SlideShare uma empresa Scribd logo
BIOLOGIA INTERATIVABIOLOGIA INTERATIVA
Criado e Desenvolvido por:
Ronnielle Cabral RolimRonnielle Cabral Rolim
Todos os direitos são reservados ©2017
tioronnicabral.blogspot.com.br
NUTRIÇÃO VEGETALNUTRIÇÃO VEGETAL
1) Introdução
A fisiologia vegetal é a parte da biologia que estuda o funcionamento do
organismo
das plantas, que inclui: a nutrição vegetal, o crescimento, a ação dos hormônios
vegetais e a floração.
Nutrição VegetalNutrição Vegetal
2) Nutrição Vegetal
I) Elementos químicos essenciais às plantas
 Macronutrientes: Elementos químicos necessários em quantidades relativamente
grandes.
 Micronutrientes: Elementos químicos necessários em pequenas quantidades.
MacronutrientesMacronutrientes MicronutrientesMicronutrientes
Hidrogênio (H) Cloro (Cl)
Carbono (C) Ferro (Fe)
Oxigênio (O) Boro (B)
Nitrogênio (N) Manganês (Mn)
Fósforo (P) Sódio (Na)
Cálcio (Ca) Zinco (Zn)
Magnésio (Mg) Cobre (Cu)
Potássio (K) Níquel (Ni)
Nutrição VegetalNutrição Vegetal
2) Nutrição Vegetal
I) Elementos químicos essenciais às plantas
Macronutrientes
 C, H, O, N, P (são os principais constituintes das moléculas orgânicas)
 Ca (constituição da lamela média)
 K (regulador da pressão osmótica no interior da célula vegetal)
 Mg (componente da clorofila)
Micronutrientes
 Na, Cl, Cu, Zn, Fe, Bo, etc.
 Atuam como co-fatores de enzimas
 Necessários em quantidades pequenas
Nutrição VegetalNutrição Vegetal
2) Nutrição Vegetal
II) Correção de solos deficientes em nutrientes
 Adição de Adubos orgânicos
o Restos de alimentos
o Restos vegetais
o Fezes de animais
 No processo de decomposição biológica (microrganismos) ocorre a liberação de
elementos essenciais ao desenvolvimento das plantas.
 Adição de Adubos químicos
o Contém sais minerais com os seguintes macronutrientes: N, P, K
Obs.: A adubação excessiva pode causar a contaminação de lagos e rios, morte de animais,
e possíveis problemas à saúde humana.
Nutrição VegetalNutrição Vegetal
2) Nutrição Vegetal
III) Absorção de água e sais pelas raízes
 Local de absorção nas raízes: zona pilífera
 Após atravessar a epiderme:
 A água se locomove em direção ao xilema via:
a) Simplasto: passando por dentro das células
via plasmodesmos.
b) Apoplasto: passando entre as células
 Ao chegar na endoderme:
Simplasto
Apoplasto
Células contém estrias de Caspary (suberina)
o Ocorre a seleção dos sais minerais que
entram no xilema
o Regulação da quantidade de água que
pode entrar para dentro do xilema.
Nutrição VegetalNutrição Vegetal
2) Nutrição Vegetal
IV) Condução da seiva Bruta
Pressão positiva da raiz
Capilaridade
Nutrição VegetalNutrição Vegetal
2) Nutrição Vegetal
IV) Condução da seiva Bruta
 Sentido de condução da seiva bruta: raízes → folhas
 Como a água sobe até as folhas?
 Teorias existentes
I. Pressão positiva da raiz (contribui, mas não explica).
o Transporte ativo de sais minerais para dentro do xilema (+).
o Água penetra do solo para o xilema por osmose.
o Problema: nem todas as plantas possuem esta característica.
II. Capilaridade (contribui, mas não explica).
o As moléculas de água são capazes de subir espontaneamente em um
tubo de pequeno calibre.
o Ocorre adesão entre moléculas de água e o tubo e também ligações de
hidrogênio entre as moléculas de água.
o A água sobe até a força de adesão se igualar a força gravitacional.
o Problema: o máximo que a água pode alcançar é meio metro de altura.
Nutrição VegetalNutrição Vegetal
2) Nutrição Vegetal
IV) Condução da seiva Bruta
III. Teoria da tensão-coesão (Teoria de Dixon)
Teoria mais aceita atualmente
I. Ocorre transpiração foliar
II. A pressão dentro do xilema das folhas diminui
III. Ocorre fluxo de água no sentido: caule → folhas
IV. A pressão dentro do xilema do caule diminui
V. Ocorre o fluxo de água no sentido: raiz → caule
VI. A coesão entre as moléculas de água e a tensão
existente na coluna de água no xilema permitem
a subida da água desde a raiz até as folhas.
Transpiração
Nutrição VegetalNutrição Vegetal
2) Nutrição Vegetal
V) Nutrição orgânica das plantas
 Plantas: autotróficas
 Produzem sua própria matéria orgânica por meio da fotossíntese
 CO2 + H2O + Luz → C6H12O6 + O2
a) Trocas gasosas via estômatos
Estômato
o Estruturas
 Duas células guarda (fotossintetizantes)
 Células subsidiárias (ao redor das cel. guarda)
 Ostiolo (abertura) entre as cel. guarda
CO2
O2
Nutrição VegetalNutrição Vegetal
2) Nutrição Vegetal
V) Nutrição orgânica das plantas
Abertura
Entrada de K+
Água entra nas células guarda
Células guarda tornam-se túrgidas
Promove a abertura do ostíolo
Fechamento
Saída de K+
Água sai das células guarda
Células guarda tornam-se plasmolizadas
Ocorre o fechamento do ostiolo
Nutrição VegetalNutrição Vegetal
• FUNÇÕES: transpiração e trocas gasosas durante a
respiração(entra O2, sai CO2) e fotossíntese (entra CO2, sai
O2).
Nutrição VegetalNutrição Vegetal
Nutrição VegetalNutrição Vegetal
Nutrição VegetalNutrição Vegetal
2) Nutrição Vegetal
Fatores que determinam a abertura dos estômatos:
a) Luminosidade
 Estimula a abertura dos estômatos
 Maioria das plantas (abrem estômatos durante o dia) e os fecham (à noite)
