SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
ÉMILE DURKHEIM
1858-1917
CONCEITOS BÁSICOS

  FATO SOCIAL
                                COERÇAO SOCIAL

CONSCIÊNCIA COLETIVA
                         DIVISÃO SOCIAL DO TRABALHO
SOLIDARIEDADE MECÂNICA


                             SOLIDARIEDADE ORGÂNICA
DIREITO PENAL


NORMAL E PATOLÓGICO         DIREITO RESTITUTIVO


 ANOMIA                        SUICÍDIO
A    sociologia passou a ser
considerada propriamente uma
ciência , dotada de um Objeto
específico – os fatos sociais – e de
uma metodologia.
Obras: Da divisão do trabalho
 social (1893)
 concepção    da sociologia de
 Durkheim se baseia em uma
 teoria do fato social. Seu objetivo
 é demonstrar que pode e deve
 existir uma sociologia objetiva e
 científica, conforme o modelo das
 outras ciências, tendo por objeto
 o fato social.
Ele  desejava que a sociologia tivesse
um objeto específico que a
distinguisse das outras ciências, que
pudesse ser observado e explicado
assim como o objeto das outras
ciências.
 Regras   do método sociológico:
    Estudar o fato social como “coisa”
 A questão da neutralidade científica.



         Morfologia     social:
           Método comparativo
  Classificação das diferentes formas de
                  sociedade.
   flerta com alguns modelos da biologia
              “organismo social”
                    “anomia”
É  da tradição durkheimiana que
 surgem          as        formulações
 funcionalistas, como as ideias de
 “função” e “totalidade” (interconexão
 entre o todo e as partes, as partes e o
 todo), que depois deram origem às
 abordagens sistêmicas.

 Até certo ponto toda sociologia que dá
 mais ênfase ao organismo social (à
 sociedade) do que à ação social dos
 indivíduos tem algum nível de relação
 com a tradição durkheimiana.
OBJETO DE ESTUDO: O FATO SOCIAL
“é um fato social toda maneira de agir, fixa ou não,
  capaz de exercer sobre o indivíduo uma coerção
  exterior, ou ainda, que é geral no conjunto de uma
  dada sociedade tendo, ao mesmo tempo, uma
  existência própria, independente de suas
  manifestações individuais.”
OBJETO DE ESTUDO DA SOCIOLOGIA


           O FATO SOCIAL É:




1) GERAL     2) EXTERIOR      3) COERCITIVO
1) EXTERIOR
   Os fatos sociais existem e atuam sobre os
    indivíduos, independentemente de sua
    vontade ou de sua adesão consciente.
   Exemplos: o sistema de sinais de que me
    sirvo para exprimir pensamentos; o
    sistema de moedas que emprego para
    pagar as dívidas, os instrumentos de
    crédito que utilizo nas relações comerciais,
    as práticas que sigo na minha profissão;
    os costumes e as leis
Sanções: podem ser
2)ACOERÇÃO fatos
  força que os
                           
                             legais ou espontâneas;
  exercem sobre os          Legais: são as sanções
  indivíduos, levando-os     prescritas pela
  a conformarem-se às        sociedade, sob a forma de
  regras da sociedade        LEIS, nas quais se
  em que vivem,              identifica a infração e a
  independentemente de       penalidade subseqüente;
  suas                      Espontâneas: afloram
  vontades/escolhas;         como decorrência de uma
 Exemplos: idioma e a       conduta NÃO
  moeda usados no meu        ADAPTADA à estrutura
  país; o modo de se         do grupo ou da sociedade
  vestir no meu país e       à qual pertence o
  na minha classe            indivíduo.
  social; as leis
3) GERAL
É  geral todo fato que é geral, ou seja,
  que se repete em todos os indivíduos,
  ou, pelo menos, na maioria deles;
 Os fatos sociais manifestam sua
  natureza coletiva ou um estado
  comum ao grupo;
 Exemplos:    formas de habitação;
  arquitetura das casas; formas de
  comunicação; os sentimentos e a
  moral coletiva.
MÉTODO FUNCIONALISTA:
 1)      Durkheim       2)       O      todo
  compara           a     predomina      sobre
  sociedade a um          as partes;
  “corpo vivo”;          As partes (os fatos

 Cada          órgão     sociais) existem em
  cumpre         uma      função do todo (a
                          sociedade);
  função            =
                         Função social: a
  metodologia
  funcionalista.          ligação que existe
                          entre as partes e o
                          todo.
MÉTODO FUNCIONALISTA:
A  sociedade é semelhante a um corpo vivo;
 A sociedade (assim como o corpo humano) é
  composta de várias partes;
 Cada parte cumpre uma função em relação ao
  todo.
Família    Religião    Empresa    Escola


Exército   Leis        Governo    Lazer
CADA INSTITUIÇÃO CUMPRE UMA
FUNÇÃO PARA O BOM FUNCIONAMENTO
            DA SOCIEDADE.




