SlideShare uma empresa Scribd logo
0
Unidade I:
Unidade: A Didática e seu Objeto
de Estudo
1
Unidade:
A
Didática
e
seu
Objeto
de
Estudo
Unidade: A Didática e seu Objeto de Estudo
Ao iniciarmos uma disciplina que pretende discutir diferentes aspectos
da Didática, cabe aqui uma reflexão inicial sobre o conceito que cada um de
nós tem de didática.
Ao pesquisarmos nos dicionários, encontraremos diferentes definições:
1. Arte de ensinar e de fazer aprender; Conjunto de preceitos que têm
por fim tornar o ensino prático e eficiente; Ciência auxiliar da pedagogia que
promove os métodos mais adequados para a aprendizagem 1
2. Arte de ensinar2
3. Didática é o estudo da situação instrucional, isto é, do processo de
ensino e aprendizagem, e nesse sentido ela enfatiza a relação professor-
aluno.3
4. Didática é uma reflexão sistemática sobre o processo de ensino-
aprendizagem que acontece na escola e na aula, buscando alternativas para
os problemas da prática pedagógica.4
Podemos perceber que nas definições acima aparecem os termos
educação, ensinar, aprendizagem, processo, prática pedagógica. A Didática
está, portanto, intimamente ligada à Pedagogia, enquanto reflexão para uma
educação melhor e um processo ensino-aprendizagem mais significativo tanto
para professores quanto para alunos.
Normalmente os professores preocupam-se em ensinar a seus alunos
os conteúdos necessários à formação acadêmica. Mas é preciso uma
preocupação que vai além do ensino: refere-se à educação como processo de
formação do ser humano. Nesse sentido, educar é muito mais que ensinar. É
preciso, portanto estudo e reflexão sobre as teorias educacionais e que se
destine à Didática, enquanto disciplina específica da formação pedagógica, a
função de aprofundar as teorias e a prática do ensino.
1
http://www.priberam.pt/dlpo/definir_resultados.aspx Acesso em jan.2009
2
http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portugues-
portugues&palavra=didática Acesso em Jan.2008
3
HAIDT, Regina Célia Cazaux. Curso de Didática Geral. 7. ed. São Paulo, Editora Ática. 2002.
Série Educação. p.13
4
MASETTO, Marcos Tarciso. Didática: a aula como centro. 4. ed. São Paulo:FTD, 1997.
Coleção Aprender e ensinar. P.13
2
Unidade:
A
Didática
e
seu
Objeto
de
Estudo
Trajetória Histórica da Didática
O trabalho realizado hoje em nossas escolas reflete uma evolução e
construção que vem de longa data, baseadas nas pesquisas e estudos de
educadores diversos, e que foram se modificando e aprimorando (ou não), num
processo que chamamos de reflexão-ação-reflexão.
A reflexão nos mostra que a educação é um processo
que evolui numa construção constante ao longo da
vida das pessoas. Num sentido mais amplo é o
processo de desenvolvimento da personalidade,
incluindo as qualidades físicas, morais e intelectuais
visando às relações humanas dentro de um contexto
sócio-histórico-cultural. Esta educação se dá a partir
do nascimento e se perpetua por toda a vida.
Podemos chamá-la de educação não-formal.
A prática educativa é um fenômeno social e universal. Necessária à
existência e funcionamento de todas as sociedades. Não há sociedade sem
prática educativa, nem prática educativa sem sociedade.
A educação compreende os processos formativos que ocorrem no meio
social. A prática educativa existe numa grande variedade de instituições e
atividades sociais decorrentes da organização econômica, política, da religião e
dos costumes.
A partir do momento em que a criança passa a freqüentar uma escola,
há a busca por mais conhecimento e desenvolvimento, diferentes daqueles
proporcionados pela família. É a busca pelo saber sistematizado e pela
necessidade natural do homem em absorver a cultura de seu povo, os
avanços, as tecnologias e descobertas, que serão transmitidos pela escola.
http://www.talk2.com.br/wpcontent
/uploads/2009/01/educacao1.jpg
3
Unidade:
A
Didática
e
seu
Objeto
de
Estudo
É a educação formal, que na escola se apresenta como um sistema de
instrução e ensino com propósitos
intencionais, práticas sistematizadas e alto
grau de organização, ligado intimamente as
demais práticas sociais. Para que se realize
o processo educativo, é preciso dar-lhe uma
orientação sobre as finalidades e os
meios da sua realização, conforme opções
que se façam quanto ao tipo de homem que
se deseja formar e do tipo de sociedade que
se aspira.
Este processo voltado para a educação, onde quer que ocorra, é sempre
contextualizado social e politicamente. A prática educativa e especialmente os
objetivos e conteúdos de ensino e trabalho docente estão determinados por
fins e exigências sociais, políticas e ideológicas. O reconhecimento do papel
político do trabalho docente implica a luta pela modificação dessas relações de
poder.
A escola deve, portanto, na figura do professor, assegurar aos alunos
um sólido domínio de conhecimentos e habilidades, o desenvolvimento de suas
capacidades intelectuais, de pensamento independente, criativo e critico,
contribuindo para a formação de cidadãos ativos, criativos e críticos, capazes
de participar nas lutas pelas transformações sociais.
Será que sempre foi assim? A Didática sempre foi instrumento de
reflexão e construção da aprendizagem? A forma como se concebe a Didática
hoje está ligada à sua história e suas raízes. Existem também alguns pontos
em seu desenvolvimento histórico que mostram a preocupação de teóricos e
pesquisadores quanto a real contribuição da Didática para a educação.
Para que você conheça um pouco mais sobre a história da didática,
sugerimos a leitura do artigo de Amélia Domingues de Castro – A Trajetória
Histórica da Didática, especialmente das páginas 15 a 22, acessando o site
http://www.crmariocovas.sp.gov.br/amb_a.php?t=020.
4
Unidade:
A
Didática
e
seu
Objeto
de
Estudo
http://losinvisivel.files.wordpress.com
/2009/02/o_que_e_-educacao_02.jpg
O Ensino e a Aprendizagem como objetos de estudo da Didática
Se a Didática é uma ciência cuja preocupação volta-se para a educação,
o ensino e a aprendizagem, podemos perceber
que há intencionalidade nas ações didáticas,
diferentemente das aprendizagens que ocorrem
informalmente com as pessoas ao longo de suas
vidas. Há um planejamento, um objetivo e uma
ação específica que leva ao alcance deste
objetivo.
Para Castro (2001: p.15) “a primeira peculiaridade do processo de
ensinar, pois, seria sua intencionalidade, ou seja, ajudar alguém a aprender”
Desde já é importante que se ressalte que falar em Didática não significa
falar somente em práticas e procedimentos. Para que possa desempenhar seu
papel de orientar ações é preciso que estas ações sejam precedidas de uma
reflexão teórica e de pesquisas, que embasarão estas práticas.
Vamos então estabelecer alguns conceitos importantes para que
possamos dar continuidade às nossas reflexões.
Conceituando educação
A educação é um processo de formação humana. Em cada sociedade
ou país, a educação existe de maneira diferente, de acordo com os costumes,
valores ou crenças existentes. Dessa forma, a
palavra educação pode ser entendida com dois
sentidos diferentes:
Social: É a ação que as gerações adultas
exercem sobre as gerações mais jovens,
orientando sua conduta por meio da transmissão
de um conjunto de conhecimentos, normas,
crenças, usos e costumes aceitos pelo grupo
http://www.piupiuescolainfantil.co
m.br/imagens/didatica.jpg
5
Unidade:
A
Didática
e
