SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 38
Extração e Tratamento de
Caldo
Safra 17/18
Polo Araguaia
Março/2017
Determinação Brix Refratométrico
PROVA
Refração
Lei de Snell-Descartes, também conhecida como lei de Snell ou lei de Descartes ou ainda,
simplesmente, lei de refração, se resume a uma expressão que dá o desvio angular sofrido por
um raio de luz ao passar para um meio diferente do qual ele estava percorrendo. Cada meio
apresenta um tipo "resistência" a passagem da radiação. Essa resistência também depende do
comprimento de onda da radiação. Essa tal "resistência" é conhecida como índice de refração
(n) uma grandeza adimensional definida pela expressão:
𝒏 =
𝑪
𝑽
onde C = 3 x 108 m/s é a velocidade da luz no vácuo e V é a velocidade da luz num certo meio.
Refração
Brix é uma escala numérica que mede a quantidade de sólidos solúveis em uma solução de
sacarose. A escala de brix, criada por Adolf F. Brix (1798 - 1870), foi derivada originalmente da
escala de Balling, recalculando a temperatura de referência de 15,5 °C.
A quantidade de sólido solúvel é o total de todos os sólidos dissolvidos em água, começando
com açúcar, sal, proteínas, ácidos e etc e os valores de leitura medido é a soma de todos eles.
Refração
 Conversão Índice de Refração em °Brix
Brix = 0,0087 + 699,82353 x (n20
D – 1,3330) – 1801,9215 x (n20
D – 1,3330)2 + 4696,422 x (n20
D –
1,3330) 3 – 6427,26 x (n20
D – 1,3330)4
n20
D = índice de refração
Calcular o ° Brix com um índice de refração de 1,35466.
° Brix 14,37
Indice Refração 1,35466
Determinação Leitura Sacarimétrica
PROVA
Determinação Leitura Sacarimétrica
Cálculo:
A pol do caldo é obtida pela seguinte fórmula:
Pol % = Ls*(0,2605 – 0,0009882 x Brix)
(Correlação Brix / Fator de Polarização)
Onde:
Ls = Leitura sacarimétrica corrigida de acordo com clarificante usado na análise
A transformação da leitura sacarimétrica com a mistura clarificante, “Octapol” para a leitura
equivalente em Subacetato de Chumbo, será feita pela equação:
Ls = 0,99879 x LOCT+ 0,47374.
Onde:
Ls = leitura sacarimétrica equivalente a de subacetato de chumbo
LOCT= leitura sacarimétrica obtida com a mistura clarificante de Octapol
Luz Polarizada
 Luz – fenômeno ondulatório em que as vibrações se produzem perpendicularmente à
direção de propagação. O plano de vibração pode ser em qualquer do número infinito
deles (em todas as direções).
 Luz polarizada – as vibrações produzem-se apenas num destes possíveis planos.
 Substância opticamente ativa é aquela que produz rotação do plano da luz
polarizada.
Luz Polarizada
Luz Polarizada
 Atividade óptica
Um feixe de luz polarizada ao passar através de uma molécula sofre quase sempre uma
pequenina rotação no respectivo plano devido à interação com as partículas carregadas
eletricamente da molécula.
Luz Polarizada
 Rotação específica
O valor da rotação depende do número de moléculas interpostas no trajeto da luz, através do
tubo
 Será duplo o número de moléculas que agem sobre a luz se, em vez de 10 cm, o tubo tiver 20
cm de comprimento e dupla será a rotação.
 O número de moléculas que se interpõem no trajeto da luz também depende da
concentração. Para um dado comprimento do tubo, a luz encontrará duas vezes mais
moléculas numa solução de 2g/L do que numa solução de 1g/L
 Rotação específica é a rotação, em graus, observada quando se usa um tubo de 1 decímetro
de comprimento e quando o composto se encontra na concentração de 1g/cm3.
 A rotação específica é uma propriedade tão característica do composto como o ponto de
fusão, o ponto de ebulição, a densidade ou o índice de refração.
Sacarose = + 66,53° (dextrogira)
Glicose = + 52,7 ° (dextrogira)
Frutose = - 92,4° (levogira)
Luz Polarizada
 Refração
α = rotação observada.
l = comprimento do tubo em dm ( 1mm = 0,01 dm).
c = concentração ou massa específica do líquido puro (g/cm3) ( 1cm³ = 1 ml).
O número 25 indica a temperatura e o D o comprimento de onda da luz utilizada na medida
risca D do sódio - 589,3 nm.
Tubo 200 mm, 100 ml solução, 20° C e sódio - 589,3 nm.
Sacarose ( +/- 15 % Cana)= α + 66,53 =
Glicose ( +/- 0,7 % Cana)= α + 52,7 =
Frutose ( +/- 0,4 % Cana)= α – 92,4 =
rotação observada +19,959
rotação observada + 0,7378
rotação observada - 0,7392
Luz Polarizada
 Desvio polarimétrico em °Z.
A solução de sacarose 26,016 gramas gera um desvio polarimétrico de 34,6168 utilizando
comprimento de tubo de 200 mm, 20° C e luz Sódio 589,3 nm.
Para conversão da rotação em °Z = 5,776006 (luz Sódio 589,3 nm) para tubos de 100 mm o que
me dá uma rotação, segundo cálculo acima, de 17,3084448 ( x 5,776006) = 100,00 ° Z
(considerando temperatura)
Exemplo.
34,596 desvio --------- 100°Z
Desvio “x “ --------- x ° Z
Se a solução tiver 9,53 g de sacarose em 100 ml de solução é passada em um tubo de 200 mm,
20° C e com luz de Sódio 589,3 nm, qual será seu desvio polarimétrico em °Z? Considera rotação
específica da sacarose = + 66,53.
α = 66,53*0,0953*2 = 12,680618 de rotação específica (tubo de 200 mm) > (12,680618 /
2) * 5,776006 = 36,62 °Z
Determinação Leitura Sacarimétrica
Cálculo:
A pol do caldo é obtida pela seguinte fórmula:
Pol % = (0,99879 x LOCT+ 0,47374 )*(0,2605 – 0,0009882 x Brix)
Considerando minha leitura sacarimétrica 60,5 e um brix de 17,4;
Pol % = ?
Determinação Pureza %
Cálculos:
A determinação da %pureza aparente dos caldos é feita indiretamente por cálculo,
utilizando-se a seguinte expressão:
% PUREZA = 100 x (%POL / BRIX)
A pureza aparente do caldo é definida com a porcentagem de pol em relação ao brix.
Considerando os dados anteriores temos:
Pureza % = ?
Determinação pH Caldos
Determinação Pol % Bagaço
PROVA
Determinação Pol % Bagaço
Cálculo:
A pol% do bagaço é obtida pela equação:
Pol = (2 x L x 26 x (1.000 + Ub)) / (20.000 - (2x L x 26 x 100 / Q))
Onde:
L: Leitura sacarimétrica;
Ub: Umidade do bagaço;
Q: pureza do caldo residual.
Determinação Pol % Bagaço
Considerando:
Leitura Sacarimétrica = 1,065
Umidade do Bagaço = 52,5
Pureza do Caldo Residual = 26,2
Pol % Bagaço = ?
Pol = (2 x L x 26 x (1.000 + Ub)) / (20.000 - (2x L x 26 x 100 / Q))
 Pol % Bagaço = 2,945
Determinação Umidade Bagaço
Determinação Umidade Bagaço
Cálculo:
%UMIDADE BAGAÇO = 2 x (P1 – P2)
Onde:
P1: Peso Inicial do conjunto cana + cesto;
P2: Peso Final do conjunto cana + cesto.
Determinação Brix Bagaço
Cálculo:
A determinação do Brix do bagaço (Brix_Bag) é feita indiretamente por
cálculo, utilizando-se a expressão:
Brix% Bagaço = % (Pol do Bagaço x 100) / Pureza Caldo Residual
Exemplo:
Pol do Bagaço = 1,02
Pureza % caldo residual = 70,00
Brix% Bagaço = (1,02 x 100) / 70
Sendo assim:
Brix% Bagaço = 1,46
Determinação Fibra do Bagaço
Cálculo:
A determinação da fibra no bagaço (Fb) é feita indiretamente por
cálculo, utilizando-se a expressão:
Fibra% Bagaço = 100 - (Umidade do Bagaço + Pol % Bagaço x 100 /
%Pureza Caldo Residual)
Exemplo:
Umidade % bagaço = 50,00
Pureza % caldo residual = 70,00
Pol % bagaço = 2,60
Fibra% Bagaço = 100 - (50,0 + 3,0 x 100/70,0)
Sendo assim:
Fibra% Bagaço = 46,28%
Determinação Impureza no Caldo
Cálculo:
%Impurezas = ((Vol. De impurezas decantadas) / (Somatória dos Vol. Usados)) x 100.
Determinação Taxa de Retenção do Lodo
Cálculo:
%Impurezas = ((Vol. De impurezas decantadas) / (Somatória dos Vol. Usados)) x 100.
Determinação Pol% da Torta
Determinação Umidade da Torta
Cálculo:
A umidade da torta é calculada pela expressão:
U (%) = (P1 – P2)*2
Determinação Fosfato do Caldo
O teor de fosfato é determinado colorimétricamente através
da formação de ácido fósfomolibdico e a ação de um agente
redutor usado para reduzir o Mo(VI) a Mo(V), formando
então um complexo azul, produzindo “azul de molibdênio”.
7H3PO4 + 12(NH4)3Mo7O24 + 51H+ à 7(NH4)3PO4· 12MoO3 + 51NH4+ + 36H2O
Onde 12MoO3 indica a coloração azulada.
Cálculo - Fosfato do Caldo
Cálculo:
1º Caso:
Diluir 5 ml do caldo filtrado a 100 ml e após a clarificação, tomar 5 ml e diluir a 50 ml,
multiplicar o valor de P2O5 lido na curva por 4 (5 para 50 = diluição de 10 para 2,5 ml = 4)
Leitura abs. = 0,200
P2O5 (obtido na curva) = 246,24*0,200+3,23 = 52,5
P2O5 (mg/l) = P2O5 Curva * Diluição = ?
2º Caso:
Diluir 5 ml do caldo filtrado a 100 ml e após a clarificação, tomar 10 ml e diluir a 50 ml,
multiplicar o valor de P2O5 lido na curva por 2 (10 para 50 = diluição de 5 para 2,5 ml = 2)
Leitura abs. = 0,095
P2O5 (obtido na curva) = 246,24*0,095+3,23 = 26,6
P2O5 (mg/l) = P2O5 Curva * Diluição = ?
Determinação Analítica Extração e
Tratamento de Caldo
 Caldo Misto
pH
pH baixo pode indicar inversão de sacarose por meio de infecções ou aquecimento em
excesso dentro do difusor. Prejudica a lixiviação / percolação e os equipamentos. O pH
auxilia na correção interna do difusor (leite de cal).
Brix
Utilizado para o cálculo da etanol em processo (tanque de caldo misto), indicativo de
lixiviação / percolação inicial e controle de embebição já que o brix baixo acarreta maior
consumo de vapor no tratamento.
Pol %
Indica a concentração aparente de sacarose no caldo. Utilizado para o cálculo da etanol
em processo (tanque de caldo misto). Indicador de performance de extração.
Pureza %
Relação Pol / Brix. Índice atrelado ao dados anteriores.
Impureza %
Indica mal funcionamento da peneira rotativa de caldo misto.
Fosfato
Caldo contendo menos fosfato são deficientes na clarificação devido a baixa formação de
flocos de fosfato, mas grandes quantidades de fosfato pode acarretar uma maior
quantidade de lodo e menor velocidade de decantação. Fator que interfere no
tratamento.
PROVA
PROVA
Determinação Analítica Extração e
Tratamento de Caldo
 Captador A e B
pH
Valores altos de pH provocam a obstrução do colchão, afetam a percolação do caldo, e
podem ser uma causa de inundação. Valores de pH baixo demais levam ao aumento da
corrosão dos componentes de aço carbono em contato com o caldo e indicar inversão de
sacarose por meio de infecções e temperatura.
Brix
Indicativo de extração.
 Caldo Captadores
Brix
Indicativo de extração.
 Bagaço Megaço
Umidade %
Indicativo para funcionamento do tambor adensador. Umidade alta significa pouca água
no tambor adensador.
Pol %
Indicativo para cálculo da extração dos ternos.
Determinação Analítica Extração e
Tratamento de Caldo
 Caldo Residual
pH
Uma queda no pH pode indicar inversão de sacarose por meio de infecções. Corrosão dos
equipamentos da moenda.
Brix
Indicativo para cálculo da extração da moenda.
Pol %
Indicativo para cálculo da extração do difusor / moenda.
Pureza %
Relação Pol /Brix. Indicativo para cálculo da extração do difusor / moenda.
 Bagaço
Pol %
Indicativo para cálculo da extração do difusor / moenda.
Umidade %
Indicativo para cálculo da extração do difusor (utilizado no cálculo da fibra bagaço) e
indicativo para o processo de queima na caldeira. Umidade muito alta pode prejudicar a
eficiência das caldeiras. O contrário pode indicar uma má extração.
Brix
Indicativo para cálculo da extração do difusor (utilizado no cálculo da fibra bagaço)
Fibra %
Indicativo para cálculo da extração do difusor.
PROVA
Determinação Analítica Extração e
Tratamento de Caldo
 Caldo Dosado
pH
Caldo muito ácido indica favorecimento da inversão da sacarose e do desenvolvimento de
bactérias e decantação ruim devido a dificuldade de afinidade com o polímero para
decantação. O pH alto indica gasto excessivo de cal, provoca um aumento de viscosidade
do caldo, dificultando a decantação e aumento o volume de lodo. Corrosão dos
equipamentos.
Brix
Usado para calcular consumo de vapor nos aquecedores. Utilizado para balanço de massa
referente ao caldo misto e clarificado.
Pol %
Valor utilizado para calcular a pureza %.
Pureza %
Utilizado para balanço de massa para operação do tratamento de caldo. Exemplo a
diferença (decrescente) entrada de pureza de um equipamento não pode ser muito
grande referente à saída (dosado para clarificado = 0,3 a 0,5 %).
PROVA
Determinação Analítica Extração e
Tratamento de Caldo
 Caldo Decantado
pH
Controle comparativo entre dosado e clarificado. Quando há uma diferença 0,3 % - 0,5%
entre dosado (entrada) e clarificado (saída) pode indicar inversão de sacarose e tempo de
retenção inadequado (diminuição da temperatura e aumento de consumo de vapor nos
prés).
Brix
Utilizado para balanço de massa referente ao caldo dosado e clarificado. Utilizado no
cálculo de eficiência industrial como etanol em processo.
Pol %
Valor utilizado para calcular a pureza %. Utilizado no cálculo de eficiência industrial como
etanol em processo.
Impureza %
Determinar desempenho do decantador e mecate.
Fosfato
Caldo contendo menos fosfato são deficientes na clarificação devido a baixa formação de
flocos de fosfato, mas grandes quantidades de fosfato pode acarretar uma maior
quantidade de lodo e menor velocidade de decantação.
Determinação Analítica Extração e
Tratamento de Caldo
 Lodo
pH
pH do lodo influem na aderência do lodo no filtro rotativo. Se o lodo possuir um pH baixo,
a aderência do lodo no filtro não será satisfatória. A correção de solo feita pela torta
também tem influencia do pH.
Concentração
Indica a consistência de lodo/caldo retirado na decantação. A quantidade de impurezas
implica na retirada do lodo quando ele está com concentração alta e diminuir a retirada
quando está com concentração baixa.
Brix
Monitoração da arraste de caldo.
 Torta de Filtro
Umidade
Indica o bom funcionamento dos vácuos e dos bicos de embebição.
Pol %
Indica o bom funcionamento dos vácuos e dos bicos de embebição. Entra no cálculo de
perdas.
Determinação Analítica Extração e
Tratamento de Caldo
 Caldo Pré-Evaporado
pH
Controle comparativo entre clarificado e evaporado. Quando há uma diferença 0,3 % -
0,5% entre clarificado (entrada) e evaporado (saída) pode indicar inversão de sacarose e
tempo de retenção inadequado no pré. Cálculo de etanol no processo.
Brix
Controle de evaporação do caldo para posterior envio para a fermentação. A oscilação
constante desse valor prejudica a alimentação da fermentação. O brix alto indica gasto de
vapor no processo de evaporação e possíveis incrustações. Utilizado no cálculo de
eficiência industrial como etanol em processo.
Pol %
Controle de evaporação do caldo para posterior envio para a fermentação. A Pol % baixa
indica gasto de vapor no processo de evaporação, queima da sacarose que toma a forma
de CO2 (gás carbônico) consequentemente, arrastado com o vapor vegetal (V1)
aumentando as perdas indeterminadas, pelo fato de não conseguirmos quantifica-las.
Utilizado no cálculo de eficiência industrial como etanol em processo.
Pureza %
Segue a linha de raciocínio do pH.
Determinação Analítica Extração e
Tratamento de Caldo
 Caldo Filtrado
pH
pH do lodo influem na aderência do lodo no filtro rotativo. Se o lodo possuir um pH baixo,
a aderência do lodo no filtro não será satisfatória. A correção de solo feita pela torta
também tem influencia do pH.
Brix
Controle de eficiência do vácuo do filtro.
Pol %
Controle de eficiência do vácuo do filtro e embebição.
Impureza %
Controle de eficiência do vácuo do filtro e adição de bagacilho.
Pureza %
Controle de eficiência do vácuo do filtro.
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação de Simulações de Balanços de Massa e Energia realizada no SIMTEC...
Apresentação de Simulações de Balanços de Massa e Energia realizada no SIMTEC...Apresentação de Simulações de Balanços de Massa e Energia realizada no SIMTEC...
Apresentação de Simulações de Balanços de Massa e Energia realizada no SIMTEC...
bpbrasil
 

Mais procurados (20)

5-Treinamento Fermentação /Destilação
5-Treinamento Fermentação /Destilação5-Treinamento Fermentação /Destilação
5-Treinamento Fermentação /Destilação
 
Apostila açúcar e álcool
Apostila açúcar e álcoolApostila açúcar e álcool
Apostila açúcar e álcool
 
3-Treinamento Tratamento De Caldo
3-Treinamento Tratamento De Caldo3-Treinamento Tratamento De Caldo
3-Treinamento Tratamento De Caldo
 
1-Treinamento Pcts
1-Treinamento Pcts1-Treinamento Pcts
1-Treinamento Pcts
 
Treinamento Operador de Separadora de Fermento
Treinamento Operador de Separadora de FermentoTreinamento Operador de Separadora de Fermento
Treinamento Operador de Separadora de Fermento
 
Modulo 02 fluxograma de fabricação do açúcar
Modulo 02 fluxograma de fabricação do açúcarModulo 02 fluxograma de fabricação do açúcar
Modulo 02 fluxograma de fabricação do açúcar
 
O processo de fabricação de açúcar e álcool na usina
O processo de fabricação de açúcar e álcool na usinaO processo de fabricação de açúcar e álcool na usina
O processo de fabricação de açúcar e álcool na usina
 
6-Treinamento Levedura Seca
6-Treinamento Levedura Seca6-Treinamento Levedura Seca
6-Treinamento Levedura Seca
 
Açúcar e Alcool
Açúcar e AlcoolAçúcar e Alcool
Açúcar e Alcool
 
RTC Medindo a Eficiencia da Industria
RTC  Medindo a Eficiencia da Industria RTC  Medindo a Eficiencia da Industria
RTC Medindo a Eficiencia da Industria
 
15 Fermentação e destilação.pptx
15 Fermentação e destilação.pptx15 Fermentação e destilação.pptx
15 Fermentação e destilação.pptx
 
Alcool
AlcoolAlcool
Alcool
 
Treinamento Fermentador
Treinamento FermentadorTreinamento Fermentador
Treinamento Fermentador
 
Preparo da Cana-de-açúcar
Preparo da Cana-de-açúcarPreparo da Cana-de-açúcar
Preparo da Cana-de-açúcar
 
Apostila usina de acucar e sua automacao
Apostila   usina de acucar e sua automacaoApostila   usina de acucar e sua automacao
Apostila usina de acucar e sua automacao
 
Fabricação do alcool
Fabricação do alcoolFabricação do alcool
Fabricação do alcool
 
Aula 02
Aula 02Aula 02
Aula 02
 
Balanço de massa
Balanço de massaBalanço de massa
Balanço de massa
 
Fluxograma molho de tomate
Fluxograma   molho de tomateFluxograma   molho de tomate
Fluxograma molho de tomate
 
Apresentação de Simulações de Balanços de Massa e Energia realizada no SIMTEC...
Apresentação de Simulações de Balanços de Massa e Energia realizada no SIMTEC...Apresentação de Simulações de Balanços de Massa e Energia realizada no SIMTEC...
Apresentação de Simulações de Balanços de Massa e Energia realizada no SIMTEC...
 

Semelhante a Extração e Tratamento de Caldo

Aula 4-espectrometria-uv-vis-parte-2
Aula 4-espectrometria-uv-vis-parte-2Aula 4-espectrometria-uv-vis-parte-2
Aula 4-espectrometria-uv-vis-parte-2
Celicris Dias
 
Www.geocities.ws professorbarbieri3 orsat
Www.geocities.ws professorbarbieri3 orsatWww.geocities.ws professorbarbieri3 orsat
Www.geocities.ws professorbarbieri3 orsat
warley rabelo
 
Relatório de Refratometria
Relatório de RefratometriaRelatório de Refratometria
Relatório de Refratometria
Railane Freitas
 
Resolução comentada de exercícios de química analítica.docx
Resolução comentada de exercícios de química analítica.docxResolução comentada de exercícios de química analítica.docx
Resolução comentada de exercícios de química analítica.docx
Rômulo Alexandrino Silva
 
Soluções e cálculos químicos (mariana)
Soluções e cálculos químicos (mariana)Soluções e cálculos químicos (mariana)
Soluções e cálculos químicos (mariana)
Leonardo Carneiro
 
141014595 relatorio-fisico-quimica-experimental (1)
141014595 relatorio-fisico-quimica-experimental (1)141014595 relatorio-fisico-quimica-experimental (1)
141014595 relatorio-fisico-quimica-experimental (1)
marcelo capistrano
 

Semelhante a Extração e Tratamento de Caldo (20)

Prática 01
Prática 01Prática 01
Prática 01
 
Destilación - parte 2
Destilación - parte 2Destilación - parte 2
Destilación - parte 2
 
Relatório - volumetria de óxido-redução iodometria
Relatório - volumetria de óxido-redução iodometriaRelatório - volumetria de óxido-redução iodometria
Relatório - volumetria de óxido-redução iodometria
 
Aula 4-espectrometria-uv-vis-parte-2
Aula 4-espectrometria-uv-vis-parte-2Aula 4-espectrometria-uv-vis-parte-2
Aula 4-espectrometria-uv-vis-parte-2
 
04.equilíbrio e titulação de precipitação(prova)
04.equilíbrio e titulação de precipitação(prova)04.equilíbrio e titulação de precipitação(prova)
04.equilíbrio e titulação de precipitação(prova)
 
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometriaRelatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
 
Www.geocities.ws professorbarbieri3 orsat
Www.geocities.ws professorbarbieri3 orsatWww.geocities.ws professorbarbieri3 orsat
Www.geocities.ws professorbarbieri3 orsat
 
Relatório de Refratometria
Relatório de RefratometriaRelatório de Refratometria
Relatório de Refratometria
 
Padronização de HCl e teor de NaOH
Padronização de HCl e teor de NaOHPadronização de HCl e teor de NaOH
Padronização de HCl e teor de NaOH
 
Resolução comentada de exercícios de química analítica.docx
Resolução comentada de exercícios de química analítica.docxResolução comentada de exercícios de química analítica.docx
Resolução comentada de exercícios de química analítica.docx
 
Relatorio 3 leite de magnésia
Relatorio 3  leite de magnésiaRelatorio 3  leite de magnésia
Relatorio 3 leite de magnésia
 
Aula 05
Aula 05Aula 05
Aula 05
 
Cálculos químicos e estequiométricos
Cálculos  químicos e estequiométricosCálculos  químicos e estequiométricos
Cálculos químicos e estequiométricos
 
Destilação simples e fracionada
Destilação simples e fracionadaDestilação simples e fracionada
Destilação simples e fracionada
 
Soluções e cálculos químicos (mariana)
Soluções e cálculos químicos (mariana)Soluções e cálculos químicos (mariana)
Soluções e cálculos químicos (mariana)
 
Resultados titulação
Resultados titulaçãoResultados titulação
Resultados titulação
 
Estequiometria
EstequiometriaEstequiometria
Estequiometria
 
www.AulasDeQuímicaApoio.com - Química - Cálculo Estequimétrico (parte 2)
www.AulasDeQuímicaApoio.com  - Química -  Cálculo Estequimétrico (parte 2)www.AulasDeQuímicaApoio.com  - Química -  Cálculo Estequimétrico (parte 2)
www.AulasDeQuímicaApoio.com - Química - Cálculo Estequimétrico (parte 2)
 
Medições e erros
Medições e errosMedições e erros
Medições e erros
 
141014595 relatorio-fisico-quimica-experimental (1)
141014595 relatorio-fisico-quimica-experimental (1)141014595 relatorio-fisico-quimica-experimental (1)
141014595 relatorio-fisico-quimica-experimental (1)
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
azulassessoria9
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
sfwsoficial
 

Último (20)

MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 

Extração e Tratamento de Caldo

  • 1. Extração e Tratamento de Caldo Safra 17/18 Polo Araguaia Março/2017
  • 3. Refração Lei de Snell-Descartes, também conhecida como lei de Snell ou lei de Descartes ou ainda, simplesmente, lei de refração, se resume a uma expressão que dá o desvio angular sofrido por um raio de luz ao passar para um meio diferente do qual ele estava percorrendo. Cada meio apresenta um tipo "resistência" a passagem da radiação. Essa resistência também depende do comprimento de onda da radiação. Essa tal "resistência" é conhecida como índice de refração (n) uma grandeza adimensional definida pela expressão: 𝒏 = 𝑪 𝑽 onde C = 3 x 108 m/s é a velocidade da luz no vácuo e V é a velocidade da luz num certo meio.
  • 4. Refração Brix é uma escala numérica que mede a quantidade de sólidos solúveis em uma solução de sacarose. A escala de brix, criada por Adolf F. Brix (1798 - 1870), foi derivada originalmente da escala de Balling, recalculando a temperatura de referência de 15,5 °C. A quantidade de sólido solúvel é o total de todos os sólidos dissolvidos em água, começando com açúcar, sal, proteínas, ácidos e etc e os valores de leitura medido é a soma de todos eles.
  • 5. Refração  Conversão Índice de Refração em °Brix Brix = 0,0087 + 699,82353 x (n20 D – 1,3330) – 1801,9215 x (n20 D – 1,3330)2 + 4696,422 x (n20 D – 1,3330) 3 – 6427,26 x (n20 D – 1,3330)4 n20 D = índice de refração Calcular o ° Brix com um índice de refração de 1,35466. ° Brix 14,37 Indice Refração 1,35466
  • 7. Determinação Leitura Sacarimétrica Cálculo: A pol do caldo é obtida pela seguinte fórmula: Pol % = Ls*(0,2605 – 0,0009882 x Brix) (Correlação Brix / Fator de Polarização) Onde: Ls = Leitura sacarimétrica corrigida de acordo com clarificante usado na análise A transformação da leitura sacarimétrica com a mistura clarificante, “Octapol” para a leitura equivalente em Subacetato de Chumbo, será feita pela equação: Ls = 0,99879 x LOCT+ 0,47374. Onde: Ls = leitura sacarimétrica equivalente a de subacetato de chumbo LOCT= leitura sacarimétrica obtida com a mistura clarificante de Octapol
  • 8. Luz Polarizada  Luz – fenômeno ondulatório em que as vibrações se produzem perpendicularmente à direção de propagação. O plano de vibração pode ser em qualquer do número infinito deles (em todas as direções).  Luz polarizada – as vibrações produzem-se apenas num destes possíveis planos.  Substância opticamente ativa é aquela que produz rotação do plano da luz polarizada.
  • 10. Luz Polarizada  Atividade óptica Um feixe de luz polarizada ao passar através de uma molécula sofre quase sempre uma pequenina rotação no respectivo plano devido à interação com as partículas carregadas eletricamente da molécula.
  • 11. Luz Polarizada  Rotação específica O valor da rotação depende do número de moléculas interpostas no trajeto da luz, através do tubo  Será duplo o número de moléculas que agem sobre a luz se, em vez de 10 cm, o tubo tiver 20 cm de comprimento e dupla será a rotação.  O número de moléculas que se interpõem no trajeto da luz também depende da concentração. Para um dado comprimento do tubo, a luz encontrará duas vezes mais moléculas numa solução de 2g/L do que numa solução de 1g/L  Rotação específica é a rotação, em graus, observada quando se usa um tubo de 1 decímetro de comprimento e quando o composto se encontra na concentração de 1g/cm3.  A rotação específica é uma propriedade tão característica do composto como o ponto de fusão, o ponto de ebulição, a densidade ou o índice de refração. Sacarose = + 66,53° (dextrogira) Glicose = + 52,7 ° (dextrogira) Frutose = - 92,4° (levogira)
  • 12. Luz Polarizada  Refração α = rotação observada. l = comprimento do tubo em dm ( 1mm = 0,01 dm). c = concentração ou massa específica do líquido puro (g/cm3) ( 1cm³ = 1 ml). O número 25 indica a temperatura e o D o comprimento de onda da luz utilizada na medida risca D do sódio - 589,3 nm. Tubo 200 mm, 100 ml solução, 20° C e sódio - 589,3 nm. Sacarose ( +/- 15 % Cana)= α + 66,53 = Glicose ( +/- 0,7 % Cana)= α + 52,7 = Frutose ( +/- 0,4 % Cana)= α – 92,4 = rotação observada +19,959 rotação observada + 0,7378 rotação observada - 0,7392
  • 13. Luz Polarizada  Desvio polarimétrico em °Z. A solução de sacarose 26,016 gramas gera um desvio polarimétrico de 34,6168 utilizando comprimento de tubo de 200 mm, 20° C e luz Sódio 589,3 nm. Para conversão da rotação em °Z = 5,776006 (luz Sódio 589,3 nm) para tubos de 100 mm o que me dá uma rotação, segundo cálculo acima, de 17,3084448 ( x 5,776006) = 100,00 ° Z (considerando temperatura) Exemplo. 34,596 desvio --------- 100°Z Desvio “x “ --------- x ° Z Se a solução tiver 9,53 g de sacarose em 100 ml de solução é passada em um tubo de 200 mm, 20° C e com luz de Sódio 589,3 nm, qual será seu desvio polarimétrico em °Z? Considera rotação específica da sacarose = + 66,53. α = 66,53*0,0953*2 = 12,680618 de rotação específica (tubo de 200 mm) > (12,680618 / 2) * 5,776006 = 36,62 °Z
  • 14. Determinação Leitura Sacarimétrica Cálculo: A pol do caldo é obtida pela seguinte fórmula: Pol % = (0,99879 x LOCT+ 0,47374 )*(0,2605 – 0,0009882 x Brix) Considerando minha leitura sacarimétrica 60,5 e um brix de 17,4; Pol % = ?
  • 15. Determinação Pureza % Cálculos: A determinação da %pureza aparente dos caldos é feita indiretamente por cálculo, utilizando-se a seguinte expressão: % PUREZA = 100 x (%POL / BRIX) A pureza aparente do caldo é definida com a porcentagem de pol em relação ao brix. Considerando os dados anteriores temos: Pureza % = ?
  • 17. Determinação Pol % Bagaço PROVA
  • 18. Determinação Pol % Bagaço Cálculo: A pol% do bagaço é obtida pela equação: Pol = (2 x L x 26 x (1.000 + Ub)) / (20.000 - (2x L x 26 x 100 / Q)) Onde: L: Leitura sacarimétrica; Ub: Umidade do bagaço; Q: pureza do caldo residual.
  • 19. Determinação Pol % Bagaço Considerando: Leitura Sacarimétrica = 1,065 Umidade do Bagaço = 52,5 Pureza do Caldo Residual = 26,2 Pol % Bagaço = ? Pol = (2 x L x 26 x (1.000 + Ub)) / (20.000 - (2x L x 26 x 100 / Q))  Pol % Bagaço = 2,945
  • 21. Determinação Umidade Bagaço Cálculo: %UMIDADE BAGAÇO = 2 x (P1 – P2) Onde: P1: Peso Inicial do conjunto cana + cesto; P2: Peso Final do conjunto cana + cesto.
  • 22. Determinação Brix Bagaço Cálculo: A determinação do Brix do bagaço (Brix_Bag) é feita indiretamente por cálculo, utilizando-se a expressão: Brix% Bagaço = % (Pol do Bagaço x 100) / Pureza Caldo Residual Exemplo: Pol do Bagaço = 1,02 Pureza % caldo residual = 70,00 Brix% Bagaço = (1,02 x 100) / 70 Sendo assim: Brix% Bagaço = 1,46
  • 23. Determinação Fibra do Bagaço Cálculo: A determinação da fibra no bagaço (Fb) é feita indiretamente por cálculo, utilizando-se a expressão: Fibra% Bagaço = 100 - (Umidade do Bagaço + Pol % Bagaço x 100 / %Pureza Caldo Residual) Exemplo: Umidade % bagaço = 50,00 Pureza % caldo residual = 70,00 Pol % bagaço = 2,60 Fibra% Bagaço = 100 - (50,0 + 3,0 x 100/70,0) Sendo assim: Fibra% Bagaço = 46,28%
  • 24. Determinação Impureza no Caldo Cálculo: %Impurezas = ((Vol. De impurezas decantadas) / (Somatória dos Vol. Usados)) x 100.
  • 25. Determinação Taxa de Retenção do Lodo Cálculo: %Impurezas = ((Vol. De impurezas decantadas) / (Somatória dos Vol. Usados)) x 100.
  • 27. Determinação Umidade da Torta Cálculo: A umidade da torta é calculada pela expressão: U (%) = (P1 – P2)*2
  • 28. Determinação Fosfato do Caldo O teor de fosfato é determinado colorimétricamente através da formação de ácido fósfomolibdico e a ação de um agente redutor usado para reduzir o Mo(VI) a Mo(V), formando então um complexo azul, produzindo “azul de molibdênio”. 7H3PO4 + 12(NH4)3Mo7O24 + 51H+ à 7(NH4)3PO4· 12MoO3 + 51NH4+ + 36H2O Onde 12MoO3 indica a coloração azulada.
  • 29. Cálculo - Fosfato do Caldo Cálculo: 1º Caso: Diluir 5 ml do caldo filtrado a 100 ml e após a clarificação, tomar 5 ml e diluir a 50 ml, multiplicar o valor de P2O5 lido na curva por 4 (5 para 50 = diluição de 10 para 2,5 ml = 4) Leitura abs. = 0,200 P2O5 (obtido na curva) = 246,24*0,200+3,23 = 52,5 P2O5 (mg/l) = P2O5 Curva * Diluição = ? 2º Caso: Diluir 5 ml do caldo filtrado a 100 ml e após a clarificação, tomar 10 ml e diluir a 50 ml, multiplicar o valor de P2O5 lido na curva por 2 (10 para 50 = diluição de 5 para 2,5 ml = 2) Leitura abs. = 0,095 P2O5 (obtido na curva) = 246,24*0,095+3,23 = 26,6 P2O5 (mg/l) = P2O5 Curva * Diluição = ?
  • 30. Determinação Analítica Extração e Tratamento de Caldo  Caldo Misto pH pH baixo pode indicar inversão de sacarose por meio de infecções ou aquecimento em excesso dentro do difusor. Prejudica a lixiviação / percolação e os equipamentos. O pH auxilia na correção interna do difusor (leite de cal). Brix Utilizado para o cálculo da etanol em processo (tanque de caldo misto), indicativo de lixiviação / percolação inicial e controle de embebição já que o brix baixo acarreta maior consumo de vapor no tratamento. Pol % Indica a concentração aparente de sacarose no caldo. Utilizado para o cálculo da etanol em processo (tanque de caldo misto). Indicador de performance de extração. Pureza % Relação Pol / Brix. Índice atrelado ao dados anteriores. Impureza % Indica mal funcionamento da peneira rotativa de caldo misto. Fosfato Caldo contendo menos fosfato são deficientes na clarificação devido a baixa formação de flocos de fosfato, mas grandes quantidades de fosfato pode acarretar uma maior quantidade de lodo e menor velocidade de decantação. Fator que interfere no tratamento. PROVA PROVA
  • 31. Determinação Analítica Extração e Tratamento de Caldo  Captador A e B pH Valores altos de pH provocam a obstrução do colchão, afetam a percolação do caldo, e podem ser uma causa de inundação. Valores de pH baixo demais levam ao aumento da corrosão dos componentes de aço carbono em contato com o caldo e indicar inversão de sacarose por meio de infecções e temperatura. Brix Indicativo de extração.  Caldo Captadores Brix Indicativo de extração.  Bagaço Megaço Umidade % Indicativo para funcionamento do tambor adensador. Umidade alta significa pouca água no tambor adensador. Pol % Indicativo para cálculo da extração dos ternos.
  • 32. Determinação Analítica Extração e Tratamento de Caldo  Caldo Residual pH Uma queda no pH pode indicar inversão de sacarose por meio de infecções. Corrosão dos equipamentos da moenda. Brix Indicativo para cálculo da extração da moenda. Pol % Indicativo para cálculo da extração do difusor / moenda. Pureza % Relação Pol /Brix. Indicativo para cálculo da extração do difusor / moenda.  Bagaço Pol % Indicativo para cálculo da extração do difusor / moenda. Umidade % Indicativo para cálculo da extração do difusor (utilizado no cálculo da fibra bagaço) e indicativo para o processo de queima na caldeira. Umidade muito alta pode prejudicar a eficiência das caldeiras. O contrário pode indicar uma má extração. Brix Indicativo para cálculo da extração do difusor (utilizado no cálculo da fibra bagaço) Fibra % Indicativo para cálculo da extração do difusor. PROVA
  • 33. Determinação Analítica Extração e Tratamento de Caldo  Caldo Dosado pH Caldo muito ácido indica favorecimento da inversão da sacarose e do desenvolvimento de bactérias e decantação ruim devido a dificuldade de afinidade com o polímero para decantação. O pH alto indica gasto excessivo de cal, provoca um aumento de viscosidade do caldo, dificultando a decantação e aumento o volume de lodo. Corrosão dos equipamentos. Brix Usado para calcular consumo de vapor nos aquecedores. Utilizado para balanço de massa referente ao caldo misto e clarificado. Pol % Valor utilizado para calcular a pureza %. Pureza % Utilizado para balanço de massa para operação do tratamento de caldo. Exemplo a diferença (decrescente) entrada de pureza de um equipamento não pode ser muito grande referente à saída (dosado para clarificado = 0,3 a 0,5 %). PROVA
  • 34. Determinação Analítica Extração e Tratamento de Caldo  Caldo Decantado pH Controle comparativo entre dosado e clarificado. Quando há uma diferença 0,3 % - 0,5% entre dosado (entrada) e clarificado (saída) pode indicar inversão de sacarose e tempo de retenção inadequado (diminuição da temperatura e aumento de consumo de vapor nos prés). Brix Utilizado para balanço de massa referente ao caldo dosado e clarificado. Utilizado no cálculo de eficiência industrial como etanol em processo. Pol % Valor utilizado para calcular a pureza %. Utilizado no cálculo de eficiência industrial como etanol em processo. Impureza % Determinar desempenho do decantador e mecate. Fosfato Caldo contendo menos fosfato são deficientes na clarificação devido a baixa formação de flocos de fosfato, mas grandes quantidades de fosfato pode acarretar uma maior quantidade de lodo e menor velocidade de decantação.
  • 35. Determinação Analítica Extração e Tratamento de Caldo  Lodo pH pH do lodo influem na aderência do lodo no filtro rotativo. Se o lodo possuir um pH baixo, a aderência do lodo no filtro não será satisfatória. A correção de solo feita pela torta também tem influencia do pH. Concentração Indica a consistência de lodo/caldo retirado na decantação. A quantidade de impurezas implica na retirada do lodo quando ele está com concentração alta e diminuir a retirada quando está com concentração baixa. Brix Monitoração da arraste de caldo.  Torta de Filtro Umidade Indica o bom funcionamento dos vácuos e dos bicos de embebição. Pol % Indica o bom funcionamento dos vácuos e dos bicos de embebição. Entra no cálculo de perdas.
  • 36. Determinação Analítica Extração e Tratamento de Caldo  Caldo Pré-Evaporado pH Controle comparativo entre clarificado e evaporado. Quando há uma diferença 0,3 % - 0,5% entre clarificado (entrada) e evaporado (saída) pode indicar inversão de sacarose e tempo de retenção inadequado no pré. Cálculo de etanol no processo. Brix Controle de evaporação do caldo para posterior envio para a fermentação. A oscilação constante desse valor prejudica a alimentação da fermentação. O brix alto indica gasto de vapor no processo de evaporação e possíveis incrustações. Utilizado no cálculo de eficiência industrial como etanol em processo. Pol % Controle de evaporação do caldo para posterior envio para a fermentação. A Pol % baixa indica gasto de vapor no processo de evaporação, queima da sacarose que toma a forma de CO2 (gás carbônico) consequentemente, arrastado com o vapor vegetal (V1) aumentando as perdas indeterminadas, pelo fato de não conseguirmos quantifica-las. Utilizado no cálculo de eficiência industrial como etanol em processo. Pureza % Segue a linha de raciocínio do pH.
  • 37. Determinação Analítica Extração e Tratamento de Caldo  Caldo Filtrado pH pH do lodo influem na aderência do lodo no filtro rotativo. Se o lodo possuir um pH baixo, a aderência do lodo no filtro não será satisfatória. A correção de solo feita pela torta também tem influencia do pH. Brix Controle de eficiência do vácuo do filtro. Pol % Controle de eficiência do vácuo do filtro e embebição. Impureza % Controle de eficiência do vácuo do filtro e adição de bagacilho. Pureza % Controle de eficiência do vácuo do filtro.