SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
EMBRIOLOGIA
ANIMAL
• Apresentam uma quantidade relativamente pequena de vitelo,
distribuída de forma mais ou menos homogênea no citoplasma.
• Esse tipo de ovo está presente nos cordados, equinodermas,
moluscos, anelídeos, nematódeos e em platelmintos.
•
•
•
•

Apresentam uma quantidade relativamente grande de vitelo, distribuída
de forma heterogênea no citoplasma ovular.
O vitelo é concentrado em um dos pólos, o chamado PÓLO
VEGETATIVO; o pólo oposto que tem menos vitelo chama-se PÓLO
ANIMAL.
É o tipo de ovo dos anfíbios.
A densidade do vitelo faz o núcleo celular se deslocar para o pólo
animal.
• Apresentam uma quantidade relativamente grande de vitelo, que
ocupa quase totalmente a célula.
• O citoplasma, contendo o núcleo, resume-se a um pequeno disco,
restrito a uma região superficial, encostada na membrana
plasmática.
• Este tipo de ovo está presente em aves, répteis e peixes.
• Apresentam uma quantidade relativamente grande de vitelo, que se
concentra na região central do ovo
• Esse tipo de ovo ocorre na maioria dos artrópodes.
Segmentação ou clivagem
•
•
•
•

Segmentação ou clivagem: série de divisões mitóticas.
Cada tipo de ovo apresenta um padrão de segmentação.
As células resultantes da segmentação do zigoto são chamadas
BLASTÔMEROS .
As divisões que ocorrem nesta fase são rápidas e logo surge um novo
estágio : MÓRULA (‘latim’=amora)
• No interior da mórula forma-se uma cavidade cheia de líquido, a
BLASTOCELE.
• Ovo oligolécito  vitelo é distribuído uniformemente entre as
células-filha = volumes aproximadamente iguais =segmentação
holoblástica e igual.
• Ovo mediolécito  distribuição desigual de vitelo = segmentação
total (holoblástica) e desigual.
• Ovo megalécito  vitelo não é distribuído entre as células- filhas,
apenas uma fina camada = segmentação parcial ou meroblástica.
Gastrulação
•

É um processo onde as células embrionárias sofrem um profundo
rearranjo, inicia-se a GASTRULAÇÃO e o embrião assume uma
complexa organização tridimensional.

•

É nesta etapa que o plano corporal é definido. As células que darão
origem aos músculos e aos órgãos internos migram para dentro do
embrião, enquanto que as células originarão a pele e o sistema
nervosos ficam na superfície.

•

A gastrulação inicia-se pela invaginação do pólo vegetativo para o
interior da blastocele que progressivamente desaparece. No final do
processo pode-se reconhecer dois folhetos (ECTODERMA e
ENDODERMA).

•

BLASTÓPORO é a comunicação do arquêntero com o meio externo e
classifica os seres vivo em DEUTEROSTÔMIOS (ex: ouriço-do-mar) e
PROTOSTÔMIOS (artrópodes, anelídeos, moluscos).
• ECTODERMA: é o folheto mais externo.
• ENDODERMA: é o folheto mais interno que delimita a cavidade do
arquêntero.
• MESODERMA: localiza-se entre o endoderma e ectoderma.
• Os únicos animais que apresentam somente dois folhetos
(endoderma e ectoderma) são os cnidários e por isso são
classificados como DIBLÁSTICOS.
Neurulação
• Posteriormente a gastrulação, a região dorsal passa por um
achatamento, formando a PLACA NEURAL. Em seguida as células
ectodérmicas das bordas multiplicam-se até recobrir a placa,
organizando as CRISTAS NEURAIS.
• A placa neural invagina-se de modo a formar a GOTEIRA OU SULCO
NEURAL, originará o TUBO NEURAL, onde se desenvolverá o
sistema nervoso central. Esse estágio do tubo neural é chamado
NÊURULA e compreende o início da organogênese.
• Simultaneamente, a mesentoderme se diferencia em MESODERMA
que forra o teto do arquêntero e ENDODERME, configurando a
formação de três folhetos embrionários.
•

