SlideShare uma empresa Scribd logo
Fonte: Contabilidade Básica – José Carlos Marion
Prof. José Carlos Marion
                                                                              1
Cap I - A Contabilidade
Cap II - Patrimônio
Cap III - Demonstrações Financeiras
Cap IV - Balanço Patrimonial - Introdução
Cap V - Balanço Patrimonial – Grupo de Contas
Cap VI - Apuração do Resultado
Cap VII - Demonstração do Resultado do Exercício
Cap VIII - Plano de Contas

      Prof. José Carlos Marion
                                                   2
Cap IX - Fluxo de Caixa
Cap X - Movimentação de Estoques
Cap XI - Contabilidade por Balanços Sucessivos
Cap XII - Contabilização das Contas de Balanço
Cap XIII - Balancete de Verificação
Cap XIV - Contabilização das Contas de Resultado
Cap XV - Ativo Permanente e Depreciação


    Prof. José Carlos Marion
                                               3
Cap. I – A CONTABILIDADE


        A Origem da Contabilidade
        Conceito, Objeto e Finalidade
        Aplicação da Contabilidade
        Usuários da Contabilidade
        Para quem é mantida a Contabilidade
        O Profissional Contábil
        Pilares da Contabilidade


Prof. José Carlos Marion
                                               4
Cap. I – A CONTABILIDADE
         A ORIGEM DA CONTABILIDADE
- Origem em temos remotos;
- Começou a tomar corpo no século XIII na Itália;
- Século XV – Obra de Frei Luca Pacciolo;


         “Summa de Arithmetica, Geometria,
           Proportioni e Proporcionalita”

Tratado de matemática, com uma seção sobre registros
contábeis segundo o método das partilhas dobradas.

      Prof. José Carlos Marion
                                                    5
Cap. I – A CONTABILIDADE
          A ORIGEM DA CONTABILIDADE
- Nos séculos XVI e XVII, vários autores publicaram
  trabalhos em que descreviam o método de maneira
  similar ao apresentado por Luca Pacciolo;
- Ascensão da escola inglesa, fato que ocorreu a partir
  da revolução industrial sucedida na Inglaterra. No
  século XVIII.
- Os problemas ocorridos nos Estados Unidos durante a
crise econômica de 1929 a 1932 influíram de maneira
significativa no fortalecimento da contabilidade como
sistema de informações de negócios, provocando a as-
censão da escola norte-americana.
     Prof. José Carlos Marion
                                                   6
Cap. I – A CONTABILIDADE
             A ORIGEM DA CONTABILIDADE
  Diferenças entre a contabilidade atual e a da época
  de Luca Pacciolo:
- O sistema contábil anterior visava informar apenas o
  proprietário;
- No Séc. XVI, os ativos e passivos do proprietário e do
  negócio se confundiam;
- Não existia a idéia de período contábil nem a de conti-
  nuidade;
- Inexistia um denominador comum monetário.

     Prof. José Carlos Marion
                                                     7
Cap. I – A CONTABILIDADE
         A ORIGEM DA CONTABILIDADE

Envolvendo-se com a Contabilidade:
. O Primeiro Encontro com a Contabilidade
. O Leigo e a Contabilidade
. O Envolvimento com a Contabilidade
. Homens de negócio - Tomada de Decisões
. Linguagem Financeira de Negócios


 Prof. José Carlos Marion
                                            8
Cap. I – A CONTABILIDADE

                                 CONCEITO
- “É a ciência que estuda a formação e variação do
   Patrimônio”;
- “É a ciência que estuda, registra e controla o Patri-
   mônio das Entidades com fins lucrativos ou não”;
- “Instrumento de informações para a tomada de decisões
   dentro e fora da empresa”.

Obs: O Governo utiliza-se dela para arrecadar im-
postos e torná-la obrigatória para a maioria das empresas.

      Prof. José Carlos Marion
                                                     9
Cap. I – A CONTABILIDADE

                                 CONCEITO
 Todas as movimentações possíveis de mensuração
 monetária são registradas pela contabilidade, que,
 em seguida, resume os dados registrados em forma
 de relatórios (contábeis).


Uma empresa sem boa contabilidade é como um barco,
            em alto-mar, sem bússola.



      Prof. José Carlos Marion
                                                  10
Cap. I – A CONTABILIDADE

                     OBJETO E FINALIDADE


   O objeto da Contabilidade é o Patrimônio.

A finalidade da Contabilidade é a de controlar o
Patrimônio com o objetivo de fornecer informações
sobre a sua composição e suas variações.




    Prof. José Carlos Marion
                                               11
Cap. I – A CONTABILIDADE

         APLICAÇÃO DA CONTABILIDADE
 Contabilidade Geral       Contabilidade Financeira
Diversos ramos de atividade:
 Comercial                               Contabilidade Comercial
 Industrial                              Contabilidade Industrial
 Pública                                 Contabilidade Pública
 Bancária                                Contabilidade Bancária
 Hospitalar                              Contabilidade Hospitalar
 Agropecuária                            Contabilidade Agropecuária
 de Seguros                              Contabilidade Securitária.
                                  etc.
       Prof. José Carlos Marion
                                                                 12
Cap. I – A CONTABILIDADE
        Uma Empresa NÃO É um CORPO ISOLADO
  Conquistar Mercado                                 Ganhar Dinheiro
                                    AMBIENTE
                      Sociedade                Cultura


     Fornecedores                   EMPRESA              Clientes



                    Concorrentes               Governo


Exercer seu papel social         Integração entre as funções
                  ÚNICO DIRECIONAMENTO
         Prof. José Carlos Marion
                                                                    13
Cap. I – A CONTABILIDADE
               USUÁRIOS DA CONTABILIDADE
                                  Fornecedores
   Investidores                                       Bancos


Funcionários                                           Sindicato
                                   EMPRESA


  Concorrentes                                   Órgãos de Classe


                    Governo                  Outros

       Prof. José Carlos Marion
                                                               14
Cap. I – A CONTABILIDADE
           USUÁRIOS DA CONTABILIDADE

“CONSUMIDORES” de Relatórios Contábeis

Os usuários são as pessoas que se utilizam
da Contabilidade, que se interessam pela
situação da empresa e buscam na Contabi-
lidade as suas respostas.



   Prof. José Carlos Marion
                                             15
Cap. I – A CONTABILIDADE
   PARA QUEM É MANTIDA A CONTABILIDADE

  A Contabilidade pode ser feita para Pessoa Física ou
  Pessoa Jurídica. Considera-se pessoa, juridicamente
  falando, todo ser capaz de direitos e obrigações.


 PESSOA FÍSICA é a pessoa natural, é todo ser humano,
é todo indivíduo (sem qualquer exceção).




       Prof. José Carlos Marion
                                                    16
Cap. I – A CONTABILIDADE
    PARA QUEM É MANTIDA A CONTABILIDADE

 PESSOA JURÍDICA é a união de indivíduos que, através de
um contrato reconhecido por lei, formam uma nova pessoa,
com personalidade distinta da de seus membros. As pessoas
jurídicas pode ter fins lucrativos (empresas industriais, co-
merciais etc.) ou não (cooperativas, associações culturais,
religiosas etc.). Normalmente, as pessoas jurídicas deno-
minam-se empresas.
Entidade Contábil – Pessoa para quem é mantida a conta-
bilidade, podendo ser pessoa jurídica ou física.
         Prof. José Carlos Marion
                                                      17
Cap. I – A CONTABILIDADE

 A Contabilidade                       Conselho de
  nas Empresas                         Administração

                                         Presidente


     Comercial                           Manufatura          Adm. / Finanças


  Administração                        Tesoureiro         Controller

Gerência de
            Orçamento                Contas a    Contab.   Contab.     Depto.
 Crédito e
            de Capital                Pagar     de Custos Financeira   Fiscal
 Cobrança
          Prof. José Carlos Marion
                                                                        18
Cap. I – A CONTABILIDADE
                    O PROFISSIONAL CONTÁBIL
  Técnico de Contabilidade – Curso Contabilidade em
  nível 2º grau

  Contador ou Bacharel em Ciências Contábeis – Curso
  Superior (3º grau) de Contabilidade.

  Denominados : CONTABILISTAS

Responsáveis pela contabilidade das empresas, analistas
de balanços, pesquisadores contábeis, etc.
       Prof. José Carlos Marion
                                                    19
Cap. I – A CONTABILIDADE
                    O PROFISSIONAL CONTÁBIL
Atividades exclusivas do Contador:
Auditoria: Exame e verificação da exatidão dos proce-
dimentos contábeis.
Perícia contábil: investigação contábil de empresa mo-
tivada por uma questão judicial (solicitada pela justiça).
Professor de Contabilidade: o contador pode ser profes-
sor de curso técnico. Para ser professor de curso superior
exige-se pós-graduação.

       Prof. José Carlos Marion
                                                       20
Cap. I – A CONTABILIDADE
              PILARES DA CONTABILIDADE
          Regras básicas da Contabilidade
   - postulados, princípios e convenções contábeis.

Entidade contábil – Uma pessoa para quem é mantida
                    a contabilidade.

   Sócios e Empresa são pessoas distintas.
Não se deve confundir o dinheiro da empresa
         com o dinheiro dos sócios.
     Prof. José Carlos Marion
                                                  21
Cap. I – A CONTABILIDADE
                PILARES DA CONTABILIDADE
            Regras básicas da Contabilidade
     - postulados, princípios e convenções contábeis.

Continuidade – Refere-se a entidade que está funcionando
com prazo indeterminado; algo em andamento; não está
em fase de extinção ou liquidação.




       Prof. José Carlos Marion
                                                    22
Cap. I – A CONTABILIDADE


1 – Recomendações:
    - Exercícios referentes ao cap. 1
      do caderno de exercícios
    - Exercício Grupo: Tarefa 1.1
      pg. 28 do livro texto
    - Leitura: Livro Texto - Cap. 2
2 – Avaliação da Aula


Prof. José Carlos Marion
                                        23
Cap. II – PATRIMÔNIO



                     Conceito
                     Bens
                     Direitos
                     Obrigações
                     Patrimônio Líquido



Prof. José Carlos Marion
                                              24
Cap. II – PATRIMÔNIO

                               CONCEITO
Patrimônio (riqueza)
• Conjunto de bens pertencentes a uma pessoa ou a
  uma empresa  Bens.
• Valores a receber, Direitos a Receber Direitos
• Contas a pagar, dívidas  Obrigações

Patrimônio de uma Empresa ou de uma Pessoa
    Bens e Direitos                     Obrigações
     ( a Receber )                   ( a serem pagas )

    Prof. José Carlos Marion
                                                         25
Cap. II – PATRIMÔNIO
                                   BENS
São as coisas úteis, capazes de satisfazer às necessidades
das pessoas e das empresas.
Bens Tangíveis = Têm forma física, são palpáveis.
Ex.: Veículos, imóveis, estoques de mercadorias,
     dinheiro, móveis e utensílios, ferramentas, etc.)
Bens Intangíveis = Não são palpáveis, não constituídos
de matéria. Ex.: Marcas (Arisco, Coca-cola), patentes
de invenção (direito exclusivo de explorar uma invenção).

       Prof. José Carlos Marion
                                                         26
Cap. II – PATRIMÔNIO
                                 BENS
Pelo Código Civil:

Bens Imóveis = Vinculados ao solo. Não podem ser
retirados sem destruição ou dano: edifício, árvores,etc.

Bens móveis = Podem ser removidos por si próprios
ou por outras pessoas: animais (semoventes), máqui-
nas, equipamentos, estoques de mercadorias.


     Prof. José Carlos Marion
                                                    27
Cap. II – PATRIMÔNIO
                      BENS
                                                           Fonte: Marion, 1998:31
Ex.: A Cia. Goiana têm os seguintes bens:                      Em R$ mil
      BENS                        Tangíveis Intangíveis Móveis Imóveis
Edifícios                           180                            180
Móveis e utensílios                  90                   90
Veículos                            110                  110
Máquinas                            400                  400
Terrenos                            900                            900
Patentes                                        150      150
      TOTAL                       1.680         150     750      1.080
 TOTAL GERAL                            1.830                1.830
       Prof. José Carlos Marion
                                                                     28
Cap. II – PATRIMÔNIO

                                 DIREITOS
Poder de exigir alguma coisa. Ex.: valores a receber,
títulos receber, contas a receber, salários a receber.
                                                 Em R$ mil
 ITENS                                            Valores
 Bancos conta Movimento (depósito)                   680
 Duplicatas a Receber (vendas à prazo)             1.320
 Títulos a Receber (notas promissórias)              500
 Aluguéis a Receber                                  300
 TOTAL                                            2.800
                                            Fonte: Marion, 1998:32
      Prof. José Carlos Marion
                                                                     29
Cap. II – PATRIMÔNIO

            OBRIGAÇÕES
     Dívidas com outras pessoas.
Em Contabilidade  Obrigações Exigíveis
    Exemplo:
    • Empréstimos a pagar
    • Contas a pagar
    • Impostos a pagar
    • Salários a pagar
    • Duplicatas a pagar (compras a prazo)
      ou fornecedores

Prof. José Carlos Marion
                                              30
Cap. II – PATRIMÔNIO

                     OBRIGAÇÕES
                                                  Fonte: Marion, 1998:31
Ex.: Obrigações exigíveis da Cia. Goiana              Em R$ mil
OBRIGAÇÕES                                              Valores
Fornecedores (dívidas c/ fornec. de mercadorias)          800
Empréstimos bancários (a pagar)                           400
Salários a pagar                                          350
Encargos Sociais a pagar (FGTS, INSS)                     450
Impostos a Pagar (ou a recolher)                          900
Financiamentos (empréstimos a pagar a L.P.)             1.100
Contas a Pagar (Diversos)                                 500
TOTAL                                                   4.500
         Prof. José Carlos Marion
                                                              31
Cap. II – PATRIMÔNIO

    Representação gráfica do patrimônio
           BENS + DIREITOS       OBRIGAÇÕES EXIGÍVEIS
   Bens                         Obrigações
       Dinheiro                   Empréstimos a Pagar
       Mercadoria em Estoques     Salários a Pagar
       Veículos                   Fornecedores (Duplicatas a pagar)
       Imóveis                    Financiamentos
       Máquinas                   Impostos a Pagar
       Ferramentas                Encargos Sociais a Pagar
       Móveis e Utensílios        Aluguéis a Pagar
       Marcas e Patentes          Títulos a Pagar
   Direitos                       Promissórias a Pagar
       Depósitos em Bancos        Contas a Pagar
       Duplicatas a Receber
       Títulos a Receber
       Aluguéis a Receber
       Ações




Prof. José Carlos Marion
                                                                      32
Cap. II – PATRIMÔNIO
               PATRIMÔNIO LÍQUIDO
Ex.: Patrimônio da Cia. Goiana                                  Valores em $ mil

     BENS + DIREITOS                           OBRIGAÇÕES EXIGÍVEIS

Bens                                  1.830   Obrigações           4.500
Direitos                              2.800


   Bens + Direitos – Obrigações Exigíveis = Patrimônio Líquido

Patrimônio Líquido = $ ????                   O P.L. pode ser negativo ???
           Prof. José Carlos Marion
                                                                          33
Cap. II – PATRIMÔNIO
               PATRIMÔNIO LÍQUIDO
Ex.: Patrimônio da Cia. Goiana                                  Valores em $ mil

     BENS + DIREITOS                           OBRIGAÇÕES EXIGÍVEIS

Bens                                  1.830   Obrigações           4.500
Direitos                              2.800


   Bens + Direitos – Obrigações Exigíveis = Patrimônio Líquido

Patrimônio Líquido = $ 130                      O P.L. pode ser negativo
           Prof. José Carlos Marion
                                                                           34
Cap. II – PATRIMÔNIO
                           PATRIMÔNIO LÍQUIDO


Para se conhecer a riqueza líquida da empresa (ou pessoa):
somam-se os bens e os direitos e, desse total, subtraem-se
as obrigações; os resultado é a riqueza líquida, ou seja, a
parte que sobra do patrimônio para a pessoa ou empresa.
Ela é denominada patrimônio líquido ou situação líquida.




       Prof. José Carlos Marion
                                                     35
Cap. II – PATRIMÔNIO

  1 – Recomendações:
      - Exercícios referentes ao cap. 2
        do caderno de exercícios
      - Fazer o Levantamento do Patri-
         mônio Pessoal (Tarefa 2.1)
      -Exercício Grupo: Tarefa 2.3
        pg. 36 do livro texto
      - Leitura: Livro Texto - Cap. 3
  2 – Avaliação da Aula
Prof. José Carlos Marion
                                             36
Cap. III – Demonstrações Financeiras



    Conceito
    Principais Demonstrações Financeiras
    Períodos de Apresentação
    Requisitos para Publicação




Prof. José Carlos Marion
                                            37
Cap. III – Demonstrações Financeiras

                                   Demonstrações Financeiras (Contábeis)
        Dados                      (Obrigatórios pela legislação brasileira)
Dados Coletados
Coletados     Dados
           Coletados                                         Usuários



                                                     Relatórios
                                                      Relatórios
                                                      Relatórios
    Contabilizados                                   Contábeis

        Prof. José Carlos Marion
                                                                      38
Cap. III – Demonstrações Financeiras

 PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS


 Balanço Patrimonial (BP)
 Demonstração de Resultado do Exercício (DRE)
 Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPAc)

    Notas explicativas            Complementos das
    (Notas de rodapé)               demonstrações


       Prof. José Carlos Marion
                                                     39
Cap. III – Demonstrações Financeiras

            EMPRESAS  CARACTERÍSTICAS
 Tipos de                   Sociedades          Sociedades
 Empresa                  Anônimas (S.A)     Limitadas (Ltda.)
  Donos                                     Sócios ou Quotistas
                               Acionistas
                                             Pequeno número
  Capital           Ações                         Quotas
 Relatórios     Publicação:
                                               Publicação
 Contábeis D.O. e Jornal de grande
                                              não necessária
Obrigatórios  Circulação local
             Imposto de Renda               Imposto de Renda

        Prof. José Carlos Marion
                                                               40
Cap. III – Demonstrações Financeiras

             PERÍODO DE APRESENTAÇÃO

• Lei das S.A.s  ao fim do período de 12 meses
• Período  Chamado “Exercício Social ou Período Contábil”
• Exercício Social X Ano Civil  Imposto de Renda (31.12)
• Exercício Social  Definido pelos proprietários
• S.A.s de Capital Aberto e Fechado
• S.A.s de Capital Aberto (Ações em bolsa)  Publicação semestral
• Fins Gerenciais  relatórios (semanais, quinzenais, mensais...)



         Prof. José Carlos Marion
                                                            41
Cap. III – Demonstrações Financeiras

DADOS FUNDAMENTAIS PARA PUBLICAÇÃO


    • Denominação da Empresa
    • Título da demonstração (BP, DRE,....)
    • Data do exercício social
    • Valores do exercício referência e anterior
    • Moeda e representação (Mil, Milhões...)



