SlideShare uma empresa Scribd logo
Os ecossistemas estão em  constante alteração . condições abióticas condições bióticas entra e sai energia continuamente.  Fluxo de Energia e Ciclo de Matéria
Todos os seres vivos  necessitam de energia  para as suas funções vitais.  Armazenada em compostos orgânicos como a  glicose
Qual a fonte primária de energia para a vida dos ecossistemas ?
Plantas e outros organismos fotossintéticos Seres Autotróficos / Produtores
Seres Heterotróficos
Com base  na capacidade ou não de produzirem compostos orgânicos , a partir de compostos inorgânicos, os seres vivos podem ser divididos em duas grandes categorias: Seres autotróficos  ou produtores -  seres vivos capazes de produzir a sua própria matéria orgânica a partir dos compostos inorgânicos (matéria mineral, água e dióxido de carbono) que existem no meio ambiente, utilizando energia luminosa como forma de energia externa. Ex: plantas verdes, algas. Seres heterotróficos ou consumidores  – seres vivos que precisam de consumir matéria orgânica para obter energia e nutrientes. Para isso, alimentam-se de outros organismos. Ex: animais, fungos, bactérias.
Decompositores  – são seres heterotróficos que transformam a matéria orgânica, de que se alimentam (cadáveres, excrementos - como as fezes e a urina dos organismos de todos os níveis tróficos - e detritos vegetais), em matéria mineral, que é devolvida ao solo. São os decompositores  que asseguram o  retorno progressivo  ao solo da matéria mineral, sendo esta utilizada pelos produtores que sintetizam de novo matéria orgânica. Assim, no nosso planeta existe uma circulação contínua de matéria orgânica e mineral, processada através das cadeias alimentares.  Ex. fungos, bactérias.
Os organismos de um ecossistema estabelecem entre si  relações alimentares , havendo, deste modo, um  fluxo de energia e uma circulação de matéria  através deles.
Apenas 1% da luz solar que incide nas folhas das plantas é convertida em energia química durante a fotossíntese. Sabias que??
Energia que faz parte da matéria orgânica Provém inicialmente do SOL É transferida ao longo dos ecossistemas, quando o alimento passa através dos seres vivos Todos os organismos libertam energia sob a forma de calor, que abandona o ecossistema não voltando a ele FLUXO DE ENERGIA
Cadeia Alimentar ou Cadeia Trófica Representa uma sequência de organismos em que cada um deles serve de alimento ao seguinte. Assim, ao longo de uma cadeia alimentar ocorrem sucessivas transferências de matéria e de energia.
Numa cadeia alimentar, cada ser vivo ocupa uma determinada posição, designada  nível trófico  (do grego  trophos  – alimento), de acordo com a fonte principal de alimento.  Pode considerar-se a existência de três categorias de seres vivos :  produtores, consumidores e decompositores.
Produtores  – são os seres autotróficos (capazes de produzir o seu próprio alimento) e ocupam o  1º nível trófico .
Consumidores  – são os heterotróficos e que se alimentam directa ou indirectamente da matéria orgânica produzida pelos produtores.  Consumidores primários ou de 1ª ordem  – são  herbívoros  e alimentam-se exclusivamente dos produtores. Ocupam o  2º nível trófico .
Consumidores secundários ou de 2ª ordem  – designam-se predadores ou carnívoros e subsistem à custa dos herbívoros. Ocupam o  3º nível trófico .
Existem ainda  consumidores de 3ª ordem ,  de 4ª ordem  e assim sucessivamente. Contudo, as cadeias alimentares são, de uma maneira geral, curtas, não contendo mais do que cinco ou seis níveis tróficos.
 
