SlideShare uma empresa Scribd logo
CFNP - GEOGRAFIA - TEXTO COMPLEMENTAR
                          FORMAÇAO TERRITORIAL E COLONIAL BRASILEIRA
Portugal e a América
Uma aventura oceânica e comercial de um século inteiro, um projeto geopolítico. Portugal principal potencia
marítima da época.
D. Henrique estimulou a burguesia marítima, reuniram navegadores, geógrafos, astrônomos, matemáticos,
cartógrafos, ajudando a criar condições para as próximas expedições.
Caminho para as Índias
Périplo Africano – Deslocar o comércio das especiarias do mediterrâneo para o atlântico, estabelecendo o monopólio
lusitano.
   • Diogo Cão – explorou o litoral Africano até Angola;
   • Bartolomeu Dias – Refez o percurso e seguiu em frente. Perdeu de vista a costa em meio a tempestades.
        Rumou para oriente e o norte, quando avistou novamente a costa, havia cruzado o cabo das tormentas (Boa
        esperança). Estava aberta a rota das Índias e as especiarias.
Estas duas expedições foram a base para as viagens de Vasco da Gama e Cabral.
América Portuguesa
O Périplo Africano significou um novo e mais amplo domínio geográfico do planeta, localizando a Europa no
mundo. Pioneirismo Português.
O encontro das novas terras pelo genovês Cristóvão Colombo mostra o atraso marítimo da Espanha, ele não sabia o
que tinha descoberto, pensou que a ilha aonde chegara (Bahamas) fosse parte das índias, afirmou que aportou em
partes do Japão.
Portugal soube do equivoco do Genovês e concluiu que existiam terras a ocidente e que não eram as índias, pois
sabia que o caminho mais curto era pelo cabo das tormentas (Périplo Africano).
Os tratados de Toledo (1480), Bula Inter Coetera (1493) e Tordesilhas (1494) mostravam que Portugal sabia
perfeitamente o que queria.
Tratado de Toledo – todas as terras ao sul das canárias. Assim Portugal teria o domínio sobre o atlântico, costa
africana e caminho das Índias. As ilhas descobertas por Colombo estavam ao sul de Canárias, para desespero dos
espanhóis. Os reis solicitaram ao papa outra divisão, que assegurasse a Espanha estas terras. Surgiu a Bula papal,
que dava a Espanha as terras a 100 léguas dos Açores. Portugal recusou a mediação papal e através de tensas
negociações com a Espanha estabeleceu o tratado de Tordesilhas. Agora Portugal detinha a área para descobrir a
oriente do meridiano mais afastado, a 370 léguas dos Açores. Estavam asseguradas as possíveis terras ao ocidente,
além da costa africana e o caminho as Índias. A Espanha, ludibriada, acreditava que havia cedido somente oceano
aos portugueses. Depois de Tordesilhas, a descoberta era inevitável, foi um “acaso planejado”.
Vasco da Gama e posteriormente Cabral traçavam rotas com grandes arcos da costa africana, além de fugir das
tempestades, tinham como objetivo explorar o lado ocidental. Cabral traçou um arco ainda maior que os de Vasco da
Gama, este grande salto trouxe Cabral ao Brasil, sua missão estava cumprida: descobrir a terra de Santa Cruz, o
“ACASO PLANEJADO”.
                          ECONOMIA COLONIAL E EXPANSÃO DO TERRITÓRIO.
Território colonial é uma extensão do território da metrópole – território brasileiro uma secção descontinua do
território português.
Organização do Território Colonial
Nova política da coroa – ocupação e organização política
Sesmarias (1375) – promoveu o uso produtivo das terras brasileiras. Os sesmeiros eram pequenos nobres, militares
ou navegantes que ganhavam as terras da coroa, sendo obrigados a fazê-la produzir em 5 anos e pagar o dizimo a
ordem da Igreja. Para receber as sesmarias era necessário ter recursos pecuniários, pois o cultivo destas glebas
reclamava o controle de uma quantidade considerável de escravos. As sesmarias foram o embrião do latifúndio da
