SlideShare uma empresa Scribd logo
Poder Executivo
Ministério da Educação
Universidade Federal do Amazonas
Instituto de Ciências Humanas e Letras
Departamento de Arquivologia e Biblioteconomia
Curso de Biblioteconomia
NAIRON CARVALHO
2016
CONCEITOS E DEFINIÇÕES
Qualquer definição de empreendedorismo
deve-se encontrar pelo menos os seguintes
aspectos:
a) Iniciativa para criar um novo negócio e
paixão pelo que faz;
b) Utiliza os recursos disponíveis de forma
criativa, transformando o ambiente social e
econômico onde vive;
c) Aceita assumir os riscos e a possibilidade de
fracassar (Dornelas, 2007, p. 8)
Ferreira (2009), define empreendedorismo como
um aspecto da ação humana, onde todos os
atos individuais de arbítrio são, em vários
graus, expressões de atitudes
empreendedoras, tais como motivação,
inovação, competitividade e aspiração de
rápido crescimento, e que podem ser
sistematicamente e rigorosamente estudadas.
CONCEITOS E DEFINIÇÕES
Segundo Silva (2007, p. 6),
empreendedorismo deve ser
observado, enquanto processo
dinâmico que tem inerente a
concepção, percepção e a
realização de uma
oportunidade de negócio,
tem o pressuposto do
envolvimento de pessoas e
processos e que, em
conjunto, fazem a
transformação de idéias em
oportunidades.
CONCEITOS E DEFINIÇÕES
Robert Hirsch (2007):
“ é processo de criar algo diferente e com
valor”
“assumir riscos financeiros, psicológicos e
sociais “
“obter recompensa satisfatória e econômica”
CONCEITOS E DEFINIÇÕES
O empreendedorismo é um fenômeno cultural
e econômico, e as soluções apresentam vários
estilos e os formatos de ver o mundo e os seus
valores. Somente nas últimas décadas é que
se passou ensinar a ser empreendedor.
Assim como é recente a percepção de que o
empreendedor é um dos elementos que
dispara o processo de desenvolvimento de uma
região ou nação.
CONCEITOS E DEFINIÇÕES
• O empreendedorismo tem sua origem na reflexão
de pensadores econômicos do século XVIII e XIX,
conhecidos defensores do laissazfaire ou
liberalismo econômico. Esses pensadores
econômicos defendiam que a ação da economia
era refletida pelas forças livres do mercado e da
concorrência.
• No entanto, outras ciências sociais têm contribuído
para a compreensão do empreendedorismo: a
sociologia, a psicologia, a antropologia e, como já
citado, a história econômica.
E V O L U Ç Ã O
E V O L U Ç Ã O
De acordo com Swedberg (2000), uma
das idéias mais signifi cantes sobre
empreendedorismo, dentro das
ciências sociais, foi traçada pelo
trabalho de Max Weber (1864-1920).
A visão de Weber sobre
empreendedorismo é freqüentemente
identificada com a Teoria do Carisma
e, de acordo com essa interpretação,
sua principal contribuição é ter
encontrado em sua análise um tipo
especial de ser humano, que faz
pessoas o seguirem simplesmente
pela virtude de sua personalidade
extraordinária.
E V O L U Ç Ã O
No campo da psicologia, estudos sobre o empreendedor estão divididos
em dois grupos:
1) um grupo cujo principal objetivo é isolar a personalidade
empreendedora;
2) outro grupo que é de natureza psicológico-social, no qual a
personalidade do empreendedor é vista como decisivamente moldada
por algo “de fora”, como a influência dos pais ou a forma como a
criança foi socializada.
E V O L U Ç Ã O
Provavelmente a função é tão antiga
como o intercâmbio e o comércio entre os
indivíduos na sociedade, mas, no entanto,
este conceito não era discutido, e
somente a partir da evolução dos
mercados econômicos os cientistas se
interessaram pelo fenômeno.
E V O L U Ç Ã O
Segundo Dolabela (1999), apesar de
popularizado através da importação do inglês, o
empreendedorismo vem de entrepreneur, palavra
francesa que era usada no séc. 12 para designar
aquele que incentivava brigas.
Durante a Idade Média, lentamente essas
condições se modificavam e o sistema de
empreendedorismo evoluía com base nas classes
dos comerciantes e na ascensão das cidades.
Neste período o termo empreendedor foi usado
para descrever tanto um participante quanto um
administrador de grandes projetos de produção
EVOLUÇÃO
No final do séc. 18, passou a indicar a pessoa que
criava e conduzia projetos e empreendimentos.
Nessa época, o termo se referia a pessoas que
compravam matérias-primas e as vendiam a
terceiros, depois de processá-las, identificando,
portanto, uma oportunidade de negócios e assumindo
riscos.
No século XVII , representado na era econômica, o
empreendedor estava ligado a pessoa que “tomava a
responsabilidade e coordenava uma operação
militar”.
No fim deste século e início do século XVIII,o termo
foi usado como referencia à pessoa que “criava e
conduzia empreendimentos”
EVOLUÇÃO
Partindo dessa mudança...
• Uma nova concepção que surgiu para o
empreendedor é alguém que inova e é
agente de mudanças. Conceito este, que,
é usado até os nossos dias.
EVOLUÇÃO
• Murphy, Liao e Welsch (2006) destacam que a
atividade empreendedora se expandiu ao longo
séculos XVI e XVII, como o conhecimento
experimental, e portanto, epistemológico ou
baseado nas habilidade, tornando-se cada vez
mais instrumentais para corrigir as ineficiências
ou fornecer novas soluções, bens e serviços.
Com especialização do conhecimento a
descoberta de oportunidades comerciais e a
atividade empreendedora se intensificou no
século XVIII
EVOLUÇÃO
• Desta forma, o empreendedorismo foi evoluindo
frente às ideias que dominavam a época, o que
proporcionou uma conjuntura de Três Eras
distintas do Pensamento Empreendedor.
Era Econômica
(1870-1940)
Era Ciências Sociais
(1940-1970)
Era Estudo de
Gestão (1970 - )
EVOLUÇÃO
Era Econômica
(1870-1940)
• Por parte dos
economista;
• Risco;
• Incertezas;
• Mudanças e
inovações;
• ligação entre o
empresário e a
empresa.
Era Ciências
Sociais (1940-
1970)
• estudiosos das
áreas de
psicologia e
ciências sociais.
• empreendedor
como um
indivíduos;
• obras e traços de
personalidade
Era Estudo de
Gestão (1970 - )
• Sendo marcada
por mudanças
políticas,
econômicas e
tecnológicas.
• Pesquisa que
envolvem
oportunidades,
redes de acesso
à informações,
aos fatores
sociológicos,
entre outras.
EVOLUÇÃO
Diferentes abordagens do empreendedorismo
EVOLUÇÃO
Tudo indica que o empreendedorismo é um
fenômeno regional, na medida em que a
cultura, as necessidades e os hábitos de
uma região determinam comportamentos.
Várias pesquisas têm demonstrado que os
empreendedores refletem as característica de
período e lugar em que vivem.
EVOLUÇÃO
Esse é o conceito que precisamos...
Robert Hirsch (2007):
“ é processo de criar algo diferente e com
valor” “assumir riscos financeiros,
