SlideShare uma empresa Scribd logo
Apresentação do PowerPoint.pdf
MAX WEBER
AULA 1: INTRODUÇÃO AO PENSAMENTO DE MAX WEBER
MAX WEBER (1864 – 1920)
SOCIOLOGIA COMPREENSIVA
 AULA I : INTRODUÇÃO
 AULA II: INFLUÊNCIAS TEÓRICAS; PERCEPÇÃO DA REALIDADE E TIPO IDEAL
 AULA III: AÇÃO SOCIAL (QUATRO TIPOS PUROS DE AÇÃO SOCIAL)
 AULA IV : PODER E DOMINAÇÃO (TRÊS TIPOS PUROS DE DOMINAÇÃO)
 AULA V : ÉTICA PROTESTANTE E O DESENCANTAMENTO DO MUNDO
O QUE VAMOS
APRENDER?
Aula I : MAX WEBER
• Introdução a sociologia weberiana
• Durkheim VS. Weber
• Influências Teóricas
1. Introdução ao
pensamento de Weber:
• Preferia se classificado como economista
• Não gostava da ideia da sociedade ser vista
como objetiva dotada de vida própria
• Preocupação com a nação como princípio
organizador da vida social (ALEMANHA)
• Unificação Tardia da Alemanha
• Tecido da vida social
• Roteiros de N agentes que buscam
suas metas
• Como entender essas relações?
• Como elas se cruzam?
• Compreender e interpretar os
sentidos subjetivos das ações
Durkheim Weber
Contexto Histórico FRANÇA (+1917) ALEMANHA (+1920)
Indivíduo Efêmero Orientam suas ações por
sentidos e motivos subjetivos
Sociedade Reflexo da consciência
coletiva (sui generis)
Encontro entre os homens e
os valores que eles veiculam
e articulam
Sociologia e Ciências
da Natureza
PROXIMIDADE Distintas
Objeto de Estudo FATO SOCIAL AÇÃO SOCIAL
O que faz a sociedade continuar existindo?
O que que pode responder pela continuidade das
relações da sociedade?
livro 3 ; Mod 8;
Exc. Prop.
Nº 6
P. 284
Apresentação do PowerPoint.pdf
livro 2 . Mod 5 .
Exc prop.
Nº12
P.301
2. Influencias teóricas
* NIETZSCHE: PENSAMENTO CRÍTICO
* KANT: TEORIA DO CONHECIMENTO
* HEGEL: ESTADO MODERNO
2.1 Nietzsche (+1900)
* FILÓSOFO DA SUSPEITA / AFORISMO
* CRÍTICA RADIAL A HISTÓRIA DA FILOSOFIA
* CRÍTICA RADICAL A MODERNIDADE E A IDEIA DE PROGRESSO
Weber:
*RACIONALIZAÇÃO PROGRESSIVA:
Está “na consciência ou na fé de que basta querer para poder;
em princípio qualquer coisa pode ser dominada pela razão. O
que significa o desencantamento”.
* DESENCANTAMENTO DO MUNDO OCIDENTAL MODERNO
“Não é preciso mais recorrer à magia para dominar ou para
agradar os espíritos, como faz o selvagem, para o qual existem
tais poderes. A isso suprem a razão e os meios técnicos”.
2.2 KANT (+1804)
* CRÍTICA AO RACIONALISMO (DESCARTES)
* CRÍTICA AO EMPIRISMO (HUME)
* FÊNOMENON
* NOÚMENO
Weber:
* PERCEPÇÃO DA REALIDADE
* MÉTODO (TIPO IDEAL)
* OBJETO (AÇÃO SOCIAL)
3. Relação Indivíduo e sociedade
3.1) Agente individual
* Não há uma separação radical entre individuo e sociedade
* O ser social como o autor da própria ação.
* Importância da subjetividade na construção da história
O homem, como ser finito e limitado, nunca poderá conhecer toda a
realidade (um fluxo interminável, inesgotável e infinito de eventos sem
uma significação intrínseca e objetiva).
A realidade é concebida como o encontro entre os homens e os valores que eles veiculam e articulam.
3.2) Percepção da realidade
A realidade é ilimitada, aliás, infinita, e o sociólogo e o historiador
só acham interessantes certos aspectos desses fenômenos. E estes
são interessantes não por uma qualidade intrínseca deles, mas
apenas em referência aos valores do pesquisador.
O objetivo da ciência é a verdade.
Encontrar explicações causais dos fenômenos.
4) METODOLOGIA DAS CIÊNCIAS HISTÓRICO-SOCIAIS
Características do Tipo Ideal:
* Racional
* Unilateral
* Abstrato
4.1) TIPO IDEAL
Na construção de um tipo ideal, o sociólogo seleciona aspectos da
ação humana que considera culturalmente relevantes para o
estudo. E o faz segundo seus próprios valores. Ao mesmo tempo,
busca dar consistência lógica a esses aspectos, relacionando-os
com uma precisão que não se observa na realidade. O tipo ideal
existe apenas como abstração e não é, nem pretende ser um
reflexo, um espelho ou repetição da realidade.
livro 2 . Mod 5 .
Exc prop.
Nº13
P.301
livro 3 ; Mod 8;
Exc. Prop.
