SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Baixar para ler offline
FUNDAFUNDAÇÇÃO OSWALDO ARANHAÃO OSWALDO ARANHA
CENTRO UNIVERSITCENTRO UNIVERSITÁÁRIO DE VOLTA REDONDARIO DE VOLTA REDONDA
CURSO:CURSO: ODONTOLOGIAODONTOLOGIA
PROFESSOR: DIMITRI R. ALVESPROFESSOR: DIMITRI R. ALVES
EE--mail:mail: dimitri_ra@hotmail.comdimitri_ra@hotmail.com;;
dimitri.alves@foa.org.brdimitri.alves@foa.org.br
ARTRARTRÓÓPODES DE IMPORTÂNCIAPODES DE IMPORTÂNCIA
EM SAEM SAÚÚDE PDE PÚÚBLICABLICA
ORDEN SIPHONAPTERAORDEN SIPHONAPTERA
(INSECTA)(INSECTA)
ParasitologiaParasitologia -- 20122012
OrdemOrdem SiphonapteraSiphonaptera
IntroduçãoIntrodução
•• Incluem nessa ordemIncluem nessa ordem insetos hematófagosinsetos hematófagos (machos e(machos e
fêmeas) conhecidos comofêmeas) conhecidos como pulgaspulgas ee bichobicho--dede--pépé..
Importância como parasitosImportância como parasitos::
HematofagismoHematofagismo: sua picada é dolorosa proporcionando: sua picada é dolorosa proporcionando
incômodoincômodo,, estresseestresse. São muito vorazes.. São muito vorazes.
Irritação da peleIrritação da pele: as picadas produzem irritação e: as picadas produzem irritação e reaçõesreações
alérgicasalérgicas de maior ou menos intensidade.de maior ou menos intensidade.
Lesões cutâneasLesões cutâneas:: TungaTunga penetranspenetrans podepode veicularveicular
mecanicamentemecanicamente o tétano (o tétano (ClostridiumClostridium tetanitetani), gangrena gasosa), gangrena gasosa
((ClostridiumClostridium perfrigensperfrigens) e esporos de fungos.) e esporos de fungos.
OrdemOrdem SiphonapteraSiphonaptera
Importância como transmissores ou vetores:Importância como transmissores ou vetores:
•• Doenças bacterianas como aDoenças bacterianas como a Peste BubônicaPeste Bubônica,,
causada porcausada por YersinaYersina pestispestis ((==PasteurellaPasteurella pestispestis),),
sendo este seu papel mais importante e exercidosendo este seu papel mais importante e exercido
porpor XenopsyllaXenopsylla cheopischeopis ee PolygenisPolygenis sp.;sp.;
•• TifoTifo MurinoMurino, que tem por etiológico, que tem por etiológico RickettsiaRickettsia
mooserimooseri..
OrdemOrdem SiphonapteraSiphonaptera
Importância como hospedeiros intermediários:Importância como hospedeiros intermediários:
•• De helmintos com os cestóidesDe helmintos com os cestóides HymenolepisHymenolepis nananana, que se, que se
desenvolve no intestino do homem ou de roedores;desenvolve no intestino do homem ou de roedores;
•• São tambémSão também hospedeiros intermediárioshospedeiros intermediários de helmintosde helmintos
de cães comode cães como DypilidiumDypilidium caninumcaninum ee DipetalonemaDipetalonema
reconditumreconditum..
Ciclo biológico dosCiclo biológico dos sifonápterossifonápteros
Ápteros
(sem asas)
Epidemiologia da peste urbanaEpidemiologia da peste urbana – Transmissão
de Yersinia pestis por Xenopsylla cheopis.
Ciclo
epizoótico
Ciclo epidêmico – forma bubônica
Forma pneumônica
OrdemOrdem SiphonapteraSiphonaptera
TungaTunga penetranspenetrans
é conhecida como bichoé conhecida como bicho--dodo--pé, causadora dapé, causadora da TUNGÍASETUNGÍASE;;
apesar de ambos os sexos serem hematófagos,apesar de ambos os sexos serem hematófagos, apenas asapenas as
fêmeas penetram nos tecidosfêmeas penetram nos tecidos, alimentando, alimentando--se de líquidose de líquido
tissular e sangue e se enchendo de ovos, tomando uma formatissular e sangue e se enchendo de ovos, tomando uma forma
hipertrofiada,hipertrofiada, denominada NEOSOMAdenominada NEOSOMA;;
são parasitos do homem, cães, gatos e porcos;são parasitos do homem, cães, gatos e porcos;
É uma parasitoseÉ uma parasitose autolimitadaautolimitada, com duração de 4 a 6, com duração de 4 a 6
semanas; incômodo como intenso prurido e dor, além dosemanas; incômodo como intenso prurido e dor, além do
desenvolvimento de infiltrados inflamatórios são evidenciados.desenvolvimento de infiltrados inflamatórios são evidenciados.
OrdemOrdem SiphonapteraSiphonaptera
TungaTunga penetranspenetrans –– CICLO BIOLÓGICOCICLO BIOLÓGICO
após a cópula as fêmeas procuram um hospedeiro e
penetram ativamente no local escolhido;
permanecem com a cabeça e o corpo mergulhados no
tecido, deixando para fora apenas a extremidade posterior que
contém a abertura genital, o ânus e os estígmas respiratórios;
a abdome cresce muito por causa da quantidade de ovos
que são expelidos como bala de canhão;
dos ovos no solo eclodirão as larvas, passarão para o
estágio de pupa e posteriormente adultos.
Ciclo BiológicoCiclo Biológico -- TungaTunga penetranspenetrans
TungaTunga penetranspenetrans (Pulga)(Bicho de pé)(Pulga)(Bicho de pé)
TungaTunga penetranspenetrans (Pulga)(Bicho de pé)(Pulga)(Bicho de pé)
TungaTunga penetranspenetrans (Pulga)(Bicho de pé)(Pulga)(Bicho de pé)
Infestação porInfestação por TungaTunga penetranspenetrans
Infestação porInfestação por TungaTunga penetranspenetrans
Infestação porInfestação por TungaTunga penetranspenetrans
Infestação porInfestação por TungaTunga penetranspenetrans
PapulasPapulas ceratósicasceratósicas com pontos enegrecidoscom pontos enegrecidos
causados porcausados por T.T. penetranspenetrans
OrdemOrdem SiphonapteraSiphonaptera
Controle da pulgasControle da pulgas
Métodos mecânicosMétodos mecânicos: catação manual do ectoparasito,: catação manual do ectoparasito,
lavagem da pelagem e escovação freqüente;lavagem da pelagem e escovação freqüente;
No interior das habitaçõesNo interior das habitações: varreção e incineração da: varreção e incineração da
varredura, lavagem dos pisos e da “cama” do animal;varredura, lavagem dos pisos e da “cama” do animal;
No ambienteNo ambiente peridomiciliarperidomiciliar: varreção freqüente do canil e: varreção freqüente do canil e
outros abrigos, impedir a veiculação de esterco e matériaoutros abrigos, impedir a veiculação de esterco e matéria
orgânica para adubo, manejo da vegetação e do solo eorgânica para adubo, manejo da vegetação e do solo e
impedir o contato ou intercâmbio de animais com outrosimpedir o contato ou intercâmbio de animais com outros
externos ao domicílio.externos ao domicílio.
Uso de produtos químicosUso de produtos químicos..
OrdemOrdem SiphonapteraSiphonaptera
PatologiaPatologia -- TungíaseTungíase
Ligeiro prurido;Ligeiro prurido;
Reação inflamatóriaReação inflamatória
Infecções bacterianasInfecções bacterianas
TratamentoTratamento
Consiste na extirpação dos parasitos dentro de condiçõesConsiste na extirpação dos parasitos dentro de condições
estritamente assépticas;estritamente assépticas;
Aplicação deAplicação de unguentounguento mercurialmercurial ou pomada a base deou pomada a base de
inseticidas.inseticidas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Babesiose
BabesioseBabesiose
Babesiose
 
Classe cestoda
Classe cestodaClasse cestoda
Classe cestoda
 
Aula 1 conceitos gerais de parasitologia
Aula 1 conceitos gerais de parasitologiaAula 1 conceitos gerais de parasitologia
Aula 1 conceitos gerais de parasitologia
 
Aula n° 7 helmintos
Aula n° 7   helmintosAula n° 7   helmintos
Aula n° 7 helmintos
 
Pulga (ordem siphonaptera)
Pulga (ordem siphonaptera)Pulga (ordem siphonaptera)
Pulga (ordem siphonaptera)
 
Giardia
GiardiaGiardia
Giardia
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Aula de Parasitologia Médica sobre os Platelmintos
Aula de Parasitologia Médica sobre os Platelmintos Aula de Parasitologia Médica sobre os Platelmintos
Aula de Parasitologia Médica sobre os Platelmintos
 
Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
 
Anatomia topográfica acessos - abdome 1
Anatomia topográfica   acessos - abdome 1Anatomia topográfica   acessos - abdome 1
Anatomia topográfica acessos - abdome 1
 
Ectoparasita - Carrapato
Ectoparasita - CarrapatoEctoparasita - Carrapato
Ectoparasita - Carrapato
 
Esquistossomose
Esquistossomose Esquistossomose
Esquistossomose
 
Patologias do sistema reprodutor
Patologias do sistema reprodutorPatologias do sistema reprodutor
Patologias do sistema reprodutor
 
Eventos de massa | Maculosa
Eventos de massa | MaculosaEventos de massa | Maculosa
Eventos de massa | Maculosa
 
Carrapatos
CarrapatosCarrapatos
Carrapatos
 
Phylum apicomplexa
Phylum apicomplexaPhylum apicomplexa
Phylum apicomplexa
 
Sarcoptes Scabiei (sarna) Parasitologia Humana
Sarcoptes Scabiei (sarna) Parasitologia HumanaSarcoptes Scabiei (sarna) Parasitologia Humana
Sarcoptes Scabiei (sarna) Parasitologia Humana
 
Diptera - vet 145
Diptera - vet 145Diptera - vet 145
Diptera - vet 145
 
Dermatofitoses
DermatofitosesDermatofitoses
Dermatofitoses
 
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a MaláriaAula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
 

Destaque

Ectoparasitos de interesse médico e Doença de Chagas
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de ChagasEctoparasitos de interesse médico e Doença de Chagas
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de ChagasLilian Souza
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodesletyap
 
Controle e biologia dos carrapatos
Controle e biologia dos carrapatosControle e biologia dos carrapatos
Controle e biologia dos carrapatosflaviahuber59
 
Anatomiadento maxilo-mandibular-110429050346-phpapp02
Anatomiadento maxilo-mandibular-110429050346-phpapp02Anatomiadento maxilo-mandibular-110429050346-phpapp02
Anatomiadento maxilo-mandibular-110429050346-phpapp02Lucas Almeida Sá
 
Plano de aula parasitologia odontologia 2012-2
Plano de aula    parasitologia odontologia 2012-2Plano de aula    parasitologia odontologia 2012-2
Plano de aula parasitologia odontologia 2012-2Lucas Almeida Sá
 
Escabiose e Pediculose
Escabiose e  PediculoseEscabiose e  Pediculose
Escabiose e Pediculosebubuzinhapj
 
Emergências em estomatologia 2011
Emergências em estomatologia 2011Emergências em estomatologia 2011
Emergências em estomatologia 2011Lucas Almeida Sá
 
Introdução miiase
Introdução miiaseIntrodução miiase
Introdução miiaseLoreta Vasco
 
Escabiose e Pediculose
Escabiose e PediculoseEscabiose e Pediculose
Escabiose e PediculoseSandro Sans
 
àcaros e Carrapatos
àcaros e Carrapatosàcaros e Carrapatos
àcaros e CarrapatosMayane Leite
 
Dípteros miíases - moscas
Dípteros   miíases - moscasDípteros   miíases - moscas
Dípteros miíases - moscasCaroline Gomes
 

Destaque (15)

Ectoparasitos de interesse médico e Doença de Chagas
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de ChagasEctoparasitos de interesse médico e Doença de Chagas
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de Chagas
 
Rickettsias
RickettsiasRickettsias
Rickettsias
 
Artropodos med
Artropodos medArtropodos med
Artropodos med
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Controle e biologia dos carrapatos
Controle e biologia dos carrapatosControle e biologia dos carrapatos
Controle e biologia dos carrapatos
 
Anatomiadento maxilo-mandibular-110429050346-phpapp02
Anatomiadento maxilo-mandibular-110429050346-phpapp02Anatomiadento maxilo-mandibular-110429050346-phpapp02
Anatomiadento maxilo-mandibular-110429050346-phpapp02
 
Plano de aula parasitologia odontologia 2012-2
Plano de aula    parasitologia odontologia 2012-2Plano de aula    parasitologia odontologia 2012-2
Plano de aula parasitologia odontologia 2012-2
 
Escabiose e Pediculose
Escabiose e  PediculoseEscabiose e  Pediculose
Escabiose e Pediculose
 
Cistos orais e para orais
Cistos orais e para oraisCistos orais e para orais
Cistos orais e para orais
 
Emergências em estomatologia 2011
Emergências em estomatologia 2011Emergências em estomatologia 2011
Emergências em estomatologia 2011
 
Escabiose (sarna)
Escabiose (sarna)Escabiose (sarna)
Escabiose (sarna)
 
Introdução miiase
Introdução miiaseIntrodução miiase
Introdução miiase
 
Escabiose e Pediculose
Escabiose e PediculoseEscabiose e Pediculose
Escabiose e Pediculose
 
àcaros e Carrapatos
àcaros e Carrapatosàcaros e Carrapatos
àcaros e Carrapatos
 
Dípteros miíases - moscas
Dípteros   miíases - moscasDípteros   miíases - moscas
Dípteros miíases - moscas
 

Semelhante a Aula 15 ectoparasitos ii- pulgas - odontologia - unifoa - 2012-1

Semelhante a Aula 15 ectoparasitos ii- pulgas - odontologia - unifoa - 2012-1 (20)

slide aula de Leptospirose.pdf
slide aula de Leptospirose.pdfslide aula de Leptospirose.pdf
slide aula de Leptospirose.pdf
 
Schistosoma
SchistosomaSchistosoma
Schistosoma
 
FILO NEMATODA
FILO NEMATODAFILO NEMATODA
FILO NEMATODA
 
Mosquitos e vetores abate basf
Mosquitos e vetores   abate basfMosquitos e vetores   abate basf
Mosquitos e vetores abate basf
 
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptxAULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 
4 doenças bacterianas
4 doenças bacterianas4 doenças bacterianas
4 doenças bacterianas
 
Aula 03 - Ordem Diptera.pdf
Aula 03 - Ordem Diptera.pdfAula 03 - Ordem Diptera.pdf
Aula 03 - Ordem Diptera.pdf
 
nematodios_costrucao.pptx
nematodios_costrucao.pptxnematodios_costrucao.pptx
nematodios_costrucao.pptx
 
PARASITOLOGIA.pdf
PARASITOLOGIA.pdfPARASITOLOGIA.pdf
PARASITOLOGIA.pdf
 
Slides peçonhentos
Slides   peçonhentosSlides   peçonhentos
Slides peçonhentos
 
Aula.parasitoses.humanas.ii
Aula.parasitoses.humanas.iiAula.parasitoses.humanas.ii
Aula.parasitoses.humanas.ii
 
Arthropoda insecta
Arthropoda insectaArthropoda insecta
Arthropoda insecta
 
Reino animal
Reino animalReino animal
Reino animal
 
Estudo dos protozoários (versão para aula)
Estudo dos protozoários (versão para aula)Estudo dos protozoários (versão para aula)
Estudo dos protozoários (versão para aula)
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 
Proto
ProtoProto
Proto
 
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
3.aula.Leishmaniose.MEDICINA.pptx
 

Mais de Lucas Almeida Sá

Mais de Lucas Almeida Sá (20)

Técnicas anestésicas dentistica uni foa 2012-01-pedro
Técnicas anestésicas   dentistica uni foa 2012-01-pedroTécnicas anestésicas   dentistica uni foa 2012-01-pedro
Técnicas anestésicas dentistica uni foa 2012-01-pedro
 
Imagiologia
ImagiologiaImagiologia
Imagiologia
 
Maxila
 Maxila Maxila
Maxila
 
Tecnica radiografica
Tecnica radiograficaTecnica radiografica
Tecnica radiografica
 
Apostila de radiologia odontológica
Apostila de radiologia odontológicaApostila de radiologia odontológica
Apostila de radiologia odontológica
 
Slm.ins.m3 00-manual-anestesiologia-e-terapeutica
Slm.ins.m3 00-manual-anestesiologia-e-terapeuticaSlm.ins.m3 00-manual-anestesiologia-e-terapeutica
Slm.ins.m3 00-manual-anestesiologia-e-terapeutica
 
Farmacologia dos anestesicos locais
Farmacologia dos anestesicos locaisFarmacologia dos anestesicos locais
Farmacologia dos anestesicos locais
 
Anestesia local em odontologia
Anestesia local em odontologiaAnestesia local em odontologia
Anestesia local em odontologia
 
Anatomia anestesica
Anatomia anestesicaAnatomia anestesica
Anatomia anestesica
 
Centro cirurgico
Centro cirurgicoCentro cirurgico
Centro cirurgico
 
Suturas em odontologia_-_silverstein_-_2003
Suturas em odontologia_-_silverstein_-_2003Suturas em odontologia_-_silverstein_-_2003
Suturas em odontologia_-_silverstein_-_2003
 
Como escolher adequado_anestesico
Como escolher adequado_anestesicoComo escolher adequado_anestesico
Como escolher adequado_anestesico
 
Anestésicos locais em odontologia uma revisão de literatura
Anestésicos locais em odontologia   uma revisão de literaturaAnestésicos locais em odontologia   uma revisão de literatura
Anestésicos locais em odontologia uma revisão de literatura
 
Inteligencias multiplas copia
Inteligencias multiplas   copiaInteligencias multiplas   copia
Inteligencias multiplas copia
 
Identidade
IdentidadeIdentidade
Identidade
 
Grupos
GruposGrupos
Grupos
 
3 vida afetiva
3 vida afetiva3 vida afetiva
3 vida afetiva
 
Behaviorismo certo
Behaviorismo certoBehaviorismo certo
Behaviorismo certo
 
Larva migrans cutânea mucosa
Larva migrans cutânea mucosaLarva migrans cutânea mucosa
Larva migrans cutânea mucosa
 
Parasitoses x idh
Parasitoses x idhParasitoses x idh
Parasitoses x idh
 

Aula 15 ectoparasitos ii- pulgas - odontologia - unifoa - 2012-1

  • 1. FUNDAFUNDAÇÇÃO OSWALDO ARANHAÃO OSWALDO ARANHA CENTRO UNIVERSITCENTRO UNIVERSITÁÁRIO DE VOLTA REDONDARIO DE VOLTA REDONDA CURSO:CURSO: ODONTOLOGIAODONTOLOGIA PROFESSOR: DIMITRI R. ALVESPROFESSOR: DIMITRI R. ALVES EE--mail:mail: dimitri_ra@hotmail.comdimitri_ra@hotmail.com;; dimitri.alves@foa.org.brdimitri.alves@foa.org.br ARTRARTRÓÓPODES DE IMPORTÂNCIAPODES DE IMPORTÂNCIA EM SAEM SAÚÚDE PDE PÚÚBLICABLICA ORDEN SIPHONAPTERAORDEN SIPHONAPTERA (INSECTA)(INSECTA) ParasitologiaParasitologia -- 20122012
  • 2. OrdemOrdem SiphonapteraSiphonaptera IntroduçãoIntrodução •• Incluem nessa ordemIncluem nessa ordem insetos hematófagosinsetos hematófagos (machos e(machos e fêmeas) conhecidos comofêmeas) conhecidos como pulgaspulgas ee bichobicho--dede--pépé.. Importância como parasitosImportância como parasitos:: HematofagismoHematofagismo: sua picada é dolorosa proporcionando: sua picada é dolorosa proporcionando incômodoincômodo,, estresseestresse. São muito vorazes.. São muito vorazes. Irritação da peleIrritação da pele: as picadas produzem irritação e: as picadas produzem irritação e reaçõesreações alérgicasalérgicas de maior ou menos intensidade.de maior ou menos intensidade. Lesões cutâneasLesões cutâneas:: TungaTunga penetranspenetrans podepode veicularveicular mecanicamentemecanicamente o tétano (o tétano (ClostridiumClostridium tetanitetani), gangrena gasosa), gangrena gasosa ((ClostridiumClostridium perfrigensperfrigens) e esporos de fungos.) e esporos de fungos.
  • 3. OrdemOrdem SiphonapteraSiphonaptera Importância como transmissores ou vetores:Importância como transmissores ou vetores: •• Doenças bacterianas como aDoenças bacterianas como a Peste BubônicaPeste Bubônica,, causada porcausada por YersinaYersina pestispestis ((==PasteurellaPasteurella pestispestis),), sendo este seu papel mais importante e exercidosendo este seu papel mais importante e exercido porpor XenopsyllaXenopsylla cheopischeopis ee PolygenisPolygenis sp.;sp.; •• TifoTifo MurinoMurino, que tem por etiológico, que tem por etiológico RickettsiaRickettsia mooserimooseri..
  • 4. OrdemOrdem SiphonapteraSiphonaptera Importância como hospedeiros intermediários:Importância como hospedeiros intermediários: •• De helmintos com os cestóidesDe helmintos com os cestóides HymenolepisHymenolepis nananana, que se, que se desenvolve no intestino do homem ou de roedores;desenvolve no intestino do homem ou de roedores; •• São tambémSão também hospedeiros intermediárioshospedeiros intermediários de helmintosde helmintos de cães comode cães como DypilidiumDypilidium caninumcaninum ee DipetalonemaDipetalonema reconditumreconditum..
  • 5. Ciclo biológico dosCiclo biológico dos sifonápterossifonápteros Ápteros (sem asas)
  • 6.
  • 7.
  • 8. Epidemiologia da peste urbanaEpidemiologia da peste urbana – Transmissão de Yersinia pestis por Xenopsylla cheopis. Ciclo epizoótico Ciclo epidêmico – forma bubônica Forma pneumônica
  • 9. OrdemOrdem SiphonapteraSiphonaptera TungaTunga penetranspenetrans é conhecida como bichoé conhecida como bicho--dodo--pé, causadora dapé, causadora da TUNGÍASETUNGÍASE;; apesar de ambos os sexos serem hematófagos,apesar de ambos os sexos serem hematófagos, apenas asapenas as fêmeas penetram nos tecidosfêmeas penetram nos tecidos, alimentando, alimentando--se de líquidose de líquido tissular e sangue e se enchendo de ovos, tomando uma formatissular e sangue e se enchendo de ovos, tomando uma forma hipertrofiada,hipertrofiada, denominada NEOSOMAdenominada NEOSOMA;; são parasitos do homem, cães, gatos e porcos;são parasitos do homem, cães, gatos e porcos; É uma parasitoseÉ uma parasitose autolimitadaautolimitada, com duração de 4 a 6, com duração de 4 a 6 semanas; incômodo como intenso prurido e dor, além dosemanas; incômodo como intenso prurido e dor, além do desenvolvimento de infiltrados inflamatórios são evidenciados.desenvolvimento de infiltrados inflamatórios são evidenciados.
  • 10. OrdemOrdem SiphonapteraSiphonaptera TungaTunga penetranspenetrans –– CICLO BIOLÓGICOCICLO BIOLÓGICO após a cópula as fêmeas procuram um hospedeiro e penetram ativamente no local escolhido; permanecem com a cabeça e o corpo mergulhados no tecido, deixando para fora apenas a extremidade posterior que contém a abertura genital, o ânus e os estígmas respiratórios; a abdome cresce muito por causa da quantidade de ovos que são expelidos como bala de canhão; dos ovos no solo eclodirão as larvas, passarão para o estágio de pupa e posteriormente adultos.
  • 11. Ciclo BiológicoCiclo Biológico -- TungaTunga penetranspenetrans
  • 12. TungaTunga penetranspenetrans (Pulga)(Bicho de pé)(Pulga)(Bicho de pé)
  • 13. TungaTunga penetranspenetrans (Pulga)(Bicho de pé)(Pulga)(Bicho de pé)
  • 14. TungaTunga penetranspenetrans (Pulga)(Bicho de pé)(Pulga)(Bicho de pé)
  • 15. Infestação porInfestação por TungaTunga penetranspenetrans
  • 16. Infestação porInfestação por TungaTunga penetranspenetrans
  • 17. Infestação porInfestação por TungaTunga penetranspenetrans
  • 18. Infestação porInfestação por TungaTunga penetranspenetrans PapulasPapulas ceratósicasceratósicas com pontos enegrecidoscom pontos enegrecidos causados porcausados por T.T. penetranspenetrans
  • 19. OrdemOrdem SiphonapteraSiphonaptera Controle da pulgasControle da pulgas Métodos mecânicosMétodos mecânicos: catação manual do ectoparasito,: catação manual do ectoparasito, lavagem da pelagem e escovação freqüente;lavagem da pelagem e escovação freqüente; No interior das habitaçõesNo interior das habitações: varreção e incineração da: varreção e incineração da varredura, lavagem dos pisos e da “cama” do animal;varredura, lavagem dos pisos e da “cama” do animal; No ambienteNo ambiente peridomiciliarperidomiciliar: varreção freqüente do canil e: varreção freqüente do canil e outros abrigos, impedir a veiculação de esterco e matériaoutros abrigos, impedir a veiculação de esterco e matéria orgânica para adubo, manejo da vegetação e do solo eorgânica para adubo, manejo da vegetação e do solo e impedir o contato ou intercâmbio de animais com outrosimpedir o contato ou intercâmbio de animais com outros externos ao domicílio.externos ao domicílio. Uso de produtos químicosUso de produtos químicos..
  • 20. OrdemOrdem SiphonapteraSiphonaptera PatologiaPatologia -- TungíaseTungíase Ligeiro prurido;Ligeiro prurido; Reação inflamatóriaReação inflamatória Infecções bacterianasInfecções bacterianas TratamentoTratamento Consiste na extirpação dos parasitos dentro de condiçõesConsiste na extirpação dos parasitos dentro de condições estritamente assépticas;estritamente assépticas; Aplicação deAplicação de unguentounguento mercurialmercurial ou pomada a base deou pomada a base de inseticidas.inseticidas.