SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
TAMANHO E STRATÉGIA PRODUTIVIDADE APT Análise  de  Ponto de Teste Esforço ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
DISTRIBUIÇÃO DO ESFORÇO NO CICLO DE VIDA DE TESTE PLANEJAMENTO E CONTROLE OVERHEAD ADICIONAL: 5 - 20% INFRA PREPARAÇÃO 10% ESPECIFICAÇÃO 40% EXECUCÃO 45% CONCLUSÃO 5% ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],CHECKLIST
ANÁLISE DE PONTOS DE TESTE - MODELO PONTOS DE TESTE DINAMICO PONTOS DE TESTE ESTÁTICO PONTOS DE TESTE TOTAL HORAS DE TESTE  TOTAL HORAS DE TESTE  PRIMÁRIAS ESTRATÉGIA FATOR  PRODUTIVIDADE FATOR  AMBIENTAL CONTROLE (OVERHEAD) PONTOS  DE FUNÇÃO
PONTOS DE TESTE   DINÂMICO PTf = PFf * Df * Qd PFf  - QUANTIDADE DE PONTOS DE FUNÇÃO  Df  - FATOR DEPENDÊNCIA  Qd  - CARACTERISTICAS DE QUALIDADE
Df  - FATOR DEPENDÊNCIA PONTOS DE TESTE   DINÂMICO Df = (( Ue + Uy  + I + C) / 16 ) * U  IMPORTÂNCIA (Ue) USO (Uy) INTERFACES (I) COMPLEXIDADE  (C) UNIFORMIDADE (U) LOW 3 2 2 3 0,6 NORMAL 6 4 4 6 1 HIGH 12 8 8 12 1
D f  - FATOR DEPENDÊNCIA - FUNÇÕES PADRONIZADAS PONTOS DE TESTE   DINÂMICO FUNÇÃO PF’S Ue Uy I C U MENSAGEM DE ERRO 4 6 8 4 3 1 TELAS HELP 4 6 8 4 3 1 MENUS 4 6 8 4 3 1
Q d   - CARACTERÍSTICAS DE QUALIDADE PONTOS DE TESTE   DINÂMICO CARACTERISTICA PESO SEM IMPORTANCIA 0 POUCA IMPORTANCIA 3 IMPORTANCIA NORMAL 4 MUITO IMPORTANTE 5 EXTREMAMENTE IMPORTANTE 6 FUNCIONALIDADE 0,75 SEGURANÇA 0,05 USABILIDADE 0,10 EFICIÊNCIA 0,10
PONTOS DE TESTE ESTÁTICO Qs   - SOMAR 16 PARA CADA CARACTERISTICA DE QUALIDADE  (ISO 9126) TESTADA ATRAVÉS DE UM CHECKLIST.
PT =  Σ PT f  + (PF * Qs) / 500 PONTOS DE TESTE TOTAL PT  - QUANTIDADE DE PONTOS DE TESTE Σ PT f   - SOMATÓRIA DOS PONTOS DE TESTE (PT DINÂMICO) PF  - QUANTIDADE DE PONTOS DE FUNÇÃO  (VALOR MÍNIMO 500) Qs  - FATOR DE TAMANHO (CARATERÍSTICAS DE QUALIDADE)
FP = FATOR DE PRODUTIVIDADE    0,7 – 2,0 HORAS FA = FATOR AMBIENTAL HORAS DE TESTE PRIMÁRIA FA  =  Σ RATEIO / 15 HTP = PT * FP * FA RATEIO FERRAMENTAS DE TESTE BASE CONHECIMENTO DOCUMENTAÇÃO AMBIENTE  DESENVOLVIMENTO PROVA INTEGRADA  1 2 3 2 1  2 4 6 4 2  4 8 12 8 4
OVERHEAD ADICIONAL HTT  = HTP * GT HORAS DE TESTE TOTAL GT  = (100 + ( Σ RATEIO))  / 100 TAMANHO  DA EQUIPE < 5 5 > 10 > 10 RATEIO 3 6 12 FERRAMENTAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE AMBAS AUTOMATIZADAS SOMENTE UMA AUTOMATIZADA AMBAS MANUAIS RATEIO 2 4 8
CUSTO DA UMT UMT = (MÃO DE OBRA + INDIRETOS + MARGEM) / HTT CALCULO EM UMT’S HP    HORAS PREPARAÇÃO  =  HTT * 0,10 HE    HORAS ESPECIFICAÇÃO =  HTT * 0,40 CUSTO TOTAL = (HP * CUSTO DO COLABORADOR) +  (HE * CUSTO DO COLABORADOR) QTDE UMT’s = CUSTO TOTAL / VALOR UMT

