SlideShare uma empresa Scribd logo
opinião




                                         Colher o fruto sem
                                         plantar a árvore
        VALDIR LAMIM-GUEDES
  Universidade Nacional de Timor-Leste   “N     ela, até agora não pudemos sa-
                                                ber que haja ouro nem prata,
                                         nem nenhuma coisa de metal, nem de
                                                                                    MINERAÇÃO E DEGRADAÇÃO Ao es-
                                                                                    crever sua carta, Caminha não po-
                                                                                    dia saber que menos de dois séculos
                                         ferro; nem as vimos. Mas, a terra em       depois o ouro seria descoberto em
                                         si é muito boa de ares, tão frios e tem-   uma região distante do litoral, que se-
                                         perados, como os de lá. Águas são mui-     ria chamada “das Minas Gerais”, nos
                                         tas e infindas. De tal maneira é gra-      locais onde hoje estão situadas as ci-
                                         ciosa que, querendo aproveitá-la dar-      dades de Ouro Preto (antiga Vila Ri­
                                         -se-á nela tudo por bem das águas que      ca), Mariana e Sabará. Todas se de-
                                         tem.” Com essas palavras, a 1º de maio     senvolveram em função do ouro e
                                         de 1500, o escrivão Pero Vaz de Ca-        tornaram-se oficialmente vilas em
                                         minha (1450-1500) comunica ao rei          1711. Essa descoberta desencadeou
                                         de Portugal, Dom Manoel I (1469-           a primeira grande corrente migrató-
                                         1521), a descoberta da costa brasileira.   ria de Portugal para o Brasil, além de
                                             Uma descoberta que poderia aten-       estimular migrações internas para as
                                                     der aos anseios portugueses    regiões auríferas.
                                                      de “colher o fruto sem            A chegada de migrantes e a rique-
                                                    plantar a árvore”, expressão    za em circulação induziram em Vila
                                           utilizada pelo historiador Sérgio        Rica (Ouro Preto) e Mariana um rápi-
                                         Buarque de Holanda (1902-1982)             do processo de urbanização. Escolhida
                                         para descrever o ideal de obter ri-        em 1720 como capital da recém-cria-
                                         quezas extraindo-as das novas terras       da capitania de Minas Gerais, Vila
                                         descobertas nas grandes navegações,        Rica tornou-se rapidamente a cidade
                                         sem grandes investimentos nas colô-        mais populosa da América Latina, com
                                         nias e sem preocupação com as con-         cerca de 80 mil habitantes em 1750.
                                         sequências dessa exploração.               Boa parte dessa população era forma-
                                             Dois momentos da história bra-         da por escravos. Na mesma época,
                                         sileira – o ciclo do ouro em Minas         Nova York tinha menos da metade
                                         Gerais, no século 18, e a expansão         dessa população e a vila de São Paulo
                                         da fronteira agrícola na Amazônia,         não tinha mais que 8 mil habitantes.
                                         na década de 1970 – podem ser en-              Essa região foi a principal área de
                                         quadrados nessa mesma linha de             extração de ouro no Brasil no século
                                         pensamento. Esses períodos apre-           18. Só nesse século foram enviadas a
                                         sentam características em comum,           Portugal, oficialmente, 800 toneladas
                                         como degradação ambiental e desi-          de ouro, sem contar a quantidade ex-
                                         gualdade social, e servem de exem-         traída de forma ilegal, fora do controle
                                         plo para que a proposta de alteração       da corte portuguesa, e o que ficou na
                                         do Código Florestal, atualmente em         colônia enfeitando suntuosas igrejas,
                                         discussão no Congresso Nacional,           como a Igreja Matriz de Nossa Senho-
                                         seja reavaliada para evitar um gran-       ra do Pilar, em Ouro Preto, em cuja
                                         de perigo socioambiental.                  decoração foram utilizados 800 kg
                                                                                    de ouro e prata.
                                                                                        Diversos relatos de viajantes que
                                                                                    passaram pela região das minas in-
                                                                                    cluem descrições da degradação am-
                                                                                    biental, como assoreamento dos rios,


