SlideShare uma empresa Scribd logo
Estresse Farmacológico na
Cintilografia de Perfusão do Miocárdio
(CPM)








O teste ergométrico em conjunto com o ECG já está consagrado
como um dos exames mais importantes no diagnóstico e
prognóstico da doença cardiovascular.
Feil e Seigel foram os primeiros pesquisadores a notar a
importância do teste ergométrico cardiovascular em 1928 , quando
eles relataram alterações do segmento ST após o exercício em 3
pacientes com angina estável crónica.
No ano seguinte, Master e Oppenheimer introduziram um protocolo
de exercício padronizado para avaliar a capacidade funcional e a
resposta hemodinâmica.
Posteriormente novos trabalhos científicos sobre os mecanismos
causais do desnivelamento de ST, refinamento de protocolos de
exercícios e a determinação de variáveis diagnósticas e
prognósticas relacionadas ao exercício em determinados subgrupos
​
clínicos de pacientes continuaram a evoluir.








Após o aparecimento da angiografia coronária como uma
ferramenta de diagnóstico, a limitação da depressão do segmento
ST induzida pelo exercício como um marcador diagnóstico para
DAC obstrutiva em populações de pacientes com uma baixa
prevalência da doença tornou-se aparente.
O teste de esforço é um teste de estresse cardiovascular com
exercício na esteira ergométrica, juntamente com monitorização do
ECG e da pressão arterial .
O teste de estresse farmacológico , que foi desenvolvido após o
teste de esforço , é um procedimento diagnóstico em que o estresse
cardiovascular é induzido por agentes farmacológicos e é utilizado
em pacientes com capacidade funcional diminuída ou naquelas
pessoas que não podem se exercitar.
O teste de estresse farmacológico é utilizado em combinação com
métodos de imagem , como a cintilografia e ecocardiografia.






O teste ergométrico convencional , é um exame
que está amplamente disponível e com custo
relativamente baixo.
Ele é atualmente utilizado com mais freqüência
para estimar o prognóstico e determinar a
capacidade funcional , para avaliar a probabilidade
e extensão da doença coronária, como também
para avaliar os efeitos da terapia .
Técnicas auxiliares, como a cintilografia e
ecocardiograma, podem fornecer informações
adicionais que podem ser necessárias em pacientes
selecionados, como aqueles com risco moderado.






O exercício dinâmico incremental ou isotônico é
considerado como a melhor forma de estresse
fisiológico disponível.
O fato de que o teste ergométrico permite a
avaliação do componente do exercício nos
sintomas do paciente e sua relação com a carga de
trabalho e a demanda de oxigênio do miocárdio, o
tornam um teste quase ideal.
Deixando de lado as limitações logísticas deste
teste em alguns ambietes de trabalho, como na
ressonância magnética e no PET/CT, o uso em alta
escala do teste ergométrico é limitado apenas por
contraindicações clínicas e a incapacidade do
paciente em se exercitar apropiadamente.






Em 1989 Picano, em um artigo publicado no
European Heart Journal discutiu os méritos do
dipiridamol como droga vasodilatadora na indução
de isquemia.
Estas primeiras observações foram cruciais no
estabelecimento do estresse farmacológico na
avaliação de DACs.
No momento existem quatro drogas disponíveis no
mercado que podem ser utilizadas no estresse
farmacológico: três delas são vasodilatores
cornonarianos primários (dipiridamol, adenosina e
regadenoson), enquanto que a dobutamina é o
único fármaco inotrópico.











O estresse farmacológico é geralmente realizado quando existem
contra-indicações para o teste ergométrico de rotina, ou quando o
paciente é incapaz de caminhar na esteira, devido a várias formas de
condições debilitantes.
Entre estas indicações temos:
- Pacientes idosos com capacidade funcional diminuída
- Pacientes com debilidade crônica
- Pacientes mais jovens com comprometimento funcional , devido a
trauma, artrite, problemas ortopédicos , neuropatia periférica,
miopatias ou doença vascular periférica, em quem a freqüência
cardíaca máxima não é facilmente alcançada com teste ergométrico
de rotina
- Pacientes em uso de beta bloqueador ou outros agentes
cronotrópicos negativos que inibem a capacidade de se conseguir
uma resposta cardíaca adequada ao exercício.
- Algumas anormalidades eletrocardiográficas como bloqueio
completo do ramo esquerdo, síndrome de Wolff-Parkinson-White,
etc
Agentes vasodilatadores







Todos os agentes vasodilatadores compartilham uma propriedade,
que é capacidade de provocar vasodilatação primária,
independentemente da carga de trabalho e consumo de oxigênio
pelo miocárdio.
Eles podem ser divididos em dois grupos (de acordo com seu
mecanismo molecular de ação):

1 - Agonistas receptores de adenosina:
−
−


a - agonistas não seletivos (adenosina)
b - agonistas seletivos (regadenoson)

2 - Inibidores do metabolismo e quebra molecular da
adenosina (dipiridamol)
Agentes vasodilatadores











A administração exógena de dipiridamol bloqueia a
recaptura celular da adenosina, aumentando a sua
quantidade intersticial.
A adenosina e o dipiridamol intravenosos aumentam o
fluxo sanguíneo coronariano de três a cinco vêzes, acima
da linha de base na ausência de doença estenótica.
Na presença de doença coronária obstrutiva, a auto
regulação mediada pela adenosina dilata os vasos pós
estenóticos para manter o fluxo normal.
A administração de vaso dilatadores causa um pequeno
aumento, ou nenhum aumento, nos vasos após a região
estenosada, em relação aos vasos adjacentes normais
(conceito de reserva de fluxo coronário).
Agentes vasodilatadores







Isto causa uma heterogeneidade no fluxo
sanguíneo miocárdico regional, que é traduzido
como um defeito de perfusão na CPM.
Em alguns casos os vaso dilatadores podem causar
uma diminuição absoluta do fluxo sanguíneo nos
segmentos pós estenóticos, secundária ao roubo
coronariano (causada pelo shunting do sangue
para longe dos vasos coronários colaterais),
causando assim uma isquemia miocárdica
verdadeira.
Agentes vasodilatadores