 Dia → luz → fotossíntese → abertura dos estômatos → trocas gasosas
c) Concentração de gás carbônico (CO2)
 Baixas concentrações de CO2 → Estômatos abrem
 Altas concentrações de CO2 → Estômatos se fecham
e) Disponibilidade de água
 Pouca água no solo → estômatos se fecham
 Muita água no solo → estômatos abrem
Adaptação à economia hídrica
Adaptação à fotossíntese
Nutrição VegetalNutrição Vegetal
2) Nutrição Vegetal
VI) Condução de seiva elaborada
Teoria mais aceita: Fluxo de massa
Como a matéria orgânica se movimenta no floema?
 Folhas (órgãos fonte)
o Floema possui maior concentração de
matéria orgânica.
 Raízes (órgãos dreno)
o Floema possui menor concentração de
matéria orgânica
FloemaXilema
Transpiração
Fluxo de
água
entre
xilema e
floema
Fonte
(folhas)
Dreno
(raízes)
A água passa do xilema para o floema, onde existe
maior concentração de matéria orgânica (osmose)
Ao atingir o floema a água empurra as moléculas
orgânicas para o seu destino onde serão assimiladas
Então, o que faz com que a água
se movimente no interior do
floema é a diferença de
pressão osmótica existente
entre o órgão fonte (folhas) e o
dreno (raízes)
Nutrição VegetalNutrição Vegetal
2) Nutrição Vegetal
VI) Condução de seiva elaborada
Experimento do fluxo de massa
Nutrição VegetalNutrição Vegetal
3) Condução da Seiva Orgânica
I) Anéis de Malpighi: O intumescimento da região logo acima do anel evidencia que
substâncias são transportadas pelo floema. Se o anelamento for realizado no
caule principal, a falta de suprimentos provocará a morte das raízes e
posteriormente do vegetal como um todo.
Nutrição VegetalNutrição Vegetal
3) Condução da Seiva Orgânica
I) Anéis de Malpighi
Nutrição VegetalNutrição Vegetal
Exercício 1
O que ocorre com o transporte da seiva mineral nos vegetais, segundo a
Teoria de Dixon, quando as folhas das árvores caem no inverno?
Manter as paredes celulares rígidas, impedindo o colapso dos vasos lenhosos.
Exercício 2
Um ramo vegetal seccionado foi mergulhado em uma solução de corante.
Após algum tempo as nervuras foliares ficaram coloridas. Qual o nome do
tecido que transportou o corante até as folhas?
Lenho ou xilema
Exercício 3
(UFPE) Complete a frase:
Quando uma planta transpira intensamente, a seiva bruta circula
______________ e o colapso dos vasos é evitado devido à presença de
___________________.
a) em estado de tensão – válvulas dispostas ao longo dos vasos.
b) com pressão positiva – depósitos de calose nos vasos lenhosos.
c) com pressão negativa – depósitos de suberina nas placas crivadas.
d) em estado de tensão – reforços de lignina.
e) com pressão positiva – absorção de íons minerais.
Exercício 4
Numa planta que transpira intensamente, a seiva bruta nos vasos lenhosos
acha-se:
a) conduzida apenas pelos microcapilares da membrana celulósica;
b) conduzida pelo xilema com pressão positiva;
c) conduzida pelo xilema em estado de tensão;
d) conduzida com pressão positiva ou negativa, dependendo do tamanho da
planta;
e) conduzida pelo líber com pressão positiva.
Exercício 5
Suponha que em certas horas iluminadas de um dia de verão todos os
estômatos de uma planta estejam fechados. Qual dos pares de atividades
abaixo mencionados será o menos prejudicado nessa situação?
a) Fotossíntese e transporte de água pelo xilema.
b) Transporte de água pelo xilema e absorção pelas raízes.
c) Respiração e transpiração.
d) Fotossíntese e respiração.
e) Transporte e absorção de água pelas raízes.
Exercício 6
(UNICAMP) Estima-se que uma única planta de milho, com 0,4 kg de peso,
absorve 130 a 180 litros de água ao longo de sua vida. Sabendo-se que
apenas cerca de 2% de toda água absorvida é utilizada na fotossíntese e em
outras atividades metabólicas, qual o destino do excedente de água? Indique
a trajetória da água na planta e as estruturas envolvidas.
A maior parte da água é perdida por transpiração. Trajetória da água:
Pelos → absorventes → córtex da raiz → endoderma → periciclo → xilema →
parênquimas foliares → estômatos.
Exercício 7
Em plantas mantidas em ambiente saturado de vapor d’água, cessa:
a) a produção de auxinas.
b) a síntese de matéria orgânica.
c) a difusão de CO2
pelos estômatos.
d) o transporte de seiva elaborada.
e) o transporte de água pelo xilema.
Exercício 8
O floema:
a) Está constituído, principalmente, pelos vasos denominados liberianos,
formados por células mortas, impregnadas por lignina.
b) Transporta a água e os sais minerais, absorvidos do solo, para todas as
partes da planta.
c) São estruturas vasculares altamente desenvolvidas nas briófitas.
d) É o responsável pelo transporte de água e substâncias orgânicas formadas
nas folhas.
e) Está constituído por vários elementos, sendo os vasos lenhosos os mais
importantes.
Exercício 9
Quais são os tipos celulares que constituem o xilema?
a) Sistema traqueário (elementos do vaso e traqueídes).
b) Parênquima lenhoso.
c) esclerênquima.
Exercício 10
Qual a função dos reforços de lignina, observados ao longo dos elementos
dos vasos e das traqueídes?
Manter as paredes celulares rígidas impedindo o colapso dos vasos lenhosos.
Cessa o movimento de seiva bruta.
OBRIGADOOBRIGADO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

