SlideShare uma empresa Scribd logo
EMBRIOLOGIA
ANIMAL
• Apresentam uma quantidade relativamente pequena de vitelo,
distribuída de forma mais ou menos homogênea no citoplasma.
• Esse tipo de ovo está presente nos cordados, equinodermas,
moluscos, anelídeos, nematódeos e em platelmintos.
•
•
•
•

Apresentam uma quantidade relativamente grande de vitelo, distribuída
de forma heterogênea no citoplasma ovular.
O vitelo é concentrado em um dos pólos, o chamado PÓLO
VEGETATIVO; o pólo oposto que tem menos vitelo chama-se PÓLO
ANIMAL.
É o tipo de ovo dos anfíbios.
A densidade do vitelo faz o núcleo celular se deslocar para o pólo
animal.
• Apresentam uma quantidade relativamente grande de vitelo, que
ocupa quase totalmente a célula.
• O citoplasma, contendo o núcleo, resume-se a um pequeno disco,
restrito a uma região superficial, encostada na membrana
plasmática.
• Este tipo de ovo está presente em aves, répteis e peixes.
• Apresentam uma quantidade relativamente grande de vitelo, que se
concentra na região central do ovo
• Esse tipo de ovo ocorre na maioria dos artrópodes.
Segmentação ou clivagem
•
•
•
•

Segmentação ou clivagem: série de divisões mitóticas.
Cada tipo de ovo apresenta um padrão de segmentação.
As células resultantes da segmentação do zigoto são chamadas
BLASTÔMEROS .
As divisões que ocorrem nesta fase são rápidas e logo surge um novo
estágio : MÓRULA (‘latim’=amora)
• No interior da mórula forma-se uma cavidade cheia de líquido, a
BLASTOCELE.
• Ovo oligolécito  vitelo é distribuído uniformemente entre as
células-filha = volumes aproximadamente iguais =segmentação
holoblástica e igual.
• Ovo mediolécito  distribuição desigual de vitelo = segmentação
total (holoblástica) e desigual.
• Ovo megalécito  vitelo não é distribuído entre as células- filhas,
apenas uma fina camada = segmentação parcial ou meroblástica.
Gastrulação
•

É um processo onde as células embrionárias sofrem um profundo
rearranjo, inicia-se a GASTRULAÇÃO e o embrião assume uma
complexa organização tridimensional.

•

É nesta etapa que o plano corporal é definido. As células que darão
origem aos músculos e aos órgãos internos migram para dentro do
embrião, enquanto que as células originarão a pele e o sistema
nervosos ficam na superfície.

•

A gastrulação inicia-se pela invaginação do pólo vegetativo para o
interior da blastocele que progressivamente desaparece. No final do
processo pode-se reconhecer dois folhetos (ECTODERMA e
ENDODERMA).

•

BLASTÓPORO é a comunicação do arquêntero com o meio externo e
classifica os seres vivo em DEUTEROSTÔMIOS (ex: ouriço-do-mar) e
PROTOSTÔMIOS (artrópodes, anelídeos, moluscos).
• ECTODERMA: é o folheto mais externo.
• ENDODERMA: é o folheto mais interno que delimita a cavidade do
arquêntero.
• MESODERMA: localiza-se entre o endoderma e ectoderma.
• Os únicos animais que apresentam somente dois folhetos
(endoderma e ectoderma) são os cnidários e por isso são
classificados como DIBLÁSTICOS.
Neurulação
• Posteriormente a gastrulação, a região dorsal passa por um
achatamento, formando a PLACA NEURAL. Em seguida as células
ectodérmicas das bordas multiplicam-se até recobrir a placa,
organizando as CRISTAS NEURAIS.
• A placa neural invagina-se de modo a formar a GOTEIRA OU SULCO
NEURAL, originará o TUBO NEURAL, onde se desenvolverá o
sistema nervoso central. Esse estágio do tubo neural é chamado
NÊURULA e compreende o início da organogênese.
• Simultaneamente, a mesentoderme se diferencia em MESODERMA
que forra o teto do arquêntero e ENDODERME, configurando a
formação de três folhetos embrionários.
•

Esta etapa compreende o processo de formação dos órgãos que
constituem o animal, a partir dos três folhetos.
FOLHETOS GERMINATIVOS
ECTODERMA