psicológicos e sociais “ “obter recompensa
satisfatória e econômica”
EMPREENDENDOR?
Termo utilizado para qualificar principalmente o indivíduo que
apresenta de uma forma especial e inovadora de dedicação às
atividades de idealização, organização, administração e
execução e que resulta na transformação de conhecimentos e
bens em novos produtos (mercadorias) ou serviços;
Gerador de um novo método de produção (ou serviço) com o
seu próprio conhecimento;
É o inovador que modifica com suas atitudes qualquer área do
conhecimento humano;
Designa o fundador de uma empresa ou entidade que foi
construída a partir de uma idéia ou projeto.
COMPETÊNCIAS DO EMPREENDEDOR
EMPREENDENDOR?
Pessoa que consegue fazer as coisas acontecerem,
pois:
é dotado de sensibilidade para os negócios,
tino financeiro e,
capacidade de identificar oportunidades.
Com esse arsenal, transforma idéias em realidade, para
benefício próprio e para benefício da comunidade.
Por ter criatividade e um alto nível de energia, o
empreendedor demonstra imaginação e perseverança,
aspectos que, combinados adequadamente, o habilitam
a transformar uma idéia simples e mal-estruturada em
algo concreto e bem-sucedido no mercado.
COMPETÊNCIAS DO EMPREENDEDOR
Segundo Mamede e Moreira (2005, p. 4),
“a competência empreendedora pode ser tratada
tanto como competência do indivíduo, quanto
relacionada à prática administrativa, devido às
diferentes tarefas que desempenham”.
COMPETÊNCIAS DO EMPREENDEDOR
As ações empreendedoras estão associadas às
competências por representarem:
o senso de identificação de oportunidades,
a capacidade de relacionamento em rede,
as habilidades conceituais,
a capacidade de gestão,
a facilidade de leitura,
 o posicionamento em cenários conjunturais e
o comprometimento com interesses individuais
e da organização.
COMPETÊNCIAS DO EMPREENDEDOR
• Antonello (2005) definiu competência
empreendedora como um conjunto de
conhecimentos, habilidades e atitudes que
viabilizam a um indivíduo imprimir sua visão,
estratégias e ações na criação de valor
(tangíveis ou intangíveis) para a sociedade.
COMPETÊNCIAS DO EMPREENDEDOR
Logo
competência empreendedora como um corpo de
conhecimento, área ou habilidade, qualidades
pessoais ou características, atitudes ou visões,
motivações ou direcionamentos que, de
diferentes formas, podem contribuir para o
pensamento ou ação efetiva do negócio (SNELL e
LAU, 1994) e que permite a um indivíduo imprimir
ações, estratégias e sua visão na criação de
valor, tangível e intangível, para a sociedade
(ANTONELLO, 2005).
COMPETÊNCIAS DO EMPREENDEDOR
COMPETÊNCIAS DO EMPREENDEDOR
Classificação de Cooley (1990)
• Busca de oportunidade e
iniciativa;
• Persistência;
• Comprometimento;
• Exigência de qualidade e
eficiência;
• assunção de riscos calculados;
• Estabelecimento de metas;
• Busca de informações;
• Planejamento e
monitoramento sistemáticos;
• Persuasão e rede de
contatos;
• Independência e
autoconfiança.
Para Man e Lau (2000),
• Competências de
oportunidade;
• Competências de
relacionamento;
• Competências
conceituais;
• Competências
administrativas;
• Competências
estratégicas;
• Competências de
comprometimento;
Competências de oportunidade;
Relacionadas à identificação, avaliação e
busca de oportunidades de negócios.
• O empreendedor deve estar apto a
identificar os cenários favoráveis aos
objetivos organizacionais e atuar sobre as
potenciais chances de negócios por meio
da sua avaliação de modo a transformá-
las em situações positivas”
COMPETÊNCIAS DO EMPREENDEDOR
Competências de relacionamento;
• referem-se aos relacionamentos pessoais do
empreendedor que podem influenciar na
definição do caminho a ser seguido em um
determinado negócio.
Classificados em três níveis por Filion (1991)
COMPETÊNCIAS DO EMPREENDEDOR
contatos
familiares
e as
pessoas
mais
próximas
amizades e
grupos
sociais:
clubes,
religião,
política,
trabalho
contatos com
um campo de
interesse;
ocorrem
através de
viagens,
cursos,
exposições,
feiras e
congressos
PRIMÁRIO
SECUNDÁ
RIO TERCIÁRIO
Competências conceituais;
• Capacidades de avaliar situações de risco que
surgem em decorrência de suas ações em
qualquer ambiente, ou seja, o empreendedor
tende a correr riscos calculados (DORNELAS,
2007);
• capacidade de perceber situações por ângulos
diferentes e de forma positiva. Assim, a inovação
permite a diferenciação e integra a dimensão
conceitual da competência empreendedora.
COMPETÊNCIAS DO EMPREENDEDOR
Competências administrativas;
• envolvem a eficiente alocação de talentos
humanos, recursos físicos, financeiros e
tecnológicos.
• Para tanto é preciso que o empreendedor tenha
a capacidade de planejar, organizar, comandar,
motivar, delegar e controlar, enfim, de
administrar o empreendimento e seus
funcionários.
COMPETÊNCIAS DO EMPREENDEDOR
Competências estratégicas;
• Vinculam-se à escolha e implementação das
estratégias do empreendimento, nas quais os
empreendedores visualizam panoramas de
longo prazo e objetivos de médio e curto prazos
alcançáveis e realistas, além de elaborar
estimativas de viabilidade financeira e de
mecanismos de controle dos seus resultados
(MAN e LAU, 2000).
COMPETÊNCIAS DO EMPREENDEDOR
Competências de comprometimento;
• demandam a habilidade
de manter a dedicação
do dirigente ao negócio,
principalmente em
situações adversas, além
de demonstrar a
dedicação do
empreendedor e do seu
trabalho árduo,
participando de tudo o
que acontece na
organização, mesmo que
em detrimento de sua
vida pessoal.
• relacionada com a
capacidade que o
empreendedor tem de
recomeçar a atividade
empresarial, mesmo
após situações de
insucesso, ou, então,
com a disposição de não
abandonar o negócio,
mesmo quando ocorrem
crises setoriais ou na
economia.
COMPETÊNCIAS DO EMPREENDEDOR
Segundo Chiavenato (2007, p. 12), há dois estilos
empreendedores que constituem os dois
extremos de abordagem gerencial, a saber:
Empreendedor artesão
Empreendedor oportunista
PERFIS DE EMPREENDEDORES
Empreendedor artesão
• Pessoa que inicia um negócio basicamente
com suas habilidades técnicas e um pequeno
conhecimento da gestão de negócios. Sua
formação educacional limita-se ao treinamento
técnico e, tem experiência técnica no trabalho,
mas não dispõe de capacidade para se
comunicar bem, avaliar o mercado, tomar
decisões e gerir o negócio.
PERFIS DE EMPREENDEDORES
• empreendedor artesão é em geral, o mecânico
que começa uma oficina independente, o
profissional que trabalha em um salão de beleza
e que abre um novo em outro local para
aproveitar sua experiência profissional e ampliar
