SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 58
Baixar para ler offline
Prof. César   1 A – Pág 3
Fecundação


                 Óvulo

                         Ovulação


             Útero


              Espermatozóides

                     Vagina
Núcleo
ESPERMATOZÓIDE           Mitocôndrias




                                                     Acrossomo

                 cauda     Peça intermediária       cabeça
ÓVULO
OVULAÇÃO
Tipos de óvulos
Segmentação ou Clivagem
Segmentação ou Clivagem
SEGMENTAÇÃO OU CLIVAGEM
 Conforme a quantidade e distribuição de lécito (vitélo).
                             Igual         Óvulos Oligolécitos
              Total ou
              Holoblástica
                             Desigual      Óvulos Heterolécitos
Segmentação
ou Clivagem

                             Discoidal     Óvulos Telolécitos
              Parcial ou
              meroblática
                             Superficial   Óvulos Centrolécitos
1)Segmentação Holoblástica (holos = total)

  a) Holoblástica Igual
  Ex: Mamíferos
b) Segmentação Total Desigual
Ex: Anfíbios
2) Segmentação Meroblástica
(meros = parcial)

O ovo se segmenta parcialmente, originando
células somente no polo animal.

Meroblástica Discoidal

Meroblástica Superficial
a) Meroblástica Discoidal
Ex: Aves
b) Meroblástica Superficial
Ex: Artópodes.
A - óvulo

B – óvulo fecundado
C – início da 1ª
clivagem

D – 2 células
E e F – 4 células


G – 8 células
H – mórula
 I - blástula
BLÁSTULA (EMBRIÃO BLASTOCISTO)
Migração dos blastômeros para a periferia do
     embrião, formando uma cavidade.
 (a mórula então passa se chamar blástula)
BLÁSTULA

      BLASTOCELE




 BLASTODERME
19
xx/xx
Gastrulação
Caracteriza-se pela formação
  de uma cavidade interna
 ligada ao meio externo por
      uma abertura .
GASTRULAÇÃO

Ocorre a formação do arquêntero, do
 blastóporo, da Mesentoderme
(mesoderme e endoderme) e da
          Ectoderme.
DIBLÁSTICOS
GASTRULA TRIBLÁSTICA
Importância da fase
  Surgimento   do   arquêntero   -     intestino
primitivo


 Surgimento dos folhetos embrionários


 Surgimento do blastóporo
     - Protostômios: Origina a boca.
     - Deuterostômios: Origina o ânus.
NEURULAÇÃO

- Ocorre a formação do Tubo Neural e
           da Notocorda.

- A Notocorda nos vertebrados é
substituída pela coluna vertebral.
No caso dos protocordados a notocorda
permanece.
O ECTODERMA DORSAL SE ACHATA = PLACA NEURAL.
  EM SEGUIDA, OCORRE A FORMAÇÃO DE UM SULCO
CENTRAL E LONGITUDINAL (INVAGINAÇÃO DA PLACA
NEURAL) QUE SE APROFUNDA ATÉ QUE AS BORDAS SE
TOQUEM FORMANDO O TUBO NEURAL (SNC).
Sulco neural




        CORTE TRANSVERSAL
           DE GÁSTRULA




28
xx/xx
SULCO
NEURAL
LOGO ABAIXO DO TUBO NEURAL , UM CONJUNTO
DE CÉLULAS DA MESENTODERME (ENDODERME +
MESODERME) ISOLA-SE (EVAGINAÇÃO) E FORMA A
NOTOCORDA = BASTÃO FLEXÍVEL QUE DEFINE O
EIXO ANTERO-POSTERIOR DO ANIMAL.

 MESODERMA TAMBÉM ORIGINA DUAS CAVIDADES
 LATERAIS DENOMINADAS CELOMA.
CELOMA????

- Tornou possível o desenvolvimento de estruturas tubulares, de
corpos vermiformes, permitindo uma maior flexibilidade
corporal.
- O celoma proporciona espaço para o desenvolvimento dos
órgãos.
- Transporta gases e substâncias nutritivas, proporciona um fluído
para processar produtos de excreção, funciona como um
esqueleto hidrostático e pode fornecer um local para a
maturação de gâmetas ou para a incubação de embriões.
- Importante para o desenvolvimento da arquitetura corporal dos
animais, contribuindo para um aumento das dimensões e,
sobretudo, da complexidade estrutural.
(Estruturas epiteliais transitórias)
Anexos
Embrionários
Conceito
  São Estruturas que derivam dos folhetos germinativos,
  mas que não fazem parte do corpo do embrião.

