SlideShare uma empresa Scribd logo
Contabilidade Pública
Contabilidade Patrimonial
Gestão Pública
UFPB
2014.1
MCASP
 Contabilidade Orçamentária e Financeira ;
 Contabilidade Patrimonial e Industrial.
http://www3.tesouro.fazenda.gov.br/contabilidade_governamental/manuais.asp
Contabilidade Aplicada ao
Setor Público
 É o ramo da ciência contábil que aplica, no
processo gerador de informações, os princípios
de contabilidade e as normas contábeis
direcionadas ao controle patrimonial das
entidades do setor público.
Objetivo
 Fornecer aos usuários informações sobre os
resultados alcançados e os aspectos de
natureza orçamentária, econômica, financeira e
física do patrimônio da entidade do setor
público, em apoio ao processo de tomada de
decisão, à adequada prestação de contas e
ao necessário suporte para a
instrumentalização do controle social.
Demonstrações
Contábeis
 Assumem papel fundamental, por
representarem importantes saídas de
informações geradas pela Contabilidade
Aplicada ao Setor Público,promovendo
transparência dos resultados orçamentário,
financeiro, econômico e patrimonial do setor
público.
De acordo com a Lei
nº 4.320/1964, art. 101
 Os resultados gerais do exercício serão
demonstrados:
 Balanço Orçamentário;
 Balanço Financeiro;
 Balanço Patrimonial;
 Demonstração das Variações Patrimoniais;
 Outros quadros demonstrativos
Procedimentos contábeis
patrimoniais: Visa
 Dar continuidade ao processo de reunião de conceitos,
regras e procedimentos relativos aos atos e fatos
patrimoniais e seu relacionamento com a
Contabilidade Aplicada ao Setor Público;
 À harmonização, por meio do estabelecimento de
padrões a serem observados pela Administração
Pública, no que se refere às variações patrimoniais
aumentativas e diminutivas, suas classificações,
destinações e registros, para permitir a evidenciação e
a consolidação das contas públicas nacionais.
Lei 4320/64, TÍTULO IX
 Art. 83. A contabilidade evidenciará perante a
Fazenda Pública a situação de todos
quantos, de qualquer modo, arrecadem
receitas, efetuem despesas, administrem ou
guardem bens a ela pertencentes ou
confiados.
Os serviços de contabilidade serão organizados
de forma a permitirem o acompanhamento (Art.
85)
 Da execução orçamentária;
 O conhecimento da composição patrimonial;
 A determinação dos custos dos serviços industriais;
 O levantamento dos Balanços Gerais;
 A análise e a interpretação dos resultados econômicos
e financeiros.
Campo de Aplicação
 É o estudo, interpretação,
identificação,mensuração, avaliação,registro,
controle e evidenciação de fenômenos
contábeis, decorrentes de variações
patrimoniais em:
Campo de Aplicação
 (a) entidades do setor público; e
 (b) ou de entidades que recebam, guardem,
movimentem, gerenciem ou apliquem
recursos públicos, na execução de suas
atividades, no tocante aos aspectos
contábeis da prestação de contas.
PATRIMÔNIO PÚBLICO
 É o conjunto de direitos e bens, tangíveis ou
intangíveis, onerados ou não, adquiridos,
formados, produzidos, recebidos, mantidos ou
utilizados pelas entidades do setor público, que
seja portador e represente um fluxo de
benefícios, presente ou futuro, inerente à
prestação de serviços públicos ou à exploração
econômica por entidades do setor público e
suas obrigações.
Entidade do Setor Público
 Órgãos, fundos e pessoas jurídicas de direito
público ou que, possuindo personalidade
jurídica de direito privado, recebam, guardem,
movimentem, gerenciem ou apliquem dinheiros,
bens e valores públicos, na execução de suas
atividades. Equiparam-se, para efeito contábil,
as pessoas físicas que recebam subvenção,
benefício, ou incentivo, fiscal ou creditício, de
órgão público.
Normas e Técnicas Próprias da
Contabilidade Aplicada ao Setor Público
 O conjunto das Normas Brasileiras de
Contabilidade Aplicadas ao Setor Público,
a) Seus conceitos;
b) Mensuração,
c) Registro; e
d) Divulgação de demonstrações contábeis.
Balanço
Orçamentário
Balanço
Orçamentário
 O Balanço Orçamentário, definido pela Lei
nº 4.320/1964, demonstra as receitas e
despesas previstas em confronto com as
realizadas.
Balanço
Orçamentário
 A estrutura, deve evidenciar as receitas e as
despesas orçamentárias por categoria
econômica, confrontar o orçamento inicial e
as suas alterações com a execução,
demonstrar o resultado orçamentário
Balanço
Orçamentário
 Discriminará:
(a) as receitas por fonte (espécie); e
(b) as despesas por grupo de natureza.
Receitas
 Devem ser detalhadas por:
a) Categoria econômica;
b) Origem; e
c) Espécie.
RECEITAS CORRENTES RECEITAS DE CAPITAL
1. Receita Tributária
2. Receita de Contribuições
3. Receita Patrimonial
4. Receita Agropecuária
5. Receita Industrial
6. Receita de Serviços
7. Transferências Correntes
9. Outras Receitas Correntes
1. Operações de Crédito
2. Alienação de Bens
3. Amortização de Empréstimos
4. Transferências de Capital
5. Outras Receitas de Capital
ORIGEM
Receitas
 Especificando:
a) A previsão inicial,
b) A previsão atualizada para o exercício,
c) A receita realizada; e
d) O saldo a realizar.
Despesas
 Devem ser demonstradas:
a) Por categoria econômica; e
b) Grupo de natureza da despesa.
Despesas
CATEGORIAS
ECONÔMICAS
GRUPO DE NATUREZA DA
DESPESA
Despesas Correntes Pessoal e encargos sociais,
Juros e encargos da dívida
Outras despesas correntes
Despesas de Capital Investimentos
Inversões financeiras
Amortização da dívida
Balanço
Orçamentário
 Discriminando:
a) a dotação inicial;
b) a dotação atualizada para o exercício;
c) as despesas empenhadas;
d) as despesas liquidadas;
e) as despesas pagas; e
f) o saldo da dotação.
Balanço
Orçamentário
No nível de detalhamento receitas
deverão ser informadas pelos valores líquidos
das respectivas deduções, tais como:
a) restituições,
b) descontos,
c) retificações,
d) deduções para o Fundeb; e
e) repartições de receita entre os entes da
Federação, quando registradas como
dedução
Balanço
Orçamentário(refinanciamento)
 Representa o valor da receita decorrente da
colocação de títulos públicos ou de
empréstimos, obtidos junto a entidades
estatais ou particulares internas ou
externas, destinadas ao refinanciamento da
dívida pública.
Balanço
Orçamentário(déficit)
 Representa a eventual diferença, a menor
entre as receitas realizadas e as despesas
empenhadas.
 Isso equivale à linha SUBTOTAL COM
REFINANCIAMENTO (III) das receitas,
menos a linha SUBTOTAL COM
REFINANCIAMENTO (VIII) das despesas.
Balanço
Orçamentário(superavit)
 Se as receitas realizadas forem superiores
às despesas empenhadas, essa diferença
será lançada na linha SUPERÁVIT (IX).
 Nesse caso, a linha DÉFICIT (IV) deverá
ser preenchida com um traço (-), indicando
valor inexistente ou nulo.
Balanço
Orçamentário (TOTAL (V)= (III + IV)
Tanto o superávit financeiro utilizado
quanto a reabertura de créditos adicionais
estão detalhados no campo SALDO DE
EXERCÍCIOS ANTERIORES.
Balanço
Orçamentário
Tanto o superávit financeiro utilizado
quanto a reabertura de créditos adicionais
estão detalhados no campo SALDO DE
EXERCÍCIOS ANTERIORES.
Notas
explicativas (recomendadas)
 esclarecimentos a respeito da utilização do
superávit financeiro e de reaberturas de