HÍDRICA DAS PLANTAS
HÍDRICA DAS PLANTAS HÍDRICA DAS PLANTAS
HÍDRICA DAS PLANTAS
Robson Rogerio Gonçalves
 
Semente e germinação
Semente e germinaçãoSemente e germinação
Semente e germinação
Marcos Albuquerque
 
Raiz
RaizRaiz
Morfologia e anatomia vegetal Caule
Morfologia e anatomia vegetal CauleMorfologia e anatomia vegetal Caule
Morfologia e anatomia vegetal Caule
profatatiana
 
Caule
CauleCaule
V.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
V.5 Angiospermas - flor, fruto e sementeV.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
V.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
Rebeca Vale
 
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino MédioAnatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
Camila Rossi
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetal Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
06051981
 
Biologia - Morfologia Vegetal
Biologia - Morfologia VegetalBiologia - Morfologia Vegetal
Biologia - Morfologia Vegetal
Carson Souza
 
V.3 Gimnospermas
V.3 GimnospermasV.3 Gimnospermas
V.3 Gimnospermas
Rebeca Vale
 
Reino Plantae Power Point
Reino Plantae Power PointReino Plantae Power Point
Reino Plantae Power Point
infoeducp2
 
Aula: Hormônios vegetais (Power Point)
Aula: Hormônios vegetais (Power Point)Aula: Hormônios vegetais (Power Point)
Aula: Hormônios vegetais (Power Point)
Bio
 
Briofitas
BriofitasBriofitas
Briofitas
jcrrios
 
INTRODUÇÃO À BOTÄNICA
INTRODUÇÃO À BOTÄNICAINTRODUÇÃO À BOTÄNICA
INTRODUÇÃO À BOTÄNICA
Marcos Lopes
 
Anatomia do caule
Anatomia do cauleAnatomia do caule
Anatomia do caule
Géssica Guarani-Kaiowá
 
Morfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermasMorfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermas
Fatima Comiotto
 
Briofitas E Pteridofitas
Briofitas E PteridofitasBriofitas E Pteridofitas
Briofitas E Pteridofitas
Andrea Barreto
 
ReproduçãO Nas Angiospermas (1)
ReproduçãO Nas Angiospermas (1)ReproduçãO Nas Angiospermas (1)
ReproduçãO Nas Angiospermas (1)
infoeducp2
 
V.4 Angiospermas - raiz, caule e folha
V.4 Angiospermas - raiz, caule e folhaV.4 Angiospermas - raiz, caule e folha
V.4 Angiospermas - raiz, caule e folha
Rebeca Vale
 
Plano de aula 2ª Série do Ensino Médio
Plano de aula   2ª Série do Ensino MédioPlano de aula   2ª Série do Ensino Médio
Plano de aula 2ª Série do Ensino Médio
KeSantos03
 

Mais procurados (20)

HÍDRICA DAS PLANTAS
HÍDRICA DAS PLANTAS HÍDRICA DAS PLANTAS
HÍDRICA DAS PLANTAS
 
Semente e germinação
Semente e germinaçãoSemente e germinação
Semente e germinação
 
Raiz
RaizRaiz
Raiz
 
Morfologia e anatomia vegetal Caule
Morfologia e anatomia vegetal CauleMorfologia e anatomia vegetal Caule
Morfologia e anatomia vegetal Caule
 