cana, algodão, pecuária, e posteriormente cacau e café. O modelo monocultor, escravagista e exportador brasileiro
começava a criar forma.
São criadas as capitanias hereditárias (1534 – 36), primeira divisão política administrativa colonial. Visava transferir
para particulares os custos dos empreendimentos coloniais, mantendo um domínio da coroa sobre o território. Estas
não perduraram. O fracasso fez a coroa instituir o governo – geral, que assumiu poderes quase ilimitados, auxiliando
as capitanias. Começava a nascer um aparelho do estado subordinado a monarquia lusa. Salvador foi a primeira sede
do governo geral, devido as intensas movimentações da cana de açúcar na região.
O território Colonial – Séc. XVI
Portugal implementou no território brasileiro técnicas agrícolas já conhecidas e praticadas nas ilhas do atlântico,
sendo conhecidas desde o século XV. A escravização dos habitantes de Canárias e principalmente dos negros
africanos garantia a mão de obra. As primeiras mudas de cana chegaram em 1531, 2 anos depois já estava instalado
o primeiro engenho de açúcar em São Vicente.
No nordeste os solos de massapé eram favoráveis ao plantio. Nas grandes fazendas, os engenhos, uma parte das
terras era destinada a agricultura de subsistência, outra parte como pasto para criação de gado. O gado era essencial
no complemento da indústria do açúcar, como animal de tração, para o transporte e alimentação. O açúcar seguia aos
grandes portos, Recife e Salvador, sediavam as principais instituições e comércios da época. Os navios levavam o
açúcar português a Europa, mas quem refinava e comercializava eram os holandeses. A empresa agrícola lusitana foi
um bom negocio para o capital holandês.
O território Colonial – Séc. XVII
As atividades sempre estiveram muito ligadas a costa litorânea. No século XVII novas atividades vão surgir
ampliando as fronteiras produtivas. O aumento da produção canavieira nos até então pastos, expulsou os criadores de
gado território adentro, para o sertão, na região do rio São Francisco. Nos pontos de encontro entre o sertão pastoril e
o litoral agricultor surgiram muitos povoados, as atuais cidades do sertão. Em São Vicente o açúcar não prosperou,
com uma linha litorânea pequena e a proximidade da serra do mar, sua área de cultivo era muito pequena, somando-
se a isso as grandes distâncias dos principais portos, Recife e Salvador. O açúcar vicentino sucumbiu frente ao
açúcar nordestino. Este fracasso fez com que os colonos abandonassem o litoral e migrasse serra adentro, fundando
vilas no planalto. O primeiro núcleo foi vila de São Paulo. Os colonos produziam para sua subsistência, sendo a
escravização de índios o meio principal de enriquecimento.
No século XVII houve uma desorganização no trafico negreiro, ampliando assim o mercado de índios escravos.
As bandeiras, como ficaram conhecidas estas incursões, ganharam o interior, formados por brancos e mestiços, eram
auxiliados por outros índios (Tupis contra os Guaranis), que faziam todo o trabalho necessário: Guias, carregadores,
guerreiros. As missões e reduções jesuítas eram o principal alvo dos bandeirantes, pois lá os índios estavam
domesticados e concentrados.
Na metade do século XVII as incursões dos bandeirantes baseavam-se na busca de jazidas de prata, ouro e pedras
preciosas. A produção e exportação do fumo aumentaram, pois tinha grande valor de troca por escravos na Europa.
Ocorreu com fins comerciais e geopolíticos o avanço ao vale amazônico, proteção contra ingleses e holandeses e
coleta para exportação das “drogas do Sertão” ( castanha, cacau selvagem, gergelim, guaraná, urucum).

