O Mostrengo mensagem Fernando Pessoa

34.631 visualizações

Publicada em

16 comentários
20 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
34.631
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
16
Gostaram
20
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Mostrengo mensagem Fernando Pessoa

  1. 1. Trabalho Realizado Por:-António Almeida- Bruno Freitas
  2. 2. O mostrengo que está no fim do marNa noite de breu ergueu-se a voar; http://www.youtube.com/watch?feÀ roda da nau voou três vezes, ature=player_embedded&v=f0RSVoou três vezes a chiar, m-OfIqk#E disse: “Quem é que ousou entrarNas minhas cavernas que não desvendo,Meus tectos negros do fim do mundo?”E o homem do leme disse, tremendo:“El-Rei D. João Segundo!”“De quem são as velas onde me roço?De quem as quilhas que vejo e ouço?”Disse o mostrengo, e rodou três vezes,Três vezes rodou imundo e grosso,“Quem vem poder o que eu só posso,Que moro onde nunca ninguém me visseE escorro os medos do mar sem fundo?”E o homem do leme tremeu e disse:“El-Rei D. João Segundo!”Três vezes do leme as mãos ergueu,Três vezes ao leme as reprendeu,E disse no fim de tremer três vezes:“Aqui ao leme sou mais do que eu:Sou um povo que quer o mar que é teu;E mais que o mostrengo, que me a alma temeE roda nas trevas do fim do mundo,Manda a vontade, que me ata ao leme,De El-Rei D. João Segundo!”
  3. 3. Este poema é constituído por 3 estrofes, de 9 versos cada, ou seja, sãononas.Existe alternância de rimas ricas e rimas pobres;A rima apresenta também algumas irregularidades.O esquema rimático é AABAACDCD com rimas emparelhadas em“A”, cruzadas em “C” e “D”, e em verso solto “B”.
  4. 4. Refrão Hexassilábico: “El-Rei D. João Segundo!” o restante poema édecassilábico.Ritmo crescente (cresce à medida que o homem do Leme “cresce” emcoragem).A fraca adjectivação ( tem apenas três adjectivos: "negros", "imundo" e"grosso") e a grande quantidade de nomes.
  5. 5. O Mostrengo inserido na segunda parte da Mensagem – “O Mar Português” – poemasinspirados na expectativa e incerteza do desconhecido e no espaço heróico na lutacontra as dificuldades e as adversidades.Este poema inspira-se na passagem do Cabo das Tormentas, ou seja, a passagem doOceano Atlântico para o Oceano Índico, e simboliza o ultrapassar dos medos.
  6. 6. Este poema apresenta profunda semelhança com o episódio “Adamastor” de“Os Lusíadas”.O “Mostrengo” é o retomar da figura presente no “Adamastor” que assusta eameaça os navegadores.No poema de Pessoa, o Homem do Leme, ao serviço de D. João II, representaa “vontade” de um povo que quer o Mar que o Monstro afirma ser seu.O poema apresenta uma estrutura narrativa com um diálogo repetido entreMostrengo (Golias) e o Homem do Leme (David).
  7. 7. Numero 3: É um número misterioso por excelência, exprime umaespiritualidade em Deus, resume-se á união entre o Céu e a Terra.O Mostrengo: Simboliza o desconhecido, as lendas do Mar, os obstáculos e osmedos dos navegadores portugueses.O homem do leme: Representa o povo português, o patriotismo e a vontade dePortugal em evoluir e alcançar um objectivo;O leme: Símbolo de responsabilidade; significa autoridade, cuidado, poder dedecisão.
  8. 8. Contém vários tempos verbais: Verbos “dinâmicos”, de movimento oInfinitivo: “Voou três vezes a chiar”; o Presente do indicativo: “O mostrengoque está no fim do mar”; o Pretérito perfeito: “E disse: Quem é que ousouentrar”; o Gerúndio: “E o homem do leme disse, tremendo:”; o Conjuntivo:“Que moro onde nunca ninguém me visse”;
  9. 9. Metáfora: “Meus tectos negros do fim do mundo?”Anástrofe: “Três vezes do leme as mãos ergueu,” – (É a inversão do sentido da frase)Quiasmo: “Disse o mostrengo, e rodou três vezes / Três vezes rodou imundo e grosso” –(Dispõe os elementos em ordem inversa)Anáfora: “De quem são as velas onde me roço? / De quem as quilhas que vejo e ouço?” –(Repetição da mesma palavra em várias frases)Interrogações retóricas: “….E escorro os meus medos do mar sem fundo?” –(Frase interrogativa, dirigida a um destinatáriopresente ou ausente, sem que se espere obter resposta)Hipérbato: "três vezes do leme as mãos ergueu", "três vezes ao leme as reprendeu", "Emais que o mostrengo, que me a alma teme” – (troca da ordem direta dos termos da oração)
  10. 10. Concluímos que Pessoa com este poema queria exprimir os obstáculosque os portugueses na era dos descobrimentos tinham pela frente, eque acima de tudo conseguiam superar os seus medos.

×