horizontes. E se não puder se desenvolver
profissional e culturalmente, será sempre um
fornecedor de mão-de-obra ou de trabalho
especializado.
PERFIS DE EMPREENDEDORES
Empreendedor artesão
Aquele que tem
educação técnica
suplementada por
estudo de assuntos
mais amplos, como
administração,
economia, legislação
ou línguas. Procura
sempre estudar e
aprender.
Características
evitar o paternalismo na condução
da equipe;
delegar autoridade às pessoas
necessárias para o crescimento;
empregar estratégias de
marketing e esforços de vendas
mais variados;
obter capitalização original de
mais de duas fontes de dinheiro;
planejar o crescimento futuro do
negócio;
utilizar sistemas de registro e
controle, orçamento apropriado,
oferta
precisa e pesquisa sistemática de
mercado.
PERFIS DE EMPREENDEDORES
Empreendedor oportunista
Degen (2009) apresenta as principais características
de um empreendedor bem sucedido:
Alguém que não se conforma com os produtos e
serviços disponíveis no mercado e procura melhorá-
los.
Alguém que, por meio de novos produtos e
serviços, procura superar os existentes no mercado.
Alguém que não se intimida com as empresas
estabelecidas e as desafia com o seu novo jeito de
fazer as coisas.
PERFIS DE EMPREENDEDORES
• Pode-se dar como exemplo de empreendedor, segundo
Dolabela (1999)
Indivíduo que cria uma empresa, qualquer que seja ela.
Pessoa que compra uma empresa e introduz inovações,
assumindo riscos, seja na forma de administrar, vender,
fabricar, distribuir, seja na forma de fazer propaganda dos
seus produtos e/ou serviços, agregando novos valores.
Empregado que introduz inovações em uma
organização, provocando o surgimento de valores
adicionais.
Mas, não pode ser considerado um empreendedor uma
pessoa que, por exemplo, adquire uma empresa e não
faz nenhuma inovação e somente faça a sua
administração.
PERFIS DE EMPREENDEDORES
Segundo Silva (2007), um empreendedor deve ter pelo
menos os seguintes aspectos:
Iniciativa para criar ou inovar e paixão pelo que faz.
Utiliza os recursos disponíveis de forma criativa
transformando o ambiente social e econômico onde
vive.
Aceita assumir os riscos e a possibilidade de falhar.
Persistência, tenacidade e ambição.
PERFIS DE EMPREENDEDORES
“Empreendedorismo corporativo envolve dois tipos
de fenômenos e de processos que os cercam:
1) o nascimento de novos negócios dentro de
organizações existentes, isto é, inovações
internas; e
2) a transformação das organizações através da
renovação das áreas-chave sobre as quais a
empresa é sustentada, ou seja, renovação
estratégica.”
Autores: Guth & Ginsberg (1990)
EMPREENDEDORISMO CORPORTATIVO
O empreendedor corporativo também intitulado
como empreendedor interno, enxerga nos
problemas e mudanças oportunidades de
crescimento, estimulando os demais
colaboradores a enxergarem a solução nas
diversas situações.
Tem sede de aprendizado e os coloca em prática,
faz questão de compartilhar seus conhecimentos,
identifica o momento certo para propor suas ideias
e tem seus objetivos bem alinhados com os da
organização.
EMPREENDEDORISMO CORPORTATIVO
Entende-se que o empreendedor start up vê a
organização como algo que é dele, a qual ele se
dedica intensamente em busca do seu objetivo,
sem impor limites e barreiras ao processo de
empreender seu modelo de negócio.
EMPREENDEDORISMO START-UP
• Start up são pequenas empresas montadas em casa ou
em faculdades e que recebem pequenos aportes de
capital. Elas exploram áreas inovadoras de determinado
setor (mais comumente a de tecnologia), possuindo uma
aceleração de crescimento muito alta já nos primeiros
meses de existência em virtude de investimentos feitos
por fundos de investimento especializados (LONGHI,
2011, p.1).
• A definição de Longhi (2011), é a que se chega mais
próxima à realidade desses empreendedores, porque
realmente é muito comum esses empreendimentos
começarem em casa, ou até mesmo na garagem. Este é
um tipo de empreendimento que começa com custos
muito baixos e os mesmo se mantêm mesmo que a
empresa esteja consolidada no mercado.
EMPREENDEDORISMO START-UP
Empreendedorismo de start up difere-se do
empreendedorismo corporativo, porque são
negócios recém-criados, que estão em fase de
desenvolvimento e pesquisa de mercado que
possui alto risco envolvido no negócio; além de
serem empreendimentos com baixos custos
iniciais e serem altamente escaláveis.
EMPREENDEDORISMO START-UP
Este tipo de empreendedorismo caracteriza-se
pela:
criação de riqueza;
busca de investimento junto a capitalistas de
risco;
cria estratégias e culturas organizacionais;
 não seguem regras;
atuam no horizonte de curto prazo;
 e possuem passos rápidos (caos controlado).
EMPREENDEDORISMO START-UP
O intraempreendorismo é indispensável para as
empresas já estabelecidas, pois recria a cultura
empreendedora interna.
O ambiente intraempreendedor possui as seguintes
características:
a empresa opera nas fronteiras da tecnologia;
novas idéias são encorajadas;
não há parâmetro para a oportunidade;
abordagem de equipes multidisciplinar;
patrocinadores e defensores do modelo;
apoio da alta administração.
INTRAEMPREENDEDORISMO
• Empreendedores sociais podem trabalhar em
negócios éticos, órgãos governamentais,
públicos, voluntários e comunitários [...]
Empreendedores sociais nunca dizem 'não
pode ser feito'. (OLIVEIRA, 2004).
• Segundo Rouere e Pádua (2001) os
empreendedores sociais são inovadores cujo
protagonismo na área social produz
desenvolvimento sustentável, qualidade de vida
e mudança de paradigma de atuação em
benefício de comunidades menos privilegiadas.
EMPREENDEDORISMO SOCIAL
Agentes de intercâmbio da sociedade por meio de:
 proposta de criação de ideias úteis para
resolver problemas sociais, combinando
práticas e conhecimentos de inovação, criando
assim novos procedimentos e serviços;
 criação de parcerias e formas/meios de auto-
sustentabilidade dos projetos;
 transformação das comunidades graças às
associações estratégicas;
 utilização de enfoques baseados no mercado
para resolver os problemas sociais;
EMPREENDEDORISMO SOCIAL
identificação de novos mercados e
oportunidades para financiar uma missão social.
[...] características comuns aos
empreendedores sociais: apontam idéias
inovadoras e vêem oportunidades onde outros
não vêem nada;
 combinam risco e valor com critério e
sabedoria;
 estão acostumados a resolver problemas
concretos, são visionários com sentido prático,
cuja motivação é a melhoria de vida das
pessoas, e trabalham 24 horas do dia para
conseguir seu objetivo social”.
EMPREENDEDORISMO SOCIAL
EMPREENDEDORISMO SOCIAL