1º nível trófico  – a alga, através da fotossíntese, produz matéria orgânica que acumula no seu organismo. 2º nível trófico  – ao alimentar-se da alga, a lapa incorpora, no seu organismo, alguma matéria orgânica produzida pela alga.  3º nível trófico  – ao alimentar-se, a estrela-do-mar incorpora alguma da matéria orgânica contida na lapa. 4º nível trófico  – a gaivota, ao alimentar-se, incorpora alguma da matéria orgânica que a estrela-do-mar armazenou.
Teias alimentares Em cada comunidade, existem várias cadeias alimentares interligadas que constituem uma  rede  ou  teia alimentar . As teias alimentares constituem relações tróficas mais abrangentes, isto é, cada espécie pode servir de alimento a várias outras espécies e apresentar preferências alimentares diversificadas.
As transferências de matéria e de energia dos produtores aos sucessivos níveis de consumidores num ecossistema são acompanhadas de  perdas  significativas. Estas transferências podem ser representadas graficamente por diagramas, designados de  pirâmides ecológicas .
 
 
Numa cadeia alimentar, à medida que se passa de nível trófico para nível trófico, a  quantidade de energia disponível diminui .
Quando um ser vivo se alimenta de outro, há uma transferência de energia química através da cadeia alimentar – fluxo  unidireccional  de energia.  A energia química obtida por um ser vivo na alimentação é usada no  crescimento , na  respiração  e na  excreção . Quando esse ser vivo é comido por outro, a quantidade de energia que lhe transfere é menor que a assimilada. A  quantidade de energia que passa de um nível para o seguinte é de aproximadamente 10%, havendo portanto 90% de perdas. Na passagem de um nível trófico para outro, a  energia disponível vai diminuindo  até ao último consumidor. Por essa razão, as cadeias alimentares não têm mais de cinco níveis tróficos.  Ao longo das cadeias alimentares, há uma  diminuição do número de seres vivos em cada nível trófico , em consequência das perdas verificadas. Há mais produtores do que consumidores primários e assim sucessivamente.  Quanto mais curta for uma cadeia alimentar, menores são as perdas que se verificam, havendo uma maior economia de alimento.  Resumindo:
Fluxo unidireccional de energia A energia do Sol entra no ecossistema através dos produtores, é transferida para os consumidores e decompositores abandonando progressivamente o ecossistema sob a forma de calor, não utilizável pelos seres vivos.  Ciclos de matéria As substâncias necessárias para manter a vida circulam continuadamente, passando do meio abiótico para os seres produtores e destes para os consumidores. Através dos decompositores a matéria volta para o meio abiótico.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fotossíntese
FotossínteseFotossíntese
Fotossíntese
prodeinha
 
Diversidade biologica
Diversidade biologicaDiversidade biologica
Diversidade biologica
Josenildocte
 
Pirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicasPirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicas
URCA
 
Os invertebrados
Os invertebrados Os invertebrados
Os invertebrados
unhadecorada
 
Biodiversidade: preservação das espécies para o equilíbrio do planeta
Biodiversidade: preservação das espécies para o equilíbrio do planeta Biodiversidade: preservação das espécies para o equilíbrio do planeta
Biodiversidade: preservação das espécies para o equilíbrio do planeta
Ibá – Indústria Brasileira de Árvores
 
Fluxos de energia e ciclo de matéria i
Fluxos de energia e ciclo de matéria iFluxos de energia e ciclo de matéria i
Fluxos de energia e ciclo de matéria i
Cristina Vitória
 
Agua 6º ano
Agua 6º anoAgua 6º ano
Agua 6º ano
giovannimusetti
 
Filogenia e a Árvore da Vida
Filogenia e a Árvore da VidaFilogenia e a Árvore da Vida
Filogenia e a Árvore da Vida
Anderson Carvalho
 
Aula ecologia.
Aula ecologia.Aula ecologia.
Aula ecologia.
Gov. Estado do Paraná
 
Aula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres VivosAula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres Vivos
Plínio Gonçalves
 
Aula 8º ano fluxo de energia
Aula 8º ano fluxo de energiaAula 8º ano fluxo de energia
Aula 8º ano fluxo de energia
Liliane Morgado
 
Cadeia e teia alimentar
Cadeia e teia alimentarCadeia e teia alimentar
Cadeia e teia alimentar
Estude Mais
 
