SlideShare uma empresa Scribd logo
Relação indivíduo e
        sociedade –
       transformação
          sociais.
    Cultura e sociedade.
z
Cap 4  max weber
 DIMENSÃO SUBJETIVA.
 Formada pela consciência e pelas intenções
  das pessoas.
 Interpretativa e não apenas descritiva.

 Sociologia compreensiva de Max Weber: o de
  ação social
 Ação social dos indivíduos.
Max Weber
(1864-1920)
Max Weber (1864-1920): alemão,
        último dos clássicos da Sociologia



   Enriqueceu o estudo da Sociologia com a
          Sociologia Compreensiva.

Método: interpretar o passado e analisar a sua
          repercussão no presente.

  Sociologia seria o estudo das ações sociais
    (sentido + motivação) dos indivíduos.


 Diferencia-se de Durkheim: na ordem social, os
indivíduos é que formam os valores da sociedade.
Indivíduo e Ação Social




   Motivação Racional
(voltada a fins ou valores)



  Motivação Tradicional


                               AÇÃO
    Motivação Afetiva         HUMANA
Como é possível, apesar da existência
dos valores, alcançar a objetividade
nas ciências sociais?
É preciso distinguir entre julgamentos de valor
e saber empírico.
Os    valores    devem       ser  incorporados
conscientemente à pesquisa e controlados
através de procedimentos rigorosos de
análise, caracterizados como esquemas de
explicação condicional.
Um conceito típico-ideal é um modelo
simplificado do real, elaborado com base em
traços considerados essenciais para a
determinação da causalidade, segundo os
critérios de quem pretende explicar um
fenômeno.
O tipo ideal é utilizado como instrumento para
conduzir o autor numa realidade complexa.
Toda conduta humana dotada de um significado
subjetivo (sentido) dado por quem a executa e que
orienta essa ação, tendo em vista a ação de outros
sujeitos conhecidos ou desconhecidos.
A explicação sociológica busca compreender e
interpretar o sentido da ação social, não se propondo
a julgar a validez de tais atos nem a compreender o
agente enquanto pessoa. Compreender uma ação é
captar e interpretar sua conexão de sentido, somente
a ação com sentido pode ser compreendida pela
Sociologia.

Em suma:     ação   compreensível     é   ação   com
sentido.
Toda conduta humana dotada de um significado
subjetivo (sentido) dado por quem a executa e que
orienta essa ação, tendo em vista a ação de outros
sujeitos conhecidos ou desconhecidos.
A explicação sociológica busca compreender e
interpretar o sentido da ação social, não se
propondo a julgar a validez de tais atos nem a
compreender      o    agente   enquanto    pessoa.
Compreender uma ação é captar e interpretar sua
conexão de sentido, somente a ação com sentido
pode ser compreendida pela Sociologia.
Em suma:     ação   compreensível   é   ação   com
sentido.
   Ação racional com relação a fins: ação que visa atingir um objetivo
    previamente definido, ele lança mão dos meios necessários ou
    adequados, ambos avaliados e combinados tão claramente quanto
    possível de seu próprio ponto de vista. Uma ação econômica, por
    exemplo, expressa essa tendência e permitem uma interpretação
    racional.
   Ação racional com relação a valores: ação orientada por princípios,
    agindo de acordo com ou a serviço de suas próprias convicções e
    levando em conta somente sua fidelidade a tais valores. Por exemplo,
    não se alimentar de carne, orientado por valores éticos, políticos e
    ambientais.
   Ação tradicional: quando hábitos e costumes arraigados levam a que se
    aja em função deles. Tal é o caso do batismo dos filhos realizado por
    pais pouco comprometidos com a religião.
   Ação afetiva: quando a ação é orientada por suas emoções imediata,
    como por exemplo, o ciúme, a raiva ou por diversas outras paixões. Esse
    tipo de ação pode ter resultados não pretendidos, por exemplo, magoar
    a quem se ama.
   Uma conduta plural (de vários),
    reciprocamente     orientada,   dotada     de
    conteúdo significativos que descansam na
    probabilidade de que se agirá socialmente de
    um certo modo, constitui o que Weber
    denomina de relação social. Podemos
    dizer que relação social é a probabilidade de
    que uma forma determinada de conduta social
    tenha, em algum momento, seu sentido
    partilhado pelos diversos agentes numa
    sociedade qualquer.
Quando, ao agir, cada um de dois ou mais
 indivíduos orienta sua conduta levando em
 conta a probabilidade de que o outro ou os
 outros agirão socialmente de um modo que
 corresponde às expectativas do primeiro
 agente, estamos diante de uma relação
 social. Como exemplo de relação social, as
 trocas     comerciais,   a      concorrência
 econômica, as relações políticas.
   Poder: a probabilidade de impor-se a própria
    vontade numa relação social, ainda que sob
    resistência;

