SlideShare uma empresa Scribd logo
FASCÍOLA HEPÁTICA
ANA NEIDE LOPES PONTES
FASCIOLA HEPATICA
 Reino: Animalia
 Filo: Platyhelminthes
 Classe: Trematoda
 Família: Fasciolidae
 Gênero: Fasciola
 Espécie: F. hepatica
FASCIOLA HEPATICA
 Doença: Fasciolose
 Habitat: interior da vesícula biliar e canais biliares calibrosos
 Via de transmissão: ingestão de metacercárias
 Formas evolutivas: adultos hermafroditas, ovo, miracídio, rédea,
cercária e metacercária
 Parasita heteroxeno
FASCÍOLA HEPÁTICA
• Tipos de hospedeiro
– Hospedeiro definitivo: ovinos, bovinos, caprinos, suínos e vários
mamíferos silvestres
– Hospedeiro definitivo acidental: homem
– Hospedeiro intermediário: caramujo da espécie Lymnaea
columella e L.viatrix.
Fascíola hepática
FASCÍOLA HEPÁTICA
FASCÍOLA HEPÁTICA
• Morfologia:
• Verme adulto:
– Aspecto foliáceo
– 3 cm comprimento x 1,5 largura
– Apresentam ventosa oral e ventral (acetábulo)
– Presença de espinhos na cutícula
– Presença de aparelho genital feminino e masculino
– Eliminação de ovos operculados
FASCIOLA HEPATICA
• Longevidade
– 9 a 13 anos
• Nutrição
– Conteúdo biliar
– Produtos inflamatórios
– Material necrótico formado
Fascíola hepática
FASCIOLA HEPATICA
PRESENÇA DE F.HEPATICA EM DUCTO BILIAR COMUM
FASCIOLA HEPATICA
• Miracídeo:
– Revestimento ciliar
– Vida média de 8 horas.
• Cercária:
– Cauda única
FASCÍOLA HEPÁTICA
• Metacercária:
– Forma cística
• Ovo:
– Ovos grandes: 130 a 150 μm comprimento x 60 a 100 μm
– Opérculo em uma das extremidades
– Casca fina
CERCÁRIA
FASCÍOLA HEPÁTICA
CICLO BIOLÓGICO
• Ovoposição nos canais biliares do hospedeiro parasitado
• Ovos são levados para o intestino pela secreção biliar
• Eliminação de ovos embrionados no meio externo
– água a temperatura de 25-30° C
• Liberação de 4 a 50 mil ovos/dia
• 10 – 15 dias no ambiente : liberação do miracídeo em contato
com a água
CICLO BIOLÓGICO
• Vida média do miracídeo: 6 horas no ambiente
• Penetração do miracídeo no molusco ( 3 a 5 miracídeos)
• Formação de esporocisto que dará origem de 5 a 8 rédias
• Rédias darão origem as cercárias.
CICLO BIOLÓGICO
• A cercária logo que sai do caramujo, adere com suas ventosas
à vegetação ou a algum outro suporte
• Perde a cauda e encista-se produzindo a metacercária
• Metacercária: forma infectante
• HD: Ingestão de metacercárias
• Desencistamento e liberação das larvas no intestino delgado
CICLO BIOLÓGICO
• Perfuração da parede intestinal, migração através da
cavidade peritoneal , perfuração da Cápsula de Glisson e
migração pelo parênquima hepático, onde alcançam os
ductos biliares.
• Maturação sexual ocorre nos ductos biliares – 2 meses
Fascíola hepática
PATOGENIA
• Formas imaturas
– Liquefação dos tecidos hepáticos pela ação lítica das enzimas
– Os parasitos alimentam-se de células hepáticas e sangue
– Numerosas lesões necróticas de 1 ou 2 mm de diâmetro pela
migração das larvas e posterior substituição por tecido fibroso.
– Abcessos neutrofílicos
PATOGENIA
• Formas maduras
– Os espinhos da cutícula do verme provocam lesões no endotélio
dos ductos biliares levando à hiperplasia
– Reação cicatricial, fibrose e deposição de cálcio
– Diminuição do fluxo biliar provocando cirrose e insuficiência
hepática
– Envolvimento de vasos sanguíneos, necrose parcial ou completa
dos lobos hepáticos
– Hepatomegalia
FASE AGUDA :
• febre,
• aumento doloroso do fígado e diarréia.
FASE CRÔNICA :
• dor abdominal,
• diarréia,
• hepatomegalia,
• anemia,
• perda de peso e complicações da cirrose
DIAGNÓSTICO PARASITOLÓGICO
• Pesquisa de ovos nas fezes
– Método de concentração por sedimentação espontânea:
Método de Hoffmann, Pons e Janer.
– Método de concentração por centrifugação: Método de MIFC ou
de Blagg
– Insuficiente pela escassez ou ausência de ovos nas fezes
humanas.
– Causa de erro dignóstico: presença de ovos nas fezes humanas
vindas da ingestão de fígado de animais infectados
OUTRAS FORMAS DE DIAGNÓSTICO
• Encontro de ovos no suco duodenal obtidos por sondagem
• ELISA
• Imunofluorescência indireta
• Tomografia computadorizada
• Ultrassonografia
EPIDEMIOLOGIA
• Grande número de reservatórios.
• Comércio de animais (gado e cavalos) de uma região para outra
• Resistência do caramujo às secas e facilidade de reprodução
• Criação de gado em áreas úmidas
• Longevidade de 1 ano da metacercária na vegetação aquática
• Presença de caramujos em plantações de agrião.
TRATAMENTO
• Bithionol
• Deidroemetina
• Albendazol
PROFILAXIA
• Controle das helmintoses entre os animais
– Rafoxanide
– Albendazole
– Ivermectina + Clorzulon
– Desenvolvimento de vacinas
• Destruição do caramujos
– Moluscocidas
– Drenagem das pastagens alagadiças
– Criação de molusco Solicitoides sp
- predador
PROFILAXIA
• Beber água filtrada
• Não consumir agrião de regiões onde a helmintose tiver alta
prevalência.
• Não plantar agriões na área que possa estar contaminada com
fezes de ruminantes

