SlideShare uma empresa Scribd logo
SOCIOLOGIA
Professor
Gerdian Teixeira laurenço
ESCOLA:
EEEP Monsenhor Odorico de Andrade
SOCIOLOGIA
Estudo do comportamento dos indivíduos
sociais dentro do capitalismo (Industrial)
A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL (Inglaterra – Sec. XVIII)
Um conjunto de transformações sociais, politicas
econômicas que mudou a Europa.
SOCIOLOGIA
ARTESANAL INDUSTRIAL
XV ------ XVIII XVIII ------ XX
Manufatura Maquinonatura
Doméstica Fábrica
Força humana Força motriz
SOCIOLOGIA
CAPITALISMO INDUSTRIAL
(Análise Marxista)
A riqueza:
Produção
Distribuição
Comercialização
Consumo
Elementos fundamentais
do CAPITALISMO:
 Propriedade privada
 Classes sociais
 Consumo
ORIGEM DA SOCIOLOGIA
A Sociologia germina no século XVIII, com as grandes
Revoluções – Industrial e Francesa (1789).
Termo Sociologia: 1830.
Sociologia é uma das manifestações da sociedade
capitalista.
Auguste Comte (1798-1857) – matemático e filósofo francês:
“criador do termo “sociologia”.
TEMA / CONTEÚDO
A sociologia de Émile Durkheim
DISCIPLINA:
Sociologia
SÉRIE/ANO:
1º anos
1893 - DA DIVISÃO DO TRABALHO
SOCIAL
1895 - AS REGRAS DO MÉTODO
SOCIOLÓGICO
1897 - O SUICÍDIO
1912 - AS FORMAS ELEMENTARES
DA VIDA RELIGIOSA
OS CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA
Emile Durkheim (1857
– 1917)
Max Weber (1864 –
1920)
Karl Marx (1818 –
1883)
Objeto da Sociologia Método
Classes Sociais
Fato Social
Ação Social
Dialética
Funcionalista
Compreensão Social
Autor
Segundo Durkheim, a SOCIEDADE:
É UM ORGANISMO (ANÁLOGA) EM QUE AS PARTES
(INSTITUIÇÕES) COOPERAM PARA A MANUTENÇÃO DO
TODO.
Para Durkheim, a Sociologia tinha por finalidade não só explicar
a sociedade, como encontrar remédios para a vida social.
A sociedade, como todo organismo, apresentaria estados
normais e patológicos, isto é, saudáveis e doentios.
TEORIA FUNCIONALISTA
Para os funcionalistas, a sociedade é um todo dividido
em partes, que seriam, por sua vez, as instituições
(família, estado, igreja, etc.).
Estas desempenham funções interdependentes entre si.
Objeto de estudo: O Fato Social
“é um fato social toda maneira de agir, fixa ou não, capaz de
exercer sobre o indivíduo uma coerção exterior, ou ainda,
que é geral no conjunto de uma dada sociedade tendo, ao
mesmo tempo, uma existência própria, independente de suas
manifestações individuais.”
“a primeira regra [da sociologia] e a mais
fundamental é considerar os fatos sociais
como coisas” (1978, p. 94)
O que Durkheim quer dizer com
“coisa”?
O método utilizado por Durkheim para estudar a sociedade
aproxima-se daquele das ciências naturais que busca
pela objetividade. Ao observar um fato social o sociólogo deve
considerá-lo como “coisa”, como algo externo, procurando
afastar as prenoções que carrega acerca daquele fato,
libertar-se de falsas evidências, dos preconceitos, de seus
sentimentos ou paixões.
Deve-se adotar a prática cartesiano da dúvida metódica.
Objeto de estudo da sociologia
O FATO SOCIAL É:
1) GERAL 2) EXTERIOR 3) COERCITIVO
1) Geral (Generalidade)
É geral todo fato que é geral, ou seja, que se repete em
todos os indivíduos, ou, pelo menos, na maioria deles;
Os fatos sociais manifestam sua natureza coletiva ou
um estado comum ao grupo;
Exemplos: formas de habitação; arquitetura das casas;
formas de comunicação; os sentimentos e a moral
coletiva.
2) Exterior (Exterioridade)
Os fatos sociais existem e atuam sobre os indivíduos,
independentemente de sua vontade ou de sua adesão
consciente.
Exemplos: o sistema de sinais de que me sirvo para
exprimir pensamentos; o sistema de moedas que emprego
para pagar as dívidas, os instrumentos de crédito que
utilizo nas relações comerciais, as práticas que sigo na
minha profissão; os costumes e as leis >> FUNCIONAM
INDEPENDENTEMENTE DO USO QUE DELES FAÇO
3) Coerção (Coercitivo)
A força que os fatos exercem sobre os
indivíduos, levando-os a
conformarem-se às regras da
sociedade em que vivem,
independentemente de suas
vontades/escolhas;
Exemplos: idioma e a moeda usados
no meu país; o modo de se vestir no
meu país e na minha classe social; as
leis
Sanções: podem ser legais ou espontâneas;
Legais: são as sanções prescritas pela
sociedade, sob a forma de LEIS, nas quais se
identifica a infração e a penalidade
subseqüente;
Espontâneas: afloram como decorrência de
uma conduta NÃO ADAPTADA à estrutura do
grupo ou da sociedade à qual pertence o
indivíduo.
Método Funcionalista:
A sociedade é semelhante a um corpo vivo;
A sociedade (assim como o corpo humano) é composta de várias partes;
Cada parte cumpre uma função em relação ao todo.
Lazer
Governo
Leis
Exército
Escola
Empresa
Religião
Família
Normal e Patológico
Finalidade da Sociologia: encontrar remédios para regularizar a
vida social.
A sociedade, como todo organismo, apresenta estados normais e
patológicos, ou seja, saudáveis e doentios.
A Doença/Os Fenômenos Patológicos
Tudo o que tem por efeito diminuir as possibilidades da saúde;
Provoca o enfraquecimento do organismo;
É algo possível de evitar;
Fenômenos excepcionais, encontradas numa minoria de vezes;
Coesão, Solidariedade
e a
Consciência Coletiva
Conceito de solidariedade social – responsável pela coesão
entre os homens;
Existência de uma solidariedade social que vem da divisão do
trabalho; a solidariedade social é um fenômeno completamente
moral;
A solidariedade social varia de acordo com o tipo de organização
social, dada a presença mais forte ou mais fraca da divisão do
trabalho e de uma consciência mais ou menos similar entre os
membros da sociedade.
Consciência Coletiva: “conjunto das crenças e dos sentimentos comuns à
média dos membros de uma mesma sociedade [que] forma um sistema
determinado que tem vida própria”;
Quanto maior é a consciência coletiva, mais a coesão entre os
participantes da sociedade refere-se a uma “conformidade de todas as
consciências particulares de tipo comum”, o que faz com que
todos se assemelhem.
Consciência
Coletiva
Os membros do grupo
se assemelham e se
sentem atraídos
pelas similitudes uns
dos outros
A individualidade
é menor
Consciência
Coletiva
Os dois tipos de solidariedade
Sociedade coesa
Sociedade
Fragmentada
Organização
social
Divisão social do
trabalho
Consciência Coletiva
Laço de
solidariedade
Solidariedade
Orgânica
Solidariedade
Mecânica
A sociedade é um conjunto mais ou menos organizado de crenças e
sentimentos comuns a todos os membros do grupo
Só pode ser forte na medida em que as ideias e as tendências comuns a
todos os membros da sociedade ultrapassam as que pertencem
pessoalmente a cada um deles.
Solidariedade Mecânica
Solidariedade Mecânica
Total predomínio do grupo sobre os indivíduos;
Forte semelhança entre os indivíduos, há pouco espaço para a
individualidade;
Os indivíduos vivem em sociedade pelo fato de que eles partilham de uma
“cultura comum” que os obriga a viver em coletividade.
+ COLETIVO
- INDIVIDUAL
Solidariedade Orgânica
A sociedade é um sistema de funções diferentes e especiais que unem relações definidas.
É produzida pela divisão do trabalho, Supõe que os indivíduos difiram entre si;
A atividade de cada um é tanto mais pessoal quanto mais especializada;
A unidade do organismo é tanto maior quanto mais marcada é
a individuação das partes
- COLETIVO
+ INDIVIDUAL
SUICÍDIO
As causas do suicídio são sociais, dependendo do
maior ou menor grau de coesão social.
Três tipos de suicídio:
EGOÍSTA
ALTRUÍSTA
ANÔMICO
Falta de integração
Excesso de integração
Falta de limites e regras
FONTES:
Bomeny. H. et al.(coordenação). Tempos modernos, tempos de sociologia:
ensino médio: volume único. 2. ed. São Paulo: Editora do Brasil, 2013.
CUNHA, Maria Amália de Almeida. Sociologia da Educação. Belo Horizonte:
UFMG, 2010.
MARTINS, C. B. O que é sociologia? 38. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.
Nelson D. T. Sociologia para o ensino médio: volume único. 5. Ed. São Paulo:
Saraiva, 2016.
OBRIGADO!
Prof. Gerdian Teixeira
E-mail: gerdian.laurenco@prof.ce.gov.br

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf

Trabajo problemática institucional
Trabajo problemática institucionalTrabajo problemática institucional
Trabajo problemática institucional
Daiane Pereira
 
Trabajo problemática institucional
Trabajo problemática institucionalTrabajo problemática institucional
Trabajo problemática institucional
Daiane Pereira
 
Sociologia de Durkheim para ensino médio
Sociologia de Durkheim para ensino médioSociologia de Durkheim para ensino médio
Sociologia de Durkheim para ensino médio
Matheus Rodrigues
 
Durkhein
DurkheinDurkhein
Durkhein
Over Lane
 
Emile durkheim
Emile durkheimEmile durkheim
Emile durkheim
Portal do Vestibulando
 
Aula 3 - Durkheim
Aula 3 - DurkheimAula 3 - Durkheim
Aula 3 - Durkheim
Mauricio Serafim
 
éMile durkheim
éMile durkheiméMile durkheim
éMile durkheim
Fatima Freitas
 
emiledurkheim-.ppt
emiledurkheim-.pptemiledurkheim-.ppt
emiledurkheim-.ppt
RogerioTrentin2
 
Émile durkheim
Émile durkheimÉmile durkheim
Émile durkheim
professorleo1989
 
Durkheim sociologia
Durkheim sociologiaDurkheim sociologia
Durkheim sociologia
mundica broda
 
Durkheim sociologia
Durkheim sociologiaDurkheim sociologia
Durkheim sociologia
Colegio GGE
 
Durkheim sociologia
Durkheim sociologiaDurkheim sociologia
Durkheim sociologia
mundica broda
 
A Sociologia De éMile Durkheim
A Sociologia De éMile DurkheimA Sociologia De éMile Durkheim
A Sociologia De éMile Durkheim
Jorge Miklos
 
Consciencia coleetiva durkhein
Consciencia coleetiva durkheinConsciencia coleetiva durkhein
Consciencia coleetiva durkhein
marcello magela
 
Sociologia para o vestibular
Sociologia para o vestibularSociologia para o vestibular
Sociologia para o vestibular
Edenilson Morais
 
Resumodesocio5
Resumodesocio5Resumodesocio5
Resumodesocio5
Natan Camacho
 
Aula Émile Durkheim
Aula Émile DurkheimAula Émile Durkheim
Aula Émile Durkheim
Fernanda Campos Junqueira
 
39237_d53306527e2acfbd1ec6a9a7751f0849.pdf
39237_d53306527e2acfbd1ec6a9a7751f0849.pdf39237_d53306527e2acfbd1ec6a9a7751f0849.pdf
39237_d53306527e2acfbd1ec6a9a7751f0849.pdf
jullyanafreitas1
 
Fato social epistemologia - apresentação Ana Luiza Monte
Fato social   epistemologia - apresentação Ana Luiza MonteFato social   epistemologia - apresentação Ana Luiza Monte
Fato social epistemologia - apresentação Ana Luiza Monte
grupoppga
 
éMile durkheim
éMile durkheiméMile durkheim
éMile durkheim
Liliane França
 

Semelhante a 1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf (20)

Trabajo problemática institucional
Trabajo problemática institucionalTrabajo problemática institucional
Trabajo problemática institucional
 
Trabajo problemática institucional
Trabajo problemática institucionalTrabajo problemática institucional
Trabajo problemática institucional
 
Sociologia de Durkheim para ensino médio
Sociologia de Durkheim para ensino médioSociologia de Durkheim para ensino médio
Sociologia de Durkheim para ensino médio
 
Durkhein
DurkheinDurkhein
Durkhein
 
Emile durkheim
Emile durkheimEmile durkheim
Emile durkheim
 
Aula 3 - Durkheim
Aula 3 - DurkheimAula 3 - Durkheim
Aula 3 - Durkheim
 
éMile durkheim
éMile durkheiméMile durkheim
éMile durkheim
 
emiledurkheim-.ppt
emiledurkheim-.pptemiledurkheim-.ppt
emiledurkheim-.ppt
 
Émile durkheim
Émile durkheimÉmile durkheim
Émile durkheim
 
Durkheim sociologia
Durkheim sociologiaDurkheim sociologia
Durkheim sociologia
 
Durkheim sociologia
Durkheim sociologiaDurkheim sociologia
Durkheim sociologia
 
Durkheim sociologia
Durkheim sociologiaDurkheim sociologia
Durkheim sociologia
 
A Sociologia De éMile Durkheim
A Sociologia De éMile DurkheimA Sociologia De éMile Durkheim
A Sociologia De éMile Durkheim
 
Consciencia coleetiva durkhein
Consciencia coleetiva durkheinConsciencia coleetiva durkhein
Consciencia coleetiva durkhein
 
Sociologia para o vestibular
Sociologia para o vestibularSociologia para o vestibular
Sociologia para o vestibular
 
Resumodesocio5
Resumodesocio5Resumodesocio5
Resumodesocio5
 
Aula Émile Durkheim
Aula Émile DurkheimAula Émile Durkheim
Aula Émile Durkheim
 
39237_d53306527e2acfbd1ec6a9a7751f0849.pdf
39237_d53306527e2acfbd1ec6a9a7751f0849.pdf39237_d53306527e2acfbd1ec6a9a7751f0849.pdf
39237_d53306527e2acfbd1ec6a9a7751f0849.pdf
 
Fato social epistemologia - apresentação Ana Luiza Monte
Fato social   epistemologia - apresentação Ana Luiza MonteFato social   epistemologia - apresentação Ana Luiza Monte
Fato social epistemologia - apresentação Ana Luiza Monte
 
éMile durkheim
éMile durkheiméMile durkheim
éMile durkheim
 

Último

REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 

Último (20)

REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf

  • 2. SOCIOLOGIA Estudo do comportamento dos indivíduos sociais dentro do capitalismo (Industrial) A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL (Inglaterra – Sec. XVIII) Um conjunto de transformações sociais, politicas econômicas que mudou a Europa.
  • 3. SOCIOLOGIA ARTESANAL INDUSTRIAL XV ------ XVIII XVIII ------ XX Manufatura Maquinonatura Doméstica Fábrica Força humana Força motriz
  • 4. SOCIOLOGIA CAPITALISMO INDUSTRIAL (Análise Marxista) A riqueza: Produção Distribuição Comercialização Consumo Elementos fundamentais do CAPITALISMO:  Propriedade privada  Classes sociais  Consumo
  • 5. ORIGEM DA SOCIOLOGIA A Sociologia germina no século XVIII, com as grandes Revoluções – Industrial e Francesa (1789). Termo Sociologia: 1830. Sociologia é uma das manifestações da sociedade capitalista. Auguste Comte (1798-1857) – matemático e filósofo francês: “criador do termo “sociologia”.
  • 6. TEMA / CONTEÚDO A sociologia de Émile Durkheim DISCIPLINA: Sociologia SÉRIE/ANO: 1º anos
  • 7. 1893 - DA DIVISÃO DO TRABALHO SOCIAL 1895 - AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO 1897 - O SUICÍDIO 1912 - AS FORMAS ELEMENTARES DA VIDA RELIGIOSA
  • 8. OS CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA Emile Durkheim (1857 – 1917) Max Weber (1864 – 1920) Karl Marx (1818 – 1883) Objeto da Sociologia Método Classes Sociais Fato Social Ação Social Dialética Funcionalista Compreensão Social Autor
  • 9. Segundo Durkheim, a SOCIEDADE: É UM ORGANISMO (ANÁLOGA) EM QUE AS PARTES (INSTITUIÇÕES) COOPERAM PARA A MANUTENÇÃO DO TODO. Para Durkheim, a Sociologia tinha por finalidade não só explicar a sociedade, como encontrar remédios para a vida social. A sociedade, como todo organismo, apresentaria estados normais e patológicos, isto é, saudáveis e doentios. TEORIA FUNCIONALISTA
  • 10. Para os funcionalistas, a sociedade é um todo dividido em partes, que seriam, por sua vez, as instituições (família, estado, igreja, etc.). Estas desempenham funções interdependentes entre si.
  • 11. Objeto de estudo: O Fato Social “é um fato social toda maneira de agir, fixa ou não, capaz de exercer sobre o indivíduo uma coerção exterior, ou ainda, que é geral no conjunto de uma dada sociedade tendo, ao mesmo tempo, uma existência própria, independente de suas manifestações individuais.” “a primeira regra [da sociologia] e a mais fundamental é considerar os fatos sociais como coisas” (1978, p. 94)
  • 12.
  • 13. O que Durkheim quer dizer com “coisa”? O método utilizado por Durkheim para estudar a sociedade aproxima-se daquele das ciências naturais que busca pela objetividade. Ao observar um fato social o sociólogo deve considerá-lo como “coisa”, como algo externo, procurando afastar as prenoções que carrega acerca daquele fato, libertar-se de falsas evidências, dos preconceitos, de seus sentimentos ou paixões. Deve-se adotar a prática cartesiano da dúvida metódica.
  • 14. Objeto de estudo da sociologia O FATO SOCIAL É: 1) GERAL 2) EXTERIOR 3) COERCITIVO
  • 15. 1) Geral (Generalidade) É geral todo fato que é geral, ou seja, que se repete em todos os indivíduos, ou, pelo menos, na maioria deles; Os fatos sociais manifestam sua natureza coletiva ou um estado comum ao grupo; Exemplos: formas de habitação; arquitetura das casas; formas de comunicação; os sentimentos e a moral coletiva.
  • 16. 2) Exterior (Exterioridade) Os fatos sociais existem e atuam sobre os indivíduos, independentemente de sua vontade ou de sua adesão consciente. Exemplos: o sistema de sinais de que me sirvo para exprimir pensamentos; o sistema de moedas que emprego para pagar as dívidas, os instrumentos de crédito que utilizo nas relações comerciais, as práticas que sigo na minha profissão; os costumes e as leis >> FUNCIONAM INDEPENDENTEMENTE DO USO QUE DELES FAÇO
  • 17. 3) Coerção (Coercitivo) A força que os fatos exercem sobre os indivíduos, levando-os a conformarem-se às regras da sociedade em que vivem, independentemente de suas vontades/escolhas; Exemplos: idioma e a moeda usados no meu país; o modo de se vestir no meu país e na minha classe social; as leis Sanções: podem ser legais ou espontâneas; Legais: são as sanções prescritas pela sociedade, sob a forma de LEIS, nas quais se identifica a infração e a penalidade subseqüente; Espontâneas: afloram como decorrência de uma conduta NÃO ADAPTADA à estrutura do grupo ou da sociedade à qual pertence o indivíduo.
  • 18. Método Funcionalista: A sociedade é semelhante a um corpo vivo; A sociedade (assim como o corpo humano) é composta de várias partes; Cada parte cumpre uma função em relação ao todo. Lazer Governo Leis Exército Escola Empresa Religião Família
  • 19. Normal e Patológico Finalidade da Sociologia: encontrar remédios para regularizar a vida social. A sociedade, como todo organismo, apresenta estados normais e patológicos, ou seja, saudáveis e doentios.
  • 20. A Doença/Os Fenômenos Patológicos Tudo o que tem por efeito diminuir as possibilidades da saúde; Provoca o enfraquecimento do organismo; É algo possível de evitar; Fenômenos excepcionais, encontradas numa minoria de vezes;
  • 22. Conceito de solidariedade social – responsável pela coesão entre os homens; Existência de uma solidariedade social que vem da divisão do trabalho; a solidariedade social é um fenômeno completamente moral; A solidariedade social varia de acordo com o tipo de organização social, dada a presença mais forte ou mais fraca da divisão do trabalho e de uma consciência mais ou menos similar entre os membros da sociedade.
  • 23. Consciência Coletiva: “conjunto das crenças e dos sentimentos comuns à média dos membros de uma mesma sociedade [que] forma um sistema determinado que tem vida própria”; Quanto maior é a consciência coletiva, mais a coesão entre os participantes da sociedade refere-se a uma “conformidade de todas as consciências particulares de tipo comum”, o que faz com que todos se assemelhem.
  • 24. Consciência Coletiva Os membros do grupo se assemelham e se sentem atraídos pelas similitudes uns dos outros A individualidade é menor Consciência Coletiva
  • 25. Os dois tipos de solidariedade Sociedade coesa Sociedade Fragmentada Organização social Divisão social do trabalho Consciência Coletiva Laço de solidariedade Solidariedade Orgânica Solidariedade Mecânica
  • 26.
  • 27. A sociedade é um conjunto mais ou menos organizado de crenças e sentimentos comuns a todos os membros do grupo Só pode ser forte na medida em que as ideias e as tendências comuns a todos os membros da sociedade ultrapassam as que pertencem pessoalmente a cada um deles. Solidariedade Mecânica
  • 28. Solidariedade Mecânica Total predomínio do grupo sobre os indivíduos; Forte semelhança entre os indivíduos, há pouco espaço para a individualidade; Os indivíduos vivem em sociedade pelo fato de que eles partilham de uma “cultura comum” que os obriga a viver em coletividade. + COLETIVO - INDIVIDUAL
  • 29. Solidariedade Orgânica A sociedade é um sistema de funções diferentes e especiais que unem relações definidas. É produzida pela divisão do trabalho, Supõe que os indivíduos difiram entre si; A atividade de cada um é tanto mais pessoal quanto mais especializada; A unidade do organismo é tanto maior quanto mais marcada é a individuação das partes - COLETIVO + INDIVIDUAL
  • 30. SUICÍDIO As causas do suicídio são sociais, dependendo do maior ou menor grau de coesão social. Três tipos de suicídio: EGOÍSTA ALTRUÍSTA ANÔMICO Falta de integração Excesso de integração Falta de limites e regras
  • 31. FONTES: Bomeny. H. et al.(coordenação). Tempos modernos, tempos de sociologia: ensino médio: volume único. 2. ed. São Paulo: Editora do Brasil, 2013. CUNHA, Maria Amália de Almeida. Sociologia da Educação. Belo Horizonte: UFMG, 2010. MARTINS, C. B. O que é sociologia? 38. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994. Nelson D. T. Sociologia para o ensino médio: volume único. 5. Ed. São Paulo: Saraiva, 2016.
  • 32. OBRIGADO! Prof. Gerdian Teixeira E-mail: gerdian.laurenco@prof.ce.gov.br