É na determinação da função social
que as instituições cumprem que o
método funcionalista procura explicar
sua existência, bem como das nossas
formas de agir.
NORMAL E PATOLÓGICO
   Finalidade da Sociologia: encontrar remédios
    para regularizar a vida social.

   A sociedade, como todo organismo, apresenta
    estados normais e patológicos, ou seja, saudáveis
    e doentios.
UM FATO SOCIAL É NORMAL QUANDO:
 Se     encontra    Exemplos: O crime é um
  generalizado        fato social normal:
  pela sociedade;    É encontrado em qualquer
                      sociedade, em qualquer
 Desempenha
                      épocaRepresenta a
  alguma função       importância dos valores
  importante          sociais que repudiam
  para          a     determinadas condutas
  adaptação ou        como ilegais e as condenam
                      a penalidades.
  evolução     da
  sociedade.
A GENERALIDADE DE UM FATO
SOCIAL, ISTO É, SUA UNANIMIDADE,
É GARANTIA DE NORMALIDADE NA
MEDIDA EM QUE REPRESENTA O
CONSENSO SOCIAL, A VONTADE
COLETIVA, OU O ACORDO DO GRUPO
A RESPEITO DE DETERMINADA
QUESTÃO.
QUANDO UM FATO PÕE EM RISCO A
HARMONIA, O ACORDO, O CONSENSO E,
PORTANTO, A ADAPTAÇÃO E EVOLUÇÃO
DA SOCIEDADE, ESTAMOS DIANTE DE
UM ACONTECIMENTO DE CARÁTER
MÓRBIDO E DE UMA SOCIEDADE
DOENTE.
   Normal: aqueles fatos      Patológico: Aqueles
  que não extrapolam os         fatos que se encontram
  limites               dos     fora dos limites
  acontecimentos       mais     permitidos pela ordem
  gerais da sociedade;          social e pela moral
 Reflete os valores e as       vigente;
  condutas    aceitas  pela    Os fatos patológicos,
  maior parte da população.     como as doenças, são
                                considerados
                                transitórios e
                                excepcionais.
COESÃO, SOLIDARIEDADE E A
CONSCIÊNCIA COLETIVA
 Consciência     Coletiva: “conjunto das
  crenças e dos sentimentos comuns à média
  dos membros de uma mesma sociedade
  [que] forma um sistema determinado que
  tem vida própria”;
 Quanto maior é a consciência coletiva,
  mais a coesão entre os participantes da
  sociedade refere-se a uma “conformidade
  de todas as consciências particulares de
  tipo comum”, o que faz com que todos se
  assemelhem.
CONSCIÊNCIA COLETIVA




                                       Os membros do grupo
                                        se assemelham e se
     Consciência
                                          sentem atraídos
       Coletiva
                                       pelas similitudes uns
                                             dos outros




                   A individualidade
                        é menor
O PAPEL DA DIVISÃO DO TRABALHO:
Aumenta   simultaneamente a força
 produtiva e a habilidade do
 trabalhador;
É    a condição necessária do
 desenvolvimento     intelectual e
 material das sociedades;
Função de criar entre duas ou
 várias pessoas um sentimento de
 solidariedade.
DIVISÃO DO TRABALHO:
A  diferenciação social faz com que a
 „unidade do organismo seja tanto maior
 quanto mais marcada a individualidade
 das partes‟;

 Uma   solidariedade ainda mais forte
 funda-se agora na interdependência e na
 individuação dos membros que compõem a
 sociedade.
OS DOIS TIPOS
   DE SOLIDARIEDADE


 Associedades
 passam por processos    Solidariedade
                          Mecânica
                                                         Evolução


 de evolução,
 caracterizados pela
 diferenciação social.