60 | CIÊNCIAHOJE | VOL. 49 | 292
O ciclo do ouro em Minas Gerais, no século 18, e a expansão
                           da fronteira agrícola na Amazônia, na década de 1970, (...)
                             apresentam características em comum, como degradação
                                                     ambiental e desigualdade social


ausência de mata ciliar, águas barren-   ocorreram os projetos oficiais de colo-    mas agora propostas implicarão sig-
tas, áreas desmatadas e queimadas.       nização da Amazônia nos anos 1970,         nificativas perdas de áreas com ve-
O barão von Eschwege – o mineralo-       são pastagens degradadas e pouco           getação natural ainda existentes nos
gista alemão Wilhelm L. von Eschwe-      produtivas, índices altíssimos de vio-     biomas brasileiros e comprometerão
ge (1777-1855) – viveu em Ouro Pre-      lência no campo, cidades sem sanea-        compromissos assumidos pelo Brasil
to no início do século 19 e observou:    mento básico e com sistemas de edu-        em acordos internacionais de redu-
“Revolvendo-se frequentemente as         cação e saúde precários. Na verdade,       ção de emissões de carbono para a
cabeceiras dos rios, estas se carregam   os governos militares atraíram muitas      atmosfera e de proteção à biodiver-
cada vez mais de lama, a qual se foi     pessoas para a região amazônica,           sidade.
depositando sobre a camada rica [em      mas faltou trazer o estado de direito.         A ideia de desenvolvimento que
ouro], alcançando de ano para ano            Nesses dois casos, o ciclo do ouro e   embasa essa proposta de alteração do
maior espessura, tal como 20, 30 e       a ocupação da Amazônia, o cenário          Código Florestal repete de certo
até 50 palmos. Por esse motivo, as       sempre foi de enorme contraste entre       modo a concepção expressa em “co-
dificuldades tornaram-se tão grandes     riqueza e pobreza, com grande degra-       lher o fruto sem plantar a árvore”. Ou
que não se pode mais atingir o casca-    dação ambiental. Parte dessa situação      seja, algumas das normas em discus-
lho virgem”. Com a exploração preda-     está associada à noção de que o cres-      são consagram a obtenção de lucro
tória, e com o progressivo esgotamen-    cimento econômico baseado na utili-        fácil, sem maior preocupação com as
to das reservas, a produção do ouro      zação de nossos recursos naturais          consequências da atividade explora-
teve forte redução ao longo do século    apresenta um dilema: proteger ou           tória. Como o argumento para a faci-
19, levando a uma estagnação das ci-     desenvolver. Esse é um falso dilema.       litação dos desmatamentos é a neces-
dades da região dos garimpos minei-      No Brasil, como em quase todo o mun-       sidade de aumentar a produção, po-
ros, que antes cresciam rapidamente.     do, é fácil observar que a renda obtida    de-se dizer que a árvore será planta-
                                         com a extração das riquezas naturais       da, mas também será cortada logo
OCUPAÇÃO E DESTRUIÇÃO O mesmo            não é dividida igualmente. O desen-        após a colheita, impedindo que pro-
cenário repetiu-se em grande parte da    volvimento econômico, tanto no caso        duza frutos para as próximas gera-
região amazônica na década de 1970.      dos garimpos do século 18 quanto no        ções. Isso porque a grande degrada-
Os governos militares incentivaram a     caso da colonização da Amazônia, en-       ção ambiental incentivada pelo novo
derrubada da floresta, sob o argumen-    riqueceu uma pequena minoria. O            Código colocará em risco a própria
to de promover o desenvolvimento da      que se viu foi a concentração do lucro     produção agrícola e o bem-estar da
região. Fazia parte dessa campanha o     e o compartilhamento dos prejuízos         população no futuro.
bordão “Homens sem terra para uma        – a degradação ambiental e a deterio-          Nesse momento, em que a opinião
terra sem homens”. Esse lema era         ração das condições de vida da popu-       de experimentados cientistas não está
uma mentira dupla, porque a Amazô-       lação, por exemplo.                        sendo considerada por uma grande
nia não era uma terra sem homens, já                                                parcela dos parlamentares, é muito
que ali viviam ribeirinhos, seringuei-   LUCRO FÁCIL A solução para o fim           adequado citar a observação sobre a
ros e indígenas, com modos de vida       da miséria no país não é acabar com        degradação ambiental feita em 1817
mais adaptados à floresta, e porque      o Brasil. Ao contrário, a valorização      pelo naturalista francês Auguste de
os ‘homens sem terra’, na verdade,       da floresta, dos campos e da imensa        Saint-Hilaire (1779-1853), quando
eram camponeses, em sua maioria          biodiversidade do nosso território         viajava pela província de Minas Ge-
nordestinos, expulsos de suas terras     permitirá criar oportunidades para         rais: “É aí [nas florestas] que a natu-
pela seca.                               gerar riqueza de forma sustentável         reza mostra toda a sua magnificência,
    Esse processo de ocupação, no        (social, econômica e ambiental). De        é aí que ela parece desabrochar na
entanto, não foi convertido em desen-    acordo com essa perspectiva, é evi-        variedade de suas obras; e, devo dizer
volvimento social com qualidade          dente que o Brasil não terá ganhos         com pesar, essas magníficas florestas
ambiental. O que se vê atualmente,       econômicos com a aprovação das al-         foram muitas vezes destruídas sem
em praticamente todas as áreas onde      terações ao Código Florestal. As nor-      necessidade”.


