SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
TOXOPLASMOSE E Toxoplasma gondii

Prof.Gildemar Crispim
Taxonomia - Toxoplasma gondii
REINO: Protista
FILO: Protozoa
CLASSE: Apicomplexa
ORDEM: Eucoccidiida
FAMÍLIA: Sarcocystiidae
GÊNERO: Toxoplasma
ESPÉCIE: Toxoplasma gondii

Toxoplasma gondii, protozoário que causa a toxoplasmose
Histórico/Apresentação
Toxoplasma gondii
­ Protozoário parasita células do epitélio intestinal de felinos não imunes (hospedeiros definitivos),
­ Parasita uma grande gama de hospedeiros intermediários,
­ Homens e animais de sangue quente
­ Encontrado em vários tecidos, células e líquidos orgânicos

­ Splendore (1908) no Brasil e Nicole & Manceaux (1908) na Tunísia
­ Este fato fazia antever uma ampla distribuição geográfica e no reino animal do recém descrito protozoário

­ Atualmente; extensa relação de sps (mamíferos e aves) encontradas naturalmente infectadas pelo T.
gondii,
­ Janku (1923) – primeira caso humano
­ Criança, 11 meses, falecida
­ Hidrocefalia e cegueira
­ Cortes do globo ocular – parasitas da toxoplasmose
Histórico/Apresentação
• Torres (1927) no RJ – Toxoplasma em cortes histológicos de cérebro, miocárdio e músculos
esqueléticos - Transmissão congênita?,

• Wolf & Cohen (1937)
­ Primeiros a descreverem a infecção congênita

• 1942 – Pinkerton & Hendersonmas
­ Ocorrência da toxoplasmose em adultos

• 1948 – Sabin & Feldman
­ “Dye Test”

• 1957 – 1962: Hemaglutinação e Imunofluorescência Indireta
• 1970 – Dudey e cols.
­ Oocisto nas fezes do gato
­ Fase assexuada do agente

• 1972 – Miller e cols.
­ Felinos (domesticos e selvagens) – únicos mamíferos que suportam o ciclo sexuado do T. gondii
(oocistos)
Epidemiologia
• Umas das INFECÇÕES mais difundida no mundo
­ Prevalência: 23% - 83%
­ Encontrada em todas as regiões da Terra, nos mais variados climas,altitudes e
condições sociais
­ Guimarães e cols. 1993 – 60% da pop tenha entrado em contato no Brasil
­ Mamíferos e aves: 12% - 64%
­ Felinos: 75%
­ Liberam milhares de oocistos por dia durante meses
­ Oocisto – viáveis por até 1, 5 ano (5 anos)

• As principais fontes de infecção para os humanos:
­ Caixas de areia contaminadas,
­ Carne crua ou mal cozida, embutidos mal cozidos, leite de cabra cru,
­ Transmissão congênita (fase aguda)
Morfologia
•

Taquizoíto (Trofozoíto ou forma livre)
­ Primeira forma descrita de T. gondii
­ Forma proliferativa (Aguda)
­ Encontrada em líquidos biológicos
­ Forma de arco (banana e/ou meia lua)
•

Morfologia

Bradizoíto (Cistozoíto ou forma de latência)

­ Forma de pequeno taquizoíto dentro de “cistos” em células de diversos
tecidos (muscular, nervos, cardíaco, retina, etc.)
­ Forma de resistência do T. gondii
­ Lento metabolismo
­ Reprodução lenta (Endodiogenia)
­ Fase crônica da doença

Detalhe da estrutura cística ocupada totalmente por bradizoítos de
T. gondii

Endodiogenia
•

Oocisto

Morfologia

­ Forma infectante produzida no intestino do gato
­ Apresenta uma membrana dupla – grande resistência
­ Em condições ideais – viável por mais de ano
­ Ao ser eliminado

amadurece em 2 esporocistos (4 esporozoítos cada)

