SlideShare uma empresa Scribd logo
SOCIOLOGIA E FILOSOFIA Professores: Danilo Valentim Madelon Felix
Filosofia  Tema: O que é o bem? Felicidade, excelência e vida boa Regras éticas e caráter moral
O que é  bom? O que é bom para você?
A bondade é mais fácil de reconhecer do que definir. Os filósofos querem saber e discutir sobre a natureza da bondade. O que é? Em que consiste? Como se enquadra na vida? Por que não existe em maior grau na conduta humana? Os filósofos desse modo, abordam a questão da bondade perguntando: qual é exatamente o sentido da palavra bom?
Definição do bem no contexto da vida O que é viver bem? O que é uma vida boa?
Segundo Aristóteles, algo é bom quando consegue atingir o alvo visado. Um bom passe do jogador de futebol permitiu que o atacante chutasse em gol. Uma boa tacada fez com que a bola entrasse no buraco. Uma boa serra corta a madeira eficientemente. Em todos esses casos, o bom realiza com sucesso seu objetivo. Ele atinge o alvo, serve ao seu propósito, cumpre sua missão. Tem uma função e a desempenha bem. Usando o termo grego para o centro de um alvo, telos, podemos chamar isso de Conceito Teleológico do Bem.
Aristóteles afirmou que todos os seres humanos buscam a felicidade em tudo o que fazem. Nós necessariamente miramos em alvos nas nossas vidas diárias, tentando fazer coisas acontecerem. Segundo Aristóteles, subjacente a tudo que fazemos, a felicidade é nossa meta universal. Aristóteles concebe a felicidade mais como uma atividade, ou um processo de participação em algo que traz realização. A verdadeira felicidade é um subproduto de viver uma forma que apóie o florescimento humano. Ela está ligada a excelência. A felicidade advém de descobrir quem você é, desenvolvendo seus talentos próprios e pondo esses talentos a serviço geral dos outros, bem como de você.
Regras éticas e caráter moral Todo dia as pessoas boas lutam para viver em um mundo onde a bondade é posta em dúvida. Elas se perguntam como resistir às pressões e tentações que as tornariam algo de que não se orgulhariam. Elas querem saber como ensinar aos filhos as formas corretas de viver.  As regras são importantes na vida moral dos seres humanos. Começamos a aprender a vida moral na infância pela introdução a regras simples. As regras são, portanto, importantes na educação moral e precoce. Mas as regras não podem constituir o todo, ou mesmo a essência, da moralidade. As regras precisam de interpretação. As regras podem, em princípio conflitar. E jamais haveria regras suficientes para cobrir cada situação que pudéssemos enfrentar, em toda a sua complexidade e singularidade.
A bondade pode ser ensinada? Sócrates ensinou a Platão. Platão ensinou a Aristóteles. Aristóteles ensinou a Alexandre Magno, quando este ainda era moço. Mas Alexandre tornou-se magno pela associação com grandes homens.  É assim que a coisa funciona. Tornamo-nos como pessoas à nossa volta. Não pelo que dizem, mas pelo que as vemos fazer. Segundo Platão a bondade pode ser ensinada. E pode ser transmitida. Caráter produz caráter.
O que sou? - Um teste de caráter Este teste de caráter remonta a Platão. Ele representa Sócrates contando uma história sobre um anel mágico. Você o coloca e fica totalmente invisível.  Eis o teste: se pudesse ficar invisível, ou se de alguma outra forma suas ações pudessem permanecer absolutamente secretas, o que você faria? Como você agiria? Você se comportaria de forma diferente? Ou seria exatamente o mesmo?
Ao imaginar suas ações libertas de qualquer punição ou censura possível, você passa a saber o que você valoriza por si mesmo. Você passa a saber quem você é no íntimo. Isso pode ser um exercício esclarecedor se realizado honestamente.
Sociologia  Temas: O papel social da educação Raça e etnia
1- O Papel social da educação 1.1Além das disciplinas do currículo, o que você tem aprendido na escola? 1.2O que a escola tem lhe ensinado para a sua vida em Sociedade?
2- A criança como sujeito: O que integra uma pessoa à sociedade e ao grupo em que vive é o patrimônio cultural que ela recebe. - A transmissão desse patrimônio começa no momento em que ela nasce. - Objetivos da educação: transmissão de cultura, a adaptação dos indivíduos à sociedade, o desenvolvimento de suas potencialidades e, como conseqüência, o desenvolvimento da personalidade e da própria sociedade. - O processo educativo é um processo permanente, que nunca termina, pois vai acompanhá-la a vida toda. -Enquanto aprende a criança reage com atitudes e formas de agir, sentir e pensar que exercem influência sobre o processo produtivo.
3- Tipos de Educação: Educação Formal ou sistemática : - O objetivo básico é a transmissão de certos legados culturais, isto é, de conhecimentos, técnicas ou modos de vida. É uma modalidade organizada, metódica e seletiva de educação. Educação Informal, assistemática ou difusa: - é o que acontece na vida diária por intermédio dos contatos primários ( com a família por exemplo) e pela assimilação dos hábitos de cada grupo social, pela observação do comportamento dos mais velhos, pela convivência com outros membros da sociedade. É realizada sem nenhum plano, hora ou local marcado.
 