seu
Objeto
de
Estudo
http://www.medicinageriatrica.com.br/w
p-content/uploads/2008/10/professor.jpg
social. Vista sob este ponto de vista a educação é uma manifestação cultural e
depende do contexto histórico e social no qual está inserida. Portanto, seus
fins variarão de acordo com a época ou sociedade analisada.
Individual: Nesse sentido a educação está ligada ao
desenvolvimento das aptidões e potencialidades de
cada indivíduo, tendo em vista o aprimoramento de
sua personalidade.
De qualquer modo, ambos os sentidos ligam educação
ao aspecto de formação do indivíduo.
Refletindo sobre o ensino
No sentido etimológico, ensinar deriva do latim, signare, que significa
“colocar dentro, gravar no espírito”. Existem muitas concepções de ensino,
dependendo da formação do educador, de seu comprometimento e ideologia.
De um modo geral, temos três eixos que orientam o ensino:
Tradicional: Neste eixo ensinar é
transmitir conhecimentos. Por meio de aulas
expositivas e explicativas os conhecimentos
vão sendo apresentados pelo professor e o
aluno deve reproduzir o que lhe foi passado.
Tecnicista: Esta concepção apóia-se nos
princípios da racionalidade, eficiência e produtividade. A instrução é
programada, o estudo é dirigido para ensinar o aluno a fazer algo.
http://2.bp.blogspot.com/_SYTm
F9WWPB4/Su4nKVfwL9I/AAAAA
AAAAdc/JJppa9edDmw/s320/livr
o+e+menino
http://www.passionista.com.br/nossasenhorame
nina/img/MediaFiles/Image/04%20Ensino%20Me
dio.jpg
6
Unidade:
A
Didática
e
seu
Objeto
de
Estudo
Escola Nova: A partir desta
concepção, espera-se que o
ensino crie condições de
aprendizagem. O importante não
é somente aprender, mas
aprender a aprender. Valoriza-se
a relação professor-aluno e a
ação educativa estimula um
professor orientador da aprendizagem.
A escola
A escola é a instituição ou local formal onde ocorre a educação, de
forma sistemática e intencional, criada com o objetivo de educar e ensinar. As
escolas surgiram em virtude da complexidade da organização das sociedades.
A escola deve suprir a necessidade educacional nos diferentes
momentos da vida humana. Os alunos devem ser educados para a
subsistência (superar adversidades); para a libertação (agir e intervir no
contexto em que vive); para a comunicação (conscientização).
Além disso, a escola deve promover uma educação para a
transformação, que permite promover mudanças pessoais e no panorama
nacional, seja no âmbito geral, político, econômico ou educacional.
O processo de aprendizagem
A aprendizagem apresenta-se como um processo complexo. Este
processo não se refere somente à aquisição de conteúdos ou informações
necessárias durante o período escolar. È muito mais que isso.
http://destaquein.sacrahome.net/files/images//educacao.jpg
7
Unidade:
A
Didática
e
seu
Objeto
de
Estudo
É um processo de aquisição, assimilação, aprimoramento e
internalização, mais ou menos consciente, de novos padrões e novas formas
de perceber, de ser, pensar e agir.
Como processo, a aprendizagem
envolve dimensões do ser humano que são
mais ou menos estimuladas, conforme o tipo
de aprendizagem que estiver sendo
desenvolvido. Podemos citar os seguintes tipos
de aprendizagem:
Motora ou Motriz: é a aprendizagem que diz respeito ao
desenvolvimento de habilidades motoras, como por exemplo, andar de
bicicleta, escrever, pular corda, desenhar, etc.
Cognitiva: Esta aprendizagem diz respeito à aquisição e assimilação de
novas informações, conceitos ou conhecimentos. Por exemplo: o alfabeto, a
numeração, a estrutura da água, o planeta solar, etc.
Afetiva ou emocional: Importantíssima na sala de aula refere-se
aprender a sentimentos e emoções.
Embora os exemplos acima, não há como fragmentar em sala de aula,
diferentes tipos de aprendizagem. Visto que o aluno é um ser integral,
constituído de diferentes dimensões: cognitiva, afetivo-emocional, atitudes e
valores, competências e habilidades; o processo de aprendizagem se
desenvolve conforme as necessidades e tendências destes alunos.
É importante ressaltar que para que haja aprendizagem é preciso que se
queira aprender. Por este motivo, a motivação apresenta-se como importante
elemento neste processo, sendo que o professor deve procurar motivar seus
http://1.bp.blogspot.com/_QUc7RgaUQxQ/SnACP1TPPaI/AAA
AAAAAAT4/uGcRD38NDo8/S760/estilos%2520de%2520aprend
izagem1.jpg
8
Unidade:
A
Didática
e
seu
Objeto
de
Estudo
alunos, criando situações favoráveis para que a aprendizagem ocorra.
Por meio do diálogo o professor pode conhecer os interesses dos alunos
a fim de orientá-los no ensino, buscando uma forte motivação que faça do
processo de aprendizagem uma atividade interessante.
Mas somente motivar não é suficiente. É preciso que o aluno esteja
pronto para determinados assuntos e desenvolva condições de aprendizagem.
Trata-se da maturação, que consiste em mudanças nas estruturas físicas e
mentais dos alunos, que influenciam o desenvolvimento fisiológico e anatômico
do sistema nervoso. Isso determina se o aluno está maduro para determinada
tarefa, ou seja, se está apto a realizá-la. Só se aprende quando se estiver
maduro para esta aprendizagem.
Diante das reflexões acima, você pode perceber que há uma estreita
relação ente o ensino e a aprendizagem. Não há ensino sem aprendizagem e
vice-versa. Isto porque o ensino existe para motivar a aprendizagem, orientá-la,
dirigi-la, para que ela atinja um grau elevado de eficiência e eficácia.
Para estabelecer uma concepção de Didática é preciso que se assumam
certas concepções de sociedade, de escola, de mundo e de ser humano. São
estas concepções que nos permitirão estabelecer uma linha de ação junto aos
nossos alunos para que o processo ensino-aprendizagem ocorra
satisfatoriamente para ambos os lados.
Por este motivo nos chama a atenção o papel da didática como reflexão
sistemática da prática educativa.
A Didática é uma reflexão sistemática que acontece na
escola e na aula. É o estudo do processo de ensino-
aprendizagem em sala de aula e de seus resultados.
(MASETTO: 1997, p.13)
Se observarmos e analisarmos os problemas que enfrentamos na
prática pedagógica, valendo-nos das teorias elaboradas para esse fim,
poderemos resolver as questões diárias da escola e da sala de aula com ajuda
9
Unidade:
A
Didática
e
seu
Objeto
de
Estudo
de teorias e pesquisas aprofundadas sobre o assunto. Na verdade a teoria só é
válida a partir do momento em que ela contribui para a resolução e
aprimoramento da prática pedagógica.
Assim, as relações professor-aluno, aluno-aluno e o próprio processo
ensino-aprendizagem são objeto de interesse da didática.
O processo educativo é principalmente, uma relação entre seres
humanos, que está permeada pelo conjunto de valores, práticas sociais,
costumes e tradições que fazem parte da formação cultural pré-escolar de cada
sujeito envolvido neste processo. Além disso, embora com maior ou menor
intensidade, percebemos influências de tendências político-ideológicas que
estão direta ou indiretamente relacionadas à política partidária.
Em outras palavras, professores e alunos não deixam de ser quem são
ao entrarem na sala de aula e, justamente, em função disso é que aparecerão
as diferenças que, se bem aproveitadas, podem resultar em mais produtividade
no processo educativo ou, então, em obstáculo.
Se o processo de aprendizagem ocorre numa
relação interpessoal entre todos os envolvidos