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoAula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e Organização
Prof. Leonardo Rocha
 
Identificação e avaliação de oportunidades
Identificação e avaliação de oportunidadesIdentificação e avaliação de oportunidades
Identificação e avaliação de oportunidades
Felipe Pereira
 
A Importância da Gestão Financeira nas Empresas
A Importância da Gestão Financeira nas EmpresasA Importância da Gestão Financeira nas Empresas
A Importância da Gestão Financeira nas Empresas
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Planejamento estratégico
Planejamento estratégicoPlanejamento estratégico
Planejamento estratégico
PMY TECNOLOGIA LTDA
 
Aula 1 - Marketing pessoal
Aula 1 - Marketing pessoalAula 1 - Marketing pessoal
Aula 1 - Marketing pessoal
Professor Cristiano Barreto
 
Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento Organizacional
Rui Loureiro
 
Analise de swot rodrigo lopes
Analise de swot   rodrigo lopesAnalise de swot   rodrigo lopes
Aula 3 - Diagnóstico organizacional: análise de ambientes e cenários
Aula 3 - Diagnóstico organizacional: análise de ambientes e cenáriosAula 3 - Diagnóstico organizacional: análise de ambientes e cenários
Aula 3 - Diagnóstico organizacional: análise de ambientes e cenários
Kesia Rozzett Oliveira
 
Empreendedorismo aula 01
Empreendedorismo   aula 01Empreendedorismo   aula 01
Empreendedorismo aula 01
Thiago Ianatoni
 
Plano de negócios passo a passo
Plano de negócios passo a passoPlano de negócios passo a passo
Plano de negócios passo a passo
josedornelas
 
Responsabilidade Social e Ética
Responsabilidade Social e Ética Responsabilidade Social e Ética
Responsabilidade Social e Ética
Adeildo Caboclo
 
Exercicios Empreendedorismo - Plano de Negócio
Exercicios Empreendedorismo - Plano de NegócioExercicios Empreendedorismo - Plano de Negócio
Exercicios Empreendedorismo - Plano de Negócio
Laisa Mariana
 
Plano de Negócios - Slides facilitadores
Plano de Negócios - Slides facilitadoresPlano de Negócios - Slides facilitadores
Plano de Negócios - Slides facilitadores
Letícia Vilela de Aquino
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Comportamento e Postura Profissional
Comportamento e Postura ProfissionalComportamento e Postura Profissional
Comportamento e Postura Profissional
Wandick Rocha de Aquino
 
Concursos administração pública - apostila
Concursos   administração pública - apostilaConcursos   administração pública - apostila
Concursos administração pública - apostila
EDILENE CABRAL
 
Gestao empreendedora
Gestao empreendedoraGestao empreendedora
Gestao empreendedora
Naiara Carcinoni
 
Explicando o Modelo de Negócios (canvas) - Virada Empreendedora 2013
Explicando o Modelo de Negócios (canvas) - Virada Empreendedora 2013Explicando o Modelo de Negócios (canvas) - Virada Empreendedora 2013
Explicando o Modelo de Negócios (canvas) - Virada Empreendedora 2013
Nei Grando
 
Introdução a gestão
Introdução a gestãoIntrodução a gestão
Introdução a gestão
UNIMETRO
 
Empreendedorismo no Brasil
Empreendedorismo no BrasilEmpreendedorismo no Brasil
Empreendedorismo no Brasil
Miguel Isoni Filho
 

Mais procurados (20)

Aula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoAula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e Organização
 
Identificação e avaliação de oportunidades
Identificação e avaliação de oportunidadesIdentificação e avaliação de oportunidades
Identificação e avaliação de oportunidades
 
A Importância da Gestão Financeira nas Empresas
A Importância da Gestão Financeira nas EmpresasA Importância da Gestão Financeira nas Empresas
A Importância da Gestão Financeira nas Empresas
 
Planejamento estratégico
Planejamento estratégicoPlanejamento estratégico
Planejamento estratégico
 
Aula 1 - Marketing pessoal
Aula 1 - Marketing pessoalAula 1 - Marketing pessoal
Aula 1 - Marketing pessoal
 
Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento Organizacional
 
Analise de swot rodrigo lopes
Analise de swot   rodrigo lopesAnalise de swot   rodrigo lopes
Analise de swot rodrigo lopes
 
Aula 3 - Diagnóstico organizacional: análise de ambientes e cenários
Aula 3 - Diagnóstico organizacional: análise de ambientes e cenáriosAula 3 - Diagnóstico organizacional: análise de ambientes e cenários
Aula 3 - Diagnóstico organizacional: análise de ambientes e cenários
 
Empreendedorismo aula 01
Empreendedorismo   aula 01Empreendedorismo   aula 01
Empreendedorismo aula 01
 
Plano de negócios passo a passo
Plano de negócios passo a passoPlano de negócios passo a passo
Plano de negócios passo a passo
 
Responsabilidade Social e Ética
Responsabilidade Social e Ética Responsabilidade Social e Ética
Responsabilidade Social e Ética
 
Exercicios Empreendedorismo - Plano de Negócio
Exercicios Empreendedorismo - Plano de NegócioExercicios Empreendedorismo - Plano de Negócio
Exercicios Empreendedorismo - Plano de Negócio
 
Plano de Negócios - Slides facilitadores
Plano de Negócios - Slides facilitadoresPlano de Negócios - Slides facilitadores
Plano de Negócios - Slides facilitadores
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 
Comportamento e Postura Profissional
Comportamento e Postura ProfissionalComportamento e Postura Profissional
Comportamento e Postura Profissional
 
Concursos administração pública - apostila
Concursos   administração pública - apostilaConcursos   administração pública - apostila
Concursos administração pública - apostila
 
Gestao empreendedora
Gestao empreendedoraGestao empreendedora
Gestao empreendedora
 
Explicando o Modelo de Negócios (canvas) - Virada Empreendedora 2013
Explicando o Modelo de Negócios (canvas) - Virada Empreendedora 2013Explicando o Modelo de Negócios (canvas) - Virada Empreendedora 2013
Explicando o Modelo de Negócios (canvas) - Virada Empreendedora 2013
 
Introdução a gestão
Introdução a gestãoIntrodução a gestão
Introdução a gestão
 
Empreendedorismo no Brasil
Empreendedorismo no BrasilEmpreendedorismo no Brasil
Empreendedorismo no Brasil
 

Semelhante a Empreendedorismo

Empreendedorismo formatado
Empreendedorismo formatadoEmpreendedorismo formatado
Empreendedorismo formatado
Renato Vicente de Paula
 
