SlideShare uma empresa Scribd logo
Apostila
Capítulo 5
Página 98 a 107
 Todos os seres vivos necessitam de matéria-
prima para o seu crescimento, reprodução e
reparação de partes desgastadas.
 Necessitam também de energia para a
realização de seus processos vitais.
 Todas essas necessidades são supridas pelo
alimento.
 O alimento produzido pelos autótrofos é
utilizado por eles mesmos e pelos heterótrofos.
 Seres autótrofos:
 Seres heterótrofos: ???
FOTOSSÍNTESE
CADEIA ALIMENTAR
 Sequência linear de organismos pela qual flui a
energia, originalmente captada pelos seres
autótrofos, e a matéria por eles produzidas e
armazenada.
 Esquema que demonstra o fluxo linear de
matéria e energia entre os membros de uma
comunidade.
 Relações de alimentação entre os organismos
de uma comunidade, iniciando-se nos produtores
e passando pelos herbívoros, predadores e
decompositores, por esta ordem.
Nível trófico : cada componente de uma
cadeia alimentar, representado por um grupo de
seres vivos.
1) Produtores
2) Consumidores
3) Decompositores
ATENÇÃO
O fluxo de energia é unidirecional e diminui
gradativamente de um nível trófico para outro
1) PRODUTORES
Capazes de fixar a energia luminosa sob a
forma de energia química.
 São seres autótrofos.
 São a porta de entrada de energia e de
matéria no mundo vivo.
 A base de toda cadeia alimentar,
indispensáveis para a manutenção da vida
em um ecossistema.
PRODUTORES FOTOSSINTETIZANTES:
* Equação geral da fotossíntese:
12 H2O + 6 CO2 + energia → C6H12O6 + 6 H2O + 6 O2
PRODUTORES FOTOSSINTETIZANTES:
* São as plantas , algas e fitoplâncton.
IMPORTÂNCIA DOS PRODUTORES
 São a base de toda cadeia alimentar.
 A partir deles a energia luminosa é convertida em
energia química (armazenada nas moléculas
orgânicas produzidas durante a fotossíntese) e
transferida para toda a cadeia alimentar.
 Transferem matéria e energia para os
consumidores primários, destes para os
consumidores secundários, e assim por diante.
 Sem os produtores, não haveria cadeias
alimentares.
2) CONSUMIDORES
 São organismos que não produzem seu
alimento (heterótrofos) e nutrem-se dos
produtores (direta ou indiretamente).
 A eliminação de um determinado grupo de
consumidores pode afetar consideravelmente o
equilíbrio de um ecossistema e a dinâmica das
populações.
* Consumidores primários (C1): são os animais
herbívoros e parasitas de plantas.
* Consumidores secundários (C2): são os carnívoros
que se alimentam de herbívoros.
* Consumidores terciários (C3): são os carnívoros
que se alimentam de outros carnívoros.
3) DECOMPOSITORES
 Decompõem matéria orgânica morta em matéria
inorgânica, num processo natural de reciclagem
de matéria.
 Liberam sais minerais para o solo.
 Promovem a reciclagem de nutrientes na
natureza.
 Ao decompor a matéria orgânica, eles a
transformam em substâncias inorgânicas (sais
minerais), que retornam ao solo, de onde foram
anteriormente retiradas pelos produtores.
ATENÇÃO: Atuam em TODOS os níveis tróficos.
Numa CADEIA ALIMENTAR, o NÍVEL TRÓFICO é a
posição do organismo na cadeia.
PLANTA  HERBÍVORO  CARNÍVORO
1º Nível Trófico 2º Nível Trófico 3º Nível Trófico
Produtor Consumidor Consumidor
Primário Secundário
Classificação dos seres vivos nas cadeias alimentares
Capim Grilo Sapo Cobra Seriema
Fungos e bactérias
Hábito alimentar
Grau de consumo
Nível trófico (NT)
Produtor
Produtor
Herbívoro Carnívoros
Consumidor
primário
Consumidor
secundário
Consumidor
terciário
Consumidor
quaternário
1° NT 2° NT 3° NT 4° NT 5° NT
São classificados
como decompositores
A classificação de onívoro não aparece, no hábito alimentar, para os animais representados em
cadeias, mas somente em teias alimentares.
Quando se constrói uma cadeia alimentar, as setas
indicam sempre o trajeto do alimento.
REPRESENTAÇÃO LINEAR DE UMA CADEIA
ALIMENTAR
plantas gafanhotos sapo cobra gavião
produtor consum.
1ário
consum.
2ário
consum.
3ário
consum.
4ário
decompositores
SOL
TEIA ALIMENTAR
Obs: a posição trófica de determinados organismos
numa teia alimentar pode ser variável
 É um conjunto de várias cadeias alimentares
interconectadas, geralmente representado como um
diagrama das relações entre os diversos organismos de
um ecossistema.
Nas teias aparecem os organismos onívoros
(possuem uma dieta variada, com alimentos de origem
vegetal e animal).
plantas gafanhotos sapo cobra gavião
produtor consum.
1ário
consum.
2ário
consum.
2,3ário
consum.
2,3,4ário
pássaros
consum.
1ário
roedor
consum.
1ário
PIRÂMIDES ECOLÓGICAS
