SlideShare uma empresa Scribd logo
 Palestra Pública Doutrina Espírita Tema Casa adornada
Lucas XI – 24 a 26 
Ou 
Mateus XII- 43 a 45
Quando o espírito imundo, tendo saído do 
homem, 
anda por lugares secos, buscando repouso; e, 
não o achando, diz: 
Tornarei para minha casa, de onde saí. 
E, chegando, acha-a varrida e adornada. 
Então vai, e leva consigo outros sete espíritos 
piores do que ele e, entrando, habitam ali; e o 
último estado desse homem é pior do que o 
primeiro.
“Os espíritos influem sobre os nossos pensamentos e 
as nossas ações?” L E 459 
R : “A esse respeito sua influência é maior do que 
credes, porque, frequentemente, são eles que vos 
dirigem".
"A obsessão é a 
ação persistente 
que um mau 
Espírito causa sobre 
Obsessão doença moral um indivíduo" 
O Evangelho Segundo 
o Espiritismo, cap.28, 
item 81.
Livro dos Médiuns 
Das obsessões cap. XXIII 
 
Obsessão simples 
 Espírito_inferior 
incomoda o indivíduo, 
mas não domina em 
profundidade seu 
psiquismo. 
Comum em quase todas 
as criaturas. 
 desconfianças, 
 estados de 
insegurança pessoal, 
 enfermidades de 
pequena monta, 
 insucessos em torno 
do obsidiado provocan 
do angústias.
Livro dos Médiuns 
Das obsessões cap XXIII 
 
Fascinação 
 Tem consequências 
mais graves por se 
tratar de uma ilusão 
criada diretamente 
pelo Espírito no 
pensamento chegando 
a “paralisar” a sua 
capacidade de 
discernimento. 
Subjugação 
 Etapa grave no curso das 
obsessões, caracterizada 
pela perda do 
discernimento e da emoção. 
O estágio da subjugação 
representa o clímax do 
processo que o adversário 
desencarnado impõe à sua 
vítima, em torpe tentativa de 
aniquilar-lhe a existência 
física.
1-Quando o espírito imundo 
 
Adjetivo encontrado na época para designar 
aqueles que viviam mentalmente nas trevas e nas 
zonas sombrias, que acolhem os que escolhem 
viver afastados das boas atitudes, sentindo a 
necessidade de se alimentarem do fluido animal 
que exala dos encarnados com as mesmas 
vibrações psíquicas.
2-tendo saído do homem 
 
Afastado da criatura encarnada, 
através da oração e do passe.
3-anda por lugares secos, buscando 
repouso; e, não o achando 
 
fica à mercê, percorrendo terrenos espirituais aos 
quais não identificam com ele, por isto o 
versículo descreve como terreno seco, por se 
tratar de infrutífero, ou desagradável, sem o 
conforto ideal, para tal entidade.
4-diz: Tornarei para minha 
casa, de onde saí. 
 
importante que se tenha consciência que os 
maus espíritos não nos chegam de chofre. 
De nossa parte houve o interesse, dando 
oportunidade de retorno ao ser que o abrigou 
surge (lembrando que não é o espírito que 
decide sozinho, mas o encarnado que facilita). 
Através das atitudes mentais que ele já havia 
superado volta para as proximidades da criatura 
de quem foi afastado.
5-E, chegando, acha-a varrida e 
adornada. 
 
Ali chegando, notou com surpresa, que o 
antigo perseguido não havia se 
moralizado, não havia tomado nova 
diretriz e permanecia distanciado do 
Bem, deixando, como decorrência, a 
porta aberta para a volta do perseguidor
6- Então vai, e leva consigo outros sete espíritos 
piores do que ele e, entrando, habitam ali; e o último 
 
estado desse homem é pior do que o primeiro 
por já conhecer as facilidades da aproximação, convida outros 
da mesma estirpe ou ainda piores, para com ele retomar a 
antiga moradia, na qual lhe faz sentir o que deseja, pois ao 
retomá-la volta a se alimentar da forma anterior. 
Deste modo, outros tantos também terão 
a mesma facilidade pois, desta vez já tem um guia lhes 
sugerindo a forma da abordagem e do domínio. Este, por sua 
vez, não contentou em voltar sozinho; foi e arranjou sete 
espíritos piores do que ele. Sob a influência dessa legião do 
mal, o estado do antigo perseguido se agravou, tornando-se 
muito pior do que antes.
Se o antigo perseguido decide-se a persistir na 
senda do erro, mergulhando-se na imoralidade, 
estará abrindo de par em par, as portas para a 
volta do obsessor, que retorna com fúria 
desdobrada, trazendo em sua companhia outros 
espíritos inferiores que passam a formar uma 
"legião", cuja ação nefasta faz com que a situação 
do obsediado se torne muito pior do que antes.
A casa a que se refere Jesus é a mente humana, 
habitada por nossos pensamentos. 
 
