SlideShare uma empresa Scribd logo
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 
74 
Volume 15 - Número 1 - 1º Semestre 2015 
COMPOSIÇÃO DAS DESPESAS ORÇAMENTÁRIAS EXECUTADAS COM RESÍDUOS 
SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE MACAPÁ, AMAPÁ, BRASIL 
Rubens Alex de Oliveira Menezes1*; Flávio Henrique Ferreira Barbosa2; Jose Caldeira Gemaque Neto3; 
Ester Almeida de Souza4; Ralfe Stenio Sussuarana de Paula5; Karla Cristina Andrade Ferreira6 
RESUMO 
A cadeia produtiva dos resíduos sólidos urbanos necessita de uma série de medidas de controle e gestão, desde a geração 
até o destino final, de modo a evitar uma série de problemas de ordem ambiental, social, econômica e de saúde pública. 
Entre essas medidas, destacam-se a coleta, armazenamento, transporte, tratamento e disposição final. No Município de 
Macapá estado do Amapá a coleta e o destino final dos resíduos domiciliares é realizada por empresas privadas, na qual 
proporciona enormes gastos para o município, onerando os cofres públicos e prejudicando investimentos em outras áreas 
prioritárias. Esta pesquisa apresenta como objetivo de analisar a composição e a expressividade das despesas 
orçamentárias executadas com resíduos sólidos urbanos pelo Município de Macapá, entre os meses de janeiro a agosto de 
2013. Para atingir o objetivo proposto foi utilizado o método indutivo caracterizado pela busca de informações 
bibliográficas e documentais, com intuito de fundamentar teoricamente a pesquisa, e pesquisa de campo (“in locus”) 
através de entrevistas com os responsáveis pelos resíduos sólidos, buscando descrever e analisar a realidade vivida pelo 
município. A trajetória metodológica divide-se em quatro fases, sendo a primeira de obtenção de demonstrativos contábeis 
da Prefeitura Municipal de Macapá (PMM) referente aos meses estudados, a segunda, coletar e tabular os dados, a terceira, 
organizar e apresentar as informações e a quarta, de análise e interpretação dos dados coletados. Com o crescimento 
populacional os resíduos sólidos domiciliares tendem a aumentar drasticamente nos próximos anos, elevando custos para 
sua destinação final. Os resultados mostram que o volume de resíduos sólidos produzidos é significativo tendendo a 
influenciar os gastos voltados a manter a saúde pública na Região. 
Palavras-chave: Despesas públicas, resíduos sólidos urbanos, orçamento, Macapá-Amapá. 
COMPOSITION OF BUDGET EXPENDITURE CARRIED WITH MUNICIPAL SOLID 
WASTE IN THE MUNICIPALITY OF MACAPÁ, AMAPÁ, BRAZIL 
ABSTRACT 
The production chain of municipal solid waste requires a number of control measures and management, from generation 
to final destination, in order to avoid a number of problems of environmental, social, economic policy and public health. 
Such measures include the collection, storage, transportation, treatment and final disposal. In the municipality of Amapá 
Macapá collection of household waste and the final destination is carried out by private companies, which provides 
enormous expense to the county, a burden on public coffers and harming investment in other priority areas. This research 
has the objective to analyze the composition and expressiveness of budget expenditure implemented with municipal solid 
waste at the city of Macapa, between January and August 2013. To achieve the proposed objective inductive method 
characterized by the search for bibliographic and documentary information, aiming at theoretically the research, and field 
research ("in locus") was used by interviewing those responsible for solid waste, seeking to describe and analyze the 
reality experienced by the municipality. The methodology is divided into four phases, the first of obtaining financial 
statements of the City of Macapá (PMM) for the months studied, the second, collect and tabulate data , the third, organize 
and present information and the fourth being, analysis and interpretation of data collected. With population growth the 
solid waste tend to increase dramatically in the coming years, increasing costs to their final destination. The results show 
that the volume of solid waste are produced significant tending to influence spending aimed at maintaining public health 
in the Region. 
Keywords: Public expenditure, municipal solid waste, budget, Macapá-Amapá.
75 
INTRODUÇÃO 
A geração de resíduos é resultado da ação 
humana, desde a tarefa elementar da alimentação 
até procedimentos que visam otimizar a vida na 
Terra, ou seja, a condição humana baseada na 
utilização e recriação da natureza configura-se na 
inevitável produção de resíduos (FERREIRA, 
1996). 
O gerenciamento de resíduos sólidos tem 
por finalidade evitar prejuízos ou riscos à 
população e ao meio onde está inserida 
observando as normas pertinentes relativas à 
saúde pública, segurança, meio ambiente e 
proteção individual e coletiva (ARCILA, 2008). 
Esta finalidade perpassa ainda questões 
como menores custos de operação e 
responsabilidade socioambiental. Os Resíduos 
Sólidos Urbanos (RSU) constituem as principais 
fontes de degradação do meio ambiente nos 
grandes centros urbanos, caracterizando um 
problema de difícil solução (DIAS, 2004; 
DOMINGUES, 2004; DANTAS, 2009). 
Para Feitosa e Almeida (2012) a crescente 
geração e descarte final dos resíduos se 
apresentam como os desafios econômico, social 
e ambiental a ser enfrentados pelo poder público 
em todos os países, principalmente os em 
desenvolvimento. 
Com o interesse da industrialização 
focado na produção em larga escala, os efeitos 
ambientais resultantes das atividades vinculadas 
às indústrias foram postos em segundo plano, 
principalmente os impactos diretos e indiretos no 
solo e nas águas subterrâneas (FEITOSA; 
ALMEIDA, 2012). 
Porém, com a possibilidade de uma futura 
escassez desses recursos nos centros urbanos, 
local onde é observado maior volume produzido 
de RSU, estes acabam por ser depositados em 
locais inadequados dentro da área urbana e sem a 
preocupação ambiental devida (FERREIRA et 
al., 2006). 
Até o início de 2008 o município de 
Macapá tinha como destinação final dos resíduos 
sólidos a lixeira pública que ficava localizada na 
BR-156 no km 05 do município. Os resíduos 
sólidos eram despejados no solo a céu aberto e 
sem nenhum tipo de tratamento e o lixo 
hospitalar ficava misturado com o lixo domiciliar 
causando problemas ambientais, tais como, 
poluição do solo e das águas subterrâneas, 
presença de insetos e vetores transmissores de 
doenças como baratas, ratos, moscas, etc. (PMM 
– SEMU, 2013). 
O Aterro controlado/sanitário do 
Município de Macapá/AP iniciou as suas 
atividades em agosto de 2008 e está inserido 
como proposta de solução para os problemas de 
tratamento e destinação final dos Resíduos 
Sólidos Urbanos do município de Macapá (PMM 
– SEMU, 2013). A produção e acumulação de 
materiais não degradáveis e as questões 
ambientais são assuntos que devem ser tratados 
de forma consciente, pelo governo e por toda 
sociedade, tornando necessário maiores 
investimentos em informação, mão de obra 
especializada, tecnologia, infraestrutura, 
motivação social e políticas de gestão e/ou 
cogestão, direcionadas a coleta e tratamento do 
lixo produzido. 
A preocupação em torno do destino do 
lixo se dá principalmente em face da sua 
característica de inesgotabilidade e 
comprometimento de grandes áreas, devido sua 
complexidade estrutural que vai desde 
substâncias inertes a substâncias altamente 
tóxicas. A diversidade é uma das características 
principais dos resíduos sólidos urbanos, 
ocorrendo principalmente devido o nível de vida 
e educação da população, do clima, os modos de 
consumo e das mudanças tecnológicas (PIEROT, 
2009; OLIVEIRA, 2012). 
O desenvolver seja econômico, social e 
ou tecnológico deve ocorrer de forma sustentada, 
permitindo a gerações futuras bens e serviços em 
prol do seu bem-estar. Por outro lado, o 
desenvolver depende de sérios investimentos em 
pesquisas e desenvolvimento, de modo, a 
garantir novas tecnologias que beneficiem a 
sociedade como um todo. No entanto, atrelado ao 
desenvolvimento das ciências e de novas 
tecnologias encontra-se o crescimento do 
consumo e consequente geração de resíduos. O 
desenvolvimento econômico tende a alterar o 
ambiente de forma irreversível (BRITO, 2000; 
DOMINGUES, 2004; MARTINS, 2009). 
Neste contexto, encontrar estratégias 
aceitáveis para lidar com esse problema torna-se 
uma missão difícil, devido à dificuldade com o 
gerenciamento e a necessidade de maior 
consciência ambiental das populações. Vários
76 
fatores contribuíram para que a aquisição de 
produtos ocorra de forma acelerada em um curto 
espaço de tempo, dentre eles; percebe-se a 
população cada vez mais consumidora, 
patrocinada principalmente pela elevação da 
renda, facilidade de crédito, estabilidade 
macroeconômica e criação programas sociais por 
parte do governo, entre outros, construíram a 
base para o aumento do comércio de consumo em 
massa, o poder aquisitivo influencia diretamente 
nos hábitos de aquisição das populações, seja, de 
produtos alimentícios e ou equipamentos 
(RAMOS, 2008; MARTINS, 2009). 
A geração per capita que relaciona a 
quantidade de resíduos gerada diariamente em 
toneladas apresenta variabilidade decorrente do 
peso específico aparente, ou seja, peso dos 
resíduos soltos em função do volume ocupado 
livremente sem compactação, embora sofra 
algumas variações através dos aspectos 
relacionados a sazonalidades climáticas ou 
econômicas, apresentam dados fundamentais 
para o dimensionamento dos equipamentos 
necessários para coleta, transporte e disposição 
final (MARTINS, 2009; PIEROT, 2009). 
A presente pesquisa justifica-se por sua 
relevância nos contextos municipal, social e 
acadêmico. No contexto municipal porque 
analisa as despesas com resíduos sólidos urbano 
no município em um período de oito meses, com 
valores ajustados monetariamente. Deste modo, 
essa pesquisa possibilita ao gestor público uma 
visão de quanto dos recursos municipais estão 
sendo destinados às questões relacionadas aos 
resíduos sólidos. No contexto social, esse 
trabalho justifica-se porque procura simplificar o 
entendimento dos relatórios divulgados pela 
Prefeitura Municipal de Macapá, apresentando 
figuras, tabelas e explicações com uma 
linguagem de fácil entendimento. 
Sendo assim, o presente trabalho 
evidencia para a sociedade os valores dos 
recursos gastos com resíduos sólidos no 
município de Macapá o que pode favorecer o 
exercício do controle social esclarecido por parte 
do município. Para o meio acadêmico, esse 
trabalho pode ser utilizado como fonte de 
pesquisa e como base para estudos semelhantes, 
como por exemplo, aplicação do mesmo método 
de estudo em outros municípios, ou ainda, para 
análise de outras funções de gestão 
governamental. Pelos motivos elencados, a 
pesquisa apresenta objetivo de analisar a 
composição e a expressividade das despesas 
orçamentárias executadas com resíduos sólidos 
urbanos pelo Município de Macapá. 
METODOLOGIA 
A metodologia utilizada neste trabalho 
buscou conduzir a pesquisa através de estudos 
descritivos e analíticos, com abordagem quali-quantitativa. 
Pois esse método permite entender 
o problema no meio em que ele ocorre e auxilia 
o pesquisador a se aproximar do seu objetivo e 
do seu objeto a ser estudado, se propondo a 
conceituar, descrever de uma forma sistêmica 
(OLIVEIRA, 2012). 
A pesquisa apresenta caráter descritivo, 
pois procura descrever os fenômenos observados 
a partir de dados obtidos “in loco”. A ênfase nos 
procedimentos quantitativos e qualitativo 
possibilita a compreensão do fenômeno estudado 
e de seus processos, fornecendo uma descrição 
que contribuem para o melhor entendimento da 
problemática. Para a realização da presente 
pesquisa, dividiu-se o estudo em quatro fases que 
são relatadas a seguir: 
1º fase: Obtenção de demonstrativos contábeis 
da PMM referentes aos meses de janeiro de 2013 
a agosto 2013. Os demonstrativos da Prefeitura 
foram fornecidos pela Coordenadora de 
comunicação do Município de Macapá que 
disponibilizou uma cópia do relatório resumido 
das despesas da execução orçamentária, dos 
períodos estudados. 
2º fase: Coleta e tabulação dos dados. Nessa 
etapa as informações necessárias para a 
realização do trabalho foram extraídas dos 
demonstrativos contábeis e tabuladas com a 
finalidade de facilitar os estudos e a comparação 
dos dados. 
3º fase: Organização e apresentação das 
informações. Nessa etapa do trabalho as 
informações coletadas foram organizadas de 
modo a favorecer a sua apresentação e 
compreensão, com o uso de recursos visuais 
como ilustrações e tabelas.
77 
4º fase: Análise dos valores, composição e 
expressividade das despesas realizadas na função 
do governo municipal de Macapá. Essa é a última 
etapa da pesquisa e constitui-se de uma análise 
dos dados coletados, tabulados e apresentados 
nas etapas anteriores. 
A presente pesquisa limitou-se ao estudo 
dos demonstrativos contábeis do Município de 
Macapá, com enfoque nas despesas ocorridas nos 
anos anteriores. A abordagem qualitativa 
também é considerada uma limitação, pois neste 
tipo de pesquisa o pesquisador é o responsável 
pela interpretação da realidade e pelo 
entendimento do contexto social e cultural. 
Deste modo, a limitação do pesquisador 
repercute nos resultados da pesquisa. Constitui-se 
também como limitação, ter-se assumido a 
veracidade presumida das informações dos 
demonstrativos contábeis, pois não há uma 
checagem dos dados coletados para assegurar 
que os valores foram relatados corretamente, de 
modo confiável. 
RESULTADOS E DISCUSSÃO 
O fluxo do lixo no município de Macapá 
no período em que foi realizado o estudo ocorre 
através da geração dos resíduos sólidos urbanos 
pela população, a coleta e transporte feitos 
regularmente pelos caminhões coletores de uma 
empresa que presta serviço para o município que 
levam diretamente para a destinação final que é 
o Aterro controlado ou Sanitário de Macapá. 
Até o início de 2008 o município de 
Macapá tinha como destinação final dos resíduos 
sólidos a lixeira pública que ficava localizada na 
BR-156 no km 05. Os resíduos sólidos eram 
despejados no solo a céu aberto e sem nenhum 
tipo de tratamento e o lixo hospitalar ficava 
misturado com o lixo domiciliar causando 
problemas ambientais, tais como, poluição do 
solo e das águas subterrâneas, presença de 
insetos e vetores transmissores de doenças como 
baratas, ratos, moscas, etc. (PMM – SEMU, 
2013). 
As comunidades próximas a lixeira 
pública reclamavam da situação. O Aterro 
controlado/sanitário do Município de 
Macapá/AP iniciou as suas atividades em agosto 
de 2008 e está inserido como proposta de solução 
para os problemas de tratamento e destinação 
final dos Resíduos Sólidos Urbanos do município 
de Macapá. A comunidade mais próxima do 
aterro controlado/sanitário é a Ilha Redonda que 
fica localizado a aproximadamente 5 km. 