   Prof. José Carlos Marion
                                                   42
Cap. III – Demonstrações Financeiras
                               Relatórios Contábeis Obrigatórios
          DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS                           Em $ milhares
Balanço Patrimonial                   Demonstrativo do Result. do Exercício
 Data ___/___/___                                Data ___/___/___
            lunas                                          oluna
                                                                    s
Em d uas co                                          uas c
                                                Em d
 Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados
                Data ___/___/___
                                            n   as
                                     s colu
                             E m dua
             Notas Explicativas: (notas de rodapé)
  Prof. José Carlos Marion
                                                                        43
Cap. III – Demonstrações Financeiras

                 Entregar na próxima aula
Tarefa 3.1.
Recortar de qualquer jornal demonstrações
financeiras de uma sociedade anônima que
contenham as três demonstrações citadas e
notas explicativas
Indicar com um círculo ou sublinhar os títulos
das demonstrações financeiras, as datas
(observar se foram publicadas em duas colunas)
e, se há no cabeçalho, a expressão
“em $ milhares” ou “em $ milhões”
Prof. José Carlos Marion
                                            44
Cap. III – Demonstrações Financeiras


 1 – Recomendações:
     - Exercícios referentes ao cap. 3
       do caderno de exercícios
     - Exercício Grupo: Tarefa 3.1
       pg. 44 do livro (slide anterior)
     - Leitura: Livro Texto - Cap. 4
 2 – Avaliação da Aula


Prof. José Carlos Marion
                                          45
Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL
                                  Uma Introdução


 Identificação
 Ativo
 Passivo
 Patrimônio Líquido
 O Termo “CAPITAL” em Contabilidade
 Origens X Aplicações
 Principal Origem de Recursos
 A expressão “Balanço Patrimonial”


   Prof. José Carlos Marion
                                                46
Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL
                                           Uma Introdução

                                      IDENTIFICAÇÃO

    - O mais importante relatório contábil.
    - Identifica-se com ele, a saúde financeira e econômica
    (no fim do ano ou qualquer data prefixada)

                                      Balanço Patrimonial
                              Ativo              Passivo e Patrimônio
                                                       Líquido


Obs.: A Lei das Sociedades por Ações apresenta apenas o termo passivo.

           Prof. José Carlos Marion
                                                                        47
Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL
                                    Uma Introdução

    IDENTIFICAÇÃO – Representação Gráfica
                    Balanço Patrimonial
                Ativo             Passivo e PL
Bens                         Obrigações
• Máquinas                     • Fornecedores
• Veículos                     • Salários a Pagar
• Estoque                      • Empréstimos Bancários
• Dinheiro                     • Impostos a Pagar
Direitos
• Títulos a receber            Patrimônio Líquido
• Depósitos em Bancos          • Capital
                                    • Subscrito
                                    • Integralizado



    Lado Esquerdo                         Lado direito
    Prof. José Carlos Marion
                                                         48
Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL
                                  Uma Introdução

                   ATIVO
• Conjunto de bens e direitos de propriedade da
  empresa. São itens positivos do patrimônio.
     (Proporcionam ganho para a empresa)
    Contas a Receber
    Estoque de Produtos Acabados
    Máquinas e Equipamentos
    Prédios próprios
• Como considerar outros ativos?
    Prédios alugados
    Arrendamento de veículos, equipamentos etc.
    Prof. José Carlos Marion
                                                49
Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL
                                        Uma Introdução

                                    PASSIVO
• Conjunto de obrigações exigíveis da empresa.
  Dívidas que serão reclamadas a partir da data do seu
  vencimento
 PASSIVO EXIGÍVEL (CAPITAL DE TERCEIROS)
    Recursos de Terceiros (dinheiro)
    Capital de Terceiros
                                             Evidencia o
    Fornecedores (de mercadorias)          Endividamento
    Funcionários (salários)                 da empresa.
    Governo (impostos)
    Bancos (empréstimos) etc.
         Prof. José Carlos Marion
                                                      50
Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL
                                         Uma Introdução

                   PATRIMÔNIO LÍQUIDO
  • Total de aplicações dos proprietários na empresa
    Os proprietários (sócios, acionistas) fornecem meios
    para o início do negócio. A quantia inicial  Capital

    PASSIVO NÃO EXIGÍVEL                      Social
     Recurso próprio ou Capital próprio
     Risco do capitalista
     Em caso de falência da empresa, o sócio perde o
    dinheiro investido (Investimento de risco)
Patrimônio Líquido = Ativo (bens + direitos) – Passivo Exigível (obrigações exigíveis)


           Prof. José Carlos Marion
                                                                               51
Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL
                                    Uma Introdução

           O Termo “CAPITAL” em Contabilidade
                  Capital = Recursos
 Capital de Terceiros =
                                  =   Passivo =
     Capital Alheio
                                      Obrigações
                   +
Capital próprio = Recursos
 (financeiros ou materiais)          Patrimônio
                                   =
dos proprietários (sócios             Líquido
ou acionistas).
=    Capital Total
      Prof. José Carlos Marion
                                                   52
Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL
                                              Uma Introdução

                  O Termo “CAPITAL” em Contabilidade
                  Balanço Patrimonial
              Ativo             Passivo e PL
Bens                                    Obrigações
• Máquinas                                                       Capital
• Veículos                              (Capital de Terceiros)
• Estoque                                                        Total
• Dinheiro
Direitos                                Patrimônio Líquido
• Títulos a receber
• Depósitos em Bancos                    (Capital Próprio)




             Prof. José Carlos Marion
                                                                  53
Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL
                                           Uma Introdução

               O Termo “CAPITAL” em Contabilidade

                 Capital = Capital Nominal =
                 Capital Social = Capital Registrado =
                 Capital Subscrito (comprometido)

                Capital a Realizar (a Integralizar) – A aportar –
                (Ainda não colocado a disposição da empresa).
Capital
 Social
                Capital Realizado (Integralizado) – Aportado –
                (Colocado a disposição da empresa).

          Prof. José Carlos Marion
                                                            54
Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL
                                    Uma Introdução

         O Termo “CAPITAL” em Contabilidade
Ex.: Subscrição e Integralização do CAPITAL em dinheiro
    no valor de R$ 200.000
                     Balanço Patrimonial
                 Ativo               Passivo
 Caixa                         200.000

                                                 PL
                                         Capital Social   200.000


 Total                         200.000 Total              200.000
    Prof. José Carlos Marion
                                                                    55
Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL
                                       Uma Introdução

         O Termo “CAPITAL” em Contabilidade
Ex.: Subscrição do CAPITAL no valor de R$ 200.000


                     Balanço Patrimonial
                 Ativo               Passivo


                                          PL
                                  Capital Social      200.000
                                  (-) Capital a integralizar
                                                  (-) 200.000
 Total                          0 Total                      0
    Prof. José Carlos Marion
                                                                 56
Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL
                                    Uma Introdução

         O Termo “CAPITAL” em Contabilidade
Ex.: Integralização do CAPITAL em dinheiro no valor
    de R$ 200.000
                     Balanço Patrimonial
                 Ativo               Passivo
 Caixa                         200.000

                                                 PL
                                         Capital Social   200.000


 Total                         200.000 Total              200.000
    Prof. José Carlos Marion
                                                                    57
Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL
                                    Uma Introdução

         O Termo “CAPITAL” em Contabilidade
Ex.: Subscrição do CAPITAL no valor de R$ 200.000, sendo
     integralizado no ato 20% em dinheiro
                     Balanço Patrimonial
                 Ativo               Passivo
 Caixa                         40.000

                                              PL
                                      Capital Social      200.000
                                      (-) Capital a integralizar
                                                      (-) 160.000
 Total                         40.000 Total                40.000
    Prof. José Carlos Marion
                                                                    58
Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL
                                        Uma Introdução

                    ORIGENS X APLICAÇÕES
Aplicações dos Recursos que                  Todos os Recursos entram
 teve origem (Passivo e PL)        =            pelo Passivo e PL.
                         Balanço Patrimonial
Aplicações                                          Origens
                     Ativo             Passivo e PL
     Bens                           Obrigações
     • Máquinas                     • Fornecedores
     • Veículos                     • Salários a Pagar
     • Estoque                      • Empréstimos Bancários
     • Dinheiro                     • Impostos a Pagar
     Direitos
     • Títulos a receber            Patrimônio Líquido
     • Depósitos em Bancos          • Capital
                                         • Subscrito
                                         • Integralizado

        Prof. José Carlos Marion
                                                                59
Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL
                                         Uma Introdução

                    ORIGENS X APLICAÇÕES
                                                              Proprietários (PL)
Caixa
                                                              Fornecedores
Estoque
                                                              Governo
Máquinas
                                                              Bancos
Imóveis etc.
                                                              Financeiras etc.


                        Balanço Patrimonial
                       Ativo              P e PL (origens)       $$$$$$$$
                                                                    $$$
                                                                     $
                                              De terceiros
             Aplicações            $$$$$$$$                  $$$$$$$$$
                                               e próprio




        Prof. José Carlos Marion
                                                                            60
Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL
                                          Uma Introdução

                 ATIVO                                  PASSIVO
 Circulante                                   Circulante
Disponível (Caixa e Bancos)           600    Fornecedores                         600
Duplicatas a Receber (Clientes)      1.700   Empréstimos a pagar                 1200
Estoques                               700   Contas a Pagar                       800
                   Total             3.000                    Total             2.600

Realiz. L.P.                                  Exig. L.P.
Títulos a Receber                    1.000   Empréstimos a Pagar                1.000
                      Total          1.000                    Total             1.000

Permanente                                    Patrim. Líquido
Investimentos                          600   Capital Social                     2.000
Imobilizado                          1.000   Reservas                             100
Diferido                              400    Lucro do Exercício           300
                      Total          2.000                        Total         2.400

TOTAL DO ATIVO                       6.000   TOTAL DO PASSIVO                   6.000

          Prof. José Carlos Marion
                                                                                  61
Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL
                              Uma Introdução
   Aplicações:                 Fontes:
   . Giro       $ 4.000        . Terceiros $ 3.600
           ATIVO                     PASSIVO
   . Permanente $ 2.000        . Próprias  $ 2.400
 Circulante                                   Circulante
Disponível (Caixa e Bancos)           600    Fornecedores                         600
Duplicatas a Receber (Clientes)      1.700   Empréstimos a pagar                 1200
Estoques                               700   Contas a Pagar                       800
                   Total             3.000                    Total             2.600

Realiz. L.P.                                  Exig. L.P.
Títulos a Receber                    1.000   Empréstimos a Pagar                1.000
                      Total          1.000                    Total             1.000

Permanente                                    Patrim. Líquido
Investimentos                          600   Capital Social                     2.000
Imobilizado                          1.000   Reservas                             100
Diferido                               400   Lucro do Exercício           300
                      Total          2.000                        Total         2.400

TOTAL DO ATIVO                       6.000   TOTAL DO PASSIVO                   6.000

          Prof. José Carlos Marion
                                                                                  62
Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL
                                  Uma Introdução

PRINCIPAL ORIGEM DE RECURSOS
             A quem pertence o Lucro?


    Lucro é a remuneração ao capital
       investido na empresa pelos
              proprietários.


    Logo, pertence aos proprietários !


Prof. José Carlos Marion
                                               63
Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL
                                 Uma Introdução

Explicação da Expressão “Balança Comercial”

    Equilíbrio: ATIVO = PASSIVO + PL




                     Ativo      Passivo e PL




              ORIGENS = APLICAÇÕES
Prof. José Carlos Marion
                                               64
Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL
                                     Uma Introdução

                     Entregar na próxima aula


                    Tarefa 4.1.
  Recortar um Balanço Patrimonial de um banco
e indicar com um círculo (ou sublinhar) os grupos
       Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido
                  desse balanço.




    Prof. José Carlos Marion
                                                    65
Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL
                                 Uma Introdução



 1 – Recomendações:
     - Exercícios referentes ao cap. 4
       do caderno de exercícios
     - Exercício Grupo: Tarefa 4.1
       pg. 53 do livro (slide anterior)
     - Leitura: Livro Texto - Cap. 5
 2 – Avaliação da Aula


Prof. José Carlos Marion
                                              66
Cap. V – BALANÇO PATRIMONIAL
                                 Grupo de Contas




      Conceito e Objetivo
      Conceito de Prazos na Contabilidade
      Ativos
      Passivos
      Deduções do Ativo e PL




Prof. José Carlos Marion
                                               67
Cap. V – BALANÇO PATRIMONIAL
                                         Grupo de Contas

               ATIVO                            PASSIVO
Circulante                             Circulante
 Valores disponíveis e                   Obrigações com terceiros
 conversíveis dentro do período          que vencem no período.
                                         Exigível obrigatório
Realiz. L.P.                           Exig. L.P.
                                         Obrigações com terceiros
 Valores conversíveis além do
                                         que se vencem além do
 período
                                         período. Exigível obrigatório
Permanente                             Patrim. Líquido
 Investimentos de caracter               Recursos dos Proprietários
 permanente ou que beneficiam            ou Sócios da Empresa
                                         Exigível NÃO obrigatório
 exercícios futuros



        Prof. José Carlos Marion
                                                                    68
Cap. V – BALANÇO PATRIMONIAL
                                            Grupo de Contas

         CONCEITO DE CURTO E LONGO PRAZOS
        • Curto Prazo  até um ano (conceito geral)
        • Longo Prazo  Período acima de um ano
   31.12.X0                           31.12.X1

                      X1                         X2

           Curto Prazo                           Longo Prazo

  Término do
Exercício social


           Prof. José Carlos Marion
                                                               69
Cap. V – BALANÇO PATRIMONIAL
                                      Grupo de Contas

     CONCEITO DE CURTO E LONGO PRAZOS
    • Curto Prazo  até um ano (conceito geral)
    • Longo Prazo  Período acima de um ano
31.12.X0                          31.12.X1

                  X1                         X2

      Curto Prazo                            Longo Prazo




       Prof. José Carlos Marion
                                                           70
Cap. V – BALANÇO PATRIMONIAL
                                       Grupo de Contas

     CONCEITO DE CURTO E LONGO PRAZOS
    • Curto Prazo  até um ano (conceito geral)
    • Longo Prazo  Período acima de um ano
31.12.X0                          31.12.X1

                  X1                         X2            X3

      Curto Prazo                            Longo Prazo


         Curto Prazo
      Ciclo Operacional
                                                  Longo Prazo
       Prof. José Carlos Marion
                                                                71
Cap. V – BALANÇO PATRIMONIAL
                                        Grupo de Contas

                                  ATIVO
ATIVO CIRCULANTE
Grupo que gera dinheiro para a empresa pagar suas
contas a curto prazo.
ATIVO REALIZÁVEL A LONGO PRAZO
Compreende itens que serão realizados em dinheiro a
longo prazo (período superior a um ano), ou de acordo
com o ciclo operacional da atividade predominante.
Os empréstimos que a empresa faz a diretores e a coli-
gadas também são classificados neste grupo.
       Prof. José Carlos Marion
                                                      72
Cap. V – BALANÇO PATRIMONIAL
                                       Grupo de Contas

                                 ATIVO

ATIVO PERMANENTE
- Itens que dificilmente se transformarão em dinheiro
     Investimentos: não ligados à atividade-fim da
    empresa. Ex: Ações Outras Cias., Terrenos
     Imobilizado: totalmente correlacionado com a
    atividade-fim. Ex: Prédios, Veículos, Máquinas.
     Diferido: Gastos pré-operacionais. Ex. Abertura
    da Firma, reestruturação da empresa etc.


      Prof. José Carlos Marion
                                                     73
Cap. V – BALANÇO PATRIMONIAL
                                        Grupo de Contas

                                   PASSIVO
PASSIVO CIRCULANTE
• Obrigações com terceiros a serem pagas no Curto Prazo
EXIGÍVEL A LONGO PRAZO
• Obrigações com terceiros a serem pagas no Longo Prazo
PATRIMÔNIO LÍQUIDO
• Total de recursos investido pelos proprietários. Normal-
mente compostos de capital e lucros retidos (parte do lucro
não distribuído aos donos mas reinvestido na empresa.


        Prof. José Carlos Marion
                                                      74
Cap. V – BALANÇO PATRIMONIAL
                                                Grupo de Contas

                 ATIVO                                      PASSIVO
 Circulante                                       Circulante
Disponível (Caixa e Bancos)               600    Fornecedores                         600
Duplicatas a Receber (Clientes)          1.700   Empréstimos a pagar                 1200
Estoques                                   700   Contas a Pagar                       800
                   Total                 3.000                    Total             2.600

Realiz. L.P.                                      Exig. L.P.
Títulos a Receber                         500
Empréstimos a Coligada                    500    Empréstimos a Pagar                1.000
                  Total                  1.000                    Total             1.000
Permanente                                        Patrim. Líquido
Investimentos                              600   Capital Social                     2.000
Imobilizado                              1.000   Reservas                             100
Diferido                                   400   Lucro do Exercício           300
                      Total              2.000                        Total         2.400

TOTAL DO ATIVO                           6.000   TOTAL DO PASSIVO                   6.000

          Prof. José Carlos Marion
                                                                                      75
Cap. V – BALANÇO PATRIMONIAL
                                        Grupo de Contas

PRINCIPAIS DEDUÇÕES
DO ATIVO E PATR. LÍQUIDO
  ATIVO CIRCULANTE
   Provisão para Devedores Duvidosos (PDD)
  Parcela estimada pela empresa que não será
  recebida, em decorrência de maus pagadores.
  Deverá ser subtraída de Duplicatas a receber (%
   Aceito pelo Imposto de Renda.).
  Duplicatas Descontadas - Parte das duplicatas a
  receber negociadas com as inst. financeiras
  (realização antecipada). Deverá ser subtraída de
  Duplicatas a Receber.
       Prof. José Carlos Marion
                                                      76
Cap. V – BALANÇO PATRIMONIAL
                                       Grupo de Contas

PRINCIPAIS DEDUÇÕES
DO ATIVO E PATR. LÍQUIDO
 ATIVO PERMANENTE
 Depreciação Acumulada - Perda da capacidade do
 imobilizado de produzir eficientemente. Obtém-se o valor
 líquido (bruto – depreciação acumulada) que deverá
 aproximar-se do seu valor em termos potenciais.
 Amortização Acumulada -É calculada sobre os bens
 intangíveis que representam retorno sobre seu valor de
 aquisição.
 Exaustão Acumulada – É calculada sobre a exploração de
 recursos minerais e florestais.

      Prof. José Carlos Marion
                                                            77
Cap. V – BALANÇO PATRIMONIAL
                                      Grupo de Contas

PRINCIPAIS DEDUÇÕES
DO ATIVO E PATR. LÍQUIDO

  PATRIMÔNIO LÍQUIDO
  Prejuízo
  Da mesma forma que a conta Lucros é acrescida
  ao PL, a conta prejuízos reduz o PL.




     Prof. José Carlos Marion
                                                    78
Cap. V – BALANÇO PATRIMONIAL
                                 Grupo de Contas

                   Ativo                         Passivo e Patrimônio Líquido
                           31/12/x7   31/12/x6                             31/12/x7   31/12/x6


Circulante                                        Circulante
   Disponível            ______       ______      _______________          ______     ______
   Duplicatas a Receber ______        ______      _______________          ______     ______
   (-) Prov. Dev. Duvud.   (-)          (-)       _______________          ______     ______
   (-) Dupl. Descontadas   (-)          (-)       _______________          ______     ______
   Estoque               ______       ______      _______________          ______     ______


Realizável L. P.           ______     ______      Exigível L. P.           ______     ______


Permanente                 ______     ______      P. Líquido
  Investimentos            ______     ______         Capital               ______     ______
  Imobilizado                                        Lucros Acumul.        ______     ______
  -Prédios                 ______     ______         (-) Prejuízo Exerc.     (-)        (-)
  -Veículos                ______     ______      _________________        ______     ______
  -Móveis Utens.           ______     ______      _________________        ______     ______
  -Maqs. Equip.            ______     ______      _________________        ______     ______
  (-) Deprec. Ac.            (-)        (-)       _________________        ______     ______
  Diferido                 ______     ______      _________________        ______     ______


Prof. José Carlos Marion
                                                                                                 79
Cap. V – BALANÇO PATRIMONIAL
                                           Grupo de Contas

                       Ativo                                  Passivo e Patrimônio Líquido
Circulante                                              Circulante
Compreende contas que estão constantemente em giro -    Compreende obrigações exigíveis que serão liquidadas no
em movimento, sua conversão em dinheiro ocorrerá, no    próximo exercício social: nos próximos 365 dias após o
máximo, até o próximo exercício social.                 levantamento do balanço.