Nº 9
P. 285
livro 3 ; Mod 8;
Exc. Prop.
Nº 9
P. 286
SOCIOLOGIA
A sociologia é uma ciência voltada para a compreensão e para a interpretação das
ações sociais.
Compreender Interpretar Explicar
Apreender a
significação
Organizar o sentido
subjetivo
Evidenciar as
regularidades das
condutas
Esquema Analítico
Weberiano
5) OBJETO DE ESTUDO: AÇÃO SOCIAL
Conduta humana dotada de motivo e sentido subjetivo
baseada nas ações de outros indivíduos
Motivo: razão individual da ação
Sentido: orientação, papel ou função
Vejamos os seguintes casos de conduta humana sem caráter social:
a) Interação rudimentar
b) Interação inexistente
c) Recusa da comunicação
d) Ação homogênea ou instintivas
e) Ação imitativas ou de multidão:
4 TIPOS PUROS DE AÇÕES SOCIAIS
Afetiva Sentimento/Emoções imediatas
Amor, vingança, ciúme, raiva, paixão, orgulho,
medo, admiração, inveja, entusiasmo, etc.
Não são ações orientadas de maneira
significativamente conscientes
Tradicional Hábitos e costumes
Ocorre quando indivíduos reproduzem, reagem a
estímulos habituais
5.1)
Racional com relação a
valores
Valor moral ou ético
Fidelidade, honestidade, crença religiosa, senso de
justiça, solidariedade, etc.
Racional com relação
a fins
Objetivo pré-definido
Ações econômicas e científicas
TIPOS PUROS DE AÇÕES SOCIAIS
5.1)
Austeridade e disciplina são
marcas de um eleito
Vincula-se salvação econômica e religiosa
Ética Protestante e Espírito do
Capitalismo
Sedimenta hábitos e costumes
capitalistas
“Combinando essa restrição do consumo com essa liberação da procura da
riqueza, é óbvio o resultado que daí decorre: a acumulação capitalista através da
compulsão ascética da poupança.” (Weber)
CALVINISMO
RACIONALIZA A PRÁTICA RELIGIOSA, O QUE
ABRE CAMINHO PARA A CONTÍNUA
RACIONALIZAÇÃO DA VIDA.
PREDESTINAÇÃO
ABSOLUTA
TEORIA DA PROVA
VOCAÇÃO
TRABALHO
POUPANÇA
ACUMULAÇÃO
ESPÍRITO DO
CAPITALISMO
Como o comportamento capitalista exige um planejamento
prévio para sua execução, foi inerente o
DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES CADA VEZ MAIS RACIONAIS.
O mundo vai perdendo
seu encanto, sua magia e se vê mergulhado nos cálculos e
objetivos milimetricamente planejados.
TRABALHO COMO
FIM EM SI MESMO
RACIONALIZAÇÃO
PRAGMATISMO
TRABALHO
POUPANÇA
ACUMULAÇÃO
6) Relações Sociais
São ações plurais (de vários) reciprocamente orientadas
1 2
Comunitárias: irracionais
Associativas: racionais
Quanto mais racionais mais facilmente se expressarão na
forma de normas e regras
O que faz com que os indivíduos
dêem às suas ações um sentido
determinado que perdure com
regularidade no tempo e no
espaço?
Como é possível a continuidade da vida social?
Organização Social
• as relações sociais tem sua duração ligada à dominação, ou seja, à
probabilidade de alguém impor sobre o outro suas vontades e
encontrar aceitação.
• PODER – probabilidade de impor a própria vontade no
interior de uma determinada relação social, mesmo
contra resistências.
• DOMINAÇÃO – é a probabilidade de encontrar
obediência a uma ordem de determinado conteúdo,
entre determinadas pessoas indicáveis, é sempre
LEGÍTIMA.
* Apoio da Dominação
*Relação social de
poder desigual
* As formas de legitimação são reconhecidas
[aceitas] como necessárias para a manutenção
da ordem social.
DOMINAÇÃO
NÃO PRESCINDE DO USO DA VIOLÊNCIA
LEGÍTIMA
PERDURA NO TEMPO
RELAÇÃO SOCIAL
TRADICIONAL
CARISMÁTICA
RACIONAL-LEGAL
DOMINAÇÃO
CARISMÁTICA
PROFETA, LÍDER GUERREIRO, DEMAGOGO
LEGÍTIMA
CARISMA
SUBJETIVA
AFETIVIDADE
LÍDER/APÓSTOLO
IRRACIONAL
DOMINAÇÃO
TRADICIONAL
PATRIARCA, MONARCA, POSIÇÃO OU NASCIMENTO
LEGÍTIMA
ONTEM ETERNO
SUBJETIVA
FIDELIDADE
SENHOR/SÚDITO
IRRACIONAL
RACIONAL
LEGAL
BUROCRATA (CONCURSADO) MERITOCRACIA
LEGÍTIMA
CRENÇA NA LEI
OBJETIVA
RACIONALIDADE
FUNÇÃO-FINALIDADE
RACIONAL
Cooperação
Eficiência e rapidez
Igualdade de condições
Exigindo comprovação de competência
Regulado por regras
Hierarquia por critérios objetivos
Desencantamento do mundo
Conseqüências