   São elas:
    esícula Vitelínica ( Saco Vitelínico) => Armazém dos Alimentos
    mnion ( Bolsa D’água) => Proteção
    órion ( Serosa) => Trocas Gasosas
    lantóide => Armazém das excretas


    lacenta
    ordão Umbilical
É o primeiro anexo a surgir nos vertebrados e se caracteriza por ser
a fonte e nutrição do embrião que não tem contato com a mãe.
Corresponde a uma estrutura em forma de saco ligada a região
ventral do embrião. Sua principal função é armazenar reservas
nutritivas.

                                   Vesícula Vitelínica
                Bem desenvolvida




                Não apresenta a vesícula típica, vitelo fica nos interior dos
                macrômeros
                  Nos mamíferos eutérios ou placentados é reduzida,
                  visto que a nutrição ocorre via placentária.
                  Nesses, é responsável pela produção das hemácias
                  nos primeiros estágios de vida.
40
xx/xx
É uma fina membrana que delimita uma bolsa repleta de líquido. O
líquido amniótico que tem por funções:
      Evitar o ressecamento do embrião       Âmnio
      Proteger contra choques mecânicos.
O âmnio representa uma importante adaptação dos répteis a vida
terrestre junto com a fecundação interna e faz parte do chamado
ovo terrestre. Esse anexo permitiu aos répteis avançar em terras
secas, e independência da água para a reprodução.
É uma membrana fina que envolve os outros anexos embrionários, é o
mais externo.
Junta-se com o alantóide para formar o alantocórion com função
respiratória em aves e répteis.
                                      Córion
              Fica sob a a casca do ovo, camada de proteção, trocas
              gasosas com o embrião e o meio externo.




                 Une-se a parede uterina
                 e forma a placenta.
Alantóide
 É uma membrana ligada a parte posterior do intestino do embrião.
 É também uma membrana em forma de saco

               Trocas gasosas, armazenamento de excretas, remoções de
               sais de cálcio da casca e incorporação no esqueleto,
               facilitando a saída do animal ao nascer.



                  É reduzido e forma o
                  Cordão Umbilical.
Placenta
 Estrutura vascularizados mamíferos que se forma do Córion +
 Alantóide e do endométrio materno.
 Não é considerada por muitos autores como anexo embrionário já que
 tem uma parte materna e outra fetal.
 Permite a troca de substâncias entre o organismo materno e o fetal.
 Nos primeiros meses de gestação, a placenta trabalha produzindo
 hormônios( progesterona, estrogênios), além de substâncias de defesa
 (barreira contra infecções), nutrição, respiração e excreção.
                   Ocorrência:
                   • mamíferos metatérios( marsupiais)
                   vivíparos com placenta rudimentar;
                   Ex. Taz, canguru, coala, gambá,..
                   • mamíferos eutérios( placentários)
                   vivíparos com placenta desenvolvida
                   • Não ocorre nos Prototérios
                   ( monotrematas), botam ovos.
                   Ex.ornitorrinco
SINCICIOTROFOBLASTO
(Contato com endométrio)



  CITOTROFOBLASTO
(Contato com embrião)
Cordão Umbilical
 É uma exclusividade dos mamíferos.
 É o elemento de ligação entre o feto e a placenta materna.
 Apresenta duas artérias e uma única veia, estruturas que garantem
 a nutrição e respiração do embrião.
 É formado a partir do alantóide e da vesícula vitelínica.
47
xx/xx
GÊMEOS



48
xx/xx
49
xx/xx
GÊMEOS FRATERNOS
(DIZIGÓTICOS ou BIVITELINOS)




       LIBERAÇÃO DE DOIS OU MAIS OVÓCITOS II
               AMBOS SÃO FECUNDADOS
           SÃO GENETICAMENTE DIFERENTES
          PODEM OU NÃO TER O MESMO SEXO
                PLACENTAS DIFERENTES


