SlideShare uma empresa Scribd logo
1. TUBERCULOSE
MODO DE TRANSMISSÃO:
Através da inalação de gotículas de espirros ou tosse espalhadas pelo ar.
AGENTE CAUSADOR:
Bacilo de Koch Mycobacteruim tuberculosis
SINTOMAS:
Tosse persistente, febre, suor noturno, dor no tórax, causa perda de apetite.
PROFILAXIA:
Vacina BCG aplicada nos primeiros 30 dias de vida.
NÚMEROS DA DOENÇA
No Brasil, a tuberculose é sério problema da saúde pública, com profundas raízes sociais. A cada ano,
são notificados aproximadamente 70 mil casos novos e ocorrem 4,6 mil mortes em decorrência da
doença. O Brasil ocupa o 17º lugar entre os 22 países responsáveis por 80% do total de casos de
tuberculose no mundo. Fonte´- 2016 Portal da Saúde – Ministério da Saúde – www.saude.gov.br. Todos
os direitos reservados.
2. CÓLERA
AGENTE CAUSADOR:
Vibrião colare
MODO DE TRANSMISSÃO:
Através de água suja ou alimentos crus e mal cozidos.
O vibrião se instala e multiplica-se no intestino delgado.
SINTOMAS:
Diarréria volumosa e aquosa esbranquiçada ; dores abdominais tipo cólica; náuseas
e vômitos; anúria: diminuição da micção, devido à perda de liquido; hipotermia
desidratação ( pele seca, azulada e enrugada)
PROFILAXIA:
A higiene e o tratamento da água e do esgoto são as principais formas de prevenção.
A fervura da água de consumo é eficaz na destruição da bactéria. A vacina existente é
de baixa eficácia (50% de imunização) e o seu efeito dura apenas de 3 a 6 meses
após a administração, o que a torna inviável.
O vibrião colérico se esconde em água doce, do rio, por duas
semanas , no mínimo.
Na água do mar, o bacilo permanece vivo durante um ano.
3. DIFTERIA ( CRUPE)
AGENTE CAUSADOR:
Corynebacterium diphteriae
MODO DE TRANSMISSÃO:
Inalação de gotículas eliminadas por pessoas doentes
ao espirrar ou tossir.
SINTOMAS:
A bactéria produz uma toxina que afeta as cavidades nasais, amígdalas, faringe e
laringe que produz sintomas como dor de garganta, febre baixa, tosse, fadiga,
dificuldade em deglutir e náuseas. As crianças podem ter febres altas.
Os gânglios linfáticos (no pescoço) ficam muito inchados.
PROFILAXIA:
através de vacina, evita o surgimento da doença, que se tornou rara nos países
com sistemas de vacinação eficientes. A vacina consiste na administração de toxóide.
4. BOTULISMO
AGENTE CAUSADOR:
Clostridium botulinum
MODO DE TRANSMISSÃO
Através do solo e alimentos contaminados e mal conservados.
SINTOMAS:
Tremores, vômitos, fraqueza muscular progressiva,
debilidade motora, paralisia respiratória que pode levar a morte.
PROFILAXIA:
Cuidado ao adquirir alimentos principalmente enlatados.
A utilização do soro que impede que a toxina circule no sangue
e se instale no sistema nervoso.
Os efeitos terapêuticos da toxina botulínica vêm sendo estudados há décadas.
No início, a substância foi utilizada para tratamento de estrabismo e de
espasmos involuntários da musculatura das pálpebras.
Administrada em pequenas doses, a toxina vem sendo usada para tratar
doenças relacionadas a contrações musculares indesejáveis.
Em tratamentos estéticos – Botox -
O LADO BOM DA TOXINA
5.Tétano
• Tétano é doença infecciosa, não contagiosa, com elevada
letalidade para jovens e idosos. Causada pela ação de exotoxinas