Realizável a Longo Prazo                                Exigível a Longo Prazo
Incluem-se nessa conta bens e direitos que se           Relacionam-se nessa conta obrigações exigíveis que serão
transformarão em dinheiro após o exercício seguinte.    liquidadas com prazo superior a um ano - dívidas a longo
                                                        prazo.
Permanente
São bens e direitos que não se destinam a venda e têm   Patrimônio Líquido
vida útil longa, no caso de bens.                       São recursos dos proprietários aplicados na empresa. Os
 Investimento                                          recursos significam o capital mais o seu rendimento - lucros
   São as aplicações de caráter permanente que geram    e reservas. Se houver prejuízo, o total dos investimentos
   rendimentos não necessários à manutenção da          proprietários será reduzido.
   atividade principal da empresa.

 Imobilizado                                           Observação: há outras contas pertencentes ao balanço
  Abarca itens de natureza permanente que serão         patrimonial que serão tratadas em momento oportuno.
  utilizados para a manutenção da atividade básica da
  empresa.

 Diferido
  São aplicações que beneficiarão resultados de
  exercícios futuros.

          Prof. José Carlos Marion
                                                                                                              80
Cap. V – BALANÇO PATRIMONIAL
                                 Grupo de Contas



 1 – Recomendações:
     - Exercícios referentes ao cap. 5
       do caderno de exercícios
     - Exercício Grupo: Tarefa 5.1
       pg. 66 do livro texto
     - Leitura: Livro Texto - Cap. 6
 2 – Avaliação da Aula


Prof. José Carlos Marion
                                               81
Cap. VI – Apuração do Resultado e
                                    Regimes de Contabilidade




       Apuração do Resultado
       Conceito de Receita e Despesa
       Regime de Competência
       Regime de Caixa
       Balanço Patrimonial X DRE
        e Regime de Competência
       Diferença entre Despesa e Custo



Prof. José Carlos Marion
                                                          82
Cap. VI – Apuração do Resultado e
                                         Regimes de Contabilidade

          APURAÇÃO DO RESULTADO
Características:
• Apuração realizada à cada exercício social
• Resumo ordenado das Receitas e Despesas do
  período, i.e,
      Confronto entre Receitas e Despesas
         Receitas > Despesas  Lucro
         Receitas < Despesas  Prejuízo

A apuração é realizada de forma destacada na DRE.

     Prof. José Carlos Marion
                                                              83
Cap. VI – Apuração do Resultado e
                                          Regimes de Contabilidade

                    RECEITAS E DESPESAS
                          Conceito
Receitas:
• Vendas de Produtos, Mercadorias ou Serviços
    A vista  entrada de dinheiro em Caixa
    A prazo  entrada de direitos a receber
• Aumentam o Ativo
• Nem todo aumento de Ativo significa Receita
    Empréstimos
    Financiamentos
    Compras a prazo
    ....
      Prof. José Carlos Marion
                                                               84
Cap. VI – Apuração do Resultado e
                                          Regimes de Contabilidade

                    RECEITAS E DESPESAS
                          Conceito
Despesas:
• Todo sacrifício, esforço para obter Receita
    Matéria Prima; Mão de Obra;
    Consumo de bens (Depreciação);
    Serviços
• Podem ocorrer à vista ou a prazo
    A vista  saída de dinheiro do Caixa
    A prazo  aumento das Obrigações


      Prof. José Carlos Marion
                                                               85
Cap. VI – Apuração do Resultado e
                                          Regimes de Contabilidade

            RECEITAS E DESPESAS
                    Conceito
Outras considerações:
• Caixa
    Entrada de dinheiro  Encaixe
    Saída de dinheiro  Desencaixe
• Perdas
    Variações anormais, inesperadas ou involuntárias
   no ativo
    Incêndio, roubo, inundações ......


      Prof. José Carlos Marion
                                                                86
Cap. VI – Apuração do Resultado e
                                                Regimes de Contabilidade

                          RECEITAS E DESPESAS

  OPERAÇÕES                               A PRAZO                À VISTA

                                       + Dupl. A Receber     + Caixa (Encaixe)
Receita 
                                             Ativo                 Ativo


                                       + Contas a Pagar    (-) Caixa (desembolso)
Despesa 
                                           Passivo                   Ativo


D.R.E.                                        BALANÇO PATRIMONIAL



            Prof. José Carlos Marion
                                                                             87
Cap. VI – Apuração do Resultado e
                                     Regimes de Contabilidade

REGIMES DE APURAÇÃO DO RESULTADO


               • COMPETÊNCIA

               • CAIXA



 Prof. José Carlos Marion
                                                          88
Cap. VI – Apuração do Resultado e
                                            Regimes de Contabilidade

      REGIMES DE APURAÇÃO DO RESULTADO
              COMPETÊNCIA
• Regime universalmente adotado
• Critério aceito e recomendado pelo Imposto de Renda
• Receitas
    Contabilizada no período em foi gerada (à vista ou a prazo)
• Despesas
    Contabilizada no período em que foi consumida,
     independente do pagamento ter sido, ou não, realizado


        Prof. José Carlos Marion
                                                                  89
Cap. VI – Apuração do Resultado e
                                              Regimes de Contabilidade

        REGIMES DE APURAÇÃO DO RESULTADO
                 COMPETÊNCIA
D.R.E  Lucro apurado observando-se as incorrências do período


  Toda despesa gerada no período (mesmo que ainda não
  tenha sido paga) será subtraída do total da receita, tam-
  bém gerada no mesmo período (mesmo que ainda não
  tenha sido recebida).


          Prof. José Carlos Marion
                                                                    90
Cap. VI – Apuração do Resultado e
                                              Regimes de Contabilidade

        REGIMES DE APURAÇÃO DO RESULTADO
                 COMPETÊNCIA
D.R.E  Lucro apurado observando-se as incorrências do período



       Apuração do                             Regime de competência:
       resultado em                        Toda a receita ganha em 20X1
           20X1                            Toda a despesa incorrida em 20X1



          Prof. José Carlos Marion
                                                                        91
Cap. VI – Apuração do Resultado e
                                              Regimes de Contabilidade

        REGIMES DE APURAÇÃO DO RESULTADO
                     CAIXA
• Aplicação restrita (entidades sem fins lucrativos)
• Receitas
    Contabilizada no momento do recebimento do dinheiro;
• Despesas
    Contabilizada no momento do pagamento;
• D.R.E  Lucro apurado = Receitas Recebidas X Despesas Pagas


          Prof. José Carlos Marion                         Fonte: Marion   92
Cap. VI – Apuração do Resultado e
                                        Regimes de Contabilidade

   REGIMES DE APURAÇÃO DO RESULTADO
    Exemplo de Regime de Caixa e Competência
               (Comparativo)

A Cia. Goiana vendeu em X1 $ 20.000 e só recebeu
$ 12.000 (o restante receberá no futuro); teve como
despesa incorrida $ 16.000 e pagou até o último dia
do ano $ 10.000.




    Prof. José Carlos Marion                          Fonte: Marion   93
Cap. VI – Apuração do Resultado e
                                               Regimes de Contabilidade

      REGIMES DE APURAÇÃO DO RESULTADO
       Exemplo de Regime de Caixa e Competência
      D.R.E.                           COMPETÊNCIA           CAIXA

Receitas                                    20.000            12.000



Despesas                                   (16.000)          (13.000)



Resultado                                   4.000             (1.000)


           Prof. José Carlos Marion
                                                                        94
Cap. VI – Apuração do Resultado e
                                         Regimes de Contabilidade

       BALANÇO PATRIMONIAL X D.R.E
           e Regime de Competência
                                                             Contas
                                                          Patrimoniais
-Valores contábeis (Contas)  ou BP ou DRE
                                                           Contas de
-BP: Ativo                                                 Resultado
    Itens que trazem benefícios para a empresa
    Quando gastos transformam-se em despesas
       Material de escritório
       Seguros a vencer
     Prof. José Carlos Marion
                                                                95
Cap. VI – Apuração do Resultado e
                                             Regimes de Contabilidade

           BALANÇO PATRIMONIAL X D.R.E
               e Regime de Competência
                 Material de escritório *
  - Lançados no Ativo.
  - São bens que trarão benefícios no futuro.
  - A medida que consumidos, serão baixados do Ativo e
  contabilizados como despesa.
  - O restante (não consumido) ficaria no Ativo Circulante
    como Despesa do Exercício Seguinte.
* Dependendo do volume, a empresa considera como gasto imediato

         Prof. José Carlos Marion
                                                                   96
Cap. VI – Apuração do Resultado e
                                            Regimes de Contabilidade

          BALANÇO PATRIMONIAL X D.R.E
                   e Regime de Competência
                      Seguros a vencer
- Em geral, é feito por um ano.
- Se o seu período fosse de 01/01 a 31/12 (coincidisse com
o exer. social), todo gasto com seguro seria contabilizado
como despesa, pois nada se aproveitaria para o ano seguinte.
- Na pratica, se o período for (Ex.) 01-07-X1 a 30-06-X2,
dessa quantia será considerada como despesa em 31-12-X1
apenas o referente a 6 meses, o restante será considerado
Ativo Circulante, pois é um pagamento que beneficiará o
ano seguinte (Despesa do Exercício Seguinte).
        Prof. José Carlos Marion
                                                                  97
Cap. VI – Apuração do Resultado e
                                      Regimes de Contabilidade

    BALANÇO PATRIMONIAL X D.R.E
        e Regime de Competência
            Seguros a vencer
           Balanço Patrimonial
       Ativo                 Passivo
Circulante
 Disponível
 Duplicatas a Receber
 Estoques
 Despesas do Exerc. Seguinte
compreendem itens que trarão
benefícios à empresa, mas serão
utilizados (consumidos) no pró-
ximo ano, tornando-se despesas.
  Prof. José Carlos Marion
                                                            98
Cap. VI – Apuração do Resultado e
                                            Regimes de Contabilidade

        BALANÇO PATRIMONIAL X D.R.E
             e Regime de Competência
    Exemplo:

Admita-se que a Cia. Desconfiada faça um seguro por um
ano, em 30-9-X1, pagando $ 18.000 (prêmio de seguro) e,
nesta data, adquira $ 10.000 de material de escritório. Em
31-12-X1 constata-se que havia em estoques apenas $ 2.000
de material de escritório. Como fica o Balanço Patrimonial
 em 31-12-X1 ?


        Prof. José Carlos Marion
                                                                  99
Cap. VI – Apuração do Resultado e
                                              Regimes de Contabilidade

        BALANÇO PATRIMONIAL X D.R.E
               e Regime de Competência
 Exemplo: (Solução)
                      Companhia Desconfiada             em $ mil
           Balanço Patrimonial       31-12-X1
          Ativo              Passivo
Circulante
 .__________         xxxxx
 .__________         xxxxx                                         * Poderia ser
 . Desp. Exer. Seg.                                                classificado
    - Seguros       13.500                                         como estoque
    - Mat. de escr.* 2.000                                         de consumo.

          Prof. José Carlos Marion
                                                                         100
Cap. VI – Apuração do Resultado e
                                          Regimes de Contabilidade

       BALANÇO PATRIMONIAL X D.R.E
              e Regime de Competência
Exemplo: (Solução)
               Companhia Desconfiada Em $ mil
                                   DRE       X1
                Receita                    -------
                (-) Despesa                -------
                ________ ...               -------
                Seguros                     4.500
                Material Escritório         8.000
                ________ ...               -------

                Lucro / Prejuizo           -------
      Prof. José Carlos Marion
                                                               101
Cap. VI – Apuração do Resultado e
                                              Regimes de Contabilidade

                        OUTROS AJUSTES
               (com relação ao regime de competência)

Ao final do exercício social – Para apurar o Lucro do Período

   • Devedores duvidosos:
      Perdas estimadas, referentes ao período em questão
   • Depreciação:
      Gastos relativos ao uso de bens do Ativo Imobilizado
      Taxas fixadas pelo Imposto de Renda


          Prof. José Carlos Marion
                                                                   102
Cap. VI – Apuração do Resultado e
                                          Regimes de Contabilidade

             EFEITO DO LUCRO NO BALANÇO
Lucro apurado                    Pertence ao proprietário
  Prejuízo                       Deve assumi-lo

               Parte do Lucro pode ser reinvestido (lucros
               retidos/acumulados). Entra no Balanço via
               PL (origem) sendo aplicada no Ativo.

               A parte do lucro distribuída aos proprietários
                        é denominada dividendos
      Prof. José Carlos Marion
                                                               103
Cap. VI – Apuração do Resultado e
                                               Regimes de Contabilidade

                  EFEITO DO LUCRO NO BALANÇO
                           Exemplo
 Uma Empresa tem $ 900 de capital aplicado no caixa. Durante o ano
 tem uma receita de $ 800 a vista, por prestação de serviços e uma
 despesa de $ 500. Apure-se o lucro e observe os efeitos no balanço,
 sabendo-se que não houve distribuição de dividendos.
Balanço Patrimonial (após a apuração do Lucro)             DRE (Apuração
         ATIVO               PASSIVO E PL                  do Lucro)
Circulante Início Final P. Líquido Início Final            Receita
Caixa      900 1.200 Capital        900    900             a vista     $ 800
-                       Lucros Ac. -       300             (-) Despesas $ 500
Total       900 1.200 Total         900 1.200              Lucro        $ 300

           Prof. José Carlos Marion
                                                                      104
Cap. VI – Apuração do Resultado e
                                    Regimes de Contabilidade

DIFERENÇA ENTRE DESPESA E CUSTO




                  CUSTO                    DESPESA


Prof. José Carlos Marion
                                                         105
Cap. VI – Apuração do Resultado e
                                            Regimes de Contabilidade

         DIFERENÇA ENTRE DESPESA E CUSTO
•Atividades empresariais:
   Indústria Ex.: Custo = Gastos na fábrica,
                 Despesa = Gastos no Escritório
   Comércio Ex.: Custo = Mercadoria a ser revendida
                 Despesa = Gastos na Indústria
   Serviços Ex.: Custo = Mão-de-obra aplicada
                 Despesa = Gastos na Administração
    Áreas dentro da Empresa:
   Comercial
   Industrial
   Administrativa
        Prof. José Carlos Marion
                                                                 106
Cap. VI – Apuração do Resultado e
                                     Regimes de Contabilidade

  DIFERENÇA ENTRE DESPESA E CUSTO
Custos
• Indústria:
    Gastos de industrialização do produto
• Comércio:
    Gastos relativos às mercadorias p/ revenda
• Serviços:
    Gastos na execução dos serviços
Despesas
• Despesas:
    Gastos no escritório

 Prof. José Carlos Marion
                                                          107
Cap. VI – Apuração do Resultado e
                                    Regimes de Contabilidade

DIFERENÇA ENTRE DESPESA E CUSTO
              Custos  Despesas
                                    Produção    Comercial e
  Conta                                        Administração
   Pessoal                            X            X
   Matéria Prima                      X
   Mercadoria                         X
   Embalagem                          X
   Manutenção                         X            X
   Aluguel                            X            X
   Marketing                                       X
   Comissão de Vendas                              X
   Fretes de entrega                               X
   Limpeza                            X            X
   ....
Prof. José Carlos Marion
                                                               108
Cap. VI – Apuração do Resultado e
                                            Regimes de Contabilidade


Tarefa 6:
Montar tabelas (planilhas) relacionando os tipos de gastos (custos
e despesas) apropriáveis as atividades empresariais abaixo:


                            Atividades empresariais:
                             Indústria: Automóvel
                             Comércio: Supermercado
                             Serviços: Escola



        Prof. José Carlos Marion
                                                                  109
Cap. VI – Apuração do Resultado e
                                    Regimes de Contabilidade



1 – Recomendações:
    - Exercícios referentes ao cap. 6
      do caderno de exercícios
    - Exercício Grupo: slide anterior
    - Leitura: Livro Texto - Cap. 7
2 – Avaliação da Aula



Prof. José Carlos Marion
                                                         110
Cap. VII – Demonstração do Resultado
                             do Exercício (D.R.E.)



         Demonstração Dedutiva
         A Receita Bruta e suas Deduções
         Apuração do Lucro Bruto
         Custos das Vendas
         Lucro Operacional
         O Lucro e o Imposto de Renda
         O Lucro Líquido e sua destinação



Prof. José Carlos Marion
                                                 111
Cap. VII – Demonstração do Resultado
                                        do Exercício (D.R.E.)

                 ATIVO                                  PASSIVO
 Circulante                                   Circulante
Disponível (Caixa e Bancos)           600    Fornecedores                         600
Duplicatas a Receber (Clientes)      1.700   Empréstimos a pagar                 1200
Estoques                               700   Contas a Pagar                       800
                   Total             3.000                    Total             2.600

Realiz. L.P.                                  Exig. L.P.
Títulos a Receber                     500
Empréstimos a Coligada                500    Empréstimos a Pagar                1.000
                  Total              1.000                    Total             1.000
Permanente                                    Patrim. Líquido
Investimentos                          600   Capital Social                     2.000
Imobilizado                          1.000   Reservas                             100
Diferido                               400   Lucro do Exercício           300
                      Total          2.000                        Total         2.400

TOTAL DO ATIVO                       6.000   TOTAL DO PASSIVO                   6.000

          Prof. José Carlos Marion
                                                                                 112
Cap. VII – Demonstração do Resultado
                                   do Exercício (D.R.E.)

               DEMONSTRAÇÃO DEDUTIVA


    Receitas
(-) Despesas                             Sentido Vertical
   -------------------                      (dedutivo)
  Lucro ou Prejuízo




     Prof. José Carlos Marion
                                                       113
Cap. VII – Demonstração do Resultado
                                        do Exercício (D.R.E.)


                      Empresas
      Micros e Pequenas      Médias e Grandes
          DRE (simples)                       DRE (completa)
    Receitas                                         Receitas
                                      V   V    (-)   Deduções
(-) Despesas          .               E   E
    Lucro ou Prejuízo                 R   R    (-)   Custos
                                      T   T    (-)   Despesas
                                      I   I
                                      C   C    (-)    .................
                                      A   A          ..........................
                                      L   L          Lucro ou Prejuízo

           Prof. José Carlos Marion
                                                                       114
Cap. VII – Demonstração do Resultado
                                  do Exercício (D.R.E.)

D.R.E. e suas Contas
                Receitas Bruta
            (-) Deduções da Receita
             = Receita Líquida
            (-) Custos das Vendas
             = Lucro Bruto
            (-) Despesas Operacionais
             = Lucro Operacional
            (-) Despesas não Operacionais
             + Receitas não Operacionais
             = Lucro Antes do Imposto de Renda (LAIR)
            (-) Provisão para Imposto de Renda
             = Lucro Depois do Imposto de Renda
    Prof. José Carlos Marion
                                                      115
Cap. VII – Demonstração do Resultado
                                   do Exercício (D.R.E.)

D.R.E. e suas Contas
                Receitas Bruta
            (-) Deduções da Receita
             = Receita Líquida
            (-) Custos das Vendas
             = Lucro Bruto A Receita Bruta representa a
                                 somatória dos valores
            (-) Despesas Operacionais
             = Lucro Operacional Notas Fiscais emitidas
                               das
            (-) Despesas não Operacionais
             + Receitas não Operacionais
             = Lucro Antes do Imposto de Renda (LAIR)
            (-) Provisão para Imposto de Renda
             = Lucro Depois do Imposto de Renda
     Prof. José Carlos Marion
                                                       116
Cap. VII – Demonstração do Resultado
                                  do Exercício (D.R.E.)

