SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
Baixar para ler offline
Sociologia
Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues
E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br
Escola: Cenecista Dr. José Ferreira
Max Weber - Historicismo
Disponível em: http://www.economist.com/node/12762398, acesso em: 22/02/2015.
A crença no valor da verdade
científica não procede da natureza,
mas sim é produto de determinadas
culturas.
Max Weber.
Ação social
“A ação social (incluindo omissão ou tolerância) orienta-se
pelo comportamento de outros, seja este passado, presente
ou esperado como futuro (vingança por ataques anteriores,
defesa contra ataques presentes ou medidas de defesa para
enfrentar ataques futuros). Os ‘outros’ podem ser indivíduos e
conhecidos ou uma multiplicidade indeterminada de pessoas
completamente desconhecidas [...]
Nem todo tipo de contato entre pessoas tem caráter
social, senão apenas um comportamento que, quanto ao
sentido, se orienta pelo comportamento de outra pessoa.”
Weber, livro Economia e Sociedade.
4 tipologias das ações weberianas
1. O primeiro tipo é o da “ação racional com respeito a fins”. De
acordo com este tipo, o sentido racional da ação se encontra na
escolha dos meios mais adequados para a realização de um fim.
O único critério de seleção dos meios é a sua capacidade de
realizar o objetivo estabelecido. Qualquer meio eficiente é válido
tão somente por sua eficiência, independentemente de
avaliações morais ou éticas. É o tipo de ação mais frequente na
sociedade moderna a ação do empresário capitalista que
emprega a mão de obra de vários empregados pagando o menor
salário possível, a ação do político corrupto que desvia o
dinheiro da merenda das escolas.
Fragmento extraído do texto didático Interação social do grupo PIBID da UNESP de Marília.
(Adaptada)
2. Ações racionais com relação a valores: É a
ação que o indivíduo se orienta pela crença em
um valor ético, religioso, estético ou qualquer
outro. Diferentemente do político corrupto que
decide desviar dinheiro para seu próprio
proveito, esse tipo de ação seria a daquele
político que, por um valor ético, uma posição de
respeito ao dinheiro público e às atitudes que os
eleitores esperam que ele tenha, não desvia
esse dinheiro.
Fragmento extraído do texto didático Interação social do grupo PIBID da UNESP de Marília.
(Adaptada)
3. Ações afetivas ou ação emocional: É a ação inspirada por
emoções imediatas, tais como vingança, desespero, admiração,
orgulho, medo, inveja, paixão e entusiasmo. Na ação afetiva, o
agente segue um impulso e não elabora as consequências da sua
ação. É a ação de quem larga tudo por amor, de quem mata a
mulher quando descobre que foi traído, e a ação de quem larga
o emprego porque foi xingado pelo chefe, de quem grita após o
gol do time do coração, de quem chora em enterros e
casamentos. A “ação afetiva” se diferencia da “racional com
respeito a valores” porque, nesta última, o agente elabora
racionalmente o sentido de sua ação, de modo que sua conduta
seja fiel aos valores aos quais adere. Como foi dito, na ação
afetiva não existe elaboração racional das consequências.
Fragmento extraído do texto didático Interação social do grupo PIBID da UNESP de Marília.
(Adaptada)
4. Ações tradicionais: Ocorrem quando o agente
cumpre hábitos e costumes enraizados simplesmente
porque é o que sempre foi feito, é a ação daquelas
pessoas que se casam na igreja e batizam os filhos sem
nunca terem sido religiosas, mas apenas porque todos
de sua casa fizeram assim, sentar à mesa para comer
aos domingos, fazer o sinal da cruz ao passar por uma
igreja, fazer festas de aniversário etc. Quando o grau de
automatismo é muito alto, o comportamento pode
deixar de ter um sentido para o agente. Neste caso,
deixaria de ser ação social.
Fragmento extraído do texto didático Interação social do grupo PIBID da UNESP de Marília.
(Adaptada)
Dominação
[...] chamamos ‘dominação’ a probabilidade de
encontrar obediência para as ordens específicas
(ou todas) dentro de um determinado grupo de
pessoas. [...] Certo mínimo de vontade de
obedecer, isto é, de interesse (externo ou
interno) na obediência, faz parte de toda relação
autêntica de dominação.
Weber, no livro Economia e sociedade, vol. I, p.139.
Há três tipos puros de dominação
legítima.
1) de caráter racional: baseada na crença na
legitimidade das ordens estatuídas e do
direito de mando daqueles que, em virtude
dessas ordens, estão nomeados para exercer
a dominação (dominação legal) [...].
Weber, no livro Economia e sociedade, vol. I, p.141.
2) dominação de caráter tradicional:
baseada na crença cotidiana na santidade
das tradições vigentes desde sempre
legítimas e na legitimidade daqueles que,
em virtude dessas tradições, representam
autoridade (dominação tradicional), [...].
Weber Economia e sociedade, vol. I, p.141.
3) De caráter carismático: baseado na
veneração extracotidiana da santidade, do
poder heroico ou do poder de caráter
exemplar de uma pessoa e das ordens por
esta reveladas ou criadas (dominação
carismática).
Weber, Economia e sociedade, vol. I, p.141.
Estudos
Material didático: Estudar tópico 1.5.3 das páginas 9 e 10. Volume I.
Estudos complementares:
Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=ea-sXQ5rwZ4, acesso em
20/02/2015.
Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=qU_zUBTsILQ, acesso em:
19/02/2015.
Disponível em: http://www.brasilescola.com/filosofia/a-definicao-acao-social-
max-weber.htm, acesso em: 22/02/2015.
Disponível em: http://jus.com.br/artigos/25863/os-tres-tipos-de-dominacao-
legitima-de-max-weber, acesso em: 20/02/2015.
Disponível em: https://sites.google.com/site/filosofiapopular/filosofos/Max-
Weber, acesso em: 21/02/2015.
Disponível em: http://educacao.uol.com.br/biografias/max-weber.jhtm,
acesso em: 20/02/2015.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A sociologia de max weber
A sociologia de max weberA sociologia de max weber
A sociologia de max weber
Lucio Braga
 