    Dominação: é a probabilidade de encontrar
    obediência a uma ordem entre pessoas
    específicas,   sendo    uma   relação    entre
    dominadores e dominados; a força física é vista
    como um meio exclusivo do Estado, e a
    violência    é   considerada legítima    pelos
    dominados.
    Poder + Legitimidade = Dominação
Cap 4  max weber
   Dominação Legal: obedece-se não à pessoa em virtude de seu
    direito próprio, mas à regra estatuída, que estabelece ao
    mesmo tempo a quem e em que medida deve obedecer. Seu
    tipo mais puro é a burocracia.
   Dominação Tradicional: se estabelece em virtude da crença
    ma santidade das ordenações e dos poderes senhoriais de há
    muito existentes. Seu tipo mais puro é o da dominação
    patriarcal.
   Dominação Carismática: se dá em virtude de devoção afetiva à
    pessoa do senhor e a seus dotes sobrenaturais (carisma) e,
    particularmente: a faculdades mágicas, revelações ou
    heroísmo, poder intelectual ou de oratória. Seu tipo mais puro
    é a dominação do profeta, do herói guerreiro e do grande
    demagogo.
   A humanidade partiu de um universo habitado
    pelo sagrado, pelo mágico, excepcional e
    chegou a um mundo racionalizado, material,
    manipulado pela técnica e pela ciência. O
    mundo de deuses e mitos foi despovoado, sua
    magia substituída pelo conhecimento cientifico
    e pelo desenvolvimento de formas de
    organização racionais e burocratizadas.
 O trabalho torna-se um valor em si mesmo, e
  o operário ou capitalista puritanos passam a
  viver em função de sua atividade ou negócio
  e só assim têm a sensação da tarefa
  cumprida. O puritanismo condenava o ócio, o
  luxo, a perda de tempo, preguiça.
 Para estarem seguros quanto à sua salvação,
  ricos e pobres deveriam trabalhar sem
  descanso, o dia todo em favor do que lhes foi
  destinado pela vontade de Deus, e glorificá-lo
  por meio de suas atividades produtivas.
Ética Protestante e Espírito do Capitalismo




   A essa dedicação verdadeiramente religiosa ao
    trabalho, Weber chamou de vocação. Essa ética
    teve conseqüências marcantes sobre a vida
    econômica e, ao combinar a restrição do consumo
    com essa liberação da procura da riqueza, é obvio
    o resultado que daí decorre: a acumulação
    capitalista através da compulsão ascética da
    poupança. Mas este foi apenas um impulso inicial.
    A partir dele o capitalismo libertou-se do abrigo de
    um espírito religioso.
   O Estado é um instrumento de dominação do
    homem pelo homem, para ele só o Estado
    pode fazer uso da força da violência, e essa
    violência é legítima (monopólio do uso legítimo
    da força física), pois se apóia num conjunto de
    normas (constituição – racional legal).
MAX WEBER
                   Grau de Burocratização…
     Escassez                                             Excesso
        de                                                   de
   burocratização                                       burocratização

Falta de especialização,
                             Divisão do trabalho   superespecialização
       desordem

 Falta de autoridade            Hierarquia         Excesso de autoridade,
                                                        imposição

Liberdade excessiva        Regras e regulamentos    Ordem e disciplina

Ausência de documentos,     Formalização das        Excesso de papel,
    informalidade                                      formalismo
                             comunicações
 Ênfase nas pessoas          Pessoalidade            Ênfase no cargo
Cap 4  max weber

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.
Paula Raphaela
 
Aula 05 escola de frankfurt e teoria crítica 01
Aula 05   escola de frankfurt e teoria crítica 01Aula 05   escola de frankfurt e teoria crítica 01
Aula 05 escola de frankfurt e teoria crítica 01
Elizeu Nascimento Silva
 
A teoria de Max Weber
A teoria de Max WeberA teoria de Max Weber
A teoria de Max Weber
Edenilson Morais
 
Aula 02 - Liberdades individuais e Coerção Social (A Sociologia de Émile Durk...
Aula 02 - Liberdades individuais e Coerção Social (A Sociologia de Émile Durk...Aula 02 - Liberdades individuais e Coerção Social (A Sociologia de Émile Durk...
Aula 02 - Liberdades individuais e Coerção Social (A Sociologia de Émile Durk...
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
e neto
 
Emile Durkheim
Emile DurkheimEmile Durkheim
Emile Durkheim
Vitor Vieira Vasconcelos
 
