SlideShare uma empresa Scribd logo
Psicologia
Social
Comunitária
Angela P. Farias Mengatto
Noélly Mercer
Histórico da Psicologia Social
Comunitária
A Psicologia social só irá se desenvolver como
estudo científico, após a I Guerra Mundial,
juntamente com outras ciências sociais,
procurando compreender as crises e as
convulsões que abalavam o mundo. (tensões
sociais, direitos humanos em condições
precárias, pobreza).
Histórico da Psicologia Social
Comunitária
Nos EUA a partir da II Guerra Mundial que a PS
através de pesquisas e experimentos que
procuravam procedimentos e técnicas para
intervenção nas relações sociais visando garantir
condições melhores para as pessoas.
Entre 1950 e os primeiros anos de 1960 o modelo
americano passa para o modelo de ação
comunitária em prol da saúde mental.
Histórico da Psicologia Social
Comunitária
 Esse período nos EUA também é marcado por grandes
manifestações das comunidades carentes e marginalizadas pela
situação sócio-econômica do país, evidenciando que todo o
contexto, afetava a saúde mental e outros problemas advindos
da situação.
Histórico da PSC
 Internacionalmente inúmeras reivindicações contra a
fome, miséria, desemprego, analfabetismo e doenças.
 “Barricadas de Paris” com a participação de Simone
de Beauvoir, Jean Paul Sartre, Marcuse, Habermas, que
denunciam a omissão das universidades na realidade
social, Crise” do Modelo das Ciências Humanas e
Sociais Humanas e Sociais;
 a denúncia do preconceito e racismo presentes no
Apartheid na África e populações indígenas;
 A fome denunciada na África;
 Ditadura no países latino-americanos Argentina, Chile,
Peru, Paraguai, Brasil. (Freitas, 2012)
Histórico PSC
Histórico da Psicologia Social
Comunitária
 1965 /1967 – 1ª. Conferência de Psicologia
Comunitária- Texas, criação da Divisão de PC – EUA.
 1976 (Miami) - Congresso de Psicologia
Interamericana - “crise da psicologia social” é
denunciada com participação de psicólogos sociais de
vários países da América Latina -criticavam a
metodologias e teorias que não condiziam com a
situação vivenciada em seus países. Havendo
necessidade de uma psicologia voltada para realidade
e problemas existentes ao contexto social.
América Latina e Brasil: movimento de ação
comunitária para psicologia social crítica.
Diante da problemática dos países que viviam sob
domínio de governos ditadores, de desigualdades
culturais, sociais e econômicas, culminaram para que
diversos profissionais, psicólogos, padres,
assistentes sociais, sociólogos, professores, entre
outros, se mobilizassem em prol de um movimento
de Ação Comunitária na América Latina, rompendo
com modelo tradicional e apresentando uma
psicologia social crítica. (Rodrigues,1983; Góis, 2003).
Histórico da Psicologia Social
Comunitária
Anos 1960-1980 - ditadura militar no Brasil e em outros países
da América Latina, são desenvolvidos trabalhos claramente
comprometidos com os setores populares e tendo a participação
de psicólogos, propostas de ação nos projetos de
investigação/extensão nas universidades.
Anos 1970 - Disciplina oficial, nos currículos de psicologia,
denominada de Psicologia Comunitária. (FREITAS, 1998; MONTERO,
1994, 2003; SÁNCHEZ, 2000).
- .
Histórico da PSC
Nesse período aparece a Educação assumindo
um papel de compromisso com a
transformação social, expresso na proposta
político–pedagógica de Paulo Freire através
da alfabetização, e na Educação
Conscientizadora e Libertadora.
(FREITAS, 1998; MONTERO, 1994; BARREIRO, 1985; FREIRE, 1973, 1976).
Histórico da Psicologia Social
Comunitária
 São os trabalhos de Educação Popular e da
Educação de Adultos, realizados no Nordeste
do Brasil, nos anos da década de 1960,
estendendo-se para América Latina e África.
Histórico da Psicologia Social
Comunitária
Histórico da PSC
ABRAPSO
 1980 - criação oficial da Associação Brasileira
de Psicologia Social (ABRAPSO), fortalece a
aproximação e comprometimento da
psicologia e, em especial da Psicologia Social
Comunitária, para com a realidade concreta
das pessoas, no Brasil e no continente latino-
americano. (FREITAS, 1998, 2000b, 2003)
Os principais representantes
Silvia Lane
Os principais representantes
Martin-Baró
Os principais representantes
Maritza Montero
Nos anos 90, a PSC consolidou-se como disciplina
acadêmica e como profissão, levando a um grande
incremento das práticas na área e, também, a uma
diversidade epistemológica, teórica e metodológica.
Histórico da PSC
O que é Psicologia Social
Comunitária?
Definição
Segundo Góis (1993) a psicologia comunitária é
uma área da psicologia social que estuda a
atividade do psiquismo decorrente do modo de
vida do lugar/comunidade; estuda o sistema de
relações e representações, identidade, níveis
de consciência, identificação e pertinência dos
indivíduos ao lugar/comunidade e aos grupos
comunitários.
Definição
A psicologia comunitária (PC) um caráter
interdisciplinar, voltada principalmente para o
desenvolvimento e a mudança sócio-política de
uma realidade psicossocial caracterizada por
relações de dominação e de exclusão social.
(Martín-Baró, 1989).
PC centrada em
dois grandes modelos:
1. DESENVOLVIMENTO HUMANO
2. MUDANÇA SOCIAL (busca de alternativas sócio-políticas)
reconhecimento da capacidade do indivíduo e da
própria comunidade de serem responsáveis e
competentes na construção de suas vidas
processos de facilitação social baseados na
ação local e na conscientização
visão positiva da
COMUNIDADE e DAS PESSOAS
Fonte: Góis, (2003) )
As ações da PSC são pautadas:
 com a realidade social e histórica dos
sujeitos;
 desenvolver nos sujeitos uma consciência
crítica e autônoma;
 contribuir na formação da identidade
individual e social,
 despertar perspectivas para uma mudança
social;
 buscar melhorias nas condições de vida e
bem-estar dos indivíduos e da comunidade.
A PSICOLOGIA COMUNITÁRIA
QUATRO PILARES
Empoderamento
 Consiste em identificar, facilitar ou criar
contextos em que as pessoas isoladas ou
silenciadas possam ser compreendidas, ter uma
voz e influência sobre as decisões que lhes
dizem diretamente respeito ou que de algum
modo, afetem a sua vida. (Rappaport,1992). Atribuir
poder aos indivíduos, de forma a estes serem
autônomos e conseguirem por si só resolverem
e minimizarem os seus problemas. Através da
troca e partilha de conhecimentos.
Cidadania
 Cidadania - está fortemente ligada à
democracia, concebendo os indivíduos com
direitos e deveres. Implica respeito e liberdade
entre as pessoas, de forma a cumprir as suas
obrigações e reclamar os seus direitos,
promovendo a qualidade de vida sem afetar os
outros.
Luta pela pobreza
 Luta pela pobreza- a pobreza é resultado de
graves desigualdades sociais, tem uma forte
influência sobre o desenvolvimento de
competências e aptidões individuais e
coletivas. Ultrapassar a pobreza torna-se
essencial para o desenvolvimento saudável
humano.
Saúde mental
 Saúde mental- É considerado um estado de
equilíbrio entre a pessoa e a sociedade, é um
conceito amplo, representado pela família,
comunidade, escola e trabalho. Possuindo
saúde mental, o individuo torna-se mais
produtivo, tem melhor qualidade de vida e
bem-estar. (ELOI, J, 2015)
O QUE FAZ UM PSICÓLOGO
COMUNITÁRIO?
 Contribui para a construção de programas inovadores de
intervenção social, baseados em metodologias
colaborativas de investigação-ação, promotoras
de empoderamento e facilitadoras da mudança social.
 Estrutura, implementa ou avalia programas de prevenção
na área da violência, por ex. (violência contra as mulheres
e/ou crianças; saúde; bullying).
 Apoio aos grupos e as organizações na comunidade
(coletividades, organizações não-governamentais ou
outras) para que funcionem de forma mais eficaz,
cumprindo os objetivos a que se propõem ao nível da
cultura, do bem-estar físico e do desenvolvimento integral
dos grupos que pretendem beneficiar.
 Pode contribuir para a consultoria na criação de grupos
ou organizações de ajuda mútua, onde as pessoas podem
ajudar-se a si próprias e a outras na resolução dos seus
problemas de forma natural, integrada e que promove o
sentimento de integração e de pertença. (http://www.sppc.pt)
Comunidade
 Território comum
 Espaço de convivência
 Membros ativamente participantes
COMUNIDADE: definições
 “onde todos são chamados pelo
nome”(Marx).
 “viver em sociedade onde a pessoa é
reconhecida pelo nome, significa que
além de manter sua identidade e
singularidade, o indivíduo pode expressar
sua opinião, seu pensamento, onde ele é
alguém. (Guareschi, 2013, p. 78).
COMUNIDADE: definições
 participação da mesma cultura, vinculação a
um território comum, espaço de moradia e de
convivência, nível socioeconômico
semelhante e laço histórico comum.” (Góis, 2005).
 “é uma associação que se dá na linha do ser,
isto é, por uma participação profunda dos
membros com o grupo, onde são colocados
os sentimentos nobres como o amor, a
lealdade, a honra, a amizade, crenças e
conhecimento mútuo”. (F.Tönnies apud Sawaia, 1996;
Guareschi, 2013).
Atuação do psicólogo
comunitário em comunidades
 Inserção e conhecimento dos indivíduos
na comunidade
 Despertar a conscientização dos direitos
 Identificar necessidades dos membros
Trabalho do
Psicólogo
Comunitário
 Consiste na inserção e conhecimento dos
indivíduos e da comunidade, atuar no sentido
analista e facilitador, identificando as suas
necessidades, onde as ações e ferramentas
são construídas de forma compartilhada
(profissional e comunidade) visando a busca
de soluções, respeitando sua singularidade,
história e o local. Despertar nos indivíduos
conscientização de seus direitos que os
fortaleçam em busca de melhores condições
de qualidade vida (Freitas, 2014).
Trabalho do Psicólogo Com.
 O princípio central da psicologia social
comunitária prioriza que o trabalho em
equipe nas comunidades deve ocorrer
por meio do enfoque interdisciplinar e da
colaboração mútua. (Campos, 2007; Ussher,
2008)
 construção do conhecimento deve estar
fundamentada na interação do
psicólogo com os indivíduos da
comunidade.
PSC E SUPORTE SOCIAL
 Maior relevância em indivíduos com
situação de isolamento
 Pessoas com mais vulnerabilidade
 Relacionado com o suporte emocional,
seja afeto, companhia, informação,
fazendo com que o indivíduos se sinta
confortado.
PC E SUPORTE SOCIAL
 O desgaste excessivo do trabalho,
horários irregulares impostos pela rotina
de trabalho e estudos, a falta de
oportunidade no mercado de trabalho,
os baixos salários, a crise financeira entre
outras questões; o suporte social poderá
constituir-se como um fator importante
de promoção de saúde inclusive da
saúde mental.
PSC e SUPORTE SOCIAL