O território Colonial – Séc. XVIII
A descoberta de metais preciosos aumentou e muito o fluxo populacional, o maior da história colonial, alargando
substancialmente a faixa de ocupação do território. Os mais importantes núcleos urbanos das minas gerais eram:
Vila Rica de Ouro Preto, Mariana, Caeté, Sabará. Paralelo a exportação dos metias preciosos, a agricultura e
pecuária paulista expandiram-se rapidamente. A coroa preocupada com o contrabando da produção aurífera constrói
um novo caminho, ligando as regiões mineiras e a cidade São Sebastião do Rio de Janeiro no litoral. Esta se tornou
a porta de entrada e saída de produtos, além de imigrantes lusitanos e de escravos africanos. Em algum tempo, esta
prosperidade tornou Rio de Janeiro no capital do vice – reino do Brasil em 1763, desbancando Salvador. Na metade
deste século, os limites do tratado de Tordesilhas estavam ultrapassados, ocorre a assinatura do tratado de Madri em
1750.

Tratado de Madri
Acordo entre Portugal e Espanha sobre os domínios da terra americana, o principio adotado para partilha: “cada um
deve ficar com o que atualmente possui”. Isto acabou por beneficiar largamente a coroa portuguesa, cujo território
havia avançado substancialmente.
Portugal cedeu colônia do Sacramento e o estuário do rio da Prata além de algumas ilhas no pacífico, em
compensação o Rio Grande do Sul, grande parte de Santa Catarina e a maior parte da bacia do Amazonas ficaram
com os lusitanos. O tratado buscou criar fronteiras respeitando e utilizando os limites geográficos e os principais
povoados, bem diferente das linhas sem restrições do tratado de tordesilhas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cap 25 brasil colonia a expansão territorial
Cap 25 brasil colonia a expansão territorialCap 25 brasil colonia a expansão territorial
Cap 25 brasil colonia a expansão territorial
Auxiliadora
 
A EXPANSÃO DA AMÉRICA PORTUGUESA
A EXPANSÃO DA AMÉRICA PORTUGUESAA EXPANSÃO DA AMÉRICA PORTUGUESA
A EXPANSÃO DA AMÉRICA PORTUGUESA
Cristine Becker
 
EXPANSÃO 8ºano
EXPANSÃO 8ºanoEXPANSÃO 8ºano
EXPANSÃO 8ºano
Joao Guerra
 
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos AtlânticosDescoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Susana Simões
 
Brasil: Economia Colonial
Brasil: Economia ColonialBrasil: Economia Colonial
Brasil: Economia Colonial
Portal do Vestibulando
 
2. a economia no brasil imperial
2. a economia no brasil imperial2. a economia no brasil imperial
2. a economia no brasil imperial
dayvidprofessor
 
História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - Início do período c...
História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - Início do período c...História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - Início do período c...
História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - Início do período c...
Marco Aurélio Gondim
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
Douglas Barraqui
 
Mineração 8º ano
Mineração 8º anoMineração 8º ano
Mineração 8º ano
Cristine Becker
 
Período pre colonial e inicio da colonização brasileira
Período pre colonial e inicio da colonização brasileiraPeríodo pre colonial e inicio da colonização brasileira
Período pre colonial e inicio da colonização brasileira
Marco Vinícius Moreira Lamarão'
 
174 abcdef brasil colonial xvi xix expansão territorial e tratados limitrofes
174 abcdef brasil colonial xvi xix expansão territorial e tratados limitrofes174 abcdef brasil colonial xvi xix expansão territorial e tratados limitrofes
174 abcdef brasil colonial xvi xix expansão territorial e tratados limitrofes
cristianoperinpissolato
 
Ocupaçao de mato_grosso_do_sul_–_domínio
Ocupaçao de mato_grosso_do_sul_–_domínioOcupaçao de mato_grosso_do_sul_–_domínio
Ocupaçao de mato_grosso_do_sul_–_domínio
Marcela Marangon Ribeiro
 
Brasil colônia seculo XVIII
Brasil colônia seculo XVIIIBrasil colônia seculo XVIII
Brasil colônia seculo XVIII
Bruno E Geyse Ornelas
 
A expansao portuguesa
A expansao portuguesaA expansao portuguesa
A expansao portuguesa
josepinho
 
Expansão e ocupação territorial
Expansão e ocupação territorialExpansão e ocupação territorial
Expansão e ocupação territorial
Patrícia Sanches
 
História de ms povoamento
História de ms   povoamentoHistória de ms   povoamento
História de ms povoamento
Nelia Salles Nantes
 
Goiás para concursos: século XVIII
Goiás para concursos: século XVIIIGoiás para concursos: século XVIII
Goiás para concursos: século XVIII
Gabriel da Silva
 
A expansão territorial no Brasil colonial.
A expansão territorial no Brasil colonial. A expansão territorial no Brasil colonial.
A expansão territorial no Brasil colonial.
Marco Vinícius Moreira Lamarão'
 
História de Mato Grosso No Período Colonial
História de Mato Grosso No Período ColonialHistória de Mato Grosso No Período Colonial
História de Mato Grosso No Período Colonial
João Pereira
 
A época do ouro no brasil
A época do ouro no brasilA época do ouro no brasil
A época do ouro no brasil
Andressa Fontenele
 

Mais procurados (20)

Cap 25 brasil colonia a expansão territorial
Cap 25 brasil colonia a expansão territorialCap 25 brasil colonia a expansão territorial
Cap 25 brasil colonia a expansão territorial
 
A EXPANSÃO DA AMÉRICA PORTUGUESA
A EXPANSÃO DA AMÉRICA PORTUGUESAA EXPANSÃO DA AMÉRICA PORTUGUESA
A EXPANSÃO DA AMÉRICA PORTUGUESA
 