Oocistos de T.gondii forma excretadas nas fezes des
felinos. (A) Oocistos não esporulados. (B) Oocisto
esporulado com 2 esporocistos mostrando 4 esporozoítos
no interior do esporocisto (setas). (C) Microscopia
eletrônica de transmissão mostrando esporulação do
oocisto. Fonte: Dubey et al., 1998.
Ciclo biológico de T. gondii – Fase Assexuada
Ciclo do Toxoplasma gondii
Ciclo biológico de T. gondii – Fase Sexuada
Morfologia
Patogenia e Sintomatologia
• Bastante variável
– Febre e enfartamento ganglionar

Lesões graves no SNC ou na retina

• Esta variação se deve:
– Virulência da cepa
– Via de infecção e volume de formas infectantes
– Estado imunitário
– Idade do paciente
• Congênita
­
­
­
­

Formas de toxoplasmose

Possíveis lesões irreversíveis no feto
Ocorre somente na fase aguda
Concepção – 6° semana ABORTO
6° - 16° semana
Período de alterações mais graves
­
­
­
­
­
­
­
­

Hepatoesplenomegalia
Icterícia
Edemas pulmonares
Miocardite
Pneumonite
Meningoencefalite
Calcificações cerebrais
Retardamento mental

­ Ultimo trimestre de gestação
­ A criança pode nascer normal e apresentar sinais da doença semanas ou meses depois
(linfadenopatia generalizada, hepatoesplenomegalia, edemas, lesões do SNC e oculares)
Formas de toxoplasmose
• Adquirida ou Pós-natal
­ Infecção adquirida depois do nascimento (Fase adulta)
­ Período de incubação variável (5 – 20 dias)
­ Em pacientes imunocompetentes
(casos subclínicos)

infecção passa desapercebida

­ Casos clínicos
­ Forma ganglionar ou febril
­ Forma ocular
­ Forma meningoencefalite
­ Forma cutânea ou Exantemática
­ Toxoplasmose em Imunodeficientes

Raras e fatais
Diagnóstico
•

Clínico

•

Laboratorial
• Sorologia
• Parasitológico
Profilaxia
•

Evitar ingerir alimentos de origem animal cru ou mal passados,

•

Acompanhamento clínico/sorológico das gestantes,

•

Controlar a população de rua de gatos,

•

Combate aos ratos,

•

Incinerar fezes dos felinos,

•

Proteger caixas de areias.
Tratamento
• Terapêutica deve ser instituída por um médico (especialista)
• Os medicamentos disponíveis só atuam na fase aguda (taquizoítos)
• Obs.: Os medicamentos não atingem os cistos (Fase crônica)
NÂO HÁ CURA
• Sulfadiazina
• Pirimetamina,
• Clindamicina
• Dapsona
• Atovaquona
Toxoplasmose: Causas, Sintomas e Tratamento da Infecção por Toxoplasma gondii

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Toxoplasmose!
Toxoplasmose!Toxoplasmose!
Toxoplasmose!
 
Doença de Chagas
Doença de ChagasDoença de Chagas
Doença de Chagas
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Aula DoençA De Chagas
 Aula DoençA De Chagas Aula DoençA De Chagas
Aula DoençA De Chagas
 
Toxoplasmose
Toxoplasmose Toxoplasmose
Toxoplasmose
 
Aula n° 5 plasmodium
Aula n° 5  plasmodiumAula n° 5  plasmodium
Aula n° 5 plasmodium
 
Relacão parasito-hospedeiro 2015
Relacão parasito-hospedeiro 2015Relacão parasito-hospedeiro 2015
Relacão parasito-hospedeiro 2015
 
Ascaris lumbricoides
Ascaris lumbricoidesAscaris lumbricoides
Ascaris lumbricoides
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
slide Filarioses
slide Filariosesslide Filarioses
slide Filarioses
 
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a MaláriaAula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Aula de Parasitologia do dia: 08.09.2016
Aula de Parasitologia do dia: 08.09.2016Aula de Parasitologia do dia: 08.09.2016
Aula de Parasitologia do dia: 08.09.2016
 
Aula 2 t cruzi e chagas
Aula 2  t cruzi e chagasAula 2  t cruzi e chagas
Aula 2 t cruzi e chagas
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Aula n° 4 leishmaniose
Aula n° 4   leishmanioseAula n° 4   leishmaniose
Aula n° 4 leishmaniose
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceral
 