A ligação da adenosina aos receptores A1 reduz o
ritmo cardíaco e retarda a condução
atrioventricular, por este motivo a ativação dos
receptores da adenosina A2A, A3 e A4 pode
causar bronco espasmo.
Como a cafeína e a xantina são bloqueadores dos
receptores de adenosina, eles devem ser suspensos
por um período de 24 horas antes do exame.
Agentes inotrópicos








A dobutamina é o único agente inotrópico usado atualmente na
CPM com estresse farmacológico.
Ela é uma catecolamina sintética que estimula predominantemente
os receptores B1, aumentando a contratilidade cardíaca, o ritmo e o
débito cardíacos.
Assim ela aumenta a demanda do oxigênio do miocárdio, que por
sua vez causa a vasodilatação coronariana.
O aumento do fluxo coronário chega a ser de 2 a 3 vezes do da
linha de base, que é comparável ao daquele causado pelo exercício,
mas menor que o causado por vasodilatadores.
Agentes inotrópicos





Geralmente, os vasodilatadores são a primeira escolha
para o estresse farmacológico, enquanto que a
dobutamina é reservada para os pacientes que têm contra
indicação àquelas drogas.
Portanto, os pacientes com doença reativa das vias aéreas,
bloqueio atrioventricular de alto grau, hipotensão arterial
ou aqueles que fizeram ingestão de cafeína ou teofilina 24
horas antes da CPM, são candidatos ao estresse
farmacológico com a dobutamina.
Protocolo dipiridamol









O paciente deve fazer jejum durante a noite anterior ao
exam Estresse farmacológico - 27082013 e ou pelo menos
8 horas antes do teste.
Sinais vitais e um ECG de 12 derivações devem ser
monitorados antes, durante e depois da infusão da droga.
O dipiridamol deve ser injetado através de uma infusão
intravenosa em um ritmo de 142 ug/kg/min por um
período de 4 minutos.
A vasodilatação máxima é atingida aos 7 - 9 minutos,
tempo em que a dose do radiofármaco é injetada, quer
imediatamente (tálio) ou 30 a 60 minutos depois
(sestamibi).
Protocolo dipiridamol







Uma resposta hemodinâmica típica seria um aumento de
15 batimentos/min no ritmo cardíaco e uma queda de 15
mm Hg na pressão sistólica.
Efeitos colaterais graves (morte, IAM, bronco espasmo
severo) são raros.
Em um trabalho de grandes proporções (73.800 pacientes)
a incidência de eventos cardíacos (morte e IAM não fatal)
foi de 2,7 por 10.000 pacientes, enquanto que o bronco
espasmo severo ocorreu em 1,2 pacientes por 10.000.
Protocolo dipiridamol









Efeitos colaterais menos graves foram encontrados
em mais de 45% dos pacientes.
Entre estes os mais frequentes são: dor torácica
(20%), cefaléia (12%)e tontura (12%).
Outros efeitos colaterais seriam náusea, rubor,
hipotensão e dispneia.
A administração de aminofilina IV reverteu todos
estes efeitos.
Protocolo adenosina










O preparo do paciente é o mesmo que o do dipiridamol.
A adenosina é infundida intravenosamente através de uma
bomba de infusão em um ritmo de 140 ug/kg/min durante
6 minutos.
Devida à rápida ação da adenosina e sua curta meia/vida
(5 minutos), o radiofármaco deve ser injetado 3 minutos
após o início da infusão.
A infusão da adenosina deve ser continuada por mais 3
minutos e em seguida o paciente é levado para a sala da
gama câmera para aquisição das imagens.
A adenosina causa uma vasodilatação sistêmica
Protocolo adenosina








A adenosina causa uma vasodilatação sistêmica ligeiramente
maior que a do dipiridamol, causando um aumento maior do
ritmo cardíaco e consequentemente uma maior incidência de
efeitos colaterais.
Um trabalho publicado por Cerqueira e cols em um grupo de
9.200 pacientes, mostrou incidência de efeitos colaterais em
81%.
Os efeitos colaterais mais comuns foram flushing, dispneia e
dor torácica.
Como a meia vida da adenosina é muito curta a interrupção da
infusão era o suficiente para debelar os efeitos colaterais, não
sendo necessário fazer uso da aminofilina.
Protocolo dobutamina









A dobutamina é administrada em doses incrementais,
começando com 5 ug/kg/min e a cada 3 minutos esta dose
é aumentada para 10, 20, 30 e 40 ug/kg/min.
Se a frequência cardíaca alvo não for alcançada com a
dose máxima, 1 mg de atropina IV pode ser administrada
ou instruir o paciente a fazer exercícios com os braços.
O radiofármaco deve ser injetado quando o paciente
atingir a frequência cardíaca prevista, continuando-se a
infusão de dobutamina por mais 3 minutos.
O protocolo de imagem é semelhante ao do dipiridamol.
Protocolo dobutamina












A resposta hemodinâmica inclui um aumento da frequência
cardíaca e da pressão sistólica, como também uma queda da pressão
diastólica.
Ocasionalmente, pode ocorrer uma queda da pressão sistólica,
devido ao efeito vasodilatador sistêmico da dobutamina.
Efeitos colaterais cardíacos mais comuns são dor torácica (39%),
hipotensão (15%) e arritmia.
Arritmias de menor importância, como complexos ventricular ou
atrial prematuros são muito comuns, podem ocorrer em 4% dos
pacientes.
Outros efeitos colaterais são palpitações, dor de cabeça, flushing e
dispneia.
As arritmias podem ser tratadas com metoprolol ou verapamil IV.
Estresse farmacológico e exercício combinados





A adição de qualquer forma de exercício (braço, esteira ou
bicicleta) ao teste com vasodilatadores, mostrou-se capaz de
reduzir os efeitos colaterais associados com estas drogas,
como também melhoram a qualidade da imagem, através da
diminuição da atividade do BG.
A adição do exercício não apresentou nenhum incremento
sobre a vasodilatação coronária (não ocorre aumento adicional
do fluxo sanguíneo coronariano, como ocorre com os agentes
farmacológicos isoladamente), mas oferece informações
clínicas adicionais, como a capacidade para o exercício e as
mudanças eletrocardiográficas relacionadas ao exercício.
Estresse farmacológico e exercício combinados