1 introdução ao empreendedorismo
1 introdução ao empreendedorismo1 introdução ao empreendedorismo
1 introdução ao empreendedorismo
Suelen Christine
 
1.mód 14 valorização e empreendedorismo rural
1.mód 14   valorização e empreendedorismo rural1.mód 14   valorização e empreendedorismo rural
1.mód 14 valorização e empreendedorismo rural
Pelo Siro
 
Empreendedorismo slides
Empreendedorismo   slidesEmpreendedorismo   slides
Empreendedorismo slides
Cristiano Souza
 
Empr1
Empr1Empr1
Empr1
Pelo Siro
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
luancapistrano
 
Aula 02 - Empreendedorismo - Conceitos, Evolução Teorica e Teorias.pdf
Aula 02 - Empreendedorismo - Conceitos, Evolução Teorica e Teorias.pdfAula 02 - Empreendedorismo - Conceitos, Evolução Teorica e Teorias.pdf
Aula 02 - Empreendedorismo - Conceitos, Evolução Teorica e Teorias.pdf
mariabarbosa191
 
16 administração (empreendedorismo)
16   administração (empreendedorismo)16   administração (empreendedorismo)
16 administração (empreendedorismo)
Elizeu Ferro
 
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIALAPRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
INSTITUTO VOZ POPULAR
 
Emmanuela suzy medeiros
Emmanuela suzy medeirosEmmanuela suzy medeiros
Emmanuela suzy medeiros
Francirley Faustino
 
Redescobrindo a Inovação Social, por kriss deiglmeier
Redescobrindo a Inovação Social, por kriss deiglmeier Redescobrindo a Inovação Social, por kriss deiglmeier
Redescobrindo a Inovação Social, por kriss deiglmeier
Social Good Brasil
 
Módulo finanças e empreendedorismo
Módulo   finanças e empreendedorismoMódulo   finanças e empreendedorismo
Módulo finanças e empreendedorismo
Willian Roberto
 
O empreendedor e o empreendimento na área de estética
O empreendedor e o empreendimento na área de estéticaO empreendedor e o empreendimento na área de estética
O empreendedor e o empreendimento na área de estética
Federal University of Ceará
 
Professora Vanúcia Moreira - Empreendedorismo
Professora Vanúcia Moreira - EmpreendedorismoProfessora Vanúcia Moreira - Empreendedorismo
Professora Vanúcia Moreira - Empreendedorismo
Vanúcia Moreira
 
Gestao e empreend 1a aula
Gestao e empreend 1a aulaGestao e empreend 1a aula
Gestao e empreend 1a aula
UNIP
 
Mudi empreendorismo no servico publico
Mudi empreendorismo no servico publicoMudi empreendorismo no servico publico
Mudi empreendorismo no servico publico
UEM
 
Tid ii atual
Tid ii atualTid ii atual
Tid ii atual
Alice Soares
 
Aula Empreendedorismo e Gestão
Aula Empreendedorismo e GestãoAula Empreendedorismo e Gestão
Aula Empreendedorismo e Gestão
Susy Alves
 
editorialregep, 1_161 EMPREENDEDORISMO EVOLUCAO HISTORICA, DEFINICOES E ABORD...
editorialregep, 1_161 EMPREENDEDORISMO EVOLUCAO HISTORICA, DEFINICOES E ABORD...editorialregep, 1_161 EMPREENDEDORISMO EVOLUCAO HISTORICA, DEFINICOES E ABORD...
editorialregep, 1_161 EMPREENDEDORISMO EVOLUCAO HISTORICA, DEFINICOES E ABORD...
JoJorge2
 
apresentação de monográfia
apresentação de monográfiaapresentação de monográfia
apresentação de monográfia
UFMA e UEMA
 

Semelhante a Empreendedorismo (20)

Empreendedorismo formatado
Empreendedorismo formatadoEmpreendedorismo formatado
Empreendedorismo formatado
 
1 introdução ao empreendedorismo
1 introdução ao empreendedorismo1 introdução ao empreendedorismo
1 introdução ao empreendedorismo
 
1.mód 14 valorização e empreendedorismo rural
1.mód 14   valorização e empreendedorismo rural1.mód 14   valorização e empreendedorismo rural
1.mód 14 valorização e empreendedorismo rural
 
Empreendedorismo slides
Empreendedorismo   slidesEmpreendedorismo   slides
Empreendedorismo slides
 
Empr1
Empr1Empr1
Empr1
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 
Aula 02 - Empreendedorismo - Conceitos, Evolução Teorica e Teorias.pdf
Aula 02 - Empreendedorismo - Conceitos, Evolução Teorica e Teorias.pdfAula 02 - Empreendedorismo - Conceitos, Evolução Teorica e Teorias.pdf
Aula 02 - Empreendedorismo - Conceitos, Evolução Teorica e Teorias.pdf
 
16 administração (empreendedorismo)
16   administração (empreendedorismo)16   administração (empreendedorismo)
16 administração (empreendedorismo)
 
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIALAPRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
 
Emmanuela suzy medeiros
Emmanuela suzy medeirosEmmanuela suzy medeiros
Emmanuela suzy medeiros
 
Redescobrindo a Inovação Social, por kriss deiglmeier
Redescobrindo a Inovação Social, por kriss deiglmeier Redescobrindo a Inovação Social, por kriss deiglmeier
Redescobrindo a Inovação Social, por kriss deiglmeier
 
Módulo finanças e empreendedorismo
Módulo   finanças e empreendedorismoMódulo   finanças e empreendedorismo
Módulo finanças e empreendedorismo
 
O empreendedor e o empreendimento na área de estética
O empreendedor e o empreendimento na área de estéticaO empreendedor e o empreendimento na área de estética
O empreendedor e o empreendimento na área de estética
 
Professora Vanúcia Moreira - Empreendedorismo
Professora Vanúcia Moreira - EmpreendedorismoProfessora Vanúcia Moreira - Empreendedorismo
Professora Vanúcia Moreira - Empreendedorismo
 
Gestao e empreend 1a aula
Gestao e empreend 1a aulaGestao e empreend 1a aula
Gestao e empreend 1a aula
 
Mudi empreendorismo no servico publico
Mudi empreendorismo no servico publicoMudi empreendorismo no servico publico
Mudi empreendorismo no servico publico
 
Tid ii atual
Tid ii atualTid ii atual
Tid ii atual
 
Aula Empreendedorismo e Gestão
Aula Empreendedorismo e GestãoAula Empreendedorismo e Gestão
Aula Empreendedorismo e Gestão
 
editorialregep, 1_161 EMPREENDEDORISMO EVOLUCAO HISTORICA, DEFINICOES E ABORD...
editorialregep, 1_161 EMPREENDEDORISMO EVOLUCAO HISTORICA, DEFINICOES E ABORD...editorialregep, 1_161 EMPREENDEDORISMO EVOLUCAO HISTORICA, DEFINICOES E ABORD...
editorialregep, 1_161 EMPREENDEDORISMO EVOLUCAO HISTORICA, DEFINICOES E ABORD...
 
