SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Quinhentismo- séc. XVI ( 1500-1601) ,[object Object],[object Object]
QUINHENTISMO –  séc. XVI ( 1500-1601) ,[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
“ Esta terra me parece(...) tem ao longo do mar,nalgumas partes, grandes barreiras, delas vermelhas, delas brancas; e a terra por cima toda chã e muito cheia de grandes arvoredos.” ,[object Object]
[object Object],[object Object]
LITERATURA CATEQUÉTICA ,[object Object],[object Object],Anchieta com os índios
E 1549, os padres jesuítas começaram a vir para o Brasil a fim de propagar o cristianismo, a fé e catequizar os índios. ,[object Object]
[object Object]
José de Anchieta e Manuel da Nóbrega fundaram em  1554 um colégio no planalto de Piratininga que deu origem à cidade de São Paulo
QUADRO ESQUEMÁTICO Quinhentismo 1500 Primeiros documentos sobre o Brasil Carta de  Pero Vaz de Caminha  1601 Início da Era Barroca Prosopopéia de Bento Teixeira
DENOMINAÇÕES Literatura de Informação Literatura dos Viajantes Literatura  sobre o Brasil Quinhentismo
Eram Viajantes Cronistas de Ofício Missionários O PERÍODO   INFORMATIVO Autores:   Não eram propriamente literatos. Tinham uma   proposta meramente utilitária. ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Quinhentismo
Eram Cartas Diários Relatos O PERÍODO   INFORMATIVO As Obras:   Não eram literárias. Faltava-lhes o caráter    inventivo. Tratados Quinhentismo
Político-Econômica:  Evidenciar o potencial de riqueza. O PERÍODO   INFORMATIVO A Proposta:   As obras marcam o interesse de Portugal nos    empreendimentos ultramarinos. Contra-Reformista:  Conversão dos indígenas. Quinhentismo
O PERÍODO   INFORMATIVO O Conteúdo:   Estas obras limitam-se à informação, à coleta e dados sobre a nova terra: * o clima   * o solo   * a vegetação   * o relevo   * os índios Quinhentismo
Objetividade O PERÍODO   INFORMATIVO O Estilo:   Era clássico, vigente em Portugal. Clareza Comedimento Quinhentismo
No Romantismo:  Revisitação do Brasil primordial,    através da visão mítica do índio   e da paisagem. O PERÍODO   INFORMATIVO Reflexo em Períodos Posteriores No Modernismo:  Movimentos de raízes, de buscas dos   arquétipos culturais. Movimentos Pau Brasil Verde Amarelo Antropofágico Tropicalismo Quinhentismo
Quinhentismo DECLARAÇÃO DE AMOR Eu vim do mar! sou filho de outra raça. Para servir meu rei andei à caça de mundos nunca vistos nem sonhados, por mares nunca de outrem navegados. Ora de braço dado com a procela, ora a brigar com ventos malcriados. Trago uma cruz de sangue em cada vela! Na crista da onda, em meio do escarcéu, na solidão azulada e redonda, quanta vez me afundei no inferno d’água ou com a cabeça fui bater no céu! Simples brinquedo em mãos da tempestade fabulosa ambição me trouxe aqui. A ambição pode mais do que a saudade... Ambas me foram ver, quando eu parti. A saudade abraçou-me, tão sincera, soluçando, no adeus do nunca-mais. A ambição de olhar verde, junto ao cais, me disse: vai que eu fico à tua espera! Cassiano Ricardo   (em: “Martim Cererê”)
Quinhentismo FADO TROPICAL (Chico Buarque & Ruy Guerra) Oh, musa do meu fado, Oh, minha mãe gentil, Te deixo consternado, No primeiro abril. Mas não sê tão ingrata, Não esquece quem te amou, E em tua densa mata Se perdeu e se encontrou. Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal, Ainda vai tornar-se um imenso Portugal. “Sabe, no fundo eu sou um sentimental. Todos nós herdamos no sangue lusitano uma boa dosagem de lirismo. Além da sífilis, é claro. Mesmo quando as minhas mãos estão ocupadas em torturar,  esganar, trucidar, meu coração fecha os olhos e, sinceramente, chora.” Com avencas na caatinga, Alecrins no canavial, Licores na moringa, Um vinho tropical. E a linda mulata, Com rendas do Alentejo, De quem, numa bravata, Arrebato um beijo. Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal, Ainda vai tornar-se um imenso Portugal.  “Meu coração tem um sereno jeito E as minhas mãos o golpe duro e presto. De tal maneira que, depois de feito, Desencontrado eu mesmo me contesto. Se trago as mãos distantes do meu peito, É que há distância  entre intenção e gesto. E se meu coração nas mãos estreito, Me assombra a súbita impressão de incesto. Quando me encontro no calor da luta, Ostento a aguda empunhadura à proa, Mas o meu peito se desabotoa. E se a sentença se anuncia bruta, Mais que depressa a mão cega executa, Pois que senão o coração perdoa.” Guitarras e sanfonas, Jasmim, coqueiros, fontes, Sardinhas, mandioca, Num suave azulejo. O rio Amazonas, Que corre trás-os-montes E, numa pororoca, Deságua no Tejo. Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal, Ainda vai tornar-se um império colonial.
Quinhentismo HISTÓRIA DO BRASIL (Pero Vaz Caminha) a descoberta Seguimos nosso caminho por este mar de longo Até à oitava da Páscoa Topamos aves E houvemos vista de terra os selvagens Mostraram-lhes uma galinha Quase haviam medo dela E não queriam pôr a mão E depois a tomaram como espantados primeiro chá Depois de dançarem Diogo Dias Fez o salto real as meninas da gare Eram três ou quatro moças bem moças e bem gentis Com cabelos mui pretos pelas espáduas E suas vergonhas tão altas e tão saradinhas Que de nós as muitos bem olharmos Não tínhamos nenhuma vergonha.
Quinhentismo A terra mui graciosa, Tão fértil eu nunca vi. A gente vai passear, No chão espeta um caniço, No dia seguinte nasce Bengala de castão de oiro. Tem goiabas, melancias, Banana que nem chuchu. Quanto aos bichos, tem-nos muitos, De plumagens mui vistosas. Tem macaco até demais Diamantes tem à vontade Esmeraldas é para os trouxas. Reforçai, Senhor, a arca, Cruzados não faltarão, Vossa perna encanareis, Salvo o devido respeito. Ficarei muito saudoso Se for embora daqui. Murilo Mendes

