SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
CENTRO UNIVERSITRÁRIO DE BELO HORIZONTE – UNI-BH 
- PRÁTICAS - 
DESTILAÇÃO SIMPLES 
DESTILAÇÃO FRACIONADA 
BIDESTILAÇÃO 
ÂNGELA GUERRA DE OLIVEIRA 
BELO HORIZONTE 
2013
SUMÁRIO 
1-INTRODUÇÃO....................................................................................................................03 
2-OBJETIVOS........................................................................................................................04 
3-MATERIAIS........................................................................................................................04 
4-PROCEDIMENTO................................................................................................................05 
5-CONCLUSÃO......................................................................................................................05 
6- BIBLIOGRAFIA..................................................................................................................06
1. INTRODUÇÃO 
A destilação é um processo físico de separação mais utilizado na indústria química baseado nas 
diferenças de volatilidades, através de um mecanismo de equilíbrio líquido/vapor. Esse 
mecanismo principia através do fornecimento de uma fonte de calor a uma mistura líquida, 
promovendo sua vaporização parcial. Uma fase vapor entra em contato com uma fase líquida, 
transferindo massa do líquido para o vapor através da vaporização e massa de vapor para o 
líquido através da condensação. No processo de transferência, o líquido encontra-se no seu 
ponto de bolha enquanto o vapor em equilibro em seu ponto de orvalho. O resultado dessa 
transferência de massa é o aumento da concentração do componente mais volátil no vapor e do 
componente menos volátil no líquido (FOUST et al.,1982). 
A maioria dos métodos utilizados durante o processo de purificação de misturas homogêneas 
baseia-se na destilação simples, que consiste na evaporação parcial da mistura líquida, a fim de 
separar seus componentes. As substâncias mais voláteis, isto é, com menor ponto de ebulição, 
vaporizam primeiro; ao passarem por um condensador, se liquefazem, sendo finalmente 
recolhidas em um tanque. Esse procedimento é válido para a separação de misturas cujos 
componentes apresentam pontos de ebulição bem diferenciados. 
A separação de componentes de uma mistura no processo de destilação requer o conhecimento 
do comportamento das fases líquida e vapor em equilíbrio (FILHO, 2005). 
No processo de destilação podemos obter os valores das frações molares de cada componentes 
através de equações específicas quando a fase gasosa se comporta como um gás ideal, e a fase 
líquida for uma solução ideal. 
A lei de Raoult relaciona as concentrações de equilíbrio para as duas fases líquido-gás. Para 
fase líquida a condição em uma dada fronteira é representada através da Equação 2 (FOUST et 
al.,1982) 
PAs = xAsPAvap (2) 
Onde: 
PAs = pressão parcial de equilíbrio do componente A na fase vapor; 
xAs = Fração molar de A na fase líquida; 
PAvap = pressão de vapor do componente A puro à temperatura de equilíbrio;
A lei de Dalton se aplica a fase gasosa ideal representada pela Equação 3 (FOUST et al.,1982). 
PAs = yAs P (3) 
Onde: 
yAs = fração molar de A na fase gasosa 
P= pressão total do sistema. 
Na hipótese de equilíbrio termodinâmico na fronteira s ou interface entre as fases líquida e 
gasosa, combina-se as relações em termos das concentrações xAs e yAs , resultando na equação 
4 de Raoult-Dalton (FOUST et al.,1982): 
xAsPAvap= yAs P (4) 
A B 
Figura 01 - Destilação Simples Figura 02 - Destilação Fracionada 
Fonte: (FILHO, 2005)
2- OBJETIVOS 
Para processo de destilação simples - Separação de um líquido de impurezas não-voláteis. 