créditos especiais e extraordinários, bem
como suas influências no resultado
orçamentário, de forma a possibilitar a
correta interpretação das informações.
Restos
a pagar
 Os restos a pagar constituem compromissos
financeiros exigíveis que compõem a dívida
flutuante e podem ser caracterizados como
as despesas empenhadas, mas não pagas
até o dia 31 de dezembro de cada exercício
financeiro.
Restos
a pagar
 Restos a Pagar é um termo utilizado pela Lei
nº 4.320/64 para representar os valores
pendentes de pagamento oriundos da
emissão de empenhos, ou seja, os Restos a
Pagar têm origem no orçamento da despesa,
devendo esse termo ser utilizado apenas
para representar os valores da despesa
empenhada e não paga ao final do
exercício financeiro de emissão do
empenho.
Restos a Pagar
Processados (RPP)
 as despesas legalmente empenhadas cujo
objeto do empenho já foi recebido, ou seja,
aquelas cujo segundo estágio da despesa
(liquidação) já ocorreu, caracterizando-se
como os compromisso do Poder Público de
efetuar os pagamento aos fornecedores.
Restos a Pagar
não Processados (RPNP)
 as despesas legalmente empenhadas que
não foram liquidadas e nem pagas até 31
de dezembro do mesmo exercício, ou seja,
verifica que não ocorreu o recebimento de
bens e serviços no exercíciode emissão do
empenho.
Quadros
Demonstrativos
 De restos a pagar não processados;
 De restos a pagar processados.
Balanço
Financeiro
 O Balanço Financeiro demonstrará a
receita e a despesa orçamentárias bem
como os recebimentos e os pagamentos de
natureza extra-orçamentária, conjugados
com os saldos em espécies provenientes
do exercício anterior, e os que se
transferem para o exercício seguinte.
Balanço
Financeiro
 É um quadro com duas seções:
a) Ingressos (Receitas Orçamentárias e
Recebimentos Extra-orçamentários);
b) Dispêndios (Despesa Orçamentária e
Pagamentos Extraorçamentários)
Balanço
Financeiro
 Resultado financeiro do exercício:
A) Corresponde à diferença entre o somatório
dos ingressos orçamentários com os extra-
orçamentários e dos dispêndios
orçamentários e extraorçamentários.
Balanço
Financeiro
 O Balanço Financeiro evidencia a
movimentação financeira das entidades do
setor público no período a que se refere, e
discrimina:
(a) A receita orçamentária realizada por
destinação de recurso (destinação
vinculada e/ou destinação ordinária);
Balanço
Financeiro
(b) a despesa orçamentária executada por
destinação de recurso (destinação vinculada
e/ou destinação ordinária);
(c) os recebimentos e os pagamentos extra-
orçamentários;
(d) as transferências financeiras decorrentes, ou
não, da execução orçamentária; e
(e) o saldo inicial e o saldo final em espécie.
Balanço
Financeiro
 DESTINAÇÃO ORDINÁRIA:
É o processo de alocação livre entre a
origem e a aplicação de recursos, para
atender a quaisquer finalidades.
 DESTINAÇÃO VINCULADA:
É o processo de vinculação entre a
origem e a aplicação de recursos, em
atendimento às finalidades específicas
estabelecidas pela legislação.
Balanço
Financeiro
 TRANSFERÊNCIAS FINANCEIRAS RECEBIDAS:
Refletem as movimentações de recursos financeiros
entre órgãos e entidades da administração direta e
indireta.
 RECEBIMENTOS EXTRAORÇAMENTÁRIOS:
Nesse grupo são evidenciados os ingressos não previstos
no orçamento, que serão restituídos em época própria, por
decisão administrativa ou sentença judicial.
Balanço
Financeiro
 A análise e a verificação do Balanço
Financeiro têm como objetivo predominante
preparar os indicadores que servirão de
suporte para a avaliação da gestão
financeira.
Balanço
Financeiro
 Em geral, um resultado financeiro positivo
é um indicador de equilíbrio financeiro.
No entanto, é importante mencionar que
uma variação positiva na disponibilidade
do período não é
sinônimo,necessariamente, de bom
desempenho da gestão financeira, pois
pode acontecer, por exemplo, mediante
elevação do endividamento público.
Balanço
Financeiro
 A variação negativa na disponibilidade
do período não significa,
necessariamente, um mau desempenho,
pois pode refletir uma redução no
endividamento.
Balanço
Patrimonial
 De acordo com a Lei 4.320/64, art. 105,
no Balanço Patrimonial estarão
demonstrados os Ativos Financeiro e
Permanente, os Passivos Financeiro e
Permanente, o Saldo Patrimonial e as
Contas de Compensação.
Balanço
Patrimonial
 O Balanço Patrimonial é a demonstração
contábil que evidencia, qualitativa e
quantitativamente, a situação patrimonial da
entidade pública, por meio de contas
representativas do patrimônio público, além
das contas de compensação, conforme as
seguintes definições:
Balanço
Patrimonial
 O Balanço esta dividido em:
a) Ativo;
b) Passivo;
c) Patrimônio Líquido;
d) Contas de Compensação;
Balanço
Patrimonial
 a) Ativo - são recursos controlados pela
entidade como resultado de eventos passados
e dos quais se espera que resultem para a
entidade benefícios econômicos futuros ou
potencial de serviços.
 Tags: recursos controlados; eventos passados;
benefícios econômicos futuros
Balanço
Patrimonial
 Passivo - são obrigações presentes da
entidade, derivadas de eventos passados,
cujos pagamentos se esperam que resultem
para a entidade saídas de recursos
capazes de gerar benefícios econômicos ou
potencial de serviços.
 Tags: eventos passados; saídas de recursos;
capazes de gerar benefícios econômicos.
Balanço
Patrimonial
 Patrimônio Líquido - é o valor residual dos
ativos da entidade depois de deduzidos todos
seus passivos.
 d) Contas de Compensação - compreende
os atos que possam vir ou não a afetar
o patrimônio.
Balanço
Patrimonial
 A classificação dos elementos patrimoniais
considera a segregação em "circulante" e
"não circulante", com base em seus atributos
de conversibilidade e exigibilidade.
Balanço
Patrimonial
Balanço
Patrimonial
Balanço
Patrimonial
ativo grau decrescente conversibilidade;
passivo grau decrescente de exigibilidade;
Balanço
Patrimonial
realizáveis no
curso do
exercício social
subseqüente
Balanço
Patrimonial
 Ativo e Passivo Financeiros = independem de
autorização orçamentária para suas realizações.
 Ativo e Passivo Não Financeiros = dependem de
autorização orçamentária para suas realizações.
 Contas de Compensação = correspondem apenas
aos atos potenciais (contratos, convênios, garantias,
etc.)
Balanço
Patrimonial
 Ativo e Passivo Financeiros = independem de
autorização orçamentária para suas realizações.
 Ativo e Passivo Não Financeiros = dependem de
autorização orçamentária para suas realizações.
 Contas de Compensação = correspondem apenas
aos atos potenciais (contratos, convênios, garantias,
etc.)
Balanço
Patrimonial
 Ativo e Passivo Financeiros = independem de
autorização orçamentária para suas realizações.
 Ativo e Passivo Não Financeiros = dependem de
autorização orçamentária para suas realizações.
 Contas de Compensação = correspondem apenas
aos atos potenciais (contratos, convênios, garantias,
etc.)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Análise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações FinanceirasAnálise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações Financeiras
Milton Henrique do Couto Neto
 