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Barroco em Portugal
Barroco em PortugalBarroco em Portugal
Barroco em Portugal
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
 
Literatura - Barroco
Literatura - BarrocoLiteratura - Barroco
Literatura - Barroco
 
Literatura brasileira
Literatura brasileiraLiteratura brasileira
Literatura brasileira
 
Quinhentismo - CILP
Quinhentismo - CILPQuinhentismo - CILP
Quinhentismo - CILP
 
Panorama das literaturas Africanas de Língua Portuguesa
Panorama das literaturas Africanas de Língua PortuguesaPanorama das literaturas Africanas de Língua Portuguesa
Panorama das literaturas Africanas de Língua Portuguesa
 
Barroco 1 ano
Barroco 1 anoBarroco 1 ano
Barroco 1 ano
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Parnasianismo'
 
Cap06 quinhentismo
Cap06 quinhentismoCap06 quinhentismo
Cap06 quinhentismo
 
1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo
 
Quinhentismo no brasil
Quinhentismo no brasilQuinhentismo no brasil
Quinhentismo no brasil
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
 
Modernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geraçãoModernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geração
 
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Barroco
Barroco Barroco
Barroco
 
Literatura de informação
Literatura de informaçãoLiteratura de informação
Literatura de informação
 
Historia da Literatura
Historia da LiteraturaHistoria da Literatura
Historia da Literatura
 
Escolas Literárias - Quinhentismo
Escolas Literárias - QuinhentismoEscolas Literárias - Quinhentismo
Escolas Literárias - Quinhentismo
 