    BLASTOCISTOS IMPLANTADOS PRÓXIMOS
  APARENTAM TER PLACENTA ÚNICA PORÉM COM
        CÓRIOS E CORDÕES DIFERENTES
GÊMEOS UNIVITELINOS
         (MONOZIGÓTICOS)

   LIBERAÇÃO DE UM ÚNICO OVÓCITO II
FECUNDADO POR UM ÚNICO ESPERMATOZÓIDE
     SÃO GENETICAMENTE IDÊNTICOS
      APRESENTAM O MESMO SEXO
           PLACENTA ÚNICA
GÊMEOS SIAMESES
 (XIFÓPAGOS - UNIDOS)

       OCORRE EM GÊMEOS
        MONOZIGÓTICOS


  OCORRE COMPARTILHAMENTO DE
       TECIDOS DURANTE O
  DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO
Agradecimentos especiais ao
        anfioxo!!




xx/xx       53
54
xx/xx
55
xx/xx
56
xx/xx
57
xx/xx
58
xx/xx

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Embriologia animal
Embriologia animalEmbriologia animal
Embriologia animal
 
Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)
Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)
Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)
 
Aula biologia celular
Aula   biologia celularAula   biologia celular
Aula biologia celular
 
Embriologia slides
Embriologia  slidesEmbriologia  slides
Embriologia slides
 
Tecido epitelial
Tecido epitelialTecido epitelial
Tecido epitelial
 
Embriologia animal
Embriologia animalEmbriologia animal
Embriologia animal
 
Aula sobre histologia
Aula sobre   histologiaAula sobre   histologia
Aula sobre histologia
 
Embriogenese
EmbriogeneseEmbriogenese
Embriogenese
 
Células procariontes e eucariontes
Células procariontes e eucariontesCélulas procariontes e eucariontes
Células procariontes e eucariontes
 
Aula de gametogenese
Aula de gametogeneseAula de gametogenese
Aula de gametogenese
 
Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!
 
1 até 3ª semana do desenvolvimento embrionário aluno
1 até 3ª semana do desenvolvimento embrionário aluno1 até 3ª semana do desenvolvimento embrionário aluno
1 até 3ª semana do desenvolvimento embrionário aluno
 
M2 de biologia embriologia animal
M2 de biologia embriologia animalM2 de biologia embriologia animal
M2 de biologia embriologia animal
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
 
Gravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionárioGravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionário
 
Sistema reprodutor - Anatomia humana
Sistema reprodutor - Anatomia humanaSistema reprodutor - Anatomia humana
Sistema reprodutor - Anatomia humana
 
Gametogênese e fecundação
Gametogênese e fecundaçãoGametogênese e fecundação
Gametogênese e fecundação
 
Embriologia básica
Embriologia básicaEmbriologia básica
Embriologia básica
 
Aula Citologia
Aula CitologiaAula Citologia
Aula Citologia
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 

Semelhante a Embriogênese

Apresentação biologia, ju e bi
Apresentação biologia, ju e biApresentação biologia, ju e bi
Apresentação biologia, ju e biRoberto Bagatini
 
Desenvolvimento embrionário dos animais 2
Desenvolvimento embrionário dos animais 2Desenvolvimento embrionário dos animais 2
Desenvolvimento embrionário dos animais 2letyap
 
embriologia animal.pptx
embriologia animal.pptxembriologia animal.pptx
embriologia animal.pptxRhuanPablo26
 
desenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdf
desenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdfdesenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdf
desenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdfRhuanPablo26
 
Anexos Embrionarios
Anexos Embrionarios Anexos Embrionarios
Anexos Embrionarios Laguat
 
Embriologia e Anexos Embrionários
Embriologia e Anexos EmbrionáriosEmbriologia e Anexos Embrionários
Embriologia e Anexos Embrionáriosaulasdoaris
 
Apresentação de biologia
Apresentação de biologiaApresentação de biologia
Apresentação de biologiaRoberto Bagatini
 
Anexos Embrionários (Power Point)
Anexos Embrionários (Power Point)Anexos Embrionários (Power Point)
Anexos Embrionários (Power Point)Bio
 

Semelhante a Embriogênese (20)

Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Apresentação biologia, ju e bi
Apresentação biologia, ju e biApresentação biologia, ju e bi
Apresentação biologia, ju e bi
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Desenvolvimento embrionário dos animais 2
Desenvolvimento embrionário dos animais 2Desenvolvimento embrionário dos animais 2
Desenvolvimento embrionário dos animais 2
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Anexos embrionários
Anexos embrionáriosAnexos embrionários
Anexos embrionários
 
embriologia animal.pptx
embriologia animal.pptxembriologia animal.pptx
embriologia animal.pptx
 
desenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdf
desenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdfdesenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdf
desenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdf
 
Aula4embriologia 150510143838-lva1-app6892
Aula4embriologia 150510143838-lva1-app6892Aula4embriologia 150510143838-lva1-app6892
Aula4embriologia 150510143838-lva1-app6892
 
Embriologia geral
Embriologia geralEmbriologia geral
Embriologia geral
 
Gametogênese e Embriologia
Gametogênese e EmbriologiaGametogênese e Embriologia
Gametogênese e Embriologia
 
Anexos Embrionarios
Anexos Embrionarios Anexos Embrionarios
Anexos Embrionarios
 
Embriologia e Anexos Embrionários
Embriologia e Anexos EmbrionáriosEmbriologia e Anexos Embrionários
Embriologia e Anexos Embrionários
 
Apresentação de biologia
Apresentação de biologiaApresentação de biologia
Apresentação de biologia
 
Embriologia cic damas
Embriologia cic damasEmbriologia cic damas
Embriologia cic damas
 
Anexos Embrionários (Power Point)
Anexos Embrionários (Power Point)Anexos Embrionários (Power Point)
Anexos Embrionários (Power Point)
 

Mais de César Milani

ÁGUA E SAIS MINERAIS.pdf
ÁGUA E SAIS MINERAIS.pdfÁGUA E SAIS MINERAIS.pdf
ÁGUA E SAIS MINERAIS.pdfCésar Milani
 
BIOTECNOLOGIA - APLICAÇÕES CONHECIMENT GENÉTICO.pdf
BIOTECNOLOGIA - APLICAÇÕES CONHECIMENT GENÉTICO.pdfBIOTECNOLOGIA - APLICAÇÕES CONHECIMENT GENÉTICO.pdf
BIOTECNOLOGIA - APLICAÇÕES CONHECIMENT GENÉTICO.pdfCésar Milani
 
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdfAUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdfCésar Milani
 
SISTEMA RESPIRATÓRIO.pdf
SISTEMA RESPIRATÓRIO.pdfSISTEMA RESPIRATÓRIO.pdf
SISTEMA RESPIRATÓRIO.pdfCésar Milani
 
2a Lei de Mendel.pdf
2a Lei de Mendel.pdf2a Lei de Mendel.pdf
2a Lei de Mendel.pdfCésar Milani
 
ÁCIDOS NUCLEICOS.pdf
ÁCIDOS NUCLEICOS.pdfÁCIDOS NUCLEICOS.pdf
ÁCIDOS NUCLEICOS.pdfCésar Milani
 
CÉLULAS TRONCO E EMBRIOLOGIA
CÉLULAS TRONCO E EMBRIOLOGIACÉLULAS TRONCO E EMBRIOLOGIA
CÉLULAS TRONCO E EMBRIOLOGIACésar Milani
 
AULÃO PAS - REVISÃO
AULÃO PAS - REVISÃOAULÃO PAS - REVISÃO
AULÃO PAS - REVISÃOCésar Milani
 
Histologia humana epitelial e conjuntivo
Histologia humana   epitelial e conjuntivoHistologia humana   epitelial e conjuntivo
Histologia humana epitelial e conjuntivoCésar Milani
 
Histologia humana - Tecido Epitelial
Histologia humana - Tecido Epitelial Histologia humana - Tecido Epitelial
Histologia humana - Tecido Epitelial César Milani
 
Embriogênese - Tipos de ovos e segmentação
Embriogênese - Tipos de ovos e segmentaçãoEmbriogênese - Tipos de ovos e segmentação
Embriogênese - Tipos de ovos e segmentaçãoCésar Milani
 
Núcleo celular e Síntese de proteínas
Núcleo celular e Síntese de proteínasNúcleo celular e Síntese de proteínas
Núcleo celular e Síntese de proteínasCésar Milani
 