OS PRIMEIROS FILÓSOFOS
OS PRIMEIROS FILÓSOFOSOS PRIMEIROS FILÓSOFOS
OS PRIMEIROS FILÓSOFOS
Isabel Aguiar
 
Cidadania no brasil
Cidadania no brasilCidadania no brasil
Cidadania no brasil
Isabela Espíndola
 
Poder, política e estado
Poder, política e estadoPoder, política e estado
Poder, política e estado
Marcela Marangon Ribeiro
 
Max weber-Educação, racionalização e burocratização em Weber
Max weber-Educação, racionalização e burocratização em WeberMax weber-Educação, racionalização e burocratização em Weber
Max weber-Educação, racionalização e burocratização em Weber
Ivone Bezerra
 
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia ContemporâneaAula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Rafael Oliveira
 
Sociologia da educaçáo 1
Sociologia da educaçáo 1Sociologia da educaçáo 1
Sociologia da educaçáo 1
greghouse48
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
José Ferreira Júnior
 
A sociologia de max weber
A sociologia de max weberA sociologia de max weber
A sociologia de max weber
Lucio Braga
 
Clássicos da sociologia
Clássicos da sociologiaClássicos da sociologia
Clássicos da sociologia
Luciano Carvalho
 
Aula 4 - Max Weber
Aula 4 - Max WeberAula 4 - Max Weber
Aula 4 - Max Weber
Mauricio Serafim
 
Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Sociologia do desenvolvimento
Sociologia do desenvolvimentoSociologia do desenvolvimento
Sociologia do desenvolvimento
Talita de Morais
 
Karl Marx. Aula de Sociologia
Karl Marx. Aula de SociologiaKarl Marx. Aula de Sociologia
Karl Marx. Aula de Sociologia
Josias Vitor
 
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e  AristótelesFilosofia 02 - Sócrates, Platão e  Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
Diego Bian Filo Moreira
 

Mais procurados (20)

Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.
 
Aula 05 escola de frankfurt e teoria crítica 01
Aula 05   escola de frankfurt e teoria crítica 01Aula 05   escola de frankfurt e teoria crítica 01
Aula 05 escola de frankfurt e teoria crítica 01
 
A teoria de Max Weber
A teoria de Max WeberA teoria de Max Weber
A teoria de Max Weber
 
Aula 02 - Liberdades individuais e Coerção Social (A Sociologia de Émile Durk...
Aula 02 - Liberdades individuais e Coerção Social (A Sociologia de Émile Durk...Aula 02 - Liberdades individuais e Coerção Social (A Sociologia de Émile Durk...
Aula 02 - Liberdades individuais e Coerção Social (A Sociologia de Émile Durk...
 
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
 
Emile Durkheim
Emile DurkheimEmile Durkheim
Emile Durkheim
 
OS PRIMEIROS FILÓSOFOS
OS PRIMEIROS FILÓSOFOSOS PRIMEIROS FILÓSOFOS
OS PRIMEIROS FILÓSOFOS
 
Cidadania no brasil
Cidadania no brasilCidadania no brasil
Cidadania no brasil
 
Poder, política e estado
Poder, política e estadoPoder, política e estado
Poder, política e estado
 
Max weber-Educação, racionalização e burocratização em Weber
Max weber-Educação, racionalização e burocratização em WeberMax weber-Educação, racionalização e burocratização em Weber
Max weber-Educação, racionalização e burocratização em Weber
 
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia ContemporâneaAula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
 
Sociologia da educaçáo 1
Sociologia da educaçáo 1Sociologia da educaçáo 1
Sociologia da educaçáo 1
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
 
A sociologia de max weber
A sociologia de max weberA sociologia de max weber
A sociologia de max weber
 
Clássicos da sociologia
Clássicos da sociologiaClássicos da sociologia
Clássicos da sociologia
 
Aula 4 - Max Weber
Aula 4 - Max WeberAula 4 - Max Weber
Aula 4 - Max Weber
 
Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Karl Marx
 
Sociologia do desenvolvimento
Sociologia do desenvolvimentoSociologia do desenvolvimento
Sociologia do desenvolvimento
 
Karl Marx. Aula de Sociologia
Karl Marx. Aula de SociologiaKarl Marx. Aula de Sociologia
Karl Marx. Aula de Sociologia
 
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e  AristótelesFilosofia 02 - Sócrates, Platão e  Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
 

Destaque

Liberdade ou segurança
Liberdade ou segurançaLiberdade ou segurança
Liberdade ou segurança
Aldenei Barros
 
Max weber
Max weberMax weber
Max weber
Fatima Freitas
 
O brasil ainda é um país católico
O brasil ainda é um país católicoO brasil ainda é um país católico
O brasil ainda é um país católico
Adriano Capilupe
 
