SlideShare uma empresa Scribd logo
Embriologia
 
Embriologia é a parte
da Biologia que estuda
as transformações que
se processa no
embrião, desde a
formação da célula-ovo
até o nascimento.
Tipos de óvulos: os óvulos possuem uma substancia de reserva
nutritiva chamada vitelo, de acordo com a quantidade e a
distribuição do vitelo, os óvulos são classificados em quatro
categorias:.
Oligolécitos: apresentam
pequena quantidade de vitelo
distribuída de forma
homogênea no citoplasma.
Ocorre nos equinodermos,
protocordados e nos
mamíferos
Heterolécitos: apresentam uma
quantidade média de vitelo que
se concentra no pólo vegetativo
do óvulo. Ocorrem em
moluscos, anelídeos e anfíbios.
    Telocétitos: têm grande
quantidade de vitelo,
deixando o núcleo e o
citoplasma localizados no
extremo do pólo animal.
Ocorrem na aves, répteis e
peixes
     Centrolécitos: com grande
quantidade de vitelo
concentrada ao redor do núcleo
celular, o citoplasma se reduz a
uma pequena camada
periférica. Ocorrem nos
artrópodos.
Embriologia
Tipos de segmentação: segmentação é o processo de divisão
da célula-ovo.
Segmentação
desigual: quando
se formam
blastômeros de
tamanhos
diferentes.
Segmentação
igual: quando
forma blastômeros
de mesmo
tamanho.
Segmentação total:
quando toda a célula ovo se
divide
Segmentação
discoidal: quando
apenas o pólo animal do
zigoto se divide
Segmentação
superficial: quando
apenas a parte superficial
da célula se divide
Embriologia
  Estágios embrionários: são as etapas do desenvolvimento
embrionário: célula-ovo, mórula, blástula, gástrula e nêurula.
Blástula: estágio embrionário
em que o embrião apresenta a
forma de uma esfera, com
uma cavidade interna
chamada blastocele.
Mórula: aglomerado
maciço de células,
semelhantes a uma
amora, é nessa fase que
o embrião chega ao
útero.
Embriologia
Embriologia
Animais diblásticos são aqueles cuja a gástrula dá origem apenas
a dois folhetos embrionários, a ectoderme e a endoderme. Já nos
animais triblásticos a gástrula da origem a três folhetos
embrionários: a ectoderme, a mesoderme e a endoderme.
Diblástico
Gástrula: estágio embrionário, onde o embrião apresenta uma
abertura chamada blastóporo, que evoluirá para formar a boca ou
o ânus. Gastrulação é o processo de formação da gástrula.
Os animais em que o blastóporo dará origem a boca chamam-se
protostômio; e os que o blastóporo dará origem ao ânus chamam-
se deuterostômios.
* Nêurula: é a fase do
desenvolvimento
embrionário em que já se
observa o tuboneural. A
notocorda se forma a
partir da evaginação
longitudinal de células da
endoderme. A notocorda é
um cordão fibroso
paralelo ao dorso do
embrião, representa o
primeiro esboço de
esqueleto do individuo.
Nos vertebrados, a
notocorda será substituída
pela coluna vertebral.
Embriologia
Organogênese: no inicio do desenvolvimento embrionário, as células do
embrião são indiferenciadas. A partir da formação da gástrula, inicia-se
o processo de diferenciação, em que cada folheto embrionário dá origem
a novas células com formas e funções especificas. Assim, surgem os
tecidos que, depois, se agrupam para formar os órgãos e, posteriormente,
os sistemas
Folhetos embrionários ou Camadas embrionárias: são camadas
celulares embrionárias, que sofrerão diferenciação dando origem aos
órgãos. O destino dos folhetos embrionários pode ser resumido da
seguinte forma:
Ectoderme, dará origem aos seguintes órgãos ou sistemas: •Epiderme e
seus fâneros: como pêlos, cabelo, unhas e, em mamíferos, cascos e
cornos. •Mucosa da boca, nariz e ânus, além do esmalte do dente. •Tubo
neural: que se dilata na sua parte anterior para formar o encéfalo
(cérebro, cerebelo, protuberância e bulbo) a glândula pineal e a neuro-
hipófise.• Lobo anterior da hipófise ou adeno-hipófise
Embriologia
Mesoderme, que dará origem ao: •Celoma ou cavidade geral;
•Serosas, como o peritônio, pleura e pericárdio; •Derme: um dos
constituinte histológico da pele;
Mesênquima: espécie de tecido conjuntivo embrionário primitivo, que
por diferenciação celular irá formar os: condroblastos, osteoblastos,