Quanto mais desenvolvida é uma sociedade, mais amplos e complexos são os processos de educação formal, na sociedade do futuro, a do conhecimento, terão vez apenas os indivíduos dotados de uma educação apropriada. Os que não tiverem acesso a essa educação formal correrão o risco de serem excluídos, cabe ao Estado investir maciçamente na educação, especialmente no ensino básico, como forma de garantir oportunidades iguais a todos os membros da sociedade. É nessa perspectiva que o professor Cristovam Buarque, ministro da educação do governo de Luiz Inácio Lula da Silva entre janeiro de 2003 e janeiro de 2004, alerta sobre mercantilização do ensino ( uma tendência do mundo neoliberal), que pode levar ao que ele chama de “estado de dessemelhança”. Nesse caso, dentro de trinta anos haveria uma minoria educada, alienada e integrada ao mundo da globalização, em contraste com uma grande maioria sem acesso à educação.
A sociedade da informação Vivemos em uma época na qual nunca foi tão fácil obter informações. Atualmente, uma só edição do jornal norte-americano New York Times contém mais informação do que uma pessoa comum poderia receber durante toda a sua vida na Inglaterra do século XVII. Com a incorporação dos recursos quase ilimitados da Internet ao ensino, a educação está se modificando, o grande desafio é transformar essa enxurrada de informações eletrônicas em conhecimento verdadeiro, como instrumento de conhecimento, a Internet oferece vantagens, como permitir o aprendizado a distância, por meio da educação virtual, sem que seja necessária a presença de um professor; fazer rápidas pesquisas em bibliotecas, enciclopédias e arquivos de todo o mundo; visitar museus em outros países sem sair de casa.
Em contrapartida, a Internet provoca um novo desafio pedagógico: ganha-se em velocidade e em volume de informações, mas perde-se aquilo que antes era proporcionado pela presença humana, o olho no olho, o contato físico, a pesquisa direta nas fontes. A escola, em geral, emprega atualmente vários meios para atingir seus objetivos educacionais. Destacamos alguns: . O local e instalações apropriadas; . currículos e programas planejados para cada etapa da educação; . proposta pedagógica clara e baseada em princípios filosóficos definidos; . métodos e materiais didáticos apropriados à transmissão de várias disciplinas, incluindo laboratórios de ciências e informática; . professores especializados.
Nos anos 1970, com os trabalhos do filósofo, psicólogo e pedagogo suíço Jean Piaget (1896-1980), houve uma grande mudança na forma de se conceber o ensino/ aprendizagem e a relação entre professor e aluno. Até então, predominava uma concepção tradicionalista, na qual o aluno era tratado como receptor passivo no processo pedagógico, o professor era considerado o único portador e difusor do conhecimento. Piaget desenvolveu uma concepção pedagógica na qual a criança deixava de ser vista como um ser passivo, passando a ocupar posição central no processo educativo. Com base nessa concepção, a psicóloga Argentina Emilia Ferrero desenvolveu uma nova filosofia de ensino: a concepção construtivista. Segundo Emilia Ferrero, a aprendizagem deve estar diretamente ligada às coisas significativas para a criança, à sua realidade, ao contexto no qual ela vive. A concepção construtivista foi adotada com sucesso nos anos 1980 e 1990, mas em dado momento começou a apresentar problemas, tendo sua eficiência questionada.
Grupo social ou instituição? Do ponto de vista sociólogo, a escola pode ser estudada como grupo social ou como instituição. Por um lado, ela é uma reunião de indivíduos (alunos, professores e funcionários) com objetivos comuns e em contínua interação. Dessa forma, ela constitui um grupo social que transmite conhecimento. Mas a escola é também uma instituição social, ou seja, uma estrutura mais ou menos permanente que reúne normas e procedimentos padronizados, cujo objetivo principal é a socialização do indivíduo e a transmissão dos conhecimentos e do patrimônio cultural da sociedade.
Professores e alunos No estudo da estrutura da escola, percebe-se a coexistência de dois grupos distintos mas interdependentes: os educadores e os educados. Os educados sua principal tarefa consiste em transmitir aos educandos esses valores sociais, além dos conhecimentos básicos necessários, de modo a prepará-los para a vida em sociedade.
Grupos associativos Criados de forma quase espontânea a partir da convivência escolar, os grupos associativos podem ser de três tipos: - grupos intelectuais – são aqueles que se formam para estudo e pesquisa, discussão de assuntos tratados em aula, etc; - grupos recreativos – organizados para brincadeiras, jogos em equipe, disputas e gincanas que se realizam na escola, mas fora do período de aulas  - grupos cooperativos – são os que se organizam para realizar ações não relacionadas ao aprendizado da escola.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Etica e cidadania lps
Etica e cidadania   lpsEtica e cidadania   lps
Etica e cidadania lps
Lubelia Barbosa
 
Etica e Educacao
Etica e EducacaoEtica e Educacao
Etica e Educacao
Alfredo Garcia
 
Marcos Cordiolli Ética e cidadania na sala de aula Versão 2013
Marcos Cordiolli   Ética e cidadania na sala de aula Versão  2013Marcos Cordiolli   Ética e cidadania na sala de aula Versão  2013
Marcos Cordiolli Ética e cidadania na sala de aula Versão 2013
Marcos Cordiolli
 
éTica X Educacao
éTica X EducacaoéTica X Educacao
éTica X Educacao
Norma Almeida
 
TRABALHO DE FILOSOFIA 3º A ( ÉTICA NA ESCOLA).
TRABALHO DE FILOSOFIA 3º A ( ÉTICA NA ESCOLA).TRABALHO DE FILOSOFIA 3º A ( ÉTICA NA ESCOLA).
TRABALHO DE FILOSOFIA 3º A ( ÉTICA NA ESCOLA).
Josilene Braga
 
Prática docente
Prática docentePrática docente
Prática docente
Atami Santos
 
éTica
éTicaéTica
Ética no trabalho
Ética no trabalhoÉtica no trabalho
Ética no trabalho
Josiel Barbosa
 