produzidas pelo bacilo Clostridium tetani sobre as células
nervosas do SNC.
•Acidental: O bacilo tetânico penetra no organismo por meio de
ferimentos com objetos contaminados ou quando manuseia o
solo ou materiais contaminados com ferimento na pele.
•Neonatal: Ocorre pela contaminação do coto umbilical do
recém nascido, decorrente de cuidados inadequados .
6. FEBRE MACULOSA
AGENTE CAUSADOR:
Rickettsia rickettsii – Bactéria especial – é um parasita intracelular.
MODO DE TRANSMISSÃO:
Ocorre através da picada do carrapato.
SINTOMAS:
Febre, dor de cabeça, dores musculares, náuseas e vômitos. Manifestações cutâneas
Como manchas (máculas) avermelhadas, membros, palma das mãos e tronco.
Nos casos mais graves pode ocorrer na cabeça provocando pápulas hemorrágicas
Resultando em inflamação e morte dos tecidos.
TRATAMENTO:
Higiene nos animais domésticos. Medicação.
7. PNEUMONIA
AGENTE CAUSADOR
Diplococcus pneumoniae ou streptococcus pneumoniae
MODO DE TRANSMISSÃO:
Inalação de ar contaminado por essas bactérias.
SINTOMAS:
febre alta; tosse; dor no tórax; mal-estar generalizado; Falta de ar; secreção de muco
purulento de cor amarelada ou esverdeada; prostração.
PROFILAXIA:
Não fume e não beba exageradamente;
Observe as instruções do fabricante para a manutenção do ar-condicionado em
condições adequadas;
Não se exponha a mudanças bruscas de temperatura;
Procure atendimento médico para diagnóstico precoce de pneumonia,
para diminuir a probabilidade de complicações.
Se tiver mais de 60 anos vacine-se contra a gripe anualmente.
8. LEPTOSPIROSE
AGENTE CAUSADOR:
Bacteria Leptospira
MODO DE TRANSMISSÃO:
Pela urina do rato, a bactéria entre em contato
com a pele quando existe lesões ou de mucosas
A longa permanecia de uma pessoa em locais alagados
Como terrenos baldios, esgotos córregos ou enchentes
SINTOMAS:
Iniciais:
Dor de cabeça, dor muscular febre alta, mal-estar
( sintomas parecidos com a gripe e hepatite)
Sintomas que caracterizam a doença:
Dor nas pernas, sem poder ficar em pé.
Pele amarelada e urina de cor escura
PROFILAXIA
Manter limpos os vasilhames dos animais, gramados e terrenos vagos bem
Limpos, evitar lixos nas ruas, caixas d’ água, ralos e vasos sanitários limpos.
Quando entrar em conato com locais alagados usar botas e luvas de borracha.
Desinfetar objetos que entraram em contato com lama ou alagamentos com
hipoclorito de sódio.
9. MENINGITE
AGENTE CAUSADOR:
Neisseria meningitidis - meningococo
MODO DE TRANSMISSÃO:
Gotículas de secreções eliminadas
pela boca ou nariz de pessoa contaminada.
A bactéria atinge as meninges.
SINTOMAS:
Em bebês de até um mês:
irritabilidade, choro em excesso, febre, sonolência e moleira fica estufada,
como se houvesse um galo na cabeça da criança;
acima desta idade:
a criança ainda tem dificuldades de movimentar a cabeça;
a partir dos cinco anos:
febre, rigidez da nuca, dor de cabeça e vômitos em jato.
PROFILAXIA
As principais medidas profiláticas que devem ser tomadas são: utilização de pratos,
talheres e copos bem lavados; dar preferência a utensílios descartáveis;
evitar ambientes abafados onde há aglomerações de pessoas; isolamento dos
doentes em hospitais especializados.
