SlideShare uma empresa Scribd logo
Quadro global de                     «Os Lusíadas
                                                                                          usíadas»


                                                                                                                 PLA OS DA                      I TERVE ÇÃO
ESTROFES                                            ARRATIVA                                                                          ARRADOR
                                                                                                                  ARRATIVA                        DO POETA


                                                                             Canto I
   1-3     PROPOSIÇÃO – o poeta propõe-se cantar os feitos gloriosos dos Portugueses.

   4-5     I VOCAÇÃO – Camões invoca as Ninfas do Tejo (Tágides).                                                                                  POETA

  6-18     DEDICATÓRIA – o poema é dedicado a el-rei D. Sebastião.

   19      Início da ARRAÇÃO – a armada já navega no Oceano Índico.                                            Viagem do Gama

           Consílio dos Deuses no Olimpo. Baco manifesta-se contra os Portugueses. Júpiter, Vénus e
  20-41                                                                                                      Intervenção dos deuses
           Marte defendem-nos.

           A armada chega à Ilha de Moçambique, em frente à qual lança ferro. O Gama recebe mouros e o
                                                                                                               Viagem do Gama
           Regedor a bordo; este, instigado por Baco, tenta destruir os Portugueses, mas é vencido.
  42-99
           Fingindo-se arrependido, oferece-lhes um piloto para os guiar, mas cuja verdadeira missão é                                CAMÕES
                                                                                                             Intervenção dos deuses
           aniquilá-los.

           O piloto (falso) dirige a armada para Quíloa, com a intenção de a destruir, o que Vénus impede,     Viagem do Gama
 100-102   por meio de ventos contrários.
           Novas tentativas do mouro e nova intervenção de Vénus.                                            Intervenção dos deuses

 103-104   Chegada a Mombaça.                                                                                  Viagem do Gama

 105-106   Exclamações do Poeta sobre os perigos que ameaçam o Homem.                                                                              POETA
Canto II
          O rei de Mombaça, instigado por Baco, convida a armada a entrar no porto, com a intenção de a
  1-9                                                                                                       Viagem do Gama
          destruir.

          Baco, fingindo-se sacerdote cristão, engana os dois condenados que vão levar falsas
 10-13                                                                                                    Intervenção dos deuses
          informações ao Gama.

          Vasco da Gama recebe as falsas informações fornecidas pelos dois enviados e decide entrar no
 14-18                                                                                                      Viagem do Gama
          porto. Em terra, prepara-se uma cilada.                                                                                  CAMÕES

 19-24    Vénus e as Nereidas opõem o peito à nau do Gama, impedindo-a de entrar no porto.                Intervenção dos deuses

          Com receio de terem sido descobertos, o piloto embarcado em Moçambique e os mouros que
 25-28                                                                                                      Viagem do Gama
          tinham vindo de Mombaça fogem.

 29-32    O Gama apercebe-se da situação e suplica à “Guarda Divina” que o conduza à terra que busca.      Intervenção de Deus

          Vénus sobe ao Olimpo e queixa-se a Júpiter da falta de protecção dispensada aos Portugueses.
                                                                                                                                   CAMÕES
          Júpiter acede ao pedido da filha e profetiza feitos gloriosos para os Portugueses.
 33-63                                                                                                    Intervenção dos deuses      e
          Mercúrio é enviado a terra por Júpiter para preparar uma boa recepção em Melinde e,
                                                                                                                                   JÚPITER
          simultaneamente, inspirar ao Gama, através de sonhos, o caminho a seguir.

 64-71    A armada sai de Mombaça e retoma a viagem.                                                        Viagem do Gama

          Os Portugueses chegam a Melinde, onde são magnificamente recebidos.                                                      CAMÕES
72-113    O rei de Melinde visita a armada e pede ao Gama que lhe conte a história de Portugal e a sua      Viagem do Gama
          própria viagem.

                                                                           Canto III
  1-2     Camões invoca Calíope.                                                                                                              POETA

  3-5     Vasco da Gama inicia a sua narração ao rei de Melinde, expondo-lhe o que lhe vai contar.         História de Portugal

 6-21     O Gama descreve a Europa e situa Portugal neste continente.                                      História de Portugal

          Vasco da Gama, depois de aludir a Luso e a Viriato, fala do Conde D. Henrique e refere-se aos
22-118                                                                                                     História de Portugal    VASCO DA
          reis de Portugal, de D. Afonso Henriques a D. Afonso IV.
                                                                                                                                    GAMA
119-135   O Gama conta o episódio de Inês de Castro (ainda no reinado de D. Afonso IV).                    História de Portugal

136-137   Vasco da Gama fala do rei D. Pedro e do seu reinado.                                             História de Portugal

138-143   O Gama refere-se a D. Fernando e ao seu reinado e faz reflexões sobre o amor (140 a 143).        História de Portugal
Canto IV
         O Gama continua a narrar ao rei de Melinde a História de Portugal: crise de 1383-1385 e parte
 1-27                                                                                                     História de Portugal
         do reinado de D. João I.

         Vasco da Gama relata o episódio da Batalha de Aljubarrota (reinado de D. João I) – estrofes 28
28-45                                                                                                     História de Portugal
         a 44 – e os momentos que lhe sucedem – estrofe 45.

         O Gama continua a narração da História de Portugal: última parte do reinado de D. João I,                               VASCO DA
46-82    reinado de D. Duarte, D. Afonso V, D. João II e parte do reinado de D. Manuel I (exactamente     História de Portugal    GAMA
         até ao momento anterior à partida da sua armada).

83-89    Vasco da Gama refere a preparação da partida e as despedidas em Belém.                           História de Portugal

90-93    O Gama conclui o relato das despedidas em Belém.                                                 História de Portugal

94-104   Vasco da Gama narra o episódio do Velho do Restelo.                                              História de Portugal

                                                                          Canto V
 1-3     O Gama começa a narrar a sua viagem ao rei de Melinde. Partida de Lisboa.                         Viagem do Gama        VASCO DA
 4-36    Vasco da Gama relata a viagem até ao cabo das Tormentas.                                          Viagem do Gama         GAMA

                                                                                                                                  VASCO DA
                                                                                                                                   GAMA
37-60    O Gama refere o episódio do Gigante Adamastor.                                                    Viagem do Gama
                                                                                                                                     e
                                                                                                                                 ADAMASTOR

61-85    Vasco da gama conclui o relato da viagem até Melinde.                                             Viagem do Gama        VASCO DA
86-89    O Gama elogia a coragem dos Portugueses e conclui a sua narrativa.                                Viagem do Gama         GAMA

         Camões faz considerações, criticando o desprezo que os seus contemporâneos revelam pela
90-100                                                                                                                                       POETA
         poesia.
Canto VI
 1-5    Festa de despedida em Melinde e partida para a Índia.                                            Viagem do Gama

        Baco desce ao palácio de Neptuno e convoca os deuses marinhos para um consílio, no qual se                                CAMÕES
6-37                                                                                                   Intervenção dos deuses
        vai decidir que Éolo solte os ventos contra os navegadores.

                                                                                                                                  CAMÕES
        A viagem prossegue. Para evitarem o sono, os Portugueses contam histórias: Veloso relata o       Viagem do Gama
38-69                                                                                                                                e
        episódio dos “Doze de Inglaterra”.                                                              História de Portugal
                                                                                                                                MARINHEIROS

                                                                                                          Viagem do Gama
70-84   Tempestade e súplica do Gama à “ Divina Guarda” (81-83).
                                                                                                        Intervenção de Deus

85-91   Vénus intervém a favor dos Portugueses, mandando as Ninfas abrandarem os ventos.               Intervenção dos deuses     CAMÕES

                                                                                                          Viagem do Gama
92-94   Chegada a Calecut e agradecimento do Gama a Deus.
                                                                                                        Intervenção de Deus

95-99   Camões medita sobre o verdadeiro valor da glória.                                                                                     POETA

                                                                       Canto VII
 1      A armada encontra-se na barra de Calecut.                                                        Viagem do Gama           CAMÕES

        Camões elogia o espírito de cruzada dos portugueses e critica as nações europeias que não
2-14                                                                                                                                          POETA
        seguem tal exemplo.

15-22   Entrada no porto de Calecut e descrição da terra.                                                Viagem do Gama

23-27   Primeiro contacto dos portugueses com os asiáticos.                                              Viagem do Gama

28-41   O mouro Monçaide a frota e descreve o Malabar.                                                   Viagem do Gama

        O Gama e os nobres portugueses desembarcam e são recebidos pelo Catual que os conduz ao                                   CAMÕES
42-66                                                                                                    Viagem do Gama
        Samorim, com o qual o Gama dialoga.

67-72   O Catual recebe informações dos portugueses (pelo mouro Monçaide).                               Viagem do Gama

        Paulo da Gama recebe o Catual na nau do capitão. Este pergunta-lhe o significado das figuras
73-77                                                                                                    Viagem do Gama
        pintadas nas bandeiras.

78-87   Camões invoca às Ninfas do Tejo e do Mondego e queixa-se dos seus infortúnios.                                                        POETA
Canto VIII
                                                                                                                                      PAULO DA
 1-43      Paulo da Gama explica ao Catual as figuras pintadas nas bandeiras.                                 História de Portugal
                                                                                                                                        GAMA

 44-46     O Catual regressa a terra.                                                                          Viagem do Gama

 47-50     Baco aparece em sonhos a um sacerdote maometano, indispondo-o contra os portugueses.              Intervenção dos deuses
                                                                                                                                      CAMÕES
           Em Calecut nasce a indisposição contra os portugueses. O Samorim, depois de longa discussão
 51-95     com o Gama, determina que este regresse à armada mas o Catual, subornado pelos muçulmanos,          Viagem do Gama
           decide retê-lo, só vindo a permitir o seu regresso às naus, resgatado por fazendas europeias.

 96-99     Camões faz considerações sobre o valor do dinheiro.                                                                                   POETA

                                                                             Canto IX
           Dois feitores portugueses são retidos em terra, para empatar tempo, de modo a que uma armada
           muçulmana, vinda de Meca, destrua os portugueses.
 1-17      Monçaide informa o Gama e este, como represália, retém na nau vários mercadores indianos que        Viagem do Gama
           aí se encontravam e ordena a partida. Por ordem do Samorim, os dois feitores são restituídos ao                            CAMÕES
           Gama, os mercadores indianos têm ordem de regressar a terra e inicia-se a viagem de regresso.

           Vénus decide recompensar os navegantes e proporcionar-lhes uma agradável estadia na “Ilha
 18-92                                                                                                       Intervenção dos deuses
           dos Amores”, onde serão tratados como deuses (divinização dos nautas).

 93-95     Camões exorta aqueles que aspiram à imortalidade.                                                                                     POETA

                                                                                Canto X
  1-7      Na “Ilha dos Amores”, as Ninfas oferecem um banquete aos navegantes.                              Intervenção dos deuses   CAMÕES

  8-9      Camões invoca, de novo, Calíope.                                                                                                      POETA

           Uma Ninfa profetiza o futuro glorioso dos portugueses e Tétis conduz o Gama ao alto de um                                  CAMÕES,
10-142     monte onde lhe mostra uma miniatura do Mundo, situando nele os locais onde os portugueses         Intervenção dos deuses    NINFA e
           hão-de praticar grandes feitos (profecias).                                                                                  TÉTIS

143-144    Viagem de regresso e chegada a Portugal.                                                            Viagem do Gama         CAMÕES

145-156    Camões lamenta-se, exorta D. Sebastião e promete contar-lhe ao feitos futuros.                                                        POETA


  Estrofes destinadas a leitura orientada.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O império português do Oriente
O império português do OrienteO império português do Oriente
O império português do Oriente
Susana Simões
 
Formas relevo litoral
Formas relevo litoralFormas relevo litoral
Formas relevo litoral
manjosp
 
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de PortugalA Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
Catarina Castro
 
Modificadores
ModificadoresModificadores
Modificadores
gracacruz
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
Lurdes Augusto
 
Teste 8º 9º indústria, comércio, turismo, transportes.
Teste 8º 9º indústria, comércio, turismo, transportes.Teste 8º 9º indústria, comércio, turismo, transportes.
Teste 8º 9º indústria, comércio, turismo, transportes.
Paula Lima
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
Bárbara Minhoto
 
Apresentação c. dinamarca
Apresentação c. dinamarcaApresentação c. dinamarca
Apresentação c. dinamarca
Paulo Fonseca Pauloprofpt
 
União europeia
União europeiaUnião europeia
União europeia
Pocarolas
 
Classificação de orações
Classificação de oraçõesClassificação de orações
Classificação de orações
Fernanda Monteiro
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
Helena Coutinho
 
Modificador restritivo e apositivo do nome
Modificador restritivo e apositivo do nomeModificador restritivo e apositivo do nome
Modificador restritivo e apositivo do nome
António Fernandes
 
Ilha dos Amores
Ilha dos AmoresIlha dos Amores
Ilha dos Amores
Vanda Marques
 
Os diferentes tipos de plantas das cidades
Os diferentes tipos de plantas das cidadesOs diferentes tipos de plantas das cidades
Os diferentes tipos de plantas das cidades
rmmpr
 
Formação de palavras
Formação de palavrasFormação de palavras
Formação de palavras
Margarida Tomaz
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima português
Ilda Bicacro
 
Subclasses de verbos
Subclasses de verbosSubclasses de verbos
Subclasses de verbos
Margarida Tomaz
 
Cena do onzeneiro
Cena do onzeneiroCena do onzeneiro
Cena do onzeneiro
José Ferreira
 
ANÁLISE DO CONTO A PALAVRA MÁGICA" - Português
ANÁLISE DO CONTO  A PALAVRA MÁGICA" - PortuguêsANÁLISE DO CONTO  A PALAVRA MÁGICA" - Português
ANÁLISE DO CONTO A PALAVRA MÁGICA" - Português
João Pedro Costa
 
Resumo sobre a a matéria (O antigo regime) de 8ºano.
Resumo sobre a a matéria (O antigo regime) de 8ºano. Resumo sobre a a matéria (O antigo regime) de 8ºano.
Resumo sobre a a matéria (O antigo regime) de 8ºano.
HizqeelMajoka
 

Mais procurados (20)

O império português do Oriente
O império português do OrienteO império português do Oriente
O império português do Oriente
 
Formas relevo litoral
Formas relevo litoralFormas relevo litoral
Formas relevo litoral
 
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de PortugalA Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
 
Modificadores
ModificadoresModificadores
Modificadores
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
 
Teste 8º 9º indústria, comércio, turismo, transportes.
Teste 8º 9º indústria, comércio, turismo, transportes.Teste 8º 9º indústria, comércio, turismo, transportes.
Teste 8º 9º indústria, comércio, turismo, transportes.
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Apresentação c. dinamarca
Apresentação c. dinamarcaApresentação c. dinamarca
Apresentação c. dinamarca
 
União europeia
União europeiaUnião europeia
União europeia
 
Classificação de orações
Classificação de oraçõesClassificação de orações
Classificação de orações
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 
Modificador restritivo e apositivo do nome
Modificador restritivo e apositivo do nomeModificador restritivo e apositivo do nome
Modificador restritivo e apositivo do nome
 
Ilha dos Amores
Ilha dos AmoresIlha dos Amores
Ilha dos Amores
 
Os diferentes tipos de plantas das cidades
Os diferentes tipos de plantas das cidadesOs diferentes tipos de plantas das cidades
Os diferentes tipos de plantas das cidades
 
Formação de palavras
Formação de palavrasFormação de palavras
Formação de palavras
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima português
 
Subclasses de verbos
Subclasses de verbosSubclasses de verbos
Subclasses de verbos
 
Cena do onzeneiro
Cena do onzeneiroCena do onzeneiro
Cena do onzeneiro
 
ANÁLISE DO CONTO A PALAVRA MÁGICA" - Português
ANÁLISE DO CONTO  A PALAVRA MÁGICA" - PortuguêsANÁLISE DO CONTO  A PALAVRA MÁGICA" - Português
ANÁLISE DO CONTO A PALAVRA MÁGICA" - Português
 
Resumo sobre a a matéria (O antigo regime) de 8ºano.
Resumo sobre a a matéria (O antigo regime) de 8ºano. Resumo sobre a a matéria (O antigo regime) de 8ºano.
Resumo sobre a a matéria (O antigo regime) de 8ºano.
 

Destaque

Lusiadas
LusiadasLusiadas
Lusiadas
Cátia Morgado
 
Despedidas em belém
Despedidas em belémDespedidas em belém
Despedidas em belém
Lurdes
 
Batalha de aljubarrota
Batalha de aljubarrotaBatalha de aljubarrota
Batalha de aljubarrota
Lurdes
 
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Inês Moreira
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
Alcino Nunes
 
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Dina Baptista
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Dina Baptista
 
Os Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os LusíadasOs Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os Lusíadas
Rosalina Simão Nunes
 
Renascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e ClassicismoRenascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e Classicismo
Teresa Pombo
 
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosaFT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
Susana Sobrenome
 
Episodios lusiadas
Episodios lusiadasEpisodios lusiadas
Episodios lusiadas
Elsa Maximiano
 
Lusíadas: Visão Global
Lusíadas: Visão GlobalLusíadas: Visão Global
Lusíadas: Visão Global
Dina Baptista
 
Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)
Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)
Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)
Susana Sobrenome
 
Despedidas em belém
Despedidas em belémDespedidas em belém
Despedidas em belém
Vanda Marques
 
Episódio de inês de castro
Episódio de inês de castroEpisódio de inês de castro
Episódio de inês de castro
Quezia Neves
 
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Maria João Lima
 
Os Lusíadas: sistematização dos Cantos
Os Lusíadas: sistematização dos CantosOs Lusíadas: sistematização dos Cantos
Os Lusíadas: sistematização dos Cantos
sin3stesia
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Paulo Vitorino
 
Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"
Inês Moreira
 

Destaque (19)

Lusiadas
LusiadasLusiadas
Lusiadas
 
Despedidas em belém
Despedidas em belémDespedidas em belém
Despedidas em belém
 
Batalha de aljubarrota
Batalha de aljubarrotaBatalha de aljubarrota
Batalha de aljubarrota
 
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
 
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 
Os Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os LusíadasOs Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os Lusíadas
 
Renascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e ClassicismoRenascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e Classicismo
 
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosaFT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
FT - Despedidas em Belém - adaptação em prosa
 
Episodios lusiadas
Episodios lusiadasEpisodios lusiadas
Episodios lusiadas
 
Lusíadas: Visão Global
Lusíadas: Visão GlobalLusíadas: Visão Global
Lusíadas: Visão Global
 
Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)
Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)
Ficha de trabalho - Despedidas em Belém (Paráfrase)
 
Despedidas em belém
Despedidas em belémDespedidas em belém
Despedidas em belém
 
Episódio de inês de castro
Episódio de inês de castroEpisódio de inês de castro
Episódio de inês de castro
 
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
 
Os Lusíadas: sistematização dos Cantos
Os Lusíadas: sistematização dos CantosOs Lusíadas: sistematização dos Cantos
Os Lusíadas: sistematização dos Cantos
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
 
Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"
 

Semelhante a Ft28 Quadro Global Lusiadas

Tudo sobre "Os lusíadas"
Tudo sobre "Os lusíadas"Tudo sobre "Os lusíadas"
Tudo sobre "Os lusíadas"
Inês Santos
 
lusiadas_lexicoenarradores.docx
lusiadas_lexicoenarradores.docxlusiadas_lexicoenarradores.docx
lusiadas_lexicoenarradores.docx
FamIndisciplinadAA
 
Camões / Os Lusíadas
Camões / Os LusíadasCamões / Os Lusíadas
Camões / Os Lusíadas
Andriane Cursino
 
Os-lusiadas - resumo
 Os-lusiadas - resumo Os-lusiadas - resumo
Os-lusiadas - resumo
NunoNelasOliveira
 
Camões, vida e epopeia
Camões, vida e epopeiaCamões, vida e epopeia
Camões, vida e epopeia
maria.j.fontes
 
Lusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas FigurasdeestiloLusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas Figurasdeestilo
André Cerqueira
 
Os lusiadas
Os lusiadasOs lusiadas
Os lusiadas
Ronald Simoes
 
Camões os lusíadas
Camões os lusíadasCamões os lusíadas
Camões os lusíadas
Pedro Lopes
 
Camões os lusíadas
Camões os lusíadasCamões os lusíadas
Camões os lusíadas
Pedro Lopes
 
Camões 2.0
Camões 2.0Camões 2.0
Camões 2.0
José Ricardo Lima
 
Trabalho lp
Trabalho lpTrabalho lp
Trabalho lp
dinocarvalho8
 
Os lusiadas resumo
Os lusiadas resumoOs lusiadas resumo
Os lusiadas resumo
Jonatham Siqueira
 
Os lusíadas, de luís de camões(1)
Os lusíadas, de luís de camões(1)Os lusíadas, de luís de camões(1)
Os lusíadas, de luís de camões(1)
António Fraga
 
Os lusíadas, de luís de camões
Os lusíadas, de luís de camõesOs lusíadas, de luís de camões
Os lusíadas, de luís de camões
António Fraga
 
Os lusíadas
Os lusíadasOs lusíadas
Os lusíadas
Tony Abreu
 
Resumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os LusíadasResumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os Lusíadas
Raffaella Ergün
 
Os lusíadas- Canto VII
Os lusíadas- Canto VIIOs lusíadas- Canto VII
Os lusíadas- Canto VII
Vivianne Macedo Cordeiro
 
A estrutura d` os lusíadas
A estrutura d` os lusíadasA estrutura d` os lusíadas
A estrutura d` os lusíadas
quintaldasletras
 
2 os lusiadas_resumos_episodios.docx
2 os lusiadas_resumos_episodios.docx2 os lusiadas_resumos_episodios.docx
2 os lusiadas_resumos_episodios.docx
MargaridaMendona10
 
Os lusíadas resumo
Os lusíadas resumoOs lusíadas resumo
Os lusíadas resumo
Mirceya Lima
 

Semelhante a Ft28 Quadro Global Lusiadas (20)

Tudo sobre "Os lusíadas"
Tudo sobre "Os lusíadas"Tudo sobre "Os lusíadas"
Tudo sobre "Os lusíadas"
 
lusiadas_lexicoenarradores.docx
lusiadas_lexicoenarradores.docxlusiadas_lexicoenarradores.docx
lusiadas_lexicoenarradores.docx
 
Camões / Os Lusíadas
Camões / Os LusíadasCamões / Os Lusíadas
Camões / Os Lusíadas
 
Os-lusiadas - resumo
 Os-lusiadas - resumo Os-lusiadas - resumo
Os-lusiadas - resumo
 
Camões, vida e epopeia
Camões, vida e epopeiaCamões, vida e epopeia
Camões, vida e epopeia
 
Lusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas FigurasdeestiloLusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas Figurasdeestilo
 
Os lusiadas
Os lusiadasOs lusiadas
Os lusiadas
 
Camões os lusíadas
Camões os lusíadasCamões os lusíadas
Camões os lusíadas
 
Camões os lusíadas
Camões os lusíadasCamões os lusíadas
Camões os lusíadas
 
Camões 2.0
Camões 2.0Camões 2.0
Camões 2.0
 
Trabalho lp
Trabalho lpTrabalho lp
Trabalho lp
 
Os lusiadas resumo
Os lusiadas resumoOs lusiadas resumo
Os lusiadas resumo
 
Os lusíadas, de luís de camões(1)
Os lusíadas, de luís de camões(1)Os lusíadas, de luís de camões(1)
Os lusíadas, de luís de camões(1)
 
Os lusíadas, de luís de camões
Os lusíadas, de luís de camõesOs lusíadas, de luís de camões
Os lusíadas, de luís de camões
 
Os lusíadas
Os lusíadasOs lusíadas
Os lusíadas
 
Resumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os LusíadasResumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os Lusíadas
 
Os lusíadas- Canto VII
Os lusíadas- Canto VIIOs lusíadas- Canto VII
Os lusíadas- Canto VII
 
A estrutura d` os lusíadas
A estrutura d` os lusíadasA estrutura d` os lusíadas
A estrutura d` os lusíadas
 
2 os lusiadas_resumos_episodios.docx
2 os lusiadas_resumos_episodios.docx2 os lusiadas_resumos_episodios.docx
2 os lusiadas_resumos_episodios.docx
 
Os lusíadas resumo
Os lusíadas resumoOs lusíadas resumo
Os lusíadas resumo
 

Mais de Fernanda Soares

Exame 2010
Exame 2010Exame 2010
Exame 2010
Fernanda Soares
 
Exame 2010
Exame 2010Exame 2010
Exame 2010
Fernanda Soares
 
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 B 2 Elim
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 B 2 ElimResultados Do Campeonato De Ortografia 9 B 2 Elim
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 B 2 Elim
Fernanda Soares
 
Resultados do campeonato de ortografia 8 e
Resultados do campeonato de ortografia 8 eResultados do campeonato de ortografia 8 e
Resultados do campeonato de ortografia 8 e
Fernanda Soares
 
W31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
W31 Sub Conc Cons Comp Fin CompletW31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
W31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
Fernanda Soares
 
Game Rooms House
Game Rooms HouseGame Rooms House
Game Rooms House
Fernanda Soares
 
Musical Challenge
Musical ChallengeMusical Challenge
Musical Challenge
Fernanda Soares
 
Game Types Houses
Game Types HousesGame Types Houses
Game Types Houses
Fernanda Soares
 
W8 Past Simple Further Practice
W8 Past Simple  Further PracticeW8 Past Simple  Further Practice
W8 Past Simple Further Practice
Fernanda Soares
 
W8 Past Simple Practice
W8 Past Simple  PracticeW8 Past Simple  Practice
W8 Past Simple Practice
Fernanda Soares
 
W4 Articles Indefinite And Definite
W4 Articles  Indefinite And DefiniteW4 Articles  Indefinite And Definite
W4 Articles Indefinite And Definite
Fernanda Soares
 
W6 My Happy Ending Verbo To Be Simple Past
W6 My Happy Ending   Verbo To Be Simple PastW6 My Happy Ending   Verbo To Be Simple Past
W6 My Happy Ending Verbo To Be Simple Past
Fernanda Soares
 
W5 Present Simple Pr Continuous
W5 Present Simple Pr ContinuousW5 Present Simple Pr Continuous
W5 Present Simple Pr Continuous
Fernanda Soares
 
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 B
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 BResultados Do Campeonato De Ortografia 9 B
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 B
Fernanda Soares
 
Ft29 Ines De Castro
Ft29 Ines De CastroFt29 Ines De Castro
Ft29 Ines De Castro
Fernanda Soares
 
Ft26 ConsíLio Deuses
Ft26 ConsíLio DeusesFt26 ConsíLio Deuses
Ft26 ConsíLio Deuses
Fernanda Soares
 
Ft25 Relativas
Ft25 RelativasFt25 Relativas
Ft25 Relativas
Fernanda Soares
 
Ft24 Figuras Estilo Lusiadas
Ft24 Figuras Estilo LusiadasFt24 Figuras Estilo Lusiadas
Ft24 Figuras Estilo Lusiadas
Fernanda Soares
 
Ft23 Ficha Formativa Lusiadas
Ft23 Ficha Formativa LusiadasFt23 Ficha Formativa Lusiadas
Ft23 Ficha Formativa Lusiadas
Fernanda Soares
 

Mais de Fernanda Soares (20)

Exame 2010
Exame 2010Exame 2010
Exame 2010
 
Exame 2010
Exame 2010Exame 2010
Exame 2010
 
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 B 2 Elim
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 B 2 ElimResultados Do Campeonato De Ortografia 9 B 2 Elim
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 B 2 Elim
 
Resultados do campeonato de ortografia 8 e
Resultados do campeonato de ortografia 8 eResultados do campeonato de ortografia 8 e
Resultados do campeonato de ortografia 8 e
 
W31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
W31 Sub Conc Cons Comp Fin CompletW31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
W31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
 
Game Rooms House
Game Rooms HouseGame Rooms House
Game Rooms House
 
Musical Challenge
Musical ChallengeMusical Challenge
Musical Challenge
 
Game Types Houses
Game Types HousesGame Types Houses
Game Types Houses
 
A Special House
A Special HouseA Special House
A Special House
 
W8 Past Simple Further Practice
W8 Past Simple  Further PracticeW8 Past Simple  Further Practice
W8 Past Simple Further Practice
 
W8 Past Simple Practice
W8 Past Simple  PracticeW8 Past Simple  Practice
W8 Past Simple Practice
 
W4 Articles Indefinite And Definite
W4 Articles  Indefinite And DefiniteW4 Articles  Indefinite And Definite
W4 Articles Indefinite And Definite
 
W6 My Happy Ending Verbo To Be Simple Past
W6 My Happy Ending   Verbo To Be Simple PastW6 My Happy Ending   Verbo To Be Simple Past
W6 My Happy Ending Verbo To Be Simple Past
 
W5 Present Simple Pr Continuous
W5 Present Simple Pr ContinuousW5 Present Simple Pr Continuous
W5 Present Simple Pr Continuous
 
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 B
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 BResultados Do Campeonato De Ortografia 9 B
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 B
 
Ft29 Ines De Castro
Ft29 Ines De CastroFt29 Ines De Castro
Ft29 Ines De Castro
 
Ft26 ConsíLio Deuses
Ft26 ConsíLio DeusesFt26 ConsíLio Deuses
Ft26 ConsíLio Deuses
 
Ft25 Relativas
Ft25 RelativasFt25 Relativas
Ft25 Relativas
 
Ft24 Figuras Estilo Lusiadas
Ft24 Figuras Estilo LusiadasFt24 Figuras Estilo Lusiadas
Ft24 Figuras Estilo Lusiadas
 
Ft23 Ficha Formativa Lusiadas
Ft23 Ficha Formativa LusiadasFt23 Ficha Formativa Lusiadas
Ft23 Ficha Formativa Lusiadas
 

Ft28 Quadro Global Lusiadas

  • 1. Quadro global de «Os Lusíadas usíadas» PLA OS DA I TERVE ÇÃO ESTROFES ARRATIVA ARRADOR ARRATIVA DO POETA Canto I 1-3 PROPOSIÇÃO – o poeta propõe-se cantar os feitos gloriosos dos Portugueses. 4-5 I VOCAÇÃO – Camões invoca as Ninfas do Tejo (Tágides). POETA 6-18 DEDICATÓRIA – o poema é dedicado a el-rei D. Sebastião. 19 Início da ARRAÇÃO – a armada já navega no Oceano Índico. Viagem do Gama Consílio dos Deuses no Olimpo. Baco manifesta-se contra os Portugueses. Júpiter, Vénus e 20-41 Intervenção dos deuses Marte defendem-nos. A armada chega à Ilha de Moçambique, em frente à qual lança ferro. O Gama recebe mouros e o Viagem do Gama Regedor a bordo; este, instigado por Baco, tenta destruir os Portugueses, mas é vencido. 42-99 Fingindo-se arrependido, oferece-lhes um piloto para os guiar, mas cuja verdadeira missão é CAMÕES Intervenção dos deuses aniquilá-los. O piloto (falso) dirige a armada para Quíloa, com a intenção de a destruir, o que Vénus impede, Viagem do Gama 100-102 por meio de ventos contrários. Novas tentativas do mouro e nova intervenção de Vénus. Intervenção dos deuses 103-104 Chegada a Mombaça. Viagem do Gama 105-106 Exclamações do Poeta sobre os perigos que ameaçam o Homem. POETA
  • 2. Canto II O rei de Mombaça, instigado por Baco, convida a armada a entrar no porto, com a intenção de a 1-9 Viagem do Gama destruir. Baco, fingindo-se sacerdote cristão, engana os dois condenados que vão levar falsas 10-13 Intervenção dos deuses informações ao Gama. Vasco da Gama recebe as falsas informações fornecidas pelos dois enviados e decide entrar no 14-18 Viagem do Gama porto. Em terra, prepara-se uma cilada. CAMÕES 19-24 Vénus e as Nereidas opõem o peito à nau do Gama, impedindo-a de entrar no porto. Intervenção dos deuses Com receio de terem sido descobertos, o piloto embarcado em Moçambique e os mouros que 25-28 Viagem do Gama tinham vindo de Mombaça fogem. 29-32 O Gama apercebe-se da situação e suplica à “Guarda Divina” que o conduza à terra que busca. Intervenção de Deus Vénus sobe ao Olimpo e queixa-se a Júpiter da falta de protecção dispensada aos Portugueses. CAMÕES Júpiter acede ao pedido da filha e profetiza feitos gloriosos para os Portugueses. 33-63 Intervenção dos deuses e Mercúrio é enviado a terra por Júpiter para preparar uma boa recepção em Melinde e, JÚPITER simultaneamente, inspirar ao Gama, através de sonhos, o caminho a seguir. 64-71 A armada sai de Mombaça e retoma a viagem. Viagem do Gama Os Portugueses chegam a Melinde, onde são magnificamente recebidos. CAMÕES 72-113 O rei de Melinde visita a armada e pede ao Gama que lhe conte a história de Portugal e a sua Viagem do Gama própria viagem. Canto III 1-2 Camões invoca Calíope. POETA 3-5 Vasco da Gama inicia a sua narração ao rei de Melinde, expondo-lhe o que lhe vai contar. História de Portugal 6-21 O Gama descreve a Europa e situa Portugal neste continente. História de Portugal Vasco da Gama, depois de aludir a Luso e a Viriato, fala do Conde D. Henrique e refere-se aos 22-118 História de Portugal VASCO DA reis de Portugal, de D. Afonso Henriques a D. Afonso IV. GAMA 119-135 O Gama conta o episódio de Inês de Castro (ainda no reinado de D. Afonso IV). História de Portugal 136-137 Vasco da Gama fala do rei D. Pedro e do seu reinado. História de Portugal 138-143 O Gama refere-se a D. Fernando e ao seu reinado e faz reflexões sobre o amor (140 a 143). História de Portugal
  • 3.
  • 4. Canto IV O Gama continua a narrar ao rei de Melinde a História de Portugal: crise de 1383-1385 e parte 1-27 História de Portugal do reinado de D. João I. Vasco da Gama relata o episódio da Batalha de Aljubarrota (reinado de D. João I) – estrofes 28 28-45 História de Portugal a 44 – e os momentos que lhe sucedem – estrofe 45. O Gama continua a narração da História de Portugal: última parte do reinado de D. João I, VASCO DA 46-82 reinado de D. Duarte, D. Afonso V, D. João II e parte do reinado de D. Manuel I (exactamente História de Portugal GAMA até ao momento anterior à partida da sua armada). 83-89 Vasco da Gama refere a preparação da partida e as despedidas em Belém. História de Portugal 90-93 O Gama conclui o relato das despedidas em Belém. História de Portugal 94-104 Vasco da Gama narra o episódio do Velho do Restelo. História de Portugal Canto V 1-3 O Gama começa a narrar a sua viagem ao rei de Melinde. Partida de Lisboa. Viagem do Gama VASCO DA 4-36 Vasco da Gama relata a viagem até ao cabo das Tormentas. Viagem do Gama GAMA VASCO DA GAMA 37-60 O Gama refere o episódio do Gigante Adamastor. Viagem do Gama e ADAMASTOR 61-85 Vasco da gama conclui o relato da viagem até Melinde. Viagem do Gama VASCO DA 86-89 O Gama elogia a coragem dos Portugueses e conclui a sua narrativa. Viagem do Gama GAMA Camões faz considerações, criticando o desprezo que os seus contemporâneos revelam pela 90-100 POETA poesia.
  • 5. Canto VI 1-5 Festa de despedida em Melinde e partida para a Índia. Viagem do Gama Baco desce ao palácio de Neptuno e convoca os deuses marinhos para um consílio, no qual se CAMÕES 6-37 Intervenção dos deuses vai decidir que Éolo solte os ventos contra os navegadores. CAMÕES A viagem prossegue. Para evitarem o sono, os Portugueses contam histórias: Veloso relata o Viagem do Gama 38-69 e episódio dos “Doze de Inglaterra”. História de Portugal MARINHEIROS Viagem do Gama 70-84 Tempestade e súplica do Gama à “ Divina Guarda” (81-83). Intervenção de Deus 85-91 Vénus intervém a favor dos Portugueses, mandando as Ninfas abrandarem os ventos. Intervenção dos deuses CAMÕES Viagem do Gama 92-94 Chegada a Calecut e agradecimento do Gama a Deus. Intervenção de Deus 95-99 Camões medita sobre o verdadeiro valor da glória. POETA Canto VII 1 A armada encontra-se na barra de Calecut. Viagem do Gama CAMÕES Camões elogia o espírito de cruzada dos portugueses e critica as nações europeias que não 2-14 POETA seguem tal exemplo. 15-22 Entrada no porto de Calecut e descrição da terra. Viagem do Gama 23-27 Primeiro contacto dos portugueses com os asiáticos. Viagem do Gama 28-41 O mouro Monçaide a frota e descreve o Malabar. Viagem do Gama O Gama e os nobres portugueses desembarcam e são recebidos pelo Catual que os conduz ao CAMÕES 42-66 Viagem do Gama Samorim, com o qual o Gama dialoga. 67-72 O Catual recebe informações dos portugueses (pelo mouro Monçaide). Viagem do Gama Paulo da Gama recebe o Catual na nau do capitão. Este pergunta-lhe o significado das figuras 73-77 Viagem do Gama pintadas nas bandeiras. 78-87 Camões invoca às Ninfas do Tejo e do Mondego e queixa-se dos seus infortúnios. POETA
  • 6. Canto VIII PAULO DA 1-43 Paulo da Gama explica ao Catual as figuras pintadas nas bandeiras. História de Portugal GAMA 44-46 O Catual regressa a terra. Viagem do Gama 47-50 Baco aparece em sonhos a um sacerdote maometano, indispondo-o contra os portugueses. Intervenção dos deuses CAMÕES Em Calecut nasce a indisposição contra os portugueses. O Samorim, depois de longa discussão 51-95 com o Gama, determina que este regresse à armada mas o Catual, subornado pelos muçulmanos, Viagem do Gama decide retê-lo, só vindo a permitir o seu regresso às naus, resgatado por fazendas europeias. 96-99 Camões faz considerações sobre o valor do dinheiro. POETA Canto IX Dois feitores portugueses são retidos em terra, para empatar tempo, de modo a que uma armada muçulmana, vinda de Meca, destrua os portugueses. 1-17 Monçaide informa o Gama e este, como represália, retém na nau vários mercadores indianos que Viagem do Gama aí se encontravam e ordena a partida. Por ordem do Samorim, os dois feitores são restituídos ao CAMÕES Gama, os mercadores indianos têm ordem de regressar a terra e inicia-se a viagem de regresso. Vénus decide recompensar os navegantes e proporcionar-lhes uma agradável estadia na “Ilha 18-92 Intervenção dos deuses dos Amores”, onde serão tratados como deuses (divinização dos nautas). 93-95 Camões exorta aqueles que aspiram à imortalidade. POETA Canto X 1-7 Na “Ilha dos Amores”, as Ninfas oferecem um banquete aos navegantes. Intervenção dos deuses CAMÕES 8-9 Camões invoca, de novo, Calíope. POETA Uma Ninfa profetiza o futuro glorioso dos portugueses e Tétis conduz o Gama ao alto de um CAMÕES, 10-142 monte onde lhe mostra uma miniatura do Mundo, situando nele os locais onde os portugueses Intervenção dos deuses NINFA e hão-de praticar grandes feitos (profecias). TÉTIS 143-144 Viagem de regresso e chegada a Portugal. Viagem do Gama CAMÕES 145-156 Camões lamenta-se, exorta D. Sebastião e promete contar-lhe ao feitos futuros. POETA Estrofes destinadas a leitura orientada.