SlideShare uma empresa Scribd logo
Rochedo - MS
INTRODUÇÃO Os primeiros desbravadores chegam em 1889 iniciando assim o ciclo da pecuária na região. Depois outros proprietários fixaram até 1929, com destaque para os fazendeiros: Olivério Rodrigues da Luz, da Fazenda Federação;  Sóterde Araújo França, da Fazenda Ceroula, depois Sapé e hoje Auriverde;  Zico Aristes Dias Vieira, Fazenda Varjão e outros.
Vieram depois os garimpeiros nos anos 1930 a 1948 e assim plantaram a pedra fundamental da criação do município.  Foram dezoito anos de garimpagem do diamante às margens e no leito do rio Aquidauana e afluentes, movimentando naquela época mais de cinco mil pessoas.
O INÍCIO DA COLONIZAÇÃO Data do final do século XIX a chegada dos primeiros colonizadores ao atual município de Rochedo, oriundos de diversas regiões do país, que se apossaram de diversas áreas rurais, assim distribuídas:
O INÍCIO DA COLONIZAÇÃO Fazenda Sapé  e das Crianças, região da Areia; Fazenda Campo Alegre e Barreiro, região Campo Alegre; Faz. Salto do Jatobá e Pastinho, região do Jatobá; Faz. Varjão e Água Limpa, região da Baeta; Faz. São João e São João Novo, região do São João; Fazenda Federação.
O INÍCIO DA COLONIZAÇÃO Fazendeiros como Olivério Rodrigues da Luz, Sóter de Araújo França, José Alves Quito, coronel José Alves Ribeiro, Joaquim Gomes Sandim, entre outros e seus descendentes tornaram-se abastados com a posse gratuita das terras nuas, não só dividindo-as entre seus filhos como também regularizando-as, para negociá-las com novos proprietários.
O INÍCIO DA COLONIZAÇÃO Os antigos fazendeiros tornaram-se os bandeirantes, produziam só para a sua subsistência, com exceção de alguns que vendiam seus produtos para os comerciantes do garimpo.  Foram os primeiros que chegaram e se apossaram das terras; alguns se tornaram grandes exportadores de pedras preciosas, o diamante, tais como os capanngueirosNelson de Castro e Enéas Bello.
A CHEGADA DOS GARIMPEIROS A chegada dos garimpeiros às margens do rio Aquidauana, pela notícia da presença de diamantes na região, mexeu com a tranqüilidade dos apossados, estimulou os governantes a desapropriar as terras das regiões ribeirinhas para os garimpeiros e também como solução para evitar possíveis invasões das propriedades; daí inicia a desapropriação de terras, como por exemplo do coronel Quito de 1500 hectares dos 97.000 que possuía. Nas regiões de Rochedo e Corguinho.
Novembro,2010
O GARIMPO Primeiros garimpeiros: O mineiro José Barão; O maranhense Olímpio Lira; O cearense Delfino Vanderley; O baiano José Antonio;
OS GARIMPEIROS Chegaram em meados de Julho de 1930, vindos da região nordeste do país e de Minas Gerais à procura de garimpos de diamante edificaram a primeira moradia ao lado das grandes rochas (rochedos), origem do nome que a cidade veio a receber. Exemplo de garimpo
OS GARIMPEIROS Tão logo o garimpo teve início, outros garimpeiros, em 1931, aqui chegaram: Aparício Menezes Cunha, Severino Mourão Buriti, João Avelino de Souza, Afonso de Araújo Passos, Albino Coimbra, João da Silva, José Amancio de Souza e outros, que com suas famílias constituíram a primeira povoação de Rochedo.
O GARIMPO O garimpo de diamante em Rochedo localizava-se inicialmente  à margem esquerda do rio Aquidauana, chegando a ser praticado desde a barra do córrego Jatobá com o rio Aquidauana até as regiões da Sibéria, próximo à cidade de Rio Negro; no entanto, onde mais se encontrou diamante foi nas regiões de Rochedo e Corguinho.
DE POVOADO A CURRUTELA Com o aumento do número de garimpeiros, a região passou , de povoado a currutela; esta era constituída dos garimpos de Rochedo, Corguinho, Galo Cru, Baianópolis e Fala Verdade.
PRINCIPAIS GARIMPOS Galo Cru  Carrapato Lajeado, na zona rural próximo ao núcleo comercial de Rochedo.
Ponte sobre o rio carrapato
O GARIMPO Encontravam-se nesse período no garimpo mais de 3.500 garimpeiros, sendo destes 1.500 só em Rochedo e aqui viviam ainda os comerciantes, as famílias dos garimpeiros e funcionários; o garimpo era a maior fonte de renda do lugar e, embora circulasse muito dinheiro, o padrão de vida era baixo, como costumavam dizer: dinheiro de garimpeiro não tinha dono, pois gastavam  tudo em festas, jogos de carteado e mulheres de um cabaré, em Campo Grande, conhecido como Fecha Nunca.
O MODO DE VIDA Os garimpeiros eram na maioria nordestinos que chegavam sem família e moravam em grupos de sete a quinze homens, habitando barracões cobertos de palha de indaiá, com um fogão a lenha, e se revezavam no preparo da comida; só aqueles que possuíam família moravam em casa de taipa, coberta com palha de indaiá, sendo as melhores com paredes barreadas
O MODO DE VIDA Eles trabalhavam independentes para si próprios ou para um patrão meia-praça, pois recebiam dinheiro ou gêneros alimentícios mensalmente; ou meia-praça de caldeirão, isto é, alimentavam-se na casa do patrão e o lucro da venda dos diamantes era dividido com ele.
O DIAMANTE O primeiro diamante, uma linda pedra com dezesseis quilates, brilhava ao sol nas mãos do baiano José Antonio e assim outras foram encontradas e fez com que a população aumentasse.
O DIAMANTE Quando pegava uma pedra grande, o garimpeiro ia a Campo Grande e lá a vendia; comprava às vezes um Ford-29 e levava as várias meninas para a região onde ele garimpava e colocava-as em casas cobertas de palha de indaiá; ali ficavam até acabar o dinheiro.
O COMÉRCIO O comércio local abastecia quase toda a região com secos e molhados, tecidos,  calçados, equipamentos para o trabalho de campo, arreada completa, do garimpo, pesca e medicamentos de uma pequena farmácia.
O COMÉRCIO Os garimpeiros baianos, primeiros a chegar, trazendo depois seus amigos ou aparentados, fizeram crescer este lugar, associados aos imigrantes japoneses, árabes ou portugueses, que se dedicavam a complementar o ciclo da subsistência de todos, com casas comerciais, entre os quais: Ishikawa, Yamashita, Odacura, Abdo Cury, IssaNahas, Antônio Lúcio Queiróz, Avelino Costa, Evangelina Vieira e tantos outros.
Família Ishikawa Somente uma família, a de KikoIshikawaKobaiashi, possuía um motor de luz, o único rádio do garimpo, que divulgava o noticiário da época e do pós-guerra às pessoas que moravam aqui.
O COMÉRCIO A primeira casa comercial do garimpo foi a do SrºAbdo Cury e a segunda do SrºIssaNahas, que posteriormente a vendeu para o Srº Oscar Barbosa Souto.
A SEGURANÇA A segurança era feita por um destacamento militar e um delegado civil, pois na época todas as pessoas portavam arma de fogo e havia muitas brigas e morte; daí a necessidade de policiamento para o local;
A RELIGIOSIDADE D. Maria da Igreja chega ao povoado em 1940. O Sr. João Porfirio e D. Maria Galdino, vindos de Birigui (SP). Ficou conhecida aqui como Maria da Igreja. Esta fizera uma promessa, que  se pegasse um diamante construiria uma Igreja para as novenas do Sr. Bom Jesus da Lapa.  E no mesmo ano ela consegue o diamante (no dia 06 de agosto). Em 13 dias a pequena Igreja estava construída, ao seu redor era feita as festas do padroeiro.  A Igreja estava localizada onde hoje é a praça.
A IGREJA AO FUNDO:
A RELIGIOSIDADE Os casamentos religiosos, batizados e missas só aconteciam em duas épocas do ano; Festa de São Sebastião Mártir, em 20 de janeiro e Senhor Bom Jesus da Lapa, em 6 de agosto.
FESTAS RELIGIOSAS São tradicionais as festas juninas com danças e pratos típicos, fogueiras etc.- A festa do padroeiro da cidade Senhor Bom Jesus que acontece no mês de agosto. (começo dos festejos em 1931 )-  Festa de São Sebastião, tradição esquecida que atualmente ocorreu o seu resgate histórico. ( 1931 tinha começado as devoções ao Santo).
IMAGENS HISTÓRICAS DE EVENTOS:
1977-1982: Prefeito Heleodoro Ferreira de Almeida +
Havia um cartório de paz, um campo de futebol e uma cancha reta.
O TRANSPORTE O transporte era feito com cavalos, carros de boi, caminhões e jardineira mista;  a estrada para Campo Grande era precária; na seca, um caminhão levava até dois dias para percorrer cem quilômetros e na época das chuvas leva uma até uma semana.