Intervenção social
 Um processo intencional de interferência
ou influência que objetiva provocar
mudança. A intervenção poderá ser
operacionalizada a partir de influências,
orientações ou ações concretas no
sentido de modificar sistemas sociais e
políticos, com incidência em áreas como
a saúde, a educação, o bem-estar físico
e emocional, domínios judiciais entre
outros. (Ornelas, 1997)
Competências para a prática
 Existem 18 competências relacionadas a
prática da psicologia comunitária,
elaboradas com a intenção de
comunicar a natureza e como a
psicologia comunitária contribui:
1. Perspectivas ecológicas
2. Empoderamento
3. Competência sociocultural e cross-cultural (intercâmbio de culturas)
4. Inclusão comunidade e parceria
5. Ética prática, reflexivo
6. Programa de desenvolvimento, implementação e gestão
7. Prevenção e promoção da saúde
8. Comunidade liderança e mentoring
9. Pequenos e grandes processos de grupos
10. Desenvolvimento de recursos
11. Consulta e desenvolvimento organizacional
12. Colaboração e desenvolvimento coalition (alianças)
13. Desenvolvimento da comunidade
14. Organização comunitária
15. Análise de políticas públicas
16. Comunidade educação, disseminação de informação e
sensibilização pública
17. Participação na comunidade
18. Comunidade
FONTE: Dalton & Wolfe (2012). / SCRA Society for Community Research and Accion
Exemplos de trabalho
comunitário
 HORTAS COMUNITÁRIAS EM HELENA, MONTANA- EUA -
construção de hortas comunitárias tem como objetivo
trabalhar com populações de baixa renda, dando-lhes
espaço jardinagem e ensinar-lhes habilidades de
jardinagem, para que possam assumir o controle da
qualidade dos alimentos eles e suas famílias consomem.
Atualmente, são cinco jardins e mais de 60 jardineiros.
(fonte: ctb.ku.edu)
Exemplos de trabalho
comunitário
 EMPODERAMENTO DAS MULHERES E MENINAS
ATRAVÉS DO ESPORTE – Quênia
Surwet organizou uma série de atividades esportivas
que envolvem mulheres e homens na comunidade no
Sul no Quênia com objetivo capacitar as mulheres e
construir o consenso da comunidade sobre as
principais questões de gênero, como a saúde
reprodutiva, direitos de propriedade para as mulheres,
HIV / AIDS, a violência contra a mulher e direitos das
mulheres nos processos da comunidade de tomada de
decisão. (fonte: ctb.ku.edu)
Exemplos de ações da PC
 INICIATIVA DE ENERGIA SOLAR PARA HOMELESS SHELTER
Las Cruces Verde – Novo México - instalação de painéis
solares em habitação para o cronicamente sem-teto. Seus
esforços servem como um símbolo, mostrando o apoio da
comunidade para a energia verde e ajudando a alavancar a
implementação em toda a cidade de energias renováveis.
 PREPARANDO COMUNIDADES EM SANTIAGO TEXACUANGOS
PARA DESASTRES NATURAIS
El Salvador após o furacão Ida em 2009, Colectivo CEIBA
optou por trabalhar com 3 comunidades que mais precisam
de reconstrução social, determinado por níveis de danos e
desejo expresso das comunidades a "se organizar." Uma
equipe de 6 pessoas implementaram os projetos escolhidos,
consultado com os governos locais e lançaram os projetos em
fevereiro de 2010.
(fonte: ctb.ku.edu
Exemplos de ações da PC
 SECA E BEM-ESTAR PSICOLÓGICO: DESAFIOS PARA A PSICOLOGIA
COMUNITÁRIA E PARA AS POLÍTICAS PÚBLICAS NO CAMPO DA
AGRICULTURA FAMILIAR. E. Favero. (UEOP).
O objetivo foi verificar como a perda de recursos desencadeada pelas
secas exerce influência sobre o bem-estar familiar. Constatou-se que as
secas afetam recursos de sobrevivência familiar e causam implicações
psicológicas para esta população, como insegurança quanto ao futuro,
desâmino e tristeza. (fonte: ABRASPO)
 COACHING DE CARREIRA: ANÁLISE DE UMA INTERVENÇÃO EM UM
GRUPO DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO. M. Stachiu. (UTP)
O estudo teve como abordagem epistemológica a psicologia social
comunitária, que compreende o homem em suas relações, com o
intuito de conscientizar e facilitar a relação das pessoas em um
contexto grupal. (Fonte: UTP)
Reflexão! Onde
é possível PSC
VÍDEO INSTITUCIONAL DO NUCOM (UFC)
https://www.youtube.com/watch?v=fxSp8R
mXJN0
Referências
Campos, Regina Helena Freitas et al. (Org). (1996). Psicologia social comunitária: da
solidariedade à autonomia. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996.
Carlos, Sergio Antonio. (2005). Processo grupal. In: Jacques, Maria da Graça Corrêa et al.
Psicologia social comunitária contemporânea. Petropólis: Vozes, 2005. p. 199-206.
Eloi, Jorge. 4 Pilares da Psicologia Comunitária. Disponível em:
http://www.psicologiafree.com/areas-da-psicologia/4-pilares-da-psicologia-comunitaria/.
Acesso em: 26 set. 2015
Ferreira, Maria Cristina. (2010). A psicologia social contemporânea: principais tendências e
perspectivas nacionais e internacionais. Psicologia: teoria e Pesquisa, 26, n. especial, pp.
51-64. 2010.
FREITAS, Maria de Fátima Quintal de. Intervenção psicossocial e compromisso: desafios às
políticas públicas. In: JACÓ- VILELA, AM., SATO, L., orgs. Diálogos em psicologia social
[online]. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2012. p. 370-386. -060-1.
Disponível em: <http://books.scielo.org>. Acesso em: 20 set. 2015.
Freitas, Maria de Fátima Quintal. (2013). Psicologia na comunidade, Psicologia da
comunidade e Psicologia (social) comunitária – práticas da Psicologia em comunidades
nas décadas de 1960 a 1990, no Brasil. In: Campos, Regina Helena de Freitas et al. (Org.).
Psicologia social comunitária: da solidariedade à autonomia. 18. Ed. Petrópolis: Vozes,
2013. p. 44-66.
Góis, Cezar Wagner de Lima. (2003). Psicologia comunitária. Universitas Ciências da Saúde,
01(2), 277-297, 2003.
Góis, Cezar Wagner de Lima. (2005). Psicologia comunitária: atividade e consciência.
Fortaleza: Publicações Instituto Paulo Freire de Estudos Psicossociais, 2005.

