SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Vagner Sá

CINESIOTERAPIA
DEFINIÇÕES

   Exercício terapêutico, conceito também
    expressado pelo termo cinesioterapia, é o
    treinamento planejado e sistemático de
    movimentos      corporais,   posturas     ou
    atividades    físicas,    com    finalidades
    preventivas e curativas.
ASPECTOS DA FUNÇÃO FÍSICA
                      Desempenh
                      o muscular
       Equilíbrio /
        controle                       Resistência
        postural                     cardiopulmonar

                       FUNÇÃO

        estabilidad                   Mobilidade
            e                        flexibilidade

                        Controle
                      neuromuscula
                           r/
                      coordenação
TIPOS DE INTERVENÇÕES COM EXERCÍCIO
TERAPÊUTICO
CONDICIONAMENTO AERÓBICO
DESEMPENHO MUSCULAR




http://t2.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRTtb640jPEOT   http://t2.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQFz-
f1IklJ3yJbYrJdSjGyOMH9RFa2ikPWojsXo6U&t=1&usg=__        g5OgiAgCH8EBhwMSfoz5i9BIFG_psLPyAatSgJQeC7LK4&t=1&
UtDwJyA6kJDCfEmL3zNQp8Z8elU=                            usg=__m8WckXqKK226jLN5YRcTR8cHRA8=
ALONGAMENTO E MOBILIZAÇÃO ARTICULAR




                                                http://t2.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRhhrKlgPUgAgo
http://logon.prozis.pt/images/alongamento.jpg   Spp20ka2Enb-9vwZYhTGdsA-W-
                                                XEMWged_Ew&t=1&usg=__ASBtvNUcvmYvz3Y6Rt0I2qEw
                                                7Es=
CONTROLE NEUROMUSCULAR




http://180graus.brasilportais.com.br/viver-mais/o-metodo-bobath-   http://corpo-em-
leva-qualidade-de-vida-a-criancas-especiais-184082.html            movimento.blogspot.com/2009/03/fisioterpai-e-acidente-
                                                                   vascular.html
CONTROLE POSTURAL E ESTABILIZAÇÃO
    SEGMENTAR




http://t2.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcSZa86nqhIJkfx7asJh   http://4.bp.blogspot.com/_ut8r1RPc-
vrsWI_IfGabESlYLNJc88fMnmJeS1UY&t=1&usg=__KImULROs            JE/S4MdnAGW01I/AAAAAAAABzs/NeG0gwsPKvM/s320/rpg+-
mKtqZNbOFeJrMNqTang=                                          souchard.jpg
EQUILÍBRIO E AGILIDADE




http://t0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQrWHrIbf3TMfPi_yU   http://t1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcSCy-u2h6-
kAVpCtxh0EPFHIv5WGxt0JPG8JRWHw7M&t=1&h=204&w=136             3SCn02vcsh7dFJRC_y2g39K-
&usg=__S1bA5IIMrAtuCh4-rUy42yKaWCM=                          1_xLOK0YbpLw3tR4&t=1&usg=__qOc__EnIuLbiBb-
EXERCÍCIO DE RELAXAMENTO




http://t1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcTBFiCv7rRkLIALvvY-
ePEeCYUkS6MqPnB9Yxcyu06FZ8qqOEI&t=1&usg=__Gw9FPN              http://www.dietaebeleza.com/wp-
xCnoESodjEFJWi6mxFGmg=                                        content/uploads/2099/08/relaxamento-overball-150x107.jpg
EXERCÍCIOS RESPIRATÓRIOS




                 http://t3.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRd9FlVJUj8kOtBW4
                 NQoPzg3ifwXiYhATbq70ywCa7yvHh8AZs&t=1&usg=___iHIBJs
                 Ez8GJcRCIjqRAXkb3L8Y=
TREINAMENTO FUNCIONAL