Esta etapa compreende o processo de formação dos órgãos que
constituem o animal, a partir dos três folhetos.
FOLHETOS GERMINATIVOS
ECTODERMA

MESODERMA

ENDODERMA

ESTRUTURAS ORIGINADAS
EPIDERME E SEUS ANEXOS;
REVESTIMENTO BUCAL, NASAL E
ANAL; SISTEMA NERVOSOS:
ENCÉFALO, MEDULA ESPINHAL E
GÂNGLIOS; RECEPTORES SENSITIVOS
E ESMALTE DOS DENTES
DERME; MÚSCULOS ESTRIADOS E
LISOS; ESQUELETOS; SISTEMA
UROGENITAL E CIRCULATÓRIO
(CORAÇÃO, VASOS E SANGUE)
REVESTIMENTO DO TUBO
DIGESTIVO; TUBO DIGESTIVO (COM
EXCEÇÃO DAS MUCOSAS ANAL E
BUCAL); FÍGADO E PÂNCREAS;
REVESTIMENTO DA BEXIGA
URINÁRIA
Anexos
Embrionários
Conceito
São Estruturas que derivam dos folhetos germinativos,
mas que não fazem parte do corpo do embrião.
São elas:
esícula Vitelínica ( Saco Vitelínico) => Armazém dos Alimentos
mnion ( Bolsa D’água) => Proteção
órion ( Serosa) => Trocas Gasosas
lantóide => Armazena resíduos
lacenta
ordão Umbilical
Vesícula Vitelínica
É o primeiro anexo a surgir nos vertebrados e se caracteriza por ser a
fonte e nutrição do embrião que não tem contato com a mãe.
Corresponde a uma estrutura em forma de saco ligada a região ventral
do embrião. Sua principal função é armazenar reservas nutritivas .

Bem desenvolvida

Não apresenta a vesícula típica, vitelo fica nos interior dos
macrômeros
Nos mamíferos eutherios ou placentados é reduzida,
visto que a nutrição ocorre via placentária.
Nesses, é responsável pela produção das hemácias nos
primeiros estágios de vida.
Âmnion
É uma fina membrana que delimita uma bolsa repleta de líquido. O
líquido amniótico que tem por funções:
·         Evitar o ressecamento do embrião
·         Proteger contra choques mecânicos.
O âmnio representa uma importante adaptação dos répteis a vida
terrestre junto com a fecundação interna e faz parte do chamado ovo
terrestre. Esse anexo permitiu aos répteis avançar em terras secas, e
independência da água para a reprodução.
Córion
É uma membrana fina que envolve os outros anexos embrionários, é o mais
externo.
Junta-se com o alantóide para formar o alantocórion com função respiratória
em aves e répteis.

Fica sob a a casca do ovo, camada de proteção, trocas
gasosas com o embrião e o meio externo.

Une-se a parede uterina e
forma a placenta.
Alantoide
É uma membrana ligada a parte posterior do intestino do embrião.
É também uma membrana em forma de saco

Trocas gasosas, armazenamento de excretas, remoções de
sais de cálcio da casca e incorporação no esqueleto,
facilitando a saída do animal ao nascer.

É reduzido e forma o
Cordão Umbilical.
Placenta
Estrutura vascularizados mamíferos que se forma do Córion + Alantóide e
do endométrio materno.
Não é considerada por muitos autores como anexo embrionário já que
tem uma parte materna e outra fetal.
fetal
Permite a troca de substâncias entre o organismo materno e o fetal.
Nos primeiros meses de gestação, a placenta trabalha produzindo
hormônios( progesterona, estrogênios), além de substâncias de defesa
(barreira contra infecções), nutrição, respiração e excreção.
Ocorrência:
• mamíferos metatérios( marsupiais)
vivíparos com placenta rudimentar;
Ex. Taz, canguru, coala, gambá,..
• mamíferos eutérios( placentários)
vivíparos com placenta desenvolvida
• Não ocorre nos Prototérios
( monotrematas), botam ovos.
Ex.équidna e ornitorrinco)
Cordão Umbilical
É uma exclusividade dos mamíferos.
É o elemento de ligação entre o feto e a placenta materna.
Apresenta duas artérias e uma única veia, estruturas que garantem a
nutrição e respiração do embrião.
É formado a partir do alantóide e da vesícula vitelínica.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bases da reprodução aula 01 - assexuada, sexuada, ap. reprodutor masculino ...
Bases da reprodução   aula 01 - assexuada, sexuada, ap. reprodutor masculino ...Bases da reprodução   aula 01 - assexuada, sexuada, ap. reprodutor masculino ...
Bases da reprodução aula 01 - assexuada, sexuada, ap. reprodutor masculino ...
André Garrido
 