A estrutura, organização e disposição dependem do 
morador ---- a vontade.
Por que Espíritos desajustados nos envolvem e 
influenciam facilmente? 
Está desocupada ---- vazia de ideais superiores, de motivação 
existencial. 
Está varrida e adornada ---- atraente para os invasores, receptiva às 
suas sugestões.
Casa limpa e adornada 
Significa que a pessoa só mostra-se exteriormente modificada. Espiritualmente, 
continua com os mesmos desejos e imperfeições, desocupada de ideias úteis e 
fraternas. Pior, não se esforça em nada para melhorar-se. É o que acontece com 
muitos que só buscam a Deus no momento do sofrimento.
A Gênese 
 
Obsessões item 46 
 Nos casos de obsessão grave, o obsidiado fica como 
que envolto e impregnado de um fluido pernicioso, 
que neutraliza a ação dos fluidos salutares e os 
repele..."
Gênese cap. 14 item 18 ) 
 
Qualidade dos fluidos 
"Sendo o perispírito dos encarnados de natureza idêntica à dos 
fluidos espirituais, ele os assimila com facilidade, como uma esponja 
se embebe de um líquido. 
Esses fluidos exercem sobre o perispírito uma ação tanto mais direta 
quando, por sua extensão e irradiação, o perispírito com eles se 
confunde. 
Atuando esses fluidos sobre o perispírito, este, a seu turno, reage 
sobre o organismo material com quem se acha em contato molecular. 
Se os eflúvios são de boa natureza, o corpo ressente uma impressão 
salutar; se são maus, a impressão é penosa. 
Se os eflúvios maus são permanentes e enérgicos, podem ocasionar 
desordens físicas; não é outra a causa de certas enfermidades".
O que fazer? 
 Passes 
 Àgua Fluidificada 
 Leitura de bom nível 
 Assistir a palestras 
 Prece
Na questão 469, de ‘‘O Livro dos Espíritos’’, Kardec pergunta: 
Porque meio podemos neutralizar a influência dos maus Espíritos? 
---- Praticando o bem e pondo em Deus toda a vossa confiança repelireis a 
influencia dos Espíritos inferiores e aniquilareis o império 
que desejam ter sobre vós. Guardai-vos de atender às sugestões dos Espíritos que 
vos suscitam maus pensamentos, que sopram a discórdia entre vós outros e que 
vos insuflam as paixões más.
Que tipo de pensamentos 
recebemos em nossa casa mental? 
 
Talvez seja preciso despejar hóspedes 
indesejáveis e convidar outros mais 
recomendáveis, em favor de nossa paz. 
Assim sendo, se desejamos retomar o caminho 
na direção do bem torna se imprescindível, 
modificar nossa casa mental para que tais 
hóspedes deixem de ser nossos inquilinos. 
.
467 - Podemos nos libertar da influência dos Espíritos que nos 
solicitam para o mal? 
R.: Sim, porque eles só se ligam às pessoas que os solicitam por 
seus desejos e os atraem por seus pensamentos“ 
(O Livro dos Espíritos).
Você cuida bem da sua 
casa? 
 
Uma casa escura ---- morador deprimido. 
Uma casa abafada ---- morador pessimista. 
Uma casa em desordem ---- morador confuso. 
Uma casa iluminada ---- morador feliz. 
Uma casa arejada ---- morador animado. 
Uma casa bem arrumada ---- morador organizado

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo EspiritismoCapítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Jean Dias
 
ÓDIO na visão Espírita
ÓDIO na visão EspíritaÓDIO na visão Espírita
ÓDIO na visão Espírita
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
A cólera - E.S.E. Cap IX itens 9 e 10
A cólera - E.S.E. Cap IX itens 9 e 10A cólera - E.S.E. Cap IX itens 9 e 10
A cólera - E.S.E. Cap IX itens 9 e 10
Francisco de Assis Alencar
 
Bem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiososBem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiosos
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Em busca da felicidade ( Leonardo Pereira).
Em busca da felicidade ( Leonardo Pereira). Em busca da felicidade ( Leonardo Pereira).
Em busca da felicidade ( Leonardo Pereira).
Leonardo Pereira
 
Ingratidão por benefícios prestados
Ingratidão por benefícios prestadosIngratidão por benefícios prestados
Ingratidão por benefícios prestados
Graça Maciel
 
A virtude
A virtudeA virtude
A virtude
Henrique Vieira
 
A felicidade não é deste mundo
A felicidade não é deste mundoA felicidade não é deste mundo
A felicidade não é deste mundo
Fórum Espírita
 
Fonte viva
Fonte vivaFonte viva
Fonte viva
Flavio Oliveira
 
A afabilidade e a Doçura
A afabilidade e a DoçuraA afabilidade e a Doçura
A afabilidade e a Doçura
igmateus
 
Perdas de entes queridos 02112011
Perdas de entes queridos 02112011Perdas de entes queridos 02112011
Perdas de entes queridos 02112011
Daniela Azevedo
 