http://t0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcS3JbZDS8_N3bDEd   http://t2.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQMkIDGQwzYAW7u
siPchtGfP5k8yBVHxBhelZ7KbpcPvnRwww&t=1&usg=__v44cDe        cSmIx8lOYTlWP2CMRJ1uhQaQOxDvcv9hvC4&t=1&usg=__0w_
r7DYW65TvJ9bPNsA5Cajk=                                     Eo0AG-ILJ36caXSqIVzhaARo=
LIMITAÇÕES FUNCIONAIS COMUNS
RELACIONADAS ÀS TAREFAS FÍSICAS
ALCANÇAR E SEGURAR OBJETOS




http://t1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcTWxO3DCECD66LW
afk1-                                                     http://t3.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQn62X_OC2vI3VZ81
ix4VGeU7oPf0BjwmGMFf8sQmZDKhyc&t=1&usg=__IYTVYz6P         gTueFBy59vB6FM3akvQIQ6XTkWUwQEb3c&t=1&usg=__31fu1
yKd9PgixuPg3kgPZgy0=                                      bQl7u1mDeHTYrmgLK4LmYw=
LEVANTAR E CARREGAR OBJETOS




http://t0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQIuQIgbiySohSZ_2zH2_NJCKQwsg_7bqSWQgsVbD6KeGskqoo&t=1&usg=__
hf5LI7hpeVyKw-6RmLgls68YXfs=
EMPURRAR E PUXAR




http://www.kiiweb.com/blogwp/wp-
content/uploads/2010/05/StrollKart_Aya-e1273313558758.jpg   http://www.mimosa.com.pt/cnam/dossiers/imgs/empurrar.jpg
CURVAR-SE E INCLINAR-SE




            http://t0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRmCOQUz06F4Qge1gC-
    Sr5un6w1jKyvCU3syqgjjm9QVZICGKM&t=1&usg=__ljIvPm5BRYwWFq3YtwhDbSbRJto=
RODAR E GIRAR




http://www.jogosabertos.pr.gov.br/arquivos/Image/Japs_09_Final   http://pilates.guiafitness.com/wp-content/rodar-por-encima-
_FB/arremesso_peso_colombo.jpg                                   300x241.jpg
ARREMESSAR E PEGAR




http://colunistas.ig.com.br/fabiosormani/files/2010/05/kobe_Ap.jp   http://g1.globo.com/Noticias/PlanetaBizarro/foto/0,,19702553-
g                                                                   FMM,00.jpg
ROLAR




        http://4.bp.blogspot.com/_3Lvxu8anRxc/SE_iV9fjFTI/AAAAAAAA
        Am8/BYgLUaqbfvw/s320/rodanotatame02.JPG
FICAR EM PÉ




                                                           http://t2.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcTRWaCf4py6q7OHd
http://4.bp.blogspot.com/_WutMGqbUI4c/S84h1I6z1GI/AAAAAA   QM776cjcmqNUuI9L4z45dNIMXwDg76_4VA&t=1&usg=__OhKg
AAADQ/wGqpFuj3z1A/s1600/20042010(002).jpg                  EnMqiyIxbQGusWizKP70y94=
AGACHAR-SE E AJOELHAR-SE




        http://t1.gstatic.com/images?q=tbn:ClBhEgzwZi0AjM:s
LEVANTAR-SE E SENTAR-SE
ANDAR E CORRER




                                                         http://t0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQexErpJ_sjjl5zmRm
                                                         _GieEFUMRmHlnHeDLWtCF9BpgWLDOV9I&t=1&usg=__upIOB
http://ego.globo.com/Gente/foto/0,,15823118-EXH,00.jpg   mkRM9UlN0_khc-ZiILt4mo=
SUBIR E DESCER ESCADAS
PULAR E SALTAR
CHUTAR
Prof. Vagner Sá - CINESIOTERAPIA

AMPLITUDE DE MOVIMENTO (A.D.M)
MÚSCULOS
                                   SUPERFÍCIE
                                        S
NERVOS                             ARTICULAR
                                       ES



                    A.D.M
VASOS                              CÁPSULAS




        FÁSCIAS              LIGAMENTO
                                 S
MEDIDA DA A.D.M - GONIOMETRIA
INSUFICIÊNCIA ATIVA E PASSIVA

   Ativa: Quando um músculo encurta em sua
    amplitude máxima, ou seja, esse é o
    extremo ativo de sua amplitude.