                                         Solidariedade
                                           Orgânica
SOCIEDADE PRE-CAPITALISTA      SOCIEDADE CAPITALISTA


        Tradicional                  Moderna
     Não diversificada             Diversificada
       Pré-industrial               Industrial
 Semelhanças de funções:        Especialização de
         união                funções: dependência

         Simples                    Complexa
  Causa da coesão social:    Causa da coesão social:
           união                  dependência
 Pouca divisão do trabalho   Muita divisão do trabalho
  Solidariedade mecânica      Solidariedade orgânica
CAPITA-
 LISMO    VISÃO OTIMISTA DO CAPITALISMO



           SOCIEDADE PERFEITA



           MUITA DIVISÃO DO TRABALHO



          MAIOR ESPECIALIZAÇÃO DE FUNÇÕES



                MAIOR DEPENDÊNCIA


            MAIOR SOLIDARIEDADE
SUICÍDIO

As causas do suicídio são sociais, dependendo do maior
ou menor grau de coesão social.


Três tipos de suicídio:

             EGOÍSTA        Falta de integração

            ALTRUÍSTA       Excesso de integração

            ANÔMICO         Falta de limites e regras
Carência de regulamentação social, ausência de
regras sociais. As crises econômicas e conflitos
capital-trabalho se devem a uma situação de
anomia..
           Atribui essa crise moral às mudanças rápidas
           ocorridas na sociedade no final do século XIX e ao
ANOMIA     descompasso entre o avanço material e as normas
           morais e jurídicas.
 Ao estudar o suicidio, refere-se ao suicídio anômico que acontece
 devido ao enfraquecimento das regras morais.

 Tal estado de anomia se deve à própria sociedade que apresenta uma
 situação de desregramento levando os indivíduos a perderem a noção
 dos fins individuais e dos limites.
Nas  sociedades simples
 as   pessoas se parecem e se
conhecem, a coesão é garantida por
um conjunto de princípios – ou seja,
uma moral – é um conjunto de regras
e normas – ou seja, um direito.
Segundo Durkheim de um direito
cuja função é punir aquele que, com
sua transgressão, ofende todo o
conjunto. É o que conhecemos como
direito penal.
NAS SOCIEDADES COMPLEXAS:

   Temos que ser solidários não porque somos
    iguais, mas justamente porque somos
    diferentes.
   A falta, o rompimento da regra, não afeta o
    coletivo, e sim as pessoas separadamente. A
    punição, será dirigida para devolução, àquele
    que foi prejudicado, da parte ou da totalidade
    daquilo que lhe foi retirado. Durkheim chama
    esse tipo de regra de direito restitutivo –
    restituir é devolver, reparar um dano.
Mudanças      de atividades muito
abruptas, produz um profundo
desequilíbrio.
 Em vez de perceber que uns
precisam dos outros, que cada um
completa     o outro, os indivíduos
passam a se ver como partes isoladas,
sem qualquer conexão.
Individualismo




Segundo Durkheim, a consequência
 desse exagero chama de anomia
moral. Ausência de norma, falta
     de regras e de limites.
 Interesses individuais e os coletivos não se comunicam mais.



                           Moral?
Esquema téorico de Durkheim

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Indivíduo e Sociedade
Indivíduo e SociedadeIndivíduo e Sociedade
Indivíduo e Sociedade
carlosbidu
 
Instituições sociais
Instituições sociaisInstituições sociais
Instituições sociais
Rafael Barros
 
Introduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaIntroduçao a sociologia
Introduçao a sociologia
Marcelo Freitas
 

Mais procurados (20)

Durkheim: a educação como fato social!
Durkheim: a educação como fato social!Durkheim: a educação como fato social!
Durkheim: a educação como fato social!
 
Conceitos básicos de sociologia
Conceitos básicos de sociologiaConceitos básicos de sociologia
Conceitos básicos de sociologia
 
Sociologia e Sociedade
Sociologia e SociedadeSociologia e Sociedade
Sociologia e Sociedade
 
SOCIOLOGIA CONCEITOS BASICOS
SOCIOLOGIA CONCEITOS BASICOSSOCIOLOGIA CONCEITOS BASICOS
SOCIOLOGIA CONCEITOS BASICOS
 
Capítulo 8 - Classe e Estratificação Social
Capítulo 8 - Classe e Estratificação SocialCapítulo 8 - Classe e Estratificação Social
Capítulo 8 - Classe e Estratificação Social
 
ÉMILE DURKHEIN
ÉMILE DURKHEINÉMILE DURKHEIN
ÉMILE DURKHEIN
 
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médioApostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
 
Cultura, ideologia e indústria cultural
Cultura, ideologia e indústria culturalCultura, ideologia e indústria cultural
Cultura, ideologia e indústria cultural
 
Indivíduo e Sociedade
Indivíduo e SociedadeIndivíduo e Sociedade
Indivíduo e Sociedade
 
Sociologia: Principais correntes
Sociologia: Principais correntes Sociologia: Principais correntes
Sociologia: Principais correntes
 
Instituições sociais
Instituições sociaisInstituições sociais
Instituições sociais
 
Clássicos da sociologia
Clássicos da sociologiaClássicos da sociologia
Clássicos da sociologia
 
1. O indivíduo, sua história e a sociedade
1. O indivíduo, sua história e a sociedade1. O indivíduo, sua história e a sociedade
1. O indivíduo, sua história e a sociedade
 
Introduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaIntroduçao a sociologia
Introduçao a sociologia
 
Individuo sociedade
Individuo sociedadeIndividuo sociedade
Individuo sociedade
 
Interações Sociais -Grupos Sociais
Interações Sociais-Grupos SociaisInterações Sociais-Grupos Sociais
Interações Sociais -Grupos Sociais
 
Sociedade e indivíduo
Sociedade e indivíduoSociedade e indivíduo
Sociedade e indivíduo
 
Trabalho e sociedade
Trabalho e sociedadeTrabalho e sociedade
Trabalho e sociedade
 
Emile durkheim
Emile durkheimEmile durkheim
Emile durkheim
 
Poder, política e estado
Poder, política e estadoPoder, política e estado
Poder, política e estado
 

Semelhante a Cap 03 durkheim

Os classicos da_sociologia_durkheim
Os classicos da_sociologia_durkheimOs classicos da_sociologia_durkheim
Os classicos da_sociologia_durkheim
Lucio Braga
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
Trabajo problemática institucional
Trabajo problemática institucionalTrabajo problemática institucional
Trabajo problemática institucional
Daiane Pereira
 
Material de sociologia i
Material de sociologia iMaterial de sociologia i
Material de sociologia i
gabriela_eiras
 
Miledurkheim 120918024516-phpapp01
Miledurkheim 120918024516-phpapp01Miledurkheim 120918024516-phpapp01
Miledurkheim 120918024516-phpapp01
Jose Fernando
 
Miledurkheim 120918024516-phpapp01
Miledurkheim 120918024516-phpapp01Miledurkheim 120918024516-phpapp01
Miledurkheim 120918024516-phpapp01
Jose Fernando
 

Semelhante a Cap 03 durkheim (20)

apresentação sociologia do direito SLIDES_DURKHEIM.pdf
apresentação sociologia do direito SLIDES_DURKHEIM.pdfapresentação sociologia do direito SLIDES_DURKHEIM.pdf
apresentação sociologia do direito SLIDES_DURKHEIM.pdf
 
Os classicos da_sociologia_durkheim
Os classicos da_sociologia_durkheimOs classicos da_sociologia_durkheim
Os classicos da_sociologia_durkheim
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Os classicos da_sociologia_ completo
Os classicos da_sociologia_ completoOs classicos da_sociologia_ completo
Os classicos da_sociologia_ completo
 
durkheim
 durkheim  durkheim
durkheim
 
Emile d_ AULA.pptx
Emile d_ AULA.pptxEmile d_ AULA.pptx
Emile d_ AULA.pptx
 
sociologia.pdf
sociologia.pdfsociologia.pdf
sociologia.pdf
 
Fato social epistemologia - apresentação Ana Luiza Monte
Fato social   epistemologia - apresentação Ana Luiza MonteFato social   epistemologia - apresentação Ana Luiza Monte
Fato social epistemologia - apresentação Ana Luiza Monte
 
Trabajo problemática institucional
Trabajo problemática institucionalTrabajo problemática institucional
Trabajo problemática institucional
 
Trabajo problemática institucional
Trabajo problemática institucionalTrabajo problemática institucional
Trabajo problemática institucional
 
Material de sociologia i
Material de sociologia iMaterial de sociologia i
Material de sociologia i
 
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMSOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
 
EMILE DURKHEIM988887gjfjgfbfycyvyyccbhjh
EMILE DURKHEIM988887gjfjgfbfycyvyyccbhjhEMILE DURKHEIM988887gjfjgfbfycyvyyccbhjh
EMILE DURKHEIM988887gjfjgfbfycyvyyccbhjh
 