10. HANSENÍASE OU LEPRA
AGENTE CAUSADOR:
Mycobacterium leprae bacilo de Hansen
lepra, morféia, mal-de-Lázaro, mal-da-pele ou mal -do-sangue.
MODO DE TRANSMISSÃO:
A forma de transmissão é pelas vias aéreas: uma pessoa infectada
libera bacilo no ar e cria a possibilidade de contágio. Porém,
a infecção dificilmente acontece depois de um simples encontro social.
O contato deve ser íntimo e freqüente.
SINTOMAS:
Aparecimento de caroços ou inchados no rosto, orelhas, cotovelos e mãos.
Entupimento constante no nariz, com um pouco de sangue e feridas.
Redução ou ausência de manchas em qualquer parte do corpo, que podem
ser pálidas, esbranquiçadas ou avermelhadas sensibilidade ao calor, ao frio,
à dor a ao tato.
Partes do corpo dormentes ou amortecidas. Em especial as regiões cobertas.
PROFILAXIA
Tratamento dos doentes com antibióticos e vacina BCG para as pessoas que
Moram com os doentes.
11. SIFILIS (Lues)
AGENTE CAUSADOR:
Treponema pallidum
MODO DE TRANSMISSÃO:
Contato sexual através da gestação (congênita).
SINTOMAS:
Inicialmente o aparecimento de pequena lesão indolor no pênis e vulva,
que desaparece.
Sifilis primária:
SIFILIS SECUNDÁRIA
SIFILIS TERCIÁRIA
SIFILIS CONGÊNITA
12. GONORRÉIA- BLENORRAGIA:
Agente causador: Neisseria gonorrhoeae
Modo de transmissão:
Relação sexual , gestação
sintomas
Além dos órgãos genitais internos e externos, a infecção pela gonorréia pode levar à:
. Proctite gonocócica (inflamação do ânus e do reto), especialmente em pessoas que praticam
sexo anal,
. Faringite gonocócica (garganta), em pessoas que praticam sexo oral,
. Em mulheres grávidas com gonorréia sem tratamento, as bactérias podem causar
abortamento no primeiro trimestre de gravidez (abortamento séptico) ou, no fim da gravidez,
causar corioamnionite e levar ao parto prematuro,
Durante o parto, pode esparramar-se para os olhos do bebê, causando conjuntivite
gonocócica, o que tem sido evitado com o uso rotineiro de nitrato de prata a 1% em
aplicação ocular.
Pelo menos 1% dos pacientes portadores de gonorréia não têm sintomas.
Os sintomas nos homens incluem:
Secreção uretral (na abertura do pênis onde sai a urina),
Vermelhidão ao redor da uretra,
Micção (urina) freqüente,
Dor ou queimação ao urinar.
Nas mulheres os sintomas incluem:
Desconforto ao urinar,
Micção (urina) freqüente,
Secreção vaginal,
Incômodo na região perineal, anal ou retal,
Diagnóstico
O médico irá colher uma história clínica e sexual detalhada, bem como
um exame físico e ginecológico. Ele irá solicitar um exame de cultura de
secreção (um teste para ver se bactérias crescem) da área afetada
(colo do útero, vagina, uretra, reto ou faringe) e outro para pesquisa da
bactéria (bacterioscopia).
Prevenção:
Considerando que gonorréia é um DST e que pode ser transmitida durante o
ato sexual, você pode prevenir-se dessa infecção por:
. Abstinência sexual (evitar o contato sexual),
. Praticar sexo somente com uma pessoa não infectada,
. Manter relações amorosas e afetivas sólidas, evitando a promiscuidade,
. Usar preservativos masculinos (camisinha) sempre que praticar sexo.
Doenças bacterianas
Doenças bacterianas
Doenças bacterianas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

7º ano cap 5 vírus
7º ano cap 5   vírus7º ano cap 5   vírus
7º ano cap 5 vírus
ISJ
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
Safia Naser
 
Verminoses
VerminosesVerminoses
Verminoses
emanuel
 
Doenças causadas por protozoários e vermes
Doenças causadas por protozoários e vermesDoenças causadas por protozoários e vermes
Doenças causadas por protozoários e vermes
ingridavilez
 

Mais procurados (20)

Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
 
Parasitoses humanas
Parasitoses humanasParasitoses humanas
Parasitoses humanas
 
Bactérias e Vírus
Bactérias e VírusBactérias e Vírus
Bactérias e Vírus
 
Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias
 
Doenças virais
Doenças viraisDoenças virais
Doenças virais
 
Biologia- Virus
Biologia- VirusBiologia- Virus
Biologia- Virus
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Bacterias
BacteriasBacterias
Bacterias
 
Reino protista protozoarios
Reino protista protozoariosReino protista protozoarios
Reino protista protozoarios
 
Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia Básica
 
Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
 
Vírus.
Vírus.Vírus.
Vírus.
 
Protozoários e protozooses
Protozoários e protozoosesProtozoários e protozooses
Protozoários e protozooses
 
7º ano cap 5 vírus
7º ano cap 5   vírus7º ano cap 5   vírus
7º ano cap 5 vírus
 
Verminoses
VerminosesVerminoses
Verminoses
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Verminoses
VerminosesVerminoses
Verminoses
 
Doenças causadas por protozoários e vermes
Doenças causadas por protozoários e vermesDoenças causadas por protozoários e vermes
Doenças causadas por protozoários e vermes
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 

Destaque (20)

5 doenças bacterianas
5 doenças bacterianas5 doenças bacterianas
5 doenças bacterianas
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Trabalho de Biologia - Doenças Bacterianas
Trabalho de Biologia - Doenças Bacterianas Trabalho de Biologia - Doenças Bacterianas
Trabalho de Biologia - Doenças Bacterianas
 
Proteoses
ProteosesProteoses
Proteoses
 
Evidenciasevo
EvidenciasevoEvidenciasevo
Evidenciasevo
 
Teoriasevolutivas
TeoriasevolutivasTeoriasevolutivas
Teoriasevolutivas
 
Monera
MoneraMonera
Monera
 
Dinâmicapopulação
DinâmicapopulaçãoDinâmicapopulação
Dinâmicapopulação
 
Aulafementaçao2
Aulafementaçao2Aulafementaçao2
Aulafementaçao2
 
Aularespiraçao2
Aularespiraçao2Aularespiraçao2
Aularespiraçao2
 
Linkeg
LinkegLinkeg
Linkeg
 
Membrana plasmática
Membrana plasmáticaMembrana plasmática
Membrana plasmática
 
Organizaçaoservivo
OrganizaçaoservivoOrganizaçaoservivo
Organizaçaoservivo
 
Meiose
MeioseMeiose
Meiose
 
Sistemadigestório
SistemadigestórioSistemadigestório
Sistemadigestório
 
Interação
InteraçãoInteração
Interação
 
Fotossintese
FotossinteseFotossintese
Fotossintese
 
Revisao2016
Revisao2016Revisao2016
Revisao2016
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
 
Genética1ªlei - Monoibridismo -
Genética1ªlei  - Monoibridismo - Genética1ªlei  - Monoibridismo -
Genética1ªlei - Monoibridismo -
 

Semelhante a Doenças bacterianas

Trabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica iiTrabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica ii
Renan Matos
 
Bactérias patogênicas
Bactérias patogênicasBactérias patogênicas
Bactérias patogênicas
floripa-lucas
 
Tuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitaisTuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitais
Josy Farias
 

Semelhante a Doenças bacterianas (20)

Microbiologia doenças
Microbiologia doençasMicrobiologia doenças
Microbiologia doenças
 
AULA 04 - DOENÇAS BACTERIANAS.pptx
AULA 04 - DOENÇAS BACTERIANAS.pptxAULA 04 - DOENÇAS BACTERIANAS.pptx
AULA 04 - DOENÇAS BACTERIANAS.pptx
 
Trabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica iiTrabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica ii
 
Difteria
DifteriaDifteria
Difteria
 
Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactériasDoenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias
 
Prevencao de doenças
Prevencao de doençasPrevencao de doenças
Prevencao de doenças
 
Reino monera bactérias patogênicas prof Ivanise Meyer
Reino monera bactérias patogênicas prof Ivanise MeyerReino monera bactérias patogênicas prof Ivanise Meyer
Reino monera bactérias patogênicas prof Ivanise Meyer
 
Bactérias patogênicas
Bactérias patogênicasBactérias patogênicas
Bactérias patogênicas
 
Trabalho de Biologia
Trabalho de BiologiaTrabalho de Biologia
Trabalho de Biologia
 
Doenças: Toxoplasmose e Tuberculose
Doenças: Toxoplasmose e TuberculoseDoenças: Toxoplasmose e Tuberculose
Doenças: Toxoplasmose e Tuberculose
 
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do susDoenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
 
Saúde coletiva - Difiteria (crupe)
Saúde coletiva - Difiteria (crupe)Saúde coletiva - Difiteria (crupe)
Saúde coletiva - Difiteria (crupe)
 
Tuberculose - 12ºano Biologia
Tuberculose - 12ºano BiologiaTuberculose - 12ºano Biologia
Tuberculose - 12ºano Biologia
 
Tuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitaisTuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitais
 
Tuberculose (1).pdf
Tuberculose (1).pdfTuberculose (1).pdf
Tuberculose (1).pdf
 
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianasBiologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
Biologia A, Profª Lara, 1ª Série - EM | Infecções bacterianas
 
Ii unidade aula 1
Ii unidade   aula 1Ii unidade   aula 1
Ii unidade aula 1
 
Microbiologia - Parte 3 (2).pdf
Microbiologia - Parte 3 (2).pdfMicrobiologia - Parte 3 (2).pdf
Microbiologia - Parte 3 (2).pdf
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Bacterioses
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre BacteriosesSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Bacterioses
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Bacterioses
 
Aula 15 - Doenças Respiratórias - Pneumonia.pdf
Aula 15 - Doenças Respiratórias - Pneumonia.pdfAula 15 - Doenças Respiratórias - Pneumonia.pdf
Aula 15 - Doenças Respiratórias - Pneumonia.pdf
 

Mais de Magali Feldmann (15)

Circulatorio
CirculatorioCirculatorio
Circulatorio
 
Enem 2015
Enem 2015 Enem 2015
Enem 2015
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
 
áCidos nucléicos
áCidos nucléicosáCidos nucléicos
áCidos nucléicos
 
Ácidos Nucleicos - resumão
Ácidos Nucleicos -   resumãoÁcidos Nucleicos -   resumão
Ácidos Nucleicos - resumão
 
Apoio
ApoioApoio
Apoio
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
 
Proteínas
ProteínasProteínas
Proteínas
 
1ª lei de mendel outros casos
1ª lei de mendel   outros casos1ª lei de mendel   outros casos
1ª lei de mendel outros casos
 
Genética1ªlei
Genética1ªleiGenética1ªlei
Genética1ªlei
 
Origemdavida
OrigemdavidaOrigemdavida
Origemdavida
 
Origemdavida
OrigemdavidaOrigemdavida
Origemdavida
 
Cromossomos e mutações
Cromossomos e mutações Cromossomos e mutações
Cromossomos e mutações
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Meiose
MeioseMeiose
Meiose
 

Último

GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
rarakey779
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
LisaneWerlang
 

Último (20)

Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
 

Doenças bacterianas

  • 1.
  • 2. 1. TUBERCULOSE MODO DE TRANSMISSÃO: Através da inalação de gotículas de espirros ou tosse espalhadas pelo ar. AGENTE CAUSADOR: Bacilo de Koch Mycobacteruim tuberculosis SINTOMAS: Tosse persistente, febre, suor noturno, dor no tórax, causa perda de apetite. PROFILAXIA: Vacina BCG aplicada nos primeiros 30 dias de vida. NÚMEROS DA DOENÇA No Brasil, a tuberculose é sério problema da saúde pública, com profundas raízes sociais. A cada ano, são notificados aproximadamente 70 mil casos novos e ocorrem 4,6 mil mortes em decorrência da doença. O Brasil ocupa o 17º lugar entre os 22 países responsáveis por 80% do total de casos de tuberculose no mundo. Fonte´- 2016 Portal da Saúde – Ministério da Saúde – www.saude.gov.br. Todos os direitos reservados.
  • 3. 2. CÓLERA AGENTE CAUSADOR: Vibrião colare MODO DE TRANSMISSÃO: Através de água suja ou alimentos crus e mal cozidos. O vibrião se instala e multiplica-se no intestino delgado. SINTOMAS: Diarréria volumosa e aquosa esbranquiçada ; dores abdominais tipo cólica; náuseas e vômitos; anúria: diminuição da micção, devido à perda de liquido; hipotermia desidratação ( pele seca, azulada e enrugada) PROFILAXIA: A higiene e o tratamento da água e do esgoto são as principais formas de prevenção. A fervura da água de consumo é eficaz na destruição da bactéria. A vacina existente é de baixa eficácia (50% de imunização) e o seu efeito dura apenas de 3 a 6 meses após a administração, o que a torna inviável. O vibrião colérico se esconde em água doce, do rio, por duas semanas , no mínimo. Na água do mar, o bacilo permanece vivo durante um ano.
  • 4. 3. DIFTERIA ( CRUPE) AGENTE CAUSADOR: Corynebacterium diphteriae MODO DE TRANSMISSÃO: Inalação de gotículas eliminadas por pessoas doentes ao espirrar ou tossir. SINTOMAS: A bactéria produz uma toxina que afeta as cavidades nasais, amígdalas, faringe e laringe que produz sintomas como dor de garganta, febre baixa, tosse, fadiga, dificuldade em deglutir e náuseas. As crianças podem ter febres altas. Os gânglios linfáticos (no pescoço) ficam muito inchados. PROFILAXIA: através de vacina, evita o surgimento da doença, que se tornou rara nos países com sistemas de vacinação eficientes. A vacina consiste na administração de toxóide.
  • 5.
  • 6. 4. BOTULISMO AGENTE CAUSADOR: Clostridium botulinum MODO DE TRANSMISSÃO Através do solo e alimentos contaminados e mal conservados. SINTOMAS: Tremores, vômitos, fraqueza muscular progressiva, debilidade motora, paralisia respiratória que pode levar a morte. PROFILAXIA: Cuidado ao adquirir alimentos principalmente enlatados. A utilização do soro que impede que a toxina circule no sangue e se instale no sistema nervoso.
  • 7. Os efeitos terapêuticos da toxina botulínica vêm sendo estudados há décadas. No início, a substância foi utilizada para tratamento de estrabismo e de espasmos involuntários da musculatura das pálpebras. Administrada em pequenas doses, a toxina vem sendo usada para tratar doenças relacionadas a contrações musculares indesejáveis. Em tratamentos estéticos – Botox - O LADO BOM DA TOXINA
  • 8. 5.Tétano • Tétano é doença infecciosa, não contagiosa, com elevada letalidade para jovens e idosos. Causada pela ação de exotoxinas produzidas pelo bacilo Clostridium tetani sobre as células nervosas do SNC.
  • 9. •Acidental: O bacilo tetânico penetra no organismo por meio de ferimentos com objetos contaminados ou quando manuseia o solo ou materiais contaminados com ferimento na pele. •Neonatal: Ocorre pela contaminação do coto umbilical do recém nascido, decorrente de cuidados inadequados .
  • 10. 6. FEBRE MACULOSA AGENTE CAUSADOR: Rickettsia rickettsii – Bactéria especial – é um parasita intracelular. MODO DE TRANSMISSÃO: Ocorre através da picada do carrapato. SINTOMAS: Febre, dor de cabeça, dores musculares, náuseas e vômitos. Manifestações cutâneas Como manchas (máculas) avermelhadas, membros, palma das mãos e tronco. Nos casos mais graves pode ocorrer na cabeça provocando pápulas hemorrágicas Resultando em inflamação e morte dos tecidos.
  • 11. TRATAMENTO: Higiene nos animais domésticos. Medicação.
  • 12. 7. PNEUMONIA AGENTE CAUSADOR Diplococcus pneumoniae ou streptococcus pneumoniae MODO DE TRANSMISSÃO: Inalação de ar contaminado por essas bactérias. SINTOMAS: febre alta; tosse; dor no tórax; mal-estar generalizado; Falta de ar; secreção de muco purulento de cor amarelada ou esverdeada; prostração. PROFILAXIA: Não fume e não beba exageradamente; Observe as instruções do fabricante para a manutenção do ar-condicionado em condições adequadas; Não se exponha a mudanças bruscas de temperatura; Procure atendimento médico para diagnóstico precoce de pneumonia, para diminuir a probabilidade de complicações. Se tiver mais de 60 anos vacine-se contra a gripe anualmente.