e sofrem influências de diferentes tendências,
é preciso, segundo Masetto (1995) assumir o
desenvolvimento pessoal como um todo,
destacando-se três dimensões do processo de
aprendizagem: humana, político-social e
técnica.
Dimensão Humana: Por meio das relações interpessoais que ocorrem
no processo de aprendizagem, entre alunos, professores e direção, há a
criação de um clima afetivo importante e muitas vezes responsável tanto pelo
sucesso quanto pelo fracasso da aprendizagem. A falta de empatia entre os
sujeitos do processo, assim como a forte identificação entre eles, interessa
muito à Didática, uma vez que influenciará diretamente em seu objeto de
http://thumbs.dreamstime.com/thumb_
338/1228160284f5TL74.jpg
10
Unidade:
A
Didática
e
seu
Objeto
de
Estudo
estudo: o ensino e a aprendizagem. Infelizmente o que se percebe é certo
descaso em relação à dimensão humana deste processo, como se as relações
pessoais ocorressem num mundo à parte da aprendizagem e por este motivo
podem ser descartadas desta construção.
Dimensão Político-Social: Vivemos em determinado tempo, com uma
cultura e valores específicos de nossa sociedade. Além disso, temos nossas
opiniões e posições políticas e sociais que transmitimos em nossos trabalhos e
conseqüentemente nas relações com a escola. Assim também nossos alunos.
Deste modo, o processo ensino-aprendizagem ocorre dentro de um contexto
político-social que influencia o trabalho realizado nas escolas. Por outro lado, a
escola realiza seu trabalho esperando que os alunos sejam educados para
desempenhar papéis na sociedade, para atuarem no progresso e
desenvolvimento. Estes elementos influenciam a aprendizagem do aluno,
motivo pelo qual a didática deve assumir um caráter político-social no
desenvolvimento da prática educativa.
Dimensão Técnica: O processo ensino-aprendizagem ocorre na escola e
na aula. Ele é intencional e deve ser orientado por objetivos que levem os
alunos a aprender. Destaca-se então a dimensão técnica, no desenvolvimento
de objetivos, seleção de conteúdos, técnicas e recursos de ensino, processos
de avaliação, planejamentos, enfim todo o respaldo técnico necessário para
que a aprendizagem efetivamente ocorra, constituindo-se no núcleo da
dimensão técnica do processo de aprendizagem.
Diante das colocações feitas, vocês já puderam perceber que a Didática
é importante no processo de aprendizagem dos alunos, na medida em que
estabelece uma ligação entre o que ensinar e como ensinar, mediando as
bases teórico-científicas da educação e a prática docente.
A Didática não separa ensino de aprendizagem, uma vez que um não
pode ocorrer sem a presença do outro. Na verdade a partir da concepção que
o professor tem de ensino e de aprendizagem, o resultado poderá ser diferente.
O professor deve estar preparado para focar seu trabalho na
11
Unidade:
A
Didática
e
seu
Objeto
de
Estudo
aprendizagem e não somente no ensino, pois deste modo o aluno poderá
tornar-se o sujeito do processo, desenvolvendo ações que promovam sua
aprendizagem. Neste caso o professor passa de transmissor para mediador ou
orientador pedagógico, proporcionando uma aprendizagem mais significativa.
Compreender e aceitar a aprendizagem como um processo, leva o
professor a apontar diferenças fundamentais sobre sua docência, entendendo
a diferenciação existente entre o processo de ensino e processo de
aprendizagem. Ensino é diferente de aprendizagem.
Processo de Ensino X Processo de Aprendizagem
No processo de ensino as ações estão centradas na figura do professor.
É o professor que transmite informações, avalia, dá direções e estabelece
critérios. O aluno figura como objeto deste processo, recebendo, absorvendo e
reproduzindo as informações fornecidas pelo professor. Ele promove todas as
ações para que o processo se complete e cabe ao aluno receber, absorver (ou
não) e reproduzir. A não reprodução significaria que não houve aprendizagem.
No processo de aprendizagem o aluno torna-se sujeito do processo.
Busca informações, tira dúvidas, elabora textos, participa e questiona, sempre
ao lado de um professor que agora assume a postura de mediador, facilitador e
incentivador da aprendizagem. No processo de aprendizagem, o aluno é o
sujeito do processo e o professor auxilia. O sujeito é, na verdade, o aprendiz,
que pode ser tanto o aluno quanto o professor.
Por isto, ensino é diferente de aprendizagem, porque as perspectivas e
as ações são diferentes nos dois processos.
12
Unidade:
A
Didática
e
seu
Objeto
de
Estudo
http://1.bp.blogspot.com/_LlRQNWi9p1Y/SxLNmqI6
7FI/AAAAAAAAAJk/2ZX57b1dMIU/s1600/m%C3%A3
o+da+leitura.jpg
Entendemos, portanto, que Didática
[...] investiga os fundamentos, condições e modos de
realização da instrução e do ensino. A ela cabe converter
objetivos sociopolíticos e pedagógicos em objetivos de ensino,
selecionar conteúdos e métodos em função desses objetivos,
estabelecer os vínculos entre ensino e aprendizagem, tendo
em vista o desenvolvimento das capacidades mentais dos
alunos. (LIBÂNEO, José Carlos, 1993, p.25-6)
A Didática deverá, portanto, servir de instrumento para o trabalho
docente, selecionando assuntos interessantes, variando as técnicas em sala de
aula, facilitando a participação, aprendizagem e integração dos grupos. Deverá
também propiciar a relação entre os conteúdos e a realidade dos alunos,
desmistificando o processo de avaliação.
É preciso que se pense no ensino
focando na aprendizagem e
estabelecendo perguntas básicas sobre o
ato de ensinar.
Este é o caminho inicial para o
desenvolvimento de uma Didática que
privilegie o aluno e sua aprendizagem, e
utilizando-a como verdadeiro instrumento
de nosso trabalho e prática pedagógica.
Encerro com um trecho de Comênio, em sua Didáctica Magna, que se
mostra atual no desenvolvimento de nosso trabalho docente frente à
aprendizagem dos alunos:
A proa e a popa de nossa Didática será investigar e descobrir o método
segundo o qual os professores ensinem menos e os estudantes aprendam
mais; nas escolas haja menos barulho, menos enfado, menos trabalho inútil e,
ao contrário, haja mais recolhimento, mais atrativo e mais sólido progresso.
(COMÊNIO,1996, in MASETTO,1997,p.17)
16
Unidade:
A
Didática
e
Seu
Objeto
de
Estudo
Referências
CASTRO, Amélia Domingues. A Trajetória Histórica da Didática.
Disponível em http://www.crmariocovas.sp.gov.br/amb_a.php?t=020. Acesso
em jan.2009
CASTRO, Amélia Domingues; CARVALHO, Anna Maria Pessoa, orgs.
Ensinar a Ensinar: didática para a escola fundamental e média. São Paulo:
Pioneira Thomson Learning, 2001.
HAIDT, Regina Célia Cazaux. Curso de Didática Geral. 7.ed. São
Paulo, Editora Ática. 2002. Série Educação.
LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo: Cortez,1993. Coleção
magistério – 2º grau. Série formação do professor
MASETTO, Marcos Tarciso. Didática a aula como centro. 4. ed. São
Paulo:FTD,1997.
Verbete: didática. Dicionário Priberam. Disponível em
<http://www.priberam.pt/dlpo/definir_resultados.aspx> Acesso em jan.2009
Verbete: didática. Dicionário Michaellis. Disponível em
http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portugues-
portugues&palavra=didática Acesso em Jan.2009
17
Responsável pelo Conteúdo:
Profª. Ms. Julia de Cassia Pereira do Nascimento
www.cruzeirodosul.edu.br
Campus Liberdade
Rua Galvão Bueno, 868
01506-000
São Paulo SP Brasil
Tel: (55 11) 3385-3000

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

6 relacionamento professor aluno
6 relacionamento professor aluno6 relacionamento professor aluno
6 relacionamento professor aluno
Orientar Consultoria Ltda
 
Estudos sobre avaliação da aprendizagem
Estudos sobre avaliação da aprendizagemEstudos sobre avaliação da aprendizagem
Estudos sobre avaliação da aprendizagem
Ana Rita S de Souza
 
PPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADE
PPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADEPPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADE
PPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADE
QUEDMA SILVA
 
Formação continuada de professores
Formação continuada de professoresFormação continuada de professores
Formação continuada de professores
ditadoida
 
Legislação Educacional Brasileira
Legislação Educacional BrasileiraLegislação Educacional Brasileira
Legislação Educacional Brasileira
Messias Mota Vieira
 
BNCC na prática
BNCC na práticaBNCC na prática
BNCC na prática
Grasiela Dourado
 
Estagio supervisionado
Estagio supervisionado Estagio supervisionado
Estagio supervisionado
Faculdade Metropolitanas Unidas - FMU
 
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRiaPsicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
Silvia Marina Anaruma
 
Didática Ensino Superior
Didática Ensino SuperiorDidática Ensino Superior
Didática Ensino Superior
Hamilton Nobrega
 
O papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professorO papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professor
na educação
 
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicasSlides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Marily Oliveira
 
Avaliações Hoffmann
Avaliações    HoffmannAvaliações    Hoffmann
Avaliações Hoffmann
Claudia Ramos
 
Abordagem Humanista na Educação
Abordagem Humanista na EducaçãoAbordagem Humanista na Educação
Abordagem Humanista na Educação
Carol Messias
 
Didática geral
Didática geralDidática geral
Didática geral
Cristiane Farias
 
5.projeto político pedagógico da escola
5.projeto político pedagógico da escola5.projeto político pedagógico da escola
5.projeto político pedagógico da escola
Ulisses Vakirtzis
 
Política e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação BrasileiraPolítica e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação Brasileira
Edneide Lima
 
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docenteAula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
Kelly da Silva
 
Ensino Especial
Ensino EspecialEnsino Especial
Ensino Especial
Margarete Macedo
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
Arivaldom
 
A atuação do pedagogo em espaços não escolares
A atuação do pedagogo em espaços não escolaresA atuação do pedagogo em espaços não escolares
A atuação do pedagogo em espaços não escolares
Elizangela Quintela Miranda Costa
 

Mais procurados (20)

6 relacionamento professor aluno
6 relacionamento professor aluno6 relacionamento professor aluno
6 relacionamento professor aluno
 
Estudos sobre avaliação da aprendizagem
Estudos sobre avaliação da aprendizagemEstudos sobre avaliação da aprendizagem
Estudos sobre avaliação da aprendizagem
 
PPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADE
PPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADEPPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADE
PPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADE
 
Formação continuada de professores
Formação continuada de professoresFormação continuada de professores
Formação continuada de professores
 
Legislação Educacional Brasileira
Legislação Educacional BrasileiraLegislação Educacional Brasileira
Legislação Educacional Brasileira
 
BNCC na prática
BNCC na práticaBNCC na prática
BNCC na prática
 
Estagio supervisionado
Estagio supervisionado Estagio supervisionado
Estagio supervisionado
 
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRiaPsicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
 
Didática Ensino Superior
Didática Ensino SuperiorDidática Ensino Superior
Didática Ensino Superior
 
O papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professorO papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professor
 
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicasSlides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
 
Avaliações Hoffmann
Avaliações    HoffmannAvaliações    Hoffmann
Avaliações Hoffmann
 
Abordagem Humanista na Educação
Abordagem Humanista na EducaçãoAbordagem Humanista na Educação
Abordagem Humanista na Educação
 
Didática geral
Didática geralDidática geral
Didática geral
 
5.projeto político pedagógico da escola
5.projeto político pedagógico da escola5.projeto político pedagógico da escola
5.projeto político pedagógico da escola
 
Política e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação BrasileiraPolítica e Organização da Educação Brasileira
Política e Organização da Educação Brasileira
 
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docenteAula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
Aula didática, tendências pedagógicas e a práxis docente
 
Ensino Especial
Ensino EspecialEnsino Especial
Ensino Especial
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
A atuação do pedagogo em espaços não escolares
A atuação do pedagogo em espaços não escolaresA atuação do pedagogo em espaços não escolares
A atuação do pedagogo em espaços não escolares
 

Semelhante a DIDATICA _ objeto estudo _texto.pdf

Guia da disciplina Didática
Guia da disciplina DidáticaGuia da disciplina Didática
Guia da disciplina Didática
Rosiane Freitas
 
Didática
DidáticaDidática
Didática
gadea
 
Conhecendo a didática
Conhecendo a didáticaConhecendo a didática
CONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NET
CONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NETCONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NET
CONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NET
Cristina Ferreira
 
conhecendoadidtica_um estudo inicial.ppt
conhecendoadidtica_um estudo inicial.pptconhecendoadidtica_um estudo inicial.ppt
conhecendoadidtica_um estudo inicial.ppt
ThaisJussara
 
Curso de didática
Curso de didáticaCurso de didática
Curso de didática
Sebastião Gessy Fonseca
 
didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3
jairdeoliveirajunior
 
Didaticgeoaula2
Didaticgeoaula2Didaticgeoaula2
Didaticgeoaula2
Ana Beatriz
 
12 ensino e aprendizagem
12 ensino e aprendizagem12 ensino e aprendizagem
12 ensino e aprendizagem
Hernando Professor
 
Profissão especialista da educacao 2
Profissão especialista da educacao 2Profissão especialista da educacao 2
Profissão especialista da educacao 2
Francismar Lopes
 
Apresentação currículo para o curso PAA e PA
Apresentação currículo para o curso PAA e PAApresentação currículo para o curso PAA e PA
Apresentação currículo para o curso PAA e PA
Cesar Eduardo
 
A didatica eo processo educativo.artigo
A didatica eo processo educativo.artigoA didatica eo processo educativo.artigo
A didatica eo processo educativo.artigo
Mayanne Leitte
 
Conhecendoadidtica 09-120506132149-phpapp01
Conhecendoadidtica 09-120506132149-phpapp01Conhecendoadidtica 09-120506132149-phpapp01
Conhecendoadidtica 09-120506132149-phpapp01
Graça Barros
 
Estrutura e tendências politicas
Estrutura e tendências politicasEstrutura e tendências politicas
Estrutura e tendências politicas
Alexsandro Prates
 
Gestão em educação fisíca
Gestão em educação fisícaGestão em educação fisíca
Gestão em educação fisíca
Abreu Guerra Daniel Guerra
 
Esboço plano cp2
Esboço plano cp2Esboço plano cp2
Esboço plano cp2
Ana Pedag
 
Pedagogia progressista libertadora
Pedagogia progressista libertadoraPedagogia progressista libertadora
Pedagogia progressista libertadora
Thales Rocha
 
Trabalho pedagogia
Trabalho pedagogiaTrabalho pedagogia
Trabalho pedagogia
Ruthinha Ferreira
 
Luckesi tendencias pedagogicas
Luckesi  tendencias pedagogicasLuckesi  tendencias pedagogicas
Luckesi tendencias pedagogicas
Valeria Lima
 
A didatica para o ensino superior
A didatica para o ensino superiorA didatica para o ensino superior
A didatica para o ensino superior
tati mariano
 

Semelhante a DIDATICA _ objeto estudo _texto.pdf (20)

Guia da disciplina Didática
Guia da disciplina DidáticaGuia da disciplina Didática
Guia da disciplina Didática
 
Didática
DidáticaDidática
Didática
 
Conhecendo a didática
Conhecendo a didáticaConhecendo a didática
Conhecendo a didática
 
CONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NET
CONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NETCONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NET
CONHECENDO A DIDATICA. ENCONTREI NA NET
 
conhecendoadidtica_um estudo inicial.ppt
conhecendoadidtica_um estudo inicial.pptconhecendoadidtica_um estudo inicial.ppt
conhecendoadidtica_um estudo inicial.ppt
 
Curso de didática
Curso de didáticaCurso de didática
Curso de didática
 
didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3
 
Didaticgeoaula2
Didaticgeoaula2Didaticgeoaula2
Didaticgeoaula2
 
12 ensino e aprendizagem
12 ensino e aprendizagem12 ensino e aprendizagem
12 ensino e aprendizagem
 
Profissão especialista da educacao 2
Profissão especialista da educacao 2Profissão especialista da educacao 2
Profissão especialista da educacao 2
 
Apresentação currículo para o curso PAA e PA
Apresentação currículo para o curso PAA e PAApresentação currículo para o curso PAA e PA
Apresentação currículo para o curso PAA e PA
 
A didatica eo processo educativo.artigo
A didatica eo processo educativo.artigoA didatica eo processo educativo.artigo
A didatica eo processo educativo.artigo
 
Conhecendoadidtica 09-120506132149-phpapp01
Conhecendoadidtica 09-120506132149-phpapp01Conhecendoadidtica 09-120506132149-phpapp01
Conhecendoadidtica 09-120506132149-phpapp01
 
Estrutura e tendências politicas
Estrutura e tendências politicasEstrutura e tendências politicas
Estrutura e tendências politicas
 
Gestão em educação fisíca
Gestão em educação fisícaGestão em educação fisíca
Gestão em educação fisíca
 
Esboço plano cp2
Esboço plano cp2Esboço plano cp2
Esboço plano cp2
 
Pedagogia progressista libertadora
Pedagogia progressista libertadoraPedagogia progressista libertadora
Pedagogia progressista libertadora
 
Trabalho pedagogia
Trabalho pedagogiaTrabalho pedagogia
Trabalho pedagogia
 
Luckesi tendencias pedagogicas
Luckesi  tendencias pedagogicasLuckesi  tendencias pedagogicas
Luckesi tendencias pedagogicas
 
A didatica para o ensino superior
A didatica para o ensino superiorA didatica para o ensino superior
A didatica para o ensino superior
 

Mais de Denise De Ramos

Adeus_professor_Adeus_professora_J.C._Li.pdf
Adeus_professor_Adeus_professora_J.C._Li.pdfAdeus_professor_Adeus_professora_J.C._Li.pdf
Adeus_professor_Adeus_professora_J.C._Li.pdf
Denise De Ramos
 
Libaneo J C Didatica Velhos e novos temas_ livro.pdf
Libaneo J C Didatica Velhos e novos temas_ livro.pdfLibaneo J C Didatica Velhos e novos temas_ livro.pdf
Libaneo J C Didatica Velhos e novos temas_ livro.pdf
Denise De Ramos
 
texto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdf
texto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdftexto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdf
texto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdf
Denise De Ramos
 
texto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdf
texto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdftexto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdf
texto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdf
Denise De Ramos
 
download bernadet gatti.pdf
download bernadet gatti.pdfdownload bernadet gatti.pdf
download bernadet gatti.pdf
Denise De Ramos
 
fromaçã docente _ Bernadete Gatti.pdf
fromaçã docente _ Bernadete Gatti.pdffromaçã docente _ Bernadete Gatti.pdf
fromaçã docente _ Bernadete Gatti.pdf
Denise De Ramos
 
pimentasaberes-pedagc3b3gicos-e-atividade-docente-identidaed-e-saberes.pdf
pimentasaberes-pedagc3b3gicos-e-atividade-docente-identidaed-e-saberes.pdfpimentasaberes-pedagc3b3gicos-e-atividade-docente-identidaed-e-saberes.pdf
pimentasaberes-pedagc3b3gicos-e-atividade-docente-identidaed-e-saberes.pdf
Denise De Ramos
 
formaçã docente _ Bernadete Gatti.pdf
formaçã docente _ Bernadete Gatti.pdfformaçã docente _ Bernadete Gatti.pdf
formaçã docente _ Bernadete Gatti.pdf
Denise De Ramos
 
atividade-docente-identidaed-e-saberes.pdf
atividade-docente-identidaed-e-saberes.pdfatividade-docente-identidaed-e-saberes.pdf
atividade-docente-identidaed-e-saberes.pdf
Denise De Ramos
 
download bernadet gatti.pdf
download bernadet gatti.pdfdownload bernadet gatti.pdf
download bernadet gatti.pdf
Denise De Ramos
 
Artigo pedagogia historico critica
Artigo   pedagogia historico criticaArtigo   pedagogia historico critica
Artigo pedagogia historico critica
Denise De Ramos
 

Mais de Denise De Ramos (11)

Adeus_professor_Adeus_professora_J.C._Li.pdf
Adeus_professor_Adeus_professora_J.C._Li.pdfAdeus_professor_Adeus_professora_J.C._Li.pdf
Adeus_professor_Adeus_professora_J.C._Li.pdf
 
Libaneo J C Didatica Velhos e novos temas_ livro.pdf
Libaneo J C Didatica Velhos e novos temas_ livro.pdfLibaneo J C Didatica Velhos e novos temas_ livro.pdf
Libaneo J C Didatica Velhos e novos temas_ livro.pdf
 
texto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdf
texto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdftexto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdf
texto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdf
 
texto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdf
texto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdftexto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdf
texto 1-Alves, Rubens -Conversas_com_quem_gosta_ensinar.pdf
 
download bernadet gatti.pdf
download bernadet gatti.pdfdownload bernadet gatti.pdf
download bernadet gatti.pdf
 
fromaçã docente _ Bernadete Gatti.pdf
fromaçã docente _ Bernadete Gatti.pdffromaçã docente _ Bernadete Gatti.pdf
fromaçã docente _ Bernadete Gatti.pdf
 
pimentasaberes-pedagc3b3gicos-e-atividade-docente-identidaed-e-saberes.pdf
pimentasaberes-pedagc3b3gicos-e-atividade-docente-identidaed-e-saberes.pdfpimentasaberes-pedagc3b3gicos-e-atividade-docente-identidaed-e-saberes.pdf
pimentasaberes-pedagc3b3gicos-e-atividade-docente-identidaed-e-saberes.pdf
 
formaçã docente _ Bernadete Gatti.pdf
formaçã docente _ Bernadete Gatti.pdfformaçã docente _ Bernadete Gatti.pdf
formaçã docente _ Bernadete Gatti.pdf
 
atividade-docente-identidaed-e-saberes.pdf
atividade-docente-identidaed-e-saberes.pdfatividade-docente-identidaed-e-saberes.pdf
atividade-docente-identidaed-e-saberes.pdf
 
download bernadet gatti.pdf
download bernadet gatti.pdfdownload bernadet gatti.pdf
download bernadet gatti.pdf
 
Artigo pedagogia historico critica
Artigo   pedagogia historico criticaArtigo   pedagogia historico critica
Artigo pedagogia historico critica
 

Último

Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 

Último (20)

Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 

DIDATICA _ objeto estudo _texto.pdf

  • 1. 0 Unidade I: Unidade: A Didática e seu Objeto de Estudo
  • 2. 1 Unidade: A Didática e seu Objeto de Estudo Unidade: A Didática e seu Objeto de Estudo Ao iniciarmos uma disciplina que pretende discutir diferentes aspectos da Didática, cabe aqui uma reflexão inicial sobre o conceito que cada um de nós tem de didática. Ao pesquisarmos nos dicionários, encontraremos diferentes definições: 1. Arte de ensinar e de fazer aprender; Conjunto de preceitos que têm por fim tornar o ensino prático e eficiente; Ciência auxiliar da pedagogia que promove os métodos mais adequados para a aprendizagem 1 2. Arte de ensinar2 3. Didática é o estudo da situação instrucional, isto é, do processo de ensino e aprendizagem, e nesse sentido ela enfatiza a relação professor- aluno.3 4. Didática é uma reflexão sistemática sobre o processo de ensino- aprendizagem que acontece na escola e na aula, buscando alternativas para os problemas da prática pedagógica.4 Podemos perceber que nas definições acima aparecem os termos educação, ensinar, aprendizagem, processo, prática pedagógica. A Didática está, portanto, intimamente ligada à Pedagogia, enquanto reflexão para uma educação melhor e um processo ensino-aprendizagem mais significativo tanto para professores quanto para alunos. Normalmente os professores preocupam-se em ensinar a seus alunos os conteúdos necessários à formação acadêmica. Mas é preciso uma preocupação que vai além do ensino: refere-se à educação como processo de formação do ser humano. Nesse sentido, educar é muito mais que ensinar. É preciso, portanto estudo e reflexão sobre as teorias educacionais e que se destine à Didática, enquanto disciplina específica da formação pedagógica, a função de aprofundar as teorias e a prática do ensino. 1 http://www.priberam.pt/dlpo/definir_resultados.aspx Acesso em jan.2009 2 http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portugues- portugues&palavra=didática Acesso em Jan.2008 3 HAIDT, Regina Célia Cazaux. Curso de Didática Geral. 7. ed. São Paulo, Editora Ática. 2002. Série Educação. p.13 4 MASETTO, Marcos Tarciso. Didática: a aula como centro. 4. ed. São Paulo:FTD, 1997. Coleção Aprender e ensinar. P.13
  • 3. 2 Unidade: A Didática e seu Objeto de Estudo Trajetória Histórica da Didática O trabalho realizado hoje em nossas escolas reflete uma evolução e construção que vem de longa data, baseadas nas pesquisas e estudos de educadores diversos, e que foram se modificando e aprimorando (ou não), num processo que chamamos de reflexão-ação-reflexão. A reflexão nos mostra que a educação é um processo que evolui numa construção constante ao longo da vida das pessoas. Num sentido mais amplo é o processo de desenvolvimento da personalidade, incluindo as qualidades físicas, morais e intelectuais visando às relações humanas dentro de um contexto sócio-histórico-cultural. Esta educação se dá a partir do nascimento e se perpetua por toda a vida. Podemos chamá-la de educação não-formal. A prática educativa é um fenômeno social e universal. Necessária à existência e funcionamento de todas as sociedades. Não há sociedade sem prática educativa, nem prática educativa sem sociedade. A educação compreende os processos formativos que ocorrem no meio social. A prática educativa existe numa grande variedade de instituições e atividades sociais decorrentes da organização econômica, política, da religião e dos costumes. A partir do momento em que a criança passa a freqüentar uma escola, há a busca por mais conhecimento e desenvolvimento, diferentes daqueles proporcionados pela família. É a busca pelo saber sistematizado e pela necessidade natural do homem em absorver a cultura de seu povo, os avanços, as tecnologias e descobertas, que serão transmitidos pela escola. http://www.talk2.com.br/wpcontent /uploads/2009/01/educacao1.jpg
  • 4. 3 Unidade: A Didática e seu Objeto de Estudo É a educação formal, que na escola se apresenta como um sistema de instrução e ensino com propósitos intencionais, práticas sistematizadas e alto grau de organização, ligado intimamente as demais práticas sociais. Para que se realize o processo educativo, é preciso dar-lhe uma orientação sobre as finalidades e os meios da sua realização, conforme opções que se façam quanto ao tipo de homem que se deseja formar e do tipo de sociedade que se aspira. Este processo voltado para a educação, onde quer que ocorra, é sempre contextualizado social e politicamente. A prática educativa e especialmente os objetivos e conteúdos de ensino e trabalho docente estão determinados por fins e exigências sociais, políticas e ideológicas. O reconhecimento do papel político do trabalho docente implica a luta pela modificação dessas relações de poder. A escola deve, portanto, na figura do professor, assegurar aos alunos um sólido domínio de conhecimentos e habilidades, o desenvolvimento de suas capacidades intelectuais, de pensamento independente, criativo e critico, contribuindo para a formação de cidadãos ativos, criativos e críticos, capazes de participar nas lutas pelas transformações sociais. Será que sempre foi assim? A Didática sempre foi instrumento de reflexão e construção da aprendizagem? A forma como se concebe a Didática hoje está ligada à sua história e suas raízes. Existem também alguns pontos em seu desenvolvimento histórico que mostram a preocupação de teóricos e pesquisadores quanto a real contribuição da Didática para a educação. Para que você conheça um pouco mais sobre a história da didática, sugerimos a leitura do artigo de Amélia Domingues de Castro – A Trajetória Histórica da Didática, especialmente das páginas 15 a 22, acessando o site http://www.crmariocovas.sp.gov.br/amb_a.php?t=020.
  • 5. 4 Unidade: A Didática e seu Objeto de Estudo http://losinvisivel.files.wordpress.com /2009/02/o_que_e_-educacao_02.jpg O Ensino e a Aprendizagem como objetos de estudo da Didática Se a Didática é uma ciência cuja preocupação volta-se para a educação, o ensino e a aprendizagem, podemos perceber que há intencionalidade nas ações didáticas, diferentemente das aprendizagens que ocorrem informalmente com as pessoas ao longo de suas vidas. Há um planejamento, um objetivo e uma ação específica que leva ao alcance deste objetivo. Para Castro (2001: p.15) “a primeira peculiaridade do processo de ensinar, pois, seria sua intencionalidade, ou seja, ajudar alguém a aprender” Desde já é importante que se ressalte que falar em Didática não significa falar somente em práticas e procedimentos. Para que possa desempenhar seu papel de orientar ações é preciso que estas ações sejam precedidas de uma reflexão teórica e de pesquisas, que embasarão estas práticas. Vamos então estabelecer alguns conceitos importantes para que possamos dar continuidade às nossas reflexões. Conceituando educação A educação é um processo de formação humana. Em cada sociedade ou país, a educação existe de maneira diferente, de acordo com os costumes, valores ou crenças existentes. Dessa forma, a palavra educação pode ser entendida com dois sentidos diferentes: Social: É a ação que as gerações adultas exercem sobre as gerações mais jovens, orientando sua conduta por meio da transmissão de um conjunto de conhecimentos, normas, crenças, usos e costumes aceitos pelo grupo http://www.piupiuescolainfantil.co m.br/imagens/didatica.jpg
  • 6. 5 Unidade: A Didática e seu Objeto de Estudo http://www.medicinageriatrica.com.br/w p-content/uploads/2008/10/professor.jpg social. Vista sob este ponto de vista a educação é uma manifestação cultural e depende do contexto histórico e social no qual está inserida. Portanto, seus fins variarão de acordo com a época ou sociedade analisada. Individual: Nesse sentido a educação está ligada ao desenvolvimento das aptidões e potencialidades de cada indivíduo, tendo em vista o aprimoramento de sua personalidade. De qualquer modo, ambos os sentidos ligam educação ao aspecto de formação do indivíduo. Refletindo sobre o ensino No sentido etimológico, ensinar deriva do latim, signare, que significa “colocar dentro, gravar no espírito”. Existem muitas concepções de ensino, dependendo da formação do educador, de seu comprometimento e ideologia. De um modo geral, temos três eixos que orientam o ensino: Tradicional: Neste eixo ensinar é transmitir conhecimentos. Por meio de aulas expositivas e explicativas os conhecimentos vão sendo apresentados pelo professor e o aluno deve reproduzir o que lhe foi passado. Tecnicista: Esta concepção apóia-se nos princípios da racionalidade, eficiência e produtividade. A instrução é programada, o estudo é dirigido para ensinar o aluno a fazer algo. http://2.bp.blogspot.com/_SYTm F9WWPB4/Su4nKVfwL9I/AAAAA AAAAdc/JJppa9edDmw/s320/livr o+e+menino http://www.passionista.com.br/nossasenhorame nina/img/MediaFiles/Image/04%20Ensino%20Me dio.jpg
  • 7. 6 Unidade: A Didática e seu Objeto de Estudo Escola Nova: A partir desta concepção, espera-se que o ensino crie condições de aprendizagem. O importante não é somente aprender, mas aprender a aprender. Valoriza-se a relação professor-aluno e a ação educativa estimula um professor orientador da aprendizagem. A escola A escola é a instituição ou local formal onde ocorre a educação, de forma sistemática e intencional, criada com o objetivo de educar e ensinar. As escolas surgiram em virtude da complexidade da organização das sociedades. A escola deve suprir a necessidade educacional nos diferentes momentos da vida humana. Os alunos devem ser educados para a subsistência (superar adversidades); para a libertação (agir e intervir no contexto em que vive); para a comunicação (conscientização). Além disso, a escola deve promover uma educação para a transformação, que permite promover mudanças pessoais e no panorama nacional, seja no âmbito geral, político, econômico ou educacional. O processo de aprendizagem A aprendizagem apresenta-se como um processo complexo. Este processo não se refere somente à aquisição de conteúdos ou informações necessárias durante o período escolar. È muito mais que isso. http://destaquein.sacrahome.net/files/images//educacao.jpg
  • 8. 7 Unidade: A Didática e seu Objeto de Estudo É um processo de aquisição, assimilação, aprimoramento e internalização, mais ou menos consciente, de novos padrões e novas formas de perceber, de ser, pensar e agir. Como processo, a aprendizagem envolve dimensões do ser humano que são mais ou menos estimuladas, conforme o tipo de aprendizagem que estiver sendo desenvolvido. Podemos citar os seguintes tipos de aprendizagem: Motora ou Motriz: é a aprendizagem que diz respeito ao desenvolvimento de habilidades motoras, como por exemplo, andar de bicicleta, escrever, pular corda, desenhar, etc. Cognitiva: Esta aprendizagem diz respeito à aquisição e assimilação de novas informações, conceitos ou conhecimentos. Por exemplo: o alfabeto, a numeração, a estrutura da água, o planeta solar, etc. Afetiva ou emocional: Importantíssima na sala de aula refere-se aprender a sentimentos e emoções. Embora os exemplos acima, não há como fragmentar em sala de aula, diferentes tipos de aprendizagem. Visto que o aluno é um ser integral, constituído de diferentes dimensões: cognitiva, afetivo-emocional, atitudes e valores, competências e habilidades; o processo de aprendizagem se desenvolve conforme as necessidades e tendências destes alunos. É importante ressaltar que para que haja aprendizagem é preciso que se queira aprender. Por este motivo, a motivação apresenta-se como importante elemento neste processo, sendo que o professor deve procurar motivar seus http://1.bp.blogspot.com/_QUc7RgaUQxQ/SnACP1TPPaI/AAA AAAAAAT4/uGcRD38NDo8/S760/estilos%2520de%2520aprend izagem1.jpg
  • 9. 8 Unidade: A Didática e seu Objeto de Estudo alunos, criando situações favoráveis para que a aprendizagem ocorra. Por meio do diálogo o professor pode conhecer os interesses dos alunos a fim de orientá-los no ensino, buscando uma forte motivação que faça do processo de aprendizagem uma atividade interessante. Mas somente motivar não é suficiente. É preciso que o aluno esteja pronto para determinados assuntos e desenvolva condições de aprendizagem. Trata-se da maturação, que consiste em mudanças nas estruturas físicas e mentais dos alunos, que influenciam o desenvolvimento fisiológico e anatômico do sistema nervoso. Isso determina se o aluno está maduro para determinada tarefa, ou seja, se está apto a realizá-la. Só se aprende quando se estiver maduro para esta aprendizagem. Diante das reflexões acima, você pode perceber que há uma estreita relação ente o ensino e a aprendizagem. Não há ensino sem aprendizagem e vice-versa. Isto porque o ensino existe para motivar a aprendizagem, orientá-la, dirigi-la, para que ela atinja um grau elevado de eficiência e eficácia. Para estabelecer uma concepção de Didática é preciso que se assumam certas concepções de sociedade, de escola, de mundo e de ser humano. São estas concepções que nos permitirão estabelecer uma linha de ação junto aos nossos alunos para que o processo ensino-aprendizagem ocorra satisfatoriamente para ambos os lados. Por este motivo nos chama a atenção o papel da didática como reflexão sistemática da prática educativa. A Didática é uma reflexão sistemática que acontece na escola e na aula. É o estudo do processo de ensino- aprendizagem em sala de aula e de seus resultados. (MASETTO: 1997, p.13) Se observarmos e analisarmos os problemas que enfrentamos na prática pedagógica, valendo-nos das teorias elaboradas para esse fim, poderemos resolver as questões diárias da escola e da sala de aula com ajuda
  • 10. 9 Unidade: A Didática e seu Objeto de Estudo de teorias e pesquisas aprofundadas sobre o assunto. Na verdade a teoria só é válida a partir do momento em que ela contribui para a resolução e aprimoramento da prática pedagógica. Assim, as relações professor-aluno, aluno-aluno e o próprio processo ensino-aprendizagem são objeto de interesse da didática. O processo educativo é principalmente, uma relação entre seres humanos, que está permeada pelo conjunto de valores, práticas sociais, costumes e tradições que fazem parte da formação cultural pré-escolar de cada sujeito envolvido neste processo. Além disso, embora com maior ou menor intensidade, percebemos influências de tendências político-ideológicas que estão direta ou indiretamente relacionadas à política partidária. Em outras palavras, professores e alunos não deixam de ser quem são ao entrarem na sala de aula e, justamente, em função disso é que aparecerão as diferenças que, se bem aproveitadas, podem resultar em mais produtividade no processo educativo ou, então, em obstáculo. Se o processo de aprendizagem ocorre numa relação interpessoal entre todos os envolvidos e sofrem influências de diferentes tendências, é preciso, segundo Masetto (1995) assumir o desenvolvimento pessoal como um todo, destacando-se três dimensões do processo de aprendizagem: humana, político-social e técnica. Dimensão Humana: Por meio das relações interpessoais que ocorrem no processo de aprendizagem, entre alunos, professores e direção, há a criação de um clima afetivo importante e muitas vezes responsável tanto pelo sucesso quanto pelo fracasso da aprendizagem. A falta de empatia entre os sujeitos do processo, assim como a forte identificação entre eles, interessa muito à Didática, uma vez que influenciará diretamente em seu objeto de http://thumbs.dreamstime.com/thumb_ 338/1228160284f5TL74.jpg
  • 11. 10 Unidade: A Didática e seu Objeto de Estudo estudo: o ensino e a aprendizagem. Infelizmente o que se percebe é certo descaso em relação à dimensão humana deste processo, como se as relações pessoais ocorressem num mundo à parte da aprendizagem e por este motivo podem ser descartadas desta construção. Dimensão Político-Social: Vivemos em determinado tempo, com uma cultura e valores específicos de nossa sociedade. Além disso, temos nossas opiniões e posições políticas e sociais que transmitimos em nossos trabalhos e conseqüentemente nas relações com a escola. Assim também nossos alunos. Deste modo, o processo ensino-aprendizagem ocorre dentro de um contexto político-social que influencia o trabalho realizado nas escolas. Por outro lado, a escola realiza seu trabalho esperando que os alunos sejam educados para desempenhar papéis na sociedade, para atuarem no progresso e desenvolvimento. Estes elementos influenciam a aprendizagem do aluno, motivo pelo qual a didática deve assumir um caráter político-social no desenvolvimento da prática educativa. Dimensão Técnica: O processo ensino-aprendizagem ocorre na escola e na aula. Ele é intencional e deve ser orientado por objetivos que levem os alunos a aprender. Destaca-se então a dimensão técnica, no desenvolvimento de objetivos, seleção de conteúdos, técnicas e recursos de ensino, processos de avaliação, planejamentos, enfim todo o respaldo técnico necessário para que a aprendizagem efetivamente ocorra, constituindo-se no núcleo da dimensão técnica do processo de aprendizagem. Diante das colocações feitas, vocês já puderam perceber que a Didática é importante no processo de aprendizagem dos alunos, na medida em que estabelece uma ligação entre o que ensinar e como ensinar, mediando as bases teórico-científicas da educação e a prática docente. A Didática não separa ensino de aprendizagem, uma vez que um não pode ocorrer sem a presença do outro. Na verdade a partir da concepção que o professor tem de ensino e de aprendizagem, o resultado poderá ser diferente. O professor deve estar preparado para focar seu trabalho na
  • 12. 11 Unidade: A Didática e seu Objeto de Estudo aprendizagem e não somente no ensino, pois deste modo o aluno poderá tornar-se o sujeito do processo, desenvolvendo ações que promovam sua aprendizagem. Neste caso o professor passa de transmissor para mediador ou orientador pedagógico, proporcionando uma aprendizagem mais significativa. Compreender e aceitar a aprendizagem como um processo, leva o professor a apontar diferenças fundamentais sobre sua docência, entendendo a diferenciação existente entre o processo de ensino e processo de aprendizagem. Ensino é diferente de aprendizagem. Processo de Ensino X Processo de Aprendizagem No processo de ensino as ações estão centradas na figura do professor. É o professor que transmite informações, avalia, dá direções e estabelece critérios. O aluno figura como objeto deste processo, recebendo, absorvendo e reproduzindo as informações fornecidas pelo professor. Ele promove todas as ações para que o processo se complete e cabe ao aluno receber, absorver (ou não) e reproduzir. A não reprodução significaria que não houve aprendizagem. No processo de aprendizagem o aluno torna-se sujeito do processo. Busca informações, tira dúvidas, elabora textos, participa e questiona, sempre ao lado de um professor que agora assume a postura de mediador, facilitador e incentivador da aprendizagem. No processo de aprendizagem, o aluno é o sujeito do processo e o professor auxilia. O sujeito é, na verdade, o aprendiz, que pode ser tanto o aluno quanto o professor. Por isto, ensino é diferente de aprendizagem, porque as perspectivas e as ações são diferentes nos dois processos.
  • 13. 12 Unidade: A Didática e seu Objeto de Estudo http://1.bp.blogspot.com/_LlRQNWi9p1Y/SxLNmqI6 7FI/AAAAAAAAAJk/2ZX57b1dMIU/s1600/m%C3%A3 o+da+leitura.jpg Entendemos, portanto, que Didática [...] investiga os fundamentos, condições e modos de realização da instrução e do ensino. A ela cabe converter objetivos sociopolíticos e pedagógicos em objetivos de ensino, selecionar conteúdos e métodos em função desses objetivos, estabelecer os vínculos entre ensino e aprendizagem, tendo em vista o desenvolvimento das capacidades mentais dos alunos. (LIBÂNEO, José Carlos, 1993, p.25-6) A Didática deverá, portanto, servir de instrumento para o trabalho docente, selecionando assuntos interessantes, variando as técnicas em sala de aula, facilitando a participação, aprendizagem e integração dos grupos. Deverá também propiciar a relação entre os conteúdos e a realidade dos alunos, desmistificando o processo de avaliação. É preciso que se pense no ensino focando na aprendizagem e estabelecendo perguntas básicas sobre o ato de ensinar. Este é o caminho inicial para o desenvolvimento de uma Didática que privilegie o aluno e sua aprendizagem, e utilizando-a como verdadeiro instrumento de nosso trabalho e prática pedagógica. Encerro com um trecho de Comênio, em sua Didáctica Magna, que se mostra atual no desenvolvimento de nosso trabalho docente frente à aprendizagem dos alunos: A proa e a popa de nossa Didática será investigar e descobrir o método segundo o qual os professores ensinem menos e os estudantes aprendam mais; nas escolas haja menos barulho, menos enfado, menos trabalho inútil e, ao contrário, haja mais recolhimento, mais atrativo e mais sólido progresso. (COMÊNIO,1996, in MASETTO,1997,p.17)
  • 14. 16 Unidade: A Didática e Seu Objeto de Estudo Referências CASTRO, Amélia Domingues. A Trajetória Histórica da Didática. Disponível em http://www.crmariocovas.sp.gov.br/amb_a.php?t=020. Acesso em jan.2009 CASTRO, Amélia Domingues; CARVALHO, Anna Maria Pessoa, orgs. Ensinar a Ensinar: didática para a escola fundamental e média. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2001. HAIDT, Regina Célia Cazaux. Curso de Didática Geral. 7.ed. São Paulo, Editora Ática. 2002. Série Educação. LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo: Cortez,1993. Coleção magistério – 2º grau. Série formação do professor MASETTO, Marcos Tarciso. Didática a aula como centro. 4. ed. São Paulo:FTD,1997. Verbete: didática. Dicionário Priberam. Disponível em <http://www.priberam.pt/dlpo/definir_resultados.aspx> Acesso em jan.2009 Verbete: didática. Dicionário Michaellis. Disponível em http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portugues- portugues&palavra=didática Acesso em Jan.2009
  • 15. 17 Responsável pelo Conteúdo: Profª. Ms. Julia de Cassia Pereira do Nascimento www.cruzeirodosul.edu.br Campus Liberdade Rua Galvão Bueno, 868 01506-000 São Paulo SP Brasil Tel: (55 11) 3385-3000