apresentação de monográfia
apresentação de monográfiaapresentação de monográfia
apresentação de monográfia
 

Último

DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e RiscadoresCap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Shakil Y. Rahim
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdfSequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
marcos oliveira
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptxBem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
MarcoAurlioResende
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
FredPaixaoeSilva
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 

Último (20)

DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e RiscadoresCap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdfSequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptxBem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 

Empreendedorismo

  • 1. Poder Executivo Ministério da Educação Universidade Federal do Amazonas Instituto de Ciências Humanas e Letras Departamento de Arquivologia e Biblioteconomia Curso de Biblioteconomia NAIRON CARVALHO 2016
  • 2. CONCEITOS E DEFINIÇÕES Qualquer definição de empreendedorismo deve-se encontrar pelo menos os seguintes aspectos: a) Iniciativa para criar um novo negócio e paixão pelo que faz; b) Utiliza os recursos disponíveis de forma criativa, transformando o ambiente social e econômico onde vive; c) Aceita assumir os riscos e a possibilidade de fracassar (Dornelas, 2007, p. 8)
  • 3. Ferreira (2009), define empreendedorismo como um aspecto da ação humana, onde todos os atos individuais de arbítrio são, em vários graus, expressões de atitudes empreendedoras, tais como motivação, inovação, competitividade e aspiração de rápido crescimento, e que podem ser sistematicamente e rigorosamente estudadas. CONCEITOS E DEFINIÇÕES
  • 4. Segundo Silva (2007, p. 6), empreendedorismo deve ser observado, enquanto processo dinâmico que tem inerente a concepção, percepção e a realização de uma oportunidade de negócio, tem o pressuposto do envolvimento de pessoas e processos e que, em conjunto, fazem a transformação de idéias em oportunidades. CONCEITOS E DEFINIÇÕES
  • 5. Robert Hirsch (2007): “ é processo de criar algo diferente e com valor” “assumir riscos financeiros, psicológicos e sociais “ “obter recompensa satisfatória e econômica” CONCEITOS E DEFINIÇÕES
  • 6. O empreendedorismo é um fenômeno cultural e econômico, e as soluções apresentam vários estilos e os formatos de ver o mundo e os seus valores. Somente nas últimas décadas é que se passou ensinar a ser empreendedor. Assim como é recente a percepção de que o empreendedor é um dos elementos que dispara o processo de desenvolvimento de uma região ou nação. CONCEITOS E DEFINIÇÕES
  • 7. • O empreendedorismo tem sua origem na reflexão de pensadores econômicos do século XVIII e XIX, conhecidos defensores do laissazfaire ou liberalismo econômico. Esses pensadores econômicos defendiam que a ação da economia era refletida pelas forças livres do mercado e da concorrência. • No entanto, outras ciências sociais têm contribuído para a compreensão do empreendedorismo: a sociologia, a psicologia, a antropologia e, como já citado, a história econômica. E V O L U Ç Ã O
  • 8. E V O L U Ç Ã O
  • 9. De acordo com Swedberg (2000), uma das idéias mais signifi cantes sobre empreendedorismo, dentro das ciências sociais, foi traçada pelo trabalho de Max Weber (1864-1920). A visão de Weber sobre empreendedorismo é freqüentemente identificada com a Teoria do Carisma e, de acordo com essa interpretação, sua principal contribuição é ter encontrado em sua análise um tipo especial de ser humano, que faz pessoas o seguirem simplesmente pela virtude de sua personalidade extraordinária. E V O L U Ç Ã O
  • 10. No campo da psicologia, estudos sobre o empreendedor estão divididos em dois grupos: 1) um grupo cujo principal objetivo é isolar a personalidade empreendedora; 2) outro grupo que é de natureza psicológico-social, no qual a personalidade do empreendedor é vista como decisivamente moldada por algo “de fora”, como a influência dos pais ou a forma como a criança foi socializada. E V O L U Ç Ã O
  • 11. Provavelmente a função é tão antiga como o intercâmbio e o comércio entre os indivíduos na sociedade, mas, no entanto, este conceito não era discutido, e somente a partir da evolução dos mercados econômicos os cientistas se interessaram pelo fenômeno. E V O L U Ç Ã O
  • 12. Segundo Dolabela (1999), apesar de popularizado através da importação do inglês, o empreendedorismo vem de entrepreneur, palavra francesa que era usada no séc. 12 para designar aquele que incentivava brigas. Durante a Idade Média, lentamente essas condições se modificavam e o sistema de empreendedorismo evoluía com base nas classes dos comerciantes e na ascensão das cidades. Neste período o termo empreendedor foi usado para descrever tanto um participante quanto um administrador de grandes projetos de produção EVOLUÇÃO
  • 13. No final do séc. 18, passou a indicar a pessoa que criava e conduzia projetos e empreendimentos. Nessa época, o termo se referia a pessoas que compravam matérias-primas e as vendiam a terceiros, depois de processá-las, identificando, portanto, uma oportunidade de negócios e assumindo riscos. No século XVII , representado na era econômica, o empreendedor estava ligado a pessoa que “tomava a responsabilidade e coordenava uma operação militar”. No fim deste século e início do século XVIII,o termo foi usado como referencia à pessoa que “criava e conduzia empreendimentos” EVOLUÇÃO
  • 14. Partindo dessa mudança... • Uma nova concepção que surgiu para o empreendedor é alguém que inova e é agente de mudanças. Conceito este, que, é usado até os nossos dias. EVOLUÇÃO
  • 15. • Murphy, Liao e Welsch (2006) destacam que a atividade empreendedora se expandiu ao longo séculos XVI e XVII, como o conhecimento experimental, e portanto, epistemológico ou baseado nas habilidade, tornando-se cada vez mais instrumentais para corrigir as ineficiências ou fornecer novas soluções, bens e serviços. Com especialização do conhecimento a descoberta de oportunidades comerciais e a atividade empreendedora se intensificou no século XVIII EVOLUÇÃO
  • 16. • Desta forma, o empreendedorismo foi evoluindo frente às ideias que dominavam a época, o que proporcionou uma conjuntura de Três Eras distintas do Pensamento Empreendedor. Era Econômica (1870-1940) Era Ciências Sociais (1940-1970) Era Estudo de Gestão (1970 - ) EVOLUÇÃO
  • 17. Era Econômica (1870-1940) • Por parte dos economista; • Risco; • Incertezas; • Mudanças e inovações; • ligação entre o empresário e a empresa. Era Ciências Sociais (1940- 1970) • estudiosos das áreas de psicologia e ciências sociais. • empreendedor como um indivíduos; • obras e traços de personalidade Era Estudo de Gestão (1970 - ) • Sendo marcada por mudanças políticas, econômicas e tecnológicas. • Pesquisa que envolvem oportunidades, redes de acesso à informações, aos fatores sociológicos, entre outras. EVOLUÇÃO