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Unir os nove pontos ("Nove pontos e um quadrado")
Unir os nove pontos  ("Nove pontos e um quadrado")Unir os nove pontos  ("Nove pontos e um quadrado")
Unir os nove pontos ("Nove pontos e um quadrado")Luis Felipe Ulloa Forero
 
Estresse farmacologico na cintilografia do miocardio
Estresse farmacologico na cintilografia do miocardioEstresse farmacologico na cintilografia do miocardio
Estresse farmacologico na cintilografia do miocardioJoao Bruno Oliveira
 
Test effort estimation a reason behind successful testing
Test effort estimation   a reason behind successful testingTest effort estimation   a reason behind successful testing
Test effort estimation a reason behind successful testingIndium Software
 
Apresentação tdc 2016 - trilha de testes
Apresentação tdc   2016 - trilha de testesApresentação tdc   2016 - trilha de testes
Apresentação tdc 2016 - trilha de testesSamuel Lucas
 
Tdc 5 ideias para melhorar os seus testes
Tdc   5 ideias para melhorar os seus testesTdc   5 ideias para melhorar os seus testes
Tdc 5 ideias para melhorar os seus testesLindomar Peixinho Reitz
 
Estimativas de Esforço - Engenharia de Software
Estimativas de Esforço - Engenharia de SoftwareEstimativas de Esforço - Engenharia de Software
Estimativas de Esforço - Engenharia de SoftwareEduardo Mendes
 
Test Estimation Techniques
Test Estimation TechniquesTest Estimation Techniques
Test Estimation TechniquesNishant Worah
 
Testes Exploratórios não são sinônimo de bagunça! (TDC 2016 POA)
Testes Exploratórios não são sinônimo de bagunça! (TDC 2016 POA)Testes Exploratórios não são sinônimo de bagunça! (TDC 2016 POA)
Testes Exploratórios não são sinônimo de bagunça! (TDC 2016 POA)Igor Abade
 
Test Estimation using Test Case Point Analysis method
Test Estimation using Test Case Point Analysis methodTest Estimation using Test Case Point Analysis method
Test Estimation using Test Case Point Analysis methodKMS Technology
 
Introdução a Cloud Computing com Amazon Web Services
Introdução a Cloud Computing com Amazon Web ServicesIntrodução a Cloud Computing com Amazon Web Services
Introdução a Cloud Computing com Amazon Web ServicesJose Papo, MSc
 
Software Estimation Techniques
Software Estimation TechniquesSoftware Estimation Techniques
Software Estimation Techniqueskamal
 

Destaque (13)

Unir os nove pontos ("Nove pontos e um quadrado")
Unir os nove pontos  ("Nove pontos e um quadrado")Unir os nove pontos  ("Nove pontos e um quadrado")
Unir os nove pontos ("Nove pontos e um quadrado")
 
Estresse farmacologico na cintilografia do miocardio
Estresse farmacologico na cintilografia do miocardioEstresse farmacologico na cintilografia do miocardio
Estresse farmacologico na cintilografia do miocardio
 
Test effort estimation a reason behind successful testing
Test effort estimation   a reason behind successful testingTest effort estimation   a reason behind successful testing
Test effort estimation a reason behind successful testing
 
Apresentação tdc 2016 - trilha de testes
Apresentação tdc   2016 - trilha de testesApresentação tdc   2016 - trilha de testes
Apresentação tdc 2016 - trilha de testes
 
Tdc 5 ideias para melhorar os seus testes
Tdc   5 ideias para melhorar os seus testesTdc   5 ideias para melhorar os seus testes
Tdc 5 ideias para melhorar os seus testes
 
Estimativas de Esforço - Engenharia de Software
Estimativas de Esforço - Engenharia de SoftwareEstimativas de Esforço - Engenharia de Software
Estimativas de Esforço - Engenharia de Software
 
Test Estimation Techniques
Test Estimation TechniquesTest Estimation Techniques
Test Estimation Techniques
 