                                                                                                      292 | MAIO | 2012 | CIÊNCIAHOJE | 61

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A história da mineração de ouro no Brasil
A história da mineração de ouro no BrasilA história da mineração de ouro no Brasil
A história da mineração de ouro no Brasil
MM Gerdau - Museu das Minas e do Metal
 
Formação do brasil contemporaneo caio prado jr. -
Formação do brasil contemporaneo   caio prado jr. -Formação do brasil contemporaneo   caio prado jr. -
Formação do brasil contemporaneo caio prado jr. -
rochamendess82
 
1261613841 o imperio_portugues_nos_seculos_xv_e_xvi
1261613841 o imperio_portugues_nos_seculos_xv_e_xvi1261613841 o imperio_portugues_nos_seculos_xv_e_xvi
1261613841 o imperio_portugues_nos_seculos_xv_e_xvi
Pelo Siro
 
A exploração do ouro no brasil
A exploração do ouro no brasilA exploração do ouro no brasil
A exploração do ouro no brasil
Stephani Coelho
 
História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - 2ª parte - Final do...
História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - 2ª parte - Final do...História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - 2ª parte - Final do...
História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - 2ª parte - Final do...
Marco Aurélio Gondim
 
A ocupação de mato grosso do sul
A ocupação de mato grosso do sulA ocupação de mato grosso do sul
A ocupação de mato grosso do sul
Marcela Marangon Ribeiro
 
Belezas do Brasil - Minas Gerais, terra querida!
Belezas do Brasil - Minas Gerais, terra querida!Belezas do Brasil - Minas Gerais, terra querida!
Belezas do Brasil - Minas Gerais, terra querida!
Aristides Monteiro
 
História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - Início do período c...
História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - Início do período c...História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - Início do período c...
História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - Início do período c...
Marco Aurélio Gondim
 
Formação Territorial e Povoamento de Mato Grosso
Formação Territorial e Povoamento de Mato GrossoFormação Territorial e Povoamento de Mato Grosso
Formação Territorial e Povoamento de Mato Grosso
Eder Liborio
 
A corrida do ouro aula oficial (sistema colonial portugues 2)
A corrida do ouro aula oficial  (sistema  colonial portugues 2)A corrida do ouro aula oficial  (sistema  colonial portugues 2)
A corrida do ouro aula oficial (sistema colonial portugues 2)
Marcelo Ferreira Boia
 
OcupaçãO De Mato Grosso
OcupaçãO De Mato GrossoOcupaçãO De Mato Grosso
OcupaçãO De Mato Grosso
Paticx
 