  • 13. 8. LEPTOSPIROSE AGENTE CAUSADOR: Bacteria Leptospira MODO DE TRANSMISSÃO: Pela urina do rato, a bactéria entre em contato com a pele quando existe lesões ou de mucosas A longa permanecia de uma pessoa em locais alagados Como terrenos baldios, esgotos córregos ou enchentes
  • 14. SINTOMAS: Iniciais: Dor de cabeça, dor muscular febre alta, mal-estar ( sintomas parecidos com a gripe e hepatite) Sintomas que caracterizam a doença: Dor nas pernas, sem poder ficar em pé. Pele amarelada e urina de cor escura PROFILAXIA Manter limpos os vasilhames dos animais, gramados e terrenos vagos bem Limpos, evitar lixos nas ruas, caixas d’ água, ralos e vasos sanitários limpos. Quando entrar em conato com locais alagados usar botas e luvas de borracha. Desinfetar objetos que entraram em contato com lama ou alagamentos com hipoclorito de sódio.
  • 15. 9. MENINGITE AGENTE CAUSADOR: Neisseria meningitidis - meningococo MODO DE TRANSMISSÃO: Gotículas de secreções eliminadas pela boca ou nariz de pessoa contaminada. A bactéria atinge as meninges. SINTOMAS: Em bebês de até um mês: irritabilidade, choro em excesso, febre, sonolência e moleira fica estufada, como se houvesse um galo na cabeça da criança; acima desta idade: a criança ainda tem dificuldades de movimentar a cabeça; a partir dos cinco anos: febre, rigidez da nuca, dor de cabeça e vômitos em jato. PROFILAXIA As principais medidas profiláticas que devem ser tomadas são: utilização de pratos, talheres e copos bem lavados; dar preferência a utensílios descartáveis; evitar ambientes abafados onde há aglomerações de pessoas; isolamento dos doentes em hospitais especializados.
  • 16. 10. HANSENÍASE OU LEPRA AGENTE CAUSADOR: Mycobacterium leprae bacilo de Hansen lepra, morféia, mal-de-Lázaro, mal-da-pele ou mal -do-sangue. MODO DE TRANSMISSÃO: A forma de transmissão é pelas vias aéreas: uma pessoa infectada libera bacilo no ar e cria a possibilidade de contágio. Porém, a infecção dificilmente acontece depois de um simples encontro social. O contato deve ser íntimo e freqüente. SINTOMAS: Aparecimento de caroços ou inchados no rosto, orelhas, cotovelos e mãos. Entupimento constante no nariz, com um pouco de sangue e feridas. Redução ou ausência de manchas em qualquer parte do corpo, que podem ser pálidas, esbranquiçadas ou avermelhadas sensibilidade ao calor, ao frio, à dor a ao tato. Partes do corpo dormentes ou amortecidas. Em especial as regiões cobertas. PROFILAXIA Tratamento dos doentes com antibióticos e vacina BCG para as pessoas que Moram com os doentes.
  • 17.
  • 18. 11. SIFILIS (Lues) AGENTE CAUSADOR: Treponema pallidum MODO DE TRANSMISSÃO: Contato sexual através da gestação (congênita). SINTOMAS: Inicialmente o aparecimento de pequena lesão indolor no pênis e vulva, que desaparece. Sifilis primária:
  • 19.
  • 22. 12. GONORRÉIA- BLENORRAGIA: Agente causador: Neisseria gonorrhoeae Modo de transmissão: Relação sexual , gestação sintomas Além dos órgãos genitais internos e externos, a infecção pela gonorréia pode levar à: . Proctite gonocócica (inflamação do ânus e do reto), especialmente em pessoas que praticam sexo anal, . Faringite gonocócica (garganta), em pessoas que praticam sexo oral, . Em mulheres grávidas com gonorréia sem tratamento, as bactérias podem causar abortamento no primeiro trimestre de gravidez (abortamento séptico) ou, no fim da gravidez, causar corioamnionite e levar ao parto prematuro, Durante o parto, pode esparramar-se para os olhos do bebê, causando conjuntivite gonocócica, o que tem sido evitado com o uso rotineiro de nitrato de prata a 1% em aplicação ocular.
  • 23. Pelo menos 1% dos pacientes portadores de gonorréia não têm sintomas. Os sintomas nos homens incluem: Secreção uretral (na abertura do pênis onde sai a urina), Vermelhidão ao redor da uretra, Micção (urina) freqüente, Dor ou queimação ao urinar. Nas mulheres os sintomas incluem: Desconforto ao urinar, Micção (urina) freqüente, Secreção vaginal, Incômodo na região perineal, anal ou retal,
  • 24. Diagnóstico O médico irá colher uma história clínica e sexual detalhada, bem como um exame físico e ginecológico. Ele irá solicitar um exame de cultura de secreção (um teste para ver se bactérias crescem) da área afetada (colo do útero, vagina, uretra, reto ou faringe) e outro para pesquisa da bactéria (bacterioscopia). Prevenção: Considerando que gonorréia é um DST e que pode ser transmitida durante o ato sexual, você pode prevenir-se dessa infecção por: . Abstinência sexual (evitar o contato sexual), . Praticar sexo somente com uma pessoa não infectada, . Manter relações amorosas e afetivas sólidas, evitando a promiscuidade, . Usar preservativos masculinos (camisinha) sempre que praticar sexo.