SlideShare uma empresa Scribd logo
CONCEITO DE DIREITO

           Sistema de normas de conduta imposto por um conjunto de
instituições para regular as relações sociais

          Apesar da existência milenar do direito nas sociedades humanas e
de sua estreita relação com a civilização (costuma-se dizer que "onde está a
sociedade, ali está o direito"), há um grande debate entre os filósofos do direito
acerca do seu conceito e de sua natureza. Mas, qualquer que sejam estes
últimos, o direito é essencial à vida em sociedade, ao definir direitos e
obrigações entre as pessoas e ao resolver os conflitos de interesse. Seus
efeitos sobre o cotidiano das pessoas vão desde uma simples corrida de táxi
até a compra de um imóvel, desde uma eleição presidencial até a punição de
um crime, dentre outros exemplos.

           A vida em sociedade e as conseqüentes interrelações pessoais
exigem a formulação de regras de conduta que disciplinem a interação entre as
pessoas, com o objetivo de alcançar o bem comum e a paz e a organização
sociais. Tais regras, chamadas normas éticas ou de conduta, podem ser de
natureza moral, religiosa e jurídica. A norma do direito, chamada "norma
jurídica", difere das demais, porém, por dirigir-se à conduta externa do
indivíduo, exigindo-lhe que faça ou deixe de fazer algo, objetivamente, e
atribuindo responsabilidades, direitos e obrigações.

          O direito constitui, assim, um conjunto de normas de conduta
estabelecidas para regular as relações sociais e garantidas pela intervenção do
poder público (isto é, a sanção que a autoridade central - no mundo moderno, o
Estado - impõe). É pois da natureza da norma de direito a existência de uma
ameaça pelo seu não-cumprimento (sanção) e a sua imposição por uma
autoridade pública (modernamente, o Estado) com o objetivo de atender ao
interesse geral (o bem comum, a paz e a organização sociais). Alguns juristas,
entretanto, discordam da ênfase conferida à sanção para explicar a natureza
da norma jurídica.

           As normas jurídicas têm por objetivo criar direitos e obrigações para
pessoas, quer sejam pessoas naturais, quer pessoas jurídicas. Isto não
significa que o direito não discipline as coisas e os animais, por exemplo, mas o
faz com o propósito de proteger direitos ou gerar obrigações para pessoas,
ainda que, modernamente, o interesse protegido possa ser o de toda uma
coletividade ou, até mesmo, da humanidade abstratamente.

           Historicamente, a primeira manifestação do direito é encontrada no
costume, consubstanciado no hábito de os indivíduos se submeterem à
observância reiterada de certos usos, convertidos em regras de conduta. Com
o tempo, os grupos sociais passaram a incumbir um chefe ou órgão coletivo de
ditar e impor as regras de conduta, o que fez com que o direito passasse a ser
um comando, uma lei imposta coativamente e, a partir de certo momento,
fixada por escrito.
O direito como conjunto de normas de conduta humana, impostas
coativamente pelo Estado, constitui unidade indivisível, maciça, monolítica.
Embora seja assim, desde os romanos, é dividido em Público e Privado.
          O direito Público regula as relações jurídicas em que predomina o
interesse do Estado, enquanto o direito Privado disciplina as relações jurídicas
em que predomina o interesse dos particulares.

          DIREITO TRIBUTARIO
          Veja-se que o conceito de Direito Tributário é meramente didático e
não corresponde a principal preocupação da doutrina.

          CONCEITO DE DIREITO TRIBUÁRIO:

           Direito tributário é o segmento do Direito Financeiro que define como
serão cobrados os tributos dos cidadãos para gerar receita para o estado. Tem
como contraparte o Direito Fiscal ou Orçamentário, que é o conjunto de normas
jurídicas destinadas à regulamentação do financiamento das atividades do
Estado. Direito tributário e Direito fiscal, estão assim, ligados, por meio do
Direito Financeiro, ao Direito Público.

         A disciplina se ocupa das relações jurídicas entre o Estado e as
pessoas de direito privado, concernentes à imposição,escrituração, fiscalização
e arrecadação dos impostos, taxas e contribuições de melhoria.

           Tanto o Estado, ao "exigir" como a pessoa sob sua jurisdição, ao
"contribuir", devem obedecer a determinadas normas, cujo conjunto constitui o
Direito Tributário

         Ramo do direito Público interno que disciplina a atividade do Estado
quanto a obtenção de recursos financeiros, por meio de tributos, arrecadados
compulsoriamente dos contribuintes, para que possa atingir suas finalidades.

            O direito tributário tem por objeto a disciplina das relações jurídicas
entre o Estado e os particulares, decorrentes do poder impositivo e fiscal
exclusivo que o Estado detém, em decorrência de seu jus imperis, sobre as
atividades econômicas dos particulares, além de definir as situações passíveis
de tributação, delimitando a competência tributária e os atos da Administração,
no sentido de cobrar e fiscalizar a arrecadação, bem como de penalizar os
infratores.

           O Estado possui uma atividade financeira e essa atividade financeira
consiste na obtenção dos recursos (receitas), bem como em sua gestão e
aplicação (despesas), de forma a garantir o funcionamento do aparelho estatal
e a realização de suas metas, visando a satisfação das necessidades da
coletividade.




                                                                                 2
Luciano Amaro: É a disciplina Jurídica de Tributos – Com isso
abrange todo o conjunto de princípios e normas reguladores da criação,
fiscalização e arrecadação das prestações de natureza tributária.1

          Rubens Gomes de Souza: É o ramo do direito público que rege as
relações jurídicas entre o Estado e os particulares, decorrentes da atividade
financeira do Estado no que se refere à obtenção de receitas que
correspondam ao conceito de tributo.

          Vittorio Cassone: É a parte do direito financeiro que estuda as
relações jurídicas entre o Estado (fisco) e os particulares (contribuintes), no que
concerne à instituição, arrecadação, fiscalização e extinção do tributo.


               DIREITO TRIBUTÁRIO COMO RAMO DO DIREITO PÚBLICO

          O Direito Tributário é um ramo do Direito Público, sendo incontestada
está posição.

          A preponderância do interesse coletivo no direito dos tributos é
evidente, daí derivando o caráter cogente de suas normas, inderrogáveis pela
vontade dos sujeitos da relação jurídico-tributária.