Anatomia comparada
Anatomia comparadaAnatomia comparada
Anatomia comparada
João Félix
 
Desenvolvimento embrionário dos animais 2
Desenvolvimento embrionário dos animais 2Desenvolvimento embrionário dos animais 2
Desenvolvimento embrionário dos animais 2
letyap
 
Os equinodermos
Os equinodermosOs equinodermos
Os equinodermos
DeaaSouza
 
Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)
Bio
 
Reprodução nas fêmeas bovinas endocrinologia-
Reprodução nas fêmeas bovinas  endocrinologia-Reprodução nas fêmeas bovinas  endocrinologia-
Reprodução nas fêmeas bovinas endocrinologia-
Pedro Carvalho
 
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Bio
 

Mais procurados (20)

TIPOS DE REPRODUÇÃO
TIPOS DE REPRODUÇÃOTIPOS DE REPRODUÇÃO
TIPOS DE REPRODUÇÃO
 
Eimeria
EimeriaEimeria
Eimeria
 
Mollusca
MolluscaMollusca
Mollusca
 
Bases da reprodução aula 01 - assexuada, sexuada, ap. reprodutor masculino ...
Bases da reprodução   aula 01 - assexuada, sexuada, ap. reprodutor masculino ...Bases da reprodução   aula 01 - assexuada, sexuada, ap. reprodutor masculino ...
Bases da reprodução aula 01 - assexuada, sexuada, ap. reprodutor masculino ...
 
2EM #06 Platelmintos: doenças
2EM #06 Platelmintos: doenças2EM #06 Platelmintos: doenças
2EM #06 Platelmintos: doenças
 
Sistema reprodutor feminino Animal
Sistema reprodutor feminino AnimalSistema reprodutor feminino Animal
Sistema reprodutor feminino Animal
 
Cordados
CordadosCordados
Cordados
 
Anatomia comparada
Anatomia comparadaAnatomia comparada
Anatomia comparada
 
Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
 
Peixes - Ensino Fundamental
Peixes - Ensino FundamentalPeixes - Ensino Fundamental
Peixes - Ensino Fundamental
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 
Fisiologia da glândula mamaria
Fisiologia da glândula mamariaFisiologia da glândula mamaria
Fisiologia da glândula mamaria
 
Desenvolvimento embrionário dos animais 2
Desenvolvimento embrionário dos animais 2Desenvolvimento embrionário dos animais 2
Desenvolvimento embrionário dos animais 2
 
281 736 vertebrados
281 736 vertebrados281 736 vertebrados
281 736 vertebrados
 
Os equinodermos
Os equinodermosOs equinodermos
Os equinodermos
 
Sistema reprodutor - Anatomia veterinária
Sistema reprodutor - Anatomia veterináriaSistema reprodutor - Anatomia veterinária
Sistema reprodutor - Anatomia veterinária
 
Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)
 
Reprodução nas fêmeas bovinas endocrinologia-
Reprodução nas fêmeas bovinas  endocrinologia-Reprodução nas fêmeas bovinas  endocrinologia-
Reprodução nas fêmeas bovinas endocrinologia-
 
Reino Animalia
Reino AnimaliaReino Animalia
Reino Animalia
 
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
 

Destaque

Sistema imune 2011
Sistema imune 2011Sistema imune 2011
Sistema imune 2011
BriefCase
 
Pptcelulas2010
Pptcelulas2010Pptcelulas2010
Pptcelulas2010
vralarco
 
Citologia embriologia animal
Citologia   embriologia animalCitologia   embriologia animal
Citologia embriologia animal
Marcos Lopes
 