Minas Colonial
Minas Colonial Minas Colonial
Minas Colonial
Fabrício Pereira
 
Economia Brasil colonia e Império
Economia Brasil colonia e Império Economia Brasil colonia e Império
Economia Brasil colonia e Império
Salageo Cristina
 
OURO PRETO, TIRADENTES E MARIANA - Período Colonial
OURO PRETO, TIRADENTES E MARIANA - Período ColonialOURO PRETO, TIRADENTES E MARIANA - Período Colonial
OURO PRETO, TIRADENTES E MARIANA - Período Colonial
Anna Paula Mansur
 
Ocupaçao de mato_grosso_do_sul_–_domínio
Ocupaçao de mato_grosso_do_sul_–_domínioOcupaçao de mato_grosso_do_sul_–_domínio
Ocupaçao de mato_grosso_do_sul_–_domínio
Marcela Marangon Ribeiro
 
Mineração
MineraçãoMineração
Mineração
Aulas de História
 
Inimigo publico
Inimigo publicoInimigo publico
Inimigo publico
Armin Caldas
 
Resumo de História do Paraná.
Resumo de História do Paraná.Resumo de História do Paraná.
Resumo de História do Paraná.
aroudus
 
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
Lara Lídia
 
História de ms povoamento
História de ms   povoamentoHistória de ms   povoamento
História de ms povoamento
Nelia Salles Nantes
 

Mais procurados (20)

A história da mineração de ouro no Brasil
A história da mineração de ouro no BrasilA história da mineração de ouro no Brasil
A história da mineração de ouro no Brasil
 
Formação do brasil contemporaneo caio prado jr. -
Formação do brasil contemporaneo   caio prado jr. -Formação do brasil contemporaneo   caio prado jr. -
Formação do brasil contemporaneo caio prado jr. -
 
1261613841 o imperio_portugues_nos_seculos_xv_e_xvi
1261613841 o imperio_portugues_nos_seculos_xv_e_xvi1261613841 o imperio_portugues_nos_seculos_xv_e_xvi
1261613841 o imperio_portugues_nos_seculos_xv_e_xvi
 
A exploração do ouro no brasil
A exploração do ouro no brasilA exploração do ouro no brasil
A exploração do ouro no brasil
 
História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - 2ª parte - Final do...
História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - 2ª parte - Final do...História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - 2ª parte - Final do...
História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - 2ª parte - Final do...
 
A ocupação de mato grosso do sul
A ocupação de mato grosso do sulA ocupação de mato grosso do sul
A ocupação de mato grosso do sul
 
Belezas do Brasil - Minas Gerais, terra querida!
Belezas do Brasil - Minas Gerais, terra querida!Belezas do Brasil - Minas Gerais, terra querida!
Belezas do Brasil - Minas Gerais, terra querida!
 
História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - Início do período c...
História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - Início do período c...História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - Início do período c...
História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - Início do período c...
 
Formação Territorial e Povoamento de Mato Grosso
Formação Territorial e Povoamento de Mato GrossoFormação Territorial e Povoamento de Mato Grosso
Formação Territorial e Povoamento de Mato Grosso
 
A corrida do ouro aula oficial (sistema colonial portugues 2)
A corrida do ouro aula oficial  (sistema  colonial portugues 2)A corrida do ouro aula oficial  (sistema  colonial portugues 2)
A corrida do ouro aula oficial (sistema colonial portugues 2)
 
OcupaçãO De Mato Grosso
OcupaçãO De Mato GrossoOcupaçãO De Mato Grosso
OcupaçãO De Mato Grosso
 
Minas Colonial
Minas Colonial Minas Colonial
Minas Colonial
 
Economia Brasil colonia e Império
Economia Brasil colonia e Império Economia Brasil colonia e Império
Economia Brasil colonia e Império
 
OURO PRETO, TIRADENTES E MARIANA - Período Colonial
OURO PRETO, TIRADENTES E MARIANA - Período ColonialOURO PRETO, TIRADENTES E MARIANA - Período Colonial
OURO PRETO, TIRADENTES E MARIANA - Período Colonial
 
Ocupaçao de mato_grosso_do_sul_–_domínio
Ocupaçao de mato_grosso_do_sul_–_domínioOcupaçao de mato_grosso_do_sul_–_domínio
Ocupaçao de mato_grosso_do_sul_–_domínio
 
Mineração
MineraçãoMineração
Mineração
 
Inimigo publico
Inimigo publicoInimigo publico
Inimigo publico
 
Resumo de História do Paraná.
Resumo de História do Paraná.Resumo de História do Paraná.
Resumo de História do Paraná.
 