          Se é verdade que o direito privado tem-se ‘publicizado’ em vários de
seus setores, deve apontar-se, como nota característica desse ramo jurídico,
pelo menos a necessária subjacência do interesse individual, nessa espécie de
relações. Não é que o individuo não tenha interesse na relação ou não seja
importante, mas há sempre a prevalência do interesse da coletividade.

               Relações do Direito Tributário com outros Ramos do Direito.

          Importante frisar novamente que a ordenação jurídica deve ser
estuda como um todo, pois as unidades normativas se acham
irremediavelmente entrelaçadas.

            Assim, o direito tributário se relaciona com vários outros ramos do
direito; principalmente, com o Direito constitucional, direito civil, direito penal e
o processo civil, do qual se utiliza subsidiariamente.

          Como exemplo podemos citar, para utilizar o exemplo de Paulo de
Barros Carvalho o caso do IPTU, que reflete exatamente a necessidade de
uma interpretação conjunta dos ramos do direito:

          O IPTU – Imposto Predial e Territorial Urbano, de competência dos
Municípios, têm sua hipótese normativa, genericamente em: ser proprietário,
ter o domínio útil ou a posse de bem imóvel, no perímetro urbano do Município,
num dia determinado do exercício.


1
    Luciano Amaro – Direito Tributário Brasileiro, 8a. Ed. São Paulo, Saraiva, 2002.


                                                                                       3
Realizando a decomposição do conceito acima, devemos analisar o
seguinte:
          Ser proprietário: é conceito desenvolvido pelo Direito Civil;
          A posse: também é instituto versado pelos civilistas e o mesmo se
diga do domínio útil.
          Bem imóvel: também é tema de Direito Civil.
          A lei de que determina o perímetro urbano: está vinculada ao Direito
Administrativo;
          Município: A definição de Município está situada no ramo do Direito
Constitucional.

          Demonstrado que o Direito é uno, tecido por normas que falam do
comportamento social, nos mais diferentes setores de atividades e distribuída
em vários escalões hierárquicos.

            Delimitações do campo de atuação do Direito Tributário.

           Por ser ato impositivo e por um dos princípios constitucionais
tributários (legalidade), a Constituição Federal outorga aos sujeitos ativos
(união, Estados, Distrito Federa e Municípios) a competência tributária, isto é, a
faculdade de instituir os tributos que a Constituição expressamente lhes
atribuiu, por meio de lei. (lei ordinária ou lei complementar – conforme
determinado da Constituição Federal).

           Entre a Constituição Federal (que outorga competência) e a lei de
natureza impositiva (aquela que efetivamente obriga o sujeito passivo a
cumprir-pagar o tributo quando pratica o fato gerador – lei ordinária,
basicamente – Ex. Regulamento estadual do ICMS), encontra-se a norma geral
(elaborada por lei complementar), cuja função principal consiste em dirimir
conflitos de competência tributária entre sujeitos ativos, e das a definição dos
tributos e de suas espécies, dos fatos geradores dos impostos, das bases de
cálculo e dos contribuintes, entre outros conceitos e definições.


            Código Tributário Nacional:

         Lei 5.172/66 inicialmente de natureza ordinária, ganhou status de lei
complementar, por recepção da Carta de 1967, passando a denominar-se de
Código Tributário Nacional.

        O Supremo Tribunal Federal reconheceu este status através do RE
93.850/MG. (Cassone pág. 34).

          A atual CF/88, recepcionou o CTN como Lei Complementar, no artigo
146 da CF, combinado com o artigo 34, parágrafo 5o, dos Ato das Disposições
Constitucionais Transitórias.

          O CTN é, então, a Lei Complementar que regula toda a tributação no
País, estabelecendo, por exemplo, a competência, o fato gerador, o sujeito
passivo, base de cálculo, etc.


                                                                                4
Constituição Federal:

          O Sistema Tributário Nacional está previsto nos artigos 145 a 162 da
Constituição Federal.

          A Constituição Federal é quem dita as regras básicas do Sistema
Tributário Nacional e, a partir da daí, cabe a lei complementar e ordinária
regulamentar a matéria, sempre observando as vedações e as limitações ao
poder de tributar.

          ESQUEMA PRÁTICO – EXEMPLO

           ICMS
           A Constituição Federal em seu artigo 155, I ‘b’, estabeleceu o ICMS –
Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de
transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação.
           O CTN (Lei Complementar) estabelece o que seja Fato Gerador da
obrigação tributária (art. 114);
           O Sujeito Passivo (art. 121);
           Ao lado do CTN está a Lei 87/96 – Lei Complementar que regula o
ICMS, pois os dispositivos específicos do CTN sobre a matéria (Art. 52 a 58,
foram revogados).
           Abaixo vem o Regulamento do ICMS de cada Estado membro. No
RS o Decreto 33.178/89, de 02.05.89 que regula o ICMS no Estado. Estes
Regulamentos fazem às vezes das leis ordinárias.
           Ocorre que pela hierarquia das leis e pelos princípios constitucionais
tributários a lei estadual não poderá contrariar os dispositivos superiores.
           Ex. Crédito pela entrada do ICMS nas contas de energia elétrica.
Desenvolver.




                                                                               5
AULA 02

               Autonomia do Direito Tributário:


           O Direito Tributário está situado, para uma parte da doutrina, como
um ramo do Direito Financeiro (Direito Financeiro – é o sistema normatizador
de toda a atividade financeira do Estado, abarca, por compreensão, as
prestações pecuniárias exigidas pelo Estado, abrangidas no conceito de
tributo), exatamente porque o direito financeiro cuida das receitas públicas, das
quais fazem partes as tributárias.

           Para outra parte da Doutrina, a qual nos filiamos, o Direito Tributário
possui autonomia didática em relação aos demais ramos do direito, dado ao
grande desenvolvimento desse ramo. É inegável que o Direito Tributário está
segregado no Direito Financeiro, porém, já se estuda como um ramo
autônomo, didaticamente. Nesse sentido diz Paulo de Barros Carvalho, porém
só admitindo esta autonomia para fins didáticos – “Estamos em que o direito
tributário positivo é o ramo didaticamente autônomo do direito, integrado pelo
conjunto das proposições jurídico-normativas que correspondam, direta ou
indiretamente, à instituição, arrecadação e fiscalização de tributos. Compete à
ciência do Direito Tributário descrever esse objeto, expedindo proposições
declarativas que nos permitam conhecer as articulações lógicas e o conteúdo
orgânico desse núcleo normativo, dentro de uma concepção unitária do
sistema jurídico vigente”.2

           Importante frisar que quando se fala em autonomia do direito
tributário está se dizendo em relação aos demais ramos do direito
(Administrativos, financeiro, civil) e não como tendo vida própria e
independente dos demais setores das ciências jurídicas.