Apresentação biologia, ju e bi
Apresentação biologia, ju e biApresentação biologia, ju e bi
Apresentação biologia, ju e bi
Roberto Bagatini
 

Destaque (20)

Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Embriologia animal
Embriologia animalEmbriologia animal
Embriologia animal
 
Mapa conceitual embriologia
Mapa conceitual embriologiaMapa conceitual embriologia
Mapa conceitual embriologia
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Sistema imune 2011
Sistema imune 2011Sistema imune 2011
Sistema imune 2011
 
Pptcelulas2010
Pptcelulas2010Pptcelulas2010
Pptcelulas2010
 
8º Ano Thays e Raquel
8º Ano Thays e Raquel8º Ano Thays e Raquel
8º Ano Thays e Raquel
 
LíNgua
LíNguaLíNgua
LíNgua
 
Embriologia Animal-slide
Embriologia Animal-slideEmbriologia Animal-slide
Embriologia Animal-slide
 
Gametogênese e Embriologia
Gametogênese e EmbriologiaGametogênese e Embriologia
Gametogênese e Embriologia
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
MC2 - SINTESE PROTEICA
MC2 - SINTESE PROTEICAMC2 - SINTESE PROTEICA
MC2 - SINTESE PROTEICA
 
Celula C - PEC - Embriologia
Celula C - PEC - Embriologia Celula C - PEC - Embriologia
Celula C - PEC - Embriologia
 
Organelas celulares
Organelas celularesOrganelas celulares
Organelas celulares
 
1a aula noções embriologia e sist reprod
1a aula   noções embriologia e sist reprod1a aula   noções embriologia e sist reprod
1a aula noções embriologia e sist reprod
 
Aula14 embriologia
Aula14 embriologiaAula14 embriologia
Aula14 embriologia
 
Citologia embriologia animal
Citologia   embriologia animalCitologia   embriologia animal
Citologia embriologia animal
 
Apresentação biologia, ju e bi
Apresentação biologia, ju e biApresentação biologia, ju e bi
Apresentação biologia, ju e bi
 
Bioma 6ªresumo
Bioma 6ªresumoBioma 6ªresumo
Bioma 6ªresumo
 
Fluxo De Energia
Fluxo De EnergiaFluxo De Energia
Fluxo De Energia
 

Semelhante a Embriologia

desenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdf
desenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdfdesenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdf
desenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdf
RhuanPablo26
 
Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)
Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)
Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)
Bio
 
M2 de biologia embriologia animal
M2 de biologia embriologia animalM2 de biologia embriologia animal
M2 de biologia embriologia animal
Gabriela Costa
 
Apresentação de biologia
Apresentação de biologiaApresentação de biologia
Apresentação de biologia
Roberto Bagatini
 

Semelhante a Embriologia (20)

Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Embriogênese
EmbriogêneseEmbriogênese
Embriogênese
 
Embriogenese
EmbriogeneseEmbriogenese
Embriogenese
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
embriologia animal.pptx
embriologia animal.pptxembriologia animal.pptx
embriologia animal.pptx
 
Embriologia animal
Embriologia animalEmbriologia animal
Embriologia animal
 
desenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdf
desenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdfdesenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdf
desenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdf
 
Embriologia cic damas
Embriologia cic damasEmbriologia cic damas
Embriologia cic damas
 
Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)
Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)
Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
M2 de biologia embriologia animal
M2 de biologia embriologia animalM2 de biologia embriologia animal
M2 de biologia embriologia animal
 
3. embriogênese
3. embriogênese3. embriogênese
3. embriogênese
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
 
Filo dos Artrópodes - FILO ARTHROPODA - Características Gerais
Filo dos Artrópodes - FILO ARTHROPODA - Características GeraisFilo dos Artrópodes - FILO ARTHROPODA - Características Gerais
Filo dos Artrópodes - FILO ARTHROPODA - Características Gerais
 
Template Harry Potter de rivas.pptx
Template Harry Potter de rivas.pptxTemplate Harry Potter de rivas.pptx
Template Harry Potter de rivas.pptx
 
Apresentação de biologia
Apresentação de biologiaApresentação de biologia
Apresentação de biologia
 