D.R.E. e suas Contas
                Receitas Bruta
            (-) Deduções da Receita
                                 Impostos e Taxas s/ Vendas
             = Receita Líquida . IPI
            (-) Custos das Vendas ICMS
                                 .         O fato gerador é
                                 . ISS
             = Lucro Bruto       . PIS         a Receita
            (-) Despesas Operacionais
                                 . COFINS
             = Lucro OperacionalDevoluções (vendas canceladas)
                                 Abatimentos (descontos)
            (-) Despesas não Operacionais
             + Receitas não Operacionais
             = Lucro Antes do Imposto de Renda (LAIR)
            (-) Provisão para Imposto de Renda
             = Lucro Depois do Imposto de Renda
     Prof. José Carlos Marion
                                                       117
Cap. VII – Demonstração do Resultado
                                           do Exercício (D.R.E.)

    D.R.E. e suas Contas
    Admita-se que a Cia. Balanceada, indústria, tenha emitido uma
nota fiscal de venda cujo preço do produto seja de $ 10.000 mais
30% de IPI. O ICMS está incluso no preço do produto:
   Nota Fiscal___ ______ Cia. Balanceada               DRE - Cia. Balanceada
   ____________ ______ R.......................
   ____________ _____ S/P - São Paulo             Receita Bruta                $ 13.000
                                                  (-) Deduções IPI            $ (3.000)
   Preço do Produto                     10.000
   + IPI (30%)                           3.000             ICMS               $ (1.800)
   Preço Total                          13.000    Receita Líquida              $ 8.200

   ICMS incluso no Preço 18% x
   $ 10.000        =          $ 1.800
   ____________           _____________


             Prof. José Carlos Marion
                                                                                  118
Cap. VII – Demonstração do Resultado
                                         do Exercício (D.R.E.)

       D.R.E. e suas Contas
                               Receitas Bruta
                     Despesas Operacionais
                  Custos(-) Deduçõesrepresentam os gastos de
                            das Vendas da Receita
       “produção”VendasReceitaaos produtos ou serviços vendidos.
                     . apropriados Líquida
                            =
                     . Administrativasdas Vendas
                           (-) Custos
                            = Lucro Bruto
                     . Financeiras

Despesas Financeiras Operacionais Financeiras
                           (-) Despesas     Receitas
                            = Lucro Operacional
. Juros incorridos (pagos ou não)           . Aplicações financeiras
                Despesas Operacionais sãoJurosgastos incorridos
. Juros de mora pagos
                                                os de mora recebido
                           (-) Despesas não .Operacionais
. Descontos para: vender, Receitas não e .financiar as operações.
             concedidos + administrar Operacionais
                                              Descontos obtidos
. Comissões bancárias       = Lucro Antes do Imposto de Renda (LAIR)
                                            . .......
. Correção monetária sobre empréstimos foremImposto de Renda
      Se as Receitas (-) Provisão para maiores que as Despesas
                           Financeiras
   Financeiras, o saldo Lucro Depois do de DespesasRenda
. CPMF                      = reduzirá a conta Imposto de Operacionais
. .......   Prof. José Carlos Marion
                                                                  119
Cap. VII – Demonstração do Resultado
                                  do Exercício (D.R.E.)

D.R.E. e suas Contas
                  Receitas Bruta
              (-) Deduções da Receita
               = Receita Líquida
              (-) Custos das Vendas
    Despesas e= Lucro Bruto
                Receitas não Operacionais são variações
  registradas (-) Despesasque não fazem parte do objeto
               na D.R.E., Operacionais
               = Lucro Operacional
                     Social da Empresa
              (-) Despesas não Operacionais
               + Receitas não Operacionais
 Ganhos ou Perdas ocorridos com Imposto de Renda (LAIR)
               = Lucro Antes do venda de Permanentes:
              (-) Provisão para Imposto de Renda
 • venda de ações (com lucro ou prejuízo);
               = Lucro Depois do Imposto de Renda
 • venda de imobilizados (com lucro ou prejuízo
     Prof. José Carlos Marion
                                                      120
Cap. VII – Demonstração do Resultado
                                 do Exercício (D.R.E.)

D.R.E. e suas Contas
                Receitas Bruta
            (-) Lucro Depois do I.R.
                Deduções da Receita
            (-) Doações e Contribuições
             = Receita Líquida
                  (-) Participações
            (-) Custos das Vendas
             = Lucro BrutoLÍQUIDO
                 = LUCRO       
            (-) Despesas Operacionais
                    RETENÇÕES
             = Lucro Operacional
                    DIVIDENDOS
            (-) Despesas não Operacionais
             + Receitas não Operacionais
        É a sobra líquida à disposição dos
             = Lucro Antes do Imposto de Renda (LAIR)
             proprietários da empresa.
            (-) Provisão para Imposto de Renda
             = Lucro Depois do Imposto de Renda
    Prof. José Carlos Marion
                                                     121
Cap. VII – Demonstração do Resultado
                                     do Exercício (D.R.E.)

            Como Apurar o Lucro Depois do IR.
O exerc. social em que é gerado lucro (ano X) denomina-se
“ano base”. O exercício em que se paga o IRPJ (ano X+1)
denomina-se “exerc. financeiro”. Pelo regime de compe-
tência considera-se o IRPJ no período em que foi gerado
(ano base). Portanto calcula-se (provisão) o valor do IRPJ
a pagar e deduz-se tal quantia do “Lucro Antes do Imposto
de Renda”. Pela Legislação do IRPJ, a base de cálculo
(lucro ajustado) é calculada em um livro extracontábil
denominado “Livro de Apuração do Lucro Real” – LALUR.

        Prof. José Carlos Marion
                                                         122
Cap. VII – Demonstração do Resultado
                                      do Exercício (D.R.E.)

                      Como Apurar o Lucro Líquido

                  Lucro Depois do Imposto de Renda
              (-) Doações e Contribuições
              (-) Participações
                        Lucro Líquido


Debenturistas
Empregados
Administradores
Partes Beneficiárias
Fundos de Assistência aos Empregados
         Prof. José Carlos Marion
                                                          123
Cap. VII – Demonstração do Resultado
                                         do Exercício (D.R.E.)
                                                                                        D.R.E.
                      Capital de            Roteiro Contábil                             Receita
                      Terceiros                            1. Apuração do            (-) Desp/Custo
                                                           Lucro                      Lucro Líquido
                                                  D.L.P.Ac
                                           Saldo de Ano(s) anterior(es) 2. Transferência p/
                                                                        Lucros Acumulados
                                           + Lucro Líquido deste Exerc.
Balanço Patrimonial
 ATIVO        PASSIVO
                                                                                 D
                                                                                 i
                                                                                 v
                                                                                 i
                                                                                 d
Aplicação                                                                        e
             Patrimônio                                                          n
    de                                                                           d
              Líquido                                                            o
                                                                                 s
Recursos
                                                3. Canalização de
                                                lucro retido
                                                                           Investidores
                                Fonte: Marion                         (Sócios ou Acionistas)
            Prof. José Carlos Marion
                                                                                          124
Cap. VII – Demonstração do Resultado
                              do Exercício (D.R.E.)



1 – Recomendações:
    - Exercícios referentes ao cap. 7
      do caderno de exercícios
    - Exercício Grupo: Tarefa 7.1
      pag. 91 – Livro texto
    - Leitura: Livro Texto - Cap. 8
2 – Avaliação da Aula

Prof. José Carlos Marion
                                                  125
Cap. VIII – Plano de Contas

ARRUMANDO A CASA OU O APTO OU .....
                                    CÔMODOS
                                    • Sala
                                    • Cozinha
                                    • Quarto
                                    • Banheiro
                                        Mobiliário:
                                    • Hall
                                        • Cama
                                    • Garagem Roupa
                                        • Guarda
                                        • Cômoda
                                    • .......
                                       • Criado-Mudo
                                       • Abatjour
                                       • ............
     Prof. José Carlos Marion
                                                         126
Cap. VIII – Plano de Contas

    ORGANIZANDO A EMPRESA

                                      AMBIENTE
                                Sociedade    Cultura


        Fornecedores                  EMPRESA          Clientes


                        Concorrentes         Governo


Conquistar Mercado                                       Ganhar Dinheiro

           Prof. José Carlos Marion
                                                                   127
Cap. VIII – Plano de Contas

ORGANIZANDO A EMPRESA

                                    ATIVIDADES
                                    • Comercial    Gastos:
                                    • Logística• Pessoal
                                    • Produção• Aluguel
                                    • Administração• Manutenção
                                                   • Matéria Prima
                                    • Contabilidade• Gastos Diversos
                                    • ............ • ............



     Prof. José Carlos Marion
                                                              128
Cap. VIII – Plano de Contas




 Conceito
 Plano de Contas “Importado”
 Importância do Plano de Contas
 Plano de Contas e o Usuário da Contabilidade
 Plano de Contas Simplificado
 Adequação do Plano de Contas à Outras Atividades




    Prof. José Carlos Marion
                                                       129
Cap. VIII – Plano de Contas

CONCEITO


“Agrupamento ordenado de todas as contas que são
utilizadas pela Contabilidade dentro de determinada
empresa. Portanto, o elenco de contas considerado é
indispensável para os registros de todos os fatos
contábeis”. (MARION, 1998:93)




      Prof. José Carlos Marion
                                                          130
Cap. VIII – Plano de Contas

CONCEITO

• Cada empresa deve ter um Plano de Contas apropriado
• Um Plano de Contas deve conter somente as contas que
serão movimentadas (no presente ou no futuro)
• Exemplos:
     Estoques (empresa Industrial / Comercial) – Conta:
      ICMS a Recolher
     IPI (empresa Industrial)  - Conta: IPI a Recolher
     ISS (empresa de Serviços) - Conta : ISS a Recolher


      Prof. José Carlos Marion
                                                          131
Cap. VIII – Plano de Contas

PLANO DE CONTAS IMPORTADO


 • Não é um Plano de Contas que veio do estrangeiro !
 • É uma cópia de um Plano de Contas de uma outra
 empresa
 • Escritórios de Contabilidade e os planos comuns
    • Convenientes
    • Inconvenientes



      Prof. José Carlos Marion
                                                         132
Cap. VIII – Plano de Contas

IMPORTANCIA DO PLANO DE CONTAS
 • Empresas:
     Tamanho diferentes
     Ramo de atividade diferentes
     Sistemas de pagamento / recebimento específicos
     Linguagens e Terminologias não necessariamente iguais

 • Empresas distintas  Planos de Contas distintos
     Diversas pessoas trabalhando
     Objetivo  uma mesma cartilha, um mesmo idioma
     Padronização dos Registros Contábeis
     Uniformidade  (Processamento: Manual, Mecânico ou Eletrônico
 • Característica geral:
      Numerado  Codificado de forma racional (código falante)
       Prof. José Carlos Marion
                                                              133
Cap. VIII – Plano de Contas

PLANO DE CONTAS E O USUÁRIO DA CONTABILIDADE

• O que deve conter:
    Elenco de Contas e grau de detalhes  volume e natureza do negócio
    Deve atender o interesse dos usuários (acionistas, gerentes, ....)

 • Exemplo:
     Indústria metalúrgica  Estoques (Acabados, Elaboração, M.Prima)
                            Gastos com pessoal detalhados por depto.
     Pequena Loja  Estoques (mercadorias)
                            Gastos com pessoal apresentados pelo total


        Prof. José Carlos Marion
                                                                          134
Cap. VIII – Plano de Contas

PLANO DE CONTAS SIMPLIFICADO

Estrutura Básica

• Conta (Ativo, Passivo, PL, Resultados...)

   • Grupo de Contas (Circulante, L.P. Permanente, ....)

      • Conta do Grupo (Caixa, Fornecedores, Reservas...)




        Prof. José Carlos Marion
                                                            135
Cap. VIII – Plano de Contas

                       Contas 
PLANO DE CONTAS SIMPLIFICADO Exemplos:
                             1.1.1.15
                              4.1.4.2
       1o. Passo:            5.2.3.32
          1. CONTAS                        CÓDIGO
              • Ativo                         1
              • Passivo                       2
              • Patrimônio Líquido            3
              • Receitas e Deduções           4
              • Contas Dedutivas              5

     Prof. José Carlos Marion
                                                         136
Cap. VIII – Plano de Contas

PLANO DE CONTAS SIMPLIFICADO


          2. GRUPOS DE CONTA                CÓDIGO
              • Ativo Circulante              1.1
              • Realizável a Longo Prazo      1.2
              • Ativo Permanente              1.3
              • Passivo Circulante            2.1
              • Exigível a Longo Prazo        2.2



     Prof. José Carlos Marion
                                                        137
Cap. VIII – Plano de Contas

PLANO DE CONTAS SIMPLIFICADO
        3. CONTAS DOS GRUPOS
            1 Ativo
            1.1 Ativo Circulante
            1.1.1 Ativo Circulante – Caixa
            1.1.2 Ativo Circulante – Bancos
            1.1.3 Ativo Circulante - Duplicatas a Receber

                7 Passivo
                2.1 Passivo Circulante
                2.1.1 Fornecedores
                2.1.2 Impostos a Recolher
                .........
   Prof. José Carlos Marion
                                                            138
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias
Marion novas transpar ncias

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Contabilidade conceitos básicos
Contabilidade   conceitos básicosContabilidade   conceitos básicos
Contabilidade conceitos básicos
Celso Frederico Lago
 
Introdução à Contabilidade
Introdução à ContabilidadeIntrodução à Contabilidade
Introdução à Contabilidade
Eliseu Fortolan
 
educação financeira
educação financeiraeducação financeira
APRESENTAÇÃO SOBRE MEI
APRESENTAÇÃO SOBRE MEIAPRESENTAÇÃO SOBRE MEI
APRESENTAÇÃO SOBRE MEI
INSTITUTO VOZ POPULAR
 
Demonstrações contábeis e sua análise
Demonstrações contábeis e sua análiseDemonstrações contábeis e sua análise
Demonstrações contábeis e sua análise
smalheiros
 
Palestra Gestão de custos e formação de preços
Palestra Gestão de custos e formação de preçosPalestra Gestão de custos e formação de preços
Palestra Gestão de custos e formação de preços
Samuel Gonsales
 
Contabilidade Básica
Contabilidade BásicaContabilidade Básica
Contabilidade Básica
André Faria Gomes
 
Exercicios Empreendedorismo - Plano de Negócio
Exercicios Empreendedorismo - Plano de NegócioExercicios Empreendedorismo - Plano de Negócio
Exercicios Empreendedorismo - Plano de Negócio
Laisa Mariana
 
A Importância da Gestão Financeira nas Empresas
A Importância da Gestão Financeira nas EmpresasA Importância da Gestão Financeira nas Empresas
A Importância da Gestão Financeira nas Empresas
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Contabilidade de custos exercicios gabarito
Contabilidade de custos exercicios gabaritoContabilidade de custos exercicios gabarito
Contabilidade de custos exercicios gabarito
custos contabil
 
Formação de preço
Formação de preçoFormação de preço
Formação de preço
Carlos Rocha
 
Tipos de Empresas
Tipos de Empresas Tipos de Empresas
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
Contabilidade comercial
Contabilidade comercialContabilidade comercial
Contabilidade comercial
Luciano Cavalcante
 
Educação Financeira para Jovens
Educação Financeira para JovensEducação Financeira para Jovens
Educação Financeira para Jovens
Marden Rodrigues
 
Aula empreendedorismo
Aula empreendedorismoAula empreendedorismo
Aula empreendedorismo
José Marques Pereira Junior
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Abertura de empresas
Abertura de empresasAbertura de empresas
Abertura de empresas
FaustoRegisMelo
 
Análise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações FinanceirasAnálise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações Financeiras
Milton Henrique do Couto Neto
 
Aula gestão financeira - Aula 01
Aula gestão financeira - Aula 01Aula gestão financeira - Aula 01
Aula gestão financeira - Aula 01
Faculdade Inesul - Londrina
 

Mais procurados (20)

Contabilidade conceitos básicos
Contabilidade   conceitos básicosContabilidade   conceitos básicos
Contabilidade conceitos básicos
 
Introdução à Contabilidade
Introdução à ContabilidadeIntrodução à Contabilidade
Introdução à Contabilidade
 
educação financeira
educação financeiraeducação financeira
educação financeira
 
APRESENTAÇÃO SOBRE MEI
APRESENTAÇÃO SOBRE MEIAPRESENTAÇÃO SOBRE MEI
APRESENTAÇÃO SOBRE MEI
 
Demonstrações contábeis e sua análise
Demonstrações contábeis e sua análiseDemonstrações contábeis e sua análise
Demonstrações contábeis e sua análise
 
Palestra Gestão de custos e formação de preços
Palestra Gestão de custos e formação de preçosPalestra Gestão de custos e formação de preços
Palestra Gestão de custos e formação de preços
 
Contabilidade Básica
Contabilidade BásicaContabilidade Básica
Contabilidade Básica
 
Exercicios Empreendedorismo - Plano de Negócio
Exercicios Empreendedorismo - Plano de NegócioExercicios Empreendedorismo - Plano de Negócio
Exercicios Empreendedorismo - Plano de Negócio
 
A Importância da Gestão Financeira nas Empresas
A Importância da Gestão Financeira nas EmpresasA Importância da Gestão Financeira nas Empresas
A Importância da Gestão Financeira nas Empresas
 
Contabilidade de custos exercicios gabarito
Contabilidade de custos exercicios gabaritoContabilidade de custos exercicios gabarito
Contabilidade de custos exercicios gabarito
 
Formação de preço
Formação de preçoFormação de preço
Formação de preço
 
Tipos de Empresas
Tipos de Empresas Tipos de Empresas
Tipos de Empresas
 
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
Fluxo de caixa
 
Contabilidade comercial
Contabilidade comercialContabilidade comercial
Contabilidade comercial
 
Educação Financeira para Jovens
Educação Financeira para JovensEducação Financeira para Jovens
Educação Financeira para Jovens
 
Aula empreendedorismo
Aula empreendedorismoAula empreendedorismo
Aula empreendedorismo
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 
Abertura de empresas
Abertura de empresasAbertura de empresas
Abertura de empresas
 
Análise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações FinanceirasAnálise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações Financeiras
 
Aula gestão financeira - Aula 01
Aula gestão financeira - Aula 01Aula gestão financeira - Aula 01
Aula gestão financeira - Aula 01
 

Destaque

Contabilidade básica fácil - 001 a 302 - osni moura ribeiro
Contabilidade   básica fácil - 001 a 302 - osni moura ribeiro Contabilidade   básica fácil - 001 a 302 - osni moura ribeiro
Contabilidade básica fácil - 001 a 302 - osni moura ribeiro
Adriana Contabilidade Etec
 
Contabilidade básica josé carlos mation 10ª ed
Contabilidade básica   josé carlos mation 10ª edContabilidade básica   josé carlos mation 10ª ed
Contabilidade básica josé carlos mation 10ª ed
Marilia Cordeiro
 
Contabilidade básica resumão
Contabilidade básica resumãoContabilidade básica resumão
Contabilidade básica resumão
contacontabil
 
Livro contabilidade empresarial
Livro contabilidade empresarialLivro contabilidade empresarial
Livro contabilidade empresarial
ELISMARCOS DIAS SILVA
 
Contabilidade fácil de entender
Contabilidade fácil de entenderContabilidade fácil de entender
Contabilidade fácil de entender
Rodolfo Avona
 
D.O. Mesquita/RJ - 23/01/2013
D.O. Mesquita/RJ - 23/01/2013D.O. Mesquita/RJ - 23/01/2013
D.O. Mesquita/RJ - 23/01/2013
servidoresmesquita
 
Pdf completo childfund matriz - par 15-050
Pdf completo   childfund matriz - par 15-050Pdf completo   childfund matriz - par 15-050
Pdf completo childfund matriz - par 15-050
ChildFund Brasil - Fundo para Crianças
 