 Representações gráficas das cadeias
alimentares.
 Mostra o fluxo de matéria e de energia nos
diversos níveis tróficos de uma cadeia alimentar.
 Constituídas por uma série de degraus ou
retângulos superpostos, que representam os
níveis tróficos de uma cadeia alimentar.
 Podem ser Pirâmides de: Número, Biomassa e
Energia.
PIRÂMIDES ECOLÓGICAS
1000 plantas
100 gafanhotos
20 sapos
10 cobras
5 gaviões
Numérica normal (predador-presa)
1 planta
200 pulgões
100000 protozoários
200000 bactérias
Numérica invertida (parasita-hospedeiro)
10000 Kg de biomassa de produtores
1000 Kg de biomassa de cons.1
100 Kg de biomassa de cons. 2
10 Kg de biomassa de cons. 3
1 Kg de biomassa de cons. 4
Biomassa
 Indicam a quantidade de biomassa (matéria viva) acumulada em cada
nível trófico.
 Biomassa = massa orgânica de um ecossistema. Expressa em termos
de quantidade de matéria orgânica por unidade de área, em um dado
momento.
 Uma pequena parcela da biomassa adquirida através dos alimentos é
verdadeiramente transformada em matéria viva.
 A maior parte dessa biomassa é utilizada como fonte de energia e
eliminada para o meio ambiente, na forma de resíduos respiratórios (CO2 e
H2O) e fezes e urina.
BIOMASSA
PRODUTORES
BIOMASSA
PRODUTORES
BIOMASSA
PRODUTORES
> >
Biomassa Normal
ALFAFA=8t
BOI=1t
HOMEM=7OKg
Biomassa Invertida
FITOP.=4g/m²
ZOOPLÂNCTON= 20g/m²
 Exceção nas pirâmides de
biomassa.
 Ocorre em ecossistemas
marinhos.
 Fitoplâncton (produtores) são
seres microscópicos.
 Possuem pouca massa acumulada e morrem rapidamente (curto ciclo
de vida).
 Servem de alimento para o zooplâncton.
 Conseguem sustentar a cadeia marinha porque possuem elevada taxa
de reprodução, o que repõe a perda constante.
 Não acumulam biomassa porque nascem e morrem muito rapidamente.
 Já o zooplâncton possui um ciclo de vida relativamente mais longo e
acumula mais biomassa.
Energia mantida no sistema Energia perdida pelo sistema
produtores
consumidor 1
consumidor 2
consumidor 3
consumidor 4
Energia
 Representa a quantidade de energia presente em um nível trófico e que
está disponível para o nível trófico seguinte.
 A energia diminui à medida que passa dos produtores para os
consumidores.
 Parte dessa energia é usada para a realização dos processos vitais do
próprio organismo e outra parte é perdida para o ambiente, sob a forma de
calor.
 Fluxo de energia = UNIDIRECIONAL e DIMINUI gradativamente ao
longo da cadeia
PRODUTOR
CONS. PRIM.
CONS.SEC.
ENERGIA
DISSIPADA
EM FORMA
DE CALOR
OBSERVAÇÃO: NÃO EXISTE PIRÂMIDE INVERTIDA
NESTE CASO.
Fluxo de energia nas cadeias alimentares
Aumento
do
nível
trófico
Diminuição
da
energia
disponível
Por que é difícil encontrarmos cadeias
alimentares com muito elos?
A transformação da energia luminosa em química,
denominada fotossíntese, é responsável pela entrada de energia nos
ecossistemas.
Um aspecto importante para se entender a transferência de
energia dentro de uma cadeia alimentar é a compreensão da primeira
Lei da Termodinâmica, que diz: “A energia não pode ser criada nem
destruída, e sim transformada.” Outro aspecto importante é o fato de
que a quantidade de energia disponível diminui à medida que é
transferida de um nível trófico ao outro.
A explicação para este decréscimo energético de um nível
trófico ao outro é o fato de cada organismo gasta grande parte da
energia absorvida na manutenção das funções vitais.
 A energia apresenta fluxo decrescente ao longo da
cadeia alimentar.
 Quanto mais distante dos produtores estiver um
nível trófico, menor será a quantidade de energia útil
recebida.
 Apenas cerca de 10% na energia disponível em
um nível trófico seja utilizada pelo nível trófico
seguinte.
 Dificilmente haverá mais do que 5 elos em uma
cadeia alimentar.
 Por isso as cadeias alimentares são finitas. Não
há, por exemplo um consumidor de 10ª ordem!!
Efeito cumulativo (Magnificação Trófica)
 Capacidade de algumas substâncias se acumularem
no corpo dos organismos que os absorvem.
 Impactos ambientais associados a liberação de
compostos tóxicos nos ecossistemas.
 Não há biodegradação.
 Ocorre acumulação nas células, tecidos e órgãos dos
seres que compõem as cadeias alimentares.
 A concentração dessas substâncias aumenta a cada
nível trófico.
 Cada organismo de um nível trófico superior
geralmente se alimenta de diversos organismos do nível
trófico anterior e assim, o poluente tende a se concentrar
ainda mais nos níveis tróficos superiores.
DDT: acumulação nos consumidores
de último nível