Referências
Lane, Silvia Tatiane Maurer.(2013). Histórico e fundamentos da psicologia comunitária no Brasil.
In: Campos, Regina Helena de Freitas et al. (Org.). Psicologia social comunitária: da
solidariedade à autonomia. 18. Ed. Petrópolis: Vozes, 2013. p.15-28.
Martín-Baró, I. Sistema, grupo y poder. (1989). Psicología social desde Centroamérica II. San
Salvador: UCA Ed., 1989.
ORNELAS, José. Psicologia Comunitária: Origens, fundamentos e áreas de intervenção. Análise
Psicológica, v. I, n. 3, p. 375-388, 1997.
Peruzzo, Cicilia M. Krohling Peruzzo; Volpato, Marcelo de Oliveira. (2009). Conceitos de
comunidade, local e região. Líbero – São Paulo – v. 12, n. 24, p. 139-152, dez. de 2009.
Rodrigues, Aroldo. (1983). Aplicações da psicologia social. 2.ed. Petrópolis: Vozes, 1983. p.108-
109.
The Society for Community Research and Action (SCRA) - Community Psychology,
Disponível em: http://www.scra27.org/who-we-are/. Acesso em: 29 set. 2015. STELLA, Claudia
(2014). Psicologia comunitária. Rio de Janeiro: Vozes, 2014.
Universidade Federal do Ceará. NUCOM. Vídeo institucional do NUCOM (UFC). Disponível em:
https://www.youtube.com/watch?v=fxsp8rmxjn0. Acesso em: 30 set. 2015.
Ximenes, Verônica Morais; Cidade, Elívia Camurça; Nepomuceno, Bárbara; Leite, Jáder Ferreira.
(2014). Pesquisa e interventação a partir da realiadade social: desvelar das implicações
psicossociais da pobreza. In: Stella, Claudia. Psicologia comunitária: contribuições teóricas,
encontros e experiências. Petrópolis: Vozes, 2014. p. 87-110.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