Tesouraria
TesourariaTesouraria
Tesouraria
Danielvitor1010
 
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos BásicosContabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Diego Lopes
 
Historia da contabilidade
Historia da contabilidadeHistoria da contabilidade
Historia da contabilidade
Lara Alves
 
Plano de contas
Plano de contasPlano de contas
Plano de contas
Jesus Bandeira
 
Contabilidade geral conceitos
Contabilidade geral conceitosContabilidade geral conceitos
Contabilidade geral conceitos
apostilacontabil
 
Demonstrações contábeis e sua análise
Demonstrações contábeis e sua análiseDemonstrações contábeis e sua análise
Demonstrações contábeis e sua análise
smalheiros
 
Dre
DreDre
Prof Ricardo Bulgari - Slides Curso Contabilidade Pública PARTE 1
Prof Ricardo Bulgari - Slides Curso Contabilidade Pública PARTE 1Prof Ricardo Bulgari - Slides Curso Contabilidade Pública PARTE 1
Prof Ricardo Bulgari - Slides Curso Contabilidade Pública PARTE 1
Ricardo Bulgari
 
Despesas e receitas públicas
Despesas e receitas públicasDespesas e receitas públicas
Despesas e receitas públicas
rene-de-jesus
 
Análise das demonstrações
Análise das demonstraçõesAnálise das demonstrações
Análise das demonstrações
Marcelo Bretas Couto
 
Fluxo de Caixa: teoria e prática
Fluxo de Caixa: teoria e práticaFluxo de Caixa: teoria e prática
Fluxo de Caixa: teoria e prática
Elmano Cavalcanti
 
Práticas financeiras e contábeis - Aulas 9 e 10
Práticas financeiras e contábeis - Aulas 9 e 10Práticas financeiras e contábeis - Aulas 9 e 10
Práticas financeiras e contábeis - Aulas 9 e 10
Wandick Rocha de Aquino
 
Resumo Básico de Contabilidade Básica
Resumo Básico de Contabilidade BásicaResumo Básico de Contabilidade Básica
Resumo Básico de Contabilidade Básica
eadrede
 
Exercícios sobre balanço patrimonial
Exercícios sobre balanço patrimonialExercícios sobre balanço patrimonial
Exercícios sobre balanço patrimonial
capitulocontabil
 
Contabilidade conceitos básicos
Contabilidade   conceitos básicosContabilidade   conceitos básicos
Contabilidade conceitos básicos
Celso Frederico Lago
 
Caderno - Análise Financeira
Caderno - Análise FinanceiraCaderno - Análise Financeira
Caderno - Análise Financeira
Cadernos PPT
 
Gestão Estratégica de Contas a Pagar
Gestão Estratégica de Contas a PagarGestão Estratégica de Contas a Pagar
Gestão Estratégica de Contas a Pagar
StyllusConsultoria
 
Contabilidade básica resumão
Contabilidade básica resumãoContabilidade básica resumão
Contabilidade básica resumão
contacontabil
 
Ativo, passivo e patrimônio liquido
Ativo, passivo e patrimônio liquidoAtivo, passivo e patrimônio liquido
Ativo, passivo e patrimônio liquido
Home Office Oxe!
 

Mais procurados (20)

Análise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações FinanceirasAnálise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações Financeiras
 
Tesouraria
TesourariaTesouraria
Tesouraria
 
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos BásicosContabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
 
Historia da contabilidade
Historia da contabilidadeHistoria da contabilidade
Historia da contabilidade
 
Plano de contas
Plano de contasPlano de contas
Plano de contas
 
Contabilidade geral conceitos
Contabilidade geral conceitosContabilidade geral conceitos
Contabilidade geral conceitos
 
Demonstrações contábeis e sua análise
Demonstrações contábeis e sua análiseDemonstrações contábeis e sua análise
Demonstrações contábeis e sua análise
 
Dre
DreDre
Dre
 
Prof Ricardo Bulgari - Slides Curso Contabilidade Pública PARTE 1
Prof Ricardo Bulgari - Slides Curso Contabilidade Pública PARTE 1Prof Ricardo Bulgari - Slides Curso Contabilidade Pública PARTE 1
Prof Ricardo Bulgari - Slides Curso Contabilidade Pública PARTE 1
 
Despesas e receitas públicas
Despesas e receitas públicasDespesas e receitas públicas
Despesas e receitas públicas
 
Análise das demonstrações
Análise das demonstraçõesAnálise das demonstrações
Análise das demonstrações
 
Fluxo de Caixa: teoria e prática
Fluxo de Caixa: teoria e práticaFluxo de Caixa: teoria e prática
Fluxo de Caixa: teoria e prática
 