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt

Ecologia power point
Ecologia   power pointEcologia   power point
Ecologia power point
Suely namaste
 
03 ecologia relacoes troficas
03 ecologia   relacoes troficas03 ecologia   relacoes troficas
03 ecologia relacoes troficas
rommel andrade
 
Cadeias alimentares
Cadeias alimentares Cadeias alimentares
Cadeias alimentares
Bianca Lima
 
Bases da ecologia
Bases da ecologiaBases da ecologia
Bases da ecologia
Werner Mendoza Blanco
 
Fluxo de matéria e energia[1]
Fluxo de matéria e energia[1]Fluxo de matéria e energia[1]
Fluxo de matéria e energia[1]
Roberto Bagatini
 
Relações Alimentares.ppt
Relações Alimentares.pptRelações Alimentares.ppt
Relações Alimentares.ppt
LarissiFial
 
resumo de ppt para cadeia-alimentar.pptx
resumo de ppt para cadeia-alimentar.pptxresumo de ppt para cadeia-alimentar.pptx
resumo de ppt para cadeia-alimentar.pptx
MarcelinoAraujo3
 
Fluxos de energia e ciclo de matéria ii
Fluxos de energia e ciclo de matéria iiFluxos de energia e ciclo de matéria ii
Fluxos de energia e ciclo de matéria ii
Cristina Vitória
 
Cadeia Teia E PirâMides
Cadeia Teia E PirâMidesCadeia Teia E PirâMides
Cadeia Teia E PirâMides
Sérgio Luiz
 
Apresentação cadeias
Apresentação cadeiasApresentação cadeias
Apresentação cadeias
Angela Boucinha
 
Fluxo de energia
Fluxo de energia Fluxo de energia
Fluxo de energia
Rita Galrito
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
Leandro Amorim
 
Seminário "
Seminário "Seminário "
Seminário "
Leandro Amorim
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
Magali Feldmann
 
ecossistema 1 ano.pptx
ecossistema 1 ano.pptxecossistema 1 ano.pptx
ecossistema 1 ano.pptx
rafaelbrandao22
 
