SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Baixar para ler offline
Professora:AndréaBarreto
AulaSíntese–Ciências/Biologia
Adaptação dos Seres Vivos
Entre os seres vivos e o meio
em que vivem há um ajuste,
uma harmonia fundamental
para a sobrevivência.
O ambiente seleciona as
características dos seres
vivos que são mais aptas a
ele.
O flamingo rosa se alimenta de cabeça para baixo, adaptando-se à procura
de alimento no lodo em que vive; os cactos suportam o meio desértico seco
graças às adaptações nele existentes; os beija-flores, com seus longos bicos,
estão adaptados à coleta do néctar contido nas flores tubulosas que visitam.
Esses e numerosos outros exemplos são reveladores da perfeita sintonia que
existe entre os seres e os seus ambientes de vida.
Alguns seres vivos possuem uma
grossa camada de gordura por
debaixo da pele, e, isso permite
que eles vivam em lugares frios.
Outros possuem orelhas enorme,
que permitem a troca maior de
calor com o ambiente. Assim, o
Feneco ( uma raposa de orelhas
enormes- veja foto ao lado) vive
bem no deserto do Saara.
A adaptação dos seres
vivos ao meio é um fato
incontestável. A origem da
adaptação, porém, sempre
foi discutida.
As adaptações são
pequenas diferenças que
quando são
“interessantes” ao meio
são selecionadas.
Mas a ideia de como
acontece essas
adaptações é discutida
até hoje.
Desde a Antiguidade se acreditava que essa harmonia seria o resultado de uma
criação especial, a obra de um criador que teria planejado todas as espécies,
adequando-as aos diferentes ambientes. Com o advento do cristianismo, ficou
mais fácil admitir que as espécies, criadas por Deus, seriam fixas e imutáveis. Os
defensores dessa ideia, chamados de fixistas ou criacionistas, propunham que a
extinção de muitas espécies seria devida a eventos especiais como, por exemplo,
muitas catástrofes que exterminaram grupos inteiros de seres vivos.
Lentamente, a partir do século XIX, uma
série de pensadores passou a admitir a
ideia da substituição gradual das
espécies por outras, por meio de
adaptações a ambientes em contínuo
processo de mudança. Essa corrente de
pensamento, transformista, explicava
a adaptação como um processo
dinâmico, ao contrário do que
propunham os fixistas. Para o
transformismo, a adaptação é
conseguida por meio de mudanças: à
medida que muda o meio, muda a
espécie. Os adaptados ao ambiente em
mudança sobrevivem. Essa ideia deu
origem ao evolucionismo
Camuflagem
Alguns animais podem ter a capacidade de se
camuflarem com o meio em que vivem para tirar
alguma vantagem. A camuflagem pode ser útil
tanto ao predador, quando deseja atacar uma
presa sem que esta o veja, ou para a presa, que
pode se esconder mais facilmente de seu
predador.
Mimetismo
Semelhante à camuflagem, só que ao invés de se
parecerem com o meio, os animais que praticam o
mimetismo tentam se parecer com outros animais,
com intuito de parecer quem não é
O termo coevolução é usado para descrever casos onde duas (ou mais)
espécies afetam a evolução umas das outras reciprocamente. Então por
exemplo, uma mudança evolutiva na morfologia de uma planta, pode
afetar a morfologia de um herbívoro que come essa planta, que por sua
vez pode afetar a evolução da planta, que pode afetar a do herbívoro e
assim sucessivamente.
Um exemplo bem conhecido da seleção
natural em ação é o desenvolvimento de
resistência a antibióticos em
microrganismos. Antibióticos vem sendo
usados para lutar contra doenças
provocadas por bactérias desde a
descoberta da penicilina por Alexander
Fleming em 1928.
Populações naturais de bactérias contêm,
entre seus vastos números de membros
individuais, considerável variação em seu
material genético, primeiramente um
resultado de mutações. Quando expostas
a antibióticos, a maioria das bactérias
morre rapidamente, mas algumas podem
possuir mutações que as fazem ser um
pouco menos suscetíveis aos efeitos dos
antibióticos.
Se a exposição aos antibióticos for curta,
esses indivíduos irão sobreviver ao
tratamento. Essa eliminação seletiva de
indivíduos mal-adaptados de uma
população é seleção natural.
Os indivíduos de uma mesma espécie apresentam
variações em todos os caracteres, não sendo portanto
idênticos entre si.
Todo organismo tem grande capacidade de reprodução,
produzindo muitos descendentes. Entretanto, apenas
alguns dos descendentes chegam à idade adulta.
O número de indivíduos de uma espécie é mantido mais
ou menos constante ao longo das gerações.
Assim, há grande "luta" pela vida entre os descendentes,
pois apesar de nascerem muitos indivíduos poucos
atingem a maturalidade, o que mantém constante o
número de indivíduos na espécie. Na "luta" pela vida,
organismos com variações favoráveis ás condições do
ambiente onde vivem têm maiores chances de sobreviver,
quando comparados aos organismos com variações menos
favoráveis.
Os organismos com essas variações vantajosas têm
maiores chances de deixar descendentes. Como há
transmissão de caracteres de pais para filhos, estes
apresentam essas variações vantajosas.
Assim, ao longo das gerações, a atuação da seleção
natural sobre os indivíduos mantém ou melhora o grau de
adaptação destes ao meio.
Charles Darwin (1809-1882), naturalista inglês,
desenvolveu uma teoria evolutiva que é a base da
moderna teoria sintética: a teoria da seleção natural.
Os principios básicos são:
Para descontrair...
Adaptação dos seres vivos ao meio