Práticas financeiras e contábeis - Aulas 9 e 10
Práticas financeiras e contábeis - Aulas 9 e 10Práticas financeiras e contábeis - Aulas 9 e 10
Práticas financeiras e contábeis - Aulas 9 e 10
 
Resumo Básico de Contabilidade Básica
Resumo Básico de Contabilidade BásicaResumo Básico de Contabilidade Básica
Resumo Básico de Contabilidade Básica
 
Exercícios sobre balanço patrimonial
Exercícios sobre balanço patrimonialExercícios sobre balanço patrimonial
Exercícios sobre balanço patrimonial
 
Contabilidade conceitos básicos
Contabilidade   conceitos básicosContabilidade   conceitos básicos
Contabilidade conceitos básicos
 
Caderno - Análise Financeira
Caderno - Análise FinanceiraCaderno - Análise Financeira
Caderno - Análise Financeira
 
Gestão Estratégica de Contas a Pagar
Gestão Estratégica de Contas a PagarGestão Estratégica de Contas a Pagar
Gestão Estratégica de Contas a Pagar
 
Contabilidade básica resumão
Contabilidade básica resumãoContabilidade básica resumão
Contabilidade básica resumão
 
Ativo, passivo e patrimônio liquido
Ativo, passivo e patrimônio liquidoAtivo, passivo e patrimônio liquido
Ativo, passivo e patrimônio liquido
 

Destaque

Orcamento e contabilidade publica
Orcamento e contabilidade publicaOrcamento e contabilidade publica
Orcamento e contabilidade publica
João Paulo Silvério
 
Prestação e tomada de contas
Prestação e tomada de contasPrestação e tomada de contas
Prestação e tomada de contas
Anna Beatriz
 
Contabilidade publica
Contabilidade publicaContabilidade publica
Contabilidade publica
zeramento contabil
 
Contabilidade publica
Contabilidade publicaContabilidade publica
Contabilidade publica
Suelen Rocha
 
Manual da Contabilidade Pública - IOB e-Store
Manual da Contabilidade Pública - IOB e-StoreManual da Contabilidade Pública - IOB e-Store
Manual da Contabilidade Pública - IOB e-Store
IOB News
 
CONTABILIDADE PÚBLICA PARA CONCURSOS DEBORA DE ARAUJO MARINHO
CONTABILIDADE PÚBLICA PARA CONCURSOS DEBORA DE ARAUJO MARINHOCONTABILIDADE PÚBLICA PARA CONCURSOS DEBORA DE ARAUJO MARINHO
CONTABILIDADE PÚBLICA PARA CONCURSOS DEBORA DE ARAUJO MARINHO
Helena Andrade
 
A nova Contabilidade Pública | inovaDay
A nova Contabilidade Pública | inovaDayA nova Contabilidade Pública | inovaDay
A nova Contabilidade Pública | inovaDay
Cetem
 
Contabilidade Pública
Contabilidade PúblicaContabilidade Pública
Contabilidade Pública
Biosfera MS
 
Contabilidade Aplicada ao Setor Público para Exame de Suficiência do CFC 2014...
Contabilidade Aplicada ao Setor Público para Exame de Suficiência do CFC 2014...Contabilidade Aplicada ao Setor Público para Exame de Suficiência do CFC 2014...
Contabilidade Aplicada ao Setor Público para Exame de Suficiência do CFC 2014...
Unichristus Centro Universitário
 
Apostila Execução Orcamentária e Financeira
Apostila Execução Orcamentária e FinanceiraApostila Execução Orcamentária e Financeira
Apostila Execução Orcamentária e Financeira
PSSTrindade
 
-1001-questoes-cespe-afo
-1001-questoes-cespe-afo-1001-questoes-cespe-afo
-1001-questoes-cespe-afo
Franciele Aragão
 
Apresentação Classificação de Documentos
Apresentação Classificação de DocumentosApresentação Classificação de Documentos
Apresentação Classificação de Documentos
Lusodata
 
Controladoria e Prestação de contas
Controladoria e Prestação de contasControladoria e Prestação de contas
Controladoria e Prestação de contas
Michel Freller
 
Monografia Utilizando Software como Serviço na Contabilidade
Monografia Utilizando Software como Serviço na ContabilidadeMonografia Utilizando Software como Serviço na Contabilidade
Monografia Utilizando Software como Serviço na Contabilidade
Marcelo Tavares
 
Como classificar e ordenar documentos de arquivo
Como classificar e ordenar documentos de arquivoComo classificar e ordenar documentos de arquivo
Como classificar e ordenar documentos de arquivo
Gisele Laura Haddad
 
Checklist pc despesa_normal_composição
Checklist pc despesa_normal_composiçãoChecklist pc despesa_normal_composição
Checklist pc despesa_normal_composição
Richardson Silva
 
Slide curso de contabilidade publica
Slide curso de contabilidade publicaSlide curso de contabilidade publica
Slide curso de contabilidade publica
Unichristus Centro Universitário
 
Prof Ricardo Bulgari - Slides do Curso de Contabilidade Pública - PARTE 2
Prof Ricardo Bulgari - Slides do Curso de Contabilidade Pública - PARTE 2Prof Ricardo Bulgari - Slides do Curso de Contabilidade Pública - PARTE 2
Prof Ricardo Bulgari - Slides do Curso de Contabilidade Pública - PARTE 2
Ricardo Bulgari
 
CASP Contabilidade Aplicada ao Setor Público
CASP Contabilidade Aplicada ao Setor PúblicoCASP Contabilidade Aplicada ao Setor Público
CASP Contabilidade Aplicada ao Setor Público
Gustavo Mattar
 
Contabilidade g publica
Contabilidade g publicaContabilidade g publica
Contabilidade g publica
simuladocontabil
 

Destaque (20)

Orcamento e contabilidade publica
Orcamento e contabilidade publicaOrcamento e contabilidade publica
Orcamento e contabilidade publica
 
Prestação e tomada de contas
Prestação e tomada de contasPrestação e tomada de contas
Prestação e tomada de contas
 
Contabilidade publica
Contabilidade publicaContabilidade publica
Contabilidade publica
 
Contabilidade publica
Contabilidade publicaContabilidade publica
Contabilidade publica
 
Manual da Contabilidade Pública - IOB e-Store
Manual da Contabilidade Pública - IOB e-StoreManual da Contabilidade Pública - IOB e-Store
Manual da Contabilidade Pública - IOB e-Store
 
CONTABILIDADE PÚBLICA PARA CONCURSOS DEBORA DE ARAUJO MARINHO
CONTABILIDADE PÚBLICA PARA CONCURSOS DEBORA DE ARAUJO MARINHOCONTABILIDADE PÚBLICA PARA CONCURSOS DEBORA DE ARAUJO MARINHO
CONTABILIDADE PÚBLICA PARA CONCURSOS DEBORA DE ARAUJO MARINHO
 
A nova Contabilidade Pública | inovaDay
A nova Contabilidade Pública | inovaDayA nova Contabilidade Pública | inovaDay
A nova Contabilidade Pública | inovaDay
 
Contabilidade Pública
Contabilidade PúblicaContabilidade Pública
Contabilidade Pública
 
Contabilidade Aplicada ao Setor Público para Exame de Suficiência do CFC 2014...
Contabilidade Aplicada ao Setor Público para Exame de Suficiência do CFC 2014...Contabilidade Aplicada ao Setor Público para Exame de Suficiência do CFC 2014...
Contabilidade Aplicada ao Setor Público para Exame de Suficiência do CFC 2014...
 