mioblasto e histioblastos, a partir dos quais resultam as cartilagens, o
tecido ósseo, musculares e os tecidos conjuntivos permanentes.
Endoderme, formará:
•Todo o tubo digestivo, exceto a mucosa oral e anal, e seus anexos.
•Todas as demais mucosas do organismo.
•Notocorda, que dependendo do animal, será substituída pela coluna
vertebral
Folhetos Embrionários
Os folhetos podem ser dois ou três dependendo do estágio
evolutivo do animal.
Diblásticos: animais com apenas dois folhetos embrionários
(ectoderme e endoderme)
Triblásticos: animais com três folhetos embrionários
(ectoderme, mesoderme e endoderme)
No final do processo podem-se reconhecer nitidamente
três folhetos: ectoderme, mesoderme e endoderme.
A cavidade delimitada pela mesentoderme é denominada de
arquêntero ou intestino primitivo, e o orifício de abertura do
arquêntero é chamado de blastóporo.
Animal deuterostômio: é o animal em que o blastóporo origina o
ânus
Animal protostômio: é o animal em que o blastóporo origina a
boca.
o Celoma (cavidade geral do embrião delimitada pela
mesoderme e revestida por epitelial mesodérmico.
Anexos embrionários
Conceito: São
estruturas que
surgem a partir
dos folhetos
embrionários e
dão suporte vital
ao embrião até
que este possa
fazê-lo.
Os anexos surgem evolutivamente conforme o ambiente a ser
conquistado vai selecionando os indivíduos na direção da vida
terrestre e do desenvolvimento interno.
Evolução dos anexos embrionários.
Vesícula Vitelínica: É o primeiro anexo a surgir nos vertebrados
e se caracteriza por ser a fonte e nutrição do embrião que não
tem contato com a mãe. Este anexo está presente em embriões
de todos os vertebrados, sendo especialmente desenvolvido nos
peixes, répteis e aves. Corresponde a uma estrutura em forma
de saco ligada a região ventral do embrião.
Sua principal função é armazenar reservas nutritivas. Nos
mamíferos eutherios ou placentados é reduzida, visto que a
nutrição ocorre via placentária. Nesses, é responsável pela
produção das hemácias nos primeiros estágios de vida.
Com o aparecimento dos répteis e a conseqüente conquista
definitiva do meio terrestre, foi necessário o aparecimento de
outros anexos além do saco vitelínico:
- Âmnio: É uma fina membrana que delimita uma bolsa
repleta de líquido - o líquido amniótico que tem por funções:
•         Evitar o ressecamento do embrião
•          Proteger contra choques mecânicos.
O âmnio representa uma importante adaptação dos répteis a
vida terrestre junto com a fecundação interna e faz parte do
chamado ovo terrestre. Esse anexo permitiu aos répteis
avançar em terras secas, e independência da água para a
reprodução.
Alantóide: É uma
membrana ligada a
parte posterior do
intestino do embrião. É
muito desenvolvido em
répteis e aves.
Funções:
•         Trocas de gases
•         Armazenamento
de excretas.
* Absorção de minerais presentes na casca dos ovos e
incorporação no esqueleto, facilitando a saída do animal ao
nascer.
Nos
mamíferos o
alantóide é
desnecessário
pois eles
desenvolvem
o cordão
umbilical 
Córion: É uma membrana fina que envolve os outros anexos
embrionários. Junta-se com o alantóide para formar o
alantocórion com função respiratória em aves e répteis.
- Cordão Umbilical: É
uma exclusividade dos
mamíferos. É o elemento
de ligação entre o feto e a
placenta materna.
Apresenta duas artérias e
uma única veia, estruturas
que garantem a nutrição e
respiração do embrião. É
formado a partir do
alantóide e da vesícula
vitelínica.
cordão umbilical
Placenta: Não é considerada por muitos autores como
anexo embrionário já que tem uma parte materna e outra
fetal. É uma estrutura de origem mista, exclusiva dos
mamíferos. Permite a troca de substâncias entre o organismo
materno e o fetal. Nos primeiros meses de gestação, a
placenta trabalha produzindo hormônios, além de
substâncias de defesa, nutrição, respiração e excreção.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Embriologia
Embriologia Embriologia
Embriologia
Daniela Silveira
 