o pensamento sociológico de max weber
o pensamento sociológico de max webero pensamento sociológico de max weber
o pensamento sociológico de max weber
Wesley Handerson
 

Mais procurados (20)

Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
Max weber
Max weberMax weber
Max weber
 
Sociologia escolas sociologicas
Sociologia   escolas sociologicasSociologia   escolas sociologicas
Sociologia escolas sociologicas
 
Conceitos de Karl Marx
Conceitos de Karl MarxConceitos de Karl Marx
Conceitos de Karl Marx
 
Capítulo 8 - Classe e Estratificação Social
Capítulo 8 - Classe e Estratificação SocialCapítulo 8 - Classe e Estratificação Social
Capítulo 8 - Classe e Estratificação Social
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Pierre bourdieu
Pierre bourdieuPierre bourdieu
Pierre bourdieu
 
A sociologia de max weber
A sociologia de max weberA sociologia de max weber
A sociologia de max weber
 
Os Tipos de Dominação para Weber- 1o.ano - CSB
Os Tipos de Dominação para Weber- 1o.ano - CSBOs Tipos de Dominação para Weber- 1o.ano - CSB
Os Tipos de Dominação para Weber- 1o.ano - CSB
 
Sociologia de Marx para Ensino Médio
Sociologia de Marx para Ensino MédioSociologia de Marx para Ensino Médio
Sociologia de Marx para Ensino Médio
 
INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA
INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIAINTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA
INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA
 
Aula - O que é PODER - Michel Foucault
Aula - O que é PODER - Michel FoucaultAula - O que é PODER - Michel Foucault
Aula - O que é PODER - Michel Foucault
 
Max Weber - Os tipos de dominação legítima
Max Weber - Os tipos de dominação legítimaMax Weber - Os tipos de dominação legítima
Max Weber - Os tipos de dominação legítima
 
Sociologia do desenvolvimento
Sociologia do desenvolvimentoSociologia do desenvolvimento
Sociologia do desenvolvimento
 
o pensamento sociológico de max weber
o pensamento sociológico de max webero pensamento sociológico de max weber
o pensamento sociológico de max weber
 