A travessia do rio Aquidauana no início do século XX acontecia em um vau, isto é, passagem dentro da água onde o leito do rio era mais alto, permitindo apenas a passagem de carro de bois, cavaleiros e animais;
Na época do garimpo, existia inicialmente uma pinguela no rio Aquidauana, por onde passavam pessoas a pé;  posteriormente, ainda na época do garimpo, foi construída a primeira ponte de madeira, por onde transitavam as pessoas, animais, carros de boi e alguns fordinhos-29, em estrada que iniciava na Rua Rio Branco, dentro da cidade de Rochedo, e se dirigia à região do córrego Carrapato;  com a emancipação política, construiu-se a segunda ponte de madeira sobre o rio Aquidauana, localizada logo abaixo da atual, de concreto.
AS PENSÕES À beira da estrada que ia de Rochedo a Campo Grande existiam algumas pensões nas quais os passageiros faziam suas refeições:  Pensão das Galinhas, situada à beira da estrada próximo da região do Aguão, pois  ali atolavam muitos carros e os proprietários da pensão ofereciam pouso e alimento servido com carne de galinha; e também a Pensão do Pimenta.
ALGUMAS DATAS:
Em outubro de 1930 surgiu a primeira pensão e abriram-se casas de jogos. Em 9 de agosto de 1933 o nome da currutela mudou-se para Rochedo, devido ao inicio da povoação ter sido sobre grandes rochas às margens do rio Aquidauana;neste mesmo dia Rochedo passou a ser denominado de distrito de Campo Grande, pelo Decreto nº 293.
Em 23 de setembro de 1933 era intalado o Distrito de Paz, sendo o juiz o Srº Aparício Menezes Cunha. É também fundada a primeira escola que funcionou numa casa de esquina da Rua Rio Branco com Abdo Cury, sendo o primeiro professor Inocêncio Evangelista de Souza.
Em 1934 é celebrada a primeira missa pelo Padre José Antonio Maria Franco na igreja antiga de São Sebastião Mártir e também é inaugurada a Escola Reunida de Rochedo. Em 1937 era erguida a primeira igreja de alvenaria em honra a São Sebastião Mártir. Em 1940, ergueu-se a igreja do Senhor Bom Jesus da Lapa na praça central da currutela, à custa de garimpeiros baianos.
Em 13 de agosto de 1935, pelo Decreto Lei nº 460 é desapropriada terras do coronel Quito para constituírem o patrimônio do povoado de Rochedo.
Em 1936 foi criado o cartório de Rochedo, sendo o cartorário João Avelino de Souza.
Em 19  de março de 1938 foi determinada a medição do patrimônio de Rochedo pelo engenheiro Drº João Batista Nunes Ribeiro, indicação do interventor do Estado DrºFenelon Müller.
Em 31 de Dezembro de 1943, Rochedo passou a se chamar Taveira, pelo Decreto Lei nº 545 em homenagem a José Taveira Quito, dono da maioria das terras de Rochedo.
Em inicio de 1948, o distrito de Taveira voltou a denominar-se Rochedo, pela Lei nº 151, proposta pelo Deputado Antônio Mena Gonçalves, a pedido dos garimpeiros, com destaque para Afonso de Araújo Passos
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA Em 21 de junho de 1948, Antonio Mena Gonçalves já se interessava pelos distritos de Taveira e Corguinho, apresentando na Assembléia Legislativa de Mato Grosso requerimento solicitando a reconstrução de uma ponte sobre o rio Aquidauana que ligava os dois distritos.
Com a diminuição dos achados de diamantes no distrito de Taveira, a exploração foi decaindo, facilitando a emancipação política, até para manter a sobrevivência dos que aqui ficaram residindo, uma vez que os garimpeiros normalmente se fixavam onde o garimpo dava lucro, causando a estagnação do promissor distrito de Taveira.
Os que ficaram voltaram sua atenção para a agricultura, pecuária extensiva e extração da madeira.
Em 26 de outubro, o Presidente da Assembléia Legislativa do Estado de Mato Grosso Waldir dos Santos Pereira promulgou a lei que autorizava a desapropriação de uma área de 3.208 hectares de terras particulares para serem anexadas à área do patrimônio da povoação de Taveira.
Lei nº 76/48 de autoria do deputado Antonio Mena Gonçalves; trocou o nome de Taveira para Rochedo. Em 18 de  Outubro de 1948 foi publicada no Diário Oficial do Estado de Mato Grosso, com o nº 76/48, ficando assim  determinada oficialmente a mudança do nome Taveira para Rochedo, distrito de Campo Grande situado às margens do rio Aquidauana.
Em 29 de setembro de 1948 deu entrada na Assembléia Legislativa o projeto de lei nº 105/48 que emancipava o distrito de Rochedo, tornando-o município. O texto original do projeto passa por algumas modificações.
Nos dias 11,12 e 13 de novembro de 1948, aconteceram três votações necessárias para a provação da criação do município de Rochedo.
Em 16 de novembro de 1948 a Assembléia Legislativa do Estado de Mato Grosso promulgou a lei que criou o município de Rochedo, determinando os seus limites, bem como criando os distritos de Corguinho, Baianópolis e Fala Verdade.
Em 18 de novembro de 1948 o presidente da Assembléia, deputado Penn de Moraes Gomes, encaminhou ao Governador do Estado de Mato Grosso, Arnaldo Estevão de Figueiredo, a Lei nº 204/48, aprovada por aquela Casa, para que fosse publicada no Diário Oficial do Estado, o que aconteceu em 23 de novembro de 1948.
OS PREFEITOS 1948-1949: Manoel Vieira Neves (nomeado) 1949-1950: Albino Coimbra 1950-1952: TheóphiloMassi 1953-1956: José de Souza Brandão
1957-1960: Júlio Honostório de Rezende 1961-1964: José Carrilho de Arantes 1965-1967: Nélson Evangelista de Souza 1967-1969: Altino Pereira Dias
1970-1972: Laerte Rodrigues de Almeida 1973-1976: Antenor Ferreira dos Anjos 1977-1982: Heleodoro Ferreira de Almeida 1983-1988: Francisco de Paula Ribeiro 1989-1992: Adão Pedro Arantes
1993-1996: Francisco de Paula Ribeiro 1997-2000: Edileuza de Andrade Lopes Dias 2001-2004: Edileuza de Andrade Lopes Dias 2005- até os dias atuais: Adão Pedro Arantes
ATUALMENTE: População: 4.480 habitantes Área: 1.560,65 km2   Densidade: 3,2 hab./km² IDH: 0,731 (médio) Bioma: Cerrado Praça central. Novembro, 2010
SÍMBOLOS A BANDEIRA É o símbolo que representa o município pela identificação de suas cores e conteúdos que a caracterizam. Traz o brasão do município e as cores: verde, amarela, azul e branca da bandeira Nacional.
A BANDEIRA
O BRASÃO
O HINO DO MUNICÍPIOLetra e música de José Amâncio de Souza Filho Agradeço ao herói altaneiro Grande fibra, valor e ação Que num arroubo assim pioneiro Nos legou esse amado rincão.
OH, ROCHEDO, SEU NOME ENCERRA A BRAVURA DOS FILHOS QUE TEM A RIQUEZA QUE BROTA DA TERRA E DO LEITO DOS RIOS TAMBÉM
Oh, Rochedo de grandes valores O fanal de qualquer rochedense Dos artistas que são seus cultores Altivez do sul-mato-grossense.
Sua história, cultura, os esportes E o rico folclore que tem A fazer os seus filhos mais fortes Na justiça, no amor e no bem!
LOCALIZAÇÃO O Município fica a 89 km da Capital de Mato Grosso do Sul, Campo Grande.
Localização
NÍVEL SOCIAL ECONÔMICO O nível sócio econômico da maioria da população é de classe média. Compostos em sua maioria por funcionários públicos municipais e estaduais e uma parcela significativa de aposentados. Há também pequenos comerciantes, e um frigorífico que com a Prefeitura Municipal forma a maior fonte de renda do município.
A atividade econômica predominante é agropecuária, logo, muitas pessoas são empregados nas fazendas, chácaras e sítios que estão em torno do município.  Na zona urbana as construções são de alvenaria. O meio de transporte é feito por uma linha inter-municipal e por veículos particulares.
ROCHEDO: ONTEM E HOJE
REFERÊNCIAS BARBOSA, J.C. Rochedo: capital do diamante. Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso do Sul: 2009. IBGE Cidades.  FOTOS HISTÓRICAS: cortesia da Profª Lúcia Marta de  Lira
ROCHEDO/MS: 62 ANOS
AGRADECIMENTOS ESPECIAIS Drº José Barbosa pela iniciativa da obra “Rochedo – capital do Diamante” Profª Marta que emprestou a fotos mais antigas.
REALIZAÇÃO E.E JOSÉ ALVES RIBEIRO Direção e Coordenação: Jurandir do Nascimento Rocha Tânia Mariano e Ana Maria de Andrade. PROFª  Roseli Barbosa Ano letivo: 2010.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Comunicação social
Comunicação socialComunicação social
Comunicação social
Ana Ferreira
 