Apostila Execução Orcamentária e Financeira
Apostila Execução Orcamentária e FinanceiraApostila Execução Orcamentária e Financeira
Apostila Execução Orcamentária e Financeira
 
-1001-questoes-cespe-afo
-1001-questoes-cespe-afo-1001-questoes-cespe-afo
-1001-questoes-cespe-afo
 
Apresentação Classificação de Documentos
Apresentação Classificação de DocumentosApresentação Classificação de Documentos
Apresentação Classificação de Documentos
 
Controladoria e Prestação de contas
Controladoria e Prestação de contasControladoria e Prestação de contas
Controladoria e Prestação de contas
 
Monografia Utilizando Software como Serviço na Contabilidade
Monografia Utilizando Software como Serviço na ContabilidadeMonografia Utilizando Software como Serviço na Contabilidade
Monografia Utilizando Software como Serviço na Contabilidade
 
Como classificar e ordenar documentos de arquivo
Como classificar e ordenar documentos de arquivoComo classificar e ordenar documentos de arquivo
Como classificar e ordenar documentos de arquivo
 
Checklist pc despesa_normal_composição
Checklist pc despesa_normal_composiçãoChecklist pc despesa_normal_composição
Checklist pc despesa_normal_composição
 
Slide curso de contabilidade publica
Slide curso de contabilidade publicaSlide curso de contabilidade publica
Slide curso de contabilidade publica
 
Prof Ricardo Bulgari - Slides do Curso de Contabilidade Pública - PARTE 2
Prof Ricardo Bulgari - Slides do Curso de Contabilidade Pública - PARTE 2Prof Ricardo Bulgari - Slides do Curso de Contabilidade Pública - PARTE 2
Prof Ricardo Bulgari - Slides do Curso de Contabilidade Pública - PARTE 2
 
CASP Contabilidade Aplicada ao Setor Público
CASP Contabilidade Aplicada ao Setor PúblicoCASP Contabilidade Aplicada ao Setor Público
CASP Contabilidade Aplicada ao Setor Público
 
Contabilidade g publica
Contabilidade g publicaContabilidade g publica
Contabilidade g publica
 

Semelhante a Contabilidade pública - Demonstrações Contábeis

UNIDADE_IV_-_Demonstrações_Contábeis (1).pptx
UNIDADE_IV_-_Demonstrações_Contábeis (1).pptxUNIDADE_IV_-_Demonstrações_Contábeis (1).pptx
UNIDADE_IV_-_Demonstrações_Contábeis (1).pptx
PoloUab4
 
Apresentacao alderir zanatha contabilidade macae
Apresentacao alderir zanatha contabilidade macaeApresentacao alderir zanatha contabilidade macae
Apresentacao alderir zanatha contabilidade macae
aepremerj
 
3. cpc 26 r1 apresentação das demonstrações contábeis
3. cpc 26 r1 apresentação das demonstrações contábeis3. cpc 26 r1 apresentação das demonstrações contábeis
3. cpc 26 r1 apresentação das demonstrações contábeis
Profacp
 
Aps estrutura das demonstrações contábeis sebastiao
Aps   estrutura das demonstrações contábeis sebastiaoAps   estrutura das demonstrações contábeis sebastiao
Aps estrutura das demonstrações contábeis sebastiao
Sebastião Matos
 
Apresentacao sincasp-jp
Apresentacao sincasp-jpApresentacao sincasp-jp
Apresentacao sincasp-jp
Vereador Sandrinho
 
Demonstracões e balanços
Demonstracões e balançosDemonstracões e balanços
Demonstracões e balanços
ctidigital
 
A2 cco6 laboratorio_de_gestao_contabil_tema_1_impressao
A2 cco6 laboratorio_de_gestao_contabil_tema_1_impressaoA2 cco6 laboratorio_de_gestao_contabil_tema_1_impressao
A2 cco6 laboratorio_de_gestao_contabil_tema_1_impressao
Roberta Faria
 
Prova comentada de Contabilidade Contabilidade Aplicada ao Setor Público (CGM...
Prova comentada de Contabilidade Contabilidade Aplicada ao Setor Público (CGM...Prova comentada de Contabilidade Contabilidade Aplicada ao Setor Público (CGM...
Prova comentada de Contabilidade Contabilidade Aplicada ao Setor Público (CGM...
Estratégia Concursos
 
Apostila contabilidade tributaria
Apostila contabilidade tributariaApostila contabilidade tributaria
Apostila contabilidade tributaria
Francisco Aguiar
 
Contabilidade aplicada ao Setor Público I.ppt
Contabilidade aplicada ao Setor Público I.pptContabilidade aplicada ao Setor Público I.ppt
Contabilidade aplicada ao Setor Público I.ppt
Nilman Léda
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
Paulomenger
 
Apresentação Alderir Zanatha Contabilidade
Apresentação Alderir Zanatha ContabilidadeApresentação Alderir Zanatha Contabilidade
Apresentação Alderir Zanatha Contabilidade
aepremerj
 
Demonstrações obrigatorias de acordo com o tipo de tributação
Demonstrações obrigatorias de acordo com o tipo de tributaçãoDemonstrações obrigatorias de acordo com o tipo de tributação
Demonstrações obrigatorias de acordo com o tipo de tributação
Dejane Silva Santana Andrade
 
Aula i - ate-fiscal-ms-prof. onei f. savioli
Aula   i - ate-fiscal-ms-prof. onei f. savioliAula   i - ate-fiscal-ms-prof. onei f. savioli
Aula i - ate-fiscal-ms-prof. onei f. savioli
Neon Online
 
Resumo explicativo das normas brasileiras de contabilidade aplicadas ao setor...
Resumo explicativo das normas brasileiras de contabilidade aplicadas ao setor...Resumo explicativo das normas brasileiras de contabilidade aplicadas ao setor...
Resumo explicativo das normas brasileiras de contabilidade aplicadas ao setor...
Mauricio Dos Santos
 
