SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
TAXOPLASMOSE E TURBECULOSE
Doenças
TOXOPLASMOSE
www.brasilescola.com.br
www.tebeet.net
Introdução
 Toxoplasmose é uma doença infecciosa,
congênita ou adquirida, causada por
um protozoário chamadoToxoplasma gondii,
encontrado nas fezes dos gatos e outros
felinos. Homens e outros animais também
podem hospedar o parasita.
História
•1909 – Nicolle e Manceux – Criaram o gênero Toxoplasma e a espécie
Toxoplasma gondii
• 1923 – Jankú - Praga (Tchecoslováquia) – Toxoplasmose congênita em
humanos.
•1939 – Wolf, Cowan e Paige – grande interesse devido a encefalite difusa e
coriorretinite em bebê de 21 dias.
• 1940 – Pinkerton e Weinman – descreveram um caso “fatal generalizado” em
adulto jovem.
1970 – Frenkel, Dubey e Miller – definiram o ciclo biológico completo do
parasita Toxoplasma gondii.
Sobre o protozoário
 Esporozoário pertencente ao filo
Apicomplexa – classe Sporozoa;
 Eucariontes;
 Heterótrofos, digestão intracelular;
 Organismos unicelulares;
 Não possuem organela de locomoção;
 Parasita qualquer célula nucleada de
mamíferos;
Protozoário
www.brasilescola.com.br
Tipos
 Toxoplasmose linfática leve.
 Toxoplasmose crônica.
 Toxoplasmose aguda disseminada.
Forma de reprodução
 Podem ser sexuada e assexuada.
 Assexuada: divisão binária e divisão múltiplas
Divisão binária Divisão múltiplas
Formas infectantes
Taquizoítos
Bradizoítos
Esporozoítos
Ciclo evolutivo
 Três formas:
-Taquizoíto (infecção aguda)
-Cisto ( bradizoítos - tecidos)
-Oocisto (esporozoítos – solo/ fezes de gato)
Ciclo de transmissão
Aspectos
• Hospedeiro definitivo: classe felidae
(gatos, tigres, etc.)
• Hospedeiro intermediário:
carnívoros, herbívoros, roedores, porco, primatas
, humanos e outros mamíferos.
• Hospedeiro de transporte: insetos e minhocas.
• Reservatórios:
gatos, aves, caprinos, ovinos, bovinos, cães, roed
Alimentos com risco de
toxoplasmose
 Carne crua, mal passada, como carpaccio ou com molho
tártaro;
 Carnes defumadas não cozidas, como bacon, presunto,
mortadela;
 Bife de fígado, nem patê de fígado;
 Leite de vaca, cabra ou de ovelha;
 Queijos e iogurtes não pasteurizados;
 Peixe cru, mal passado, sushi, sashimi, peixe espada,
cavala, salmão e truta mal passados;
 Frutas, legumes e verduras que não tenham sido lavadas;
 Ovo e maionese caseira;
Toxoplasmose congênita:
 Inflamação dos olhos que pode evoluir para a
cegueira;
 Icterícia intensa;
 Equimoses;
 Convulsões;
 Cabeça muito grande ou muito pequena;
 Retardo mental grave;
 Os sintomas podem ocorrer após meses ou anos
do nascimento;
Sintomas
 Títulos de anticorpos para a toxoplasmose;
 Tomografia computadorizada do crânio;
 Ressonância magnética da cabeça;
 Exame com lâmpada de fenda;
 Biópsia do cérebro;
www.saude.com.br
Diagnóstico
• Evitar o consumo de produtos animais crus ou mal
cozidos (caprinos e suínos);
• Lavar as mãos após manipular carne crua ou terra
contaminada;
• Impedir acesso de gatos em locais que armazenam
ração;
• Impedir que crianças brinquem em caixas de areia;
• Grávidas no pré-natal devem fazer o exame para
detecção da toxoplasmose;
Profilaxia
Tratamento
 Droga diminui até 60% a chance da
doença passar para o feto.
Drogas utilizadas:
o Na gravidez – Espiramicina, clindamicina;
o Nos demais casos – sulfa e Pirimetamina
por 2 a 4 meses.
 Obs:
 A fase crônica não tem cura.
 Medicamentos não matam o
Toxoplasma, apenas o mantém sob
controle.
 Pacientes comAIDS o tratamento é
obrigatório por tempo indeterminado .
 Indicado nos casos de doença em órgãos
como coração, olhos ou durante a
gravidez.
Bibliografia
 http://www.tuasaude.com/tipos-de-toxoplasmose/
 http://www.tuasaude.com/sintomas-da-toxoplasmose/
 http://www.tuasaude.com/alimentos-com-risco-de-
toxoplasmose/
 http://drauziovarella.com.br/letras/t/toxoplasmose/
 http://www.minhavida.com.br/saude/temas/toxoplasmose#.U
fFWjdI3ssE
 ::Tese de Mestrado (Universidade de Brasília):Fatores de risco
e marcadores precoces no diagnóstico da toxoplasmose
congênita
 http://www.slideshare.net/Labsergiofranco/toxoplasmose-
5157951
Peste cinzenta, tísica pulmonar doença do
peito
 É uma das doenças infecciosas
documentadas desde mais longa data e que
continua a afligir nos dias atuais.
 A tuberculose é causada pela bactéria
Mycobacterium Tuberculosis ou Bacilo de
Koch.
Cienciadiaria.com.br
História
3000 a.C.
•Primeiros relatos da tuberculose;
•Identificados no antigo Egito.
1824
•Surgimento do diagnóstico da doença, através da invenção do
estetoscópio.
1882
•Foi identificada a bactéria causadora da doença, a
Mycobacterium tuberculosis;
•Robert Koch foi o responsável pela identificação.
 A tuberculose se desenvolve em poucas
semanas atacando os pulmões, caracterizada
por pequenas lesões (nódulos) nos pulmões.
 A ativação da doença só ocorre vários anos
depois
 De pequenas lesões, os bacilos cavam as
chamadas cavernas tuberculosas, no
pulmão, que costumam inflamar com
frequência e sangrar
Medicosnamidia.com
www.winkipedia.com.br
http://www.brasilescola.com/doencas/tuberculose.htm
 Tuberculose ativa
 Tuberculose de pele
 Tuberculose Pleural
 Tuberculose Óssea
 Tuberculose Ganglionar
 Tuberculose Urinaria
 Tuberculose cerebral
www.brasilescola.com
 Parasita intracelular, se divide a cada 16-20
horas, assexuada por divisão binária.
 Reino Monera
 Célula procariótica (o material genético não
fica no interior de um núcleo)
 Quanto à nutrição: heterotrófica parasita
 Quanto à sua forma: é um bacilo (tem
forma de bastonete)
www.doutordrauzeo.com.br
 O contágio acontece pelo ar contaminado
com gotículas de secreção, quando o
doente tosse, ou espirra ou fala eliminando
gotículas que contém o bacilo de Koch.
Obs: Ás gotículas maiores, que se
depositam no chão ou sobre os objetos
como pratos, copos, talheres, não oferecem
perigo de transmissão da doença.
www.winkipedia.com.br
 Tosse (por mais de 15 dias, muitas vezes
acompanhada de expectoração
 Febre (mais comumente ao entardecer)
 Sudorese noturnos
 Falta de apetite
 Emagrecimento
 Cansaço fácil (fatiga)
 Dificuldade na respiração (dispnéia),
eliminação de sangue e acúmulo de pus na
pleura pulmonar são característicos em
casos mais graves.
• Idosos;
• Diabéticos;
• População de rua;
• Alcoólicos;
• Insuficientes renais crônicos;
• Doentes com neoplasias ou sob
quimioterapia;
• Transplantados;
• Portadores do vírus HIV;
 cigarro
 clima frio ou úmido
 poluição
 pó ou poeira
 ar-condicionado
 hereditariedade
 sedentarismo
Maudocigarro.blogspot.com
www.ambiente.com
 Baciloscopia;
 Cultura;
 Raio-X;
 Tomografia.
www.saude.com.br
 Vacina BCG , aplicada nos primeiros 30 dias
de vida capaz de proteger contra o
agravamento.;
 Manter afastado de pessoas já
contaminadas;
 Outra forma de prevenção sé através da
quimioprofilaxia. www.ballls.com
 Vacina BCG
 O RIP: Rifampicina, Isoniazida e
Pirazinamida.
www.brasilescola.com.br
 http://drauziovarella.com.br/letras/t/tuber
culose/
 http://www.revistavigor.com.br/2011/01/1
0/tuberculose-causa-quase-5-mil-mortes-
ao-ano-no-pais-e-e-desconhecida-pela-
populacao/
 http://www.tuasaude.com/como-se-
prevenir-da-tuberculose/
 http://www.brasilescola.com/doencas/tube
rculose.htm
 Danila Mendes
 Fernanda Oliveira
 Pablo Henrique Rodrigues

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínicojaninemagalhaes
 
Trabalho de parasitologia: Toxoplasma gondii.
Trabalho de parasitologia: Toxoplasma gondii.Trabalho de parasitologia: Toxoplasma gondii.
Trabalho de parasitologia: Toxoplasma gondii.Tamires Batista
 
Aula n° 4 leishmaniose
Aula n° 4   leishmanioseAula n° 4   leishmaniose
Aula n° 4 leishmanioseGildo Crispim
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIADOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIAAna Carolina Costa
 
Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaJaqueline Almeida
 
Slide Seminário Hanseníase
Slide Seminário HanseníaseSlide Seminário Hanseníase
Slide Seminário HanseníaseNathy Oliveira
 
Aula slides micologia geral
Aula slides   micologia geralAula slides   micologia geral
Aula slides micologia geralSimone Alvarenga
 
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUSAula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUSGhiordanno Bruno
 
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso ClínicoApresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso ClínicoLetícia Gonzaga
 
Aula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de ImunizacaoAula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de ImunizacaoErivaldo Rosendo
 
Doenças emergentes e reemergentes
Doenças emergentes e reemergentesDoenças emergentes e reemergentes
Doenças emergentes e reemergentesalforreca567
 
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaPrograma nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaNadja Salgueiro
 

Mais procurados (20)

Clinica medica em Enfermagem
Clinica medica em EnfermagemClinica medica em Enfermagem
Clinica medica em Enfermagem
 
Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínico
 
Trabalho de parasitologia: Toxoplasma gondii.
Trabalho de parasitologia: Toxoplasma gondii.Trabalho de parasitologia: Toxoplasma gondii.
Trabalho de parasitologia: Toxoplasma gondii.
 
Toxoplasmose
Toxoplasmose Toxoplasmose
Toxoplasmose
 
Aula n° 4 leishmaniose
Aula n° 4   leishmanioseAula n° 4   leishmaniose
Aula n° 4 leishmaniose
 
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saberIMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIADOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
 
Introdução à microbiologia
Introdução à microbiologiaIntrodução à microbiologia
Introdução à microbiologia
 
Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia Básica
 
Slide Seminário Hanseníase
Slide Seminário HanseníaseSlide Seminário Hanseníase
Slide Seminário Hanseníase
 
Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
 
Aula slides micologia geral
Aula slides   micologia geralAula slides   micologia geral
Aula slides micologia geral
 
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUSAula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
 
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso ClínicoApresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
 
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
 
Aula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de ImunizacaoAula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de Imunizacao
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Doenças emergentes e reemergentes
Doenças emergentes e reemergentesDoenças emergentes e reemergentes
Doenças emergentes e reemergentes
 
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaPrograma nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
 

Destaque (20)

Toxoplasmose!
Toxoplasmose!Toxoplasmose!
Toxoplasmose!
 
Toxoplasmose
Toxoplasmose Toxoplasmose
Toxoplasmose
 
Aula toxoplasmose
Aula toxoplasmoseAula toxoplasmose
Aula toxoplasmose
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Toxoplasma
ToxoplasmaToxoplasma
Toxoplasma
 
Apresentação toxoplasmose
Apresentação toxoplasmoseApresentação toxoplasmose
Apresentação toxoplasmose
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Toxoplasmose slide 93
Toxoplasmose slide 93Toxoplasmose slide 93
Toxoplasmose slide 93
 
Tuberculose
Tuberculose  Tuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarTuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonar
 
Toxoplasma gondii
Toxoplasma gondiiToxoplasma gondii
Toxoplasma gondii
 
Doença de Chagas
Doença de ChagasDoença de Chagas
Doença de Chagas
 
Tuberculose Aula
Tuberculose   AulaTuberculose   Aula
Tuberculose Aula
 
Toxoplasma gondii - Pamela Negron Barrios
Toxoplasma gondii - Pamela Negron BarriosToxoplasma gondii - Pamela Negron Barrios
Toxoplasma gondii - Pamela Negron Barrios
 
Toxoplasmosis
ToxoplasmosisToxoplasmosis
Toxoplasmosis
 
Amebíase e toxoplasmose
Amebíase e toxoplasmoseAmebíase e toxoplasmose
Amebíase e toxoplasmose
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Toxoplasmose: Seria o gato um vilão?
Toxoplasmose: Seria o gato um vilão?Toxoplasmose: Seria o gato um vilão?
Toxoplasmose: Seria o gato um vilão?
 
Resumo 2009
Resumo 2009Resumo 2009
Resumo 2009
 

Semelhante a Doenças infecciosas: toxoplasmose e tuberculose

Trabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica iiTrabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica iiRenan Matos
 
Trabalho Biologia - Doenças
Trabalho Biologia - DoençasTrabalho Biologia - Doenças
Trabalho Biologia - Doenças2° PD
 
Aula n° 6 toxoplasma
Aula n° 6   toxoplasmaAula n° 6   toxoplasma
Aula n° 6 toxoplasmaGildo Crispim
 
Sistema pancreático endócrino.pptx
Sistema pancreático endócrino.pptxSistema pancreático endócrino.pptx
Sistema pancreático endócrino.pptxAlanaFagundes
 
A toxoplasmose é uma parasitose amplamente disseminada na natureza.docx
A toxoplasmose é uma parasitose amplamente disseminada na natureza.docxA toxoplasmose é uma parasitose amplamente disseminada na natureza.docx
A toxoplasmose é uma parasitose amplamente disseminada na natureza.docxCidaLaignier1
 
Aula 5 toxoplasma gondii e toxoplasmose
Aula 5  toxoplasma gondii e toxoplasmoseAula 5  toxoplasma gondii e toxoplasmose
Aula 5 toxoplasma gondii e toxoplasmoseJoao Paulo Peixoto
 
2.protozooses3m
2.protozooses3m2.protozooses3m
2.protozooses3mRodrigo
 
2.protozooses3m
2.protozooses3m2.protozooses3m
2.protozooses3mRodrigo
 
Doenças causadas por Virus , bactérias e fungos
Doenças causadas por Virus , bactérias e fungosDoenças causadas por Virus , bactérias e fungos
Doenças causadas por Virus , bactérias e fungosCamila Araújo
 
Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactériasDoenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactériasCharles Carvalho
 
Aula 5 toxoplasma plasmódio
Aula 5 toxoplasma plasmódioAula 5 toxoplasma plasmódio
Aula 5 toxoplasma plasmódioAdila Trubat
 
CESTODOES DOS CARNÍVOROS.docx
CESTODOES DOS CARNÍVOROS.docxCESTODOES DOS CARNÍVOROS.docx
CESTODOES DOS CARNÍVOROS.docxMarisaSantos858564
 

Semelhante a Doenças infecciosas: toxoplasmose e tuberculose (20)

Trabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica iiTrabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica ii
 
Trabalho Biologia - Doenças
Trabalho Biologia - DoençasTrabalho Biologia - Doenças
Trabalho Biologia - Doenças
 
Doenças bacterianas
Doenças bacterianasDoenças bacterianas
Doenças bacterianas
 
Aula n° 6 toxoplasma
Aula n° 6   toxoplasmaAula n° 6   toxoplasma
Aula n° 6 toxoplasma
 
Sistema pancreático endócrino.pptx
Sistema pancreático endócrino.pptxSistema pancreático endócrino.pptx
Sistema pancreático endócrino.pptx
 
Reino monera, protista
Reino monera, protistaReino monera, protista
Reino monera, protista
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 
A toxoplasmose é uma parasitose amplamente disseminada na natureza.docx
A toxoplasmose é uma parasitose amplamente disseminada na natureza.docxA toxoplasmose é uma parasitose amplamente disseminada na natureza.docx
A toxoplasmose é uma parasitose amplamente disseminada na natureza.docx
 
Toxoplasmose. mácyo
Toxoplasmose. mácyoToxoplasmose. mácyo
Toxoplasmose. mácyo
 
Aula 5 toxoplasma gondii e toxoplasmose
Aula 5  toxoplasma gondii e toxoplasmoseAula 5  toxoplasma gondii e toxoplasmose
Aula 5 toxoplasma gondii e toxoplasmose
 
2.protozooses3m
2.protozooses3m2.protozooses3m
2.protozooses3m
 
2.protozooses3m
2.protozooses3m2.protozooses3m
2.protozooses3m
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Doenças causadas por Virus , bactérias e fungos
Doenças causadas por Virus , bactérias e fungosDoenças causadas por Virus , bactérias e fungos
Doenças causadas por Virus , bactérias e fungos
 
Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactériasDoenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 
Aula 5 toxoplasma plasmódio
Aula 5 toxoplasma plasmódioAula 5 toxoplasma plasmódio
Aula 5 toxoplasma plasmódio
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
CESTODOES DOS CARNÍVOROS.docx
CESTODOES DOS CARNÍVOROS.docxCESTODOES DOS CARNÍVOROS.docx
CESTODOES DOS CARNÍVOROS.docx
 
Sistema Imunitário
Sistema ImunitárioSistema Imunitário
Sistema Imunitário
 

Último

637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 

Último (20)

637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 

Doenças infecciosas: toxoplasmose e tuberculose

  • 3. Introdução  Toxoplasmose é uma doença infecciosa, congênita ou adquirida, causada por um protozoário chamadoToxoplasma gondii, encontrado nas fezes dos gatos e outros felinos. Homens e outros animais também podem hospedar o parasita.
  • 4. História •1909 – Nicolle e Manceux – Criaram o gênero Toxoplasma e a espécie Toxoplasma gondii • 1923 – Jankú - Praga (Tchecoslováquia) – Toxoplasmose congênita em humanos. •1939 – Wolf, Cowan e Paige – grande interesse devido a encefalite difusa e coriorretinite em bebê de 21 dias. • 1940 – Pinkerton e Weinman – descreveram um caso “fatal generalizado” em adulto jovem. 1970 – Frenkel, Dubey e Miller – definiram o ciclo biológico completo do parasita Toxoplasma gondii.
  • 5. Sobre o protozoário  Esporozoário pertencente ao filo Apicomplexa – classe Sporozoa;  Eucariontes;  Heterótrofos, digestão intracelular;  Organismos unicelulares;  Não possuem organela de locomoção;  Parasita qualquer célula nucleada de mamíferos;
  • 7. Tipos  Toxoplasmose linfática leve.  Toxoplasmose crônica.  Toxoplasmose aguda disseminada.
  • 8. Forma de reprodução  Podem ser sexuada e assexuada.  Assexuada: divisão binária e divisão múltiplas Divisão binária Divisão múltiplas
  • 9.
  • 11. Ciclo evolutivo  Três formas: -Taquizoíto (infecção aguda) -Cisto ( bradizoítos - tecidos) -Oocisto (esporozoítos – solo/ fezes de gato)
  • 13. Aspectos • Hospedeiro definitivo: classe felidae (gatos, tigres, etc.) • Hospedeiro intermediário: carnívoros, herbívoros, roedores, porco, primatas , humanos e outros mamíferos. • Hospedeiro de transporte: insetos e minhocas. • Reservatórios: gatos, aves, caprinos, ovinos, bovinos, cães, roed
  • 14. Alimentos com risco de toxoplasmose  Carne crua, mal passada, como carpaccio ou com molho tártaro;  Carnes defumadas não cozidas, como bacon, presunto, mortadela;  Bife de fígado, nem patê de fígado;  Leite de vaca, cabra ou de ovelha;  Queijos e iogurtes não pasteurizados;  Peixe cru, mal passado, sushi, sashimi, peixe espada, cavala, salmão e truta mal passados;  Frutas, legumes e verduras que não tenham sido lavadas;  Ovo e maionese caseira;
  • 15. Toxoplasmose congênita:  Inflamação dos olhos que pode evoluir para a cegueira;  Icterícia intensa;  Equimoses;  Convulsões;  Cabeça muito grande ou muito pequena;  Retardo mental grave;  Os sintomas podem ocorrer após meses ou anos do nascimento; Sintomas
  • 16.  Títulos de anticorpos para a toxoplasmose;  Tomografia computadorizada do crânio;  Ressonância magnética da cabeça;  Exame com lâmpada de fenda;  Biópsia do cérebro; www.saude.com.br Diagnóstico
  • 17. • Evitar o consumo de produtos animais crus ou mal cozidos (caprinos e suínos); • Lavar as mãos após manipular carne crua ou terra contaminada; • Impedir acesso de gatos em locais que armazenam ração; • Impedir que crianças brinquem em caixas de areia; • Grávidas no pré-natal devem fazer o exame para detecção da toxoplasmose; Profilaxia
  • 18. Tratamento  Droga diminui até 60% a chance da doença passar para o feto. Drogas utilizadas: o Na gravidez – Espiramicina, clindamicina; o Nos demais casos – sulfa e Pirimetamina por 2 a 4 meses.
  • 19.  Obs:  A fase crônica não tem cura.  Medicamentos não matam o Toxoplasma, apenas o mantém sob controle.  Pacientes comAIDS o tratamento é obrigatório por tempo indeterminado .  Indicado nos casos de doença em órgãos como coração, olhos ou durante a gravidez.
  • 20. Bibliografia  http://www.tuasaude.com/tipos-de-toxoplasmose/  http://www.tuasaude.com/sintomas-da-toxoplasmose/  http://www.tuasaude.com/alimentos-com-risco-de- toxoplasmose/  http://drauziovarella.com.br/letras/t/toxoplasmose/  http://www.minhavida.com.br/saude/temas/toxoplasmose#.U fFWjdI3ssE  ::Tese de Mestrado (Universidade de Brasília):Fatores de risco e marcadores precoces no diagnóstico da toxoplasmose congênita  http://www.slideshare.net/Labsergiofranco/toxoplasmose- 5157951
  • 21. Peste cinzenta, tísica pulmonar doença do peito
  • 22.  É uma das doenças infecciosas documentadas desde mais longa data e que continua a afligir nos dias atuais.  A tuberculose é causada pela bactéria Mycobacterium Tuberculosis ou Bacilo de Koch. Cienciadiaria.com.br
  • 23. História 3000 a.C. •Primeiros relatos da tuberculose; •Identificados no antigo Egito. 1824 •Surgimento do diagnóstico da doença, através da invenção do estetoscópio. 1882 •Foi identificada a bactéria causadora da doença, a Mycobacterium tuberculosis; •Robert Koch foi o responsável pela identificação.
  • 24.  A tuberculose se desenvolve em poucas semanas atacando os pulmões, caracterizada por pequenas lesões (nódulos) nos pulmões.  A ativação da doença só ocorre vários anos depois
  • 25.  De pequenas lesões, os bacilos cavam as chamadas cavernas tuberculosas, no pulmão, que costumam inflamar com frequência e sangrar Medicosnamidia.com www.winkipedia.com.br
  • 27.  Tuberculose ativa  Tuberculose de pele  Tuberculose Pleural  Tuberculose Óssea  Tuberculose Ganglionar  Tuberculose Urinaria  Tuberculose cerebral www.brasilescola.com
  • 28.  Parasita intracelular, se divide a cada 16-20 horas, assexuada por divisão binária.
  • 29.  Reino Monera  Célula procariótica (o material genético não fica no interior de um núcleo)  Quanto à nutrição: heterotrófica parasita  Quanto à sua forma: é um bacilo (tem forma de bastonete)
  • 31.  O contágio acontece pelo ar contaminado com gotículas de secreção, quando o doente tosse, ou espirra ou fala eliminando gotículas que contém o bacilo de Koch. Obs: Ás gotículas maiores, que se depositam no chão ou sobre os objetos como pratos, copos, talheres, não oferecem perigo de transmissão da doença.
  • 33.  Tosse (por mais de 15 dias, muitas vezes acompanhada de expectoração  Febre (mais comumente ao entardecer)  Sudorese noturnos  Falta de apetite  Emagrecimento  Cansaço fácil (fatiga)  Dificuldade na respiração (dispnéia), eliminação de sangue e acúmulo de pus na pleura pulmonar são característicos em casos mais graves.
  • 34. • Idosos; • Diabéticos; • População de rua; • Alcoólicos; • Insuficientes renais crônicos; • Doentes com neoplasias ou sob quimioterapia; • Transplantados; • Portadores do vírus HIV;
  • 35.  cigarro  clima frio ou úmido  poluição  pó ou poeira  ar-condicionado  hereditariedade  sedentarismo Maudocigarro.blogspot.com www.ambiente.com
  • 36.  Baciloscopia;  Cultura;  Raio-X;  Tomografia. www.saude.com.br
  • 37.  Vacina BCG , aplicada nos primeiros 30 dias de vida capaz de proteger contra o agravamento.;  Manter afastado de pessoas já contaminadas;  Outra forma de prevenção sé através da quimioprofilaxia. www.ballls.com
  • 38.  Vacina BCG  O RIP: Rifampicina, Isoniazida e Pirazinamida. www.brasilescola.com.br
  • 40.  Danila Mendes  Fernanda Oliveira  Pablo Henrique Rodrigues