EXPANSÃO 8ºano
EXPANSÃO 8ºanoEXPANSÃO 8ºano
EXPANSÃO 8ºano
 
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos AtlânticosDescoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
 
Brasil: Economia Colonial
Brasil: Economia ColonialBrasil: Economia Colonial
Brasil: Economia Colonial
 
2. a economia no brasil imperial
2. a economia no brasil imperial2. a economia no brasil imperial
2. a economia no brasil imperial
 
História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - Início do período c...
História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - Início do período c...História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - Início do período c...
História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - Início do período c...
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
Mineração 8º ano
Mineração 8º anoMineração 8º ano
Mineração 8º ano
 
Período pre colonial e inicio da colonização brasileira
Período pre colonial e inicio da colonização brasileiraPeríodo pre colonial e inicio da colonização brasileira
Período pre colonial e inicio da colonização brasileira
 
174 abcdef brasil colonial xvi xix expansão territorial e tratados limitrofes
174 abcdef brasil colonial xvi xix expansão territorial e tratados limitrofes174 abcdef brasil colonial xvi xix expansão territorial e tratados limitrofes
174 abcdef brasil colonial xvi xix expansão territorial e tratados limitrofes
 
Ocupaçao de mato_grosso_do_sul_–_domínio
Ocupaçao de mato_grosso_do_sul_–_domínioOcupaçao de mato_grosso_do_sul_–_domínio
Ocupaçao de mato_grosso_do_sul_–_domínio
 
Brasil colônia seculo XVIII
Brasil colônia seculo XVIIIBrasil colônia seculo XVIII
Brasil colônia seculo XVIII
 
A expansao portuguesa
A expansao portuguesaA expansao portuguesa
A expansao portuguesa
 
Expansão e ocupação territorial
Expansão e ocupação territorialExpansão e ocupação territorial
Expansão e ocupação territorial
 
História de ms povoamento
História de ms   povoamentoHistória de ms   povoamento
História de ms povoamento
 
Goiás para concursos: século XVIII
Goiás para concursos: século XVIIIGoiás para concursos: século XVIII
Goiás para concursos: século XVIII
 
A expansão territorial no Brasil colonial.
A expansão territorial no Brasil colonial. A expansão territorial no Brasil colonial.
A expansão territorial no Brasil colonial.
 
História de Mato Grosso No Período Colonial
História de Mato Grosso No Período ColonialHistória de Mato Grosso No Período Colonial
História de Mato Grosso No Período Colonial
 
A época do ouro no brasil
A época do ouro no brasilA época do ouro no brasil
A época do ouro no brasil
 

Destaque

Mca3 resol.cap5
Mca3 resol.cap5Mca3 resol.cap5
Mca3 resol.cap5
Thirza Oliva
 
LAS AVENTURAS DE MAFALDA
LAS AVENTURAS DE MAFALDALAS AVENTURAS DE MAFALDA
LAS AVENTURAS DE MAFALDA
guest0451b8
 
โครงงานEng
โครงงานEngโครงงานEng
โครงงานEngguest103de7
 
Yaroslav
YaroslavYaroslav
Yaroslav
guest4100a9
 
Sessió d'acollida als nous alumnes
Sessió d'acollida als nous alumnesSessió d'acollida als nous alumnes
Sessió d'acollida als nous alumnes
Biblioteca Campus Bellvitge
 
Edelmetall Sonderreport Gold und Saisonalität
Edelmetall Sonderreport Gold und SaisonalitätEdelmetall Sonderreport Gold und Saisonalität
Edelmetall Sonderreport Gold und Saisonalität
FTC ForexTradingClub
 
6 ways to create a mobile app if you don't know how to code
6 ways to create a mobile app if you don't know how to code6 ways to create a mobile app if you don't know how to code
6 ways to create a mobile app if you don't know how to codeayman diab
 
Invitacion ana
Invitacion anaInvitacion ana
Invitacion ana
anaisabelfarias
 
Notas de matematicas
Notas de matematicasNotas de matematicas
Notas de matematicas
impresosivanov
 
Imagen
ImagenImagen

Destaque (15)