Betha Sistemas - A contabilidade pública hoje e suas alterações a partir de 2...
Betha Sistemas - A contabilidade pública hoje e suas alterações a partir de 2...Betha Sistemas - A contabilidade pública hoje e suas alterações a partir de 2...
Betha Sistemas - A contabilidade pública hoje e suas alterações a partir de 2...
Betha Sistemas
 
Tozzi contabilidade abcr sp 30 set2013
Tozzi   contabilidade abcr sp 30 set2013Tozzi   contabilidade abcr sp 30 set2013
Tozzi contabilidade abcr sp 30 set2013
ABCR SP
 
Contabilidade
ContabilidadeContabilidade
Contabilidade
Geisiane16
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Apresentaocontabilidadepblica 101111061029-phpapp01
Apresentaocontabilidadepblica 101111061029-phpapp01Apresentaocontabilidadepblica 101111061029-phpapp01
Apresentaocontabilidadepblica 101111061029-phpapp01
Artemisia Ribeiro
 

Semelhante a Contabilidade pública - Demonstrações Contábeis (20)

UNIDADE_IV_-_Demonstrações_Contábeis (1).pptx
UNIDADE_IV_-_Demonstrações_Contábeis (1).pptxUNIDADE_IV_-_Demonstrações_Contábeis (1).pptx
UNIDADE_IV_-_Demonstrações_Contábeis (1).pptx
 
Apresentacao alderir zanatha contabilidade macae
Apresentacao alderir zanatha contabilidade macaeApresentacao alderir zanatha contabilidade macae
Apresentacao alderir zanatha contabilidade macae
 
3. cpc 26 r1 apresentação das demonstrações contábeis
3. cpc 26 r1 apresentação das demonstrações contábeis3. cpc 26 r1 apresentação das demonstrações contábeis
3. cpc 26 r1 apresentação das demonstrações contábeis
 
Aps estrutura das demonstrações contábeis sebastiao
Aps   estrutura das demonstrações contábeis sebastiaoAps   estrutura das demonstrações contábeis sebastiao
Aps estrutura das demonstrações contábeis sebastiao
 
Apresentacao sincasp-jp
Apresentacao sincasp-jpApresentacao sincasp-jp
Apresentacao sincasp-jp
 
Demonstracões e balanços
Demonstracões e balançosDemonstracões e balanços
Demonstracões e balanços
 
A2 cco6 laboratorio_de_gestao_contabil_tema_1_impressao
A2 cco6 laboratorio_de_gestao_contabil_tema_1_impressaoA2 cco6 laboratorio_de_gestao_contabil_tema_1_impressao
A2 cco6 laboratorio_de_gestao_contabil_tema_1_impressao
 
Prova comentada de Contabilidade Contabilidade Aplicada ao Setor Público (CGM...
Prova comentada de Contabilidade Contabilidade Aplicada ao Setor Público (CGM...Prova comentada de Contabilidade Contabilidade Aplicada ao Setor Público (CGM...
Prova comentada de Contabilidade Contabilidade Aplicada ao Setor Público (CGM...
 
Apostila contabilidade tributaria
Apostila contabilidade tributariaApostila contabilidade tributaria
Apostila contabilidade tributaria
 
Contabilidade aplicada ao Setor Público I.ppt
Contabilidade aplicada ao Setor Público I.pptContabilidade aplicada ao Setor Público I.ppt
Contabilidade aplicada ao Setor Público I.ppt
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
Apresentação Alderir Zanatha Contabilidade
Apresentação Alderir Zanatha ContabilidadeApresentação Alderir Zanatha Contabilidade
Apresentação Alderir Zanatha Contabilidade
 
Demonstrações obrigatorias de acordo com o tipo de tributação
Demonstrações obrigatorias de acordo com o tipo de tributaçãoDemonstrações obrigatorias de acordo com o tipo de tributação
Demonstrações obrigatorias de acordo com o tipo de tributação
 
Aula i - ate-fiscal-ms-prof. onei f. savioli
Aula   i - ate-fiscal-ms-prof. onei f. savioliAula   i - ate-fiscal-ms-prof. onei f. savioli
Aula i - ate-fiscal-ms-prof. onei f. savioli
 
Resumo explicativo das normas brasileiras de contabilidade aplicadas ao setor...
Resumo explicativo das normas brasileiras de contabilidade aplicadas ao setor...Resumo explicativo das normas brasileiras de contabilidade aplicadas ao setor...
Resumo explicativo das normas brasileiras de contabilidade aplicadas ao setor...
 
Betha Sistemas - A contabilidade pública hoje e suas alterações a partir de 2...
Betha Sistemas - A contabilidade pública hoje e suas alterações a partir de 2...Betha Sistemas - A contabilidade pública hoje e suas alterações a partir de 2...
Betha Sistemas - A contabilidade pública hoje e suas alterações a partir de 2...
 
Tozzi contabilidade abcr sp 30 set2013
Tozzi   contabilidade abcr sp 30 set2013Tozzi   contabilidade abcr sp 30 set2013
Tozzi contabilidade abcr sp 30 set2013
 
Contabilidade
ContabilidadeContabilidade
Contabilidade
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Apresentaocontabilidadepblica 101111061029-phpapp01
Apresentaocontabilidadepblica 101111061029-phpapp01Apresentaocontabilidadepblica 101111061029-phpapp01
Apresentaocontabilidadepblica 101111061029-phpapp01
 