Sociologia de Durkheim para ensino médio
Sociologia de Durkheim para ensino médioSociologia de Durkheim para ensino médio
Sociologia de Durkheim para ensino médio
 
Sociologia do poder
Sociologia do poder Sociologia do poder
Sociologia do poder
 
Pierre bourdieu
Pierre bourdieuPierre bourdieu
Pierre bourdieu
 
Aula classes sociais
Aula classes sociaisAula classes sociais
Aula classes sociais
 
Pierre Bourdieu - O Poder Simbólico
Pierre Bourdieu - O Poder SimbólicoPierre Bourdieu - O Poder Simbólico
Pierre Bourdieu - O Poder Simbólico
 

Destaque (8)

A sociologia de max weber - CEI
A sociologia de max weber - CEIA sociologia de max weber - CEI
A sociologia de max weber - CEI
 
Suicídio segundo Durkheim
Suicídio segundo DurkheimSuicídio segundo Durkheim
Suicídio segundo Durkheim
 
Suicidio Émile Durkheim
Suicidio Émile DurkheimSuicidio Émile Durkheim
Suicidio Émile Durkheim
 
Aula durkheim
Aula durkheimAula durkheim
Aula durkheim
 
A Sociologia De Émile Durkheim
A Sociologia De Émile DurkheimA Sociologia De Émile Durkheim
A Sociologia De Émile Durkheim
 
Emile durkheim
Emile durkheimEmile durkheim
Emile durkheim
 
A sociologia de Max Weber
A  sociologia de Max WeberA  sociologia de Max Weber
A sociologia de Max Weber
 
Max weber sociologia
Max weber sociologiaMax weber sociologia
Max weber sociologia
 

Semelhante a Weber para Ensino Médio

Atividadetres 121203202245-phpapp02
Atividadetres 121203202245-phpapp02Atividadetres 121203202245-phpapp02
Atividadetres 121203202245-phpapp02
Marcos Lucas Lucas
 
Atividadetres 121203202245-phpapp09
Atividadetres 121203202245-phpapp09Atividadetres 121203202245-phpapp09
Atividadetres 121203202245-phpapp09
retkelly
 
Sociologia ação social
Sociologia ação socialSociologia ação social
Sociologia ação social
Angela Carrijo
 
Aula 7 max weber - ações sociais e dominação
Aula 7   max weber - ações sociais e dominaçãoAula 7   max weber - ações sociais e dominação
Aula 7 max weber - ações sociais e dominação
Fábio Nogueira, PhD
 
Resumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º PResumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º P
Jorge Barbosa
 
A construção da identidade social
A construção da identidade socialA construção da identidade social
A construção da identidade social
José Luiz Costa
 
Sociologia tópicos-essenciais-da-sociologia-weberiana
Sociologia tópicos-essenciais-da-sociologia-weberianaSociologia tópicos-essenciais-da-sociologia-weberiana
Sociologia tópicos-essenciais-da-sociologia-weberiana
ocg50
 

Semelhante a Weber para Ensino Médio (20)

Atividadetres 121203202245-phpapp02
Atividadetres 121203202245-phpapp02Atividadetres 121203202245-phpapp02
Atividadetres 121203202245-phpapp02
 
A teoria de Max Weber
A teoria de Max WeberA teoria de Max Weber
A teoria de Max Weber
 
Atividadetres 121203202245-phpapp09
Atividadetres 121203202245-phpapp09Atividadetres 121203202245-phpapp09
Atividadetres 121203202245-phpapp09
 
Sociologia ação social
Sociologia ação socialSociologia ação social
Sociologia ação social
 
Aula 7 max weber - ações sociais e dominação
Aula 7   max weber - ações sociais e dominaçãoAula 7   max weber - ações sociais e dominação
Aula 7 max weber - ações sociais e dominação
 
Cap 4 max weber
Cap 4  max weberCap 4  max weber
Cap 4 max weber
 
Sociologia - Max weber - Prof.Altair Aguilar.
 Sociologia - Max weber - Prof.Altair Aguilar. Sociologia - Max weber - Prof.Altair Aguilar.
Sociologia - Max weber - Prof.Altair Aguilar.
 
Resumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º PResumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º P
 
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
 
Gabarito weber
Gabarito weberGabarito weber
Gabarito weber
 
Gabarito weber
Gabarito weberGabarito weber
Gabarito weber
 
Valores e a subjetividade
Valores e a subjetividadeValores e a subjetividade
Valores e a subjetividade
 
Seminarioweber
SeminarioweberSeminarioweber
Seminarioweber
 
Sociologia
SociologiaSociologia
Sociologia
 
weber
 weber  weber
weber
 
A construção da identidade social
A construção da identidade socialA construção da identidade social
A construção da identidade social
 
O Que É Um Fato Social: uma leitura de Durkheim
 O Que É Um Fato Social: uma leitura de Durkheim  O Que É Um Fato Social: uma leitura de Durkheim
O Que É Um Fato Social: uma leitura de Durkheim
 
40. aula 1 e 2 sociologia
40. aula 1 e 2  sociologia 40. aula 1 e 2  sociologia
40. aula 1 e 2 sociologia
 
Sociologia do esporte
Sociologia do esporteSociologia do esporte
Sociologia do esporte
 
Sociologia tópicos-essenciais-da-sociologia-weberiana
Sociologia tópicos-essenciais-da-sociologia-weberianaSociologia tópicos-essenciais-da-sociologia-weberiana
Sociologia tópicos-essenciais-da-sociologia-weberiana
 

Mais de Matheus Rodrigues (6)

Formas de organização das atividades produtivas no séc. XX e XXI
Formas de organização das atividades produtivas no séc. XX e XXIFormas de organização das atividades produtivas no séc. XX e XXI
Formas de organização das atividades produtivas no séc. XX e XXI
 
Modos de Produçãp
Modos de ProduçãpModos de Produçãp
Modos de Produçãp
 
Trabalho enquanto categoria sociológica
Trabalho enquanto categoria sociológicaTrabalho enquanto categoria sociológica
Trabalho enquanto categoria sociológica
 
1. 3º ensino médio
1.   3º  ensino médio1.   3º  ensino médio
1. 3º ensino médio
 
Sociologia de Comte para Ensino Médio
Sociologia de Comte para Ensino MédioSociologia de Comte para Ensino Médio
Sociologia de Comte para Ensino Médio
 
Amadeu amaral novela e conto
Amadeu amaral novela e contoAmadeu amaral novela e conto
Amadeu amaral novela e conto
 

Último

Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
LindinhaSilva1
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 

Último (20)

Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 

Weber para Ensino Médio

  • 1. Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Cenecista Dr. José Ferreira
  • 2. Max Weber - Historicismo Disponível em: http://www.economist.com/node/12762398, acesso em: 22/02/2015.
  • 3. A crença no valor da verdade científica não procede da natureza, mas sim é produto de determinadas culturas. Max Weber.
  • 4. Ação social “A ação social (incluindo omissão ou tolerância) orienta-se pelo comportamento de outros, seja este passado, presente ou esperado como futuro (vingança por ataques anteriores, defesa contra ataques presentes ou medidas de defesa para enfrentar ataques futuros). Os ‘outros’ podem ser indivíduos e conhecidos ou uma multiplicidade indeterminada de pessoas completamente desconhecidas [...] Nem todo tipo de contato entre pessoas tem caráter social, senão apenas um comportamento que, quanto ao sentido, se orienta pelo comportamento de outra pessoa.” Weber, livro Economia e Sociedade.
  • 5. 4 tipologias das ações weberianas 1. O primeiro tipo é o da “ação racional com respeito a fins”. De acordo com este tipo, o sentido racional da ação se encontra na escolha dos meios mais adequados para a realização de um fim. O único critério de seleção dos meios é a sua capacidade de realizar o objetivo estabelecido. Qualquer meio eficiente é válido tão somente por sua eficiência, independentemente de avaliações morais ou éticas. É o tipo de ação mais frequente na sociedade moderna a ação do empresário capitalista que emprega a mão de obra de vários empregados pagando o menor salário possível, a ação do político corrupto que desvia o dinheiro da merenda das escolas. Fragmento extraído do texto didático Interação social do grupo PIBID da UNESP de Marília. (Adaptada)
  • 6. 2. Ações racionais com relação a valores: É a ação que o indivíduo se orienta pela crença em um valor ético, religioso, estético ou qualquer outro. Diferentemente do político corrupto que decide desviar dinheiro para seu próprio proveito, esse tipo de ação seria a daquele político que, por um valor ético, uma posição de respeito ao dinheiro público e às atitudes que os eleitores esperam que ele tenha, não desvia esse dinheiro. Fragmento extraído do texto didático Interação social do grupo PIBID da UNESP de Marília. (Adaptada)
  • 7. 3. Ações afetivas ou ação emocional: É a ação inspirada por emoções imediatas, tais como vingança, desespero, admiração, orgulho, medo, inveja, paixão e entusiasmo. Na ação afetiva, o agente segue um impulso e não elabora as consequências da sua ação. É a ação de quem larga tudo por amor, de quem mata a mulher quando descobre que foi traído, e a ação de quem larga o emprego porque foi xingado pelo chefe, de quem grita após o gol do time do coração, de quem chora em enterros e casamentos. A “ação afetiva” se diferencia da “racional com respeito a valores” porque, nesta última, o agente elabora racionalmente o sentido de sua ação, de modo que sua conduta seja fiel aos valores aos quais adere. Como foi dito, na ação afetiva não existe elaboração racional das consequências. Fragmento extraído do texto didático Interação social do grupo PIBID da UNESP de Marília. (Adaptada)
  • 8. 4. Ações tradicionais: Ocorrem quando o agente cumpre hábitos e costumes enraizados simplesmente porque é o que sempre foi feito, é a ação daquelas pessoas que se casam na igreja e batizam os filhos sem nunca terem sido religiosas, mas apenas porque todos de sua casa fizeram assim, sentar à mesa para comer aos domingos, fazer o sinal da cruz ao passar por uma igreja, fazer festas de aniversário etc. Quando o grau de automatismo é muito alto, o comportamento pode deixar de ter um sentido para o agente. Neste caso, deixaria de ser ação social. Fragmento extraído do texto didático Interação social do grupo PIBID da UNESP de Marília. (Adaptada)
  • 9. Dominação [...] chamamos ‘dominação’ a probabilidade de encontrar obediência para as ordens específicas (ou todas) dentro de um determinado grupo de pessoas. [...] Certo mínimo de vontade de obedecer, isto é, de interesse (externo ou interno) na obediência, faz parte de toda relação autêntica de dominação. Weber, no livro Economia e sociedade, vol. I, p.139.
  • 10. Há três tipos puros de dominação legítima. 1) de caráter racional: baseada na crença na legitimidade das ordens estatuídas e do direito de mando daqueles que, em virtude dessas ordens, estão nomeados para exercer a dominação (dominação legal) [...]. Weber, no livro Economia e sociedade, vol. I, p.141.
  • 11. 2) dominação de caráter tradicional: baseada na crença cotidiana na santidade das tradições vigentes desde sempre legítimas e na legitimidade daqueles que, em virtude dessas tradições, representam autoridade (dominação tradicional), [...]. Weber Economia e sociedade, vol. I, p.141.
  • 12. 3) De caráter carismático: baseado na veneração extracotidiana da santidade, do poder heroico ou do poder de caráter exemplar de uma pessoa e das ordens por esta reveladas ou criadas (dominação carismática). Weber, Economia e sociedade, vol. I, p.141.
  • 13. Estudos Material didático: Estudar tópico 1.5.3 das páginas 9 e 10. Volume I. Estudos complementares: Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=ea-sXQ5rwZ4, acesso em 20/02/2015. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=qU_zUBTsILQ, acesso em: 19/02/2015. Disponível em: http://www.brasilescola.com/filosofia/a-definicao-acao-social- max-weber.htm, acesso em: 22/02/2015. Disponível em: http://jus.com.br/artigos/25863/os-tres-tipos-de-dominacao- legitima-de-max-weber, acesso em: 20/02/2015. Disponível em: https://sites.google.com/site/filosofiapopular/filosofos/Max- Weber, acesso em: 21/02/2015. Disponível em: http://educacao.uol.com.br/biografias/max-weber.jhtm, acesso em: 20/02/2015.