IV.1 O ar - Composição e Propriedades
IV.1 O ar - Composição e PropriedadesIV.1 O ar - Composição e Propriedades
IV.1 O ar - Composição e Propriedades
Rebeca Vale
 
Relações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivosRelações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivos
Silvana Sanches
 
Energia renovável e não renovável
Energia renovável e não renovávelEnergia renovável e não renovável
Energia renovável e não renovável
Wanessa Veloso
 
7º ano cap 5 vírus
7º ano cap 5   vírus7º ano cap 5   vírus
7º ano cap 5 vírus
ISJ
 
Classificação dos seres vivos
Classificação dos seres vivosClassificação dos seres vivos
Classificação dos seres vivos
Evandro Batista
 
Taxonomia dos seres vivos
Taxonomia dos seres vivosTaxonomia dos seres vivos
Taxonomia dos seres vivos
Katia Valeria
 
Classificação biológica
Classificação biológicaClassificação biológica
Classificação biológica
Elisa Margarita Orlandi
 
Ecologia - Introdução
Ecologia - IntroduçãoEcologia - Introdução
Ecologia - Introdução
Killer Max
 

Mais procurados (20)

Fotossíntese
FotossínteseFotossíntese
Fotossíntese
 
Diversidade biologica
Diversidade biologicaDiversidade biologica
Diversidade biologica
 
Pirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicasPirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicas
 
Os invertebrados
Os invertebrados Os invertebrados
Os invertebrados
 
Biodiversidade: preservação das espécies para o equilíbrio do planeta
Biodiversidade: preservação das espécies para o equilíbrio do planeta Biodiversidade: preservação das espécies para o equilíbrio do planeta
Biodiversidade: preservação das espécies para o equilíbrio do planeta
 
Fluxos de energia e ciclo de matéria i
Fluxos de energia e ciclo de matéria iFluxos de energia e ciclo de matéria i
Fluxos de energia e ciclo de matéria i
 
Agua 6º ano
Agua 6º anoAgua 6º ano
Agua 6º ano
 
Filogenia e a Árvore da Vida
Filogenia e a Árvore da VidaFilogenia e a Árvore da Vida
Filogenia e a Árvore da Vida
 
Aula ecologia.
Aula ecologia.Aula ecologia.
Aula ecologia.
 
Aula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres VivosAula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres Vivos
 
Aula 8º ano fluxo de energia
Aula 8º ano fluxo de energiaAula 8º ano fluxo de energia
Aula 8º ano fluxo de energia
 
Cadeia e teia alimentar
Cadeia e teia alimentarCadeia e teia alimentar
Cadeia e teia alimentar
 
IV.1 O ar - Composição e Propriedades
IV.1 O ar - Composição e PropriedadesIV.1 O ar - Composição e Propriedades
IV.1 O ar - Composição e Propriedades
 
Relações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivosRelações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivos
 
Energia renovável e não renovável
Energia renovável e não renovávelEnergia renovável e não renovável
Energia renovável e não renovável
 
7º ano cap 5 vírus
7º ano cap 5   vírus7º ano cap 5   vírus
7º ano cap 5 vírus
 
Classificação dos seres vivos
Classificação dos seres vivosClassificação dos seres vivos
Classificação dos seres vivos
 
Taxonomia dos seres vivos
Taxonomia dos seres vivosTaxonomia dos seres vivos
Taxonomia dos seres vivos
 
Classificação biológica
Classificação biológicaClassificação biológica
Classificação biológica
 
Ecologia - Introdução
Ecologia - IntroduçãoEcologia - Introdução
Ecologia - Introdução
 

Destaque

Ciclo da matéria e fluxo energia
Ciclo da matéria e fluxo energiaCiclo da matéria e fluxo energia
Ciclo da matéria e fluxo energia
Ana Castro
 
8 fluxo energia-teias-alimentares
8 fluxo energia-teias-alimentares8 fluxo energia-teias-alimentares
8 fluxo energia-teias-alimentares
Maria João Drumond
 