Anexos embrionários
Anexos embrionáriosAnexos embrionários
Anexos embrionários
letyap
 
Filo arthropoda crustacea
Filo arthropoda crustaceaFilo arthropoda crustacea
Filo arthropoda crustacea
Filipe Augusto Gonçalves de Melo
 
Noções de Cladistica
Noções de CladisticaNoções de Cladistica
Noções de Cladistica
emanuel
 
Divisão celular
Divisão celularDivisão celular
Divisão celular
Gabriel Mendes de Almeida
 
Taxonomia
TaxonomiaTaxonomia
Taxonomia
Fabiano Reis
 
Embriologia animal
Embriologia animalEmbriologia animal
Embriologia animal
Thiago Benevides
 
Embriogenese
EmbriogeneseEmbriogenese
Embriogenese
César Milani
 
Aula sobre citologia
Aula sobre    citologiaAula sobre    citologia
Aula sobre citologia
Marcionedes De Souza
 
Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)
Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)
Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)
Bio
 
Aula14 embriologia
Aula14 embriologiaAula14 embriologia
Cordados
CordadosCordados
Introdução a embriologia aula oficial
Introdução a embriologia aula  oficialIntrodução a embriologia aula  oficial
Introdução a embriologia aula oficial
Daiane Costa
 
Moluscos caracteristicas gerais
Moluscos   caracteristicas geraisMoluscos   caracteristicas gerais
Moluscos caracteristicas gerais
Ronalld Sabino
 
Meiose
MeioseMeiose
Meiose
gdw147
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
guest51ff04
 
Mitose e meiose
Mitose e meioseMitose e meiose
Mitose e meiose
Aline Silva
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vida
MatheusMesquitaMelo
 
Tipos de ovos
Tipos de ovosTipos de ovos
Tipos de ovos
Professora Raquel
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia

Mais procurados (20)

Embriologia
Embriologia Embriologia
Embriologia
 
Anexos embrionários
Anexos embrionáriosAnexos embrionários
Anexos embrionários
 
Filo arthropoda crustacea
Filo arthropoda crustaceaFilo arthropoda crustacea
Filo arthropoda crustacea
 
Noções de Cladistica
Noções de CladisticaNoções de Cladistica
Noções de Cladistica
 
Divisão celular
Divisão celularDivisão celular
Divisão celular
 
Taxonomia
TaxonomiaTaxonomia
Taxonomia
 
Embriologia animal
Embriologia animalEmbriologia animal
Embriologia animal
 
Embriogenese
EmbriogeneseEmbriogenese
Embriogenese
 
Aula sobre citologia
Aula sobre    citologiaAula sobre    citologia
Aula sobre citologia
 
Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)
Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)
Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)
 
Aula14 embriologia
Aula14 embriologiaAula14 embriologia
Aula14 embriologia
 
Cordados
CordadosCordados
Cordados
 
Introdução a embriologia aula oficial
Introdução a embriologia aula  oficialIntrodução a embriologia aula  oficial
Introdução a embriologia aula oficial
 
Moluscos caracteristicas gerais
Moluscos   caracteristicas geraisMoluscos   caracteristicas gerais
Moluscos caracteristicas gerais
 
Meiose
MeioseMeiose
Meiose
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Mitose e meiose
Mitose e meioseMitose e meiose
Mitose e meiose
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vida
 
Tipos de ovos
Tipos de ovosTipos de ovos
Tipos de ovos
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 

Destaque

Desenvolvimento do embrião
Desenvolvimento do embriãoDesenvolvimento do embrião
Desenvolvimento do embrião
Patricia de Castilhos
 
Embriogenese
EmbriogeneseEmbriogenese
Embriogenese
Jolealpp
 
Introdução à embriologia
Introdução à embriologiaIntrodução à embriologia
Introdução à embriologia
Patricia de Castilhos
 