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
 
História de ms povoamento
História de ms   povoamentoHistória de ms   povoamento
História de ms povoamento
 

Destaque

Razones para usar Creative commons corporation como licencia para blogs
Razones para usar Creative commons corporation como licencia para blogsRazones para usar Creative commons corporation como licencia para blogs
Razones para usar Creative commons corporation como licencia para blogs
maria jose araujo
 
Project da vinci finished evaluation
Project da vinci   finished evaluationProject da vinci   finished evaluation
Project da vinci finished evaluation
Nathan_West
 
NSG Resume 2
NSG Resume 2NSG Resume 2
NSG Resume 2
Laecy Moore
 
LOS ANIMALES DE EXTINCIÓN
LOS ANIMALES DE EXTINCIÓN LOS ANIMALES DE EXTINCIÓN
LOS ANIMALES DE EXTINCIÓN
Aldair Cayetano Lagos
 
No 119
No 119No 119
No 119
lenational
 
Selos para colocar no Passaporte do Amor
Selos para colocar no Passaporte do AmorSelos para colocar no Passaporte do Amor
Selos para colocar no Passaporte do Amor
Casal Criginski
 
Le ba ba de l'ab
Le ba ba de l'abLe ba ba de l'ab
Le ba ba de l'abHexagro
 
La nouvelle cme
La nouvelle cmeLa nouvelle cme
La nouvelle cme
Réseau Pro Santé
 
Fmp production log_02
Fmp production log_02Fmp production log_02
Fmp production log_02
Gladeatorkid
 

Destaque (9)

Razones para usar Creative commons corporation como licencia para blogs
Razones para usar Creative commons corporation como licencia para blogsRazones para usar Creative commons corporation como licencia para blogs
Razones para usar Creative commons corporation como licencia para blogs
 
Project da vinci finished evaluation
Project da vinci   finished evaluationProject da vinci   finished evaluation
Project da vinci finished evaluation
 
NSG Resume 2
NSG Resume 2NSG Resume 2
NSG Resume 2
 
LOS ANIMALES DE EXTINCIÓN
LOS ANIMALES DE EXTINCIÓN LOS ANIMALES DE EXTINCIÓN
LOS ANIMALES DE EXTINCIÓN
 
No 119
No 119No 119
No 119
 
Selos para colocar no Passaporte do Amor
Selos para colocar no Passaporte do AmorSelos para colocar no Passaporte do Amor
Selos para colocar no Passaporte do Amor
 
Le ba ba de l'ab
Le ba ba de l'abLe ba ba de l'ab
Le ba ba de l'ab
 
La nouvelle cme
La nouvelle cmeLa nouvelle cme
La nouvelle cme
 
Fmp production log_02
Fmp production log_02Fmp production log_02
Fmp production log_02
 

Semelhante a Colher o fruto sem plantar a árvore (Revista Ciência Hoje)

Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
Deusirene Aparecida
 
Expansão e ocupação territorial
Expansão e ocupação territorialExpansão e ocupação territorial
Expansão e ocupação territorial
Patrícia Sanches
 
História de goiás completo
História de goiás completoHistória de goiás completo
História de goiás completo
Leila Maria Martins
 
Mato grosso
Mato grossoMato grosso
Geografia- conteúdo
Geografia- conteúdo Geografia- conteúdo
Geografia- conteúdo
Kamila Brito
 
Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)
Marcelo Ferreira Boia
 
História do brasil aula 04
História do brasil   aula 04História do brasil   aula 04
História do brasil aula 04
Fernanda Stang
 
Mineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil ColôniaMineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil Colônia
Jerry Guimarães
 
A descoberta e a exploração do ouro
A descoberta e a exploração do ouroA descoberta e a exploração do ouro
A descoberta e a exploração do ouro
Lucas Degiovani
 
Sociedades mineiras
Sociedades mineirasSociedades mineiras
Sociedades mineiras
tyromello
 
Aulasdehistoriadotocantinssalvoautomaticamente 120712001245-phpapp01
Aulasdehistoriadotocantinssalvoautomaticamente 120712001245-phpapp01Aulasdehistoriadotocantinssalvoautomaticamente 120712001245-phpapp01
Aulasdehistoriadotocantinssalvoautomaticamente 120712001245-phpapp01
vanessa pereira
 
Rochedo/MS
Rochedo/MSRochedo/MS
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
Franciele Marques
 
Expansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesaExpansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesa
Professora Natália de Oliveira
 
Formação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografiaFormação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografia
otacio candido
 
Formação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografiaFormação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografia
otacio candido
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
Isabel Aguiar
 
Região sudeste parte 1
Região sudeste parte 1Região sudeste parte 1
Região sudeste parte 1
flaviocosac
 
HistóRia De ManhuaçU
HistóRia De ManhuaçUHistóRia De ManhuaçU
HistóRia De ManhuaçU
ecsette
 
O Ciclo do ouro
O Ciclo do  ouroO Ciclo do  ouro
O Ciclo do ouro
Yara Ribeiro
 

Semelhante a Colher o fruto sem plantar a árvore (Revista Ciência Hoje) (20)

Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
 
Expansão e ocupação territorial
Expansão e ocupação territorialExpansão e ocupação territorial
Expansão e ocupação territorial
 
História de goiás completo
História de goiás completoHistória de goiás completo
História de goiás completo
 
Mato grosso
Mato grossoMato grosso
Mato grosso
 
Geografia- conteúdo
Geografia- conteúdo Geografia- conteúdo
Geografia- conteúdo
 
Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)
 
História do brasil aula 04
História do brasil   aula 04História do brasil   aula 04
História do brasil aula 04
 
Mineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil ColôniaMineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil Colônia
 
A descoberta e a exploração do ouro
A descoberta e a exploração do ouroA descoberta e a exploração do ouro
A descoberta e a exploração do ouro
 
Sociedades mineiras
Sociedades mineirasSociedades mineiras
Sociedades mineiras
 
Aulasdehistoriadotocantinssalvoautomaticamente 120712001245-phpapp01
Aulasdehistoriadotocantinssalvoautomaticamente 120712001245-phpapp01Aulasdehistoriadotocantinssalvoautomaticamente 120712001245-phpapp01
Aulasdehistoriadotocantinssalvoautomaticamente 120712001245-phpapp01
 
Rochedo/MS
Rochedo/MSRochedo/MS
Rochedo/MS
 
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
 
Expansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesaExpansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesa
 
Formação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografiaFormação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografia
 
Formação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografiaFormação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografia
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
 
Região sudeste parte 1
Região sudeste parte 1Região sudeste parte 1
Região sudeste parte 1
 
HistóRia De ManhuaçU
HistóRia De ManhuaçUHistóRia De ManhuaçU
HistóRia De ManhuaçU
 
O Ciclo do ouro
O Ciclo do  ouroO Ciclo do  ouro
O Ciclo do ouro
 

Último

Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Luana Neres
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Luana Neres
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
WelidaFreitas1
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Acrópole - História & Educação
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 

Último (20)

Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 

Colher o fruto sem plantar a árvore (Revista Ciência Hoje)