Devido à meia-vida maior do dipiridamol, o exercício deve
ser iniciado logo após o término da infusão do fármaco. O
radiofármaco deve ser injetado no pico do exercício e não em
relação à infusão do dipiridamol.
Quando se usa a adenosina o exercício deve ser realizado
durante a sua infusão, devido a sua meia vida ainda mais
curta.
A resposta hemodinâmica ao exercício reverte a queda normal
da pressão arterial e reduz a vasodilatação sistêmica
encontrada normalmente com os vasodilatadores, diminuindo
assim os efeitos colaterais associados.
Estresse farmacológico e exercício combinados






Em um estudo randomizado de 407 pacientes, o uso
combinado do exercício com a adenosina reduziu em até
43% os efeitos colaterais não cardíacos e em 90% as
arritmias mais importantes.
O exercício leva a uma redução do fluxo esplancnico para
o fígado, o que pode levar a uma imagem de melhor
qualidade.
Existe discussão entre os pesquisadores sobre a melhora
da qualidade da imagem quando se usa o agente
farmacológico isoladamente ou quando ele é usado
conjuntamente com exercício (ver trabalhos de Pennel,
Jamil e Stein).
Estresse farmacológico e exercício combinados






O estresse farmacológico não tem as variáveis clínicas e
fisiológicas do teste de esforço, como duração e
capacidade de exercício, alterações da pressão arterial e
do ritmo cardíaco, como também os sinais e sintomas
causados pela isquemia induzida pelo exercício, como a
angina e a depressão do segmento ST.
Por exemplo a dor torácica causada pelos vasodilatadores
não tem significado prognóstico ou clínico, podendo
aparecer no indivíduo completamente normal.
A maior parte da informação pertinente é obtida a partir da
cintilografia.
As alterações eletrocardiográficas





O monitoramento do ECG durante a cintilografia do
miocárdio em esforço ou com estresse farmacológico é
fundamental para a avaliação precisa do teste, e
geralmente fornece informação adicional importante que
ajuda na interpretação da imagem .
Durante o exercício, a depressão do segmento ST tem sido
associada com maior risco clínico.
As alterações eletrocardiográficas







Com o estrese farmacológico com drogas vasodilatadoras,
alterações do segmento ST são infrequentes devido a
pouca mudança nos batimentos cardíacos e pressão
sanguínea.
Porém quando estas alterações ocorrem elas também são
importantes e estão relacionadas com eventos cardíacos
adversos futuros.
Estas mudanças são independentes das mudanças de
perfusão na cintilografia e constituem um dado adicional
às mudanças de perfusão eventualmente encontradas.
As alterações eletrocardiográficas





Vários trabalhos têm mostrado que nos pacientes
com depressão do segmento ST induzida por
vasodilatador existe uma associação significativa
com doença coronariana multiarterial grave e
maior taxa de eventos cardíacos, mesmo quando o
paciente apresenta imagens normais na
cintilografia.
Estas informações eletrocardiográficas fornecem
informações independentes para melhor
estratificação de risco do paciente.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Miocardiopatias
MiocardiopatiasMiocardiopatias
Miocardiopatias
Eric Costa
 
Fibrilação Atrial e Flutter Atrial
Fibrilação Atrial e Flutter AtrialFibrilação Atrial e Flutter Atrial
Fibrilação Atrial e Flutter Atrial
Maycon Silva
 
Stable Ischemic Heart Disease Guideline
Stable Ischemic Heart Disease GuidelineStable Ischemic Heart Disease Guideline
Stable Ischemic Heart Disease Guideline
SỨC KHỎE VÀ CUỘC SỐNG
 
Radiografia de tórax aula2-padrãoacinar-intersticial
Radiografia de tórax   aula2-padrãoacinar-intersticialRadiografia de tórax   aula2-padrãoacinar-intersticial
Radiografia de tórax aula2-padrãoacinar-intersticial
Flávia Salame
 
GEOMETRIA E FORMAÇÃO DA IMAGEM
GEOMETRIA E FORMAÇÃO DA IMAGEMGEOMETRIA E FORMAÇÃO DA IMAGEM
GEOMETRIA E FORMAÇÃO DA IMAGEM
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
Natha Fisioterapia
 
Disfunção sacro ilíaca como causa de dor lombar
Disfunção sacro ilíaca como causa de dor lombarDisfunção sacro ilíaca como causa de dor lombar
Disfunção sacro ilíaca como causa de dor lombar
adrianomedico
 
Técnica inspiração profunda em mama esquerda - radioterapia
Técnica inspiração profunda em mama esquerda - radioterapiaTécnica inspiração profunda em mama esquerda - radioterapia
Técnica inspiração profunda em mama esquerda - radioterapia
Giselle Paula
 
Taquicardia ventricular
Taquicardia ventricularTaquicardia ventricular
Taquicardia ventricular
Gisele Carolina Lino
 
Bi rads - mamografia
Bi rads - mamografiaBi rads - mamografia
Bi rads - mamografia
dapab
 
Reabilitação cardíaca
Reabilitação cardíacaReabilitação cardíaca
Reabilitação cardíaca
Universidade Norte do Paraná
 
Fibrilação Atrial
 Fibrilação Atrial Fibrilação Atrial
Fibrilação Atrial
dapab
 
Trauma abdominal final
Trauma abdominal finalTrauma abdominal final
Trauma abdominal final
IvanTramujas
 
Delirium - Palestra Completa
Delirium - Palestra CompletaDelirium - Palestra Completa
Delirium - Palestra Completa
Carlos Sperandio
 
Avaliacao neurologica
Avaliacao neurologicaAvaliacao neurologica
Avaliacao neurologica
Nataniel Souza
 
Fraturas Femorais
Fraturas FemoraisFraturas Femorais
Fraturas Femorais
Danyllo Lucas
 
Mão - Anatomia Radiológica
Mão - Anatomia RadiológicaMão - Anatomia Radiológica
Mão - Anatomia Radiológica
Danielle Climaco
 
Meios de Contraste em Tomografia Computadorizada
Meios de Contraste em Tomografia ComputadorizadaMeios de Contraste em Tomografia Computadorizada
Meios de Contraste em Tomografia Computadorizada
Alex Eduardo Ribeiro
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
Nay Ribeiro
 
Meios de contraste na tomografia
Meios de contraste na tomografiaMeios de contraste na tomografia
Meios de contraste na tomografia
Isabel Canova
 