Organogenese
OrganogeneseOrganogenese
Organogenese
bloglink0
 
Aula organogênese
Aula organogêneseAula organogênese
Aula organogênese
Pedro Lopes
 
Gametogenese.ppt
Gametogenese.pptGametogenese.ppt
Gametogenese.ppt
Juarez Silva
 
Sistema EndóCrino
Sistema EndóCrinoSistema EndóCrino
Sistema EndóCrino
profatatiana
 
Cap 07-cartilago-hueso
Cap 07-cartilago-huesoCap 07-cartilago-hueso
Cap 07-cartilago-hueso
Carolina Jaramiilo
 
Embriologia 1ª e 2ª semana
Embriologia 1ª e 2ª semanaEmbriologia 1ª e 2ª semana
Embriologia 1ª e 2ª semana
Maíra Escobar
 
Sistema endócrino slides da aula
Sistema endócrino slides da aulaSistema endócrino slides da aula
Sistema endócrino slides da aula
Fabiano Reis
 
Aula: Sistema Endócrino (Power Point)
Aula: Sistema Endócrino (Power Point)Aula: Sistema Endócrino (Power Point)
Aula: Sistema Endócrino (Power Point)
Bio
 
Sistema endócrino
Sistema endócrino Sistema endócrino
Sistema endócrino
laismoraes93
 
Aulas bio 2 parte iii
Aulas bio 2 parte iiiAulas bio 2 parte iii
Aulas bio 2 parte iii
denilsonbio
 
Aulas bio 2 parte ii
Aulas bio 2 parte iiAulas bio 2 parte ii
Aulas bio 2 parte ii
denilsonbio
 
Aulas bio 1 parte iii
Aulas bio 1 parte iiiAulas bio 1 parte iii
Aulas bio 1 parte iii
denilsonbio
 
Aulas bio 1 parte ii
Aulas bio 1 parte iiAulas bio 1 parte ii
Aulas bio 1 parte ii
denilsonbio
 
Biologia 1
Biologia 1Biologia 1
Biologia 1
denilsonbio
 
Biologia 2
Biologia 2Biologia 2
Biologia 2
denilsonbio
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
Jardiel7
 

Destaque (20)

Desenvolvimento do embrião
Desenvolvimento do embriãoDesenvolvimento do embrião
Desenvolvimento do embrião
 
Embriogenese
EmbriogeneseEmbriogenese
Embriogenese
 
Introdução à embriologia
Introdução à embriologiaIntrodução à embriologia
Introdução à embriologia
 
Reproducao
ReproducaoReproducao
Reproducao
 
Organogenese
OrganogeneseOrganogenese
Organogenese
 
Aula organogênese
Aula organogêneseAula organogênese
Aula organogênese
 
Gametogenese.ppt
Gametogenese.pptGametogenese.ppt
Gametogenese.ppt
 
Sistema EndóCrino
Sistema EndóCrinoSistema EndóCrino
Sistema EndóCrino
 
Cap 07-cartilago-hueso
Cap 07-cartilago-huesoCap 07-cartilago-hueso
Cap 07-cartilago-hueso
 
Embriologia 1ª e 2ª semana
Embriologia 1ª e 2ª semanaEmbriologia 1ª e 2ª semana
Embriologia 1ª e 2ª semana
 
Sistema endócrino slides da aula
Sistema endócrino slides da aulaSistema endócrino slides da aula
Sistema endócrino slides da aula
 
Aula: Sistema Endócrino (Power Point)
Aula: Sistema Endócrino (Power Point)Aula: Sistema Endócrino (Power Point)
Aula: Sistema Endócrino (Power Point)
 
Sistema endócrino
Sistema endócrino Sistema endócrino
Sistema endócrino
 
Aulas bio 2 parte iii
Aulas bio 2 parte iiiAulas bio 2 parte iii
Aulas bio 2 parte iii
 
Aulas bio 2 parte ii
Aulas bio 2 parte iiAulas bio 2 parte ii
Aulas bio 2 parte ii
 
Aulas bio 1 parte iii
Aulas bio 1 parte iiiAulas bio 1 parte iii
Aulas bio 1 parte iii
 