   Passiva: quando um músculo é alongado em
    sua amplitude máxima, ou seja, esse é o
    extremo passivo de sua amplitude.
A.D.M PASSIVA

 Movimento dentro da A.D.M livre.
 Produzido inteiramente por força externa.

 Ocorre pouca ou nenhuma contração.

 Pode ocorrer o movimento auto-passivo.
A.D.M ATIVA

 Movimento dentro da A.D.M livre.
 Movimento produzido pela contração ativa
  dos músculos que cruzam a articulação.
 Divididos em ativo-assistido, ativo livre e
  ativo resistido.
INDICAÇÕES DA A.D.M PASSIVA
 Tecidos com inflamação aguda.
 Quando o paciente não é capaz ou não está
  autorizado a movimentar ativamente.
 Paciente comatoso.
 Paciente paralisado.
 Manter a mobilidade articular e tecidos
  adjacentes.
 Auxiliar a circulação e dinâmica vascular.
 Ajuda a manter a percepção dos movimentos.
MOVIMENTO PASSIVO CONTÍNUO (COM)




http://t1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcR3GuoyTa9Aal8eXf6
R_ZgFjnBaUiEOBES9qjXzgbDlmlcDXUw&t=1&usg=__wGWtBjA           http://t1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcT6P7KhGGpkcOyjP9
9Wj92knfsJkuIpVr4Jl0=                                        RuE3ZcrC0dd_gPi1K6izBWZfGA3qvxwMs&t=1&usg=__sK81aId
                                                             4rJ-QxxflQgv9gLNBMPQ=
INDICAÇÕES E METAS DA A.D.M ATIVA
 Perda de elasticidade fisiológica e contratilidade
  dos músculos participantes.
 Fornecer feedback sensorial provenientes dos
  músculos em contração.
 Fornecer estímulos a integridade dos ossos e
  dos tecidos articulares.
 Favorecer a circulação e prevenir a formação
  de trombos.
 Desenvolver a coordenação e as habilidades
  motoras para atividades funcionais.
PRECAUÇÕES E CONTRA-INDICAÇÕES PARA OS
EXERCÍCIOS DE A.D.M
 Quando interferirem de modo negativo no
  processo de cicatrização.
 Cuidado com movimentos excessivos, de
  velocidade inadequada ou errados que
  podem aumentar a dor e inflamação.
A.D.M NOS PADRÕES FUNCIONAIS

   Determine qual padrão de movimento é
    desejado e então mova o membro naquele
    padrão usando assistência manual,
    mecânica ou auto-assistida. Este padrões
    podem ser benéficos para iniciar o ensino de
    AVD e atividades instrumentais da vida
    diária.
Prof. Vagner Sá - CINESIOTERAPIA

        ALONGAMENTO
MOBILIDADE




  A.D.M                   MOBILIDADE
FUNCIONAL                 FUNCIONAL




            FLEXIBILIDA
                DE
DICA CLÍNICA

   A A.D.M necessária para o desempenho de
    atividades  funcionais    não   significa
    necessariamente uma A.D.M completa ou
    “normal”.




    http://www.concursoefisioterapia.com/2010/05/goniometria-do-quadril.html
FLEXIBILIDADE

 Capacidade de mover uma ou mais
  articulações de modo suave e com facilidade
  ao longo de uma A.D.M sem restrições e
  indolor.
 É determinada pelo comprimento do
  músculo junto à integridade articular e a
  extensibilidade dos tecidos moles
  periarticulares.
HIPOMOBILIDADE