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Animais invertebrados parte 1
Animais invertebrados   parte 1Animais invertebrados   parte 1
Animais invertebrados parte 1Grazi Grazi
 
Misturas homogêneas e Heterogeneas
Misturas homogêneas e HeterogeneasMisturas homogêneas e Heterogeneas
Misturas homogêneas e HeterogeneasURCA
 
Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres VivosClassificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres VivosJuliana Mendes
 
Reprodução sexuada e assexuada
Reprodução sexuada e assexuadaReprodução sexuada e assexuada
Reprodução sexuada e assexuadaJocimar Araujo
 
Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protistaNelson Costa
 
Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!Rosalia Azambuja
 
Aula 7º ano - Reino Monera
Aula 7º ano - Reino MoneraAula 7º ano - Reino Monera
Aula 7º ano - Reino MoneraLeonardo Kaplan
 
Reprodução plantas
Reprodução plantasReprodução plantas
Reprodução plantasSofia Mendes
 
V.1 Introdução a ecologia
V.1 Introdução a ecologiaV.1 Introdução a ecologia
V.1 Introdução a ecologiaRebeca Vale
 
(5) 2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
(5)   2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade(5)   2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
(5) 2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedadeHugo Martins
 
Introdução a genetica
Introdução a geneticaIntrodução a genetica
Introdução a geneticaUERGS
 
Evidências da evolução
Evidências da evoluçãoEvidências da evolução
Evidências da evoluçãoKamila Joyce
 
I.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivosI.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivosRebeca Vale
 
Aula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres VivosAula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres VivosPlínio Gonçalves
 
Aula relações ecológicas
Aula relações ecológicasAula relações ecológicas
Aula relações ecológicasGabriela de Lima
 
Reprodução seres vivos 2011
Reprodução seres vivos   2011Reprodução seres vivos   2011
Reprodução seres vivos 2011Roberto Bagatini
 

Mais procurados (20)

Animais invertebrados parte 1
Animais invertebrados   parte 1Animais invertebrados   parte 1
Animais invertebrados parte 1
 
Reprodução assexuada e sexuada
Reprodução assexuada  e sexuadaReprodução assexuada  e sexuada
Reprodução assexuada e sexuada
 
Misturas homogêneas e Heterogeneas
Misturas homogêneas e HeterogeneasMisturas homogêneas e Heterogeneas
Misturas homogêneas e Heterogeneas
 
Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres VivosClassificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos
 
Reprodução sexuada e assexuada
Reprodução sexuada e assexuadaReprodução sexuada e assexuada
Reprodução sexuada e assexuada
 
Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
 
Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!
 