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Peritonite Infecciosa Felina PIF
Peritonite Infecciosa Felina PIF Peritonite Infecciosa Felina PIF
Peritonite Infecciosa Felina PIF
Carolina Trochmann
 
Ascaridíase
Ascaridíase Ascaridíase
Ascaridíase
Thiara Cerqueira
 
Parasitologia - Giardia lamblia
Parasitologia - Giardia lambliaParasitologia - Giardia lamblia
Parasitologia - Giardia lamblia
pHrOzEn HeLL
 
Protozoologia - vet145
Protozoologia - vet145Protozoologia - vet145
Protozoologia - vet145
Universidade Federal de Viçosa
 
Aula n° 7 helmintos
Aula n° 7   helmintosAula n° 7   helmintos
Aula n° 7 helmintos
Gildo Crispim
 
Carrapatos - Parasitologia
Carrapatos - ParasitologiaCarrapatos - Parasitologia
Carrapatos - Parasitologia
Janaina Alves
 
Tripanossomose bovina
Tripanossomose bovinaTripanossomose bovina
Tripanossomose bovina
Maria Alice Sene
 
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Jaqueline Almeida
 
Trichuris trichiura - PDF/PPT
Trichuris trichiura - PDF/PPTTrichuris trichiura - PDF/PPT
Trichuris trichiura - PDF/PPT
Guellity Marcel
 
Aula 3 leishmaniose e leishmania sp
Aula 3   leishmaniose e leishmania spAula 3   leishmaniose e leishmania sp
Aula 3 leishmaniose e leishmania sp
Joao Paulo Peixoto
 
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
Leonardo Souza
 
Ascaris lumbricoides
Ascaris lumbricoidesAscaris lumbricoides
Ascaris lumbricoides
Nathália Vasconcelos
 
