SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
 
Era uma vez um rei   Era uma vez um menino chamado Dinis. Era uma criança muito simpática e alegre, que passava grande parte do seu tempo a ler poesias e a escrevinhar os seus próprios poemas. - Que bom que é poder ler estes textos tão bonitos! E se eu tentasse fazer um? Podia falar da natureza, das fontes, das raparigas bonitas…
O pai, D. Afonso III, mostrava algum descontentamento com esta ocupação do seu filho. Achava bem mais importante que ele se interessasse por assuntos de um verdadeiro Rei.  - Sabes, Dinis, preocupa-me que passes tanto tempo entretido com esses versos. Devias ter outros interesses. Mais tarde serás rei de Portugal e não vai ser a poesia que te vai ajudar a combater os inimigos nem a tomar conta do nosso país. -Mas, pai, não há nada mais bonito do que a poesia! A poesia faz-nos dar valor às coisas simples da vida e do mundo…É uma arte, faz-nos ser melhores! Além disso, posso ocupar-me também do reino de Portugal. Prometo que conseguirei.
Vamos cantar……… Tenho sonhos e projectos Que se vão realizar. Se quiserem conto em verso, Aposto que vão gostar.   Eu não tenho nenhum truque Sou poeta sem pensar. Quando digo duas frases, Sem querer já estou a rimar   Refrão   -Vais ser El-Rei D. Dinis, O famoso Lavrador. O teu povo é quem te diz, Serás Rei e trovador   -No reino de Portugal, Há mil coisas a fazer. Criar mais povoações, Novos castelos erguer. Fundar a universidade, Dar ao país mais cultura. E cuidar das nossas terras, Ensinar a agricultura.   Refrão   - Enquanto eu governar, Também escrevo de certeza! Poemas, textos, cantigas, Tudo em Língua Portuguesa.   Vou ter orgulho em ser Rei De um país tão especial, Trabalharei sem descanso Para o povo de Portugal.
Alguns anos mais tarde, com 17 anos, Dinis tornou-se Rei de Portugal. - Agora vou ter oportunidade de mostrar que serei capaz. Vou governar o nosso país e torná-lo melhor. E assim fez. A verdade é que continuou sempre a escrever os seus poemas, mas o amor pelo seu país e o desejo de fazer de Portugal uma grande nação, nunca abandonaram o seu pensamento.
Entretanto chegou a Portugal Isabel de Aragão. Era uma princesa linda, muito inteligente e cheia de elegância. D. Dinis depressa se encantou por esta rapariga, apaixonou-se e os dois casaram.
Enquanto D. Dinis se preocupava em fazer de Portugal um país mais desenvolvido, D. Isabel ocupava-se com os mais pobres. Passava os seus dias a ajudar os doentes e a levar comida a quem tinha fome. Fazia-o discretamente e, num dia de inverno, quando ia a sair para distribuir pães pelos pobres, foi surpreendida por D. Dinis, que lhe disse: - Isabel, onde vais e o que levas aí escondido no teu manto?
A rainha ficou em silêncio e sem saber o que responder. Sabia que o marido não concordava que ela passasse tanto tempo junto dos pobres, e teve receio da sua reacção. No entanto, encheu-se de coragem e não hesitou: -São rosas, Dinis, são rosas.    D. Dinis não queria acreditar.   - O quê? Rosas no mês de Janeiro?   D. Isabel mostrou-se muito segura e abriu o seu manto. A surpresa foi total… Do seu regaço choveram rosas, rosas lindas que deixaram todos muito espantados. Tinha acontecido um milagre, os pães tinham-se transformado em rosas. Era o milagre das Rosas.
Vamos cantar….. Isabel de Aragão, Era uma linda princesa. Toda a Europa falava, Da sua grande beleza.   Era também muito boa, Sempre humilde e caridosa. Casou com o rei D: Dinis, Foi uma Rainha bondosa.   Isabel levava pão Aquém dele precisava. Levava compreensão, E Paz, quando ela faltava.   Refrão Todo o mundo fala dela, Isabel, Rainha Santa. A sua beleza inspira. A sua bondade encanta!   Certo dia, conta a lenda, Quando a Rainha passou Para levar o pão aos pobres, D. Dinis desconfiou…   - Rosas no mês de Janeiro? E lá estavam tantas rosas, Que nunca ninguém esqueceu Essas rosam milagrosas.   Isabel desfez conflitos, Todos sabia acalmar. Ia ao campo de batalha, Tudo queria apaziguar.   Refrão
D. Isabel e D. Dinis eram muito amados pelo seu povo. Os dois muito fizeram pelo seu país, e não se cansavam de procurar novos projectos para o reino: -  Isabel, o que achas de mandar plantar um pinhal para os lados de Leiria, junto à costa? Assim posso impedir que as areias invadam os campos dos agricultores.  - Parece-me uma boa ideia, Dinis. Acho que deves avançar!
- De certeza que, desta forma, será mais fácil cultivar aquelas terras. E não se enganava. Os agricultores ficaram-lhe muito gratos por esta ajuda: os terrenos ficaram mais férteis e as culturas mais ricas.
D. Dinis amava profundamente Portugal, o seu povo e a sua língua. Sabia que não podia ficar por aqui. Tinha sido só o início, havia ainda muito para fazer. Por ter sido um homem notável E também grande escritor, Para uns ficou O POETA, Para outros, O LAVRADOR.  