Revestimentos e transporte atraves da membrana
Revestimentos e transporte atraves da membranaRevestimentos e transporte atraves da membrana
Revestimentos e transporte atraves da membranaCésar Milani
 
POLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOS
POLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOSPOLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOS
POLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOSCésar Milani
 
Roteiro estudos terceirão
Roteiro estudos terceirãoRoteiro estudos terceirão
Roteiro estudos terceirãoCésar Milani
 
Revestimentos celulares 3 a aula 6
Revestimentos celulares 3 a aula 6Revestimentos celulares 3 a aula 6
Revestimentos celulares 3 a aula 6César Milani
 

Mais de César Milani (20)

ÁGUA E SAIS MINERAIS.pdf
ÁGUA E SAIS MINERAIS.pdfÁGUA E SAIS MINERAIS.pdf
ÁGUA E SAIS MINERAIS.pdf
 
BIOTECNOLOGIA - APLICAÇÕES CONHECIMENT GENÉTICO.pdf
BIOTECNOLOGIA - APLICAÇÕES CONHECIMENT GENÉTICO.pdfBIOTECNOLOGIA - APLICAÇÕES CONHECIMENT GENÉTICO.pdf
BIOTECNOLOGIA - APLICAÇÕES CONHECIMENT GENÉTICO.pdf
 
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdfAUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
AUSENCIA DOM E GRUPOS SANG.pdf
 
SISTEMA RESPIRATÓRIO.pdf
SISTEMA RESPIRATÓRIO.pdfSISTEMA RESPIRATÓRIO.pdf
SISTEMA RESPIRATÓRIO.pdf
 
2a Lei de Mendel.pdf
2a Lei de Mendel.pdf2a Lei de Mendel.pdf
2a Lei de Mendel.pdf
 
ÁCIDOS NUCLEICOS.pdf
ÁCIDOS NUCLEICOS.pdfÁCIDOS NUCLEICOS.pdf
ÁCIDOS NUCLEICOS.pdf
 
ÁCIDOS NUCLÉICOS
ÁCIDOS NUCLÉICOSÁCIDOS NUCLÉICOS
ÁCIDOS NUCLÉICOS
 
CÉLULAS TRONCO E EMBRIOLOGIA
CÉLULAS TRONCO E EMBRIOLOGIACÉLULAS TRONCO E EMBRIOLOGIA
CÉLULAS TRONCO E EMBRIOLOGIA
 
AULÃO PAS - REVISÃO
AULÃO PAS - REVISÃOAULÃO PAS - REVISÃO
AULÃO PAS - REVISÃO
 
Histologia humana epitelial e conjuntivo
Histologia humana   epitelial e conjuntivoHistologia humana   epitelial e conjuntivo
Histologia humana epitelial e conjuntivo
 
Histologia humana - Tecido Epitelial
Histologia humana - Tecido Epitelial Histologia humana - Tecido Epitelial
Histologia humana - Tecido Epitelial
 
Embriogênese - Tipos de ovos e segmentação
Embriogênese - Tipos de ovos e segmentaçãoEmbriogênese - Tipos de ovos e segmentação
Embriogênese - Tipos de ovos e segmentação
 
Reprodução Animal
Reprodução AnimalReprodução Animal
Reprodução Animal
 
Núcleo celular e Síntese de proteínas
Núcleo celular e Síntese de proteínasNúcleo celular e Síntese de proteínas
Núcleo celular e Síntese de proteínas
 
Revestimentos e transporte atraves da membrana
Revestimentos e transporte atraves da membranaRevestimentos e transporte atraves da membrana
Revestimentos e transporte atraves da membrana
 
POLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOS
POLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOSPOLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOS
POLIALELÍSMO - GRUPOS SANGUÍNEOS
 
Roteiro estudos terceirão
Roteiro estudos terceirãoRoteiro estudos terceirão
Roteiro estudos terceirão
 
SISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSOSISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSO
 
Revestimentos celulares 3 a aula 6
Revestimentos celulares 3 a aula 6Revestimentos celulares 3 a aula 6
Revestimentos celulares 3 a aula 6
 