            Como bem disse Alfredo Augusto Becker “a autonomia do direito
tributário é apenas didática”, argumentando que não pode existir norma jurídica
independente da totalidade do sistema jurídico.

          Vittorio Cassone, diz: “O direito tributário é direito autônomo, pois de
rege por princípios e normas próprias”.3

           Nesse aspecto a autonomia é sempre relativa, seja ela autonomia
legislativa, científica ou didática, pois não se legisla, nem se teoriza, nem se
ensina matéria tributária sem que se tenham presentes conceitos estruturados
noutros ramos da ciência jurídica. Não se pode falar, por exemplo, em Imposto
de Renda sem o conhecimento de um sem número de conceitos que se
encontram definidos não nas leis ou nos códigos tributários, mas na lei civil,
comercial, trabalhista, etc.



2
    Paulo de Barros Carvalho, Curso de Direito Tributário, Editora Saraiva, 11a. Ed., São Paulo, 1999.
3
    Vittorio Cassone, Direito Tributário – 11a. Ed., São Paulo: Atlas, 1999, pág.32.


                                                                                                         6

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

NOÇÃO DE DIREITO
NOÇÃO DE DIREITONOÇÃO DE DIREITO
NOÇÃO DE DIREITO
URCAMP
 
INTRODUCAO AO ESTUDO DE DIREITO ESTACIO TURMA B 2014
INTRODUCAO AO ESTUDO DE DIREITO ESTACIO TURMA B  2014INTRODUCAO AO ESTUDO DE DIREITO ESTACIO TURMA B  2014
INTRODUCAO AO ESTUDO DE DIREITO ESTACIO TURMA B 2014
Manoel Dantas Dantas
 
Teoria geral do direito
Teoria geral do direitoTeoria geral do direito
Teoria geral do direito
Thiago José de Souza Oliveira
 
Introdução ao Estudo do Direito (FIG parte 1)
Introdução ao Estudo do Direito (FIG parte 1)Introdução ao Estudo do Direito (FIG parte 1)
Introdução ao Estudo do Direito (FIG parte 1)
Elder Leite
 
Fundamentos Históricos do Direito
Fundamentos Históricos do DireitoFundamentos Históricos do Direito
Fundamentos Históricos do Direito
Pitágoras
 
Aula 6
Aula 6Aula 6
Introdução ao estudo do direito aula
Introdução ao estudo do direito   aulaIntrodução ao estudo do direito   aula
Introdução ao estudo do direito aula
jovenniu
 
A diferença entre direito e justiça
A diferença entre direito e justiçaA diferença entre direito e justiça
A diferença entre direito e justiça
Laura Marcht
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Filosofia do direito
Filosofia do direitoFilosofia do direito
Filosofia do direito
Joao Carlos
 
fontes+do+direito
 fontes+do+direito fontes+do+direito
fontes+do+direito
Netosaimon Silva
 
Aula 9
Aula 9Aula 9
Aula 7
Aula 7Aula 7
Aula 15
Aula 15Aula 15
Teoria Geral do Estado - Aula 5
Teoria Geral do Estado - Aula 5Teoria Geral do Estado - Aula 5
Teoria Geral do Estado - Aula 5
Carlagi Gi
 
Aula 10
Aula 10Aula 10
Direito natural x direito positivo
Direito natural x direito positivoDireito natural x direito positivo
Direito natural x direito positivo
Leonardo Leitão
 
DIREITO E INTERPRETAÇÃO: O SENTIDO DAS NORMAS JURÍDICAS
DIREITO E INTERPRETAÇÃO: O SENTIDO DAS NORMAS JURÍDICASDIREITO E INTERPRETAÇÃO: O SENTIDO DAS NORMAS JURÍDICAS
DIREITO E INTERPRETAÇÃO: O SENTIDO DAS NORMAS JURÍDICAS
Pedagogo Santos
 
Lições de Introdução ao estudo do Direito 2012/13 profesor Doutor Rui Teixeir...
Lições de Introdução ao estudo do Direito 2012/13 profesor Doutor Rui Teixeir...Lições de Introdução ao estudo do Direito 2012/13 profesor Doutor Rui Teixeir...
Lições de Introdução ao estudo do Direito 2012/13 profesor Doutor Rui Teixeir...
A. Rui Teixeira Santos
 
70 questões discursivas prontas de direito do trabalho parte geral
70 questões discursivas prontas de direito do trabalho parte geral70 questões discursivas prontas de direito do trabalho parte geral
70 questões discursivas prontas de direito do trabalho parte geral
EsdrasArthurPessoa
 

Mais procurados (20)

NOÇÃO DE DIREITO
NOÇÃO DE DIREITONOÇÃO DE DIREITO
NOÇÃO DE DIREITO
 
INTRODUCAO AO ESTUDO DE DIREITO ESTACIO TURMA B 2014
INTRODUCAO AO ESTUDO DE DIREITO ESTACIO TURMA B  2014INTRODUCAO AO ESTUDO DE DIREITO ESTACIO TURMA B  2014
INTRODUCAO AO ESTUDO DE DIREITO ESTACIO TURMA B 2014
 
Teoria geral do direito
Teoria geral do direitoTeoria geral do direito
Teoria geral do direito
 
Introdução ao Estudo do Direito (FIG parte 1)
Introdução ao Estudo do Direito (FIG parte 1)Introdução ao Estudo do Direito (FIG parte 1)
Introdução ao Estudo do Direito (FIG parte 1)
 
Fundamentos Históricos do Direito
Fundamentos Históricos do DireitoFundamentos Históricos do Direito
Fundamentos Históricos do Direito
 
Aula 6
Aula 6Aula 6
Aula 6
 
Introdução ao estudo do direito aula
Introdução ao estudo do direito   aulaIntrodução ao estudo do direito   aula
Introdução ao estudo do direito aula
 
A diferença entre direito e justiça
A diferença entre direito e justiçaA diferença entre direito e justiça
A diferença entre direito e justiça
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 5
 