   Mobilidade       restrita causada    pelo
    encurtamento adaptativo dos tecidos moles
    podendo ocorrer como resultado de vários
    distúrbios ou situações.
HIPOMOBILIDADE
CONTRATURA E ENCURTAMENTO
 Contratura é definida como o
  encurtamento adaptativo da unidade
  musculotendínea e outros tecidos moles que
  cruzam ou cercam uma articulação e resulta
  em resistência significativa ao
  alongamento podendo comprometer as
  habilidades funcionais. Pode ser
  irreversível.
 Encurtamento é a perda parcial da
  mobilidade ou flexibilidade. Pode ser
  reversível.
INDICAÇÕES PARA O USO DO ALONGAMENTO

 A A.D.M está limitada por perda da
  extensibilidade dos tecidos moles
  periarticulares, aderências, encurtamentos
  ou contraturas.
 Antes e/ou após exercícios vigorosos.

 Prevenção de lesões musculoesqueléticas.
CONTRA-INDICAÇÕES PARA O ALONGAMENTO

 Bloqueio ósseo.
 Fratura recente em consolidação.

 Processo inflamatório agudo ou infeccioso.

 Cicatrização aguda do tecido mole.

 Dor aguda com o movimento de
  alongamento.
 Hipermobilidade.
TÉCNICAS DE ALONGAMENTO
   Alongamento passivo (estático, intermitente ou cíclico,
    balístico)
   Alongamento assistido
   Auto-alongamento
   Alongamento com Facilitação Neuromuscular
    Proprioceptiva (FNP)
   Energia muscular (muscle energy)
   Mobilização/manipulação articular
   Mobilização com movimento (Mulligan)
   Mobilização e manipulação de tecidos moles (massagem
    transversa, liberação miofascial, pontos gatilhos)
   Mobilização neural
CURVA SOBRECARGA-DISTENSÃO




           Kisner C. exercícios terapêuticos.
           5ed. (2009)
ALINHAMENTO E ESTABILIZAÇÃO
EXEMPLOS
INTENSIDADE DO ALONGAMENTO (FORÇA)

 Baixa intensidade por meio de uma carga
  leve.
 Mais eficiente baixa intensidade associado a
  longa duração.
DURAÇÃO DO ALONGAMENTO

 Tempo de aplicação de um ciclo de
  alongamento.
 Quanto mais curta a duração, maior o
  número de repetições.
 Cipriani (2003) 2 X 30” = 6 X 10”

 Roberts (1999) 3 X 15” ≠ 9X 5”

 Ideal entre 15 e 60”(30”) para intermitentes.

 Ideal 5 a 15 min para estático ou mantido.
VELOCIDADE DO ALONGAMENTO
 Para garantir relaxamento o alongamento
  deve ser feito lentamente.
 No caso do balístico, um alongamento rápido
  e forçado com alta velocidade no final da
  A.D.M é comumente utilizado em praticantes
  de esportes que necessitam de aumento e
  manutenção da flexibilidade máxima.
 Cuidado com o balístico pois causa maior
  trauma aos tecidos.
POSICIONAMENTOS PARA ALONGAR O ILIOPSOAS




Pinheiro IM, et al. Efeitos imediatos do alongamento em diferentes posicionamentos.
Fisioter. Mov., Curitiba, v. 23, n. 4, p. 593-603, out./dez. 2010.
ALONGAMENTOS
Prof. Vagner Sá - CINESIOTERAPIA

MOBILIZAÇÃO DAS ARTICULAÇÕES
                 PERIFÉRICAS
DOR

                         SUBLUXAÇÃ
CONTRATUR
                             O
   AS



             MECÂNICA
             ARTICULAR
             ALTERADA
ADERÊNCIA
    S
                             DEFESA
                            MUSCULAR

             DERRAME
            ARTICULAR
CONHECIMENTO BÁSICO

   O profissional precisa conhecer e ser capaz
    de examinar a anatomia, a artrocinemática
    e a patologia dos sistemas neurológico e
    musculoesquelético.
MOVIMENTOS “FISIOLÓGICOS” E ACESSÓRIOS