3. fluxo de energia e ciclos de matéria
3. fluxo de energia e ciclos de matéria3. fluxo de energia e ciclos de matéria
3. fluxo de energia e ciclos de matéria
Margarida Cardoso
 
IV - FATORES BIÓTICOS
IV - FATORES BIÓTICOSIV - FATORES BIÓTICOS
IV - FATORES BIÓTICOS
sandranascimento
 
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRiaFluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
8ºC
 
2 fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas 1ano
2 fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas 1ano2 fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas 1ano
2 fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas 1ano
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Turma 211 desequilíbrio ambiental
Turma 211 desequilíbrio ambientalTurma 211 desequilíbrio ambiental
Turma 211 desequilíbrio ambiental
Antonio Fernandes
 
Desequilibrio ambiental
Desequilibrio ambientalDesequilibrio ambiental
Desequilibrio ambiental
Ministério da Educação
 
Situação de aprendizagem - Teia alimentar
Situação de aprendizagem - Teia alimentarSituação de aprendizagem - Teia alimentar
Situação de aprendizagem - Teia alimentar
renatafloresta
 
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemasFluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Tia Fátima Assis Lepesqueur
 
Energia e matéria nos ecossistemas
Energia e matéria nos ecossistemasEnergia e matéria nos ecossistemas
Energia e matéria nos ecossistemas
mainamgar
 
A descoberta da vida
A descoberta da vidaA descoberta da vida
A descoberta da vida
ruimelo86
 
Fluxos de energia e ciclos de matéria
Fluxos de energia e ciclos de matériaFluxos de energia e ciclos de matéria
Fluxos de energia e ciclos de matéria
Tânia Reis
 
8.ppt.prof.fluxo.energia
8.ppt.prof.fluxo.energia8.ppt.prof.fluxo.energia
8.ppt.prof.fluxo.energia
Carla Carneiro
 
Habitat, Nicho ecológico, Componentes do ecossistema, Cadeia e Teia alimentar
Habitat, Nicho ecológico, Componentes do ecossistema, Cadeia e Teia alimentar Habitat, Nicho ecológico, Componentes do ecossistema, Cadeia e Teia alimentar
Habitat, Nicho ecológico, Componentes do ecossistema, Cadeia e Teia alimentar
MenadeJesus
 
Fluxo energia e ciclo de matéria
Fluxo energia e ciclo de matériaFluxo energia e ciclo de matéria
Fluxo energia e ciclo de matéria
Isabel Lopes
 
Nicho aula
Nicho aulaNicho aula
Nicho aula
unesp
 
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRiaFluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
8ºC
 
Habitat, Nicho Ecológico, Componentes do Ecossistema, Cadeia e Teia Alimentar
Habitat, Nicho Ecológico, Componentes do Ecossistema, Cadeia e Teia Alimentar Habitat, Nicho Ecológico, Componentes do Ecossistema, Cadeia e Teia Alimentar
Habitat, Nicho Ecológico, Componentes do Ecossistema, Cadeia e Teia Alimentar
MenadeJesus
 
Mat energia
Mat energiaMat energia

Destaque (20)

Ciclo da matéria e fluxo energia
Ciclo da matéria e fluxo energiaCiclo da matéria e fluxo energia
Ciclo da matéria e fluxo energia
 
8 fluxo energia-teias-alimentares
8 fluxo energia-teias-alimentares8 fluxo energia-teias-alimentares
8 fluxo energia-teias-alimentares
 
3. fluxo de energia e ciclos de matéria
3. fluxo de energia e ciclos de matéria3. fluxo de energia e ciclos de matéria
3. fluxo de energia e ciclos de matéria
 
IV - FATORES BIÓTICOS
IV - FATORES BIÓTICOSIV - FATORES BIÓTICOS
IV - FATORES BIÓTICOS
 
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRiaFluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
 
2 fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas 1ano
2 fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas 1ano2 fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas 1ano
2 fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas 1ano
 