STC - Os Electrodomésticos.
STC - Os Electrodomésticos.STC - Os Electrodomésticos.
STC - Os Electrodomésticos.
Alfredo Garcia
 
Descrição e normas da empresa
Descrição e normas da empresaDescrição e normas da empresa
Descrição e normas da empresa
CelesteMD
 
CLC - Resíduos e Reciclagem
CLC - Resíduos e ReciclagemCLC - Resíduos e Reciclagem
CLC - Resíduos e Reciclagem
cattonia
 
Algarve
AlgarveAlgarve
Preparar Uma Sessao De Juri
Preparar Uma Sessao De JuriPreparar Uma Sessao De Juri
Preparar Uma Sessao De Juri
João Lima
 
O turismo
O turismoO turismo
O turismo
Rosária Zamith
 
Prevenção rodoviária nos ciclistas
Prevenção rodoviária nos ciclistasPrevenção rodoviária nos ciclistas
Prevenção rodoviária nos ciclistas
criadorpt
 
História de Sinop - MT
História de Sinop - MTHistória de Sinop - MT
História de Sinop - MT
Dener Didoné
 
Os grandes projetos de mineração do Brasil
Os grandes projetos de mineração do BrasilOs grandes projetos de mineração do Brasil
Os grandes projetos de mineração do Brasil
Editora Moderna
 
Circuito de correspondência
Circuito de correspondênciaCircuito de correspondência
Circuito de correspondência
Soraia Cardozo
 
Modulo 12 - América Latina - a produção econômica
Modulo 12 - América Latina - a produção econômicaModulo 12 - América Latina - a produção econômica
Modulo 12 - América Latina - a produção econômica
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Turismo Urbano
Turismo UrbanoTurismo Urbano
Turismo Urbano
guest76159cb
 
Dossier Pessoal RVCC
Dossier Pessoal RVCCDossier Pessoal RVCC
Dossier Pessoal RVCC
João Lima
 
Globalização - NIKE
Globalização - NIKEGlobalização - NIKE
Globalização - NIKE
Marco Santos
 
7 comércio
7  comércio7  comércio
7 comércio
Mayjö .
 
Geo desenvolvimento sustentável
Geo desenvolvimento sustentávelGeo desenvolvimento sustentável
Geo desenvolvimento sustentável
PedroFrancisco84
 
manuais de formação ufcd Catalogo informanuais janeiro 2021
manuais de formação ufcd Catalogo informanuais janeiro 2021manuais de formação ufcd Catalogo informanuais janeiro 2021
manuais de formação ufcd Catalogo informanuais janeiro 2021
Informanuais ®
 
Historia da internet pdf
Historia da internet pdfHistoria da internet pdf
Historia da internet pdf
FabioPaulino
 
Tecnologias de informação e comunicação
Tecnologias de informação e comunicaçãoTecnologias de informação e comunicação
Tecnologias de informação e comunicação
Nome Sobrenome
 

Mais procurados (20)

Comunicação social
Comunicação socialComunicação social
Comunicação social
 
STC - Os Electrodomésticos.
STC - Os Electrodomésticos.STC - Os Electrodomésticos.
STC - Os Electrodomésticos.
 