Strongyloides Stercoralis E Estrongiloidiase
Strongyloides Stercoralis E EstrongiloidiaseStrongyloides Stercoralis E Estrongiloidiase
Strongyloides Stercoralis E Estrongiloidiase
 
Micoses superficiais
Micoses superficiais Micoses superficiais
Micoses superficiais
 

Destaque

Conclusiones Capítulo General 6
Conclusiones Capítulo General 6Conclusiones Capítulo General 6
Conclusiones Capítulo General 6framasg
 
14.07.2011 T8 E-Commerce Harald Eichsteller Hochschule der Medien
14.07.2011 T8 E-Commerce Harald Eichsteller Hochschule der Medien14.07.2011 T8 E-Commerce Harald Eichsteller Hochschule der Medien
14.07.2011 T8 E-Commerce Harald Eichsteller Hochschule der MedienWerbeplanung.at Summit
 
http://explosionrbr.blogspot.com/
http://explosionrbr.blogspot.com/http://explosionrbr.blogspot.com/
http://explosionrbr.blogspot.com/ExplisonRBR
 
Capitalismo, monopólios e patentes: propriedade intelectual e a desmedida exp...
Capitalismo, monopólios e patentes: propriedade intelectual e a desmedida exp...Capitalismo, monopólios e patentes: propriedade intelectual e a desmedida exp...
Capitalismo, monopólios e patentes: propriedade intelectual e a desmedida exp...Alessandro de Moura
 
Normalização de trabalhos acadêmicos treinamento aesa2
Normalização de trabalhos acadêmicos   treinamento aesa2Normalização de trabalhos acadêmicos   treinamento aesa2
Normalização de trabalhos acadêmicos treinamento aesa2Gildo Crispim
 
Aula n° 3 tripanossoma
Aula n° 3   tripanossomaAula n° 3   tripanossoma
Aula n° 3 tripanossomaGildo Crispim
 
02 etiopatogãšnese das lesã•es
02 etiopatogãšnese das lesã•es02 etiopatogãšnese das lesã•es
02 etiopatogãšnese das lesã•esGildo Crispim
 
Resposta inata e adquirida para alunos
Resposta inata e adquirida para alunosResposta inata e adquirida para alunos
Resposta inata e adquirida para alunosGildo Crispim
 
Aula n° 7 helmintos
Aula n° 7   helmintosAula n° 7   helmintos
Aula n° 7 helmintosGildo Crispim
 
Controle crescimento-microbiano . esterilização
Controle crescimento-microbiano . esterilizaçãoControle crescimento-microbiano . esterilização
Controle crescimento-microbiano . esterilizaçãoGildo Crispim
 
Celulas do sistema imunológico[1]
Celulas do sistema imunológico[1]Celulas do sistema imunológico[1]
Celulas do sistema imunológico[1]Gildo Crispim
 
Apresentação imunologia
Apresentação imunologiaApresentação imunologia
Apresentação imunologiaGildo Crispim
 
Estrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunosEstrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunosGildo Crispim
 

Destaque (20)

Conclusiones Capítulo General 6
Conclusiones Capítulo General 6Conclusiones Capítulo General 6
Conclusiones Capítulo General 6
 
14.07.2011 T8 E-Commerce Harald Eichsteller Hochschule der Medien
14.07.2011 T8 E-Commerce Harald Eichsteller Hochschule der Medien14.07.2011 T8 E-Commerce Harald Eichsteller Hochschule der Medien
14.07.2011 T8 E-Commerce Harald Eichsteller Hochschule der Medien
 
http://explosionrbr.blogspot.com/
http://explosionrbr.blogspot.com/http://explosionrbr.blogspot.com/
http://explosionrbr.blogspot.com/
 
Capitalismo, monopólios e patentes: propriedade intelectual e a desmedida exp...
Capitalismo, monopólios e patentes: propriedade intelectual e a desmedida exp...Capitalismo, monopólios e patentes: propriedade intelectual e a desmedida exp...
Capitalismo, monopólios e patentes: propriedade intelectual e a desmedida exp...
 
New Microsoft Word Document
New Microsoft Word DocumentNew Microsoft Word Document
New Microsoft Word Document
 
Educação -joão_ubaldo._-_pps
Educação  -joão_ubaldo._-_ppsEducação  -joão_ubaldo._-_pps
Educação -joão_ubaldo._-_pps
 
Aprendiendo
AprendiendoAprendiendo
Aprendiendo
 
Aula n° 2
Aula n° 2  Aula n° 2
Aula n° 2
 
Normalização de trabalhos acadêmicos treinamento aesa2
Normalização de trabalhos acadêmicos   treinamento aesa2Normalização de trabalhos acadêmicos   treinamento aesa2
Normalização de trabalhos acadêmicos treinamento aesa2
 
Aula n° 1
Aula n° 1  Aula n° 1
Aula n° 1
 
Moleculas mhc1
Moleculas mhc1Moleculas mhc1
Moleculas mhc1
 
Aula n° 3 tripanossoma
Aula n° 3   tripanossomaAula n° 3   tripanossoma
Aula n° 3 tripanossoma
 
02 etiopatogãšnese das lesã•es
02 etiopatogãšnese das lesã•es02 etiopatogãšnese das lesã•es
02 etiopatogãšnese das lesã•es
 
Resposta inata e adquirida para alunos
Resposta inata e adquirida para alunosResposta inata e adquirida para alunos
Resposta inata e adquirida para alunos
 
Aula n° 7 helmintos
Aula n° 7   helmintosAula n° 7   helmintos
Aula n° 7 helmintos
 
Controle crescimento-microbiano . esterilização
Controle crescimento-microbiano . esterilizaçãoControle crescimento-microbiano . esterilização
Controle crescimento-microbiano . esterilização
 
Celulas do sistema imunológico[1]
Celulas do sistema imunológico[1]Celulas do sistema imunológico[1]
Celulas do sistema imunológico[1]
 
Apresentação imunologia
Apresentação imunologiaApresentação imunologia
Apresentação imunologia
 
Estrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunosEstrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunos
 
Wd0000047
Wd0000047Wd0000047
Wd0000047
 

Semelhante a Toxoplasmose: Causas, Sintomas e Tratamento da Infecção por Toxoplasma gondii

Trabalho de parasitologia: Toxoplasma gondii.
Trabalho de parasitologia: Toxoplasma gondii.Trabalho de parasitologia: Toxoplasma gondii.
Trabalho de parasitologia: Toxoplasma gondii.Tamires Batista
 
Doenças: Toxoplasmose e Tuberculose
Doenças: Toxoplasmose e TuberculoseDoenças: Toxoplasmose e Tuberculose
Doenças: Toxoplasmose e TuberculoseFêe Oliveira
 
Aula 5 toxoplasma gondii e toxoplasmose
Aula 5  toxoplasma gondii e toxoplasmoseAula 5  toxoplasma gondii e toxoplasmose
Aula 5 toxoplasma gondii e toxoplasmoseJoao Paulo Peixoto
 
toxoplasmose
toxoplasmosetoxoplasmose
toxoplasmosejoaoars
 
A toxoplasmose é uma parasitose amplamente disseminada na natureza.docx
A toxoplasmose é uma parasitose amplamente disseminada na natureza.docxA toxoplasmose é uma parasitose amplamente disseminada na natureza.docx
A toxoplasmose é uma parasitose amplamente disseminada na natureza.docxCidaLaignier1
 
Doenças causadas por protozoários Sem estruturas locomotoras
Doenças causadas por protozoários Sem estruturas locomotorasDoenças causadas por protozoários Sem estruturas locomotoras
Doenças causadas por protozoários Sem estruturas locomotorasdnei
 
CESTODOES DOS CARNÍVOROS.docx
CESTODOES DOS CARNÍVOROS.docxCESTODOES DOS CARNÍVOROS.docx
CESTODOES DOS CARNÍVOROS.docxMarisaSantos858564
 
Teníase e cisticercose
Teníase e cisticercoseTeníase e cisticercose
Teníase e cisticercoseARTHUR CALIXTO
 
Aula streptococcus
Aula streptococcusAula streptococcus
Aula streptococcusandrearistow
 
xrToxoplasmose_2012.pdf
xrToxoplasmose_2012.pdfxrToxoplasmose_2012.pdf
xrToxoplasmose_2012.pdfraphaelbiscaia
 
toxoplasmose
toxoplasmosetoxoplasmose
toxoplasmosejoaoars
 
Leishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completoLeishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completoElismmelo55
 
Seminário métodos e técnicas do ensino
Seminário  métodos e técnicas do ensinoSeminário  métodos e técnicas do ensino
Seminário métodos e técnicas do ensinoLaíz Coutinho
 

Semelhante a Toxoplasmose: Causas, Sintomas e Tratamento da Infecção por Toxoplasma gondii (20)

Trabalho de parasitologia: Toxoplasma gondii.
Trabalho de parasitologia: Toxoplasma gondii.Trabalho de parasitologia: Toxoplasma gondii.
Trabalho de parasitologia: Toxoplasma gondii.
 
Doenças: Toxoplasmose e Tuberculose
Doenças: Toxoplasmose e TuberculoseDoenças: Toxoplasmose e Tuberculose
Doenças: Toxoplasmose e Tuberculose
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Aula 5 toxoplasma gondii e toxoplasmose
Aula 5  toxoplasma gondii e toxoplasmoseAula 5  toxoplasma gondii e toxoplasmose
Aula 5 toxoplasma gondii e toxoplasmose
 
Toxoplasma gondii
Toxoplasma gondiiToxoplasma gondii
Toxoplasma gondii
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
toxoplasmose
toxoplasmosetoxoplasmose
toxoplasmose
 
A toxoplasmose é uma parasitose amplamente disseminada na natureza.docx
A toxoplasmose é uma parasitose amplamente disseminada na natureza.docxA toxoplasmose é uma parasitose amplamente disseminada na natureza.docx
A toxoplasmose é uma parasitose amplamente disseminada na natureza.docx
 
apresentação toxoplasmose.pptx
apresentação toxoplasmose.pptxapresentação toxoplasmose.pptx
apresentação toxoplasmose.pptx
 
Doenças causadas por protozoários Sem estruturas locomotoras
Doenças causadas por protozoários Sem estruturas locomotorasDoenças causadas por protozoários Sem estruturas locomotoras
Doenças causadas por protozoários Sem estruturas locomotoras
 
CESTODOES DOS CARNÍVOROS.docx
CESTODOES DOS CARNÍVOROS.docxCESTODOES DOS CARNÍVOROS.docx
CESTODOES DOS CARNÍVOROS.docx
 
Teníase e cisticercose
Teníase e cisticercoseTeníase e cisticercose
Teníase e cisticercose
 
Aula streptococcus
Aula streptococcusAula streptococcus
Aula streptococcus
 
Aula streptococcus
Aula streptococcusAula streptococcus
Aula streptococcus
 
Reino animal
Reino animalReino animal
Reino animal
 
xrToxoplasmose_2012.pdf
xrToxoplasmose_2012.pdfxrToxoplasmose_2012.pdf
xrToxoplasmose_2012.pdf
 
toxoplasmose
toxoplasmosetoxoplasmose
toxoplasmose
 
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)Doenças causadas por protozoários (protozooses)
Doenças causadas por protozoários (protozooses)
 
Leishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completoLeishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completo
 
Seminário métodos e técnicas do ensino
Seminário  métodos e técnicas do ensinoSeminário  métodos e técnicas do ensino
Seminário métodos e técnicas do ensino
 

Mais de Gildo Crispim

Crescimento bacteriano
Crescimento bacterianoCrescimento bacteriano
Crescimento bacterianoGildo Crispim
 
Introdução a mibrobiologia
Introdução a mibrobiologiaIntrodução a mibrobiologia
Introdução a mibrobiologiaGildo Crispim
 
4. enterobacterias salmonella,_shiguella,_yersinia
4. enterobacterias salmonella,_shiguella,_yersinia4. enterobacterias salmonella,_shiguella,_yersinia
4. enterobacterias salmonella,_shiguella,_yersiniaGildo Crispim
 
Genetica bacteriana 1
Genetica bacteriana 1Genetica bacteriana 1
Genetica bacteriana 1Gildo Crispim
 
Celulas do sistema imunológico[1]
Celulas do sistema imunológico[1]Celulas do sistema imunológico[1]
Celulas do sistema imunológico[1]Gildo Crispim
 

Mais de Gildo Crispim (10)

Patologia geral
Patologia geralPatologia geral
Patologia geral
 
Crescimento bacteriano
Crescimento bacterianoCrescimento bacteriano
Crescimento bacteriano
 
Introdução a mibrobiologia
Introdução a mibrobiologiaIntrodução a mibrobiologia
Introdução a mibrobiologia
 
4. enterobacterias salmonella,_shiguella,_yersinia
4. enterobacterias salmonella,_shiguella,_yersinia4. enterobacterias salmonella,_shiguella,_yersinia
4. enterobacterias salmonella,_shiguella,_yersinia
 
Genetica bacteriana 1
Genetica bacteriana 1Genetica bacteriana 1
Genetica bacteriana 1
 
Antígeno
AntígenoAntígeno
Antígeno
 
Celulas do sistema imunológico[1]
Celulas do sistema imunológico[1]Celulas do sistema imunológico[1]
Celulas do sistema imunológico[1]
 