Turma 211 desequilíbrio ambiental
Turma 211 desequilíbrio ambientalTurma 211 desequilíbrio ambiental
Turma 211 desequilíbrio ambiental
 
Desequilibrio ambiental
Desequilibrio ambientalDesequilibrio ambiental
Desequilibrio ambiental
 
Situação de aprendizagem - Teia alimentar
Situação de aprendizagem - Teia alimentarSituação de aprendizagem - Teia alimentar
Situação de aprendizagem - Teia alimentar
 
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemasFluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
 
Energia e matéria nos ecossistemas
Energia e matéria nos ecossistemasEnergia e matéria nos ecossistemas
Energia e matéria nos ecossistemas
 
A descoberta da vida
A descoberta da vidaA descoberta da vida
A descoberta da vida
 
Fluxos de energia e ciclos de matéria
Fluxos de energia e ciclos de matériaFluxos de energia e ciclos de matéria
Fluxos de energia e ciclos de matéria
 
8.ppt.prof.fluxo.energia
8.ppt.prof.fluxo.energia8.ppt.prof.fluxo.energia
8.ppt.prof.fluxo.energia
 
Habitat, Nicho ecológico, Componentes do ecossistema, Cadeia e Teia alimentar
Habitat, Nicho ecológico, Componentes do ecossistema, Cadeia e Teia alimentar Habitat, Nicho ecológico, Componentes do ecossistema, Cadeia e Teia alimentar
Habitat, Nicho ecológico, Componentes do ecossistema, Cadeia e Teia alimentar
 
Fluxo energia e ciclo de matéria
Fluxo energia e ciclo de matériaFluxo energia e ciclo de matéria
Fluxo energia e ciclo de matéria
 
Nicho aula
Nicho aulaNicho aula
Nicho aula
 
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRiaFluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
 
Habitat, Nicho Ecológico, Componentes do Ecossistema, Cadeia e Teia Alimentar
Habitat, Nicho Ecológico, Componentes do Ecossistema, Cadeia e Teia Alimentar Habitat, Nicho Ecológico, Componentes do Ecossistema, Cadeia e Teia Alimentar
Habitat, Nicho Ecológico, Componentes do Ecossistema, Cadeia e Teia Alimentar
 
Mat energia
Mat energiaMat energia
Mat energia
 

Semelhante a Fluxo de energia e ciclo de matéria

Cadeia alimentar
Cadeia alimentar Cadeia alimentar
Cadeia alimentar
Lucilo Campos
 
Fluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéraFluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéra
Carla Brites
 
Fluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéraFluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéra
Carla Brites
 
Fluxos de energia e ciclo de matéria ii
Fluxos de energia e ciclo de matéria iiFluxos de energia e ciclo de matéria ii
Fluxos de energia e ciclo de matéria ii
Cristina Vitória
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Particular
 
Fluxos De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxos De Energia E Ciclo De MatéRiaFluxos De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxos De Energia E Ciclo De MatéRia
8ºC
 
Resumo fluxos de energia e ciclo de matéria
Resumo fluxos de energia e ciclo de matériaResumo fluxos de energia e ciclo de matéria
Resumo fluxos de energia e ciclo de matéria
Nuno Coelho
 
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentaresFicha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Angela Boucinha
 
Ppt6.1_Ciclo de matéria e fluxo de energia_8ºano (1).pptx
Ppt6.1_Ciclo de matéria e fluxo de energia_8ºano (1).pptxPpt6.1_Ciclo de matéria e fluxo de energia_8ºano (1).pptx
Ppt6.1_Ciclo de matéria e fluxo de energia_8ºano (1).pptx
RodrigoBrito411997
 
Cadeias alimentares
Cadeias alimentares Cadeias alimentares
Cadeias alimentares
Bianca Lima
 
Fluxo de matéria e energia[1]
Fluxo de matéria e energia[1]Fluxo de matéria e energia[1]
Fluxo de matéria e energia[1]
Roberto Bagatini
 
