância estressadaSem tempo para ser criança   a infância estressada
Sem tempo para ser criança a infância estressadaSimoneHelenDrumond
 
Conflitos na adolescência - Blog Desafio da Psicopedagogia
Conflitos na adolescência - Blog Desafio da PsicopedagogiaConflitos na adolescência - Blog Desafio da Psicopedagogia
Conflitos na adolescência - Blog Desafio da PsicopedagogiaPaulo Martins
 

Mais procurados (19)

Psicologia estadios de erikson
Psicologia   estadios de eriksonPsicologia   estadios de erikson
Psicologia estadios de erikson
 
Estádios de Erikson
Estádios de EriksonEstádios de Erikson
Estádios de Erikson
 
Oito idades do homem
Oito idades do homemOito idades do homem
Oito idades do homem
 
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento PsicossocialErik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
 
Estádios de Erikson
Estádios de Erikson Estádios de Erikson
Estádios de Erikson
 
A teoria de erikson
A teoria de eriksonA teoria de erikson
A teoria de erikson
 
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento PsicossocialErik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
Erik erikson - Desenvolvimento Psicossocial
 
Erikson
EriksonErikson
Erikson
 
Principais teorias da adolescência
Principais teorias da adolescênciaPrincipais teorias da adolescência
Principais teorias da adolescência
 
Erikson
EriksonErikson
Erikson
 
Formacao Do Autoconceito
Formacao Do AutoconceitoFormacao Do Autoconceito
Formacao Do Autoconceito
 
Desenvolvimento erikson
Desenvolvimento eriksonDesenvolvimento erikson
Desenvolvimento erikson
 
2012-04-22-Palestra-Como Entender os Sinais-Rosana De Rosa
2012-04-22-Palestra-Como Entender os Sinais-Rosana De Rosa2012-04-22-Palestra-Como Entender os Sinais-Rosana De Rosa
2012-04-22-Palestra-Como Entender os Sinais-Rosana De Rosa
 
A Teoria de Erikson
A Teoria de EriksonA Teoria de Erikson
A Teoria de Erikson
 
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialErikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
 
Identidade adolescente
Identidade adolescenteIdentidade adolescente
Identidade adolescente
 
Aec auto estima
Aec auto estimaAec auto estima
Aec auto estima
 
Sem tempo para ser criança a infância estressada
Sem tempo para ser criança   a infância estressadaSem tempo para ser criança   a infância estressada
Sem tempo para ser criança a infância estressada
 
Conflitos na adolescência - Blog Desafio da Psicopedagogia
Conflitos na adolescência - Blog Desafio da PsicopedagogiaConflitos na adolescência - Blog Desafio da Psicopedagogia
Conflitos na adolescência - Blog Desafio da Psicopedagogia
 

Semelhante a Como aumentar a auto estima do seu filho

COMPETENCIAS EMOCIONAIS - VERNY.ppt
COMPETENCIAS EMOCIONAIS - VERNY.pptCOMPETENCIAS EMOCIONAIS - VERNY.ppt
COMPETENCIAS EMOCIONAIS - VERNY.pptGernciadeSupervisoEd
 
9 passos para aprender a se amar
9 passos para aprender a se amar9 passos para aprender a se amar
9 passos para aprender a se amarOgum
 
Educar crianças confiantes e competentes
Educar crianças confiantes e competentesEducar crianças confiantes e competentes
Educar crianças confiantes e competenteswebcuco.com
 
Apresentação auto estima grupo 1
Apresentação auto estima grupo 1Apresentação auto estima grupo 1
Apresentação auto estima grupo 1pedagogicosjdelrei
 
Desafios na Comunicação entre Pais e Filhos.pdf
Desafios na Comunicação entre Pais e Filhos.pdfDesafios na Comunicação entre Pais e Filhos.pdf
Desafios na Comunicação entre Pais e Filhos.pdfbelacorsim
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasdiegosouzalira10
 
AUTOESTIMA E EMOÇÕES, mulher no cuidado com com saude emocional slides.pptx
AUTOESTIMA  E EMOÇÕES, mulher no cuidado com com saude emocional slides.pptxAUTOESTIMA  E EMOÇÕES, mulher no cuidado com com saude emocional slides.pptx
AUTOESTIMA E EMOÇÕES, mulher no cuidado com com saude emocional slides.pptxAdrianaMesquita18
 
teste de autoestima e evoluo espiritual.pdf
teste de autoestima e evoluo espiritual.pdfteste de autoestima e evoluo espiritual.pdf
teste de autoestima e evoluo espiritual.pdfTelma Lima
 
Aplicações da psicanálise à educação
Aplicações da psicanálise à educaçãoAplicações da psicanálise à educação
Aplicações da psicanálise à educaçãoPriscillaTomazi2015
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1Denise A.
 