Testes Exploratórios não são sinônimo de bagunça! (TDC 2016 POA)
Testes Exploratórios não são sinônimo de bagunça! (TDC 2016 POA)Testes Exploratórios não são sinônimo de bagunça! (TDC 2016 POA)
Testes Exploratórios não são sinônimo de bagunça! (TDC 2016 POA)
 
Test Estimation using Test Case Point Analysis method
Test Estimation using Test Case Point Analysis methodTest Estimation using Test Case Point Analysis method
Test Estimation using Test Case Point Analysis method
 
Casperjs-tdc-2016.ppt
Casperjs-tdc-2016.pptCasperjs-tdc-2016.ppt
Casperjs-tdc-2016.ppt
 
Aula 7 Testes De Esforco
Aula 7   Testes De EsforcoAula 7   Testes De Esforco
Aula 7 Testes De Esforco
 
Introdução a Cloud Computing com Amazon Web Services
Introdução a Cloud Computing com Amazon Web ServicesIntrodução a Cloud Computing com Amazon Web Services
Introdução a Cloud Computing com Amazon Web Services
 
Software Estimation Techniques
Software Estimation TechniquesSoftware Estimation Techniques
Software Estimation Techniques
 

Semelhante a Estimativa de Esforço de Teste

Semelhante a Estimativa de Esforço de Teste (20)

Cenqua03
Cenqua03Cenqua03
Cenqua03
 
OEE Apresentação TCC
OEE Apresentação TCCOEE Apresentação TCC
OEE Apresentação TCC
 
Controle+estatístico+da+qualidade[1]
Controle+estatístico+da+qualidade[1]Controle+estatístico+da+qualidade[1]
Controle+estatístico+da+qualidade[1]
 
Controle estatistico unijorge
Controle estatistico unijorgeControle estatistico unijorge
Controle estatistico unijorge
 
seissigmatrad.pdf
seissigmatrad.pdfseissigmatrad.pdf
seissigmatrad.pdf
 
CapabiliProcess.pdf
CapabiliProcess.pdfCapabiliProcess.pdf
CapabiliProcess.pdf
 
Controle de processos
Controle de processosControle de processos
Controle de processos
 
Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - CEP na área industrial
Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - CEP na área industrialProf.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - CEP na área industrial
Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - CEP na área industrial
 
(03) processos
(03) processos(03) processos
(03) processos
 
Controle de pH
Controle de pHControle de pH
Controle de pH
 
manutenção
manutençãomanutenção
manutenção
 
Ultrassom (tradução) 14 07 15
Ultrassom (tradução) 14 07 15Ultrassom (tradução) 14 07 15
Ultrassom (tradução) 14 07 15
 
Fmea for All
Fmea for AllFmea for All
Fmea for All
 
Controle de processos
Controle de processosControle de processos
Controle de processos
 
Introdução ao Controle Automático.ppt
Introdução ao Controle Automático.pptIntrodução ao Controle Automático.ppt
Introdução ao Controle Automático.ppt
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
 
Cep apres dvs
Cep apres dvsCep apres dvs
Cep apres dvs
 
Colheita mecanizada
Colheita mecanizadaColheita mecanizada
Colheita mecanizada
 
Como Monitorar o Transporte e Evitar Avarias no Produto
Como Monitorar o Transporte e Evitar Avarias no ProdutoComo Monitorar o Transporte e Evitar Avarias no Produto
Como Monitorar o Transporte e Evitar Avarias no Produto
 
Pcp1
Pcp1 Pcp1
Pcp1
 

Mais de Ricardo Bozzeda

A Vida de um Game Tester
A Vida de um Game TesterA Vida de um Game Tester
A Vida de um Game TesterRicardo Bozzeda
 
VOCÊ SABE COMO FUNCIONAM OS CRONOGRAMAS DOS PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SO...
VOCÊ SABE COMO FUNCIONAM OS CRONOGRAMAS DOS PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SO...VOCÊ SABE COMO FUNCIONAM OS CRONOGRAMAS DOS PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SO...
VOCÊ SABE COMO FUNCIONAM OS CRONOGRAMAS DOS PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SO...Ricardo Bozzeda
 
10 principais causas de infelicidade do empregador
10 principais causas de infelicidade do empregador10 principais causas de infelicidade do empregador
10 principais causas de infelicidade do empregadorRicardo Bozzeda
 