Aulas bio 1 parte ii
Aulas bio 1 parte iiAulas bio 1 parte ii
Aulas bio 1 parte ii
 
Biologia 1
Biologia 1Biologia 1
Biologia 1
 
Biologia 2
Biologia 2Biologia 2
Biologia 2
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 

Semelhante a Embriologia

desenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdf
desenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdfdesenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdf
desenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdf
RhuanPablo26
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
Adrianne Mendonça
 
embriologia animal.pptx
embriologia animal.pptxembriologia animal.pptx
embriologia animal.pptx
RhuanPablo26
 
Desenvolvimento embrionário dos animais 2
Desenvolvimento embrionário dos animais 2Desenvolvimento embrionário dos animais 2
Desenvolvimento embrionário dos animais 2
letyap
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
andreepinto
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
Roberta Almeida
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
andreepinto
 
Apresentação biologia, ju e bi
Apresentação biologia, ju e biApresentação biologia, ju e bi
Apresentação biologia, ju e bi
Roberto Bagatini
 
Embriologia cic damas
Embriologia cic damasEmbriologia cic damas
Embriologia cic damas
Wagner Freitas
 
Embriogênese
EmbriogêneseEmbriogênese
Embriogênese
César Milani
 
3. embriogênese
3. embriogênese3. embriogênese
3. embriogênese
Maria Jaqueline Mesquita
 
Template Harry Potter de rivas.pptx
Template Harry Potter de rivas.pptxTemplate Harry Potter de rivas.pptx
Template Harry Potter de rivas.pptx
DaniSantana26
 
M2 de biologia embriologia animal
M2 de biologia embriologia animalM2 de biologia embriologia animal
M2 de biologia embriologia animal
Gabriela Costa
 
Gastrulacao eneurulacao
Gastrulacao eneurulacaoGastrulacao eneurulacao
Gastrulacao eneurulacao
arturvalgas
 
Apresentação de biologia
Apresentação de biologiaApresentação de biologia
Apresentação de biologia
Roberto Bagatini
 
Diversidade animal
Diversidade animalDiversidade animal
Diversidade animal
Janis Rodrigues
 
Enfermagem
Enfermagem Enfermagem
Enfermagem
Rayan Ribeiro
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
Roberto Bagatini
 
Apostila Zoologia - de Porífera a Mollusca
Apostila Zoologia - de Porífera a MolluscaApostila Zoologia - de Porífera a Mollusca
Apostila Zoologia - de Porífera a Mollusca
Gabriel Martins
 
Poríferos e cnidários 3C- 2015
Poríferos e cnidários 3C- 2015Poríferos e cnidários 3C- 2015
Poríferos e cnidários 3C- 2015
Maria Teresa Iannaco Grego
 

Semelhante a Embriologia (20)

desenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdf
desenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdfdesenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdf
desenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdf
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
embriologia animal.pptx
embriologia animal.pptxembriologia animal.pptx
embriologia animal.pptx
 
Desenvolvimento embrionário dos animais 2
Desenvolvimento embrionário dos animais 2Desenvolvimento embrionário dos animais 2
Desenvolvimento embrionário dos animais 2
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Apresentação biologia, ju e bi
Apresentação biologia, ju e biApresentação biologia, ju e bi
Apresentação biologia, ju e bi
 
Embriologia cic damas
Embriologia cic damasEmbriologia cic damas
Embriologia cic damas
 
Embriogênese
EmbriogêneseEmbriogênese
Embriogênese
 
3. embriogênese
3. embriogênese3. embriogênese
3. embriogênese
 
Template Harry Potter de rivas.pptx
Template Harry Potter de rivas.pptxTemplate Harry Potter de rivas.pptx
Template Harry Potter de rivas.pptx
 
M2 de biologia embriologia animal
M2 de biologia embriologia animalM2 de biologia embriologia animal
M2 de biologia embriologia animal
 
Gastrulacao eneurulacao
Gastrulacao eneurulacaoGastrulacao eneurulacao
Gastrulacao eneurulacao
 
Apresentação de biologia
Apresentação de biologiaApresentação de biologia
Apresentação de biologia
 