CONTABILIDADE GERAL - Humberto lucena toque_18
CONTABILIDADE GERAL - Humberto lucena toque_18CONTABILIDADE GERAL - Humberto lucena toque_18
CONTABILIDADE GERAL - Humberto lucena toque_18
Igor Gabriel Lima
 
Slides FINANÇAS
Slides FINANÇASSlides FINANÇAS
Slides FINANÇAS
Igor Gabriel Lima
 
Revisão av1
Revisão av1Revisão av1
Revisão av1
Deivy Douglas Ribeiro
 
Nocoes de-contabilidade-basica-para-cursos-tecnicos-final-pdf
Nocoes de-contabilidade-basica-para-cursos-tecnicos-final-pdfNocoes de-contabilidade-basica-para-cursos-tecnicos-final-pdf
Nocoes de-contabilidade-basica-para-cursos-tecnicos-final-pdf
mariapsr
 
webteste_edc
webteste_edcwebteste_edc
webteste_edc
Emerson Conceição
 
Balanco patrimonial
Balanco patrimonialBalanco patrimonial
Balanco patrimonial
Claudia Marinho
 
Contabilidade lançamentos
Contabilidade lançamentosContabilidade lançamentos
Contabilidade lançamentos
albumina
 
1.b Princípios Fundamentais de Contabilidade
1.b   Princípios Fundamentais de Contabilidade 1.b   Princípios Fundamentais de Contabilidade
1.b Princípios Fundamentais de Contabilidade
Bolivar Motta
 
Contabilidade i exercício 11 - re balancete razonete bp re
Contabilidade i   exercício 11 - re balancete razonete bp reContabilidade i   exercício 11 - re balancete razonete bp re
Contabilidade i exercício 11 - re balancete razonete bp re
apostilacontabil
 
Lancamentos contabeis consignação mercantil-contabeis
Lancamentos contabeis consignação mercantil-contabeisLancamentos contabeis consignação mercantil-contabeis
Lancamentos contabeis consignação mercantil-contabeis
zeramento contabil
 
Contabilidade de custos slides 01 e 02 - leonardo almeida - introdução e no...
Contabilidade de custos   slides 01 e 02 - leonardo almeida - introdução e no...Contabilidade de custos   slides 01 e 02 - leonardo almeida - introdução e no...
Contabilidade de custos slides 01 e 02 - leonardo almeida - introdução e no...
Leonardo Souza de Almeida
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 03 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 03 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 03 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 03 cathedra
contacontabil
 
Tc58 renato vila nova - introdução a custos - aula 1, 2 e 3
Tc58   renato vila nova - introdução a custos - aula 1, 2 e 3Tc58   renato vila nova - introdução a custos - aula 1, 2 e 3
Tc58 renato vila nova - introdução a custos - aula 1, 2 e 3
Claudio Parra
 

Destaque (20)

Contabilidade básica fácil - 001 a 302 - osni moura ribeiro
Contabilidade   básica fácil - 001 a 302 - osni moura ribeiro Contabilidade   básica fácil - 001 a 302 - osni moura ribeiro
Contabilidade básica fácil - 001 a 302 - osni moura ribeiro
 
Contabilidade básica josé carlos mation 10ª ed
Contabilidade básica   josé carlos mation 10ª edContabilidade básica   josé carlos mation 10ª ed
Contabilidade básica josé carlos mation 10ª ed
 
Contabilidade básica resumão
Contabilidade básica resumãoContabilidade básica resumão
Contabilidade básica resumão
 
Livro contabilidade empresarial
Livro contabilidade empresarialLivro contabilidade empresarial
Livro contabilidade empresarial
 
Contabilidade fácil de entender
Contabilidade fácil de entenderContabilidade fácil de entender
Contabilidade fácil de entender
 
D.O. Mesquita/RJ - 23/01/2013
D.O. Mesquita/RJ - 23/01/2013D.O. Mesquita/RJ - 23/01/2013
D.O. Mesquita/RJ - 23/01/2013
 
Pdf completo childfund matriz - par 15-050
Pdf completo   childfund matriz - par 15-050Pdf completo   childfund matriz - par 15-050
Pdf completo childfund matriz - par 15-050
 
CONTABILIDADE GERAL - Humberto lucena toque_18
CONTABILIDADE GERAL - Humberto lucena toque_18CONTABILIDADE GERAL - Humberto lucena toque_18
CONTABILIDADE GERAL - Humberto lucena toque_18
 
Slides FINANÇAS
Slides FINANÇASSlides FINANÇAS
Slides FINANÇAS
 
Revisão av1
Revisão av1Revisão av1
Revisão av1
 
Nocoes de-contabilidade-basica-para-cursos-tecnicos-final-pdf
Nocoes de-contabilidade-basica-para-cursos-tecnicos-final-pdfNocoes de-contabilidade-basica-para-cursos-tecnicos-final-pdf
Nocoes de-contabilidade-basica-para-cursos-tecnicos-final-pdf
 
webteste_edc
webteste_edcwebteste_edc
webteste_edc
 
Balanco patrimonial
Balanco patrimonialBalanco patrimonial
Balanco patrimonial
 
Contabilidade lançamentos
Contabilidade lançamentosContabilidade lançamentos
Contabilidade lançamentos
 
1.b Princípios Fundamentais de Contabilidade
1.b   Princípios Fundamentais de Contabilidade 1.b   Princípios Fundamentais de Contabilidade
1.b Princípios Fundamentais de Contabilidade
 
Contabilidade i exercício 11 - re balancete razonete bp re
Contabilidade i   exercício 11 - re balancete razonete bp reContabilidade i   exercício 11 - re balancete razonete bp re
Contabilidade i exercício 11 - re balancete razonete bp re
 
Lancamentos contabeis consignação mercantil-contabeis
Lancamentos contabeis consignação mercantil-contabeisLancamentos contabeis consignação mercantil-contabeis
Lancamentos contabeis consignação mercantil-contabeis
 
Contabilidade de custos slides 01 e 02 - leonardo almeida - introdução e no...
Contabilidade de custos   slides 01 e 02 - leonardo almeida - introdução e no...Contabilidade de custos   slides 01 e 02 - leonardo almeida - introdução e no...
Contabilidade de custos slides 01 e 02 - leonardo almeida - introdução e no...
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 03 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 03 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 03 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 03 cathedra
 
Tc58 renato vila nova - introdução a custos - aula 1, 2 e 3
Tc58   renato vila nova - introdução a custos - aula 1, 2 e 3Tc58   renato vila nova - introdução a custos - aula 1, 2 e 3
Tc58 renato vila nova - introdução a custos - aula 1, 2 e 3
 

Semelhante a Marion novas transpar ncias

Apresentação do PowerPoint CONTABILIDADE BASICA.pdf
Apresentação do PowerPoint CONTABILIDADE BASICA.pdfApresentação do PowerPoint CONTABILIDADE BASICA.pdf
Apresentação do PowerPoint CONTABILIDADE BASICA.pdf
RodrigoLuizdeOliveir3
 
Contabilidade e custos sistema informacao
Contabilidade e custos sistema informacaoContabilidade e custos sistema informacao
Contabilidade e custos sistema informacao
DG Informatica
 
Cap 01 a.administracao.financeira
Cap 01 a.administracao.financeiraCap 01 a.administracao.financeira
Cap 01 a.administracao.financeira
capitulocontabil
 
Apostila contabilidade geral manual basico
Apostila contabilidade geral manual basicoApostila contabilidade geral manual basico
Apostila contabilidade geral manual basico
apostilacontabil
 
Apostila contabilidade geral manual basico
Apostila contabilidade geral manual basicoApostila contabilidade geral manual basico
Apostila contabilidade geral manual basico
apostilacontabil
 
Aula 01 e_02_teoria_contabilidade_2009_b
Aula 01 e_02_teoria_contabilidade_2009_bAula 01 e_02_teoria_contabilidade_2009_b
Aula 01 e_02_teoria_contabilidade_2009_b
zeramento contabil
 
Conceitos
ConceitosConceitos
Conceitos
Cássio Lima
 
Administração financeira
Administração financeiraAdministração financeira
Administração financeira
afpinto
 
Contabilidade financeira e gerencial(1)
Contabilidade financeira e gerencial(1)Contabilidade financeira e gerencial(1)
Contabilidade financeira e gerencial(1)
Adm Nadir Prado - Buscando Recolocação Profissional
 
Cb empr 10ª cap 01 30127
Cb empr 10ª   cap 01 30127Cb empr 10ª   cap 01 30127
Cb empr 10ª cap 01 30127
Contábeis 2011
 
Conceito_contabilidade
 Conceito_contabilidade Conceito_contabilidade
Conceito_contabilidade
Theusinho Santos
 
slide com assuntos de Contablidade_Bsica_I.pptx
slide com assuntos de Contablidade_Bsica_I.pptxslide com assuntos de Contablidade_Bsica_I.pptx
slide com assuntos de Contablidade_Bsica_I.pptx
Victor471299
 
Apostila contabilidade mod.i
Apostila contabilidade mod.iApostila contabilidade mod.i
Apostila contabilidade mod.i
simuladocontabil
 
mediacao_ctb_geral_ (1).pptx
mediacao_ctb_geral_ (1).pptxmediacao_ctb_geral_ (1).pptx
mediacao_ctb_geral_ (1).pptx
JosAlbertoTavaresdos
 
Contebilidade gerencial capitulo1
Contebilidade gerencial capitulo1Contebilidade gerencial capitulo1
Contebilidade gerencial capitulo1
razonetecontabil
 
Apostila Introdução a Contabilidade I
Apostila Introdução a Contabilidade IApostila Introdução a Contabilidade I
Apostila Introdução a Contabilidade I
Gilberto Freitas
 
1855713
18557131855713
Empresarial I aula 1
Empresarial I  aula 1Empresarial I  aula 1
Empresarial I aula 1
Fabiano Manquevich
 
contabilidade-basica (3).pdf
contabilidade-basica (3).pdfcontabilidade-basica (3).pdf
contabilidade-basica (3).pdf
SolicitaoClnica
 
Apostila de-cont-geral-i
Apostila de-cont-geral-iApostila de-cont-geral-i
Apostila de-cont-geral-i
zeramento contabil
 

Semelhante a Marion novas transpar ncias (20)

Apresentação do PowerPoint CONTABILIDADE BASICA.pdf
Apresentação do PowerPoint CONTABILIDADE BASICA.pdfApresentação do PowerPoint CONTABILIDADE BASICA.pdf
Apresentação do PowerPoint CONTABILIDADE BASICA.pdf
 
Contabilidade e custos sistema informacao
Contabilidade e custos sistema informacaoContabilidade e custos sistema informacao
Contabilidade e custos sistema informacao
 
Cap 01 a.administracao.financeira
Cap 01 a.administracao.financeiraCap 01 a.administracao.financeira
Cap 01 a.administracao.financeira
 
Apostila contabilidade geral manual basico
Apostila contabilidade geral manual basicoApostila contabilidade geral manual basico
Apostila contabilidade geral manual basico
 
Apostila contabilidade geral manual basico
Apostila contabilidade geral manual basicoApostila contabilidade geral manual basico
Apostila contabilidade geral manual basico
 
Aula 01 e_02_teoria_contabilidade_2009_b
Aula 01 e_02_teoria_contabilidade_2009_bAula 01 e_02_teoria_contabilidade_2009_b
Aula 01 e_02_teoria_contabilidade_2009_b
 
Conceitos
ConceitosConceitos
Conceitos
 
Administração financeira
Administração financeiraAdministração financeira
Administração financeira
 
Contabilidade financeira e gerencial(1)
Contabilidade financeira e gerencial(1)Contabilidade financeira e gerencial(1)
Contabilidade financeira e gerencial(1)
 
Cb empr 10ª cap 01 30127
Cb empr 10ª   cap 01 30127Cb empr 10ª   cap 01 30127
Cb empr 10ª cap 01 30127
 
Conceito_contabilidade
 Conceito_contabilidade Conceito_contabilidade
Conceito_contabilidade
 
slide com assuntos de Contablidade_Bsica_I.pptx
slide com assuntos de Contablidade_Bsica_I.pptxslide com assuntos de Contablidade_Bsica_I.pptx
slide com assuntos de Contablidade_Bsica_I.pptx
 
Apostila contabilidade mod.i
Apostila contabilidade mod.iApostila contabilidade mod.i
Apostila contabilidade mod.i
 
mediacao_ctb_geral_ (1).pptx
mediacao_ctb_geral_ (1).pptxmediacao_ctb_geral_ (1).pptx
mediacao_ctb_geral_ (1).pptx
 
Contebilidade gerencial capitulo1
Contebilidade gerencial capitulo1Contebilidade gerencial capitulo1
Contebilidade gerencial capitulo1
 
Apostila Introdução a Contabilidade I
Apostila Introdução a Contabilidade IApostila Introdução a Contabilidade I
Apostila Introdução a Contabilidade I
 
1855713
18557131855713
1855713
 
Empresarial I aula 1
Empresarial I  aula 1Empresarial I  aula 1
Empresarial I aula 1
 
contabilidade-basica (3).pdf
contabilidade-basica (3).pdfcontabilidade-basica (3).pdf
contabilidade-basica (3).pdf
 
Apostila de-cont-geral-i
Apostila de-cont-geral-iApostila de-cont-geral-i
Apostila de-cont-geral-i
 