Plasmodium e malária
Plasmodium e  malária Plasmodium e  malária
Plasmodium e malária
Viviane Vasconcelos
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
Safia Naser
 
Giardiase
GiardiaseGiardiase
Aula n° 5 plasmodium
Aula n° 5  plasmodiumAula n° 5  plasmodium
Aula n° 5 plasmodium
Gildo Crispim
 
Aula helmintos
Aula helmintosAula helmintos
Aula helmintos
sergio102
 
Teniase e cisticercose
Teniase e cisticercoseTeniase e cisticercose
Teniase e cisticercose
feraps
 
Aula n° 1
Aula n° 1  Aula n° 1
Aula n° 1
Gildo Crispim
 
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a MaláriaAula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Jaqueline Almeida
 

Mais procurados (20)

Peritonite Infecciosa Felina PIF
Peritonite Infecciosa Felina PIF Peritonite Infecciosa Felina PIF
Peritonite Infecciosa Felina PIF
 
Ascaridíase
Ascaridíase Ascaridíase
Ascaridíase
 
Parasitologia - Giardia lamblia
Parasitologia - Giardia lambliaParasitologia - Giardia lamblia
Parasitologia - Giardia lamblia
 
Protozoologia - vet145
Protozoologia - vet145Protozoologia - vet145
Protozoologia - vet145
 
Aula n° 7 helmintos
Aula n° 7   helmintosAula n° 7   helmintos
Aula n° 7 helmintos
 
Carrapatos - Parasitologia
Carrapatos - ParasitologiaCarrapatos - Parasitologia
Carrapatos - Parasitologia
 
Tripanossomose bovina
Tripanossomose bovinaTripanossomose bovina
Tripanossomose bovina
 
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
 
Trichuris trichiura - PDF/PPT
Trichuris trichiura - PDF/PPTTrichuris trichiura - PDF/PPT
Trichuris trichiura - PDF/PPT
 
Aula 3 leishmaniose e leishmania sp
Aula 3   leishmaniose e leishmania spAula 3   leishmaniose e leishmania sp
Aula 3 leishmaniose e leishmania sp
 
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
 
Ascaris lumbricoides
Ascaris lumbricoidesAscaris lumbricoides
Ascaris lumbricoides
 
Plasmodium e malária
Plasmodium e  malária Plasmodium e  malária
Plasmodium e malária
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
 
Giardiase
GiardiaseGiardiase
Giardiase
 
Aula n° 5 plasmodium
Aula n° 5  plasmodiumAula n° 5  plasmodium
Aula n° 5 plasmodium
 
Aula helmintos
Aula helmintosAula helmintos
Aula helmintos
 
Teniase e cisticercose
Teniase e cisticercoseTeniase e cisticercose
Teniase e cisticercose
 
Aula n° 1
Aula n° 1  Aula n° 1
Aula n° 1
 
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a MaláriaAula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
 

Destaque

Parasitology lab pictures
Parasitology lab picturesParasitology lab pictures
Parasitology lab pictures
MD Specialclass
 
Prevalence of s. japonicum infection in bgy. magrafil gonzaga cagayan present...
Prevalence of s. japonicum infection in bgy. magrafil gonzaga cagayan present...Prevalence of s. japonicum infection in bgy. magrafil gonzaga cagayan present...
Prevalence of s. japonicum infection in bgy. magrafil gonzaga cagayan present...
Anne Mari Clare Gan
 
Fasciola Hepatica
Fasciola HepaticaFasciola Hepatica
Fasciola Hepatica
glendasimoes
 
[Superpartituras.com.br] nothing-else-matters-v-5
[Superpartituras.com.br] nothing-else-matters-v-5[Superpartituras.com.br] nothing-else-matters-v-5
[Superpartituras.com.br] nothing-else-matters-v-5
suzy cristina
 