Descrição e normas da empresa
Descrição e normas da empresaDescrição e normas da empresa
Descrição e normas da empresa
 
CLC - Resíduos e Reciclagem
CLC - Resíduos e ReciclagemCLC - Resíduos e Reciclagem
CLC - Resíduos e Reciclagem
 
Algarve
AlgarveAlgarve
Algarve
 
Preparar Uma Sessao De Juri
Preparar Uma Sessao De JuriPreparar Uma Sessao De Juri
Preparar Uma Sessao De Juri
 
O turismo
O turismoO turismo
O turismo
 
Prevenção rodoviária nos ciclistas
Prevenção rodoviária nos ciclistasPrevenção rodoviária nos ciclistas
Prevenção rodoviária nos ciclistas
 
História de Sinop - MT
História de Sinop - MTHistória de Sinop - MT
História de Sinop - MT
 
Os grandes projetos de mineração do Brasil
Os grandes projetos de mineração do BrasilOs grandes projetos de mineração do Brasil
Os grandes projetos de mineração do Brasil
 
Circuito de correspondência
Circuito de correspondênciaCircuito de correspondência
Circuito de correspondência
 
Modulo 12 - América Latina - a produção econômica
Modulo 12 - América Latina - a produção econômicaModulo 12 - América Latina - a produção econômica
Modulo 12 - América Latina - a produção econômica
 
Turismo Urbano
Turismo UrbanoTurismo Urbano
Turismo Urbano
 
Dossier Pessoal RVCC
Dossier Pessoal RVCCDossier Pessoal RVCC
Dossier Pessoal RVCC
 
Globalização - NIKE
Globalização - NIKEGlobalização - NIKE
Globalização - NIKE
 
7 comércio
7  comércio7  comércio
7 comércio
 
Geo desenvolvimento sustentável
Geo desenvolvimento sustentávelGeo desenvolvimento sustentável
Geo desenvolvimento sustentável
 
manuais de formação ufcd Catalogo informanuais janeiro 2021
manuais de formação ufcd Catalogo informanuais janeiro 2021manuais de formação ufcd Catalogo informanuais janeiro 2021
manuais de formação ufcd Catalogo informanuais janeiro 2021
 
Historia da internet pdf
Historia da internet pdfHistoria da internet pdf
Historia da internet pdf
 
Tecnologias de informação e comunicação
Tecnologias de informação e comunicaçãoTecnologias de informação e comunicação
Tecnologias de informação e comunicação
 

Destaque

Símbolos de campo grande
Símbolos de campo grandeSímbolos de campo grande
Símbolos de campo grande
leisarobles
 
Ejemplo presentacion lobby
Ejemplo presentacion lobbyEjemplo presentacion lobby
Ejemplo presentacion lobby
Gonella
 
Patrimônios históricos de Campo Grande no Mato Grosso do Sul / Brasil - por ...
Patrimônios históricos de Campo Grande no Mato Grosso do Sul / Brasil  - por ...Patrimônios históricos de Campo Grande no Mato Grosso do Sul / Brasil  - por ...
Patrimônios históricos de Campo Grande no Mato Grosso do Sul / Brasil - por ...
Maísa Fernandes
 
Marcos e Monumentos Históricos de Campo Grande MS
Marcos e Monumentos Históricos de Campo Grande MSMarcos e Monumentos Históricos de Campo Grande MS
Marcos e Monumentos Históricos de Campo Grande MS
Marcos Fernandes
 
Historia de campo grande ms
Historia de campo grande   msHistoria de campo grande   ms
Historia de campo grande ms
Nilda Silva
 
Historia campo grande
Historia campo grandeHistoria campo grande
Historia campo grande
Nilda Silva
 
Monumentos que contam um pouco da história da
Monumentos que contam um pouco da história daMonumentos que contam um pouco da história da
Monumentos que contam um pouco da história da
Gilberto Cantu
 
Pontos TuríSticos Campo Grande
Pontos TuríSticos Campo GrandePontos TuríSticos Campo Grande
Pontos TuríSticos Campo Grande
Amelia Rodrigues de Lima
 
LIVRO - HISTÓRIA DE CAMPO GRANDE
LIVRO - HISTÓRIA DE CAMPO GRANDELIVRO - HISTÓRIA DE CAMPO GRANDE
LIVRO - HISTÓRIA DE CAMPO GRANDE
emfloragrpires
 
História de campo grande ms
História de campo grande msHistória de campo grande ms
História de campo grande ms
Nilda Silva
 
Linha Tempo Campo Grande Ms
Linha Tempo Campo Grande MsLinha Tempo Campo Grande Ms
Linha Tempo Campo Grande Ms
Amelia Rodrigues de Lima
 
3 ano artes campo grande
 3 ano artes campo grande 3 ano artes campo grande
3 ano artes campo grande
Marines Adiers Alves Pereira
 
7º Ano - Avaliação de Inglês
7º Ano - Avaliação de Inglês7º Ano - Avaliação de Inglês
7º Ano - Avaliação de Inglês
Cláudia Regina Targa Miranda
 
Plano de Aula Sobre Pontos Turísticos
Plano de Aula Sobre Pontos TurísticosPlano de Aula Sobre Pontos Turísticos
Plano de Aula Sobre Pontos Turísticos
Vilma Ribeiro de Oliveira
 

Destaque (14)

Símbolos de campo grande
Símbolos de campo grandeSímbolos de campo grande
Símbolos de campo grande
 
Ejemplo presentacion lobby
Ejemplo presentacion lobbyEjemplo presentacion lobby
Ejemplo presentacion lobby
 
Patrimônios históricos de Campo Grande no Mato Grosso do Sul / Brasil - por ...
Patrimônios históricos de Campo Grande no Mato Grosso do Sul / Brasil  - por ...Patrimônios históricos de Campo Grande no Mato Grosso do Sul / Brasil  - por ...
Patrimônios históricos de Campo Grande no Mato Grosso do Sul / Brasil - por ...
 
Marcos e Monumentos Históricos de Campo Grande MS
Marcos e Monumentos Históricos de Campo Grande MSMarcos e Monumentos Históricos de Campo Grande MS
Marcos e Monumentos Históricos de Campo Grande MS
 
Historia de campo grande ms
Historia de campo grande   msHistoria de campo grande   ms
Historia de campo grande ms
 
Historia campo grande
Historia campo grandeHistoria campo grande
Historia campo grande
 
Monumentos que contam um pouco da história da
Monumentos que contam um pouco da história daMonumentos que contam um pouco da história da
Monumentos que contam um pouco da história da
 
Pontos TuríSticos Campo Grande
Pontos TuríSticos Campo GrandePontos TuríSticos Campo Grande
Pontos TuríSticos Campo Grande
 
LIVRO - HISTÓRIA DE CAMPO GRANDE
LIVRO - HISTÓRIA DE CAMPO GRANDELIVRO - HISTÓRIA DE CAMPO GRANDE
LIVRO - HISTÓRIA DE CAMPO GRANDE
 
História de campo grande ms
História de campo grande msHistória de campo grande ms
História de campo grande ms
 
Linha Tempo Campo Grande Ms
Linha Tempo Campo Grande MsLinha Tempo Campo Grande Ms
Linha Tempo Campo Grande Ms
 
3 ano artes campo grande
 3 ano artes campo grande 3 ano artes campo grande
3 ano artes campo grande
 
7º Ano - Avaliação de Inglês
7º Ano - Avaliação de Inglês7º Ano - Avaliação de Inglês
7º Ano - Avaliação de Inglês
 
Plano de Aula Sobre Pontos Turísticos
Plano de Aula Sobre Pontos TurísticosPlano de Aula Sobre Pontos Turísticos
Plano de Aula Sobre Pontos Turísticos
 

Semelhante a Rochedo/MS

Expansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesaExpansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesa
Professora Natália de Oliveira
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
Isabel Aguiar
 
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIALHISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
carlosbidu
 
História de Ferraz de Vasconcelos.docx
História de Ferraz de Vasconcelos.docxHistória de Ferraz de Vasconcelos.docx
História de Ferraz de Vasconcelos.docx
EMERSONDASILVAPEREIR
 
Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)
Marcelo Ferreira Boia
 
OcupaçãO De Mato Grosso
OcupaçãO De Mato GrossoOcupaçãO De Mato Grosso
OcupaçãO De Mato Grosso
Paticx
 