Ecossistemas
EcossistemasEcossistemas
Ecossistemas
 
Aula 7º ano - Reino Monera
Aula 7º ano - Reino MoneraAula 7º ano - Reino Monera
Aula 7º ano - Reino Monera
 
Reprodução plantas
Reprodução plantasReprodução plantas
Reprodução plantas
 
V.1 Introdução a ecologia
V.1 Introdução a ecologiaV.1 Introdução a ecologia
V.1 Introdução a ecologia
 
(5) 2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
(5)   2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade(5)   2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
(5) 2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
 
Introdução a genetica
Introdução a geneticaIntrodução a genetica
Introdução a genetica
 
Evidências da evolução
Evidências da evoluçãoEvidências da evolução
Evidências da evolução
 
I.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivosI.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivos
 
Aula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres VivosAula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres Vivos
 
Teorias de evolução
Teorias de evoluçãoTeorias de evolução
Teorias de evolução
 
Aula relações ecológicas
Aula relações ecológicasAula relações ecológicas
Aula relações ecológicas
 
Reprodução seres vivos 2011
Reprodução seres vivos   2011Reprodução seres vivos   2011
Reprodução seres vivos 2011
 
Células
CélulasCélulas
Células
 

Destaque

Revisão Evolução e Vírus
Revisão Evolução e VírusRevisão Evolução e Vírus
Revisão Evolução e VírusAndrea Barreto
 
I.1 Os seres vivos e o ambiente
I.1 Os seres vivos e o ambienteI.1 Os seres vivos e o ambiente
I.1 Os seres vivos e o ambienteRebeca Vale
 
Aula 7º ano - Evolução
Aula 7º ano - EvoluçãoAula 7º ano - Evolução
Aula 7º ano - EvoluçãoLeonardo Kaplan
 
Plano de ensino ciências
Plano de ensino   ciênciasPlano de ensino   ciências
Plano de ensino ciênciassimonclark
 
Adaptação, seleção natural e teoria da evolução 7°
Adaptação, seleção natural e teoria da evolução 7°Adaptação, seleção natural e teoria da evolução 7°
Adaptação, seleção natural e teoria da evolução 7°Gabriel Salles
 
Os seres vivos e seres não vivos
Os seres vivos e seres não vivosOs seres vivos e seres não vivos
Os seres vivos e seres não vivosjmabp4
 
Seres vivos; características gerais
Seres vivos; características geraisSeres vivos; características gerais
Seres vivos; características geraisAndré Garrido
 
Factores Abióticos - Água
Factores Abióticos - ÁguaFactores Abióticos - Água
Factores Abióticos - ÁguaCatir
 
Adaptações dos animais ao meio ambiente
Adaptações dos animais ao meio ambienteAdaptações dos animais ao meio ambiente
Adaptações dos animais ao meio ambienteGiulia Bennington
 
Caracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivosCaracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivosCésar Milani
 
II.1 O mundo dos seres vivos
II.1 O mundo dos seres vivosII.1 O mundo dos seres vivos
II.1 O mundo dos seres vivosRebeca Vale
 
Lista exercícios evolução e origem da vida
Lista exercícios evolução e origem da vidaLista exercícios evolução e origem da vida
Lista exercícios evolução e origem da vidaCésar Milani
 
III - FATORES ABIÓTICOS II
III - FATORES ABIÓTICOS IIIII - FATORES ABIÓTICOS II
III - FATORES ABIÓTICOS IIsandranascimento
 
Origem dos seres vivos e evolução biologica - Profª shirley - 7º ano
Origem dos seres vivos e evolução biologica - Profª shirley - 7º anoOrigem dos seres vivos e evolução biologica - Profª shirley - 7º ano
Origem dos seres vivos e evolução biologica - Profª shirley - 7º anoAlpha Colégio e Vestibulares
 

Destaque (20)