Caule
CauleCaule
Caule
 
V.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
V.5 Angiospermas - flor, fruto e sementeV.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
V.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
 
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino MédioAnatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetal Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
 
Biologia - Morfologia Vegetal
Biologia - Morfologia VegetalBiologia - Morfologia Vegetal
Biologia - Morfologia Vegetal
 
V.3 Gimnospermas
V.3 GimnospermasV.3 Gimnospermas
V.3 Gimnospermas
 
Reino Plantae Power Point
Reino Plantae Power PointReino Plantae Power Point
Reino Plantae Power Point
 
Aula: Hormônios vegetais (Power Point)
Aula: Hormônios vegetais (Power Point)Aula: Hormônios vegetais (Power Point)
Aula: Hormônios vegetais (Power Point)
 
Briofitas
BriofitasBriofitas
Briofitas
 
INTRODUÇÃO À BOTÄNICA
INTRODUÇÃO À BOTÄNICAINTRODUÇÃO À BOTÄNICA
INTRODUÇÃO À BOTÄNICA
 
Anatomia do caule
Anatomia do cauleAnatomia do caule
Anatomia do caule
 
Morfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermasMorfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermas
 
Briofitas E Pteridofitas
Briofitas E PteridofitasBriofitas E Pteridofitas
Briofitas E Pteridofitas
 
ReproduçãO Nas Angiospermas (1)
ReproduçãO Nas Angiospermas (1)ReproduçãO Nas Angiospermas (1)
ReproduçãO Nas Angiospermas (1)
 
V.4 Angiospermas - raiz, caule e folha
V.4 Angiospermas - raiz, caule e folhaV.4 Angiospermas - raiz, caule e folha
V.4 Angiospermas - raiz, caule e folha
 
Plano de aula 2ª Série do Ensino Médio
Plano de aula   2ª Série do Ensino MédioPlano de aula   2ª Série do Ensino Médio
Plano de aula 2ª Série do Ensino Médio
 

Semelhante a Nutricao vegetal

Aula fisiologia vegetal
Aula fisiologia vegetal Aula fisiologia vegetal
Aula fisiologia vegetal
merciavaz
 
Aula fisiologia vegetal
Aula fisiologia vegetalAula fisiologia vegetal
Aula fisiologia vegetal
Jhosafá de Kastro
 
Fisiologia Vegetal - TROCAS GASOSAS.ppt
Fisiologia Vegetal - TROCAS GASOSAS.pptFisiologia Vegetal - TROCAS GASOSAS.ppt
Fisiologia Vegetal - TROCAS GASOSAS.ppt
SandraMeirelles4
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
vivian moraes
 
Lista de exercícios - Biologia frente 1 e 2 - 2º bim - Profo James e Vagner
Lista de exercícios - Biologia frente 1 e 2 - 2º bim - Profo James e VagnerLista de exercícios - Biologia frente 1 e 2 - 2º bim - Profo James e Vagner
Lista de exercícios - Biologia frente 1 e 2 - 2º bim - Profo James e Vagner
James Martins
 
Lista de exercícios 4 com gabarito - bio frente 1 - 2º bim 2015 - prof james
Lista de exercícios 4 com gabarito -  bio frente 1 - 2º bim 2015  - prof jamesLista de exercícios 4 com gabarito -  bio frente 1 - 2º bim 2015  - prof james
Lista de exercícios 4 com gabarito - bio frente 1 - 2º bim 2015 - prof james
James Martins
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
zbrendo
 
Lista de exercícios com gabarito - Bio frente 1 - 2º bim - profo james
Lista de exercícios com gabarito - Bio frente 1 - 2º bim - profo jamesLista de exercícios com gabarito - Bio frente 1 - 2º bim - profo james
Lista de exercícios com gabarito - Bio frente 1 - 2º bim - profo james
James Martins
 
Cm010006 fisiologia vegetal_2
Cm010006 fisiologia vegetal_2Cm010006 fisiologia vegetal_2
Cm010006 fisiologia vegetal_2
Claudia Braz
 
Trocas gasosas.pptx
Trocas gasosas.pptxTrocas gasosas.pptx
Trocas gasosas.pptx
Isaura Mourão
 
Plantas (Alimentação)
Plantas (Alimentação)Plantas (Alimentação)
Plantas (Alimentação)
António Machado
 
Transpiracao vegetal
Transpiracao vegetal Transpiracao vegetal
Transpiracao vegetal
Alexandre Pusaudse
 
Biologia 1EM 2BIM
Biologia 1EM 2BIM Biologia 1EM 2BIM
Biologia 1EM 2BIM
Alice MLK
 
Fotossíntese, respiração e transpiração nas plantas
Fotossíntese, respiração e transpiração nas plantasFotossíntese, respiração e transpiração nas plantas
Fotossíntese, respiração e transpiração nas plantas
Agrupamento de Escolas de Mortágua
 
Plantas alimentação 3 d
Plantas alimentação 3 dPlantas alimentação 3 d
Plantas alimentação 3 d
Carla Gomes
 