  • 1. opinião Colher o fruto sem plantar a árvore VALDIR LAMIM-GUEDES Universidade Nacional de Timor-Leste “N ela, até agora não pudemos sa- ber que haja ouro nem prata, nem nenhuma coisa de metal, nem de MINERAÇÃO E DEGRADAÇÃO Ao es- crever sua carta, Caminha não po- dia saber que menos de dois séculos ferro; nem as vimos. Mas, a terra em depois o ouro seria descoberto em si é muito boa de ares, tão frios e tem- uma região distante do litoral, que se- perados, como os de lá. Águas são mui- ria chamada “das Minas Gerais”, nos tas e infindas. De tal maneira é gra- locais onde hoje estão situadas as ci- ciosa que, querendo aproveitá-la dar- dades de Ouro Preto (antiga Vila Ri­ -se-á nela tudo por bem das águas que ca), Mariana e Sabará. Todas se de- tem.” Com essas palavras, a 1º de maio senvolveram em função do ouro e de 1500, o escrivão Pero Vaz de Ca- tornaram-se oficialmente vilas em minha (1450-1500) comunica ao rei 1711. Essa descoberta desencadeou de Portugal, Dom Manoel I (1469- a primeira grande corrente migrató- 1521), a descoberta da costa brasileira. ria de Portugal para o Brasil, além de Uma descoberta que poderia aten- estimular migrações internas para as der aos anseios portugueses regiões auríferas. de “colher o fruto sem A chegada de migrantes e a rique- plantar a árvore”, expressão za em circulação induziram em Vila utilizada pelo historiador Sérgio Rica (Ouro Preto) e Mariana um rápi- Buarque de Holanda (1902-1982) do processo de urbanização. Escolhida para descrever o ideal de obter ri- em 1720 como capital da recém-cria- quezas extraindo-as das novas terras da capitania de Minas Gerais, Vila descobertas nas grandes navegações, Rica tornou-se rapidamente a cidade sem grandes investimentos nas colô- mais populosa da América Latina, com nias e sem preocupação com as con- cerca de 80 mil habitantes em 1750. sequências dessa exploração. Boa parte dessa população era forma- Dois momentos da história bra- da por escravos. Na mesma época, sileira – o ciclo do ouro em Minas Nova York tinha menos da metade Gerais, no século 18, e a expansão dessa população e a vila de São Paulo da fronteira agrícola na Amazônia, não tinha mais que 8 mil habitantes. na década de 1970 – podem ser en- Essa região foi a principal área de quadrados nessa mesma linha de extração de ouro no Brasil no século pensamento. Esses períodos apre- 18. Só nesse século foram enviadas a sentam características em comum, Portugal, oficialmente, 800 toneladas como degradação ambiental e desi- de ouro, sem contar a quantidade ex- gualdade social, e servem de exem- traída de forma ilegal, fora do controle plo para que a proposta de alteração da corte portuguesa, e o que ficou na do Código Florestal, atualmente em colônia enfeitando suntuosas igrejas, discussão no Congresso Nacional, como a Igreja Matriz de Nossa Senho- seja reavaliada para evitar um gran- ra do Pilar, em Ouro Preto, em cuja de perigo socioambiental. decoração foram utilizados 800 kg de ouro e prata. Diversos relatos de viajantes que passaram pela região das minas in- cluem descrições da degradação am- biental, como assoreamento dos rios, 60 | CIÊNCIAHOJE | VOL. 49 | 292
  • 2. O ciclo do ouro em Minas Gerais, no século 18, e a expansão da fronteira agrícola na Amazônia, na década de 1970, (...) apresentam características em comum, como degradação ambiental e desigualdade social ausência de mata ciliar, águas barren- ocorreram os projetos oficiais de colo- mas agora propostas implicarão sig- tas, áreas desmatadas e queimadas. nização da Amazônia nos anos 1970, nificativas perdas de áreas com ve- O barão von Eschwege – o mineralo- são pastagens degradadas e pouco getação natural ainda existentes nos gista alemão Wilhelm L. von Eschwe- produtivas, índices altíssimos de vio- biomas brasileiros e comprometerão ge (1777-1855) – viveu em Ouro Pre- lência no campo, cidades sem sanea- compromissos assumidos pelo Brasil to no início do século 19 e observou: mento básico e com sistemas de edu- em acordos internacionais de redu- “Revolvendo-se frequentemente as cação e saúde precários. Na