Cadeia alimentar
Cadeia alimentarCadeia alimentar
Cadeia alimentar
Andrea Barreto
 
Ecologia power point
Ecologia   power pointEcologia   power point
Ecologia power point
Suely namaste
 
Cadeias e Teias Alimentares
Cadeias e Teias AlimentaresCadeias e Teias Alimentares
Cadeias e Teias Alimentares
Bio Sem Limites
 
Cadeia Teia E PirâMides
Cadeia Teia E PirâMidesCadeia Teia E PirâMides
Cadeia Teia E PirâMides
Sérgio Luiz
 
Bases da ecologia
Bases da ecologiaBases da ecologia
Bases da ecologia
Werner Mendoza Blanco
 
Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;
Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;
Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;
s1lv1alouro
 
8º 7.1.
8º 7.1. 8º 7.1.
8º 7.1.
Nuno Coelho
 
Ecologia - Introdução
Ecologia - IntroduçãoEcologia - Introdução
Ecologia - Introdução
Andrea Barreto
 
Ecologia é uma ciência
Ecologia é uma ciênciaEcologia é uma ciência
Ecologia é uma ciência
Ivan Santana
 

Semelhante a Fluxo de energia e ciclo de matéria (20)

Cadeia alimentar
Cadeia alimentar Cadeia alimentar
Cadeia alimentar
 
Fluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéraFluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéra
 
Fluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéraFluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéra
 
Fluxos de energia e ciclo de matéria ii
Fluxos de energia e ciclo de matéria iiFluxos de energia e ciclo de matéria ii
Fluxos de energia e ciclo de matéria ii
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
Fluxos De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxos De Energia E Ciclo De MatéRiaFluxos De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxos De Energia E Ciclo De MatéRia
 
Resumo fluxos de energia e ciclo de matéria
Resumo fluxos de energia e ciclo de matériaResumo fluxos de energia e ciclo de matéria
Resumo fluxos de energia e ciclo de matéria
 
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentaresFicha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
 
Ppt6.1_Ciclo de matéria e fluxo de energia_8ºano (1).pptx
Ppt6.1_Ciclo de matéria e fluxo de energia_8ºano (1).pptxPpt6.1_Ciclo de matéria e fluxo de energia_8ºano (1).pptx
Ppt6.1_Ciclo de matéria e fluxo de energia_8ºano (1).pptx
 
Cadeias alimentares
Cadeias alimentares Cadeias alimentares
Cadeias alimentares
 
Fluxo de matéria e energia[1]
Fluxo de matéria e energia[1]Fluxo de matéria e energia[1]
Fluxo de matéria e energia[1]
 
Cadeia alimentar
Cadeia alimentarCadeia alimentar
Cadeia alimentar
 
Ecologia power point
Ecologia   power pointEcologia   power point
Ecologia power point
 
Cadeias e Teias Alimentares
Cadeias e Teias AlimentaresCadeias e Teias Alimentares
Cadeias e Teias Alimentares
 
Cadeia Teia E PirâMides
Cadeia Teia E PirâMidesCadeia Teia E PirâMides
Cadeia Teia E PirâMides
 
Bases da ecologia
Bases da ecologiaBases da ecologia
Bases da ecologia
 
Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;
Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;
Fluxo de Energia e Ciclo de matéria; Sucessões Ecológicas;
 
8º 7.1.
8º 7.1. 8º 7.1.
8º 7.1.
 
Ecologia - Introdução
Ecologia - IntroduçãoEcologia - Introdução
Ecologia - Introdução
 
Ecologia é uma ciência
Ecologia é uma ciênciaEcologia é uma ciência
Ecologia é uma ciência
 

Mais de adelinacgomes

Recursos naturais introdução
Recursos naturais introduçãoRecursos naturais introdução
Recursos naturais introdução
adelinacgomes
 
Poluição
PoluiçãoPoluição
Poluição
adelinacgomes
 
Poluição agua
Poluição aguaPoluição agua
Poluição agua
adelinacgomes
 
Efeitos da-catastrofes-naturais[1]
Efeitos da-catastrofes-naturais[1]Efeitos da-catastrofes-naturais[1]
Efeitos da-catastrofes-naturais[1]
adelinacgomes
 