Filosofia do direito
Filosofia do direitoFilosofia do direito
Filosofia do direito
 
fontes+do+direito
 fontes+do+direito fontes+do+direito
fontes+do+direito
 
Aula 9
Aula 9Aula 9
Aula 9
 
Aula 7
Aula 7Aula 7
Aula 7
 
Aula 15
Aula 15Aula 15
Aula 15
 
Teoria Geral do Estado - Aula 5
Teoria Geral do Estado - Aula 5Teoria Geral do Estado - Aula 5
Teoria Geral do Estado - Aula 5
 
Aula 10
Aula 10Aula 10
Aula 10
 
Direito natural x direito positivo
Direito natural x direito positivoDireito natural x direito positivo
Direito natural x direito positivo
 
DIREITO E INTERPRETAÇÃO: O SENTIDO DAS NORMAS JURÍDICAS
DIREITO E INTERPRETAÇÃO: O SENTIDO DAS NORMAS JURÍDICASDIREITO E INTERPRETAÇÃO: O SENTIDO DAS NORMAS JURÍDICAS
DIREITO E INTERPRETAÇÃO: O SENTIDO DAS NORMAS JURÍDICAS
 
Lições de Introdução ao estudo do Direito 2012/13 profesor Doutor Rui Teixeir...
Lições de Introdução ao estudo do Direito 2012/13 profesor Doutor Rui Teixeir...Lições de Introdução ao estudo do Direito 2012/13 profesor Doutor Rui Teixeir...
Lições de Introdução ao estudo do Direito 2012/13 profesor Doutor Rui Teixeir...
 
70 questões discursivas prontas de direito do trabalho parte geral
70 questões discursivas prontas de direito do trabalho parte geral70 questões discursivas prontas de direito do trabalho parte geral
70 questões discursivas prontas de direito do trabalho parte geral
 

Destaque

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
A. Rui Teixeira Santos
 
Introdução ao Estudo do Direito (IED)
Introdução ao Estudo do Direito (IED)Introdução ao Estudo do Direito (IED)
Introdução ao Estudo do Direito (IED)
brigidoh
 
Direito público e direito privado
Direito público e direito privadoDireito público e direito privado
Direito público e direito privado
Diná Bueno Rocha
 
Sebenta Noções Fundamentais de Direito
Sebenta Noções Fundamentais de DireitoSebenta Noções Fundamentais de Direito
Sebenta Noções Fundamentais de Direito
André Silva
 
Direito _ as fontes do direito
Direito _ as fontes do direitoDireito _ as fontes do direito
Direito _ as fontes do direito
Raquel Tavares
 
Aula Direito Objetivo Subjetivo
Aula   Direito Objetivo   SubjetivoAula   Direito Objetivo   Subjetivo
Aula Direito Objetivo Subjetivo
Grupo VAHALI
 
Questionário cap1
Questionário cap1Questionário cap1
Questionário cap1
amchagas
 
Resumo.doc introdução ao direito
Resumo.doc introdução ao direitoResumo.doc introdução ao direito
Resumo.doc introdução ao direito
nissinho
 
Direito público e direito privado
Direito público e direito privadoDireito público e direito privado
Direito público e direito privado
Eric Holiness
 
Direito romanista
Direito romanistaDireito romanista
Direito romanista
Daniele Moura
 
A justiça e o direito
A justiça e o direitoA justiça e o direito
A justiça e o direito
Prefeitura de Fortaleza
 
Direito tributário e conceito de tributo 2012 1
Direito tributário e conceito de tributo 2012 1Direito tributário e conceito de tributo 2012 1
Direito tributário e conceito de tributo 2012 1
Rosangela Garcia
 
Direito objetivo e subjetivo
Direito objetivo e subjetivoDireito objetivo e subjetivo
Direito objetivo e subjetivo
Agassis Rodrigues
 
Zumbi
ZumbiZumbi
Direito Objetivo x Direito Subjetivo
Direito Objetivo x Direito SubjetivoDireito Objetivo x Direito Subjetivo
Direito Objetivo x Direito Subjetivo
Leonardo Leitão
 
Introdução ao estudo do direito aula 1
Introdução ao estudo do direito aula 1Introdução ao estudo do direito aula 1
Introdução ao estudo do direito aula 1
Denise Moreira
 
Inovações tecnológicas e educação
Inovações tecnológicas e educaçãoInovações tecnológicas e educação
Inovações tecnológicas e educação
Benedilosn
 
Ruídos na Comunicação
Ruídos na ComunicaçãoRuídos na Comunicação
Ruídos na Comunicação
UNIMONTE
 
Ordem social
Ordem socialOrdem social
Ordem social
Helena Fonseca
 
CAPITALISMO INFORMACIONAL
CAPITALISMO INFORMACIONALCAPITALISMO INFORMACIONAL
CAPITALISMO INFORMACIONAL
Renata Magalhães
 

Destaque (20)

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
 
Introdução ao Estudo do Direito (IED)
Introdução ao Estudo do Direito (IED)Introdução ao Estudo do Direito (IED)
Introdução ao Estudo do Direito (IED)
 
Direito público e direito privado
Direito público e direito privadoDireito público e direito privado
Direito público e direito privado
 
Sebenta Noções Fundamentais de Direito
Sebenta Noções Fundamentais de DireitoSebenta Noções Fundamentais de Direito
Sebenta Noções Fundamentais de Direito
 
Direito _ as fontes do direito
Direito _ as fontes do direitoDireito _ as fontes do direito
Direito _ as fontes do direito
 
Aula Direito Objetivo Subjetivo
Aula   Direito Objetivo   SubjetivoAula   Direito Objetivo   Subjetivo
Aula Direito Objetivo Subjetivo
 
Questionário cap1
Questionário cap1Questionário cap1
Questionário cap1
 
Resumo.doc introdução ao direito
Resumo.doc introdução ao direitoResumo.doc introdução ao direito
Resumo.doc introdução ao direito
 
Direito público e direito privado
Direito público e direito privadoDireito público e direito privado
Direito público e direito privado
 
Direito romanista
Direito romanistaDireito romanista
Direito romanista
 
A justiça e o direito
A justiça e o direitoA justiça e o direito
A justiça e o direito
 
Direito tributário e conceito de tributo 2012 1
Direito tributário e conceito de tributo 2012 1Direito tributário e conceito de tributo 2012 1
Direito tributário e conceito de tributo 2012 1
 