Etica e educacao
Etica e educacaoEtica e educacao
Etica e educacao
Susanne Messias
 
Etica salinas
Etica salinasEtica salinas
Etica salinas
temastransversais
 
Valores sociais
Valores sociaisValores sociais
Valores sociais
rosangelajoao
 
Valores na escola
Valores na escolaValores na escola
Valores na escola
Luis Carlos Almeida
 
Aula 3 normas e regras
Aula 3   normas e regrasAula 3   normas e regras
Aula 3 normas e regras
Fábio Nogueira, PhD
 
Ética e Moral - Grupo 01 (Davi, Franciele, Evelyn, Giorgia, Guilherme, Julia ...
Ética e Moral - Grupo 01 (Davi, Franciele, Evelyn, Giorgia, Guilherme, Julia ...Ética e Moral - Grupo 01 (Davi, Franciele, Evelyn, Giorgia, Guilherme, Julia ...
Ética e Moral - Grupo 01 (Davi, Franciele, Evelyn, Giorgia, Guilherme, Julia ...
Trezetepe
 
Esquema conteúdos norma moral e intenção ética
Esquema conteúdos norma moral e intenção éticaEsquema conteúdos norma moral e intenção ética
Esquema conteúdos norma moral e intenção ética
Filazambuja
 
Conduta ética do professor com base na pedagogia da autonomia de paulo freire
Conduta ética do professor com base na pedagogia da autonomia de paulo freireConduta ética do professor com base na pedagogia da autonomia de paulo freire
Conduta ética do professor com base na pedagogia da autonomia de paulo freire
Fernanda Germano
 
Ensino religioso ética
Ensino religioso  éticaEnsino religioso  ética
Ensino religioso ética
Atividades Diversas Cláudia
 
Powerpoint ética na prática pedagógica
Powerpoint ética na prática pedagógicaPowerpoint ética na prática pedagógica
Powerpoint ética na prática pedagógica
Ramiro Marques
 
Ética e o profissional da educação
Ética e o profissional da educaçãoÉtica e o profissional da educação
Ética e o profissional da educação
Gerisval Pessoa
 
Diferença entre moral e ética
Diferença entre moral e éticaDiferença entre moral e ética
Diferença entre moral e ética
Karla Carioca
 

Mais procurados (20)

Etica e cidadania lps
Etica e cidadania   lpsEtica e cidadania   lps
Etica e cidadania lps
 
Etica e Educacao
Etica e EducacaoEtica e Educacao
Etica e Educacao
 
Marcos Cordiolli Ética e cidadania na sala de aula Versão 2013
Marcos Cordiolli   Ética e cidadania na sala de aula Versão  2013Marcos Cordiolli   Ética e cidadania na sala de aula Versão  2013
Marcos Cordiolli Ética e cidadania na sala de aula Versão 2013
 
éTica X Educacao
éTica X EducacaoéTica X Educacao
éTica X Educacao
 
TRABALHO DE FILOSOFIA 3º A ( ÉTICA NA ESCOLA).
TRABALHO DE FILOSOFIA 3º A ( ÉTICA NA ESCOLA).TRABALHO DE FILOSOFIA 3º A ( ÉTICA NA ESCOLA).
TRABALHO DE FILOSOFIA 3º A ( ÉTICA NA ESCOLA).
 
Prática docente
Prática docentePrática docente
Prática docente
 
éTica
éTicaéTica
éTica
 
Ética no trabalho
Ética no trabalhoÉtica no trabalho
Ética no trabalho
 
Etica e educacao
Etica e educacaoEtica e educacao
Etica e educacao
 
Etica salinas
Etica salinasEtica salinas
Etica salinas
 
Valores sociais
Valores sociaisValores sociais
Valores sociais
 
Valores na escola
Valores na escolaValores na escola
Valores na escola
 
Aula 3 normas e regras
Aula 3   normas e regrasAula 3   normas e regras
Aula 3 normas e regras
 
Ética e Moral - Grupo 01 (Davi, Franciele, Evelyn, Giorgia, Guilherme, Julia ...
Ética e Moral - Grupo 01 (Davi, Franciele, Evelyn, Giorgia, Guilherme, Julia ...Ética e Moral - Grupo 01 (Davi, Franciele, Evelyn, Giorgia, Guilherme, Julia ...
Ética e Moral - Grupo 01 (Davi, Franciele, Evelyn, Giorgia, Guilherme, Julia ...
 
Esquema conteúdos norma moral e intenção ética
Esquema conteúdos norma moral e intenção éticaEsquema conteúdos norma moral e intenção ética
Esquema conteúdos norma moral e intenção ética
 
Conduta ética do professor com base na pedagogia da autonomia de paulo freire
Conduta ética do professor com base na pedagogia da autonomia de paulo freireConduta ética do professor com base na pedagogia da autonomia de paulo freire
Conduta ética do professor com base na pedagogia da autonomia de paulo freire
 
Ensino religioso ética
Ensino religioso  éticaEnsino religioso  ética
Ensino religioso ética
 
Powerpoint ética na prática pedagógica
Powerpoint ética na prática pedagógicaPowerpoint ética na prática pedagógica
Powerpoint ética na prática pedagógica
 
Ética e o profissional da educação
Ética e o profissional da educaçãoÉtica e o profissional da educação
Ética e o profissional da educação
 
Diferença entre moral e ética
Diferença entre moral e éticaDiferença entre moral e ética
Diferença entre moral e ética
 

Destaque

Etica profissional
Etica profissionalEtica profissional
Etica profissional
Beatriz Ribeiro
 