Sucessão ecolgica
Sucessão ecolgicaSucessão ecolgica
Sucessão ecolgica
adelinacgomes
 
Ciclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicosCiclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicos
adelinacgomes
 
Relações bióticas
Relações bióticasRelações bióticas
Relações bióticas
adelinacgomes
 
Apresentação programa 8º ano
Apresentação programa 8º anoApresentação programa 8º ano
Apresentação programa 8º ano
adelinacgomes
 

Mais de adelinacgomes (8)

Recursos naturais introdução
Recursos naturais introduçãoRecursos naturais introdução
Recursos naturais introdução
 
Poluição
PoluiçãoPoluição
Poluição
 
Poluição agua
Poluição aguaPoluição agua
Poluição agua
 
Efeitos da-catastrofes-naturais[1]
Efeitos da-catastrofes-naturais[1]Efeitos da-catastrofes-naturais[1]
Efeitos da-catastrofes-naturais[1]
 
Sucessão ecolgica
Sucessão ecolgicaSucessão ecolgica
Sucessão ecolgica
 
Ciclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicosCiclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicos
 
Relações bióticas
Relações bióticasRelações bióticas
Relações bióticas
 
Apresentação programa 8º ano
Apresentação programa 8º anoApresentação programa 8º ano
Apresentação programa 8º ano
 

Último

Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Mary Alvarenga
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
menesabi
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
Daniel273024
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
Geagra UFG
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
IsaiasJohaneSimango
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 