Aula charges sociologia 1º anos
Aula charges sociologia 1º anosAula charges sociologia 1º anos
Aula charges sociologia 1º anos
ProfMario De Mori
 
O NOVO PAPEL DO LIDER NAS ORGANIZAÇÕES
O NOVO PAPEL DO LIDER NAS ORGANIZAÇÕESO NOVO PAPEL DO LIDER NAS ORGANIZAÇÕES
O NOVO PAPEL DO LIDER NAS ORGANIZAÇÕES
christianceapcursos
 
Alexis de tocqueville
Alexis de tocquevilleAlexis de tocqueville
Alexis de tocqueville
Kaique Dadalto
 
Alexis de tocqueville
Alexis de tocquevilleAlexis de tocqueville
Alexis de tocqueville
Alex Sousa
 
O brasil ainda é católico
O brasil ainda é católicoO brasil ainda é católico
O brasil ainda é católico
Aldenei Barros
 
Sociedade alemã a contribuição de max weber
Sociedade alemã   a contribuição de max weberSociedade alemã   a contribuição de max weber
Sociedade alemã a contribuição de max weber
Viviane Guerra
 
Lei 11.645
Lei 11.645Lei 11.645
Lei 11.645
natielemesquita
 
Tipos de dominacao
Tipos de dominacaoTipos de dominacao
Racismo
RacismoRacismo
Sociolgia: Poder, Política e Estado 3c
Sociolgia: Poder, Política e Estado 3cSociolgia: Poder, Política e Estado 3c
Sociolgia: Poder, Política e Estado 3c
Josefa Libório
 
Cap.7
Cap.7Cap.7
A sociologia alemã max weber
A sociologia alemã   max weberA sociologia alemã   max weber
A sociologia alemã max weber
mundica broda
 
Sociedade contemporânea e suas transformações
Sociedade contemporânea e suas transformaçõesSociedade contemporânea e suas transformações
Sociedade contemporânea e suas transformações
Luan Ismar
 
Os Tipos de Dominação para Weber- 1o.ano - CSB
Os Tipos de Dominação para Weber- 1o.ano - CSBOs Tipos de Dominação para Weber- 1o.ano - CSB
Os Tipos de Dominação para Weber- 1o.ano - CSB
Lucio Braga
 
Max weber 1º ano
Max weber 1º anoMax weber 1º ano
Max weber 1º ano
Fabrício Andreto Rodrigues
 
Max Weber, Sociologia Compreensiva e Legado Weberiano
Max Weber, Sociologia Compreensiva e Legado WeberianoMax Weber, Sociologia Compreensiva e Legado Weberiano
Max Weber, Sociologia Compreensiva e Legado Weberiano
Luiz1123
 
Como problematizar uma aula
Como problematizar uma aulaComo problematizar uma aula
Como problematizar uma aula
Fabio Santos
 

Destaque (20)

Liberdade ou segurança
Liberdade ou segurançaLiberdade ou segurança
Liberdade ou segurança
 
Max weber
Max weberMax weber
Max weber
 
O brasil ainda é um país católico
O brasil ainda é um país católicoO brasil ainda é um país católico
O brasil ainda é um país católico
 
Aula charges sociologia 1º anos
Aula charges sociologia 1º anosAula charges sociologia 1º anos
Aula charges sociologia 1º anos
 
O NOVO PAPEL DO LIDER NAS ORGANIZAÇÕES
O NOVO PAPEL DO LIDER NAS ORGANIZAÇÕESO NOVO PAPEL DO LIDER NAS ORGANIZAÇÕES
O NOVO PAPEL DO LIDER NAS ORGANIZAÇÕES
 
Alexis de tocqueville
Alexis de tocquevilleAlexis de tocqueville
Alexis de tocqueville
 
Alexis de tocqueville
Alexis de tocquevilleAlexis de tocqueville
Alexis de tocqueville
 
O brasil ainda é católico
O brasil ainda é católicoO brasil ainda é católico
O brasil ainda é católico
 
Sociedade alemã a contribuição de max weber
Sociedade alemã   a contribuição de max weberSociedade alemã   a contribuição de max weber
Sociedade alemã a contribuição de max weber
 
Lei 11.645
Lei 11.645Lei 11.645
Lei 11.645
 
Tipos de dominacao
Tipos de dominacaoTipos de dominacao
Tipos de dominacao
 
Racismo
RacismoRacismo
Racismo
 
Sociolgia: Poder, Política e Estado 3c
Sociolgia: Poder, Política e Estado 3cSociolgia: Poder, Política e Estado 3c
Sociolgia: Poder, Política e Estado 3c
 
Cap.7
Cap.7Cap.7
Cap.7
 
A sociologia alemã max weber
A sociologia alemã   max weberA sociologia alemã   max weber
A sociologia alemã max weber
 
Sociedade contemporânea e suas transformações
Sociedade contemporânea e suas transformaçõesSociedade contemporânea e suas transformações
Sociedade contemporânea e suas transformações
 
Os Tipos de Dominação para Weber- 1o.ano - CSB
Os Tipos de Dominação para Weber- 1o.ano - CSBOs Tipos de Dominação para Weber- 1o.ano - CSB
Os Tipos de Dominação para Weber- 1o.ano - CSB
 
Max weber 1º ano
Max weber 1º anoMax weber 1º ano
Max weber 1º ano
 
Max Weber, Sociologia Compreensiva e Legado Weberiano
Max Weber, Sociologia Compreensiva e Legado WeberianoMax Weber, Sociologia Compreensiva e Legado Weberiano
Max Weber, Sociologia Compreensiva e Legado Weberiano
 
Como problematizar uma aula
Como problematizar uma aulaComo problematizar uma aula
Como problematizar uma aula
 

Semelhante a Cap 4 max weber

A Sociologia de Durkheim e a Sociologia alemã de Max Weber
A Sociologia de Durkheim e a Sociologia alemã de Max WeberA Sociologia de Durkheim e a Sociologia alemã de Max Weber
A Sociologia de Durkheim e a Sociologia alemã de Max Weber
naiararohling
 
Sociologia tópicos-essenciais-da-sociologia-weberiana
Sociologia tópicos-essenciais-da-sociologia-weberianaSociologia tópicos-essenciais-da-sociologia-weberiana
Sociologia tópicos-essenciais-da-sociologia-weberiana
ocg50
 
Durkheim e weber_aula
Durkheim e weber_aulaDurkheim e weber_aula
Durkheim e weber_aula
LukasSeize
 
Atividadetres 121203202245-phpapp02
Atividadetres 121203202245-phpapp02Atividadetres 121203202245-phpapp02
Atividadetres 121203202245-phpapp02
Marcos Lucas Lucas
 
Introdução1545522
Introdução1545522Introdução1545522
Introdução1545522
Sergio Mota
 
Teoria geral da burocracia burocracia
Teoria geral da burocracia burocraciaTeoria geral da burocracia burocracia
Teoria geral da burocracia burocracia
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 05 - Do...
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 05 - Do...FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 05 - Do...
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 05 - Do...
Jordano Santos Cerqueira
 
O pensamento weberiano
O pensamento weberianoO pensamento weberiano
O pensamento weberiano
Rodrigo Antunes
 
Sociologia da Educação - Max Weber Sociologia compreensiva, Desencantamento e...
Sociologia da Educação - Max Weber Sociologia compreensiva, Desencantamento e...Sociologia da Educação - Max Weber Sociologia compreensiva, Desencantamento e...
Sociologia da Educação - Max Weber Sociologia compreensiva, Desencantamento e...
Flávia De Mattos Motta
 
Conceitos básicos de sociologia
Conceitos básicos de sociologiaConceitos básicos de sociologia
Conceitos básicos de sociologia
Gilmar Rodrigues
 
Grupos e organizações
Grupos e organizaçõesGrupos e organizações
Grupos e organizações
SATAFE2508
 
Atividadetres 121203202245-phpapp09
Atividadetres 121203202245-phpapp09Atividadetres 121203202245-phpapp09
Atividadetres 121203202245-phpapp09
retkelly
 
Max weber "Sociológo Alemão"
Max weber "Sociológo Alemão"Max weber "Sociológo Alemão"
Max weber "Sociológo Alemão"
gabrielly brito
 
Teorias sociologicas classicas
Teorias sociologicas classicasTeorias sociologicas classicas
Teorias sociologicas classicas
Beatriz Gonçalves
 
CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA
CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIACLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA
CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA
Claudinei Leite
 
TIPOS DE DOMINAÇÃO.pptx
TIPOS DE DOMINAÇÃO.pptxTIPOS DE DOMINAÇÃO.pptx
TIPOS DE DOMINAÇÃO.pptx
ElisngelaLima15
 
max weber.pptx
max weber.pptxmax weber.pptx
max weber.pptx
AntnioCsarBurnat
 
Max weber
Max weberMax weber
Aula 3 e 4 sociologia
Aula 3 e 4 sociologiaAula 3 e 4 sociologia
Aula 3 e 4 sociologia
julilp10
 
A questão do poder - pensadores
A questão do poder - pensadoresA questão do poder - pensadores
A questão do poder - pensadores
Natz Lima
 

Semelhante a Cap 4 max weber (20)

A Sociologia de Durkheim e a Sociologia alemã de Max Weber
A Sociologia de Durkheim e a Sociologia alemã de Max WeberA Sociologia de Durkheim e a Sociologia alemã de Max Weber
A Sociologia de Durkheim e a Sociologia alemã de Max Weber
 
Sociologia tópicos-essenciais-da-sociologia-weberiana
Sociologia tópicos-essenciais-da-sociologia-weberianaSociologia tópicos-essenciais-da-sociologia-weberiana
Sociologia tópicos-essenciais-da-sociologia-weberiana
 
Durkheim e weber_aula
Durkheim e weber_aulaDurkheim e weber_aula
Durkheim e weber_aula
 
Atividadetres 121203202245-phpapp02
Atividadetres 121203202245-phpapp02Atividadetres 121203202245-phpapp02
Atividadetres 121203202245-phpapp02
 
Introdução1545522
Introdução1545522Introdução1545522
Introdução1545522
 
Teoria geral da burocracia burocracia
Teoria geral da burocracia burocraciaTeoria geral da burocracia burocracia
Teoria geral da burocracia burocracia
 
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 05 - Do...
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 05 - Do...FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 05 - Do...
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 05 - Do...
 
O pensamento weberiano
O pensamento weberianoO pensamento weberiano
O pensamento weberiano
 
Sociologia da Educação - Max Weber Sociologia compreensiva, Desencantamento e...
Sociologia da Educação - Max Weber Sociologia compreensiva, Desencantamento e...Sociologia da Educação - Max Weber Sociologia compreensiva, Desencantamento e...
Sociologia da Educação - Max Weber Sociologia compreensiva, Desencantamento e...
 
Conceitos básicos de sociologia
Conceitos básicos de sociologiaConceitos básicos de sociologia
Conceitos básicos de sociologia
 
Grupos e organizações
Grupos e organizaçõesGrupos e organizações
Grupos e organizações
 
Atividadetres 121203202245-phpapp09
Atividadetres 121203202245-phpapp09Atividadetres 121203202245-phpapp09
Atividadetres 121203202245-phpapp09
 
Max weber "Sociológo Alemão"
Max weber "Sociológo Alemão"Max weber "Sociológo Alemão"
Max weber "Sociológo Alemão"
 
Teorias sociologicas classicas
Teorias sociologicas classicasTeorias sociologicas classicas
Teorias sociologicas classicas
 
CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA
CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIACLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA
CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA
 
TIPOS DE DOMINAÇÃO.pptx
TIPOS DE DOMINAÇÃO.pptxTIPOS DE DOMINAÇÃO.pptx
TIPOS DE DOMINAÇÃO.pptx
 
max weber.pptx
max weber.pptxmax weber.pptx
max weber.pptx
 
Max weber
Max weberMax weber
Max weber
 
Aula 3 e 4 sociologia
Aula 3 e 4 sociologiaAula 3 e 4 sociologia
Aula 3 e 4 sociologia
 
A questão do poder - pensadores
A questão do poder - pensadoresA questão do poder - pensadores
A questão do poder - pensadores
 

Mais de Péricles Penuel

Arte pré histórica
Arte pré históricaArte pré histórica
Arte pré histórica
Péricles Penuel
 
Arte egípicia
Arte egípiciaArte egípicia
Arte egípicia
Péricles Penuel
 
éTica capitulo 6
éTica capitulo 6éTica capitulo 6
éTica capitulo 6
Péricles Penuel
 
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Péricles Penuel
 
3 revolução industrial 2013
3 revolução industrial 20133 revolução industrial 2013
3 revolução industrial 2013
Péricles Penuel
 
1 diversidade da vida
1 diversidade da vida1 diversidade da vida
1 diversidade da vida
Péricles Penuel
 
Lista 1 2013 escalas termométricas
Lista 1 2013   escalas termométricasLista 1 2013   escalas termométricas
Lista 1 2013 escalas termométricas
Péricles Penuel
 
Aula 2 população
Aula 2   populaçãoAula 2   população
Aula 2 população
Péricles Penuel
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
Péricles Penuel
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
Péricles Penuel
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
Péricles Penuel
 
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
Péricles Penuel
 
1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico
Péricles Penuel
 
1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico
Péricles Penuel
 
Biologia 2º ano frente 2 - procariontes
Biologia 2º ano   frente 2 - procariontesBiologia 2º ano   frente 2 - procariontes
Biologia 2º ano frente 2 - procariontes
Péricles Penuel
 
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
Péricles Penuel
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
Péricles Penuel
 
Aula 1 o brasil
Aula 1   o brasilAula 1   o brasil
Aula 1 o brasil
Péricles Penuel
 
Entradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmpEntradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmp
Péricles Penuel
 
Plano ins. pernambucana tmp
Plano ins. pernambucana tmpPlano ins. pernambucana tmp
Plano ins. pernambucana tmp
Péricles Penuel
 

Mais de Péricles Penuel (20)

Arte pré histórica
Arte pré históricaArte pré histórica
Arte pré histórica
 
Arte egípicia
Arte egípiciaArte egípicia
Arte egípicia
 
éTica capitulo 6
éTica capitulo 6éTica capitulo 6
éTica capitulo 6
 
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
 
3 revolução industrial 2013
3 revolução industrial 20133 revolução industrial 2013
3 revolução industrial 2013
 
1 diversidade da vida
1 diversidade da vida1 diversidade da vida
1 diversidade da vida
 
Lista 1 2013 escalas termométricas
Lista 1 2013   escalas termométricasLista 1 2013   escalas termométricas
Lista 1 2013 escalas termométricas
 
Aula 2 população
Aula 2   populaçãoAula 2   população
Aula 2 população
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
 
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
 
1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico
 
1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico
 
Biologia 2º ano frente 2 - procariontes
Biologia 2º ano   frente 2 - procariontesBiologia 2º ano   frente 2 - procariontes
Biologia 2º ano frente 2 - procariontes
 
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
 
Aula 1 o brasil
Aula 1   o brasilAula 1   o brasil
Aula 1 o brasil
 
Entradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmpEntradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmp
 
Plano ins. pernambucana tmp
Plano ins. pernambucana tmpPlano ins. pernambucana tmp
Plano ins. pernambucana tmp
 