3. psicologia social
3. psicologia social3. psicologia social
3. psicologia social
Ludmylla Toledo
 
Teoria das representações sociais
Teoria das representações sociaisTeoria das representações sociais
Teoria das representações sociais
Jhonata Andrade
 
Psicologia da Saude
Psicologia da Saude Psicologia da Saude
Psicologia da Saude
Paulo Pedro P. R. Costa
 
Slides psicologia social comunitária enade 2012
Slides psicologia social comunitária enade 2012Slides psicologia social comunitária enade 2012
Slides psicologia social comunitária enade 2012
Bruna Talita
 
slides da história da psicologia
slides da história da psicologiaslides da história da psicologia
slides da história da psicologia
joaovitorinopolacimatos
 
Introdução à psicologia da saúde
Introdução à psicologia da saúdeIntrodução à psicologia da saúde
Introdução à psicologia da saúde
Maria Clara Teixeira
 
Psicologia social
Psicologia socialPsicologia social
Psicologia social
Isac Soares
 
Sistêmica
SistêmicaSistêmica
Sistêmica
Paulopereiraunirb
 
Psicologia e Políticas Públicas
Psicologia e Políticas PúblicasPsicologia e Políticas Públicas
Psicologia e Políticas Públicas
Arie Storch
 
Aula 1 - Fundamentos de Psicologia
Aula 1 -  Fundamentos de Psicologia Aula 1 -  Fundamentos de Psicologia
Aula 1 - Fundamentos de Psicologia
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
História da psicologia no Brasil.pptx
História da psicologia no Brasil.pptxHistória da psicologia no Brasil.pptx
História da psicologia no Brasil.pptx
Vilciele
 
Slide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogersSlide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogers
Jemuel Araújo da Silva
 
Cognição social (slides da aula)
Cognição social (slides da aula)Cognição social (slides da aula)
Cognição social (slides da aula)
Adalene Sales
 
Psicologia E EducaçãO
Psicologia E EducaçãOPsicologia E EducaçãO
Psicologia E EducaçãO
Silvia Marina Anaruma
 
Psicologia Social e Gênero
Psicologia Social e GêneroPsicologia Social e Gênero
Psicologia Social e Gênero
Estef74
 
Psicologia em saúde
Psicologia em saúdePsicologia em saúde
Psicologia em saúde
Vinicius Vieira
 
Introdução à Psicologia: História da Psicologia
Introdução à Psicologia: História da PsicologiaIntrodução à Psicologia: História da Psicologia
Introdução à Psicologia: História da Psicologia
Edgard Lombardi
 
Aula 1 introdução e conceitos
Aula 1 introdução e conceitosAula 1 introdução e conceitos
Aula 1 introdução e conceitos
Futuros Medicos
 
O que é a psicologia
O que é a psicologiaO que é a psicologia
O que é a psicologia
psicologiaazambuja
 
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva ComportamentalTCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
Glaucia Lima de Magalhaes
 

Mais procurados (20)

3. psicologia social
3. psicologia social3. psicologia social
3. psicologia social
 
Teoria das representações sociais
Teoria das representações sociaisTeoria das representações sociais
Teoria das representações sociais
 
Psicologia da Saude
Psicologia da Saude Psicologia da Saude
Psicologia da Saude
 
Slides psicologia social comunitária enade 2012
Slides psicologia social comunitária enade 2012Slides psicologia social comunitária enade 2012
Slides psicologia social comunitária enade 2012
 
slides da história da psicologia
slides da história da psicologiaslides da história da psicologia
slides da história da psicologia
 
Introdução à psicologia da saúde
Introdução à psicologia da saúdeIntrodução à psicologia da saúde
Introdução à psicologia da saúde
 
Psicologia social
Psicologia socialPsicologia social
Psicologia social
 
Sistêmica
SistêmicaSistêmica
Sistêmica
 
Psicologia e Políticas Públicas
Psicologia e Políticas PúblicasPsicologia e Políticas Públicas
Psicologia e Políticas Públicas
 
Aula 1 - Fundamentos de Psicologia
Aula 1 -  Fundamentos de Psicologia Aula 1 -  Fundamentos de Psicologia
Aula 1 - Fundamentos de Psicologia
 
História da psicologia no Brasil.pptx
História da psicologia no Brasil.pptxHistória da psicologia no Brasil.pptx
História da psicologia no Brasil.pptx
 
Slide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogersSlide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogers
 
Cognição social (slides da aula)
Cognição social (slides da aula)Cognição social (slides da aula)
Cognição social (slides da aula)
 
Psicologia E EducaçãO
Psicologia E EducaçãOPsicologia E EducaçãO
Psicologia E EducaçãO
 
Psicologia Social e Gênero
Psicologia Social e GêneroPsicologia Social e Gênero
Psicologia Social e Gênero
 
Psicologia em saúde
Psicologia em saúdePsicologia em saúde
Psicologia em saúde
 
Introdução à Psicologia: História da Psicologia
Introdução à Psicologia: História da PsicologiaIntrodução à Psicologia: História da Psicologia
Introdução à Psicologia: História da Psicologia
 
Aula 1 introdução e conceitos
Aula 1 introdução e conceitosAula 1 introdução e conceitos
Aula 1 introdução e conceitos
 
O que é a psicologia
O que é a psicologiaO que é a psicologia
O que é a psicologia
 
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva ComportamentalTCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
 

Semelhante a Psicologia Comunitária

264. projeto despertar
264. projeto despertar264. projeto despertar
264. projeto despertar
Welinton J Pereira Pereira
 
264. projeto despertar
264. projeto despertar264. projeto despertar
264. projeto despertar
Lúcia Bernadette Russo Luiz
 
Uma reflexão sobre a psicologia social comunitária
Uma reflexão sobre a psicologia social comunitáriaUma reflexão sobre a psicologia social comunitária
Uma reflexão sobre a psicologia social comunitária
Isabella Costa
 