Direito objetivo e subjetivo
Direito objetivo e subjetivoDireito objetivo e subjetivo
Direito objetivo e subjetivo
 
Zumbi
ZumbiZumbi
Zumbi
 
Direito Objetivo x Direito Subjetivo
Direito Objetivo x Direito SubjetivoDireito Objetivo x Direito Subjetivo
Direito Objetivo x Direito Subjetivo
 
Introdução ao estudo do direito aula 1
Introdução ao estudo do direito aula 1Introdução ao estudo do direito aula 1
Introdução ao estudo do direito aula 1
 
Inovações tecnológicas e educação
Inovações tecnológicas e educaçãoInovações tecnológicas e educação
Inovações tecnológicas e educação
 
Ruídos na Comunicação
Ruídos na ComunicaçãoRuídos na Comunicação
Ruídos na Comunicação
 
Ordem social
Ordem socialOrdem social
Ordem social
 
CAPITALISMO INFORMACIONAL
CAPITALISMO INFORMACIONALCAPITALISMO INFORMACIONAL
CAPITALISMO INFORMACIONAL
 

Semelhante a Conceito direito

Legislacao tributaria comercial aula 01
Legislacao tributaria comercial    aula 01Legislacao tributaria comercial    aula 01
Legislacao tributaria comercial aula 01
custos contabil
 
G direito administrativo
G direito administrativoG direito administrativo
G direito administrativo
waltermoreira
 
Ied 08 ago a 22 ago
Ied 08 ago a 22 agoIed 08 ago a 22 ago
Ied 08 ago a 22 ago
gabriela_eiras
 
Sistema constitucional tribu_ta_rio
Sistema constitucional tribu_ta_rioSistema constitucional tribu_ta_rio
Sistema constitucional tribu_ta_rio
vinicius_adv
 
ENTRE O DIREITO PENAL E O DIREITO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR
ENTRE O DIREITO PENAL E O DIREITO ADMINISTRATIVO SANCIONADORENTRE O DIREITO PENAL E O DIREITO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR
ENTRE O DIREITO PENAL E O DIREITO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR
Patrícia Helen Dias
 
D I R E I T O A D M I N I S T R A T I V O 30 De Junho A 9 De Julho[1]
D I R E I T O  A D M I N I S T R A T I V O   30 De Junho A 9 De Julho[1]D I R E I T O  A D M I N I S T R A T I V O   30 De Junho A 9 De Julho[1]
D I R E I T O A D M I N I S T R A T I V O 30 De Junho A 9 De Julho[1]
andressa bonn
 
Idpp0
Idpp0Idpp0
Noções Gerais de Direito Administrativo
Noções Gerais de Direito AdministrativoNoções Gerais de Direito Administrativo
Noções Gerais de Direito Administrativo
Junior Ozono
 
Hipótese de incidência tributária
Hipótese de incidência tributáriaHipótese de incidência tributária
Hipótese de incidência tributária
Pastor Paulo Francisco
 
direito.ppt
direito.pptdireito.ppt
D tributario
D tributarioD tributario
D tributario
zeramento contabil
 
INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO PROGRAMUS.docx
INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO PROGRAMUS.docxINSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO PROGRAMUS.docx
INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO PROGRAMUS.docx
MariaDeSousa41
 
Direito econ
Direito econDireito econ
Direito econ
kathiaalvesrosa
 
Apostila de direito Geral
Apostila de direito GeralApostila de direito Geral
Apostila de direito Geral
Itamar Maia
 
Ied
IedIed
Caderno de direito administrativo ii
  Caderno de direito administrativo ii  Caderno de direito administrativo ii
Caderno de direito administrativo ii
Wellington Farias
 
Tcc joao neudo corrigido
Tcc joao neudo corrigidoTcc joao neudo corrigido
Tcc joao neudo corrigido
Joaoneudo
 
Direito administrativo
Direito administrativoDireito administrativo
Direito administrativo
João Paulo Costa Melo
 
Apostila d. administrativo
Apostila d. administrativoApostila d. administrativo
Apostila d. administrativo
Ana Paula Oliveira
 
Apostila direito público e privado
Apostila  direito público e privadoApostila  direito público e privado
Apostila direito público e privado
Jéssica Soares
 

Semelhante a Conceito direito (20)

Legislacao tributaria comercial aula 01
Legislacao tributaria comercial    aula 01Legislacao tributaria comercial    aula 01
Legislacao tributaria comercial aula 01
 
G direito administrativo
G direito administrativoG direito administrativo
G direito administrativo
 
Ied 08 ago a 22 ago
Ied 08 ago a 22 agoIed 08 ago a 22 ago
Ied 08 ago a 22 ago
 
Sistema constitucional tribu_ta_rio
Sistema constitucional tribu_ta_rioSistema constitucional tribu_ta_rio
Sistema constitucional tribu_ta_rio
 
ENTRE O DIREITO PENAL E O DIREITO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR
ENTRE O DIREITO PENAL E O DIREITO ADMINISTRATIVO SANCIONADORENTRE O DIREITO PENAL E O DIREITO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR
ENTRE O DIREITO PENAL E O DIREITO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR
 
D I R E I T O A D M I N I S T R A T I V O 30 De Junho A 9 De Julho[1]
D I R E I T O  A D M I N I S T R A T I V O   30 De Junho A 9 De Julho[1]D I R E I T O  A D M I N I S T R A T I V O   30 De Junho A 9 De Julho[1]
D I R E I T O A D M I N I S T R A T I V O 30 De Junho A 9 De Julho[1]
 
Idpp0
Idpp0Idpp0
Idpp0
 
Noções Gerais de Direito Administrativo
Noções Gerais de Direito AdministrativoNoções Gerais de Direito Administrativo
Noções Gerais de Direito Administrativo
 
Hipótese de incidência tributária
Hipótese de incidência tributáriaHipótese de incidência tributária
Hipótese de incidência tributária
 
direito.ppt
direito.pptdireito.ppt
direito.ppt
 
D tributario
D tributarioD tributario
D tributario
 
INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO PROGRAMUS.docx
INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO PROGRAMUS.docxINSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO PROGRAMUS.docx
INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO PROGRAMUS.docx
 
Direito econ
Direito econDireito econ
Direito econ
 
Apostila de direito Geral
Apostila de direito GeralApostila de direito Geral
Apostila de direito Geral
 