Diversidade animal
Diversidade animalDiversidade animal
Diversidade animal
 
Enfermagem
Enfermagem Enfermagem
Enfermagem
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Apostila Zoologia - de Porífera a Mollusca
Apostila Zoologia - de Porífera a MolluscaApostila Zoologia - de Porífera a Mollusca
Apostila Zoologia - de Porífera a Mollusca
 
Poríferos e cnidários 3C- 2015
Poríferos e cnidários 3C- 2015Poríferos e cnidários 3C- 2015
Poríferos e cnidários 3C- 2015
 

Mais de Altair Hoepers

Bioquimica celular
Bioquimica celularBioquimica celular
Bioquimica celular
Altair Hoepers
 
A celula
A celulaA celula
A celula
Altair Hoepers
 
Ciclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicosCiclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicos
Altair Hoepers
 
Membrana celular
Membrana celularMembrana celular
Membrana celular
Altair Hoepers
 
O nucleo celular
O nucleo celularO nucleo celular
O nucleo celular
Altair Hoepers
 
O citoplasma celular
O citoplasma celularO citoplasma celular
O citoplasma celular
Altair Hoepers
 
Tecido conjuntivo
Tecido conjuntivoTecido conjuntivo
Tecido conjuntivo
Altair Hoepers
 
Tecido epitelial
Tecido epitelialTecido epitelial
Tecido epitelial
Altair Hoepers
 
12333
1233312333
Diversidade celular
Diversidade celularDiversidade celular
Diversidade celular
Altair Hoepers
 
Gametogenese
GametogeneseGametogenese
Gametogenese
Altair Hoepers
 
Vegetais superiores
Vegetais superioresVegetais superiores
Vegetais superiores
Altair Hoepers
 
Vegetacao global
Vegetacao globalVegetacao global
Vegetacao global
Altair Hoepers
 
Relacoes entre os_seres_vivos
Relacoes entre os_seres_vivosRelacoes entre os_seres_vivos
Relacoes entre os_seres_vivos
Altair Hoepers
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
Altair Hoepers
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
Altair Hoepers
 
Protocordados
ProtocordadosProtocordados
Protocordados
Altair Hoepers
 
Poriferos
PoriferosPoriferos
Poriferos
Altair Hoepers
 
Poluicao do solo
Poluicao do soloPoluicao do solo
Poluicao do solo
Altair Hoepers
 
Poluicao da agua
Poluicao da aguaPoluicao da agua
Poluicao da agua
Altair Hoepers
 

Mais de Altair Hoepers (20)

Bioquimica celular
Bioquimica celularBioquimica celular
Bioquimica celular
 
A celula
A celulaA celula
A celula
 
Ciclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicosCiclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicos
 
Membrana celular
Membrana celularMembrana celular
Membrana celular
 
O nucleo celular
O nucleo celularO nucleo celular
O nucleo celular
 
O citoplasma celular
O citoplasma celularO citoplasma celular
O citoplasma celular
 
Tecido conjuntivo
Tecido conjuntivoTecido conjuntivo
Tecido conjuntivo
 
Tecido epitelial
Tecido epitelialTecido epitelial
Tecido epitelial
 
12333
1233312333
12333
 
Diversidade celular
Diversidade celularDiversidade celular
Diversidade celular
 
Gametogenese
GametogeneseGametogenese
Gametogenese
 
Vegetais superiores
Vegetais superioresVegetais superiores
Vegetais superiores
 
Vegetacao global
Vegetacao globalVegetacao global
Vegetacao global
 
Relacoes entre os_seres_vivos
Relacoes entre os_seres_vivosRelacoes entre os_seres_vivos
Relacoes entre os_seres_vivos
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Protocordados
ProtocordadosProtocordados
Protocordados
 