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Apresentação do PowerPoint.pdf

Max Weber
Max WeberMax Weber
Max Weber
guest1ce0422
 
A perspectiva sociológica
A perspectiva sociológicaA perspectiva sociológica
A perspectiva sociológica
Gabriella Vieira
 
A sociologia de max weber
A sociologia de max weberA sociologia de max weber
A sociologia de max weber
Lucio Braga
 
Mam 251
Mam 251 Mam 251
Mam 251
Carmem Rocha
 
Aula 4 - Max Weber
Aula 4 - Max WeberAula 4 - Max Weber
Aula 4 - Max Weber
Mauricio Serafim
 
Trabalho de sociologia
Trabalho de sociologiaTrabalho de sociologia
Trabalho de sociologia
filemonbernard
 
Trabalho de sociologia
Trabalho de sociologiaTrabalho de sociologia
Trabalho de sociologia
filemonbernard
 
Trabalho de sociologia
Trabalho de sociologiaTrabalho de sociologia
Trabalho de sociologia
filemonbernard
 
Trabalho de sociologia
Trabalho de sociologiaTrabalho de sociologia
Trabalho de sociologia
filemonbernard
 
Revista sociologia
Revista sociologiaRevista sociologia
Revista sociologia
Armazém Do Educador
 
A sociologia de max weber
A sociologia de max weberA sociologia de max weber
A sociologia de max weber
Lucio Braga
 
Atividadetres 121203202245-phpapp02
Atividadetres 121203202245-phpapp02Atividadetres 121203202245-phpapp02
Atividadetres 121203202245-phpapp02
Marcos Lucas Lucas
 
A teoria de Max Weber
A teoria de Max WeberA teoria de Max Weber
A teoria de Max Weber
Edenilson Morais
 
A sociologia de max weber
A sociologia de max weberA sociologia de max weber
A sociologia de max weber
Lucio Braga
 
2. sociologia revisão
2. sociologia revisão2. sociologia revisão
2. sociologia revisão
serggiogoes
 
Aula 3 e 4 sociologia
Aula 3 e 4 sociologiaAula 3 e 4 sociologia
Aula 3 e 4 sociologia
julilp10
 
A sociologia de weber.sónia
A sociologia de weber.sóniaA sociologia de weber.sónia
A sociologia de weber.sónia
Evonaldo Gonçalves Vanny
 
Introdução1545522
Introdução1545522Introdução1545522
Introdução1545522
Sergio Mota
 
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
e neto
 
A sociologia alemã max weber
A sociologia alemã   max weberA sociologia alemã   max weber
A sociologia alemã max weber
mundica broda
 

Semelhante a Apresentação do PowerPoint.pdf (20)

Max Weber
Max WeberMax Weber
Max Weber
 
A perspectiva sociológica
A perspectiva sociológicaA perspectiva sociológica
A perspectiva sociológica
 
A sociologia de max weber
A sociologia de max weberA sociologia de max weber
A sociologia de max weber
 
Mam 251
Mam 251 Mam 251
Mam 251
 
Aula 4 - Max Weber
Aula 4 - Max WeberAula 4 - Max Weber
Aula 4 - Max Weber
 
Trabalho de sociologia
Trabalho de sociologiaTrabalho de sociologia
Trabalho de sociologia
 
Trabalho de sociologia
Trabalho de sociologiaTrabalho de sociologia
Trabalho de sociologia
 
Trabalho de sociologia
Trabalho de sociologiaTrabalho de sociologia
Trabalho de sociologia
 
Trabalho de sociologia
Trabalho de sociologiaTrabalho de sociologia
Trabalho de sociologia
 
Revista sociologia
Revista sociologiaRevista sociologia
Revista sociologia
 
A sociologia de max weber
A sociologia de max weberA sociologia de max weber
A sociologia de max weber
 
Atividadetres 121203202245-phpapp02
Atividadetres 121203202245-phpapp02Atividadetres 121203202245-phpapp02
Atividadetres 121203202245-phpapp02
 
A teoria de Max Weber
A teoria de Max WeberA teoria de Max Weber
A teoria de Max Weber
 
A sociologia de max weber
A sociologia de max weberA sociologia de max weber
A sociologia de max weber
 
2. sociologia revisão
2. sociologia revisão2. sociologia revisão
2. sociologia revisão
 
Aula 3 e 4 sociologia
Aula 3 e 4 sociologiaAula 3 e 4 sociologia
Aula 3 e 4 sociologia
 
A sociologia de weber.sónia
A sociologia de weber.sóniaA sociologia de weber.sónia
A sociologia de weber.sónia
 
Introdução1545522
Introdução1545522Introdução1545522
Introdução1545522
 
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)
 
A sociologia alemã max weber
A sociologia alemã   max weberA sociologia alemã   max weber
A sociologia alemã max weber
 

Mais de Everton Pimenta

sociologia_tomazi_ensinomedio_2021_C3.pptx
sociologia_tomazi_ensinomedio_2021_C3.pptxsociologia_tomazi_ensinomedio_2021_C3.pptx
sociologia_tomazi_ensinomedio_2021_C3.pptx
Everton Pimenta
 
aula_SP_precarizacao.pptx
aula_SP_precarizacao.pptxaula_SP_precarizacao.pptx
aula_SP_precarizacao.pptx
Everton Pimenta
 
Origens da sociologia_pe
Origens da sociologia_peOrigens da sociologia_pe
Origens da sociologia_pe
Everton Pimenta
 
Do liberal ao neoliberal
Do liberal ao neoliberalDo liberal ao neoliberal
Do liberal ao neoliberal
Everton Pimenta
 
Escola austríaca de economia história do mundo
Escola austríaca de economia   história do mundoEscola austríaca de economia   história do mundo
Escola austríaca de economia história do mundo
Everton Pimenta
 
Um toque de classicos durkheim marx weber
Um toque de classicos   durkheim marx weberUm toque de classicos   durkheim marx weber
Um toque de classicos durkheim marx weber
Everton Pimenta
 
Pdf vds dvdp_an_c09_m
Pdf vds dvdp_an_c09_mPdf vds dvdp_an_c09_m
Pdf vds dvdp_an_c09_m
Everton Pimenta
 