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

D.Dinis - Rei Trovador
D.Dinis - Rei TrovadorD.Dinis - Rei Trovador
D.Dinis - Rei Trovador
 
A historia de portugal
A historia de portugalA historia de portugal
A historia de portugal
 
4ª dinastia
4ª dinastia4ª dinastia
4ª dinastia
 
Formacao de portugal
Formacao de portugalFormacao de portugal
Formacao de portugal
 
Reis de portugal 2ª Dinastia
Reis de portugal 2ª DinastiaReis de portugal 2ª Dinastia
Reis de portugal 2ª Dinastia
 
D. Afonso Henriques
D. Afonso HenriquesD. Afonso Henriques
D. Afonso Henriques
 
História de portugal
História de portugalHistória de portugal
História de portugal
 
D. pedro i biografia
D. pedro i   biografiaD. pedro i   biografia
D. pedro i biografia
 
D. Manuel I - dia do Agrupamento
D. Manuel I - dia do AgrupamentoD. Manuel I - dia do Agrupamento
D. Manuel I - dia do Agrupamento
 
A formação do reino de portugal
A formação do reino de portugalA formação do reino de portugal
A formação do reino de portugal
 
D. Fernando
D. FernandoD. Fernando
D. Fernando
 
Biografia sophia de melo breyner andresen
Biografia sophia de melo breyner andresenBiografia sophia de melo breyner andresen
Biografia sophia de melo breyner andresen
 
Cronologia dos reis de portugal
Cronologia dos reis de portugalCronologia dos reis de portugal
Cronologia dos reis de portugal
 
Biografia de d. afonso henriques
Biografia de d. afonso henriquesBiografia de d. afonso henriques
Biografia de d. afonso henriques
 
Formação reino--portugal.ppt_
 Formação reino--portugal.ppt_ Formação reino--portugal.ppt_
Formação reino--portugal.ppt_
 
Afonso Henriques
Afonso Henriques Afonso Henriques
Afonso Henriques
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
 
D.Pedro I
D.Pedro ID.Pedro I
D.Pedro I
 
D. Manuel I
D. Manuel ID. Manuel I
D. Manuel I
 
Reis de Portugal 3ª Dinastia
Reis de Portugal 3ª DinastiaReis de Portugal 3ª Dinastia
Reis de Portugal 3ª Dinastia
 

Destaque

Análise do "Adamastor"
Análise do "Adamastor"Análise do "Adamastor"
Análise do "Adamastor"
Maria Costa
 
Entrevista ao gigante adamastor
Entrevista ao gigante adamastorEntrevista ao gigante adamastor
Entrevista ao gigante adamastor
dsa97
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
luisprista
 