Miledurkheim 120918024516-phpapp01
Miledurkheim 120918024516-phpapp01Miledurkheim 120918024516-phpapp01
Miledurkheim 120918024516-phpapp01
 
Miledurkheim 120918024516-phpapp01
Miledurkheim 120918024516-phpapp01Miledurkheim 120918024516-phpapp01
Miledurkheim 120918024516-phpapp01
 
Resumodesocio5
Resumodesocio5Resumodesocio5
Resumodesocio5
 
emiledurkheim-.ppt
emiledurkheim-.pptemiledurkheim-.ppt
emiledurkheim-.ppt
 
4.-Emile-Durkheim-e-a-integracao-social.ppt
4.-Emile-Durkheim-e-a-integracao-social.ppt4.-Emile-Durkheim-e-a-integracao-social.ppt
4.-Emile-Durkheim-e-a-integracao-social.ppt
 
Durkheim sociologia
Durkheim sociologiaDurkheim sociologia
Durkheim sociologia
 
Durkheim sociologia
Durkheim sociologiaDurkheim sociologia
Durkheim sociologia
 

Mais de Péricles Penuel

Mais de Péricles Penuel (20)

Arte pré histórica
Arte pré históricaArte pré histórica
Arte pré histórica
 
Arte egípicia
Arte egípiciaArte egípicia
Arte egípicia
 
éTica capitulo 6
éTica capitulo 6éTica capitulo 6
éTica capitulo 6
 
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
 
3 revolução industrial 2013
3 revolução industrial 20133 revolução industrial 2013
3 revolução industrial 2013
 
1 diversidade da vida
1 diversidade da vida1 diversidade da vida
1 diversidade da vida
 
Lista 1 2013 escalas termométricas
Lista 1 2013   escalas termométricasLista 1 2013   escalas termométricas
Lista 1 2013 escalas termométricas
 
Aula 2 população
Aula 2   populaçãoAula 2   população
Aula 2 população
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
 
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
 
1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico
 
1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico
 
Biologia 2º ano frente 2 - procariontes
Biologia 2º ano   frente 2 - procariontesBiologia 2º ano   frente 2 - procariontes
Biologia 2º ano frente 2 - procariontes
 
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
 
Aula 1 o brasil
Aula 1   o brasilAula 1   o brasil
Aula 1 o brasil
 
Entradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmpEntradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmp
 
Plano ins. pernambucana tmp
Plano ins. pernambucana tmpPlano ins. pernambucana tmp
Plano ins. pernambucana tmp
 

Cap 03 durkheim

  • 2.
  • 3. CONCEITOS BÁSICOS FATO SOCIAL COERÇAO SOCIAL CONSCIÊNCIA COLETIVA DIVISÃO SOCIAL DO TRABALHO SOLIDARIEDADE MECÂNICA SOLIDARIEDADE ORGÂNICA DIREITO PENAL NORMAL E PATOLÓGICO DIREITO RESTITUTIVO ANOMIA SUICÍDIO
  • 4. A sociologia passou a ser considerada propriamente uma ciência , dotada de um Objeto específico – os fatos sociais – e de uma metodologia. Obras: Da divisão do trabalho social (1893)
  • 5.  concepção da sociologia de Durkheim se baseia em uma teoria do fato social. Seu objetivo é demonstrar que pode e deve existir uma sociologia objetiva e científica, conforme o modelo das outras ciências, tendo por objeto o fato social.
  • 6. Ele desejava que a sociologia tivesse um objeto específico que a distinguisse das outras ciências, que pudesse ser observado e explicado assim como o objeto das outras ciências.
  • 7.  Regras do método sociológico:  Estudar o fato social como “coisa”  A questão da neutralidade científica.  Morfologia social:  Método comparativo Classificação das diferentes formas de sociedade. flerta com alguns modelos da biologia  “organismo social”  “anomia”
  • 8. É da tradição durkheimiana que surgem as formulações funcionalistas, como as ideias de “função” e “totalidade” (interconexão entre o todo e as partes, as partes e o todo), que depois deram origem às abordagens sistêmicas.  Até certo ponto toda sociologia que dá mais ênfase ao organismo social (à sociedade) do que à ação social dos indivíduos tem algum nível de relação com a tradição durkheimiana.
  • 9. OBJETO DE ESTUDO: O FATO SOCIAL “é um fato social toda maneira de agir, fixa ou não, capaz de exercer sobre o indivíduo uma coerção exterior, ou ainda, que é geral no conjunto de uma dada sociedade tendo, ao mesmo tempo, uma existência própria, independente de suas manifestações individuais.”
  • 10. OBJETO DE ESTUDO DA SOCIOLOGIA O FATO SOCIAL É: 1) GERAL 2) EXTERIOR 3) COERCITIVO
  • 11. 1) EXTERIOR  Os fatos sociais existem e atuam sobre os indivíduos, independentemente de sua vontade ou de sua adesão consciente.  Exemplos: o sistema de sinais de que me sirvo para exprimir pensamentos; o sistema de moedas que emprego para pagar as dívidas, os instrumentos de crédito que utilizo nas relações comerciais, as práticas que sigo na minha profissão; os costumes e as leis
  • 12. Sanções: podem ser 2)ACOERÇÃO fatos  força que os  legais ou espontâneas; exercem sobre os  Legais: são as sanções indivíduos, levando-os prescritas pela a conformarem-se às sociedade, sob a forma de regras da sociedade LEIS, nas quais se em que vivem, identifica a infração e a independentemente de penalidade subseqüente; suas  Espontâneas: afloram vontades/escolhas; como decorrência de uma  Exemplos: idioma e a conduta NÃO moeda usados no meu ADAPTADA à estrutura país; o modo de se do grupo ou da sociedade vestir no meu país e à qual pertence o na minha classe indivíduo. social; as leis
  • 13. 3) GERAL É geral todo fato que é geral, ou seja, que se repete em todos os indivíduos, ou, pelo menos, na maioria deles;  Os fatos sociais manifestam sua natureza coletiva ou um estado comum ao grupo;  Exemplos: formas de habitação; arquitetura das casas; formas de comunicação; os sentimentos e a moral coletiva.
  • 14. MÉTODO FUNCIONALISTA:  1) Durkheim  2) O todo compara a predomina sobre sociedade a um as partes; “corpo vivo”;  As partes (os fatos  Cada órgão sociais) existem em cumpre uma função do todo (a sociedade); função =  Função social: a metodologia funcionalista. ligação que existe entre as partes e o todo.
  • 15. MÉTODO FUNCIONALISTA: A sociedade é semelhante a um corpo vivo;  A sociedade (assim como o corpo humano) é composta de várias partes;  Cada parte cumpre uma função em relação ao todo. Família Religião Empresa Escola Exército Leis Governo Lazer
  • 16. CADA INSTITUIÇÃO CUMPRE UMA FUNÇÃO PARA O BOM FUNCIONAMENTO DA SOCIEDADE. É na determinação da função social que as instituições cumprem que o método funcionalista procura explicar sua existência, bem como das nossas formas de agir.
  • 17. NORMAL E PATOLÓGICO  Finalidade da Sociologia: encontrar remédios para regularizar a vida social.  A sociedade, como todo organismo, apresenta estados normais e patológicos, ou seja, saudáveis e doentios.
  • 18. UM FATO SOCIAL É NORMAL QUANDO:  Se encontra  Exemplos: O crime é um generalizado fato social normal: pela sociedade;  É encontrado em qualquer sociedade, em qualquer  Desempenha épocaRepresenta a alguma função importância dos valores importante sociais que repudiam para a determinadas condutas adaptação ou como ilegais e as condenam a penalidades. evolução da sociedade.