Mais procurados (20)

Miocardiopatias
MiocardiopatiasMiocardiopatias
Miocardiopatias
 
Fibrilação Atrial e Flutter Atrial
Fibrilação Atrial e Flutter AtrialFibrilação Atrial e Flutter Atrial
Fibrilação Atrial e Flutter Atrial
 
Stable Ischemic Heart Disease Guideline
Stable Ischemic Heart Disease GuidelineStable Ischemic Heart Disease Guideline
Stable Ischemic Heart Disease Guideline
 
Radiografia de tórax aula2-padrãoacinar-intersticial
Radiografia de tórax   aula2-padrãoacinar-intersticialRadiografia de tórax   aula2-padrãoacinar-intersticial
Radiografia de tórax aula2-padrãoacinar-intersticial
 
GEOMETRIA E FORMAÇÃO DA IMAGEM
GEOMETRIA E FORMAÇÃO DA IMAGEMGEOMETRIA E FORMAÇÃO DA IMAGEM
GEOMETRIA E FORMAÇÃO DA IMAGEM
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
 
Disfunção sacro ilíaca como causa de dor lombar
Disfunção sacro ilíaca como causa de dor lombarDisfunção sacro ilíaca como causa de dor lombar
Disfunção sacro ilíaca como causa de dor lombar
 
Técnica inspiração profunda em mama esquerda - radioterapia
Técnica inspiração profunda em mama esquerda - radioterapiaTécnica inspiração profunda em mama esquerda - radioterapia
Técnica inspiração profunda em mama esquerda - radioterapia
 
Taquicardia ventricular
Taquicardia ventricularTaquicardia ventricular
Taquicardia ventricular
 
Bi rads - mamografia
Bi rads - mamografiaBi rads - mamografia
Bi rads - mamografia
 
Reabilitação cardíaca
Reabilitação cardíacaReabilitação cardíaca
Reabilitação cardíaca
 
Fibrilação Atrial
 Fibrilação Atrial Fibrilação Atrial
Fibrilação Atrial
 
Trauma abdominal final
Trauma abdominal finalTrauma abdominal final
Trauma abdominal final
 
Delirium - Palestra Completa
Delirium - Palestra CompletaDelirium - Palestra Completa
Delirium - Palestra Completa
 
Avaliacao neurologica
Avaliacao neurologicaAvaliacao neurologica
Avaliacao neurologica
 
Fraturas Femorais
Fraturas FemoraisFraturas Femorais
Fraturas Femorais
 
Mão - Anatomia Radiológica
Mão - Anatomia RadiológicaMão - Anatomia Radiológica
Mão - Anatomia Radiológica
 
Meios de Contraste em Tomografia Computadorizada
Meios de Contraste em Tomografia ComputadorizadaMeios de Contraste em Tomografia Computadorizada
Meios de Contraste em Tomografia Computadorizada
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
 
Meios de contraste na tomografia
Meios de contraste na tomografiaMeios de contraste na tomografia
Meios de contraste na tomografia
 

Destaque

Evolução de pacientes com depressão do segmento ST induzido pela adenosina e ...
Evolução de pacientes com depressão do segmento ST induzido pela adenosina e ...Evolução de pacientes com depressão do segmento ST induzido pela adenosina e ...
Evolução de pacientes com depressão do segmento ST induzido pela adenosina e ...
Joao Bruno Oliveira
 
Aplicaciones del Control Estocástico al Análisis Semiclásico
Aplicaciones del Control Estocástico al Análisis SemiclásicoAplicaciones del Control Estocástico al Análisis Semiclásico
Aplicaciones del Control Estocástico al Análisis Semiclásico
Juliho Castillo
 
Papel da CPM (cintilografia de perfusão do miocárdio) na síndrome coronariana...
Papel da CPM (cintilografia de perfusão do miocárdio) na síndrome coronariana...Papel da CPM (cintilografia de perfusão do miocárdio) na síndrome coronariana...
Papel da CPM (cintilografia de perfusão do miocárdio) na síndrome coronariana...
Joao Bruno Oliveira
 
A PÁGINA EM BRANCO
A PÁGINA EM BRANCOA PÁGINA EM BRANCO
A PÁGINA EM BRANCO
Ashera
 
Estimativa de Esforço de Teste
Estimativa de Esforço de TesteEstimativa de Esforço de Teste
Estimativa de Esforço de Teste
Ricardo Bozzeda
 
Ressonância Magnética Cardiovascular
Ressonância Magnética CardiovascularRessonância Magnética Cardiovascular
Ressonância Magnética Cardiovascular
Alex Leal
 
Meios De Contraste Em Ressonância Magnética
Meios De Contraste Em Ressonância MagnéticaMeios De Contraste Em Ressonância Magnética
Meios De Contraste Em Ressonância Magnética
Alex Eduardo Ribeiro
 
Meios De Contraste Ressonancia MagnéTica
Meios De Contraste Ressonancia MagnéTicaMeios De Contraste Ressonancia MagnéTica
Meios De Contraste Ressonancia MagnéTica
Alex Eduardo Ribeiro
 
Meios de Contraste na RM
Meios de Contraste na RMMeios de Contraste na RM
Meios de Contraste na RM
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Métricas de estimativa de esforço em projetos de teste de software
Métricas de estimativa de esforço em projetos de teste de softwareMétricas de estimativa de esforço em projetos de teste de software
Métricas de estimativa de esforço em projetos de teste de software
Samanta Cicilia
 
Protocolo de Mamas Ressonância Magnética
Protocolo de Mamas Ressonância MagnéticaProtocolo de Mamas Ressonância Magnética
Protocolo de Mamas Ressonância Magnética
Alex Eduardo Ribeiro
 
Apresentação em power point densitometria ossea
Apresentação em power point densitometria osseaApresentação em power point densitometria ossea
Apresentação em power point densitometria ossea
Patriciaminc
 
Aplicação da densitometria óssea na osteoporose
Aplicação da densitometria óssea na osteoporoseAplicação da densitometria óssea na osteoporose
Aplicação da densitometria óssea na osteoporose
Joao Bruno Oliveira
 
Meios de contraste
Meios de contrasteMeios de contraste
Meios de contraste
Kátia Santos
 