Guia i cs.
Guia   i cs.Guia   i cs.
Guia i cs.
johnbank1
 
Espaço Midiático: Comportamento Social face as Representações e Estereótipos...
Espaço Midiático: Comportamento Social face as Representações  e Estereótipos...Espaço Midiático: Comportamento Social face as Representações  e Estereótipos...
Espaço Midiático: Comportamento Social face as Representações e Estereótipos...
Pâmela Guimarães
 
Aula 1 comportamento humano nas organizações - tópicos i 1 e i5
Aula 1   comportamento humano nas organizações - tópicos i 1 e i5Aula 1   comportamento humano nas organizações - tópicos i 1 e i5
Aula 1 comportamento humano nas organizações - tópicos i 1 e i5
Bárbara Camila Bomfim de Souza
 
Espaço Publicitário: Comportamento Social face às Representações e Estereótip...
Espaço Publicitário: Comportamento Social face às Representações e Estereótip...Espaço Publicitário: Comportamento Social face às Representações e Estereótip...
Espaço Publicitário: Comportamento Social face às Representações e Estereótip...
Pâmela Guimarães
 
Estereótipos femininos fomentados pelos meios de comunicação
Estereótipos femininos fomentados pelos meios de comunicaçãoEstereótipos femininos fomentados pelos meios de comunicação
Estereótipos femininos fomentados pelos meios de comunicação
Cassia Barbosa
 
sociologia.ppt
sociologia.pptsociologia.ppt
sociologia.ppt
LinaKelly3
 
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
MARIADAASSUNOSIMOESF
 
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
AleTavares2
 
Desafio Profissional 3º
Desafio Profissional 3º Desafio Profissional 3º
Desafio Profissional 3º
Rosângela Tesch
 
Teoria das Representações Sociais e Cidadania, pelo viés da Comunicação Política
Teoria das Representações Sociais e Cidadania, pelo viés da Comunicação PolíticaTeoria das Representações Sociais e Cidadania, pelo viés da Comunicação Política
Teoria das Representações Sociais e Cidadania, pelo viés da Comunicação Política
Marcos Marinho Queiroz
 
eletivas sociologia.pptx
eletivas sociologia.pptxeletivas sociologia.pptx
eletivas sociologia.pptx
LuzianeSousa8
 
A comunicação de massa e as instituições sociais
A comunicação de massa e as instituições sociaisA comunicação de massa e as instituições sociais
A comunicação de massa e as instituições sociais
Iväny Junior Barros Lucena
 
Psicologia Comunitária: A vida na feira livre
Psicologia Comunitária: A vida na feira livrePsicologia Comunitária: A vida na feira livre
Psicologia Comunitária: A vida na feira livre
Jessica Mendes
 
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
LilianeBA
 
Sociologia
SociologiaSociologia
Sociologia
Ricardo Esturilho
 
Artigo - A psicologia social
Artigo - A psicologia socialArtigo - A psicologia social
Artigo - A psicologia social
alcionirdoamarantesilva
 
Apostila de-sociologia-ensino-médio1-serie em
Apostila de-sociologia-ensino-médio1-serie emApostila de-sociologia-ensino-médio1-serie em
Apostila de-sociologia-ensino-médio1-serie em
Severina Maria Vieira
 

Semelhante a Psicologia Comunitária (20)

264. projeto despertar
264. projeto despertar264. projeto despertar
264. projeto despertar
 
264. projeto despertar
264. projeto despertar264. projeto despertar
264. projeto despertar
 
Uma reflexão sobre a psicologia social comunitária
Uma reflexão sobre a psicologia social comunitáriaUma reflexão sobre a psicologia social comunitária
Uma reflexão sobre a psicologia social comunitária
 
Guia i cs.
Guia   i cs.Guia   i cs.
Guia i cs.
 
Espaço Midiático: Comportamento Social face as Representações e Estereótipos...
Espaço Midiático: Comportamento Social face as Representações  e Estereótipos...Espaço Midiático: Comportamento Social face as Representações  e Estereótipos...
Espaço Midiático: Comportamento Social face as Representações e Estereótipos...
 
Aula 1 comportamento humano nas organizações - tópicos i 1 e i5
Aula 1   comportamento humano nas organizações - tópicos i 1 e i5Aula 1   comportamento humano nas organizações - tópicos i 1 e i5
Aula 1 comportamento humano nas organizações - tópicos i 1 e i5
 
Espaço Publicitário: Comportamento Social face às Representações e Estereótip...
Espaço Publicitário: Comportamento Social face às Representações e Estereótip...Espaço Publicitário: Comportamento Social face às Representações e Estereótip...
Espaço Publicitário: Comportamento Social face às Representações e Estereótip...
 
Estereótipos femininos fomentados pelos meios de comunicação
Estereótipos femininos fomentados pelos meios de comunicaçãoEstereótipos femininos fomentados pelos meios de comunicação
Estereótipos femininos fomentados pelos meios de comunicação
 
sociologia.ppt
sociologia.pptsociologia.ppt
sociologia.ppt
 
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
 
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
 
Desafio Profissional 3º
Desafio Profissional 3º Desafio Profissional 3º
Desafio Profissional 3º
 
Teoria das Representações Sociais e Cidadania, pelo viés da Comunicação Política
Teoria das Representações Sociais e Cidadania, pelo viés da Comunicação PolíticaTeoria das Representações Sociais e Cidadania, pelo viés da Comunicação Política
Teoria das Representações Sociais e Cidadania, pelo viés da Comunicação Política
 
eletivas sociologia.pptx
eletivas sociologia.pptxeletivas sociologia.pptx
eletivas sociologia.pptx
 
A comunicação de massa e as instituições sociais
A comunicação de massa e as instituições sociaisA comunicação de massa e as instituições sociais
A comunicação de massa e as instituições sociais
 
Psicologia Comunitária: A vida na feira livre
Psicologia Comunitária: A vida na feira livrePsicologia Comunitária: A vida na feira livre
Psicologia Comunitária: A vida na feira livre
 
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
 
Sociologia
SociologiaSociologia
Sociologia
 
Artigo - A psicologia social
Artigo - A psicologia socialArtigo - A psicologia social
Artigo - A psicologia social
 
Apostila de-sociologia-ensino-médio1-serie em
Apostila de-sociologia-ensino-médio1-serie emApostila de-sociologia-ensino-médio1-serie em
Apostila de-sociologia-ensino-médio1-serie em
 