Etica e valores
Etica e valoresEtica e valores
Etica e valores
Márcia Corrêa
 
ÉTica No Trabalho
ÉTica No TrabalhoÉTica No Trabalho
ÉTica No Trabalho
aroudus
 
Revista forma contextualismo
Revista forma   contextualismoRevista forma   contextualismo
Revista forma contextualismo
Viviane Marques
 
Etica na historia da filosofia
Etica na historia da filosofiaEtica na historia da filosofia
Etica na historia da filosofia
masalas
 
A ética na idade media
A ética na idade mediaA ética na idade media
A ética na idade media
Harrison Sodre Melônio
 
Ética e Deontologia
Ética e DeontologiaÉtica e Deontologia
Ética e Deontologia
Alfredo Garcia
 
éTica no ambiente profissional
éTica no ambiente profissionaléTica no ambiente profissional
éTica no ambiente profissional
leojusto
 
A teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de millA teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de mill
Luis De Sousa Rodrigues
 
Ética profissional
Ética profissional Ética profissional
Ética profissional
JUCILANA
 
Etica
EticaEtica
Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e ética
Over Lane
 
Etica no Ambiente de Trabalho
Etica no Ambiente de TrabalhoEtica no Ambiente de Trabalho
Etica no Ambiente de Trabalho
Nyedson Barbosa
 
ETICA
ETICAETICA
Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e ética
Marcela Marangon Ribeiro
 
Aula 3 noções de ética profissional
Aula 3   noções de ética profissionalAula 3   noções de ética profissional
Aula 3 noções de ética profissional
Luiz Siles
 
Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.
Secretaria da Educação
 
O que são Valores, Principios, Leis, Normas e Regras
O que são Valores, Principios, Leis, Normas e RegrasO que são Valores, Principios, Leis, Normas e Regras
O que são Valores, Principios, Leis, Normas e Regras
Pedro Kangombe
 

Destaque (18)

Etica profissional
Etica profissionalEtica profissional
Etica profissional
 
Etica e valores
Etica e valoresEtica e valores
Etica e valores
 
ÉTica No Trabalho
ÉTica No TrabalhoÉTica No Trabalho
ÉTica No Trabalho
 
Revista forma contextualismo
Revista forma   contextualismoRevista forma   contextualismo
Revista forma contextualismo
 
Etica na historia da filosofia
Etica na historia da filosofiaEtica na historia da filosofia
Etica na historia da filosofia
 
A ética na idade media
A ética na idade mediaA ética na idade media
A ética na idade media
 
Ética e Deontologia
Ética e DeontologiaÉtica e Deontologia
Ética e Deontologia
 
éTica no ambiente profissional
éTica no ambiente profissionaléTica no ambiente profissional
éTica no ambiente profissional
 
A teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de millA teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de mill
 
Ética profissional
Ética profissional Ética profissional
Ética profissional
 
Etica
EticaEtica
Etica
 
Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e ética
 
Etica no Ambiente de Trabalho
Etica no Ambiente de TrabalhoEtica no Ambiente de Trabalho
Etica no Ambiente de Trabalho
 
ETICA
ETICAETICA
ETICA
 
Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e ética
 
Aula 3 noções de ética profissional
Aula 3   noções de ética profissionalAula 3   noções de ética profissional
Aula 3 noções de ética profissional
 
Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.
 
O que são Valores, Principios, Leis, Normas e Regras
O que são Valores, Principios, Leis, Normas e RegrasO que são Valores, Principios, Leis, Normas e Regras
O que são Valores, Principios, Leis, Normas e Regras
 

Semelhante a Educação e Regras de Ética

01.-Super-Apostila-1-Conhecimentos-Pedagógicos.pdf
01.-Super-Apostila-1-Conhecimentos-Pedagógicos.pdf01.-Super-Apostila-1-Conhecimentos-Pedagógicos.pdf
01.-Super-Apostila-1-Conhecimentos-Pedagógicos.pdf
ssuserdd552c1
 
PSICOLOGIA APRENDIZAGEM E DA AVALIAÇÃO.pptx
PSICOLOGIA APRENDIZAGEM E DA AVALIAÇÃO.pptxPSICOLOGIA APRENDIZAGEM E DA AVALIAÇÃO.pptx
PSICOLOGIA APRENDIZAGEM E DA AVALIAÇÃO.pptx
AndraRibeiroSouza
 
Reflexões introdutórias sobre educação
Reflexões introdutórias sobre educaçãoReflexões introdutórias sobre educação
Reflexões introdutórias sobre educação
ThaisSalema
 
Profuncionario
ProfuncionarioProfuncionario
Profuncionario
marcilene1311
 
socialização entre comunidade e sociedade 3 ano.pptx
socialização entre comunidade e sociedade 3 ano.pptxsocialização entre comunidade e sociedade 3 ano.pptx
socialização entre comunidade e sociedade 3 ano.pptx
CarladeOliveira25
 
durkheim
durkheimdurkheim
Filosofia-1s-3b-EM CN Versão 2 para o aplicativo.pdf
Filosofia-1s-3b-EM CN Versão 2 para o aplicativo.pdfFilosofia-1s-3b-EM CN Versão 2 para o aplicativo.pdf
Filosofia-1s-3b-EM CN Versão 2 para o aplicativo.pdf
JooLuizSezures
 
livro importancia da linguagem....pdf
livro importancia da linguagem....pdflivro importancia da linguagem....pdf
livro importancia da linguagem....pdf
JaneNi5
 
Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomiaPedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomia
Genario Sousa
 
Pedagogiadaautonomia 160227202032
Pedagogiadaautonomia 160227202032Pedagogiadaautonomia 160227202032
Pedagogiadaautonomia 160227202032
Taís Rubinho
 
Pedagogiadaautonomia 160227202032
Pedagogiadaautonomia 160227202032Pedagogiadaautonomia 160227202032
Pedagogiadaautonomia 160227202032
Taís Rubinho
 
Sociologia generico
Sociologia genericoSociologia generico
Sociologia generico
Pedro Oliveira
 
Indicações de leitura
Indicações de leituraIndicações de leitura
Indicações de leitura
FDernandes
 
Fundamentos da educação da criança
Fundamentos da educação da criançaFundamentos da educação da criança
Fundamentos da educação da criança
cruzacre
 
Fundamentos da educação da criança
Fundamentos da educação da criançaFundamentos da educação da criança
Fundamentos da educação da criança
cruzacre
 
2. escola e conhecimento
2. escola e conhecimento2. escola e conhecimento
2. escola e conhecimento
Ulisses Vakirtzis
 
1º sieif – seminário internacional de educação integral
1º sieif – seminário internacional de educação integral1º sieif – seminário internacional de educação integral
1º sieif – seminário internacional de educação integral
Adail Sobral
 
São vários os problemas que se perpetuam e se intensificam nesse novo milênio
São vários os problemas que se perpetuam e se intensificam nesse novo milênioSão vários os problemas que se perpetuam e se intensificam nesse novo milênio
São vários os problemas que se perpetuam e se intensificam nesse novo milênio
Tania Braga
 
ARTIGO – PIBID E PROFESSOR: INTERSECÇÕES NA FORMAÇÃO DE UM NOVO PROFISSIONAL.
ARTIGO – PIBID E PROFESSOR: INTERSECÇÕES NA FORMAÇÃO DE UM NOVO PROFISSIONAL.ARTIGO – PIBID E PROFESSOR: INTERSECÇÕES NA FORMAÇÃO DE UM NOVO PROFISSIONAL.
ARTIGO – PIBID E PROFESSOR: INTERSECÇÕES NA FORMAÇÃO DE UM NOVO PROFISSIONAL.
Tissiane Gomes
 
Abordagens sociopolíticas da educação
Abordagens sociopolíticas da educaçãoAbordagens sociopolíticas da educação
Abordagens sociopolíticas da educação
Edilene Pina
 

Semelhante a Educação e Regras de Ética (20)

01.-Super-Apostila-1-Conhecimentos-Pedagógicos.pdf
01.-Super-Apostila-1-Conhecimentos-Pedagógicos.pdf01.-Super-Apostila-1-Conhecimentos-Pedagógicos.pdf
01.-Super-Apostila-1-Conhecimentos-Pedagógicos.pdf
 
PSICOLOGIA APRENDIZAGEM E DA AVALIAÇÃO.pptx
PSICOLOGIA APRENDIZAGEM E DA AVALIAÇÃO.pptxPSICOLOGIA APRENDIZAGEM E DA AVALIAÇÃO.pptx
PSICOLOGIA APRENDIZAGEM E DA AVALIAÇÃO.pptx
 
Reflexões introdutórias sobre educação
Reflexões introdutórias sobre educaçãoReflexões introdutórias sobre educação
Reflexões introdutórias sobre educação
 
Profuncionario
ProfuncionarioProfuncionario
Profuncionario
 
socialização entre comunidade e sociedade 3 ano.pptx
socialização entre comunidade e sociedade 3 ano.pptxsocialização entre comunidade e sociedade 3 ano.pptx
socialização entre comunidade e sociedade 3 ano.pptx
 
durkheim
durkheimdurkheim
durkheim
 
Filosofia-1s-3b-EM CN Versão 2 para o aplicativo.pdf
Filosofia-1s-3b-EM CN Versão 2 para o aplicativo.pdfFilosofia-1s-3b-EM CN Versão 2 para o aplicativo.pdf
Filosofia-1s-3b-EM CN Versão 2 para o aplicativo.pdf
 
livro importancia da linguagem....pdf
livro importancia da linguagem....pdflivro importancia da linguagem....pdf
livro importancia da linguagem....pdf
 
Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomiaPedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomia
 
Pedagogiadaautonomia 160227202032
Pedagogiadaautonomia 160227202032Pedagogiadaautonomia 160227202032
Pedagogiadaautonomia 160227202032
 
Pedagogiadaautonomia 160227202032
Pedagogiadaautonomia 160227202032Pedagogiadaautonomia 160227202032
Pedagogiadaautonomia 160227202032
 
Sociologia generico
Sociologia genericoSociologia generico
Sociologia generico
 
Indicações de leitura
Indicações de leituraIndicações de leitura
Indicações de leitura
 
Fundamentos da educação da criança
Fundamentos da educação da criançaFundamentos da educação da criança
Fundamentos da educação da criança
 
Fundamentos da educação da criança
Fundamentos da educação da criançaFundamentos da educação da criança
Fundamentos da educação da criança
 
2. escola e conhecimento
2. escola e conhecimento2. escola e conhecimento
2. escola e conhecimento
 
1º sieif – seminário internacional de educação integral
1º sieif – seminário internacional de educação integral1º sieif – seminário internacional de educação integral
1º sieif – seminário internacional de educação integral
 
São vários os problemas que se perpetuam e se intensificam nesse novo milênio
São vários os problemas que se perpetuam e se intensificam nesse novo milênioSão vários os problemas que se perpetuam e se intensificam nesse novo milênio
São vários os problemas que se perpetuam e se intensificam nesse novo milênio
 
ARTIGO – PIBID E PROFESSOR: INTERSECÇÕES NA FORMAÇÃO DE UM NOVO PROFISSIONAL.
ARTIGO – PIBID E PROFESSOR: INTERSECÇÕES NA FORMAÇÃO DE UM NOVO PROFISSIONAL.ARTIGO – PIBID E PROFESSOR: INTERSECÇÕES NA FORMAÇÃO DE UM NOVO PROFISSIONAL.
ARTIGO – PIBID E PROFESSOR: INTERSECÇÕES NA FORMAÇÃO DE UM NOVO PROFISSIONAL.
 
Abordagens sociopolíticas da educação
Abordagens sociopolíticas da educaçãoAbordagens sociopolíticas da educação
Abordagens sociopolíticas da educação
 

Mais de Silvana

Ligacoes quimicas
Ligacoes quimicasLigacoes quimicas
Ligacoes quimicas
Silvana
 
baia-de-sepetiba
baia-de-sepetibabaia-de-sepetiba
baia-de-sepetiba
Silvana
 
Pedagogia do olhar
Pedagogia do olharPedagogia do olhar
Pedagogia do olhar
Silvana
 
Livro_de_Capa_Preta_T
Livro_de_Capa_Preta_TLivro_de_Capa_Preta_T
Livro_de_Capa_Preta_T
Silvana
 
India Espiritualidad
India EspiritualidadIndia Espiritualidad
India Espiritualidad
Silvana
 
Revis€ ¦ão qu€ ¦ímica org€ ¦ânica
Revis€ ¦ão qu€ ¦ímica org€ ¦ânicaRevis€ ¦ão qu€ ¦ímica org€ ¦ânica
Revis€ ¦ão qu€ ¦ímica org€ ¦ânica
Silvana
 
Revis€ ¦ão qu€ ¦ímica org€ ¦ânica
Revis€ ¦ão qu€ ¦ímica org€ ¦ânicaRevis€ ¦ão qu€ ¦ímica org€ ¦ânica
Revis€ ¦ão qu€ ¦ímica org€ ¦ânica
Silvana
 
Grump e o acordo ortográfico
Grump e o acordo ortográficoGrump e o acordo ortográfico
Grump e o acordo ortográfico
Silvana
 
Operações com decimais
Operações com decimaisOperações com decimais
Operações com decimais
Silvana
 
Donald no país da matemágica
Donald no país da matemágicaDonald no país da matemágica
Donald no país da matemágica
Silvana
 
Projeto autonomia mat2 geom
Projeto autonomia mat2 geomProjeto autonomia mat2 geom
Projeto autonomia mat2 geom
Silvana
 
Dicionário de inglês
Dicionário de inglêsDicionário de inglês
Dicionário de inglês
Silvana
 
Prova de ingles roberto silveira
Prova de ingles roberto silveiraProva de ingles roberto silveira
Prova de ingles roberto silveira
Silvana
 
Atividade experimental simples aula 32
Atividade experimental simples   aula 32Atividade experimental simples   aula 32
Atividade experimental simples aula 32
Silvana
 
Atividade coletiva e de socialização aulas 31 e 32
Atividade coletiva e de      socialização aulas 31 e 32Atividade coletiva e de      socialização aulas 31 e 32
Atividade coletiva e de socialização aulas 31 e 32
Silvana
 
Aula ingles 16-20
Aula ingles 16-20Aula ingles 16-20
Aula ingles 16-20
Silvana
 
Albert einstein
Albert einsteinAlbert einstein
Albert einstein
Silvana
 
Bala e autografo
Bala e autografoBala e autografo
Bala e autografo
Silvana
 
Dinâmicas
DinâmicasDinâmicas
Dinâmicas
Silvana
 
Dinamicas de grupo
Dinamicas de grupoDinamicas de grupo
Dinamicas de grupo
Silvana
 

Mais de Silvana (20)

Ligacoes quimicas
Ligacoes quimicasLigacoes quimicas
Ligacoes quimicas
 
baia-de-sepetiba
baia-de-sepetibabaia-de-sepetiba
baia-de-sepetiba
 
Pedagogia do olhar
Pedagogia do olharPedagogia do olhar
Pedagogia do olhar
 
Livro_de_Capa_Preta_T
Livro_de_Capa_Preta_TLivro_de_Capa_Preta_T
Livro_de_Capa_Preta_T
 
India Espiritualidad
India EspiritualidadIndia Espiritualidad
India Espiritualidad
 
Revis€ ¦ão qu€ ¦ímica org€ ¦ânica
Revis€ ¦ão qu€ ¦ímica org€ ¦ânicaRevis€ ¦ão qu€ ¦ímica org€ ¦ânica
Revis€ ¦ão qu€ ¦ímica org€ ¦ânica
 
Revis€ ¦ão qu€ ¦ímica org€ ¦ânica
Revis€ ¦ão qu€ ¦ímica org€ ¦ânicaRevis€ ¦ão qu€ ¦ímica org€ ¦ânica
Revis€ ¦ão qu€ ¦ímica org€ ¦ânica
 
Grump e o acordo ortográfico
Grump e o acordo ortográficoGrump e o acordo ortográfico
Grump e o acordo ortográfico
 
Operações com decimais
Operações com decimaisOperações com decimais
Operações com decimais
 
Donald no país da matemágica
Donald no país da matemágicaDonald no país da matemágica
Donald no país da matemágica
 
Projeto autonomia mat2 geom
Projeto autonomia mat2 geomProjeto autonomia mat2 geom
Projeto autonomia mat2 geom
 
Dicionário de inglês
Dicionário de inglêsDicionário de inglês
Dicionário de inglês
 
Prova de ingles roberto silveira
Prova de ingles roberto silveiraProva de ingles roberto silveira
Prova de ingles roberto silveira
 
Atividade experimental simples aula 32
Atividade experimental simples   aula 32Atividade experimental simples   aula 32
Atividade experimental simples aula 32
 
Atividade coletiva e de socialização aulas 31 e 32
Atividade coletiva e de      socialização aulas 31 e 32Atividade coletiva e de      socialização aulas 31 e 32
Atividade coletiva e de socialização aulas 31 e 32
 
Aula ingles 16-20
Aula ingles 16-20Aula ingles 16-20
Aula ingles 16-20
 
Albert einstein
Albert einsteinAlbert einstein
Albert einstein
 
Bala e autografo
Bala e autografoBala e autografo
Bala e autografo
 
Dinâmicas
DinâmicasDinâmicas
Dinâmicas
 
Dinamicas de grupo
Dinamicas de grupoDinamicas de grupo
Dinamicas de grupo
 

Último

O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 

Educação e Regras de Ética

  • 1. SOCIOLOGIA E FILOSOFIA Professores: Danilo Valentim Madelon Felix
  • 2. Filosofia Tema: O que é o bem? Felicidade, excelência e vida boa Regras éticas e caráter moral
  • 3. O que é bom? O que é bom para você?
  • 4. A bondade é mais fácil de reconhecer do que definir. Os filósofos querem saber e discutir sobre a natureza da bondade. O que é? Em que consiste? Como se enquadra na vida? Por que não existe em maior grau na conduta humana? Os filósofos desse modo, abordam a questão da bondade perguntando: qual é exatamente o sentido da palavra bom?
  • 5. Definição do bem no contexto da vida O que é viver bem? O que é uma vida boa?
  • 6. Segundo Aristóteles, algo é bom quando consegue atingir o alvo visado. Um bom passe do jogador de futebol permitiu que o atacante chutasse em gol. Uma boa tacada fez com que a bola entrasse no buraco. Uma boa serra corta a madeira eficientemente. Em todos esses casos, o bom realiza com sucesso seu objetivo. Ele atinge o alvo, serve ao seu propósito, cumpre sua missão. Tem uma função e a desempenha bem. Usando o termo grego para o centro de um alvo, telos, podemos chamar isso de Conceito Teleológico do Bem.
  • 7. Aristóteles afirmou que todos os seres humanos buscam a felicidade em tudo o que fazem. Nós necessariamente miramos em alvos nas nossas vidas diárias, tentando fazer coisas acontecerem. Segundo Aristóteles, subjacente a tudo que fazemos, a felicidade é nossa meta universal. Aristóteles concebe a felicidade mais como uma atividade, ou um processo de participação em algo que traz realização. A verdadeira felicidade é um subproduto de viver uma forma que apóie o florescimento humano. Ela está ligada a excelência. A felicidade advém de descobrir quem você é, desenvolvendo seus talentos próprios e pondo esses talentos a serviço geral dos outros, bem como de você.
  • 8. Regras éticas e caráter moral Todo dia as pessoas boas lutam para viver em um mundo onde a bondade é posta em dúvida. Elas se perguntam como resistir às pressões e tentações que as tornariam algo de que não se orgulhariam. Elas querem saber como ensinar aos filhos as formas corretas de viver. As regras são importantes na vida moral dos seres humanos. Começamos a aprender a vida moral na infância pela introdução a regras simples. As regras são, portanto, importantes na educação moral e precoce. Mas as regras não podem constituir o todo, ou mesmo a essência, da moralidade. As regras precisam de interpretação. As regras podem, em princípio conflitar. E jamais haveria regras suficientes para cobrir cada situação que pudéssemos enfrentar, em toda a sua complexidade e singularidade.
  • 9. A bondade pode ser ensinada? Sócrates ensinou a Platão. Platão ensinou a Aristóteles. Aristóteles ensinou a Alexandre Magno, quando este ainda era moço. Mas Alexandre tornou-se magno pela associação com grandes homens. É assim que a coisa funciona. Tornamo-nos como pessoas à nossa volta. Não pelo que dizem, mas pelo que as vemos fazer. Segundo Platão a bondade pode ser ensinada. E pode ser transmitida. Caráter produz caráter.
  • 10. O que sou? - Um teste de caráter Este teste de caráter remonta a Platão. Ele representa Sócrates contando uma história sobre um anel mágico. Você o coloca e fica totalmente invisível. Eis o teste: se pudesse ficar invisível, ou se de alguma outra forma suas ações pudessem permanecer absolutamente secretas, o que você faria? Como você agiria? Você se comportaria de forma diferente? Ou seria exatamente o mesmo?
  • 11. Ao imaginar suas ações libertas de qualquer punição ou censura possível, você passa a saber o que você valoriza por si mesmo. Você passa a saber quem você é no íntimo. Isso pode ser um exercício esclarecedor se realizado honestamente.
  • 12. Sociologia Temas: O papel social da educação Raça e etnia
  • 13. 1- O Papel social da educação 1.1Além das disciplinas do currículo, o que você tem aprendido na escola? 1.2O que a escola tem lhe ensinado para a sua vida em Sociedade?
  • 14. 2- A criança como sujeito: O que integra uma pessoa à sociedade e ao grupo em que vive é o patrimônio cultural que ela recebe. - A transmissão desse patrimônio começa no momento em que ela nasce. - Objetivos da educação: transmissão de cultura, a adaptação dos indivíduos à sociedade, o desenvolvimento de suas potencialidades e, como conseqüência, o desenvolvimento da personalidade e da própria sociedade. - O processo educativo é um processo permanente, que nunca termina, pois vai acompanhá-la a vida toda. -Enquanto aprende a criança reage com atitudes e formas de agir, sentir e pensar que exercem influência sobre o processo produtivo.
  • 15. 3- Tipos de Educação: Educação Formal ou sistemática : - O objetivo básico é a transmissão de certos legados culturais, isto é, de conhecimentos, técnicas ou modos de vida. É uma modalidade organizada, metódica e seletiva de educação. Educação Informal, assistemática ou difusa: - é o que acontece na vida diária por intermédio dos contatos primários ( com a família por exemplo) e pela assimilação dos hábitos de cada grupo social, pela observação do comportamento dos mais velhos, pela convivência com outros membros da sociedade. É realizada sem nenhum plano, hora ou local marcado.
  • 16.  
  • 17. Quanto mais desenvolvida é uma sociedade, mais amplos e complexos são os processos de educação formal, na sociedade do futuro, a do conhecimento, terão vez apenas os indivíduos dotados de uma educação apropriada. Os que não tiverem acesso a essa educação formal correrão o risco de serem excluídos, cabe ao Estado investir maciçamente na educação, especialmente no ensino básico, como forma de garantir oportunidades iguais a todos os membros da sociedade. É nessa perspectiva que o professor Cristovam Buarque, ministro da educação do governo de Luiz Inácio Lula da Silva entre janeiro de 2003 e janeiro de 2004, alerta sobre mercantilização do ensino ( uma tendência do mundo neoliberal), que pode levar ao que ele chama de “estado de dessemelhança”. Nesse caso, dentro de trinta anos haveria uma minoria educada, alienada e integrada ao mundo da globalização, em contraste com uma grande maioria sem acesso à educação.
  • 18. A sociedade da informação Vivemos em uma época na qual nunca foi tão fácil obter informações. Atualmente, uma só edição do jornal norte-americano New York Times contém mais informação do que uma pessoa comum poderia receber durante toda a sua vida na Inglaterra do século XVII. Com a incorporação dos recursos quase ilimitados da Internet ao ensino, a educação está se modificando, o grande desafio é transformar essa enxurrada de informações eletrônicas em conhecimento verdadeiro, como instrumento de conhecimento, a Internet oferece vantagens, como permitir o aprendizado a distância, por meio da educação virtual, sem que seja necessária a presença de um professor; fazer rápidas pesquisas em bibliotecas, enciclopédias e arquivos de todo o mundo; visitar museus em outros países sem sair de casa.
  • 19. Em contrapartida, a Internet provoca um novo desafio pedagógico: ganha-se em velocidade e em volume de informações, mas perde-se aquilo que antes era proporcionado pela presença humana, o olho no olho, o contato físico, a pesquisa direta nas fontes. A escola, em geral, emprega atualmente vários meios para atingir seus objetivos educacionais. Destacamos alguns: . O local e instalações apropriadas; . currículos e programas planejados para cada etapa da educação; . proposta pedagógica clara e baseada em princípios filosóficos definidos; . métodos e materiais didáticos apropriados à transmissão de várias disciplinas, incluindo laboratórios de ciências e informática; . professores especializados.
  • 20. Nos anos 1970, com os trabalhos do filósofo, psicólogo e pedagogo suíço Jean Piaget (1896-1980), houve uma grande mudança na forma de se conceber o ensino/ aprendizagem e a relação entre professor e aluno. Até então, predominava uma concepção tradicionalista, na qual o aluno era tratado como receptor passivo no processo pedagógico, o professor era considerado o único portador e difusor do conhecimento. Piaget desenvolveu uma concepção pedagógica na qual a criança deixava de ser vista como um ser passivo, passando a ocupar posição central no processo educativo. Com base nessa concepção, a psicóloga Argentina Emilia Ferrero desenvolveu uma nova filosofia de ensino: a concepção construtivista. Segundo Emilia Ferrero, a aprendizagem deve estar diretamente ligada às coisas significativas para a criança, à sua realidade, ao contexto no qual ela vive. A concepção construtivista foi adotada com sucesso nos anos 1980 e 1990, mas em dado momento começou a apresentar problemas, tendo sua eficiência questionada.
  • 21. Grupo social ou instituição? Do ponto de vista sociólogo, a escola pode ser estudada como grupo social ou como instituição. Por um lado, ela é uma reunião de indivíduos (alunos, professores e funcionários) com objetivos comuns e em contínua interação. Dessa forma, ela constitui um grupo social que transmite conhecimento. Mas a escola é também uma instituição social, ou seja, uma estrutura mais ou menos permanente que reúne normas e procedimentos padronizados, cujo objetivo principal é a socialização do indivíduo e a transmissão dos conhecimentos e do patrimônio cultural da sociedade.
  • 22. Professores e alunos No estudo da estrutura da escola, percebe-se a coexistência de dois grupos distintos mas interdependentes: os educadores e os educados. Os educados sua principal tarefa consiste em transmitir aos educandos esses valores sociais, além dos conhecimentos básicos necessários, de modo a prepará-los para a vida em sociedade.
  • 23. Grupos associativos Criados de forma quase espontânea a partir da convivência escolar, os grupos associativos podem ser de três tipos: - grupos intelectuais – são aqueles que se formam para estudo e pesquisa, discussão de assuntos tratados em aula, etc; - grupos recreativos – organizados para brincadeiras, jogos em equipe, disputas e gincanas que se realizam na escola, mas fora do período de aulas - grupos cooperativos – são os que se organizam para realizar ações não relacionadas ao aprendizado da escola.