Mca3 resol.cap5
Mca3 resol.cap5Mca3 resol.cap5
Mca3 resol.cap5
 
LAS AVENTURAS DE MAFALDA
LAS AVENTURAS DE MAFALDALAS AVENTURAS DE MAFALDA
LAS AVENTURAS DE MAFALDA
 
Sardana
SardanaSardana
Sardana
 
โครงงานEng
โครงงานEngโครงงานEng
โครงงานEng
 
Yaroslav
YaroslavYaroslav
Yaroslav
 
Sessió d'acollida als nous alumnes
Sessió d'acollida als nous alumnesSessió d'acollida als nous alumnes
Sessió d'acollida als nous alumnes
 
S1160004
S1160004S1160004
S1160004
 
Edelmetall Sonderreport Gold und Saisonalität
Edelmetall Sonderreport Gold und SaisonalitätEdelmetall Sonderreport Gold und Saisonalität
Edelmetall Sonderreport Gold und Saisonalität
 
Anst52
Anst52Anst52
Anst52
 
6 ways to create a mobile app if you don't know how to code
6 ways to create a mobile app if you don't know how to code6 ways to create a mobile app if you don't know how to code
6 ways to create a mobile app if you don't know how to code
 
|S|.@.|S|.^.^
|S|.@.|S|.^.^|S|.@.|S|.^.^
|S|.@.|S|.^.^
 
Jackeline 3
Jackeline 3Jackeline 3
Jackeline 3
 
Invitacion ana
Invitacion anaInvitacion ana
Invitacion ana
 
Notas de matematicas
Notas de matematicasNotas de matematicas
Notas de matematicas
 
Imagen
ImagenImagen
Imagen
 

Semelhante a Geografia- conteúdo

Capitulo 7
Capitulo 7Capitulo 7
Capitulo 7
Lídia Barreto
 
Entradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmpEntradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmp
Péricles Penuel
 
Descobrimento do brasil imagens
Descobrimento do brasil  imagensDescobrimento do brasil  imagens
Descobrimento do brasil imagens
Péricles Penuel
 
Brasil Colônia - História.
Brasil Colônia - História.Brasil Colônia - História.
Brasil Colônia - História.
Julia Maldonado Garcia
 
Conquista do Sertão
Conquista do SertãoConquista do Sertão
Conquista do Sertão
Kaíne Colodetti
 
Expansão territorial e t. de limites tmp
Expansão territorial e t. de limites tmpExpansão territorial e t. de limites tmp
Expansão territorial e t. de limites tmp
Péricles Penuel
 
Integração do rio grande do sul ao brasil
Integração do rio grande do sul ao brasilIntegração do rio grande do sul ao brasil
Integração do rio grande do sul ao brasil
Felipe Franco
 
Integração do rio grande do sul ao brasil
Integração do rio grande do sul ao brasilIntegração do rio grande do sul ao brasil
Integração do rio grande do sul ao brasil
Felipe Franco
 
Brasil colonial
Brasil colonial Brasil colonial
Brasil colonial
Fatima Freitas
 
Formação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografiaFormação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografia
otacio candido
 
Formação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografiaFormação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografia
otacio candido
 
América Portuguesa
América PortuguesaAmérica Portuguesa
América Portuguesa
Vinicius Yamachita
 
Século XIV até século XVI
Século XIV até século XVISéculo XIV até século XVI
Século XIV até século XVI
Catarina Sequeira
 
Expansão a partir de D. João II
Expansão a partir de D. João IIExpansão a partir de D. João II
Expansão a partir de D. João II
Lucilia Fonseca
 
Expansão a partir de D. João II
Expansão a partir de D. João IIExpansão a partir de D. João II
Expansão a partir de D. João II
Lucilia Fonseca
 
Aula 12 crise no sistema colonial
Aula 12   crise no sistema colonialAula 12   crise no sistema colonial
Aula 12 crise no sistema colonial
Jonatas Carlos
 
Colonização
ColonizaçãoColonização
Colonização
Cátia Botelho
 
Descobrimento do brasil tmp
Descobrimento do brasil tmpDescobrimento do brasil tmp
Descobrimento do brasil tmp
Péricles Penuel
 
Expansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesaExpansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesa
Professora Natália de Oliveira
 
Brasil expansão territorial
Brasil expansão territorialBrasil expansão territorial

Semelhante a Geografia- conteúdo (20)

Capitulo 7
Capitulo 7Capitulo 7
Capitulo 7
 
Entradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmpEntradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmp
 
Descobrimento do brasil imagens
Descobrimento do brasil  imagensDescobrimento do brasil  imagens
Descobrimento do brasil imagens
 
Brasil Colônia - História.
Brasil Colônia - História.Brasil Colônia - História.
Brasil Colônia - História.
 