Sociedades mineiras
Sociedades mineirasSociedades mineiras
Sociedades mineiras
tyromello
 
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptxHISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
Marsellus Cardousous
 
Mato grosso
Mato grossoMato grosso
Pedro Cacunda e os Primeiros Eleitores de Conceição do Castelo
Pedro Cacunda e os Primeiros Eleitores de Conceição do CasteloPedro Cacunda e os Primeiros Eleitores de Conceição do Castelo
Pedro Cacunda e os Primeiros Eleitores de Conceição do Castelo
Diogo Andrade França
 
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
Daniel Alves Bronstrup
 
Campo Bom[2]
Campo Bom[2]Campo Bom[2]
Campo Bom[2]
ROSMERI MARMITT
 
Campo Bom[2]
Campo Bom[2]Campo Bom[2]
Campo Bom[2]
ROSMERI MARMITT
 
Campo Bom[2]
Campo Bom[2]Campo Bom[2]
Campo Bom[2]
ROSMERI MARMITT
 
Colher o fruto sem plantar a árvore (Revista Ciência Hoje)
Colher o fruto sem plantar a árvore (Revista Ciência Hoje)Colher o fruto sem plantar a árvore (Revista Ciência Hoje)
Colher o fruto sem plantar a árvore (Revista Ciência Hoje)
Valdir Lamim-Guedes
 
Espírito Santo Colonial
Espírito Santo ColonialEspírito Santo Colonial
Espírito Santo Colonial
Leonardo Pereira
 
volta redonda.ppt
volta redonda.pptvolta redonda.ppt
volta redonda.ppt
ThiagoCarlos33
 
A chegada dos pioneiros em Minaçu.
A chegada dos pioneiros em Minaçu.A chegada dos pioneiros em Minaçu.
A chegada dos pioneiros em Minaçu.
Ana Luiza Santos
 
Expansão e ocupação territorial
Expansão e ocupação territorialExpansão e ocupação territorial
Expansão e ocupação territorial
Patrícia Sanches
 
Breve HistóRico De Santo André
Breve HistóRico De Santo AndréBreve HistóRico De Santo André
Breve HistóRico De Santo André
maria luiza de paula mazzucatto
 

Semelhante a Rochedo/MS (20)

Expansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesaExpansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesa
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
 
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIALHISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
HISTÓRIA DO MATO GROSSO COLONIAL
 
História de Ferraz de Vasconcelos.docx
História de Ferraz de Vasconcelos.docxHistória de Ferraz de Vasconcelos.docx
História de Ferraz de Vasconcelos.docx
 
Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)
 
OcupaçãO De Mato Grosso
OcupaçãO De Mato GrossoOcupaçãO De Mato Grosso
OcupaçãO De Mato Grosso
 
Sociedades mineiras
Sociedades mineirasSociedades mineiras
Sociedades mineiras
 
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptxHISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
 
Mato grosso
Mato grossoMato grosso
Mato grosso
 
Pedro Cacunda e os Primeiros Eleitores de Conceição do Castelo
Pedro Cacunda e os Primeiros Eleitores de Conceição do CasteloPedro Cacunda e os Primeiros Eleitores de Conceição do Castelo
Pedro Cacunda e os Primeiros Eleitores de Conceição do Castelo
 
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
 
Campo Bom[2]
Campo Bom[2]Campo Bom[2]
Campo Bom[2]
 
Campo Bom[2]
Campo Bom[2]Campo Bom[2]
Campo Bom[2]
 
Campo Bom[2]
Campo Bom[2]Campo Bom[2]
Campo Bom[2]
 
Colher o fruto sem plantar a árvore (Revista Ciência Hoje)
Colher o fruto sem plantar a árvore (Revista Ciência Hoje)Colher o fruto sem plantar a árvore (Revista Ciência Hoje)
Colher o fruto sem plantar a árvore (Revista Ciência Hoje)
 
Espírito Santo Colonial
Espírito Santo ColonialEspírito Santo Colonial
Espírito Santo Colonial
 
volta redonda.ppt
volta redonda.pptvolta redonda.ppt
volta redonda.ppt
 
A chegada dos pioneiros em Minaçu.
A chegada dos pioneiros em Minaçu.A chegada dos pioneiros em Minaçu.
A chegada dos pioneiros em Minaçu.
 
Expansão e ocupação territorial
Expansão e ocupação territorialExpansão e ocupação territorial
Expansão e ocupação territorial
 
Breve HistóRico De Santo André
Breve HistóRico De Santo AndréBreve HistóRico De Santo André
Breve HistóRico De Santo André
 

Mais de prof_roseli_barbosa

Os diferentes textos em salas de alfabetização
Os diferentes textos em salas de alfabetizaçãoOs diferentes textos em salas de alfabetização
Os diferentes textos em salas de alfabetização
prof_roseli_barbosa
 
Sistemas agrícolas correção
Sistemas agrícolas correçãoSistemas agrícolas correção
Sistemas agrícolas correção
prof_roseli_barbosa
 
Avaliação do curso elaboração de projetos
Avaliação do curso elaboração de projetosAvaliação do curso elaboração de projetos
Avaliação do curso elaboração de projetos
prof_roseli_barbosa
 
Trabalho escolar normas_da_abnt
Trabalho escolar normas_da_abntTrabalho escolar normas_da_abnt
Trabalho escolar normas_da_abnt
prof_roseli_barbosa
 
Livro de receitas
Livro de receitas Livro de receitas
Livro de receitas
prof_roseli_barbosa
 
Apresentação final do projeto
Apresentação final do projetoApresentação final do projeto
Apresentação final do projeto
prof_roseli_barbosa
 
Apresentação final do Projeto Lendo com contos e fábulas
Apresentação final do Projeto Lendo com contos e fábulasApresentação final do Projeto Lendo com contos e fábulas
Apresentação final do Projeto Lendo com contos e fábulas
prof_roseli_barbosa
 
Apresentação do Projeto prevenção e combate ao bullying escolar apresentação
Apresentação do Projeto prevenção e combate ao bullying escolar apresentaçãoApresentação do Projeto prevenção e combate ao bullying escolar apresentação
Apresentação do Projeto prevenção e combate ao bullying escolar apresentação
prof_roseli_barbosa
 
Apresentação final do Projeto Lendo com o coração
Apresentação final do Projeto Lendo com o coraçãoApresentação final do Projeto Lendo com o coração
Apresentação final do Projeto Lendo com o coração
prof_roseli_barbosa
 
Apresentação do Projeto Leitura
Apresentação do Projeto LeituraApresentação do Projeto Leitura
Apresentação do Projeto Leitura
prof_roseli_barbosa
 
Apresentação Projeto IMC
Apresentação Projeto IMCApresentação Projeto IMC
Apresentação Projeto IMC
prof_roseli_barbosa
 
Apresentação final projeto Orgulho de ser sul matogrossense
Apresentação final projeto Orgulho de ser sul matogrossenseApresentação final projeto Orgulho de ser sul matogrossense
Apresentação final projeto Orgulho de ser sul matogrossense
prof_roseli_barbosa
 
Apresentação final projeto Diversidade
Apresentação final projeto DiversidadeApresentação final projeto Diversidade
Apresentação final projeto Diversidade
prof_roseli_barbosa
 
Apresentação do curso elaboração de projetos
Apresentação do curso elaboração de projetosApresentação do curso elaboração de projetos
Apresentação do curso elaboração de projetos
prof_roseli_barbosa
 