Haemoproteus Columbae
Haemoproteus ColumbaeHaemoproteus Columbae
Haemoproteus Columbae
maha lingam
 
Babesia
BabesiaBabesia
Babesia
Noe Mendez
 
Parasitic and mycotic diseases
Parasitic and mycotic diseasesParasitic and mycotic diseases
Parasitic and mycotic diseases
Aparna Sharma
 
Leucocytozoon & Hepatozoon
Leucocytozoon & HepatozoonLeucocytozoon & Hepatozoon
Leucocytozoon & Hepatozoon
Osama Zahid
 
Transmission of babesia
Transmission of babesiaTransmission of babesia
Transmission of babesia
Amuda Tharheer
 
Viajes espaciales (1)
Viajes espaciales (1)Viajes espaciales (1)
Viajes espaciales (1)
José Antonio Lupión Lorenzo
 
Malaria lecture 1
Malaria lecture 1Malaria lecture 1
Malaria lecture 1
Nagat Elhag
 
Remote Sensing Health Assessment
Remote Sensing Health AssessmentRemote Sensing Health Assessment
Remote Sensing Health Assessment
Jessie Wang
 
O lugar certo
O lugar certoO lugar certo
O lugar certo
Lucio Borges
 
Flagellates parasitology
Flagellates parasitologyFlagellates parasitology
Flagellates parasitology
pinkliver
 
Kinetoplasta (Trypanosoma & Leishmania)
Kinetoplasta (Trypanosoma & Leishmania)Kinetoplasta (Trypanosoma & Leishmania)
Kinetoplasta (Trypanosoma & Leishmania)
Syahidah Hassim
 
Tarea 4 ¡EN RUTA!
Tarea 4 ¡EN RUTA!Tarea 4 ¡EN RUTA!
Tarea 4 ¡EN RUTA!
Irene12233
 
Amoebiasis
AmoebiasisAmoebiasis
Amoebiasis
Himaja Devarakonda
 
Filo platelmintos: carcaterísticas y clasificación
Filo platelmintos: carcaterísticas y clasificaciónFilo platelmintos: carcaterísticas y clasificación
Filo platelmintos: carcaterísticas y clasificación
Fer Martínez
 
Fasiola hepatica(round worms)
Fasiola hepatica(round worms)Fasiola hepatica(round worms)
Fasiola hepatica(round worms)
Muzaffar khan
 
Priekšējās krusteniskās saites plīsums, tās ķirurģiska terapija.
Priekšējās krusteniskās saites plīsums, tās ķirurģiska terapija.Priekšējās krusteniskās saites plīsums, tās ķirurģiska terapija.
Priekšējās krusteniskās saites plīsums, tās ķirurģiska terapija.
TunO pulciņš
 

Destaque (20)

Parasitology lab pictures
Parasitology lab picturesParasitology lab pictures
Parasitology lab pictures
 
Prevalence of s. japonicum infection in bgy. magrafil gonzaga cagayan present...
Prevalence of s. japonicum infection in bgy. magrafil gonzaga cagayan present...Prevalence of s. japonicum infection in bgy. magrafil gonzaga cagayan present...
Prevalence of s. japonicum infection in bgy. magrafil gonzaga cagayan present...
 
Fasciola Hepatica
Fasciola HepaticaFasciola Hepatica
Fasciola Hepatica
 
[Superpartituras.com.br] nothing-else-matters-v-5
[Superpartituras.com.br] nothing-else-matters-v-5[Superpartituras.com.br] nothing-else-matters-v-5
[Superpartituras.com.br] nothing-else-matters-v-5
 
Haemoproteus Columbae
Haemoproteus ColumbaeHaemoproteus Columbae
Haemoproteus Columbae
 
Babesia
BabesiaBabesia
Babesia
 
Parasitic and mycotic diseases
Parasitic and mycotic diseasesParasitic and mycotic diseases
Parasitic and mycotic diseases
 
