SlideShare uma empresa Scribd logo
CIÊNCIA EQUATORIAL ISSN 2179-9563
 
Artigo Original Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011
 
 
 
 
 
PERCEPÇÃO DOS MORADORES DO BAIRRO NOVO ORIENTE QUANTO AOS
IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO
DE LUZ – MG
 
Grazielle Araujo Lopes Cançado1
; Larissa Paula Jardim de Lima Barbosa2
; Flávio Henrique Ferreira Barbosa3
 
 
 
 
RESUMO
 
Hoje os resíduos sólidos são considerado um dos maiores impactos, ambientais existentes em todo planeta. Com o
crescimento da população, aumenta gradativamente o consumo e volume de materiais sólidos ou semissólidos. É
necessário despertar a população para uma consciência ambientalista O estudo foi realizado entre os moradores do
bairro Novo Oriente do município de Luz – MG, entre os meses de novembro de 2008 a setembro de 2009, com o
objetivo de verificar a percepção dos moradores sobre o conhecimento e a conscientização quanto aos impactos
ambientais causados pelo lixo, a participação dos moradores na separação do resíduo sólido para coleta seletiva e se o
projeto da Prefeitura Municipal de Luz – MG, foi eficiente. Nos resultados obtidos, observou que 76% dos moradores
não separam o lixo em sua residência antes de ser recolhido. 65% dos moradores não reutiliza nenhum material que
seria jogado no lixo. Quanto à preservação do meio ambiente 10% dos moradores afirmam nunca ter contribuído para
preservar o meio ambiente em que vive. Podemos concluir que os moradores do bairro Novo Oriente tem consciência
dos impactos ambientais causados pelo lixo, e na maioria das vezes não contribuem para diminuição do mesmo. A
Prefeitura para obter melhores resultados do projeto sobre a coleta seletiva precisa criar meios de estar divulgando e
criando campanhas informativas, convencendo os moradores de que é importante a sua participação. Sendo que a
implantação da coleta seletiva é um processo continuo que é ampliado gradativamente.
 
Palavras-chave: Resíduos sólidos, Impacto ambiental, Conscientização, Coleta seletiva.
 
 
 
PERCEPTIONS OF RESIDENTS OF NOVO ORIENTE NEIGHBORHOOD AS TO
ENVIRONMENTAL IMPACTS CAUSED BY SOLID WASTE IN THE CITY LUZ - MG
 
ABSTRACT
 
Today the solid waste is considered one of the greatest impacts, environmental agencies across the planet. With
population growth, consumption gradually increases and volume of solids or semissólidos. It is necessary to awaken the
population to environmental awareness The study was conducted among residents of Novo Oriente neighborhood of the
city Luz - MG, between the months of November 2008 through September 2009, with the objective of verifying the
perception of residents about knowledge and awareness of the environmental impacts caused by garbage, the
participation of residents in separating waste to collection and the design of the city Luz - MG, was efficient. The
results obtained showed that 76% of residents do not segregate the garbage at his home before being collected. 65% of
residents do not reuse any material that would be thrown in the trash. As for preserving the environment 10% of
residents claim never to have contributed to preserving the environment in which he lives. We can conclude that the
residents of Novo Oriente neighborhood is aware of the environmental impacts caused by solid waste, and most often
do not contribute to reduction. The City Hall for better project results on the selective collection must create ways of
being and creating disseminating information campaigns, convincing residents that their participation is important.
Since the implementation of selective collection is an ongoing process that is gradually expanded.
 
Keywords: Solid Waste, Environmental Impact, Awareness, Selective collection.
Ciência Equatorial, Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011 Página 40
 
INTRODUÇÃO
 
O crescimento da população tem
causado um adensamento no volume do lixo
nas últimas décadas, trazendo problemas
ambientais em função da má distribuição desse
resíduo. Visando uma melhora nas condições
ambientais, saúde e na vida das futuras
gerações, faz se necessário o desenvolvimento
de uma consciência ambientalista. Parte da
população do Brasil tem se despertado nos
últimos anos para a preocupação com relação
ao lixo gerado no perímetro urbano e sua
destinação. O lixo nos últimos anos vem
deixando de ser apenas um produto de
descarte, inútil e repelente, sendo um grande
problema desde a coleta, manuseio, transporte,
e descarte final (HAMADA; CAVAGUTI,
1997).
Atualmente as constantes campanhas
de Educação Ambiental para haver
conscientização e a participação de todos os
cidadãos, estão ocasionando mudanças
radicais a respeito do lixo. Nas cidades as
populações urbanas têm aumentado a cada dia,
e nos interiores dos estados já se encontram
cidades com programas de coleta seletiva. O
que vem de encontro com a preservação do
Meio Ambiente, diminuindo os resíduos e
detritos sólidos, que entulham e polui a
natureza, o que faz surgir Cooperativas de
Coleta Seletiva do Lixo (OLIVEIRA, 1996).
Para um adequado destino final do lixo
uma das medidas existentes, mais recente e
ecologicamente corretas é a coleta seletiva,
que consiste em separar os resíduos de acordo
com sua natureza e encaminhar a uma usina de
reciclagem para transformar estes resíduos em
matérias – primas e conduzi-los às indústrias
(OLIVEIRA, 2006).
De acordo com a Lei Estadual nº
12.040/95 de Minas Gerais, os municípios de
menor porte e mais pobres serão favorecidos
se dispor adequadamente o lixo de pelo menos
70% da população e receberá o ICMS
ecológico, que avalia trimestralmente os
municípios beneficiando-se de uma quota -
parte do ICMS (PRADO FILHO; SOBREIRA,
2007).
A resolução 358, de 29 de abril de
2005, do Conselho Nacional de Meio
Ambiente (CONAMA), aplica-se aos serviços
relacionados com o atendimento à saúde
animal e humano. Dispõe sobre o tratamento e
a disposição final dos serviços de saúde, tendo
como objetivo a preservação da saúde pública
e a qualidade do meio ambiente.
O município de Luz – MG possui
vários problemas ambientais, entre eles o mais
visível é o lixo. Em 2006, foi iniciado o
programa de coleta seletiva com a população,
com a abertura da Cooperativa de Coleta
Seletiva do Lixo. A coleta seletiva não é
respeitada por parte da população e todo o lixo
que não pode ser reaproveitado é destinado ao
aterro controlado. A cooperativa de coleta
seletiva fica situada dentro da cidade, no bairro
Novo Oriente, a quantidade de moscas, baratas,
ratos é muito grande e podem ser encontrados
em muitos bairros. A prefeitura usa de vários
incentivos para trabalhar com a população a
coleta seletiva, mas não possui cestos de lixo
suficientes nas calçadas e praças da cidade.
Sendo assim, este trabalho buscou
verificar a percepção dos moradores do Bairro
Novo Oriente no que tange a coleta seletiva e
os impactos ambientais do lixo no município
de Luz – MG.
 
 
 
DESENVOLVIMENTO
O que é o Lixo?
Sendo um dos maiores problemas
ambientais da atualidade, o lixo é todo e
qualquer resíduo no estado sólido ou
semissólido proveniente do que sobra das
atividades humanas ou provenientes da
natureza. O conceito de lixo pode ser
considerado uma concepção humana, porque
em processos naturais não há lixo, apenas
produtos inertes (CRUZ, 2006).
 
Problemas Causados Pelo Lixo No
Meio Ambiente
 
O lixo há muitos anos é produzido em
grandes quantidades, e a má administração,
pode provocar: gastos financeiros, danos ao
meio ambiente, comprometer a saúde e o bem-
estar da população, a destinação final
inadequada dos resíduos pode levar à
Ciência Equatorial, Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011 Página 41
 
contaminação do ar, da água, do solo e ajuda a
proliferação de vetores nocivos à saúde
humana. Em todos os lugares do mundo existe
o problema sobre onde armazenar os lixos
produzidos por suas comunidades. A redução
do volume do lixo, a coleta seletiva e a
reutilização de lixo reciclável são fatores
importantes e que pode reduzir, o grande
problema é que muitas substâncias são
biodegradáveis, levando muitos anos para se
decompor, o que leva rapidamente a poluição
(CUNHA; CAIXETA FILHO, 2002).
No Brasil a população chega em 189,6
milhões de habitantes, a quantidade de lixo
coletado diariamente no país é de 228.413
toneladas, o que representa 1,25kg por
habitante. A pesquisa mostra que o lixo
produzido nas residências brasileiras é
coletado (85%) diretamente do domicílio pelos
órgãos de limpeza urbana; os despejados em
caçambas, tanques ou depósitos (9%) são
coletados indiretamente e, os jogados nas ruas,
terrenos baldios, etc. (3%) são queimados ou
enterrados (BRASIL, 2001).
De acordo com Ministério do Meio
Ambiente (BRASIL, 2009), os diversos
setores do governo prometem investimentos
em projetos ligados à reciclagem, coleta
seletiva e capacitação de municípios para
gestão do lixo que ultrapassam R$ 220
milhões. O que mostra um desafio sendo que
seria necessário nada menos que 1,5 bilhões
para construir instalações adequadas nos
municípios brasileiros.
 
Classificações do lixo
 
O lixo é classificado no modo geral
como inorgânico e orgânico. No lixo
inorgânico, encontramos vidros, papelões,
ferros, metais não ferrosos, plásticos, restos de
tecidos, couros, isopor, borrachas, fios,
calçados e etc. No lixo orgânico estão os
papéis (higiênicos, guardanapos, lenços de
papel, absorventes, fraldas descartáveis),
restos de alimentos, vegetais, frutas, pó de
limpeza caseira, ossos e etc. Muitas vezes o
lixo recolhido por caminhões é lançado nos
arredores da cidade, nos chamados lixões
(FIGURA 1) para onde são destinados cerca
de 80% dos resíduos produzidos pelos
municípios brasileiros (CRUZ, 2006).
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 1. Antigo Lixão do Município de Luz –MG
(2009).
 
Domiciliar / Urbano
 
A maior parte do lixo produzido na
cidade corresponde ao lixo domiciliar,
provenientes de residências, estabelecimentos
industriais e comerciais. Variando conforme o
padrão de vida da população, clima, hábitos da
cidade. Sendo possível encontrar nas cidades
do interior e áreas rurais, um número maior de
lixo orgânico na composição do lixo
doméstico do que a encontrada em grandes
centros urbanos (MOTA, 2005).
A aplicação de composto ou de
vermicomposto de lixo urbano no solo
aumenta a permeabilidade, a agregação de
partículas minerais, o fornecimento de macro e
micronutrientes, diminui a acidez (inclusive o
alumínio trocável) e aumenta a atividade
biológica. Desta forma, é preciso considerar os
riscos ambientais de sua utilização,
especialmente se feita de forma descontrolada
e sem discernimentos. Uma das limitações do
emprego desses adubos orgânicos é a presença
de metais pesados em concentrações
relativamente altas, que podem acumular-se no
solo, inexequível no seu uso agrícola, e nas
plantas, prejudicando a saúde dos consumidores
(EGREJA FILHO, 1993).
 
Público
 
Origina-se de limpeza pública urbana,
incluindo todos os resíduos de varrição das
vias públicas, limpeza de praias, de galerias,
de córregos e de terrenos, restos de podas de
árvores, de limpeza de áreas de feiras livres,
constituídos por restos vegetais diversos,
embalagens etc. (CRUZ, 2006).
Ciência Equatorial, Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011 Página 42
 
 
 
Serviços de Saúde e Hospitalar
 
O lixo de Serviços de Saúde e
Hospitalar é constituído por resíduos sépticos,
provenientes de descartes cirúrgicos e
similares, como seringas, gases, algodão,
órgão, tecidos etc. Sendo considerados
contaminados (CRUZ, 2006).
No Brasil, há mais de 30 mil unidades
de saúde, produzindo resíduos e a maioria das
cidades, a questão da destinação final dos
resíduos urbanos não está resolvida. Ainda
possui uma taxa muito baixa de incineradores
para lixo hospitalar instalados ou em operação
no Brasil, e pequeno número de unidades de
saúde que manuseiam seus resíduos dentro de
padrões considerados satisfatórios. Este tipo de
lixo deve ser manejado de maneira especial,
devem ser colocados em recipientes próprios,
em local separado e coletado separadamente,
por profissionais protegidos por equipamentos
de segurança, destinado no final em área
isolada de aterro especial ou então incinerado
(FERREIRA, 1995).
 
Comercial
 
O lixo comercial é originado dos
diversos estabelecimentos comerciais e de
serviços como, supermercados,
estabelecimentos bancários, lojas, bares,
bancos, mercados, escritórios, restaurantes,
etc. O lixo destes estabelecimentos e serviços
tem um forte elemento de papel, plásticos,
diversas embalagens e resíduos de asseio dos
funcionários (CRUZ, 2006).
 
Industrial
 
É originado nas atividades dos distintos
ramos da indústria, tais como: petroquímica,
química, metalúrgica, papeleira, alimentícia,
etc. O lixo industrial é variado, podendo ser
representado por lodos, cinzas, resíduos
alcalinos ou ácidos, madeira, papel, plásticos,
fibras, borracha, metal, vidros, cerâmicas,
escórias etc. O maior número do lixo industrial
é considerado tóxico o que exigem manejo,
coleta e destinação especiais. No Brasil, o
sistema mais completo é o de incineradores de
alta eficiência, mas que provoca um grande
problema para o meio ambiente, que são as
cinzas da queima, que devem ir para um aterro
que receba resíduos perigosos (ALVES, 1994).
 
Agrícola
 
É formado por resíduos sólidos das
atividades agrícolas e da pecuária, como
embalagens de adubos, restos de colheita,
ração, defensivos agrícolas, etc. Estes resíduos
em várias regiões do mundo já são uma
preocupação crescente, destacando-se as
enormes quantidades de esterco animal
gerados nas fazendas de pecuária intensiva. As
embalagens de agroquímicos diversos, em
geral altamente tóxicos, têm sido alvo de
legislação específica, definindo os cuidados na
sua destinação final e, por vezes,
corresponsabilizando a própria indústria
fabricante destes produtos (ALVES, 1994).
 
Portos, aeroportos e terminais
rodoviários ou ferroviários.
 
Caracterizado como resíduos sépticos,
ou seja, aqueles que contêm ou podem conter
germes patogênicos, trazidos aos portos,
terminais rodoviários e aeroportos. Iniciam-se
basicamente de materiais de higiene, asseio
pessoal e restos de alimentação que podem
veicular doenças provenientes de outras
cidades, estados e países (CRUZ, 2006).
 
Construção Civil ou Entulho
 
Entulho são resíduos da construção
civil, compostos por materiais de demolições,
solos de escavações diversas, restos de obras,
etc. O entulho geralmente é um material inerte,
passível de reaproveitamento, porém, contém
materiais que podem lhe conferir toxidade,
com destaque para os restos de tintas e
solventes, peças de amianto e metais diversos,
cujos componentes podem ser remobilizados
caso o material não seja disposto
adequadamente (CRUZ, 2006).
 
Especial
 
Formado por resíduos em regime de
produção transitória, merece tratamento,
manipulação e transporte especial, são eles,
Ciência Equatorial, Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011 Página 43
 
veículos abandonados, descarga de lixo em
locais não apropriados, animais mortos em
estradas, pneus abandonados, pilhas, baterias,
embalagens de agrotóxicos e etc. (CONSTAT
CONSULTORES ESTATÍSTICOS LTDA,
2003).
 
Atômico
 
Denomina-se lixo atômico todo
produto resultante da queima do combustível
nuclear, composto de urânio enriquecido com
isótopo atômico 235. A elevada radioatividade
constitui um grave perigo à saúde da
população, por isso deve ser enterrado em
local próprio, inacessível (ALVES, 1994).
 
Espacial
 
Sobras provenientes dos objetos
lançados pelo homem no espaço, que circulam
ao redor da Terra com a velocidade de cerca
de 30 mil quilômetros por hora. São estágios
completos de foguetes, satélites desativados,
tanques de combustível e fragmentos de
aparelhos que explodiram normalmente por
acidente ou foram destruídos pela ação das
armas antissatélites (CRUZ, 2006).
 
Radioativo
 
É um resíduo tóxico e venenoso e é
formado por substâncias radioativas
resultantes do funcionamento de reatores
nucleares. Como não há um lugar seguro para
armazenar esse lixo radioativo, a alternativa
recomendada pelos cientistas é colocá-lo em
tambores ou recipientes de concreto
impermeáveis e a prova de radiação, e
enterrados em terrenos estáveis, no subsolo
(CRUZ, 2006).
 