 Fisiológico: são aqueles que o paciente pode
  fazer voluntariamente (flexão, extensão,
  abdução, adução, rotações) –
  osteocinemática.
 Acessórios: são aqueles que ocorrem
  dentro da articulação, porém não podem ser
  feitos de forma independente pelo paciente.
  Artrocinemática.
MOVIMENTOS DE ARTROCINEMÁTICA

 Lei do côncavo e convexo
 Rolamento

 Deslizamento / translação

 Giro

 Compressão

 Tração / separação
REGRA CÔNCAVO-CONVEXO




           Rolamento - deslizamento
TIPOS DE MOVIMENTOS ARTICULARES DA
ARTROCINEMÁTICA
   Rolamento: um osso rola sobre o outro;
   Deslizamento: um osso desliza sobre o
    outro;
   Giro: um osso gira sobre o outro;
   Compressão: diminuição no espaço articular
    entre as partes ósseas;
   Separação/Tração: separação das
    superfícies articulares.
MANIPULAÇÃO VERTEBRAL
TRANSLAÇÃO
INDICAÇÕES PARA MOBILIZAÇÃO ARTICULAR

 Dor, mecanismo de defesa muscular e
  espasmo.
 Hipomobilidade articular reversível

 Falhas de posicionamento e subluxações

 Limitação articular progressiva

 Imobilidade funcional
CONTRA-INDICAÇÕES E PRECAUÇÕES
 Hipermobilidade
 Derrame articular
 Inflamação
 Tecidos malígnos
 Fratura não consolidada
 Artroplastias
 Tecido conjuntivo recém formado
 Pessoas idosas
Prof. Vagner Sá

EXERCÍCIO AERÓBICO
PREPARO FÍSICO
   Para obter um bom preparo físico, os
    indivíduos precisam participar regularmente
    de alguma forma de atividade física que
    utilize grandes grupos musculares e desafie
    o sistema cardiopulmonar.
QUAL O MEU NÍVEL DE PREPARO FÍSICO?

   Os níveis de preparo físico podem ser
    descritos em um contínuo de fraco a superior
    com base no gasto de energia durante uma
    empreitada de trabalho físico.
        Gasto energético




                                VO2




                           Trabalho Físico
   O consumo de oxigênio é influenciado pela
    idade, pelo sexo, pela hereditariedade, pela
    inatividade e por doenças.
CONDICIONAMENTO FÍSICO

   É o aumento da utilização de energia do
    músculo e do sistema cardiopulmonar por
    meio de exercícios, aumentando a
    resistência a fadiga, seja de forma
    localizada ou de forma sistêmica.
TREINAMENTO
                     INTENSIDADE




      DURAÇÃO                          FREQUÊNCIA




ADAPTAÇÃO CARDIOVASCULAR           RESISTÊNCIA À FADIGA
PRINCÍPIO DA ESPECIFICIDADE

   O treinamento depende do princípio da
    especificidade, ou seja, o indivíduo melhora
    na tarefa de exercício utilizada no
    treinamento e pode não melhorar em outras
    tarefas.
PRINCÍPIO DA SOBRECARGA

   Sobrecarga é um esforço imposto ao
    organismo,   maior   do   que   aquele
    regularmente encontrado durante a vida
    cotidiana.
ADAPTAÇÃO

   A adaptação resulta em aumento da eficiência
    do sistema cardiovascular e dos músculos
    ativos. Ela representa uma variedade de
    alterações neurológicas, físicas e bioquímicas
    nos       sistemas       cardiovascular      e
    musculoesquelético.

   O desempenho melhora porque é possível
    realizar, após o treinamento, a mesma
    quantidade de trabalho com um custo fisiológico
    mais baixo.
ADAPTAÇÃO

   A pessoa com um nível de preparo físico
    mais baixo terá maior potencial de melhora
    do que uma com alto nível.
PRINCÍPIO DA REVERSIBILIDADE

      Os efeitos benéficos do treinamento com
       exercícios são transitórios e reversíveis.