Fotossíntese
FotossínteseFotossíntese
Fotossíntese
 

Embriogênese

  • 1. Prof. César 1 A – Pág 3
  • 2. Fecundação Óvulo Ovulação Útero Espermatozóides Vagina
  • 3. Núcleo ESPERMATOZÓIDE Mitocôndrias Acrossomo cauda Peça intermediária cabeça
  • 9.
  • 10. SEGMENTAÇÃO OU CLIVAGEM Conforme a quantidade e distribuição de lécito (vitélo). Igual Óvulos Oligolécitos Total ou Holoblástica Desigual Óvulos Heterolécitos Segmentação ou Clivagem Discoidal Óvulos Telolécitos Parcial ou meroblática Superficial Óvulos Centrolécitos
  • 11. 1)Segmentação Holoblástica (holos = total) a) Holoblástica Igual Ex: Mamíferos
  • 12. b) Segmentação Total Desigual Ex: Anfíbios
  • 13. 2) Segmentação Meroblástica (meros = parcial) O ovo se segmenta parcialmente, originando células somente no polo animal. Meroblástica Discoidal Meroblástica Superficial
  • 16. A - óvulo B – óvulo fecundado C – início da 1ª clivagem D – 2 células E e F – 4 células G – 8 células H – mórula I - blástula
  • 17. BLÁSTULA (EMBRIÃO BLASTOCISTO) Migração dos blastômeros para a periferia do embrião, formando uma cavidade. (a mórula então passa se chamar blástula)
  • 18. BLÁSTULA BLASTOCELE BLASTODERME
  • 20. Gastrulação Caracteriza-se pela formação de uma cavidade interna ligada ao meio externo por uma abertura .
  • 21. GASTRULAÇÃO Ocorre a formação do arquêntero, do blastóporo, da Mesentoderme (mesoderme e endoderme) e da Ectoderme.
  • 24.
  • 25. Importância da fase Surgimento do arquêntero - intestino primitivo Surgimento dos folhetos embrionários Surgimento do blastóporo - Protostômios: Origina a boca. - Deuterostômios: Origina o ânus.
  • 26. NEURULAÇÃO - Ocorre a formação do Tubo Neural e da Notocorda. - A Notocorda nos vertebrados é substituída pela coluna vertebral. No caso dos protocordados a notocorda permanece.
  • 27. O ECTODERMA DORSAL SE ACHATA = PLACA NEURAL. EM SEGUIDA, OCORRE A FORMAÇÃO DE UM SULCO CENTRAL E LONGITUDINAL (INVAGINAÇÃO DA PLACA NEURAL) QUE SE APROFUNDA ATÉ QUE AS BORDAS SE TOQUEM FORMANDO O TUBO NEURAL (SNC).
  • 28. Sulco neural CORTE TRANSVERSAL DE GÁSTRULA 28 xx/xx
  • 30. LOGO ABAIXO DO TUBO NEURAL , UM CONJUNTO DE CÉLULAS DA MESENTODERME (ENDODERME + MESODERME) ISOLA-SE (EVAGINAÇÃO) E FORMA A NOTOCORDA = BASTÃO FLEXÍVEL QUE DEFINE O EIXO ANTERO-POSTERIOR DO ANIMAL. MESODERMA TAMBÉM ORIGINA DUAS CAVIDADES LATERAIS DENOMINADAS CELOMA.
  • 31.
  • 32. CELOMA???? - Tornou possível o desenvolvimento de estruturas tubulares, de corpos vermiformes, permitindo uma maior flexibilidade corporal. - O celoma proporciona espaço para o desenvolvimento dos órgãos. - Transporta gases e substâncias nutritivas, proporciona um fluído para processar produtos de excreção, funciona como um esqueleto hidrostático e pode fornecer um local para a maturação de gâmetas ou para a incubação de embriões. - Importante para o desenvolvimento da arquitetura corporal dos animais, contribuindo para um aumento das dimensões e, sobretudo, da complexidade estrutural.
  • 33.
  • 34.
  • 35.
  • 38. Conceito São Estruturas que derivam dos folhetos germinativos, mas que não fazem parte do corpo do embrião. São elas: esícula Vitelínica ( Saco Vitelínico) => Armazém dos Alimentos mnion ( Bolsa D’água) => Proteção órion ( Serosa) => Trocas Gasosas lantóide => Armazém das excretas lacenta ordão Umbilical