Ressonancia Magnetica
Ressonancia MagneticaRessonancia Magnetica
Ressonancia Magnetica
Nilton Campos
 
Aula 7 Testes De Esforco
Aula 7   Testes De EsforcoAula 7   Testes De Esforco
Contraste radiologico
Contraste radiologicoContraste radiologico
Contraste radiologico
radiomed
 
Aula PráTica 1 TóRax Normal
Aula PráTica 1   TóRax NormalAula PráTica 1   TóRax Normal
Aula PráTica 1 TóRax Normal
Vera Luís
 
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
SlideShare
 
What to Upload to SlideShare
What to Upload to SlideShareWhat to Upload to SlideShare
What to Upload to SlideShare
SlideShare
 

Destaque (20)

Evolução de pacientes com depressão do segmento ST induzido pela adenosina e ...
Evolução de pacientes com depressão do segmento ST induzido pela adenosina e ...Evolução de pacientes com depressão do segmento ST induzido pela adenosina e ...
Evolução de pacientes com depressão do segmento ST induzido pela adenosina e ...
 
Aplicaciones del Control Estocástico al Análisis Semiclásico
Aplicaciones del Control Estocástico al Análisis SemiclásicoAplicaciones del Control Estocástico al Análisis Semiclásico
Aplicaciones del Control Estocástico al Análisis Semiclásico
 
Papel da CPM (cintilografia de perfusão do miocárdio) na síndrome coronariana...
Papel da CPM (cintilografia de perfusão do miocárdio) na síndrome coronariana...Papel da CPM (cintilografia de perfusão do miocárdio) na síndrome coronariana...
Papel da CPM (cintilografia de perfusão do miocárdio) na síndrome coronariana...
 
A PÁGINA EM BRANCO
A PÁGINA EM BRANCOA PÁGINA EM BRANCO
A PÁGINA EM BRANCO
 
Estimativa de Esforço de Teste
Estimativa de Esforço de TesteEstimativa de Esforço de Teste
Estimativa de Esforço de Teste
 
Ressonância Magnética Cardiovascular
Ressonância Magnética CardiovascularRessonância Magnética Cardiovascular
Ressonância Magnética Cardiovascular
 
Meios De Contraste Em Ressonância Magnética
Meios De Contraste Em Ressonância MagnéticaMeios De Contraste Em Ressonância Magnética
Meios De Contraste Em Ressonância Magnética
 
Meios De Contraste Ressonancia MagnéTica
Meios De Contraste Ressonancia MagnéTicaMeios De Contraste Ressonancia MagnéTica
Meios De Contraste Ressonancia MagnéTica
 
Meios de Contraste na RM
Meios de Contraste na RMMeios de Contraste na RM
Meios de Contraste na RM
 
Métricas de estimativa de esforço em projetos de teste de software
Métricas de estimativa de esforço em projetos de teste de softwareMétricas de estimativa de esforço em projetos de teste de software
Métricas de estimativa de esforço em projetos de teste de software
 
Protocolo de Mamas Ressonância Magnética
Protocolo de Mamas Ressonância MagnéticaProtocolo de Mamas Ressonância Magnética
Protocolo de Mamas Ressonância Magnética
 
Apresentação em power point densitometria ossea
Apresentação em power point densitometria osseaApresentação em power point densitometria ossea
Apresentação em power point densitometria ossea
 
Aplicação da densitometria óssea na osteoporose
Aplicação da densitometria óssea na osteoporoseAplicação da densitometria óssea na osteoporose
Aplicação da densitometria óssea na osteoporose
 
Meios de contraste
Meios de contrasteMeios de contraste
Meios de contraste
 
Ressonancia Magnetica
Ressonancia MagneticaRessonancia Magnetica
Ressonancia Magnetica
 
Aula 7 Testes De Esforco
Aula 7   Testes De EsforcoAula 7   Testes De Esforco
Aula 7 Testes De Esforco
 
Contraste radiologico
Contraste radiologicoContraste radiologico
Contraste radiologico
 
Aula PráTica 1 TóRax Normal
Aula PráTica 1   TóRax NormalAula PráTica 1   TóRax Normal
Aula PráTica 1 TóRax Normal
 
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
 
What to Upload to SlideShare
What to Upload to SlideShareWhat to Upload to SlideShare
What to Upload to SlideShare
 

Semelhante a Estresse farmacologico na cintilografia do miocardio

A2001 v14 n02_art07
A2001 v14 n02_art07A2001 v14 n02_art07
A2001 v14 n02_art07
Núria Bernardo
 
Drogas de interesse em Alta Complexidade.pdf
Drogas de interesse em Alta Complexidade.pdfDrogas de interesse em Alta Complexidade.pdf
Drogas de interesse em Alta Complexidade.pdf
FrancielleConstantin
 
Assistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-iraja
Assistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-irajaAssistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-iraja
Assistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-iraja
Edison Santos
 
Assistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-iraja
Assistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-irajaAssistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-iraja
Assistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-iraja
Edison Santos
 
Pré teste
Pré testePré teste
Pré teste
Inaiara Bragante
 
Papel do ECO na cardiopatia isquêmica
Papel do ECO na cardiopatia isquêmicaPapel do ECO na cardiopatia isquêmica
Papel do ECO na cardiopatia isquêmica
gisa_legal
 
Assistencia enfermagem icc)
Assistencia enfermagem icc)Assistencia enfermagem icc)
Assistencia enfermagem icc)
sylvaniapaiva
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
Bruna Larissa Almeida
 
Insuficiência cardíaca aguda
Insuficiência cardíaca aguda Insuficiência cardíaca aguda
Insuficiência cardíaca aguda
betoivomedeiros
 
Farmacologia
FarmacologiaFarmacologia
Farmacologia
AmbrosioRafael
 
Farmacologia - anti-hipertensivos
Farmacologia - anti-hipertensivos Farmacologia - anti-hipertensivos
Farmacologia - anti-hipertensivos
Mônica Santtos
 
Choque (1) 1
Choque (1) 1Choque (1) 1
Choque (1) 1
janinemagalhaes
 
Choque (1) 1
Choque (1) 1Choque (1) 1
Choque (1) 1
janinemagalhaes
 
Drogas vasoativas
Drogas  vasoativasDrogas  vasoativas
Drogas vasoativas
dagma30
 
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíacaAula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Pós operatório de cirurgia cardiovascular
Pós operatório de cirurgia cardiovascularPós operatório de cirurgia cardiovascular
Pós operatório de cirurgia cardiovascular
Paulo Sérgio
 