Marion novas transpar ncias

  • 1. Fonte: Contabilidade Básica – José Carlos Marion Prof. José Carlos Marion 1
  • 2. Cap I - A Contabilidade Cap II - Patrimônio Cap III - Demonstrações Financeiras Cap IV - Balanço Patrimonial - Introdução Cap V - Balanço Patrimonial – Grupo de Contas Cap VI - Apuração do Resultado Cap VII - Demonstração do Resultado do Exercício Cap VIII - Plano de Contas Prof. José Carlos Marion 2
  • 3. Cap IX - Fluxo de Caixa Cap X - Movimentação de Estoques Cap XI - Contabilidade por Balanços Sucessivos Cap XII - Contabilização das Contas de Balanço Cap XIII - Balancete de Verificação Cap XIV - Contabilização das Contas de Resultado Cap XV - Ativo Permanente e Depreciação Prof. José Carlos Marion 3
  • 4. Cap. I – A CONTABILIDADE  A Origem da Contabilidade  Conceito, Objeto e Finalidade  Aplicação da Contabilidade  Usuários da Contabilidade  Para quem é mantida a Contabilidade  O Profissional Contábil  Pilares da Contabilidade Prof. José Carlos Marion 4
  • 5. Cap. I – A CONTABILIDADE A ORIGEM DA CONTABILIDADE - Origem em temos remotos; - Começou a tomar corpo no século XIII na Itália; - Século XV – Obra de Frei Luca Pacciolo; “Summa de Arithmetica, Geometria, Proportioni e Proporcionalita” Tratado de matemática, com uma seção sobre registros contábeis segundo o método das partilhas dobradas. Prof. José Carlos Marion 5
  • 6. Cap. I – A CONTABILIDADE A ORIGEM DA CONTABILIDADE - Nos séculos XVI e XVII, vários autores publicaram trabalhos em que descreviam o método de maneira similar ao apresentado por Luca Pacciolo; - Ascensão da escola inglesa, fato que ocorreu a partir da revolução industrial sucedida na Inglaterra. No século XVIII. - Os problemas ocorridos nos Estados Unidos durante a crise econômica de 1929 a 1932 influíram de maneira significativa no fortalecimento da contabilidade como sistema de informações de negócios, provocando a as- censão da escola norte-americana. Prof. José Carlos Marion 6
  • 7. Cap. I – A CONTABILIDADE A ORIGEM DA CONTABILIDADE Diferenças entre a contabilidade atual e a da época de Luca Pacciolo: - O sistema contábil anterior visava informar apenas o proprietário; - No Séc. XVI, os ativos e passivos do proprietário e do negócio se confundiam; - Não existia a idéia de período contábil nem a de conti- nuidade; - Inexistia um denominador comum monetário. Prof. José Carlos Marion 7
  • 8. Cap. I – A CONTABILIDADE A ORIGEM DA CONTABILIDADE Envolvendo-se com a Contabilidade: . O Primeiro Encontro com a Contabilidade . O Leigo e a Contabilidade . O Envolvimento com a Contabilidade . Homens de negócio - Tomada de Decisões . Linguagem Financeira de Negócios Prof. José Carlos Marion 8
  • 9. Cap. I – A CONTABILIDADE CONCEITO - “É a ciência que estuda a formação e variação do Patrimônio”; - “É a ciência que estuda, registra e controla o Patri- mônio das Entidades com fins lucrativos ou não”; - “Instrumento de informações para a tomada de decisões dentro e fora da empresa”. Obs: O Governo utiliza-se dela para arrecadar im- postos e torná-la obrigatória para a maioria das empresas. Prof. José Carlos Marion 9
  • 10. Cap. I – A CONTABILIDADE CONCEITO Todas as movimentações possíveis de mensuração monetária são registradas pela contabilidade, que, em seguida, resume os dados registrados em forma de relatórios (contábeis). Uma empresa sem boa contabilidade é como um barco, em alto-mar, sem bússola. Prof. José Carlos Marion 10
  • 11. Cap. I – A CONTABILIDADE OBJETO E FINALIDADE O objeto da Contabilidade é o Patrimônio. A finalidade da Contabilidade é a de controlar o Patrimônio com o objetivo de fornecer informações sobre a sua composição e suas variações. Prof. José Carlos Marion 11
  • 12. Cap. I – A CONTABILIDADE APLICAÇÃO DA CONTABILIDADE Contabilidade Geral Contabilidade Financeira Diversos ramos de atividade: Comercial Contabilidade Comercial Industrial Contabilidade Industrial Pública Contabilidade Pública Bancária Contabilidade Bancária Hospitalar Contabilidade Hospitalar Agropecuária Contabilidade Agropecuária de Seguros Contabilidade Securitária. etc. Prof. José Carlos Marion 12
  • 13. Cap. I – A CONTABILIDADE Uma Empresa NÃO É um CORPO ISOLADO Conquistar Mercado Ganhar Dinheiro AMBIENTE Sociedade Cultura Fornecedores EMPRESA Clientes Concorrentes Governo Exercer seu papel social Integração entre as funções ÚNICO DIRECIONAMENTO Prof. José Carlos Marion 13
  • 14. Cap. I – A CONTABILIDADE USUÁRIOS DA CONTABILIDADE Fornecedores Investidores Bancos Funcionários Sindicato EMPRESA Concorrentes Órgãos de Classe Governo Outros Prof. José Carlos Marion 14
  • 15. Cap. I – A CONTABILIDADE USUÁRIOS DA CONTABILIDADE “CONSUMIDORES” de Relatórios Contábeis Os usuários são as pessoas que se utilizam da Contabilidade, que se interessam pela situação da empresa e buscam na Contabi- lidade as suas respostas. Prof. José Carlos Marion 15
  • 16. Cap. I – A CONTABILIDADE PARA QUEM É MANTIDA A CONTABILIDADE A Contabilidade pode ser feita para Pessoa Física ou Pessoa Jurídica. Considera-se pessoa, juridicamente falando, todo ser capaz de direitos e obrigações. PESSOA FÍSICA é a pessoa natural, é todo ser humano, é todo indivíduo (sem qualquer exceção). Prof. José Carlos Marion 16
  • 17. Cap. I – A CONTABILIDADE PARA QUEM É MANTIDA A CONTABILIDADE PESSOA JURÍDICA é a união de indivíduos que, através de um contrato reconhecido por lei, formam uma nova pessoa, com personalidade distinta da de seus membros. As pessoas jurídicas pode ter fins lucrativos (empresas industriais, co- merciais etc.) ou não (cooperativas, associações culturais, religiosas etc.). Normalmente, as pessoas jurídicas deno- minam-se empresas. Entidade Contábil – Pessoa para quem é mantida a conta- bilidade, podendo ser pessoa jurídica ou física. Prof. José Carlos Marion 17
  • 18. Cap. I – A CONTABILIDADE A Contabilidade Conselho de nas Empresas Administração Presidente Comercial Manufatura Adm. / Finanças Administração Tesoureiro Controller Gerência de Orçamento Contas a Contab. Contab. Depto. Crédito e de Capital Pagar de Custos Financeira Fiscal Cobrança Prof. José Carlos Marion 18
  • 19. Cap. I – A CONTABILIDADE O PROFISSIONAL CONTÁBIL Técnico de Contabilidade – Curso Contabilidade em nível 2º grau Contador ou Bacharel em Ciências Contábeis – Curso Superior (3º grau) de Contabilidade. Denominados : CONTABILISTAS Responsáveis pela contabilidade das empresas, analistas de balanços, pesquisadores contábeis, etc. Prof. José Carlos Marion 19
  • 20. Cap. I – A CONTABILIDADE O PROFISSIONAL CONTÁBIL Atividades exclusivas do Contador: Auditoria: Exame e verificação da exatidão dos proce- dimentos contábeis. Perícia contábil: investigação contábil de empresa mo- tivada por uma questão judicial (solicitada pela justiça). Professor de Contabilidade: o contador pode ser profes- sor de curso técnico. Para ser professor de curso superior exige-se pós-graduação. Prof. José Carlos Marion 20
  • 21. Cap. I – A CONTABILIDADE PILARES DA CONTABILIDADE Regras básicas da Contabilidade - postulados, princípios e convenções contábeis. Entidade contábil – Uma pessoa para quem é mantida a contabilidade. Sócios e Empresa são pessoas distintas. Não se deve confundir o dinheiro da empresa com o dinheiro dos sócios. Prof. José Carlos Marion 21
  • 22. Cap. I – A CONTABILIDADE PILARES DA CONTABILIDADE Regras básicas da Contabilidade - postulados, princípios e convenções contábeis. Continuidade – Refere-se a entidade que está funcionando com prazo indeterminado; algo em andamento; não está em fase de extinção ou liquidação. Prof. José Carlos Marion 22
  • 23. Cap. I – A CONTABILIDADE 1 – Recomendações: - Exercícios referentes ao cap. 1 do caderno de exercícios - Exercício Grupo: Tarefa 1.1 pg. 28 do livro texto - Leitura: Livro Texto - Cap. 2 2 – Avaliação da Aula Prof. José Carlos Marion 23
  • 24. Cap. II – PATRIMÔNIO  Conceito  Bens  Direitos  Obrigações  Patrimônio Líquido Prof. José Carlos Marion 24
  • 25. Cap. II – PATRIMÔNIO CONCEITO Patrimônio (riqueza) • Conjunto de bens pertencentes a uma pessoa ou a uma empresa  Bens. • Valores a receber, Direitos a Receber Direitos • Contas a pagar, dívidas  Obrigações Patrimônio de uma Empresa ou de uma Pessoa Bens e Direitos Obrigações ( a Receber ) ( a serem pagas ) Prof. José Carlos Marion 25
  • 26. Cap. II – PATRIMÔNIO BENS São as coisas úteis, capazes de satisfazer às necessidades das pessoas e das empresas. Bens Tangíveis = Têm forma física, são palpáveis. Ex.: Veículos, imóveis, estoques de mercadorias, dinheiro, móveis e utensílios, ferramentas, etc.) Bens Intangíveis = Não são palpáveis, não constituídos de matéria. Ex.: Marcas (Arisco, Coca-cola), patentes de invenção (direito exclusivo de explorar uma invenção). Prof. José Carlos Marion 26
  • 27. Cap. II – PATRIMÔNIO BENS Pelo Código Civil: Bens Imóveis = Vinculados ao solo. Não podem ser retirados sem destruição ou dano: edifício, árvores,etc. Bens móveis = Podem ser removidos por si próprios ou por outras pessoas: animais (semoventes), máqui- nas, equipamentos, estoques de mercadorias. Prof. José Carlos Marion 27
  • 28. Cap. II – PATRIMÔNIO BENS Fonte: Marion, 1998:31 Ex.: A Cia. Goiana têm os seguintes bens: Em R$ mil BENS Tangíveis Intangíveis Móveis Imóveis Edifícios 180 180 Móveis e utensílios 90 90 Veículos 110 110 Máquinas 400 400 Terrenos 900 900 Patentes 150 150 TOTAL 1.680 150 750 1.080 TOTAL GERAL 1.830 1.830 Prof. José Carlos Marion 28
  • 29. Cap. II – PATRIMÔNIO DIREITOS Poder de exigir alguma coisa. Ex.: valores a receber, títulos receber, contas a receber, salários a receber. Em R$ mil ITENS Valores Bancos conta Movimento (depósito) 680 Duplicatas a Receber (vendas à prazo) 1.320 Títulos a Receber (notas promissórias) 500 Aluguéis a Receber 300 TOTAL 2.800 Fonte: Marion, 1998:32 Prof. José Carlos Marion 29
  • 30. Cap. II – PATRIMÔNIO OBRIGAÇÕES Dívidas com outras pessoas. Em Contabilidade  Obrigações Exigíveis Exemplo: • Empréstimos a pagar • Contas a pagar • Impostos a pagar • Salários a pagar • Duplicatas a pagar (compras a prazo) ou fornecedores Prof. José Carlos Marion 30
  • 31. Cap. II – PATRIMÔNIO OBRIGAÇÕES Fonte: Marion, 1998:31 Ex.: Obrigações exigíveis da Cia. Goiana Em R$ mil OBRIGAÇÕES Valores Fornecedores (dívidas c/ fornec. de mercadorias) 800 Empréstimos bancários (a pagar) 400 Salários a pagar 350 Encargos Sociais a pagar (FGTS, INSS) 450 Impostos a Pagar (ou a recolher) 900 Financiamentos (empréstimos a pagar a L.P.) 1.100 Contas a Pagar (Diversos) 500 TOTAL 4.500 Prof. José Carlos Marion 31
  • 32. Cap. II – PATRIMÔNIO Representação gráfica do patrimônio BENS + DIREITOS OBRIGAÇÕES EXIGÍVEIS Bens Obrigações Dinheiro Empréstimos a Pagar Mercadoria em Estoques Salários a Pagar Veículos Fornecedores (Duplicatas a pagar) Imóveis Financiamentos Máquinas Impostos a Pagar Ferramentas Encargos Sociais a Pagar Móveis e Utensílios Aluguéis a Pagar Marcas e Patentes Títulos a Pagar Direitos Promissórias a Pagar Depósitos em Bancos Contas a Pagar Duplicatas a Receber Títulos a Receber Aluguéis a Receber Ações Prof. José Carlos Marion 32
  • 33. Cap. II – PATRIMÔNIO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Ex.: Patrimônio da Cia. Goiana Valores em $ mil BENS + DIREITOS OBRIGAÇÕES EXIGÍVEIS Bens 1.830 Obrigações 4.500 Direitos 2.800 Bens + Direitos – Obrigações Exigíveis = Patrimônio Líquido Patrimônio Líquido = $ ???? O P.L. pode ser negativo ??? Prof. José Carlos Marion 33
  • 34. Cap. II – PATRIMÔNIO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Ex.: Patrimônio da Cia. Goiana Valores em $ mil BENS + DIREITOS OBRIGAÇÕES EXIGÍVEIS Bens 1.830 Obrigações 4.500 Direitos 2.800 Bens + Direitos – Obrigações Exigíveis = Patrimônio Líquido Patrimônio Líquido = $ 130 O P.L. pode ser negativo Prof. José Carlos Marion 34
  • 35. Cap. II – PATRIMÔNIO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Para se conhecer a riqueza líquida da empresa (ou pessoa): somam-se os bens e os direitos e, desse total, subtraem-se as obrigações; os resultado é a riqueza líquida, ou seja, a parte que sobra do patrimônio para a pessoa ou empresa. Ela é denominada patrimônio líquido ou situação líquida. Prof. José Carlos Marion 35
  • 36. Cap. II – PATRIMÔNIO 1 – Recomendações: - Exercícios referentes ao cap. 2 do caderno de exercícios - Fazer o Levantamento do Patri- mônio Pessoal (Tarefa 2.1) -Exercício Grupo: Tarefa 2.3 pg. 36 do livro texto - Leitura: Livro Texto - Cap. 3 2 – Avaliação da Aula Prof. José Carlos Marion 36
  • 37. Cap. III – Demonstrações Financeiras  Conceito  Principais Demonstrações Financeiras  Períodos de Apresentação  Requisitos para Publicação Prof. José Carlos Marion 37
  • 38. Cap. III – Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras (Contábeis) Dados (Obrigatórios pela legislação brasileira) Dados Coletados Coletados Dados Coletados Usuários Relatórios Relatórios Relatórios Contabilizados Contábeis Prof. José Carlos Marion 38
  • 39. Cap. III – Demonstrações Financeiras PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS  Balanço Patrimonial (BP)  Demonstração de Resultado do Exercício (DRE)  Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPAc) Notas explicativas Complementos das (Notas de rodapé) demonstrações Prof. José Carlos Marion 39
  • 40. Cap. III – Demonstrações Financeiras EMPRESAS  CARACTERÍSTICAS Tipos de Sociedades Sociedades Empresa Anônimas (S.A) Limitadas (Ltda.) Donos Sócios ou Quotistas Acionistas Pequeno número Capital Ações Quotas Relatórios Publicação: Publicação Contábeis D.O. e Jornal de grande não necessária Obrigatórios Circulação local Imposto de Renda Imposto de Renda Prof. José Carlos Marion 40
  • 41. Cap. III – Demonstrações Financeiras PERÍODO DE APRESENTAÇÃO • Lei das S.A.s  ao fim do período de 12 meses • Período  Chamado “Exercício Social ou Período Contábil” • Exercício Social X Ano Civil  Imposto de Renda (31.12) • Exercício Social  Definido pelos proprietários • S.A.s de Capital Aberto e Fechado • S.A.s de Capital Aberto (Ações em bolsa)  Publicação semestral • Fins Gerenciais  relatórios (semanais, quinzenais, mensais...) Prof. José Carlos Marion 41
  • 42. Cap. III – Demonstrações Financeiras DADOS FUNDAMENTAIS PARA PUBLICAÇÃO • Denominação da Empresa • Título da demonstração (BP, DRE,....) • Data do exercício social • Valores do exercício referência e anterior • Moeda e representação (Mil, Milhões...) Prof. José Carlos Marion 42
  • 43. Cap. III – Demonstrações Financeiras Relatórios Contábeis Obrigatórios DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Em $ milhares Balanço Patrimonial Demonstrativo do Result. do Exercício Data ___/___/___ Data ___/___/___ lunas oluna s Em d uas co uas c Em d Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados Data ___/___/___ n as s colu E m dua Notas Explicativas: (notas de rodapé) Prof. José Carlos Marion 43
  • 44. Cap. III – Demonstrações Financeiras Entregar na próxima aula Tarefa 3.1. Recortar de qualquer jornal demonstrações financeiras de uma sociedade anônima que contenham as três demonstrações citadas e notas explicativas Indicar com um círculo ou sublinhar os títulos das demonstrações financeiras, as datas (observar se foram publicadas em duas colunas) e, se há no cabeçalho, a expressão “em $ milhares” ou “em $ milhões” Prof. José Carlos Marion 44
  • 45. Cap. III – Demonstrações Financeiras 1 – Recomendações: - Exercícios referentes ao cap. 3 do caderno de exercícios - Exercício Grupo: Tarefa 3.1 pg. 44 do livro (slide anterior) - Leitura: Livro Texto - Cap. 4 2 – Avaliação da Aula Prof. José Carlos Marion 45
  • 46. Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL Uma Introdução  Identificação  Ativo  Passivo  Patrimônio Líquido  O Termo “CAPITAL” em Contabilidade  Origens X Aplicações  Principal Origem de Recursos  A expressão “Balanço Patrimonial” Prof. José Carlos Marion 46
  • 47. Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL Uma Introdução IDENTIFICAÇÃO - O mais importante relatório contábil. - Identifica-se com ele, a saúde financeira e econômica (no fim do ano ou qualquer data prefixada) Balanço Patrimonial Ativo Passivo e Patrimônio Líquido Obs.: A Lei das Sociedades por Ações apresenta apenas o termo passivo. Prof. José Carlos Marion 47
  • 48. Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL Uma Introdução IDENTIFICAÇÃO – Representação Gráfica Balanço Patrimonial Ativo Passivo e PL Bens Obrigações • Máquinas • Fornecedores • Veículos • Salários a Pagar • Estoque • Empréstimos Bancários • Dinheiro • Impostos a Pagar Direitos • Títulos a receber Patrimônio Líquido • Depósitos em Bancos • Capital • Subscrito • Integralizado Lado Esquerdo Lado direito Prof. José Carlos Marion 48
  • 49. Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL Uma Introdução ATIVO • Conjunto de bens e direitos de propriedade da empresa. São itens positivos do patrimônio. (Proporcionam ganho para a empresa)  Contas a Receber  Estoque de Produtos Acabados  Máquinas e Equipamentos  Prédios próprios • Como considerar outros ativos?  Prédios alugados  Arrendamento de veículos, equipamentos etc. Prof. José Carlos Marion 49
  • 50. Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL Uma Introdução PASSIVO • Conjunto de obrigações exigíveis da empresa. Dívidas que serão reclamadas a partir da data do seu vencimento  PASSIVO EXIGÍVEL (CAPITAL DE TERCEIROS)  Recursos de Terceiros (dinheiro)  Capital de Terceiros Evidencia o  Fornecedores (de mercadorias) Endividamento  Funcionários (salários) da empresa.  Governo (impostos)  Bancos (empréstimos) etc. Prof. José Carlos Marion 50
  • 51. Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL Uma Introdução PATRIMÔNIO LÍQUIDO • Total de aplicações dos proprietários na empresa Os proprietários (sócios, acionistas) fornecem meios para o início do negócio. A quantia inicial  Capital  PASSIVO NÃO EXIGÍVEL Social  Recurso próprio ou Capital próprio  Risco do capitalista  Em caso de falência da empresa, o sócio perde o dinheiro investido (Investimento de risco) Patrimônio Líquido = Ativo (bens + direitos) – Passivo Exigível (obrigações exigíveis) Prof. José Carlos Marion 51
  • 52. Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL Uma Introdução O Termo “CAPITAL” em Contabilidade Capital = Recursos Capital de Terceiros = = Passivo = Capital Alheio Obrigações + Capital próprio = Recursos (financeiros ou materiais) Patrimônio = dos proprietários (sócios Líquido ou acionistas). = Capital Total Prof. José Carlos Marion 52
  • 53. Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL Uma Introdução O Termo “CAPITAL” em Contabilidade Balanço Patrimonial Ativo Passivo e PL Bens Obrigações • Máquinas Capital • Veículos (Capital de Terceiros) • Estoque Total • Dinheiro Direitos Patrimônio Líquido • Títulos a receber • Depósitos em Bancos (Capital Próprio) Prof. José Carlos Marion 53
  • 54. Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL Uma Introdução O Termo “CAPITAL” em Contabilidade Capital = Capital Nominal = Capital Social = Capital Registrado = Capital Subscrito (comprometido) Capital a Realizar (a Integralizar) – A aportar – (Ainda não colocado a disposição da empresa). Capital Social Capital Realizado (Integralizado) – Aportado – (Colocado a disposição da empresa). Prof. José Carlos Marion 54
  • 55. Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL Uma Introdução O Termo “CAPITAL” em Contabilidade Ex.: Subscrição e Integralização do CAPITAL em dinheiro no valor de R$ 200.000 Balanço Patrimonial Ativo Passivo Caixa 200.000 PL Capital Social 200.000 Total 200.000 Total 200.000 Prof. José Carlos Marion 55
  • 56. Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL Uma Introdução O Termo “CAPITAL” em Contabilidade Ex.: Subscrição do CAPITAL no valor de R$ 200.000 Balanço Patrimonial Ativo Passivo PL Capital Social 200.000 (-) Capital a integralizar (-) 200.000 Total 0 Total 0 Prof. José Carlos Marion 56
  • 57. Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL Uma Introdução O Termo “CAPITAL” em Contabilidade Ex.: Integralização do CAPITAL em dinheiro no valor de R$ 200.000 Balanço Patrimonial Ativo Passivo Caixa 200.000 PL Capital Social 200.000 Total 200.000 Total 200.000 Prof. José Carlos Marion 57
  • 58. Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL Uma Introdução O Termo “CAPITAL” em Contabilidade Ex.: Subscrição do CAPITAL no valor de R$ 200.000, sendo integralizado no ato 20% em dinheiro Balanço Patrimonial Ativo Passivo Caixa 40.000 PL Capital Social 200.000 (-) Capital a integralizar (-) 160.000 Total 40.000 Total 40.000 Prof. José Carlos Marion 58
  • 59. Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL Uma Introdução ORIGENS X APLICAÇÕES Aplicações dos Recursos que Todos os Recursos entram teve origem (Passivo e PL) = pelo Passivo e PL. Balanço Patrimonial Aplicações Origens Ativo Passivo e PL Bens Obrigações • Máquinas • Fornecedores • Veículos • Salários a Pagar • Estoque • Empréstimos Bancários • Dinheiro • Impostos a Pagar Direitos • Títulos a receber Patrimônio Líquido • Depósitos em Bancos • Capital • Subscrito • Integralizado Prof. José Carlos Marion 59
  • 60. Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL Uma Introdução ORIGENS X APLICAÇÕES Proprietários (PL) Caixa Fornecedores Estoque Governo Máquinas Bancos Imóveis etc. Financeiras etc. Balanço Patrimonial Ativo P e PL (origens) $$$$$$$$ $$$ $ De terceiros Aplicações $$$$$$$$ $$$$$$$$$ e próprio Prof. José Carlos Marion 60
  • 61. Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL Uma Introdução ATIVO PASSIVO Circulante Circulante Disponível (Caixa e Bancos) 600 Fornecedores 600 Duplicatas a Receber (Clientes) 1.700 Empréstimos a pagar 1200 Estoques 700 Contas a Pagar 800 Total 3.000 Total 2.600 Realiz. L.P. Exig. L.P. Títulos a Receber 1.000 Empréstimos a Pagar 1.000 Total 1.000 Total 1.000 Permanente Patrim. Líquido Investimentos 600 Capital Social 2.000 Imobilizado 1.000 Reservas 100 Diferido 400 Lucro do Exercício 300 Total 2.000 Total 2.400 TOTAL DO ATIVO 6.000 TOTAL DO PASSIVO 6.000 Prof. José Carlos Marion 61
  • 62. Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL Uma Introdução Aplicações: Fontes: . Giro $ 4.000 . Terceiros $ 3.600 ATIVO PASSIVO . Permanente $ 2.000 . Próprias $ 2.400 Circulante Circulante Disponível (Caixa e Bancos) 600 Fornecedores 600 Duplicatas a Receber (Clientes) 1.700 Empréstimos a pagar 1200 Estoques 700 Contas a Pagar 800 Total 3.000 Total 2.600 Realiz. L.P. Exig. L.P. Títulos a Receber 1.000 Empréstimos a Pagar 1.000 Total 1.000 Total 1.000 Permanente Patrim. Líquido Investimentos 600 Capital Social 2.000 Imobilizado 1.000 Reservas 100 Diferido 400 Lucro do Exercício 300 Total 2.000 Total 2.400 TOTAL DO ATIVO 6.000 TOTAL DO PASSIVO 6.000 Prof. José Carlos Marion 62
  • 63. Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL Uma Introdução PRINCIPAL ORIGEM DE RECURSOS A quem pertence o Lucro? Lucro é a remuneração ao capital investido na empresa pelos proprietários. Logo, pertence aos proprietários ! Prof. José Carlos Marion 63
  • 64. Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL Uma Introdução Explicação da Expressão “Balança Comercial” Equilíbrio: ATIVO = PASSIVO + PL Ativo Passivo e PL ORIGENS = APLICAÇÕES Prof. José Carlos Marion 64
  • 65. Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL Uma Introdução Entregar na próxima aula Tarefa 4.1. Recortar um Balanço Patrimonial de um banco e indicar com um círculo (ou sublinhar) os grupos Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido desse balanço. Prof. José Carlos Marion 65
  • 66. Cap. IV – BALANÇO PATRIMONIAL Uma Introdução 1 – Recomendações: - Exercícios referentes ao cap. 4 do caderno de exercícios - Exercício Grupo: Tarefa 4.1 pg. 53 do livro (slide anterior) - Leitura: Livro Texto - Cap. 5 2 – Avaliação da Aula Prof. José Carlos Marion 66
  • 67. Cap. V – BALANÇO PATRIMONIAL Grupo de Contas  Conceito e Objetivo  Conceito de Prazos na Contabilidade  Ativos  Passivos  Deduções do Ativo e PL Prof. José Carlos Marion 67
  • 68. Cap. V – BALANÇO PATRIMONIAL Grupo de Contas ATIVO PASSIVO Circulante Circulante Valores disponíveis e Obrigações com terceiros conversíveis dentro do período que vencem no período. Exigível obrigatório Realiz. L.P. Exig. L.P. Obrigações com terceiros Valores conversíveis além do que se vencem além do período período. Exigível obrigatório Permanente Patrim. Líquido Investimentos de caracter Recursos dos Proprietários permanente ou que beneficiam ou Sócios da Empresa Exigível NÃO obrigatório exercícios futuros Prof. José Carlos Marion 68
  • 69. Cap. V – BALANÇO PATRIMONIAL Grupo de Contas CONCEITO DE CURTO E LONGO PRAZOS • Curto Prazo  até um ano (conceito geral) • Longo Prazo  Período acima de um ano 31.12.X0 31.12.X1 X1 X2 Curto Prazo Longo Prazo Término do Exercício social Prof. José Carlos Marion 69
  • 70. Cap. V – BALANÇO PATRIMONIAL Grupo de Contas CONCEITO DE CURTO E LONGO PRAZOS • Curto Prazo  até um ano (conceito geral) • Longo Prazo  Período acima de um ano 31.12.X0 31.12.X1 X1 X2 Curto Prazo Longo Prazo Prof. José Carlos Marion 70
  • 71. Cap. V – BALANÇO PATRIMONIAL Grupo de Contas CONCEITO DE CURTO E LONGO PRAZOS • Curto Prazo  até um ano (conceito geral) • Longo Prazo  Período acima de um ano 31.12.X0 31.12.X1 X1 X2 X3 Curto Prazo Longo Prazo Curto Prazo Ciclo Operacional Longo Prazo Prof. José Carlos Marion 71
  • 72. Cap. V – BALANÇO PATRIMONIAL Grupo de Contas ATIVO ATIVO CIRCULANTE Grupo que gera dinheiro para a empresa pagar suas contas a curto prazo. ATIVO REALIZÁVEL A LONGO PRAZO Compreende itens que serão realizados em dinheiro a longo prazo (período superior a um ano), ou de acordo com o ciclo operacional da atividade predominante. Os empréstimos que a empresa faz a diretores e a coli- gadas também são classificados neste grupo. Prof. José Carlos Marion 72
  • 73. Cap. V – BALANÇO PATRIMONIAL Grupo de Contas ATIVO ATIVO PERMANENTE - Itens que dificilmente se transformarão em dinheiro  Investimentos: não ligados à atividade-fim da empresa. Ex: Ações Outras Cias., Terrenos  Imobilizado: totalmente correlacionado com a atividade-fim. Ex: Prédios, Veículos, Máquinas.  Diferido: Gastos pré-operacionais. Ex. Abertura da Firma, reestruturação da empresa etc. Prof. José Carlos Marion 73
  • 74. Cap. V – BALANÇO PATRIMONIAL Grupo de Contas PASSIVO PASSIVO CIRCULANTE • Obrigações com terceiros a serem pagas no Curto Prazo EXIGÍVEL A LONGO PRAZO • Obrigações com terceiros a serem pagas no Longo Prazo PATRIMÔNIO LÍQUIDO • Total de recursos investido pelos proprietários. Normal- mente compostos de capital e lucros retidos (parte do lucro não distribuído aos donos mas reinvestido na empresa. Prof. José Carlos Marion 74