Plantas 6º Ano
Plantas 6º Ano                                                         Plantas 6º Ano
Plantas 6º Ano
Pedro Moniz
 
Ficha de trabalho 9
Ficha de trabalho 9Ficha de trabalho 9
Ficha de trabalho 9
joseeira
 
5.Transporte_Plantas.pdf
5.Transporte_Plantas.pdf5.Transporte_Plantas.pdf
5.Transporte_Plantas.pdf
SelmaFerreira24
 
Lista de exercícios - bio - 2º bim - prof james e profa mariana 2017 - com ...
Lista de exercícios  -  bio - 2º bim - prof james e profa mariana 2017 - com ...Lista de exercícios  -  bio - 2º bim - prof james e profa mariana 2017 - com ...
Lista de exercícios - bio - 2º bim - prof james e profa mariana 2017 - com ...
James Martins
 
Lista de exercícios - bio frente 1 e 2 - 2º bim - profs james e mariana 201...
Lista de exercícios  -  bio frente 1 e 2 - 2º bim - profs james e mariana 201...Lista de exercícios  -  bio frente 1 e 2 - 2º bim - profs james e mariana 201...
Lista de exercícios - bio frente 1 e 2 - 2º bim - profs james e mariana 201...
James Martins
 

Semelhante a Nutricao vegetal (20)

Aula fisiologia vegetal
Aula fisiologia vegetal Aula fisiologia vegetal
Aula fisiologia vegetal
 
Aula fisiologia vegetal
Aula fisiologia vegetalAula fisiologia vegetal
Aula fisiologia vegetal
 
Fisiologia Vegetal - TROCAS GASOSAS.ppt
Fisiologia Vegetal - TROCAS GASOSAS.pptFisiologia Vegetal - TROCAS GASOSAS.ppt
Fisiologia Vegetal - TROCAS GASOSAS.ppt
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
 
Lista de exercícios - Biologia frente 1 e 2 - 2º bim - Profo James e Vagner
Lista de exercícios - Biologia frente 1 e 2 - 2º bim - Profo James e VagnerLista de exercícios - Biologia frente 1 e 2 - 2º bim - Profo James e Vagner
Lista de exercícios - Biologia frente 1 e 2 - 2º bim - Profo James e Vagner
 
Lista de exercícios 4 com gabarito - bio frente 1 - 2º bim 2015 - prof james
Lista de exercícios 4 com gabarito -  bio frente 1 - 2º bim 2015  - prof jamesLista de exercícios 4 com gabarito -  bio frente 1 - 2º bim 2015  - prof james
Lista de exercícios 4 com gabarito - bio frente 1 - 2º bim 2015 - prof james
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
 
Lista de exercícios com gabarito - Bio frente 1 - 2º bim - profo james
Lista de exercícios com gabarito - Bio frente 1 - 2º bim - profo jamesLista de exercícios com gabarito - Bio frente 1 - 2º bim - profo james
Lista de exercícios com gabarito - Bio frente 1 - 2º bim - profo james
 
Cm010006 fisiologia vegetal_2
Cm010006 fisiologia vegetal_2Cm010006 fisiologia vegetal_2
Cm010006 fisiologia vegetal_2
 
Trocas gasosas.pptx
Trocas gasosas.pptxTrocas gasosas.pptx
Trocas gasosas.pptx
 
Plantas (Alimentação)
Plantas (Alimentação)Plantas (Alimentação)
Plantas (Alimentação)
 
Transpiracao vegetal
Transpiracao vegetal Transpiracao vegetal
Transpiracao vegetal
 
Biologia 1EM 2BIM
Biologia 1EM 2BIM Biologia 1EM 2BIM
Biologia 1EM 2BIM
 
Fotossíntese, respiração e transpiração nas plantas
Fotossíntese, respiração e transpiração nas plantasFotossíntese, respiração e transpiração nas plantas
Fotossíntese, respiração e transpiração nas plantas
 
Plantas alimentação 3 d
Plantas alimentação 3 dPlantas alimentação 3 d
Plantas alimentação 3 d
 
Plantas 6º Ano
Plantas 6º Ano                                                         Plantas 6º Ano
Plantas 6º Ano
 
Ficha de trabalho 9
Ficha de trabalho 9Ficha de trabalho 9
Ficha de trabalho 9
 
5.Transporte_Plantas.pdf
5.Transporte_Plantas.pdf5.Transporte_Plantas.pdf
5.Transporte_Plantas.pdf
 
Lista de exercícios - bio - 2º bim - prof james e profa mariana 2017 - com ...
Lista de exercícios  -  bio - 2º bim - prof james e profa mariana 2017 - com ...Lista de exercícios  -  bio - 2º bim - prof james e profa mariana 2017 - com ...
Lista de exercícios - bio - 2º bim - prof james e profa mariana 2017 - com ...
 
Lista de exercícios - bio frente 1 e 2 - 2º bim - profs james e mariana 201...
Lista de exercícios  -  bio frente 1 e 2 - 2º bim - profs james e mariana 201...Lista de exercícios  -  bio frente 1 e 2 - 2º bim - profs james e mariana 201...
Lista de exercícios - bio frente 1 e 2 - 2º bim - profs james e mariana 201...
 