Uso de drogas vasoativas em uti
Uso de drogas vasoativas em utiUso de drogas vasoativas em uti
Uso de drogas vasoativas em uti
gisa_legal
 
Avaliação hemodinamica da hp 2005
Avaliação hemodinamica da hp 2005Avaliação hemodinamica da hp 2005
Avaliação hemodinamica da hp 2005
gisa_legal
 
Protocolo sca-com-supra
Protocolo sca-com-supraProtocolo sca-com-supra
Protocolo sca-com-supra
Fernando Teixeira
 
ApresentaçãO Aula Cientifica
ApresentaçãO Aula CientificaApresentaçãO Aula Cientifica
ApresentaçãO Aula Cientifica
Karina Costa
 

Semelhante a Estresse farmacologico na cintilografia do miocardio (20)

A2001 v14 n02_art07
A2001 v14 n02_art07A2001 v14 n02_art07
A2001 v14 n02_art07
 
Drogas de interesse em Alta Complexidade.pdf
Drogas de interesse em Alta Complexidade.pdfDrogas de interesse em Alta Complexidade.pdf
Drogas de interesse em Alta Complexidade.pdf
 
Assistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-iraja
Assistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-irajaAssistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-iraja
Assistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-iraja
 
Assistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-iraja
Assistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-irajaAssistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-iraja
Assistenciaenfermagemicc 111031125331-phpapp02.pp-iraja
 
Pré teste
Pré testePré teste
Pré teste
 
Papel do ECO na cardiopatia isquêmica
Papel do ECO na cardiopatia isquêmicaPapel do ECO na cardiopatia isquêmica
Papel do ECO na cardiopatia isquêmica
 
Assistencia enfermagem icc)
Assistencia enfermagem icc)Assistencia enfermagem icc)
Assistencia enfermagem icc)
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
 
Insuficiência cardíaca aguda
Insuficiência cardíaca aguda Insuficiência cardíaca aguda
Insuficiência cardíaca aguda
 
Farmacologia
FarmacologiaFarmacologia
Farmacologia
 
Farmacologia - anti-hipertensivos
Farmacologia - anti-hipertensivos Farmacologia - anti-hipertensivos
Farmacologia - anti-hipertensivos
 
Choque (1) 1
Choque (1) 1Choque (1) 1
Choque (1) 1
 
Choque (1) 1
Choque (1) 1Choque (1) 1
Choque (1) 1
 
Drogas vasoativas
Drogas  vasoativasDrogas  vasoativas
Drogas vasoativas
 
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíacaAula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca
 
Pós operatório de cirurgia cardiovascular
Pós operatório de cirurgia cardiovascularPós operatório de cirurgia cardiovascular
Pós operatório de cirurgia cardiovascular
 
Uso de drogas vasoativas em uti
Uso de drogas vasoativas em utiUso de drogas vasoativas em uti
Uso de drogas vasoativas em uti
 
Avaliação hemodinamica da hp 2005
Avaliação hemodinamica da hp 2005Avaliação hemodinamica da hp 2005
Avaliação hemodinamica da hp 2005
 
Protocolo sca-com-supra
Protocolo sca-com-supraProtocolo sca-com-supra
Protocolo sca-com-supra
 
ApresentaçãO Aula Cientifica
ApresentaçãO Aula CientificaApresentaçãO Aula Cientifica
ApresentaçãO Aula Cientifica
 