Ecologia Cida
Ecologia CidaEcologia Cida
Ecologia Cida
guest81df6e
 
Cadeias e Teias Alimentares
Cadeias e Teias AlimentaresCadeias e Teias Alimentares
Cadeias e Teias Alimentares
Bio Sem Limites
 
Fluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéraFluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéra
Carla Brites
 
Fluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéraFluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéra
Carla Brites
 
Ciências transferência de matéria e energia em um ecossistema
Ciências transferência de matéria e energia em um ecossistemaCiências transferência de matéria e energia em um ecossistema
Ciências transferência de matéria e energia em um ecossistema
Dorinha Matias
 

Semelhante a Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt (20)

Ecologia power point
Ecologia   power pointEcologia   power point
Ecologia power point
 
03 ecologia relacoes troficas
03 ecologia   relacoes troficas03 ecologia   relacoes troficas
03 ecologia relacoes troficas
 
Cadeias alimentares
Cadeias alimentares Cadeias alimentares
Cadeias alimentares
 
Bases da ecologia
Bases da ecologiaBases da ecologia
Bases da ecologia
 
Fluxo de matéria e energia[1]
Fluxo de matéria e energia[1]Fluxo de matéria e energia[1]
Fluxo de matéria e energia[1]
 
Relações Alimentares.ppt
Relações Alimentares.pptRelações Alimentares.ppt
Relações Alimentares.ppt
 
resumo de ppt para cadeia-alimentar.pptx
resumo de ppt para cadeia-alimentar.pptxresumo de ppt para cadeia-alimentar.pptx
resumo de ppt para cadeia-alimentar.pptx
 
Fluxos de energia e ciclo de matéria ii
Fluxos de energia e ciclo de matéria iiFluxos de energia e ciclo de matéria ii
Fluxos de energia e ciclo de matéria ii
 
Cadeia Teia E PirâMides
Cadeia Teia E PirâMidesCadeia Teia E PirâMides
Cadeia Teia E PirâMides
 
Apresentação cadeias
Apresentação cadeiasApresentação cadeias
Apresentação cadeias
 
Fluxo de energia
Fluxo de energia Fluxo de energia
Fluxo de energia
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Seminário "
Seminário "Seminário "
Seminário "
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
ecossistema 1 ano.pptx
ecossistema 1 ano.pptxecossistema 1 ano.pptx
ecossistema 1 ano.pptx
 
Ecologia Cida
Ecologia CidaEcologia Cida
Ecologia Cida
 
Cadeias e Teias Alimentares
Cadeias e Teias AlimentaresCadeias e Teias Alimentares
Cadeias e Teias Alimentares
 
Fluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéraFluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéra
 
Fluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéraFluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéra
 
Ciências transferência de matéria e energia em um ecossistema
Ciências transferência de matéria e energia em um ecossistemaCiências transferência de matéria e energia em um ecossistema
Ciências transferência de matéria e energia em um ecossistema
 

Mais de Particular

Capítulo 4 - Glicídios - Parte I de II!!
Capítulo 4 - Glicídios - Parte I de II!!Capítulo 4 - Glicídios - Parte I de II!!
Capítulo 4 - Glicídios - Parte I de II!!
Particular
 
Capítulo 5 Proteínas, é i quinto capítulo do 1 bimestre.
Capítulo 5 Proteínas, é i quinto capítulo do 1 bimestre.Capítulo 5 Proteínas, é i quinto capítulo do 1 bimestre.
Capítulo 5 Proteínas, é i quinto capítulo do 1 bimestre.
Particular
 
Capítulo 4 - Glicídios - Primeira parte da 4ª aula.
Capítulo 4 - Glicídios - Primeira parte da 4ª aula.Capítulo 4 - Glicídios - Primeira parte da 4ª aula.
Capítulo 4 - Glicídios - Primeira parte da 4ª aula.
Particular
 
Aula 3 - A água e os Sais Minerais - 1º Ano Ensino Médio
Aula 3 - A água e os Sais Minerais - 1º Ano Ensino MédioAula 3 - A água e os Sais Minerais - 1º Ano Ensino Médio
Aula 3 - A água e os Sais Minerais - 1º Ano Ensino Médio
Particular
 