Evolução - 7o ano
Evolução - 7o anoEvolução - 7o ano
Evolução - 7o ano
 
Adaptação dos seres vivos
Adaptação dos seres vivosAdaptação dos seres vivos
Adaptação dos seres vivos
 
Revisão Evolução e Vírus
Revisão Evolução e VírusRevisão Evolução e Vírus
Revisão Evolução e Vírus
 
Darwin - Evolução
Darwin - EvoluçãoDarwin - Evolução
Darwin - Evolução
 
I.1 Os seres vivos e o ambiente
I.1 Os seres vivos e o ambienteI.1 Os seres vivos e o ambiente
I.1 Os seres vivos e o ambiente
 
Aula 7º ano - Evolução
Aula 7º ano - EvoluçãoAula 7º ano - Evolução
Aula 7º ano - Evolução
 
Plano de ensino ciências
Plano de ensino   ciênciasPlano de ensino   ciências
Plano de ensino ciências
 
Adaptação, seleção natural e teoria da evolução 7°
Adaptação, seleção natural e teoria da evolução 7°Adaptação, seleção natural e teoria da evolução 7°
Adaptação, seleção natural e teoria da evolução 7°
 
Os seres vivos e seres não vivos
Os seres vivos e seres não vivosOs seres vivos e seres não vivos
Os seres vivos e seres não vivos
 
Seres vivos; características gerais
Seres vivos; características geraisSeres vivos; características gerais
Seres vivos; características gerais
 
Factores Abióticos - Água
Factores Abióticos - ÁguaFactores Abióticos - Água
Factores Abióticos - Água
 
Adaptações dos animais ao meio ambiente
Adaptações dos animais ao meio ambienteAdaptações dos animais ao meio ambiente
Adaptações dos animais ao meio ambiente
 
II - FATORES ABIÓTICOS I
II - FATORES ABIÓTICOS III - FATORES ABIÓTICOS I
II - FATORES ABIÓTICOS I
 
Caracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivosCaracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivos
 
biomas
biomasbiomas
biomas
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vida
 
II.1 O mundo dos seres vivos
II.1 O mundo dos seres vivosII.1 O mundo dos seres vivos
II.1 O mundo dos seres vivos
 
Lista exercícios evolução e origem da vida
Lista exercícios evolução e origem da vidaLista exercícios evolução e origem da vida
Lista exercícios evolução e origem da vida
 
III - FATORES ABIÓTICOS II
III - FATORES ABIÓTICOS IIIII - FATORES ABIÓTICOS II
III - FATORES ABIÓTICOS II
 
Origem dos seres vivos e evolução biologica - Profª shirley - 7º ano
Origem dos seres vivos e evolução biologica - Profª shirley - 7º anoOrigem dos seres vivos e evolução biologica - Profª shirley - 7º ano
Origem dos seres vivos e evolução biologica - Profª shirley - 7º ano
 

Semelhante a Adaptação dos seres vivos ao meio

Os mecanismos da evolução 1
Os mecanismos da evolução 1Os mecanismos da evolução 1
Os mecanismos da evolução 1Eduardo Freitas
 
1-Diversidade na biosfera_biologia e geologia.pptx
1-Diversidade na biosfera_biologia e geologia.pptx1-Diversidade na biosfera_biologia e geologia.pptx
1-Diversidade na biosfera_biologia e geologia.pptxpatriciapedroso82
 
Ecologia - Bruno lopes pdf
Ecologia - Bruno lopes pdfEcologia - Bruno lopes pdf
Ecologia - Bruno lopes pdfBruno Nayane
 
Ambientes naturais e ecossistemas
Ambientes naturais e ecossistemasAmbientes naturais e ecossistemas
Ambientes naturais e ecossistemasMaria30031999
 
Teoria da Evolução
Teoria da EvoluçãoTeoria da Evolução
Teoria da EvoluçãoEstude Mais
 
Evolução - Especiação
Evolução - EspeciaçãoEvolução - Especiação
Evolução - Especiação3a-manha
 