Leucocytozoon & Hepatozoon
Leucocytozoon & HepatozoonLeucocytozoon & Hepatozoon
Leucocytozoon & Hepatozoon
 
Transmission of babesia
Transmission of babesiaTransmission of babesia
Transmission of babesia
 
Viajes espaciales (1)
Viajes espaciales (1)Viajes espaciales (1)
Viajes espaciales (1)
 
Malaria lecture 1
Malaria lecture 1Malaria lecture 1
Malaria lecture 1
 
Remote Sensing Health Assessment
Remote Sensing Health AssessmentRemote Sensing Health Assessment
Remote Sensing Health Assessment
 
O lugar certo
O lugar certoO lugar certo
O lugar certo
 
Flagellates parasitology
Flagellates parasitologyFlagellates parasitology
Flagellates parasitology
 
Kinetoplasta (Trypanosoma & Leishmania)
Kinetoplasta (Trypanosoma & Leishmania)Kinetoplasta (Trypanosoma & Leishmania)
Kinetoplasta (Trypanosoma & Leishmania)
 
Tarea 4 ¡EN RUTA!
Tarea 4 ¡EN RUTA!Tarea 4 ¡EN RUTA!
Tarea 4 ¡EN RUTA!
 
Amoebiasis
AmoebiasisAmoebiasis
Amoebiasis
 
Filo platelmintos: carcaterísticas y clasificación
Filo platelmintos: carcaterísticas y clasificaciónFilo platelmintos: carcaterísticas y clasificación
Filo platelmintos: carcaterísticas y clasificación
 
Fasiola hepatica(round worms)
Fasiola hepatica(round worms)Fasiola hepatica(round worms)
Fasiola hepatica(round worms)
 
Priekšējās krusteniskās saites plīsums, tās ķirurģiska terapija.
Priekšējās krusteniskās saites plīsums, tās ķirurģiska terapija.Priekšējās krusteniskās saites plīsums, tās ķirurģiska terapija.
Priekšējās krusteniskās saites plīsums, tās ķirurģiska terapija.
 

Semelhante a Fascíola hepática

Reino animal
Reino animalReino animal
Reino animal
aulasdotubao
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
Marcos Albuquerque
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
Marcos Albuquerque
 
Ascaris lumbricoides
Ascaris lumbricoidesAscaris lumbricoides
Ascaris lumbricoides
Francisco De Assis Silva Costa
 
CESTODOES DOS CARNÍVOROS.docx
CESTODOES DOS CARNÍVOROS.docxCESTODOES DOS CARNÍVOROS.docx
CESTODOES DOS CARNÍVOROS.docx
MarisaSantos858564
 
Zoologia 1
Zoologia 1Zoologia 1
Zoologia 1
NICKSON ♥
 
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris LumbricoidesAscaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Fernanda Gomes
 
Aula 4 vicky ii
Aula 4 vicky iiAula 4 vicky ii
Parasito aula 4.pptx
Parasito aula 4.pptxParasito aula 4.pptx
Parasito aula 4.pptx
LeticiaSousa82
 
Zoologia aula 05
Zoologia aula 05Zoologia aula 05
Zoologia aula 05
James Pinho Ladislau Pinho
 
REINO PROTISTA - protozoários, protozooses.
REINO PROTISTA - protozoários, protozooses.REINO PROTISTA - protozoários, protozooses.
REINO PROTISTA - protozoários, protozooses.
antonimelo
 
Enterobíase
EnterobíaseEnterobíase
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
professorbevilacqua
 
Aula 5 toxoplasma gondii e toxoplasmose
Aula 5  toxoplasma gondii e toxoplasmoseAula 5  toxoplasma gondii e toxoplasmose
Aula 5 toxoplasma gondii e toxoplasmose
Joao Paulo Peixoto
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
FranciscoFlorencio6
 
Aula 5 toxoplasma plasmódio
Aula 5 toxoplasma plasmódioAula 5 toxoplasma plasmódio
Aula 5 toxoplasma plasmódio
Adila Trubat
 
Balantidiose
BalantidioseBalantidiose
Balantidiose
Luciano Sousa
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
GabrielaMansur
 
Toxoplasma gondii
Toxoplasma gondiiToxoplasma gondii
Toxoplasma gondii
Anderson Santana
 

Semelhante a Fascíola hepática (20)

Reino animal
Reino animalReino animal
Reino animal
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Ascaris lumbricoides
Ascaris lumbricoidesAscaris lumbricoides
Ascaris lumbricoides
 
CESTODOES DOS CARNÍVOROS.docx
CESTODOES DOS CARNÍVOROS.docxCESTODOES DOS CARNÍVOROS.docx
CESTODOES DOS CARNÍVOROS.docx
 
Zoologia 1
Zoologia 1Zoologia 1
Zoologia 1
 
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris LumbricoidesAscaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
 
Aula 4 vicky ii
Aula 4 vicky iiAula 4 vicky ii
Aula 4 vicky ii
 
Parasito aula 4.pptx
Parasito aula 4.pptxParasito aula 4.pptx
Parasito aula 4.pptx
 
Zoologia aula 05
Zoologia aula 05Zoologia aula 05
Zoologia aula 05
 
REINO PROTISTA - protozoários, protozooses.
REINO PROTISTA - protozoários, protozooses.REINO PROTISTA - protozoários, protozooses.
REINO PROTISTA - protozoários, protozooses.
 
Enterobíase
EnterobíaseEnterobíase
Enterobíase
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Aula 5 toxoplasma gondii e toxoplasmose
Aula 5  toxoplasma gondii e toxoplasmoseAula 5  toxoplasma gondii e toxoplasmose
Aula 5 toxoplasma gondii e toxoplasmose
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Protozoarios
 
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
 
Aula 5 toxoplasma plasmódio
Aula 5 toxoplasma plasmódioAula 5 toxoplasma plasmódio
Aula 5 toxoplasma plasmódio
 
Balantidiose
BalantidioseBalantidiose
Balantidiose
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 
Toxoplasma gondii
Toxoplasma gondiiToxoplasma gondii
Toxoplasma gondii
 

Fascíola hepática

  • 2. FASCIOLA HEPATICA  Reino: Animalia  Filo: Platyhelminthes  Classe: Trematoda  Família: Fasciolidae  Gênero: Fasciola  Espécie: F. hepatica
  • 3. FASCIOLA HEPATICA  Doença: Fasciolose  Habitat: interior da vesícula biliar e canais biliares calibrosos  Via de transmissão: ingestão de metacercárias  Formas evolutivas: adultos hermafroditas, ovo, miracídio, rédea, cercária e metacercária  Parasita heteroxeno
  • 4. FASCÍOLA HEPÁTICA • Tipos de hospedeiro – Hospedeiro definitivo: ovinos, bovinos, caprinos, suínos e vários mamíferos silvestres – Hospedeiro definitivo acidental: homem – Hospedeiro intermediário: caramujo da espécie Lymnaea columella e L.viatrix.
  • 7. FASCÍOLA HEPÁTICA • Morfologia: • Verme adulto: – Aspecto foliáceo – 3 cm comprimento x 1,5 largura – Apresentam ventosa oral e ventral (acetábulo) – Presença de espinhos na cutícula – Presença de aparelho genital feminino e masculino – Eliminação de ovos operculados
  • 8. FASCIOLA HEPATICA • Longevidade – 9 a 13 anos • Nutrição – Conteúdo biliar – Produtos inflamatórios – Material necrótico formado
  • 11. PRESENÇA DE F.HEPATICA EM DUCTO BILIAR COMUM
  • 12. FASCIOLA HEPATICA • Miracídeo: – Revestimento ciliar – Vida média de 8 horas. • Cercária: – Cauda única
  • 13. FASCÍOLA HEPÁTICA • Metacercária: – Forma cística • Ovo: – Ovos grandes: 130 a 150 μm comprimento x 60 a 100 μm – Opérculo em uma das extremidades – Casca fina
  • 16. CICLO BIOLÓGICO • Ovoposição nos canais biliares do hospedeiro parasitado • Ovos são levados para o intestino pela secreção biliar • Eliminação de ovos embrionados no meio externo – água a temperatura de 25-30° C • Liberação de 4 a 50 mil ovos/dia • 10 – 15 dias no ambiente : liberação do miracídeo em contato com a água
  • 17. CICLO BIOLÓGICO • Vida média do miracídeo: 6 horas no ambiente • Penetração do miracídeo no molusco ( 3 a 5 miracídeos) • Formação de esporocisto que dará origem de 5 a 8 rédias • Rédias darão origem as cercárias.
  • 18. CICLO BIOLÓGICO • A cercária logo que sai do caramujo, adere com suas ventosas à vegetação ou a algum outro suporte • Perde a cauda e encista-se produzindo a metacercária • Metacercária: forma infectante • HD: Ingestão de metacercárias • Desencistamento e liberação das larvas no intestino delgado
  • 19. CICLO BIOLÓGICO • Perfuração da parede intestinal, migração através da cavidade peritoneal , perfuração da Cápsula de Glisson e migração pelo parênquima hepático, onde alcançam os ductos biliares. • Maturação sexual ocorre nos ductos biliares – 2 meses
  • 21. PATOGENIA • Formas imaturas – Liquefação dos tecidos hepáticos pela ação lítica das enzimas – Os parasitos alimentam-se de células hepáticas e sangue – Numerosas lesões necróticas de 1 ou 2 mm de diâmetro pela migração das larvas e posterior substituição por tecido fibroso. – Abcessos neutrofílicos
  • 22. PATOGENIA • Formas maduras – Os espinhos da cutícula do verme provocam lesões no endotélio dos ductos biliares levando à hiperplasia – Reação cicatricial, fibrose e deposição de cálcio – Diminuição do fluxo biliar provocando cirrose e insuficiência hepática – Envolvimento de vasos sanguíneos, necrose parcial ou completa dos lobos hepáticos – Hepatomegalia
  • 23. FASE AGUDA : • febre, • aumento doloroso do fígado e diarréia. FASE CRÔNICA : • dor abdominal, • diarréia, • hepatomegalia, • anemia, • perda de peso e complicações da cirrose
  • 24. DIAGNÓSTICO PARASITOLÓGICO • Pesquisa de ovos nas fezes – Método de concentração por sedimentação espontânea: Método de Hoffmann, Pons e Janer. – Método de concentração por centrifugação: Método de MIFC ou de Blagg – Insuficiente pela escassez ou ausência de ovos nas fezes humanas. – Causa de erro dignóstico: presença de ovos nas fezes humanas vindas da ingestão de fígado de animais infectados
  • 25. OUTRAS FORMAS DE DIAGNÓSTICO • Encontro de ovos no suco duodenal obtidos por sondagem • ELISA • Imunofluorescência indireta • Tomografia computadorizada • Ultrassonografia
  • 26. EPIDEMIOLOGIA • Grande número de reservatórios. • Comércio de animais (gado e cavalos) de uma região para outra • Resistência do caramujo às secas e facilidade de reprodução • Criação de gado em áreas úmidas • Longevidade de 1 ano da metacercária na vegetação aquática • Presença de caramujos em plantações de agrião.
  • 28. PROFILAXIA • Controle das helmintoses entre os animais – Rafoxanide – Albendazole – Ivermectina + Clorzulon – Desenvolvimento de vacinas • Destruição do caramujos – Moluscocidas – Drenagem das pastagens alagadiças – Criação de molusco Solicitoides sp - predador
  • 29. PROFILAXIA • Beber água filtrada • Não consumir agrião de regiões onde a helmintose tiver alta prevalência. • Não plantar agriões na área que possa estar contaminada com fezes de ruminantes