Aula 3 - A água e os Sais Minerais - Para imprimir.pptx
Aula 3 - A água e os Sais Minerais - Para imprimir.pptxAula 3 - A água e os Sais Minerais - Para imprimir.pptx
Aula 3 - A água e os Sais Minerais - Para imprimir.pptx
Particular
 
1º Exercício – Introdução à Biologia - 1º Ano.pdf
1º Exercício – Introdução à Biologia - 1º Ano.pdf1º Exercício – Introdução à Biologia - 1º Ano.pdf
1º Exercício – Introdução à Biologia - 1º Ano.pdf
Particular
 

Mais de Particular (6)

Capítulo 4 - Glicídios - Parte I de II!!
Capítulo 4 - Glicídios - Parte I de II!!Capítulo 4 - Glicídios - Parte I de II!!
Capítulo 4 - Glicídios - Parte I de II!!
 
Capítulo 5 Proteínas, é i quinto capítulo do 1 bimestre.
Capítulo 5 Proteínas, é i quinto capítulo do 1 bimestre.Capítulo 5 Proteínas, é i quinto capítulo do 1 bimestre.
Capítulo 5 Proteínas, é i quinto capítulo do 1 bimestre.
 
Capítulo 4 - Glicídios - Primeira parte da 4ª aula.
Capítulo 4 - Glicídios - Primeira parte da 4ª aula.Capítulo 4 - Glicídios - Primeira parte da 4ª aula.
Capítulo 4 - Glicídios - Primeira parte da 4ª aula.
 
Aula 3 - A água e os Sais Minerais - 1º Ano Ensino Médio
Aula 3 - A água e os Sais Minerais - 1º Ano Ensino MédioAula 3 - A água e os Sais Minerais - 1º Ano Ensino Médio
Aula 3 - A água e os Sais Minerais - 1º Ano Ensino Médio
 
Aula 3 - A água e os Sais Minerais - Para imprimir.pptx
Aula 3 - A água e os Sais Minerais - Para imprimir.pptxAula 3 - A água e os Sais Minerais - Para imprimir.pptx
Aula 3 - A água e os Sais Minerais - Para imprimir.pptx
 
1º Exercício – Introdução à Biologia - 1º Ano.pdf
1º Exercício – Introdução à Biologia - 1º Ano.pdf1º Exercício – Introdução à Biologia - 1º Ano.pdf
1º Exercício – Introdução à Biologia - 1º Ano.pdf
 

Último

UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdfCopia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
davidreyes364666
 

Último (20)

UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdfCopia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
 

Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt

  • 1.
  • 3.  Todos os seres vivos necessitam de matéria- prima para o seu crescimento, reprodução e reparação de partes desgastadas.  Necessitam também de energia para a realização de seus processos vitais.  Todas essas necessidades são supridas pelo alimento.  O alimento produzido pelos autótrofos é utilizado por eles mesmos e pelos heterótrofos.  Seres autótrofos:  Seres heterótrofos: ??? FOTOSSÍNTESE
  • 4. CADEIA ALIMENTAR  Sequência linear de organismos pela qual flui a energia, originalmente captada pelos seres autótrofos, e a matéria por eles produzidas e armazenada.  Esquema que demonstra o fluxo linear de matéria e energia entre os membros de uma comunidade.  Relações de alimentação entre os organismos de uma comunidade, iniciando-se nos produtores e passando pelos herbívoros, predadores e decompositores, por esta ordem.
  • 5. Nível trófico : cada componente de uma cadeia alimentar, representado por um grupo de seres vivos. 1) Produtores 2) Consumidores 3) Decompositores ATENÇÃO O fluxo de energia é unidirecional e diminui gradativamente de um nível trófico para outro
  • 6. 1) PRODUTORES Capazes de fixar a energia luminosa sob a forma de energia química.  São seres autótrofos.  São a porta de entrada de energia e de matéria no mundo vivo.  A base de toda cadeia alimentar, indispensáveis para a manutenção da vida em um ecossistema.
  • 7.
  • 8. PRODUTORES FOTOSSINTETIZANTES: * Equação geral da fotossíntese: 12 H2O + 6 CO2 + energia → C6H12O6 + 6 H2O + 6 O2
  • 9. PRODUTORES FOTOSSINTETIZANTES: * São as plantas , algas e fitoplâncton.
  • 10. IMPORTÂNCIA DOS PRODUTORES  São a base de toda cadeia alimentar.  A partir deles a energia luminosa é convertida em energia química (armazenada nas moléculas orgânicas produzidas durante a fotossíntese) e transferida para toda a cadeia alimentar.  Transferem matéria e energia para os consumidores primários, destes para os consumidores secundários, e assim por diante.  Sem os produtores, não haveria cadeias alimentares.
  • 11. 2) CONSUMIDORES  São organismos que não produzem seu alimento (heterótrofos) e nutrem-se dos produtores (direta ou indiretamente).  A eliminação de um determinado grupo de consumidores pode afetar consideravelmente o equilíbrio de um ecossistema e a dinâmica das populações. * Consumidores primários (C1): são os animais herbívoros e parasitas de plantas.
  • 12.
  • 13. * Consumidores secundários (C2): são os carnívoros que se alimentam de herbívoros.
  • 14. * Consumidores terciários (C3): são os carnívoros que se alimentam de outros carnívoros.
  • 15. 3) DECOMPOSITORES  Decompõem matéria orgânica morta em matéria inorgânica, num processo natural de reciclagem de matéria.  Liberam sais minerais para o solo.  Promovem a reciclagem de nutrientes na natureza.  Ao decompor a matéria orgânica, eles a transformam em substâncias inorgânicas (sais minerais), que retornam ao solo, de onde foram anteriormente retiradas pelos produtores. ATENÇÃO: Atuam em TODOS os níveis tróficos.
  • 16.
  • 17.
  • 18. Numa CADEIA ALIMENTAR, o NÍVEL TRÓFICO é a posição do organismo na cadeia. PLANTA  HERBÍVORO  CARNÍVORO 1º Nível Trófico 2º Nível Trófico 3º Nível Trófico Produtor Consumidor Consumidor Primário Secundário
  • 19. Classificação dos seres vivos nas cadeias alimentares Capim Grilo Sapo Cobra Seriema Fungos e bactérias Hábito alimentar Grau de consumo Nível trófico (NT) Produtor Produtor Herbívoro Carnívoros Consumidor primário Consumidor secundário Consumidor terciário Consumidor quaternário 1° NT 2° NT 3° NT 4° NT 5° NT São classificados como decompositores A classificação de onívoro não aparece, no hábito alimentar, para os animais representados em cadeias, mas somente em teias alimentares.
  • 20. Quando se constrói uma cadeia alimentar, as setas indicam sempre o trajeto do alimento. REPRESENTAÇÃO LINEAR DE UMA CADEIA ALIMENTAR
  • 21. plantas gafanhotos sapo cobra gavião produtor consum. 1ário consum. 2ário consum. 3ário consum. 4ário decompositores SOL
  • 22. TEIA ALIMENTAR Obs: a posição trófica de determinados organismos numa teia alimentar pode ser variável  É um conjunto de várias cadeias alimentares interconectadas, geralmente representado como um diagrama das relações entre os diversos organismos de um ecossistema. Nas teias aparecem os organismos onívoros (possuem uma dieta variada, com alimentos de origem vegetal e animal).
  • 23. plantas gafanhotos sapo cobra gavião produtor consum. 1ário consum. 2ário consum. 2,3ário consum. 2,3,4ário pássaros consum. 1ário roedor consum. 1ário