Estresse farmacologico na cintilografia do miocardio

  • 1. Estresse Farmacológico na Cintilografia de Perfusão do Miocárdio (CPM)
  • 2.     O teste ergométrico em conjunto com o ECG já está consagrado como um dos exames mais importantes no diagnóstico e prognóstico da doença cardiovascular. Feil e Seigel foram os primeiros pesquisadores a notar a importância do teste ergométrico cardiovascular em 1928 , quando eles relataram alterações do segmento ST após o exercício em 3 pacientes com angina estável crónica. No ano seguinte, Master e Oppenheimer introduziram um protocolo de exercício padronizado para avaliar a capacidade funcional e a resposta hemodinâmica. Posteriormente novos trabalhos científicos sobre os mecanismos causais do desnivelamento de ST, refinamento de protocolos de exercícios e a determinação de variáveis diagnósticas e prognósticas relacionadas ao exercício em determinados subgrupos ​ clínicos de pacientes continuaram a evoluir.
  • 3.     Após o aparecimento da angiografia coronária como uma ferramenta de diagnóstico, a limitação da depressão do segmento ST induzida pelo exercício como um marcador diagnóstico para DAC obstrutiva em populações de pacientes com uma baixa prevalência da doença tornou-se aparente. O teste de esforço é um teste de estresse cardiovascular com exercício na esteira ergométrica, juntamente com monitorização do ECG e da pressão arterial . O teste de estresse farmacológico , que foi desenvolvido após o teste de esforço , é um procedimento diagnóstico em que o estresse cardiovascular é induzido por agentes farmacológicos e é utilizado em pacientes com capacidade funcional diminuída ou naquelas pessoas que não podem se exercitar. O teste de estresse farmacológico é utilizado em combinação com métodos de imagem , como a cintilografia e ecocardiografia.
  • 4.    O teste ergométrico convencional , é um exame que está amplamente disponível e com custo relativamente baixo. Ele é atualmente utilizado com mais freqüência para estimar o prognóstico e determinar a capacidade funcional , para avaliar a probabilidade e extensão da doença coronária, como também para avaliar os efeitos da terapia . Técnicas auxiliares, como a cintilografia e ecocardiograma, podem fornecer informações adicionais que podem ser necessárias em pacientes selecionados, como aqueles com risco moderado.
  • 5.    O exercício dinâmico incremental ou isotônico é considerado como a melhor forma de estresse fisiológico disponível. O fato de que o teste ergométrico permite a avaliação do componente do exercício nos sintomas do paciente e sua relação com a carga de trabalho e a demanda de oxigênio do miocárdio, o tornam um teste quase ideal. Deixando de lado as limitações logísticas deste teste em alguns ambietes de trabalho, como na ressonância magnética e no PET/CT, o uso em alta escala do teste ergométrico é limitado apenas por contraindicações clínicas e a incapacidade do paciente em se exercitar apropiadamente.
  • 6.    Em 1989 Picano, em um artigo publicado no European Heart Journal discutiu os méritos do dipiridamol como droga vasodilatadora na indução de isquemia. Estas primeiras observações foram cruciais no estabelecimento do estresse farmacológico na avaliação de DACs. No momento existem quatro drogas disponíveis no mercado que podem ser utilizadas no estresse farmacológico: três delas são vasodilatores cornonarianos primários (dipiridamol, adenosina e regadenoson), enquanto que a dobutamina é o único fármaco inotrópico.
  • 7.        O estresse farmacológico é geralmente realizado quando existem contra-indicações para o teste ergométrico de rotina, ou quando o paciente é incapaz de caminhar na esteira, devido a várias formas de condições debilitantes. Entre estas indicações temos: - Pacientes idosos com capacidade funcional diminuída - Pacientes com debilidade crônica - Pacientes mais jovens com comprometimento funcional , devido a trauma, artrite, problemas ortopédicos , neuropatia periférica, miopatias ou doença vascular periférica, em quem a freqüência cardíaca máxima não é facilmente alcançada com teste ergométrico de rotina - Pacientes em uso de beta bloqueador ou outros agentes cronotrópicos negativos que inibem a capacidade de se conseguir uma resposta cardíaca adequada ao exercício. - Algumas anormalidades eletrocardiográficas como bloqueio completo do ramo esquerdo, síndrome de Wolff-Parkinson-White, etc
  • 8. Agentes vasodilatadores    Todos os agentes vasodilatadores compartilham uma propriedade, que é capacidade de provocar vasodilatação primária, independentemente da carga de trabalho e consumo de oxigênio pelo miocárdio. Eles podem ser divididos em dois grupos (de acordo com seu mecanismo molecular de ação):  1 - Agonistas receptores de adenosina: − −  a - agonistas não seletivos (adenosina) b - agonistas seletivos (regadenoson) 2 - Inibidores do metabolismo e quebra molecular da adenosina (dipiridamol)
  • 9. Agentes vasodilatadores      A administração exógena de dipiridamol bloqueia a recaptura celular da adenosina, aumentando a sua quantidade intersticial. A adenosina e o dipiridamol intravenosos aumentam o fluxo sanguíneo coronariano de três a cinco vêzes, acima da linha de base na ausência de doença estenótica. Na presença de doença coronária obstrutiva, a auto regulação mediada pela adenosina dilata os vasos pós estenóticos para manter o fluxo normal. A administração de vaso dilatadores causa um pequeno aumento, ou nenhum aumento, nos vasos após a região estenosada, em relação aos vasos adjacentes normais (conceito de reserva de fluxo coronário).
  • 10. Agentes vasodilatadores    Isto causa uma heterogeneidade no fluxo sanguíneo miocárdico regional, que é traduzido como um defeito de perfusão na CPM. Em alguns casos os vaso dilatadores podem causar uma diminuição absoluta do fluxo sanguíneo nos segmentos pós estenóticos, secundária ao roubo coronariano (causada pelo shunting do sangue para longe dos vasos coronários colaterais), causando assim uma isquemia miocárdica verdadeira.
  • 11. Agentes vasodilatadores    A ligação da adenosina aos receptores A1 reduz o ritmo cardíaco e retarda a condução atrioventricular, por este motivo a ativação dos receptores da adenosina A2A, A3 e A4 pode causar bronco espasmo. Como a cafeína e a xantina são bloqueadores dos receptores de adenosina, eles devem ser suspensos por um período de 24 horas antes do exame.
  • 12. Agentes inotrópicos     A dobutamina é o único agente inotrópico usado atualmente na CPM com estresse farmacológico. Ela é uma catecolamina sintética que estimula predominantemente os receptores B1, aumentando a contratilidade cardíaca, o ritmo e o débito cardíacos. Assim ela aumenta a demanda do oxigênio do miocárdio, que por sua vez causa a vasodilatação coronariana. O aumento do fluxo coronário chega a ser de 2 a 3 vezes do da linha de base, que é comparável ao daquele causado pelo exercício, mas menor que o causado por vasodilatadores.
  • 13. Agentes inotrópicos   Geralmente, os vasodilatadores são a primeira escolha para o estresse farmacológico, enquanto que a dobutamina é reservada para os pacientes que têm contra indicação àquelas drogas. Portanto, os pacientes com doença reativa das vias aéreas, bloqueio atrioventricular de alto grau, hipotensão arterial ou aqueles que fizeram ingestão de cafeína ou teofilina 24 horas antes da CPM, são candidatos ao estresse farmacológico com a dobutamina.