Último

Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 

Último (20)

Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 

Psicologia Comunitária

  • 2. Histórico da Psicologia Social Comunitária A Psicologia social só irá se desenvolver como estudo científico, após a I Guerra Mundial, juntamente com outras ciências sociais, procurando compreender as crises e as convulsões que abalavam o mundo. (tensões sociais, direitos humanos em condições precárias, pobreza).
  • 3.
  • 4. Histórico da Psicologia Social Comunitária Nos EUA a partir da II Guerra Mundial que a PS através de pesquisas e experimentos que procuravam procedimentos e técnicas para intervenção nas relações sociais visando garantir condições melhores para as pessoas. Entre 1950 e os primeiros anos de 1960 o modelo americano passa para o modelo de ação comunitária em prol da saúde mental.
  • 5. Histórico da Psicologia Social Comunitária  Esse período nos EUA também é marcado por grandes manifestações das comunidades carentes e marginalizadas pela situação sócio-econômica do país, evidenciando que todo o contexto, afetava a saúde mental e outros problemas advindos da situação.
  • 6. Histórico da PSC  Internacionalmente inúmeras reivindicações contra a fome, miséria, desemprego, analfabetismo e doenças.  “Barricadas de Paris” com a participação de Simone de Beauvoir, Jean Paul Sartre, Marcuse, Habermas, que denunciam a omissão das universidades na realidade social, Crise” do Modelo das Ciências Humanas e Sociais Humanas e Sociais;  a denúncia do preconceito e racismo presentes no Apartheid na África e populações indígenas;  A fome denunciada na África;  Ditadura no países latino-americanos Argentina, Chile, Peru, Paraguai, Brasil. (Freitas, 2012)
  • 8. Histórico da Psicologia Social Comunitária  1965 /1967 – 1ª. Conferência de Psicologia Comunitária- Texas, criação da Divisão de PC – EUA.  1976 (Miami) - Congresso de Psicologia Interamericana - “crise da psicologia social” é denunciada com participação de psicólogos sociais de vários países da América Latina -criticavam a metodologias e teorias que não condiziam com a situação vivenciada em seus países. Havendo necessidade de uma psicologia voltada para realidade e problemas existentes ao contexto social.
  • 9. América Latina e Brasil: movimento de ação comunitária para psicologia social crítica. Diante da problemática dos países que viviam sob domínio de governos ditadores, de desigualdades culturais, sociais e econômicas, culminaram para que diversos profissionais, psicólogos, padres, assistentes sociais, sociólogos, professores, entre outros, se mobilizassem em prol de um movimento de Ação Comunitária na América Latina, rompendo com modelo tradicional e apresentando uma psicologia social crítica. (Rodrigues,1983; Góis, 2003). Histórico da Psicologia Social Comunitária
  • 10.
  • 11. Anos 1960-1980 - ditadura militar no Brasil e em outros países da América Latina, são desenvolvidos trabalhos claramente comprometidos com os setores populares e tendo a participação de psicólogos, propostas de ação nos projetos de investigação/extensão nas universidades. Anos 1970 - Disciplina oficial, nos currículos de psicologia, denominada de Psicologia Comunitária. (FREITAS, 1998; MONTERO, 1994, 2003; SÁNCHEZ, 2000). - . Histórico da PSC
  • 12. Nesse período aparece a Educação assumindo um papel de compromisso com a transformação social, expresso na proposta político–pedagógica de Paulo Freire através da alfabetização, e na Educação Conscientizadora e Libertadora. (FREITAS, 1998; MONTERO, 1994; BARREIRO, 1985; FREIRE, 1973, 1976). Histórico da Psicologia Social Comunitária
  • 13.  São os trabalhos de Educação Popular e da Educação de Adultos, realizados no Nordeste do Brasil, nos anos da década de 1960, estendendo-se para América Latina e África. Histórico da Psicologia Social Comunitária
  • 14. Histórico da PSC ABRAPSO  1980 - criação oficial da Associação Brasileira de Psicologia Social (ABRAPSO), fortalece a aproximação e comprometimento da psicologia e, em especial da Psicologia Social Comunitária, para com a realidade concreta das pessoas, no Brasil e no continente latino- americano. (FREITAS, 1998, 2000b, 2003)
  • 18. Nos anos 90, a PSC consolidou-se como disciplina acadêmica e como profissão, levando a um grande incremento das práticas na área e, também, a uma diversidade epistemológica, teórica e metodológica. Histórico da PSC
  • 19. O que é Psicologia Social Comunitária?
  • 20. Definição Segundo Góis (1993) a psicologia comunitária é uma área da psicologia social que estuda a atividade do psiquismo decorrente do modo de vida do lugar/comunidade; estuda o sistema de relações e representações, identidade, níveis de consciência, identificação e pertinência dos indivíduos ao lugar/comunidade e aos grupos comunitários.
  • 21. Definição A psicologia comunitária (PC) um caráter interdisciplinar, voltada principalmente para o desenvolvimento e a mudança sócio-política de uma realidade psicossocial caracterizada por relações de dominação e de exclusão social. (Martín-Baró, 1989).
  • 22. PC centrada em dois grandes modelos: 1. DESENVOLVIMENTO HUMANO 2. MUDANÇA SOCIAL (busca de alternativas sócio-políticas) reconhecimento da capacidade do indivíduo e da própria comunidade de serem responsáveis e competentes na construção de suas vidas processos de facilitação social baseados na ação local e na conscientização visão positiva da COMUNIDADE e DAS PESSOAS Fonte: Góis, (2003) )
  • 23. As ações da PSC são pautadas:  com a realidade social e histórica dos sujeitos;  desenvolver nos sujeitos uma consciência crítica e autônoma;  contribuir na formação da identidade individual e social,  despertar perspectivas para uma mudança social;  buscar melhorias nas condições de vida e bem-estar dos indivíduos e da comunidade.