  • 39. É o primeiro anexo a surgir nos vertebrados e se caracteriza por ser a fonte e nutrição do embrião que não tem contato com a mãe. Corresponde a uma estrutura em forma de saco ligada a região ventral do embrião. Sua principal função é armazenar reservas nutritivas. Vesícula Vitelínica Bem desenvolvida Não apresenta a vesícula típica, vitelo fica nos interior dos macrômeros Nos mamíferos eutérios ou placentados é reduzida, visto que a nutrição ocorre via placentária. Nesses, é responsável pela produção das hemácias nos primeiros estágios de vida.
  • 41. É uma fina membrana que delimita uma bolsa repleta de líquido. O líquido amniótico que tem por funções: Evitar o ressecamento do embrião Âmnio Proteger contra choques mecânicos. O âmnio representa uma importante adaptação dos répteis a vida terrestre junto com a fecundação interna e faz parte do chamado ovo terrestre. Esse anexo permitiu aos répteis avançar em terras secas, e independência da água para a reprodução.
  • 42. É uma membrana fina que envolve os outros anexos embrionários, é o mais externo. Junta-se com o alantóide para formar o alantocórion com função respiratória em aves e répteis. Córion Fica sob a a casca do ovo, camada de proteção, trocas gasosas com o embrião e o meio externo. Une-se a parede uterina e forma a placenta.
  • 43. Alantóide É uma membrana ligada a parte posterior do intestino do embrião. É também uma membrana em forma de saco Trocas gasosas, armazenamento de excretas, remoções de sais de cálcio da casca e incorporação no esqueleto, facilitando a saída do animal ao nascer. É reduzido e forma o Cordão Umbilical.
  • 44. Placenta Estrutura vascularizados mamíferos que se forma do Córion + Alantóide e do endométrio materno. Não é considerada por muitos autores como anexo embrionário já que tem uma parte materna e outra fetal. Permite a troca de substâncias entre o organismo materno e o fetal. Nos primeiros meses de gestação, a placenta trabalha produzindo hormônios( progesterona, estrogênios), além de substâncias de defesa (barreira contra infecções), nutrição, respiração e excreção. Ocorrência: • mamíferos metatérios( marsupiais) vivíparos com placenta rudimentar; Ex. Taz, canguru, coala, gambá,.. • mamíferos eutérios( placentários) vivíparos com placenta desenvolvida • Não ocorre nos Prototérios ( monotrematas), botam ovos. Ex.ornitorrinco
  • 45. SINCICIOTROFOBLASTO (Contato com endométrio) CITOTROFOBLASTO (Contato com embrião)
  • 46. Cordão Umbilical É uma exclusividade dos mamíferos. É o elemento de ligação entre o feto e a placenta materna. Apresenta duas artérias e uma única veia, estruturas que garantem a nutrição e respiração do embrião. É formado a partir do alantóide e da vesícula vitelínica.
  • 50. GÊMEOS FRATERNOS (DIZIGÓTICOS ou BIVITELINOS) LIBERAÇÃO DE DOIS OU MAIS OVÓCITOS II AMBOS SÃO FECUNDADOS SÃO GENETICAMENTE DIFERENTES PODEM OU NÃO TER O MESMO SEXO PLACENTAS DIFERENTES BLASTOCISTOS IMPLANTADOS PRÓXIMOS APARENTAM TER PLACENTA ÚNICA PORÉM COM CÓRIOS E CORDÕES DIFERENTES
  • 51. GÊMEOS UNIVITELINOS (MONOZIGÓTICOS) LIBERAÇÃO DE UM ÚNICO OVÓCITO II FECUNDADO POR UM ÚNICO ESPERMATOZÓIDE SÃO GENETICAMENTE IDÊNTICOS APRESENTAM O MESMO SEXO PLACENTA ÚNICA
  • 52. GÊMEOS SIAMESES (XIFÓPAGOS - UNIDOS) OCORRE EM GÊMEOS MONOZIGÓTICOS OCORRE COMPARTILHAMENTO DE TECIDOS DURANTE O DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO
  • 53. Agradecimentos especiais ao anfioxo!! xx/xx 53