Contabilidade pública - Demonstrações Contábeis

  • 2. MCASP  Contabilidade Orçamentária e Financeira ;  Contabilidade Patrimonial e Industrial. http://www3.tesouro.fazenda.gov.br/contabilidade_governamental/manuais.asp
  • 3. Contabilidade Aplicada ao Setor Público  É o ramo da ciência contábil que aplica, no processo gerador de informações, os princípios de contabilidade e as normas contábeis direcionadas ao controle patrimonial das entidades do setor público.
  • 4. Objetivo  Fornecer aos usuários informações sobre os resultados alcançados e os aspectos de natureza orçamentária, econômica, financeira e física do patrimônio da entidade do setor público, em apoio ao processo de tomada de decisão, à adequada prestação de contas e ao necessário suporte para a instrumentalização do controle social.
  • 5. Demonstrações Contábeis  Assumem papel fundamental, por representarem importantes saídas de informações geradas pela Contabilidade Aplicada ao Setor Público,promovendo transparência dos resultados orçamentário, financeiro, econômico e patrimonial do setor público.
  • 6. De acordo com a Lei nº 4.320/1964, art. 101  Os resultados gerais do exercício serão demonstrados:  Balanço Orçamentário;  Balanço Financeiro;  Balanço Patrimonial;  Demonstração das Variações Patrimoniais;  Outros quadros demonstrativos
  • 7. Procedimentos contábeis patrimoniais: Visa  Dar continuidade ao processo de reunião de conceitos, regras e procedimentos relativos aos atos e fatos patrimoniais e seu relacionamento com a Contabilidade Aplicada ao Setor Público;  À harmonização, por meio do estabelecimento de padrões a serem observados pela Administração Pública, no que se refere às variações patrimoniais aumentativas e diminutivas, suas classificações, destinações e registros, para permitir a evidenciação e a consolidação das contas públicas nacionais.
  • 8. Lei 4320/64, TÍTULO IX  Art. 83. A contabilidade evidenciará perante a Fazenda Pública a situação de todos quantos, de qualquer modo, arrecadem receitas, efetuem despesas, administrem ou guardem bens a ela pertencentes ou confiados.
  • 9. Os serviços de contabilidade serão organizados de forma a permitirem o acompanhamento (Art. 85)  Da execução orçamentária;  O conhecimento da composição patrimonial;  A determinação dos custos dos serviços industriais;  O levantamento dos Balanços Gerais;  A análise e a interpretação dos resultados econômicos e financeiros.
  • 10. Campo de Aplicação  É o estudo, interpretação, identificação,mensuração, avaliação,registro, controle e evidenciação de fenômenos contábeis, decorrentes de variações patrimoniais em:
  • 11. Campo de Aplicação  (a) entidades do setor público; e  (b) ou de entidades que recebam, guardem, movimentem, gerenciem ou apliquem recursos públicos, na execução de suas atividades, no tocante aos aspectos contábeis da prestação de contas.
  • 12. PATRIMÔNIO PÚBLICO  É o conjunto de direitos e bens, tangíveis ou intangíveis, onerados ou não, adquiridos, formados, produzidos, recebidos, mantidos ou utilizados pelas entidades do setor público, que seja portador e represente um fluxo de benefícios, presente ou futuro, inerente à prestação de serviços públicos ou à exploração econômica por entidades do setor público e suas obrigações.
  • 13. Entidade do Setor Público  Órgãos, fundos e pessoas jurídicas de direito público ou que, possuindo personalidade jurídica de direito privado, recebam, guardem, movimentem, gerenciem ou apliquem dinheiros, bens e valores públicos, na execução de suas atividades. Equiparam-se, para efeito contábil, as pessoas físicas que recebam subvenção, benefício, ou incentivo, fiscal ou creditício, de órgão público.
  • 14. Normas e Técnicas Próprias da Contabilidade Aplicada ao Setor Público  O conjunto das Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público, a) Seus conceitos; b) Mensuração, c) Registro; e d) Divulgação de demonstrações contábeis.
  • 16. Balanço Orçamentário  O Balanço Orçamentário, definido pela Lei nº 4.320/1964, demonstra as receitas e despesas previstas em confronto com as realizadas.
  • 17. Balanço Orçamentário  A estrutura, deve evidenciar as receitas e as despesas orçamentárias por categoria econômica, confrontar o orçamento inicial e as suas alterações com a execução, demonstrar o resultado orçamentário
  • 18. Balanço Orçamentário  Discriminará: (a) as receitas por fonte (espécie); e (b) as despesas por grupo de natureza.
  • 19. Receitas  Devem ser detalhadas por: a) Categoria econômica; b) Origem; e c) Espécie.
  • 20.
  • 21. RECEITAS CORRENTES RECEITAS DE CAPITAL 1. Receita Tributária 2. Receita de Contribuições 3. Receita Patrimonial 4. Receita Agropecuária 5. Receita Industrial 6. Receita de Serviços 7. Transferências Correntes 9. Outras Receitas Correntes 1. Operações de Crédito 2. Alienação de Bens 3. Amortização de Empréstimos 4. Transferências de Capital 5. Outras Receitas de Capital ORIGEM
  • 22. Receitas  Especificando: a) A previsão inicial, b) A previsão atualizada para o exercício, c) A receita realizada; e d) O saldo a realizar.
  • 23. Despesas  Devem ser demonstradas: a) Por categoria econômica; e b) Grupo de natureza da despesa.
  • 24. Despesas CATEGORIAS ECONÔMICAS GRUPO DE NATUREZA DA DESPESA Despesas Correntes Pessoal e encargos sociais, Juros e encargos da dívida Outras despesas correntes Despesas de Capital Investimentos Inversões financeiras Amortização da dívida
  • 25. Balanço Orçamentário  Discriminando: a) a dotação inicial; b) a dotação atualizada para o exercício; c) as despesas empenhadas; d) as despesas liquidadas; e) as despesas pagas; e f) o saldo da dotação.
  • 26. Balanço Orçamentário No nível de detalhamento receitas deverão ser informadas pelos valores líquidos das respectivas deduções, tais como: a) restituições, b) descontos, c) retificações, d) deduções para o Fundeb; e e) repartições de receita entre os entes da Federação, quando registradas como dedução
  • 27. Balanço Orçamentário(refinanciamento)  Representa o valor da receita decorrente da colocação de títulos públicos ou de empréstimos, obtidos junto a entidades estatais ou particulares internas ou externas, destinadas ao refinanciamento da dívida pública.
  • 28. Balanço Orçamentário(déficit)  Representa a eventual diferença, a menor entre as receitas realizadas e as despesas empenhadas.  Isso equivale à linha SUBTOTAL COM REFINANCIAMENTO (III) das receitas, menos a linha SUBTOTAL COM REFINANCIAMENTO (VIII) das despesas.
  • 29. Balanço Orçamentário(superavit)  Se as receitas realizadas forem superiores às despesas empenhadas, essa diferença será lançada na linha SUPERÁVIT (IX).  Nesse caso, a linha DÉFICIT (IV) deverá ser preenchida com um traço (-), indicando valor inexistente ou nulo.
  • 30. Balanço Orçamentário (TOTAL (V)= (III + IV) Tanto o superávit financeiro utilizado quanto a reabertura de créditos adicionais estão detalhados no campo SALDO DE EXERCÍCIOS ANTERIORES.
  • 31. Balanço Orçamentário Tanto o superávit financeiro utilizado quanto a reabertura de créditos adicionais estão detalhados no campo SALDO DE EXERCÍCIOS ANTERIORES.