Ied
IedIed
Ied
 
Caderno de direito administrativo ii
  Caderno de direito administrativo ii  Caderno de direito administrativo ii
Caderno de direito administrativo ii
 
Tcc joao neudo corrigido
Tcc joao neudo corrigidoTcc joao neudo corrigido
Tcc joao neudo corrigido
 
Direito administrativo
Direito administrativoDireito administrativo
Direito administrativo
 
Apostila d. administrativo
Apostila d. administrativoApostila d. administrativo
Apostila d. administrativo
 
Apostila direito público e privado
Apostila  direito público e privadoApostila  direito público e privado
Apostila direito público e privado
 

Mais de simuladocontabil

Contabilidade decifrada 10
Contabilidade decifrada 10Contabilidade decifrada 10
Contabilidade decifrada 10
simuladocontabil
 
Cb atividade1
Cb atividade1Cb atividade1
Cb atividade1
simuladocontabil
 
Dos produtos vendidos (cpv)
Dos produtos vendidos (cpv)Dos produtos vendidos (cpv)
Dos produtos vendidos (cpv)
simuladocontabil
 
Matematica rm triangulo retangulo
Matematica rm triangulo retanguloMatematica rm triangulo retangulo
Matematica rm triangulo retangulo
simuladocontabil
 
Gp impactos
Gp impactosGp impactos
Gp impactos
simuladocontabil
 
Contabilidade decifrada 05
Contabilidade decifrada 05Contabilidade decifrada 05
Contabilidade decifrada 05
simuladocontabil
 
Contabilidade basica peps ueps
Contabilidade basica peps uepsContabilidade basica peps ueps
Contabilidade basica peps ueps
simuladocontabil
 
Cetec ensino médio
Cetec ensino médioCetec ensino médio
Cetec ensino médio
simuladocontabil
 
Pfc tabela comparativa
Pfc tabela comparativaPfc tabela comparativa
Pfc tabela comparativa
simuladocontabil
 
Avaliação do ativo e passivo estoques
Avaliação do ativo e passivo estoquesAvaliação do ativo e passivo estoques
Avaliação do ativo e passivo estoques
simuladocontabil
 
Indices
IndicesIndices
Resumo ativo
Resumo ativoResumo ativo
Resumo ativo
simuladocontabil
 
Principios de contabilidade
Principios de contabilidadePrincipios de contabilidade
Principios de contabilidade
simuladocontabil
 
Patrimonio
PatrimonioPatrimonio
Patrimonio
simuladocontabil
 
Contabilidade decifrada 15
Contabilidade decifrada 15Contabilidade decifrada 15
Contabilidade decifrada 15
simuladocontabil
 
Ganhos e perdas
Ganhos e perdasGanhos e perdas
Ganhos e perdas
simuladocontabil
 
Apostila etec pfo
Apostila etec   pfoApostila etec   pfo
Apostila etec pfo
simuladocontabil
 
Contabilidade decifrada 09
Contabilidade decifrada 09Contabilidade decifrada 09
Contabilidade decifrada 09
simuladocontabil
 
Custo das mercadoria vendidas
Custo das mercadoria vendidasCusto das mercadoria vendidas
Custo das mercadoria vendidas
simuladocontabil
 
Encerramento do exercicio
Encerramento do exercicioEncerramento do exercicio
Encerramento do exercicio
simuladocontabil
 

Mais de simuladocontabil (20)

Contabilidade decifrada 10
Contabilidade decifrada 10Contabilidade decifrada 10
Contabilidade decifrada 10
 
Cb atividade1
Cb atividade1Cb atividade1
Cb atividade1
 
Dos produtos vendidos (cpv)
Dos produtos vendidos (cpv)Dos produtos vendidos (cpv)
Dos produtos vendidos (cpv)
 
Matematica rm triangulo retangulo
Matematica rm triangulo retanguloMatematica rm triangulo retangulo
Matematica rm triangulo retangulo
 
Gp impactos
Gp impactosGp impactos
Gp impactos
 
Contabilidade decifrada 05
Contabilidade decifrada 05Contabilidade decifrada 05
Contabilidade decifrada 05
 
Contabilidade basica peps ueps
Contabilidade basica peps uepsContabilidade basica peps ueps
Contabilidade basica peps ueps
 
Cetec ensino médio
Cetec ensino médioCetec ensino médio
Cetec ensino médio
 
Pfc tabela comparativa
Pfc tabela comparativaPfc tabela comparativa
Pfc tabela comparativa
 
Avaliação do ativo e passivo estoques
Avaliação do ativo e passivo estoquesAvaliação do ativo e passivo estoques
Avaliação do ativo e passivo estoques
 
Indices
IndicesIndices
Indices
 
Resumo ativo
Resumo ativoResumo ativo
Resumo ativo
 
Principios de contabilidade
Principios de contabilidadePrincipios de contabilidade
Principios de contabilidade
 
Patrimonio
PatrimonioPatrimonio
Patrimonio
 
Contabilidade decifrada 15
Contabilidade decifrada 15Contabilidade decifrada 15
Contabilidade decifrada 15
 
Ganhos e perdas
Ganhos e perdasGanhos e perdas
Ganhos e perdas
 
Apostila etec pfo
Apostila etec   pfoApostila etec   pfo
Apostila etec pfo
 
Contabilidade decifrada 09
Contabilidade decifrada 09Contabilidade decifrada 09
Contabilidade decifrada 09
 
Custo das mercadoria vendidas
Custo das mercadoria vendidasCusto das mercadoria vendidas
Custo das mercadoria vendidas
 
Encerramento do exercicio
Encerramento do exercicioEncerramento do exercicio
Encerramento do exercicio
 