Kilpatrick
KilpatrickKilpatrick
Projetos
ProjetosProjetos
John dewey
John deweyJohn dewey
Paulo freire
Paulo freirePaulo freire
Paulo freire
prof_roseli_barbosa
 
Froebel
FroebelFroebel
Pedagogia de projetos
Pedagogia de projetosPedagogia de projetos
Pedagogia de projetos
prof_roseli_barbosa
 

Mais de prof_roseli_barbosa (20)

Os diferentes textos em salas de alfabetização
Os diferentes textos em salas de alfabetizaçãoOs diferentes textos em salas de alfabetização
Os diferentes textos em salas de alfabetização
 
Sistemas agrícolas correção
Sistemas agrícolas correçãoSistemas agrícolas correção
Sistemas agrícolas correção
 
Avaliação do curso elaboração de projetos
Avaliação do curso elaboração de projetosAvaliação do curso elaboração de projetos
Avaliação do curso elaboração de projetos
 
Trabalho escolar normas_da_abnt
Trabalho escolar normas_da_abntTrabalho escolar normas_da_abnt
Trabalho escolar normas_da_abnt
 
Livro de receitas
Livro de receitas Livro de receitas
Livro de receitas
 
Apresentação final do projeto
Apresentação final do projetoApresentação final do projeto
Apresentação final do projeto
 
Apresentação final do Projeto Lendo com contos e fábulas
Apresentação final do Projeto Lendo com contos e fábulasApresentação final do Projeto Lendo com contos e fábulas
Apresentação final do Projeto Lendo com contos e fábulas
 
Apresentação do Projeto prevenção e combate ao bullying escolar apresentação
Apresentação do Projeto prevenção e combate ao bullying escolar apresentaçãoApresentação do Projeto prevenção e combate ao bullying escolar apresentação
Apresentação do Projeto prevenção e combate ao bullying escolar apresentação
 
Apresentação final do Projeto Lendo com o coração
Apresentação final do Projeto Lendo com o coraçãoApresentação final do Projeto Lendo com o coração
Apresentação final do Projeto Lendo com o coração
 
Apresentação do Projeto Leitura
Apresentação do Projeto LeituraApresentação do Projeto Leitura
Apresentação do Projeto Leitura
 
Apresentação Projeto IMC
Apresentação Projeto IMCApresentação Projeto IMC
Apresentação Projeto IMC
 
Apresentação final projeto Orgulho de ser sul matogrossense
Apresentação final projeto Orgulho de ser sul matogrossenseApresentação final projeto Orgulho de ser sul matogrossense
Apresentação final projeto Orgulho de ser sul matogrossense
 
Apresentação final projeto Diversidade
Apresentação final projeto DiversidadeApresentação final projeto Diversidade
Apresentação final projeto Diversidade
 
Apresentação do curso elaboração de projetos
Apresentação do curso elaboração de projetosApresentação do curso elaboração de projetos
Apresentação do curso elaboração de projetos
 
Kilpatrick
KilpatrickKilpatrick
Kilpatrick
 
Projetos
ProjetosProjetos
Projetos
 
John dewey
John deweyJohn dewey
John dewey
 
Paulo freire
Paulo freirePaulo freire
Paulo freire
 
Froebel
FroebelFroebel
Froebel
 
Pedagogia de projetos
Pedagogia de projetosPedagogia de projetos
Pedagogia de projetos
 

Último

A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 

Último (20)