 
 
Métodos de tratamento e disposição
final
 
Aterros Sanitários
 
É um método utilizado para a
disposição de resíduos sólidos no solo, o lixo
domiciliar em critérios de engenharia e normas
operacionais específicas, permite a confinação
segura em termos de controle de poluição
ambiental, proteção a saúde pública, através de
confinamento em camadas cobertas,
geralmente, solo, de acordo com normas
operacionais específicas e de modo a evitar
danos ou riscos à saúde pública e à segurança,
minimizando os impactos ambientais
(OLIVEIRA, 2006).
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 2. Desenho esquemático do aterro sanitário.
 
A desvantagem dos aterros sanitários é
o desperdício de matérias primas. A matéria
orgânica e materiais inorgânicos que poderiam
ser reciclados é muito grande. As
administrações não se deram conta do
desperdício que acarreta. Quando estabelecer
os custos ambientais na produção de
manufaturados e dos serviços, os custos de
implantação, manutenção e gerenciamento dos
aterros tenderão a crescer, diminuindo a
implantação de novos aterros, e novas práticas
de gerenciamento de lixo deverão ser
adotadas. Diversos tipos de resíduos ainda
deverão ter como destino os aterros sanitários,
mas muito inferior aos números que são
dispostos atualmente (ACSELRAD et al.,
1993).
Conforme OLIVEIRA (2006), afirma
que o aterro sanitário é o que agrupa as
melhores vantagens, considerando a
diminuição dos impactos ocasionados pelo
descarte dos resíduos sólidos urbanos.
As seguintes vantagens que o aterro
sanitário possui:
 Operação e manutenção
relativamente baixas.
 Respeitadas as normas de
instalação e funcionamento constitui uma
técnica ambiental confiável.
 Recuperação de gás metano.
Ciência Equatorial, Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011 Página 44
 
 Impedem a proliferação de
animais vetores.
 Recuperação limitada de áreas
para uso público.
Desvantagens:
 Gastos decorrentes da
contaminação pelo chorume e poluição.
 Comprimento físico de áreas
extensas.
 Controle operacional.
 Desperdício de matérias-primas
que poderiam ser reaproveitadas.
 Necessidade de grandes áreas
para a sua implantação.
 
Incineração
ainda é pouco propagado, devido ao seu custo
elevado, sendo os resíduos sólidos industriais
muitas vezes mandados a aterros de classe I,
enquanto que os resíduos de serviços de saúde
são dispostos em celas especiais de aterros
sanitários comuns. No entanto, com a
diminuição do espaço nacional para
construção desses aterros e com o fim da vida
útil dos existentes, esta técnica passará a ser
uma escolha muito mais viável (SILVA,
2008).
Em maio de 2001, o Brasil assinou a
Convenção de Estocolmo, tratado da
Organização das Nações Unidas (ONU) que
trata do combate aos Poluentes Orgânicos
Persistentes, e que aponta a incineração de
resíduos como uma das principais fontes
geradoras destes poluentes. A Convenção
recomenda que o uso de incineradores seja
eliminado progressivamente (SILVA, 2008).
Vantagens:
 Redução do peso e do volume;
 Produz um resíduo sólido
estéril;  
 Não há contato direto dos
 
 
 
Figura 3. Incinerador
 
 
Processo de destruição térmica ou
combustão do lixo que obtém redução do peso,
volume e recuperação energética, com
produção de gases e cinzas altamente
poluentes, onde a temperatura, a turbulência e
o tempo de permanência são fatores
determinantes. A redução de volume é
geralmente superior a 90% e em peso, superior
a 75%. Alguns tipos de resíduos exigem a sua
utilização, como a queima de dinheiro fora de
circulação, remédios com prazo de validade
vencidos ou contaminados, alimentos
deteriorados, materiais tóxicos e drogas e,
material gráfico apreendido pela polícia,
dentre outros (ACSELRAD et al., 1993).
A incineração internacionalmente tem
sido um dos tratamentos preferenciais para
resíduos sólidos industriais e os resíduos de
serviços de saúde devido às suas
características tóxicas ou patogênicas,
constituem um grande problema para a
sociedade e para o meio ambiente. No Brasil,
operadores com o lixo;
 Pode receber todos os tipos de
resíduos/lixo;
 Possibilidade de reaproveitar a
energia do lixo incinerado (OLIVEIRA, 2006)
Desvantagens:
 Requer custos elevados para a
sua manutenção, implantação e operação;
 Torna-se fonte de poluição;
 Necessidade de dispor as cinzas
tóxicas em aterros sanitários;
 Sem preparação do lixo, há
desperdício de materiais reaproveitáveis
(OLIVEIRA, 2006).
 
Coleta Seletiva
Ciência Equatorial, Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011 Página 45
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 4. RELUZ Cooperativa de Coleta Seletiva
Município de Luz/MG (2009).
 
A coleta seletiva pode ser definida
como a correta separação dos vários tipos de
resíduos, em recipientes diferenciados, para
que sejam encaminhados com vistas à
comercialização (EIGENHEER, 1993).
A coleta seletiva de lixo iniciou-se no
Brasil, de forma sistemática e documentada,
em abril de 1985, em São Francisco, bairro da
cidade de Niterói, no Rio de Janeiro.
Implantado através da Universidade Federal
Fluminense - UFF - e do Centro Comunitário
de São Francisco – CCSF (EIGENHEER,
1993).
Apesar de ser uma excelente alternativa
para a redução de resíduos com destino aos
aterros, os resíduos que são reutilizados ou re-
ciclados são muito poucos, deve-se ao mau
acondicionamento dos resíduos pela
população, fato este gerado pela falta de
informação acerca da coleta seletiva. Outros
fatores que contribuem é o alto custo da coleta
seletiva para as municipalidades e a falta de
um sistema corretamente dimensionado em
termos da capacidade de armazenamento e
processamento de resíduos nas unidades de
triagem (MONTEIRO; ZVEIBIL, 2001).
Para colocar a coleta seletiva em
prática depende basicamente de vontade
política para conscientizar e informar a
população sobre os objetivos a alcançar,
despertando a vontade de colaboração
(SCARLATO; PONTIN, 1997).
Conforme OLIVEIRA (2006), afirma
que a coleta seletiva, possui as seguintes
vantagens:
 Diminuir a exploração de
recursos naturais renováveis e não renováveis;
 Diminui a poluição do solo,
água e ar;
 
 Diminui a proliferação de
doenças e a contaminação de alimentos;
 Diminui os custos da produção,
com o aproveitamento de recicláveis para
indústrias;
 Diminui o desperdício;
 Diminui gastos com a limpeza
urbana;
 Reduz consumo de energia;
 Prolonga a vida útil dos aterros
sanitários;
 Melhora a qualidade do
composto produzido a partir da matéria
orgânica;
 Melhora limpeza na cidade;
 Possibilita a reciclagem de
materiais que iriam para o lixo;
 Cria oportunidade de fortalecer
organizações comunitárias;
 Gera empregos para a
população;
 Gera renda pela
comercialização dos recicláveis.
 
Usinas de Compostagem
 
É um processo de decomposição
biológica da matéria orgânica presente no lixo,
por meio da ação de microorganismos
existentes nos resíduos, em condições
adequadas de aeração, umidade e temperatura.
A utilização do processo de compostagem por
meio das usinas para tratamento da fração
orgânica dos resíduos sólidos urbanos é
relativamente nova no Brasil
(VASCONCELOS, 2003).
As primeiras usinas instaladas no país
datam da década de 70, e são acompanhadas
por inúmeros problemas de processos e
qualidade dos compostos que contribuem para
o seu atual descrédito (LELIS; PEREIRA
NETO, 2001).
O resultado da decomposição do
material orgânico é um composto que pode ser
utilizado para adubar vasos, jardins e hortas
comunitárias (OLIVEIRA, 2006).
 
Reciclagem e Reutilização
 
A grande produção de lixo e o descarte
prematuro de materiais que ainda são passíveis
Ciência Equatorial, Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011 Página 46
 
de reutilização ou reciclagem podem refletir
uma atitude marcada pelo desperdício.
Reutilizar significa aproveitar novamente um
objeto para alguma finalidade, em vez de
descartá-lo, como usar latas de cerveja como
porta-lápis ou garrafas PET, como brinquedos.
Reciclar significa aproveitar o material,
transformando um objeto para transformá-lo
em um novo. Por exemplo, restos de alimento
geram adubos ou papel usado e dá lugar a
papel reciclado (CRUZ, 2006).
Conforme BRASIL, no uso das
atribuições que lhe conferem a Lei no 6.938,
de 31 de agosto de 1981, e tendo em vista o
disposto na Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de
1998, e no Decreto no 3.179, de 21 de
setembro de 1999, estabelece o código de
cores para os diferentes tipos de resíduos, a ser
adotado na identificação de coletores e
transportadores, bem como nas campanhas
informativas para a coleta seletiva.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 5. Cores da Coleta Seletiva
 
 
 
Biodigestão
 
Representa uma alternativa para o
tratamento de resíduos, pois além de permitir a
redução do potencial poluidor e dos riscos
sanitários dos dejetos ao mínimo, promove a
geração do biogás, utilizado como fonte de
energia alternativa e permite a reciclagem do
efluente, podendo ser utilizado como
biofertilizante (AMARAL et al., 2004).
O biogás é uma mistura gasosa, com
predominância de gás metano (60% em média)
e gás carbônico (38% em média), pouco
nitrogênio e hidrogênio, além de apresentar
traços de gás sulfídrico (LIMA et al., 2004).
O biodigestor consiste, basicamente,
em uma câmara fechada onde a biomassa o
volume de esterco suíno produzido é
fermentada, sem a presença do ar atmosférico,
produzindo biogás e biofertilizante. O
biodigestor é um aparelho destinado a conter a
biomassa e o produto desta, o biogás. Por si só,
o biodigestor não produz o biogás, mas cria
condições para que as bactérias metanogênicas
que degradam a matéria orgânica produzindo o
gás metano atuem sobre os materiais orgânicos
na produção deste combustível. Biodigestor
apresenta-se como fonte alternativa de
produção e geração de energia.
Evidentemente, a quantidade de energia
produzida é, em geral, muito menor que a das
hidrelétricas, devido, especialmente ao porte
destas em relação ao número de biodigestores,
mas em compensação os impactos ambientais
e sociais aproximam-se do zero, a produção de
energia é barata, e o aproveitamento dos
resíduos animais evita que estes sejam
lançados no meio ambiente, poluindo-o
(GASPAR, 2003).
 
Aterro Controlado
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 6. Aterro Controlado Luz - MG (2009)
 
O aterro controlado no ponto de vista
ambiental, não é considerado uma forma
adequada de disposição de resíduos porque os
problemas ambientais de contaminação da
água, do ar e do solo não são evitados, já que
não são utilizados todos os recursos de
engenharia e saneamento que evitariam a
contaminação do ambiente. Embora,
representa uma alternativa melhor do que os
lixões, e se diferenciam destes por possuírem a
cobertura diária dos resíduos com solo e o
controle de entrada e saída de pessoas
(BRASIL, 2005).
Ciência Equatorial, Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011 Página 47
 
Vetores 
Formas de 
 
Transmissão 
 
Enfermidades 
 
 
 
Barata 
Contaminação 
 
dos alimentos 
através das 
fezes, patas e 
do corpo 
Febre Tifóide, 
 
Giardíase, Cólera 
e outras doenças 
Gastrointestinais 
Rato e 
 
Pulga 
Mordida, 
pulga e urina 
Leptospirose, 
 
Peste Bubônica, 
Tifo 
 
 
Mosquito 
 
Picada da 
fêmea 
Malaria, Febre 
 
Amarela, 
Dengue, 
Leishmaniose 
 
 
 
Mosca 
Contaminação 
 
dos alimentos 
através de 
patas e do 
corpo 
Febre Tifóide , 
 
Cólera, 
Amebíase, 
Giardíase, 
Ascaridíase 
Aves 
Através de 
 
fezes 
Toxoplasmose, 
 
Hitoplasmose 
Gado e 
 
Porco 
Pela ingestão 
 
de carne 
contaminada 
 
Cisticercose, 
Teníase 
Cão e 
 
Gato 
Urina e fezes 
 
Toxoplasmose 
Lixão
 
O método mais usado no Brasil para
dispor do lixo é chamado de lixão. São
terrenos livres a céu aberto onde deposita o
lixo, sem projeto ou cuidado com a saúde
pública e o meio ambiente, sem tratamento e
sem qualquer critério de engenharia (BRAGA
et al., 2002).
Estima-se que no Brasil mais de 90%
do lixo é jogado a céu aberto, gerando uma
ameaça constante de epidemias, pois os lixões
fornecem condições propícias para a
proliferação de doenças (ROUQUAYROL;
ALMEIDA FILHO, 1999). Além da liberação
de gases, a decomposição do lixo gera o
chorume, líquido que contamina o solo e a
água por compostos orgânicos e íons metálicos
(BRAGA et al., 2002).
Os resíduos sólidos dispostos a céu
aberto também favorecem a proliferação de
mosquitos, moscas, baratas e ratos, os quais
são vetores de inúmeras doenças ao homem,
tais como a febre tifóide, salmonelose,
disenterias e outras infecções
(ROUQUAYROL; ALMEIDA FILHO, 1999).
As áreas destinadas à disposição do
lixo, sem a infraestrutura adequada para evitar
os danos consequentes dessa atividade, tem
seu uso futuro comprometido e são
responsáveis pela degradação ambiental das
regiões sob sua influência (SISSINO;
MOREIRA, 1996).
 
O Lixo e Suas Doenças
 
Os principais problemas causados com
frequência no pessoal empregado na coleta e
processamento do lixo são bronquites crônicas,
e possíveis tendências a enfisema pulmonar,
verminoses, infecção intestinal (diarreia),
gripe, leptospirose, dengue, meningite, dor de
cabeça, febre, alergia e náusea. Existem
também as doenças transmitidas por vetores
como ratos, baratas, mosquitos e moscas.
Existem vários mecanismos associados em
relação entre o lixo e doenças. A transmissão
pode ocorrer pelas fezes desses animais, das
patas, da saliva e dos pêlos, que o mau cheiro
decorrente do acúmulo de lixo é capaz de
provocar mal estar, perda de apetite, cefaléia,
náuseas, vômitos. O controle destes animais
esta associado à higiene do ambiente, como o
acondicionamento, coleta e destino final
adequado do lixo. Veja no Quadro 3 algumas
doenças (TAUIL, 2006).
 
 
 
Quadro 1. Vetores, transmissão e enfermidades.
Ciência Equatorial, Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011 Página 48
 
Consequências Gerais do Lixo No
Mundo Moderno
 
O problema do lixo vem evoluindo
principalmente pelo acentuado crescimento
demográfico, especialmente nos centros
urbanos, resultantes do êxodo rural e da falta
de um planejamento familiar. A questão dos
resíduos sólidos, no meio urbano, representa
impactos ambientais relevantes que afetam e
degradam a qualidade de vida urbana (CRUZ,
2006)
Com o aumento da população mundial,
consequentemente aumento do consumo em
geral, aumenta-se também os resíduos desse
consumo. Só nos últimos 30 anos, toda a
quantidade de dejetos se multiplicou por três,
principalmente por causa dos restos de
embalagens. A Industrialização vem
aumentando a intensidade o que dão origem e
produção desses resíduos, resultantes da
atividade diária do ser humano. O lixo urbano
é inesgotável, se tornando um sério problema
para os órgãos responsáveis pela limpeza
pública, pois diariamente grande quantidade de
resíduos é descartada do meio urbano e
necessitam de um destino final adequado.
Atualmente já não se pode deixar de
compreender que agressões ambientais que
ocorrem em determinado ponto do globo
podem ter repercussão à distância, afetando
mesmo outros continentes, como por exemplo,
os casos de acidentes radioativos, as chuvas
ácidas e os derramamentos de petróleo nos
mares (RODRIGUES et al., 2001).
Como o meio ambiente é um bem
comum, ou seja, que trás benefícios a todos os
seres humanos e que é disponível a todas as
pessoas, precisa ser preservado. Mas, ainda, a
fundamental causa do descuido com a natureza
é a falta de consciência da população e dos
governantes. É preciso que as pessoas tomem
consciência de que a problemática do lixo e da
poluição ambiental afeta diretamente cada uma
das pessoas que fazem parte do mundo
moderno. É importante considerar que a
solução para os problemas ambientais que
afetam o planeta depende de cada um de nós.
O lixo abrange uma situação muito grande e é
o resultado inevitável de nossas vidas
modernas, restando cobrar um programa de
saneamento eficaz aos governantes e fazermos
a nossa parte (CRUZ, 2006).
 