A infância com disciplina positiva
A infância com disciplina positivaA infância com disciplina positiva
A infância com disciplina positivaLilian Ferraz
 

Semelhante a Como aumentar a auto estima do seu filho (20)

Autoestima - Prof. Dra. Beatriz Acampora
Autoestima - Prof. Dra. Beatriz AcamporaAutoestima - Prof. Dra. Beatriz Acampora
Autoestima - Prof. Dra. Beatriz Acampora
 
Autoestima Infantil
Autoestima InfantilAutoestima Infantil
Autoestima Infantil
 
Crescer sim
Crescer simCrescer sim
Crescer sim
 
COMPETENCIAS EMOCIONAIS - VERNY.ppt
COMPETENCIAS EMOCIONAIS - VERNY.pptCOMPETENCIAS EMOCIONAIS - VERNY.ppt
COMPETENCIAS EMOCIONAIS - VERNY.ppt
 
9 passos para aprender a se amar
9 passos para aprender a se amar9 passos para aprender a se amar
9 passos para aprender a se amar
 
janeiro branco.pptx
janeiro branco.pptxjaneiro branco.pptx
janeiro branco.pptx
 
Educar crianças confiantes e competentes
Educar crianças confiantes e competentesEducar crianças confiantes e competentes
Educar crianças confiantes e competentes
 
Apresentação auto estima grupo 1
Apresentação auto estima grupo 1Apresentação auto estima grupo 1
Apresentação auto estima grupo 1
 
Ateoriadeerikson as8idadesdh
Ateoriadeerikson as8idadesdhAteoriadeerikson as8idadesdh
Ateoriadeerikson as8idadesdh
 
Desafios na Comunicação entre Pais e Filhos.pdf
Desafios na Comunicação entre Pais e Filhos.pdfDesafios na Comunicação entre Pais e Filhos.pdf
Desafios na Comunicação entre Pais e Filhos.pdf
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
 
Projeto E- Formador.pptx
Projeto E- Formador.pptxProjeto E- Formador.pptx
Projeto E- Formador.pptx
 
AUTOESTIMA E EMOÇÕES, mulher no cuidado com com saude emocional slides.pptx
AUTOESTIMA  E EMOÇÕES, mulher no cuidado com com saude emocional slides.pptxAUTOESTIMA  E EMOÇÕES, mulher no cuidado com com saude emocional slides.pptx
AUTOESTIMA E EMOÇÕES, mulher no cuidado com com saude emocional slides.pptx
 
teste de autoestima e evoluo espiritual.pdf
teste de autoestima e evoluo espiritual.pdfteste de autoestima e evoluo espiritual.pdf
teste de autoestima e evoluo espiritual.pdf
 
Pp auto estima e evolução espiritual 2017
Pp auto estima e evolução espiritual 2017Pp auto estima e evolução espiritual 2017
Pp auto estima e evolução espiritual 2017
 
Aplicações da psicanálise à educação
Aplicações da psicanálise à educaçãoAplicações da psicanálise à educação
Aplicações da psicanálise à educação
 
Autoestima
AutoestimaAutoestima
Autoestima
 
Autoestima
AutoestimaAutoestima
Autoestima
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
A infância com disciplina positiva
A infância com disciplina positivaA infância com disciplina positiva
A infância com disciplina positiva
 

Último

Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxpatriciapedroso82
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024azulassessoria9
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfAntonio Barros
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 

Último (20)

Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 

Como aumentar a auto estima do seu filho

  • 1. COMO VOCÊ CONTRIBUI PARA A AUTOESTIMA DO SEU FILHO? Por Carina Padovan – Master Trainer Febracis Curitiba
  • 2. 2 Cada vez mais pesquisadores têm se ocupado, mostrando-se interessados pelo estudo do comportamento humano. Dentre estes estudos, os cientistas estão proporcionando espaço sobre a influência da família no desenvolvimento das crianças e adolescentes. Nos últimos anos, estudos apontam que os pais produzem contextos adversos, avessos a um desenvolvimento saudável tanto comportamental, quanto psicológico dos seus filhos. Isso acontece, por meio dos valores, sistemas de crenças dos pais, de suas expectativas, de seus padrões de comportamento e do clima instalado no lar.
  • 3. 3 A família pode funcionar como um fator de risco ao desenvolvimento infantil afetando a autoestima, a autoconfiança e o autoconceito, quando a interação é pautada na comunicação negativa, punição física, agressão verbal, regras aplicadas de forma inconsistente e desequilíbrio da harmonia do casal. Fala-se muito da autoestima, seja ela baixa ou alta. Tema que vai do ‘boca a boca’ de uma forma superficial, mas que em sua essência tem um papel profundo na construção do indivíduo, impactando de forma tanto positiva como negativa a vida das pessoas. Diversos estudos apontam a baixa autoestima como fator que influencia diretamente a imagem corporal, a beleza e a estética. O assunto vai muito além dessa ótica superficial. Foi possível encontrar correlações como o processo de envelhecer, a vaidade feminina, a algumas doenças crônicas como HIV, doença renal, câncer e tratamentos ortodônticos, foi possível encontrar também a associação a gestantes, dependência química e transtorno alimentar. Muito se fala também desse tema no âmbito escolar, na aprendizagem, entre outros. É POR ISSO QUE TRAGO A SEGUINTE REFLEXÃO: “COMO VOCÊ CONTRIBUI PARA A AUTOESTIMA DO SEU FILHO?”
  • 4. O QUE É AUTOESTIMA? Primeiramente vamos entender o que é autoestima. Nada mais é do que a opinião e o sentimento que cada pessoa tem de si mesma: da sua aparência física, das suas habilidades, das suas realizações profissionais e pessoais, de suas riquezas e de sua vida afetiva. Ligada a autoestima está o autoconceito - maneira como a pessoa concebe a si mesma - que associado aos sentimentos cria crenças de controle como a autoconfiança - capacidade de acreditar em si, uma combinação do sentimento de capacidade com o sentimento de ser amado. A autoestima é baseada em: Aceitar-se como você é; Controlar suas emoções; Negociar com os outros; Encarar os conflitos; Aceitar o que existe (a realidade); Afirmar-se diante dos outros; Ter confiança em si mesmo. 4
  • 5. 5 O Coaching Integral Sistêmico (CIS), me- todologia desenvolvida pelo Ph.D em Co- aching Paulo Vieira, traz a ideia de que é por meio das crenças pessoais sobre quem somos e sobre o que o mundo é que de- terminamos todas as nossas possibilida- des, conquistas e potencial humano. São as crenças que também determinam onde estamos e onde poderemos ir. As crenças formadoras do indivíduo são profundas podendo interferir em diversas áreas da vida. Elas dividem-se em três categorias : Crenças de identidade (SER), capacidade (FAZER) e merecimento (TER).
  • 6. 6 COMPETÊNCIA EMOCIONAL CRENÇA COMPORTAMENTO/ ATITUDE merecimento capacidade identidade ser fazer tenhoTENHO FAÇO SOU Na base da pirâmide, onde está situada a crença que define a identidade da pessoa, encontramos o conjunto de características pessoais de cada indivíduo. Isso não se refere ao que a pessoa diz ser ou gostaria de ser, e sim às características que moldam a autoimagem. O que vai contribuir fortemente para a construção da autoestima é a maneira inconsciente pela qual percebemos a nós mesmos. Isso determina as escolhas, decisões e percepção do mundo ao nosso redor.
  • 7. 7 VOCÊ CONTRIBUI OU DESTRÓI A AUTOESTIMA DOS SEUS FILHOS? A SUPERPROTEÇÃO Além de transmitir indiretamente a informa- ção de que a criança não é capaz de se de- fender e agir sozinha, a deixa insegura. EXCESSO DE LIBERDADE Faz com que a criança se sinta abandonada, por mais que não seja a intenção dos pais. Após saber o que é autoestima e como ela se constrói, descubra algumas atitudes usadas no dia a dia que irão esclarecer se você vem contribuindo negativa- mente na construção da autoestima do seu filho. RELEMBRAR OS ERROS DA CRIANÇA O TEMPO TODO Passa a sensação de que ele não é validado positivamente pelo que faz de bom, e que o foco está sempre no errado.
  • 8. 8 VOCÊ CONTRIBUI OU DESTRÓI A AUTOESTIMA DOS SEUS FILHOS? CRÍTICAS CONSTANTES Faz com que a criança sinta-se desvalorizada. COMPARAÇÃO COM COLEGAS OU PRIMOS Cria uma pressão e disputa involuntária que pode levar a frustração. A comparação tem que ser com seu próprio comportamento anterior. PAIS AUSENTES As crianças necessitam dos pais presentes em suas atividades para se sentirem amadas, se- guras e queridas. A ausência provoca senti- mento de abandono e insegurança. AGRESSÕES FÍSICAS Contribui para o surgimento da crença de desvalor. EXPECTATIVAS ALTAS OU BAIXAS DEMAIS O desenvolvimento infantil tem fases que devem ser respeitadas. Cobrar o que o filho ainda não consegue fazer pode aflorar um sentimento de que não é suficiente para cor- responder às expectativas dos adultos. PALAVRAS QUE MAGOAM Causam sentimento de depreciação a si próprio pela falta de qualidade das palavras.
  • 9. 9 VOCÊ CONTRIBUI OU DESTRÓI A AUTOESTIMA DOS SEUS FILHOS? EXCESSO DE ELOGIO: O exagero faz com que a criança per- ceba que não é real. Algumas ten- dem a ser sonhadoras e podem viver na ilusão, outras tendem a ser mais realistas, estas podem perder a refe- rência de confiança ao perceber que “os pais estão mentindo”; SUBESTIMAR A CAPACIDADE DA CRIANÇA o adulto tomar a frente em tudo achando que por serem pequenos, a criança é incapaz. Essa atitude impede que se desenvolvam e bus- quem desafios, permitindo que fa- çam muito pouco. DISCUTIR NA PRESENÇA DA CRIANÇA Elas tendem a sentir-se responsáveis pelas discussões e mau humor dos adultos e sentem-se angustiadas. As dificuldades entre o casal devem ser discutidas longe da criança, uma vez que a noção de mundo na infância é limitada ao universo ao seu redor.
  • 10. 10 PROMOVENDO AUTOESTIMA POSITIVA Para desenvolver saudavelmente a autoestima é necessário fazer com que a criança se sinta apreciada, amada, querida e especial. Se ela fizer algo errado, perceberá que mesmo tendo dificuldades e falhando, você estará ao seu lado, incentivando e suportando as suas frustrações. Essa conduta evita que ela fique com sua individualidade ferida. Mostrando para a criança que ela tem possibilidades de escolha, transmitimos que cada decisão gera um resultado e que essas decisões e escolhas são de sua responsabilidade, assim, o pequeno entende que pode escolher melhor da próxima vez. De acordo com Loos e Cassemiro, o desenvolvimento de crenças saudáveis na infância tem relação direta com a qualidade do clima conjugal. Pais que se abraçam, demonstram afetividade, proporcionam sentimentos de felicidade e satisfação ensinam mais do que palavras, e sim, uma espécie de modelação de amor próprio de acordo com as ações dos pais. VOCÊ DEVE ESTAR SE PERGUNTANDO “COMO PROMOVER UMA AUTOESTIMA POSITIVA NO MEU FILHO?”
  • 11. Outra contribuição para autoestima positiva são as atividades lúdicas. Ao ler para uma criança, brincar com ela deixando de lado distrações como celular e televisão, oportunizam momentos de relação que despertam a sensação de pertencimento e consolidam a base familiar. Ao falar palavras de qualidade, fazer elogios aos esforços, atitudes e ações, faz com que a criança entenda a mensagem de que ela é aceita e apreciada pelos seus próprios esforços e talentos. Listo mais alguns comportamentos que ajudam a constituir uma forte autoestima, como: sorriso, abraço, toque, aceitação, tempo de qualidade, escuta, solidariedade, cooperação, atitude ausente de crítica destrutiva e atribuição de responsabilidade. O mais importante é demonstrar o amor. 11
  • 12. 12 QUAL A SOLUÇÃO? Após perceber a importância do tema e ver a autoestima como a fonte essencial da alegria de viver, a família pode também ser um fator de proteção e desenvolvimento com qualidade, gerador de autoestima positiva para a evolução e o prosperar. É com base no amor e na qualidade das relações que se desencadeia uma boa percepção de si mesmo. É estimulando pais e educadores a repensarem a forma de lidar com os menores que os conscientizamos do seu papel enquanto agentes verdadeiramente formadores de uma nova geração. Ainda é possível afirmar que qualquer pessoa que se comprometa pode superar seus dramas de baixa autoestima e promover mudanças significativas. Para você que se identificou com a baixa autoestima, saiba que esta alimenta- se de pensamentos negativos, de acontecimentos pejorativos, crenças de falta de amor próprio, crenças distorcidas de si mesmo. Ao iniciar um processo de limpeza emocional deve-se resolver o que está pendente. Trabalhar o perdão pelos acontecimentos que causaram dor é o primeiro passo para elevar a autoestima.
  • 13. QUAL A SOLUÇÃO? Aprender a confiar em si, esforçar-se para melhorar, mas não criticar-se por não ser tão bem-sucedido. O feito é melhor do que o bem pensado. Não perder a perspectiva de que há possibilidade de aperfeiçoamento, todos estamos à mercê da falha em algum momento. O erro é a fórmula secreta para o grande sucesso. Os vencedores se permitem errar e não sofrem quando os cometem. UM ERRO NÃO É UM FRACASSO, APENAS UM RESULTADO E UMA APRENDIZAGEM DE COMO NÃO FAZER NOVAMENTE. 13
  • 14. 14 FORMA DE PROMOVER MUDANÇAS DAS CRENÇAS Como mudar as crenças pessoais em benefício do indivíduo? Por meio da Matriz Ativa de Formação de Crenças que consiste num processo iniciando pela produção intencional de uma comunicação de vitória e finaliza com a alteração das crenças. COMUNICAR E AGIR 1 PENSAR 2 SENTIR 3 CRENÇAS RESULTADOS
  • 15. 15 Aprecio muito a verdade que traz uma fala de Carl Gustav Jung, psiquiatra, psicoterapeuta e fundador da Psicologia Analítica: “Eu não sou o que aconteceu comigo, eu sou o que eu escolhi me tornar.” Ainda as sábias palavras do escritor francês, Jean-Paul Sartre, conhecido por ser representante do existencialismo: “O importante não é aquilo que fazem de nós, mas sim o que nós próprios fazemos com aquilo que fizeram de nós.” Ambas citações acima se parecem com o conceito trabalhado no Coaching Integral Sistêmico, ligando o peso do foco as ações - regra 10/90. Essa regra traz a premissa de que 10% é o fato acontecido e 90% corresponde à decisão de como você vai enfrentar a situação. Ou seja, o fato 10%, não é alterado, mas os 90% restantes você tem o livre arbítrio de escolher como será o enfrentamento: se positivo ou negativo. Para finalizar, independente dos acontecimentos, fica a reflexão, de Barbara Polletti, “você se torna o que pensa, você se torna o que vê, você se torna o que escuta, você se torna o que ama.” FORMA DE PROMOVER MUDANÇAS DAS CRENÇAS EM OUTRAS PALAVRAS, APESAR DA PROGRAMAÇÃO QUE FIZERAM EM VOCÊ, DO AMBIENTE QUE CRESCEU, VOCÊ PODE SIM SE TORNAR QUEM DESEJA POR MEIO DA REPROGRAMAÇÃO DE CRENÇAS.
  • 16. 16 CENTRAL 0800 280 3155 CENTRAL 0800 280 3155 ACESSE FEBRACIS.COM.BR contato@febracis.com.br /febraciscoaching @febraciscoaching /PAULOIPV