Diversidade animal
Diversidade animalDiversidade animal
Diversidade animal
 

Último

Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 

Último (20)

Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 

Embriologia

  • 2.
  • 3. • Apresentam uma quantidade relativamente pequena de vitelo, distribuída de forma mais ou menos homogênea no citoplasma. • Esse tipo de ovo está presente nos cordados, equinodermas, moluscos, anelídeos, nematódeos e em platelmintos.
  • 4. • • • • Apresentam uma quantidade relativamente grande de vitelo, distribuída de forma heterogênea no citoplasma ovular. O vitelo é concentrado em um dos pólos, o chamado PÓLO VEGETATIVO; o pólo oposto que tem menos vitelo chama-se PÓLO ANIMAL. É o tipo de ovo dos anfíbios. A densidade do vitelo faz o núcleo celular se deslocar para o pólo animal.
  • 5. • Apresentam uma quantidade relativamente grande de vitelo, que ocupa quase totalmente a célula. • O citoplasma, contendo o núcleo, resume-se a um pequeno disco, restrito a uma região superficial, encostada na membrana plasmática. • Este tipo de ovo está presente em aves, répteis e peixes.
  • 6. • Apresentam uma quantidade relativamente grande de vitelo, que se concentra na região central do ovo • Esse tipo de ovo ocorre na maioria dos artrópodes.
  • 8. • • • • Segmentação ou clivagem: série de divisões mitóticas. Cada tipo de ovo apresenta um padrão de segmentação. As células resultantes da segmentação do zigoto são chamadas BLASTÔMEROS . As divisões que ocorrem nesta fase são rápidas e logo surge um novo estágio : MÓRULA (‘latim’=amora)
  • 9. • No interior da mórula forma-se uma cavidade cheia de líquido, a BLASTOCELE. • Ovo oligolécito  vitelo é distribuído uniformemente entre as células-filha = volumes aproximadamente iguais =segmentação holoblástica e igual. • Ovo mediolécito  distribuição desigual de vitelo = segmentação total (holoblástica) e desigual. • Ovo megalécito  vitelo não é distribuído entre as células- filhas, apenas uma fina camada = segmentação parcial ou meroblástica.
  • 10.
  • 11.
  • 12. Gastrulação • É um processo onde as células embrionárias sofrem um profundo rearranjo, inicia-se a GASTRULAÇÃO e o embrião assume uma complexa organização tridimensional. • É nesta etapa que o plano corporal é definido. As células que darão origem aos músculos e aos órgãos internos migram para dentro do embrião, enquanto que as células originarão a pele e o sistema nervosos ficam na superfície. • A gastrulação inicia-se pela invaginação do pólo vegetativo para o interior da blastocele que progressivamente desaparece. No final do processo pode-se reconhecer dois folhetos (ECTODERMA e ENDODERMA). • BLASTÓPORO é a comunicação do arquêntero com o meio externo e classifica os seres vivo em DEUTEROSTÔMIOS (ex: ouriço-do-mar) e PROTOSTÔMIOS (artrópodes, anelídeos, moluscos).
  • 13. • ECTODERMA: é o folheto mais externo. • ENDODERMA: é o folheto mais interno que delimita a cavidade do arquêntero. • MESODERMA: localiza-se entre o endoderma e ectoderma. • Os únicos animais que apresentam somente dois folhetos (endoderma e ectoderma) são os cnidários e por isso são classificados como DIBLÁSTICOS.
  • 14.
  • 15. Neurulação • Posteriormente a gastrulação, a região dorsal passa por um achatamento, formando a PLACA NEURAL. Em seguida as células ectodérmicas das bordas multiplicam-se até recobrir a placa, organizando as CRISTAS NEURAIS. • A placa neural invagina-se de modo a formar a GOTEIRA OU SULCO NEURAL, originará o TUBO NEURAL, onde se desenvolverá o sistema nervoso central. Esse estágio do tubo neural é chamado NÊURULA e compreende o início da organogênese. • Simultaneamente, a mesentoderme se diferencia em MESODERMA que forra o teto do arquêntero e ENDODERME, configurando a formação de três folhetos embrionários.