Coletas Seletivas
 
A reciclagem dos resíduos sólidos é
uma alternativa viável para propiciar à
preservação de recursos naturais, a economia
de energia, a redução de área que demanda o
aterro sanitário, a geração de emprego e renda,
assim como a conscientização da população
para questões ambientais. Porém, para um
melhor funcionamento, é de vital importância
que se implante nas cidades um amplo sistema
de coleta seletiva, no qual os recicláveis sejam
separados nas residências, coletados e
encaminhados para usinas de reciclagem. O
que facilita ao processo de reciclagem, pois os
materiais estarão limpos e com maior potencial
de reaproveitamento (SIMONETTO et al.,
2006).
Um dos fatores problemático é a falta
de informação da população acerca da coleta
seletiva. Outros fatores que contribuem para o
pequeno índice de reciclagem dos resíduos
são: o alto custo da coleta seletiva para as mu-
nicipalidades, a falta de um sistema
corretamente dimensionado em termos da
capacidade de armazenamento e processamen-
to de resíduos nas unidades de triagem. Este
trabalho tem como principal objetivo
apresentar uma ferramenta, bem como
resultados gerados por ela, para auxiliar
gestores a suplantar estas duas barreiras
(SIMONETTO et al., 2006).
A implantação da coleta seletiva é um
processo contínuo que é ampliado
gradativamente. O primeiro passo, diz respeito
à realização de campanhas informativas de
conscientização junto à população,
convencendo-a da importância da reciclagem e
orientando-a para que separe o lixo em
recipientes para cada tipo de material.
Posteriormente, deve-se elaborar um plano de
coleta, definindo equipamentos, veículos,
áreas e a periodicidade de coleta dos resíduos.
Finalmente, é necessária a instalação de
unidades de triagem para limpeza e separação
dos resíduos e acondicionamento para a venda
do material a ser reciclado (MONTEIRO et al.,
2001).
Ciência Equatorial, Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011 Página 49
 
A Reciclagem e Suas Vantagens
 
 Reduz a acumulação
progressiva de lixo;
 Economia de energia e
matérias-primas;
 Estimula a consciência
ambiental da população;
 Contribui para a utilização mais
racional dos recursos naturais e a reposição
daqueles recursos que são passíveis de serem
reutilizados;
 Fortalece e incentiva a coleta
seletiva;
 Gera empregos e renda pela
comercialização dos recicláveis.
 
Formas de Aproveitamento dos
Resíduos
Para alguns ambientalistas, a solução
dos problemas relacionados com o lixo é
apontada pelo princípio dos três “erres”
(BRASIL, 2005).
O conceito de R’s se aplica a cada
 
 
Voltar a utilizar as coisas, dar uma
segunda função ou reaproveitar os objetos para
construir novos objetos. Por exemplo: voltar a
utilizar os sacos de plástico das compras em
vez de irem para o lixo; usar as garrafas de
água várias vezes; aproveitar as caixas dos
brinquedos para guardar outras coisas;
oferecer os brinquedos usados a outras
crianças ou a hospitais e lares de crianças
(BRASIL, 2005).
 
Reciclar
 
Evitar a produção de resíduos, com a
revisão de seus hábitos de consumo. Retornar
o produto ao ciclo da produção seja industrial,
agrícola ou artesanal. Existem várias maneiras
de reaproveitar o lixo. O lixo orgânico pode
ser transformado em adubo. Outros materiais
como, papel, plásticos, sucatas, alumínio
podem ser reciclados (POLIGNANO et al.,
2004).
caso:  
3R’s: Reduzir, Reutilizar e Reciclar.
4 R’s: Reduzir, Reciclar, Reutilizar e
 
MATERIAL E MÉTODOS
Reintegrar.
5 R’s: Reduzir, Reutilizar, Reciclar,
Repensar e Recusar.
O primeiro conceito inventado e
atualmente o mais utilizado é os 3 R’s. O
conceito de 4 R’s está ligado a gestão dos
resíduos. O conceito de 5 R’s foi adaptado
para favorecer processos de Educação
Ambiental, pois é um conceito mais prático e
mais aplicável no dia a dia como
consumidores (MESQUITA, 2007).
 
Reduzir
 
Reduzir o lixo que se faz. Procurar
consumir coisas que durem e, caso seja
necessário uma embalagem, procurar
embalagens de material reciclado. Podemos
reduzir a quantidade de lixo, planejando
melhor o processo produtivo e de consumo,
racionalizando o uso de materiais no nosso dia
a dia (POLIGNANO et al., 2004).
 
Reutilizar
Área de Estudo
 
O município de Luz está localizado na
Zona Oeste de Minas, altitude situada a 650 m
de altitude, latitude 19º47'51" sul e a uma
longitude 45º41'14" oeste de Greenwich,
estende-se desde a fralda da Serra “Deus me
livre” até as margens do Rio São Francisco,
entre os ribeirões Mateus e Jorge Grande e ás
BR – MG 262 e MG - 176. O relevo é Plano
(40%), ondulado (50%) e montanhoso (10%).
Possui uma área de 1.171,670 Km². O
município faz divisas com os municípios de:
Estrela do Indaiá, Dores do Indaiá, Bom
Despacho, Moema, Lagoa da Prata, Japaraíba,
Arcos, Iguatama, Bambuí e Córrego Danta.
O clima regional caracteriza-se por um
verão úmido, quente e seco, e frio no inverno.
Com temperatura média máxima de 28°C e a
mínima 14°C. Compensada a 23°C.
Em relação ao último censo realizado
pelo Instituído de Geografia e Estatística IBGE
(BRASIL, 2007), sua população era de 17.173
habitantes, que residem na zona urbana atual
constituída por 10 bairros e habitantes que
Ciência Equatorial, Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011 Página 50
 
residem na zona rural. Basicamente o
município vive da pecuária, agricultura e
silvicultura, sendo predominante o cultivo de
café.
 
Levantamento de Dados
 
O estudo foi realizado entre os
moradores do Bairro Novo Oriente do
município de Luz – MG no mês de julho de
2009.
A aplicação dos questionários para os
moradores teve a finalidade de verificar se há
reutilização de materiais nas residências, se os
moradores possuem algum conhecimento
sobre a coleta seletiva e os métodos de
tratamento do lixo, as doenças causadas pelo
lixo, quantidade de lixo produzido nas
residências, se há forma de contribuição do
morador para preservar o meio ambiente, quais
os maiores impactos ambientais no município.
Foram aplicados 95 questionários, no
bairro Novo Oriente, sendo que o mesmo,
segundo a Prefeitura Municipal de Luz - MG é
o bairro que menos participa da coleta seletiva.
Em seguida os resultados foram tabulados e
apresentados a seguir.
 
Diagnóstico
 
Foi realizado um diagnóstico para
avaliar a situação dos resíduos sólidos no
município, verificando se este possui lixeiras
nas ruas, como foi divulgado durante a
implantação do projeto de coleta seletiva, a
porcentagem de aproveitamento dos materiais
recicláveis por parte da Cooperativa de Coleta
Seletiva e o destino final dado aos resíduos
produzidos na cidade.
 
 
 
RESULTADOS E DISCUSSÕES
 
Inicialmente, destaca-se que, dos 105
moradores que compuseram a amostra, do
bairro Novo Oriente 67 eram pertencentes ao
sexo feminino e 38 ao sexo masculino, ambos
os sexos compunham a faixa etária de 10 a 85
anos de idade.
 
 
 
 
 
Figura 7. Depósito do lixo para coleta seletiva,
moradores bairro Novo Oriente.
 
A maior parte dos resíduos sólidos das
residências de todos os bairros do município
de Luz - MG é coletado de 1 a 3 vezes por
semana pela prefeitura e pela Cooperativa de
Coleta Seletiva que aproveita cerca de 60% do
lixo recolhido.
Ao questionar os moradores quanto à
separação do lixo para o dia da coleta seletiva,
pôde-se perceber que 76% não separam o lixo,
destinando seus resíduos misturados para
coleta.
Segundo Monteiro et al. (2001), a
introdução da coleta seletiva é um processo
contínuo que é ampliado progressivamente.
Com a realização de campanhas informativas
de conscientização junto à população,
indicando a importância da reciclagem e
orientando-a para que separe o lixo em
recipientes para cada tipo de material.
Devendo posteriormente elaborar um plano de
coleta, definindo equipamentos, veículos,
áreas e a periodicidade de coleta dos resíduos.
Sendo, necessária a instalação de unidades de
triagem para limpeza e separação dos resíduos
e acondicionamento para a venda do material a
ser reciclado.
Mesmo com a implantação da coleta
seletiva, é necessário um trabalho de educação
ambiental, conscientizando os moradores
sobre os benefícios da coleta seletiva e
incentivando-os a participar desse processo. A
coleta seletiva facilita e estimula a reciclagem,
os materiais coletados separadamente, tem
maior potencial de aproveitamento por serem
mais limpos (OLIVEIRA, 2006)
Ciência Equatorial, Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011 Página 51
 
estimada de lixo produzida por pessoa é de
600 gramas. No bairro Novo Oriente pode se
verificar que 46% dos moradores produzem de
0 a 3 Kg de lixo por dia. E somente 3% dos
moradores produzem de 12 a 15 Kg por dia.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 8. Contribuição para preservação do meio
ambiente.
 
Nota-se através da Figura 8 que, quanto
Tabela 1. Percepção dos moradores quanto às doenças
transmitidas pelo lixo.
Transmissor  Doença  Número de 
Respostas 
Rato  Leptospirose  63 
Mosca  Febre Tifóide  36 
Mosquito  Malária  42 
Barata  Febre Tifóide  36 
Gado e Porco  Teníase  5 
Cão e Gato  Toxoplasmose  4 
à preservação do meio ambiente, 10% dos Ao considerar os animais que são
moradores nunca contribuíram para a atraídos pelo lixo e as enfermidades
preservação do meio ambiente, e 54%
moradores afirmaram sempre estar
contribuindo para preservação do mesmo.
Estes dados nos revelam que os moradores
possuem conscientização da preservação do
meio ambiente, mas não colocam em prática.
Segundo Fadine (2001), o aparente
plano de um meio ambiente que concilie
desenvolvimento associado à sustentabilidade
ambiental, qualidade de vida e igualdade
social só será alcançada com muita reflexão,
boa vontade, esforço pessoal e comunitário,
disposição e ações políticas aliadas ao
fundamental entendimento de que o planeta
como um todo é afetado por cada atitude
isolada.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 9. Quantidade de lixo produzido por dia pelos
moradores do bairro Novo Oriente.
 
Conforme a Prefeitura Municipal do
município de Luz – MG, a quantidade
transmitidas por eles, percebe-se que os
moradores do bairro Novo Oriente, possuem a
consciência das doenças transmitidas por
vetores presentes no lixo.
Segundo Oliveira (2006), o controle
dos animais transmissores de doenças, está
associada a higiene do ambiente, destacando –
se o acondicionamento, coleta e destino final
adequado do lixo.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 10. Métodos de tratamento, segundo moradores.
 
A Figura 10 mostra que o método de
tratamento, mais conhecido pelos moradores
do bairro Novo Oriente 50% é o lixão, este
local é considerado a pior medida de
tratamento de lixo. De acordo com 21% dos
moradores o outro método mais conhecido é a
reciclagem, que permite a reutilização de
diversos materiais. Apenas 7% dos moradores
Ciência Equatorial, Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011 Página 52
 
conhecem o aterro controlado, sendo que todo
o lixo que não pode ser reaproveitado pela
Cooperativa de Coleta Seletiva RELUZ do
município de Luz – MG, é enviado ao aterro
controlado.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 11. Materiais reutilizados pela população no
bairro Novo Oriente.
 
Percebe-se na Figura 11 que o material
mais reutilizado é o vidro 20%. Os moradores
reutilizam os vidros de azeitonas, extrato de
tomate, requeijão para utilizarem os copos
destas embalagens ou para enfeites e
armazenar alimentos. Os plásticos também são
bastante reutilizados, principalmente vasilhas
de margarinas e sacolas plásticas.
De acordo com Alencar (2005),
reutilizar um determinado produto significa
reaproveitá-lo sem qualquer alteração física,
modificando ou não o seu uso original,
prolongando a vida dos materiais.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
FIGURA 12: Aterro Controlado Município Luz – MG
(2009).
A Figura 12 mostra o Aterro
Controlado, local onde é depositado o lixo que
não pode ser reaproveitado pelo município de
Luz – MG. São recolhidas cerca de 10.000
toneladas de lixo por dia, seja residencial,
industrial ou comercial.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 15. Cooperativa de Coleta Seletiva – RELUZ
(2009).
 
Constatou – se no Município de Luz –
MG que cerca de 60% do lixo é reaproveitado
e recolhido pela Cooperativa de Coleta
Seletiva RELUZ.
Um dos fatores de maior problema é a
falta de informação da população acerca da
coleta seletiva. Outros fatores que contribuem
para o pequeno índice de reciclagem dos
resíduos são: o alto custo da coleta seletiva
para as municipalidades, a falta de um sistema
corretamente dimensionado em termos da
capacidade de armazenamento e
processamento de resíduos nas unidades de
triagem.
A Coleta Seletiva do município de Luz
– MG é feita porta a porta usando-se o mesmo
veículo e por profissionais da área de limpeza
urbana. A prefeitura não equipa seus
funcionários de acordo com as normas
especificas. O galpão de triagem (Figura 15)
possui apenas uma prensa e uma balança. Não
possui mesas, esteiras, administração,
vestiários com instalações sanitárias, depósito
para materiais, área de carga e descarga.
O lixo orgânico é todo enviado ao
aterro controlado, segundo Oliveira (2006)
deve recoberto com terra compactada, sendo
disposto em fileiras que esperam por
reviramento ou por aeração forçada. A
compostagem é um processo de produção de
composto orgânico em médio prazo 60 a 120
dias, incluindo maturação.
Ciência Equatorial, Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011 Página 53
 
De acordo com a SLU (1996), para
separar o material deve-se organizar uma
associação de catadores, os quais devem ser
devidamente capacitados com treinamentos,
onde podem ser abordados vários temas.
Os materiais reaproveitados são
vendidos para empresa de reciclagem do
município de Arcos – MG, a renda obtida é
dividida entre os 14 catadores da coleta
seletiva e recebem uma cesta básica da
Prefeitura Municipal de Luz – MG.
 
 
 
CONCLUSÕES
 
Por meio dos resultados obtidos, pode-
se concluir que a maioria dos moradores tem
consciência dos impactos ambientais causados
pelo lixo, mas nem sempre contribuem para a
diminuição do mesmo. Não havendo
conscientização quanto à preservação do meio
ambiente por parte dos moradores. A maioria
dos moradores não separa o lixo de forma
seletiva, sendo necessária maior divulgação e
parceria da Prefeitura junto aos moradores,
sendo fundamental um projeto de educação
ambiental ao longo de todo processo, pois é
através dela que os mesmos irão esboçar
mudanças de hábitos.
 
 
 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 
ACSELRAD, H.; VIEIRA, L.; GUARANY,
R. Ecologia, direito do cidadão: uma
coletânea de textos. Rio de Janeiro, Jornal do
Brasil. 1993, 68p.
 
ALVES, F. Plano de Ação Global para o
Meio Ambiente. UNCED - Rio 1992.
Francisco Alves Editora, 1994, 26p.
 
AMARAL, C. M. C.; AMARAL, L. A.;
LUCAS, J. J.; NASCIMENTO, A. A.;
FERREIRA, D. S; MACHADO, M. R. F.
Biodigestão anaeróbia de dejetos de bovinos
leiteiros submetidos a diferentes tempos de
retenção hidráulica. Ciência Rural, v. 34, n. 6,
p. 1897- 1902 nov - dez, 2004.
 
BRAGA, B.; HESPANHOL, I.; CONEJO, J.
G. L.; BARROS, M. T. L.; SPENCER, M.;
PORTO, M.; NUCCI, N.; JULIANO, N.;
EIGER, S. Introdução à Engenharia
Ambiental. São Paulo: Prentice Hall, 2002.
Ed. 1, 305 p.
 
BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e
Estatística. “Vamos compreender o Brasil”
Centro de Documentação e Disseminação de
Informação. Rio de Janeiro, 2001, 28p.
 
BRASIL. INSTITUTO BRASILEIROS DE
GEOGRAFIA E ESTATISTICA –
IBGE.SIDRA Censo Demografico em 2007
de Luz, Minas Gerais. Disponível em:
www.ibge.gov.br. Acesso em: 17 junho de
2009.
 
BRASIL. MINISTÉRIO DO MEIO
AMBIENTE. Consumo Sustentável. Manual
de Educação, Brasília, 2005, 162p .
 
BRASIL. MINISTÉRIO DO MEIO
AMBIENTE. Governo vai investir R$ 220
milhões em reciclagem do lixo; Brasília,
nº18; 2009, 5p.
 