Processo de destilação fracionada - Separação de líquidos miscíveis , neste caso a purificação 
do etanol de impurezas voláteis. Construir um gráfico com temperatura versus tempo Assistir 
um processo de destilação e comprovar sua eficiência. 
Bidestilação - Obter um destilado com maior teor alcoólico 
3- MATERIAIS E MÉTODOS 
Bidestilação - Proveta, balão e o microdestilador 
Destilação Simples - Erlenmeyer de 250 mL, Proveta, Manta elétrica, Béquer de 250 mL, 
Termômetro, Balão de fundo redondo, Suporte universal e garras, Rolha, Mangueira. 
Destilação Fracionada - Suporte universal e garras, Manta elétrica, Balão de fundo redondo , 
Coluna de Vigreaux , Cabeça de destilação , Termômetro , Condensador reto, Vidro de relógio , 
Adaptador de destilação , Erlenmeyer de 250 mL , Proveta , tripé , tela de amianto. 
4- PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 
Destilação simples - A pratica iniciou-se com a montagem da aparelhagem para a destilação 
simples. Em seguida mediu-se 100mL de uma solução de etanol com concentração de 50% 
v/v . Na sequencia, transferiu-se essa solução para o balão de fundo redondo , adicionando-se a 
esse pérolas de vidro. Acionou-se a água ligada ao condensador para iniciar o aquecimento. 
Em foi monitorado a temperatura em intervalos de 2 minutos, anotando-se as variações de 
temperatura. 
Bidestilação - Mediu-se o teor alcóolico do etanol já destilado com um alcoômetro. Em 
seguida, Em seguida o álcool foi transferido para o equipamento microdestilador. Esse
procedimento foi realizado até conseguir um volume de destilado de 150 mL de etanol. Essa 
quantidade foi determinada para que, no momento da leitura, o alcoômetro não tocasse o fundo 
da proveta impedindo uma correta aferição do teor alcoólico. No final do processo, mediu-se o 
teor alcoólico final. 
Destilação Fracionada - A prática iniciou-se com a montagem do aparelho de destilação 
fracionada. Em seguida adicionou-se ao balão de fundo redondo 100 mL de solução de etanol 
50% v/v com pérolas de vidro. A entrada de água do sistema foi aberta com cuidado e iniciou-se 
o aquecimento lentamente, monitorando-se o sistema em intervalos regulares de 2 minutos 
5. RESULTADOS E DISCUSSÃO 
 Destilação Simples 
Tabela 01 - Valores de temperatura obtidos 
Tempo 
(minutos) 
Temperatura 
(°C) 
0 27 
2 73 
4 73 
6 72 
8 71,2 
10 74 
12 74 
14 74,3 
16 74,8 
18 75 
20 78 
22 81
A massa específica do destilado foi calculada conforme a Equação 1. 
휌 = 
(푚sist.− mprov) 
푉 
(1) 
Onde: 
msist. = massa do sistema, ou seja, massa da proveta com o destilado; 
mprov= massa da proveta ; 
V= volume da proveta; 
Resultado: 
휌 = 
(43,18 − 19,13) 
31 
휌 = 0,78 푔/푐푚3 
 Destilação Fracionada 
Os valores obtidos no monitoramento da temperatura estão dispostos na Tabela 2. 
Tempo (minutos) Temperatura (°C) 
0 25 
2 72 
3 73 
4 73 
5 74 
6 74 
7 74 
8 74 
9 77 
10 77 
11 81 
12 86
A massa específica do destilado foi calculada conforme a Equação 1. 
휌 = 
(푚sist.− mprov) 
푉 
(1) 
Resultado: 
휌 = 
(81,79 − 36,35) 
55 
휌 = 0,83 푔/푐푚3 
Bidestilação - O valor da concentração obtido após o processo de bidestilação foi de 
concentração foi de 85ºGL. 
6. CONCLUSÃO 
Os processos de destilação conferem ao destilado maior concentração final maior que a 
concentração inicial. A escolha dos sistemas de destilação deve ser realizada de acordo com 
as diferenças entre seus respectivos pontos de ebulição. A destilação simples, necessita de uma 
faixa de 80° C de diferença entre os compostos enquanto que a destilação fracionada é indicada 
para compostos com faixas de ebulição próximas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Relatório de cromatografia- organica - aula 8Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Relatório de cromatografia- organica - aula 8Karen Pirovano
 
Relatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de PrecipitaçãoRelatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de PrecipitaçãoDhion Meyg Fernandes
 
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕESQuimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕESJessica Amaral
 
Aula 13 balanço de massa - prof. nelson (area 1) - 29.04.11
Aula 13   balanço de massa - prof. nelson (area 1) - 29.04.11Aula 13   balanço de massa - prof. nelson (area 1) - 29.04.11
Aula 13 balanço de massa - prof. nelson (area 1) - 29.04.11Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.Dhion Meyg Fernandes
 
Determinação da densidade por picnometro experiencia 5 20091
Determinação da densidade por picnometro experiencia 5 20091Determinação da densidade por picnometro experiencia 5 20091
Determinação da densidade por picnometro experiencia 5 20091sergioviroli
 
DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO POR ESPECTOFOTOMETRIA
DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO POR ESPECTOFOTOMETRIADETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO POR ESPECTOFOTOMETRIA
DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO POR ESPECTOFOTOMETRIATaline Góes
 
Apostila cálculo de reatores i
Apostila cálculo de reatores iApostila cálculo de reatores i
Apostila cálculo de reatores iOnildo Lima
 
07 exercícios de psicrometria
07 exercícios de psicrometria07 exercícios de psicrometria
07 exercícios de psicrometriaHebert Cavalcante
 
Trabalho reatores leito fixo e fluidizado
Trabalho   reatores leito fixo e fluidizadoTrabalho   reatores leito fixo e fluidizado
Trabalho reatores leito fixo e fluidizadoWenderson Samuel
 
Relatório 7: Viscosímetro de Stokes
Relatório 7: Viscosímetro de StokesRelatório 7: Viscosímetro de Stokes
Relatório 7: Viscosímetro de StokesFausto Pagan
 
Análise gravimétrica
Análise gravimétricaAnálise gravimétrica
Análise gravimétricaMaria Teixiera
 
Relatorio 3 leite de magnésia
Relatorio 3  leite de magnésiaRelatorio 3  leite de magnésia
Relatorio 3 leite de magnésiaDianna Grandal
 
Titulação Potenciométrica
Titulação PotenciométricaTitulação Potenciométrica
Titulação PotenciométricaPriscila Siqueira
 

Mais procurados (20)

Aula 02
Aula 02Aula 02
Aula 02
 
Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Relatório de cromatografia- organica - aula 8Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Relatório de cromatografia- organica - aula 8
 
Relatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de PrecipitaçãoRelatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de Precipitação
 
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕESQuimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
 
Apostila pratica
Apostila praticaApostila pratica
Apostila pratica
 
Aula 13 balanço de massa - prof. nelson (area 1) - 29.04.11
Aula 13   balanço de massa - prof. nelson (area 1) - 29.04.11Aula 13   balanço de massa - prof. nelson (area 1) - 29.04.11
Aula 13 balanço de massa - prof. nelson (area 1) - 29.04.11
 
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
 
Determinação da densidade por picnometro experiencia 5 20091
Determinação da densidade por picnometro experiencia 5 20091Determinação da densidade por picnometro experiencia 5 20091
Determinação da densidade por picnometro experiencia 5 20091
 
DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO POR ESPECTOFOTOMETRIA
DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO POR ESPECTOFOTOMETRIADETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO POR ESPECTOFOTOMETRIA
DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO POR ESPECTOFOTOMETRIA
 
Determinação de-cloretos
Determinação de-cloretosDeterminação de-cloretos
Determinação de-cloretos
 
Apostila cálculo de reatores i
Apostila cálculo de reatores iApostila cálculo de reatores i
Apostila cálculo de reatores i
 
07 exercícios de psicrometria
07 exercícios de psicrometria07 exercícios de psicrometria
07 exercícios de psicrometria
 
Trabalho reatores leito fixo e fluidizado
Trabalho   reatores leito fixo e fluidizadoTrabalho   reatores leito fixo e fluidizado
Trabalho reatores leito fixo e fluidizado
 
Relatório ii calor de neutralização
Relatório ii calor de neutralizaçãoRelatório ii calor de neutralização
Relatório ii calor de neutralização
 
Relatório 7: Viscosímetro de Stokes
Relatório 7: Viscosímetro de StokesRelatório 7: Viscosímetro de Stokes
Relatório 7: Viscosímetro de Stokes
 
Análise gravimétrica
Análise gravimétricaAnálise gravimétrica
Análise gravimétrica
 
Relatorio 3 leite de magnésia
Relatorio 3  leite de magnésiaRelatorio 3  leite de magnésia
Relatorio 3 leite de magnésia
 
Destilação fracionada
Destilação fracionadaDestilação fracionada
Destilação fracionada
 
Relatorio de adsorção1 (1)
Relatorio de adsorção1 (1)Relatorio de adsorção1 (1)
Relatorio de adsorção1 (1)
 
Titulação Potenciométrica
Titulação PotenciométricaTitulação Potenciométrica
Titulação Potenciométrica
 

Destaque (20)

Química - Destilação
Química - DestilaçãoQuímica - Destilação
Química - Destilação
 
Destilação
DestilaçãoDestilação
Destilação
 
destilação
destilaçãodestilação
destilação
 
Destilação
DestilaçãoDestilação
Destilação
 
Destilação
DestilaçãoDestilação
Destilação
 
Destilação
DestilaçãoDestilação
Destilação
 
Destilação simples
Destilação simplesDestilação simples
Destilação simples
 
Petróleo
PetróleoPetróleo
Petróleo
 
Destilação
DestilaçãoDestilação
Destilação
 
Destilação
DestilaçãoDestilação
Destilação
 
Destilac3a7c3a3o fracionada
Destilac3a7c3a3o fracionadaDestilac3a7c3a3o fracionada
Destilac3a7c3a3o fracionada
 
Petróleo
PetróleoPetróleo
Petróleo
 
PERMUTADORES DE CALOR
PERMUTADORES DE CALORPERMUTADORES DE CALOR
PERMUTADORES DE CALOR
 
Jean lucas 1a 3
Jean lucas   1a 3Jean lucas   1a 3
Jean lucas 1a 3
 
Destilação / Disttilation
Destilação / DisttilationDestilação / Disttilation
Destilação / Disttilation
 
Destilação do vinho
Destilação do vinhoDestilação do vinho
Destilação do vinho
 
Dengue 3º b
Dengue 3º bDengue 3º b
Dengue 3º b
 
Produção de derivados do petróleo (destilação fracionada)
Produção de derivados do petróleo (destilação fracionada)Produção de derivados do petróleo (destilação fracionada)
Produção de derivados do petróleo (destilação fracionada)
 
Separação de Materias
Separação de Materias Separação de Materias
Separação de Materias
 
Prh13 analise-de-desempenho-de-colunas-de-destilacao
Prh13 analise-de-desempenho-de-colunas-de-destilacaoPrh13 analise-de-desempenho-de-colunas-de-destilacao
Prh13 analise-de-desempenho-de-colunas-de-destilacao
 

Semelhante a Destilação simples e fracionada

Aula 08 tecnologia da engenharia química - operações unitárias i - 25.03.11
Aula 08   tecnologia da engenharia química - operações unitárias i - 25.03.11Aula 08   tecnologia da engenharia química - operações unitárias i - 25.03.11
Aula 08 tecnologia da engenharia química - operações unitárias i - 25.03.11Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
141014595 relatorio-fisico-quimica-experimental (1)
141014595 relatorio-fisico-quimica-experimental (1)141014595 relatorio-fisico-quimica-experimental (1)
141014595 relatorio-fisico-quimica-experimental (1)marcelo capistrano
 
Quimica Fisica - Valdo
Quimica Fisica - Valdo Quimica Fisica - Valdo
Quimica Fisica - Valdo Rock Dellura
 
Trabalho de reatores -Exercicios do fogler - reações multiplas
Trabalho de reatores -Exercicios do fogler - reações multiplasTrabalho de reatores -Exercicios do fogler - reações multiplas
Trabalho de reatores -Exercicios do fogler - reações multiplasRomário Ewerton
 
6 relatorio de orgânica experimental 2 (redução biológica do acetoacetato de ...
6 relatorio de orgânica experimental 2 (redução biológica do acetoacetato de ...6 relatorio de orgânica experimental 2 (redução biológica do acetoacetato de ...
6 relatorio de orgânica experimental 2 (redução biológica do acetoacetato de ...Anne Carolina Vieira Sampaio
 
fisicoquimica - quantidade de calor 5.pdf
fisicoquimica - quantidade de calor 5.pdffisicoquimica - quantidade de calor 5.pdf
fisicoquimica - quantidade de calor 5.pdfFrancieleDias14
 
M2 - 4499 - Operações Unitárias na Industria.pdf
M2 - 4499 - Operações Unitárias na Industria.pdfM2 - 4499 - Operações Unitárias na Industria.pdf
M2 - 4499 - Operações Unitárias na Industria.pdfSusana Gariso
 
Síntese do sulfato de tetra-aminocobre (II) mono-hidratado
Síntese do sulfato de tetra-aminocobre (II) mono-hidratadoSíntese do sulfato de tetra-aminocobre (II) mono-hidratado
Síntese do sulfato de tetra-aminocobre (II) mono-hidratadoRodrigo Miguel
 
Apostila de praticas de fisico quimica
Apostila de praticas de fisico quimicaApostila de praticas de fisico quimica
Apostila de praticas de fisico quimicaEdvaldoAmaro1
 
Determinação massa molecular de gás
Determinação massa molecular de gásDeterminação massa molecular de gás
Determinação massa molecular de gásElisama Cella
 
Medição do BSW com Karl Fischer Coulométrico
Medição do BSW com Karl Fischer CoulométricoMedição do BSW com Karl Fischer Coulométrico
Medição do BSW com Karl Fischer CoulométricoHainner Azevedo
 

Semelhante a Destilação simples e fracionada (20)

Aula 08 tecnologia da engenharia química - operações unitárias i - 25.03.11
Aula 08   tecnologia da engenharia química - operações unitárias i - 25.03.11Aula 08   tecnologia da engenharia química - operações unitárias i - 25.03.11
Aula 08 tecnologia da engenharia química - operações unitárias i - 25.03.11
 
141014595 relatorio-fisico-quimica-experimental (1)
141014595 relatorio-fisico-quimica-experimental (1)141014595 relatorio-fisico-quimica-experimental (1)
141014595 relatorio-fisico-quimica-experimental (1)
 
Evaporador
EvaporadorEvaporador
Evaporador
 
Quimica Fisica - Valdo
Quimica Fisica - Valdo Quimica Fisica - Valdo
Quimica Fisica - Valdo
 
Trabalho de reatores -Exercicios do fogler - reações multiplas
Trabalho de reatores -Exercicios do fogler - reações multiplasTrabalho de reatores -Exercicios do fogler - reações multiplas
Trabalho de reatores -Exercicios do fogler - reações multiplas
 
Artigo PAI
Artigo PAIArtigo PAI
Artigo PAI
 
6 relatorio de orgânica experimental 2 (redução biológica do acetoacetato de ...
6 relatorio de orgânica experimental 2 (redução biológica do acetoacetato de ...6 relatorio de orgânica experimental 2 (redução biológica do acetoacetato de ...
6 relatorio de orgânica experimental 2 (redução biológica do acetoacetato de ...
 
Prática 01
Prática 01Prática 01
Prática 01
 
fisicoquimica - quantidade de calor 5.pdf
fisicoquimica - quantidade de calor 5.pdffisicoquimica - quantidade de calor 5.pdf
fisicoquimica - quantidade de calor 5.pdf
 
Cap9
Cap9Cap9
Cap9
 
M2 - 4499 - Operações Unitárias na Industria.pdf
M2 - 4499 - Operações Unitárias na Industria.pdfM2 - 4499 - Operações Unitárias na Industria.pdf
M2 - 4499 - Operações Unitárias na Industria.pdf
 
Síntese do sulfato de tetra-aminocobre (II) mono-hidratado
Síntese do sulfato de tetra-aminocobre (II) mono-hidratadoSíntese do sulfato de tetra-aminocobre (II) mono-hidratado
Síntese do sulfato de tetra-aminocobre (II) mono-hidratado
 
Gv 05 operação de caldeiras
Gv 05 operação de caldeirasGv 05 operação de caldeiras
Gv 05 operação de caldeiras
 
fotometria de chama
fotometria de chamafotometria de chama
fotometria de chama
 
Apostila de praticas de fisico quimica
Apostila de praticas de fisico quimicaApostila de praticas de fisico quimica
Apostila de praticas de fisico quimica
 
Relatório exp. 01
Relatório exp. 01Relatório exp. 01
Relatório exp. 01
 
Prática 02
Prática 02Prática 02
Prática 02
 
Determinação massa molecular de gás
Determinação massa molecular de gásDeterminação massa molecular de gás
Determinação massa molecular de gás
 
Relatorio3
Relatorio3Relatorio3
Relatorio3
 
Medição do BSW com Karl Fischer Coulométrico
Medição do BSW com Karl Fischer CoulométricoMedição do BSW com Karl Fischer Coulométrico
Medição do BSW com Karl Fischer Coulométrico
 

Destilação simples e fracionada

  • 1. CENTRO UNIVERSITRÁRIO DE BELO HORIZONTE – UNI-BH - PRÁTICAS - DESTILAÇÃO SIMPLES DESTILAÇÃO FRACIONADA BIDESTILAÇÃO ÂNGELA GUERRA DE OLIVEIRA BELO HORIZONTE 2013
  • 2. SUMÁRIO 1-INTRODUÇÃO....................................................................................................................03 2-OBJETIVOS........................................................................................................................04 3-MATERIAIS........................................................................................................................04 4-PROCEDIMENTO................................................................................................................05 5-CONCLUSÃO......................................................................................................................05 6- BIBLIOGRAFIA..................................................................................................................06
  • 3. 1. INTRODUÇÃO A destilação é um processo físico de separação mais utilizado na indústria química baseado nas diferenças de volatilidades, através de um mecanismo de equilíbrio líquido/vapor. Esse mecanismo principia através do fornecimento de uma fonte de calor a uma mistura líquida, promovendo sua vaporização parcial. Uma fase vapor entra em contato com uma fase líquida, transferindo massa do líquido para o vapor através da vaporização e massa de vapor para o líquido através da condensação. No processo de transferência, o líquido encontra-se no seu ponto de bolha enquanto o vapor em equilibro em seu ponto de orvalho. O resultado dessa transferência de massa é o aumento da concentração do componente mais volátil no vapor e do componente menos volátil no líquido (FOUST et al.,1982). A maioria dos métodos utilizados durante o processo de purificação de misturas homogêneas baseia-se na destilação simples, que consiste na evaporação parcial da mistura líquida, a fim de separar seus componentes. As substâncias mais voláteis, isto é, com menor ponto de ebulição, vaporizam primeiro; ao passarem por um condensador, se liquefazem, sendo finalmente recolhidas em um tanque. Esse procedimento é válido para a separação de misturas cujos componentes apresentam pontos de ebulição bem diferenciados. A separação de componentes de uma mistura no processo de destilação requer o conhecimento do comportamento das fases líquida e vapor em equilíbrio (FILHO, 2005). No processo de destilação podemos obter os valores das frações molares de cada componentes através de equações específicas quando a fase gasosa se comporta como um gás ideal, e a fase líquida for uma solução ideal. A lei de Raoult relaciona as concentrações de equilíbrio para as duas fases líquido-gás. Para fase líquida a condição em uma dada fronteira é representada através da Equação 2 (FOUST et al.,1982) PAs = xAsPAvap (2) Onde: PAs = pressão parcial de equilíbrio do componente A na fase vapor; xAs = Fração molar de A na fase líquida; PAvap = pressão de vapor do componente A puro à temperatura de equilíbrio;
  • 4. A lei de Dalton se aplica a fase gasosa ideal representada pela Equação 3 (FOUST et al.,1982). PAs = yAs P (3) Onde: yAs = fração molar de A na fase gasosa P= pressão total do sistema. Na hipótese de equilíbrio termodinâmico na fronteira s ou interface entre as fases líquida e gasosa, combina-se as relações em termos das concentrações xAs e yAs , resultando na equação 4 de Raoult-Dalton (FOUST et al.,1982): xAsPAvap= yAs P (4) A B Figura 01 - Destilação Simples Figura 02 - Destilação Fracionada Fonte: (FILHO, 2005)
  • 5. 2- OBJETIVOS Para processo de destilação simples - Separação de um líquido de impurezas não-voláteis. Processo de destilação fracionada - Separação de líquidos miscíveis , neste caso a purificação do etanol de impurezas voláteis. Construir um gráfico com temperatura versus tempo Assistir um processo de destilação e comprovar sua eficiência. Bidestilação - Obter um destilado com maior teor alcoólico 3- MATERIAIS E MÉTODOS Bidestilação - Proveta, balão e o microdestilador Destilação Simples - Erlenmeyer de 250 mL, Proveta, Manta elétrica, Béquer de 250 mL, Termômetro, Balão de fundo redondo, Suporte universal e garras, Rolha, Mangueira. Destilação Fracionada - Suporte universal e garras, Manta elétrica, Balão de fundo redondo , Coluna de Vigreaux , Cabeça de destilação , Termômetro , Condensador reto, Vidro de relógio , Adaptador de destilação , Erlenmeyer de 250 mL , Proveta , tripé , tela de amianto. 4- PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Destilação simples - A pratica iniciou-se com a montagem da aparelhagem para a destilação simples. Em seguida mediu-se 100mL de uma solução de etanol com concentração de 50% v/v . Na sequencia, transferiu-se essa solução para o balão de fundo redondo , adicionando-se a esse pérolas de vidro. Acionou-se a água ligada ao condensador para iniciar o aquecimento. Em foi monitorado a temperatura em intervalos de 2 minutos, anotando-se as variações de temperatura. Bidestilação - Mediu-se o teor alcóolico do etanol já destilado com um alcoômetro. Em seguida, Em seguida o álcool foi transferido para o equipamento microdestilador. Esse
  • 6. procedimento foi realizado até conseguir um volume de destilado de 150 mL de etanol. Essa quantidade foi determinada para que, no momento da leitura, o alcoômetro não tocasse o fundo da proveta impedindo uma correta aferição do teor alcoólico. No final do processo, mediu-se o teor alcoólico final. Destilação Fracionada - A prática iniciou-se com a montagem do aparelho de destilação fracionada. Em seguida adicionou-se ao balão de fundo redondo 100 mL de solução de etanol 50% v/v com pérolas de vidro. A entrada de água do sistema foi aberta com cuidado e iniciou-se o aquecimento lentamente, monitorando-se o sistema em intervalos regulares de 2 minutos 5. RESULTADOS E DISCUSSÃO  Destilação Simples Tabela 01 - Valores de temperatura obtidos Tempo (minutos) Temperatura (°C) 0 27 2 73 4 73 6 72 8 71,2 10 74 12 74 14 74,3 16 74,8 18 75 20 78 22 81
  • 7. A massa específica do destilado foi calculada conforme a Equação 1. 휌 = (푚sist.− mprov) 푉 (1) Onde: msist. = massa do sistema, ou seja, massa da proveta com o destilado; mprov= massa da proveta ; V= volume da proveta; Resultado: 휌 = (43,18 − 19,13) 31 휌 = 0,78 푔/푐푚3  Destilação Fracionada Os valores obtidos no monitoramento da temperatura estão dispostos na Tabela 2. Tempo (minutos) Temperatura (°C) 0 25 2 72 3 73 4 73 5 74 6 74 7 74 8 74 9 77 10 77 11 81 12 86
  • 8. A massa específica do destilado foi calculada conforme a Equação 1. 휌 = (푚sist.− mprov) 푉 (1) Resultado: 휌 = (81,79 − 36,35) 55 휌 = 0,83 푔/푐푚3 Bidestilação - O valor da concentração obtido após o processo de bidestilação foi de concentração foi de 85ºGL. 6. CONCLUSÃO Os processos de destilação conferem ao destilado maior concentração final maior que a concentração inicial. A escolha dos sistemas de destilação deve ser realizada de acordo com as diferenças entre seus respectivos pontos de ebulição. A destilação simples, necessita de uma faixa de 80° C de diferença entre os compostos enquanto que a destilação fracionada é indicada para compostos com faixas de ebulição próximas.