  • 19. A GENERALIDADE DE UM FATO SOCIAL, ISTO É, SUA UNANIMIDADE, É GARANTIA DE NORMALIDADE NA MEDIDA EM QUE REPRESENTA O CONSENSO SOCIAL, A VONTADE COLETIVA, OU O ACORDO DO GRUPO A RESPEITO DE DETERMINADA QUESTÃO.
  • 20. QUANDO UM FATO PÕE EM RISCO A HARMONIA, O ACORDO, O CONSENSO E, PORTANTO, A ADAPTAÇÃO E EVOLUÇÃO DA SOCIEDADE, ESTAMOS DIANTE DE UM ACONTECIMENTO DE CARÁTER MÓRBIDO E DE UMA SOCIEDADE DOENTE.
  • 21. Normal: aqueles fatos  Patológico: Aqueles que não extrapolam os fatos que se encontram limites dos fora dos limites acontecimentos mais permitidos pela ordem gerais da sociedade; social e pela moral  Reflete os valores e as vigente; condutas aceitas pela  Os fatos patológicos, maior parte da população. como as doenças, são considerados transitórios e excepcionais.
  • 22. COESÃO, SOLIDARIEDADE E A CONSCIÊNCIA COLETIVA  Consciência Coletiva: “conjunto das crenças e dos sentimentos comuns à média dos membros de uma mesma sociedade [que] forma um sistema determinado que tem vida própria”;  Quanto maior é a consciência coletiva, mais a coesão entre os participantes da sociedade refere-se a uma “conformidade de todas as consciências particulares de tipo comum”, o que faz com que todos se assemelhem.
  • 23. CONSCIÊNCIA COLETIVA Os membros do grupo se assemelham e se Consciência sentem atraídos Coletiva pelas similitudes uns dos outros A individualidade é menor
  • 24. O PAPEL DA DIVISÃO DO TRABALHO: Aumenta simultaneamente a força produtiva e a habilidade do trabalhador; É a condição necessária do desenvolvimento intelectual e material das sociedades; Função de criar entre duas ou várias pessoas um sentimento de solidariedade.
  • 25. DIVISÃO DO TRABALHO: A diferenciação social faz com que a „unidade do organismo seja tanto maior quanto mais marcada a individualidade das partes‟;  Uma solidariedade ainda mais forte funda-se agora na interdependência e na individuação dos membros que compõem a sociedade.
  • 26. OS DOIS TIPOS DE SOLIDARIEDADE  Associedades passam por processos Solidariedade Mecânica Evolução de evolução, caracterizados pela diferenciação social. Solidariedade Orgânica
  • 27. SOCIEDADE PRE-CAPITALISTA SOCIEDADE CAPITALISTA Tradicional Moderna Não diversificada Diversificada Pré-industrial Industrial Semelhanças de funções: Especialização de união funções: dependência Simples Complexa Causa da coesão social: Causa da coesão social: união dependência Pouca divisão do trabalho Muita divisão do trabalho Solidariedade mecânica Solidariedade orgânica
  • 28. CAPITA- LISMO VISÃO OTIMISTA DO CAPITALISMO SOCIEDADE PERFEITA MUITA DIVISÃO DO TRABALHO MAIOR ESPECIALIZAÇÃO DE FUNÇÕES MAIOR DEPENDÊNCIA MAIOR SOLIDARIEDADE
  • 29. SUICÍDIO As causas do suicídio são sociais, dependendo do maior ou menor grau de coesão social. Três tipos de suicídio: EGOÍSTA Falta de integração ALTRUÍSTA Excesso de integração ANÔMICO Falta de limites e regras
  • 30. Carência de regulamentação social, ausência de regras sociais. As crises econômicas e conflitos capital-trabalho se devem a uma situação de anomia.. Atribui essa crise moral às mudanças rápidas ocorridas na sociedade no final do século XIX e ao ANOMIA descompasso entre o avanço material e as normas morais e jurídicas. Ao estudar o suicidio, refere-se ao suicídio anômico que acontece devido ao enfraquecimento das regras morais. Tal estado de anomia se deve à própria sociedade que apresenta uma situação de desregramento levando os indivíduos a perderem a noção dos fins individuais e dos limites.
  • 31. Nas sociedades simples  as pessoas se parecem e se conhecem, a coesão é garantida por um conjunto de princípios – ou seja, uma moral – é um conjunto de regras e normas – ou seja, um direito. Segundo Durkheim de um direito cuja função é punir aquele que, com sua transgressão, ofende todo o conjunto. É o que conhecemos como direito penal.
  • 32. NAS SOCIEDADES COMPLEXAS:  Temos que ser solidários não porque somos iguais, mas justamente porque somos diferentes.  A falta, o rompimento da regra, não afeta o coletivo, e sim as pessoas separadamente. A punição, será dirigida para devolução, àquele que foi prejudicado, da parte ou da totalidade daquilo que lhe foi retirado. Durkheim chama esse tipo de regra de direito restitutivo – restituir é devolver, reparar um dano.
  • 33. Mudanças de atividades muito abruptas, produz um profundo desequilíbrio.  Em vez de perceber que uns precisam dos outros, que cada um completa o outro, os indivíduos passam a se ver como partes isoladas, sem qualquer conexão.
  • 34. Individualismo Segundo Durkheim, a consequência desse exagero chama de anomia moral. Ausência de norma, falta de regras e de limites. Interesses individuais e os coletivos não se comunicam mais. Moral?