CONSTAT CONSULTORES ESTATÍSTICOS
LTDA. Diagnóstico dos processos de
produção, geração, coleta e destino final dos
insumos de lixo de Hortaliças. São Luis –
MA, Novembro 2003,
77p.
 
COSTA, S.; ALONSO, A.; TOMIOKA, S.
Modernização Negociada: expansão viária e
riscos ambientais no Brasil; Brasília, 2002,
240p.
 
CRUZ, L. M. da. A Questão do Lixo na
Cidade de Avelinópolis – GO; Goiás. 2006,
47p. Monografia- (Bacharel em Geografia)
Faculdade de Educação e Ciências Humanas
de Anicuns - FECHA
 
CUNHA, V.: CAIXETA FILHO, J. V.
Gerenciamento da Coleta de Resíduos Sólidos
Urbanos: Estruturação e Aplicação de Modelo
Não-Linear de Programação por Metas; Brasil;
São Carlos; Gestão e Produção; vol. 9; n.2;
2002, 161p.
Ciência Equatorial, Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011 Página 54
 
EGREJA FILHO, F. B. Avaliação da
Ocorrência e Distribuição Química de
Metais Pesados na Compostagem do Lixo
Domiciliar Urbano; Viçosa, MG. 1993, 176p.
 
EIGENHEER, E. M. (org.). Coleta Seletiva
de Lixo: Experiências Brasileiras. Rio de
Janeiro, Centro de Informações Sobre
Resíduos Sólidos – Universidade Federal
Fluminense (UFF)/Instituto de Estudos da
Religião (ISER); vol. 2; 1997, 207p.
 
FERREIRA, J. A. Resíduos Sólidos e Lixo
Hospitalar. Uma Discussão Ética, Rio de
Janeiro - RJ, Caderno Saúde Pública,
Junho/Julho; vol.11; n.2; 1995, 314, 315p.
 
GASPAR, R. M. B. L. Utilização de
Biodigestores em Pequenas e Médias
Propriedades Rurais com Ênfase na
Agregação de Valor: um estudo de caso na
região de Toledo / PR. 2003. 119p.
Dissertação (Programa de Pós-Graduação em
Engenharia de Produção e Sistemas)
Universidade Federal de Santa Catarina;
Paraná.
 
HAMADA, J.; CAVAGUTI, N. Associação
Brasileira de Engenharia Sanitária e
Ambiental; Trabalhos Técnicos. Rio de
Janeiro, ABES, 1997, p.11 Tab.
 
LELIS, M. P. N.; PEREIRA NETO, J. T.
Usinas de reciclagem de lixo: porque não
funcionam. Trabalhos Técnicos. Viçosa, MG,
ABES, 2001, p. 1-9 Tab.
 
LIMA, M. E. C. de C.; AGUIAR, O. G. de J.;
BRAGA, S. A. de M. Aprender Ciências um
mundo de Materiais, 2º Ed. Belo Horizonte,
Edit UFMG, 2004, p. 80.
 
MESQUITA, C. A. B. Práticas de incentivo e
dicas concretas para aplicação no seu
cotidiano. Belo Horizonte, MG, dezembro,
2007, nº8, 47p.
 
MONTEIRO, J. H. PENIDO.; ZVEIBIL, V. Z
. Manual de Gerenciamento Integrado de
Resíduos Sólidos. Rio de Janeiro: Instituto
Brasileiro de Administração Municipal, 2001,
197p.
MOTA, A. V; Do lixo à Cidadania;
Democracia Viva , Rio de Janeiro,
junho/julho, 2005, nº27, 4p.
 
OLIVEIRA, E. M. de. Usinas Simplificadas
de Reciclagem e Compostagem de Lixo;
AIDIS. Consolidación para el desarrollo.
México, D.F, AIDIS, 1996, p.1-7
 
OLIVEIRA, M.D. das. Analise do lixo
urbano: Uma proposta para Implementação
da Gestão dos Resíduos Sólidos do
Município de Córrego Danta, MG.
2006.59p. Monografia-(Graduada em Ciências
Biológicas) FASF- Faculdade de Filosofia
Ciências e Letras do Alto São Francisco
 
RODRIGUES, F. L.; CAVINATTO, V. M.
Lixo: De onde vem? Para onde vai? São
Paulo: Moderna, 2001. p4
 
ROUQUAYROL, M. Z; ALMEIDA FILHO,
N. Epidemiologia e Saúde Pública. 5 ed. Rio
de Janeiro: Medsi, 1999, 500 p.
 
SCARLATO, F.C.; POTIN, J. A. Do Nicho ao
Lixo: ambiente, sociedade e educação. 7ª ed.
São Paulo: Atual, 1997. 117p.
 
SILVA, M. L. Caracterização das cinzas de
incineração de resíduos industriais e de
serviços de saúde. Revista Nova Química;
Brasília – DF, v. 31, n. 2, 2008, pág. 199-203.
 
SILVA, M. S. da; Percepção dos Alunos
Quanto aos Impactos Ambientais Causados
Pelo Lixo no Município de Nova Serrana ,
MG. 2006. 30p. Monografia-(Graduada em
Ciências Biológicas) FASF- Faculdade de
Filosofia Ciências e Letras do Alto São
Francisco.
 
SIMONETTO, Eugênio de Oliveira;
BORENSTEIN, Denis. Gestão operacional da
coleta seletiva de resíduos sólidos urbanos:
abordagem utilizando um sistema de apoio à
decisão. Gest. Prod., São Carlos, v. 13, n. 3,
dez. 2006
 
SISSINO, C. L. S.; MOREIRA, J. C.
Avaliação da contaminação e poluição
ambiental na área de influência do aterro
Ciência Equatorial, Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011 Página 55
 
controlado do Morro do Céu, Niterói, Brasil.
Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.
12, n. 4, p. 515-523, 1996.
 
TAUIL, P. L. Perspectivas de controle de
doenças transmitidas por vetores no Brasil,
Brasília, Revista da Sociedade Brasileira de
Medicina Tropical, v. 39, n. 3, mai – jun, p.
275 - 277 2006.
 
VASCONCELOS, Y. O Melhor do Lixo.
Pesquisa FAPESP;, n. 91, p. 78-81, set. 2003.
 
 
 
 
1 – Grazielle Araujo Lopes Cançado, BSc,
Bióloga
Faculdade de Filosofia Ciências e Letras do Alto São
Francisco – FASF/UNISA.
 
2 – Larissa Paula Jardim de Lima Barbosa, BSc,
Bióloga / Especialista
Real Biológica Ltda.
 
3 – Prof. Flávio Henrique Ferreira Barbosa, PhD
Biólogo / Professor Adjunto I
Colegiado Ciências Farmacêuticas
Universidade Federal do Amapá – UNIFAP
flavio.barbosa@unifap.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

4º edicao livro Terra de Riquesas
4º edicao livro Terra de Riquesas4º edicao livro Terra de Riquesas
4º edicao livro Terra de Riquesas
Franciel Oliveira
 
Apresentação trab. em grupo slides
Apresentação trab. em grupo slidesApresentação trab. em grupo slides
Apresentação trab. em grupo slides
João Silva
 
Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...
Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...
Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...
Cepagro
 
Manual de educação ambiental vol 4
Manual de educação ambiental vol 4Manual de educação ambiental vol 4
Manual de educação ambiental vol 4
Ananda Helena
 
Desafio profissional teoria da contabilidade, ciências sociais e responsabil...
Desafio profissional teoria da contabilidade, ciências sociais e  responsabil...Desafio profissional teoria da contabilidade, ciências sociais e  responsabil...
Desafio profissional teoria da contabilidade, ciências sociais e responsabil...
Ana Genesy
 
Desafio profissional
Desafio profissionalDesafio profissional
Desafio profissional
Camila Possari
 
Urbanização e Meio Ambiente
Urbanização e Meio AmbienteUrbanização e Meio Ambiente
Urbanização e Meio Ambiente
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Guia boas praticas ambientais gov.sp
Guia boas praticas ambientais gov.spGuia boas praticas ambientais gov.sp
Guia boas praticas ambientais gov.sp
Murilo Cesar
 
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo CheidaRQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
Ricardo Baldini
 
Gestão de Residuos
Gestão de ResiduosGestão de Residuos
Gestão de Residuos
Roosevelt F. Abrantes
 
V17n6a14colea de lixo em aterros
V17n6a14colea de lixo em aterrosV17n6a14colea de lixo em aterros
V17n6a14colea de lixo em aterros
adrianapaulon
 
Cartilha residuos solidos_furb[1]
Cartilha residuos solidos_furb[1]Cartilha residuos solidos_furb[1]
Cartilha residuos solidos_furb[1]
Eliane Damião Alves
 
8° B - A sustentabilidade na rua
8° B -  A sustentabilidade na rua8° B -  A sustentabilidade na rua
8° B - A sustentabilidade na rua
artedasustentabilidade
 
Brochure PT
Brochure PTBrochure PT
Brochure PT
Georgeta Manafu
 
Cartilha PNRS
Cartilha PNRSCartilha PNRS
Cartilha PNRS
Amanda Selivon
 
Revista Gestão Agroecológica do Camping do PAERVE
Revista Gestão Agroecológica do Camping do PAERVE Revista Gestão Agroecológica do Camping do PAERVE
Revista Gestão Agroecológica do Camping do PAERVE
Camping PAERVE
 
Artigo bioterra v15_n1_09
Artigo bioterra v15_n1_09Artigo bioterra v15_n1_09
Artigo bioterra v15_n1_09
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Aula 2 introdução a qualidade ambiental qualidade
Aula 2   introdução a qualidade ambiental qualidadeAula 2   introdução a qualidade ambiental qualidade
Aula 2 introdução a qualidade ambiental qualidade
Giovanna Ortiz
 
Artigo bioterra v15_n1_08
Artigo bioterra v15_n1_08Artigo bioterra v15_n1_08
Artigo bioterra v15_n1_08
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 

Mais procurados (19)

4º edicao livro Terra de Riquesas
4º edicao livro Terra de Riquesas4º edicao livro Terra de Riquesas
4º edicao livro Terra de Riquesas
 
Apresentação trab. em grupo slides
Apresentação trab. em grupo slidesApresentação trab. em grupo slides
Apresentação trab. em grupo slides
 
Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...
Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...
Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...
 
Manual de educação ambiental vol 4
Manual de educação ambiental vol 4Manual de educação ambiental vol 4
Manual de educação ambiental vol 4
 
Desafio profissional teoria da contabilidade, ciências sociais e responsabil...
Desafio profissional teoria da contabilidade, ciências sociais e  responsabil...Desafio profissional teoria da contabilidade, ciências sociais e  responsabil...
Desafio profissional teoria da contabilidade, ciências sociais e responsabil...
 
Desafio profissional
Desafio profissionalDesafio profissional
Desafio profissional
 
Urbanização e Meio Ambiente
Urbanização e Meio AmbienteUrbanização e Meio Ambiente
Urbanização e Meio Ambiente
 
Guia boas praticas ambientais gov.sp
Guia boas praticas ambientais gov.spGuia boas praticas ambientais gov.sp
Guia boas praticas ambientais gov.sp
 
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo CheidaRQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
 
Gestão de Residuos
Gestão de ResiduosGestão de Residuos
Gestão de Residuos
 
V17n6a14colea de lixo em aterros
V17n6a14colea de lixo em aterrosV17n6a14colea de lixo em aterros
V17n6a14colea de lixo em aterros
 
Cartilha residuos solidos_furb[1]
Cartilha residuos solidos_furb[1]Cartilha residuos solidos_furb[1]
Cartilha residuos solidos_furb[1]
 
8° B - A sustentabilidade na rua
8° B -  A sustentabilidade na rua8° B -  A sustentabilidade na rua
8° B - A sustentabilidade na rua
 
Brochure PT
Brochure PTBrochure PT
Brochure PT
 
Cartilha PNRS
Cartilha PNRSCartilha PNRS
Cartilha PNRS
 
Revista Gestão Agroecológica do Camping do PAERVE
Revista Gestão Agroecológica do Camping do PAERVE Revista Gestão Agroecológica do Camping do PAERVE
Revista Gestão Agroecológica do Camping do PAERVE
 
Artigo bioterra v15_n1_09
Artigo bioterra v15_n1_09Artigo bioterra v15_n1_09
Artigo bioterra v15_n1_09
 
Aula 2 introdução a qualidade ambiental qualidade
Aula 2   introdução a qualidade ambiental qualidadeAula 2   introdução a qualidade ambiental qualidade
Aula 2 introdução a qualidade ambiental qualidade
 
Artigo bioterra v15_n1_08
Artigo bioterra v15_n1_08Artigo bioterra v15_n1_08
Artigo bioterra v15_n1_08
 

Semelhante a Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N2 2011

TCF sobre O lixo e os impactos no ambiente e na saúde da população de gamelei...
TCF sobre O lixo e os impactos no ambiente e na saúde da população de gamelei...TCF sobre O lixo e os impactos no ambiente e na saúde da população de gamelei...
TCF sobre O lixo e os impactos no ambiente e na saúde da população de gamelei...
Marcia Oliveira
 
ARTIGO: IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS DO LIXO
ARTIGO: IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS DO LIXOARTIGO: IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS DO LIXO
ARTIGO: IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS DO LIXO
aldrichgodeiro
 
oekobr
oekobroekobr
oekobr
alexandroesp
 
Oekobr - 2010
Oekobr - 2010Oekobr - 2010
Oekobr - 2010
clarkj_s
 
123
123123
V17n6a14
V17n6a14V17n6a14
LIXO NO BAIRRO PILOTO, DISSERTAÇÃO
LIXO NO BAIRRO PILOTO, DISSERTAÇÃOLIXO NO BAIRRO PILOTO, DISSERTAÇÃO
LIXO NO BAIRRO PILOTO, DISSERTAÇÃO
johnbasadila
 
A importancia da educação ambiental nas empresas
A importancia da educação ambiental nas empresasA importancia da educação ambiental nas empresas
A importancia da educação ambiental nas empresas
Adriane Martins da Silva
 
Apresentacao tcc
Apresentacao tccApresentacao tcc
Apresentacao tcc
Ágata Ruggieri
 
PGRS Arroio dos Ratos
PGRS Arroio dos RatosPGRS Arroio dos Ratos
PGRS Arroio dos Ratos
Sâmara Gomes
 
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 
Aterros Sanitarios - Situação atual do país 2019 PET.EAA
Aterros Sanitarios - Situação atual do país 2019 PET.EAAAterros Sanitarios - Situação atual do país 2019 PET.EAA
Aterros Sanitarios - Situação atual do país 2019 PET.EAA
PET. EAA
 
ARTIGO SILVIA COLETA SELETIVA E RESÍDUOS.pdf
ARTIGO SILVIA COLETA SELETIVA E RESÍDUOS.pdfARTIGO SILVIA COLETA SELETIVA E RESÍDUOS.pdf
ARTIGO SILVIA COLETA SELETIVA E RESÍDUOS.pdf
SimoneHelenDrumond
 
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo CheidaRQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
Adri Baldini
 
Resíduos sólidos e seus impactos no meio ambiente/Manaus
 Resíduos sólidos e seus impactos no meio ambiente/Manaus Resíduos sólidos e seus impactos no meio ambiente/Manaus
Resíduos sólidos e seus impactos no meio ambiente/Manaus
Joyce Nascimento
 
RESIDUOS SÓLIDOS - PANORAMA
RESIDUOS SÓLIDOS - PANORAMARESIDUOS SÓLIDOS - PANORAMA
RESIDUOS SÓLIDOS - PANORAMA
Helena Coura
 
Gestão dos resíduos sólidos urbanos no Município de Malhada-Bahia
Gestão dos resíduos sólidos urbanos no Município de Malhada-BahiaGestão dos resíduos sólidos urbanos no Município de Malhada-Bahia
Gestão dos resíduos sólidos urbanos no Município de Malhada-Bahia
Josedalva Farias Dos Santos
 
Carta Aberta Prefeito de Curitiba Gustavo Fruet
Carta Aberta Prefeito de Curitiba Gustavo FruetCarta Aberta Prefeito de Curitiba Gustavo Fruet
Carta Aberta Prefeito de Curitiba Gustavo Fruet
Jessica Pertile
 
Residuos solidos 1
Residuos solidos 1Residuos solidos 1
Residuos solidos 1
ALEXANDRE REIS DE AZEVEDO
 
Trabalho de geografia....pptx sustentabilidades ana paula edmara isabelle -...
Trabalho de geografia....pptx sustentabilidades ana paula   edmara isabelle -...Trabalho de geografia....pptx sustentabilidades ana paula   edmara isabelle -...
Trabalho de geografia....pptx sustentabilidades ana paula edmara isabelle -...
norivalfp
 

Semelhante a Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N2 2011 (20)

TCF sobre O lixo e os impactos no ambiente e na saúde da população de gamelei...
TCF sobre O lixo e os impactos no ambiente e na saúde da população de gamelei...TCF sobre O lixo e os impactos no ambiente e na saúde da população de gamelei...
TCF sobre O lixo e os impactos no ambiente e na saúde da população de gamelei...
 