  • 24.
  • 25. PIRÂMIDES ECOLÓGICAS  Representações gráficas das cadeias alimentares.  Mostra o fluxo de matéria e de energia nos diversos níveis tróficos de uma cadeia alimentar.  Constituídas por uma série de degraus ou retângulos superpostos, que representam os níveis tróficos de uma cadeia alimentar.  Podem ser Pirâmides de: Número, Biomassa e Energia.
  • 26. PIRÂMIDES ECOLÓGICAS 1000 plantas 100 gafanhotos 20 sapos 10 cobras 5 gaviões Numérica normal (predador-presa) 1 planta 200 pulgões 100000 protozoários 200000 bactérias Numérica invertida (parasita-hospedeiro)
  • 27. 10000 Kg de biomassa de produtores 1000 Kg de biomassa de cons.1 100 Kg de biomassa de cons. 2 10 Kg de biomassa de cons. 3 1 Kg de biomassa de cons. 4 Biomassa  Indicam a quantidade de biomassa (matéria viva) acumulada em cada nível trófico.  Biomassa = massa orgânica de um ecossistema. Expressa em termos de quantidade de matéria orgânica por unidade de área, em um dado momento.  Uma pequena parcela da biomassa adquirida através dos alimentos é verdadeiramente transformada em matéria viva.  A maior parte dessa biomassa é utilizada como fonte de energia e eliminada para o meio ambiente, na forma de resíduos respiratórios (CO2 e H2O) e fezes e urina.
  • 29. Biomassa Invertida FITOP.=4g/m² ZOOPLÂNCTON= 20g/m²  Exceção nas pirâmides de biomassa.  Ocorre em ecossistemas marinhos.  Fitoplâncton (produtores) são seres microscópicos.  Possuem pouca massa acumulada e morrem rapidamente (curto ciclo de vida).  Servem de alimento para o zooplâncton.  Conseguem sustentar a cadeia marinha porque possuem elevada taxa de reprodução, o que repõe a perda constante.  Não acumulam biomassa porque nascem e morrem muito rapidamente.  Já o zooplâncton possui um ciclo de vida relativamente mais longo e acumula mais biomassa.
  • 30. Energia mantida no sistema Energia perdida pelo sistema produtores consumidor 1 consumidor 2 consumidor 3 consumidor 4 Energia  Representa a quantidade de energia presente em um nível trófico e que está disponível para o nível trófico seguinte.  A energia diminui à medida que passa dos produtores para os consumidores.  Parte dessa energia é usada para a realização dos processos vitais do próprio organismo e outra parte é perdida para o ambiente, sob a forma de calor.  Fluxo de energia = UNIDIRECIONAL e DIMINUI gradativamente ao longo da cadeia
  • 31. PRODUTOR CONS. PRIM. CONS.SEC. ENERGIA DISSIPADA EM FORMA DE CALOR OBSERVAÇÃO: NÃO EXISTE PIRÂMIDE INVERTIDA NESTE CASO.
  • 32. Fluxo de energia nas cadeias alimentares Aumento do nível trófico Diminuição da energia disponível
  • 33. Por que é difícil encontrarmos cadeias alimentares com muito elos? A transformação da energia luminosa em química, denominada fotossíntese, é responsável pela entrada de energia nos ecossistemas. Um aspecto importante para se entender a transferência de energia dentro de uma cadeia alimentar é a compreensão da primeira Lei da Termodinâmica, que diz: “A energia não pode ser criada nem destruída, e sim transformada.” Outro aspecto importante é o fato de que a quantidade de energia disponível diminui à medida que é transferida de um nível trófico ao outro. A explicação para este decréscimo energético de um nível trófico ao outro é o fato de cada organismo gasta grande parte da energia absorvida na manutenção das funções vitais.
  • 34.  A energia apresenta fluxo decrescente ao longo da cadeia alimentar.  Quanto mais distante dos produtores estiver um nível trófico, menor será a quantidade de energia útil recebida.  Apenas cerca de 10% na energia disponível em um nível trófico seja utilizada pelo nível trófico seguinte.  Dificilmente haverá mais do que 5 elos em uma cadeia alimentar.  Por isso as cadeias alimentares são finitas. Não há, por exemplo um consumidor de 10ª ordem!!
  • 35. Efeito cumulativo (Magnificação Trófica)  Capacidade de algumas substâncias se acumularem no corpo dos organismos que os absorvem.  Impactos ambientais associados a liberação de compostos tóxicos nos ecossistemas.  Não há biodegradação.  Ocorre acumulação nas células, tecidos e órgãos dos seres que compõem as cadeias alimentares.  A concentração dessas substâncias aumenta a cada nível trófico.  Cada organismo de um nível trófico superior geralmente se alimenta de diversos organismos do nível trófico anterior e assim, o poluente tende a se concentrar ainda mais nos níveis tróficos superiores.
  • 36. DDT: acumulação nos consumidores de último nível