Seres vivos 3 ecossistemas (1)
Seres vivos 3 ecossistemas (1)Seres vivos 3 ecossistemas (1)
Seres vivos 3 ecossistemas (1)claudinhaperia
 
A+origem+da+vida+e+a+evolução
A+origem+da+vida+e+a+evoluçãoA+origem+da+vida+e+a+evolução
A+origem+da+vida+e+a+evoluçãoRichele Soares
 
teoria evolucionista Darwin e Lamarck
teoria evolucionista Darwin e Lamarckteoria evolucionista Darwin e Lamarck
teoria evolucionista Darwin e LamarckDarlla Sb
 
Capítulo 3 a diversidade da vida
Capítulo 3 a diversidade da vidaCapítulo 3 a diversidade da vida
Capítulo 3 a diversidade da vidaSarah Lemes
 
Cejain medio bio_termo1
Cejain medio bio_termo1Cejain medio bio_termo1
Cejain medio bio_termo1CEJAINSV
 
Apresentação de slide 7º ano
Apresentação de slide 7º anoApresentação de slide 7º ano
Apresentação de slide 7º anozelia49
 
Evolução e especiação - professora Silvana Sanches
Evolução e especiação - professora Silvana SanchesEvolução e especiação - professora Silvana Sanches
Evolução e especiação - professora Silvana SanchesSilvana Sanches
 
Teorias da Evolução - Prof. Arlei
Teorias da Evolução - Prof. ArleiTeorias da Evolução - Prof. Arlei
Teorias da Evolução - Prof. ArleiCarmina Monteiro
 
Capítulo 10 – a origem de novas espécies
Capítulo 10 – a origem de novas espéciesCapítulo 10 – a origem de novas espécies
Capítulo 10 – a origem de novas espéciesLilian Nubia
 

Semelhante a Adaptação dos seres vivos ao meio (20)

Os mecanismos da evolução 1
Os mecanismos da evolução 1Os mecanismos da evolução 1
Os mecanismos da evolução 1
 
1-Diversidade na biosfera_biologia e geologia.pptx
1-Diversidade na biosfera_biologia e geologia.pptx1-Diversidade na biosfera_biologia e geologia.pptx
1-Diversidade na biosfera_biologia e geologia.pptx
 
Ecologia - Bruno lopes pdf
Ecologia - Bruno lopes pdfEcologia - Bruno lopes pdf
Ecologia - Bruno lopes pdf
 
Apostila bio2
Apostila bio2Apostila bio2
Apostila bio2
 
Ambientes naturais e ecossistemas
Ambientes naturais e ecossistemasAmbientes naturais e ecossistemas
Ambientes naturais e ecossistemas
 
Teoria da Evolução
Teoria da EvoluçãoTeoria da Evolução
Teoria da Evolução
 
Evolução - Especiação
Evolução - EspeciaçãoEvolução - Especiação
Evolução - Especiação
 
Seres vivos 3 ecossistemas (1)
Seres vivos 3 ecossistemas (1)Seres vivos 3 ecossistemas (1)
Seres vivos 3 ecossistemas (1)
 
Lamarquismo e Darwinismo
Lamarquismo e DarwinismoLamarquismo e Darwinismo
Lamarquismo e Darwinismo
 
A+origem+da+vida+e+a+evolução
A+origem+da+vida+e+a+evoluçãoA+origem+da+vida+e+a+evolução
A+origem+da+vida+e+a+evolução
 
teoria evolucionista Darwin e Lamarck
teoria evolucionista Darwin e Lamarckteoria evolucionista Darwin e Lamarck
teoria evolucionista Darwin e Lamarck
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
Capítulo 3 a diversidade da vida
Capítulo 3 a diversidade da vidaCapítulo 3 a diversidade da vida
Capítulo 3 a diversidade da vida
 
Cejain medio bio_termo1
Cejain medio bio_termo1Cejain medio bio_termo1
Cejain medio bio_termo1
 
Apresentação de slide 7º ano
Apresentação de slide 7º anoApresentação de slide 7º ano
Apresentação de slide 7º ano
 