  • 14. Protocolo dipiridamol     O paciente deve fazer jejum durante a noite anterior ao exam Estresse farmacológico - 27082013 e ou pelo menos 8 horas antes do teste. Sinais vitais e um ECG de 12 derivações devem ser monitorados antes, durante e depois da infusão da droga. O dipiridamol deve ser injetado através de uma infusão intravenosa em um ritmo de 142 ug/kg/min por um período de 4 minutos. A vasodilatação máxima é atingida aos 7 - 9 minutos, tempo em que a dose do radiofármaco é injetada, quer imediatamente (tálio) ou 30 a 60 minutos depois (sestamibi).
  • 15. Protocolo dipiridamol    Uma resposta hemodinâmica típica seria um aumento de 15 batimentos/min no ritmo cardíaco e uma queda de 15 mm Hg na pressão sistólica. Efeitos colaterais graves (morte, IAM, bronco espasmo severo) são raros. Em um trabalho de grandes proporções (73.800 pacientes) a incidência de eventos cardíacos (morte e IAM não fatal) foi de 2,7 por 10.000 pacientes, enquanto que o bronco espasmo severo ocorreu em 1,2 pacientes por 10.000.
  • 16. Protocolo dipiridamol     Efeitos colaterais menos graves foram encontrados em mais de 45% dos pacientes. Entre estes os mais frequentes são: dor torácica (20%), cefaléia (12%)e tontura (12%). Outros efeitos colaterais seriam náusea, rubor, hipotensão e dispneia. A administração de aminofilina IV reverteu todos estes efeitos.
  • 17. Protocolo adenosina      O preparo do paciente é o mesmo que o do dipiridamol. A adenosina é infundida intravenosamente através de uma bomba de infusão em um ritmo de 140 ug/kg/min durante 6 minutos. Devida à rápida ação da adenosina e sua curta meia/vida (5 minutos), o radiofármaco deve ser injetado 3 minutos após o início da infusão. A infusão da adenosina deve ser continuada por mais 3 minutos e em seguida o paciente é levado para a sala da gama câmera para aquisição das imagens. A adenosina causa uma vasodilatação sistêmica
  • 18. Protocolo adenosina     A adenosina causa uma vasodilatação sistêmica ligeiramente maior que a do dipiridamol, causando um aumento maior do ritmo cardíaco e consequentemente uma maior incidência de efeitos colaterais. Um trabalho publicado por Cerqueira e cols em um grupo de 9.200 pacientes, mostrou incidência de efeitos colaterais em 81%. Os efeitos colaterais mais comuns foram flushing, dispneia e dor torácica. Como a meia vida da adenosina é muito curta a interrupção da infusão era o suficiente para debelar os efeitos colaterais, não sendo necessário fazer uso da aminofilina.
  • 19. Protocolo dobutamina     A dobutamina é administrada em doses incrementais, começando com 5 ug/kg/min e a cada 3 minutos esta dose é aumentada para 10, 20, 30 e 40 ug/kg/min. Se a frequência cardíaca alvo não for alcançada com a dose máxima, 1 mg de atropina IV pode ser administrada ou instruir o paciente a fazer exercícios com os braços. O radiofármaco deve ser injetado quando o paciente atingir a frequência cardíaca prevista, continuando-se a infusão de dobutamina por mais 3 minutos. O protocolo de imagem é semelhante ao do dipiridamol.
  • 20. Protocolo dobutamina       A resposta hemodinâmica inclui um aumento da frequência cardíaca e da pressão sistólica, como também uma queda da pressão diastólica. Ocasionalmente, pode ocorrer uma queda da pressão sistólica, devido ao efeito vasodilatador sistêmico da dobutamina. Efeitos colaterais cardíacos mais comuns são dor torácica (39%), hipotensão (15%) e arritmia. Arritmias de menor importância, como complexos ventricular ou atrial prematuros são muito comuns, podem ocorrer em 4% dos pacientes. Outros efeitos colaterais são palpitações, dor de cabeça, flushing e dispneia. As arritmias podem ser tratadas com metoprolol ou verapamil IV.
  • 21. Estresse farmacológico e exercício combinados   A adição de qualquer forma de exercício (braço, esteira ou bicicleta) ao teste com vasodilatadores, mostrou-se capaz de reduzir os efeitos colaterais associados com estas drogas, como também melhoram a qualidade da imagem, através da diminuição da atividade do BG. A adição do exercício não apresentou nenhum incremento sobre a vasodilatação coronária (não ocorre aumento adicional do fluxo sanguíneo coronariano, como ocorre com os agentes farmacológicos isoladamente), mas oferece informações clínicas adicionais, como a capacidade para o exercício e as mudanças eletrocardiográficas relacionadas ao exercício.
  • 22. Estresse farmacológico e exercício combinados    Devido à meia-vida maior do dipiridamol, o exercício deve ser iniciado logo após o término da infusão do fármaco. O radiofármaco deve ser injetado no pico do exercício e não em relação à infusão do dipiridamol. Quando se usa a adenosina o exercício deve ser realizado durante a sua infusão, devido a sua meia vida ainda mais curta. A resposta hemodinâmica ao exercício reverte a queda normal da pressão arterial e reduz a vasodilatação sistêmica encontrada normalmente com os vasodilatadores, diminuindo assim os efeitos colaterais associados.
  • 23. Estresse farmacológico e exercício combinados    Em um estudo randomizado de 407 pacientes, o uso combinado do exercício com a adenosina reduziu em até 43% os efeitos colaterais não cardíacos e em 90% as arritmias mais importantes. O exercício leva a uma redução do fluxo esplancnico para o fígado, o que pode levar a uma imagem de melhor qualidade. Existe discussão entre os pesquisadores sobre a melhora da qualidade da imagem quando se usa o agente farmacológico isoladamente ou quando ele é usado conjuntamente com exercício (ver trabalhos de Pennel, Jamil e Stein).
  • 24. Estresse farmacológico e exercício combinados    O estresse farmacológico não tem as variáveis clínicas e fisiológicas do teste de esforço, como duração e capacidade de exercício, alterações da pressão arterial e do ritmo cardíaco, como também os sinais e sintomas causados pela isquemia induzida pelo exercício, como a angina e a depressão do segmento ST. Por exemplo a dor torácica causada pelos vasodilatadores não tem significado prognóstico ou clínico, podendo aparecer no indivíduo completamente normal. A maior parte da informação pertinente é obtida a partir da cintilografia.
  • 25. As alterações eletrocardiográficas   O monitoramento do ECG durante a cintilografia do miocárdio em esforço ou com estresse farmacológico é fundamental para a avaliação precisa do teste, e geralmente fornece informação adicional importante que ajuda na interpretação da imagem . Durante o exercício, a depressão do segmento ST tem sido associada com maior risco clínico.
  • 26. As alterações eletrocardiográficas    Com o estrese farmacológico com drogas vasodilatadoras, alterações do segmento ST são infrequentes devido a pouca mudança nos batimentos cardíacos e pressão sanguínea. Porém quando estas alterações ocorrem elas também são importantes e estão relacionadas com eventos cardíacos adversos futuros. Estas mudanças são independentes das mudanças de perfusão na cintilografia e constituem um dado adicional às mudanças de perfusão eventualmente encontradas.
  • 27. As alterações eletrocardiográficas   Vários trabalhos têm mostrado que nos pacientes com depressão do segmento ST induzida por vasodilatador existe uma associação significativa com doença coronariana multiarterial grave e maior taxa de eventos cardíacos, mesmo quando o paciente apresenta imagens normais na cintilografia. Estas informações eletrocardiográficas fornecem informações independentes para melhor estratificação de risco do paciente.