Semelhante a Quinhentismo

Semelhante a Quinhentismo (20)

Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
 
Quinhentismo(1)
Quinhentismo(1)Quinhentismo(1)
Quinhentismo(1)
 
Aula 1 quinhentismo
Aula 1  quinhentismoAula 1  quinhentismo
Aula 1 quinhentismo
 
Quinhentismo i
Quinhentismo iQuinhentismo i
Quinhentismo i
 
PêRo Vaz De Caminha Escreveu Um Texto Que é Considerado
PêRo Vaz De Caminha Escreveu Um Texto Que é ConsideradoPêRo Vaz De Caminha Escreveu Um Texto Que é Considerado
PêRo Vaz De Caminha Escreveu Um Texto Que é Considerado
 
Quinhentismo - Literatura de Informação
Quinhentismo - Literatura de InformaçãoQuinhentismo - Literatura de Informação
Quinhentismo - Literatura de Informação
 
Quinhentismo 140730131250-phpapp01 (1)
Quinhentismo 140730131250-phpapp01 (1)Quinhentismo 140730131250-phpapp01 (1)
Quinhentismo 140730131250-phpapp01 (1)
 
Quinhentismo..ppt
Quinhentismo..pptQuinhentismo..ppt
Quinhentismo..ppt
 
Quinhentismo/ Literatura de informação.
Quinhentismo/ Literatura de informação.Quinhentismo/ Literatura de informação.
Quinhentismo/ Literatura de informação.
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
Quinhentismo.ppt
Quinhentismo.pptQuinhentismo.ppt
Quinhentismo.ppt
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
Trovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismoTrovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismo
 
Trovadorismo classicismo
Trovadorismo classicismoTrovadorismo classicismo
Trovadorismo classicismo
 
Apostila quinhentismo (1)
Apostila quinhentismo (1)Apostila quinhentismo (1)
Apostila quinhentismo (1)
 
LITERATURA BRASILEIRA QUINHENTISMO.pdf
LITERATURA BRASILEIRA QUINHENTISMO.pdfLITERATURA BRASILEIRA QUINHENTISMO.pdf
LITERATURA BRASILEIRA QUINHENTISMO.pdf
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
Apresentação i fcina_cronistas
Apresentação i fcina_cronistasApresentação i fcina_cronistas
Apresentação i fcina_cronistas
 