A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 

Rochedo/MS

  • 2. INTRODUÇÃO Os primeiros desbravadores chegam em 1889 iniciando assim o ciclo da pecuária na região. Depois outros proprietários fixaram até 1929, com destaque para os fazendeiros: Olivério Rodrigues da Luz, da Fazenda Federação; Sóterde Araújo França, da Fazenda Ceroula, depois Sapé e hoje Auriverde; Zico Aristes Dias Vieira, Fazenda Varjão e outros.
  • 3. Vieram depois os garimpeiros nos anos 1930 a 1948 e assim plantaram a pedra fundamental da criação do município. Foram dezoito anos de garimpagem do diamante às margens e no leito do rio Aquidauana e afluentes, movimentando naquela época mais de cinco mil pessoas.
  • 4. O INÍCIO DA COLONIZAÇÃO Data do final do século XIX a chegada dos primeiros colonizadores ao atual município de Rochedo, oriundos de diversas regiões do país, que se apossaram de diversas áreas rurais, assim distribuídas:
  • 5. O INÍCIO DA COLONIZAÇÃO Fazenda Sapé e das Crianças, região da Areia; Fazenda Campo Alegre e Barreiro, região Campo Alegre; Faz. Salto do Jatobá e Pastinho, região do Jatobá; Faz. Varjão e Água Limpa, região da Baeta; Faz. São João e São João Novo, região do São João; Fazenda Federação.
  • 6. O INÍCIO DA COLONIZAÇÃO Fazendeiros como Olivério Rodrigues da Luz, Sóter de Araújo França, José Alves Quito, coronel José Alves Ribeiro, Joaquim Gomes Sandim, entre outros e seus descendentes tornaram-se abastados com a posse gratuita das terras nuas, não só dividindo-as entre seus filhos como também regularizando-as, para negociá-las com novos proprietários.
  • 7. O INÍCIO DA COLONIZAÇÃO Os antigos fazendeiros tornaram-se os bandeirantes, produziam só para a sua subsistência, com exceção de alguns que vendiam seus produtos para os comerciantes do garimpo. Foram os primeiros que chegaram e se apossaram das terras; alguns se tornaram grandes exportadores de pedras preciosas, o diamante, tais como os capanngueirosNelson de Castro e Enéas Bello.
  • 8. A CHEGADA DOS GARIMPEIROS A chegada dos garimpeiros às margens do rio Aquidauana, pela notícia da presença de diamantes na região, mexeu com a tranqüilidade dos apossados, estimulou os governantes a desapropriar as terras das regiões ribeirinhas para os garimpeiros e também como solução para evitar possíveis invasões das propriedades; daí inicia a desapropriação de terras, como por exemplo do coronel Quito de 1500 hectares dos 97.000 que possuía. Nas regiões de Rochedo e Corguinho.
  • 10. O GARIMPO Primeiros garimpeiros: O mineiro José Barão; O maranhense Olímpio Lira; O cearense Delfino Vanderley; O baiano José Antonio;
  • 11. OS GARIMPEIROS Chegaram em meados de Julho de 1930, vindos da região nordeste do país e de Minas Gerais à procura de garimpos de diamante edificaram a primeira moradia ao lado das grandes rochas (rochedos), origem do nome que a cidade veio a receber. Exemplo de garimpo
  • 12. OS GARIMPEIROS Tão logo o garimpo teve início, outros garimpeiros, em 1931, aqui chegaram: Aparício Menezes Cunha, Severino Mourão Buriti, João Avelino de Souza, Afonso de Araújo Passos, Albino Coimbra, João da Silva, José Amancio de Souza e outros, que com suas famílias constituíram a primeira povoação de Rochedo.
  • 13. O GARIMPO O garimpo de diamante em Rochedo localizava-se inicialmente à margem esquerda do rio Aquidauana, chegando a ser praticado desde a barra do córrego Jatobá com o rio Aquidauana até as regiões da Sibéria, próximo à cidade de Rio Negro; no entanto, onde mais se encontrou diamante foi nas regiões de Rochedo e Corguinho.
  • 14. DE POVOADO A CURRUTELA Com o aumento do número de garimpeiros, a região passou , de povoado a currutela; esta era constituída dos garimpos de Rochedo, Corguinho, Galo Cru, Baianópolis e Fala Verdade.
  • 15.
  • 16. PRINCIPAIS GARIMPOS Galo Cru Carrapato Lajeado, na zona rural próximo ao núcleo comercial de Rochedo.
  • 17. Ponte sobre o rio carrapato
  • 18. O GARIMPO Encontravam-se nesse período no garimpo mais de 3.500 garimpeiros, sendo destes 1.500 só em Rochedo e aqui viviam ainda os comerciantes, as famílias dos garimpeiros e funcionários; o garimpo era a maior fonte de renda do lugar e, embora circulasse muito dinheiro, o padrão de vida era baixo, como costumavam dizer: dinheiro de garimpeiro não tinha dono, pois gastavam tudo em festas, jogos de carteado e mulheres de um cabaré, em Campo Grande, conhecido como Fecha Nunca.
  • 19. O MODO DE VIDA Os garimpeiros eram na maioria nordestinos que chegavam sem família e moravam em grupos de sete a quinze homens, habitando barracões cobertos de palha de indaiá, com um fogão a lenha, e se revezavam no preparo da comida; só aqueles que possuíam família moravam em casa de taipa, coberta com palha de indaiá, sendo as melhores com paredes barreadas
  • 20. O MODO DE VIDA Eles trabalhavam independentes para si próprios ou para um patrão meia-praça, pois recebiam dinheiro ou gêneros alimentícios mensalmente; ou meia-praça de caldeirão, isto é, alimentavam-se na casa do patrão e o lucro da venda dos diamantes era dividido com ele.
  • 21. O DIAMANTE O primeiro diamante, uma linda pedra com dezesseis quilates, brilhava ao sol nas mãos do baiano José Antonio e assim outras foram encontradas e fez com que a população aumentasse.
  • 22. O DIAMANTE Quando pegava uma pedra grande, o garimpeiro ia a Campo Grande e lá a vendia; comprava às vezes um Ford-29 e levava as várias meninas para a região onde ele garimpava e colocava-as em casas cobertas de palha de indaiá; ali ficavam até acabar o dinheiro.
  • 23. O COMÉRCIO O comércio local abastecia quase toda a região com secos e molhados, tecidos, calçados, equipamentos para o trabalho de campo, arreada completa, do garimpo, pesca e medicamentos de uma pequena farmácia.
  • 24. O COMÉRCIO Os garimpeiros baianos, primeiros a chegar, trazendo depois seus amigos ou aparentados, fizeram crescer este lugar, associados aos imigrantes japoneses, árabes ou portugueses, que se dedicavam a complementar o ciclo da subsistência de todos, com casas comerciais, entre os quais: Ishikawa, Yamashita, Odacura, Abdo Cury, IssaNahas, Antônio Lúcio Queiróz, Avelino Costa, Evangelina Vieira e tantos outros.
  • 25. Família Ishikawa Somente uma família, a de KikoIshikawaKobaiashi, possuía um motor de luz, o único rádio do garimpo, que divulgava o noticiário da época e do pós-guerra às pessoas que moravam aqui.
  • 26. O COMÉRCIO A primeira casa comercial do garimpo foi a do SrºAbdo Cury e a segunda do SrºIssaNahas, que posteriormente a vendeu para o Srº Oscar Barbosa Souto.
  • 27. A SEGURANÇA A segurança era feita por um destacamento militar e um delegado civil, pois na época todas as pessoas portavam arma de fogo e havia muitas brigas e morte; daí a necessidade de policiamento para o local;
  • 28. A RELIGIOSIDADE D. Maria da Igreja chega ao povoado em 1940. O Sr. João Porfirio e D. Maria Galdino, vindos de Birigui (SP). Ficou conhecida aqui como Maria da Igreja. Esta fizera uma promessa, que se pegasse um diamante construiria uma Igreja para as novenas do Sr. Bom Jesus da Lapa. E no mesmo ano ela consegue o diamante (no dia 06 de agosto). Em 13 dias a pequena Igreja estava construída, ao seu redor era feita as festas do padroeiro. A Igreja estava localizada onde hoje é a praça.
  • 29. A IGREJA AO FUNDO:
  • 30. A RELIGIOSIDADE Os casamentos religiosos, batizados e missas só aconteciam em duas épocas do ano; Festa de São Sebastião Mártir, em 20 de janeiro e Senhor Bom Jesus da Lapa, em 6 de agosto.
  • 31. FESTAS RELIGIOSAS São tradicionais as festas juninas com danças e pratos típicos, fogueiras etc.- A festa do padroeiro da cidade Senhor Bom Jesus que acontece no mês de agosto. (começo dos festejos em 1931 )- Festa de São Sebastião, tradição esquecida que atualmente ocorreu o seu resgate histórico. ( 1931 tinha começado as devoções ao Santo).
  • 33.
  • 34. 1977-1982: Prefeito Heleodoro Ferreira de Almeida +
  • 35.
  • 36. Havia um cartório de paz, um campo de futebol e uma cancha reta.
  • 37. O TRANSPORTE O transporte era feito com cavalos, carros de boi, caminhões e jardineira mista; a estrada para Campo Grande era precária; na seca, um caminhão levava até dois dias para percorrer cem quilômetros e na época das chuvas leva uma até uma semana.