  • 18. Diferentes abordagens do empreendedorismo EVOLUÇÃO
  • 19. Tudo indica que o empreendedorismo é um fenômeno regional, na medida em que a cultura, as necessidades e os hábitos de uma região determinam comportamentos. Várias pesquisas têm demonstrado que os empreendedores refletem as característica de período e lugar em que vivem. EVOLUÇÃO
  • 20. Esse é o conceito que precisamos... Robert Hirsch (2007): “ é processo de criar algo diferente e com valor” “assumir riscos financeiros, psicológicos e sociais “ “obter recompensa satisfatória e econômica”
  • 21. EMPREENDENDOR? Termo utilizado para qualificar principalmente o indivíduo que apresenta de uma forma especial e inovadora de dedicação às atividades de idealização, organização, administração e execução e que resulta na transformação de conhecimentos e bens em novos produtos (mercadorias) ou serviços; Gerador de um novo método de produção (ou serviço) com o seu próprio conhecimento; É o inovador que modifica com suas atitudes qualquer área do conhecimento humano; Designa o fundador de uma empresa ou entidade que foi construída a partir de uma idéia ou projeto. COMPETÊNCIAS DO EMPREENDEDOR
  • 22. EMPREENDENDOR? Pessoa que consegue fazer as coisas acontecerem, pois: é dotado de sensibilidade para os negócios, tino financeiro e, capacidade de identificar oportunidades. Com esse arsenal, transforma idéias em realidade, para benefício próprio e para benefício da comunidade. Por ter criatividade e um alto nível de energia, o empreendedor demonstra imaginação e perseverança, aspectos que, combinados adequadamente, o habilitam a transformar uma idéia simples e mal-estruturada em algo concreto e bem-sucedido no mercado. COMPETÊNCIAS DO EMPREENDEDOR
  • 23. Segundo Mamede e Moreira (2005, p. 4), “a competência empreendedora pode ser tratada tanto como competência do indivíduo, quanto relacionada à prática administrativa, devido às diferentes tarefas que desempenham”. COMPETÊNCIAS DO EMPREENDEDOR
  • 24. As ações empreendedoras estão associadas às competências por representarem: o senso de identificação de oportunidades, a capacidade de relacionamento em rede, as habilidades conceituais, a capacidade de gestão, a facilidade de leitura,  o posicionamento em cenários conjunturais e o comprometimento com interesses individuais e da organização. COMPETÊNCIAS DO EMPREENDEDOR
  • 25. • Antonello (2005) definiu competência empreendedora como um conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes que viabilizam a um indivíduo imprimir sua visão, estratégias e ações na criação de valor (tangíveis ou intangíveis) para a sociedade. COMPETÊNCIAS DO EMPREENDEDOR
  • 26. Logo competência empreendedora como um corpo de conhecimento, área ou habilidade, qualidades pessoais ou características, atitudes ou visões, motivações ou direcionamentos que, de diferentes formas, podem contribuir para o pensamento ou ação efetiva do negócio (SNELL e LAU, 1994) e que permite a um indivíduo imprimir ações, estratégias e sua visão na criação de valor, tangível e intangível, para a sociedade (ANTONELLO, 2005). COMPETÊNCIAS DO EMPREENDEDOR
  • 27. COMPETÊNCIAS DO EMPREENDEDOR Classificação de Cooley (1990) • Busca de oportunidade e iniciativa; • Persistência; • Comprometimento; • Exigência de qualidade e eficiência; • assunção de riscos calculados; • Estabelecimento de metas; • Busca de informações; • Planejamento e monitoramento sistemáticos; • Persuasão e rede de contatos; • Independência e autoconfiança. Para Man e Lau (2000), • Competências de oportunidade; • Competências de relacionamento; • Competências conceituais; • Competências administrativas; • Competências estratégicas; • Competências de comprometimento;
  • 28. Competências de oportunidade; Relacionadas à identificação, avaliação e busca de oportunidades de negócios. • O empreendedor deve estar apto a identificar os cenários favoráveis aos objetivos organizacionais e atuar sobre as potenciais chances de negócios por meio da sua avaliação de modo a transformá- las em situações positivas” COMPETÊNCIAS DO EMPREENDEDOR
  • 29. Competências de relacionamento; • referem-se aos relacionamentos pessoais do empreendedor que podem influenciar na definição do caminho a ser seguido em um determinado negócio. Classificados em três níveis por Filion (1991) COMPETÊNCIAS DO EMPREENDEDOR contatos familiares e as pessoas mais próximas amizades e grupos sociais: clubes, religião, política, trabalho contatos com um campo de interesse; ocorrem através de viagens, cursos, exposições, feiras e congressos PRIMÁRIO SECUNDÁ RIO TERCIÁRIO
  • 30. Competências conceituais; • Capacidades de avaliar situações de risco que surgem em decorrência de suas ações em qualquer ambiente, ou seja, o empreendedor tende a correr riscos calculados (DORNELAS, 2007); • capacidade de perceber situações por ângulos diferentes e de forma positiva. Assim, a inovação permite a diferenciação e integra a dimensão conceitual da competência empreendedora. COMPETÊNCIAS DO EMPREENDEDOR
  • 31. Competências administrativas; • envolvem a eficiente alocação de talentos humanos, recursos físicos, financeiros e tecnológicos. • Para tanto é preciso que o empreendedor tenha a capacidade de planejar, organizar, comandar, motivar, delegar e controlar, enfim, de administrar o empreendimento e seus funcionários. COMPETÊNCIAS DO EMPREENDEDOR
  • 32. Competências estratégicas; • Vinculam-se à escolha e implementação das estratégias do empreendimento, nas quais os empreendedores visualizam panoramas de longo prazo e objetivos de médio e curto prazos alcançáveis e realistas, além de elaborar estimativas de viabilidade financeira e de mecanismos de controle dos seus resultados (MAN e LAU, 2000). COMPETÊNCIAS DO EMPREENDEDOR
  • 33. Competências de comprometimento; • demandam a habilidade de manter a dedicação do dirigente ao negócio, principalmente em situações adversas, além de demonstrar a dedicação do empreendedor e do seu trabalho árduo, participando de tudo o que acontece na organização, mesmo que em detrimento de sua vida pessoal. • relacionada com a capacidade que o empreendedor tem de recomeçar a atividade empresarial, mesmo após situações de insucesso, ou, então, com a disposição de não abandonar o negócio, mesmo quando ocorrem crises setoriais ou na economia. COMPETÊNCIAS DO EMPREENDEDOR
  • 34. Segundo Chiavenato (2007, p. 12), há dois estilos empreendedores que constituem os dois extremos de abordagem gerencial, a saber: Empreendedor artesão Empreendedor oportunista PERFIS DE EMPREENDEDORES
  • 35. Empreendedor artesão • Pessoa que inicia um negócio basicamente com suas habilidades técnicas e um pequeno conhecimento da gestão de negócios. Sua formação educacional limita-se ao treinamento técnico e, tem experiência técnica no trabalho, mas não dispõe de capacidade para se comunicar bem, avaliar o mercado, tomar decisões e gerir o negócio. PERFIS DE EMPREENDEDORES