O aterro controlado da cidade de Macapá 
fica localizado em uma área a margem esquerda 
da BR-156, no sentido Macapá – Oiapoque, no 
km 14, a partir da confluência desta rodovia com 
a AP-070. Distanciada 3,5km do rio Matapi, seu 
limite sul está a 13 km da pista do Aeroporto 
Internacional de Macapá e 20 km é a distância da 
área ao centro urbano da capital. A distância 
entre a área do aterro a foz do igarapé do Jandiá 
é de 4,7Km (Figura 01). 
Figura 01 – Foto do aterro controlado da cidade de Macapá 
Fonte: PMM - SEMU (2013) 
O processo de transformação do lixão em 
aterro controlado/Sanitário ocorreu de acordo 
com os procedimentos de licenciamento 
ambiental, apresentando a documentação 
necessária para regularização e obtendo as
78 
Licenças Prévias, Instalação e Operação, com 
suas respectivas condicionantes. 
De acordo com a PMM – SEMU (2013) a 
vida útil do aterro controlado/sanitário é de 20 
(vinte) anos e a área total compreende 103 
hectares, sendo que 58,7 hectares estão ocupados 
pela vegetação nativa e a área em intervenção é 
de 36 hectares, aproximadamente, e a área que 
está afetada pela disposição dos diversos tipos de 
resíduos (domiciliares, comerciais, entulhos, 
pneus, etc.) está estimada em 35,7 hectares. Os 
resíduos sólidos que são coletados na cidade de 
Macapá, quando entram no aterro recebem 
tratamento específico para cada classificação do 
lixo, como: 
- Célula para resíduos domiciliares: é dividida 
em platô onde é feita uma escavação da base de 
modo que garanta a penetração do lixiviado e 
evite vazamento pelos taludes da célula. É 
colocada ao redor das células uma barreira de 
nylon para evitar o espalhamento do material 
leve esvoaçante 
- Célula Hospitalar: A célula hospitalar é 
construída devidamente impermeabilizada com 
polietileno de alta intensidade e fica em uma área 
específica cercada, sendo proibida a entrada de 
catadores e pessoas não autorizadas. A primeira 
vala sanitária alcançou a sua capacidade máxima 
e foi encerrada dia 04/07/2009, onde foi realizada 
uma cobertura argilosa e está sendo plantadas 
gramíneas nativas visando a proteção da 
cobertura e preservação dos aspectos naturais da 
região. 
- Drenos: os drenos são colocados no topo das 
células de resíduos domiciliares e consiste em um 
tratamento de queima de gases para evitar a 
dissipação desses para o ambiente. 
- Lagoa de acumulação: é uma lagoa que recebe 
os líquidos percolados denominados de chorume, 
que são líquidos da decomposição da matéria 
orgânica presente no lixo de cor escura, odor 
desagradável e elevado potencial poluidor. 
No aterro controlado de Macapá existem 
quatro áreas: uma destinada aos resíduos de 
serviço de saúde, onde há uma cédula (vala) que 
é revestida por uma manta de 2 mm, que evita a 
contaminação do lençol freático através do 
chorume proveniente dos resíduos. Outra para 
receber entulho oriundo de serviços terceirizados 
(disk entulho) ou de carros particulares com 
acesso no horário de funcionamento das 07:30 às 
17 horas, de segunda a sábado. 
A terceira para a colocação de pneus 
recolhidos em borracharias pela vigilância 
sanitária do município. A última área é mais uma 
cédula onde há serviços de engenharia para a 
construção de um aterro sanitário. Antes de se 
projetar o aterro, a prefeitura de Macapá através 
da secretaria de manutenção urbanística está 
realizando estudos geológico e topográfico na 
área a ser destinada para sua instalação, para que 
não comprometa o meio ambiente. Em 
consonância com essa discussão o aterro 
Controlado/Sanitário de Macapá apresenta como 
função: 
- Cerca viva: é uma cerca de arame onde é 
implantada uma barreira vegetal de bambu que 
tem como objetivo impedir a visão da área 
operacional, dificultar o acesso de pessoas não-autorizadas 
e auxiliar na dispersão do cheiro 
(Figura 02). 
Figura 02 – Foto da Cerca viva 
Fonte: SEMU – PMM (2013)
79 
- Acesso a área do aterro: Todos os veículos que 
adentram a área do Aterro Controlado/Sanitário 
são cadastrados e passam a compor um banco de 
dados informacional contendo: tipo de veículo, 
placa, origem, tipologia de resíduos transportada, 
dentre outros. Portanto, obrigatoriamente todos 
os veículos são parados no portão de acesso e 
somente podem acessar a área caso estejam 
cadastrados ou possuam autorização da 
Secretaria Municipal de Manutenção Urbanística 
- SEMUR. 
O mesmo se aplica a entrada de pessoas 
na área, permitida somente com 
acompanhamento técnico no caso de visitas ao 
Aterro solicitadas por escolas, faculdades, 
acadêmicos e outras instituições. Os catadores de 
lixo devem apresentar suas carteiras de 
associados e podem permanecer na área no 
período das 08:00 horas ás 16:00 horas. 
- Pesagem dos resíduos: É feita a pesagem dos 
veículos coletores de resíduos em uma balança 
rodoviária para verificar a quantidade de resíduos 
coletada e depositada pela Prefeitura e demais 
geradores (GEA, Comércio em Geral, 
Estabelecimentos de Serviços de Saúde, Disk- 
Entulho, etc.) no aterro. 
- Disposição e confinamento dos resíduos: 
Após a pesagem os veículos coletores são 
encaminhados para a área de operação onde são 
descarregados. Em seguida, o trator de esteira 
efetua a compactação da massa de lixo, visando 
a redução do seu volume e formatação da 
célula/talude. Então, o material de cobertura 
(solo local) é espalhado sobre a massa de lixo 
compactada, resultando no seu 
aterramento/confinamento. 
- Resíduos de Serviços de Saúde: Por serem 
considerados Resíduos Perigosos, esse tipo de 
resíduo não podem ser dispostos na célula de 
resíduos comuns. Por isso, eles são levados e 
confinados em células construídas 
especificamente para essa finalidade, 
denominadas de valas sépticas. A área das valas 
é cercada, o acesso é estritamente restrito aos 
veículos coletores de resíduos de serviços de 
saúde. 
- Manutenção da área: São realizadas diversas 
ações de manutenção que contribuem para a 
urbanização da área e, principalmente, melhor 
operação do aterro, tais como: adequações dos 
acessos internos, paisagismo, pintura, capina, 
sinalização, manutenção e ampliação da rede de 
drenagem pluvial, etc. 
- Monitoramento Ambiental: O monitoramento 
ambiental é feito regulamente e visa acompanhar 
os parâmetros que permite avaliar a qualidade 
ambiental no aterro controlado/sanitário e suas 
proximidades evitando, assim, o agravamento de 
um impacto e consiste em controlar: 
- A qualidade das águas subterrânea; 
- A qualidade do ar; 
- Os insetos e vetores de doenças; 
- Os ruídos e vibrações 
- A poeira e material esvoaçante 
- Os impactos visuais negativos. 
O Termo de Ajustamento de Conduta 
Ambiental, firmado com o Ministério Público 
Estadual, Secretaria de Estado do Meio 
Ambiente (SEMA) e o Município de Macapá. 
Em agosto de 2005, todos os itens de 
responsabilidade da Secretaria Municipal de 
Manutenção Urbanística (SEMUR) foram 
cumpridos e atestados pela Promotoria de Justiça 
do Meio Ambiente, Conflitos Agrários, 
Habitação e Urbanismo da Comarca de Macapá 
(PRODEMAC). 
O processo de elaboração do projeto 
executivo de remediação da área foi realizado por 
meio de estudos hidro geológicos da área, com a 
realização de perfurações para analisar a 
profundidade do lençol freático e também para 
conhecer o perfil litológico do solo, subsidiando 
a locação das células de aterramento dos 
resíduos. 
No processo de licenciamento ambiental, 
o Instituto de Meio Ambiente e Ordenamento 
Territorial do Amapá (IMAP) inseriu como 
condicionante das Licenças, a partir da Licença 
de Instalação (LI), a apresentação de Relatórios 
de Monitoramento Ambiental com análises da 
qualidade da água. 
Semestralmente são feitos relatório, que 
pode ser acessado no IMAP ou na própria 
SEMUR por trata-se de documento público. A
80 
Polícia Federal e a Polícia Técnica Científica do 
Amapá efetuaram no ano de 2010 perícias na 
área do aterro. Na referida área existem 03 pontos 
de amostragem de água superficial, 02 de água 
subterrânea e 04 poços rasos. Será perfurado 
mais um ponto de amostragem de água 
subterrânea, próximo a lagoa de acumulação. 
- Catadores: Os catadores são organizados em 
uma associação ACAM (Associação dos 
Catadores de Macapá). A Associação organiza os 
trabalhos dentro do Aterro Controlado de 
Macapá e dá apoio social, no que diz respeito à 
busca de melhoria das condições de trabalho aos 
seus associados. Atualmente há apenas cerca de 
90 catadores trabalhando na catação direta e 
comercialização do lixo reciclável no Aterro 
Controlado de Macapá. 
Essa quantidade de catadores hoje é fixa, 
devido a algumas normas adotadas pela 
administração do Aterro que visam à organização 
e o controle da rotatividade desses trabalhadores. 
Em 2007, uma parceria entre SEMUR/PMM, o 
Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas 
do Estado do Amapá (IEPA), Promotoria do 
Meio Ambiente, e recurso captado através do 
Projeto reciclando o Amapá (RECICLAP) junto 
à Agência de Fomento do Amapá (AFAP), foi 
realizada uma oficina de capacitação. 
Nessa oficina foi capacitado 35 catadores, 
seguido da montagem de uma fábrica para a 
confecção de vassouras resultantes da reciclagem 
do Pet, dentro do Aterro Controlado de Macapá. 
Esse projeto teve êxito, tendo sido a 
“VASSOURA CARAPIRÁ”, após a sua 
comercialização, reconhecida por sua qualidade 
e durabilidade pelo consumidor local. 
- Coleta e transporte 
A coleta do lixo significa recolher o lixo 
já acondicionado pelos imóveis residenciais, 
estabelecimentos públicos e comércio e 
encaminhá-lo, mediante transporte adequado 
para tratamento, caso necessário, e disposição 
final. A coleta desses resíduos deve ser realizada 
a partir de um planejamento básico, para que se 
evite problemas de saúde que o mesmo possa 
propiciar. Segundo informações obtidas da PMM 
- SEMUR (2013) a disposição final dos resíduos 
sólidos do Município de Macapá ocorre através 
de tratamento e separação, sendo sistematizado 
da seguinte forma: 
- Resíduos Urbanos (domicilar, comercial, 
feiras e varrição) - provenientes da coleta dos 
domicílios, varrição e feiras e mercados, bem 
como de entidades privadas tais como 
restaurantes, comércios e empresas que precisam 
dar a correta destinação final aos resíduos 
(papéis, plásticos, vidros, metais, restos de 
materiais orgânicos que não podem ser 
reaproveitados. etc.), são destinados à célula de 
resíduos urbanos; 
- Resíduos de Construção: Ele é constituído de 
restos de praticamente todos os materiais de 
construção (argamassa, areia, cerâmicas, 
concretos, madeira, metais, papéis, plásticos, 
pedras, tijolos, tintas, etc.) e sua composição 
química está vinculada à composição de cada um 
de seus constituintes. No entanto, a maior fração 
de sua massa é formada por material não mineral 
(madeira, papel, plásticos, metais e matéria 
orgânica), estes resíduos, são destinados à área de 
entulho. 
- Limpeza de Terrenos: São limpezas de 
terrenos composto de terra, galhos de árvore, 
capim, pedra etc. trazidos por empresas 
terceirizadas tais como disk entulho, papa tudo 
etc. Esse tipo de resíduos por não ter necessidade 
de nenhum tratamento. São destinados a uma 
área especificas do Aterro, chamada de Bota Fora 
que poderá ser reutilizada como recobrimento em 
algumas partes das células. 
- Resíduo de Serviços de Saúde: os 
provenientes de atividades de natureza médico-assistencial, 
de centros de pesquisa e de 
desenvolvimento e experimentação na área de 
saúde, bem como os remédios vencidos e/ou 
deteriorados requerendo condições especiais 
quanto ao acondicionamento, coleta, transporte, 
tratamento e disposição final, por apresentarem 
periculosidade real ou potencial à saúde humana, 
animal e ao meio ambiente são destinados em 
valas sépticas. 
Segundo a Secretaria de Obras e Serviços 
Públicos do Município de Macapá, a coleta 
convencional, que envolve a coleta dos resíduos 
domiciliares, comerciais, públicos e feiras livres,
81 
uma porcentagem da população atendida pelo 
sistema de coleta de lixo corresponde a 95%, 
sendo que, deste 95%, 27% do lixo produzido é 
coletado diariamente e 73% é coletado em dias 
alternados. 
Com frequência diária no centro da 
cidade e dias alternados nos demais bairros, 
apresenta também coleta noturna, em algumas 
áreas. Segundo a PMM - SEMUR (2013) a coleta 
de residuos sólidos urbanos de Macapá é feita da 
seguinte maneira: 
- A Coleta diaria: É realizada no periodo 
noturno por 10 caminhões compactadores de 15 
m³, abrangendo os bairros : Central, Jesus de 
Nazaré, Laguinho, Pacoval, Perpetuo Socorro, 
Trem, Beirol, Buritizal, Santa Rita e Alvorada,no 
horário das 19:00 hs às 02 hs :47 min. 
- A Coleta alternada: É realizada de duas 
maneiras distintas no periodo diurno, sendo que, 
os bairros localizados no setor sul da cidade de 
Macapá, é feita nos dias: segunda-feira, quarta-feira 
e sexta-feira e os bairros localizados no 
setor Norte da cidade de Macapá é feita nos dias: 
terça-feira, quinta-feira e sábado. Os setores 
acima discriminados, são atendidos com 11 
caminhões compactadores de 15 m³. 
A realização da coleta e transporte dos 
resíduos sólidos urbanos passam pelo 
dimensionamento adequado do equipamento, da 
equipe e dos roteiros de coleta. No caso dos 
resíduos gerados no Município de Macapá, 
segundo informações da empresa prestadora do 
serviço os equipamentos a equipe de coleta e 
transporte estão condizentes com o montante 
desses resíduos gerados no município. 
O planejamento e dimensionamento do 
serviço de coleta regular dos resíduos gerados no 
Município de Macapá ocorre por intermédio de 
um roteiro descritivo, que lançado em mapa, 
indique a extensão de cada trecho, tempo a ser 
gasto, velocidade prevista para cada localidade e 
o horário aproximado de atendimento em cada 
trecho do setor de coleta (PMM – SEMU, 2013). 
Segundo a empresa prestadora do serviço, 
os roteiros de coleta obedecem alguns dos 
critérios de planejamento, como o cuidado com 
as passagens repetidas em um mesmo trecho 
(percursos mortos), roteiros compatíveis com a 
capacidade dos equipamentos e material de 
segurança dos coletores. A Coleta diurna 
compreende 09 caminhões compactadores de 
15m³ (+ reserva) e a coleta noturna compreende 
08 caminhões coletores compactadores de 15m³ 
(+ reserva). 
Para definir a quantidade de resíduos 
sólidos urbanos gerados, se faz necessário um 
acompanhamento diário da produção de resíduos 
no local onde se deseja levantar tal informação. 
Em Macapá, segundo a prefeitura local que 
forneceu os dados através da SEMU as empresas 
que prestam serviços a prefeitura (CLEAN 
GESTÃO AMBIENTAL) responsável pela 
coleta dos resíduos sólidos e (RUMOS 
CONSTRUÇÕES AMBIENTAIS) responsável 
pelo aterro sanitário. 
Segundo informações da PMM – SEMU 
(2013) é feito um acompanhamento diário na 
geração dos resíduos. Existem 
estudos/estimativas das proporporções de cada 
lixo no total de lixo armazenado (orgânico, não 
orgânico, doméstico, industrial, etc) produzido 
na cidade de Macapá. A (figura 03) evidencia 
justamente o quantitativo de de residuo solido 
produzido no municipio de Macapá. 
Figura 03 - Residuo solido depositado no Aterro sanitario de Macapá 
Fonte: PMM - SEMU (2013)
82 
Conforme visualização da (Tabela 01) o 
município de Macapá gera em toneladas por mês 
um quantitativo variável e bem elevado 
decorrente dos resíduos domiciliares e 
comerciais, conforme ilustrado na tabela. O 
quantitativo expresso referente a dados 
preliminar do período de janeiro de 2013 a agosto 
de 2013 com medidas em toneladas e seus 
respectivos valores (PMM – SEMU, 2013). Os 
mesmos revelam uma variação na geração de 
resíduos, que pode ser explicado por vários 
fatores como as mudanças ocorridas no formato 
das embalagens dos produtos de subsistência 
humana, aumento da população absoluta do 
município no período caracterizado e o processo 
de urbanização etc. 
A geração per capita que relaciona a 
quantidade de resíduos gerada diariamente em 
toneladas. No caso de Macapá apresenta uma 
variabilidade entre os meses, o peso específico 
aparente, ou seja, peso dos resíduos soltos em 
função do volume ocupado livremente sem 
compactação, embora sofra algumas variações 
através dos aspectos relacionados a 
sazonalidades climáticas ou econômicas, 
apresentam dados fundamentais para o 
dimensionamento dos equipamentos necessários 
para coleta, transporte e disposição final. 
Tabela 01 - Levantamento Mensal dos resíduos sólidos urbanos em toneladas e seus custos 
MÊS/AN 
O 2013 
DOMICILIA 
R E 
RESSACA 
FEIRAS E 
MERCADO 
S 
ÁREA DE 
DIFÍCIL 
ACESSO 
COLETA 
SELETIVA 
INST.LIXEIRA 
S 
VALOR 
TON. TOTAL 
MÊS-TON. 
JAN. 5.719,78 423,24 976,60 1,00 VARIÁVEL 7.119,62 
VALOR 675.506,02 49.984,64 125.854,44 10.544,97 861.890,07 
FEV. 4.986,22 267,30 366,52 0 VARIÁVEL 5.620,04 
VALOR 588.872,58 31.568,13 47.233,44 0,00 667.674,15 
MAR. 5.870,05 252,15 492,58 0 VARIÁVEL 6.614,78 
VALOR 693.252,90 29.778,91 63.478,78 0,00 786.510,60 
ABR. 5.531,06 250,29 528,79 0 VARIÁVEL 6.310,14 
VALOR 653.218,18 29.559,25 68.145,16 0,00 750.922,59 
MAI. 5.570,77 239,87 569,75 0 VARIÁVEL 6.380,39 
VALOR 657.907,94 28.328,65 73.423,68 0,00 759.660,27 
JUN. 4.892,05 235,84 726,06 1,00 VARIÁVEL 5.854,60 
VALOR 577.751,13 27.852,70 93.567,35 5.272,48 704.443,66 
JUL. 5.246,25 171,91 1.079,63 0,00 VARIÁVEL 6.497,79 
VALOR 619.582,12 20.302,57 139.131,91 27.997,89 807.014,49 
AGO. 4.818,12 152,39 958,70 0,00 VARIÁVEL 5.929,21 
VALOR 569.019,97 17.997,25 123.547,66 21.089,93 731.654,81 
Total 5.035.110,84 235.372,10 734.382,42 64.905,27 6.069.770.64 
Fonte: Adaptado de PMM - SEMU (2013) 
Com relação a caracterização dos 
resíduos, diversos fatores influenciam na 
variabilidade dos mesmos. No caso da 
quantificação, o peso específico dos resíduos 
sofre muitas alterações devido às mudanças 
climáticas, principalmente pela quantidade de 
água contida na massa do lixo (teor de umidade), 
que é alterada pelo aumento ou diminuição dos 
índices pluviométricos, existindo uma tendência 
que pode ser demonstrada: quanto maior os 
índices pluviométricos maior a produção dos 
resíduos em toneladas (MÁRQUEZ, 2008). 
Esses dados são de extrema importância, 
para a sociedade amapaense pois retratam a 
realidade vivida pelo município de Macapá 
quanto aos resíduos sólidos, e que pese refletir 
que maior o lixo produzido, maior será em 
termos de toneladas e consequentemente maior 
será os custos pagos pelo município a empresas 
terceirizadas para a coleta, mão de obra, aterro e 
entulhos produzidos pela sociedade (Tabela 02).
83 
Tabela 02 - Serviços de Limpeza Urbana e Destinação Final no Município de Macapá 
MESES 
COLETA DOS RSU 
(CLEAN GESTÃO 
AMBIENTAL) 
MÃO DE OBRA 
(CLEAN GESTÃO 
AMBIENTAL) 
ATERRO 
(RUMOS 
CONSTRUÇÕES 
AMBIENTAIS) 
ENTULHO 
(COOVAP) 
TOTAL 
JANEIRO 861.890,07 935.435,24 371.751,13 0,00 2,169,076,44 
FEVEREIRO 667.674,15 843.532,74 384.670,83 0,00 1,895,877,72 
MARÇO 786.510,60 1.019.449,26 525.506,47 0,00 2,331,466,33 
ABRIL 750.922,59 1.236.982,09 655.780,01 153.456,00 2,797,140,69 
MAIO 759.660,27 1.240.080,61 644.897,34 154.572,00 2,799,210,22 
JUNHO 704.443,66 1.197.818,45 569.857,08 173.073,00 2,645,192,19 
JULHO 807.014,51 1.214.905,08 645.833,82 168.687,00 2,836,440,41 
AGOSTO 731.654,83 1.156.501,63 467.645,07 187.449,00 2,543,250,53 
Total 6.069.770,68 8.844.705,10 4.265.941,75 837.237,00 20,017,654,53 
Fonte: Adaptado de PMM - SEMU (2013) 
Devido à sua complexidade, a gestão dos 
RSU pode representar despesas significativas 
para os governos locais. Esta despesa tende a 
variar de acordo com as características do 
município (tamanho, relevo, distância até o local 
de disposição final) e a qualidade do serviço 
prestado (coleta seletiva de materiais recicláveis, 
coleta de resíduos volumosos, frequência da 
coleta e da varrição etc.). O tamanho da amostra 
e a qualidade dos dados apresentados não 
permitem uma avaliação qualitativa muito 
aprofundada, devendo algumas destas análises 
ser desenvolvidas em estudos específicos (IPEA, 
2012). 
Conforme já discutido, a gestão dos RSU 
apresenta grande necessidade de recursos 
financeiros, seja para investimentos – compra de 
caminhões, instalação dos aterros sanitários etc., 
seja para custeio das operações – pagamento de 
pessoal, aquisição de material de consumo etc. 
Apesar dessa necessidade, em muitos locais é 
comum a oferta do serviço à população, sem 
cobrança direta (BRINGHENTI, 2004; 
KAJINO). 
Em geral, “taxas de limpeza pública” são 
embutidas nos impostos prediais e territoriais e 
acumuladas no tesouro municipal, embora nem 
sempre sejam coerentes com os gastos reais. Seu 
uso, portanto, é decidido durante a votação do 
orçamento pelas câmaras municipais, o que nem 
sempre garante que estes recursos tenham a 
utilização prevista originalmente 
(BRINGHENTI, 2004; FREITAS, 2006; 
FRÉSCA, 2007). 
Além de gerar receita, a cobrança por 
esses serviços poderia servir de meio para 
transmitir mensagens à sociedade e educar a 
população quanto à necessidade de se reduzir a 
quantidade de resíduos gerados. Entretanto, 
quando a cobrança está embutida nos impostos 
territoriais, por exemplo, perde-se esse fator 
educativo (IPEA, 2012). 
O sentimento de que gerenciar o lixo não 
custa nada permite o aumento inconsequente da 
geração dos RSUs. Além disso, o custo marginal 
é inexistente gerando ou não resíduos, as pessoas 
pagam o mesmo valor. Existem importantes 
críticas a tal posicionamento, uma vez que 
informar aos cidadãos os custos da coleta e 
disposição dos resíduos, pelos quais já pagam, 
poderia incentivar a redução da geração de 
resíduos (FREITAS, 2006; FRÉSCA, 2007; 
IPEA, 2012) 
CONCLUSÃO 
A falta de políticas públicas que vise 
reduzir ou minimizar os agravos provocados 
pelos resíduos sólidos na atualidade é o desafio a 
ser resolvido, as autoridades públicas, e a 
sociedade em geral devem discutir a gestão dos 
resíduos sólidos de forma mais abrangente, 
considerando os princípios de governabilidade. 
Neste sentido, é preciso referir as possíveis 
mudanças necessárias para uma melhor 
qualidade de vida da população a partir de 
mudanças de comportamento, quanto à coleta, 
descarte e reutilização desses resíduos. 
Atreladas às mudanças, é necessário mais 
investimento direto na educação, em políticas 
públicas, saneamento, saúde e temas 
interdisciplinares, assim como, ações diretas do 
poder público referente à tomada de decisões 
mais eficazes e eficientes não ignorando os 
fatores sociais e políticos que têm impacto sobre 
a geração, coleta, tratamento e descarte dos 
resíduos sólidos em áreas urbanas.
84 
O gerenciamento é uma tarefa complexa, 
vale ressaltar que a sua implementação gera 
elevados custos e que envolvem equipes 
especializadas. O município necessita de 
políticas públicas voltadas para os resíduos 
sólidos, com maior integração entre os diversos 
setores da sociedade, para que as estratégias mais 
efetivas possam ser elaboradas, baseadas na 
prevenção e controle da poluição, a fim de que os 
impactos negativos sejam minimizados, bem 
como os prejuízos futuros. 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 
ARCILA, Rafaela Iliana Alves. Panorama dos 
resíduos sólidos urbanos nos municípios de 
pequeno porte no brasil. – Natal RN, 2008. 
Dissertação (Mestrado)-Universidade do Rio 
Grande do norte. Programa regional de Pós-graduação 
em Desenvolvimento e Meio 
Ambiente - PRODEMA, 2008. 
BRITO, M. A. G. M. Considerações sobre 
resíduos sólidos de serviços saúde. Revista 
Eletrônica de Enfermagem (on-line), Goiânia, v. 
2, n. 2, jul-dez. 2000. Disponível: 
<http://www.fen.ufg.br/revista. htm>. Acesso 
em: 2 set. 2013. 
BRINGHENTI, J. Coleta seletiva de resíduos 
sólidos urbanos: aspectos operacionais e da 
participação da população. [Tese de Doutorado]. 
São Paulo, 2004. 
DANTAS, Jaísa David. Diagnóstico e 
proposição de um plano piloto de resíduos 
sólidos no campus santa mônica da 
universidade federal de Uberlândia – MG. 
Uberlândia – MG, 2009. Monografia apresentada 
ao Instituto de Geografia da Universidade 
Federal de Uberlândia – UFU, 2009. 
DIAS, M. A. A. Resíduos dos serviços de saúde 
e a contribuição do hospital para a 
preservação do meio ambiente. Revista 
Academia de Enfermagem, v. 2, n. 2, 29 jan. 
2004. 
DOMINGUES, Simões Bianca. 
Responsabilidade do pós-consumo: Em busca 
da efetividade do direito do Ambiente no 
combate à poluição por resíduos sólidos. São 
José (SC), 2004. Monografia do curso de direito 
da Universidade do Vale do Itajaí – UNIVALI, 
2004. 
FEITOSA, Daniella Nóbrega; ALMEIDA, Lucas 
Milanez de Lima. Situação dos Resíduos 
Sólidos do Município de Ingá/PB. 2012. Curso 
de Especialização em Gestão Pública Municipal 
Modalidade a Distância da Universidade Federal 
da Paraiba do Centro de Ciências Sociais 
Aplicadas Departamento de Economia, 2012. 
FERREIRA, J.A. Lixo hospitalar e domiciliar: 
semelhanças e diferenças. Estudo de caso no 
município do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 
RJ: 1997. 218 p. Tese (Doutorado em Ciências). 
Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de 
Saúde Pública, 1997. 
________. et al. Aspectos de saúde coletiva e 
ocupacional associados à gestão dos resíduos 
sólidos municipais. Caderno Saúde Pública, Rio 
de Janeiro, v. 17. n. 3. maio/jun. 2001. 
Disponível em: 
<http://www.scielo.br/scielo.php/lng_pt>. 
Acesso em: 11 abr. 2006. 
FREITAS, D. F. Caracterização de resíduos 
sólidos domiciliares na cidade satélite do 
Varjão - Distrito Federal. Brasília: Editora da 
UnB, 2006. 
FRÉSCA, F. R. C. Estudo da geração de 
resíduos sólidos domiciliares no município de 
São Carlos, SP, a partir da caracterização 
física. 2007. Dissertação (Mestrado) – 
Universidade de São Carlos, São Carlos. 2007. p. 
1-134. 
INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA 
APLICADA (IPEA). Diagnóstico dos Resíduos 
Sólidos Urbanos. Relatório de Pesquisa. Brasília: 
IPEA, 2012 
KAJINO, L. K. Estudo de viabilidade de 
implantação, operação e monitoramento de 
aterros sanitários: uma abordagem econômica. 
2005. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual 
Paulista, Bauru, 2005.
85 
MACAPÁ (AMAPÁ). In: WIKIPÉDIA, a 
enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia 
Foundation, 2013. Disponível em: 
<http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Mac 
ap%C3%A1&oldid=37207161>. Acesso em: 12 
nov. 2013 
OLIVEIRA, Roberta Moura Martins. Gestão e 
gerenciamento de resíduos sólidos urbanos: o 
programa de coleta seletiva da região 
metropolitana de Belém – PA – Belém, 2012. 
Dissertação (Mestrado)-Universidade da 
Amazônia, Programa de Mestrado em 
Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano, 
2012. 
PIEROT, Roselane Moita. Investigação Do 
Gerenciamento e Reciclagem dos Resíduos 
Sólidos Urbanos em Teresina – Teresina, 
2009. Dissertação de mestrado em 
Desenvolvimento e Meio Ambiente da 
Universidade Federal do Piauí 
(PRODEMA/UFPI/TROPEN). Área de 
Concentração: Políticas de Desenvolvimento e 
Meio Ambiente. 2009. 
PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAPÁ 
(PMM). Secretaria Municipal de Manutenção 
Urbanística (SEMUR). Relatório do Aterro 
sanitário do Município de Macapá 2013. 
Macapá: PMM - SEMUR, 2013. 
RAMOS, Cleliana Sanches e Silva. Gestão dos 
resíduos sólidos dos serviços de Saúde, no 
município de Anápolis-GO – Anápolis, 2008. 
147 p. Dissertação (mestrado em Sociedade 
Tecnologia e Meio Ambiente), Associação 
Educativa Evangélica de Anápolis, Anápolis, 
2008. 
MARTINS, Daiane Raupp. Composição e 
expressividade das despesas com Gestão 
Ambiental realizadas pela Prefeitura 
Municipal de Florianópolis no período de 
2003 a 2008. 2009. 119 p. Monografia (Ciências 
Contábeis) – Departamento de Ciências 
Contábeis, Universidade Federal de Santa 
Catarina, Florianópolis, 2009. 
______________________________________ 
1-Graduação em Enfermagem pela Universidade 
Federal do Amapá e Mestrado pelo Programa de 
Pós Graduação em Ciências da Saúde da 
Universidade Federal do Amapá, UNIFAP. 
Funcionário do Governo do Estado do Amapá 
lotado no Laboratório Central de Saúde Pública 
do Amapá - LACEN-AP, Macapá, Amapá, 
Brasil. 
2-Docente do Programa de Pós Graduação em 
Ciências da Saúde da Universidade Federal do 
Amapá, UNIFAP - Macapá (AP), Brasil. 
3-Graduação em Direito com ênfase em Direito 
Ambiental - Sistema Educacional da Amazônia. 
Pós Graduado em Direito Processual, pelo 
Centro Ensino Superior do Amapá. Docente na 
Universidade Federal do Amapá - UNIFAP - 
Campus Binacional - Oiapoque. Atualmente 
exerce a função de Coordenador do Curso de 
Direito. 
4-Graduação em Pedagogia pela Universidade do 
Estado do Pará e graduação em Direito pela 
Universidade Federal do Pará. Possui Pós- 
Graduação em Docência do Ensino superior. 
Docente da Faculdade Estácio Amapá - Famap e 
Faculdade de Macapá - Fama. 
5-Graduação em Direito pela Universidade de 
Marília, assessor Jurídico da Agência de Pesca 
do Amapá. Docente da Faculdade do Amapá com 
experiência na área de Direito, com ênfase em 
Direito Penal e Direito do Consumidor. 
6-Graduação em Ciências Sociais pela 
Universidade Federal do Amapá e Mestre em 
Planejamento e Políticas Públicas pela 
Universidade Estadual do Ceará-UECE. Docente 
- da Faculdade do Amapá - ESTACIO/FAMAP 
e coordenadora de Trabalho de Conclusão de 
Curso-TCC - ESTACIO/FAMAP. 
*Correspondência: Rubens Alex de Oliveira 
Menezes – Laboratório Central de Saúde Pública 
de Macapá – LACEN(AP). Endereço: Avenida 
Tancredo Neves, 1118. Bairro: São Lázaro, CEP 
- 68908-530, Setor de Bacteriologia, Tel: 
32126175∕81311306∕32235534, Macapá – AP, 
Brasil. E-mail: ra-menezes@hotmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Politica nacional de resíduos solidos apresentação
Politica nacional de resíduos solidos   apresentaçãoPolitica nacional de resíduos solidos   apresentação
Politica nacional de resíduos solidos apresentação
andersoncleuber
 
Política Nacional de Resíduos Sólidos
Política Nacional de Resíduos SólidosPolítica Nacional de Resíduos Sólidos
Política Nacional de Resíduos Sólidos
Fausto Filipe Teixeira
 
Sistema de Informação para Leilão e Comercialização de Resíduos Recicláveis n...
Sistema de Informação para Leilão e Comercialização de Resíduos Recicláveis n...Sistema de Informação para Leilão e Comercialização de Resíduos Recicláveis n...
Sistema de Informação para Leilão e Comercialização de Resíduos Recicláveis n...
REDERESÍDUO
 
Lei Nacional de Resíduos Sólidos
Lei Nacional de Resíduos SólidosLei Nacional de Resíduos Sólidos
Compostagem manual orientacao-mma_2017-06-20
Compostagem manual orientacao-mma_2017-06-20Compostagem manual orientacao-mma_2017-06-20
Compostagem manual orientacao-mma_2017-06-20
Willian Rozendo
 
A PNRS a A3P e o Desenvolvimento SustentávelApresentação qualificação-sem efe...
A PNRS a A3P e o Desenvolvimento SustentávelApresentação qualificação-sem efe...A PNRS a A3P e o Desenvolvimento SustentávelApresentação qualificação-sem efe...
A PNRS a A3P e o Desenvolvimento SustentávelApresentação qualificação-sem efe...
Dacifran Carvalho
 
Tcc denilson dos reis
Tcc denilson dos reisTcc denilson dos reis
Tcc denilson dos reis
deni2011
 
Desafio profissional
Desafio profissionalDesafio profissional
Desafio profissional
Camila Possari
 
Desafio profissional teoria da contabilidade, ciências sociais e responsabil...
Desafio profissional teoria da contabilidade, ciências sociais e  responsabil...Desafio profissional teoria da contabilidade, ciências sociais e  responsabil...
Desafio profissional teoria da contabilidade, ciências sociais e responsabil...
Ana Genesy
 
Coleta Seletiva de Resíduos Sólidos
Coleta Seletiva de Resíduos SólidosColeta Seletiva de Resíduos Sólidos
Coleta Seletiva de Resíduos Sólidos
Master Ambiental
 
Cartilha residuos solidos_furb[1]
Cartilha residuos solidos_furb[1]Cartilha residuos solidos_furb[1]
Cartilha residuos solidos_furb[1]
Eliane Damião Alves
 
Artigo Coleta seletiva
Artigo Coleta seletivaArtigo Coleta seletiva
Artigo Coleta seletiva
dionilson lemos
 
POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: IMPLEMENTAÇÃO E MONITORAMENTO DE RESÍD...
POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: IMPLEMENTAÇÃO E MONITORAMENTO DE RESÍD...POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: IMPLEMENTAÇÃO E MONITORAMENTO DE RESÍD...
POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: IMPLEMENTAÇÃO E MONITORAMENTO DE RESÍD...
Robson Peixoto
 
Engenharia Ambiental
Engenharia AmbientalEngenharia Ambiental
Engenharia Ambiental
jefferson143wallace
 
Aula 7
Aula 7Aula 7
A política nacional de resíduos sólidos comentada
A política nacional de resíduos sólidos   comentadaA política nacional de resíduos sólidos   comentada
A política nacional de resíduos sólidos comentada
Lidiane Fenerich
 
Genro, silveira, sulzbacher, guimarães e redin conflitos na construçao sóci...
Genro, silveira, sulzbacher, guimarães e redin   conflitos na construçao sóci...Genro, silveira, sulzbacher, guimarães e redin   conflitos na construçao sóci...
Genro, silveira, sulzbacher, guimarães e redin conflitos na construçao sóci...
Ezequiel Redin
 
O passo-a-passo de uma Revolução – compostagem e agricultura urbana na gestão...
O passo-a-passo de uma Revolução – compostagem e agricultura urbana na gestão...O passo-a-passo de uma Revolução – compostagem e agricultura urbana na gestão...
O passo-a-passo de uma Revolução – compostagem e agricultura urbana na gestão...
Cepagro
 
Coleção Saber na Prática - Vol. 3, Agricultura Urbana
Coleção Saber na Prática - Vol. 3, Agricultura Urbana Coleção Saber na Prática - Vol. 3, Agricultura Urbana
Coleção Saber na Prática - Vol. 3, Agricultura Urbana
Cepagro
 
Usinas de reciclagem de lixo aspectos sociais e viabilidade econômica
Usinas de reciclagem de lixo aspectos sociais e viabilidade econômicaUsinas de reciclagem de lixo aspectos sociais e viabilidade econômica
Usinas de reciclagem de lixo aspectos sociais e viabilidade econômica
Rancho Caatinga Verde
 

Mais procurados (20)

Politica nacional de resíduos solidos apresentação
Politica nacional de resíduos solidos   apresentaçãoPolitica nacional de resíduos solidos   apresentação
Politica nacional de resíduos solidos apresentação
 
Política Nacional de Resíduos Sólidos
Política Nacional de Resíduos SólidosPolítica Nacional de Resíduos Sólidos
Política Nacional de Resíduos Sólidos
 
Sistema de Informação para Leilão e Comercialização de Resíduos Recicláveis n...
Sistema de Informação para Leilão e Comercialização de Resíduos Recicláveis n...Sistema de Informação para Leilão e Comercialização de Resíduos Recicláveis n...
Sistema de Informação para Leilão e Comercialização de Resíduos Recicláveis n...
 
Lei Nacional de Resíduos Sólidos
Lei Nacional de Resíduos SólidosLei Nacional de Resíduos Sólidos
Lei Nacional de Resíduos Sólidos
 
Compostagem manual orientacao-mma_2017-06-20
Compostagem manual orientacao-mma_2017-06-20Compostagem manual orientacao-mma_2017-06-20
Compostagem manual orientacao-mma_2017-06-20
 
A PNRS a A3P e o Desenvolvimento SustentávelApresentação qualificação-sem efe...
A PNRS a A3P e o Desenvolvimento SustentávelApresentação qualificação-sem efe...A PNRS a A3P e o Desenvolvimento SustentávelApresentação qualificação-sem efe...
A PNRS a A3P e o Desenvolvimento SustentávelApresentação qualificação-sem efe...
 
Tcc denilson dos reis
Tcc denilson dos reisTcc denilson dos reis
Tcc denilson dos reis
 
Desafio profissional
Desafio profissionalDesafio profissional
Desafio profissional
 
Desafio profissional teoria da contabilidade, ciências sociais e responsabil...
Desafio profissional teoria da contabilidade, ciências sociais e  responsabil...Desafio profissional teoria da contabilidade, ciências sociais e  responsabil...
Desafio profissional teoria da contabilidade, ciências sociais e responsabil...
 
Coleta Seletiva de Resíduos Sólidos
Coleta Seletiva de Resíduos SólidosColeta Seletiva de Resíduos Sólidos
Coleta Seletiva de Resíduos Sólidos
 
Cartilha residuos solidos_furb[1]
Cartilha residuos solidos_furb[1]Cartilha residuos solidos_furb[1]
Cartilha residuos solidos_furb[1]
 
Artigo Coleta seletiva
Artigo Coleta seletivaArtigo Coleta seletiva
Artigo Coleta seletiva
 
POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: IMPLEMENTAÇÃO E MONITORAMENTO DE RESÍD...
POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: IMPLEMENTAÇÃO E MONITORAMENTO DE RESÍD...POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: IMPLEMENTAÇÃO E MONITORAMENTO DE RESÍD...
POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: IMPLEMENTAÇÃO E MONITORAMENTO DE RESÍD...
 
Engenharia Ambiental
Engenharia AmbientalEngenharia Ambiental
Engenharia Ambiental
 
Aula 7
Aula 7Aula 7
Aula 7
 
A política nacional de resíduos sólidos comentada
A política nacional de resíduos sólidos   comentadaA política nacional de resíduos sólidos   comentada
A política nacional de resíduos sólidos comentada
 
Genro, silveira, sulzbacher, guimarães e redin conflitos na construçao sóci...
Genro, silveira, sulzbacher, guimarães e redin   conflitos na construçao sóci...Genro, silveira, sulzbacher, guimarães e redin   conflitos na construçao sóci...
Genro, silveira, sulzbacher, guimarães e redin conflitos na construçao sóci...
 
O passo-a-passo de uma Revolução – compostagem e agricultura urbana na gestão...
O passo-a-passo de uma Revolução – compostagem e agricultura urbana na gestão...O passo-a-passo de uma Revolução – compostagem e agricultura urbana na gestão...
O passo-a-passo de uma Revolução – compostagem e agricultura urbana na gestão...
 
Coleção Saber na Prática - Vol. 3, Agricultura Urbana
Coleção Saber na Prática - Vol. 3, Agricultura Urbana Coleção Saber na Prática - Vol. 3, Agricultura Urbana
Coleção Saber na Prática - Vol. 3, Agricultura Urbana
 
Usinas de reciclagem de lixo aspectos sociais e viabilidade econômica
Usinas de reciclagem de lixo aspectos sociais e viabilidade econômicaUsinas de reciclagem de lixo aspectos sociais e viabilidade econômica
Usinas de reciclagem de lixo aspectos sociais e viabilidade econômica
 

Semelhante a Artigo bioterra v15_n1_09

Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N2 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N2 2011Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N2 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N2 2011
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 
V17n6a14
V17n6a14V17n6a14
ARTIGO SILVIA COLETA SELETIVA E RESÍDUOS.pdf
ARTIGO SILVIA COLETA SELETIVA E RESÍDUOS.pdfARTIGO SILVIA COLETA SELETIVA E RESÍDUOS.pdf
ARTIGO SILVIA COLETA SELETIVA E RESÍDUOS.pdf
SimoneHelenDrumond
 
Plataforma 2012-1
Plataforma 2012-1Plataforma 2012-1
Consulte a íntegra da Plataforma Ambiental aos Municípios 2012
Consulte a íntegra da Plataforma Ambiental aos Municípios 2012Consulte a íntegra da Plataforma Ambiental aos Municípios 2012
Consulte a íntegra da Plataforma Ambiental aos Municípios 2012
Portal Canal Rural
 
Resgate Cambui/Avaliação econômica das árvores viárias
Resgate Cambui/Avaliação econômica das árvores viárias Resgate Cambui/Avaliação econômica das árvores viárias
Resgate Cambui/Avaliação econômica das árvores viárias
resgate cambui ong
 
DESENHO DE ASSENTAMENTOS URBANOS SUSTENTÁVEIS: PROPOSTA METODOLÓGICA
DESENHO DE ASSENTAMENTOS URBANOS SUSTENTÁVEIS: PROPOSTA METODOLÓGICADESENHO DE ASSENTAMENTOS URBANOS SUSTENTÁVEIS: PROPOSTA METODOLÓGICA
DESENHO DE ASSENTAMENTOS URBANOS SUSTENTÁVEIS: PROPOSTA METODOLÓGICA
Tobias Vier Schwambach
 
Assentamentos urbanos
Assentamentos urbanosAssentamentos urbanos
Assentamentos urbanos
abokaiuka
 
Curso sobre a Gestao de residuos solidos urbanos
Curso sobre a Gestao de residuos solidos urbanosCurso sobre a Gestao de residuos solidos urbanos
Curso sobre a Gestao de residuos solidos urbanos
Grupo Treinar
 
Análise do Planejamento Metropolitano da Região Metropolitana de Porto Alegre...
Análise do Planejamento Metropolitano da Região Metropolitana de Porto Alegre...Análise do Planejamento Metropolitano da Região Metropolitana de Porto Alegre...
Análise do Planejamento Metropolitano da Região Metropolitana de Porto Alegre...
Isabella Aragão Araújo
 
PPTX_378775_2021_09_03_10_48_20 (1).pptx
PPTX_378775_2021_09_03_10_48_20 (1).pptxPPTX_378775_2021_09_03_10_48_20 (1).pptx
PPTX_378775_2021_09_03_10_48_20 (1).pptx
FabianoDoVale
 
Aula 02 a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiais
Aula 02   a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiaisAula 02   a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiais
Aula 02 a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiais
Julyanne Rodrigues
 
LIXO NO BAIRRO PILOTO, DISSERTAÇÃO
LIXO NO BAIRRO PILOTO, DISSERTAÇÃOLIXO NO BAIRRO PILOTO, DISSERTAÇÃO
LIXO NO BAIRRO PILOTO, DISSERTAÇÃO
johnbasadila
 
Perspectivas Ambientais para Rio das Pedras
Perspectivas Ambientais para Rio das PedrasPerspectivas Ambientais para Rio das Pedras
Perspectivas Ambientais para Rio das Pedras
Ewerton Clemente
 
Gestão dos resíduos sólidos urbanos no Município de Malhada-Bahia
Gestão dos resíduos sólidos urbanos no Município de Malhada-BahiaGestão dos resíduos sólidos urbanos no Município de Malhada-Bahia
Gestão dos resíduos sólidos urbanos no Município de Malhada-Bahia
Josedalva Farias Dos Santos
 
Meioambi
MeioambiMeioambi
Meioambi
afermartins
 
Manual de educação ambiental vol 4
Manual de educação ambiental vol 4Manual de educação ambiental vol 4
Manual de educação ambiental vol 4
Ananda Helena
 
Gestão de Canais Reversos de Captação de Resíduos: O Câmbio Verde em Curitiba/PR
Gestão de Canais Reversos de Captação de Resíduos: O Câmbio Verde em Curitiba/PRGestão de Canais Reversos de Captação de Resíduos: O Câmbio Verde em Curitiba/PR
Gestão de Canais Reversos de Captação de Resíduos: O Câmbio Verde em Curitiba/PR
ProjetoBr
 
Os Impactos nas Administrações Municipais e as Ações do Governo Federal para ...
Os Impactos nas Administrações Municipais e as Ações do Governo Federal para ...Os Impactos nas Administrações Municipais e as Ações do Governo Federal para ...
Os Impactos nas Administrações Municipais e as Ações do Governo Federal para ...
Instituto Besc
 
Como tornar as cidades sustentáveis
Como tornar as cidades sustentáveisComo tornar as cidades sustentáveis
Como tornar as cidades sustentáveis
Fernando Alcoforado
 

Semelhante a Artigo bioterra v15_n1_09 (20)

Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N2 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N2 2011Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N2 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N2 2011
 
V17n6a14
V17n6a14V17n6a14
V17n6a14
 
ARTIGO SILVIA COLETA SELETIVA E RESÍDUOS.pdf
ARTIGO SILVIA COLETA SELETIVA E RESÍDUOS.pdfARTIGO SILVIA COLETA SELETIVA E RESÍDUOS.pdf
ARTIGO SILVIA COLETA SELETIVA E RESÍDUOS.pdf
 
Plataforma 2012-1
Plataforma 2012-1Plataforma 2012-1
Plataforma 2012-1
 
Consulte a íntegra da Plataforma Ambiental aos Municípios 2012
Consulte a íntegra da Plataforma Ambiental aos Municípios 2012Consulte a íntegra da Plataforma Ambiental aos Municípios 2012
Consulte a íntegra da Plataforma Ambiental aos Municípios 2012
 
Resgate Cambui/Avaliação econômica das árvores viárias
Resgate Cambui/Avaliação econômica das árvores viárias Resgate Cambui/Avaliação econômica das árvores viárias
Resgate Cambui/Avaliação econômica das árvores viárias
 
DESENHO DE ASSENTAMENTOS URBANOS SUSTENTÁVEIS: PROPOSTA METODOLÓGICA
DESENHO DE ASSENTAMENTOS URBANOS SUSTENTÁVEIS: PROPOSTA METODOLÓGICADESENHO DE ASSENTAMENTOS URBANOS SUSTENTÁVEIS: PROPOSTA METODOLÓGICA
DESENHO DE ASSENTAMENTOS URBANOS SUSTENTÁVEIS: PROPOSTA METODOLÓGICA
 
Assentamentos urbanos
Assentamentos urbanosAssentamentos urbanos
Assentamentos urbanos
 
Curso sobre a Gestao de residuos solidos urbanos
Curso sobre a Gestao de residuos solidos urbanosCurso sobre a Gestao de residuos solidos urbanos
Curso sobre a Gestao de residuos solidos urbanos
 
Análise do Planejamento Metropolitano da Região Metropolitana de Porto Alegre...
Análise do Planejamento Metropolitano da Região Metropolitana de Porto Alegre...Análise do Planejamento Metropolitano da Região Metropolitana de Porto Alegre...
Análise do Planejamento Metropolitano da Região Metropolitana de Porto Alegre...
 
PPTX_378775_2021_09_03_10_48_20 (1).pptx
PPTX_378775_2021_09_03_10_48_20 (1).pptxPPTX_378775_2021_09_03_10_48_20 (1).pptx
PPTX_378775_2021_09_03_10_48_20 (1).pptx
 
Aula 02 a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiais
Aula 02   a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiaisAula 02   a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiais
Aula 02 a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiais
 
LIXO NO BAIRRO PILOTO, DISSERTAÇÃO
LIXO NO BAIRRO PILOTO, DISSERTAÇÃOLIXO NO BAIRRO PILOTO, DISSERTAÇÃO
LIXO NO BAIRRO PILOTO, DISSERTAÇÃO
 
Perspectivas Ambientais para Rio das Pedras
Perspectivas Ambientais para Rio das PedrasPerspectivas Ambientais para Rio das Pedras
Perspectivas Ambientais para Rio das Pedras
 
Gestão dos resíduos sólidos urbanos no Município de Malhada-Bahia
Gestão dos resíduos sólidos urbanos no Município de Malhada-BahiaGestão dos resíduos sólidos urbanos no Município de Malhada-Bahia
Gestão dos resíduos sólidos urbanos no Município de Malhada-Bahia
 
Meioambi
MeioambiMeioambi
Meioambi
 
Manual de educação ambiental vol 4
Manual de educação ambiental vol 4Manual de educação ambiental vol 4
Manual de educação ambiental vol 4
 
Gestão de Canais Reversos de Captação de Resíduos: O Câmbio Verde em Curitiba/PR
Gestão de Canais Reversos de Captação de Resíduos: O Câmbio Verde em Curitiba/PRGestão de Canais Reversos de Captação de Resíduos: O Câmbio Verde em Curitiba/PR
Gestão de Canais Reversos de Captação de Resíduos: O Câmbio Verde em Curitiba/PR
 
Os Impactos nas Administrações Municipais e as Ações do Governo Federal para ...
Os Impactos nas Administrações Municipais e as Ações do Governo Federal para ...Os Impactos nas Administrações Municipais e as Ações do Governo Federal para ...
Os Impactos nas Administrações Municipais e as Ações do Governo Federal para ...
 
Como tornar as cidades sustentáveis
Como tornar as cidades sustentáveisComo tornar as cidades sustentáveis
Como tornar as cidades sustentáveis
 

Mais de Universidade Federal de Sergipe - UFS

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 

Mais de Universidade Federal de Sergipe - UFS (20)

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 

Artigo bioterra v15_n1_09

  • 1. REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 74 Volume 15 - Número 1 - 1º Semestre 2015 COMPOSIÇÃO DAS DESPESAS ORÇAMENTÁRIAS EXECUTADAS COM RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE MACAPÁ, AMAPÁ, BRASIL Rubens Alex de Oliveira Menezes1*; Flávio Henrique Ferreira Barbosa2; Jose Caldeira Gemaque Neto3; Ester Almeida de Souza4; Ralfe Stenio Sussuarana de Paula5; Karla Cristina Andrade Ferreira6 RESUMO A cadeia produtiva dos resíduos sólidos urbanos necessita de uma série de medidas de controle e gestão, desde a geração até o destino final, de modo a evitar uma série de problemas de ordem ambiental, social, econômica e de saúde pública. Entre essas medidas, destacam-se a coleta, armazenamento, transporte, tratamento e disposição final. No Município de Macapá estado do Amapá a coleta e o destino final dos resíduos domiciliares é realizada por empresas privadas, na qual proporciona enormes gastos para o município, onerando os cofres públicos e prejudicando investimentos em outras áreas prioritárias. Esta pesquisa apresenta como objetivo de analisar a composição e a expressividade das despesas orçamentárias executadas com resíduos sólidos urbanos pelo Município de Macapá, entre os meses de janeiro a agosto de 2013. Para atingir o objetivo proposto foi utilizado o método indutivo caracterizado pela busca de informações bibliográficas e documentais, com intuito de fundamentar teoricamente a pesquisa, e pesquisa de campo (“in locus”) através de entrevistas com os responsáveis pelos resíduos sólidos, buscando descrever e analisar a realidade vivida pelo município. A trajetória metodológica divide-se em quatro fases, sendo a primeira de obtenção de demonstrativos contábeis da Prefeitura Municipal de Macapá (PMM) referente aos meses estudados, a segunda, coletar e tabular os dados, a terceira, organizar e apresentar as informações e a quarta, de análise e interpretação dos dados coletados. Com o crescimento populacional os resíduos sólidos domiciliares tendem a aumentar drasticamente nos próximos anos, elevando custos para sua destinação final. Os resultados mostram que o volume de resíduos sólidos produzidos é significativo tendendo a influenciar os gastos voltados a manter a saúde pública na Região. Palavras-chave: Despesas públicas, resíduos sólidos urbanos, orçamento, Macapá-Amapá. COMPOSITION OF BUDGET EXPENDITURE CARRIED WITH MUNICIPAL SOLID WASTE IN THE MUNICIPALITY OF MACAPÁ, AMAPÁ, BRAZIL ABSTRACT The production chain of municipal solid waste requires a number of control measures and management, from generation to final destination, in order to avoid a number of problems of environmental, social, economic policy and public health. Such measures include the collection, storage, transportation, treatment and final disposal. In the municipality of Amapá Macapá collection of household waste and the final destination is carried out by private companies, which provides enormous expense to the county, a burden on public coffers and harming investment in other priority areas. This research has the objective to analyze the composition and expressiveness of budget expenditure implemented with municipal solid waste at the city of Macapa, between January and August 2013. To achieve the proposed objective inductive method characterized by the search for bibliographic and documentary information, aiming at theoretically the research, and field research ("in locus") was used by interviewing those responsible for solid waste, seeking to describe and analyze the reality experienced by the municipality. The methodology is divided into four phases, the first of obtaining financial statements of the City of Macapá (PMM) for the months studied, the second, collect and tabulate data , the third, organize and present information and the fourth being, analysis and interpretation of data collected. With population growth the solid waste tend to increase dramatically in the coming years, increasing costs to their final destination. The results show that the volume of solid waste are produced significant tending to influence spending aimed at maintaining public health in the Region. Keywords: Public expenditure, municipal solid waste, budget, Macapá-Amapá.
  • 2. 75 INTRODUÇÃO A geração de resíduos é resultado da ação humana, desde a tarefa elementar da alimentação até procedimentos que visam otimizar a vida na Terra, ou seja, a condição humana baseada na utilização e recriação da natureza configura-se na inevitável produção de resíduos (FERREIRA, 1996). O gerenciamento de resíduos sólidos tem por finalidade evitar prejuízos ou riscos à população e ao meio onde está inserida observando as normas pertinentes relativas à saúde pública, segurança, meio ambiente e proteção individual e coletiva (ARCILA, 2008). Esta finalidade perpassa ainda questões como menores custos de operação e responsabilidade socioambiental. Os Resíduos Sólidos Urbanos (RSU) constituem as principais fontes de degradação do meio ambiente nos grandes centros urbanos, caracterizando um problema de difícil solução (DIAS, 2004; DOMINGUES, 2004; DANTAS, 2009). Para Feitosa e Almeida (2012) a crescente geração e descarte final dos resíduos se apresentam como os desafios econômico, social e ambiental a ser enfrentados pelo poder público em todos os países, principalmente os em desenvolvimento. Com o interesse da industrialização focado na produção em larga escala, os efeitos ambientais resultantes das atividades vinculadas às indústrias foram postos em segundo plano, principalmente os impactos diretos e indiretos no solo e nas águas subterrâneas (FEITOSA; ALMEIDA, 2012). Porém, com a possibilidade de uma futura escassez desses recursos nos centros urbanos, local onde é observado maior volume produzido de RSU, estes acabam por ser depositados em locais inadequados dentro da área urbana e sem a preocupação ambiental devida (FERREIRA et al., 2006). Até o início de 2008 o município de Macapá tinha como destinação final dos resíduos sólidos a lixeira pública que ficava localizada na BR-156 no km 05 do município. Os resíduos sólidos eram despejados no solo a céu aberto e sem nenhum tipo de tratamento e o lixo hospitalar ficava misturado com o lixo domiciliar causando problemas ambientais, tais como, poluição do solo e das águas subterrâneas, presença de insetos e vetores transmissores de doenças como baratas, ratos, moscas, etc. (PMM – SEMU, 2013). O Aterro controlado/sanitário do Município de Macapá/AP iniciou as suas atividades em agosto de 2008 e está inserido como proposta de solução para os problemas de tratamento e destinação final dos Resíduos Sólidos Urbanos do município de Macapá (PMM – SEMU, 2013). A produção e acumulação de materiais não degradáveis e as questões ambientais são assuntos que devem ser tratados de forma consciente, pelo governo e por toda sociedade, tornando necessário maiores investimentos em informação, mão de obra especializada, tecnologia, infraestrutura, motivação social e políticas de gestão e/ou cogestão, direcionadas a coleta e tratamento do lixo produzido. A preocupação em torno do destino do lixo se dá principalmente em face da sua característica de inesgotabilidade e comprometimento de grandes áreas, devido sua complexidade estrutural que vai desde substâncias inertes a substâncias altamente tóxicas. A diversidade é uma das características principais dos resíduos sólidos urbanos, ocorrendo principalmente devido o nível de vida e educação da população, do clima, os modos de consumo e das mudanças tecnológicas (PIEROT, 2009; OLIVEIRA, 2012). O desenvolver seja econômico, social e ou tecnológico deve ocorrer de forma sustentada, permitindo a gerações futuras bens e serviços em prol do seu bem-estar. Por outro lado, o desenvolver depende de sérios investimentos em pesquisas e desenvolvimento, de modo, a garantir novas tecnologias que beneficiem a sociedade como um todo. No entanto, atrelado ao desenvolvimento das ciências e de novas tecnologias encontra-se o crescimento do consumo e consequente geração de resíduos. O desenvolvimento econômico tende a alterar o ambiente de forma irreversível (BRITO, 2000; DOMINGUES, 2004; MARTINS, 2009). Neste contexto, encontrar estratégias aceitáveis para lidar com esse problema torna-se uma missão difícil, devido à dificuldade com o gerenciamento e a necessidade de maior consciência ambiental das populações. Vários
  • 3. 76 fatores contribuíram para que a aquisição de produtos ocorra de forma acelerada em um curto espaço de tempo, dentre eles; percebe-se a população cada vez mais consumidora, patrocinada principalmente pela elevação da renda, facilidade de crédito, estabilidade macroeconômica e criação programas sociais por parte do governo, entre outros, construíram a base para o aumento do comércio de consumo em massa, o poder aquisitivo influencia diretamente nos hábitos de aquisição das populações, seja, de produtos alimentícios e ou equipamentos (RAMOS, 2008; MARTINS, 2009). A geração per capita que relaciona a quantidade de resíduos gerada diariamente em toneladas apresenta variabilidade decorrente do peso específico aparente, ou seja, peso dos resíduos soltos em função do volume ocupado livremente sem compactação, embora sofra algumas variações através dos aspectos relacionados a sazonalidades climáticas ou econômicas, apresentam dados fundamentais para o dimensionamento dos equipamentos necessários para coleta, transporte e disposição final (MARTINS, 2009; PIEROT, 2009). A presente pesquisa justifica-se por sua relevância nos contextos municipal, social e acadêmico. No contexto municipal porque analisa as despesas com resíduos sólidos urbano no município em um período de oito meses, com valores ajustados monetariamente. Deste modo, essa pesquisa possibilita ao gestor público uma visão de quanto dos recursos municipais estão sendo destinados às questões relacionadas aos resíduos sólidos. No contexto social, esse trabalho justifica-se porque procura simplificar o entendimento dos relatórios divulgados pela Prefeitura Municipal de Macapá, apresentando figuras, tabelas e explicações com uma linguagem de fácil entendimento. Sendo assim, o presente trabalho evidencia para a sociedade os valores dos recursos gastos com resíduos sólidos no município de Macapá o que pode favorecer o exercício do controle social esclarecido por parte do município. Para o meio acadêmico, esse trabalho pode ser utilizado como fonte de pesquisa e como base para estudos semelhantes, como por exemplo, aplicação do mesmo método de estudo em outros municípios, ou ainda, para análise de outras funções de gestão governamental. Pelos motivos elencados, a pesquisa apresenta objetivo de analisar a composição e a expressividade das despesas orçamentárias executadas com resíduos sólidos urbanos pelo Município de Macapá. METODOLOGIA A metodologia utilizada neste trabalho buscou conduzir a pesquisa através de estudos descritivos e analíticos, com abordagem quali-quantitativa. Pois esse método permite entender o problema no meio em que ele ocorre e auxilia o pesquisador a se aproximar do seu objetivo e do seu objeto a ser estudado, se propondo a conceituar, descrever de uma forma sistêmica (OLIVEIRA, 2012). A pesquisa apresenta caráter descritivo, pois procura descrever os fenômenos observados a partir de dados obtidos “in loco”. A ênfase nos procedimentos quantitativos e qualitativo possibilita a compreensão do fenômeno estudado e de seus processos, fornecendo uma descrição que contribuem para o melhor entendimento da problemática. Para a realização da presente pesquisa, dividiu-se o estudo em quatro fases que são relatadas a seguir: 1º fase: Obtenção de demonstrativos contábeis da PMM referentes aos meses de janeiro de 2013 a agosto 2013. Os demonstrativos da Prefeitura foram fornecidos pela Coordenadora de comunicação do Município de Macapá que disponibilizou uma cópia do relatório resumido das despesas da execução orçamentária, dos períodos estudados. 2º fase: Coleta e tabulação dos dados. Nessa etapa as informações necessárias para a realização do trabalho foram extraídas dos demonstrativos contábeis e tabuladas com a finalidade de facilitar os estudos e a comparação dos dados. 3º fase: Organização e apresentação das informações. Nessa etapa do trabalho as informações coletadas foram organizadas de modo a favorecer a sua apresentação e compreensão, com o uso de recursos visuais como ilustrações e tabelas.
  • 4. 77 4º fase: Análise dos valores, composição e expressividade das despesas realizadas na função do governo municipal de Macapá. Essa é a última etapa da pesquisa e constitui-se de uma análise dos dados coletados, tabulados e apresentados nas etapas anteriores. A presente pesquisa limitou-se ao estudo dos demonstrativos contábeis do Município de Macapá, com enfoque nas despesas ocorridas nos anos anteriores. A abordagem qualitativa também é considerada uma limitação, pois neste tipo de pesquisa o pesquisador é o responsável pela interpretação da realidade e pelo entendimento do contexto social e cultural. Deste modo, a limitação do pesquisador repercute nos resultados da pesquisa. Constitui-se também como limitação, ter-se assumido a veracidade presumida das informações dos demonstrativos contábeis, pois não há uma checagem dos dados coletados para assegurar que os valores foram relatados corretamente, de modo confiável. RESULTADOS E DISCUSSÃO O fluxo do lixo no município de Macapá no período em que foi realizado o estudo ocorre através da geração dos resíduos sólidos urbanos pela população, a coleta e transporte feitos regularmente pelos caminhões coletores de uma empresa que presta serviço para o município que levam diretamente para a destinação final que é o Aterro controlado ou Sanitário de Macapá. Até o início de 2008 o município de Macapá tinha como destinação final dos resíduos sólidos a lixeira pública que ficava localizada na BR-156 no km 05. Os resíduos sólidos eram despejados no solo a céu aberto e sem nenhum tipo de tratamento e o lixo hospitalar ficava misturado com o lixo domiciliar causando problemas ambientais, tais como, poluição do solo e das águas subterrâneas, presença de insetos e vetores transmissores de doenças como baratas, ratos, moscas, etc. (PMM – SEMU, 2013). As comunidades próximas a lixeira pública reclamavam da situação. O Aterro controlado/sanitário do Município de Macapá/AP iniciou as suas atividades em agosto de 2008 e está inserido como proposta de solução para os problemas de tratamento e destinação final dos Resíduos Sólidos Urbanos do município de Macapá. A comunidade mais próxima do aterro controlado/sanitário é a Ilha Redonda que fica localizado a aproximadamente 5 km. O aterro controlado da cidade de Macapá fica localizado em uma área a margem esquerda da BR-156, no sentido Macapá – Oiapoque, no km 14, a partir da confluência desta rodovia com a AP-070. Distanciada 3,5km do rio Matapi, seu limite sul está a 13 km da pista do Aeroporto Internacional de Macapá e 20 km é a distância da área ao centro urbano da capital. A distância entre a área do aterro a foz do igarapé do Jandiá é de 4,7Km (Figura 01). Figura 01 – Foto do aterro controlado da cidade de Macapá Fonte: PMM - SEMU (2013) O processo de transformação do lixão em aterro controlado/Sanitário ocorreu de acordo com os procedimentos de licenciamento ambiental, apresentando a documentação necessária para regularização e obtendo as
  • 5. 78 Licenças Prévias, Instalação e Operação, com suas respectivas condicionantes. De acordo com a PMM – SEMU (2013) a vida útil do aterro controlado/sanitário é de 20 (vinte) anos e a área total compreende 103 hectares, sendo que 58,7 hectares estão ocupados pela vegetação nativa e a área em intervenção é de 36 hectares, aproximadamente, e a área que está afetada pela disposição dos diversos tipos de resíduos (domiciliares, comerciais, entulhos, pneus, etc.) está estimada em 35,7 hectares. Os resíduos sólidos que são coletados na cidade de Macapá, quando entram no aterro recebem tratamento específico para cada classificação do lixo, como: - Célula para resíduos domiciliares: é dividida em platô onde é feita uma escavação da base de modo que garanta a penetração do lixiviado e evite vazamento pelos taludes da célula. É colocada ao redor das células uma barreira de nylon para evitar o espalhamento do material leve esvoaçante - Célula Hospitalar: A célula hospitalar é construída devidamente impermeabilizada com polietileno de alta intensidade e fica em uma área específica cercada, sendo proibida a entrada de catadores e pessoas não autorizadas. A primeira vala sanitária alcançou a sua capacidade máxima e foi encerrada dia 04/07/2009, onde foi realizada uma cobertura argilosa e está sendo plantadas gramíneas nativas visando a proteção da cobertura e preservação dos aspectos naturais da região. - Drenos: os drenos são colocados no topo das células de resíduos domiciliares e consiste em um tratamento de queima de gases para evitar a dissipação desses para o ambiente. - Lagoa de acumulação: é uma lagoa que recebe os líquidos percolados denominados de chorume, que são líquidos da decomposição da matéria orgânica presente no lixo de cor escura, odor desagradável e elevado potencial poluidor. No aterro controlado de Macapá existem quatro áreas: uma destinada aos resíduos de serviço de saúde, onde há uma cédula (vala) que é revestida por uma manta de 2 mm, que evita a contaminação do lençol freático através do chorume proveniente dos resíduos. Outra para receber entulho oriundo de serviços terceirizados (disk entulho) ou de carros particulares com acesso no horário de funcionamento das 07:30 às 17 horas, de segunda a sábado. A terceira para a colocação de pneus recolhidos em borracharias pela vigilância sanitária do município. A última área é mais uma cédula onde há serviços de engenharia para a construção de um aterro sanitário. Antes de se projetar o aterro, a prefeitura de Macapá através da secretaria de manutenção urbanística está realizando estudos geológico e topográfico na área a ser destinada para sua instalação, para que não comprometa o meio ambiente. Em consonância com essa discussão o aterro Controlado/Sanitário de Macapá apresenta como função: - Cerca viva: é uma cerca de arame onde é implantada uma barreira vegetal de bambu que tem como objetivo impedir a visão da área operacional, dificultar o acesso de pessoas não-autorizadas e auxiliar na dispersão do cheiro (Figura 02). Figura 02 – Foto da Cerca viva Fonte: SEMU – PMM (2013)
  • 6. 79 - Acesso a área do aterro: Todos os veículos que adentram a área do Aterro Controlado/Sanitário são cadastrados e passam a compor um banco de dados informacional contendo: tipo de veículo, placa, origem, tipologia de resíduos transportada, dentre outros. Portanto, obrigatoriamente todos os veículos são parados no portão de acesso e somente podem acessar a área caso estejam cadastrados ou possuam autorização da Secretaria Municipal de Manutenção Urbanística - SEMUR. O mesmo se aplica a entrada de pessoas na área, permitida somente com acompanhamento técnico no caso de visitas ao Aterro solicitadas por escolas, faculdades, acadêmicos e outras instituições. Os catadores de lixo devem apresentar suas carteiras de associados e podem permanecer na área no período das 08:00 horas ás 16:00 horas. - Pesagem dos resíduos: É feita a pesagem dos veículos coletores de resíduos em uma balança rodoviária para verificar a quantidade de resíduos coletada e depositada pela Prefeitura e demais geradores (GEA, Comércio em Geral, Estabelecimentos de Serviços de Saúde, Disk- Entulho, etc.) no aterro. - Disposição e confinamento dos resíduos: Após a pesagem os veículos coletores são encaminhados para a área de operação onde são descarregados. Em seguida, o trator de esteira efetua a compactação da massa de lixo, visando a redução do seu volume e formatação da célula/talude. Então, o material de cobertura (solo local) é espalhado sobre a massa de lixo compactada, resultando no seu aterramento/confinamento. - Resíduos de Serviços de Saúde: Por serem considerados Resíduos Perigosos, esse tipo de resíduo não podem ser dispostos na célula de resíduos comuns. Por isso, eles são levados e confinados em células construídas especificamente para essa finalidade, denominadas de valas sépticas. A área das valas é cercada, o acesso é estritamente restrito aos veículos coletores de resíduos de serviços de saúde. - Manutenção da área: São realizadas diversas ações de manutenção que contribuem para a urbanização da área e, principalmente, melhor operação do aterro, tais como: adequações dos acessos internos, paisagismo, pintura, capina, sinalização, manutenção e ampliação da rede de drenagem pluvial, etc. - Monitoramento Ambiental: O monitoramento ambiental é feito regulamente e visa acompanhar os parâmetros que permite avaliar a qualidade ambiental no aterro controlado/sanitário e suas proximidades evitando, assim, o agravamento de um impacto e consiste em controlar: - A qualidade das águas subterrânea; - A qualidade do ar; - Os insetos e vetores de doenças; - Os ruídos e vibrações - A poeira e material esvoaçante - Os impactos visuais negativos. O Termo de Ajustamento de Conduta Ambiental, firmado com o Ministério Público Estadual, Secretaria de Estado do Meio Ambiente (SEMA) e o Município de Macapá. Em agosto de 2005, todos os itens de responsabilidade da Secretaria Municipal de Manutenção Urbanística (SEMUR) foram cumpridos e atestados pela Promotoria de Justiça do Meio Ambiente, Conflitos Agrários, Habitação e Urbanismo da Comarca de Macapá (PRODEMAC). O processo de elaboração do projeto executivo de remediação da área foi realizado por meio de estudos hidro geológicos da área, com a realização de perfurações para analisar a profundidade do lençol freático e também para conhecer o perfil litológico do solo, subsidiando a locação das células de aterramento dos resíduos. No processo de licenciamento ambiental, o Instituto de Meio Ambiente e Ordenamento Territorial do Amapá (IMAP) inseriu como condicionante das Licenças, a partir da Licença de Instalação (LI), a apresentação de Relatórios de Monitoramento Ambiental com análises da qualidade da água. Semestralmente são feitos relatório, que pode ser acessado no IMAP ou na própria SEMUR por trata-se de documento público. A
  • 7. 80 Polícia Federal e a Polícia Técnica Científica do Amapá efetuaram no ano de 2010 perícias na área do aterro. Na referida área existem 03 pontos de amostragem de água superficial, 02 de água subterrânea e 04 poços rasos. Será perfurado mais um ponto de amostragem de água subterrânea, próximo a lagoa de acumulação. - Catadores: Os catadores são organizados em uma associação ACAM (Associação dos Catadores de Macapá). A Associação organiza os trabalhos dentro do Aterro Controlado de Macapá e dá apoio social, no que diz respeito à busca de melhoria das condições de trabalho aos seus associados. Atualmente há apenas cerca de 90 catadores trabalhando na catação direta e comercialização do lixo reciclável no Aterro Controlado de Macapá. Essa quantidade de catadores hoje é fixa, devido a algumas normas adotadas pela administração do Aterro que visam à organização e o controle da rotatividade desses trabalhadores. Em 2007, uma parceria entre SEMUR/PMM, o Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá (IEPA), Promotoria do Meio Ambiente, e recurso captado através do Projeto reciclando o Amapá (RECICLAP) junto à Agência de Fomento do Amapá (AFAP), foi realizada uma oficina de capacitação. Nessa oficina foi capacitado 35 catadores, seguido da montagem de uma fábrica para a confecção de vassouras resultantes da reciclagem do Pet, dentro do Aterro Controlado de Macapá. Esse projeto teve êxito, tendo sido a “VASSOURA CARAPIRÁ”, após a sua comercialização, reconhecida por sua qualidade e durabilidade pelo consumidor local. - Coleta e transporte A coleta do lixo significa recolher o lixo já acondicionado pelos imóveis residenciais, estabelecimentos públicos e comércio e encaminhá-lo, mediante transporte adequado para tratamento, caso necessário, e disposição final. A coleta desses resíduos deve ser realizada a partir de um planejamento básico, para que se evite problemas de saúde que o mesmo possa propiciar. Segundo informações obtidas da PMM - SEMUR (2013) a disposição final dos resíduos sólidos do Município de Macapá ocorre através de tratamento e separação, sendo sistematizado da seguinte forma: - Resíduos Urbanos (domicilar, comercial, feiras e varrição) - provenientes da coleta dos domicílios, varrição e feiras e mercados, bem como de entidades privadas tais como restaurantes, comércios e empresas que precisam dar a correta destinação final aos resíduos (papéis, plásticos, vidros, metais, restos de materiais orgânicos que não podem ser reaproveitados. etc.), são destinados à célula de resíduos urbanos; - Resíduos de Construção: Ele é constituído de restos de praticamente todos os materiais de construção (argamassa, areia, cerâmicas, concretos, madeira, metais, papéis, plásticos, pedras, tijolos, tintas, etc.) e sua composição química está vinculada à composição de cada um de seus constituintes. No entanto, a maior fração de sua massa é formada por material não mineral (madeira, papel, plásticos, metais e matéria orgânica), estes resíduos, são destinados à área de entulho. - Limpeza de Terrenos: São limpezas de terrenos composto de terra, galhos de árvore, capim, pedra etc. trazidos por empresas terceirizadas tais como disk entulho, papa tudo etc. Esse tipo de resíduos por não ter necessidade de nenhum tratamento. São destinados a uma área especificas do Aterro, chamada de Bota Fora que poderá ser reutilizada como recobrimento em algumas partes das células. - Resíduo de Serviços de Saúde: os provenientes de atividades de natureza médico-assistencial, de centros de pesquisa e de desenvolvimento e experimentação na área de saúde, bem como os remédios vencidos e/ou deteriorados requerendo condições especiais quanto ao acondicionamento, coleta, transporte, tratamento e disposição final, por apresentarem periculosidade real ou potencial à saúde humana, animal e ao meio ambiente são destinados em valas sépticas. Segundo a Secretaria de Obras e Serviços Públicos do Município de Macapá, a coleta convencional, que envolve a coleta dos resíduos domiciliares, comerciais, públicos e feiras livres,
  • 8. 81 uma porcentagem da população atendida pelo sistema de coleta de lixo corresponde a 95%, sendo que, deste 95%, 27% do lixo produzido é coletado diariamente e 73% é coletado em dias alternados. Com frequência diária no centro da cidade e dias alternados nos demais bairros, apresenta também coleta noturna, em algumas áreas. Segundo a PMM - SEMUR (2013) a coleta de residuos sólidos urbanos de Macapá é feita da seguinte maneira: - A Coleta diaria: É realizada no periodo noturno por 10 caminhões compactadores de 15 m³, abrangendo os bairros : Central, Jesus de Nazaré, Laguinho, Pacoval, Perpetuo Socorro, Trem, Beirol, Buritizal, Santa Rita e Alvorada,no horário das 19:00 hs às 02 hs :47 min. - A Coleta alternada: É realizada de duas maneiras distintas no periodo diurno, sendo que, os bairros localizados no setor sul da cidade de Macapá, é feita nos dias: segunda-feira, quarta-feira e sexta-feira e os bairros localizados no setor Norte da cidade de Macapá é feita nos dias: terça-feira, quinta-feira e sábado. Os setores acima discriminados, são atendidos com 11 caminhões compactadores de 15 m³. A realização da coleta e transporte dos resíduos sólidos urbanos passam pelo dimensionamento adequado do equipamento, da equipe e dos roteiros de coleta. No caso dos resíduos gerados no Município de Macapá, segundo informações da empresa prestadora do serviço os equipamentos a equipe de coleta e transporte estão condizentes com o montante desses resíduos gerados no município. O planejamento e dimensionamento do serviço de coleta regular dos resíduos gerados no Município de Macapá ocorre por intermédio de um roteiro descritivo, que lançado em mapa, indique a extensão de cada trecho, tempo a ser gasto, velocidade prevista para cada localidade e o horário aproximado de atendimento em cada trecho do setor de coleta (PMM – SEMU, 2013). Segundo a empresa prestadora do serviço, os roteiros de coleta obedecem alguns dos critérios de planejamento, como o cuidado com as passagens repetidas em um mesmo trecho (percursos mortos), roteiros compatíveis com a capacidade dos equipamentos e material de segurança dos coletores. A Coleta diurna compreende 09 caminhões compactadores de 15m³ (+ reserva) e a coleta noturna compreende 08 caminhões coletores compactadores de 15m³ (+ reserva). Para definir a quantidade de resíduos sólidos urbanos gerados, se faz necessário um acompanhamento diário da produção de resíduos no local onde se deseja levantar tal informação. Em Macapá, segundo a prefeitura local que forneceu os dados através da SEMU as empresas que prestam serviços a prefeitura (CLEAN GESTÃO AMBIENTAL) responsável pela coleta dos resíduos sólidos e (RUMOS CONSTRUÇÕES AMBIENTAIS) responsável pelo aterro sanitário. Segundo informações da PMM – SEMU (2013) é feito um acompanhamento diário na geração dos resíduos. Existem estudos/estimativas das proporporções de cada lixo no total de lixo armazenado (orgânico, não orgânico, doméstico, industrial, etc) produzido na cidade de Macapá. A (figura 03) evidencia justamente o quantitativo de de residuo solido produzido no municipio de Macapá. Figura 03 - Residuo solido depositado no Aterro sanitario de Macapá Fonte: PMM - SEMU (2013)
  • 9. 82 Conforme visualização da (Tabela 01) o município de Macapá gera em toneladas por mês um quantitativo variável e bem elevado decorrente dos resíduos domiciliares e comerciais, conforme ilustrado na tabela. O quantitativo expresso referente a dados preliminar do período de janeiro de 2013 a agosto de 2013 com medidas em toneladas e seus respectivos valores (PMM – SEMU, 2013). Os mesmos revelam uma variação na geração de resíduos, que pode ser explicado por vários fatores como as mudanças ocorridas no formato das embalagens dos produtos de subsistência humana, aumento da população absoluta do município no período caracterizado e o processo de urbanização etc. A geração per capita que relaciona a quantidade de resíduos gerada diariamente em toneladas. No caso de Macapá apresenta uma variabilidade entre os meses, o peso específico aparente, ou seja, peso dos resíduos soltos em função do volume ocupado livremente sem compactação, embora sofra algumas variações através dos aspectos relacionados a sazonalidades climáticas ou econômicas, apresentam dados fundamentais para o dimensionamento dos equipamentos necessários para coleta, transporte e disposição final. Tabela 01 - Levantamento Mensal dos resíduos sólidos urbanos em toneladas e seus custos MÊS/AN O 2013 DOMICILIA R E RESSACA FEIRAS E MERCADO S ÁREA DE DIFÍCIL ACESSO COLETA SELETIVA INST.LIXEIRA S VALOR TON. TOTAL MÊS-TON. JAN. 5.719,78 423,24 976,60 1,00 VARIÁVEL 7.119,62 VALOR 675.506,02 49.984,64 125.854,44 10.544,97 861.890,07 FEV. 4.986,22 267,30 366,52 0 VARIÁVEL 5.620,04 VALOR 588.872,58 31.568,13 47.233,44 0,00 667.674,15 MAR. 5.870,05 252,15 492,58 0 VARIÁVEL 6.614,78 VALOR 693.252,90 29.778,91 63.478,78 0,00 786.510,60 ABR. 5.531,06 250,29 528,79 0 VARIÁVEL 6.310,14 VALOR 653.218,18 29.559,25 68.145,16 0,00 750.922,59 MAI. 5.570,77 239,87 569,75 0 VARIÁVEL 6.380,39 VALOR 657.907,94 28.328,65 73.423,68 0,00 759.660,27 JUN. 4.892,05 235,84 726,06 1,00 VARIÁVEL 5.854,60 VALOR 577.751,13 27.852,70 93.567,35 5.272,48 704.443,66 JUL. 5.246,25 171,91 1.079,63 0,00 VARIÁVEL 6.497,79 VALOR 619.582,12 20.302,57 139.131,91 27.997,89 807.014,49 AGO. 4.818,12 152,39 958,70 0,00 VARIÁVEL 5.929,21 VALOR 569.019,97 17.997,25 123.547,66 21.089,93 731.654,81 Total 5.035.110,84 235.372,10 734.382,42 64.905,27 6.069.770.64 Fonte: Adaptado de PMM - SEMU (2013) Com relação a caracterização dos resíduos, diversos fatores influenciam na variabilidade dos mesmos. No caso da quantificação, o peso específico dos resíduos sofre muitas alterações devido às mudanças climáticas, principalmente pela quantidade de água contida na massa do lixo (teor de umidade), que é alterada pelo aumento ou diminuição dos índices pluviométricos, existindo uma tendência que pode ser demonstrada: quanto maior os índices pluviométricos maior a produção dos resíduos em toneladas (MÁRQUEZ, 2008). Esses dados são de extrema importância, para a sociedade amapaense pois retratam a realidade vivida pelo município de Macapá quanto aos resíduos sólidos, e que pese refletir que maior o lixo produzido, maior será em termos de toneladas e consequentemente maior será os custos pagos pelo município a empresas terceirizadas para a coleta, mão de obra, aterro e entulhos produzidos pela sociedade (Tabela 02).
  • 10. 83 Tabela 02 - Serviços de Limpeza Urbana e Destinação Final no Município de Macapá MESES COLETA DOS RSU (CLEAN GESTÃO AMBIENTAL) MÃO DE OBRA (CLEAN GESTÃO AMBIENTAL) ATERRO (RUMOS CONSTRUÇÕES AMBIENTAIS) ENTULHO (COOVAP) TOTAL JANEIRO 861.890,07 935.435,24 371.751,13 0,00 2,169,076,44 FEVEREIRO 667.674,15 843.532,74 384.670,83 0,00 1,895,877,72 MARÇO 786.510,60 1.019.449,26 525.506,47 0,00 2,331,466,33 ABRIL 750.922,59 1.236.982,09 655.780,01 153.456,00 2,797,140,69 MAIO 759.660,27 1.240.080,61 644.897,34 154.572,00 2,799,210,22 JUNHO 704.443,66 1.197.818,45 569.857,08 173.073,00 2,645,192,19 JULHO 807.014,51 1.214.905,08 645.833,82 168.687,00 2,836,440,41 AGOSTO 731.654,83 1.156.501,63 467.645,07 187.449,00 2,543,250,53 Total 6.069.770,68 8.844.705,10 4.265.941,75 837.237,00 20,017,654,53 Fonte: Adaptado de PMM - SEMU (2013) Devido à sua complexidade, a gestão dos RSU pode representar despesas significativas para os governos locais. Esta despesa tende a variar de acordo com as características do município (tamanho, relevo, distância até o local de disposição final) e a qualidade do serviço prestado (coleta seletiva de materiais recicláveis, coleta de resíduos volumosos, frequência da coleta e da varrição etc.). O tamanho da amostra e a qualidade dos dados apresentados não permitem uma avaliação qualitativa muito aprofundada, devendo algumas destas análises ser desenvolvidas em estudos específicos (IPEA, 2012). Conforme já discutido, a gestão dos RSU apresenta grande necessidade de recursos financeiros, seja para investimentos – compra de caminhões, instalação dos aterros sanitários etc., seja para custeio das operações – pagamento de pessoal, aquisição de material de consumo etc. Apesar dessa necessidade, em muitos locais é comum a oferta do serviço à população, sem cobrança direta (BRINGHENTI, 2004; KAJINO). Em geral, “taxas de limpeza pública” são embutidas nos impostos prediais e territoriais e acumuladas no tesouro municipal, embora nem sempre sejam coerentes com os gastos reais. Seu uso, portanto, é decidido durante a votação do orçamento pelas câmaras municipais, o que nem sempre garante que estes recursos tenham a utilização prevista originalmente (BRINGHENTI, 2004; FREITAS, 2006; FRÉSCA, 2007). Além de gerar receita, a cobrança por esses serviços poderia servir de meio para transmitir mensagens à sociedade e educar a população quanto à necessidade de se reduzir a quantidade de resíduos gerados. Entretanto, quando a cobrança está embutida nos impostos territoriais, por exemplo, perde-se esse fator educativo (IPEA, 2012). O sentimento de que gerenciar o lixo não custa nada permite o aumento inconsequente da geração dos RSUs. Além disso, o custo marginal é inexistente gerando ou não resíduos, as pessoas pagam o mesmo valor. Existem importantes críticas a tal posicionamento, uma vez que informar aos cidadãos os custos da coleta e disposição dos resíduos, pelos quais já pagam, poderia incentivar a redução da geração de resíduos (FREITAS, 2006; FRÉSCA, 2007; IPEA, 2012) CONCLUSÃO A falta de políticas públicas que vise reduzir ou minimizar os agravos provocados pelos resíduos sólidos na atualidade é o desafio a ser resolvido, as autoridades públicas, e a sociedade em geral devem discutir a gestão dos resíduos sólidos de forma mais abrangente, considerando os princípios de governabilidade. Neste sentido, é preciso referir as possíveis mudanças necessárias para uma melhor qualidade de vida da população a partir de mudanças de comportamento, quanto à coleta, descarte e reutilização desses resíduos. Atreladas às mudanças, é necessário mais investimento direto na educação, em políticas públicas, saneamento, saúde e temas interdisciplinares, assim como, ações diretas do poder público referente à tomada de decisões mais eficazes e eficientes não ignorando os fatores sociais e políticos que têm impacto sobre a geração, coleta, tratamento e descarte dos resíduos sólidos em áreas urbanas.
  • 11. 84 O gerenciamento é uma tarefa complexa, vale ressaltar que a sua implementação gera elevados custos e que envolvem equipes especializadas. O município necessita de políticas públicas voltadas para os resíduos sólidos, com maior integração entre os diversos setores da sociedade, para que as estratégias mais efetivas possam ser elaboradas, baseadas na prevenção e controle da poluição, a fim de que os impactos negativos sejam minimizados, bem como os prejuízos futuros. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARCILA, Rafaela Iliana Alves. Panorama dos resíduos sólidos urbanos nos municípios de pequeno porte no brasil. – Natal RN, 2008. Dissertação (Mestrado)-Universidade do Rio Grande do norte. Programa regional de Pós-graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente - PRODEMA, 2008. BRITO, M. A. G. M. Considerações sobre resíduos sólidos de serviços saúde. Revista Eletrônica de Enfermagem (on-line), Goiânia, v. 2, n. 2, jul-dez. 2000. Disponível: <http://www.fen.ufg.br/revista. htm>. Acesso em: 2 set. 2013. BRINGHENTI, J. Coleta seletiva de resíduos sólidos urbanos: aspectos operacionais e da participação da população. [Tese de Doutorado]. São Paulo, 2004. DANTAS, Jaísa David. Diagnóstico e proposição de um plano piloto de resíduos sólidos no campus santa mônica da universidade federal de Uberlândia – MG. Uberlândia – MG, 2009. Monografia apresentada ao Instituto de Geografia da Universidade Federal de Uberlândia – UFU, 2009. DIAS, M. A. A. Resíduos dos serviços de saúde e a contribuição do hospital para a preservação do meio ambiente. Revista Academia de Enfermagem, v. 2, n. 2, 29 jan. 2004. DOMINGUES, Simões Bianca. Responsabilidade do pós-consumo: Em busca da efetividade do direito do Ambiente no combate à poluição por resíduos sólidos. São José (SC), 2004. Monografia do curso de direito da Universidade do Vale do Itajaí – UNIVALI, 2004. FEITOSA, Daniella Nóbrega; ALMEIDA, Lucas Milanez de Lima. Situação dos Resíduos Sólidos do Município de Ingá/PB. 2012. Curso de Especialização em Gestão Pública Municipal Modalidade a Distância da Universidade Federal da Paraiba do Centro de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Economia, 2012. FERREIRA, J.A. Lixo hospitalar e domiciliar: semelhanças e diferenças. Estudo de caso no município do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, RJ: 1997. 218 p. Tese (Doutorado em Ciências). Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública, 1997. ________. et al. Aspectos de saúde coletiva e ocupacional associados à gestão dos resíduos sólidos municipais. Caderno Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 17. n. 3. maio/jun. 2001. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php/lng_pt>. Acesso em: 11 abr. 2006. FREITAS, D. F. Caracterização de resíduos sólidos domiciliares na cidade satélite do Varjão - Distrito Federal. Brasília: Editora da UnB, 2006. FRÉSCA, F. R. C. Estudo da geração de resíduos sólidos domiciliares no município de São Carlos, SP, a partir da caracterização física. 2007. Dissertação (Mestrado) – Universidade de São Carlos, São Carlos. 2007. p. 1-134. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Diagnóstico dos Resíduos Sólidos Urbanos. Relatório de Pesquisa. Brasília: IPEA, 2012 KAJINO, L. K. Estudo de viabilidade de implantação, operação e monitoramento de aterros sanitários: uma abordagem econômica. 2005. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2005.
  • 12. 85 MACAPÁ (AMAPÁ). In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, 2013. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Mac ap%C3%A1&oldid=37207161>. Acesso em: 12 nov. 2013 OLIVEIRA, Roberta Moura Martins. Gestão e gerenciamento de resíduos sólidos urbanos: o programa de coleta seletiva da região metropolitana de Belém – PA – Belém, 2012. Dissertação (Mestrado)-Universidade da Amazônia, Programa de Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano, 2012. PIEROT, Roselane Moita. Investigação Do Gerenciamento e Reciclagem dos Resíduos Sólidos Urbanos em Teresina – Teresina, 2009. Dissertação de mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente da Universidade Federal do Piauí (PRODEMA/UFPI/TROPEN). Área de Concentração: Políticas de Desenvolvimento e Meio Ambiente. 2009. PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAPÁ (PMM). Secretaria Municipal de Manutenção Urbanística (SEMUR). Relatório do Aterro sanitário do Município de Macapá 2013. Macapá: PMM - SEMUR, 2013. RAMOS, Cleliana Sanches e Silva. Gestão dos resíduos sólidos dos serviços de Saúde, no município de Anápolis-GO – Anápolis, 2008. 147 p. Dissertação (mestrado em Sociedade Tecnologia e Meio Ambiente), Associação Educativa Evangélica de Anápolis, Anápolis, 2008. MARTINS, Daiane Raupp. Composição e expressividade das despesas com Gestão Ambiental realizadas pela Prefeitura Municipal de Florianópolis no período de 2003 a 2008. 2009. 119 p. Monografia (Ciências Contábeis) – Departamento de Ciências Contábeis, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009. ______________________________________ 1-Graduação em Enfermagem pela Universidade Federal do Amapá e Mestrado pelo Programa de Pós Graduação em Ciências da Saúde da Universidade Federal do Amapá, UNIFAP. Funcionário do Governo do Estado do Amapá lotado no Laboratório Central de Saúde Pública do Amapá - LACEN-AP, Macapá, Amapá, Brasil. 2-Docente do Programa de Pós Graduação em Ciências da Saúde da Universidade Federal do Amapá, UNIFAP - Macapá (AP), Brasil. 3-Graduação em Direito com ênfase em Direito Ambiental - Sistema Educacional da Amazônia. Pós Graduado em Direito Processual, pelo Centro Ensino Superior do Amapá. Docente na Universidade Federal do Amapá - UNIFAP - Campus Binacional - Oiapoque. Atualmente exerce a função de Coordenador do Curso de Direito. 4-Graduação em Pedagogia pela Universidade do Estado do Pará e graduação em Direito pela Universidade Federal do Pará. Possui Pós- Graduação em Docência do Ensino superior. Docente da Faculdade Estácio Amapá - Famap e Faculdade de Macapá - Fama. 5-Graduação em Direito pela Universidade de Marília, assessor Jurídico da Agência de Pesca do Amapá. Docente da Faculdade do Amapá com experiência na área de Direito, com ênfase em Direito Penal e Direito do Consumidor. 6-Graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Amapá e Mestre em Planejamento e Políticas Públicas pela Universidade Estadual do Ceará-UECE. Docente - da Faculdade do Amapá - ESTACIO/FAMAP e coordenadora de Trabalho de Conclusão de Curso-TCC - ESTACIO/FAMAP. *Correspondência: Rubens Alex de Oliveira Menezes – Laboratório Central de Saúde Pública de Macapá – LACEN(AP). Endereço: Avenida Tancredo Neves, 1118. Bairro: São Lázaro, CEP - 68908-530, Setor de Bacteriologia, Tel: 32126175∕81311306∕32235534, Macapá – AP, Brasil. E-mail: ra-menezes@hotmail.com