AUTO-MOTIVAÇÃO - 09 PASSOS PARA DESENVOLVER HÁBITOS MOTIVACIONAIS
AUTO-MOTIVAÇÃO - 09 PASSOS PARA DESENVOLVER HÁBITOS MOTIVACIONAISAUTO-MOTIVAÇÃO - 09 PASSOS PARA DESENVOLVER HÁBITOS MOTIVACIONAIS
AUTO-MOTIVAÇÃO - 09 PASSOS PARA DESENVOLVER HÁBITOS MOTIVACIONAISRicardo Bozzeda
 
PLANEJAR SUA CARREIRA. SUA RESPONSABILIDADE
PLANEJAR SUA CARREIRA. SUA RESPONSABILIDADEPLANEJAR SUA CARREIRA. SUA RESPONSABILIDADE
PLANEJAR SUA CARREIRA. SUA RESPONSABILIDADERicardo Bozzeda
 
TURISMO E LAZER – OS DESAFIOS DO NOVO MILÊNIO
TURISMO E LAZER – OS DESAFIOS DO NOVO MILÊNIOTURISMO E LAZER – OS DESAFIOS DO NOVO MILÊNIO
TURISMO E LAZER – OS DESAFIOS DO NOVO MILÊNIORicardo Bozzeda
 
DICAS PARA PROVAS DE CERTIFICAÇÃO
DICAS PARA PROVAS DE CERTIFICAÇÃODICAS PARA PROVAS DE CERTIFICAÇÃO
DICAS PARA PROVAS DE CERTIFICAÇÃORicardo Bozzeda
 

Mais de Ricardo Bozzeda (9)

A Vida de um Game Tester
A Vida de um Game TesterA Vida de um Game Tester
A Vida de um Game Tester
 
VOCÊ SABE COMO FUNCIONAM OS CRONOGRAMAS DOS PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SO...
VOCÊ SABE COMO FUNCIONAM OS CRONOGRAMAS DOS PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SO...VOCÊ SABE COMO FUNCIONAM OS CRONOGRAMAS DOS PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SO...
VOCÊ SABE COMO FUNCIONAM OS CRONOGRAMAS DOS PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SO...
 
10 principais causas de infelicidade do empregador
10 principais causas de infelicidade do empregador10 principais causas de infelicidade do empregador
10 principais causas de infelicidade do empregador
 
OS PILARES DA QUALIDADE
OS PILARES DA QUALIDADEOS PILARES DA QUALIDADE
OS PILARES DA QUALIDADE
 
AUTO-MOTIVAÇÃO - 09 PASSOS PARA DESENVOLVER HÁBITOS MOTIVACIONAIS
AUTO-MOTIVAÇÃO - 09 PASSOS PARA DESENVOLVER HÁBITOS MOTIVACIONAISAUTO-MOTIVAÇÃO - 09 PASSOS PARA DESENVOLVER HÁBITOS MOTIVACIONAIS
AUTO-MOTIVAÇÃO - 09 PASSOS PARA DESENVOLVER HÁBITOS MOTIVACIONAIS
 
PLANEJAR SUA CARREIRA. SUA RESPONSABILIDADE
PLANEJAR SUA CARREIRA. SUA RESPONSABILIDADEPLANEJAR SUA CARREIRA. SUA RESPONSABILIDADE
PLANEJAR SUA CARREIRA. SUA RESPONSABILIDADE
 
TURISMO E LAZER – OS DESAFIOS DO NOVO MILÊNIO
TURISMO E LAZER – OS DESAFIOS DO NOVO MILÊNIOTURISMO E LAZER – OS DESAFIOS DO NOVO MILÊNIO
TURISMO E LAZER – OS DESAFIOS DO NOVO MILÊNIO
 
DICAS PARA PROVAS DE CERTIFICAÇÃO
DICAS PARA PROVAS DE CERTIFICAÇÃODICAS PARA PROVAS DE CERTIFICAÇÃO
DICAS PARA PROVAS DE CERTIFICAÇÃO
 
EXECUÇÃO DE TESTE
EXECUÇÃO DE TESTEEXECUÇÃO DE TESTE
EXECUÇÃO DE TESTE
 

Último

Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdfAula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdfInocencioHoracio3
 
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor SucroenergéticoConvergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor SucroenergéticoMarcio Venturelli
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiPaulo Pagliusi, PhD, CISM
 
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx2m Assessoria
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASMarcio Venturelli
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPaulo Pagliusi, PhD, CISM
 

Último (8)

Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdfAula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
 
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor SucroenergéticoConvergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
 
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
 
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
 

Estimativa de Esforço de Teste

  • 1.
  • 2.
  • 3. ANÁLISE DE PONTOS DE TESTE - MODELO PONTOS DE TESTE DINAMICO PONTOS DE TESTE ESTÁTICO PONTOS DE TESTE TOTAL HORAS DE TESTE TOTAL HORAS DE TESTE PRIMÁRIAS ESTRATÉGIA FATOR PRODUTIVIDADE FATOR AMBIENTAL CONTROLE (OVERHEAD) PONTOS DE FUNÇÃO
  • 4. PONTOS DE TESTE DINÂMICO PTf = PFf * Df * Qd PFf - QUANTIDADE DE PONTOS DE FUNÇÃO Df - FATOR DEPENDÊNCIA Qd - CARACTERISTICAS DE QUALIDADE
  • 5. Df - FATOR DEPENDÊNCIA PONTOS DE TESTE DINÂMICO Df = (( Ue + Uy + I + C) / 16 ) * U IMPORTÂNCIA (Ue) USO (Uy) INTERFACES (I) COMPLEXIDADE (C) UNIFORMIDADE (U) LOW 3 2 2 3 0,6 NORMAL 6 4 4 6 1 HIGH 12 8 8 12 1
  • 6. D f - FATOR DEPENDÊNCIA - FUNÇÕES PADRONIZADAS PONTOS DE TESTE DINÂMICO FUNÇÃO PF’S Ue Uy I C U MENSAGEM DE ERRO 4 6 8 4 3 1 TELAS HELP 4 6 8 4 3 1 MENUS 4 6 8 4 3 1
  • 7. Q d - CARACTERÍSTICAS DE QUALIDADE PONTOS DE TESTE DINÂMICO CARACTERISTICA PESO SEM IMPORTANCIA 0 POUCA IMPORTANCIA 3 IMPORTANCIA NORMAL 4 MUITO IMPORTANTE 5 EXTREMAMENTE IMPORTANTE 6 FUNCIONALIDADE 0,75 SEGURANÇA 0,05 USABILIDADE 0,10 EFICIÊNCIA 0,10
  • 8. PONTOS DE TESTE ESTÁTICO Qs - SOMAR 16 PARA CADA CARACTERISTICA DE QUALIDADE (ISO 9126) TESTADA ATRAVÉS DE UM CHECKLIST.
  • 9. PT = Σ PT f + (PF * Qs) / 500 PONTOS DE TESTE TOTAL PT - QUANTIDADE DE PONTOS DE TESTE Σ PT f - SOMATÓRIA DOS PONTOS DE TESTE (PT DINÂMICO) PF - QUANTIDADE DE PONTOS DE FUNÇÃO (VALOR MÍNIMO 500) Qs - FATOR DE TAMANHO (CARATERÍSTICAS DE QUALIDADE)
  • 10. FP = FATOR DE PRODUTIVIDADE  0,7 – 2,0 HORAS FA = FATOR AMBIENTAL HORAS DE TESTE PRIMÁRIA FA = Σ RATEIO / 15 HTP = PT * FP * FA RATEIO FERRAMENTAS DE TESTE BASE CONHECIMENTO DOCUMENTAÇÃO AMBIENTE DESENVOLVIMENTO PROVA INTEGRADA  1 2 3 2 1  2 4 6 4 2  4 8 12 8 4
  • 11. OVERHEAD ADICIONAL HTT = HTP * GT HORAS DE TESTE TOTAL GT = (100 + ( Σ RATEIO)) / 100 TAMANHO DA EQUIPE < 5 5 > 10 > 10 RATEIO 3 6 12 FERRAMENTAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE AMBAS AUTOMATIZADAS SOMENTE UMA AUTOMATIZADA AMBAS MANUAIS RATEIO 2 4 8
  • 12. CUSTO DA UMT UMT = (MÃO DE OBRA + INDIRETOS + MARGEM) / HTT CALCULO EM UMT’S HP  HORAS PREPARAÇÃO = HTT * 0,10 HE  HORAS ESPECIFICAÇÃO = HTT * 0,40 CUSTO TOTAL = (HP * CUSTO DO COLABORADOR) + (HE * CUSTO DO COLABORADOR) QTDE UMT’s = CUSTO TOTAL / VALOR UMT