  • 32. Notas explicativas (recomendadas)  esclarecimentos a respeito da utilização do superávit financeiro e de reaberturas de créditos especiais e extraordinários, bem como suas influências no resultado orçamentário, de forma a possibilitar a correta interpretação das informações.
  • 33. Restos a pagar  Os restos a pagar constituem compromissos financeiros exigíveis que compõem a dívida flutuante e podem ser caracterizados como as despesas empenhadas, mas não pagas até o dia 31 de dezembro de cada exercício financeiro.
  • 34. Restos a pagar  Restos a Pagar é um termo utilizado pela Lei nº 4.320/64 para representar os valores pendentes de pagamento oriundos da emissão de empenhos, ou seja, os Restos a Pagar têm origem no orçamento da despesa, devendo esse termo ser utilizado apenas para representar os valores da despesa empenhada e não paga ao final do exercício financeiro de emissão do empenho.
  • 35. Restos a Pagar Processados (RPP)  as despesas legalmente empenhadas cujo objeto do empenho já foi recebido, ou seja, aquelas cujo segundo estágio da despesa (liquidação) já ocorreu, caracterizando-se como os compromisso do Poder Público de efetuar os pagamento aos fornecedores.
  • 36. Restos a Pagar não Processados (RPNP)  as despesas legalmente empenhadas que não foram liquidadas e nem pagas até 31 de dezembro do mesmo exercício, ou seja, verifica que não ocorreu o recebimento de bens e serviços no exercíciode emissão do empenho.
  • 37. Quadros Demonstrativos  De restos a pagar não processados;  De restos a pagar processados.
  • 38. Balanço Financeiro  O Balanço Financeiro demonstrará a receita e a despesa orçamentárias bem como os recebimentos e os pagamentos de natureza extra-orçamentária, conjugados com os saldos em espécies provenientes do exercício anterior, e os que se transferem para o exercício seguinte.
  • 39. Balanço Financeiro  É um quadro com duas seções: a) Ingressos (Receitas Orçamentárias e Recebimentos Extra-orçamentários); b) Dispêndios (Despesa Orçamentária e Pagamentos Extraorçamentários)
  • 40. Balanço Financeiro  Resultado financeiro do exercício: A) Corresponde à diferença entre o somatório dos ingressos orçamentários com os extra- orçamentários e dos dispêndios orçamentários e extraorçamentários.
  • 41. Balanço Financeiro  O Balanço Financeiro evidencia a movimentação financeira das entidades do setor público no período a que se refere, e discrimina: (a) A receita orçamentária realizada por destinação de recurso (destinação vinculada e/ou destinação ordinária);
  • 42. Balanço Financeiro (b) a despesa orçamentária executada por destinação de recurso (destinação vinculada e/ou destinação ordinária); (c) os recebimentos e os pagamentos extra- orçamentários; (d) as transferências financeiras decorrentes, ou não, da execução orçamentária; e (e) o saldo inicial e o saldo final em espécie.
  • 43. Balanço Financeiro  DESTINAÇÃO ORDINÁRIA: É o processo de alocação livre entre a origem e a aplicação de recursos, para atender a quaisquer finalidades.  DESTINAÇÃO VINCULADA: É o processo de vinculação entre a origem e a aplicação de recursos, em atendimento às finalidades específicas estabelecidas pela legislação.
  • 44. Balanço Financeiro  TRANSFERÊNCIAS FINANCEIRAS RECEBIDAS: Refletem as movimentações de recursos financeiros entre órgãos e entidades da administração direta e indireta.  RECEBIMENTOS EXTRAORÇAMENTÁRIOS: Nesse grupo são evidenciados os ingressos não previstos no orçamento, que serão restituídos em época própria, por decisão administrativa ou sentença judicial.
  • 45. Balanço Financeiro  A análise e a verificação do Balanço Financeiro têm como objetivo predominante preparar os indicadores que servirão de suporte para a avaliação da gestão financeira.
  • 46. Balanço Financeiro  Em geral, um resultado financeiro positivo é um indicador de equilíbrio financeiro. No entanto, é importante mencionar que uma variação positiva na disponibilidade do período não é sinônimo,necessariamente, de bom desempenho da gestão financeira, pois pode acontecer, por exemplo, mediante elevação do endividamento público.
  • 47. Balanço Financeiro  A variação negativa na disponibilidade do período não significa, necessariamente, um mau desempenho, pois pode refletir uma redução no endividamento.
  • 48. Balanço Patrimonial  De acordo com a Lei 4.320/64, art. 105, no Balanço Patrimonial estarão demonstrados os Ativos Financeiro e Permanente, os Passivos Financeiro e Permanente, o Saldo Patrimonial e as Contas de Compensação.
  • 49. Balanço Patrimonial  O Balanço Patrimonial é a demonstração contábil que evidencia, qualitativa e quantitativamente, a situação patrimonial da entidade pública, por meio de contas representativas do patrimônio público, além das contas de compensação, conforme as seguintes definições:
  • 50. Balanço Patrimonial  O Balanço esta dividido em: a) Ativo; b) Passivo; c) Patrimônio Líquido; d) Contas de Compensação;
  • 51. Balanço Patrimonial  a) Ativo - são recursos controlados pela entidade como resultado de eventos passados e dos quais se espera que resultem para a entidade benefícios econômicos futuros ou potencial de serviços.  Tags: recursos controlados; eventos passados; benefícios econômicos futuros
  • 52. Balanço Patrimonial  Passivo - são obrigações presentes da entidade, derivadas de eventos passados, cujos pagamentos se esperam que resultem para a entidade saídas de recursos capazes de gerar benefícios econômicos ou potencial de serviços.  Tags: eventos passados; saídas de recursos; capazes de gerar benefícios econômicos.
  • 53. Balanço Patrimonial  Patrimônio Líquido - é o valor residual dos ativos da entidade depois de deduzidos todos seus passivos.  d) Contas de Compensação - compreende os atos que possam vir ou não a afetar o patrimônio.
  • 54. Balanço Patrimonial  A classificação dos elementos patrimoniais considera a segregação em "circulante" e "não circulante", com base em seus atributos de conversibilidade e exigibilidade.
  • 57. Balanço Patrimonial ativo grau decrescente conversibilidade; passivo grau decrescente de exigibilidade;
  • 59. Balanço Patrimonial  Ativo e Passivo Financeiros = independem de autorização orçamentária para suas realizações.  Ativo e Passivo Não Financeiros = dependem de autorização orçamentária para suas realizações.  Contas de Compensação = correspondem apenas aos atos potenciais (contratos, convênios, garantias, etc.)
  • 60. Balanço Patrimonial  Ativo e Passivo Financeiros = independem de autorização orçamentária para suas realizações.  Ativo e Passivo Não Financeiros = dependem de autorização orçamentária para suas realizações.  Contas de Compensação = correspondem apenas aos atos potenciais (contratos, convênios, garantias, etc.)
  • 61. Balanço Patrimonial  Ativo e Passivo Financeiros = independem de autorização orçamentária para suas realizações.  Ativo e Passivo Não Financeiros = dependem de autorização orçamentária para suas realizações.  Contas de Compensação = correspondem apenas aos atos potenciais (contratos, convênios, garantias, etc.)