Quinhentismo

  • 1.
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9. José de Anchieta e Manuel da Nóbrega fundaram em 1554 um colégio no planalto de Piratininga que deu origem à cidade de São Paulo
  • 10. QUADRO ESQUEMÁTICO Quinhentismo 1500 Primeiros documentos sobre o Brasil Carta de Pero Vaz de Caminha 1601 Início da Era Barroca Prosopopéia de Bento Teixeira
  • 11. DENOMINAÇÕES Literatura de Informação Literatura dos Viajantes Literatura sobre o Brasil Quinhentismo
  • 12.
  • 13. Eram Cartas Diários Relatos O PERÍODO INFORMATIVO As Obras: Não eram literárias. Faltava-lhes o caráter inventivo. Tratados Quinhentismo
  • 14. Político-Econômica: Evidenciar o potencial de riqueza. O PERÍODO INFORMATIVO A Proposta: As obras marcam o interesse de Portugal nos empreendimentos ultramarinos. Contra-Reformista: Conversão dos indígenas. Quinhentismo
  • 15. O PERÍODO INFORMATIVO O Conteúdo: Estas obras limitam-se à informação, à coleta e dados sobre a nova terra: * o clima * o solo * a vegetação * o relevo * os índios Quinhentismo
  • 16. Objetividade O PERÍODO INFORMATIVO O Estilo: Era clássico, vigente em Portugal. Clareza Comedimento Quinhentismo
  • 17. No Romantismo: Revisitação do Brasil primordial, através da visão mítica do índio e da paisagem. O PERÍODO INFORMATIVO Reflexo em Períodos Posteriores No Modernismo: Movimentos de raízes, de buscas dos arquétipos culturais. Movimentos Pau Brasil Verde Amarelo Antropofágico Tropicalismo Quinhentismo
  • 18. Quinhentismo DECLARAÇÃO DE AMOR Eu vim do mar! sou filho de outra raça. Para servir meu rei andei à caça de mundos nunca vistos nem sonhados, por mares nunca de outrem navegados. Ora de braço dado com a procela, ora a brigar com ventos malcriados. Trago uma cruz de sangue em cada vela! Na crista da onda, em meio do escarcéu, na solidão azulada e redonda, quanta vez me afundei no inferno d’água ou com a cabeça fui bater no céu! Simples brinquedo em mãos da tempestade fabulosa ambição me trouxe aqui. A ambição pode mais do que a saudade... Ambas me foram ver, quando eu parti. A saudade abraçou-me, tão sincera, soluçando, no adeus do nunca-mais. A ambição de olhar verde, junto ao cais, me disse: vai que eu fico à tua espera! Cassiano Ricardo (em: “Martim Cererê”)
  • 19. Quinhentismo FADO TROPICAL (Chico Buarque & Ruy Guerra) Oh, musa do meu fado, Oh, minha mãe gentil, Te deixo consternado, No primeiro abril. Mas não sê tão ingrata, Não esquece quem te amou, E em tua densa mata Se perdeu e se encontrou. Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal, Ainda vai tornar-se um imenso Portugal. “Sabe, no fundo eu sou um sentimental. Todos nós herdamos no sangue lusitano uma boa dosagem de lirismo. Além da sífilis, é claro. Mesmo quando as minhas mãos estão ocupadas em torturar, esganar, trucidar, meu coração fecha os olhos e, sinceramente, chora.” Com avencas na caatinga, Alecrins no canavial, Licores na moringa, Um vinho tropical. E a linda mulata, Com rendas do Alentejo, De quem, numa bravata, Arrebato um beijo. Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal, Ainda vai tornar-se um imenso Portugal. “Meu coração tem um sereno jeito E as minhas mãos o golpe duro e presto. De tal maneira que, depois de feito, Desencontrado eu mesmo me contesto. Se trago as mãos distantes do meu peito, É que há distância entre intenção e gesto. E se meu coração nas mãos estreito, Me assombra a súbita impressão de incesto. Quando me encontro no calor da luta, Ostento a aguda empunhadura à proa, Mas o meu peito se desabotoa. E se a sentença se anuncia bruta, Mais que depressa a mão cega executa, Pois que senão o coração perdoa.” Guitarras e sanfonas, Jasmim, coqueiros, fontes, Sardinhas, mandioca, Num suave azulejo. O rio Amazonas, Que corre trás-os-montes E, numa pororoca, Deságua no Tejo. Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal, Ainda vai tornar-se um império colonial.
  • 20. Quinhentismo HISTÓRIA DO BRASIL (Pero Vaz Caminha) a descoberta Seguimos nosso caminho por este mar de longo Até à oitava da Páscoa Topamos aves E houvemos vista de terra os selvagens Mostraram-lhes uma galinha Quase haviam medo dela E não queriam pôr a mão E depois a tomaram como espantados primeiro chá Depois de dançarem Diogo Dias Fez o salto real as meninas da gare Eram três ou quatro moças bem moças e bem gentis Com cabelos mui pretos pelas espáduas E suas vergonhas tão altas e tão saradinhas Que de nós as muitos bem olharmos Não tínhamos nenhuma vergonha.
  • 21. Quinhentismo A terra mui graciosa, Tão fértil eu nunca vi. A gente vai passear, No chão espeta um caniço, No dia seguinte nasce Bengala de castão de oiro. Tem goiabas, melancias, Banana que nem chuchu. Quanto aos bichos, tem-nos muitos, De plumagens mui vistosas. Tem macaco até demais Diamantes tem à vontade Esmeraldas é para os trouxas. Reforçai, Senhor, a arca, Cruzados não faltarão, Vossa perna encanareis, Salvo o devido respeito. Ficarei muito saudoso Se for embora daqui. Murilo Mendes