  • 75. Cap. V – BALANÇO PATRIMONIAL Grupo de Contas ATIVO PASSIVO Circulante Circulante Disponível (Caixa e Bancos) 600 Fornecedores 600 Duplicatas a Receber (Clientes) 1.700 Empréstimos a pagar 1200 Estoques 700 Contas a Pagar 800 Total 3.000 Total 2.600 Realiz. L.P. Exig. L.P. Títulos a Receber 500 Empréstimos a Coligada 500 Empréstimos a Pagar 1.000 Total 1.000 Total 1.000 Permanente Patrim. Líquido Investimentos 600 Capital Social 2.000 Imobilizado 1.000 Reservas 100 Diferido 400 Lucro do Exercício 300 Total 2.000 Total 2.400 TOTAL DO ATIVO 6.000 TOTAL DO PASSIVO 6.000 Prof. José Carlos Marion 75
  • 76. Cap. V – BALANÇO PATRIMONIAL Grupo de Contas PRINCIPAIS DEDUÇÕES DO ATIVO E PATR. LÍQUIDO ATIVO CIRCULANTE Provisão para Devedores Duvidosos (PDD) Parcela estimada pela empresa que não será recebida, em decorrência de maus pagadores. Deverá ser subtraída de Duplicatas a receber (%  Aceito pelo Imposto de Renda.). Duplicatas Descontadas - Parte das duplicatas a receber negociadas com as inst. financeiras (realização antecipada). Deverá ser subtraída de Duplicatas a Receber. Prof. José Carlos Marion 76
  • 77. Cap. V – BALANÇO PATRIMONIAL Grupo de Contas PRINCIPAIS DEDUÇÕES DO ATIVO E PATR. LÍQUIDO ATIVO PERMANENTE Depreciação Acumulada - Perda da capacidade do imobilizado de produzir eficientemente. Obtém-se o valor líquido (bruto – depreciação acumulada) que deverá aproximar-se do seu valor em termos potenciais. Amortização Acumulada -É calculada sobre os bens intangíveis que representam retorno sobre seu valor de aquisição. Exaustão Acumulada – É calculada sobre a exploração de recursos minerais e florestais. Prof. José Carlos Marion 77
  • 78. Cap. V – BALANÇO PATRIMONIAL Grupo de Contas PRINCIPAIS DEDUÇÕES DO ATIVO E PATR. LÍQUIDO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Prejuízo Da mesma forma que a conta Lucros é acrescida ao PL, a conta prejuízos reduz o PL. Prof. José Carlos Marion 78
  • 79. Cap. V – BALANÇO PATRIMONIAL Grupo de Contas Ativo Passivo e Patrimônio Líquido 31/12/x7 31/12/x6 31/12/x7 31/12/x6 Circulante Circulante Disponível ______ ______ _______________ ______ ______ Duplicatas a Receber ______ ______ _______________ ______ ______ (-) Prov. Dev. Duvud. (-) (-) _______________ ______ ______ (-) Dupl. Descontadas (-) (-) _______________ ______ ______ Estoque ______ ______ _______________ ______ ______ Realizável L. P. ______ ______ Exigível L. P. ______ ______ Permanente ______ ______ P. Líquido Investimentos ______ ______ Capital ______ ______ Imobilizado Lucros Acumul. ______ ______ -Prédios ______ ______ (-) Prejuízo Exerc. (-) (-) -Veículos ______ ______ _________________ ______ ______ -Móveis Utens. ______ ______ _________________ ______ ______ -Maqs. Equip. ______ ______ _________________ ______ ______ (-) Deprec. Ac. (-) (-) _________________ ______ ______ Diferido ______ ______ _________________ ______ ______ Prof. José Carlos Marion 79
  • 80. Cap. V – BALANÇO PATRIMONIAL Grupo de Contas Ativo Passivo e Patrimônio Líquido Circulante Circulante Compreende contas que estão constantemente em giro - Compreende obrigações exigíveis que serão liquidadas no em movimento, sua conversão em dinheiro ocorrerá, no próximo exercício social: nos próximos 365 dias após o máximo, até o próximo exercício social. levantamento do balanço. Realizável a Longo Prazo Exigível a Longo Prazo Incluem-se nessa conta bens e direitos que se Relacionam-se nessa conta obrigações exigíveis que serão transformarão em dinheiro após o exercício seguinte. liquidadas com prazo superior a um ano - dívidas a longo prazo. Permanente São bens e direitos que não se destinam a venda e têm Patrimônio Líquido vida útil longa, no caso de bens. São recursos dos proprietários aplicados na empresa. Os  Investimento recursos significam o capital mais o seu rendimento - lucros São as aplicações de caráter permanente que geram e reservas. Se houver prejuízo, o total dos investimentos rendimentos não necessários à manutenção da proprietários será reduzido. atividade principal da empresa.  Imobilizado Observação: há outras contas pertencentes ao balanço Abarca itens de natureza permanente que serão patrimonial que serão tratadas em momento oportuno. utilizados para a manutenção da atividade básica da empresa.  Diferido São aplicações que beneficiarão resultados de exercícios futuros. Prof. José Carlos Marion 80
  • 81. Cap. V – BALANÇO PATRIMONIAL Grupo de Contas 1 – Recomendações: - Exercícios referentes ao cap. 5 do caderno de exercícios - Exercício Grupo: Tarefa 5.1 pg. 66 do livro texto - Leitura: Livro Texto - Cap. 6 2 – Avaliação da Aula Prof. José Carlos Marion 81
  • 82. Cap. VI – Apuração do Resultado e Regimes de Contabilidade  Apuração do Resultado  Conceito de Receita e Despesa  Regime de Competência  Regime de Caixa  Balanço Patrimonial X DRE e Regime de Competência  Diferença entre Despesa e Custo Prof. José Carlos Marion 82
  • 83. Cap. VI – Apuração do Resultado e Regimes de Contabilidade APURAÇÃO DO RESULTADO Características: • Apuração realizada à cada exercício social • Resumo ordenado das Receitas e Despesas do período, i.e, Confronto entre Receitas e Despesas  Receitas > Despesas  Lucro  Receitas < Despesas  Prejuízo A apuração é realizada de forma destacada na DRE. Prof. José Carlos Marion 83
  • 84. Cap. VI – Apuração do Resultado e Regimes de Contabilidade RECEITAS E DESPESAS Conceito Receitas: • Vendas de Produtos, Mercadorias ou Serviços  A vista  entrada de dinheiro em Caixa  A prazo  entrada de direitos a receber • Aumentam o Ativo • Nem todo aumento de Ativo significa Receita  Empréstimos  Financiamentos  Compras a prazo  .... Prof. José Carlos Marion 84
  • 85. Cap. VI – Apuração do Resultado e Regimes de Contabilidade RECEITAS E DESPESAS Conceito Despesas: • Todo sacrifício, esforço para obter Receita  Matéria Prima; Mão de Obra;  Consumo de bens (Depreciação);  Serviços • Podem ocorrer à vista ou a prazo  A vista  saída de dinheiro do Caixa  A prazo  aumento das Obrigações Prof. José Carlos Marion 85
  • 86. Cap. VI – Apuração do Resultado e Regimes de Contabilidade RECEITAS E DESPESAS Conceito Outras considerações: • Caixa  Entrada de dinheiro  Encaixe  Saída de dinheiro  Desencaixe • Perdas  Variações anormais, inesperadas ou involuntárias no ativo  Incêndio, roubo, inundações ...... Prof. José Carlos Marion 86
  • 87. Cap. VI – Apuração do Resultado e Regimes de Contabilidade RECEITAS E DESPESAS OPERAÇÕES A PRAZO À VISTA + Dupl. A Receber + Caixa (Encaixe) Receita  Ativo Ativo + Contas a Pagar (-) Caixa (desembolso) Despesa  Passivo Ativo D.R.E. BALANÇO PATRIMONIAL Prof. José Carlos Marion 87
  • 88. Cap. VI – Apuração do Resultado e Regimes de Contabilidade REGIMES DE APURAÇÃO DO RESULTADO • COMPETÊNCIA • CAIXA Prof. José Carlos Marion 88
  • 89. Cap. VI – Apuração do Resultado e Regimes de Contabilidade REGIMES DE APURAÇÃO DO RESULTADO COMPETÊNCIA • Regime universalmente adotado • Critério aceito e recomendado pelo Imposto de Renda • Receitas  Contabilizada no período em foi gerada (à vista ou a prazo) • Despesas  Contabilizada no período em que foi consumida, independente do pagamento ter sido, ou não, realizado Prof. José Carlos Marion 89
  • 90. Cap. VI – Apuração do Resultado e Regimes de Contabilidade REGIMES DE APURAÇÃO DO RESULTADO COMPETÊNCIA D.R.E  Lucro apurado observando-se as incorrências do período Toda despesa gerada no período (mesmo que ainda não tenha sido paga) será subtraída do total da receita, tam- bém gerada no mesmo período (mesmo que ainda não tenha sido recebida). Prof. José Carlos Marion 90
  • 91. Cap. VI – Apuração do Resultado e Regimes de Contabilidade REGIMES DE APURAÇÃO DO RESULTADO COMPETÊNCIA D.R.E  Lucro apurado observando-se as incorrências do período Apuração do Regime de competência: resultado em Toda a receita ganha em 20X1 20X1 Toda a despesa incorrida em 20X1 Prof. José Carlos Marion 91
  • 92. Cap. VI – Apuração do Resultado e Regimes de Contabilidade REGIMES DE APURAÇÃO DO RESULTADO CAIXA • Aplicação restrita (entidades sem fins lucrativos) • Receitas  Contabilizada no momento do recebimento do dinheiro; • Despesas  Contabilizada no momento do pagamento; • D.R.E  Lucro apurado = Receitas Recebidas X Despesas Pagas Prof. José Carlos Marion Fonte: Marion 92
  • 93. Cap. VI – Apuração do Resultado e Regimes de Contabilidade REGIMES DE APURAÇÃO DO RESULTADO Exemplo de Regime de Caixa e Competência (Comparativo) A Cia. Goiana vendeu em X1 $ 20.000 e só recebeu $ 12.000 (o restante receberá no futuro); teve como despesa incorrida $ 16.000 e pagou até o último dia do ano $ 10.000. Prof. José Carlos Marion Fonte: Marion 93
  • 94. Cap. VI – Apuração do Resultado e Regimes de Contabilidade REGIMES DE APURAÇÃO DO RESULTADO Exemplo de Regime de Caixa e Competência D.R.E. COMPETÊNCIA CAIXA Receitas 20.000 12.000 Despesas (16.000) (13.000) Resultado 4.000 (1.000) Prof. José Carlos Marion 94
  • 95. Cap. VI – Apuração do Resultado e Regimes de Contabilidade BALANÇO PATRIMONIAL X D.R.E e Regime de Competência Contas Patrimoniais -Valores contábeis (Contas)  ou BP ou DRE Contas de -BP: Ativo Resultado  Itens que trazem benefícios para a empresa  Quando gastos transformam-se em despesas  Material de escritório  Seguros a vencer Prof. José Carlos Marion 95
  • 96. Cap. VI – Apuração do Resultado e Regimes de Contabilidade BALANÇO PATRIMONIAL X D.R.E e Regime de Competência Material de escritório * - Lançados no Ativo. - São bens que trarão benefícios no futuro. - A medida que consumidos, serão baixados do Ativo e contabilizados como despesa. - O restante (não consumido) ficaria no Ativo Circulante como Despesa do Exercício Seguinte. * Dependendo do volume, a empresa considera como gasto imediato Prof. José Carlos Marion 96
  • 97. Cap. VI – Apuração do Resultado e Regimes de Contabilidade BALANÇO PATRIMONIAL X D.R.E e Regime de Competência Seguros a vencer - Em geral, é feito por um ano. - Se o seu período fosse de 01/01 a 31/12 (coincidisse com o exer. social), todo gasto com seguro seria contabilizado como despesa, pois nada se aproveitaria para o ano seguinte. - Na pratica, se o período for (Ex.) 01-07-X1 a 30-06-X2, dessa quantia será considerada como despesa em 31-12-X1 apenas o referente a 6 meses, o restante será considerado Ativo Circulante, pois é um pagamento que beneficiará o ano seguinte (Despesa do Exercício Seguinte). Prof. José Carlos Marion 97
  • 98. Cap. VI – Apuração do Resultado e Regimes de Contabilidade BALANÇO PATRIMONIAL X D.R.E e Regime de Competência Seguros a vencer Balanço Patrimonial Ativo Passivo Circulante Disponível Duplicatas a Receber Estoques Despesas do Exerc. Seguinte compreendem itens que trarão benefícios à empresa, mas serão utilizados (consumidos) no pró- ximo ano, tornando-se despesas. Prof. José Carlos Marion 98
  • 99. Cap. VI – Apuração do Resultado e Regimes de Contabilidade BALANÇO PATRIMONIAL X D.R.E e Regime de Competência Exemplo: Admita-se que a Cia. Desconfiada faça um seguro por um ano, em 30-9-X1, pagando $ 18.000 (prêmio de seguro) e, nesta data, adquira $ 10.000 de material de escritório. Em 31-12-X1 constata-se que havia em estoques apenas $ 2.000 de material de escritório. Como fica o Balanço Patrimonial em 31-12-X1 ? Prof. José Carlos Marion 99
  • 100. Cap. VI – Apuração do Resultado e Regimes de Contabilidade BALANÇO PATRIMONIAL X D.R.E e Regime de Competência Exemplo: (Solução) Companhia Desconfiada em $ mil Balanço Patrimonial 31-12-X1 Ativo Passivo Circulante .__________ xxxxx .__________ xxxxx * Poderia ser . Desp. Exer. Seg. classificado - Seguros 13.500 como estoque - Mat. de escr.* 2.000 de consumo. Prof. José Carlos Marion 100
  • 101. Cap. VI – Apuração do Resultado e Regimes de Contabilidade BALANÇO PATRIMONIAL X D.R.E e Regime de Competência Exemplo: (Solução) Companhia Desconfiada Em $ mil DRE X1 Receita ------- (-) Despesa ------- ________ ... ------- Seguros 4.500 Material Escritório 8.000 ________ ... ------- Lucro / Prejuizo ------- Prof. José Carlos Marion 101
  • 102. Cap. VI – Apuração do Resultado e Regimes de Contabilidade OUTROS AJUSTES (com relação ao regime de competência) Ao final do exercício social – Para apurar o Lucro do Período • Devedores duvidosos: Perdas estimadas, referentes ao período em questão • Depreciação: Gastos relativos ao uso de bens do Ativo Imobilizado Taxas fixadas pelo Imposto de Renda Prof. José Carlos Marion 102
  • 103. Cap. VI – Apuração do Resultado e Regimes de Contabilidade EFEITO DO LUCRO NO BALANÇO Lucro apurado Pertence ao proprietário Prejuízo Deve assumi-lo Parte do Lucro pode ser reinvestido (lucros retidos/acumulados). Entra no Balanço via PL (origem) sendo aplicada no Ativo. A parte do lucro distribuída aos proprietários é denominada dividendos Prof. José Carlos Marion 103
  • 104. Cap. VI – Apuração do Resultado e Regimes de Contabilidade EFEITO DO LUCRO NO BALANÇO Exemplo Uma Empresa tem $ 900 de capital aplicado no caixa. Durante o ano tem uma receita de $ 800 a vista, por prestação de serviços e uma despesa de $ 500. Apure-se o lucro e observe os efeitos no balanço, sabendo-se que não houve distribuição de dividendos. Balanço Patrimonial (após a apuração do Lucro) DRE (Apuração ATIVO PASSIVO E PL do Lucro) Circulante Início Final P. Líquido Início Final Receita Caixa 900 1.200 Capital 900 900 a vista $ 800 - Lucros Ac. - 300 (-) Despesas $ 500 Total 900 1.200 Total 900 1.200 Lucro $ 300 Prof. José Carlos Marion 104
  • 105. Cap. VI – Apuração do Resultado e Regimes de Contabilidade DIFERENÇA ENTRE DESPESA E CUSTO CUSTO DESPESA Prof. José Carlos Marion 105
  • 106. Cap. VI – Apuração do Resultado e Regimes de Contabilidade DIFERENÇA ENTRE DESPESA E CUSTO •Atividades empresariais: Indústria Ex.: Custo = Gastos na fábrica, Despesa = Gastos no Escritório Comércio Ex.: Custo = Mercadoria a ser revendida Despesa = Gastos na Indústria Serviços Ex.: Custo = Mão-de-obra aplicada Despesa = Gastos na Administração  Áreas dentro da Empresa: Comercial Industrial Administrativa Prof. José Carlos Marion 106
  • 107. Cap. VI – Apuração do Resultado e Regimes de Contabilidade DIFERENÇA ENTRE DESPESA E CUSTO Custos • Indústria: Gastos de industrialização do produto • Comércio: Gastos relativos às mercadorias p/ revenda • Serviços: Gastos na execução dos serviços Despesas • Despesas: Gastos no escritório Prof. José Carlos Marion 107
  • 108. Cap. VI – Apuração do Resultado e Regimes de Contabilidade DIFERENÇA ENTRE DESPESA E CUSTO Custos Despesas Produção Comercial e Conta Administração  Pessoal X X  Matéria Prima X  Mercadoria X  Embalagem X  Manutenção X X  Aluguel X X  Marketing X  Comissão de Vendas X  Fretes de entrega X  Limpeza X X  .... Prof. José Carlos Marion 108
  • 109. Cap. VI – Apuração do Resultado e Regimes de Contabilidade Tarefa 6: Montar tabelas (planilhas) relacionando os tipos de gastos (custos e despesas) apropriáveis as atividades empresariais abaixo: Atividades empresariais:  Indústria: Automóvel  Comércio: Supermercado  Serviços: Escola Prof. José Carlos Marion 109
  • 110. Cap. VI – Apuração do Resultado e Regimes de Contabilidade 1 – Recomendações: - Exercícios referentes ao cap. 6 do caderno de exercícios - Exercício Grupo: slide anterior - Leitura: Livro Texto - Cap. 7 2 – Avaliação da Aula Prof. José Carlos Marion 110
  • 111. Cap. VII – Demonstração do Resultado do Exercício (D.R.E.)  Demonstração Dedutiva  A Receita Bruta e suas Deduções  Apuração do Lucro Bruto  Custos das Vendas  Lucro Operacional  O Lucro e o Imposto de Renda  O Lucro Líquido e sua destinação Prof. José Carlos Marion 111
  • 112. Cap. VII – Demonstração do Resultado do Exercício (D.R.E.) ATIVO PASSIVO Circulante Circulante Disponível (Caixa e Bancos) 600 Fornecedores 600 Duplicatas a Receber (Clientes) 1.700 Empréstimos a pagar 1200 Estoques 700 Contas a Pagar 800 Total 3.000 Total 2.600 Realiz. L.P. Exig. L.P. Títulos a Receber 500 Empréstimos a Coligada 500 Empréstimos a Pagar 1.000 Total 1.000 Total 1.000 Permanente Patrim. Líquido Investimentos 600 Capital Social 2.000 Imobilizado 1.000 Reservas 100 Diferido 400 Lucro do Exercício 300 Total 2.000 Total 2.400 TOTAL DO ATIVO 6.000 TOTAL DO PASSIVO 6.000 Prof. José Carlos Marion 112
  • 113. Cap. VII – Demonstração do Resultado do Exercício (D.R.E.) DEMONSTRAÇÃO DEDUTIVA Receitas (-) Despesas Sentido Vertical ------------------- (dedutivo) Lucro ou Prejuízo Prof. José Carlos Marion 113
  • 114. Cap. VII – Demonstração do Resultado do Exercício (D.R.E.) Empresas Micros e Pequenas Médias e Grandes DRE (simples) DRE (completa) Receitas Receitas V V (-) Deduções (-) Despesas . E E Lucro ou Prejuízo R R (-) Custos T T (-) Despesas I I C C (-) ................. A A .......................... L L Lucro ou Prejuízo Prof. José Carlos Marion 114
  • 115. Cap. VII – Demonstração do Resultado do Exercício (D.R.E.) D.R.E. e suas Contas Receitas Bruta (-) Deduções da Receita = Receita Líquida (-) Custos das Vendas = Lucro Bruto (-) Despesas Operacionais = Lucro Operacional (-) Despesas não Operacionais + Receitas não Operacionais = Lucro Antes do Imposto de Renda (LAIR) (-) Provisão para Imposto de Renda = Lucro Depois do Imposto de Renda Prof. José Carlos Marion 115
  • 116. Cap. VII – Demonstração do Resultado do Exercício (D.R.E.) D.R.E. e suas Contas Receitas Bruta (-) Deduções da Receita = Receita Líquida (-) Custos das Vendas = Lucro Bruto A Receita Bruta representa a somatória dos valores (-) Despesas Operacionais = Lucro Operacional Notas Fiscais emitidas das (-) Despesas não Operacionais + Receitas não Operacionais = Lucro Antes do Imposto de Renda (LAIR) (-) Provisão para Imposto de Renda = Lucro Depois do Imposto de Renda Prof. José Carlos Marion 116
  • 117. Cap. VII – Demonstração do Resultado do Exercício (D.R.E.) D.R.E. e suas Contas Receitas Bruta (-) Deduções da Receita Impostos e Taxas s/ Vendas = Receita Líquida . IPI (-) Custos das Vendas ICMS . O fato gerador é . ISS = Lucro Bruto . PIS a Receita (-) Despesas Operacionais . COFINS = Lucro OperacionalDevoluções (vendas canceladas) Abatimentos (descontos) (-) Despesas não Operacionais + Receitas não Operacionais = Lucro Antes do Imposto de Renda (LAIR) (-) Provisão para Imposto de Renda = Lucro Depois do Imposto de Renda Prof. José Carlos Marion 117
  • 118. Cap. VII – Demonstração do Resultado do Exercício (D.R.E.) D.R.E. e suas Contas Admita-se que a Cia. Balanceada, indústria, tenha emitido uma nota fiscal de venda cujo preço do produto seja de $ 10.000 mais 30% de IPI. O ICMS está incluso no preço do produto: Nota Fiscal___ ______ Cia. Balanceada DRE - Cia. Balanceada ____________ ______ R....................... ____________ _____ S/P - São Paulo Receita Bruta $ 13.000 (-) Deduções IPI  $ (3.000) Preço do Produto 10.000 + IPI (30%) 3.000 ICMS  $ (1.800) Preço Total 13.000 Receita Líquida $ 8.200 ICMS incluso no Preço 18% x $ 10.000 = $ 1.800 ____________ _____________ Prof. José Carlos Marion 118
  • 119. Cap. VII – Demonstração do Resultado do Exercício (D.R.E.) D.R.E. e suas Contas Receitas Bruta Despesas Operacionais Custos(-) Deduçõesrepresentam os gastos de das Vendas da Receita “produção”VendasReceitaaos produtos ou serviços vendidos. . apropriados Líquida = . Administrativasdas Vendas (-) Custos = Lucro Bruto . Financeiras Despesas Financeiras Operacionais Financeiras (-) Despesas Receitas = Lucro Operacional . Juros incorridos (pagos ou não) . Aplicações financeiras Despesas Operacionais sãoJurosgastos incorridos . Juros de mora pagos os de mora recebido (-) Despesas não .Operacionais . Descontos para: vender, Receitas não e .financiar as operações. concedidos + administrar Operacionais Descontos obtidos . Comissões bancárias = Lucro Antes do Imposto de Renda (LAIR) . ....... . Correção monetária sobre empréstimos foremImposto de Renda Se as Receitas (-) Provisão para maiores que as Despesas Financeiras Financeiras, o saldo Lucro Depois do de DespesasRenda . CPMF = reduzirá a conta Imposto de Operacionais . ....... Prof. José Carlos Marion 119
  • 120. Cap. VII – Demonstração do Resultado do Exercício (D.R.E.) D.R.E. e suas Contas Receitas Bruta (-) Deduções da Receita = Receita Líquida (-) Custos das Vendas Despesas e= Lucro Bruto Receitas não Operacionais são variações registradas (-) Despesasque não fazem parte do objeto na D.R.E., Operacionais = Lucro Operacional Social da Empresa (-) Despesas não Operacionais + Receitas não Operacionais Ganhos ou Perdas ocorridos com Imposto de Renda (LAIR) = Lucro Antes do venda de Permanentes: (-) Provisão para Imposto de Renda • venda de ações (com lucro ou prejuízo); = Lucro Depois do Imposto de Renda • venda de imobilizados (com lucro ou prejuízo Prof. José Carlos Marion 120
  • 121. Cap. VII – Demonstração do Resultado do Exercício (D.R.E.) D.R.E. e suas Contas Receitas Bruta (-) Lucro Depois do I.R. Deduções da Receita (-) Doações e Contribuições = Receita Líquida (-) Participações (-) Custos das Vendas = Lucro BrutoLÍQUIDO = LUCRO  (-) Despesas Operacionais RETENÇÕES = Lucro Operacional DIVIDENDOS (-) Despesas não Operacionais + Receitas não Operacionais É a sobra líquida à disposição dos = Lucro Antes do Imposto de Renda (LAIR) proprietários da empresa. (-) Provisão para Imposto de Renda = Lucro Depois do Imposto de Renda Prof. José Carlos Marion 121
  • 122. Cap. VII – Demonstração do Resultado do Exercício (D.R.E.) Como Apurar o Lucro Depois do IR. O exerc. social em que é gerado lucro (ano X) denomina-se “ano base”. O exercício em que se paga o IRPJ (ano X+1) denomina-se “exerc. financeiro”. Pelo regime de compe- tência considera-se o IRPJ no período em que foi gerado (ano base). Portanto calcula-se (provisão) o valor do IRPJ a pagar e deduz-se tal quantia do “Lucro Antes do Imposto de Renda”. Pela Legislação do IRPJ, a base de cálculo (lucro ajustado) é calculada em um livro extracontábil denominado “Livro de Apuração do Lucro Real” – LALUR. Prof. José Carlos Marion 122
  • 123. Cap. VII – Demonstração do Resultado do Exercício (D.R.E.) Como Apurar o Lucro Líquido Lucro Depois do Imposto de Renda (-) Doações e Contribuições (-) Participações Lucro Líquido Debenturistas Empregados Administradores Partes Beneficiárias Fundos de Assistência aos Empregados Prof. José Carlos Marion 123
  • 124. Cap. VII – Demonstração do Resultado do Exercício (D.R.E.) D.R.E. Capital de Roteiro Contábil Receita Terceiros 1. Apuração do (-) Desp/Custo Lucro Lucro Líquido D.L.P.Ac Saldo de Ano(s) anterior(es) 2. Transferência p/ Lucros Acumulados + Lucro Líquido deste Exerc. Balanço Patrimonial ATIVO PASSIVO D i v i d Aplicação e Patrimônio n de d Líquido o s Recursos 3. Canalização de lucro retido Investidores Fonte: Marion (Sócios ou Acionistas) Prof. José Carlos Marion 124
  • 125. Cap. VII – Demonstração do Resultado do Exercício (D.R.E.) 1 – Recomendações: - Exercícios referentes ao cap. 7 do caderno de exercícios - Exercício Grupo: Tarefa 7.1 pag. 91 – Livro texto - Leitura: Livro Texto - Cap. 8 2 – Avaliação da Aula Prof. José Carlos Marion 125
  • 126. Cap. VIII – Plano de Contas ARRUMANDO A CASA OU O APTO OU ..... CÔMODOS • Sala • Cozinha • Quarto • Banheiro Mobiliário: • Hall • Cama • Garagem Roupa • Guarda • Cômoda • ....... • Criado-Mudo • Abatjour • ............ Prof. José Carlos Marion 126
  • 127. Cap. VIII – Plano de Contas ORGANIZANDO A EMPRESA AMBIENTE Sociedade Cultura Fornecedores EMPRESA Clientes Concorrentes Governo Conquistar Mercado Ganhar Dinheiro Prof. José Carlos Marion 127
  • 128. Cap. VIII – Plano de Contas ORGANIZANDO A EMPRESA ATIVIDADES • Comercial Gastos: • Logística• Pessoal • Produção• Aluguel • Administração• Manutenção • Matéria Prima • Contabilidade• Gastos Diversos • ............ • ............ Prof. José Carlos Marion 128
  • 129. Cap. VIII – Plano de Contas  Conceito  Plano de Contas “Importado”  Importância do Plano de Contas  Plano de Contas e o Usuário da Contabilidade  Plano de Contas Simplificado  Adequação do Plano de Contas à Outras Atividades Prof. José Carlos Marion 129
  • 130. Cap. VIII – Plano de Contas CONCEITO “Agrupamento ordenado de todas as contas que são utilizadas pela Contabilidade dentro de determinada empresa. Portanto, o elenco de contas considerado é indispensável para os registros de todos os fatos contábeis”. (MARION, 1998:93) Prof. José Carlos Marion 130
  • 131. Cap. VIII – Plano de Contas CONCEITO • Cada empresa deve ter um Plano de Contas apropriado • Um Plano de Contas deve conter somente as contas que serão movimentadas (no presente ou no futuro) • Exemplos:  Estoques (empresa Industrial / Comercial) – Conta: ICMS a Recolher  IPI (empresa Industrial) - Conta: IPI a Recolher  ISS (empresa de Serviços) - Conta : ISS a Recolher Prof. José Carlos Marion 131
  • 132. Cap. VIII – Plano de Contas PLANO DE CONTAS IMPORTADO • Não é um Plano de Contas que veio do estrangeiro ! • É uma cópia de um Plano de Contas de uma outra empresa • Escritórios de Contabilidade e os planos comuns • Convenientes • Inconvenientes Prof. José Carlos Marion 132
  • 133. Cap. VIII – Plano de Contas IMPORTANCIA DO PLANO DE CONTAS • Empresas:  Tamanho diferentes  Ramo de atividade diferentes  Sistemas de pagamento / recebimento específicos  Linguagens e Terminologias não necessariamente iguais • Empresas distintas  Planos de Contas distintos  Diversas pessoas trabalhando  Objetivo  uma mesma cartilha, um mesmo idioma  Padronização dos Registros Contábeis  Uniformidade  (Processamento: Manual, Mecânico ou Eletrônico • Característica geral:  Numerado  Codificado de forma racional (código falante) Prof. José Carlos Marion 133
  • 134. Cap. VIII – Plano de Contas PLANO DE CONTAS E O USUÁRIO DA CONTABILIDADE • O que deve conter:  Elenco de Contas e grau de detalhes  volume e natureza do negócio  Deve atender o interesse dos usuários (acionistas, gerentes, ....) • Exemplo:  Indústria metalúrgica  Estoques (Acabados, Elaboração, M.Prima) Gastos com pessoal detalhados por depto.  Pequena Loja  Estoques (mercadorias) Gastos com pessoal apresentados pelo total Prof. José Carlos Marion 134
  • 135. Cap. VIII – Plano de Contas PLANO DE CONTAS SIMPLIFICADO Estrutura Básica • Conta (Ativo, Passivo, PL, Resultados...) • Grupo de Contas (Circulante, L.P. Permanente, ....) • Conta do Grupo (Caixa, Fornecedores, Reservas...) Prof. José Carlos Marion 135
  • 136. Cap. VIII – Plano de Contas Contas  PLANO DE CONTAS SIMPLIFICADO Exemplos: 1.1.1.15 4.1.4.2 1o. Passo: 5.2.3.32 1. CONTAS CÓDIGO • Ativo 1 • Passivo 2 • Patrimônio Líquido 3 • Receitas e Deduções 4 • Contas Dedutivas 5 Prof. José Carlos Marion 136
  • 137. Cap. VIII – Plano de Contas PLANO DE CONTAS SIMPLIFICADO 2. GRUPOS DE CONTA CÓDIGO • Ativo Circulante 1.1 • Realizável a Longo Prazo 1.2 • Ativo Permanente 1.3 • Passivo Circulante 2.1 • Exigível a Longo Prazo 2.2 Prof. José Carlos Marion 137
  • 138. Cap. VIII – Plano de Contas PLANO DE CONTAS SIMPLIFICADO 3. CONTAS DOS GRUPOS 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Ativo Circulante – Caixa 1.1.2 Ativo Circulante – Bancos 1.1.3 Ativo Circulante - Duplicatas a Receber 7 Passivo 2.1 Passivo Circulante 2.1.1 Fornecedores 2.1.2 Impostos a Recolher ......... Prof. José Carlos Marion 138