Mais de URCA

Máquinas Simples
Máquinas SimplesMáquinas Simples
Máquinas Simples
URCA
 
Transformações Químicas
Transformações QuímicasTransformações Químicas
Transformações Químicas
URCA
 
Separação de Materiais
Separação de MateriaisSeparação de Materiais
Separação de Materiais
URCA
 
Misturas homogêneas e Heterogeneas
Misturas homogêneas e HeterogeneasMisturas homogêneas e Heterogeneas
Misturas homogêneas e Heterogeneas
URCA
 
Folhas caules e raízes
Folhas caules e raízesFolhas caules e raízes
Folhas caules e raízes
URCA
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
URCA
 
Briofitas
BriofitasBriofitas
Briofitas
URCA
 
Flores e frutos
Flores e frutosFlores e frutos
Flores e frutos
URCA
 
Gimnospermas
GimnospermasGimnospermas
Gimnospermas
URCA
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
URCA
 
Dsts
DstsDsts
Dsts
URCA
 
Pteridófitas
PteridófitasPteridófitas
Pteridófitas
URCA
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
URCA
 
Taxonomia
TaxonomiaTaxonomia
Taxonomia
URCA
 
Tipos de reprodução
Tipos de reproduçãoTipos de reprodução
Tipos de reprodução
URCA
 
Métodos contaceptivos
Métodos contaceptivosMétodos contaceptivos
Métodos contaceptivos
URCA
 
Reino protoctista
Reino protoctistaReino protoctista
Reino protoctista
URCA
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
URCA
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
URCA
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
URCA
 

Mais de URCA (20)

Máquinas Simples
Máquinas SimplesMáquinas Simples
Máquinas Simples
 
Transformações Químicas
Transformações QuímicasTransformações Químicas
Transformações Químicas
 
Separação de Materiais
Separação de MateriaisSeparação de Materiais
Separação de Materiais
 
Misturas homogêneas e Heterogeneas
Misturas homogêneas e HeterogeneasMisturas homogêneas e Heterogeneas
Misturas homogêneas e Heterogeneas
 
Folhas caules e raízes
Folhas caules e raízesFolhas caules e raízes
Folhas caules e raízes
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
 
Briofitas
BriofitasBriofitas
Briofitas
 
Flores e frutos
Flores e frutosFlores e frutos
Flores e frutos
 
Gimnospermas
GimnospermasGimnospermas
Gimnospermas
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Dsts
DstsDsts
Dsts
 
Pteridófitas
PteridófitasPteridófitas
Pteridófitas
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Taxonomia
TaxonomiaTaxonomia
Taxonomia
 
Tipos de reprodução
Tipos de reproduçãoTipos de reprodução
Tipos de reprodução
 
Métodos contaceptivos
Métodos contaceptivosMétodos contaceptivos
Métodos contaceptivos
 
Reino protoctista
Reino protoctistaReino protoctista
Reino protoctista
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
 

Último

Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 

Último (20)

Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 

Nutricao vegetal

  • 1. BIOLOGIA INTERATIVABIOLOGIA INTERATIVA Criado e Desenvolvido por: Ronnielle Cabral RolimRonnielle Cabral Rolim Todos os direitos são reservados ©2017 tioronnicabral.blogspot.com.br
  • 3. 1) Introdução A fisiologia vegetal é a parte da biologia que estuda o funcionamento do organismo das plantas, que inclui: a nutrição vegetal, o crescimento, a ação dos hormônios vegetais e a floração. Nutrição VegetalNutrição Vegetal
  • 4. 2) Nutrição Vegetal I) Elementos químicos essenciais às plantas  Macronutrientes: Elementos químicos necessários em quantidades relativamente grandes.  Micronutrientes: Elementos químicos necessários em pequenas quantidades. MacronutrientesMacronutrientes MicronutrientesMicronutrientes Hidrogênio (H) Cloro (Cl) Carbono (C) Ferro (Fe) Oxigênio (O) Boro (B) Nitrogênio (N) Manganês (Mn) Fósforo (P) Sódio (Na) Cálcio (Ca) Zinco (Zn) Magnésio (Mg) Cobre (Cu) Potássio (K) Níquel (Ni) Nutrição VegetalNutrição Vegetal
  • 5. 2) Nutrição Vegetal I) Elementos químicos essenciais às plantas Macronutrientes  C, H, O, N, P (são os principais constituintes das moléculas orgânicas)  Ca (constituição da lamela média)  K (regulador da pressão osmótica no interior da célula vegetal)  Mg (componente da clorofila) Micronutrientes  Na, Cl, Cu, Zn, Fe, Bo, etc.  Atuam como co-fatores de enzimas  Necessários em quantidades pequenas Nutrição VegetalNutrição Vegetal
  • 6. 2) Nutrição Vegetal II) Correção de solos deficientes em nutrientes  Adição de Adubos orgânicos o Restos de alimentos o Restos vegetais o Fezes de animais  No processo de decomposição biológica (microrganismos) ocorre a liberação de elementos essenciais ao desenvolvimento das plantas.  Adição de Adubos químicos o Contém sais minerais com os seguintes macronutrientes: N, P, K Obs.: A adubação excessiva pode causar a contaminação de lagos e rios, morte de animais, e possíveis problemas à saúde humana. Nutrição VegetalNutrição Vegetal
  • 7. 2) Nutrição Vegetal III) Absorção de água e sais pelas raízes  Local de absorção nas raízes: zona pilífera  Após atravessar a epiderme:  A água se locomove em direção ao xilema via: a) Simplasto: passando por dentro das células via plasmodesmos. b) Apoplasto: passando entre as células  Ao chegar na endoderme: Simplasto Apoplasto Células contém estrias de Caspary (suberina) o Ocorre a seleção dos sais minerais que entram no xilema o Regulação da quantidade de água que pode entrar para dentro do xilema. Nutrição VegetalNutrição Vegetal
  • 8. 2) Nutrição Vegetal IV) Condução da seiva Bruta Pressão positiva da raiz Capilaridade Nutrição VegetalNutrição Vegetal
  • 9. 2) Nutrição Vegetal IV) Condução da seiva Bruta  Sentido de condução da seiva bruta: raízes → folhas  Como a água sobe até as folhas?  Teorias existentes I. Pressão positiva da raiz (contribui, mas não explica). o Transporte ativo de sais minerais para dentro do xilema (+). o Água penetra do solo para o xilema por osmose. o Problema: nem todas as plantas possuem esta característica. II. Capilaridade (contribui, mas não explica). o As moléculas de água são capazes de subir espontaneamente em um tubo de pequeno calibre. o Ocorre adesão entre moléculas de água e o tubo e também ligações de hidrogênio entre as moléculas de água. o A água sobe até a força de adesão se igualar a força gravitacional. o Problema: o máximo que a água pode alcançar é meio metro de altura. Nutrição VegetalNutrição Vegetal
  • 10. 2) Nutrição Vegetal IV) Condução da seiva Bruta III. Teoria da tensão-coesão (Teoria de Dixon) Teoria mais aceita atualmente I. Ocorre transpiração foliar II. A pressão dentro do xilema das folhas diminui III. Ocorre fluxo de água no sentido: caule → folhas IV. A pressão dentro do xilema do caule diminui V. Ocorre o fluxo de água no sentido: raiz → caule VI. A coesão entre as moléculas de água e a tensão existente na coluna de água no xilema permitem a subida da água desde a raiz até as folhas. Transpiração Nutrição VegetalNutrição Vegetal
  • 11. 2) Nutrição Vegetal V) Nutrição orgânica das plantas  Plantas: autotróficas  Produzem sua própria matéria orgânica por meio da fotossíntese  CO2 + H2O + Luz → C6H12O6 + O2 a) Trocas gasosas via estômatos Estômato o Estruturas  Duas células guarda (fotossintetizantes)  Células subsidiárias (ao redor das cel. guarda)  Ostiolo (abertura) entre as cel. guarda CO2 O2 Nutrição VegetalNutrição Vegetal
  • 12. 2) Nutrição Vegetal V) Nutrição orgânica das plantas Abertura Entrada de K+ Água entra nas células guarda Células guarda tornam-se túrgidas Promove a abertura do ostíolo Fechamento Saída de K+ Água sai das células guarda Células guarda tornam-se plasmolizadas Ocorre o fechamento do ostiolo Nutrição VegetalNutrição Vegetal
  • 13. • FUNÇÕES: transpiração e trocas gasosas durante a respiração(entra O2, sai CO2) e fotossíntese (entra CO2, sai O2). Nutrição VegetalNutrição Vegetal
  • 16. 2) Nutrição Vegetal Fatores que determinam a abertura dos estômatos: a) Luminosidade  Estimula a abertura dos estômatos  Maioria das plantas (abrem estômatos durante o dia) e os fecham (à noite)  Dia → luz → fotossíntese → abertura dos estômatos → trocas gasosas c) Concentração de gás carbônico (CO2)  Baixas concentrações de CO2 → Estômatos abrem  Altas concentrações de CO2 → Estômatos se fecham e) Disponibilidade de água  Pouca água no solo → estômatos se fecham  Muita água no solo → estômatos abrem Adaptação à economia hídrica Adaptação à fotossíntese Nutrição VegetalNutrição Vegetal
  • 17. 2) Nutrição Vegetal VI) Condução de seiva elaborada Teoria mais aceita: Fluxo de massa Como a matéria orgânica se movimenta no floema?  Folhas (órgãos fonte) o Floema possui maior concentração de matéria orgânica.  Raízes (órgãos dreno) o Floema possui menor concentração de matéria orgânica FloemaXilema Transpiração Fluxo de água entre xilema e floema Fonte (folhas) Dreno (raízes) A água passa do xilema para o floema, onde existe maior concentração de matéria orgânica (osmose) Ao atingir o floema a água empurra as moléculas orgânicas para o seu destino onde serão assimiladas Então, o que faz com que a água se movimente no interior do floema é a diferença de pressão osmótica existente entre o órgão fonte (folhas) e o dreno (raízes) Nutrição VegetalNutrição Vegetal
  • 18. 2) Nutrição Vegetal VI) Condução de seiva elaborada Experimento do fluxo de massa Nutrição VegetalNutrição Vegetal
  • 19. 3) Condução da Seiva Orgânica I) Anéis de Malpighi: O intumescimento da região logo acima do anel evidencia que substâncias são transportadas pelo floema. Se o anelamento for realizado no caule principal, a falta de suprimentos provocará a morte das raízes e posteriormente do vegetal como um todo. Nutrição VegetalNutrição Vegetal
  • 20. 3) Condução da Seiva Orgânica I) Anéis de Malpighi Nutrição VegetalNutrição Vegetal
  • 21. Exercício 1 O que ocorre com o transporte da seiva mineral nos vegetais, segundo a Teoria de Dixon, quando as folhas das árvores caem no inverno? Manter as paredes celulares rígidas, impedindo o colapso dos vasos lenhosos.
  • 22. Exercício 2 Um ramo vegetal seccionado foi mergulhado em uma solução de corante. Após algum tempo as nervuras foliares ficaram coloridas. Qual o nome do tecido que transportou o corante até as folhas? Lenho ou xilema
  • 23. Exercício 3 (UFPE) Complete a frase: Quando uma planta transpira intensamente, a seiva bruta circula ______________ e o colapso dos vasos é evitado devido à presença de ___________________. a) em estado de tensão – válvulas dispostas ao longo dos vasos. b) com pressão positiva – depósitos de calose nos vasos lenhosos. c) com pressão negativa – depósitos de suberina nas placas crivadas. d) em estado de tensão – reforços de lignina. e) com pressão positiva – absorção de íons minerais.
  • 24. Exercício 4 Numa planta que transpira intensamente, a seiva bruta nos vasos lenhosos acha-se: a) conduzida apenas pelos microcapilares da membrana celulósica; b) conduzida pelo xilema com pressão positiva; c) conduzida pelo xilema em estado de tensão; d) conduzida com pressão positiva ou negativa, dependendo do tamanho da planta; e) conduzida pelo líber com pressão positiva.
  • 25. Exercício 5 Suponha que em certas horas iluminadas de um dia de verão todos os estômatos de uma planta estejam fechados. Qual dos pares de atividades abaixo mencionados será o menos prejudicado nessa situação? a) Fotossíntese e transporte de água pelo xilema. b) Transporte de água pelo xilema e absorção pelas raízes. c) Respiração e transpiração. d) Fotossíntese e respiração. e) Transporte e absorção de água pelas raízes.
  • 26. Exercício 6 (UNICAMP) Estima-se que uma única planta de milho, com 0,4 kg de peso, absorve 130 a 180 litros de água ao longo de sua vida. Sabendo-se que apenas cerca de 2% de toda água absorvida é utilizada na fotossíntese e em outras atividades metabólicas, qual o destino do excedente de água? Indique a trajetória da água na planta e as estruturas envolvidas. A maior parte da água é perdida por transpiração. Trajetória da água: Pelos → absorventes → córtex da raiz → endoderma → periciclo → xilema → parênquimas foliares → estômatos.
  • 27. Exercício 7 Em plantas mantidas em ambiente saturado de vapor d’água, cessa: a) a produção de auxinas. b) a síntese de matéria orgânica. c) a difusão de CO2 pelos estômatos. d) o transporte de seiva elaborada. e) o transporte de água pelo xilema.
  • 28. Exercício 8 O floema: a) Está constituído, principalmente, pelos vasos denominados liberianos, formados por células mortas, impregnadas por lignina. b) Transporta a água e os sais minerais, absorvidos do solo, para todas as partes da planta. c) São estruturas vasculares altamente desenvolvidas nas briófitas. d) É o responsável pelo transporte de água e substâncias orgânicas formadas nas folhas. e) Está constituído por vários elementos, sendo os vasos lenhosos os mais importantes.
  • 29. Exercício 9 Quais são os tipos celulares que constituem o xilema? a) Sistema traqueário (elementos do vaso e traqueídes). b) Parênquima lenhoso. c) esclerênquima.
  • 30. Exercício 10 Qual a função dos reforços de lignina, observados ao longo dos elementos dos vasos e das traqueídes? Manter as paredes celulares rígidas impedindo o colapso dos vasos lenhosos. Cessa o movimento de seiva bruta.

Notas do Editor

  1. Ronnielle Cabral. www.tioronni.com.br <número>
  2. <número>
  3. <número>
  4. <número>
  5. <número>
  6. Ronnielle Cabral. www.tioronni.com.br <número>
  7. <número>
  8. <número>
  9. Ronnielle Cabral. www.tioronni.com.br <número>
  10. <número>
  11. <número>
  12. <número>
  13. <número>
  14. <número>
  15. <número>
  16. <número>
  17. <número>
  18. <número>
  19. <número>
  20. <número>