verdade, ção de emissões de carbono para a cabeceiras dos rios, estas se carregam os governos militares atraíram muitas atmosfera e de proteção à biodiver- cada vez mais de lama, a qual se foi pessoas para a região amazônica, sidade. depositando sobre a camada rica [em mas faltou trazer o estado de direito. A ideia de desenvolvimento que ouro], alcançando de ano para ano Nesses dois casos, o ciclo do ouro e embasa essa proposta de alteração do maior espessura, tal como 20, 30 e a ocupação da Amazônia, o cenário Código Florestal repete de certo até 50 palmos. Por esse motivo, as sempre foi de enorme contraste entre modo a concepção expressa em “co- dificuldades tornaram-se tão grandes riqueza e pobreza, com grande degra- lher o fruto sem plantar a árvore”. Ou que não se pode mais atingir o casca- dação ambiental. Parte dessa situação seja, algumas das normas em discus- lho virgem”. Com a exploração preda- está associada à noção de que o cres- são consagram a obtenção de lucro tória, e com o progressivo esgotamen- cimento econômico baseado na utili- fácil, sem maior preocupação com as to das reservas, a produção do ouro zação de nossos recursos naturais consequências da atividade explora- teve forte redução ao longo do século apresenta um dilema: proteger ou tória. Como o argumento para a faci- 19, levando a uma estagnação das ci- desenvolver. Esse é um falso dilema. litação dos desmatamentos é a neces- dades da região dos garimpos minei- No Brasil, como em quase todo o mun- sidade de aumentar a produção, po- ros, que antes cresciam rapidamente. do, é fácil observar que a renda obtida de-se dizer que a árvore será planta- com a extração das riquezas naturais da, mas também será cortada logo OCUPAÇÃO E DESTRUIÇÃO O mesmo não é dividida igualmente. O desen- após a colheita, impedindo que pro- cenário repetiu-se em grande parte da volvimento econômico, tanto no caso duza frutos para as próximas gera- região amazônica na década de 1970. dos garimpos do século 18 quanto no ções. Isso porque a grande degrada- Os governos militares incentivaram a caso da colonização da Amazônia, en- ção ambiental incentivada pelo novo derrubada da floresta, sob o argumen- riqueceu uma pequena minoria. O Código colocará em risco a própria to de promover o desenvolvimento da que se viu foi a concentração do lucro produção agrícola e o bem-estar da região. Fazia parte dessa campanha o e o compartilhamento dos prejuízos população no futuro. bordão “Homens sem terra para uma – a degradação ambiental e a deterio- Nesse momento, em que a opinião terra sem homens”. Esse lema era ração das condições de vida da popu- de experimentados cientistas não está uma mentira dupla, porque a Amazô- lação, por exemplo. sendo considerada por uma grande nia não era uma terra sem homens, já parcela dos parlamentares, é muito que ali viviam ribeirinhos, seringuei- LUCRO FÁCIL A solução para o fim adequado citar a observação sobre a ros e indígenas, com modos de vida da miséria no país não é acabar com degradação ambiental feita em 1817 mais adaptados à floresta, e porque o Brasil. Ao contrário, a valorização pelo naturalista francês Auguste de os ‘homens sem terra’, na verdade, da floresta, dos campos e da imensa Saint-Hilaire (1779-1853), quando eram camponeses, em sua maioria biodiversidade do nosso território viajava pela província de Minas Ge- nordestinos, expulsos de suas terras permitirá criar oportunidades para rais: “É aí [nas florestas] que a natu- pela seca. gerar riqueza de forma sustentável reza mostra toda a sua magnificência, Esse processo de ocupação, no (social, econômica e ambiental). De é aí que ela parece desabrochar na entanto, não foi convertido em desen- acordo com essa perspectiva, é evi- variedade de suas obras; e, devo dizer volvimento social com qualidade dente que o Brasil não terá ganhos com pesar, essas magníficas florestas ambiental. O que se vê atualmente, econômicos com a aprovação das al- foram muitas vezes destruídas sem em praticamente todas as áreas onde terações ao Código Florestal. As nor- necessidade”. 292 | MAIO | 2012 | CIÊNCIAHOJE | 61