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Maria João Lima
 
Intertextualidade de uma musica com a historia do Adamastor
Intertextualidade de uma musica com a historia do AdamastorIntertextualidade de uma musica com a historia do Adamastor
Intertextualidade de uma musica com a historia do Adamastor
Rafaellinho40
 
Comparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e MostrengoComparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e Mostrengo
Susana Sobrenome
 
O Mostrengo mensagem Fernando Pessoa
O Mostrengo mensagem Fernando PessoaO Mostrengo mensagem Fernando Pessoa
O Mostrengo mensagem Fernando Pessoa
Bruno Freitas
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 33-34
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 33-34Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 33-34
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 33-34
luisprista
 

Destaque (19)

D. Dinis
D. DinisD. Dinis
D. Dinis
 
Análise do "Adamastor"
Análise do "Adamastor"Análise do "Adamastor"
Análise do "Adamastor"
 
Entrevista ao gigante adamastor
Entrevista ao gigante adamastorEntrevista ao gigante adamastor
Entrevista ao gigante adamastor
 
Os Lusíadas - Canto V - O Gigante Adamastor
Os Lusíadas -  Canto V - O Gigante AdamastorOs Lusíadas -  Canto V - O Gigante Adamastor
Os Lusíadas - Canto V - O Gigante Adamastor
 
o-gigante-adamastor
 o-gigante-adamastor o-gigante-adamastor
o-gigante-adamastor
 
O Mostrengo ( Fernando Pessoa)
O  Mostrengo ( Fernando  Pessoa)O  Mostrengo ( Fernando  Pessoa)
O Mostrengo ( Fernando Pessoa)
 
Lusíadas - Episódio do Adamastor
Lusíadas - Episódio do AdamastorLusíadas - Episódio do Adamastor
Lusíadas - Episódio do Adamastor
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
 
Poesia trovadoresca e palaciana
Poesia trovadoresca e palacianaPoesia trovadoresca e palaciana
Poesia trovadoresca e palaciana
 
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
 
Intertextualidade de uma musica com a historia do Adamastor
Intertextualidade de uma musica com a historia do AdamastorIntertextualidade de uma musica com a historia do Adamastor
Intertextualidade de uma musica com a historia do Adamastor
 
Powerpoint mensagem
Powerpoint mensagemPowerpoint mensagem
Powerpoint mensagem
 
Comparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e MostrengoComparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e Mostrengo
 
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
 
O Mostrengo mensagem Fernando Pessoa
O Mostrengo mensagem Fernando PessoaO Mostrengo mensagem Fernando Pessoa
O Mostrengo mensagem Fernando Pessoa
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 33-34
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 33-34Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 33-34
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 33-34
 
Adamastor
AdamastorAdamastor
Adamastor
 
Mensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os LusíadasMensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os Lusíadas
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
 

Semelhante a D. Dinis

Agrupamento de escolas
Agrupamento de escolasAgrupamento de escolas
Agrupamento de escolas
1cdepartamento
 
Agrupamento de escolas
Agrupamento de escolasAgrupamento de escolas
Agrupamento de escolas
1cdepartamento
 
Contos que elevam a alma 2
Contos que elevam a alma  2Contos que elevam a alma  2
Contos que elevam a alma 2
Antonio SSantos
 
Apresentação luís de camões
Apresentação luís de camõesApresentação luís de camões
Apresentação luís de camões
inaciasantana
 
Maria Emilia Neves Belinha Reis
Maria Emilia Neves Belinha ReisMaria Emilia Neves Belinha Reis
Maria Emilia Neves Belinha Reis
Ticintergeracional
 
Alexandre herculano a dama pé de cabra
Alexandre herculano   a dama pé de cabraAlexandre herculano   a dama pé de cabra
Alexandre herculano a dama pé de cabra
Tulipa Zoá
 
Apresentação da história da República
Apresentação  da história da RepúblicaApresentação  da história da República
Apresentação da história da República
claracalheiros
 

Semelhante a D. Dinis (20)