  • 16.
  • 17. • Esta etapa compreende o processo de formação dos órgãos que constituem o animal, a partir dos três folhetos. FOLHETOS GERMINATIVOS ECTODERMA MESODERMA ENDODERMA ESTRUTURAS ORIGINADAS EPIDERME E SEUS ANEXOS; REVESTIMENTO BUCAL, NASAL E ANAL; SISTEMA NERVOSOS: ENCÉFALO, MEDULA ESPINHAL E GÂNGLIOS; RECEPTORES SENSITIVOS E ESMALTE DOS DENTES DERME; MÚSCULOS ESTRIADOS E LISOS; ESQUELETOS; SISTEMA UROGENITAL E CIRCULATÓRIO (CORAÇÃO, VASOS E SANGUE) REVESTIMENTO DO TUBO DIGESTIVO; TUBO DIGESTIVO (COM EXCEÇÃO DAS MUCOSAS ANAL E BUCAL); FÍGADO E PÂNCREAS; REVESTIMENTO DA BEXIGA URINÁRIA
  • 18.
  • 20. Conceito São Estruturas que derivam dos folhetos germinativos, mas que não fazem parte do corpo do embrião. São elas: esícula Vitelínica ( Saco Vitelínico) => Armazém dos Alimentos mnion ( Bolsa D’água) => Proteção órion ( Serosa) => Trocas Gasosas lantóide => Armazena resíduos lacenta ordão Umbilical
  • 21. Vesícula Vitelínica É o primeiro anexo a surgir nos vertebrados e se caracteriza por ser a fonte e nutrição do embrião que não tem contato com a mãe. Corresponde a uma estrutura em forma de saco ligada a região ventral do embrião. Sua principal função é armazenar reservas nutritivas . Bem desenvolvida Não apresenta a vesícula típica, vitelo fica nos interior dos macrômeros Nos mamíferos eutherios ou placentados é reduzida, visto que a nutrição ocorre via placentária. Nesses, é responsável pela produção das hemácias nos primeiros estágios de vida.
  • 22. Âmnion É uma fina membrana que delimita uma bolsa repleta de líquido. O líquido amniótico que tem por funções: ·         Evitar o ressecamento do embrião ·         Proteger contra choques mecânicos. O âmnio representa uma importante adaptação dos répteis a vida terrestre junto com a fecundação interna e faz parte do chamado ovo terrestre. Esse anexo permitiu aos répteis avançar em terras secas, e independência da água para a reprodução.
  • 23. Córion É uma membrana fina que envolve os outros anexos embrionários, é o mais externo. Junta-se com o alantóide para formar o alantocórion com função respiratória em aves e répteis. Fica sob a a casca do ovo, camada de proteção, trocas gasosas com o embrião e o meio externo. Une-se a parede uterina e forma a placenta.
  • 24. Alantoide É uma membrana ligada a parte posterior do intestino do embrião. É também uma membrana em forma de saco Trocas gasosas, armazenamento de excretas, remoções de sais de cálcio da casca e incorporação no esqueleto, facilitando a saída do animal ao nascer. É reduzido e forma o Cordão Umbilical.
  • 25. Placenta Estrutura vascularizados mamíferos que se forma do Córion + Alantóide e do endométrio materno. Não é considerada por muitos autores como anexo embrionário já que tem uma parte materna e outra fetal. fetal Permite a troca de substâncias entre o organismo materno e o fetal. Nos primeiros meses de gestação, a placenta trabalha produzindo hormônios( progesterona, estrogênios), além de substâncias de defesa (barreira contra infecções), nutrição, respiração e excreção. Ocorrência: • mamíferos metatérios( marsupiais) vivíparos com placenta rudimentar; Ex. Taz, canguru, coala, gambá,.. • mamíferos eutérios( placentários) vivíparos com placenta desenvolvida • Não ocorre nos Prototérios ( monotrematas), botam ovos. Ex.équidna e ornitorrinco)
  • 26. Cordão Umbilical É uma exclusividade dos mamíferos. É o elemento de ligação entre o feto e a placenta materna. Apresenta duas artérias e uma única veia, estruturas que garantem a nutrição e respiração do embrião. É formado a partir do alantóide e da vesícula vitelínica.