Conceito direito

  • 1. CONCEITO DE DIREITO Sistema de normas de conduta imposto por um conjunto de instituições para regular as relações sociais Apesar da existência milenar do direito nas sociedades humanas e de sua estreita relação com a civilização (costuma-se dizer que "onde está a sociedade, ali está o direito"), há um grande debate entre os filósofos do direito acerca do seu conceito e de sua natureza. Mas, qualquer que sejam estes últimos, o direito é essencial à vida em sociedade, ao definir direitos e obrigações entre as pessoas e ao resolver os conflitos de interesse. Seus efeitos sobre o cotidiano das pessoas vão desde uma simples corrida de táxi até a compra de um imóvel, desde uma eleição presidencial até a punição de um crime, dentre outros exemplos. A vida em sociedade e as conseqüentes interrelações pessoais exigem a formulação de regras de conduta que disciplinem a interação entre as pessoas, com o objetivo de alcançar o bem comum e a paz e a organização sociais. Tais regras, chamadas normas éticas ou de conduta, podem ser de natureza moral, religiosa e jurídica. A norma do direito, chamada "norma jurídica", difere das demais, porém, por dirigir-se à conduta externa do indivíduo, exigindo-lhe que faça ou deixe de fazer algo, objetivamente, e atribuindo responsabilidades, direitos e obrigações. O direito constitui, assim, um conjunto de normas de conduta estabelecidas para regular as relações sociais e garantidas pela intervenção do poder público (isto é, a sanção que a autoridade central - no mundo moderno, o Estado - impõe). É pois da natureza da norma de direito a existência de uma ameaça pelo seu não-cumprimento (sanção) e a sua imposição por uma autoridade pública (modernamente, o Estado) com o objetivo de atender ao interesse geral (o bem comum, a paz e a organização sociais). Alguns juristas, entretanto, discordam da ênfase conferida à sanção para explicar a natureza da norma jurídica. As normas jurídicas têm por objetivo criar direitos e obrigações para pessoas, quer sejam pessoas naturais, quer pessoas jurídicas. Isto não significa que o direito não discipline as coisas e os animais, por exemplo, mas o faz com o propósito de proteger direitos ou gerar obrigações para pessoas, ainda que, modernamente, o interesse protegido possa ser o de toda uma coletividade ou, até mesmo, da humanidade abstratamente. Historicamente, a primeira manifestação do direito é encontrada no costume, consubstanciado no hábito de os indivíduos se submeterem à observância reiterada de certos usos, convertidos em regras de conduta. Com o tempo, os grupos sociais passaram a incumbir um chefe ou órgão coletivo de ditar e impor as regras de conduta, o que fez com que o direito passasse a ser um comando, uma lei imposta coativamente e, a partir de certo momento, fixada por escrito.
  • 2. O direito como conjunto de normas de conduta humana, impostas coativamente pelo Estado, constitui unidade indivisível, maciça, monolítica. Embora seja assim, desde os romanos, é dividido em Público e Privado. O direito Público regula as relações jurídicas em que predomina o interesse do Estado, enquanto o direito Privado disciplina as relações jurídicas em que predomina o interesse dos particulares. DIREITO TRIBUTARIO Veja-se que o conceito de Direito Tributário é meramente didático e não corresponde a principal preocupação da doutrina. CONCEITO DE DIREITO TRIBUÁRIO: Direito tributário é o segmento do Direito Financeiro que define como serão cobrados os tributos dos cidadãos para gerar receita para o estado. Tem como contraparte o Direito Fiscal ou Orçamentário, que é o conjunto de normas jurídicas destinadas à regulamentação do financiamento das atividades do Estado. Direito tributário e Direito fiscal, estão assim, ligados, por meio do Direito Financeiro, ao Direito Público. A disciplina se ocupa das relações jurídicas entre o Estado e as pessoas de direito privado, concernentes à imposição,escrituração, fiscalização e arrecadação dos impostos, taxas e contribuições de melhoria. Tanto o Estado, ao "exigir" como a pessoa sob sua jurisdição, ao "contribuir", devem obedecer a determinadas normas, cujo conjunto constitui o Direito Tributário Ramo do direito Público interno que disciplina a atividade do Estado quanto a obtenção de recursos financeiros, por meio de tributos, arrecadados compulsoriamente dos contribuintes, para que possa atingir suas finalidades. O direito tributário tem por objeto a disciplina das relações jurídicas entre o Estado e os particulares, decorrentes do poder impositivo e fiscal exclusivo que o Estado detém, em decorrência de seu jus imperis, sobre as atividades econômicas dos particulares, além de definir as situações passíveis de tributação, delimitando a competência tributária e os atos da Administração, no sentido de cobrar e fiscalizar a arrecadação, bem como de penalizar os infratores. O Estado possui uma atividade financeira e essa atividade financeira consiste na obtenção dos recursos (receitas), bem como em sua gestão e aplicação (despesas), de forma a garantir o funcionamento do aparelho estatal e a realização de suas metas, visando a satisfação das necessidades da coletividade. 2
  • 3. Luciano Amaro: É a disciplina Jurídica de Tributos – Com isso abrange todo o conjunto de princípios e normas reguladores da criação, fiscalização e arrecadação das prestações de natureza tributária.1 Rubens Gomes de Souza: É o ramo do direito público que rege as relações jurídicas entre o Estado e os particulares, decorrentes da atividade financeira do Estado no que se refere à obtenção de receitas que correspondam ao conceito de tributo. Vittorio Cassone: É a parte do direito financeiro que estuda as relações jurídicas entre o Estado (fisco) e os particulares (contribuintes), no que concerne à instituição, arrecadação, fiscalização e extinção do tributo. DIREITO TRIBUTÁRIO COMO RAMO DO DIREITO PÚBLICO O Direito Tributário é um ramo do Direito Público, sendo incontestada está posição. A preponderância do interesse coletivo no direito dos tributos é evidente, daí derivando o caráter cogente de suas normas, inderrogáveis pela vontade dos sujeitos da relação jurídico-tributária. Se é verdade que o direito privado tem-se ‘publicizado’ em vários de seus setores, deve apontar-se, como nota característica desse ramo jurídico, pelo menos a necessária subjacência do interesse individual, nessa espécie de relações. Não é que o individuo não tenha interesse na relação ou não seja importante, mas há sempre a prevalência do interesse da coletividade. Relações do Direito Tributário com outros Ramos do Direito. Importante frisar novamente que a ordenação jurídica deve ser estuda como um todo, pois as unidades normativas se acham irremediavelmente entrelaçadas. Assim, o direito tributário se relaciona com vários outros ramos do direito; principalmente, com o Direito constitucional, direito civil, direito penal e o processo civil, do qual se utiliza subsidiariamente. Como exemplo podemos citar, para utilizar o exemplo de Paulo de Barros Carvalho o caso do IPTU, que reflete exatamente a necessidade de uma interpretação conjunta dos ramos do direito: O IPTU – Imposto Predial e Territorial Urbano, de competência dos Municípios, têm sua hipótese normativa, genericamente em: ser proprietário, ter o domínio útil ou a posse de bem imóvel, no perímetro urbano do Município, num dia determinado do exercício. 1 Luciano Amaro – Direito Tributário Brasileiro, 8a. Ed. São Paulo, Saraiva, 2002. 3