Conquista do Sertão
Conquista do SertãoConquista do Sertão
Conquista do Sertão
 
Expansão territorial e t. de limites tmp
Expansão territorial e t. de limites tmpExpansão territorial e t. de limites tmp
Expansão territorial e t. de limites tmp
 
Integração do rio grande do sul ao brasil
Integração do rio grande do sul ao brasilIntegração do rio grande do sul ao brasil
Integração do rio grande do sul ao brasil
 
Integração do rio grande do sul ao brasil
Integração do rio grande do sul ao brasilIntegração do rio grande do sul ao brasil
Integração do rio grande do sul ao brasil
 
Brasil colonial
Brasil colonial Brasil colonial
Brasil colonial
 
Formação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografiaFormação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografia
 
Formação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografiaFormação territorial do brasil e demografia
Formação territorial do brasil e demografia
 
América Portuguesa
América PortuguesaAmérica Portuguesa
América Portuguesa
 
Século XIV até século XVI
Século XIV até século XVISéculo XIV até século XVI
Século XIV até século XVI
 
Expansão a partir de D. João II
Expansão a partir de D. João IIExpansão a partir de D. João II
Expansão a partir de D. João II
 
Expansão a partir de D. João II
Expansão a partir de D. João IIExpansão a partir de D. João II
Expansão a partir de D. João II
 
Aula 12 crise no sistema colonial
Aula 12   crise no sistema colonialAula 12   crise no sistema colonial
Aula 12 crise no sistema colonial
 
Colonização
ColonizaçãoColonização
Colonização
 
Descobrimento do brasil tmp
Descobrimento do brasil tmpDescobrimento do brasil tmp
Descobrimento do brasil tmp
 
Expansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesaExpansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesa
 
Brasil expansão territorial
Brasil expansão territorialBrasil expansão territorial
Brasil expansão territorial
 

Mais de Kamila Brito

Haletos organicos propriedades fisicas isomeria
Haletos organicos propriedades fisicas isomeriaHaletos organicos propriedades fisicas isomeria
Haletos organicos propriedades fisicas isomeria
Kamila Brito
 
Acidos carboxilicos e esteres
Acidos carboxilicos e esteresAcidos carboxilicos e esteres
Acidos carboxilicos e esteres
Kamila Brito
 
Aula de reforco 23 06 2012
Aula de reforco 23 06 2012Aula de reforco 23 06 2012
Aula de reforco 23 06 2012
Kamila Brito
 
Alcool fenol eter
Alcool fenol eterAlcool fenol eter
Alcool fenol eter
Kamila Brito
 
Vestibular e drogas
Vestibular e drogasVestibular e drogas
Vestibular e drogas
Kamila Brito
 
Sociologia - Absolutismo
Sociologia - Absolutismo Sociologia - Absolutismo
Sociologia - Absolutismo
Kamila Brito
 
Quimica organica introducao_alunos_senai_2012
Quimica organica introducao_alunos_senai_2012Quimica organica introducao_alunos_senai_2012
Quimica organica introducao_alunos_senai_2012
Kamila Brito
 

Mais de Kamila Brito (7)

Haletos organicos propriedades fisicas isomeria
Haletos organicos propriedades fisicas isomeriaHaletos organicos propriedades fisicas isomeria
Haletos organicos propriedades fisicas isomeria
 
Acidos carboxilicos e esteres
Acidos carboxilicos e esteresAcidos carboxilicos e esteres
Acidos carboxilicos e esteres
 
Aula de reforco 23 06 2012
Aula de reforco 23 06 2012Aula de reforco 23 06 2012
Aula de reforco 23 06 2012
 
Alcool fenol eter
Alcool fenol eterAlcool fenol eter
Alcool fenol eter
 
Vestibular e drogas
Vestibular e drogasVestibular e drogas
Vestibular e drogas
 
Sociologia - Absolutismo
Sociologia - Absolutismo Sociologia - Absolutismo
Sociologia - Absolutismo
 
Quimica organica introducao_alunos_senai_2012
Quimica organica introducao_alunos_senai_2012Quimica organica introducao_alunos_senai_2012
Quimica organica introducao_alunos_senai_2012
 

Geografia- conteúdo

  • 1. CFNP - GEOGRAFIA - TEXTO COMPLEMENTAR FORMAÇAO TERRITORIAL E COLONIAL BRASILEIRA Portugal e a América Uma aventura oceânica e comercial de um século inteiro, um projeto geopolítico. Portugal principal potencia marítima da época. D. Henrique estimulou a burguesia marítima, reuniram navegadores, geógrafos, astrônomos, matemáticos, cartógrafos, ajudando a criar condições para as próximas expedições. Caminho para as Índias Périplo Africano – Deslocar o comércio das especiarias do mediterrâneo para o atlântico, estabelecendo o monopólio lusitano. • Diogo Cão – explorou o litoral Africano até Angola; • Bartolomeu Dias – Refez o percurso e seguiu em frente. Perdeu de vista a costa em meio a tempestades. Rumou para oriente e o norte, quando avistou novamente a costa, havia cruzado o cabo das tormentas (Boa esperança). Estava aberta a rota das Índias e as especiarias. Estas duas expedições foram a base para as viagens de Vasco da Gama e Cabral. América Portuguesa O Périplo Africano significou um novo e mais amplo domínio geográfico do planeta, localizando a Europa no mundo. Pioneirismo Português. O encontro das novas terras pelo genovês Cristóvão Colombo mostra o atraso marítimo da Espanha, ele não sabia o que tinha descoberto, pensou que a ilha aonde chegara (Bahamas) fosse parte das índias, afirmou que aportou em partes do Japão. Portugal soube do equivoco do Genovês e concluiu que existiam terras a ocidente e que não eram as índias, pois sabia que o caminho mais curto era pelo cabo das tormentas (Périplo Africano). Os tratados de Toledo (1480), Bula Inter Coetera (1493) e Tordesilhas (1494) mostravam que Portugal sabia perfeitamente o que queria. Tratado de Toledo – todas as terras ao sul das canárias. Assim Portugal teria o domínio sobre o atlântico, costa africana e caminho das Índias. As ilhas descobertas por Colombo estavam ao sul de Canárias, para desespero dos espanhóis. Os reis solicitaram ao papa outra divisão, que assegurasse a Espanha estas terras. Surgiu a Bula papal, que dava a Espanha as terras a 100 léguas dos Açores. Portugal recusou a mediação papal e através de tensas negociações com a Espanha estabeleceu o tratado de Tordesilhas. Agora Portugal detinha a área para descobrir a oriente do meridiano mais afastado, a 370 léguas dos Açores. Estavam asseguradas as possíveis terras ao ocidente, além da costa africana e o caminho as Índias. A Espanha, ludibriada, acreditava que havia cedido somente oceano aos portugueses. Depois de Tordesilhas, a descoberta era inevitável, foi um “acaso planejado”. Vasco da Gama e posteriormente Cabral traçavam rotas com grandes arcos da costa africana, além de fugir das tempestades, tinham como objetivo explorar o lado ocidental. Cabral traçou um arco ainda maior que os de Vasco da Gama, este grande salto trouxe Cabral ao Brasil, sua missão estava cumprida: descobrir a terra de Santa Cruz, o “ACASO PLANEJADO”. ECONOMIA COLONIAL E EXPANSÃO DO TERRITÓRIO. Território colonial é uma extensão do território da metrópole – território brasileiro uma secção descontinua do território português. Organização do Território Colonial Nova política da coroa – ocupação e organização política Sesmarias (1375) – promoveu o uso produtivo das terras brasileiras. Os sesmeiros eram pequenos nobres, militares ou navegantes que ganhavam as terras da coroa, sendo obrigados a fazê-la produzir em 5 anos e pagar o dizimo a ordem da Igreja. Para receber as sesmarias era necessário ter recursos pecuniários, pois o cultivo destas glebas reclamava o controle de uma quantidade considerável de escravos. As sesmarias foram o embrião do latifúndio da cana, algodão, pecuária, e posteriormente cacau e café. O modelo monocultor, escravagista e exportador brasileiro começava a criar forma. São criadas as capitanias hereditárias (1534 – 36), primeira divisão política administrativa colonial. Visava transferir para particulares os custos dos empreendimentos coloniais, mantendo um domínio da coroa sobre o território. Estas não perduraram. O fracasso fez a coroa instituir o governo – geral, que assumiu poderes quase ilimitados, auxiliando as capitanias. Começava a nascer um aparelho do estado subordinado a monarquia lusa. Salvador foi a primeira sede do governo geral, devido as intensas movimentações da cana de açúcar na região. O território Colonial – Séc. XVI Portugal implementou no território brasileiro técnicas agrícolas já conhecidas e praticadas nas ilhas do atlântico, sendo conhecidas desde o século XV. A escravização dos habitantes de Canárias e principalmente dos negros africanos garantia a mão de obra. As primeiras mudas de cana chegaram em 1531, 2 anos depois já estava instalado o primeiro engenho de açúcar em São Vicente. No nordeste os solos de massapé eram favoráveis ao plantio. Nas grandes fazendas, os engenhos, uma parte das terras era destinada a agricultura de subsistência, outra parte como pasto para criação de gado. O gado era essencial
  • 2. no complemento da indústria do açúcar, como animal de tração, para o transporte e alimentação. O açúcar seguia aos grandes portos, Recife e Salvador, sediavam as principais instituições e comércios da época. Os navios levavam o açúcar português a Europa, mas quem refinava e comercializava eram os holandeses. A empresa agrícola lusitana foi um bom negocio para o capital holandês. O território Colonial – Séc. XVII As atividades sempre estiveram muito ligadas a costa litorânea. No século XVII novas atividades vão surgir ampliando as fronteiras produtivas. O aumento da produção canavieira nos até então pastos, expulsou os criadores de gado território adentro, para o sertão, na região do rio São Francisco. Nos pontos de encontro entre o sertão pastoril e o litoral agricultor surgiram muitos povoados, as atuais cidades do sertão. Em São Vicente o açúcar não prosperou, com uma linha litorânea pequena e a proximidade da serra do mar, sua área de cultivo era muito pequena, somando- se a isso as grandes distâncias dos principais portos, Recife e Salvador. O açúcar vicentino sucumbiu frente ao açúcar nordestino. Este fracasso fez com que os colonos abandonassem o litoral e migrasse serra adentro, fundando vilas no planalto. O primeiro núcleo foi vila de São Paulo. Os colonos produziam para sua subsistência, sendo a escravização de índios o meio principal de enriquecimento. No século XVII houve uma desorganização no trafico negreiro, ampliando assim o mercado de índios escravos. As bandeiras, como ficaram conhecidas estas incursões, ganharam o interior, formados por brancos e mestiços, eram auxiliados por outros índios (Tupis contra os Guaranis), que faziam todo o trabalho necessário: Guias, carregadores, guerreiros. As missões e reduções jesuítas eram o principal alvo dos bandeirantes, pois lá os índios estavam domesticados e concentrados. Na metade do século XVII as incursões dos bandeirantes baseavam-se na busca de jazidas de prata, ouro e pedras preciosas. A produção e exportação do fumo aumentaram, pois tinha grande valor de troca por escravos na Europa. Ocorreu com fins comerciais e geopolíticos o avanço ao vale amazônico, proteção contra ingleses e holandeses e coleta para exportação das “drogas do Sertão” ( castanha, cacau selvagem, gergelim, guaraná, urucum). O território Colonial – Séc. XVIII A descoberta de metais preciosos aumentou e muito o fluxo populacional, o maior da história colonial, alargando substancialmente a faixa de ocupação do território. Os mais importantes núcleos urbanos das minas gerais eram: Vila Rica de Ouro Preto, Mariana, Caeté, Sabará. Paralelo a exportação dos metias preciosos, a agricultura e pecuária paulista expandiram-se rapidamente. A coroa preocupada com o contrabando da produção aurífera constrói um novo caminho, ligando as regiões mineiras e a cidade São Sebastião do Rio de Janeiro no litoral. Esta se tornou a porta de entrada e saída de produtos, além de imigrantes lusitanos e de escravos africanos. Em algum tempo, esta prosperidade tornou Rio de Janeiro no capital do vice – reino do Brasil em 1763, desbancando Salvador. Na metade deste século, os limites do tratado de Tordesilhas estavam ultrapassados, ocorre a assinatura do tratado de Madri em 1750. Tratado de Madri Acordo entre Portugal e Espanha sobre os domínios da terra americana, o principio adotado para partilha: “cada um deve ficar com o que atualmente possui”. Isto acabou por beneficiar largamente a coroa portuguesa, cujo território havia avançado substancialmente. Portugal cedeu colônia do Sacramento e o estuário do rio da Prata além de algumas ilhas no pacífico, em compensação o Rio Grande do Sul, grande parte de Santa Catarina e a maior parte da bacia do Amazonas ficaram com os lusitanos. O tratado buscou criar fronteiras respeitando e utilizando os limites geográficos e os principais povoados, bem diferente das linhas sem restrições do tratado de tordesilhas.