Milagre Das Rosas
Milagre Das RosasMilagre Das Rosas
Milagre Das Rosas
 
Pedro E Inês
Pedro E InêsPedro E Inês
Pedro E Inês
 
Agrupamento de escolas
Agrupamento de escolasAgrupamento de escolas
Agrupamento de escolas
 
Agrupamento de escolas
Agrupamento de escolasAgrupamento de escolas
Agrupamento de escolas
 
O princípe feliz animação da leitura f
O princípe feliz animação da leitura fO princípe feliz animação da leitura f
O princípe feliz animação da leitura f
 
Lendas de Portugal Gentil Marques
Lendas de Portugal Gentil MarquesLendas de Portugal Gentil Marques
Lendas de Portugal Gentil Marques
 
A dama pé de-cabra
A dama pé de-cabraA dama pé de-cabra
A dama pé de-cabra
 
Contos que elevam a alma 2
Contos que elevam a alma  2Contos que elevam a alma  2
Contos que elevam a alma 2
 
Trabalho rainha santa_grupo5
Trabalho rainha santa_grupo5Trabalho rainha santa_grupo5
Trabalho rainha santa_grupo5
 
Trabalho Rainha Santa_grupo5
Trabalho Rainha Santa_grupo5Trabalho Rainha Santa_grupo5
Trabalho Rainha Santa_grupo5
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
Chegadas e despedidas
Chegadas e despedidasChegadas e despedidas
Chegadas e despedidas
 
Apresentação luís de camões
Apresentação luís de camõesApresentação luís de camões
Apresentação luís de camões
 
Francisco... 7ºd
Francisco... 7ºdFrancisco... 7ºd
Francisco... 7ºd
 
Francisco 7ºd
Francisco 7ºdFrancisco 7ºd
Francisco 7ºd
 
Maria Emilia Neves Belinha Reis
Maria Emilia Neves Belinha ReisMaria Emilia Neves Belinha Reis
Maria Emilia Neves Belinha Reis
 
Alexandre herculano a dama pé de cabra
Alexandre herculano   a dama pé de cabraAlexandre herculano   a dama pé de cabra
Alexandre herculano a dama pé de cabra
 
Apresentação da história da República
Apresentação  da história da RepúblicaApresentação  da história da República
Apresentação da história da República
 
A Arca Voadora
A Arca VoadoraA Arca Voadora
A Arca Voadora
 
A arca voadora
A arca voadoraA arca voadora
A arca voadora
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 

Último (20)

análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 

D. Dinis

  • 1.  
  • 2. Era uma vez um rei   Era uma vez um menino chamado Dinis. Era uma criança muito simpática e alegre, que passava grande parte do seu tempo a ler poesias e a escrevinhar os seus próprios poemas. - Que bom que é poder ler estes textos tão bonitos! E se eu tentasse fazer um? Podia falar da natureza, das fontes, das raparigas bonitas…
  • 3. O pai, D. Afonso III, mostrava algum descontentamento com esta ocupação do seu filho. Achava bem mais importante que ele se interessasse por assuntos de um verdadeiro Rei. - Sabes, Dinis, preocupa-me que passes tanto tempo entretido com esses versos. Devias ter outros interesses. Mais tarde serás rei de Portugal e não vai ser a poesia que te vai ajudar a combater os inimigos nem a tomar conta do nosso país. -Mas, pai, não há nada mais bonito do que a poesia! A poesia faz-nos dar valor às coisas simples da vida e do mundo…É uma arte, faz-nos ser melhores! Além disso, posso ocupar-me também do reino de Portugal. Prometo que conseguirei.
  • 4. Vamos cantar……… Tenho sonhos e projectos Que se vão realizar. Se quiserem conto em verso, Aposto que vão gostar.   Eu não tenho nenhum truque Sou poeta sem pensar. Quando digo duas frases, Sem querer já estou a rimar   Refrão   -Vais ser El-Rei D. Dinis, O famoso Lavrador. O teu povo é quem te diz, Serás Rei e trovador   -No reino de Portugal, Há mil coisas a fazer. Criar mais povoações, Novos castelos erguer. Fundar a universidade, Dar ao país mais cultura. E cuidar das nossas terras, Ensinar a agricultura.   Refrão   - Enquanto eu governar, Também escrevo de certeza! Poemas, textos, cantigas, Tudo em Língua Portuguesa.   Vou ter orgulho em ser Rei De um país tão especial, Trabalharei sem descanso Para o povo de Portugal.
  • 5. Alguns anos mais tarde, com 17 anos, Dinis tornou-se Rei de Portugal. - Agora vou ter oportunidade de mostrar que serei capaz. Vou governar o nosso país e torná-lo melhor. E assim fez. A verdade é que continuou sempre a escrever os seus poemas, mas o amor pelo seu país e o desejo de fazer de Portugal uma grande nação, nunca abandonaram o seu pensamento.
  • 6. Entretanto chegou a Portugal Isabel de Aragão. Era uma princesa linda, muito inteligente e cheia de elegância. D. Dinis depressa se encantou por esta rapariga, apaixonou-se e os dois casaram.
  • 7. Enquanto D. Dinis se preocupava em fazer de Portugal um país mais desenvolvido, D. Isabel ocupava-se com os mais pobres. Passava os seus dias a ajudar os doentes e a levar comida a quem tinha fome. Fazia-o discretamente e, num dia de inverno, quando ia a sair para distribuir pães pelos pobres, foi surpreendida por D. Dinis, que lhe disse: - Isabel, onde vais e o que levas aí escondido no teu manto?
  • 8. A rainha ficou em silêncio e sem saber o que responder. Sabia que o marido não concordava que ela passasse tanto tempo junto dos pobres, e teve receio da sua reacção. No entanto, encheu-se de coragem e não hesitou: -São rosas, Dinis, são rosas.   D. Dinis não queria acreditar.   - O quê? Rosas no mês de Janeiro?   D. Isabel mostrou-se muito segura e abriu o seu manto. A surpresa foi total… Do seu regaço choveram rosas, rosas lindas que deixaram todos muito espantados. Tinha acontecido um milagre, os pães tinham-se transformado em rosas. Era o milagre das Rosas.
  • 9. Vamos cantar….. Isabel de Aragão, Era uma linda princesa. Toda a Europa falava, Da sua grande beleza.   Era também muito boa, Sempre humilde e caridosa. Casou com o rei D: Dinis, Foi uma Rainha bondosa.   Isabel levava pão Aquém dele precisava. Levava compreensão, E Paz, quando ela faltava.   Refrão Todo o mundo fala dela, Isabel, Rainha Santa. A sua beleza inspira. A sua bondade encanta!   Certo dia, conta a lenda, Quando a Rainha passou Para levar o pão aos pobres, D. Dinis desconfiou…   - Rosas no mês de Janeiro? E lá estavam tantas rosas, Que nunca ninguém esqueceu Essas rosam milagrosas.   Isabel desfez conflitos, Todos sabia acalmar. Ia ao campo de batalha, Tudo queria apaziguar.   Refrão
  • 10. D. Isabel e D. Dinis eram muito amados pelo seu povo. Os dois muito fizeram pelo seu país, e não se cansavam de procurar novos projectos para o reino: - Isabel, o que achas de mandar plantar um pinhal para os lados de Leiria, junto à costa? Assim posso impedir que as areias invadam os campos dos agricultores. - Parece-me uma boa ideia, Dinis. Acho que deves avançar!
  • 11. - De certeza que, desta forma, será mais fácil cultivar aquelas terras. E não se enganava. Os agricultores ficaram-lhe muito gratos por esta ajuda: os terrenos ficaram mais férteis e as culturas mais ricas.
  • 12. D. Dinis amava profundamente Portugal, o seu povo e a sua língua. Sabia que não podia ficar por aqui. Tinha sido só o início, havia ainda muito para fazer. Por ter sido um homem notável E também grande escritor, Para uns ficou O POETA, Para outros, O LAVRADOR.