  • 4. Realizando a decomposição do conceito acima, devemos analisar o seguinte: Ser proprietário: é conceito desenvolvido pelo Direito Civil; A posse: também é instituto versado pelos civilistas e o mesmo se diga do domínio útil. Bem imóvel: também é tema de Direito Civil. A lei de que determina o perímetro urbano: está vinculada ao Direito Administrativo; Município: A definição de Município está situada no ramo do Direito Constitucional. Demonstrado que o Direito é uno, tecido por normas que falam do comportamento social, nos mais diferentes setores de atividades e distribuída em vários escalões hierárquicos. Delimitações do campo de atuação do Direito Tributário. Por ser ato impositivo e por um dos princípios constitucionais tributários (legalidade), a Constituição Federal outorga aos sujeitos ativos (união, Estados, Distrito Federa e Municípios) a competência tributária, isto é, a faculdade de instituir os tributos que a Constituição expressamente lhes atribuiu, por meio de lei. (lei ordinária ou lei complementar – conforme determinado da Constituição Federal). Entre a Constituição Federal (que outorga competência) e a lei de natureza impositiva (aquela que efetivamente obriga o sujeito passivo a cumprir-pagar o tributo quando pratica o fato gerador – lei ordinária, basicamente – Ex. Regulamento estadual do ICMS), encontra-se a norma geral (elaborada por lei complementar), cuja função principal consiste em dirimir conflitos de competência tributária entre sujeitos ativos, e das a definição dos tributos e de suas espécies, dos fatos geradores dos impostos, das bases de cálculo e dos contribuintes, entre outros conceitos e definições. Código Tributário Nacional: Lei 5.172/66 inicialmente de natureza ordinária, ganhou status de lei complementar, por recepção da Carta de 1967, passando a denominar-se de Código Tributário Nacional. O Supremo Tribunal Federal reconheceu este status através do RE 93.850/MG. (Cassone pág. 34). A atual CF/88, recepcionou o CTN como Lei Complementar, no artigo 146 da CF, combinado com o artigo 34, parágrafo 5o, dos Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. O CTN é, então, a Lei Complementar que regula toda a tributação no País, estabelecendo, por exemplo, a competência, o fato gerador, o sujeito passivo, base de cálculo, etc. 4
  • 5. Constituição Federal: O Sistema Tributário Nacional está previsto nos artigos 145 a 162 da Constituição Federal. A Constituição Federal é quem dita as regras básicas do Sistema Tributário Nacional e, a partir da daí, cabe a lei complementar e ordinária regulamentar a matéria, sempre observando as vedações e as limitações ao poder de tributar. ESQUEMA PRÁTICO – EXEMPLO ICMS A Constituição Federal em seu artigo 155, I ‘b’, estabeleceu o ICMS – Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação. O CTN (Lei Complementar) estabelece o que seja Fato Gerador da obrigação tributária (art. 114); O Sujeito Passivo (art. 121); Ao lado do CTN está a Lei 87/96 – Lei Complementar que regula o ICMS, pois os dispositivos específicos do CTN sobre a matéria (Art. 52 a 58, foram revogados). Abaixo vem o Regulamento do ICMS de cada Estado membro. No RS o Decreto 33.178/89, de 02.05.89 que regula o ICMS no Estado. Estes Regulamentos fazem às vezes das leis ordinárias. Ocorre que pela hierarquia das leis e pelos princípios constitucionais tributários a lei estadual não poderá contrariar os dispositivos superiores. Ex. Crédito pela entrada do ICMS nas contas de energia elétrica. Desenvolver. 5
  • 6. AULA 02 Autonomia do Direito Tributário: O Direito Tributário está situado, para uma parte da doutrina, como um ramo do Direito Financeiro (Direito Financeiro – é o sistema normatizador de toda a atividade financeira do Estado, abarca, por compreensão, as prestações pecuniárias exigidas pelo Estado, abrangidas no conceito de tributo), exatamente porque o direito financeiro cuida das receitas públicas, das quais fazem partes as tributárias. Para outra parte da Doutrina, a qual nos filiamos, o Direito Tributário possui autonomia didática em relação aos demais ramos do direito, dado ao grande desenvolvimento desse ramo. É inegável que o Direito Tributário está segregado no Direito Financeiro, porém, já se estuda como um ramo autônomo, didaticamente. Nesse sentido diz Paulo de Barros Carvalho, porém só admitindo esta autonomia para fins didáticos – “Estamos em que o direito tributário positivo é o ramo didaticamente autônomo do direito, integrado pelo conjunto das proposições jurídico-normativas que correspondam, direta ou indiretamente, à instituição, arrecadação e fiscalização de tributos. Compete à ciência do Direito Tributário descrever esse objeto, expedindo proposições declarativas que nos permitam conhecer as articulações lógicas e o conteúdo orgânico desse núcleo normativo, dentro de uma concepção unitária do sistema jurídico vigente”.2 Importante frisar que quando se fala em autonomia do direito tributário está se dizendo em relação aos demais ramos do direito (Administrativos, financeiro, civil) e não como tendo vida própria e independente dos demais setores das ciências jurídicas. Como bem disse Alfredo Augusto Becker “a autonomia do direito tributário é apenas didática”, argumentando que não pode existir norma jurídica independente da totalidade do sistema jurídico. Vittorio Cassone, diz: “O direito tributário é direito autônomo, pois de rege por princípios e normas próprias”.3 Nesse aspecto a autonomia é sempre relativa, seja ela autonomia legislativa, científica ou didática, pois não se legisla, nem se teoriza, nem se ensina matéria tributária sem que se tenham presentes conceitos estruturados noutros ramos da ciência jurídica. Não se pode falar, por exemplo, em Imposto de Renda sem o conhecimento de um sem número de conceitos que se encontram definidos não nas leis ou nos códigos tributários, mas na lei civil, comercial, trabalhista, etc. 2 Paulo de Barros Carvalho, Curso de Direito Tributário, Editora Saraiva, 11a. Ed., São Paulo, 1999. 3 Vittorio Cassone, Direito Tributário – 11a. Ed., São Paulo: Atlas, 1999, pág.32. 6