Aula 11 fungos
Aula   11 fungosAula   11 fungos
Aula 11 fungos
 
Aula 12 virus
Aula   12 virusAula   12 virus
Aula 12 virus
 
Aula 05 bacterias
Aula   05  bacteriasAula   05  bacterias
Aula 05 bacterias
 

Toxoplasmose: Causas, Sintomas e Tratamento da Infecção por Toxoplasma gondii

  • 1. TOXOPLASMOSE E Toxoplasma gondii Prof.Gildemar Crispim
  • 2. Taxonomia - Toxoplasma gondii REINO: Protista FILO: Protozoa CLASSE: Apicomplexa ORDEM: Eucoccidiida FAMÍLIA: Sarcocystiidae GÊNERO: Toxoplasma ESPÉCIE: Toxoplasma gondii Toxoplasma gondii, protozoário que causa a toxoplasmose
  • 3. Histórico/Apresentação Toxoplasma gondii ­ Protozoário parasita células do epitélio intestinal de felinos não imunes (hospedeiros definitivos), ­ Parasita uma grande gama de hospedeiros intermediários, ­ Homens e animais de sangue quente ­ Encontrado em vários tecidos, células e líquidos orgânicos ­ Splendore (1908) no Brasil e Nicole & Manceaux (1908) na Tunísia ­ Este fato fazia antever uma ampla distribuição geográfica e no reino animal do recém descrito protozoário ­ Atualmente; extensa relação de sps (mamíferos e aves) encontradas naturalmente infectadas pelo T. gondii, ­ Janku (1923) – primeira caso humano ­ Criança, 11 meses, falecida ­ Hidrocefalia e cegueira ­ Cortes do globo ocular – parasitas da toxoplasmose
  • 4. Histórico/Apresentação • Torres (1927) no RJ – Toxoplasma em cortes histológicos de cérebro, miocárdio e músculos esqueléticos - Transmissão congênita?, • Wolf & Cohen (1937) ­ Primeiros a descreverem a infecção congênita • 1942 – Pinkerton & Hendersonmas ­ Ocorrência da toxoplasmose em adultos • 1948 – Sabin & Feldman ­ “Dye Test” • 1957 – 1962: Hemaglutinação e Imunofluorescência Indireta • 1970 – Dudey e cols. ­ Oocisto nas fezes do gato ­ Fase assexuada do agente • 1972 – Miller e cols. ­ Felinos (domesticos e selvagens) – únicos mamíferos que suportam o ciclo sexuado do T. gondii (oocistos)
  • 5. Epidemiologia • Umas das INFECÇÕES mais difundida no mundo ­ Prevalência: 23% - 83% ­ Encontrada em todas as regiões da Terra, nos mais variados climas,altitudes e condições sociais ­ Guimarães e cols. 1993 – 60% da pop tenha entrado em contato no Brasil ­ Mamíferos e aves: 12% - 64% ­ Felinos: 75% ­ Liberam milhares de oocistos por dia durante meses ­ Oocisto – viáveis por até 1, 5 ano (5 anos) • As principais fontes de infecção para os humanos: ­ Caixas de areia contaminadas, ­ Carne crua ou mal cozida, embutidos mal cozidos, leite de cabra cru, ­ Transmissão congênita (fase aguda)
  • 6. Morfologia • Taquizoíto (Trofozoíto ou forma livre) ­ Primeira forma descrita de T. gondii ­ Forma proliferativa (Aguda) ­ Encontrada em líquidos biológicos ­ Forma de arco (banana e/ou meia lua)
  • 7. • Morfologia Bradizoíto (Cistozoíto ou forma de latência) ­ Forma de pequeno taquizoíto dentro de “cistos” em células de diversos tecidos (muscular, nervos, cardíaco, retina, etc.) ­ Forma de resistência do T. gondii ­ Lento metabolismo ­ Reprodução lenta (Endodiogenia) ­ Fase crônica da doença Detalhe da estrutura cística ocupada totalmente por bradizoítos de T. gondii Endodiogenia
  • 8. • Oocisto Morfologia ­ Forma infectante produzida no intestino do gato ­ Apresenta uma membrana dupla – grande resistência ­ Em condições ideais – viável por mais de ano ­ Ao ser eliminado amadurece em 2 esporocistos (4 esporozoítos cada) Oocistos de T.gondii forma excretadas nas fezes des felinos. (A) Oocistos não esporulados. (B) Oocisto esporulado com 2 esporocistos mostrando 4 esporozoítos no interior do esporocisto (setas). (C) Microscopia eletrônica de transmissão mostrando esporulação do oocisto. Fonte: Dubey et al., 1998.
  • 9. Ciclo biológico de T. gondii – Fase Assexuada
  • 11. Ciclo biológico de T. gondii – Fase Sexuada
  • 13. Patogenia e Sintomatologia • Bastante variável – Febre e enfartamento ganglionar Lesões graves no SNC ou na retina • Esta variação se deve: – Virulência da cepa – Via de infecção e volume de formas infectantes – Estado imunitário – Idade do paciente
  • 14. • Congênita ­ ­ ­ ­ Formas de toxoplasmose Possíveis lesões irreversíveis no feto Ocorre somente na fase aguda Concepção – 6° semana ABORTO 6° - 16° semana Período de alterações mais graves ­ ­ ­ ­ ­ ­ ­ ­ Hepatoesplenomegalia Icterícia Edemas pulmonares Miocardite Pneumonite Meningoencefalite Calcificações cerebrais Retardamento mental ­ Ultimo trimestre de gestação ­ A criança pode nascer normal e apresentar sinais da doença semanas ou meses depois (linfadenopatia generalizada, hepatoesplenomegalia, edemas, lesões do SNC e oculares)
  • 15. Formas de toxoplasmose • Adquirida ou Pós-natal ­ Infecção adquirida depois do nascimento (Fase adulta) ­ Período de incubação variável (5 – 20 dias) ­ Em pacientes imunocompetentes (casos subclínicos) infecção passa desapercebida ­ Casos clínicos ­ Forma ganglionar ou febril ­ Forma ocular ­ Forma meningoencefalite ­ Forma cutânea ou Exantemática ­ Toxoplasmose em Imunodeficientes Raras e fatais
  • 17. Profilaxia • Evitar ingerir alimentos de origem animal cru ou mal passados, • Acompanhamento clínico/sorológico das gestantes, • Controlar a população de rua de gatos, • Combate aos ratos, • Incinerar fezes dos felinos, • Proteger caixas de areias.
  • 18. Tratamento • Terapêutica deve ser instituída por um médico (especialista) • Os medicamentos disponíveis só atuam na fase aguda (taquizoítos) • Obs.: Os medicamentos não atingem os cistos (Fase crônica) NÂO HÁ CURA • Sulfadiazina • Pirimetamina, • Clindamicina • Dapsona • Atovaquona