SlideShare uma empresa Scribd logo
Estudos do Evangelho
Capítulo 5 – Bem aventurados os aflitos - item 1 ao 10
Leonardo Pereira
Justiça das Aflições
1 – Bem-aventurados os que
choram, porque serão consolados.
Bem-aventurados os que têm fome e
sede de justiça, porque serão fartos.
Bem-aventurados os que padecem
perseguição por amor da justiça,
porque deles é o Reino dos Céus. (Mateus,
V: 5, 6 e 10).
2 – Bem-aventurados
vós, os pobres, porque vosso é o
Reino de Deus. Bem-aventurados
os que agora tendes fome,
porque sereis fartos. Bem-
aventurados vós, que agora
chorais, porque rireis. (Lucas, VI: 20 e
21)
Mas ai de vós, ricos,
porque tendes no fundo a vossa
consolação. Ai de vós, os que
estais fartos, porque tereis fome.
Ai de vós, os que agora rides,
porque gemereis e chorareis.
(Lucas, VI: 24 e 25).
As bem-aventuranças
As bem-aventuranças são declarações de
bênçãos pronunciadas por Jesus no
início do Sermão da Montanha.
são os ensinamentos que, de acordo com
o Evangelho segundo
Mateus, Jesus pregou no Sermão da
Montanha, e, que de acordo com
o Evangelho segundo Lucas, Jesus pregou
no Sermão da Planície, para ensinar e
revelar aos homens a
verdadeira felicidade.
A palavra grega traduzida por "bem-
aventurado" significa "bem-estar e
prosperidade espiritual".
Cada bem-aventurança consiste de duas partes:
uma condição e um resultado.
1 - Aqueles que experimentam a primeira parte
de uma bem-aventurança (os pobres, os que
choram, os mansos, os com fome de justiça, os
misericordiosos, os puros, os pacíficos e os
perseguidos)
Cada bem-aventurança consiste de
duas partes:
uma condição e um resultado.
também experimentarão a segunda
parte da bem-aventurança (reino dos
céus, conforto, herdarão a terra,
saciados, misericórdia, verão a Deus,
chamados filhos de Deus, herdarão o
reino dos céus).
condição e resultado.
Em quase todos casos, as frases são
familiares ao Velho Testamento, mas o
sermão de Jesus as eleva à condição de um
novo ensinamento.
No conjunto, as bem-aventuranças
apresentam um novo conjunto de ideais, com
foco no amor e humildade, ecoando
ensinamentos de espiritualidade e
compaixão.
Como ver Justiça nas aflições?
As compensações que Jesus promete
aos aflitos da Terra só podem
realizar-se na vida futura. Sem a
certeza do porvir, essas máximas
seriam um contrassenso, ou mais
ainda, seriam um engodo.
Mesmo com essa certeza,
compreende-se dificilmente a
utilidade de sofrer para ser feliz. Diz-
se que é para haver mais mérito.
Mas então se pergunta por que
uns sofrem mais do que outros;
por que uns nascem na miséria e
outros na opulência, sem nada
terem feito para justificar essa
posição; por que para uns nada dá
certo, enquanto para outros tudo
parece sorrir?
Mas o que ainda menos se
compreende é ver os bens e os males
tão desigualmente distribuídos entre
o vício e a virtude; ver homens
virtuosos sofrer ao lado de malvados
que prosperam. A fé no futuro pode
consolar e proporcionar paciência,
mas não explica essas anomalias,
que parecem desmentir a justiça de
Deus.
Entretanto, desde que se
admite a existência de Deus,
não é possível concebê-lo sem
suas perfeições. Ele deve ser
todo poderoso, todo justiça,
todo bondade, pois sem isso
não seria Deus.
E se Deus é
soberanamente justo
e bom, não pode agir
por capricho ou com
parcialidade.
As vicissitudes da vida têm, pois, uma
causa, e como Deus é justo, essa causa
deve ser justa. Eis do que todos devem
compenetrar-se.
Deus encaminhou os homens na
compreensão dessa causa pelos ensinos
de Jesus, e hoje, considerando-os
suficientemente maduros para
compreendê-la, revela-a por completo
através do Espiritismo, ou seja, pela voz
dos Espíritos.
Causas Atuais das Aflições
As vicissitudes da vida são de duas
espécies, ou, se quisermos, tem duas
origens bem diversas, que importa
distinguir: umas têm sua causa na vida
presente; e a outra, fora desta vida.
Remontando à fonte dos males
terrenos, reconhece-se que muitos são
as consequências naturais do caráter e
da conduta daqueles que os sofrem.
Quantos homens caem por sua própria
culpa!
Quantos são vítimas de sua
imprevidência, de seu orgulho e de sua
ambição! Quantas pessoas arruinadas
por falta de ordem, de perseverança,
por mau comportamento ou por terem
limitado os seus desejos!
Quantas uniões infelizes, porque
resultaram dos cálculos do interesse
ou da vaidade, nada tendo com isso o
coração!
Quantos pais infelizes com os filhos, por
não terem combatido as suas más
tendências desde o princípio.
A quem, portanto, devem todas essas
aflições, senão a si mesmos? O homem é,
assim, num grande número de casos o
autor de seus próprios infortúnios
Mas, em vez de reconhecê-lo, acha
mais simples, e menos humilhante para
a sua vaidade, acusar a sorte, a
Providência, a falta de oportunidade,
sua má estrela, enquanto, na verdade,
sua má estrela é a sua própria incúria.
Causas Anteriores das Aflições
Mas se há males, nesta vida, de que o
homem é a própria causa, há também
outros que, pelo menos em aparência, são
estranhos à sua vontade e parecem
golpeá-lo por fatalidade.
Assim, por exemplo:
A perda de entes queridos e
dos que sustentam a
família.
Os acidentes que nenhuma
previdência pode evitar.
Os revezes da fortuna, que
frustram todas as medidas de
prudência.
Os flagelos naturais.
E ainda as doenças de nascença,
sobretudo aquelas que tiram aos
infelizes a possibilidade de ganhar a
vida pelo trabalho: as deformidades, a
idiota, a imbecilidade etc.
Entretanto, em virtude do axioma de
que todo efeito tem uma
causa, essas misérias são efeitos
que devem ter a sua causa, e desde
que se admita a existência de um
Deus justo, essa causa deve
ser justa.
Ora a causa sendo
sempre anterior ao
efeito, e desde que não
se encontra na vida atual,
é que pertence a uma
existência precedente.
Reencarnação
Por outro lado, Deus não podendo
punir pelo bem o que se fez, nem
pelo mal que não se fez, se somos
punidos, é que fizemos o mal. E se
não fizemos o mal nesta vida, é que
o fizemos em outra. Esta é uma
alternativa a que não podemos
escapar, e na qual a lógica nos diz de
que lado está à justiça de Deus.
O homem não é, portanto,
punido sempre, ou
completamente punido, na
sua existência presente,
mas jamais escapa às
consequências de suas
faltas.
A prosperidade do mau é
apenas momentânea, e se
ele não expia hoje, expiará
amanhã, pois aquele que
sofre está sendo
submetido à expiação do
seu próprio passado.
A desgraça que, à primeira
vista, parece imerecida,
tem portanto a sua razão
de ser, e aquele que sofre
pode sempre dizer:
“Perdoai-me, Senhor,
porque eu pequei”..
Os sofrimentos produzidos
por causas anteriores são
sempre, como os
decorrentes de causas
atuais, uma consequência
natural da própria falta
cometida.
Quer dizer que, em
virtude de uma rigorosa
justiça distributiva, o
homem sofre aquilo que
fez os outros sofrerem.
Se ele foi duro e
desumano, poderá ser,
por sua vez, tratado
com dureza e
desumanidade.
Se foi orgulhoso,
poderá nascer numa
condição
humilhante.
Se foi avarento, egoísta, ou
se empregou mal a sua
fortuna, poderá ver-se
privado do necessário.
se foi mau filho, poderá
sofrer com os próprios
filhos; e assim por diante.
Poderá
Futuro do presente
Não se deve crer,
entretanto, que todo
sofrimento por que se
passa neste mundo seja
necessariamente o indício
de uma determinada falta.
trata-se frequentemente
de simples provas
escolhidas pelo Espírito,
para acabar a sua
purificação e acelerar o seu
adiantamento.
Assim, a expiação serve
sempre de prova, mas a
prova nem sempre é uma
expiação.
Mas provas e expiações
são sempre sinais de uma
inferioridade relativa, pois
aquele que é perfeito não
precisa ser provado.
As provas da vida fazem
progredir, quando bem
suportadas; como
expiações, apagam as
faltas e purificam...
Resignação
são o remédio que limpa a
ferida e cura o doente, e
quanto mais grave o mal,
mais enérgico deve ser o
remédio.
Como vai sua medicação?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Justiça das Aflições
Justiça das AfliçõesJustiça das Aflições
Justiça das Aflições
igmateus
 
A felicidade não é deste mundo
A felicidade não é deste mundoA felicidade não é deste mundo
A felicidade não é deste mundo
Izabel Cristina Fonseca
 
Ajuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudaráAjuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudará
Lisete B.
 
Motivos de resignação 05 05-17
Motivos de resignação 05 05-17Motivos de resignação 05 05-17
Motivos de resignação 05 05-17
Unesp
 
Caridade na ótica espirita
Caridade na ótica espiritaCaridade na ótica espirita
Caridade na ótica espirita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Parentela Corporal E Espiritual2
Parentela Corporal E Espiritual2Parentela Corporal E Espiritual2
Parentela Corporal E Espiritual2
Grupo Espírita Cristão
 
Olhai as aves do céu - Palestrante Professor Danilo Galvão - SAJ/BA
Olhai as aves do céu - Palestrante Professor Danilo Galvão - SAJ/BAOlhai as aves do céu - Palestrante Professor Danilo Galvão - SAJ/BA
Olhai as aves do céu - Palestrante Professor Danilo Galvão - SAJ/BA
Danilo Galvão
 
Amem seus inimigos
Amem seus inimigosAmem seus inimigos
Amem seus inimigos
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Como Fazer Palestra Espirita
Como Fazer Palestra EspiritaComo Fazer Palestra Espirita
Como Fazer Palestra Espirita
Fórum Espírita
 
Capítulo XI do evangelho Segundo o Espiritismo Amar ao próximo como a si mesmo
Capítulo XI do evangelho Segundo o Espiritismo Amar ao próximo como a si mesmoCapítulo XI do evangelho Segundo o Espiritismo Amar ao próximo como a si mesmo
Capítulo XI do evangelho Segundo o Espiritismo Amar ao próximo como a si mesmo
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Estudos do evangelho 21
Estudos do evangelho 21Estudos do evangelho 21
Estudos do evangelho 21
Leonardo Pereira
 
A lei de amor ppt
A lei de amor pptA lei de amor ppt
A lei de amor ppt
Silvânio Barcelos
 
O DUELO
O DUELOO DUELO
Cristo Consolador
Cristo ConsoladorCristo Consolador
Cristo Consolador
Sergio Menezes
 
Senhor, Senhor
Senhor, SenhorSenhor, Senhor
Senhor, Senhor
igmateus
 
Jugo leve
Jugo leveJugo leve
Jugo leve
Fatoze
 
Caridade para com os criminosos
Caridade para com os criminososCaridade para com os criminosos
Caridade para com os criminosos
Izabel Cristina Fonseca
 
Duelo
DueloDuelo
Duelo
igmateus
 
A verdadeira Pureza mãos não lavadas .
A verdadeira Pureza mãos não lavadas . A verdadeira Pureza mãos não lavadas .
A verdadeira Pureza mãos não lavadas .
Vanda Machado
 
Amai vossos inimigos_versão final
Amai vossos inimigos_versão finalAmai vossos inimigos_versão final
Amai vossos inimigos_versão final
grupodepaisceb
 

Mais procurados (20)

Justiça das Aflições
Justiça das AfliçõesJustiça das Aflições
Justiça das Aflições
 
A felicidade não é deste mundo
A felicidade não é deste mundoA felicidade não é deste mundo
A felicidade não é deste mundo
 
Ajuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudaráAjuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudará
 
Motivos de resignação 05 05-17
Motivos de resignação 05 05-17Motivos de resignação 05 05-17
Motivos de resignação 05 05-17
 
Caridade na ótica espirita
Caridade na ótica espiritaCaridade na ótica espirita
Caridade na ótica espirita
 
Parentela Corporal E Espiritual2
Parentela Corporal E Espiritual2Parentela Corporal E Espiritual2
Parentela Corporal E Espiritual2
 
Olhai as aves do céu - Palestrante Professor Danilo Galvão - SAJ/BA
Olhai as aves do céu - Palestrante Professor Danilo Galvão - SAJ/BAOlhai as aves do céu - Palestrante Professor Danilo Galvão - SAJ/BA
Olhai as aves do céu - Palestrante Professor Danilo Galvão - SAJ/BA
 
Amem seus inimigos
Amem seus inimigosAmem seus inimigos
Amem seus inimigos
 
Como Fazer Palestra Espirita
Como Fazer Palestra EspiritaComo Fazer Palestra Espirita
Como Fazer Palestra Espirita
 
Capítulo XI do evangelho Segundo o Espiritismo Amar ao próximo como a si mesmo
Capítulo XI do evangelho Segundo o Espiritismo Amar ao próximo como a si mesmoCapítulo XI do evangelho Segundo o Espiritismo Amar ao próximo como a si mesmo
Capítulo XI do evangelho Segundo o Espiritismo Amar ao próximo como a si mesmo
 
Estudos do evangelho 21
Estudos do evangelho 21Estudos do evangelho 21
Estudos do evangelho 21
 
A lei de amor ppt
A lei de amor pptA lei de amor ppt
A lei de amor ppt
 
O DUELO
O DUELOO DUELO
O DUELO
 
Cristo Consolador
Cristo ConsoladorCristo Consolador
Cristo Consolador
 
Senhor, Senhor
Senhor, SenhorSenhor, Senhor
Senhor, Senhor
 
Jugo leve
Jugo leveJugo leve
Jugo leve
 
Caridade para com os criminosos
Caridade para com os criminososCaridade para com os criminosos
Caridade para com os criminosos
 
Duelo
DueloDuelo
Duelo
 
A verdadeira Pureza mãos não lavadas .
A verdadeira Pureza mãos não lavadas . A verdadeira Pureza mãos não lavadas .
A verdadeira Pureza mãos não lavadas .
 
Amai vossos inimigos_versão final
Amai vossos inimigos_versão finalAmai vossos inimigos_versão final
Amai vossos inimigos_versão final
 

Destaque

Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
Clair Bianchini
 
Capítulo 5 Bem aventurados os aflitos
Capítulo 5 Bem aventurados os aflitosCapítulo 5 Bem aventurados os aflitos
Capítulo 5 Bem aventurados os aflitos
Roberta Andrade
 
Bem aventurados os aflitos
Bem aventurados os aflitosBem aventurados os aflitos
Bem aventurados os aflitos
Humberto E. Hasegawa
 
Bem aventurados os aflitos!
Bem aventurados os aflitos! Bem aventurados os aflitos!
Bem aventurados os aflitos!
Leonardo Pereira
 
Bem aventurados os aflitos
Bem aventurados os aflitos Bem aventurados os aflitos
Bem aventurados os aflitos
Maria Moraes
 
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitosPalestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Divulgador do Espiritismo
 
Palestra 27 bem aventurados
Palestra 27 bem aventuradosPalestra 27 bem aventurados
Palestra 27 bem aventurados
Jose Ferreira Almeida Almeida
 
Apresentação das bem aventuranças
Apresentação das bem aventurançasApresentação das bem aventuranças
Apresentação das bem aventuranças
vineta
 
Causas das aflições
Causas das afliçõesCausas das aflições
Causas das aflições
Luciane Belchior
 
O sermão da montanha ( Leonardo Pereira
O sermão da montanha ( Leonardo Pereira O sermão da montanha ( Leonardo Pereira
O sermão da montanha ( Leonardo Pereira
Leonardo Pereira
 
O sermão da montanha e os valores humanos
O sermão da montanha e os valores humanosO sermão da montanha e os valores humanos
O sermão da montanha e os valores humanos
Dalila Melo
 
No mundo tereis aflição
No mundo tereis afliçãoNo mundo tereis aflição
No mundo tereis aflição
Graça Maciel
 
As bem aventuranças (jesus)
As bem aventuranças (jesus)As bem aventuranças (jesus)
As bem aventuranças (jesus)
Mirian De Lima Mendes
 
Sermão da montanha
Sermão da montanhaSermão da montanha
Sermão da montanha
Graça Maciel
 
AS BEM AVENTURANÇAS - Visão Espírita
AS BEM AVENTURANÇAS - Visão EspíritaAS BEM AVENTURANÇAS - Visão Espírita
AS BEM AVENTURANÇAS - Visão Espírita
Anderson Dias
 
Bem e mal sofrer
Bem e mal sofrerBem e mal sofrer
Bem e mal sofrer
Helio Cruz
 
Bem aventurados os aflitos!
Bem aventurados os aflitos!Bem aventurados os aflitos!
Bem aventurados os aflitos!
Leonardo Pereira
 
Slide 1
Slide 1Slide 1
Slide 1
VisualBee.com
 
Apresentação com estudos sobre a ética do sermão do monte
Apresentação com estudos sobre a ética do sermão do monteApresentação com estudos sobre a ética do sermão do monte
Apresentação com estudos sobre a ética do sermão do monte
João Eduardo
 
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
O CARÁTER EDUCATIVO DA DORO CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
Jorge Luiz dos Santos
 

Destaque (20)

Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
 
Capítulo 5 Bem aventurados os aflitos
Capítulo 5 Bem aventurados os aflitosCapítulo 5 Bem aventurados os aflitos
Capítulo 5 Bem aventurados os aflitos
 
Bem aventurados os aflitos
Bem aventurados os aflitosBem aventurados os aflitos
Bem aventurados os aflitos
 
Bem aventurados os aflitos!
Bem aventurados os aflitos! Bem aventurados os aflitos!
Bem aventurados os aflitos!
 
Bem aventurados os aflitos
Bem aventurados os aflitos Bem aventurados os aflitos
Bem aventurados os aflitos
 
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitosPalestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
 
Palestra 27 bem aventurados
Palestra 27 bem aventuradosPalestra 27 bem aventurados
Palestra 27 bem aventurados
 
Apresentação das bem aventuranças
Apresentação das bem aventurançasApresentação das bem aventuranças
Apresentação das bem aventuranças
 
Causas das aflições
Causas das afliçõesCausas das aflições
Causas das aflições
 
O sermão da montanha ( Leonardo Pereira
O sermão da montanha ( Leonardo Pereira O sermão da montanha ( Leonardo Pereira
O sermão da montanha ( Leonardo Pereira
 
O sermão da montanha e os valores humanos
O sermão da montanha e os valores humanosO sermão da montanha e os valores humanos
O sermão da montanha e os valores humanos
 
No mundo tereis aflição
No mundo tereis afliçãoNo mundo tereis aflição
No mundo tereis aflição
 
As bem aventuranças (jesus)
As bem aventuranças (jesus)As bem aventuranças (jesus)
As bem aventuranças (jesus)
 
Sermão da montanha
Sermão da montanhaSermão da montanha
Sermão da montanha
 
AS BEM AVENTURANÇAS - Visão Espírita
AS BEM AVENTURANÇAS - Visão EspíritaAS BEM AVENTURANÇAS - Visão Espírita
AS BEM AVENTURANÇAS - Visão Espírita
 
Bem e mal sofrer
Bem e mal sofrerBem e mal sofrer
Bem e mal sofrer
 
Bem aventurados os aflitos!
Bem aventurados os aflitos!Bem aventurados os aflitos!
Bem aventurados os aflitos!
 
Slide 1
Slide 1Slide 1
Slide 1
 
Apresentação com estudos sobre a ética do sermão do monte
Apresentação com estudos sobre a ética do sermão do monteApresentação com estudos sobre a ética do sermão do monte
Apresentação com estudos sobre a ética do sermão do monte
 
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
O CARÁTER EDUCATIVO DA DORO CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
 

Semelhante a Estudos do evangelho - Bem Aventurados os Aflitos

Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
Danilo Galvão
 
Evangelho Cap 5 item 4
Evangelho Cap 5 item 4Evangelho Cap 5 item 4
Evangelho Cap 5 item 4
Patricia Farias
 
ESDE - Módulo XVIII - Roteiro 1: penas e gozos terrestres.
ESDE - Módulo XVIII - Roteiro 1: penas e gozos terrestres.ESDE - Módulo XVIII - Roteiro 1: penas e gozos terrestres.
ESDE - Módulo XVIII - Roteiro 1: penas e gozos terrestres.
Núcleo de Promoção Humana Vinha de Luz
 
Palestra A contribuição do Espiritismo na Superação das Aflições .pptx
Palestra  A contribuição do Espiritismo na Superação das Aflições .pptxPalestra  A contribuição do Espiritismo na Superação das Aflições .pptx
Palestra A contribuição do Espiritismo na Superação das Aflições .pptx
JobMaia
 
Sermão do Monte.pdf
Sermão do Monte.pdfSermão do Monte.pdf
Sermão do Monte.pdf
M.R.L
 
Aflito, Porem Bem Aventurado
Aflito,  Porem Bem Aventurado Aflito,  Porem Bem Aventurado
Aflito, Porem Bem Aventurado
Clea Alves
 
Penas E Gozos Terrenos
Penas E  Gozos  TerrenosPenas E  Gozos  Terrenos
Penas E Gozos Terrenos
meebpeixotinho
 
ESTUDO ESPIRITA SOBRE PROVAS E EXPIAÇÕES
ESTUDO ESPIRITA SOBRE PROVAS E EXPIAÇÕESESTUDO ESPIRITA SOBRE PROVAS E EXPIAÇÕES
ESTUDO ESPIRITA SOBRE PROVAS E EXPIAÇÕES
LuizHenriqueTDias
 
Saber Sofrer
Saber SofrerSaber Sofrer
Livro dos Espiritos 549 e ESE cap 5
Livro dos Espiritos 549 e ESE cap 5Livro dos Espiritos 549 e ESE cap 5
Livro dos Espiritos 549 e ESE cap 5
Patricia Farias
 
Crises e Dores Coletivas e Familiares
Crises e Dores Coletivas e FamiliaresCrises e Dores Coletivas e Familiares
Crises e Dores Coletivas e Familiares
ADALBERTO COELHO DA SILVA JR
 
A dor.pptx
A dor.pptxA dor.pptx
A dor.pptx
M.R.L
 
Penas e Gozos Terrestres_ Macedo 2016
Penas e Gozos Terrestres_ Macedo 2016Penas e Gozos Terrestres_ Macedo 2016
Penas e Gozos Terrestres_ Macedo 2016
Claudio Macedo
 
BEM E MAL SOFRER.ppsx
BEM E MAL SOFRER.ppsxBEM E MAL SOFRER.ppsx
BEM E MAL SOFRER.ppsx
RonaldoTavaresGomes
 
Evangelho Cap. 5 - Bem aventurados os Aflitos
Evangelho Cap. 5 - Bem aventurados os AflitosEvangelho Cap. 5 - Bem aventurados os Aflitos
Evangelho Cap. 5 - Bem aventurados os Aflitos
Patricia Farias
 
O céu e o inferno - cap VIII - expiacoes terrestres
O céu e o inferno - cap VIII - expiacoes terrestresO céu e o inferno - cap VIII - expiacoes terrestres
O céu e o inferno - cap VIII - expiacoes terrestres
Eduardo Manoel Araujo
 
Evangelho Cap5 item26
Evangelho Cap5 item26Evangelho Cap5 item26
Evangelho Cap5 item26
Patricia Farias
 
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
Núcleo de Promoção Humana Vinha de Luz
 
16 Doenças e Desequilíbrios no Lar
16 Doenças e Desequilíbrios no Lar16 Doenças e Desequilíbrios no Lar
16 Doenças e Desequilíbrios no Lar
JPS Junior
 
Suicidio parte-dois
Suicidio parte-doisSuicidio parte-dois
Suicidio parte-dois
Rosângela Elias
 

Semelhante a Estudos do evangelho - Bem Aventurados os Aflitos (20)

Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
 
Evangelho Cap 5 item 4
Evangelho Cap 5 item 4Evangelho Cap 5 item 4
Evangelho Cap 5 item 4
 
ESDE - Módulo XVIII - Roteiro 1: penas e gozos terrestres.
ESDE - Módulo XVIII - Roteiro 1: penas e gozos terrestres.ESDE - Módulo XVIII - Roteiro 1: penas e gozos terrestres.
ESDE - Módulo XVIII - Roteiro 1: penas e gozos terrestres.
 
Palestra A contribuição do Espiritismo na Superação das Aflições .pptx
Palestra  A contribuição do Espiritismo na Superação das Aflições .pptxPalestra  A contribuição do Espiritismo na Superação das Aflições .pptx
Palestra A contribuição do Espiritismo na Superação das Aflições .pptx
 
Sermão do Monte.pdf
Sermão do Monte.pdfSermão do Monte.pdf
Sermão do Monte.pdf
 
Aflito, Porem Bem Aventurado
Aflito,  Porem Bem Aventurado Aflito,  Porem Bem Aventurado
Aflito, Porem Bem Aventurado
 
Penas E Gozos Terrenos
Penas E  Gozos  TerrenosPenas E  Gozos  Terrenos
Penas E Gozos Terrenos
 
ESTUDO ESPIRITA SOBRE PROVAS E EXPIAÇÕES
ESTUDO ESPIRITA SOBRE PROVAS E EXPIAÇÕESESTUDO ESPIRITA SOBRE PROVAS E EXPIAÇÕES
ESTUDO ESPIRITA SOBRE PROVAS E EXPIAÇÕES
 
Saber Sofrer
Saber SofrerSaber Sofrer
Saber Sofrer
 
Livro dos Espiritos 549 e ESE cap 5
Livro dos Espiritos 549 e ESE cap 5Livro dos Espiritos 549 e ESE cap 5
Livro dos Espiritos 549 e ESE cap 5
 
Crises e Dores Coletivas e Familiares
Crises e Dores Coletivas e FamiliaresCrises e Dores Coletivas e Familiares
Crises e Dores Coletivas e Familiares
 
A dor.pptx
A dor.pptxA dor.pptx
A dor.pptx
 
Penas e Gozos Terrestres_ Macedo 2016
Penas e Gozos Terrestres_ Macedo 2016Penas e Gozos Terrestres_ Macedo 2016
Penas e Gozos Terrestres_ Macedo 2016
 
BEM E MAL SOFRER.ppsx
BEM E MAL SOFRER.ppsxBEM E MAL SOFRER.ppsx
BEM E MAL SOFRER.ppsx
 
Evangelho Cap. 5 - Bem aventurados os Aflitos
Evangelho Cap. 5 - Bem aventurados os AflitosEvangelho Cap. 5 - Bem aventurados os Aflitos
Evangelho Cap. 5 - Bem aventurados os Aflitos
 
O céu e o inferno - cap VIII - expiacoes terrestres
O céu e o inferno - cap VIII - expiacoes terrestresO céu e o inferno - cap VIII - expiacoes terrestres
O céu e o inferno - cap VIII - expiacoes terrestres
 
Evangelho Cap5 item26
Evangelho Cap5 item26Evangelho Cap5 item26
Evangelho Cap5 item26
 
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
 
16 Doenças e Desequilíbrios no Lar
16 Doenças e Desequilíbrios no Lar16 Doenças e Desequilíbrios no Lar
16 Doenças e Desequilíbrios no Lar
 
Suicidio parte-dois
Suicidio parte-doisSuicidio parte-dois
Suicidio parte-dois
 

Mais de Leonardo Pereira

Jesus " psicólogo por excelência"
Jesus " psicólogo por excelência" Jesus " psicólogo por excelência"
Jesus " psicólogo por excelência"
Leonardo Pereira
 
Jesus "o Cristo de nossos dias"
Jesus "o Cristo de nossos dias"Jesus "o Cristo de nossos dias"
Jesus "o Cristo de nossos dias"
Leonardo Pereira
 
E a morte o fim da vida
E a morte o fim da vidaE a morte o fim da vida
E a morte o fim da vida
Leonardo Pereira
 
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 10 a 12
Escutando sentimentos cap 10 a 12Escutando sentimentos cap 10 a 12
Escutando sentimentos cap 10 a 12
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 07e 08
Escutando sentimentos cap 07e 08Escutando sentimentos cap 07e 08
Escutando sentimentos cap 07e 08
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 04
Escutando sentimentos cap 04Escutando sentimentos cap 04
Escutando sentimentos cap 04
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 03
Escutando sentimentos cap 03Escutando sentimentos cap 03
Escutando sentimentos cap 03
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 02
Escutando sentimentos cap 02Escutando sentimentos cap 02
Escutando sentimentos cap 02
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 1
Escutando sentimentos  cap 1Escutando sentimentos  cap 1
Escutando sentimentos cap 1
Leonardo Pereira
 
O apego e suas consequencias para o espirito imortal
O apego e suas consequencias para o espirito imortalO apego e suas consequencias para o espirito imortal
O apego e suas consequencias para o espirito imortal
Leonardo Pereira
 
Consciência e evolução
Consciência e evolução Consciência e evolução
Consciência e evolução
Leonardo Pereira
 
Prisões mentais
Prisões mentaisPrisões mentais
Prisões mentais
Leonardo Pereira
 
Seminário Médiuns obsediados
Seminário Médiuns obsediadosSeminário Médiuns obsediados
Seminário Médiuns obsediados
Leonardo Pereira
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 

Mais de Leonardo Pereira (20)

Jesus " psicólogo por excelência"
Jesus " psicólogo por excelência" Jesus " psicólogo por excelência"
Jesus " psicólogo por excelência"
 
Jesus "o Cristo de nossos dias"
Jesus "o Cristo de nossos dias"Jesus "o Cristo de nossos dias"
Jesus "o Cristo de nossos dias"
 
E a morte o fim da vida
E a morte o fim da vidaE a morte o fim da vida
E a morte o fim da vida
 
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
 
Escutando sentimentos cap 10 a 12
Escutando sentimentos cap 10 a 12Escutando sentimentos cap 10 a 12
Escutando sentimentos cap 10 a 12
 
Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10
 
Escutando sentimentos cap 07e 08
Escutando sentimentos cap 07e 08Escutando sentimentos cap 07e 08
Escutando sentimentos cap 07e 08
 
Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06
 
Escutando sentimentos cap 04
Escutando sentimentos cap 04Escutando sentimentos cap 04
Escutando sentimentos cap 04
 
Escutando sentimentos cap 03
Escutando sentimentos cap 03Escutando sentimentos cap 03
Escutando sentimentos cap 03
 
Escutando sentimentos cap 02
Escutando sentimentos cap 02Escutando sentimentos cap 02
Escutando sentimentos cap 02
 
Escutando sentimentos cap 1
Escutando sentimentos  cap 1Escutando sentimentos  cap 1
Escutando sentimentos cap 1
 
O apego e suas consequencias para o espirito imortal
O apego e suas consequencias para o espirito imortalO apego e suas consequencias para o espirito imortal
O apego e suas consequencias para o espirito imortal
 
Consciência e evolução
Consciência e evolução Consciência e evolução
Consciência e evolução
 
Prisões mentais
Prisões mentaisPrisões mentais
Prisões mentais
 
Seminário Médiuns obsediados
Seminário Médiuns obsediadosSeminário Médiuns obsediados
Seminário Médiuns obsediados
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 

Último

Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 

Último (15)

Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 

Estudos do evangelho - Bem Aventurados os Aflitos

  • 1. Estudos do Evangelho Capítulo 5 – Bem aventurados os aflitos - item 1 ao 10 Leonardo Pereira
  • 3. 1 – Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados. Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão fartos. Bem-aventurados os que padecem perseguição por amor da justiça, porque deles é o Reino dos Céus. (Mateus, V: 5, 6 e 10).
  • 4. 2 – Bem-aventurados vós, os pobres, porque vosso é o Reino de Deus. Bem-aventurados os que agora tendes fome, porque sereis fartos. Bem- aventurados vós, que agora chorais, porque rireis. (Lucas, VI: 20 e 21)
  • 5. Mas ai de vós, ricos, porque tendes no fundo a vossa consolação. Ai de vós, os que estais fartos, porque tereis fome. Ai de vós, os que agora rides, porque gemereis e chorareis. (Lucas, VI: 24 e 25).
  • 7. As bem-aventuranças são declarações de bênçãos pronunciadas por Jesus no início do Sermão da Montanha. são os ensinamentos que, de acordo com o Evangelho segundo Mateus, Jesus pregou no Sermão da Montanha, e, que de acordo com o Evangelho segundo Lucas, Jesus pregou no Sermão da Planície, para ensinar e revelar aos homens a verdadeira felicidade.
  • 8. A palavra grega traduzida por "bem- aventurado" significa "bem-estar e prosperidade espiritual". Cada bem-aventurança consiste de duas partes: uma condição e um resultado. 1 - Aqueles que experimentam a primeira parte de uma bem-aventurança (os pobres, os que choram, os mansos, os com fome de justiça, os misericordiosos, os puros, os pacíficos e os perseguidos)
  • 9. Cada bem-aventurança consiste de duas partes: uma condição e um resultado. também experimentarão a segunda parte da bem-aventurança (reino dos céus, conforto, herdarão a terra, saciados, misericórdia, verão a Deus, chamados filhos de Deus, herdarão o reino dos céus).
  • 10. condição e resultado. Em quase todos casos, as frases são familiares ao Velho Testamento, mas o sermão de Jesus as eleva à condição de um novo ensinamento. No conjunto, as bem-aventuranças apresentam um novo conjunto de ideais, com foco no amor e humildade, ecoando ensinamentos de espiritualidade e compaixão.
  • 11. Como ver Justiça nas aflições?
  • 12. As compensações que Jesus promete aos aflitos da Terra só podem realizar-se na vida futura. Sem a certeza do porvir, essas máximas seriam um contrassenso, ou mais ainda, seriam um engodo. Mesmo com essa certeza, compreende-se dificilmente a utilidade de sofrer para ser feliz. Diz- se que é para haver mais mérito.
  • 13. Mas então se pergunta por que uns sofrem mais do que outros; por que uns nascem na miséria e outros na opulência, sem nada terem feito para justificar essa posição; por que para uns nada dá certo, enquanto para outros tudo parece sorrir?
  • 14. Mas o que ainda menos se compreende é ver os bens e os males tão desigualmente distribuídos entre o vício e a virtude; ver homens virtuosos sofrer ao lado de malvados que prosperam. A fé no futuro pode consolar e proporcionar paciência, mas não explica essas anomalias, que parecem desmentir a justiça de Deus.
  • 15. Entretanto, desde que se admite a existência de Deus, não é possível concebê-lo sem suas perfeições. Ele deve ser todo poderoso, todo justiça, todo bondade, pois sem isso não seria Deus.
  • 16. E se Deus é soberanamente justo e bom, não pode agir por capricho ou com parcialidade.
  • 17. As vicissitudes da vida têm, pois, uma causa, e como Deus é justo, essa causa deve ser justa. Eis do que todos devem compenetrar-se. Deus encaminhou os homens na compreensão dessa causa pelos ensinos de Jesus, e hoje, considerando-os suficientemente maduros para compreendê-la, revela-a por completo através do Espiritismo, ou seja, pela voz dos Espíritos.
  • 18. Causas Atuais das Aflições
  • 19. As vicissitudes da vida são de duas espécies, ou, se quisermos, tem duas origens bem diversas, que importa distinguir: umas têm sua causa na vida presente; e a outra, fora desta vida.
  • 20. Remontando à fonte dos males terrenos, reconhece-se que muitos são as consequências naturais do caráter e da conduta daqueles que os sofrem. Quantos homens caem por sua própria culpa!
  • 21. Quantos são vítimas de sua imprevidência, de seu orgulho e de sua ambição! Quantas pessoas arruinadas por falta de ordem, de perseverança, por mau comportamento ou por terem limitado os seus desejos!
  • 22. Quantas uniões infelizes, porque resultaram dos cálculos do interesse ou da vaidade, nada tendo com isso o coração!
  • 23. Quantos pais infelizes com os filhos, por não terem combatido as suas más tendências desde o princípio.
  • 24. A quem, portanto, devem todas essas aflições, senão a si mesmos? O homem é, assim, num grande número de casos o autor de seus próprios infortúnios
  • 25. Mas, em vez de reconhecê-lo, acha mais simples, e menos humilhante para a sua vaidade, acusar a sorte, a Providência, a falta de oportunidade, sua má estrela, enquanto, na verdade, sua má estrela é a sua própria incúria.
  • 26. Causas Anteriores das Aflições
  • 27. Mas se há males, nesta vida, de que o homem é a própria causa, há também outros que, pelo menos em aparência, são estranhos à sua vontade e parecem golpeá-lo por fatalidade. Assim, por exemplo:
  • 28. A perda de entes queridos e dos que sustentam a família.
  • 29. Os acidentes que nenhuma previdência pode evitar.
  • 30. Os revezes da fortuna, que frustram todas as medidas de prudência.
  • 32. E ainda as doenças de nascença, sobretudo aquelas que tiram aos infelizes a possibilidade de ganhar a vida pelo trabalho: as deformidades, a idiota, a imbecilidade etc.
  • 33. Entretanto, em virtude do axioma de que todo efeito tem uma causa, essas misérias são efeitos que devem ter a sua causa, e desde que se admita a existência de um Deus justo, essa causa deve ser justa.
  • 34. Ora a causa sendo sempre anterior ao efeito, e desde que não se encontra na vida atual, é que pertence a uma existência precedente.
  • 36. Por outro lado, Deus não podendo punir pelo bem o que se fez, nem pelo mal que não se fez, se somos punidos, é que fizemos o mal. E se não fizemos o mal nesta vida, é que o fizemos em outra. Esta é uma alternativa a que não podemos escapar, e na qual a lógica nos diz de que lado está à justiça de Deus.
  • 37. O homem não é, portanto, punido sempre, ou completamente punido, na sua existência presente, mas jamais escapa às consequências de suas faltas.
  • 38. A prosperidade do mau é apenas momentânea, e se ele não expia hoje, expiará amanhã, pois aquele que sofre está sendo submetido à expiação do seu próprio passado.
  • 39. A desgraça que, à primeira vista, parece imerecida, tem portanto a sua razão de ser, e aquele que sofre pode sempre dizer: “Perdoai-me, Senhor, porque eu pequei”..
  • 40. Os sofrimentos produzidos por causas anteriores são sempre, como os decorrentes de causas atuais, uma consequência natural da própria falta cometida.
  • 41. Quer dizer que, em virtude de uma rigorosa justiça distributiva, o homem sofre aquilo que fez os outros sofrerem.
  • 42. Se ele foi duro e desumano, poderá ser, por sua vez, tratado com dureza e desumanidade.
  • 43. Se foi orgulhoso, poderá nascer numa condição humilhante.
  • 44. Se foi avarento, egoísta, ou se empregou mal a sua fortuna, poderá ver-se privado do necessário.
  • 45. se foi mau filho, poderá sofrer com os próprios filhos; e assim por diante.
  • 47. Não se deve crer, entretanto, que todo sofrimento por que se passa neste mundo seja necessariamente o indício de uma determinada falta.
  • 48. trata-se frequentemente de simples provas escolhidas pelo Espírito, para acabar a sua purificação e acelerar o seu adiantamento.
  • 49. Assim, a expiação serve sempre de prova, mas a prova nem sempre é uma expiação.
  • 50. Mas provas e expiações são sempre sinais de uma inferioridade relativa, pois aquele que é perfeito não precisa ser provado.
  • 51. As provas da vida fazem progredir, quando bem suportadas; como expiações, apagam as faltas e purificam... Resignação
  • 52. são o remédio que limpa a ferida e cura o doente, e quanto mais grave o mal, mais enérgico deve ser o remédio.
  • 53. Como vai sua medicação?