Poriferos
PoriferosPoriferos
Poriferos
 
Poluicao do solo
Poluicao do soloPoluicao do solo
Poluicao do solo
 
Poluicao da agua
Poluicao da aguaPoluicao da agua
Poluicao da agua
 

Embriologia

  • 1. Embriologia   Embriologia é a parte da Biologia que estuda as transformações que se processa no embrião, desde a formação da célula-ovo até o nascimento.
  • 2. Tipos de óvulos: os óvulos possuem uma substancia de reserva nutritiva chamada vitelo, de acordo com a quantidade e a distribuição do vitelo, os óvulos são classificados em quatro categorias:.
  • 3. Oligolécitos: apresentam pequena quantidade de vitelo distribuída de forma homogênea no citoplasma. Ocorre nos equinodermos, protocordados e nos mamíferos Heterolécitos: apresentam uma quantidade média de vitelo que se concentra no pólo vegetativo do óvulo. Ocorrem em moluscos, anelídeos e anfíbios.
  • 4.     Telocétitos: têm grande quantidade de vitelo, deixando o núcleo e o citoplasma localizados no extremo do pólo animal. Ocorrem na aves, répteis e peixes      Centrolécitos: com grande quantidade de vitelo concentrada ao redor do núcleo celular, o citoplasma se reduz a uma pequena camada periférica. Ocorrem nos artrópodos.
  • 6. Tipos de segmentação: segmentação é o processo de divisão da célula-ovo. Segmentação desigual: quando se formam blastômeros de tamanhos diferentes. Segmentação igual: quando forma blastômeros de mesmo tamanho.
  • 7. Segmentação total: quando toda a célula ovo se divide Segmentação discoidal: quando apenas o pólo animal do zigoto se divide Segmentação superficial: quando apenas a parte superficial da célula se divide
  • 9.   Estágios embrionários: são as etapas do desenvolvimento embrionário: célula-ovo, mórula, blástula, gástrula e nêurula.
  • 10. Blástula: estágio embrionário em que o embrião apresenta a forma de uma esfera, com uma cavidade interna chamada blastocele. Mórula: aglomerado maciço de células, semelhantes a uma amora, é nessa fase que o embrião chega ao útero.
  • 13. Animais diblásticos são aqueles cuja a gástrula dá origem apenas a dois folhetos embrionários, a ectoderme e a endoderme. Já nos animais triblásticos a gástrula da origem a três folhetos embrionários: a ectoderme, a mesoderme e a endoderme. Diblástico
  • 14. Gástrula: estágio embrionário, onde o embrião apresenta uma abertura chamada blastóporo, que evoluirá para formar a boca ou o ânus. Gastrulação é o processo de formação da gástrula.
  • 15. Os animais em que o blastóporo dará origem a boca chamam-se protostômio; e os que o blastóporo dará origem ao ânus chamam- se deuterostômios.
  • 16. * Nêurula: é a fase do desenvolvimento embrionário em que já se observa o tuboneural. A notocorda se forma a partir da evaginação longitudinal de células da endoderme. A notocorda é um cordão fibroso paralelo ao dorso do embrião, representa o primeiro esboço de esqueleto do individuo. Nos vertebrados, a notocorda será substituída pela coluna vertebral.
  • 18. Organogênese: no inicio do desenvolvimento embrionário, as células do embrião são indiferenciadas. A partir da formação da gástrula, inicia-se o processo de diferenciação, em que cada folheto embrionário dá origem a novas células com formas e funções especificas. Assim, surgem os tecidos que, depois, se agrupam para formar os órgãos e, posteriormente, os sistemas
  • 19. Folhetos embrionários ou Camadas embrionárias: são camadas celulares embrionárias, que sofrerão diferenciação dando origem aos órgãos. O destino dos folhetos embrionários pode ser resumido da seguinte forma:
  • 20. Ectoderme, dará origem aos seguintes órgãos ou sistemas: •Epiderme e seus fâneros: como pêlos, cabelo, unhas e, em mamíferos, cascos e cornos. •Mucosa da boca, nariz e ânus, além do esmalte do dente. •Tubo neural: que se dilata na sua parte anterior para formar o encéfalo (cérebro, cerebelo, protuberância e bulbo) a glândula pineal e a neuro- hipófise.• Lobo anterior da hipófise ou adeno-hipófise
  • 22. Mesoderme, que dará origem ao: •Celoma ou cavidade geral; •Serosas, como o peritônio, pleura e pericárdio; •Derme: um dos constituinte histológico da pele;