ARTIGO: IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS DO LIXO
ARTIGO: IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS DO LIXOARTIGO: IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS DO LIXO
ARTIGO: IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS DO LIXO
 
oekobr
oekobroekobr
oekobr
 
Oekobr - 2010
Oekobr - 2010Oekobr - 2010
Oekobr - 2010
 
123
123123
123
 
V17n6a14
V17n6a14V17n6a14
V17n6a14
 
LIXO NO BAIRRO PILOTO, DISSERTAÇÃO
LIXO NO BAIRRO PILOTO, DISSERTAÇÃOLIXO NO BAIRRO PILOTO, DISSERTAÇÃO
LIXO NO BAIRRO PILOTO, DISSERTAÇÃO
 
A importancia da educação ambiental nas empresas
A importancia da educação ambiental nas empresasA importancia da educação ambiental nas empresas
A importancia da educação ambiental nas empresas
 
Apresentacao tcc
Apresentacao tccApresentacao tcc
Apresentacao tcc
 
PGRS Arroio dos Ratos
PGRS Arroio dos RatosPGRS Arroio dos Ratos
PGRS Arroio dos Ratos
 
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
 
Aterros Sanitarios - Situação atual do país 2019 PET.EAA
Aterros Sanitarios - Situação atual do país 2019 PET.EAAAterros Sanitarios - Situação atual do país 2019 PET.EAA
Aterros Sanitarios - Situação atual do país 2019 PET.EAA
 
ARTIGO SILVIA COLETA SELETIVA E RESÍDUOS.pdf
ARTIGO SILVIA COLETA SELETIVA E RESÍDUOS.pdfARTIGO SILVIA COLETA SELETIVA E RESÍDUOS.pdf
ARTIGO SILVIA COLETA SELETIVA E RESÍDUOS.pdf
 
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo CheidaRQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
RQS 2006 - Entrevista com Luiz Eduardo Cheida
 
Resíduos sólidos e seus impactos no meio ambiente/Manaus
 Resíduos sólidos e seus impactos no meio ambiente/Manaus Resíduos sólidos e seus impactos no meio ambiente/Manaus
Resíduos sólidos e seus impactos no meio ambiente/Manaus
 
RESIDUOS SÓLIDOS - PANORAMA
RESIDUOS SÓLIDOS - PANORAMARESIDUOS SÓLIDOS - PANORAMA
RESIDUOS SÓLIDOS - PANORAMA
 
Gestão dos resíduos sólidos urbanos no Município de Malhada-Bahia
Gestão dos resíduos sólidos urbanos no Município de Malhada-BahiaGestão dos resíduos sólidos urbanos no Município de Malhada-Bahia
Gestão dos resíduos sólidos urbanos no Município de Malhada-Bahia
 
Carta Aberta Prefeito de Curitiba Gustavo Fruet
Carta Aberta Prefeito de Curitiba Gustavo FruetCarta Aberta Prefeito de Curitiba Gustavo Fruet
Carta Aberta Prefeito de Curitiba Gustavo Fruet
 
Residuos solidos 1
Residuos solidos 1Residuos solidos 1
Residuos solidos 1
 
Trabalho de geografia....pptx sustentabilidades ana paula edmara isabelle -...
Trabalho de geografia....pptx sustentabilidades ana paula   edmara isabelle -...Trabalho de geografia....pptx sustentabilidades ana paula   edmara isabelle -...
Trabalho de geografia....pptx sustentabilidades ana paula edmara isabelle -...
 

Mais de Flávio Henrique Ferreira Barbosa

Artigo abmba v9_n1_2021_02
Artigo abmba v9_n1_2021_02Artigo abmba v9_n1_2021_02
Artigo abmba v9_n1_2021_02
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 
Artigo abmba v9_n1_2021_01
Artigo abmba v9_n1_2021_01Artigo abmba v9_n1_2021_01
Artigo abmba v9_n1_2021_01
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 
Artigo abmba v8_n2_2020_01
Artigo abmba v8_n2_2020_01Artigo abmba v8_n2_2020_01
Artigo abmba v8_n2_2020_01
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 
Artigo abmba v8_n1_2020_01
Artigo abmba v8_n1_2020_01Artigo abmba v8_n1_2020_01
Artigo abmba v8_n1_2020_01
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 
Artigo abmba v7_n2_2019_01
Artigo abmba v7_n2_2019_01Artigo abmba v7_n2_2019_01
Artigo abmba v7_n2_2019_01
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 
Artigo abmba v7_n1_2019_01
Artigo abmba v7_n1_2019_01Artigo abmba v7_n1_2019_01
Artigo abmba v7_n1_2019_01
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 
Artigo abmba v6_n2_2018_01
Artigo abmba v6_n2_2018_01Artigo abmba v6_n2_2018_01
Artigo abmba v6_n2_2018_01
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 
Artigo abmba v6_n1_2018_01
Artigo abmba v6_n1_2018_01Artigo abmba v6_n1_2018_01
Artigo abmba v6_n1_2018_01
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 
Artigo abmba v5_n2_2017_01
Artigo abmba v5_n2_2017_01Artigo abmba v5_n2_2017_01
Artigo abmba v5_n2_2017_01
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 
Artigo abmba v5_n1_2017_01
Artigo abmba v5_n1_2017_01Artigo abmba v5_n1_2017_01
Artigo abmba v5_n1_2017_01
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 
Artigo abmba v4_n2_2016_01
Artigo abmba v4_n2_2016_01Artigo abmba v4_n2_2016_01
Artigo abmba v4_n2_2016_01
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 
Artigo abmba v4_n1_2016_01
Artigo abmba v4_n1_2016_01Artigo abmba v4_n1_2016_01
Artigo abmba v4_n1_2016_01
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 
Artigo abmba v3_n2_2015_01
Artigo abmba v3_n2_2015_01Artigo abmba v3_n2_2015_01
Artigo abmba v3_n2_2015_01
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 
Artigo abmba v3_n1_2015_01
Artigo abmba v3_n1_2015_01Artigo abmba v3_n1_2015_01
Artigo abmba v3_n1_2015_01
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 
Artigo abmba v2_n2_2014_01
Artigo abmba v2_n2_2014_01Artigo abmba v2_n2_2014_01
Artigo abmba v2_n2_2014_01
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 
Artigo abmba v2_n1_2014_01
Artigo abmba v2_n1_2014_01Artigo abmba v2_n1_2014_01
Artigo abmba v2_n1_2014_01
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N2 2013
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N2 2013Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N2 2013
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N2 2013
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N2 2013
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N2 2013Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N2 2013
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N2 2013
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N1 2013
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N1 2013Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N1 2013
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N1 2013
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N1 2013
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N1 2013Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N1 2013
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N1 2013
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 

Mais de Flávio Henrique Ferreira Barbosa (20)

Artigo abmba v9_n1_2021_02
Artigo abmba v9_n1_2021_02Artigo abmba v9_n1_2021_02
Artigo abmba v9_n1_2021_02
 
Artigo abmba v9_n1_2021_01
Artigo abmba v9_n1_2021_01Artigo abmba v9_n1_2021_01
Artigo abmba v9_n1_2021_01
 
Artigo abmba v8_n2_2020_01
Artigo abmba v8_n2_2020_01Artigo abmba v8_n2_2020_01
Artigo abmba v8_n2_2020_01
 
Artigo abmba v8_n1_2020_01
Artigo abmba v8_n1_2020_01Artigo abmba v8_n1_2020_01
Artigo abmba v8_n1_2020_01
 
Artigo abmba v7_n2_2019_01
Artigo abmba v7_n2_2019_01Artigo abmba v7_n2_2019_01
Artigo abmba v7_n2_2019_01
 
Artigo abmba v7_n1_2019_01
Artigo abmba v7_n1_2019_01Artigo abmba v7_n1_2019_01
Artigo abmba v7_n1_2019_01
 
Artigo abmba v6_n2_2018_01
Artigo abmba v6_n2_2018_01Artigo abmba v6_n2_2018_01
Artigo abmba v6_n2_2018_01
 
Artigo abmba v6_n1_2018_01
Artigo abmba v6_n1_2018_01Artigo abmba v6_n1_2018_01
Artigo abmba v6_n1_2018_01
 
Artigo abmba v5_n2_2017_01
Artigo abmba v5_n2_2017_01Artigo abmba v5_n2_2017_01
Artigo abmba v5_n2_2017_01
 
Artigo abmba v5_n1_2017_01
Artigo abmba v5_n1_2017_01Artigo abmba v5_n1_2017_01
Artigo abmba v5_n1_2017_01
 
Artigo abmba v4_n2_2016_01
Artigo abmba v4_n2_2016_01Artigo abmba v4_n2_2016_01
Artigo abmba v4_n2_2016_01
 
Artigo abmba v4_n1_2016_01
Artigo abmba v4_n1_2016_01Artigo abmba v4_n1_2016_01
Artigo abmba v4_n1_2016_01
 
Artigo abmba v3_n2_2015_01
Artigo abmba v3_n2_2015_01Artigo abmba v3_n2_2015_01
Artigo abmba v3_n2_2015_01
 
Artigo abmba v3_n1_2015_01
Artigo abmba v3_n1_2015_01Artigo abmba v3_n1_2015_01
Artigo abmba v3_n1_2015_01
 
Artigo abmba v2_n2_2014_01
Artigo abmba v2_n2_2014_01Artigo abmba v2_n2_2014_01
Artigo abmba v2_n2_2014_01
 
Artigo abmba v2_n1_2014_01
Artigo abmba v2_n1_2014_01Artigo abmba v2_n1_2014_01
Artigo abmba v2_n1_2014_01
 
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N2 2013
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N2 2013Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N2 2013
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N2 2013
 
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N2 2013
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N2 2013Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N2 2013
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N2 2013
 
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N1 2013
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N1 2013Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N1 2013
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N1 2013
 
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N1 2013
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N1 2013Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N1 2013
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N1 2013
 

Último

01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
danielecarvalho75
 
Divulgação científica: o cientista e a mídia
Divulgação científica: o cientista e a mídiaDivulgação científica: o cientista e a mídia
Divulgação científica: o cientista e a mídia
N G
 
Divulgação científica: o jornalista, o cientista e a mídia
Divulgação científica: o jornalista, o cientista e a mídiaDivulgação científica: o jornalista, o cientista e a mídia
Divulgação científica: o jornalista, o cientista e a mídia
N G
 
Aula sobre As camadas internas da Terra.pdf
Aula sobre  As camadas internas da Terra.pdfAula sobre  As camadas internas da Terra.pdf
Aula sobre As camadas internas da Terra.pdf
Marcos634937
 
6-Ano-Vida-e-Evolução-Sistema Locomotor e interação com sistema nervso.pptx
6-Ano-Vida-e-Evolução-Sistema Locomotor e interação com sistema nervso.pptx6-Ano-Vida-e-Evolução-Sistema Locomotor e interação com sistema nervso.pptx
6-Ano-Vida-e-Evolução-Sistema Locomotor e interação com sistema nervso.pptx
GilneyCdeOliveira
 
LILACS/OFICINA, CONHECENDO E EXPLORANDO.
LILACS/OFICINA, CONHECENDO E EXPLORANDO.LILACS/OFICINA, CONHECENDO E EXPLORANDO.
LILACS/OFICINA, CONHECENDO E EXPLORANDO.
MateusAdriel1
 
GENÉTICA PRIMEIRA LEI DE MENDEL E SEGUNDA LEI DE MENDEL
GENÉTICA PRIMEIRA LEI DE MENDEL E SEGUNDA LEI DE MENDELGENÉTICA PRIMEIRA LEI DE MENDEL E SEGUNDA LEI DE MENDEL
GENÉTICA PRIMEIRA LEI DE MENDEL E SEGUNDA LEI DE MENDEL
danielecarvalho75
 

Último (7)

01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
Divulgação científica: o cientista e a mídia
Divulgação científica: o cientista e a mídiaDivulgação científica: o cientista e a mídia
Divulgação científica: o cientista e a mídia
 
Divulgação científica: o jornalista, o cientista e a mídia
Divulgação científica: o jornalista, o cientista e a mídiaDivulgação científica: o jornalista, o cientista e a mídia
Divulgação científica: o jornalista, o cientista e a mídia
 
Aula sobre As camadas internas da Terra.pdf
Aula sobre  As camadas internas da Terra.pdfAula sobre  As camadas internas da Terra.pdf
Aula sobre As camadas internas da Terra.pdf
 
6-Ano-Vida-e-Evolução-Sistema Locomotor e interação com sistema nervso.pptx
6-Ano-Vida-e-Evolução-Sistema Locomotor e interação com sistema nervso.pptx6-Ano-Vida-e-Evolução-Sistema Locomotor e interação com sistema nervso.pptx
6-Ano-Vida-e-Evolução-Sistema Locomotor e interação com sistema nervso.pptx
 
LILACS/OFICINA, CONHECENDO E EXPLORANDO.
LILACS/OFICINA, CONHECENDO E EXPLORANDO.LILACS/OFICINA, CONHECENDO E EXPLORANDO.
LILACS/OFICINA, CONHECENDO E EXPLORANDO.
 
GENÉTICA PRIMEIRA LEI DE MENDEL E SEGUNDA LEI DE MENDEL
GENÉTICA PRIMEIRA LEI DE MENDEL E SEGUNDA LEI DE MENDELGENÉTICA PRIMEIRA LEI DE MENDEL E SEGUNDA LEI DE MENDEL
GENÉTICA PRIMEIRA LEI DE MENDEL E SEGUNDA LEI DE MENDEL
 

Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N2 2011

  • 1. CIÊNCIA EQUATORIAL ISSN 2179-9563   Artigo Original Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011           PERCEPÇÃO DOS MORADORES DO BAIRRO NOVO ORIENTE QUANTO AOS IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE LUZ – MG   Grazielle Araujo Lopes Cançado1 ; Larissa Paula Jardim de Lima Barbosa2 ; Flávio Henrique Ferreira Barbosa3         RESUMO   Hoje os resíduos sólidos são considerado um dos maiores impactos, ambientais existentes em todo planeta. Com o crescimento da população, aumenta gradativamente o consumo e volume de materiais sólidos ou semissólidos. É necessário despertar a população para uma consciência ambientalista O estudo foi realizado entre os moradores do bairro Novo Oriente do município de Luz – MG, entre os meses de novembro de 2008 a setembro de 2009, com o objetivo de verificar a percepção dos moradores sobre o conhecimento e a conscientização quanto aos impactos ambientais causados pelo lixo, a participação dos moradores na separação do resíduo sólido para coleta seletiva e se o projeto da Prefeitura Municipal de Luz – MG, foi eficiente. Nos resultados obtidos, observou que 76% dos moradores não separam o lixo em sua residência antes de ser recolhido. 65% dos moradores não reutiliza nenhum material que seria jogado no lixo. Quanto à preservação do meio ambiente 10% dos moradores afirmam nunca ter contribuído para preservar o meio ambiente em que vive. Podemos concluir que os moradores do bairro Novo Oriente tem consciência dos impactos ambientais causados pelo lixo, e na maioria das vezes não contribuem para diminuição do mesmo. A Prefeitura para obter melhores resultados do projeto sobre a coleta seletiva precisa criar meios de estar divulgando e criando campanhas informativas, convencendo os moradores de que é importante a sua participação. Sendo que a implantação da coleta seletiva é um processo continuo que é ampliado gradativamente.   Palavras-chave: Resíduos sólidos, Impacto ambiental, Conscientização, Coleta seletiva.       PERCEPTIONS OF RESIDENTS OF NOVO ORIENTE NEIGHBORHOOD AS TO ENVIRONMENTAL IMPACTS CAUSED BY SOLID WASTE IN THE CITY LUZ - MG   ABSTRACT   Today the solid waste is considered one of the greatest impacts, environmental agencies across the planet. With population growth, consumption gradually increases and volume of solids or semissólidos. It is necessary to awaken the population to environmental awareness The study was conducted among residents of Novo Oriente neighborhood of the city Luz - MG, between the months of November 2008 through September 2009, with the objective of verifying the perception of residents about knowledge and awareness of the environmental impacts caused by garbage, the participation of residents in separating waste to collection and the design of the city Luz - MG, was efficient. The results obtained showed that 76% of residents do not segregate the garbage at his home before being collected. 65% of residents do not reuse any material that would be thrown in the trash. As for preserving the environment 10% of residents claim never to have contributed to preserving the environment in which he lives. We can conclude that the residents of Novo Oriente neighborhood is aware of the environmental impacts caused by solid waste, and most often do not contribute to reduction. The City Hall for better project results on the selective collection must create ways of being and creating disseminating information campaigns, convincing residents that their participation is important. Since the implementation of selective collection is an ongoing process that is gradually expanded.   Keywords: Solid Waste, Environmental Impact, Awareness, Selective collection.
  • 2. Ciência Equatorial, Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011 Página 40   INTRODUÇÃO   O crescimento da população tem causado um adensamento no volume do lixo nas últimas décadas, trazendo problemas ambientais em função da má distribuição desse resíduo. Visando uma melhora nas condições ambientais, saúde e na vida das futuras gerações, faz se necessário o desenvolvimento de uma consciência ambientalista. Parte da população do Brasil tem se despertado nos últimos anos para a preocupação com relação ao lixo gerado no perímetro urbano e sua destinação. O lixo nos últimos anos vem deixando de ser apenas um produto de descarte, inútil e repelente, sendo um grande problema desde a coleta, manuseio, transporte, e descarte final (HAMADA; CAVAGUTI, 1997). Atualmente as constantes campanhas de Educação Ambiental para haver conscientização e a participação de todos os cidadãos, estão ocasionando mudanças radicais a respeito do lixo. Nas cidades as populações urbanas têm aumentado a cada dia, e nos interiores dos estados já se encontram cidades com programas de coleta seletiva. O que vem de encontro com a preservação do Meio Ambiente, diminuindo os resíduos e detritos sólidos, que entulham e polui a natureza, o que faz surgir Cooperativas de Coleta Seletiva do Lixo (OLIVEIRA, 1996). Para um adequado destino final do lixo uma das medidas existentes, mais recente e ecologicamente corretas é a coleta seletiva, que consiste em separar os resíduos de acordo com sua natureza e encaminhar a uma usina de reciclagem para transformar estes resíduos em matérias – primas e conduzi-los às indústrias (OLIVEIRA, 2006). De acordo com a Lei Estadual nº 12.040/95 de Minas Gerais, os municípios de menor porte e mais pobres serão favorecidos se dispor adequadamente o lixo de pelo menos 70% da população e receberá o ICMS ecológico, que avalia trimestralmente os municípios beneficiando-se de uma quota - parte do ICMS (PRADO FILHO; SOBREIRA, 2007). A resolução 358, de 29 de abril de 2005, do Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA), aplica-se aos serviços relacionados com o atendimento à saúde animal e humano. Dispõe sobre o tratamento e a disposição final dos serviços de saúde, tendo como objetivo a preservação da saúde pública e a qualidade do meio ambiente. O município de Luz – MG possui vários problemas ambientais, entre eles o mais visível é o lixo. Em 2006, foi iniciado o programa de coleta seletiva com a população, com a abertura da Cooperativa de Coleta Seletiva do Lixo. A coleta seletiva não é respeitada por parte da população e todo o lixo que não pode ser reaproveitado é destinado ao aterro controlado. A cooperativa de coleta seletiva fica situada dentro da cidade, no bairro Novo Oriente, a quantidade de moscas, baratas, ratos é muito grande e podem ser encontrados em muitos bairros. A prefeitura usa de vários incentivos para trabalhar com a população a coleta seletiva, mas não possui cestos de lixo suficientes nas calçadas e praças da cidade. Sendo assim, este trabalho buscou verificar a percepção dos moradores do Bairro Novo Oriente no que tange a coleta seletiva e os impactos ambientais do lixo no município de Luz – MG.       DESENVOLVIMENTO O que é o Lixo? Sendo um dos maiores problemas ambientais da atualidade, o lixo é todo e qualquer resíduo no estado sólido ou semissólido proveniente do que sobra das atividades humanas ou provenientes da natureza. O conceito de lixo pode ser considerado uma concepção humana, porque em processos naturais não há lixo, apenas produtos inertes (CRUZ, 2006).   Problemas Causados Pelo Lixo No Meio Ambiente   O lixo há muitos anos é produzido em grandes quantidades, e a má administração, pode provocar: gastos financeiros, danos ao meio ambiente, comprometer a saúde e o bem- estar da população, a destinação final inadequada dos resíduos pode levar à
  • 3. Ciência Equatorial, Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011 Página 41   contaminação do ar, da água, do solo e ajuda a proliferação de vetores nocivos à saúde humana. Em todos os lugares do mundo existe o problema sobre onde armazenar os lixos produzidos por suas comunidades. A redução do volume do lixo, a coleta seletiva e a reutilização de lixo reciclável são fatores importantes e que pode reduzir, o grande problema é que muitas substâncias são biodegradáveis, levando muitos anos para se decompor, o que leva rapidamente a poluição (CUNHA; CAIXETA FILHO, 2002). No Brasil a população chega em 189,6 milhões de habitantes, a quantidade de lixo coletado diariamente no país é de 228.413 toneladas, o que representa 1,25kg por habitante. A pesquisa mostra que o lixo produzido nas residências brasileiras é coletado (85%) diretamente do domicílio pelos órgãos de limpeza urbana; os despejados em caçambas, tanques ou depósitos (9%) são coletados indiretamente e, os jogados nas ruas, terrenos baldios, etc. (3%) são queimados ou enterrados (BRASIL, 2001). De acordo com Ministério do Meio Ambiente (BRASIL, 2009), os diversos setores do governo prometem investimentos em projetos ligados à reciclagem, coleta seletiva e capacitação de municípios para gestão do lixo que ultrapassam R$ 220 milhões. O que mostra um desafio sendo que seria necessário nada menos que 1,5 bilhões para construir instalações adequadas nos municípios brasileiros.   Classificações do lixo   O lixo é classificado no modo geral como inorgânico e orgânico. No lixo inorgânico, encontramos vidros, papelões, ferros, metais não ferrosos, plásticos, restos de tecidos, couros, isopor, borrachas, fios, calçados e etc. No lixo orgânico estão os papéis (higiênicos, guardanapos, lenços de papel, absorventes, fraldas descartáveis), restos de alimentos, vegetais, frutas, pó de limpeza caseira, ossos e etc. Muitas vezes o lixo recolhido por caminhões é lançado nos arredores da cidade, nos chamados lixões (FIGURA 1) para onde são destinados cerca de 80% dos resíduos produzidos pelos municípios brasileiros (CRUZ, 2006).                                 Figura 1. Antigo Lixão do Município de Luz –MG (2009).   Domiciliar / Urbano   A maior parte do lixo produzido na cidade corresponde ao lixo domiciliar, provenientes de residências, estabelecimentos industriais e comerciais. Variando conforme o padrão de vida da população, clima, hábitos da cidade. Sendo possível encontrar nas cidades do interior e áreas rurais, um número maior de lixo orgânico na composição do lixo doméstico do que a encontrada em grandes centros urbanos (MOTA, 2005). A aplicação de composto ou de vermicomposto de lixo urbano no solo aumenta a permeabilidade, a agregação de partículas minerais, o fornecimento de macro e micronutrientes, diminui a acidez (inclusive o alumínio trocável) e aumenta a atividade biológica. Desta forma, é preciso considerar os riscos ambientais de sua utilização, especialmente se feita de forma descontrolada e sem discernimentos. Uma das limitações do emprego desses adubos orgânicos é a presença de metais pesados em concentrações relativamente altas, que podem acumular-se no solo, inexequível no seu uso agrícola, e nas plantas, prejudicando a saúde dos consumidores (EGREJA FILHO, 1993).   Público   Origina-se de limpeza pública urbana, incluindo todos os resíduos de varrição das vias públicas, limpeza de praias, de galerias, de córregos e de terrenos, restos de podas de árvores, de limpeza de áreas de feiras livres, constituídos por restos vegetais diversos, embalagens etc. (CRUZ, 2006).
  • 4. Ciência Equatorial, Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011 Página 42       Serviços de Saúde e Hospitalar   O lixo de Serviços de Saúde e Hospitalar é constituído por resíduos sépticos, provenientes de descartes cirúrgicos e similares, como seringas, gases, algodão, órgão, tecidos etc. Sendo considerados contaminados (CRUZ, 2006). No Brasil, há mais de 30 mil unidades de saúde, produzindo resíduos e a maioria das cidades, a questão da destinação final dos resíduos urbanos não está resolvida. Ainda possui uma taxa muito baixa de incineradores para lixo hospitalar instalados ou em operação no Brasil, e pequeno número de unidades de saúde que manuseiam seus resíduos dentro de padrões considerados satisfatórios. Este tipo de lixo deve ser manejado de maneira especial, devem ser colocados em recipientes próprios, em local separado e coletado separadamente, por profissionais protegidos por equipamentos de segurança, destinado no final em área isolada de aterro especial ou então incinerado (FERREIRA, 1995).   Comercial   O lixo comercial é originado dos diversos estabelecimentos comerciais e de serviços como, supermercados, estabelecimentos bancários, lojas, bares, bancos, mercados, escritórios, restaurantes, etc. O lixo destes estabelecimentos e serviços tem um forte elemento de papel, plásticos, diversas embalagens e resíduos de asseio dos funcionários (CRUZ, 2006).   Industrial   É originado nas atividades dos distintos ramos da indústria, tais como: petroquímica, química, metalúrgica, papeleira, alimentícia, etc. O lixo industrial é variado, podendo ser representado por lodos, cinzas, resíduos alcalinos ou ácidos, madeira, papel, plásticos, fibras, borracha, metal, vidros, cerâmicas, escórias etc. O maior número do lixo industrial é considerado tóxico o que exigem manejo, coleta e destinação especiais. No Brasil, o sistema mais completo é o de incineradores de alta eficiência, mas que provoca um grande problema para o meio ambiente, que são as cinzas da queima, que devem ir para um aterro que receba resíduos perigosos (ALVES, 1994).   Agrícola   É formado por resíduos sólidos das atividades agrícolas e da pecuária, como embalagens de adubos, restos de colheita, ração, defensivos agrícolas, etc. Estes resíduos em várias regiões do mundo já são uma preocupação crescente, destacando-se as enormes quantidades de esterco animal gerados nas fazendas de pecuária intensiva. As embalagens de agroquímicos diversos, em geral altamente tóxicos, têm sido alvo de legislação específica, definindo os cuidados na sua destinação final e, por vezes, corresponsabilizando a própria indústria fabricante destes produtos (ALVES, 1994).   Portos, aeroportos e terminais rodoviários ou ferroviários.   Caracterizado como resíduos sépticos, ou seja, aqueles que contêm ou podem conter germes patogênicos, trazidos aos portos, terminais rodoviários e aeroportos. Iniciam-se basicamente de materiais de higiene, asseio pessoal e restos de alimentação que podem veicular doenças provenientes de outras cidades, estados e países (CRUZ, 2006).   Construção Civil ou Entulho   Entulho são resíduos da construção civil, compostos por materiais de demolições, solos de escavações diversas, restos de obras, etc. O entulho geralmente é um material inerte, passível de reaproveitamento, porém, contém materiais que podem lhe conferir toxidade, com destaque para os restos de tintas e solventes, peças de amianto e metais diversos, cujos componentes podem ser remobilizados caso o material não seja disposto adequadamente (CRUZ, 2006).   Especial   Formado por resíduos em regime de produção transitória, merece tratamento, manipulação e transporte especial, são eles,
  • 5. Ciência Equatorial, Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011 Página 43   veículos abandonados, descarga de lixo em locais não apropriados, animais mortos em estradas, pneus abandonados, pilhas, baterias, embalagens de agrotóxicos e etc. (CONSTAT CONSULTORES ESTATÍSTICOS LTDA, 2003).   Atômico   Denomina-se lixo atômico todo produto resultante da queima do combustível nuclear, composto de urânio enriquecido com isótopo atômico 235. A elevada radioatividade constitui um grave perigo à saúde da população, por isso deve ser enterrado em local próprio, inacessível (ALVES, 1994).   Espacial   Sobras provenientes dos objetos lançados pelo homem no espaço, que circulam ao redor da Terra com a velocidade de cerca de 30 mil quilômetros por hora. São estágios completos de foguetes, satélites desativados, tanques de combustível e fragmentos de aparelhos que explodiram normalmente por acidente ou foram destruídos pela ação das armas antissatélites (CRUZ, 2006).   Radioativo   É um resíduo tóxico e venenoso e é formado por substâncias radioativas resultantes do funcionamento de reatores nucleares. Como não há um lugar seguro para armazenar esse lixo radioativo, a alternativa recomendada pelos cientistas é colocá-lo em tambores ou recipientes de concreto impermeáveis e a prova de radiação, e enterrados em terrenos estáveis, no subsolo (CRUZ, 2006).       Métodos de tratamento e disposição final   Aterros Sanitários   É um método utilizado para a disposição de resíduos sólidos no solo, o lixo domiciliar em critérios de engenharia e normas operacionais específicas, permite a confinação segura em termos de controle de poluição ambiental, proteção a saúde pública, através de confinamento em camadas cobertas, geralmente, solo, de acordo com normas operacionais específicas e de modo a evitar danos ou riscos à saúde pública e à segurança, minimizando os impactos ambientais (OLIVEIRA, 2006).                                 Figura 2. Desenho esquemático do aterro sanitário.   A desvantagem dos aterros sanitários é o desperdício de matérias primas. A matéria orgânica e materiais inorgânicos que poderiam ser reciclados é muito grande. As administrações não se deram conta do desperdício que acarreta. Quando estabelecer os custos ambientais na produção de manufaturados e dos serviços, os custos de implantação, manutenção e gerenciamento dos aterros tenderão a crescer, diminuindo a implantação de novos aterros, e novas práticas de gerenciamento de lixo deverão ser adotadas. Diversos tipos de resíduos ainda deverão ter como destino os aterros sanitários, mas muito inferior aos números que são dispostos atualmente (ACSELRAD et al., 1993). Conforme OLIVEIRA (2006), afirma que o aterro sanitário é o que agrupa as melhores vantagens, considerando a diminuição dos impactos ocasionados pelo descarte dos resíduos sólidos urbanos. As seguintes vantagens que o aterro sanitário possui:  Operação e manutenção relativamente baixas.  Respeitadas as normas de instalação e funcionamento constitui uma técnica ambiental confiável.  Recuperação de gás metano.
  • 6. Ciência Equatorial, Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011 Página 44    Impedem a proliferação de animais vetores.  Recuperação limitada de áreas para uso público. Desvantagens:  Gastos decorrentes da contaminação pelo chorume e poluição.  Comprimento físico de áreas extensas.  Controle operacional.  Desperdício de matérias-primas que poderiam ser reaproveitadas.  Necessidade de grandes áreas para a sua implantação.   Incineração ainda é pouco propagado, devido ao seu custo elevado, sendo os resíduos sólidos industriais muitas vezes mandados a aterros de classe I, enquanto que os resíduos de serviços de saúde são dispostos em celas especiais de aterros sanitários comuns. No entanto, com a diminuição do espaço nacional para construção desses aterros e com o fim da vida útil dos existentes, esta técnica passará a ser uma escolha muito mais viável (SILVA, 2008). Em maio de 2001, o Brasil assinou a Convenção de Estocolmo, tratado da Organização das Nações Unidas (ONU) que trata do combate aos Poluentes Orgânicos Persistentes, e que aponta a incineração de resíduos como uma das principais fontes geradoras destes poluentes. A Convenção recomenda que o uso de incineradores seja eliminado progressivamente (SILVA, 2008). Vantagens:  Redução do peso e do volume;  Produz um resíduo sólido estéril;    Não há contato direto dos       Figura 3. Incinerador     Processo de destruição térmica ou combustão do lixo que obtém redução do peso, volume e recuperação energética, com produção de gases e cinzas altamente poluentes, onde a temperatura, a turbulência e o tempo de permanência são fatores determinantes. A redução de volume é geralmente superior a 90% e em peso, superior a 75%. Alguns tipos de resíduos exigem a sua utilização, como a queima de dinheiro fora de circulação, remédios com prazo de validade vencidos ou contaminados, alimentos deteriorados, materiais tóxicos e drogas e, material gráfico apreendido pela polícia, dentre outros (ACSELRAD et al., 1993). A incineração internacionalmente tem sido um dos tratamentos preferenciais para resíduos sólidos industriais e os resíduos de serviços de saúde devido às suas características tóxicas ou patogênicas, constituem um grande problema para a sociedade e para o meio ambiente. No Brasil, operadores com o lixo;  Pode receber todos os tipos de resíduos/lixo;  Possibilidade de reaproveitar a energia do lixo incinerado (OLIVEIRA, 2006) Desvantagens:  Requer custos elevados para a sua manutenção, implantação e operação;  Torna-se fonte de poluição;  Necessidade de dispor as cinzas tóxicas em aterros sanitários;  Sem preparação do lixo, há desperdício de materiais reaproveitáveis (OLIVEIRA, 2006).   Coleta Seletiva
  • 7. Ciência Equatorial, Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011 Página 45                                 Figura 4. RELUZ Cooperativa de Coleta Seletiva Município de Luz/MG (2009).   A coleta seletiva pode ser definida como a correta separação dos vários tipos de resíduos, em recipientes diferenciados, para que sejam encaminhados com vistas à comercialização (EIGENHEER, 1993). A coleta seletiva de lixo iniciou-se no Brasil, de forma sistemática e documentada, em abril de 1985, em São Francisco, bairro da cidade de Niterói, no Rio de Janeiro. Implantado através da Universidade Federal Fluminense - UFF - e do Centro Comunitário de São Francisco – CCSF (EIGENHEER, 1993). Apesar de ser uma excelente alternativa para a redução de resíduos com destino aos aterros, os resíduos que são reutilizados ou re- ciclados são muito poucos, deve-se ao mau acondicionamento dos resíduos pela população, fato este gerado pela falta de informação acerca da coleta seletiva. Outros fatores que contribuem é o alto custo da coleta seletiva para as municipalidades e a falta de um sistema corretamente dimensionado em termos da capacidade de armazenamento e processamento de resíduos nas unidades de triagem (MONTEIRO; ZVEIBIL, 2001). Para colocar a coleta seletiva em prática depende basicamente de vontade política para conscientizar e informar a população sobre os objetivos a alcançar, despertando a vontade de colaboração (SCARLATO; PONTIN, 1997). Conforme OLIVEIRA (2006), afirma que a coleta seletiva, possui as seguintes vantagens:  Diminuir a exploração de recursos naturais renováveis e não renováveis;  Diminui a poluição do solo, água e ar;    Diminui a proliferação de doenças e a contaminação de alimentos;  Diminui os custos da produção, com o aproveitamento de recicláveis para indústrias;  Diminui o desperdício;  Diminui gastos com a limpeza urbana;  Reduz consumo de energia;  Prolonga a vida útil dos aterros sanitários;  Melhora a qualidade do composto produzido a partir da matéria orgânica;  Melhora limpeza na cidade;  Possibilita a reciclagem de materiais que iriam para o lixo;  Cria oportunidade de fortalecer organizações comunitárias;  Gera empregos para a população;  Gera renda pela comercialização dos recicláveis.   Usinas de Compostagem   É um processo de decomposição biológica da matéria orgânica presente no lixo, por meio da ação de microorganismos existentes nos resíduos, em condições adequadas de aeração, umidade e temperatura. A utilização do processo de compostagem por meio das usinas para tratamento da fração orgânica dos resíduos sólidos urbanos é relativamente nova no Brasil (VASCONCELOS, 2003). As primeiras usinas instaladas no país datam da década de 70, e são acompanhadas por inúmeros problemas de processos e qualidade dos compostos que contribuem para o seu atual descrédito (LELIS; PEREIRA NETO, 2001). O resultado da decomposição do material orgânico é um composto que pode ser utilizado para adubar vasos, jardins e hortas comunitárias (OLIVEIRA, 2006).   Reciclagem e Reutilização   A grande produção de lixo e o descarte prematuro de materiais que ainda são passíveis
  • 8. Ciência Equatorial, Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011 Página 46   de reutilização ou reciclagem podem refletir uma atitude marcada pelo desperdício. Reutilizar significa aproveitar novamente um objeto para alguma finalidade, em vez de descartá-lo, como usar latas de cerveja como porta-lápis ou garrafas PET, como brinquedos. Reciclar significa aproveitar o material, transformando um objeto para transformá-lo em um novo. Por exemplo, restos de alimento geram adubos ou papel usado e dá lugar a papel reciclado (CRUZ, 2006). Conforme BRASIL, no uso das atribuições que lhe conferem a Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981, e tendo em vista o disposto na Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, e no Decreto no 3.179, de 21 de setembro de 1999, estabelece o código de cores para os diferentes tipos de resíduos, a ser adotado na identificação de coletores e transportadores, bem como nas campanhas informativas para a coleta seletiva.                                 Figura 5. Cores da Coleta Seletiva       Biodigestão   Representa uma alternativa para o tratamento de resíduos, pois além de permitir a redução do potencial poluidor e dos riscos sanitários dos dejetos ao mínimo, promove a geração do biogás, utilizado como fonte de energia alternativa e permite a reciclagem do efluente, podendo ser utilizado como biofertilizante (AMARAL et al., 2004). O biogás é uma mistura gasosa, com predominância de gás metano (60% em média) e gás carbônico (38% em média), pouco nitrogênio e hidrogênio, além de apresentar traços de gás sulfídrico (LIMA et al., 2004). O biodigestor consiste, basicamente, em uma câmara fechada onde a biomassa o volume de esterco suíno produzido é fermentada, sem a presença do ar atmosférico, produzindo biogás e biofertilizante. O biodigestor é um aparelho destinado a conter a biomassa e o produto desta, o biogás. Por si só, o biodigestor não produz o biogás, mas cria condições para que as bactérias metanogênicas que degradam a matéria orgânica produzindo o gás metano atuem sobre os materiais orgânicos na produção deste combustível. Biodigestor apresenta-se como fonte alternativa de produção e geração de energia. Evidentemente, a quantidade de energia produzida é, em geral, muito menor que a das hidrelétricas, devido, especialmente ao porte destas em relação ao número de biodigestores, mas em compensação os impactos ambientais e sociais aproximam-se do zero, a produção de energia é barata, e o aproveitamento dos resíduos animais evita que estes sejam lançados no meio ambiente, poluindo-o (GASPAR, 2003).   Aterro Controlado                                 Figura 6. Aterro Controlado Luz - MG (2009)   O aterro controlado no ponto de vista ambiental, não é considerado uma forma adequada de disposição de resíduos porque os problemas ambientais de contaminação da água, do ar e do solo não são evitados, já que não são utilizados todos os recursos de engenharia e saneamento que evitariam a contaminação do ambiente. Embora, representa uma alternativa melhor do que os lixões, e se diferenciam destes por possuírem a cobertura diária dos resíduos com solo e o controle de entrada e saída de pessoas (BRASIL, 2005).
  • 9. Ciência Equatorial, Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011 Página 47   Vetores  Formas de    Transmissão    Enfermidades        Barata  Contaminação    dos alimentos  através das  fezes, patas e  do corpo  Febre Tifóide,    Giardíase, Cólera  e outras doenças  Gastrointestinais  Rato e    Pulga  Mordida,  pulga e urina  Leptospirose,    Peste Bubônica,  Tifo      Mosquito    Picada da  fêmea  Malaria, Febre    Amarela,  Dengue,  Leishmaniose        Mosca  Contaminação    dos alimentos  através de  patas e do  corpo  Febre Tifóide ,    Cólera,  Amebíase,  Giardíase,  Ascaridíase  Aves  Através de    fezes  Toxoplasmose,    Hitoplasmose  Gado e    Porco  Pela ingestão    de carne  contaminada    Cisticercose,  Teníase  Cão e    Gato  Urina e fezes    Toxoplasmose  Lixão   O método mais usado no Brasil para dispor do lixo é chamado de lixão. São terrenos livres a céu aberto onde deposita o lixo, sem projeto ou cuidado com a saúde pública e o meio ambiente, sem tratamento e sem qualquer critério de engenharia (BRAGA et al., 2002). Estima-se que no Brasil mais de 90% do lixo é jogado a céu aberto, gerando uma ameaça constante de epidemias, pois os lixões fornecem condições propícias para a proliferação de doenças (ROUQUAYROL; ALMEIDA FILHO, 1999). Além da liberação de gases, a decomposição do lixo gera o chorume, líquido que contamina o solo e a água por compostos orgânicos e íons metálicos (BRAGA et al., 2002). Os resíduos sólidos dispostos a céu aberto também favorecem a proliferação de mosquitos, moscas, baratas e ratos, os quais são vetores de inúmeras doenças ao homem, tais como a febre tifóide, salmonelose, disenterias e outras infecções (ROUQUAYROL; ALMEIDA FILHO, 1999). As áreas destinadas à disposição do lixo, sem a infraestrutura adequada para evitar os danos consequentes dessa atividade, tem seu uso futuro comprometido e são responsáveis pela degradação ambiental das regiões sob sua influência (SISSINO; MOREIRA, 1996).   O Lixo e Suas Doenças   Os principais problemas causados com frequência no pessoal empregado na coleta e processamento do lixo são bronquites crônicas, e possíveis tendências a enfisema pulmonar, verminoses, infecção intestinal (diarreia), gripe, leptospirose, dengue, meningite, dor de cabeça, febre, alergia e náusea. Existem também as doenças transmitidas por vetores como ratos, baratas, mosquitos e moscas. Existem vários mecanismos associados em relação entre o lixo e doenças. A transmissão pode ocorrer pelas fezes desses animais, das patas, da saliva e dos pêlos, que o mau cheiro decorrente do acúmulo de lixo é capaz de provocar mal estar, perda de apetite, cefaléia, náuseas, vômitos. O controle destes animais esta associado à higiene do ambiente, como o acondicionamento, coleta e destino final adequado do lixo. Veja no Quadro 3 algumas doenças (TAUIL, 2006).       Quadro 1. Vetores, transmissão e enfermidades.
  • 10. Ciência Equatorial, Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011 Página 48   Consequências Gerais do Lixo No Mundo Moderno   O problema do lixo vem evoluindo principalmente pelo acentuado crescimento demográfico, especialmente nos centros urbanos, resultantes do êxodo rural e da falta de um planejamento familiar. A questão dos resíduos sólidos, no meio urbano, representa impactos ambientais relevantes que afetam e degradam a qualidade de vida urbana (CRUZ, 2006) Com o aumento da população mundial, consequentemente aumento do consumo em geral, aumenta-se também os resíduos desse consumo. Só nos últimos 30 anos, toda a quantidade de dejetos se multiplicou por três, principalmente por causa dos restos de embalagens. A Industrialização vem aumentando a intensidade o que dão origem e produção desses resíduos, resultantes da atividade diária do ser humano. O lixo urbano é inesgotável, se tornando um sério problema para os órgãos responsáveis pela limpeza pública, pois diariamente grande quantidade de resíduos é descartada do meio urbano e necessitam de um destino final adequado. Atualmente já não se pode deixar de compreender que agressões ambientais que ocorrem em determinado ponto do globo podem ter repercussão à distância, afetando mesmo outros continentes, como por exemplo, os casos de acidentes radioativos, as chuvas ácidas e os derramamentos de petróleo nos mares (RODRIGUES et al., 2001). Como o meio ambiente é um bem comum, ou seja, que trás benefícios a todos os seres humanos e que é disponível a todas as pessoas, precisa ser preservado. Mas, ainda, a fundamental causa do descuido com a natureza é a falta de consciência da população e dos governantes. É preciso que as pessoas tomem consciência de que a problemática do lixo e da poluição ambiental afeta diretamente cada uma das pessoas que fazem parte do mundo moderno. É importante considerar que a solução para os problemas ambientais que afetam o planeta depende de cada um de nós. O lixo abrange uma situação muito grande e é o resultado inevitável de nossas vidas modernas, restando cobrar um programa de saneamento eficaz aos governantes e fazermos a nossa parte (CRUZ, 2006).   Coletas Seletivas   A reciclagem dos resíduos sólidos é uma alternativa viável para propiciar à preservação de recursos naturais, a economia de energia, a redução de área que demanda o aterro sanitário, a geração de emprego e renda, assim como a conscientização da população para questões ambientais. Porém, para um melhor funcionamento, é de vital importância que se implante nas cidades um amplo sistema de coleta seletiva, no qual os recicláveis sejam separados nas residências, coletados e encaminhados para usinas de reciclagem. O que facilita ao processo de reciclagem, pois os materiais estarão limpos e com maior potencial de reaproveitamento (SIMONETTO et al., 2006). Um dos fatores problemático é a falta de informação da população acerca da coleta seletiva. Outros fatores que contribuem para o pequeno índice de reciclagem dos resíduos são: o alto custo da coleta seletiva para as mu- nicipalidades, a falta de um sistema corretamente dimensionado em termos da capacidade de armazenamento e processamen- to de resíduos nas unidades de triagem. Este trabalho tem como principal objetivo apresentar uma ferramenta, bem como resultados gerados por ela, para auxiliar gestores a suplantar estas duas barreiras (SIMONETTO et al., 2006). A implantação da coleta seletiva é um processo contínuo que é ampliado gradativamente. O primeiro passo, diz respeito à realização de campanhas informativas de conscientização junto à população, convencendo-a da importância da reciclagem e orientando-a para que separe o lixo em recipientes para cada tipo de material. Posteriormente, deve-se elaborar um plano de coleta, definindo equipamentos, veículos, áreas e a periodicidade de coleta dos resíduos. Finalmente, é necessária a instalação de unidades de triagem para limpeza e separação dos resíduos e acondicionamento para a venda do material a ser reciclado (MONTEIRO et al., 2001).
  • 11. Ciência Equatorial, Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011 Página 49   A Reciclagem e Suas Vantagens    Reduz a acumulação progressiva de lixo;  Economia de energia e matérias-primas;  Estimula a consciência ambiental da população;  Contribui para a utilização mais racional dos recursos naturais e a reposição daqueles recursos que são passíveis de serem reutilizados;  Fortalece e incentiva a coleta seletiva;  Gera empregos e renda pela comercialização dos recicláveis.   Formas de Aproveitamento dos Resíduos Para alguns ambientalistas, a solução dos problemas relacionados com o lixo é apontada pelo princípio dos três “erres” (BRASIL, 2005). O conceito de R’s se aplica a cada     Voltar a utilizar as coisas, dar uma segunda função ou reaproveitar os objetos para construir novos objetos. Por exemplo: voltar a utilizar os sacos de plástico das compras em vez de irem para o lixo; usar as garrafas de água várias vezes; aproveitar as caixas dos brinquedos para guardar outras coisas; oferecer os brinquedos usados a outras crianças ou a hospitais e lares de crianças (BRASIL, 2005).   Reciclar   Evitar a produção de resíduos, com a revisão de seus hábitos de consumo. Retornar o produto ao ciclo da produção seja industrial, agrícola ou artesanal. Existem várias maneiras de reaproveitar o lixo. O lixo orgânico pode ser transformado em adubo. Outros materiais como, papel, plásticos, sucatas, alumínio podem ser reciclados (POLIGNANO et al., 2004). caso:   3R’s: Reduzir, Reutilizar e Reciclar. 4 R’s: Reduzir, Reciclar, Reutilizar e   MATERIAL E MÉTODOS Reintegrar. 5 R’s: Reduzir, Reutilizar, Reciclar, Repensar e Recusar. O primeiro conceito inventado e atualmente o mais utilizado é os 3 R’s. O conceito de 4 R’s está ligado a gestão dos resíduos. O conceito de 5 R’s foi adaptado para favorecer processos de Educação Ambiental, pois é um conceito mais prático e mais aplicável no dia a dia como consumidores (MESQUITA, 2007).   Reduzir   Reduzir o lixo que se faz. Procurar consumir coisas que durem e, caso seja necessário uma embalagem, procurar embalagens de material reciclado. Podemos reduzir a quantidade de lixo, planejando melhor o processo produtivo e de consumo, racionalizando o uso de materiais no nosso dia a dia (POLIGNANO et al., 2004).   Reutilizar Área de Estudo   O município de Luz está localizado na Zona Oeste de Minas, altitude situada a 650 m de altitude, latitude 19º47'51" sul e a uma longitude 45º41'14" oeste de Greenwich, estende-se desde a fralda da Serra “Deus me livre” até as margens do Rio São Francisco, entre os ribeirões Mateus e Jorge Grande e ás BR – MG 262 e MG - 176. O relevo é Plano (40%), ondulado (50%) e montanhoso (10%). Possui uma área de 1.171,670 Km². O município faz divisas com os municípios de: Estrela do Indaiá, Dores do Indaiá, Bom Despacho, Moema, Lagoa da Prata, Japaraíba, Arcos, Iguatama, Bambuí e Córrego Danta. O clima regional caracteriza-se por um verão úmido, quente e seco, e frio no inverno. Com temperatura média máxima de 28°C e a mínima 14°C. Compensada a 23°C. Em relação ao último censo realizado pelo Instituído de Geografia e Estatística IBGE (BRASIL, 2007), sua população era de 17.173 habitantes, que residem na zona urbana atual constituída por 10 bairros e habitantes que
  • 12. Ciência Equatorial, Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011 Página 50   residem na zona rural. Basicamente o município vive da pecuária, agricultura e silvicultura, sendo predominante o cultivo de café.   Levantamento de Dados   O estudo foi realizado entre os moradores do Bairro Novo Oriente do município de Luz – MG no mês de julho de 2009. A aplicação dos questionários para os moradores teve a finalidade de verificar se há reutilização de materiais nas residências, se os moradores possuem algum conhecimento sobre a coleta seletiva e os métodos de tratamento do lixo, as doenças causadas pelo lixo, quantidade de lixo produzido nas residências, se há forma de contribuição do morador para preservar o meio ambiente, quais os maiores impactos ambientais no município. Foram aplicados 95 questionários, no bairro Novo Oriente, sendo que o mesmo, segundo a Prefeitura Municipal de Luz - MG é o bairro que menos participa da coleta seletiva. Em seguida os resultados foram tabulados e apresentados a seguir.   Diagnóstico   Foi realizado um diagnóstico para avaliar a situação dos resíduos sólidos no município, verificando se este possui lixeiras nas ruas, como foi divulgado durante a implantação do projeto de coleta seletiva, a porcentagem de aproveitamento dos materiais recicláveis por parte da Cooperativa de Coleta Seletiva e o destino final dado aos resíduos produzidos na cidade.       RESULTADOS E DISCUSSÕES   Inicialmente, destaca-se que, dos 105 moradores que compuseram a amostra, do bairro Novo Oriente 67 eram pertencentes ao sexo feminino e 38 ao sexo masculino, ambos os sexos compunham a faixa etária de 10 a 85 anos de idade.           Figura 7. Depósito do lixo para coleta seletiva, moradores bairro Novo Oriente.   A maior parte dos resíduos sólidos das residências de todos os bairros do município de Luz - MG é coletado de 1 a 3 vezes por semana pela prefeitura e pela Cooperativa de Coleta Seletiva que aproveita cerca de 60% do lixo recolhido. Ao questionar os moradores quanto à separação do lixo para o dia da coleta seletiva, pôde-se perceber que 76% não separam o lixo, destinando seus resíduos misturados para coleta. Segundo Monteiro et al. (2001), a introdução da coleta seletiva é um processo contínuo que é ampliado progressivamente. Com a realização de campanhas informativas de conscientização junto à população, indicando a importância da reciclagem e orientando-a para que separe o lixo em recipientes para cada tipo de material. Devendo posteriormente elaborar um plano de coleta, definindo equipamentos, veículos, áreas e a periodicidade de coleta dos resíduos. Sendo, necessária a instalação de unidades de triagem para limpeza e separação dos resíduos e acondicionamento para a venda do material a ser reciclado. Mesmo com a implantação da coleta seletiva, é necessário um trabalho de educação ambiental, conscientizando os moradores sobre os benefícios da coleta seletiva e incentivando-os a participar desse processo. A coleta seletiva facilita e estimula a reciclagem, os materiais coletados separadamente, tem maior potencial de aproveitamento por serem mais limpos (OLIVEIRA, 2006)
  • 13. Ciência Equatorial, Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011 Página 51   estimada de lixo produzida por pessoa é de 600 gramas. No bairro Novo Oriente pode se verificar que 46% dos moradores produzem de 0 a 3 Kg de lixo por dia. E somente 3% dos moradores produzem de 12 a 15 Kg por dia.                     Figura 8. Contribuição para preservação do meio ambiente.   Nota-se através da Figura 8 que, quanto Tabela 1. Percepção dos moradores quanto às doenças transmitidas pelo lixo. Transmissor  Doença  Número de  Respostas  Rato  Leptospirose  63  Mosca  Febre Tifóide  36  Mosquito  Malária  42  Barata  Febre Tifóide  36  Gado e Porco  Teníase  5  Cão e Gato  Toxoplasmose  4  à preservação do meio ambiente, 10% dos Ao considerar os animais que são moradores nunca contribuíram para a atraídos pelo lixo e as enfermidades preservação do meio ambiente, e 54% moradores afirmaram sempre estar contribuindo para preservação do mesmo. Estes dados nos revelam que os moradores possuem conscientização da preservação do meio ambiente, mas não colocam em prática. Segundo Fadine (2001), o aparente plano de um meio ambiente que concilie desenvolvimento associado à sustentabilidade ambiental, qualidade de vida e igualdade social só será alcançada com muita reflexão, boa vontade, esforço pessoal e comunitário, disposição e ações políticas aliadas ao fundamental entendimento de que o planeta como um todo é afetado por cada atitude isolada.                                     Figura 9. Quantidade de lixo produzido por dia pelos moradores do bairro Novo Oriente.   Conforme a Prefeitura Municipal do município de Luz – MG, a quantidade transmitidas por eles, percebe-se que os moradores do bairro Novo Oriente, possuem a consciência das doenças transmitidas por vetores presentes no lixo. Segundo Oliveira (2006), o controle dos animais transmissores de doenças, está associada a higiene do ambiente, destacando – se o acondicionamento, coleta e destino final adequado do lixo.                                           Figura 10. Métodos de tratamento, segundo moradores.   A Figura 10 mostra que o método de tratamento, mais conhecido pelos moradores do bairro Novo Oriente 50% é o lixão, este local é considerado a pior medida de tratamento de lixo. De acordo com 21% dos moradores o outro método mais conhecido é a reciclagem, que permite a reutilização de diversos materiais. Apenas 7% dos moradores
  • 14. Ciência Equatorial, Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011 Página 52   conhecem o aterro controlado, sendo que todo o lixo que não pode ser reaproveitado pela Cooperativa de Coleta Seletiva RELUZ do município de Luz – MG, é enviado ao aterro controlado.                                     Figura 11. Materiais reutilizados pela população no bairro Novo Oriente.   Percebe-se na Figura 11 que o material mais reutilizado é o vidro 20%. Os moradores reutilizam os vidros de azeitonas, extrato de tomate, requeijão para utilizarem os copos destas embalagens ou para enfeites e armazenar alimentos. Os plásticos também são bastante reutilizados, principalmente vasilhas de margarinas e sacolas plásticas. De acordo com Alencar (2005), reutilizar um determinado produto significa reaproveitá-lo sem qualquer alteração física, modificando ou não o seu uso original, prolongando a vida dos materiais.                                           FIGURA 12: Aterro Controlado Município Luz – MG (2009). A Figura 12 mostra o Aterro Controlado, local onde é depositado o lixo que não pode ser reaproveitado pelo município de Luz – MG. São recolhidas cerca de 10.000 toneladas de lixo por dia, seja residencial, industrial ou comercial.                                 Figura 15. Cooperativa de Coleta Seletiva – RELUZ (2009).   Constatou – se no Município de Luz – MG que cerca de 60% do lixo é reaproveitado e recolhido pela Cooperativa de Coleta Seletiva RELUZ. Um dos fatores de maior problema é a falta de informação da população acerca da coleta seletiva. Outros fatores que contribuem para o pequeno índice de reciclagem dos resíduos são: o alto custo da coleta seletiva para as municipalidades, a falta de um sistema corretamente dimensionado em termos da capacidade de armazenamento e processamento de resíduos nas unidades de triagem. A Coleta Seletiva do município de Luz – MG é feita porta a porta usando-se o mesmo veículo e por profissionais da área de limpeza urbana. A prefeitura não equipa seus funcionários de acordo com as normas especificas. O galpão de triagem (Figura 15) possui apenas uma prensa e uma balança. Não possui mesas, esteiras, administração, vestiários com instalações sanitárias, depósito para materiais, área de carga e descarga. O lixo orgânico é todo enviado ao aterro controlado, segundo Oliveira (2006) deve recoberto com terra compactada, sendo disposto em fileiras que esperam por reviramento ou por aeração forçada. A compostagem é um processo de produção de composto orgânico em médio prazo 60 a 120 dias, incluindo maturação.
  • 15. Ciência Equatorial, Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011 Página 53   De acordo com a SLU (1996), para separar o material deve-se organizar uma associação de catadores, os quais devem ser devidamente capacitados com treinamentos, onde podem ser abordados vários temas. Os materiais reaproveitados são vendidos para empresa de reciclagem do município de Arcos – MG, a renda obtida é dividida entre os 14 catadores da coleta seletiva e recebem uma cesta básica da Prefeitura Municipal de Luz – MG.       CONCLUSÕES   Por meio dos resultados obtidos, pode- se concluir que a maioria dos moradores tem consciência dos impactos ambientais causados pelo lixo, mas nem sempre contribuem para a diminuição do mesmo. Não havendo conscientização quanto à preservação do meio ambiente por parte dos moradores. A maioria dos moradores não separa o lixo de forma seletiva, sendo necessária maior divulgação e parceria da Prefeitura junto aos moradores, sendo fundamental um projeto de educação ambiental ao longo de todo processo, pois é através dela que os mesmos irão esboçar mudanças de hábitos.       REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS   ACSELRAD, H.; VIEIRA, L.; GUARANY, R. Ecologia, direito do cidadão: uma coletânea de textos. Rio de Janeiro, Jornal do Brasil. 1993, 68p.   ALVES, F. Plano de Ação Global para o Meio Ambiente. UNCED - Rio 1992. Francisco Alves Editora, 1994, 26p.   AMARAL, C. M. C.; AMARAL, L. A.; LUCAS, J. J.; NASCIMENTO, A. A.; FERREIRA, D. S; MACHADO, M. R. F. Biodigestão anaeróbia de dejetos de bovinos leiteiros submetidos a diferentes tempos de retenção hidráulica. Ciência Rural, v. 34, n. 6, p. 1897- 1902 nov - dez, 2004.   BRAGA, B.; HESPANHOL, I.; CONEJO, J. G. L.; BARROS, M. T. L.; SPENCER, M.; PORTO, M.; NUCCI, N.; JULIANO, N.; EIGER, S. Introdução à Engenharia Ambiental. São Paulo: Prentice Hall, 2002. Ed. 1, 305 p.   BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. “Vamos compreender o Brasil” Centro de Documentação e Disseminação de Informação. Rio de Janeiro, 2001, 28p.   BRASIL. INSTITUTO BRASILEIROS DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA – IBGE.SIDRA Censo Demografico em 2007 de Luz, Minas Gerais. Disponível em: www.ibge.gov.br. Acesso em: 17 junho de 2009.   BRASIL. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Consumo Sustentável. Manual de Educação, Brasília, 2005, 162p .   BRASIL. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Governo vai investir R$ 220 milhões em reciclagem do lixo; Brasília, nº18; 2009, 5p.   CONSTAT CONSULTORES ESTATÍSTICOS LTDA. Diagnóstico dos processos de produção, geração, coleta e destino final dos insumos de lixo de Hortaliças. São Luis – MA, Novembro 2003, 77p.   COSTA, S.; ALONSO, A.; TOMIOKA, S. Modernização Negociada: expansão viária e riscos ambientais no Brasil; Brasília, 2002, 240p.   CRUZ, L. M. da. A Questão do Lixo na Cidade de Avelinópolis – GO; Goiás. 2006, 47p. Monografia- (Bacharel em Geografia) Faculdade de Educação e Ciências Humanas de Anicuns - FECHA   CUNHA, V.: CAIXETA FILHO, J. V. Gerenciamento da Coleta de Resíduos Sólidos Urbanos: Estruturação e Aplicação de Modelo Não-Linear de Programação por Metas; Brasil; São Carlos; Gestão e Produção; vol. 9; n.2; 2002, 161p.
  • 16. Ciência Equatorial, Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011 Página 54   EGREJA FILHO, F. B. Avaliação da Ocorrência e Distribuição Química de Metais Pesados na Compostagem do Lixo Domiciliar Urbano; Viçosa, MG. 1993, 176p.   EIGENHEER, E. M. (org.). Coleta Seletiva de Lixo: Experiências Brasileiras. Rio de Janeiro, Centro de Informações Sobre Resíduos Sólidos – Universidade Federal Fluminense (UFF)/Instituto de Estudos da Religião (ISER); vol. 2; 1997, 207p.   FERREIRA, J. A. Resíduos Sólidos e Lixo Hospitalar. Uma Discussão Ética, Rio de Janeiro - RJ, Caderno Saúde Pública, Junho/Julho; vol.11; n.2; 1995, 314, 315p.   GASPAR, R. M. B. L. Utilização de Biodigestores em Pequenas e Médias Propriedades Rurais com Ênfase na Agregação de Valor: um estudo de caso na região de Toledo / PR. 2003. 119p. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção e Sistemas) Universidade Federal de Santa Catarina; Paraná.   HAMADA, J.; CAVAGUTI, N. Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental; Trabalhos Técnicos. Rio de Janeiro, ABES, 1997, p.11 Tab.   LELIS, M. P. N.; PEREIRA NETO, J. T. Usinas de reciclagem de lixo: porque não funcionam. Trabalhos Técnicos. Viçosa, MG, ABES, 2001, p. 1-9 Tab.   LIMA, M. E. C. de C.; AGUIAR, O. G. de J.; BRAGA, S. A. de M. Aprender Ciências um mundo de Materiais, 2º Ed. Belo Horizonte, Edit UFMG, 2004, p. 80.   MESQUITA, C. A. B. Práticas de incentivo e dicas concretas para aplicação no seu cotidiano. Belo Horizonte, MG, dezembro, 2007, nº8, 47p.   MONTEIRO, J. H. PENIDO.; ZVEIBIL, V. Z . Manual de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Administração Municipal, 2001, 197p. MOTA, A. V; Do lixo à Cidadania; Democracia Viva , Rio de Janeiro, junho/julho, 2005, nº27, 4p.   OLIVEIRA, E. M. de. Usinas Simplificadas de Reciclagem e Compostagem de Lixo; AIDIS. Consolidación para el desarrollo. México, D.F, AIDIS, 1996, p.1-7   OLIVEIRA, M.D. das. Analise do lixo urbano: Uma proposta para Implementação da Gestão dos Resíduos Sólidos do Município de Córrego Danta, MG. 2006.59p. Monografia-(Graduada em Ciências Biológicas) FASF- Faculdade de Filosofia Ciências e Letras do Alto São Francisco   RODRIGUES, F. L.; CAVINATTO, V. M. Lixo: De onde vem? Para onde vai? São Paulo: Moderna, 2001. p4   ROUQUAYROL, M. Z; ALMEIDA FILHO, N. Epidemiologia e Saúde Pública. 5 ed. Rio de Janeiro: Medsi, 1999, 500 p.   SCARLATO, F.C.; POTIN, J. A. Do Nicho ao Lixo: ambiente, sociedade e educação. 7ª ed. São Paulo: Atual, 1997. 117p.   SILVA, M. L. Caracterização das cinzas de incineração de resíduos industriais e de serviços de saúde. Revista Nova Química; Brasília – DF, v. 31, n. 2, 2008, pág. 199-203.   SILVA, M. S. da; Percepção dos Alunos Quanto aos Impactos Ambientais Causados Pelo Lixo no Município de Nova Serrana , MG. 2006. 30p. Monografia-(Graduada em Ciências Biológicas) FASF- Faculdade de Filosofia Ciências e Letras do Alto São Francisco.   SIMONETTO, Eugênio de Oliveira; BORENSTEIN, Denis. Gestão operacional da coleta seletiva de resíduos sólidos urbanos: abordagem utilizando um sistema de apoio à decisão. Gest. Prod., São Carlos, v. 13, n. 3, dez. 2006   SISSINO, C. L. S.; MOREIRA, J. C. Avaliação da contaminação e poluição ambiental na área de influência do aterro
  • 17. Ciência Equatorial, Volume 1 - Número 2 - 2º Semestre 2011 Página 55   controlado do Morro do Céu, Niterói, Brasil. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 12, n. 4, p. 515-523, 1996.   TAUIL, P. L. Perspectivas de controle de doenças transmitidas por vetores no Brasil, Brasília, Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 39, n. 3, mai – jun, p. 275 - 277 2006.   VASCONCELOS, Y. O Melhor do Lixo. Pesquisa FAPESP;, n. 91, p. 78-81, set. 2003.         1 – Grazielle Araujo Lopes Cançado, BSc, Bióloga Faculdade de Filosofia Ciências e Letras do Alto São Francisco – FASF/UNISA.   2 – Larissa Paula Jardim de Lima Barbosa, BSc, Bióloga / Especialista Real Biológica Ltda.   3 – Prof. Flávio Henrique Ferreira Barbosa, PhD Biólogo / Professor Adjunto I Colegiado Ciências Farmacêuticas Universidade Federal do Amapá – UNIFAP flavio.barbosa@unifap.br