Um toque de classicos durkheim marx weber
Um toque de classicos   durkheim marx weberUm toque de classicos   durkheim marx weber
Um toque de classicos durkheim marx weber
Everton Pimenta
 
Livro ned
Livro nedLivro ned
Livro ned
Everton Pimenta
 
Slides era-vargas
Slides era-vargasSlides era-vargas
Slides era-vargas
Everton Pimenta
 
Oriental-docsit.pdf
Oriental-docsit.pdfOriental-docsit.pdf
Oriental-docsit.pdf
Everton Pimenta
 

Mais de Everton Pimenta (11)

sociologia_tomazi_ensinomedio_2021_C3.pptx
sociologia_tomazi_ensinomedio_2021_C3.pptxsociologia_tomazi_ensinomedio_2021_C3.pptx
sociologia_tomazi_ensinomedio_2021_C3.pptx
 
aula_SP_precarizacao.pptx
aula_SP_precarizacao.pptxaula_SP_precarizacao.pptx
aula_SP_precarizacao.pptx
 
Origens da sociologia_pe
Origens da sociologia_peOrigens da sociologia_pe
Origens da sociologia_pe
 
Do liberal ao neoliberal
Do liberal ao neoliberalDo liberal ao neoliberal
Do liberal ao neoliberal
 
Escola austríaca de economia história do mundo
Escola austríaca de economia   história do mundoEscola austríaca de economia   história do mundo
Escola austríaca de economia história do mundo
 
Um toque de classicos durkheim marx weber
Um toque de classicos   durkheim marx weberUm toque de classicos   durkheim marx weber
Um toque de classicos durkheim marx weber
 
Pdf vds dvdp_an_c09_m
Pdf vds dvdp_an_c09_mPdf vds dvdp_an_c09_m
Pdf vds dvdp_an_c09_m
 
Um toque de classicos durkheim marx weber
Um toque de classicos   durkheim marx weberUm toque de classicos   durkheim marx weber
Um toque de classicos durkheim marx weber
 
Livro ned
Livro nedLivro ned
Livro ned
 
Slides era-vargas
Slides era-vargasSlides era-vargas
Slides era-vargas
 
Oriental-docsit.pdf
Oriental-docsit.pdfOriental-docsit.pdf
Oriental-docsit.pdf
 

Último

EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
mailabueno45
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
CamilaSouza544051
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 

Último (20)

EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 

Apresentação do PowerPoint.pdf

  • 2. MAX WEBER AULA 1: INTRODUÇÃO AO PENSAMENTO DE MAX WEBER
  • 3. MAX WEBER (1864 – 1920) SOCIOLOGIA COMPREENSIVA  AULA I : INTRODUÇÃO  AULA II: INFLUÊNCIAS TEÓRICAS; PERCEPÇÃO DA REALIDADE E TIPO IDEAL  AULA III: AÇÃO SOCIAL (QUATRO TIPOS PUROS DE AÇÃO SOCIAL)  AULA IV : PODER E DOMINAÇÃO (TRÊS TIPOS PUROS DE DOMINAÇÃO)  AULA V : ÉTICA PROTESTANTE E O DESENCANTAMENTO DO MUNDO
  • 4. O QUE VAMOS APRENDER? Aula I : MAX WEBER • Introdução a sociologia weberiana • Durkheim VS. Weber • Influências Teóricas
  • 5. 1. Introdução ao pensamento de Weber: • Preferia se classificado como economista • Não gostava da ideia da sociedade ser vista como objetiva dotada de vida própria • Preocupação com a nação como princípio organizador da vida social (ALEMANHA) • Unificação Tardia da Alemanha
  • 6. • Tecido da vida social • Roteiros de N agentes que buscam suas metas • Como entender essas relações? • Como elas se cruzam? • Compreender e interpretar os sentidos subjetivos das ações
  • 7. Durkheim Weber Contexto Histórico FRANÇA (+1917) ALEMANHA (+1920) Indivíduo Efêmero Orientam suas ações por sentidos e motivos subjetivos Sociedade Reflexo da consciência coletiva (sui generis) Encontro entre os homens e os valores que eles veiculam e articulam Sociologia e Ciências da Natureza PROXIMIDADE Distintas Objeto de Estudo FATO SOCIAL AÇÃO SOCIAL O que faz a sociedade continuar existindo? O que que pode responder pela continuidade das relações da sociedade?
  • 8. livro 3 ; Mod 8; Exc. Prop. Nº 6 P. 284
  • 10. livro 2 . Mod 5 . Exc prop. Nº12 P.301
  • 11. 2. Influencias teóricas * NIETZSCHE: PENSAMENTO CRÍTICO * KANT: TEORIA DO CONHECIMENTO * HEGEL: ESTADO MODERNO
  • 12. 2.1 Nietzsche (+1900) * FILÓSOFO DA SUSPEITA / AFORISMO * CRÍTICA RADIAL A HISTÓRIA DA FILOSOFIA * CRÍTICA RADICAL A MODERNIDADE E A IDEIA DE PROGRESSO Weber: *RACIONALIZAÇÃO PROGRESSIVA: Está “na consciência ou na fé de que basta querer para poder; em princípio qualquer coisa pode ser dominada pela razão. O que significa o desencantamento”. * DESENCANTAMENTO DO MUNDO OCIDENTAL MODERNO “Não é preciso mais recorrer à magia para dominar ou para agradar os espíritos, como faz o selvagem, para o qual existem tais poderes. A isso suprem a razão e os meios técnicos”.
  • 13. 2.2 KANT (+1804) * CRÍTICA AO RACIONALISMO (DESCARTES) * CRÍTICA AO EMPIRISMO (HUME) * FÊNOMENON * NOÚMENO Weber: * PERCEPÇÃO DA REALIDADE * MÉTODO (TIPO IDEAL) * OBJETO (AÇÃO SOCIAL)
  • 14. 3. Relação Indivíduo e sociedade 3.1) Agente individual * Não há uma separação radical entre individuo e sociedade * O ser social como o autor da própria ação. * Importância da subjetividade na construção da história
  • 15. O homem, como ser finito e limitado, nunca poderá conhecer toda a realidade (um fluxo interminável, inesgotável e infinito de eventos sem uma significação intrínseca e objetiva). A realidade é concebida como o encontro entre os homens e os valores que eles veiculam e articulam. 3.2) Percepção da realidade
  • 16. A realidade é ilimitada, aliás, infinita, e o sociólogo e o historiador só acham interessantes certos aspectos desses fenômenos. E estes são interessantes não por uma qualidade intrínseca deles, mas apenas em referência aos valores do pesquisador.
  • 17. O objetivo da ciência é a verdade. Encontrar explicações causais dos fenômenos. 4) METODOLOGIA DAS CIÊNCIAS HISTÓRICO-SOCIAIS Características do Tipo Ideal: * Racional * Unilateral * Abstrato
  • 18. 4.1) TIPO IDEAL Na construção de um tipo ideal, o sociólogo seleciona aspectos da ação humana que considera culturalmente relevantes para o estudo. E o faz segundo seus próprios valores. Ao mesmo tempo, busca dar consistência lógica a esses aspectos, relacionando-os com uma precisão que não se observa na realidade. O tipo ideal existe apenas como abstração e não é, nem pretende ser um reflexo, um espelho ou repetição da realidade.
  • 19. livro 2 . Mod 5 . Exc prop. Nº13 P.301
  • 20. livro 3 ; Mod 8; Exc. Prop. Nº 9 P. 285
  • 21. livro 3 ; Mod 8; Exc. Prop. Nº 9 P. 286
  • 22. SOCIOLOGIA A sociologia é uma ciência voltada para a compreensão e para a interpretação das ações sociais. Compreender Interpretar Explicar Apreender a significação Organizar o sentido subjetivo Evidenciar as regularidades das condutas Esquema Analítico Weberiano
  • 23. 5) OBJETO DE ESTUDO: AÇÃO SOCIAL Conduta humana dotada de motivo e sentido subjetivo baseada nas ações de outros indivíduos Motivo: razão individual da ação Sentido: orientação, papel ou função Vejamos os seguintes casos de conduta humana sem caráter social: a) Interação rudimentar b) Interação inexistente c) Recusa da comunicação d) Ação homogênea ou instintivas e) Ação imitativas ou de multidão:
  • 24. 4 TIPOS PUROS DE AÇÕES SOCIAIS Afetiva Sentimento/Emoções imediatas Amor, vingança, ciúme, raiva, paixão, orgulho, medo, admiração, inveja, entusiasmo, etc. Não são ações orientadas de maneira significativamente conscientes Tradicional Hábitos e costumes Ocorre quando indivíduos reproduzem, reagem a estímulos habituais 5.1)
  • 25. Racional com relação a valores Valor moral ou ético Fidelidade, honestidade, crença religiosa, senso de justiça, solidariedade, etc. Racional com relação a fins Objetivo pré-definido Ações econômicas e científicas TIPOS PUROS DE AÇÕES SOCIAIS 5.1)
  • 26. Austeridade e disciplina são marcas de um eleito Vincula-se salvação econômica e religiosa Ética Protestante e Espírito do Capitalismo Sedimenta hábitos e costumes capitalistas “Combinando essa restrição do consumo com essa liberação da procura da riqueza, é óbvio o resultado que daí decorre: a acumulação capitalista através da compulsão ascética da poupança.” (Weber)
  • 27. CALVINISMO RACIONALIZA A PRÁTICA RELIGIOSA, O QUE ABRE CAMINHO PARA A CONTÍNUA RACIONALIZAÇÃO DA VIDA. PREDESTINAÇÃO ABSOLUTA TEORIA DA PROVA VOCAÇÃO TRABALHO POUPANÇA ACUMULAÇÃO
  • 28. ESPÍRITO DO CAPITALISMO Como o comportamento capitalista exige um planejamento prévio para sua execução, foi inerente o DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES CADA VEZ MAIS RACIONAIS. O mundo vai perdendo seu encanto, sua magia e se vê mergulhado nos cálculos e objetivos milimetricamente planejados. TRABALHO COMO FIM EM SI MESMO RACIONALIZAÇÃO PRAGMATISMO TRABALHO POUPANÇA ACUMULAÇÃO
  • 29. 6) Relações Sociais São ações plurais (de vários) reciprocamente orientadas 1 2 Comunitárias: irracionais Associativas: racionais Quanto mais racionais mais facilmente se expressarão na forma de normas e regras
  • 30. O que faz com que os indivíduos dêem às suas ações um sentido determinado que perdure com regularidade no tempo e no espaço? Como é possível a continuidade da vida social? Organização Social
  • 31. • as relações sociais tem sua duração ligada à dominação, ou seja, à probabilidade de alguém impor sobre o outro suas vontades e encontrar aceitação. • PODER – probabilidade de impor a própria vontade no interior de uma determinada relação social, mesmo contra resistências. • DOMINAÇÃO – é a probabilidade de encontrar obediência a uma ordem de determinado conteúdo, entre determinadas pessoas indicáveis, é sempre LEGÍTIMA.
  • 32. * Apoio da Dominação *Relação social de poder desigual * As formas de legitimação são reconhecidas [aceitas] como necessárias para a manutenção da ordem social.
  • 33. DOMINAÇÃO NÃO PRESCINDE DO USO DA VIOLÊNCIA LEGÍTIMA PERDURA NO TEMPO RELAÇÃO SOCIAL TRADICIONAL CARISMÁTICA RACIONAL-LEGAL
  • 34. DOMINAÇÃO CARISMÁTICA PROFETA, LÍDER GUERREIRO, DEMAGOGO LEGÍTIMA CARISMA SUBJETIVA AFETIVIDADE LÍDER/APÓSTOLO IRRACIONAL
  • 35. DOMINAÇÃO TRADICIONAL PATRIARCA, MONARCA, POSIÇÃO OU NASCIMENTO LEGÍTIMA ONTEM ETERNO SUBJETIVA FIDELIDADE SENHOR/SÚDITO IRRACIONAL
  • 36. RACIONAL LEGAL BUROCRATA (CONCURSADO) MERITOCRACIA LEGÍTIMA CRENÇA NA LEI OBJETIVA RACIONALIDADE FUNÇÃO-FINALIDADE RACIONAL
  • 37. Cooperação Eficiência e rapidez Igualdade de condições Exigindo comprovação de competência Regulado por regras Hierarquia por critérios objetivos Desencantamento do mundo Conseqüências