MESODERMA

ENDODERMA

ESTRUTURAS ORIGINADAS
EPIDERME E SEUS ANEXOS;
REVESTIMENTO BUCAL, NASAL E
ANAL; SISTEMA NERVOSOS:
ENCÉFALO, MEDULA ESPINHAL E
GÂNGLIOS; RECEPTORES SENSITIVOS
E ESMALTE DOS DENTES
DERME; MÚSCULOS ESTRIADOS E
LISOS; ESQUELETOS; SISTEMA
UROGENITAL E CIRCULATÓRIO
(CORAÇÃO, VASOS E SANGUE)
REVESTIMENTO DO TUBO
DIGESTIVO; TUBO DIGESTIVO (COM
EXCEÇÃO DAS MUCOSAS ANAL E
BUCAL); FÍGADO E PÂNCREAS;
REVESTIMENTO DA BEXIGA
URINÁRIA
Anexos
Embrionários
Conceito
São Estruturas que derivam dos folhetos germinativos,
mas que não fazem parte do corpo do embrião.
São elas:
esícula Vitelínica ( Saco Vitelínico) => Armazém dos Alimentos
mnion ( Bolsa D’água) => Proteção
órion ( Serosa) => Trocas Gasosas
lantóide => Armazena resíduos
lacenta
ordão Umbilical
Vesícula Vitelínica
É o primeiro anexo a surgir nos vertebrados e se caracteriza por ser a
fonte e nutrição do embrião que não tem contato com a mãe.
Corresponde a uma estrutura em forma de saco ligada a região ventral
do embrião. Sua principal função é armazenar reservas nutritivas .

Bem desenvolvida

Não apresenta a vesícula típica, vitelo fica nos interior dos
macrômeros
Nos mamíferos eutherios ou placentados é reduzida,
visto que a nutrição ocorre via placentária.
Nesses, é responsável pela produção das hemácias nos
primeiros estágios de vida.
Âmnion
É uma fina membrana que delimita uma bolsa repleta de líquido. O
líquido amniótico que tem por funções:
·         Evitar o ressecamento do embrião
·         Proteger contra choques mecânicos.
O âmnio representa uma importante adaptação dos répteis a vida
terrestre junto com a fecundação interna e faz parte do chamado ovo
terrestre. Esse anexo permitiu aos répteis avançar em terras secas, e
independência da água para a reprodução.
Córion
É uma membrana fina que envolve os outros anexos embrionários, é o mais
externo.
Junta-se com o alantóide para formar o alantocórion com função respiratória
em aves e répteis.

Fica sob a a casca do ovo, camada de proteção, trocas
gasosas com o embrião e o meio externo.

Une-se a parede uterina e
forma a placenta.
Alantoide
É uma membrana ligada a parte posterior do intestino do embrião.
É também uma membrana em forma de saco

Trocas gasosas, armazenamento de excretas, remoções de
sais de cálcio da casca e incorporação no esqueleto,
facilitando a saída do animal ao nascer.

É reduzido e forma o
Cordão Umbilical.
Placenta
Estrutura vascularizados mamíferos que se forma do Córion + Alantóide e
do endométrio materno.
Não é considerada por muitos autores como anexo embrionário já que
tem uma parte materna e outra fetal.
fetal
Permite a troca de substâncias entre o organismo materno e o fetal.
Nos primeiros meses de gestação, a placenta trabalha produzindo
hormônios( progesterona, estrogênios), além de substâncias de defesa
(barreira contra infecções), nutrição, respiração e excreção.
Ocorrência:
• mamíferos metatérios( marsupiais)
vivíparos com placenta rudimentar;
Ex. Taz, canguru, coala, gambá,..
• mamíferos eutérios( placentários)
vivíparos com placenta desenvolvida
• Não ocorre nos Prototérios
( monotrematas), botam ovos.
Ex.équidna e ornitorrinco)
Cordão Umbilical
É uma exclusividade dos mamíferos.
É o elemento de ligação entre o feto e a placenta materna.
Apresenta duas artérias e uma única veia, estruturas que garantem a
nutrição e respiração do embrião.
É formado a partir do alantóide e da vesícula vitelínica.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Miologia - anatomia veterinária I
Miologia - anatomia veterinária IMiologia - anatomia veterinária I
Miologia - anatomia veterinária I
Marília Gomes
 
Histologia TECIDO EPITELIAL ENSINO MEDIO
Histologia TECIDO EPITELIAL ENSINO MEDIOHistologia TECIDO EPITELIAL ENSINO MEDIO
Histologia TECIDO EPITELIAL ENSINO MEDIO
Josy Grossklaus
 
Técnicas histológicas – biologia celular
Técnicas histológicas – biologia celularTécnicas histológicas – biologia celular
Técnicas histológicas – biologia celular
Filipe Augusto Gonçalves de Melo
 
Histologia
HistologiaHistologia
Histologia
Paulo Sergio
 
Especiação
EspeciaçãoEspeciação
Especiação
URCA
 
Histologia animal
Histologia animalHistologia animal
Histologia animal
MARCIAMP
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia animal
Embriologia animalEmbriologia animal
Embriologia animal
Thiago Benevides
 
Tipos de reprodução
Tipos de reproduçãoTipos de reprodução
Tipos de reprodução
URCA
 
Tecido epitelial
Tecido epitelialTecido epitelial
Tecido epitelial
Caio Maximino
 
Filo platyhelminthes e Nematoda
Filo platyhelminthes e NematodaFilo platyhelminthes e Nematoda
Filo platyhelminthes e Nematoda
Gabriel Lopes (Guma)
 
Tecido muscular
Tecido muscularTecido muscular
Tecido muscular
DeaaSouza
 
Aula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humana
Aula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humanaAula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humana
Aula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humana
Ronaldo Santana
 
Bactériasaula raquel
Bactériasaula raquelBactériasaula raquel
Bactériasaula raquel
Raquel Freiry
 
Cordados- Zoologia dos Vertebrados
Cordados- Zoologia dos VertebradosCordados- Zoologia dos Vertebrados
Cordados- Zoologia dos Vertebrados
Carlos Priante
 
Reprodução dos animais
Reprodução dos animaisReprodução dos animais
Reprodução dos animais
Roberto Bagatini
 
Introdução a citologia
Introdução a citologiaIntrodução a citologia
Introdução a citologiaemanuel
 
Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!
Rosalia Azambuja
 
Virologia - Super super med
Virologia - Super super medVirologia - Super super med
Virologia - Super super med
emanuel
 
Tecido cartilaginoso
Tecido cartilaginosoTecido cartilaginoso
Tecido cartilaginoso
samuelalves
 

Mais procurados (20)

Miologia - anatomia veterinária I
Miologia - anatomia veterinária IMiologia - anatomia veterinária I
Miologia - anatomia veterinária I
 
Histologia TECIDO EPITELIAL ENSINO MEDIO
Histologia TECIDO EPITELIAL ENSINO MEDIOHistologia TECIDO EPITELIAL ENSINO MEDIO
Histologia TECIDO EPITELIAL ENSINO MEDIO
 
Técnicas histológicas – biologia celular
Técnicas histológicas – biologia celularTécnicas histológicas – biologia celular
Técnicas histológicas – biologia celular
 
Histologia
HistologiaHistologia
Histologia
 
Especiação
EspeciaçãoEspeciação
Especiação
 
Histologia animal
Histologia animalHistologia animal
Histologia animal
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Embriologia animal
Embriologia animalEmbriologia animal
Embriologia animal
 
Tipos de reprodução
Tipos de reproduçãoTipos de reprodução
Tipos de reprodução
 
Tecido epitelial
Tecido epitelialTecido epitelial
Tecido epitelial
 
Filo platyhelminthes e Nematoda
Filo platyhelminthes e NematodaFilo platyhelminthes e Nematoda
Filo platyhelminthes e Nematoda
 
Tecido muscular
Tecido muscularTecido muscular
Tecido muscular
 
Aula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humana
Aula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humanaAula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humana
Aula 1º Ano Ensino Médio: Histologia animal/humana
 
Bactériasaula raquel
Bactériasaula raquelBactériasaula raquel
Bactériasaula raquel
 
Cordados- Zoologia dos Vertebrados
Cordados- Zoologia dos VertebradosCordados- Zoologia dos Vertebrados
Cordados- Zoologia dos Vertebrados
 
Reprodução dos animais
Reprodução dos animaisReprodução dos animais
Reprodução dos animais
 
Introdução a citologia
Introdução a citologiaIntrodução a citologia
Introdução a citologia
 
Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!
 
Virologia - Super super med
Virologia - Super super medVirologia - Super super med
Virologia - Super super med
 
Tecido cartilaginoso
Tecido cartilaginosoTecido cartilaginoso
Tecido cartilaginoso
 

Destaque

Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
Pedro Tavares
 
Embriologia animal
Embriologia animalEmbriologia animal
Embriologia animal
Ronaldo Santana
 
Mapa conceitual embriologia
Mapa conceitual embriologiaMapa conceitual embriologia
Mapa conceitual embriologia
Alisson pereira
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
guest51ff04
 
Sistema imune 2011
Sistema imune 2011Sistema imune 2011
Sistema imune 2011
BriefCase
 
Pptcelulas2010
Pptcelulas2010Pptcelulas2010
Pptcelulas2010
vralarco
 
8º Ano Thays e Raquel
8º Ano Thays e Raquel8º Ano Thays e Raquel
8º Ano Thays e Raquel
E. M. Célia Rabelo
 
LíNgua
LíNguaLíNgua
Embriologia Animal-slide
Embriologia Animal-slideEmbriologia Animal-slide
Embriologia Animal-slide
Zozois Pereira
 
Gametogênese e Embriologia
Gametogênese e EmbriologiaGametogênese e Embriologia
Gametogênese e Embriologia
Cláudia Padao Rovani
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
Edpositivo
 
MC2 - SINTESE PROTEICA
MC2 - SINTESE PROTEICAMC2 - SINTESE PROTEICA
MC2 - SINTESE PROTEICA
sandranascimento
 
Celula C - PEC - Embriologia
Celula C - PEC - Embriologia Celula C - PEC - Embriologia
Celula C - PEC - Embriologia
Thiago Tavares
 
Organelas celulares
Organelas celularesOrganelas celulares
Organelas celulares
Larissa Yamazaki
 
1a aula noções embriologia e sist reprod
1a aula   noções embriologia e sist reprod1a aula   noções embriologia e sist reprod
1a aula noções embriologia e sist reprod
Ana Paula Rangel Pereira
 
Aula14 embriologia
Aula14 embriologiaAula14 embriologia
Citologia embriologia animal
Citologia   embriologia animalCitologia   embriologia animal
Citologia embriologia animal
Marcos Lopes
 
Apresentação biologia, ju e bi
Apresentação biologia, ju e biApresentação biologia, ju e bi
Apresentação biologia, ju e bi
Roberto Bagatini
 
Bioma 6ªresumo
Bioma 6ªresumoBioma 6ªresumo
Bioma 6ªresumo
edna2
 
Fluxo De Energia
Fluxo De EnergiaFluxo De Energia
Fluxo De Energia
ernanemartins
 

Destaque (20)

Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Embriologia animal
Embriologia animalEmbriologia animal
Embriologia animal
 
Mapa conceitual embriologia
Mapa conceitual embriologiaMapa conceitual embriologia
Mapa conceitual embriologia
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Sistema imune 2011
Sistema imune 2011Sistema imune 2011
Sistema imune 2011
 
Pptcelulas2010
Pptcelulas2010Pptcelulas2010
Pptcelulas2010
 
8º Ano Thays e Raquel
8º Ano Thays e Raquel8º Ano Thays e Raquel
8º Ano Thays e Raquel
 
LíNgua
LíNguaLíNgua
LíNgua
 
Embriologia Animal-slide
Embriologia Animal-slideEmbriologia Animal-slide
Embriologia Animal-slide
 
Gametogênese e Embriologia
Gametogênese e EmbriologiaGametogênese e Embriologia
Gametogênese e Embriologia
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
MC2 - SINTESE PROTEICA
MC2 - SINTESE PROTEICAMC2 - SINTESE PROTEICA
MC2 - SINTESE PROTEICA
 
Celula C - PEC - Embriologia
Celula C - PEC - Embriologia Celula C - PEC - Embriologia
Celula C - PEC - Embriologia
 
Organelas celulares
Organelas celularesOrganelas celulares
Organelas celulares
 
1a aula noções embriologia e sist reprod
1a aula   noções embriologia e sist reprod1a aula   noções embriologia e sist reprod
1a aula noções embriologia e sist reprod
 
Aula14 embriologia
Aula14 embriologiaAula14 embriologia
Aula14 embriologia
 
Citologia embriologia animal
Citologia   embriologia animalCitologia   embriologia animal
Citologia embriologia animal
 
Apresentação biologia, ju e bi
Apresentação biologia, ju e biApresentação biologia, ju e bi
Apresentação biologia, ju e bi
 
Bioma 6ªresumo
Bioma 6ªresumoBioma 6ªresumo
Bioma 6ªresumo
 
Fluxo De Energia
Fluxo De EnergiaFluxo De Energia
Fluxo De Energia
 

Semelhante a Embriologia

Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
Altair Hoepers
 
Embriogênese
EmbriogêneseEmbriogênese
Embriogênese
César Milani
 
Embriogênese
EmbriogêneseEmbriogênese
Embriogênese
Gessica Sousa
 
Embriogenese
EmbriogeneseEmbriogenese
Embriogenese
César Milani
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
Roberta Almeida
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
andreepinto
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
Roberto Bagatini
 
Desenvolvimento embrionário dos animais 2
Desenvolvimento embrionário dos animais 2Desenvolvimento embrionário dos animais 2
Desenvolvimento embrionário dos animais 2
letyap
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
andreepinto
 
embriologia animal.pptx
embriologia animal.pptxembriologia animal.pptx
embriologia animal.pptx
RhuanPablo26
 
Embriologia animal
Embriologia animalEmbriologia animal
Embriologia animal
Werner Mendoza Blanco
 
desenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdf
desenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdfdesenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdf
desenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdf
RhuanPablo26
 
Embriologia cic damas
Embriologia cic damasEmbriologia cic damas
Embriologia cic damas
Wagner Freitas
 
Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)
Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)
Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)
Bio
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
Adrianne Mendonça
 
M2 de biologia embriologia animal
M2 de biologia embriologia animalM2 de biologia embriologia animal
M2 de biologia embriologia animal
Gabriela Costa
 
3. embriogênese
3. embriogênese3. embriogênese
3. embriogênese
Maria Jaqueline Mesquita
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Filo dos Artrópodes - FILO ARTHROPODA - Características Gerais
Filo dos Artrópodes - FILO ARTHROPODA - Características GeraisFilo dos Artrópodes - FILO ARTHROPODA - Características Gerais
Filo dos Artrópodes - FILO ARTHROPODA - Características Gerais
nivaldojunior54
 
Template Harry Potter de rivas.pptx
Template Harry Potter de rivas.pptxTemplate Harry Potter de rivas.pptx
Template Harry Potter de rivas.pptx
DaniSantana26
 

Semelhante a Embriologia (20)

Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Embriogênese
EmbriogêneseEmbriogênese
Embriogênese
 
Embriogênese
EmbriogêneseEmbriogênese
Embriogênese
 
Embriogenese
EmbriogeneseEmbriogenese
Embriogenese
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Desenvolvimento embrionário dos animais 2
Desenvolvimento embrionário dos animais 2Desenvolvimento embrionário dos animais 2
Desenvolvimento embrionário dos animais 2
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
embriologia animal.pptx
embriologia animal.pptxembriologia animal.pptx
embriologia animal.pptx
 
Embriologia animal
Embriologia animalEmbriologia animal
Embriologia animal
 
desenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdf
desenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdfdesenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdf
desenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdf
 
Embriologia cic damas
Embriologia cic damasEmbriologia cic damas
Embriologia cic damas
 
Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)
Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)
Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
M2 de biologia embriologia animal
M2 de biologia embriologia animalM2 de biologia embriologia animal
M2 de biologia embriologia animal
 
3. embriogênese
3. embriogênese3. embriogênese
3. embriogênese
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
 
Filo dos Artrópodes - FILO ARTHROPODA - Características Gerais
Filo dos Artrópodes - FILO ARTHROPODA - Características GeraisFilo dos Artrópodes - FILO ARTHROPODA - Características Gerais
Filo dos Artrópodes - FILO ARTHROPODA - Características Gerais
 