Desapego - Liberdade para Evoluir
Desapego - Liberdade para EvoluirDesapego - Liberdade para Evoluir
Desapego - Liberdade para Evoluir
Ricardo Azevedo
 
Indulgencia
IndulgenciaIndulgencia
ESDE - Módulo XVIII - Roteiro 1: penas e gozos terrestres.
ESDE - Módulo XVIII - Roteiro 1: penas e gozos terrestres.ESDE - Módulo XVIII - Roteiro 1: penas e gozos terrestres.
ESDE - Módulo XVIII - Roteiro 1: penas e gozos terrestres.
Núcleo de Promoção Humana Vinha de Luz
 
Bem aventurados os pobres de espirito - Cap VII
Bem aventurados os pobres de espirito - Cap VIIBem aventurados os pobres de espirito - Cap VII
Bem aventurados os pobres de espirito - Cap VII
NatyMadeira
 
A paciência
A paciênciaA paciência
A paciência
Jose Ferreira Almeida
 
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMOMEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
Jorge Luiz dos Santos
 
A terra planeta de provas e expiações
A terra planeta de provas e expiaçõesA terra planeta de provas e expiações
A terra planeta de provas e expiações
Graça Maciel
 
Da Lei de Liberdade
Da Lei de LiberdadeDa Lei de Liberdade
Da Lei de Liberdade
home
 
Fundamentos espiritas e o evangelho de jesus
Fundamentos espiritas e o evangelho de jesusFundamentos espiritas e o evangelho de jesus
Fundamentos espiritas e o evangelho de jesus
Eduardo Ottonelli Pithan
 

Mais procurados (20)

Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo EspiritismoCapítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
 
ÓDIO na visão Espírita
ÓDIO na visão EspíritaÓDIO na visão Espírita
ÓDIO na visão Espírita
 
A cólera - E.S.E. Cap IX itens 9 e 10
A cólera - E.S.E. Cap IX itens 9 e 10A cólera - E.S.E. Cap IX itens 9 e 10
A cólera - E.S.E. Cap IX itens 9 e 10
 
Bem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiososBem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiosos
 
Em busca da felicidade ( Leonardo Pereira).
Em busca da felicidade ( Leonardo Pereira). Em busca da felicidade ( Leonardo Pereira).
Em busca da felicidade ( Leonardo Pereira).
 
Ingratidão por benefícios prestados
Ingratidão por benefícios prestadosIngratidão por benefícios prestados
Ingratidão por benefícios prestados
 
A virtude
A virtudeA virtude
A virtude
 
A felicidade não é deste mundo
A felicidade não é deste mundoA felicidade não é deste mundo
A felicidade não é deste mundo
 
Fonte viva
Fonte vivaFonte viva
Fonte viva
 
A afabilidade e a Doçura
A afabilidade e a DoçuraA afabilidade e a Doçura
A afabilidade e a Doçura
 
Perdas de entes queridos 02112011
Perdas de entes queridos 02112011Perdas de entes queridos 02112011
Perdas de entes queridos 02112011
 
Desapego - Liberdade para Evoluir
Desapego - Liberdade para EvoluirDesapego - Liberdade para Evoluir
Desapego - Liberdade para Evoluir
 
Indulgencia
IndulgenciaIndulgencia
Indulgencia
 
ESDE - Módulo XVIII - Roteiro 1: penas e gozos terrestres.
ESDE - Módulo XVIII - Roteiro 1: penas e gozos terrestres.ESDE - Módulo XVIII - Roteiro 1: penas e gozos terrestres.
ESDE - Módulo XVIII - Roteiro 1: penas e gozos terrestres.
 
Bem aventurados os pobres de espirito - Cap VII
Bem aventurados os pobres de espirito - Cap VIIBem aventurados os pobres de espirito - Cap VII
Bem aventurados os pobres de espirito - Cap VII
 
A paciência
A paciênciaA paciência
A paciência
 
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMOMEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
 
A terra planeta de provas e expiações
A terra planeta de provas e expiaçõesA terra planeta de provas e expiações
A terra planeta de provas e expiações
 
Da Lei de Liberdade
Da Lei de LiberdadeDa Lei de Liberdade
Da Lei de Liberdade
 
Fundamentos espiritas e o evangelho de jesus
Fundamentos espiritas e o evangelho de jesusFundamentos espiritas e o evangelho de jesus
Fundamentos espiritas e o evangelho de jesus
 

Destaque

A cura de um lunático
A cura de um lunáticoA cura de um lunático
A cura de um lunático
nelmarvoc
 
Caiu a máscara da universal parte 2
Caiu a máscara da universal   parte 2Caiu a máscara da universal   parte 2
Caiu a máscara da universal parte 2
Marco Aurelio Recco
 
Quem me tocou
Quem me tocouQuem me tocou
Quem me tocou
Marco Aurelio Recco
 
Casamento com propósito
Casamento com propósitoCasamento com propósito
Casamento com propósito
Marco Aurelio Recco
 
A cura espirita
A cura espiritaA cura espirita
A cura espirita
Stanley Domeniquini
 
As curas de jesus
As curas de jesusAs curas de jesus
As curas de jesus
Lisete B.
 
Tudo em vão!!!
Tudo em vão!!!Tudo em vão!!!
Tudo em vão!!!
Marco Aurelio Recco
 
A parábola da casa vazia
A parábola da casa vaziaA parábola da casa vazia
A parábola da casa vazia
cataldi57
 
A Palavra de Deus não volta vazia, ela cumpre o seu propósito
A Palavra de Deus não volta vazia, ela cumpre o seu propósitoA Palavra de Deus não volta vazia, ela cumpre o seu propósito
A Palavra de Deus não volta vazia, ela cumpre o seu propósito
Paulo Dias Nogueira
 
16/08/2013 - "Doença e cura"
16/08/2013 - "Doença e cura"16/08/2013 - "Doença e cura"
16/08/2013 - "Doença e cura"
Lar Irmã Zarabatana
 
O centro espírita
O centro espíritaO centro espírita
O centro espírita
nelmarvoc
 
Pregação - Satisfação em Deus
Pregação - Satisfação em DeusPregação - Satisfação em Deus
Pregação - Satisfação em Deus
Escola Bíblica Sem Fronteiras
 
Vale de ossos secos
Vale de ossos secosVale de ossos secos
Vale de ossos secos
Paulo Dias Nogueira
 
Mesmo no deserto Deus não nos abandona (Êxodo 17.1-7)
Mesmo no deserto Deus não nos abandona (Êxodo 17.1-7)Mesmo no deserto Deus não nos abandona (Êxodo 17.1-7)
Mesmo no deserto Deus não nos abandona (Êxodo 17.1-7)
Paulo Dias Nogueira
 
Medicina E Espiritismo
Medicina E EspiritismoMedicina E Espiritismo
Medicina E Espiritismo
Grupo Espírita Cristão
 
Afetos, emoções e sentimentos
Afetos, emoções e sentimentosAfetos, emoções e sentimentos
Afetos, emoções e sentimentos
Clécio Doroteu
 

Destaque (16)

A cura de um lunático
A cura de um lunáticoA cura de um lunático
A cura de um lunático
 
Caiu a máscara da universal parte 2
Caiu a máscara da universal   parte 2Caiu a máscara da universal   parte 2
Caiu a máscara da universal parte 2
 
Quem me tocou
Quem me tocouQuem me tocou
Quem me tocou
 
Casamento com propósito
Casamento com propósitoCasamento com propósito
Casamento com propósito
 
A cura espirita
A cura espiritaA cura espirita
A cura espirita
 
As curas de jesus
As curas de jesusAs curas de jesus
As curas de jesus
 
Tudo em vão!!!
Tudo em vão!!!Tudo em vão!!!
Tudo em vão!!!
 
A parábola da casa vazia
A parábola da casa vaziaA parábola da casa vazia
A parábola da casa vazia
 
A Palavra de Deus não volta vazia, ela cumpre o seu propósito
A Palavra de Deus não volta vazia, ela cumpre o seu propósitoA Palavra de Deus não volta vazia, ela cumpre o seu propósito
A Palavra de Deus não volta vazia, ela cumpre o seu propósito
 
16/08/2013 - "Doença e cura"
16/08/2013 - "Doença e cura"16/08/2013 - "Doença e cura"
16/08/2013 - "Doença e cura"
 
O centro espírita
O centro espíritaO centro espírita
O centro espírita
 
Pregação - Satisfação em Deus
Pregação - Satisfação em DeusPregação - Satisfação em Deus
Pregação - Satisfação em Deus
 
Vale de ossos secos
Vale de ossos secosVale de ossos secos
Vale de ossos secos
 
Mesmo no deserto Deus não nos abandona (Êxodo 17.1-7)
Mesmo no deserto Deus não nos abandona (Êxodo 17.1-7)Mesmo no deserto Deus não nos abandona (Êxodo 17.1-7)
Mesmo no deserto Deus não nos abandona (Êxodo 17.1-7)
 
Medicina E Espiritismo
Medicina E EspiritismoMedicina E Espiritismo
Medicina E Espiritismo
 
Afetos, emoções e sentimentos
Afetos, emoções e sentimentosAfetos, emoções e sentimentos
Afetos, emoções e sentimentos
 

Semelhante a Palestra Pública Doutrina Espírita Tema Casa adornada

Obsessão do ponto de vista espírita
Obsessão do ponto de vista espíritaObsessão do ponto de vista espírita
Obsessão do ponto de vista espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Livro dos espiritos capitulo 6
Livro dos espiritos capitulo 6Livro dos espiritos capitulo 6
Livro dos espiritos capitulo 6
hannahxa
 
Obsessão
ObsessãoObsessão
Obsessão
paikachambi
 
Aula sobre Livro dos Espíritos - Segunda parte - Cap. 9
Aula sobre Livro dos Espíritos - Segunda parte - Cap. 9Aula sobre Livro dos Espíritos - Segunda parte - Cap. 9
Aula sobre Livro dos Espíritos - Segunda parte - Cap. 9
contatodoutrina2013
 
A Influência dos Espíritos
A Influência dos EspíritosA Influência dos Espíritos
A Influência dos Espíritos
Fórum Espírita
 
14ª aula da obsessão - classificação - coem
14ª aula   da obsessão - classificação - coem14ª aula   da obsessão - classificação - coem
14ª aula da obsessão - classificação - coem
Wagner Quadros
 
13ª aula da obsessão - conceitos e causas - coem
13ª aula   da obsessão - conceitos e causas - coem13ª aula   da obsessão - conceitos e causas - coem
13ª aula da obsessão - conceitos e causas - coem
Wagner Quadros
 
Inimigos desencarnados obsessao mal da humanidade
Inimigos desencarnados obsessao mal da humanidadeInimigos desencarnados obsessao mal da humanidade
Inimigos desencarnados obsessao mal da humanidade
Claudio Macedo
 
( Espiritismo) # - influencia do meio
( Espiritismo)   # - influencia do meio( Espiritismo)   # - influencia do meio
( Espiritismo) # - influencia do meio
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Conquiste o inimigo venca a obsessao
Conquiste o inimigo   venca a obsessaoConquiste o inimigo   venca a obsessao
Conquiste o inimigo venca a obsessao
Henrique Vieira
 
Comoosespritospodempenetrarnossospensamentos
ComoosespritospodempenetrarnossospensamentosComoosespritospodempenetrarnossospensamentos
Comoosespritospodempenetrarnossospensamentos
DeborahARodolfo
 
Como Os EspíRitos Podem Penetrar Nossos Pensamentos
Como Os EspíRitos Podem Penetrar Nossos PensamentosComo Os EspíRitos Podem Penetrar Nossos Pensamentos
Como Os EspíRitos Podem Penetrar Nossos Pensamentos
Sergio Menezes
 
Livro dos espiritos Q.459 e ESE cap3 item6
Livro dos espiritos Q.459 e ESE cap3 item6Livro dos espiritos Q.459 e ESE cap3 item6
Livro dos espiritos Q.459 e ESE cap3 item6
Patricia Farias
 
Como os espã ritos podem penetrar nossos pensamentos
Como os espã ritos podem penetrar nossos pensamentosComo os espã ritos podem penetrar nossos pensamentos
Como os espã ritos podem penetrar nossos pensamentos
Grupo Espírita Mensageiros
 
Obsessão e desobsessão
Obsessão e desobsessãoObsessão e desobsessão
Obsessão e desobsessão
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
Nossos amigos espirituais
Nossos amigos espirituaisNossos amigos espirituais
Nossos amigos espirituais
Ana Cláudia Leal Felgueiras
 
Obsessão - problema ou oportunidade de renovação?
Obsessão - problema ou oportunidade de renovação?Obsessão - problema ou oportunidade de renovação?
Obsessão - problema ou oportunidade de renovação?
Ricardo Azevedo
 
Frater magister o-livro_da_sabedoria
Frater magister o-livro_da_sabedoriaFrater magister o-livro_da_sabedoria
Frater magister o-livro_da_sabedoria
Nunes 777
 
2.9.1 penetração de nosso pensamento pelos espiritos
2.9.1   penetração de nosso pensamento pelos espiritos2.9.1   penetração de nosso pensamento pelos espiritos
2.9.1 penetração de nosso pensamento pelos espiritos
Marta Gomes
 

Semelhante a Palestra Pública Doutrina Espírita Tema Casa adornada (20)

Obsessão do ponto de vista espírita
Obsessão do ponto de vista espíritaObsessão do ponto de vista espírita
Obsessão do ponto de vista espírita
 
Livro dos espiritos capitulo 6
Livro dos espiritos capitulo 6Livro dos espiritos capitulo 6
Livro dos espiritos capitulo 6
 
Obsessão
ObsessãoObsessão
Obsessão
 
Aula sobre Livro dos Espíritos - Segunda parte - Cap. 9
Aula sobre Livro dos Espíritos - Segunda parte - Cap. 9Aula sobre Livro dos Espíritos - Segunda parte - Cap. 9
Aula sobre Livro dos Espíritos - Segunda parte - Cap. 9
 
A Influência dos Espíritos
A Influência dos EspíritosA Influência dos Espíritos
A Influência dos Espíritos
 
14ª aula da obsessão - classificação - coem
14ª aula   da obsessão - classificação - coem14ª aula   da obsessão - classificação - coem
14ª aula da obsessão - classificação - coem
 
13ª aula da obsessão - conceitos e causas - coem
13ª aula   da obsessão - conceitos e causas - coem13ª aula   da obsessão - conceitos e causas - coem
13ª aula da obsessão - conceitos e causas - coem
 
Inimigos desencarnados obsessao mal da humanidade
Inimigos desencarnados obsessao mal da humanidadeInimigos desencarnados obsessao mal da humanidade
Inimigos desencarnados obsessao mal da humanidade
 
( Espiritismo) # - influencia do meio
( Espiritismo)   # - influencia do meio( Espiritismo)   # - influencia do meio
( Espiritismo) # - influencia do meio
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Conquiste o inimigo venca a obsessao
Conquiste o inimigo   venca a obsessaoConquiste o inimigo   venca a obsessao
Conquiste o inimigo venca a obsessao
 
Comoosespritospodempenetrarnossospensamentos
ComoosespritospodempenetrarnossospensamentosComoosespritospodempenetrarnossospensamentos
Comoosespritospodempenetrarnossospensamentos
 
Como Os EspíRitos Podem Penetrar Nossos Pensamentos
Como Os EspíRitos Podem Penetrar Nossos PensamentosComo Os EspíRitos Podem Penetrar Nossos Pensamentos
Como Os EspíRitos Podem Penetrar Nossos Pensamentos
 
Livro dos espiritos Q.459 e ESE cap3 item6
Livro dos espiritos Q.459 e ESE cap3 item6Livro dos espiritos Q.459 e ESE cap3 item6
Livro dos espiritos Q.459 e ESE cap3 item6
 
Como os espã ritos podem penetrar nossos pensamentos
Como os espã ritos podem penetrar nossos pensamentosComo os espã ritos podem penetrar nossos pensamentos
Como os espã ritos podem penetrar nossos pensamentos
 
Obsessão e desobsessão
Obsessão e desobsessãoObsessão e desobsessão
Obsessão e desobsessão
 
Nossos amigos espirituais
Nossos amigos espirituaisNossos amigos espirituais
Nossos amigos espirituais
 
Obsessão - problema ou oportunidade de renovação?
Obsessão - problema ou oportunidade de renovação?Obsessão - problema ou oportunidade de renovação?
Obsessão - problema ou oportunidade de renovação?
 
Frater magister o-livro_da_sabedoria
Frater magister o-livro_da_sabedoriaFrater magister o-livro_da_sabedoria
Frater magister o-livro_da_sabedoria
 
2.9.1 penetração de nosso pensamento pelos espiritos
2.9.1   penetração de nosso pensamento pelos espiritos2.9.1   penetração de nosso pensamento pelos espiritos
2.9.1 penetração de nosso pensamento pelos espiritos
 

Mais de nelmarvoc

Palestra Espírita- Sua casa Mental "Casa adornada"
 Palestra Espírita- Sua casa Mental "Casa adornada" Palestra Espírita- Sua casa Mental "Casa adornada"
Palestra Espírita- Sua casa Mental "Casa adornada"
nelmarvoc
 
Palestra Pública - A verdadeira cura
Palestra Pública - A verdadeira curaPalestra Pública - A verdadeira cura
Palestra Pública - A verdadeira cura
nelmarvoc
 
Palestra Pública - Estudo do Evangelho - Sobre as águas
 Palestra Pública - Estudo do Evangelho - Sobre as águas Palestra Pública - Estudo do Evangelho - Sobre as águas
Palestra Pública - Estudo do Evangelho - Sobre as águas
nelmarvoc
 
Salvos pela fé
Salvos pela féSalvos pela fé
Salvos pela fé
nelmarvoc
 
Os sãos não precisam de médico
Os sãos não precisam de médicoOs sãos não precisam de médico
Os sãos não precisam de médico
nelmarvoc
 
As curas efetuadas por Jesus - Tanque de Betesda
 As curas efetuadas por Jesus  - Tanque de Betesda As curas efetuadas por Jesus  - Tanque de Betesda
As curas efetuadas por Jesus - Tanque de Betesda
nelmarvoc
 
O mordomo infiel
O mordomo infielO mordomo infiel
O mordomo infiel
nelmarvoc
 
Brilhe a vossa Luz.
Brilhe a vossa Luz.Brilhe a vossa Luz.
Brilhe a vossa Luz.
nelmarvoc
 
Nem Ouro Nem Prata
Nem Ouro Nem PrataNem Ouro Nem Prata
Nem Ouro Nem Prata
nelmarvoc
 
A Rediviva de Magdala
A Rediviva de MagdalaA Rediviva de Magdala
A Rediviva de Magdala
nelmarvoc
 
Direito a vida
Direito a vidaDireito a vida
Direito a vida
nelmarvoc
 
A FUGA PARA O EGITO
A FUGA PARA O EGITOA FUGA PARA O EGITO
A FUGA PARA O EGITO
nelmarvoc
 
Afonso revista espiritas 1858_1859_1
Afonso revista espiritas 1858_1859_1Afonso revista espiritas 1858_1859_1
Afonso revista espiritas 1858_1859_1
nelmarvoc
 

Mais de nelmarvoc (13)

Palestra Espírita- Sua casa Mental "Casa adornada"
 Palestra Espírita- Sua casa Mental "Casa adornada" Palestra Espírita- Sua casa Mental "Casa adornada"
Palestra Espírita- Sua casa Mental "Casa adornada"
 
Palestra Pública - A verdadeira cura
Palestra Pública - A verdadeira curaPalestra Pública - A verdadeira cura
Palestra Pública - A verdadeira cura
 
Palestra Pública - Estudo do Evangelho - Sobre as águas
 Palestra Pública - Estudo do Evangelho - Sobre as águas Palestra Pública - Estudo do Evangelho - Sobre as águas
Palestra Pública - Estudo do Evangelho - Sobre as águas
 
Salvos pela fé
Salvos pela féSalvos pela fé
Salvos pela fé
 
Os sãos não precisam de médico
Os sãos não precisam de médicoOs sãos não precisam de médico
Os sãos não precisam de médico
 
As curas efetuadas por Jesus - Tanque de Betesda
 As curas efetuadas por Jesus  - Tanque de Betesda As curas efetuadas por Jesus  - Tanque de Betesda
As curas efetuadas por Jesus - Tanque de Betesda
 
O mordomo infiel
O mordomo infielO mordomo infiel
O mordomo infiel
 
Brilhe a vossa Luz.
Brilhe a vossa Luz.Brilhe a vossa Luz.
Brilhe a vossa Luz.
 
Nem Ouro Nem Prata
Nem Ouro Nem PrataNem Ouro Nem Prata
Nem Ouro Nem Prata
 
A Rediviva de Magdala
A Rediviva de MagdalaA Rediviva de Magdala
A Rediviva de Magdala
 
Direito a vida
Direito a vidaDireito a vida
Direito a vida
 
A FUGA PARA O EGITO
A FUGA PARA O EGITOA FUGA PARA O EGITO
A FUGA PARA O EGITO
 
Afonso revista espiritas 1858_1859_1
Afonso revista espiritas 1858_1859_1Afonso revista espiritas 1858_1859_1
Afonso revista espiritas 1858_1859_1
 

Último

Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
AntonioMugiba
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
DavidBertelli3
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
carla983678
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
SanturioTacararu
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
nadeclarice
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
AlexandreCarvalho858758
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
Nilson Almeida
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 

Último (14)

Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 

Palestra Pública Doutrina Espírita Tema Casa adornada

  • 2. Lucas XI – 24 a 26 Ou Mateus XII- 43 a 45
  • 3. Quando o espírito imundo, tendo saído do homem, anda por lugares secos, buscando repouso; e, não o achando, diz: Tornarei para minha casa, de onde saí. E, chegando, acha-a varrida e adornada. Então vai, e leva consigo outros sete espíritos piores do que ele e, entrando, habitam ali; e o último estado desse homem é pior do que o primeiro.
  • 4. “Os espíritos influem sobre os nossos pensamentos e as nossas ações?” L E 459 R : “A esse respeito sua influência é maior do que credes, porque, frequentemente, são eles que vos dirigem".
  • 5. "A obsessão é a ação persistente que um mau Espírito causa sobre Obsessão doença moral um indivíduo" O Evangelho Segundo o Espiritismo, cap.28, item 81.
  • 6. Livro dos Médiuns Das obsessões cap. XXIII  Obsessão simples  Espírito_inferior incomoda o indivíduo, mas não domina em profundidade seu psiquismo. Comum em quase todas as criaturas.  desconfianças,  estados de insegurança pessoal,  enfermidades de pequena monta,  insucessos em torno do obsidiado provocan do angústias.
  • 7. Livro dos Médiuns Das obsessões cap XXIII  Fascinação  Tem consequências mais graves por se tratar de uma ilusão criada diretamente pelo Espírito no pensamento chegando a “paralisar” a sua capacidade de discernimento. Subjugação  Etapa grave no curso das obsessões, caracterizada pela perda do discernimento e da emoção. O estágio da subjugação representa o clímax do processo que o adversário desencarnado impõe à sua vítima, em torpe tentativa de aniquilar-lhe a existência física.
  • 8. 1-Quando o espírito imundo  Adjetivo encontrado na época para designar aqueles que viviam mentalmente nas trevas e nas zonas sombrias, que acolhem os que escolhem viver afastados das boas atitudes, sentindo a necessidade de se alimentarem do fluido animal que exala dos encarnados com as mesmas vibrações psíquicas.
  • 9. 2-tendo saído do homem  Afastado da criatura encarnada, através da oração e do passe.
  • 10. 3-anda por lugares secos, buscando repouso; e, não o achando  fica à mercê, percorrendo terrenos espirituais aos quais não identificam com ele, por isto o versículo descreve como terreno seco, por se tratar de infrutífero, ou desagradável, sem o conforto ideal, para tal entidade.
  • 11. 4-diz: Tornarei para minha casa, de onde saí.  importante que se tenha consciência que os maus espíritos não nos chegam de chofre. De nossa parte houve o interesse, dando oportunidade de retorno ao ser que o abrigou surge (lembrando que não é o espírito que decide sozinho, mas o encarnado que facilita). Através das atitudes mentais que ele já havia superado volta para as proximidades da criatura de quem foi afastado.
  • 12. 5-E, chegando, acha-a varrida e adornada.  Ali chegando, notou com surpresa, que o antigo perseguido não havia se moralizado, não havia tomado nova diretriz e permanecia distanciado do Bem, deixando, como decorrência, a porta aberta para a volta do perseguidor
  • 13. 6- Então vai, e leva consigo outros sete espíritos piores do que ele e, entrando, habitam ali; e o último  estado desse homem é pior do que o primeiro por já conhecer as facilidades da aproximação, convida outros da mesma estirpe ou ainda piores, para com ele retomar a antiga moradia, na qual lhe faz sentir o que deseja, pois ao retomá-la volta a se alimentar da forma anterior. Deste modo, outros tantos também terão a mesma facilidade pois, desta vez já tem um guia lhes sugerindo a forma da abordagem e do domínio. Este, por sua vez, não contentou em voltar sozinho; foi e arranjou sete espíritos piores do que ele. Sob a influência dessa legião do mal, o estado do antigo perseguido se agravou, tornando-se muito pior do que antes.
  • 14. Se o antigo perseguido decide-se a persistir na senda do erro, mergulhando-se na imoralidade, estará abrindo de par em par, as portas para a volta do obsessor, que retorna com fúria desdobrada, trazendo em sua companhia outros espíritos inferiores que passam a formar uma "legião", cuja ação nefasta faz com que a situação do obsediado se torne muito pior do que antes.
  • 15. A casa a que se refere Jesus é a mente humana, habitada por nossos pensamentos.  A estrutura, organização e disposição dependem do morador ---- a vontade.
  • 16. Por que Espíritos desajustados nos envolvem e influenciam facilmente? Está desocupada ---- vazia de ideais superiores, de motivação existencial. Está varrida e adornada ---- atraente para os invasores, receptiva às suas sugestões.
  • 17. Casa limpa e adornada Significa que a pessoa só mostra-se exteriormente modificada. Espiritualmente, continua com os mesmos desejos e imperfeições, desocupada de ideias úteis e fraternas. Pior, não se esforça em nada para melhorar-se. É o que acontece com muitos que só buscam a Deus no momento do sofrimento.
  • 18. A Gênese  Obsessões item 46  Nos casos de obsessão grave, o obsidiado fica como que envolto e impregnado de um fluido pernicioso, que neutraliza a ação dos fluidos salutares e os repele..."
  • 19. Gênese cap. 14 item 18 )  Qualidade dos fluidos "Sendo o perispírito dos encarnados de natureza idêntica à dos fluidos espirituais, ele os assimila com facilidade, como uma esponja se embebe de um líquido. Esses fluidos exercem sobre o perispírito uma ação tanto mais direta quando, por sua extensão e irradiação, o perispírito com eles se confunde. Atuando esses fluidos sobre o perispírito, este, a seu turno, reage sobre o organismo material com quem se acha em contato molecular. Se os eflúvios são de boa natureza, o corpo ressente uma impressão salutar; se são maus, a impressão é penosa. Se os eflúvios maus são permanentes e enérgicos, podem ocasionar desordens físicas; não é outra a causa de certas enfermidades".
  • 20. O que fazer?  Passes  Àgua Fluidificada  Leitura de bom nível  Assistir a palestras  Prece
  • 21. Na questão 469, de ‘‘O Livro dos Espíritos’’, Kardec pergunta: Porque meio podemos neutralizar a influência dos maus Espíritos? ---- Praticando o bem e pondo em Deus toda a vossa confiança repelireis a influencia dos Espíritos inferiores e aniquilareis o império que desejam ter sobre vós. Guardai-vos de atender às sugestões dos Espíritos que vos suscitam maus pensamentos, que sopram a discórdia entre vós outros e que vos insuflam as paixões más.
  • 22. Que tipo de pensamentos recebemos em nossa casa mental?  Talvez seja preciso despejar hóspedes indesejáveis e convidar outros mais recomendáveis, em favor de nossa paz. Assim sendo, se desejamos retomar o caminho na direção do bem torna se imprescindível, modificar nossa casa mental para que tais hóspedes deixem de ser nossos inquilinos. .
  • 23. 467 - Podemos nos libertar da influência dos Espíritos que nos solicitam para o mal? R.: Sim, porque eles só se ligam às pessoas que os solicitam por seus desejos e os atraem por seus pensamentos“ (O Livro dos Espíritos).
  • 24. Você cuida bem da sua casa?  Uma casa escura ---- morador deprimido. Uma casa abafada ---- morador pessimista. Uma casa em desordem ---- morador confuso. Uma casa iluminada ---- morador feliz. Uma casa arejada ---- morador animado. Uma casa bem arrumada ---- morador organizado