  • 25. Empoderamento  Consiste em identificar, facilitar ou criar contextos em que as pessoas isoladas ou silenciadas possam ser compreendidas, ter uma voz e influência sobre as decisões que lhes dizem diretamente respeito ou que de algum modo, afetem a sua vida. (Rappaport,1992). Atribuir poder aos indivíduos, de forma a estes serem autônomos e conseguirem por si só resolverem e minimizarem os seus problemas. Através da troca e partilha de conhecimentos.
  • 26. Cidadania  Cidadania - está fortemente ligada à democracia, concebendo os indivíduos com direitos e deveres. Implica respeito e liberdade entre as pessoas, de forma a cumprir as suas obrigações e reclamar os seus direitos, promovendo a qualidade de vida sem afetar os outros.
  • 27. Luta pela pobreza  Luta pela pobreza- a pobreza é resultado de graves desigualdades sociais, tem uma forte influência sobre o desenvolvimento de competências e aptidões individuais e coletivas. Ultrapassar a pobreza torna-se essencial para o desenvolvimento saudável humano.
  • 28. Saúde mental  Saúde mental- É considerado um estado de equilíbrio entre a pessoa e a sociedade, é um conceito amplo, representado pela família, comunidade, escola e trabalho. Possuindo saúde mental, o individuo torna-se mais produtivo, tem melhor qualidade de vida e bem-estar. (ELOI, J, 2015)
  • 29. O QUE FAZ UM PSICÓLOGO COMUNITÁRIO?
  • 30.  Contribui para a construção de programas inovadores de intervenção social, baseados em metodologias colaborativas de investigação-ação, promotoras de empoderamento e facilitadoras da mudança social.  Estrutura, implementa ou avalia programas de prevenção na área da violência, por ex. (violência contra as mulheres e/ou crianças; saúde; bullying).  Apoio aos grupos e as organizações na comunidade (coletividades, organizações não-governamentais ou outras) para que funcionem de forma mais eficaz, cumprindo os objetivos a que se propõem ao nível da cultura, do bem-estar físico e do desenvolvimento integral dos grupos que pretendem beneficiar.  Pode contribuir para a consultoria na criação de grupos ou organizações de ajuda mútua, onde as pessoas podem ajudar-se a si próprias e a outras na resolução dos seus problemas de forma natural, integrada e que promove o sentimento de integração e de pertença. (http://www.sppc.pt)
  • 31. Comunidade  Território comum  Espaço de convivência  Membros ativamente participantes
  • 32. COMUNIDADE: definições  “onde todos são chamados pelo nome”(Marx).  “viver em sociedade onde a pessoa é reconhecida pelo nome, significa que além de manter sua identidade e singularidade, o indivíduo pode expressar sua opinião, seu pensamento, onde ele é alguém. (Guareschi, 2013, p. 78).
  • 33. COMUNIDADE: definições  participação da mesma cultura, vinculação a um território comum, espaço de moradia e de convivência, nível socioeconômico semelhante e laço histórico comum.” (Góis, 2005).  “é uma associação que se dá na linha do ser, isto é, por uma participação profunda dos membros com o grupo, onde são colocados os sentimentos nobres como o amor, a lealdade, a honra, a amizade, crenças e conhecimento mútuo”. (F.Tönnies apud Sawaia, 1996; Guareschi, 2013).
  • 34. Atuação do psicólogo comunitário em comunidades  Inserção e conhecimento dos indivíduos na comunidade  Despertar a conscientização dos direitos  Identificar necessidades dos membros
  • 35. Trabalho do Psicólogo Comunitário  Consiste na inserção e conhecimento dos indivíduos e da comunidade, atuar no sentido analista e facilitador, identificando as suas necessidades, onde as ações e ferramentas são construídas de forma compartilhada (profissional e comunidade) visando a busca de soluções, respeitando sua singularidade, história e o local. Despertar nos indivíduos conscientização de seus direitos que os fortaleçam em busca de melhores condições de qualidade vida (Freitas, 2014).
  • 36. Trabalho do Psicólogo Com.  O princípio central da psicologia social comunitária prioriza que o trabalho em equipe nas comunidades deve ocorrer por meio do enfoque interdisciplinar e da colaboração mútua. (Campos, 2007; Ussher, 2008)  construção do conhecimento deve estar fundamentada na interação do psicólogo com os indivíduos da comunidade.
  • 37. PSC E SUPORTE SOCIAL  Maior relevância em indivíduos com situação de isolamento  Pessoas com mais vulnerabilidade  Relacionado com o suporte emocional, seja afeto, companhia, informação, fazendo com que o indivíduos se sinta confortado.
  • 38. PC E SUPORTE SOCIAL  O desgaste excessivo do trabalho, horários irregulares impostos pela rotina de trabalho e estudos, a falta de oportunidade no mercado de trabalho, os baixos salários, a crise financeira entre outras questões; o suporte social poderá constituir-se como um fator importante de promoção de saúde inclusive da saúde mental.
  • 39. PSC e SUPORTE SOCIAL 
  • 40. Intervenção social  Um processo intencional de interferência ou influência que objetiva provocar mudança. A intervenção poderá ser operacionalizada a partir de influências, orientações ou ações concretas no sentido de modificar sistemas sociais e políticos, com incidência em áreas como a saúde, a educação, o bem-estar físico e emocional, domínios judiciais entre outros. (Ornelas, 1997)
  • 41. Competências para a prática  Existem 18 competências relacionadas a prática da psicologia comunitária, elaboradas com a intenção de comunicar a natureza e como a psicologia comunitária contribui:
  • 42. 1. Perspectivas ecológicas 2. Empoderamento 3. Competência sociocultural e cross-cultural (intercâmbio de culturas) 4. Inclusão comunidade e parceria 5. Ética prática, reflexivo 6. Programa de desenvolvimento, implementação e gestão 7. Prevenção e promoção da saúde 8. Comunidade liderança e mentoring 9. Pequenos e grandes processos de grupos 10. Desenvolvimento de recursos 11. Consulta e desenvolvimento organizacional 12. Colaboração e desenvolvimento coalition (alianças) 13. Desenvolvimento da comunidade 14. Organização comunitária 15. Análise de políticas públicas 16. Comunidade educação, disseminação de informação e sensibilização pública 17. Participação na comunidade 18. Comunidade FONTE: Dalton & Wolfe (2012). / SCRA Society for Community Research and Accion