                                                             Andréa à esquerda
                                                             quando competia como
                                                             fisiculturista e à direita
                                                             com o corpo mais
                                                             fitness.




http://beleza.terra.com.br/mulher/interna/0,,OI4046885-EI7590,00-
Veja+a+transformacao+da+atleta+que+ganhou+musculos+e+depois+afinou+em+um+ano.html
DESCONDICIONAMENTO
SÍNDROME DO IMOBILISMO
 Com o repouso prolongado no leito ocorre o
  descondicionamento e seus efeitos são
  vistos com frequência no paciente que teve
  uma enfermidade aguda extensiva ou uma
  condição crônica de longa duração.
EFEITOS DA SÍNDROME

   Diminuição da massa muscular

   Diminuição da força

   Diminuição da função cardiovascular

   Diminuição volume sanguíneo total

   Diminuição volume plasmático

   Diminuição volume do coração (miocárdio)

   Diminuição tolerância ortostática

   Diminuição da tolerância ao exercício

   Diminuição da densidade mineral óssea
GASTO DE ENERGIA

   As atividades podem ser classificadas como
    leves, moderadas ou intensas. A energia
    gasta é computada a partir da quantidade de
    oxigênio consumido.

   As unidades usadas para quantificar o gasto
    de energia são quilocalorias e METs.
    “O indivíduo mediano engajado em tarefas
    cotidianas normais gasta de 1800 a 3000
    kcal por dia. Atletas envolvidos em
    treinamento intenso usam mais de 10.000
    kcal por dia.
TRABALHO LEVE

 Gasto energético de 1,6 a 3,9 METs.
 Caminhar a 1,6 km/h ou 1.0 mph.
TRABALHO INTENSO

 Requer de 6,0 a 7,0 METs.
 Correr a 8,0 km/h ou 5 mph.
EQUIPAMENTOS PARA EXERCÍCIOS AERÓBICOS
EQUIPAMENTOS PARA EXERCÍCIOS AERÓBICOS
PRECAUÇÕES PARA O PROGRAMA DE
EXERCÍCIOS AERÓBICOS

 Monitorar o pulso cardíaco FCmáx=(220-
  idade).
 A pressão sistólica não deve ultrapassar 220
  mmHg.
 A pressão diastólica não deve ultrapassar 120
  mmHg.
 A respiração não deve ser trabalhosa –
  dispnéia.
DEVO PARAR O EXERCÍCIO IMEDIATAMENTE SE:

 Aparecer angina progressiva.
 Diminuição significativa na pressão sistólica
  em resposta ao aumento na carga de
  trabalho.
 Atordoamento, confusão, palidez, cianose,
  náuseas ou insuficiência circulatória
  periférica.
 Aumento excessivo da pressão arterial.

 Desejo do indivíduo de parar.
O PROGRAMA DE EXERCÍCIOS
                 Período de Aquecimento
   Aumentar temperatura      Preparar o corpo, prevenir lesões



              Período de Exercício Aeróbico
  Treinamento contínuo        Treinamento intervalado



               Período de Desaquecimento
  Desacelerar os sistemas      Prevenir lesões ou isquemias
EXEMPLO DE UM CASO DE REABILITAÇÃO
CARDÍACA
   O Sr. Smith é diagnosticado como portador de
    coronariopatia de um vaso e encaminhado para a
    reabilitação cardíaca.
   O paciente usa nitroglicerina conforme a necessidade
    para aliviar a angina.
   O paciente irá frequentar a reabilitação cardíaca três
    vezes por semana durante 8 a 12 semanas.
   O paciente se exercitará com uma intensidade mais baixa
    do que seu limiar de angina.
   Essa intensidade será inicialmente estabelecida em 60 a
    65% de sua Fcmáx ou 50% de sua VO2máx.
   Ele se exercitará 3 X por semana por 20 a 40 minutos,
    dependendo da sua tolerância.
Prof. Vagner Sá