Entendendo a Ecologia
Entendendo a EcologiaEntendendo a Ecologia
Entendendo a Ecologia
 
Evolução e especiação - professora Silvana Sanches
Evolução e especiação - professora Silvana SanchesEvolução e especiação - professora Silvana Sanches
Evolução e especiação - professora Silvana Sanches
 
Evolutiva
EvolutivaEvolutiva
Evolutiva
 
Teorias da Evolução - Prof. Arlei
Teorias da Evolução - Prof. ArleiTeorias da Evolução - Prof. Arlei
Teorias da Evolução - Prof. Arlei
 
Capítulo 10 – a origem de novas espécies
Capítulo 10 – a origem de novas espéciesCapítulo 10 – a origem de novas espécies
Capítulo 10 – a origem de novas espécies
 

Mais de Andrea Barreto

Mais de Andrea Barreto (20)

Termos Científicos
Termos CientíficosTermos Científicos
Termos Científicos
 
Dúvida Genética
Dúvida GenéticaDúvida Genética
Dúvida Genética
 
Cadeia alimentar
Cadeia alimentarCadeia alimentar
Cadeia alimentar
 
Seres vivos e o meio ambiente
Seres vivos e o meio ambienteSeres vivos e o meio ambiente
Seres vivos e o meio ambiente
 
Grupos vegetais
Grupos vegetaisGrupos vegetais
Grupos vegetais
 
Termorregulação
TermorregulaçãoTermorregulação
Termorregulação
 
Evolução das plantas
Evolução das plantasEvolução das plantas
Evolução das plantas
 
Funções inorgânicas
Funções inorgânicasFunções inorgânicas
Funções inorgânicas
 
MRU & MRUV
MRU & MRUVMRU & MRUV
MRU & MRUV
 
Substâncias
Substâncias Substâncias
Substâncias
 
Flores angiospermas
Flores angiospermasFlores angiospermas
Flores angiospermas
 
Terrário
TerrárioTerrário
Terrário
 
Orgãos análogos e homólogos
Orgãos análogos e homólogosOrgãos análogos e homólogos
Orgãos análogos e homólogos
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
 
Origem da Célula Eucarionte
Origem da Célula EucarionteOrigem da Célula Eucarionte
Origem da Célula Eucarionte
 
Exercícios de Célula
Exercícios de CélulaExercícios de Célula
Exercícios de Célula
 
Recursos digitais
Recursos digitaisRecursos digitais
Recursos digitais
 
Fatores abio limitantes
Fatores abio limitantesFatores abio limitantes
Fatores abio limitantes
 
Ciclo biogeoquiii
Ciclo biogeoquiiiCiclo biogeoquiii
Ciclo biogeoquiii
 

Último

QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxrenatacolbeich1
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxalessandraoliveira324
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 

Último (20)

QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 

Adaptação dos seres vivos ao meio

  • 2. Entre os seres vivos e o meio em que vivem há um ajuste, uma harmonia fundamental para a sobrevivência. O ambiente seleciona as características dos seres vivos que são mais aptas a ele.
  • 3. O flamingo rosa se alimenta de cabeça para baixo, adaptando-se à procura de alimento no lodo em que vive; os cactos suportam o meio desértico seco graças às adaptações nele existentes; os beija-flores, com seus longos bicos, estão adaptados à coleta do néctar contido nas flores tubulosas que visitam. Esses e numerosos outros exemplos são reveladores da perfeita sintonia que existe entre os seres e os seus ambientes de vida.
  • 4. Alguns seres vivos possuem uma grossa camada de gordura por debaixo da pele, e, isso permite que eles vivam em lugares frios. Outros possuem orelhas enorme, que permitem a troca maior de calor com o ambiente. Assim, o Feneco ( uma raposa de orelhas enormes- veja foto ao lado) vive bem no deserto do Saara. A adaptação dos seres vivos ao meio é um fato incontestável. A origem da adaptação, porém, sempre foi discutida.
  • 5. As adaptações são pequenas diferenças que quando são “interessantes” ao meio são selecionadas. Mas a ideia de como acontece essas adaptações é discutida até hoje.
  • 6. Desde a Antiguidade se acreditava que essa harmonia seria o resultado de uma criação especial, a obra de um criador que teria planejado todas as espécies, adequando-as aos diferentes ambientes. Com o advento do cristianismo, ficou mais fácil admitir que as espécies, criadas por Deus, seriam fixas e imutáveis. Os defensores dessa ideia, chamados de fixistas ou criacionistas, propunham que a extinção de muitas espécies seria devida a eventos especiais como, por exemplo, muitas catástrofes que exterminaram grupos inteiros de seres vivos.
  • 7. Lentamente, a partir do século XIX, uma série de pensadores passou a admitir a ideia da substituição gradual das espécies por outras, por meio de adaptações a ambientes em contínuo processo de mudança. Essa corrente de pensamento, transformista, explicava a adaptação como um processo dinâmico, ao contrário do que propunham os fixistas. Para o transformismo, a adaptação é conseguida por meio de mudanças: à medida que muda o meio, muda a espécie. Os adaptados ao ambiente em mudança sobrevivem. Essa ideia deu origem ao evolucionismo
  • 8.
  • 9. Camuflagem Alguns animais podem ter a capacidade de se camuflarem com o meio em que vivem para tirar alguma vantagem. A camuflagem pode ser útil tanto ao predador, quando deseja atacar uma presa sem que esta o veja, ou para a presa, que pode se esconder mais facilmente de seu predador. Mimetismo Semelhante à camuflagem, só que ao invés de se parecerem com o meio, os animais que praticam o mimetismo tentam se parecer com outros animais, com intuito de parecer quem não é
  • 10. O termo coevolução é usado para descrever casos onde duas (ou mais) espécies afetam a evolução umas das outras reciprocamente. Então por exemplo, uma mudança evolutiva na morfologia de uma planta, pode afetar a morfologia de um herbívoro que come essa planta, que por sua vez pode afetar a evolução da planta, que pode afetar a do herbívoro e assim sucessivamente.
  • 11. Um exemplo bem conhecido da seleção natural em ação é o desenvolvimento de resistência a antibióticos em microrganismos. Antibióticos vem sendo usados para lutar contra doenças provocadas por bactérias desde a descoberta da penicilina por Alexander Fleming em 1928. Populações naturais de bactérias contêm, entre seus vastos números de membros individuais, considerável variação em seu material genético, primeiramente um resultado de mutações. Quando expostas a antibióticos, a maioria das bactérias morre rapidamente, mas algumas podem possuir mutações que as fazem ser um pouco menos suscetíveis aos efeitos dos antibióticos. Se a exposição aos antibióticos for curta, esses indivíduos irão sobreviver ao tratamento. Essa eliminação seletiva de indivíduos mal-adaptados de uma população é seleção natural.
  • 12. Os indivíduos de uma mesma espécie apresentam variações em todos os caracteres, não sendo portanto idênticos entre si. Todo organismo tem grande capacidade de reprodução, produzindo muitos descendentes. Entretanto, apenas alguns dos descendentes chegam à idade adulta. O número de indivíduos de uma espécie é mantido mais ou menos constante ao longo das gerações. Assim, há grande "luta" pela vida entre os descendentes, pois apesar de nascerem muitos indivíduos poucos atingem a maturalidade, o que mantém constante o número de indivíduos na espécie. Na "luta" pela vida, organismos com variações favoráveis ás condições do ambiente onde vivem têm maiores chances de sobreviver, quando comparados aos organismos com variações menos favoráveis. Os organismos com essas variações vantajosas têm maiores chances de deixar descendentes. Como há transmissão de caracteres de pais para filhos, estes apresentam essas variações vantajosas. Assim, ao longo das gerações, a atuação da seleção natural sobre os indivíduos mantém ou melhora o grau de adaptação destes ao meio. Charles Darwin (1809-1882), naturalista inglês, desenvolveu uma teoria evolutiva que é a base da moderna teoria sintética: a teoria da seleção natural. Os principios básicos são: