SlideShare uma empresa Scribd logo
 
Desabafo de uma Seareira   Maria Moraes
Maria Moraes
Maria Moraes
Maria Moraes
Maria Moraes
Maria Moraes
Maria Moraes
Maria Moraes
Maria Moraes
Maria Moraes Maria Moraes
Maria Moraes
Maria Moraes
JUSTIÇA DO PARÁ  MANTEVE PRESA MENINA DE 15 ANOS COM 20 HOMENS Transcrição e Imagem da Revista Veja  edição 2036, de 28/11/2007 Maria Moraes
Maria Moraes Texto, fotos, montagem e imagem de Maria Moraes
Como  se  Jesus  ouvisse o lamento dessa seareira  há mais de 2000 anos atrás respondesse.
“ Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados.   Bem-aventurados os que têm fome e sêde de justiça, porque eles serão fartos.   Bem-aventurados os que têm sido perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino dos Céus.“ Mateus, V:  5,6 e 10.
"E, levantando ele os olhos para os seus discípulos, dizia: Bem-aventurados vós, os pobres, porque vosso é o reino de Deus. Bem-aventurados vós, que agora tendes fome, porque sereis fartos. Bem-aventurados vós, que agora chorais, porque haveis de rir.“ Lucas, VI: 20 e 21
CAUSAS ATUAIS DAS AFLIÇÕES   Têm origens diversas:  Umas têm sua causa na vida presente e outras fora desta vida.
NA VIDA PRESENTE   O homem é, em grandes números de casos, o autor de seus próprios infortúnios. Mas,  mas, em vez de reconhecê-lo, acha mais simples e menos humilhante para a sua vaidade acusar a sorte, a Providência, a falta de oportunidade etc.
Remontando à fonte dos males terrenos, reconhece-se que muitos são conseqüências naturais do caráter e da conduta daqueles que sofrem.  
Quantas pessoas são vítimas de sua imprevidência, de seu orgulho, da sua falta de organização ou ainda por não limitar seus desejos?
NAS VIDAS PASSADAS Se há males nesta encarnação de que o homem é a própria causa, existem também outros que, pelo menos em aparência, são estranhos à sua vontade e parecem o golpear por fatalidade.
Como é o caso do desencarne de entes queridos; flagelos; deformidades; idiotia etc. Os que nasceram nessas condições nada fizeram seguramente nesta vida para merecer tão triste sorte.
O que significa dizer de crianças que morreram na tenra idade e só conheceram da vida o sofrimento? NÃO PODEMOS NOS ESQUECER DE QUE TODO SOFRIMENTO TEM UMA CAUSA.
Portanto essas misérias são efeitos de uma possível causa em vidas passadas. E, sem dúvida trata-se frequentemente de simples provas escolhidas pelo Espírito, para acelerar seu adiantamento. É nas diversas existências corpóreas que os Espíritos se livram, pouco a pouco, de suas imperfeições.
As provas da vida fazem progredir quando bem suportadas. Deus nos deu, para melhorarmos, justamente o que necessitamos e nos é suficiente: a voz da consciência e as tendências instintivas.
CONCLUSÃO   Como desencarnados, quando vagueáveis no espaço, escolhestes a vossa prova.  Por que murmurais agora?   Quandos vos atingir um motivo de dor ou contrariedade, tratai de elevai-vos através da prece. E quando chegardes a dominar os impulsos impaciência, da cólera ou do desespero, dizei com justa satisfação: Eu fui o mais  FORTE  !
Se, no auge de vossos mais cruéis sofrimentos cantardes em louvor ao Senhor, o anjo de vossa guarda vos mostrará o caminho.   Algumas pessoas pensam: "uma vez que se está na Terra para expiar uma vez que se está na Terra para expiar, é necessário que as provas sigam o seu curso. Há outros que chegam a pensar que não somente devemos evitar de atenuá-las, mas também devemos contribuir para torná-las mais proveitosas, agravando-as.”  ERRADO .
Não digais, portanto, ao verdes um irmão ferido: "É a justiça de Deus, e é necessário que siga o seu curso", mas dizei, ao contrário: "Vejamos que meios nosso Pai Misericordioso me concedeu, para aliviar o sofrimento de meu irmão.   Estamos todos na terra para expiar. Devemos fazer todos os esforços para aliviar a expiação dos irmãos, segundo a lei do amor e caridade.
No filme  " Fome  " ,   um pai com o seu filho caminha pelas ruas de uma cidade até que o menino aponta para uma criança de rua e afirma: “Pai, ele quer comer!”.  O adulto olha cismado para o local, mas não vê ninguém.  O narrador, em off, explica: “Às vezes, o problema está tão presente no dia-a-dia, que a gente para de enxergar”.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bem-aventurados os aflitos - Wilma Badan
Bem-aventurados os aflitos - Wilma BadanBem-aventurados os aflitos - Wilma Badan
Bem-aventurados os aflitos - Wilma Badan
Wilma Badan C.G.
 
Capítulo 5 Bem aventurados os aflitos
Capítulo 5 Bem aventurados os aflitosCapítulo 5 Bem aventurados os aflitos
Capítulo 5 Bem aventurados os aflitos
Roberta Andrade
 

Mais procurados (20)

A autoanálise na procura das causas das aflições-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
A autoanálise na procura das causas das aflições-Marcelo do N. Rodrigues-CEMA autoanálise na procura das causas das aflições-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
A autoanálise na procura das causas das aflições-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
 
Causas anteriores das aflições
Causas anteriores das afliçõesCausas anteriores das aflições
Causas anteriores das aflições
 
Bem-aventurados os aflitos - Wilma Badan
Bem-aventurados os aflitos - Wilma BadanBem-aventurados os aflitos - Wilma Badan
Bem-aventurados os aflitos - Wilma Badan
 
Estudos do evangelho 6
Estudos do evangelho 6Estudos do evangelho 6
Estudos do evangelho 6
 
Bem aventurados os aflitos!
Bem aventurados os aflitos!Bem aventurados os aflitos!
Bem aventurados os aflitos!
 
Causas das aflições
Causas das afliçõesCausas das aflições
Causas das aflições
 
Evangelho Cap 5 item 4
Evangelho Cap 5 item 4Evangelho Cap 5 item 4
Evangelho Cap 5 item 4
 
Causas das aflições slideshare
Causas das aflições slideshareCausas das aflições slideshare
Causas das aflições slideshare
 
Como encarar a dor e o sofrimento
Como encarar a dor e o sofrimentoComo encarar a dor e o sofrimento
Como encarar a dor e o sofrimento
 
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitosCap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
 
Evangelho Segundo o Espiritismo Cap 5 item11
Evangelho Segundo o Espiritismo Cap 5 item11Evangelho Segundo o Espiritismo Cap 5 item11
Evangelho Segundo o Espiritismo Cap 5 item11
 
Aula 04 causas atuais e anteriores das aflições
Aula 04   causas atuais e anteriores das afliçõesAula 04   causas atuais e anteriores das aflições
Aula 04 causas atuais e anteriores das aflições
 
Capítulo 5 Bem aventurados os aflitos
Capítulo 5 Bem aventurados os aflitosCapítulo 5 Bem aventurados os aflitos
Capítulo 5 Bem aventurados os aflitos
 
Estudos do evangelho - continuação - Bem aventurados os Aflitos
Estudos do evangelho - continuação - Bem aventurados os Aflitos Estudos do evangelho - continuação - Bem aventurados os Aflitos
Estudos do evangelho - continuação - Bem aventurados os Aflitos
 
Estudos do evangelho - Continuação - Bem Aventurados os Aflitos
Estudos do evangelho - Continuação - Bem Aventurados os Aflitos Estudos do evangelho - Continuação - Bem Aventurados os Aflitos
Estudos do evangelho - Continuação - Bem Aventurados os Aflitos
 
Bem aventurados os aflitos!
Bem aventurados os aflitos! Bem aventurados os aflitos!
Bem aventurados os aflitos!
 
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitosPalestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
 
Amem seus inimigos
Amem seus inimigosAmem seus inimigos
Amem seus inimigos
 
Justica das aflicoes
Justica das aflicoesJustica das aflicoes
Justica das aflicoes
 
Provas voluntárias
Provas voluntáriasProvas voluntárias
Provas voluntárias
 

Destaque

Justiça das Aflições
Justiça das AfliçõesJustiça das Aflições
Justiça das Aflições
igmateus
 
No mundo tereis aflição
No mundo tereis afliçãoNo mundo tereis aflição
No mundo tereis aflição
Graça Maciel
 
O sermão da montanha e os valores humanos
O sermão da montanha e os valores humanosO sermão da montanha e os valores humanos
O sermão da montanha e os valores humanos
Dalila Melo
 
Apresentação das bem aventuranças
Apresentação das bem aventurançasApresentação das bem aventuranças
Apresentação das bem aventuranças
vineta
 
Jesus - Dora Incontri
Jesus - Dora IncontriJesus - Dora Incontri
Jesus - Dora Incontri
Mima Badan
 
Joana de angelis o ser consciente
Joana de angelis   o ser conscienteJoana de angelis   o ser consciente
Joana de angelis o ser consciente
havatar
 
Agindo deus
Agindo deusAgindo deus
Agindo deus
PHABLO B
 

Destaque (19)

Causas das aflições
Causas das afliçõesCausas das aflições
Causas das aflições
 
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
O CARÁTER EDUCATIVO DA DORO CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
 
Justiça das Aflições
Justiça das AfliçõesJustiça das Aflições
Justiça das Aflições
 
No mundo tereis aflição
No mundo tereis afliçãoNo mundo tereis aflição
No mundo tereis aflição
 
Palestra 27 bem aventurados
Palestra 27 bem aventuradosPalestra 27 bem aventurados
Palestra 27 bem aventurados
 
A IMPORTANCIA DA DOR
A  IMPORTANCIA DA DORA  IMPORTANCIA DA DOR
A IMPORTANCIA DA DOR
 
Bem aventuranças
Bem aventurançasBem aventuranças
Bem aventuranças
 
As bem aventuranças (jesus)
As bem aventuranças (jesus)As bem aventuranças (jesus)
As bem aventuranças (jesus)
 
Os sofrimentos voluntarios
Os sofrimentos voluntariosOs sofrimentos voluntarios
Os sofrimentos voluntarios
 
Bem e mal sofrer
Bem e mal sofrerBem e mal sofrer
Bem e mal sofrer
 
O conforto das dores da alma
O conforto das dores da almaO conforto das dores da alma
O conforto das dores da alma
 
O sermão da montanha ( Leonardo Pereira
O sermão da montanha ( Leonardo Pereira O sermão da montanha ( Leonardo Pereira
O sermão da montanha ( Leonardo Pereira
 
Sermão da montanha
Sermão da montanhaSermão da montanha
Sermão da montanha
 
O sermão da montanha e os valores humanos
O sermão da montanha e os valores humanosO sermão da montanha e os valores humanos
O sermão da montanha e os valores humanos
 
Apresentação das bem aventuranças
Apresentação das bem aventurançasApresentação das bem aventuranças
Apresentação das bem aventuranças
 
Palestra Espírita - Bem e mal sofrer
Palestra Espírita - Bem e mal sofrerPalestra Espírita - Bem e mal sofrer
Palestra Espírita - Bem e mal sofrer
 
Jesus - Dora Incontri
Jesus - Dora IncontriJesus - Dora Incontri
Jesus - Dora Incontri
 
Joana de angelis o ser consciente
Joana de angelis   o ser conscienteJoana de angelis   o ser consciente
Joana de angelis o ser consciente
 
Agindo deus
Agindo deusAgindo deus
Agindo deus
 

Semelhante a Bem aventurados os aflitos

Lição 13 O prazer de experimentar a Cura das Feridas da Alma
Lição 13   O prazer de experimentar a Cura das Feridas da AlmaLição 13   O prazer de experimentar a Cura das Feridas da Alma
Lição 13 O prazer de experimentar a Cura das Feridas da Alma
Escol Dominical
 
Ebook as-bem-aventuranças
Ebook as-bem-aventurançasEbook as-bem-aventuranças
Ebook as-bem-aventuranças
Luiza Dayana
 
As bem aventuranças (vários autores)
As bem aventuranças (vários autores)As bem aventuranças (vários autores)
As bem aventuranças (vários autores)
Deusdete Soares
 
A verdadeira satisfação de ser um filho de deus robert murray m'cheyne
A verdadeira satisfação de ser um filho de deus   robert murray m'cheyneA verdadeira satisfação de ser um filho de deus   robert murray m'cheyne
A verdadeira satisfação de ser um filho de deus robert murray m'cheyne
Deusdete Soares
 

Semelhante a Bem aventurados os aflitos (20)

Palestra A contribuição do Espiritismo na Superação das Aflições .pptx
Palestra  A contribuição do Espiritismo na Superação das Aflições .pptxPalestra  A contribuição do Espiritismo na Superação das Aflições .pptx
Palestra A contribuição do Espiritismo na Superação das Aflições .pptx
 
Livro dos Espiritos 549 e ESE cap 5
Livro dos Espiritos 549 e ESE cap 5Livro dos Espiritos 549 e ESE cap 5
Livro dos Espiritos 549 e ESE cap 5
 
Palestra 22 a força do perdão
Palestra 22 a força do perdãoPalestra 22 a força do perdão
Palestra 22 a força do perdão
 
LE Q.920 ESE_Cap13_item17
LE Q.920 ESE_Cap13_item17LE Q.920 ESE_Cap13_item17
LE Q.920 ESE_Cap13_item17
 
Superando o sofrimento
Superando o sofrimentoSuperando o sofrimento
Superando o sofrimento
 
Evangelho Cap5 item26
Evangelho Cap5 item26Evangelho Cap5 item26
Evangelho Cap5 item26
 
Perdoar para ser perdoado
Perdoar para ser perdoadoPerdoar para ser perdoado
Perdoar para ser perdoado
 
Lição 4 - Alegria, Fruto do Espírito, Inveja, hábito da Velha Natureza
Lição 4 - Alegria, Fruto do Espírito, Inveja, hábito da Velha NaturezaLição 4 - Alegria, Fruto do Espírito, Inveja, hábito da Velha Natureza
Lição 4 - Alegria, Fruto do Espírito, Inveja, hábito da Velha Natureza
 
O Adeus Final do Cristão Idoso ao Mundo e Suas Vaidades - John Whitson
O Adeus Final do Cristão Idoso ao Mundo e Suas Vaidades - John WhitsonO Adeus Final do Cristão Idoso ao Mundo e Suas Vaidades - John Whitson
O Adeus Final do Cristão Idoso ao Mundo e Suas Vaidades - John Whitson
 
Pai Nosso - Instituto Espírita de Educação
Pai Nosso - Instituto Espírita de EducaçãoPai Nosso - Instituto Espírita de Educação
Pai Nosso - Instituto Espírita de Educação
 
Pai Nosso - Instituto Espírita de Educação
Pai Nosso - Instituto Espírita de EducaçãoPai Nosso - Instituto Espírita de Educação
Pai Nosso - Instituto Espírita de Educação
 
Pai Nosso - Instituto Espírita de Educação
Pai Nosso - Instituto Espírita de EducaçãoPai Nosso - Instituto Espírita de Educação
Pai Nosso - Instituto Espírita de Educação
 
Aflito, Porem Bem Aventurado
Aflito,  Porem Bem Aventurado Aflito,  Porem Bem Aventurado
Aflito, Porem Bem Aventurado
 
Lição 13 O prazer de experimentar a Cura das Feridas da Alma
Lição 13   O prazer de experimentar a Cura das Feridas da AlmaLição 13   O prazer de experimentar a Cura das Feridas da Alma
Lição 13 O prazer de experimentar a Cura das Feridas da Alma
 
Ebook as-bem-aventuranças
Ebook as-bem-aventurançasEbook as-bem-aventuranças
Ebook as-bem-aventuranças
 
As bem aventuranças (vários autores)
As bem aventuranças (vários autores)As bem aventuranças (vários autores)
As bem aventuranças (vários autores)
 
ESDE - Módulo XVIII - Roteiro 1: penas e gozos terrestres.
ESDE - Módulo XVIII - Roteiro 1: penas e gozos terrestres.ESDE - Módulo XVIII - Roteiro 1: penas e gozos terrestres.
ESDE - Módulo XVIII - Roteiro 1: penas e gozos terrestres.
 
9º DOMINGO .pptx
9º DOMINGO .pptx9º DOMINGO .pptx
9º DOMINGO .pptx
 
Felicidade
FelicidadeFelicidade
Felicidade
 
A verdadeira satisfação de ser um filho de deus robert murray m'cheyne
A verdadeira satisfação de ser um filho de deus   robert murray m'cheyneA verdadeira satisfação de ser um filho de deus   robert murray m'cheyne
A verdadeira satisfação de ser um filho de deus robert murray m'cheyne
 

Último

Último (8)

Oração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaOração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De Cássia
 
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
 
JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]
JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]
JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]
 
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxBíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
 
GUIA DE ESTUDO BIBLICO [Teologia sistemática e Vida Cristã]
GUIA DE ESTUDO BIBLICO [Teologia sistemática e Vida Cristã]GUIA DE ESTUDO BIBLICO [Teologia sistemática e Vida Cristã]
GUIA DE ESTUDO BIBLICO [Teologia sistemática e Vida Cristã]
 
1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt
1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt
1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt
 
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
 

Bem aventurados os aflitos

  • 1.  
  • 2. Desabafo de uma Seareira Maria Moraes
  • 14. JUSTIÇA DO PARÁ MANTEVE PRESA MENINA DE 15 ANOS COM 20 HOMENS Transcrição e Imagem da Revista Veja edição 2036, de 28/11/2007 Maria Moraes
  • 15. Maria Moraes Texto, fotos, montagem e imagem de Maria Moraes
  • 16. Como se Jesus ouvisse o lamento dessa seareira há mais de 2000 anos atrás respondesse.
  • 17. “ Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados. Bem-aventurados os que têm fome e sêde de justiça, porque eles serão fartos. Bem-aventurados os que têm sido perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino dos Céus.“ Mateus, V: 5,6 e 10.
  • 18. "E, levantando ele os olhos para os seus discípulos, dizia: Bem-aventurados vós, os pobres, porque vosso é o reino de Deus. Bem-aventurados vós, que agora tendes fome, porque sereis fartos. Bem-aventurados vós, que agora chorais, porque haveis de rir.“ Lucas, VI: 20 e 21
  • 19. CAUSAS ATUAIS DAS AFLIÇÕES   Têm origens diversas: Umas têm sua causa na vida presente e outras fora desta vida.
  • 20. NA VIDA PRESENTE   O homem é, em grandes números de casos, o autor de seus próprios infortúnios. Mas, mas, em vez de reconhecê-lo, acha mais simples e menos humilhante para a sua vaidade acusar a sorte, a Providência, a falta de oportunidade etc.
  • 21. Remontando à fonte dos males terrenos, reconhece-se que muitos são conseqüências naturais do caráter e da conduta daqueles que sofrem.  
  • 22. Quantas pessoas são vítimas de sua imprevidência, de seu orgulho, da sua falta de organização ou ainda por não limitar seus desejos?
  • 23. NAS VIDAS PASSADAS Se há males nesta encarnação de que o homem é a própria causa, existem também outros que, pelo menos em aparência, são estranhos à sua vontade e parecem o golpear por fatalidade.
  • 24. Como é o caso do desencarne de entes queridos; flagelos; deformidades; idiotia etc. Os que nasceram nessas condições nada fizeram seguramente nesta vida para merecer tão triste sorte.
  • 25. O que significa dizer de crianças que morreram na tenra idade e só conheceram da vida o sofrimento? NÃO PODEMOS NOS ESQUECER DE QUE TODO SOFRIMENTO TEM UMA CAUSA.
  • 26. Portanto essas misérias são efeitos de uma possível causa em vidas passadas. E, sem dúvida trata-se frequentemente de simples provas escolhidas pelo Espírito, para acelerar seu adiantamento. É nas diversas existências corpóreas que os Espíritos se livram, pouco a pouco, de suas imperfeições.
  • 27. As provas da vida fazem progredir quando bem suportadas. Deus nos deu, para melhorarmos, justamente o que necessitamos e nos é suficiente: a voz da consciência e as tendências instintivas.
  • 28. CONCLUSÃO   Como desencarnados, quando vagueáveis no espaço, escolhestes a vossa prova. Por que murmurais agora?   Quandos vos atingir um motivo de dor ou contrariedade, tratai de elevai-vos através da prece. E quando chegardes a dominar os impulsos impaciência, da cólera ou do desespero, dizei com justa satisfação: Eu fui o mais FORTE !
  • 29. Se, no auge de vossos mais cruéis sofrimentos cantardes em louvor ao Senhor, o anjo de vossa guarda vos mostrará o caminho.   Algumas pessoas pensam: "uma vez que se está na Terra para expiar uma vez que se está na Terra para expiar, é necessário que as provas sigam o seu curso. Há outros que chegam a pensar que não somente devemos evitar de atenuá-las, mas também devemos contribuir para torná-las mais proveitosas, agravando-as.” ERRADO .
  • 30. Não digais, portanto, ao verdes um irmão ferido: "É a justiça de Deus, e é necessário que siga o seu curso", mas dizei, ao contrário: "Vejamos que meios nosso Pai Misericordioso me concedeu, para aliviar o sofrimento de meu irmão.   Estamos todos na terra para expiar. Devemos fazer todos os esforços para aliviar a expiação dos irmãos, segundo a lei do amor e caridade.
  • 31. No filme " Fome " , um pai com o seu filho caminha pelas ruas de uma cidade até que o menino aponta para uma criança de rua e afirma: “Pai, ele quer comer!”. O adulto olha cismado para o local, mas não vê ninguém. O narrador, em off, explica: “Às vezes, o problema está tão presente no dia-a-dia, que a gente para de enxergar”.