Fluxo de energia e ciclo de matéria

  • 1. Os ecossistemas estão em constante alteração . condições abióticas condições bióticas entra e sai energia continuamente. Fluxo de Energia e Ciclo de Matéria
  • 2. Todos os seres vivos necessitam de energia para as suas funções vitais. Armazenada em compostos orgânicos como a glicose
  • 3. Qual a fonte primária de energia para a vida dos ecossistemas ?
  • 4. Plantas e outros organismos fotossintéticos Seres Autotróficos / Produtores
  • 6. Com base na capacidade ou não de produzirem compostos orgânicos , a partir de compostos inorgânicos, os seres vivos podem ser divididos em duas grandes categorias: Seres autotróficos ou produtores - seres vivos capazes de produzir a sua própria matéria orgânica a partir dos compostos inorgânicos (matéria mineral, água e dióxido de carbono) que existem no meio ambiente, utilizando energia luminosa como forma de energia externa. Ex: plantas verdes, algas. Seres heterotróficos ou consumidores – seres vivos que precisam de consumir matéria orgânica para obter energia e nutrientes. Para isso, alimentam-se de outros organismos. Ex: animais, fungos, bactérias.
  • 7. Decompositores – são seres heterotróficos que transformam a matéria orgânica, de que se alimentam (cadáveres, excrementos - como as fezes e a urina dos organismos de todos os níveis tróficos - e detritos vegetais), em matéria mineral, que é devolvida ao solo. São os decompositores que asseguram o retorno progressivo ao solo da matéria mineral, sendo esta utilizada pelos produtores que sintetizam de novo matéria orgânica. Assim, no nosso planeta existe uma circulação contínua de matéria orgânica e mineral, processada através das cadeias alimentares. Ex. fungos, bactérias.
  • 8. Os organismos de um ecossistema estabelecem entre si relações alimentares , havendo, deste modo, um fluxo de energia e uma circulação de matéria através deles.
  • 9. Apenas 1% da luz solar que incide nas folhas das plantas é convertida em energia química durante a fotossíntese. Sabias que??
  • 10. Energia que faz parte da matéria orgânica Provém inicialmente do SOL É transferida ao longo dos ecossistemas, quando o alimento passa através dos seres vivos Todos os organismos libertam energia sob a forma de calor, que abandona o ecossistema não voltando a ele FLUXO DE ENERGIA
  • 11. Cadeia Alimentar ou Cadeia Trófica Representa uma sequência de organismos em que cada um deles serve de alimento ao seguinte. Assim, ao longo de uma cadeia alimentar ocorrem sucessivas transferências de matéria e de energia.
  • 12. Numa cadeia alimentar, cada ser vivo ocupa uma determinada posição, designada nível trófico (do grego trophos – alimento), de acordo com a fonte principal de alimento. Pode considerar-se a existência de três categorias de seres vivos : produtores, consumidores e decompositores.
  • 13. Produtores – são os seres autotróficos (capazes de produzir o seu próprio alimento) e ocupam o 1º nível trófico .
  • 14. Consumidores – são os heterotróficos e que se alimentam directa ou indirectamente da matéria orgânica produzida pelos produtores. Consumidores primários ou de 1ª ordem – são herbívoros e alimentam-se exclusivamente dos produtores. Ocupam o 2º nível trófico .
  • 15. Consumidores secundários ou de 2ª ordem – designam-se predadores ou carnívoros e subsistem à custa dos herbívoros. Ocupam o 3º nível trófico .
  • 16. Existem ainda consumidores de 3ª ordem , de 4ª ordem e assim sucessivamente. Contudo, as cadeias alimentares são, de uma maneira geral, curtas, não contendo mais do que cinco ou seis níveis tróficos.
  • 17.  
  • 18. 1º nível trófico – a alga, através da fotossíntese, produz matéria orgânica que acumula no seu organismo. 2º nível trófico – ao alimentar-se da alga, a lapa incorpora, no seu organismo, alguma matéria orgânica produzida pela alga. 3º nível trófico – ao alimentar-se, a estrela-do-mar incorpora alguma da matéria orgânica contida na lapa. 4º nível trófico – a gaivota, ao alimentar-se, incorpora alguma da matéria orgânica que a estrela-do-mar armazenou.
  • 19. Teias alimentares Em cada comunidade, existem várias cadeias alimentares interligadas que constituem uma rede ou teia alimentar . As teias alimentares constituem relações tróficas mais abrangentes, isto é, cada espécie pode servir de alimento a várias outras espécies e apresentar preferências alimentares diversificadas.
  • 20. As transferências de matéria e de energia dos produtores aos sucessivos níveis de consumidores num ecossistema são acompanhadas de perdas significativas. Estas transferências podem ser representadas graficamente por diagramas, designados de pirâmides ecológicas .
  • 21.  
  • 22.  
  • 23. Numa cadeia alimentar, à medida que se passa de nível trófico para nível trófico, a quantidade de energia disponível diminui .
  • 24. Quando um ser vivo se alimenta de outro, há uma transferência de energia química através da cadeia alimentar – fluxo unidireccional de energia. A energia química obtida por um ser vivo na alimentação é usada no crescimento , na respiração e na excreção . Quando esse ser vivo é comido por outro, a quantidade de energia que lhe transfere é menor que a assimilada. A quantidade de energia que passa de um nível para o seguinte é de aproximadamente 10%, havendo portanto 90% de perdas. Na passagem de um nível trófico para outro, a energia disponível vai diminuindo até ao último consumidor. Por essa razão, as cadeias alimentares não têm mais de cinco níveis tróficos. Ao longo das cadeias alimentares, há uma diminuição do número de seres vivos em cada nível trófico , em consequência das perdas verificadas. Há mais produtores do que consumidores primários e assim sucessivamente. Quanto mais curta for uma cadeia alimentar, menores são as perdas que se verificam, havendo uma maior economia de alimento. Resumindo:
  • 25. Fluxo unidireccional de energia A energia do Sol entra no ecossistema através dos produtores, é transferida para os consumidores e decompositores abandonando progressivamente o ecossistema sob a forma de calor, não utilizável pelos seres vivos. Ciclos de matéria As substâncias necessárias para manter a vida circulam continuadamente, passando do meio abiótico para os seres produtores e destes para os consumidores. Através dos decompositores a matéria volta para o meio abiótico.