  • 23. Mesênquima: espécie de tecido conjuntivo embrionário primitivo, que por diferenciação celular irá formar os: condroblastos, osteoblastos, mioblasto e histioblastos, a partir dos quais resultam as cartilagens, o tecido ósseo, musculares e os tecidos conjuntivos permanentes.
  • 24. Endoderme, formará: •Todo o tubo digestivo, exceto a mucosa oral e anal, e seus anexos. •Todas as demais mucosas do organismo. •Notocorda, que dependendo do animal, será substituída pela coluna vertebral
  • 25. Folhetos Embrionários Os folhetos podem ser dois ou três dependendo do estágio evolutivo do animal. Diblásticos: animais com apenas dois folhetos embrionários (ectoderme e endoderme) Triblásticos: animais com três folhetos embrionários (ectoderme, mesoderme e endoderme) No final do processo podem-se reconhecer nitidamente três folhetos: ectoderme, mesoderme e endoderme.
  • 26. A cavidade delimitada pela mesentoderme é denominada de arquêntero ou intestino primitivo, e o orifício de abertura do arquêntero é chamado de blastóporo.
  • 27. Animal deuterostômio: é o animal em que o blastóporo origina o ânus
  • 28. Animal protostômio: é o animal em que o blastóporo origina a boca.
  • 29. o Celoma (cavidade geral do embrião delimitada pela mesoderme e revestida por epitelial mesodérmico.
  • 30. Anexos embrionários Conceito: São estruturas que surgem a partir dos folhetos embrionários e dão suporte vital ao embrião até que este possa fazê-lo.
  • 31. Os anexos surgem evolutivamente conforme o ambiente a ser conquistado vai selecionando os indivíduos na direção da vida terrestre e do desenvolvimento interno.
  • 32. Evolução dos anexos embrionários. Vesícula Vitelínica: É o primeiro anexo a surgir nos vertebrados e se caracteriza por ser a fonte e nutrição do embrião que não tem contato com a mãe. Este anexo está presente em embriões de todos os vertebrados, sendo especialmente desenvolvido nos peixes, répteis e aves. Corresponde a uma estrutura em forma de saco ligada a região ventral do embrião.
  • 33. Sua principal função é armazenar reservas nutritivas. Nos mamíferos eutherios ou placentados é reduzida, visto que a nutrição ocorre via placentária. Nesses, é responsável pela produção das hemácias nos primeiros estágios de vida.
  • 34. Com o aparecimento dos répteis e a conseqüente conquista definitiva do meio terrestre, foi necessário o aparecimento de outros anexos além do saco vitelínico:
  • 35. - Âmnio: É uma fina membrana que delimita uma bolsa repleta de líquido - o líquido amniótico que tem por funções: •         Evitar o ressecamento do embrião •          Proteger contra choques mecânicos.
  • 36. O âmnio representa uma importante adaptação dos répteis a vida terrestre junto com a fecundação interna e faz parte do chamado ovo terrestre. Esse anexo permitiu aos répteis avançar em terras secas, e independência da água para a reprodução.
  • 37. Alantóide: É uma membrana ligada a parte posterior do intestino do embrião. É muito desenvolvido em répteis e aves. Funções: •         Trocas de gases •         Armazenamento de excretas. * Absorção de minerais presentes na casca dos ovos e incorporação no esqueleto, facilitando a saída do animal ao nascer.
  • 38. Nos mamíferos o alantóide é desnecessário pois eles desenvolvem o cordão umbilical 
  • 39. Córion: É uma membrana fina que envolve os outros anexos embrionários. Junta-se com o alantóide para formar o alantocórion com função respiratória em aves e répteis.
  • 40. - Cordão Umbilical: É uma exclusividade dos mamíferos. É o elemento de ligação entre o feto e a placenta materna. Apresenta duas artérias e uma única veia, estruturas que garantem a nutrição e respiração do embrião. É formado a partir do alantóide e da vesícula vitelínica. cordão umbilical
  • 41. Placenta: Não é considerada por muitos autores como anexo embrionário já que tem uma parte materna e outra fetal. É uma estrutura de origem mista, exclusiva dos mamíferos. Permite a troca de substâncias entre o organismo materno e o fetal. Nos primeiros meses de gestação, a placenta trabalha produzindo hormônios, além de substâncias de defesa, nutrição, respiração e excreção.