Notas do Editor

  1. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  2. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  3. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  4. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  5. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  6. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  7. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  8. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  9. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  10. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  11. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  12. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  13. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  14. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  15. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  16. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  17. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  18. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  19. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  20. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  21. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  22. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  23. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  24. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  25. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  26. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  27. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  28. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  29. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  30. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  31. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  32. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  33. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  34. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  35. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  36. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  37. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  38. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  39. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  40. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  41. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  42. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  43. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  44. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  45. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  46. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  47. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  48. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  49. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  50. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  51. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  52. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  53. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  54. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  55. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  56. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  57. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  58. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  59. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  60. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  61. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  62. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  63. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  64. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  65. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  66. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  67. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  68. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  69. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  70. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  71. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  72. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  73. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  74. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  75. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  76. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  77. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  78. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  79. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  80. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  81. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  82. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  83. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  84. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  85. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  86. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  87. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  88. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  89. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  90. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  91. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  92. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  93. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  94. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  95. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  96. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  97. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  98. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  99. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  100. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  101. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  102. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  103. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  104. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  105. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  106. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  107. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  108. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  109. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  110. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  111. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  112. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  113. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  114. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  115. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  116. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  117. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  118. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  119. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  120. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  121. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  122. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  123. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  124. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  125. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  126. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  127. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  128. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  129. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  130. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  131. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  132. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  133. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  134. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  135. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  136. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  137. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  138. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  139. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  140. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  141. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  142. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  143. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  144. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  145. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  146. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  147. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  148. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  149. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  150. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  151. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  152. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  153. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  154. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  155. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  156. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  157. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  158. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  159. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  160. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  161. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  162. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  163. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  164. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  165. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  166. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  167. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  168. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  169. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  170. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  171. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  172. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  173. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  174. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  175. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  176. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  177. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  178. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  179. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  180. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  181. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  182. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  183. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  184. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  185. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  186. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  187. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  188. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  189. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  190. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  191. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  192. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  193. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  194. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  195. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  196. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  197. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  198. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  199. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  200. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  201. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  202. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  203. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  204. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  205. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  206. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  207. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  208. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  209. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  210. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  211. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  212. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  213. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  214. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  215. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  216. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  217. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  218. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  219. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  220. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  221. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  222. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  223. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  224. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  225. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  226. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  227. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  228. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  229. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  230. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  231. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  232. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  233. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  234. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  235. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  236. CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro