SlideShare uma empresa Scribd logo
Livro Segundo:
Do Mundo Espírita ou
Mundo dos Espíritos
O LIVRO
DOS
ESPÍRITOS
• Penetração de nosso
pensamento pelos Espíritos
• Influência oculta dos Espíritos
sobre os nossos pensamentos e
sobre nossas ações
Questões 456 à 472
Capítulo IX:
Intervenção dos Espíritos
no Mundo Corporal
456 – Os Espíritos veem tudo
o que nós fazemos?
Podem vê-lo, visto que vos
rodeiam incessantemente.
Todavia, cada um não vê
senão as coisas sobre as quais
dirige sua atenção, porque
com aqueles que lhes são
indiferentes, eles não se
preocupam.
457 – Os Espíritos podem conhecer
nossos mais secretos pensamentos?
Frequentemente, eles conhecem
aquilo que quereríeis ocultar a vós
mesmos; nem atos, nem pensamentos
podem lhes ser dissimulados.
457.a) Nesse caso, pareceria mais fácil
esconder uma coisa a uma pessoa viva
que fazê-lo a essa mesma pessoa
depois da sua morte?
Certamente, e quando vos credes bem
ocultos, tendes, frequentemente, uma
multidão de Espíritos, ao vosso lado,
que vos veem.
2.9.1   penetração de nosso pensamento pelos espiritos
Influência oculta dos Espíritos sobre os
nossos pensamentos e sobre nossas ações
459 – Os Espíritos influem
sobre os nossos pensamentos
e as nossas ações?
A esse respeito sua influência
é maior do que credes porque,
frequentemente, são eles que
vos dirigem.
460 – Temos pensamentos que nos
são próprios e outros que nos são
sugeridos?
Vossa alma é um Espírito que pensa.
Não ignorais que vários pensamentos
vos alcançam, ao mesmo tempo, sobre
o mesmo assunto e, frequentemente,
bem contrários uns aos outros; então,
há sempre de vós e de nós e é isso que
vos coloca na incerteza, posto que
tendes em vós duas ideias que se
combatem.
461 – Como distinguir os
pensamentos que nos são próprios
daqueles que nos são sugeridos?
Quando um pensamento é sugerido, é
como uma voz que vos fala. Os
pensamentos próprios são, em geral,
aqueles do primeiro momento. De
resto, não há um grande interesse
para vós nessa distinção, e é
frequentemente útil não o saberdes. O
homem age mais livremente e, se ele
se decide pelo bem, o faz mais
voluntariamente; se toma o mau
caminho, não tem nisso senão mais
responsabilidades.
462 – Os homens de inteligência e de gênio haurem sempre suas
ideias de sua própria natureza íntima?
Algumas vezes, as ideias vêm de seu próprio Espírito, mas,
frequentemente, elas lhes são sugeridas por outros Espíritos que os
julgam capazes de as compreender e dignos de as transmitir.
Quando eles não as encontram em si, apelam à inspiração; é uma
evocação que fazem sem o suspeitar.
Allan Kardec:
Se fosse útil que pudéssemos distinguir claramente nossos
próprios pensamentos daqueles que nos são sugeridos, Deus nos
teria dado o meio, como ele nos deu o de distinguir o dia da noite.
Quando uma coisa é vaga, é que assim deve ser para o bem.
463 – Diz-se, algumas vezes,
que o primeiro movimento
é sempre bom; isso é exato?
Ele pode ser bom ou mau
segundo a natureza do
Espírito encarnado. É
sempre bom naquele que
atende às boas inspirações.
464 – Como distinguir se um pensamento sugerido vem de
um bom ou de um mau Espírito?
Estudai a coisa; os bons Espíritos não aconselham senão o
bem. Cabe a vós a distinção.
465 – Com que objetivo os Espíritos
imperfeitos nos compelem ao mal?
Para vos fazer sofrer como eles.
465.a) Isso diminui seus sofrimentos?
Não, mas o fazem por inveja de verem
seres mais felizes.
465.b) Que natureza de sofrimento
eles querem fazer experimentar?
Os que resultam de ser de uma ordem
inferior e afastada de Deus.
466 – Por que Deus permite que os Espíritos nos excitem ao mal?
Os Espíritos imperfeitos são instrumentos destinados a experimentar a fé e a
constância dos homens no bem. Tu, sendo Espírito, deves progredir na ciência do
infinito e é por isso que passas pelas provas do mal para alcançar o bem. Nossa
missão é de colocar-te no bom caminho, e quando as más influências agem sobre
ti é que as atrais pelo desejo do mal, porque os Espíritos inferiores vêm em tua
ajuda no mal, quando tens vontade de praticá-lo. Eles não podem te ajudar no
mal senão quando queres o mal. Se és propenso ao homicídio, terás uma
multidão de Espíritos que manterão esse pensamento em ti; mas, também, terás
outros que se esforçarão em te influenciar no bem, o que faz restabelecer a
balança e te deixa o comando.
Allan Kardec:
É assim que Deus deixa à nossa consciência a escolha do caminho que devemos
seguir, e a liberdade de ceder a uma ou a outra das influências contrárias que se
exercem sobre nós.
467 – Pode-se se libertar da influência dos Espíritos que nos
solicitam ao mal?
Sim, porque eles não se ligam senão aos que os solicitam por
seus desejos ou os atraem por seus pensamentos.
468 – Os Espíritos cuja influência é repelida pela vontade,
renunciam às suas tentativas?
Que queres tu que eles façam? Quando não há nada a fazer, eles
cedem o lugar; entretanto, aguardam o momento favorável,
como o gato espreita o rato.
469 – Por que meios se pode neutralizar
a influência dos maus Espíritos?
Fazendo o bem e colocando toda a vossa
confiança em Deus, repelis a influência
dos Espíritos inferiores, e destruís o
império que eles querem tomar sobre
vós. Evitai escutar as sugestões dos
Espíritos que suscitam em vós os maus
pensamentos, sopram a discórdia entre
vós e vos excitam todas as más paixões.
Desconfiai, sobretudo, daqueles que
exaltam vosso orgulho porque vos
tomam por vossa fraqueza. Eis porque
Jesus nos faz dizer na oração dominical:
“Senhor! não nos deixeis sucumbir à
tentação, mas livrai-nos do mal”.
470 – Os Espíritos que procuram
nos induzir ao mal e que, assim,
colocam em prova nossa firmeza
no bem, receberam a missão de
o fazer? E se é uma missão que
cumprem, onde está a
responsabilidade?
Nunca o Espírito recebe a missão
de fazer o mal. Quando ele o faz
é por sua própria vontade e, por
conseguinte, lhe suporta as
consequências. Deus pode deixá-
lo fazer para vos experimentar,
mas não lhe ordena, e está em
vós repeli-lo.
471 – Quando experimentamos um sentimento de angústia,
de ansiedade indefinível ou de satisfação interior sem causa
conhecida, isso prende-se unicamente a uma disposição
física?
São quase sempre, com efeito, comunicações que tendes
inconscientemente, com os Espíritos, ou que tivestes com eles
durante o sono.
472 – Os Espíritos que querem nos excitar
ao mal o fazem aproveitando-se das
circunstâncias em que nos encontramos
ou podem criar essas circunstâncias?
Eles aproveitam a circunstância, mas,
frequentemente, a provocam, compelindo-
vos, inconscientemente, ao objeto da
vossa cobiça. Assim, por exemplo, um
homem encontra sobre seu caminho uma
soma de dinheiro; não creiais que foram os
Espíritos que levaram o dinheiro para esse
lugar, mas eles podem dar ao homem o
pensamento de dirigir-se a esse ponto e,
então, lhe sugerem o pensamento de se
apoderar dele, enquanto outros lhe
sugerem o de entregar esse dinheiro
àquele a quem pertence. Ocorre o mesmo
em todas as outras tentações.
CRÉDITOS:
•Formatação: Marta Gomes P. Miranda
•Referências:
KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Tradução de
Salvador Gentile. 182ª Ed. Araras – SP: IDE, 2009.
Pág. 159 à 160.
KARDEC, Allan. A Gênese: Os Milagres e as Predições
Segundo o Espiritismo. Tradução de Salvador
Gentile. 52ª Ed. Araras – SP: IDE, 2008.
KARDEC, Allan. O Livro dos Médiuns. Tradução De
Salvador Gentile. 85ª Ed. Araras – SP: Ide, 2008.
XAVIER, Chico. Nos Domínios Da Mediunidade. 36ª
Ed. Brasília: Feb, 2018. Pelo Espírito André Luiz.
XAVIER, Chico & Vieira, Waldo. Mecanismos Da
Mediunidade. 28ª Ed. Brasília: Feb, 2018. Pelo
Espírito André Luiz.
22
https://rocaliriosdocampo.blogspot.com/2020/01/blog-post.html
https://www.facebook.com/photo/?fbid=4620978841285918&set=gm.188941663179481
https://br.pinterest.com/pin/371687775488685777/
https://br.pinterest.com/pin/1094937728124224943/
https://br.pinterest.com/pin/795448352929809695/
https://br.pinterest.com/pin/633037291370019581/
https://br.pinterest.com/pin/710302172462485446/
https://br.pinterest.com/pin/979814462649456284/
https://br.pinterest.com/pin/795448352929809695/
https://cienciafe.miguelpanao.com/meditar/
https://br.pinterest.com/pin/584060645414200489/
https://br.pinterest.com/pin/580401470718065078/
https://blog.caffeinearmy.com.br/espiritualidade/espiritualidade-o-que-e-qual-sua-importancia-e-como-
desenvolve-la/
https://www.terra.com.br/vida-e-estilo/saude/bem-estar/seja-zen/especial-o-que-e-espiritualidade
https://www.jrmcoaching.com.br/blog/conceito-de-espiritualidade/
https://www.apicedesenvolve.com.br/blog/pnl-e-espiritualidade/
https://www.wemystic.com.br/4-maneiras-espiritualidade-sem-ser-religioso/
https://www.dorcronica.blog.br/espiritualidade-e-religiao-na-dor-e-no-gerenciamento-da-dor-parte-1/
https://www.segs.com.br/demais/292730-beneficios-da-espiritualidade-em-momentos-delicados-da-saude
https://espacobambui.com.br/novos-estudos-atestam-o-impacto-da-espiritualidade-sobre-a-saude/
https://segurosinteligentes.com.br/portalrh/espiritualidade-e-saude/
IMAGENS
CENTRO ESPÍRITA “JOANA D’ARC”
Rua Ormindo P. Amorim, nº 1.516
Bairro: Jardim Marajó
Rondonópolis - MT

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafioO homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafio
Graça Maciel
 
Mundos Transitórios
Mundos TransitóriosMundos Transitórios
Mundos Transitórios
igmateus
 
A terra planeta de provas e expiações
A terra planeta de provas e expiaçõesA terra planeta de provas e expiações
A terra planeta de provas e expiações
Graça Maciel
 
3 palestra sobre transição planetaria
3 palestra sobre transição planetaria3 palestra sobre transição planetaria
3 palestra sobre transição planetaria
umecamaqua
 
Roteiro 4 os reinos da natureza
Roteiro 4   os reinos da naturezaRoteiro 4   os reinos da natureza
Roteiro 4 os reinos da natureza
Bruno Cechinel Filho
 
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meuProgressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Mundos Inferiores
Mundos InferioresMundos Inferiores
Mundos Inferiores
Antonino Silva
 
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª ParteProgressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
Denise Aguiar
 
Pluralidade dos mundos habitados
Pluralidade dos mundos habitadosPluralidade dos mundos habitados
Pluralidade dos mundos habitados
home
 
Curso Básico de Espiritismo
Curso Básico de EspiritismoCurso Básico de Espiritismo
Curso Básico de Espiritismo
ADEP Portugal
 
2.8.1 O sono e os sonhos
2.8.1   O sono e os sonhos2.8.1   O sono e os sonhos
2.8.1 O sono e os sonhos
Marta Gomes
 
Influencia dos Espiritos
Influencia dos EspiritosInfluencia dos Espiritos
Influencia dos Espiritos
EHMANA
 
" Missionários da Luz " - Influenciação cap5
" Missionários da Luz " - Influenciação cap5" Missionários da Luz " - Influenciação cap5
" Missionários da Luz " - Influenciação cap5
Lar Irmã Zarabatana
 
Escala espírita - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Escala espírita - Livro dos Espíritos - Allan KardecEscala espírita - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Escala espírita - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
marjoriestavismeyer
 
2.9.2 Possessos - Convulsionários
2.9.2   Possessos - Convulsionários2.9.2   Possessos - Convulsionários
2.9.2 Possessos - Convulsionários
Marta Gomes
 
2.8.3 Letargia, catalepsia e mortes aparentes
2.8.3   Letargia, catalepsia e mortes aparentes2.8.3   Letargia, catalepsia e mortes aparentes
2.8.3 Letargia, catalepsia e mortes aparentes
Marta Gomes
 
Escala Espírita
Escala EspíritaEscala Espírita
Escala Espírita
Graça Maciel
 
Reuniões Mediúnicas
Reuniões MediúnicasReuniões Mediúnicas
Reuniões Mediúnicas
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provasRoteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Bruno Cechinel Filho
 
Da Lei de Sociedade
Da Lei de SociedadeDa Lei de Sociedade
Da Lei de Sociedade
home
 

Mais procurados (20)

O homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafioO homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafio
 
Mundos Transitórios
Mundos TransitóriosMundos Transitórios
Mundos Transitórios
 
A terra planeta de provas e expiações
A terra planeta de provas e expiaçõesA terra planeta de provas e expiações
A terra planeta de provas e expiações
 
3 palestra sobre transição planetaria
3 palestra sobre transição planetaria3 palestra sobre transição planetaria
3 palestra sobre transição planetaria
 
Roteiro 4 os reinos da natureza
Roteiro 4   os reinos da naturezaRoteiro 4   os reinos da natureza
Roteiro 4 os reinos da natureza
 
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meuProgressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
 
Mundos Inferiores
Mundos InferioresMundos Inferiores
Mundos Inferiores
 
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª ParteProgressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
 
Pluralidade dos mundos habitados
Pluralidade dos mundos habitadosPluralidade dos mundos habitados
Pluralidade dos mundos habitados
 
Curso Básico de Espiritismo
Curso Básico de EspiritismoCurso Básico de Espiritismo
Curso Básico de Espiritismo
 
2.8.1 O sono e os sonhos
2.8.1   O sono e os sonhos2.8.1   O sono e os sonhos
2.8.1 O sono e os sonhos
 
Influencia dos Espiritos
Influencia dos EspiritosInfluencia dos Espiritos
Influencia dos Espiritos
 
" Missionários da Luz " - Influenciação cap5
" Missionários da Luz " - Influenciação cap5" Missionários da Luz " - Influenciação cap5
" Missionários da Luz " - Influenciação cap5
 
Escala espírita - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Escala espírita - Livro dos Espíritos - Allan KardecEscala espírita - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Escala espírita - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
 
2.9.2 Possessos - Convulsionários
2.9.2   Possessos - Convulsionários2.9.2   Possessos - Convulsionários
2.9.2 Possessos - Convulsionários
 
2.8.3 Letargia, catalepsia e mortes aparentes
2.8.3   Letargia, catalepsia e mortes aparentes2.8.3   Letargia, catalepsia e mortes aparentes
2.8.3 Letargia, catalepsia e mortes aparentes
 
Escala Espírita
Escala EspíritaEscala Espírita
Escala Espírita
 
Reuniões Mediúnicas
Reuniões MediúnicasReuniões Mediúnicas
Reuniões Mediúnicas
 
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provasRoteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
 
Da Lei de Sociedade
Da Lei de SociedadeDa Lei de Sociedade
Da Lei de Sociedade
 

Semelhante a 2.9.1 penetração de nosso pensamento pelos espiritos

Como os espã ritos podem penetrar nossos pensamentos
Como os espã ritos podem penetrar nossos pensamentosComo os espã ritos podem penetrar nossos pensamentos
Como os espã ritos podem penetrar nossos pensamentos
Grupo Espírita Mensageiros
 
Comoosespritospodempenetrarnossospensamentos
ComoosespritospodempenetrarnossospensamentosComoosespritospodempenetrarnossospensamentos
Comoosespritospodempenetrarnossospensamentos
DeborahARodolfo
 
Como Os EspíRitos Podem Penetrar Nossos Pensamentos
Como Os EspíRitos Podem Penetrar Nossos PensamentosComo Os EspíRitos Podem Penetrar Nossos Pensamentos
Como Os EspíRitos Podem Penetrar Nossos Pensamentos
Sergio Menezes
 
Influencia dos espíritos
Influencia dos espíritosInfluencia dos espíritos
Influencia dos espíritos
Ana Cláudia Leal Felgueiras
 
Obsessão do ponto de vista espírita
Obsessão do ponto de vista espíritaObsessão do ponto de vista espírita
Obsessão do ponto de vista espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
A Influência dos Espíritos
A Influência dos EspíritosA Influência dos Espíritos
A Influência dos Espíritos
Fórum Espírita
 
Questões de o livro dos espíritos que abordam lições referentes à obsessão.
Questões de o livro dos espíritos que  abordam lições referentes à obsessão.Questões de o livro dos espíritos que  abordam lições referentes à obsessão.
Questões de o livro dos espíritos que abordam lições referentes à obsessão.
Graça Maciel
 
090624 faculdade, que têm os espíritos, de ver nossos pensamentos–livro ii, c...
090624 faculdade, que têm os espíritos, de ver nossos pensamentos–livro ii, c...090624 faculdade, que têm os espíritos, de ver nossos pensamentos–livro ii, c...
090624 faculdade, que têm os espíritos, de ver nossos pensamentos–livro ii, c...
Carlos Alberto Freire De Souza
 
Estudo do dia 09/06/10
Estudo do dia 09/06/10 Estudo do dia 09/06/10
Estudo do dia 09/06/10
bethmagalhaes
 
Influência dos espíritos sobre os nossos pensamentos
Influência dos espíritos sobre os nossos pensamentosInfluência dos espíritos sobre os nossos pensamentos
Influência dos espíritos sobre os nossos pensamentos
Graça Maciel
 
Capitulo IX Intervencao dos Espiritos no mundo corporal
Capitulo IX   Intervencao dos Espiritos no mundo corporalCapitulo IX   Intervencao dos Espiritos no mundo corporal
Capitulo IX Intervencao dos Espiritos no mundo corporal
Marta Gomes
 
Aula sobre Livro dos Espíritos - Segunda parte - Cap. 9
Aula sobre Livro dos Espíritos - Segunda parte - Cap. 9Aula sobre Livro dos Espíritos - Segunda parte - Cap. 9
Aula sobre Livro dos Espíritos - Segunda parte - Cap. 9
contatodoutrina2013
 
Influencia oculta dos espíritos em nossos pensamentos e atos 2
Influencia oculta dos espíritos em nossos pensamentos e atos  2Influencia oculta dos espíritos em nossos pensamentos e atos  2
Influencia oculta dos espíritos em nossos pensamentos e atos 2
walcamarra
 
Infllência dos espiritos
Infllência dos espiritosInfllência dos espiritos
Infllência dos espiritos
Graça Maciel
 
Procrastinação e Obsessão Espiritual
Procrastinação e Obsessão EspiritualProcrastinação e Obsessão Espiritual
Procrastinação e Obsessão Espiritual
Ricardo Azevedo
 
Primeiro Módulo - Aula 16 - Intervenção dos espiritos no mundo corporal
Primeiro Módulo - Aula 16 - Intervenção dos espiritos no mundo corporalPrimeiro Módulo - Aula 16 - Intervenção dos espiritos no mundo corporal
Primeiro Módulo - Aula 16 - Intervenção dos espiritos no mundo corporal
CeiClarencio
 
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS.pptx
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS.pptxINFLUENCIA DOS ESPIRITOS.pptx
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS.pptx
francisco celio
 
Como os espíritos influenciam nossas vidas
Como os espíritos influenciam nossas vidasComo os espíritos influenciam nossas vidas
Como os espíritos influenciam nossas vidas
Luciane Belchior
 
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
Marcos Antônio Alves
 
Attachment 2608819178 (3)
Attachment 2608819178 (3)Attachment 2608819178 (3)
Attachment 2608819178 (3)
Alice Lirio
 

Semelhante a 2.9.1 penetração de nosso pensamento pelos espiritos (20)

Como os espã ritos podem penetrar nossos pensamentos
Como os espã ritos podem penetrar nossos pensamentosComo os espã ritos podem penetrar nossos pensamentos
Como os espã ritos podem penetrar nossos pensamentos
 
Comoosespritospodempenetrarnossospensamentos
ComoosespritospodempenetrarnossospensamentosComoosespritospodempenetrarnossospensamentos
Comoosespritospodempenetrarnossospensamentos
 
Como Os EspíRitos Podem Penetrar Nossos Pensamentos
Como Os EspíRitos Podem Penetrar Nossos PensamentosComo Os EspíRitos Podem Penetrar Nossos Pensamentos
Como Os EspíRitos Podem Penetrar Nossos Pensamentos
 
Influencia dos espíritos
Influencia dos espíritosInfluencia dos espíritos
Influencia dos espíritos
 
Obsessão do ponto de vista espírita
Obsessão do ponto de vista espíritaObsessão do ponto de vista espírita
Obsessão do ponto de vista espírita
 
A Influência dos Espíritos
A Influência dos EspíritosA Influência dos Espíritos
A Influência dos Espíritos
 
Questões de o livro dos espíritos que abordam lições referentes à obsessão.
Questões de o livro dos espíritos que  abordam lições referentes à obsessão.Questões de o livro dos espíritos que  abordam lições referentes à obsessão.
Questões de o livro dos espíritos que abordam lições referentes à obsessão.
 
090624 faculdade, que têm os espíritos, de ver nossos pensamentos–livro ii, c...
090624 faculdade, que têm os espíritos, de ver nossos pensamentos–livro ii, c...090624 faculdade, que têm os espíritos, de ver nossos pensamentos–livro ii, c...
090624 faculdade, que têm os espíritos, de ver nossos pensamentos–livro ii, c...
 
Estudo do dia 09/06/10
Estudo do dia 09/06/10 Estudo do dia 09/06/10
Estudo do dia 09/06/10
 
Influência dos espíritos sobre os nossos pensamentos
Influência dos espíritos sobre os nossos pensamentosInfluência dos espíritos sobre os nossos pensamentos
Influência dos espíritos sobre os nossos pensamentos
 
Capitulo IX Intervencao dos Espiritos no mundo corporal
Capitulo IX   Intervencao dos Espiritos no mundo corporalCapitulo IX   Intervencao dos Espiritos no mundo corporal
Capitulo IX Intervencao dos Espiritos no mundo corporal
 
Aula sobre Livro dos Espíritos - Segunda parte - Cap. 9
Aula sobre Livro dos Espíritos - Segunda parte - Cap. 9Aula sobre Livro dos Espíritos - Segunda parte - Cap. 9
Aula sobre Livro dos Espíritos - Segunda parte - Cap. 9
 
Influencia oculta dos espíritos em nossos pensamentos e atos 2
Influencia oculta dos espíritos em nossos pensamentos e atos  2Influencia oculta dos espíritos em nossos pensamentos e atos  2
Influencia oculta dos espíritos em nossos pensamentos e atos 2
 
Infllência dos espiritos
Infllência dos espiritosInfllência dos espiritos
Infllência dos espiritos
 
Procrastinação e Obsessão Espiritual
Procrastinação e Obsessão EspiritualProcrastinação e Obsessão Espiritual
Procrastinação e Obsessão Espiritual
 
Primeiro Módulo - Aula 16 - Intervenção dos espiritos no mundo corporal
Primeiro Módulo - Aula 16 - Intervenção dos espiritos no mundo corporalPrimeiro Módulo - Aula 16 - Intervenção dos espiritos no mundo corporal
Primeiro Módulo - Aula 16 - Intervenção dos espiritos no mundo corporal
 
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS.pptx
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS.pptxINFLUENCIA DOS ESPIRITOS.pptx
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS.pptx
 
Como os espíritos influenciam nossas vidas
Como os espíritos influenciam nossas vidasComo os espíritos influenciam nossas vidas
Como os espíritos influenciam nossas vidas
 
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
 
Attachment 2608819178 (3)
Attachment 2608819178 (3)Attachment 2608819178 (3)
Attachment 2608819178 (3)
 

Mais de Marta Gomes

Capitulo III - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à c...
Capitulo III - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à c...Capitulo III - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à c...
Capitulo III - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à c...
Marta Gomes
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docxCapitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Marta Gomes
 
1.2 - Elementos Gerais do Universo.pptx
1.2 - Elementos Gerais do  Universo.pptx1.2 - Elementos Gerais do  Universo.pptx
1.2 - Elementos Gerais do Universo.pptx
Marta Gomes
 
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. PanteísmoCapitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Marta Gomes
 
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Marta Gomes
 
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docxApresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Marta Gomes
 
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptxApresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Marta Gomes
 
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docxCapítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Marta Gomes
 
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
Marta Gomes
 
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
Marta Gomes
 
4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx
Marta Gomes
 
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docxCapítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Marta Gomes
 
4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx
Marta Gomes
 
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
Marta Gomes
 
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
Marta Gomes
 
Inveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docxInveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docx
Marta Gomes
 
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
Marta Gomes
 
O Homem de bem.docx
O Homem de bem.docxO Homem de bem.docx
O Homem de bem.docx
Marta Gomes
 
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
Marta Gomes
 

Mais de Marta Gomes (20)

Capitulo III - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à c...
Capitulo III - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à c...Capitulo III - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à c...
Capitulo III - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à c...
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docxCapitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
 
1.2 - Elementos Gerais do Universo.pptx
1.2 - Elementos Gerais do  Universo.pptx1.2 - Elementos Gerais do  Universo.pptx
1.2 - Elementos Gerais do Universo.pptx
 
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. PanteísmoCapitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
 
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
 
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docxApresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
 
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptxApresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
 
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docxCapítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
 
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
 
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
 
4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx
 
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docxCapítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
 
4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx
 
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
 
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
 
Inveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docxInveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docx
 
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
 
O Homem de bem.docx
O Homem de bem.docxO Homem de bem.docx
O Homem de bem.docx
 
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
 

Último

10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 

Último (15)

10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 

2.9.1 penetração de nosso pensamento pelos espiritos

  • 1. Livro Segundo: Do Mundo Espírita ou Mundo dos Espíritos O LIVRO DOS ESPÍRITOS
  • 2. • Penetração de nosso pensamento pelos Espíritos • Influência oculta dos Espíritos sobre os nossos pensamentos e sobre nossas ações Questões 456 à 472 Capítulo IX: Intervenção dos Espíritos no Mundo Corporal
  • 3. 456 – Os Espíritos veem tudo o que nós fazemos? Podem vê-lo, visto que vos rodeiam incessantemente. Todavia, cada um não vê senão as coisas sobre as quais dirige sua atenção, porque com aqueles que lhes são indiferentes, eles não se preocupam.
  • 4. 457 – Os Espíritos podem conhecer nossos mais secretos pensamentos? Frequentemente, eles conhecem aquilo que quereríeis ocultar a vós mesmos; nem atos, nem pensamentos podem lhes ser dissimulados. 457.a) Nesse caso, pareceria mais fácil esconder uma coisa a uma pessoa viva que fazê-lo a essa mesma pessoa depois da sua morte? Certamente, e quando vos credes bem ocultos, tendes, frequentemente, uma multidão de Espíritos, ao vosso lado, que vos veem.
  • 6. Influência oculta dos Espíritos sobre os nossos pensamentos e sobre nossas ações
  • 7. 459 – Os Espíritos influem sobre os nossos pensamentos e as nossas ações? A esse respeito sua influência é maior do que credes porque, frequentemente, são eles que vos dirigem.
  • 8. 460 – Temos pensamentos que nos são próprios e outros que nos são sugeridos? Vossa alma é um Espírito que pensa. Não ignorais que vários pensamentos vos alcançam, ao mesmo tempo, sobre o mesmo assunto e, frequentemente, bem contrários uns aos outros; então, há sempre de vós e de nós e é isso que vos coloca na incerteza, posto que tendes em vós duas ideias que se combatem.
  • 9. 461 – Como distinguir os pensamentos que nos são próprios daqueles que nos são sugeridos? Quando um pensamento é sugerido, é como uma voz que vos fala. Os pensamentos próprios são, em geral, aqueles do primeiro momento. De resto, não há um grande interesse para vós nessa distinção, e é frequentemente útil não o saberdes. O homem age mais livremente e, se ele se decide pelo bem, o faz mais voluntariamente; se toma o mau caminho, não tem nisso senão mais responsabilidades.
  • 10. 462 – Os homens de inteligência e de gênio haurem sempre suas ideias de sua própria natureza íntima? Algumas vezes, as ideias vêm de seu próprio Espírito, mas, frequentemente, elas lhes são sugeridas por outros Espíritos que os julgam capazes de as compreender e dignos de as transmitir. Quando eles não as encontram em si, apelam à inspiração; é uma evocação que fazem sem o suspeitar. Allan Kardec: Se fosse útil que pudéssemos distinguir claramente nossos próprios pensamentos daqueles que nos são sugeridos, Deus nos teria dado o meio, como ele nos deu o de distinguir o dia da noite. Quando uma coisa é vaga, é que assim deve ser para o bem.
  • 11. 463 – Diz-se, algumas vezes, que o primeiro movimento é sempre bom; isso é exato? Ele pode ser bom ou mau segundo a natureza do Espírito encarnado. É sempre bom naquele que atende às boas inspirações.
  • 12. 464 – Como distinguir se um pensamento sugerido vem de um bom ou de um mau Espírito? Estudai a coisa; os bons Espíritos não aconselham senão o bem. Cabe a vós a distinção.
  • 13. 465 – Com que objetivo os Espíritos imperfeitos nos compelem ao mal? Para vos fazer sofrer como eles. 465.a) Isso diminui seus sofrimentos? Não, mas o fazem por inveja de verem seres mais felizes. 465.b) Que natureza de sofrimento eles querem fazer experimentar? Os que resultam de ser de uma ordem inferior e afastada de Deus.
  • 14. 466 – Por que Deus permite que os Espíritos nos excitem ao mal? Os Espíritos imperfeitos são instrumentos destinados a experimentar a fé e a constância dos homens no bem. Tu, sendo Espírito, deves progredir na ciência do infinito e é por isso que passas pelas provas do mal para alcançar o bem. Nossa missão é de colocar-te no bom caminho, e quando as más influências agem sobre ti é que as atrais pelo desejo do mal, porque os Espíritos inferiores vêm em tua ajuda no mal, quando tens vontade de praticá-lo. Eles não podem te ajudar no mal senão quando queres o mal. Se és propenso ao homicídio, terás uma multidão de Espíritos que manterão esse pensamento em ti; mas, também, terás outros que se esforçarão em te influenciar no bem, o que faz restabelecer a balança e te deixa o comando. Allan Kardec: É assim que Deus deixa à nossa consciência a escolha do caminho que devemos seguir, e a liberdade de ceder a uma ou a outra das influências contrárias que se exercem sobre nós.
  • 15. 467 – Pode-se se libertar da influência dos Espíritos que nos solicitam ao mal? Sim, porque eles não se ligam senão aos que os solicitam por seus desejos ou os atraem por seus pensamentos.
  • 16. 468 – Os Espíritos cuja influência é repelida pela vontade, renunciam às suas tentativas? Que queres tu que eles façam? Quando não há nada a fazer, eles cedem o lugar; entretanto, aguardam o momento favorável, como o gato espreita o rato.
  • 17. 469 – Por que meios se pode neutralizar a influência dos maus Espíritos? Fazendo o bem e colocando toda a vossa confiança em Deus, repelis a influência dos Espíritos inferiores, e destruís o império que eles querem tomar sobre vós. Evitai escutar as sugestões dos Espíritos que suscitam em vós os maus pensamentos, sopram a discórdia entre vós e vos excitam todas as más paixões. Desconfiai, sobretudo, daqueles que exaltam vosso orgulho porque vos tomam por vossa fraqueza. Eis porque Jesus nos faz dizer na oração dominical: “Senhor! não nos deixeis sucumbir à tentação, mas livrai-nos do mal”.
  • 18. 470 – Os Espíritos que procuram nos induzir ao mal e que, assim, colocam em prova nossa firmeza no bem, receberam a missão de o fazer? E se é uma missão que cumprem, onde está a responsabilidade? Nunca o Espírito recebe a missão de fazer o mal. Quando ele o faz é por sua própria vontade e, por conseguinte, lhe suporta as consequências. Deus pode deixá- lo fazer para vos experimentar, mas não lhe ordena, e está em vós repeli-lo.
  • 19. 471 – Quando experimentamos um sentimento de angústia, de ansiedade indefinível ou de satisfação interior sem causa conhecida, isso prende-se unicamente a uma disposição física? São quase sempre, com efeito, comunicações que tendes inconscientemente, com os Espíritos, ou que tivestes com eles durante o sono.
  • 20. 472 – Os Espíritos que querem nos excitar ao mal o fazem aproveitando-se das circunstâncias em que nos encontramos ou podem criar essas circunstâncias? Eles aproveitam a circunstância, mas, frequentemente, a provocam, compelindo- vos, inconscientemente, ao objeto da vossa cobiça. Assim, por exemplo, um homem encontra sobre seu caminho uma soma de dinheiro; não creiais que foram os Espíritos que levaram o dinheiro para esse lugar, mas eles podem dar ao homem o pensamento de dirigir-se a esse ponto e, então, lhe sugerem o pensamento de se apoderar dele, enquanto outros lhe sugerem o de entregar esse dinheiro àquele a quem pertence. Ocorre o mesmo em todas as outras tentações.
  • 21. CRÉDITOS: •Formatação: Marta Gomes P. Miranda •Referências: KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Tradução de Salvador Gentile. 182ª Ed. Araras – SP: IDE, 2009. Pág. 159 à 160. KARDEC, Allan. A Gênese: Os Milagres e as Predições Segundo o Espiritismo. Tradução de Salvador Gentile. 52ª Ed. Araras – SP: IDE, 2008. KARDEC, Allan. O Livro dos Médiuns. Tradução De Salvador Gentile. 85ª Ed. Araras – SP: Ide, 2008. XAVIER, Chico. Nos Domínios Da Mediunidade. 36ª Ed. Brasília: Feb, 2018. Pelo Espírito André Luiz. XAVIER, Chico & Vieira, Waldo. Mecanismos Da Mediunidade. 28ª Ed. Brasília: Feb, 2018. Pelo Espírito André Luiz.
  • 22. 22 https://rocaliriosdocampo.blogspot.com/2020/01/blog-post.html https://www.facebook.com/photo/?fbid=4620978841285918&set=gm.188941663179481 https://br.pinterest.com/pin/371687775488685777/ https://br.pinterest.com/pin/1094937728124224943/ https://br.pinterest.com/pin/795448352929809695/ https://br.pinterest.com/pin/633037291370019581/ https://br.pinterest.com/pin/710302172462485446/ https://br.pinterest.com/pin/979814462649456284/ https://br.pinterest.com/pin/795448352929809695/ https://cienciafe.miguelpanao.com/meditar/ https://br.pinterest.com/pin/584060645414200489/ https://br.pinterest.com/pin/580401470718065078/ https://blog.caffeinearmy.com.br/espiritualidade/espiritualidade-o-que-e-qual-sua-importancia-e-como- desenvolve-la/ https://www.terra.com.br/vida-e-estilo/saude/bem-estar/seja-zen/especial-o-que-e-espiritualidade https://www.jrmcoaching.com.br/blog/conceito-de-espiritualidade/ https://www.apicedesenvolve.com.br/blog/pnl-e-espiritualidade/ https://www.wemystic.com.br/4-maneiras-espiritualidade-sem-ser-religioso/ https://www.dorcronica.blog.br/espiritualidade-e-religiao-na-dor-e-no-gerenciamento-da-dor-parte-1/ https://www.segs.com.br/demais/292730-beneficios-da-espiritualidade-em-momentos-delicados-da-saude https://espacobambui.com.br/novos-estudos-atestam-o-impacto-da-espiritualidade-sobre-a-saude/ https://segurosinteligentes.com.br/portalrh/espiritualidade-e-saude/ IMAGENS
  • 23. CENTRO ESPÍRITA “JOANA D’ARC” Rua Ormindo P. Amorim, nº 1.516 Bairro: Jardim Marajó Rondonópolis - MT