  • 43. Exemplos de trabalho comunitário  HORTAS COMUNITÁRIAS EM HELENA, MONTANA- EUA - construção de hortas comunitárias tem como objetivo trabalhar com populações de baixa renda, dando-lhes espaço jardinagem e ensinar-lhes habilidades de jardinagem, para que possam assumir o controle da qualidade dos alimentos eles e suas famílias consomem. Atualmente, são cinco jardins e mais de 60 jardineiros. (fonte: ctb.ku.edu)
  • 44. Exemplos de trabalho comunitário  EMPODERAMENTO DAS MULHERES E MENINAS ATRAVÉS DO ESPORTE – Quênia Surwet organizou uma série de atividades esportivas que envolvem mulheres e homens na comunidade no Sul no Quênia com objetivo capacitar as mulheres e construir o consenso da comunidade sobre as principais questões de gênero, como a saúde reprodutiva, direitos de propriedade para as mulheres, HIV / AIDS, a violência contra a mulher e direitos das mulheres nos processos da comunidade de tomada de decisão. (fonte: ctb.ku.edu)
  • 45. Exemplos de ações da PC  INICIATIVA DE ENERGIA SOLAR PARA HOMELESS SHELTER Las Cruces Verde – Novo México - instalação de painéis solares em habitação para o cronicamente sem-teto. Seus esforços servem como um símbolo, mostrando o apoio da comunidade para a energia verde e ajudando a alavancar a implementação em toda a cidade de energias renováveis.  PREPARANDO COMUNIDADES EM SANTIAGO TEXACUANGOS PARA DESASTRES NATURAIS El Salvador após o furacão Ida em 2009, Colectivo CEIBA optou por trabalhar com 3 comunidades que mais precisam de reconstrução social, determinado por níveis de danos e desejo expresso das comunidades a "se organizar." Uma equipe de 6 pessoas implementaram os projetos escolhidos, consultado com os governos locais e lançaram os projetos em fevereiro de 2010. (fonte: ctb.ku.edu
  • 46. Exemplos de ações da PC  SECA E BEM-ESTAR PSICOLÓGICO: DESAFIOS PARA A PSICOLOGIA COMUNITÁRIA E PARA AS POLÍTICAS PÚBLICAS NO CAMPO DA AGRICULTURA FAMILIAR. E. Favero. (UEOP). O objetivo foi verificar como a perda de recursos desencadeada pelas secas exerce influência sobre o bem-estar familiar. Constatou-se que as secas afetam recursos de sobrevivência familiar e causam implicações psicológicas para esta população, como insegurança quanto ao futuro, desâmino e tristeza. (fonte: ABRASPO)  COACHING DE CARREIRA: ANÁLISE DE UMA INTERVENÇÃO EM UM GRUPO DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO. M. Stachiu. (UTP) O estudo teve como abordagem epistemológica a psicologia social comunitária, que compreende o homem em suas relações, com o intuito de conscientizar e facilitar a relação das pessoas em um contexto grupal. (Fonte: UTP)
  • 48. VÍDEO INSTITUCIONAL DO NUCOM (UFC) https://www.youtube.com/watch?v=fxSp8R mXJN0
  • 49. Referências Campos, Regina Helena Freitas et al. (Org). (1996). Psicologia social comunitária: da solidariedade à autonomia. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996. Carlos, Sergio Antonio. (2005). Processo grupal. In: Jacques, Maria da Graça Corrêa et al. Psicologia social comunitária contemporânea. Petropólis: Vozes, 2005. p. 199-206. Eloi, Jorge. 4 Pilares da Psicologia Comunitária. Disponível em: http://www.psicologiafree.com/areas-da-psicologia/4-pilares-da-psicologia-comunitaria/. Acesso em: 26 set. 2015 Ferreira, Maria Cristina. (2010). A psicologia social contemporânea: principais tendências e perspectivas nacionais e internacionais. Psicologia: teoria e Pesquisa, 26, n. especial, pp. 51-64. 2010. FREITAS, Maria de Fátima Quintal de. Intervenção psicossocial e compromisso: desafios às políticas públicas. In: JACÓ- VILELA, AM., SATO, L., orgs. Diálogos em psicologia social [online]. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2012. p. 370-386. -060-1. Disponível em: <http://books.scielo.org>. Acesso em: 20 set. 2015. Freitas, Maria de Fátima Quintal. (2013). Psicologia na comunidade, Psicologia da comunidade e Psicologia (social) comunitária – práticas da Psicologia em comunidades nas décadas de 1960 a 1990, no Brasil. In: Campos, Regina Helena de Freitas et al. (Org.). Psicologia social comunitária: da solidariedade à autonomia. 18. Ed. Petrópolis: Vozes, 2013. p. 44-66. Góis, Cezar Wagner de Lima. (2003). Psicologia comunitária. Universitas Ciências da Saúde, 01(2), 277-297, 2003. Góis, Cezar Wagner de Lima. (2005). Psicologia comunitária: atividade e consciência. Fortaleza: Publicações Instituto Paulo Freire de Estudos Psicossociais, 2005. 
  • 50. Referências Lane, Silvia Tatiane Maurer.(2013). Histórico e fundamentos da psicologia comunitária no Brasil. In: Campos, Regina Helena de Freitas et al. (Org.). Psicologia social comunitária: da solidariedade à autonomia. 18. Ed. Petrópolis: Vozes, 2013. p.15-28. Martín-Baró, I. Sistema, grupo y poder. (1989). Psicología social desde Centroamérica II. San Salvador: UCA Ed., 1989. ORNELAS, José. Psicologia Comunitária: Origens, fundamentos e áreas de intervenção. Análise Psicológica, v. I, n. 3, p. 375-388, 1997. Peruzzo, Cicilia M. Krohling Peruzzo; Volpato, Marcelo de Oliveira. (2009). Conceitos de comunidade, local e região. Líbero – São Paulo – v. 12, n. 24, p. 139-152, dez. de 2009. Rodrigues, Aroldo. (1983). Aplicações da psicologia social. 2.ed. Petrópolis: Vozes, 1983. p.108- 109. The Society for Community Research and Action (SCRA) - Community Psychology, Disponível em: http://www.scra27.org/who-we-are/. Acesso em: 29 set. 2015. STELLA, Claudia (2014). Psicologia comunitária. Rio de Janeiro: Vozes, 2014. Universidade Federal do Ceará. NUCOM. Vídeo institucional do NUCOM (UFC). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=fxsp8rmxjn0. Acesso em: 30 set. 2015. Ximenes, Verônica Morais; Cidade, Elívia Camurça; Nepomuceno, Bárbara; Leite, Jáder Ferreira. (2014). Pesquisa e interventação a partir da realiadade social: desvelar das implicações psicossociais da pobreza. In: Stella, Claudia. Psicologia comunitária: contribuições teóricas, encontros e experiências. Petrópolis: Vozes, 2014. p. 87-110.