Template Harry Potter de rivas.pptx
Template Harry Potter de rivas.pptxTemplate Harry Potter de rivas.pptx
Template Harry Potter de rivas.pptx
 

Último

formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
y6zh7bvphf
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Pastor Robson Colaço
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 

Último (20)

formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 

Embriologia

  • 2.
  • 3. • Apresentam uma quantidade relativamente pequena de vitelo, distribuída de forma mais ou menos homogênea no citoplasma. • Esse tipo de ovo está presente nos cordados, equinodermas, moluscos, anelídeos, nematódeos e em platelmintos.
  • 4. • • • • Apresentam uma quantidade relativamente grande de vitelo, distribuída de forma heterogênea no citoplasma ovular. O vitelo é concentrado em um dos pólos, o chamado PÓLO VEGETATIVO; o pólo oposto que tem menos vitelo chama-se PÓLO ANIMAL. É o tipo de ovo dos anfíbios. A densidade do vitelo faz o núcleo celular se deslocar para o pólo animal.
  • 5. • Apresentam uma quantidade relativamente grande de vitelo, que ocupa quase totalmente a célula. • O citoplasma, contendo o núcleo, resume-se a um pequeno disco, restrito a uma região superficial, encostada na membrana plasmática. • Este tipo de ovo está presente em aves, répteis e peixes.
  • 6. • Apresentam uma quantidade relativamente grande de vitelo, que se concentra na região central do ovo • Esse tipo de ovo ocorre na maioria dos artrópodes.
  • 8. • • • • Segmentação ou clivagem: série de divisões mitóticas. Cada tipo de ovo apresenta um padrão de segmentação. As células resultantes da segmentação do zigoto são chamadas BLASTÔMEROS . As divisões que ocorrem nesta fase são rápidas e logo surge um novo estágio : MÓRULA (‘latim’=amora)
  • 9. • No interior da mórula forma-se uma cavidade cheia de líquido, a BLASTOCELE. • Ovo oligolécito  vitelo é distribuído uniformemente entre as células-filha = volumes aproximadamente iguais =segmentação holoblástica e igual. • Ovo mediolécito  distribuição desigual de vitelo = segmentação total (holoblástica) e desigual. • Ovo megalécito  vitelo não é distribuído entre as células- filhas, apenas uma fina camada = segmentação parcial ou meroblástica.
  • 10.
  • 11.
  • 12. Gastrulação • É um processo onde as células embrionárias sofrem um profundo rearranjo, inicia-se a GASTRULAÇÃO e o embrião assume uma complexa organização tridimensional. • É nesta etapa que o plano corporal é definido. As células que darão origem aos músculos e aos órgãos internos migram para dentro do embrião, enquanto que as células originarão a pele e o sistema nervosos ficam na superfície. • A gastrulação inicia-se pela invaginação do pólo vegetativo para o interior da blastocele que progressivamente desaparece. No final do processo pode-se reconhecer dois folhetos (ECTODERMA e ENDODERMA). • BLASTÓPORO é a comunicação do arquêntero com o meio externo e classifica os seres vivo em DEUTEROSTÔMIOS (ex: ouriço-do-mar) e PROTOSTÔMIOS (artrópodes, anelídeos, moluscos).
  • 13. • ECTODERMA: é o folheto mais externo. • ENDODERMA: é o folheto mais interno que delimita a cavidade do arquêntero. • MESODERMA: localiza-se entre o endoderma e ectoderma. • Os únicos animais que apresentam somente dois folhetos (endoderma e ectoderma) são os cnidários e por isso são classificados como DIBLÁSTICOS.
  • 14.
  • 15. Neurulação • Posteriormente a gastrulação, a região dorsal passa por um achatamento, formando a PLACA NEURAL. Em seguida as células ectodérmicas das bordas multiplicam-se até recobrir a placa, organizando as CRISTAS NEURAIS. • A placa neural invagina-se de modo a formar a GOTEIRA OU SULCO NEURAL, originará o TUBO NEURAL, onde se desenvolverá o sistema nervoso central. Esse estágio do tubo neural é chamado NÊURULA e compreende o início da organogênese. • Simultaneamente, a mesentoderme se diferencia em MESODERMA que forra o teto do arquêntero e ENDODERME, configurando a formação de três folhetos embrionários.