  • 38. A travessia do rio Aquidauana no início do século XX acontecia em um vau, isto é, passagem dentro da água onde o leito do rio era mais alto, permitindo apenas a passagem de carro de bois, cavaleiros e animais;
  • 39. Na época do garimpo, existia inicialmente uma pinguela no rio Aquidauana, por onde passavam pessoas a pé; posteriormente, ainda na época do garimpo, foi construída a primeira ponte de madeira, por onde transitavam as pessoas, animais, carros de boi e alguns fordinhos-29, em estrada que iniciava na Rua Rio Branco, dentro da cidade de Rochedo, e se dirigia à região do córrego Carrapato; com a emancipação política, construiu-se a segunda ponte de madeira sobre o rio Aquidauana, localizada logo abaixo da atual, de concreto.
  • 40. AS PENSÕES À beira da estrada que ia de Rochedo a Campo Grande existiam algumas pensões nas quais os passageiros faziam suas refeições: Pensão das Galinhas, situada à beira da estrada próximo da região do Aguão, pois ali atolavam muitos carros e os proprietários da pensão ofereciam pouso e alimento servido com carne de galinha; e também a Pensão do Pimenta.
  • 42. Em outubro de 1930 surgiu a primeira pensão e abriram-se casas de jogos. Em 9 de agosto de 1933 o nome da currutela mudou-se para Rochedo, devido ao inicio da povoação ter sido sobre grandes rochas às margens do rio Aquidauana;neste mesmo dia Rochedo passou a ser denominado de distrito de Campo Grande, pelo Decreto nº 293.
  • 43. Em 23 de setembro de 1933 era intalado o Distrito de Paz, sendo o juiz o Srº Aparício Menezes Cunha. É também fundada a primeira escola que funcionou numa casa de esquina da Rua Rio Branco com Abdo Cury, sendo o primeiro professor Inocêncio Evangelista de Souza.
  • 44. Em 1934 é celebrada a primeira missa pelo Padre José Antonio Maria Franco na igreja antiga de São Sebastião Mártir e também é inaugurada a Escola Reunida de Rochedo. Em 1937 era erguida a primeira igreja de alvenaria em honra a São Sebastião Mártir. Em 1940, ergueu-se a igreja do Senhor Bom Jesus da Lapa na praça central da currutela, à custa de garimpeiros baianos.
  • 45. Em 13 de agosto de 1935, pelo Decreto Lei nº 460 é desapropriada terras do coronel Quito para constituírem o patrimônio do povoado de Rochedo.
  • 46. Em 1936 foi criado o cartório de Rochedo, sendo o cartorário João Avelino de Souza.
  • 47. Em 19 de março de 1938 foi determinada a medição do patrimônio de Rochedo pelo engenheiro Drº João Batista Nunes Ribeiro, indicação do interventor do Estado DrºFenelon Müller.
  • 48. Em 31 de Dezembro de 1943, Rochedo passou a se chamar Taveira, pelo Decreto Lei nº 545 em homenagem a José Taveira Quito, dono da maioria das terras de Rochedo.
  • 49. Em inicio de 1948, o distrito de Taveira voltou a denominar-se Rochedo, pela Lei nº 151, proposta pelo Deputado Antônio Mena Gonçalves, a pedido dos garimpeiros, com destaque para Afonso de Araújo Passos
  • 50. EMANCIPAÇÃO POLÍTICA Em 21 de junho de 1948, Antonio Mena Gonçalves já se interessava pelos distritos de Taveira e Corguinho, apresentando na Assembléia Legislativa de Mato Grosso requerimento solicitando a reconstrução de uma ponte sobre o rio Aquidauana que ligava os dois distritos.
  • 51. Com a diminuição dos achados de diamantes no distrito de Taveira, a exploração foi decaindo, facilitando a emancipação política, até para manter a sobrevivência dos que aqui ficaram residindo, uma vez que os garimpeiros normalmente se fixavam onde o garimpo dava lucro, causando a estagnação do promissor distrito de Taveira.
  • 52. Os que ficaram voltaram sua atenção para a agricultura, pecuária extensiva e extração da madeira.
  • 53. Em 26 de outubro, o Presidente da Assembléia Legislativa do Estado de Mato Grosso Waldir dos Santos Pereira promulgou a lei que autorizava a desapropriação de uma área de 3.208 hectares de terras particulares para serem anexadas à área do patrimônio da povoação de Taveira.
  • 54. Lei nº 76/48 de autoria do deputado Antonio Mena Gonçalves; trocou o nome de Taveira para Rochedo. Em 18 de Outubro de 1948 foi publicada no Diário Oficial do Estado de Mato Grosso, com o nº 76/48, ficando assim determinada oficialmente a mudança do nome Taveira para Rochedo, distrito de Campo Grande situado às margens do rio Aquidauana.
  • 55. Em 29 de setembro de 1948 deu entrada na Assembléia Legislativa o projeto de lei nº 105/48 que emancipava o distrito de Rochedo, tornando-o município. O texto original do projeto passa por algumas modificações.
  • 56. Nos dias 11,12 e 13 de novembro de 1948, aconteceram três votações necessárias para a provação da criação do município de Rochedo.
  • 57. Em 16 de novembro de 1948 a Assembléia Legislativa do Estado de Mato Grosso promulgou a lei que criou o município de Rochedo, determinando os seus limites, bem como criando os distritos de Corguinho, Baianópolis e Fala Verdade.
  • 58. Em 18 de novembro de 1948 o presidente da Assembléia, deputado Penn de Moraes Gomes, encaminhou ao Governador do Estado de Mato Grosso, Arnaldo Estevão de Figueiredo, a Lei nº 204/48, aprovada por aquela Casa, para que fosse publicada no Diário Oficial do Estado, o que aconteceu em 23 de novembro de 1948.
  • 59. OS PREFEITOS 1948-1949: Manoel Vieira Neves (nomeado) 1949-1950: Albino Coimbra 1950-1952: TheóphiloMassi 1953-1956: José de Souza Brandão
  • 60. 1957-1960: Júlio Honostório de Rezende 1961-1964: José Carrilho de Arantes 1965-1967: Nélson Evangelista de Souza 1967-1969: Altino Pereira Dias
  • 61. 1970-1972: Laerte Rodrigues de Almeida 1973-1976: Antenor Ferreira dos Anjos 1977-1982: Heleodoro Ferreira de Almeida 1983-1988: Francisco de Paula Ribeiro 1989-1992: Adão Pedro Arantes
  • 62. 1993-1996: Francisco de Paula Ribeiro 1997-2000: Edileuza de Andrade Lopes Dias 2001-2004: Edileuza de Andrade Lopes Dias 2005- até os dias atuais: Adão Pedro Arantes
  • 63. ATUALMENTE: População: 4.480 habitantes Área: 1.560,65 km2 Densidade: 3,2 hab./km² IDH: 0,731 (médio) Bioma: Cerrado Praça central. Novembro, 2010
  • 64. SÍMBOLOS A BANDEIRA É o símbolo que representa o município pela identificação de suas cores e conteúdos que a caracterizam. Traz o brasão do município e as cores: verde, amarela, azul e branca da bandeira Nacional.
  • 67. O HINO DO MUNICÍPIOLetra e música de José Amâncio de Souza Filho Agradeço ao herói altaneiro Grande fibra, valor e ação Que num arroubo assim pioneiro Nos legou esse amado rincão.
  • 68. OH, ROCHEDO, SEU NOME ENCERRA A BRAVURA DOS FILHOS QUE TEM A RIQUEZA QUE BROTA DA TERRA E DO LEITO DOS RIOS TAMBÉM
  • 69. Oh, Rochedo de grandes valores O fanal de qualquer rochedense Dos artistas que são seus cultores Altivez do sul-mato-grossense.
  • 70. Sua história, cultura, os esportes E o rico folclore que tem A fazer os seus filhos mais fortes Na justiça, no amor e no bem!
  • 71. LOCALIZAÇÃO O Município fica a 89 km da Capital de Mato Grosso do Sul, Campo Grande.
  • 73.
  • 74. NÍVEL SOCIAL ECONÔMICO O nível sócio econômico da maioria da população é de classe média. Compostos em sua maioria por funcionários públicos municipais e estaduais e uma parcela significativa de aposentados. Há também pequenos comerciantes, e um frigorífico que com a Prefeitura Municipal forma a maior fonte de renda do município.
  • 75. A atividade econômica predominante é agropecuária, logo, muitas pessoas são empregados nas fazendas, chácaras e sítios que estão em torno do município. Na zona urbana as construções são de alvenaria. O meio de transporte é feito por uma linha inter-municipal e por veículos particulares.
  • 77.
  • 78.
  • 79.
  • 80.
  • 81.
  • 82.
  • 83.
  • 84.
  • 85. REFERÊNCIAS BARBOSA, J.C. Rochedo: capital do diamante. Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso do Sul: 2009. IBGE Cidades. FOTOS HISTÓRICAS: cortesia da Profª Lúcia Marta de Lira
  • 87. AGRADECIMENTOS ESPECIAIS Drº José Barbosa pela iniciativa da obra “Rochedo – capital do Diamante” Profª Marta que emprestou a fotos mais antigas.
  • 88. REALIZAÇÃO E.E JOSÉ ALVES RIBEIRO Direção e Coordenação: Jurandir do Nascimento Rocha Tânia Mariano e Ana Maria de Andrade. PROFª Roseli Barbosa Ano letivo: 2010.