SlideShare uma empresa Scribd logo
Fluxo de energia


Qual a fonte primária de energia nos ecossistemas?
Fluxo de energia


Que tipo de seres vivos aproveitam essa energia?

 Plantas
Fluxo de energia


Que tipo de seres vivos aproveitam essa energia?

 Algas verdes

 Cianobactérias
Fluxo de energia


Como é que essa energia entra no ciclo biológico?
CO2

Energia
luminosa

O2

Água

Matéria
orgânica
Água

FOTOSSÍNTESE
Fluxo de energia


A maior parte da vida terrestre depende da energia luminosa
emitida pelo Sol.



Apenas 40% da energia luminosa que atinge a Terra atinge a
superfície terrestre.



Desta, menos de 5% é aproveitada pelos seres fotossintéticos.



Os seres fotossintéticos são seres vivos que aproveitam a
energia solar, como as plantas e outros organismos semelhantes
(algas verdes e cianobactérias).



A energia entra no ciclo biológico através da fotossíntese.
Fluxo de energia
 Fotossíntese


A fotossíntese é a transformação da energia luminosa em
energia química.



Essa energia vai ficar armazenada nos compostos orgânicos
que a planta produz.



A fotossíntese depende da energia luminosa, em que a planta
utiliza dióxido de carbono (CO2) e água para produzir
substâncias orgânicas (que passam a fazer parte do seu
próprio organismo).



Durante a fotossíntese, a planta liberta algumas substâncias
que não necessita, como o oxigénio (O2). Este gás é
fundamental para a respiração de muitos seres vivos.
Fluxo de energia
 Seres

produtores ou seres consumidores?
Fluxo de energia
 Seres

produtores ou seres consumidores?
Fluxo de energia
 Seres

produtores ou seres consumidores?
Fluxo de energia
 Seres

produtores e seres consumidores

 Seres produtores – Seres que, através da
fotossíntese, produzem compostos orgânicos, que
passam a fazer parte do seu próprio organismo
(plantas, algas verdes e cianobactérias).
 São também chamados de seres autotróficos.
Fluxo de energia
 Seres

produtores e seres consumidores

 Seres consumidores – Seres que se alimentam de
matéria orgânica, a partir da qual produzem a própria
matéria orgânica que os constitui (herbívoros,
carnívoros, omnívoros, etc.).
 São também chamados de seres heterotróficos.
Fluxo de energia


Que relações alimentares se estabelecem entre os
seres vivos?


Os seres vivos de um ecossistema estão relacionados entre si
devido à alimentação.



Essas relações alimentares podem representar-se por
sequências de seres vivos, através das quais o alimento passa.



Essas sequências são chamadas de cadeias alimentares.
Fluxo de energia


Cadeias alimentares


Cada cadeia alimentar inicia-se por um produtor, que será
fonte de alimento para um consumidor.



Esse consumidor, porque se alimenta de um produtor, é
chamado de consumidor primário (ou consumidor de 1ª ordem).



O consumidor primário vai servir de alimento para um
consumidor secundário (ou consumidor de 2ª ordem).



Este, por sua vez, vai servir de alimento a um consumidor
terciário (ou consumidor de 3ª ordem), e assim sucessivamente.
Castanheiro – Produzo
ramos com folhas e
apetitosas castanhas.
Fluxo de energia
Fluxo de energia


Níveis tróficos


O conjunto de organismos de um ecossistema que possui o
mesmo tipo de alimentação constitui um nível trófico.



Assim, os produtores, que são seres autotróficos, ocupam o 1º
nível trófico.



Os consumidores primários, que se alimentam dos produtores,
ocupam o 2º nível trófico. É o caso dos herbívoros.



Os consumidores secundários (carnívoros), que se alimentam
dos consumidores primários (herbívoros), ocupam o 3º nível
trófico, e assim sucessivamente.
Fluxo de energia
Castanheiro – Produzo
ramos com folhas e
apetitosas castanhas.
Fluxo de energia


Teias alimentares


Normalmente, as cadeias alimentares não estão isoladas nos
ecossistemas.



Como são raros os casos em que um organismo se alimenta de
uma única espécie, as cadeias alimentares estão interligadas, ou
seja, o mesmo tipo de organismo pode pertencer a várias
cadeias alimentares e, por isso, pode ocupar diferentes níveis
tróficos.



Portanto, o que existe na realidade são teias alimentares, ou
redes tróficas, em que muitas cadeias alimentares se cruzam.
Fluxo de energia
Fluxo de energia


Reciclagem dos materiais orgânicos e inorgânicos


Todos os seres vivos, ao longo da sua existência, vão perdendo
partes do seu corpo (folhas, flores, frutos, pêlos, penas, pele,
etc.).



Por outro lado, também produzem excreções (fezes e urina).



Além disso, são todos mortais.



Existem, por isso, organismos que se especializaram na
decomposição da matéria orgânica morta. São os seres
decompositores.
Fluxo de energia


Reciclagem dos materiais orgânicos e inorgânicos


Os decompositores são organismos heterotróficos, e
agrupam-se em duas categorias:
- Mesobiota – Animais de pequenas dimensões, como
insectos, aranhas, minhocas, etc.
- Microbiota – Microrganismos, como algas, bactérias e
fungos.
Fluxo de energia
Fluxo de energia


Reciclagem dos materiais orgânicos e inorgânicos


Os decompositores dão início a um segundo tipo de
cadeias tróficas, em que o resultado final é a transformação
da matéria orgânica (restos de seres vivos, excrementos,
etc.) em matéria inorgânica (sais minerais).



Estes sais minerais vão ser reutilizados pelos seres
produtores, contribuindo assim para o permanente
funcionamento dos ecossistemas.
Fluxo de energia
Fluxo de energia
 Percurso

da energia nos ecossistemas



Na Natureza, a energia manifesta-se de várias
formas.



Essas diferentes formas de energia podem ser:
energia eólica, eléctrica, solar, química, etc.



Cada forma de energia pode converter-se noutra.
Fluxo de energia
 Energia

eólica
Fluxo de energia
 Energia

eléctrica
Fluxo de energia
 Energia

solar
Fluxo de energia
 Energia

química
Fluxo de energia


Percurso da energia nos ecossistemas


Nos ecossistemas, a energia solar é aproveitada pelos seres
produtores para convertê-la em energia química.



A energia química vai ficar armazenada na matéria orgânica,
que os seres produtores obtêm quando realizam a
fotossíntese.



Este tipo de energia vai ser transferida pelos consumidores
através do processo de nutrição.



Nos consumidores, a energia química vai ser convertida em
energia mecânica, utilizada nos movimentos, e em energia
calorífica, manifestada na respiração e transpiração.
Fluxo de energia


Percurso da energia nos ecossistemas


Em cada nível trófico, há gastos energéticos, energia essa
que é utilizada para a manutenção e crescimento dos
organismos. Essa energia perde-se irreversivelmente.



Assim, de um nível trófico para o nível seguinte, a energia
que fica disponível é cada vez menor.



Calcula-se que, da energia disponível em cada nível trófico,
só 10% é aproveitada pelo nível trófico seguinte.



Portanto, a energia nos ecossistemas corre num fluxo com
um só sentido, ou seja, é unidireccional.
Fluxo de energia
Fluxo de energia


Pirâmides ecológicas


A estrutura trófica dos ecossistemas pode ser representada
por pirâmides ecológicas.



Estas pirâmides representam as transferências de matéria
e de energia desde os produtores até ao último nível dos
consumidores.



Cada degrau da pirâmide representa um nível trófico. A
base é constituída pelos produtores e os sucessivos níveis
por consumidores, até ao vértice.
Fluxo de energia


Pirâmides ecológicas


As pirâmides ecológicas podem representar:
- O número de organismos – pirâmides de números
- A quantidade de energia – pirâmides de energia
- A quantidade de matéria orgânica existente em cada
nível trófico – pirâmides de biomassa
Fluxo de energia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemasFluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Fluxo de energia e ciclo de matéria
Fluxo de energia e ciclo de matériaFluxo de energia e ciclo de matéria
Fluxo de energia e ciclo de matéria
adelinacgomes
 
Fluxo de energia e cadeias alimentares
Fluxo de energia e cadeias alimentaresFluxo de energia e cadeias alimentares
Fluxo de energia e cadeias alimentares
Pelo Siro
 
Aula 1 conceitos de ecologia
Aula 1   conceitos de ecologiaAula 1   conceitos de ecologia
Aula 1 conceitos de ecologia
Grupo UNIASSELVI
 
Fluxos de energia e ciclo de matéria ii
Fluxos de energia e ciclo de matéria iiFluxos de energia e ciclo de matéria ii
Fluxos de energia e ciclo de matéria ii
Cristina Vitória
 
Fluxo de energia
Fluxo de energiaFluxo de energia
Fluxo de energia
Catir
 
Cadeia e teia_alimentar_5_e_6
Cadeia e teia_alimentar_5_e_6Cadeia e teia_alimentar_5_e_6
Cadeia e teia_alimentar_5_e_6
Raffaella Lima
 
Fluxo de energia e circulação de matéria nos ecossistemas
Fluxo de energia e circulação de matéria nos ecossistemasFluxo de energia e circulação de matéria nos ecossistemas
Fluxo de energia e circulação de matéria nos ecossistemas
isabelalexandrapinto
 
Aula ecologia.
Aula ecologia.Aula ecologia.
Aula ecologia.
Gov. Estado do Paraná
 
Fluxo energia e ciclo de matéria
Fluxo energia e ciclo de matériaFluxo energia e ciclo de matéria
Fluxo energia e ciclo de matéria
Isabel Lopes
 
Fluxo de Energia
Fluxo de EnergiaFluxo de Energia
Fluxo de Energia
Turma Olímpica
 
I. 2 Origem da vida
I. 2 Origem da vidaI. 2 Origem da vida
I. 2 Origem da vida
Rebeca Vale
 
Ecologia - Introdução
Ecologia - IntroduçãoEcologia - Introdução
Ecologia - Introdução
Killer Max
 
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemasFluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Leonardo Alves
 
Ecologia
Ecologia Ecologia
Ecologia
Ecologia Ecologia
Ecologia
DeaaSouza
 
Cadeia e teia alimentar
Cadeia e teia alimentarCadeia e teia alimentar
Cadeia e teia alimentar
Estude Mais
 
Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos
Leandro A. Machado de Moura
 
Conceitos De Ecologia Aula
Conceitos De Ecologia AulaConceitos De Ecologia Aula
Conceitos De Ecologia Aula
CPM
 
Dinâmica de Populações
Dinâmica de PopulaçõesDinâmica de Populações
Dinâmica de Populações
Turma Olímpica
 

Mais procurados (20)

Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemasFluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
 
Fluxo de energia e ciclo de matéria
Fluxo de energia e ciclo de matériaFluxo de energia e ciclo de matéria
Fluxo de energia e ciclo de matéria
 
Fluxo de energia e cadeias alimentares
Fluxo de energia e cadeias alimentaresFluxo de energia e cadeias alimentares
Fluxo de energia e cadeias alimentares
 
Aula 1 conceitos de ecologia
Aula 1   conceitos de ecologiaAula 1   conceitos de ecologia
Aula 1 conceitos de ecologia
 
Fluxos de energia e ciclo de matéria ii
Fluxos de energia e ciclo de matéria iiFluxos de energia e ciclo de matéria ii
Fluxos de energia e ciclo de matéria ii
 
Fluxo de energia
Fluxo de energiaFluxo de energia
Fluxo de energia
 
Cadeia e teia_alimentar_5_e_6
Cadeia e teia_alimentar_5_e_6Cadeia e teia_alimentar_5_e_6
Cadeia e teia_alimentar_5_e_6
 
Fluxo de energia e circulação de matéria nos ecossistemas
Fluxo de energia e circulação de matéria nos ecossistemasFluxo de energia e circulação de matéria nos ecossistemas
Fluxo de energia e circulação de matéria nos ecossistemas
 
Aula ecologia.
Aula ecologia.Aula ecologia.
Aula ecologia.
 
Fluxo energia e ciclo de matéria
Fluxo energia e ciclo de matériaFluxo energia e ciclo de matéria
Fluxo energia e ciclo de matéria
 
Fluxo de Energia
Fluxo de EnergiaFluxo de Energia
Fluxo de Energia
 
I. 2 Origem da vida
I. 2 Origem da vidaI. 2 Origem da vida
I. 2 Origem da vida
 
Ecologia - Introdução
Ecologia - IntroduçãoEcologia - Introdução
Ecologia - Introdução
 
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemasFluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
 
Ecologia
Ecologia Ecologia
Ecologia
 
Ecologia
Ecologia Ecologia
Ecologia
 
Cadeia e teia alimentar
Cadeia e teia alimentarCadeia e teia alimentar
Cadeia e teia alimentar
 
Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos
 
Conceitos De Ecologia Aula
Conceitos De Ecologia AulaConceitos De Ecologia Aula
Conceitos De Ecologia Aula
 
Dinâmica de Populações
Dinâmica de PopulaçõesDinâmica de Populações
Dinâmica de Populações
 

Destaque

Fundamento de Ecologia - fluxo de energia (nível superior)
Fundamento de Ecologia -  fluxo de energia (nível superior)Fundamento de Ecologia -  fluxo de energia (nível superior)
Fundamento de Ecologia - fluxo de energia (nível superior)
Marcelo Gomes
 
Aula 8º ano fluxo de energia
Aula 8º ano fluxo de energiaAula 8º ano fluxo de energia
Aula 8º ano fluxo de energia
Liliane Morgado
 
Fluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéraFluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéra
Carla Brites
 
3. fluxo de energia e ciclos de matéria
3. fluxo de energia e ciclos de matéria3. fluxo de energia e ciclos de matéria
3. fluxo de energia e ciclos de matéria
Margarida Cardoso
 
Resumo fluxo de energia e ciclo da matéria
Resumo fluxo de energia e ciclo da matériaResumo fluxo de energia e ciclo da matéria
Resumo fluxo de energia e ciclo da matéria
Lucca
 
Relações ecológicas, Cadeias e Teias Alimentares
Relações ecológicas, Cadeias e Teias AlimentaresRelações ecológicas, Cadeias e Teias Alimentares
Relações ecológicas, Cadeias e Teias Alimentares
Marcos Medeiros
 
Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;
Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;
Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;
s1lv1alouro
 
Ecossistemas - fatores abióticos
Ecossistemas - fatores abióticosEcossistemas - fatores abióticos
Ecossistemas - fatores abióticos
mariacarmoteixeira
 
1o ano fluxo e pirâmides de energia
1o ano   fluxo  e pirâmides de energia1o ano   fluxo  e pirâmides de energia
1o ano fluxo e pirâmides de energia
SESI 422 - Americana
 
Cadeias Alimentares
Cadeias AlimentaresCadeias Alimentares
Cadeias Alimentares
profatatiana
 
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRiaFluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
8ºC
 
Apresentação biologia, ju e bi
Apresentação biologia, ju e biApresentação biologia, ju e bi
Apresentação biologia, ju e bi
Roberto Bagatini
 
Bioma 6ªresumo
Bioma 6ªresumoBioma 6ªresumo
Bioma 6ªresumo
edna2
 
Fluxo De Energia
Fluxo De EnergiaFluxo De Energia
Fluxo De Energia
ernanemartins
 
Embriologia animal
Embriologia animalEmbriologia animal
Embriologia animal
Ronaldo Santana
 
Bioma Caatinga florística Rita de Cássia IPA
Bioma Caatinga florística Rita de Cássia IPABioma Caatinga florística Rita de Cássia IPA
Bioma Caatinga florística Rita de Cássia IPA
Marcelo Luiz
 
Noções De Embriologia Animal - Deise Martins (Enfermeira)
Noções De Embriologia Animal - Deise Martins (Enfermeira)Noções De Embriologia Animal - Deise Martins (Enfermeira)
Noções De Embriologia Animal - Deise Martins (Enfermeira)
Danielle Siqueira
 
Pirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicasPirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicas
Pelo Siro
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia

Destaque (20)

Fundamento de Ecologia - fluxo de energia (nível superior)
Fundamento de Ecologia -  fluxo de energia (nível superior)Fundamento de Ecologia -  fluxo de energia (nível superior)
Fundamento de Ecologia - fluxo de energia (nível superior)
 
Aula 8º ano fluxo de energia
Aula 8º ano fluxo de energiaAula 8º ano fluxo de energia
Aula 8º ano fluxo de energia
 
Fluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéraFluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéra
 
3. fluxo de energia e ciclos de matéria
3. fluxo de energia e ciclos de matéria3. fluxo de energia e ciclos de matéria
3. fluxo de energia e ciclos de matéria
 
Resumo fluxo de energia e ciclo da matéria
Resumo fluxo de energia e ciclo da matériaResumo fluxo de energia e ciclo da matéria
Resumo fluxo de energia e ciclo da matéria
 
Relações ecológicas, Cadeias e Teias Alimentares
Relações ecológicas, Cadeias e Teias AlimentaresRelações ecológicas, Cadeias e Teias Alimentares
Relações ecológicas, Cadeias e Teias Alimentares
 
Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;
Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;
Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;
 
Ecossistemas - fatores abióticos
Ecossistemas - fatores abióticosEcossistemas - fatores abióticos
Ecossistemas - fatores abióticos
 
1o ano fluxo e pirâmides de energia
1o ano   fluxo  e pirâmides de energia1o ano   fluxo  e pirâmides de energia
1o ano fluxo e pirâmides de energia
 
Cadeias Alimentares
Cadeias AlimentaresCadeias Alimentares
Cadeias Alimentares
 
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRiaFluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
 
Apresentação biologia, ju e bi
Apresentação biologia, ju e biApresentação biologia, ju e bi
Apresentação biologia, ju e bi
 
Bioma 6ªresumo
Bioma 6ªresumoBioma 6ªresumo
Bioma 6ªresumo
 
Fluxo De Energia
Fluxo De EnergiaFluxo De Energia
Fluxo De Energia
 
Embriologia animal
Embriologia animalEmbriologia animal
Embriologia animal
 
Bioma Caatinga florística Rita de Cássia IPA
Bioma Caatinga florística Rita de Cássia IPABioma Caatinga florística Rita de Cássia IPA
Bioma Caatinga florística Rita de Cássia IPA
 
Noções De Embriologia Animal - Deise Martins (Enfermeira)
Noções De Embriologia Animal - Deise Martins (Enfermeira)Noções De Embriologia Animal - Deise Martins (Enfermeira)
Noções De Embriologia Animal - Deise Martins (Enfermeira)
 
Pirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicasPirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicas
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 

Semelhante a Fluxo de energia

Fluxodeenergiaeciclodematria 110124163018-phpapp02[1]
Fluxodeenergiaeciclodematria 110124163018-phpapp02[1]Fluxodeenergiaeciclodematria 110124163018-phpapp02[1]
Fluxodeenergiaeciclodematria 110124163018-phpapp02[1]
Leonardo Alves
 
Fluxodeenergiaeciclodematria 110124163018-phpapp02
Fluxodeenergiaeciclodematria 110124163018-phpapp02Fluxodeenergiaeciclodematria 110124163018-phpapp02
Fluxodeenergiaeciclodematria 110124163018-phpapp02
helder raposo
 
Cadeia alimentar
Cadeia alimentar Cadeia alimentar
Cadeia alimentar
Lucilo Campos
 
Ecologia - Introdução
Ecologia - IntroduçãoEcologia - Introdução
Ecologia - Introdução
Andrea Barreto
 
Fluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéraFluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéra
Carla Brites
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Particular
 
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemasFluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Tia Fátima Assis Lepesqueur
 
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemasFluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Tia Fátima Assis Lepesqueur
 
Ecologia é uma ciência
Ecologia é uma ciênciaEcologia é uma ciência
Ecologia é uma ciência
Ivan Santana
 
Ciencias 8ºano - 3º teste
Ciencias   8ºano - 3º testeCiencias   8ºano - 3º teste
Ciencias 8ºano - 3º teste
anocas_rita
 
Biosfera power point
Biosfera  power point Biosfera  power point
Biosfera power point
margaridabt
 
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentaresFicha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Angela Boucinha
 
Apresentação cadeias
Apresentação cadeiasApresentação cadeias
Apresentação cadeias
Angela Boucinha
 
Cadeia alimentar
Cadeia alimentarCadeia alimentar
Cadeia alimentar
Andrea Barreto
 
1 biodiversidade
1   biodiversidade1   biodiversidade
1 biodiversidade
margaridabt
 
ecossistema 1 ano.pptx
ecossistema 1 ano.pptxecossistema 1 ano.pptx
ecossistema 1 ano.pptx
rafaelbrandao22
 
1-Biosfera -2018.pptx
1-Biosfera -2018.pptx1-Biosfera -2018.pptx
1-Biosfera -2018.pptx
Isaura Mourão
 
Fluxos de energia e ciclo de matéria i
Fluxos de energia e ciclo de matéria iFluxos de energia e ciclo de matéria i
Fluxos de energia e ciclo de matéria i
Cristina Vitória
 
Chc cienciahoje-uol-com-br cadeiaalimentar
Chc cienciahoje-uol-com-br cadeiaalimentarChc cienciahoje-uol-com-br cadeiaalimentar
Chc cienciahoje-uol-com-br cadeiaalimentar
ensinodecienciassme
 
Ecologia power point
Ecologia   power pointEcologia   power point
Ecologia power point
Suely namaste
 

Semelhante a Fluxo de energia (20)

Fluxodeenergiaeciclodematria 110124163018-phpapp02[1]
Fluxodeenergiaeciclodematria 110124163018-phpapp02[1]Fluxodeenergiaeciclodematria 110124163018-phpapp02[1]
Fluxodeenergiaeciclodematria 110124163018-phpapp02[1]
 
Fluxodeenergiaeciclodematria 110124163018-phpapp02
Fluxodeenergiaeciclodematria 110124163018-phpapp02Fluxodeenergiaeciclodematria 110124163018-phpapp02
Fluxodeenergiaeciclodematria 110124163018-phpapp02
 
Cadeia alimentar
Cadeia alimentar Cadeia alimentar
Cadeia alimentar
 
Ecologia - Introdução
Ecologia - IntroduçãoEcologia - Introdução
Ecologia - Introdução
 
Fluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéraFluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéra
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemasFluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
 
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemasFluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
 
Ecologia é uma ciência
Ecologia é uma ciênciaEcologia é uma ciência
Ecologia é uma ciência
 
Ciencias 8ºano - 3º teste
Ciencias   8ºano - 3º testeCiencias   8ºano - 3º teste
Ciencias 8ºano - 3º teste
 
Biosfera power point
Biosfera  power point Biosfera  power point
Biosfera power point
 
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentaresFicha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
 
Apresentação cadeias
Apresentação cadeiasApresentação cadeias
Apresentação cadeias
 
Cadeia alimentar
Cadeia alimentarCadeia alimentar
Cadeia alimentar
 
1 biodiversidade
1   biodiversidade1   biodiversidade
1 biodiversidade
 
ecossistema 1 ano.pptx
ecossistema 1 ano.pptxecossistema 1 ano.pptx
ecossistema 1 ano.pptx
 
1-Biosfera -2018.pptx
1-Biosfera -2018.pptx1-Biosfera -2018.pptx
1-Biosfera -2018.pptx
 
Fluxos de energia e ciclo de matéria i
Fluxos de energia e ciclo de matéria iFluxos de energia e ciclo de matéria i
Fluxos de energia e ciclo de matéria i
 
Chc cienciahoje-uol-com-br cadeiaalimentar
Chc cienciahoje-uol-com-br cadeiaalimentarChc cienciahoje-uol-com-br cadeiaalimentar
Chc cienciahoje-uol-com-br cadeiaalimentar
 
Ecologia power point
Ecologia   power pointEcologia   power point
Ecologia power point
 

Mais de Rita Galrito

Crianças do mundo
Crianças do mundoCrianças do mundo
Crianças do mundo
Rita Galrito
 
Homossexualidade
HomossexualidadeHomossexualidade
Homossexualidade
Rita Galrito
 
Trabalho de ingles - seventeen magazine
Trabalho de ingles - seventeen magazineTrabalho de ingles - seventeen magazine
Trabalho de ingles - seventeen magazine
Rita Galrito
 
Fernando pessoa - Sonhar? Viver?
Fernando pessoa - Sonhar? Viver?Fernando pessoa - Sonhar? Viver?
Fernando pessoa - Sonhar? Viver?
Rita Galrito
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
Rita Galrito
 
Noruega e somália
Noruega e somália    Noruega e somália
Noruega e somália
Rita Galrito
 
Drogas, álcool e tabaco power point
Drogas, álcool e tabaco power pointDrogas, álcool e tabaco power point
Drogas, álcool e tabaco power point
Rita Galrito
 
Higiene e segurança no trabalho
Higiene e segurança no trabalhoHigiene e segurança no trabalho
Higiene e segurança no trabalho
Rita Galrito
 
Ambiente e Sociedade- As florestas
Ambiente e Sociedade- As florestasAmbiente e Sociedade- As florestas
Ambiente e Sociedade- As florestas
Rita Galrito
 
Appacdm ..
Appacdm  ..Appacdm  ..
Appacdm ..
Rita Galrito
 
Power point terra lua
Power point terra   luaPower point terra   lua
Power point terra lua
Rita Galrito
 
Planetas telúricos
Planetas telúricosPlanetas telúricos
Planetas telúricos
Rita Galrito
 
Planetas gigantes e anões
Planetas gigantes e anõesPlanetas gigantes e anões
Planetas gigantes e anões
Rita Galrito
 
Asteróides, Cometas e Meteoróides
Asteróides, Cometas e MeteoróidesAsteróides, Cometas e Meteoróides
Asteróides, Cometas e Meteoróides
Rita Galrito
 
Origem do Sol e dos Planetas
Origem do Sol e dos PlanetasOrigem do Sol e dos Planetas
Origem do Sol e dos Planetas
Rita Galrito
 
Acreção e Diferenciação
Acreção e Diferenciação Acreção e Diferenciação
Acreção e Diferenciação
Rita Galrito
 
Reino Protista
Reino Protista Reino Protista
Reino Protista
Rita Galrito
 
Reino Plantae
Reino PlantaeReino Plantae
Reino Plantae
Rita Galrito
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
Rita Galrito
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
Rita Galrito
 

Mais de Rita Galrito (20)

Crianças do mundo
Crianças do mundoCrianças do mundo
Crianças do mundo
 
Homossexualidade
HomossexualidadeHomossexualidade
Homossexualidade
 
Trabalho de ingles - seventeen magazine
Trabalho de ingles - seventeen magazineTrabalho de ingles - seventeen magazine
Trabalho de ingles - seventeen magazine
 
Fernando pessoa - Sonhar? Viver?
Fernando pessoa - Sonhar? Viver?Fernando pessoa - Sonhar? Viver?
Fernando pessoa - Sonhar? Viver?
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 
Noruega e somália
Noruega e somália    Noruega e somália
Noruega e somália
 
Drogas, álcool e tabaco power point
Drogas, álcool e tabaco power pointDrogas, álcool e tabaco power point
Drogas, álcool e tabaco power point
 
Higiene e segurança no trabalho
Higiene e segurança no trabalhoHigiene e segurança no trabalho
Higiene e segurança no trabalho
 
Ambiente e Sociedade- As florestas
Ambiente e Sociedade- As florestasAmbiente e Sociedade- As florestas
Ambiente e Sociedade- As florestas
 
Appacdm ..
Appacdm  ..Appacdm  ..
Appacdm ..
 
Power point terra lua
Power point terra   luaPower point terra   lua
Power point terra lua
 
Planetas telúricos
Planetas telúricosPlanetas telúricos
Planetas telúricos
 
Planetas gigantes e anões
Planetas gigantes e anõesPlanetas gigantes e anões
Planetas gigantes e anões
 
Asteróides, Cometas e Meteoróides
Asteróides, Cometas e MeteoróidesAsteróides, Cometas e Meteoróides
Asteróides, Cometas e Meteoróides
 
Origem do Sol e dos Planetas
Origem do Sol e dos PlanetasOrigem do Sol e dos Planetas
Origem do Sol e dos Planetas
 
Acreção e Diferenciação
Acreção e Diferenciação Acreção e Diferenciação
Acreção e Diferenciação
 
Reino Protista
Reino Protista Reino Protista
Reino Protista
 
Reino Plantae
Reino PlantaeReino Plantae
Reino Plantae
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 

Último

Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
tamirissousa11
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 

Último (20)

Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 

Fluxo de energia

  • 1. Fluxo de energia  Qual a fonte primária de energia nos ecossistemas?
  • 2. Fluxo de energia  Que tipo de seres vivos aproveitam essa energia?  Plantas
  • 3. Fluxo de energia  Que tipo de seres vivos aproveitam essa energia?  Algas verdes  Cianobactérias
  • 4. Fluxo de energia  Como é que essa energia entra no ciclo biológico? CO2 Energia luminosa O2 Água Matéria orgânica Água FOTOSSÍNTESE
  • 5. Fluxo de energia  A maior parte da vida terrestre depende da energia luminosa emitida pelo Sol.  Apenas 40% da energia luminosa que atinge a Terra atinge a superfície terrestre.  Desta, menos de 5% é aproveitada pelos seres fotossintéticos.  Os seres fotossintéticos são seres vivos que aproveitam a energia solar, como as plantas e outros organismos semelhantes (algas verdes e cianobactérias).  A energia entra no ciclo biológico através da fotossíntese.
  • 6. Fluxo de energia  Fotossíntese  A fotossíntese é a transformação da energia luminosa em energia química.  Essa energia vai ficar armazenada nos compostos orgânicos que a planta produz.  A fotossíntese depende da energia luminosa, em que a planta utiliza dióxido de carbono (CO2) e água para produzir substâncias orgânicas (que passam a fazer parte do seu próprio organismo).  Durante a fotossíntese, a planta liberta algumas substâncias que não necessita, como o oxigénio (O2). Este gás é fundamental para a respiração de muitos seres vivos.
  • 7. Fluxo de energia  Seres produtores ou seres consumidores?
  • 8. Fluxo de energia  Seres produtores ou seres consumidores?
  • 9. Fluxo de energia  Seres produtores ou seres consumidores?
  • 10. Fluxo de energia  Seres produtores e seres consumidores  Seres produtores – Seres que, através da fotossíntese, produzem compostos orgânicos, que passam a fazer parte do seu próprio organismo (plantas, algas verdes e cianobactérias).  São também chamados de seres autotróficos.
  • 11. Fluxo de energia  Seres produtores e seres consumidores  Seres consumidores – Seres que se alimentam de matéria orgânica, a partir da qual produzem a própria matéria orgânica que os constitui (herbívoros, carnívoros, omnívoros, etc.).  São também chamados de seres heterotróficos.
  • 12. Fluxo de energia  Que relações alimentares se estabelecem entre os seres vivos?  Os seres vivos de um ecossistema estão relacionados entre si devido à alimentação.  Essas relações alimentares podem representar-se por sequências de seres vivos, através das quais o alimento passa.  Essas sequências são chamadas de cadeias alimentares.
  • 13. Fluxo de energia  Cadeias alimentares  Cada cadeia alimentar inicia-se por um produtor, que será fonte de alimento para um consumidor.  Esse consumidor, porque se alimenta de um produtor, é chamado de consumidor primário (ou consumidor de 1ª ordem).  O consumidor primário vai servir de alimento para um consumidor secundário (ou consumidor de 2ª ordem).  Este, por sua vez, vai servir de alimento a um consumidor terciário (ou consumidor de 3ª ordem), e assim sucessivamente.
  • 14. Castanheiro – Produzo ramos com folhas e apetitosas castanhas.
  • 16. Fluxo de energia  Níveis tróficos  O conjunto de organismos de um ecossistema que possui o mesmo tipo de alimentação constitui um nível trófico.  Assim, os produtores, que são seres autotróficos, ocupam o 1º nível trófico.  Os consumidores primários, que se alimentam dos produtores, ocupam o 2º nível trófico. É o caso dos herbívoros.  Os consumidores secundários (carnívoros), que se alimentam dos consumidores primários (herbívoros), ocupam o 3º nível trófico, e assim sucessivamente.
  • 18. Castanheiro – Produzo ramos com folhas e apetitosas castanhas.
  • 19. Fluxo de energia  Teias alimentares  Normalmente, as cadeias alimentares não estão isoladas nos ecossistemas.  Como são raros os casos em que um organismo se alimenta de uma única espécie, as cadeias alimentares estão interligadas, ou seja, o mesmo tipo de organismo pode pertencer a várias cadeias alimentares e, por isso, pode ocupar diferentes níveis tróficos.  Portanto, o que existe na realidade são teias alimentares, ou redes tróficas, em que muitas cadeias alimentares se cruzam.
  • 21. Fluxo de energia  Reciclagem dos materiais orgânicos e inorgânicos  Todos os seres vivos, ao longo da sua existência, vão perdendo partes do seu corpo (folhas, flores, frutos, pêlos, penas, pele, etc.).  Por outro lado, também produzem excreções (fezes e urina).  Além disso, são todos mortais.  Existem, por isso, organismos que se especializaram na decomposição da matéria orgânica morta. São os seres decompositores.
  • 22. Fluxo de energia  Reciclagem dos materiais orgânicos e inorgânicos  Os decompositores são organismos heterotróficos, e agrupam-se em duas categorias: - Mesobiota – Animais de pequenas dimensões, como insectos, aranhas, minhocas, etc. - Microbiota – Microrganismos, como algas, bactérias e fungos.
  • 24. Fluxo de energia  Reciclagem dos materiais orgânicos e inorgânicos  Os decompositores dão início a um segundo tipo de cadeias tróficas, em que o resultado final é a transformação da matéria orgânica (restos de seres vivos, excrementos, etc.) em matéria inorgânica (sais minerais).  Estes sais minerais vão ser reutilizados pelos seres produtores, contribuindo assim para o permanente funcionamento dos ecossistemas.
  • 26. Fluxo de energia  Percurso da energia nos ecossistemas  Na Natureza, a energia manifesta-se de várias formas.  Essas diferentes formas de energia podem ser: energia eólica, eléctrica, solar, química, etc.  Cada forma de energia pode converter-se noutra.
  • 27. Fluxo de energia  Energia eólica
  • 28. Fluxo de energia  Energia eléctrica
  • 29. Fluxo de energia  Energia solar
  • 30. Fluxo de energia  Energia química
  • 31. Fluxo de energia  Percurso da energia nos ecossistemas  Nos ecossistemas, a energia solar é aproveitada pelos seres produtores para convertê-la em energia química.  A energia química vai ficar armazenada na matéria orgânica, que os seres produtores obtêm quando realizam a fotossíntese.  Este tipo de energia vai ser transferida pelos consumidores através do processo de nutrição.  Nos consumidores, a energia química vai ser convertida em energia mecânica, utilizada nos movimentos, e em energia calorífica, manifestada na respiração e transpiração.
  • 32. Fluxo de energia  Percurso da energia nos ecossistemas  Em cada nível trófico, há gastos energéticos, energia essa que é utilizada para a manutenção e crescimento dos organismos. Essa energia perde-se irreversivelmente.  Assim, de um nível trófico para o nível seguinte, a energia que fica disponível é cada vez menor.  Calcula-se que, da energia disponível em cada nível trófico, só 10% é aproveitada pelo nível trófico seguinte.  Portanto, a energia nos ecossistemas corre num fluxo com um só sentido, ou seja, é unidireccional.
  • 34. Fluxo de energia  Pirâmides ecológicas  A estrutura trófica dos ecossistemas pode ser representada por pirâmides ecológicas.  Estas pirâmides representam as transferências de matéria e de energia desde os produtores até ao último nível dos consumidores.  Cada degrau da pirâmide representa um nível trófico. A base é constituída pelos produtores e os sucessivos níveis por consumidores, até ao vértice.
  • 35. Fluxo de energia  Pirâmides ecológicas  As pirâmides ecológicas podem representar: - O número de organismos – pirâmides de números - A quantidade de energia – pirâmides de energia - A quantidade de matéria orgânica existente em cada nível trófico – pirâmides de biomassa