Cap 4 max weber

  • 1. Relação indivíduo e sociedade – transformação sociais. Cultura e sociedade. z
  • 3.  DIMENSÃO SUBJETIVA.  Formada pela consciência e pelas intenções das pessoas.  Interpretativa e não apenas descritiva.  Sociologia compreensiva de Max Weber: o de ação social  Ação social dos indivíduos.
  • 5. Max Weber (1864-1920): alemão, último dos clássicos da Sociologia Enriqueceu o estudo da Sociologia com a Sociologia Compreensiva. Método: interpretar o passado e analisar a sua repercussão no presente. Sociologia seria o estudo das ações sociais (sentido + motivação) dos indivíduos. Diferencia-se de Durkheim: na ordem social, os indivíduos é que formam os valores da sociedade.
  • 6. Indivíduo e Ação Social Motivação Racional (voltada a fins ou valores) Motivação Tradicional AÇÃO Motivação Afetiva HUMANA
  • 7. Como é possível, apesar da existência dos valores, alcançar a objetividade nas ciências sociais? É preciso distinguir entre julgamentos de valor e saber empírico. Os valores devem ser incorporados conscientemente à pesquisa e controlados através de procedimentos rigorosos de análise, caracterizados como esquemas de explicação condicional.
  • 8. Um conceito típico-ideal é um modelo simplificado do real, elaborado com base em traços considerados essenciais para a determinação da causalidade, segundo os critérios de quem pretende explicar um fenômeno. O tipo ideal é utilizado como instrumento para conduzir o autor numa realidade complexa.
  • 9. Toda conduta humana dotada de um significado subjetivo (sentido) dado por quem a executa e que orienta essa ação, tendo em vista a ação de outros sujeitos conhecidos ou desconhecidos. A explicação sociológica busca compreender e interpretar o sentido da ação social, não se propondo a julgar a validez de tais atos nem a compreender o agente enquanto pessoa. Compreender uma ação é captar e interpretar sua conexão de sentido, somente a ação com sentido pode ser compreendida pela Sociologia. Em suma: ação compreensível é ação com sentido.
  • 10. Toda conduta humana dotada de um significado subjetivo (sentido) dado por quem a executa e que orienta essa ação, tendo em vista a ação de outros sujeitos conhecidos ou desconhecidos. A explicação sociológica busca compreender e interpretar o sentido da ação social, não se propondo a julgar a validez de tais atos nem a compreender o agente enquanto pessoa. Compreender uma ação é captar e interpretar sua conexão de sentido, somente a ação com sentido pode ser compreendida pela Sociologia. Em suma: ação compreensível é ação com sentido.
  • 11. Ação racional com relação a fins: ação que visa atingir um objetivo previamente definido, ele lança mão dos meios necessários ou adequados, ambos avaliados e combinados tão claramente quanto possível de seu próprio ponto de vista. Uma ação econômica, por exemplo, expressa essa tendência e permitem uma interpretação racional.  Ação racional com relação a valores: ação orientada por princípios, agindo de acordo com ou a serviço de suas próprias convicções e levando em conta somente sua fidelidade a tais valores. Por exemplo, não se alimentar de carne, orientado por valores éticos, políticos e ambientais.  Ação tradicional: quando hábitos e costumes arraigados levam a que se aja em função deles. Tal é o caso do batismo dos filhos realizado por pais pouco comprometidos com a religião.  Ação afetiva: quando a ação é orientada por suas emoções imediata, como por exemplo, o ciúme, a raiva ou por diversas outras paixões. Esse tipo de ação pode ter resultados não pretendidos, por exemplo, magoar a quem se ama.
  • 12. Uma conduta plural (de vários), reciprocamente orientada, dotada de conteúdo significativos que descansam na probabilidade de que se agirá socialmente de um certo modo, constitui o que Weber denomina de relação social. Podemos dizer que relação social é a probabilidade de que uma forma determinada de conduta social tenha, em algum momento, seu sentido partilhado pelos diversos agentes numa sociedade qualquer.
  • 13. Quando, ao agir, cada um de dois ou mais indivíduos orienta sua conduta levando em conta a probabilidade de que o outro ou os outros agirão socialmente de um modo que corresponde às expectativas do primeiro agente, estamos diante de uma relação social. Como exemplo de relação social, as trocas comerciais, a concorrência econômica, as relações políticas.
  • 14. Poder: a probabilidade de impor-se a própria vontade numa relação social, ainda que sob resistência; Dominação: é a probabilidade de encontrar obediência a uma ordem entre pessoas específicas, sendo uma relação entre dominadores e dominados; a força física é vista como um meio exclusivo do Estado, e a violência é considerada legítima pelos dominados. Poder + Legitimidade = Dominação
  • 16. Dominação Legal: obedece-se não à pessoa em virtude de seu direito próprio, mas à regra estatuída, que estabelece ao mesmo tempo a quem e em que medida deve obedecer. Seu tipo mais puro é a burocracia.  Dominação Tradicional: se estabelece em virtude da crença ma santidade das ordenações e dos poderes senhoriais de há muito existentes. Seu tipo mais puro é o da dominação patriarcal.  Dominação Carismática: se dá em virtude de devoção afetiva à pessoa do senhor e a seus dotes sobrenaturais (carisma) e, particularmente: a faculdades mágicas, revelações ou heroísmo, poder intelectual ou de oratória. Seu tipo mais puro é a dominação do profeta, do herói guerreiro e do grande demagogo.
  • 17. A humanidade partiu de um universo habitado pelo sagrado, pelo mágico, excepcional e chegou a um mundo racionalizado, material, manipulado pela técnica e pela ciência. O mundo de deuses e mitos foi despovoado, sua magia substituída pelo conhecimento cientifico e pelo desenvolvimento de formas de organização racionais e burocratizadas.
  • 18.  O trabalho torna-se um valor em si mesmo, e o operário ou capitalista puritanos passam a viver em função de sua atividade ou negócio e só assim têm a sensação da tarefa cumprida. O puritanismo condenava o ócio, o luxo, a perda de tempo, preguiça.  Para estarem seguros quanto à sua salvação, ricos e pobres deveriam trabalhar sem descanso, o dia todo em favor do que lhes foi destinado pela vontade de Deus, e glorificá-lo por meio de suas atividades produtivas.
  • 19. Ética Protestante e Espírito do Capitalismo  A essa dedicação verdadeiramente religiosa ao trabalho, Weber chamou de vocação. Essa ética teve conseqüências marcantes sobre a vida econômica e, ao combinar a restrição do consumo com essa liberação da procura da riqueza, é obvio o resultado que daí decorre: a acumulação capitalista através da compulsão ascética da poupança. Mas este foi apenas um impulso inicial. A partir dele o capitalismo libertou-se do abrigo de um espírito religioso.
  • 20. O Estado é um instrumento de dominação do homem pelo homem, para ele só o Estado pode fazer uso da força da violência, e essa violência é legítima (monopólio do uso legítimo da força física), pois se apóia num conjunto de normas (constituição – racional legal).
  • 21. MAX WEBER Grau de Burocratização… Escassez Excesso de de burocratização burocratização Falta de especialização, Divisão do trabalho superespecialização desordem Falta de autoridade Hierarquia Excesso de autoridade, imposição Liberdade excessiva Regras e regulamentos Ordem e disciplina Ausência de documentos, Formalização das Excesso de papel, informalidade formalismo comunicações Ênfase nas pessoas Pessoalidade Ênfase no cargo