  • 36. • empreendedor artesão é em geral, o mecânico que começa uma oficina independente, o profissional que trabalha em um salão de beleza e que abre um novo em outro local para aproveitar sua experiência profissional e ampliar horizontes. E se não puder se desenvolver profissional e culturalmente, será sempre um fornecedor de mão-de-obra ou de trabalho especializado. PERFIS DE EMPREENDEDORES Empreendedor artesão
  • 37. Aquele que tem educação técnica suplementada por estudo de assuntos mais amplos, como administração, economia, legislação ou línguas. Procura sempre estudar e aprender. Características evitar o paternalismo na condução da equipe; delegar autoridade às pessoas necessárias para o crescimento; empregar estratégias de marketing e esforços de vendas mais variados; obter capitalização original de mais de duas fontes de dinheiro; planejar o crescimento futuro do negócio; utilizar sistemas de registro e controle, orçamento apropriado, oferta precisa e pesquisa sistemática de mercado. PERFIS DE EMPREENDEDORES Empreendedor oportunista
  • 38. Degen (2009) apresenta as principais características de um empreendedor bem sucedido: Alguém que não se conforma com os produtos e serviços disponíveis no mercado e procura melhorá- los. Alguém que, por meio de novos produtos e serviços, procura superar os existentes no mercado. Alguém que não se intimida com as empresas estabelecidas e as desafia com o seu novo jeito de fazer as coisas. PERFIS DE EMPREENDEDORES
  • 39. • Pode-se dar como exemplo de empreendedor, segundo Dolabela (1999) Indivíduo que cria uma empresa, qualquer que seja ela. Pessoa que compra uma empresa e introduz inovações, assumindo riscos, seja na forma de administrar, vender, fabricar, distribuir, seja na forma de fazer propaganda dos seus produtos e/ou serviços, agregando novos valores. Empregado que introduz inovações em uma organização, provocando o surgimento de valores adicionais. Mas, não pode ser considerado um empreendedor uma pessoa que, por exemplo, adquire uma empresa e não faz nenhuma inovação e somente faça a sua administração. PERFIS DE EMPREENDEDORES
  • 40. Segundo Silva (2007), um empreendedor deve ter pelo menos os seguintes aspectos: Iniciativa para criar ou inovar e paixão pelo que faz. Utiliza os recursos disponíveis de forma criativa transformando o ambiente social e econômico onde vive. Aceita assumir os riscos e a possibilidade de falhar. Persistência, tenacidade e ambição. PERFIS DE EMPREENDEDORES
  • 41. “Empreendedorismo corporativo envolve dois tipos de fenômenos e de processos que os cercam: 1) o nascimento de novos negócios dentro de organizações existentes, isto é, inovações internas; e 2) a transformação das organizações através da renovação das áreas-chave sobre as quais a empresa é sustentada, ou seja, renovação estratégica.” Autores: Guth & Ginsberg (1990) EMPREENDEDORISMO CORPORTATIVO
  • 42. O empreendedor corporativo também intitulado como empreendedor interno, enxerga nos problemas e mudanças oportunidades de crescimento, estimulando os demais colaboradores a enxergarem a solução nas diversas situações. Tem sede de aprendizado e os coloca em prática, faz questão de compartilhar seus conhecimentos, identifica o momento certo para propor suas ideias e tem seus objetivos bem alinhados com os da organização. EMPREENDEDORISMO CORPORTATIVO
  • 43. Entende-se que o empreendedor start up vê a organização como algo que é dele, a qual ele se dedica intensamente em busca do seu objetivo, sem impor limites e barreiras ao processo de empreender seu modelo de negócio. EMPREENDEDORISMO START-UP
  • 44. • Start up são pequenas empresas montadas em casa ou em faculdades e que recebem pequenos aportes de capital. Elas exploram áreas inovadoras de determinado setor (mais comumente a de tecnologia), possuindo uma aceleração de crescimento muito alta já nos primeiros meses de existência em virtude de investimentos feitos por fundos de investimento especializados (LONGHI, 2011, p.1). • A definição de Longhi (2011), é a que se chega mais próxima à realidade desses empreendedores, porque realmente é muito comum esses empreendimentos começarem em casa, ou até mesmo na garagem. Este é um tipo de empreendimento que começa com custos muito baixos e os mesmo se mantêm mesmo que a empresa esteja consolidada no mercado. EMPREENDEDORISMO START-UP
  • 45. Empreendedorismo de start up difere-se do empreendedorismo corporativo, porque são negócios recém-criados, que estão em fase de desenvolvimento e pesquisa de mercado que possui alto risco envolvido no negócio; além de serem empreendimentos com baixos custos iniciais e serem altamente escaláveis. EMPREENDEDORISMO START-UP
  • 46. Este tipo de empreendedorismo caracteriza-se pela: criação de riqueza; busca de investimento junto a capitalistas de risco; cria estratégias e culturas organizacionais;  não seguem regras; atuam no horizonte de curto prazo;  e possuem passos rápidos (caos controlado). EMPREENDEDORISMO START-UP
  • 47. O intraempreendorismo é indispensável para as empresas já estabelecidas, pois recria a cultura empreendedora interna. O ambiente intraempreendedor possui as seguintes características: a empresa opera nas fronteiras da tecnologia; novas idéias são encorajadas; não há parâmetro para a oportunidade; abordagem de equipes multidisciplinar; patrocinadores e defensores do modelo; apoio da alta administração. INTRAEMPREENDEDORISMO
  • 48. • Empreendedores sociais podem trabalhar em negócios éticos, órgãos governamentais, públicos, voluntários e comunitários [...] Empreendedores sociais nunca dizem 'não pode ser feito'. (OLIVEIRA, 2004). • Segundo Rouere e Pádua (2001) os empreendedores sociais são inovadores cujo protagonismo na área social produz desenvolvimento sustentável, qualidade de vida e mudança de paradigma de atuação em benefício de comunidades menos privilegiadas. EMPREENDEDORISMO SOCIAL
  • 49. Agentes de intercâmbio da sociedade por meio de:  proposta de criação de ideias úteis para resolver problemas sociais, combinando práticas e conhecimentos de inovação, criando assim novos procedimentos e serviços;  criação de parcerias e formas/meios de auto- sustentabilidade dos projetos;  transformação das comunidades graças às associações estratégicas;  utilização de enfoques baseados no mercado para resolver os problemas sociais; EMPREENDEDORISMO SOCIAL
  • 50. identificação de novos mercados e oportunidades para financiar uma missão social. [...] características comuns aos empreendedores sociais: apontam idéias inovadoras e vêem oportunidades onde outros não vêem nada;  combinam risco e valor com critério e sabedoria;  estão acostumados a resolver problemas concretos, são visionários com sentido prático, cuja motivação é a melhoria de vida das pessoas, e trabalham 24 horas do dia para conseguir seu objetivo social”. EMPREENDEDORISMO SOCIAL