  • 16.
  • 17. • Esta etapa compreende o processo de formação dos órgãos que constituem o animal, a partir dos três folhetos. FOLHETOS GERMINATIVOS ECTODERMA MESODERMA ENDODERMA ESTRUTURAS ORIGINADAS EPIDERME E SEUS ANEXOS; REVESTIMENTO BUCAL, NASAL E ANAL; SISTEMA NERVOSOS: ENCÉFALO, MEDULA ESPINHAL E GÂNGLIOS; RECEPTORES SENSITIVOS E ESMALTE DOS DENTES DERME; MÚSCULOS ESTRIADOS E LISOS; ESQUELETOS; SISTEMA UROGENITAL E CIRCULATÓRIO (CORAÇÃO, VASOS E SANGUE) REVESTIMENTO DO TUBO DIGESTIVO; TUBO DIGESTIVO (COM EXCEÇÃO DAS MUCOSAS ANAL E BUCAL); FÍGADO E PÂNCREAS; REVESTIMENTO DA BEXIGA URINÁRIA
  • 18.
  • 20. Conceito São Estruturas que derivam dos folhetos germinativos, mas que não fazem parte do corpo do embrião. São elas: esícula Vitelínica ( Saco Vitelínico) => Armazém dos Alimentos mnion ( Bolsa D’água) => Proteção órion ( Serosa) => Trocas Gasosas lantóide => Armazena resíduos lacenta ordão Umbilical
  • 21. Vesícula Vitelínica É o primeiro anexo a surgir nos vertebrados e se caracteriza por ser a fonte e nutrição do embrião que não tem contato com a mãe. Corresponde a uma estrutura em forma de saco ligada a região ventral do embrião. Sua principal função é armazenar reservas nutritivas . Bem desenvolvida Não apresenta a vesícula típica, vitelo fica nos interior dos macrômeros Nos mamíferos eutherios ou placentados é reduzida, visto que a nutrição ocorre via placentária. Nesses, é responsável pela produção das hemácias nos primeiros estágios de vida.
  • 22. Âmnion É uma fina membrana que delimita uma bolsa repleta de líquido. O líquido amniótico que tem por funções: ·         Evitar o ressecamento do embrião ·         Proteger contra choques mecânicos. O âmnio representa uma importante adaptação dos répteis a vida terrestre junto com a fecundação interna e faz parte do chamado ovo terrestre. Esse anexo permitiu aos répteis avançar em terras secas, e independência da água para a reprodução.
  • 23. Córion É uma membrana fina que envolve os outros anexos embrionários, é o mais externo. Junta-se com o alantóide para formar o alantocórion com função respiratória em aves e répteis. Fica sob a a casca do ovo, camada de proteção, trocas gasosas com o embrião e o meio externo. Une-se a parede uterina e forma a placenta.
  • 24. Alantoide É uma membrana ligada a parte posterior do intestino do embrião. É também uma membrana em forma de saco Trocas gasosas, armazenamento de excretas, remoções de sais de cálcio da casca e incorporação no esqueleto, facilitando a saída do animal ao nascer. É reduzido e forma o Cordão Umbilical.
  • 25. Placenta Estrutura vascularizados mamíferos que se forma do Córion + Alantóide e do endométrio materno. Não é considerada por muitos autores como anexo embrionário já que tem uma parte materna e outra fetal. fetal Permite a troca de substâncias entre o organismo materno e o fetal. Nos primeiros meses de gestação, a placenta trabalha produzindo hormônios( progesterona, estrogênios), além de substâncias de defesa (barreira contra infecções), nutrição, respiração e excreção. Ocorrência: • mamíferos metatérios( marsupiais) vivíparos com placenta rudimentar; Ex. Taz, canguru, coala, gambá,.. • mamíferos eutérios( placentários) vivíparos com placenta desenvolvida • Não ocorre nos Prototérios ( monotrematas), botam ovos. Ex.équidna e ornitorrinco)
  • 26. Cordão Umbilical É uma exclusividade dos mamíferos. É o elemento de ligação entre o feto e a placenta materna. Apresenta duas artérias e uma única veia, estruturas que garantem a nutrição e respiração do embrião. É formado a partir do alantóide e da vesícula vitelínica.