CONCEITOS BÁSICOS NO
TREINAMENTO DE FORÇA
TREINAMENTO DE FORÇA - CONCEITOS
        BÁSICOS-EXERCÍCIOS SERIADOS
•Ficha de prescrição – é o planejamento das atividades (ordem de
execução dos exercícios, séries, carga, número de repetições, etc)
•Técnica de execução – é a forma como deve ser realizado o
movimento. São observadas as posições do corpo do paciente em
relação ao aparelho/equipamento, a posição inicial e final do
movimento, no ângulo e velocidade estabelecida)
•Ordem de execução – é a seqüência em que o s exercícios foram
programados e que devem ser seguida rigorosamente.
•Exercício – é o movimento a ser realizado, deve ser mais conhecido
pelos termos técnicos do que pelos “apelidos”. P. ex. Flexão de
cotovelos = “rosca bíceps”
•Carga – é a resistência oferecida à contração muscular
•Série- Grupo de repetições desenvolvidas de forma contínua, sem
interrupções, chamado de “sets”.
TREINAMENTO DE FORÇA
Repetição- é um movimento completo do exercício (ação
concêntrica + ação excêntrica)
Velocidade- é a velocidade que o movimento deve ser realizada. P.
ex fase concêntrica 2 seg + fase excêntrica 2 seg, sem intervalos
entre as fases=0 seg.
Intervalo – é o tempo de repouso entre as séries(sets), entre os
exercícios ou ainda entre o nº de passadas do caso do treinamento
de força em circuito
Passadas – é o número de vezes que a seqüência do programa
deverá ser repetida
Sessão de treino – é a realização de todos os exercícios
programados( seqüência, carga, velocidade)
TREINAMENTO DE FORÇA
•Volume de Treinamento


•nº máximo de sessões por semana/mês/ano
•pode também ser estabelecida pela soma total
de peso levantado p. ex 3 séries de 10 rep 45kg
=           30x45= 1350kg
•Normalmente é verificado pelo número de
séries realizadas por sessão de treino (de 10 a
15 –iniciantes, 15 a 20 intermediários e
avançados até 25)
TREINAMENTO DE FORÇA

•Intensidade
  •Gera hipertrofia ou ganho de resistência
  muscular
  • é o indicativo do % de carga a ser utilizado
Treinamento de Força

Períodos de descanso
 n   Entre as séries de exercícios,
     determinados pelos objetivos p. ex
     aumentar a força muscular máxima,
     cargas pesadas e de 3 a 6 rep por série e
     intervalo de vários minutos ( + de 2).
 n   entre as sessões de treinos, pelo menos
     um dia.
 n   a dor muscular tardia pode ser um bom
     indicador de que o organismo ainda
     necessita de mais repouso.
TREINAMENTO DE FORÇA
Teste Muscular Manual
Grau 0 – Ausência de contração muscular , plegia.
Grau 1 – Contração visível ou palpável, ausência de
  movimento.
Grau 2 – Contração, movimento articular quando da
  ausência da força da gravidade.
Grau 3 – Contração, movimento articular, vence a gravidade,
  não vence força externa.
Grau 4 – Contração, movimento articular, vence a gravidade,
  vence pequena força externa.
Grau 5 – Força normal.
Prof. Vagner Sá

EXERCÍCIOS COM RESISTÊNCIAS
INTRODUÇÃO
   Os tipos de exercícios resistidos escolhidos
    para     um    programa     de   treinamento
    dependem de muitos fatores, como a causa
    e a extensão dos comprometimentos
    primários e secundários, déficits no
    desempenho        muscular,    estágio     de
    regeneração dos tecidos, a condição das
    articulações,       habilidades        gerais,
    disponibilidade    de     equipamentos      e
    obviamente os objetivos e propostas
    funcionais.
EXERCÍCIO COM RESISTÊNCIA MANUAL

   Técnica útil nos estágios iniciais, quando o
    músculo é fraco e pode vencer uma
    resistência mínima (grau 4) ou moderada.
EXERCÍCIO COM RESISTÊNCIA MECÂNICA

 Aplicada por equipamentos ou aparelhos
  mecânicos.
 Em geral é usada em regimes específicos de
  exercícios resistidos. Útil quando é
  necessário aplicar quantidades de
  resistência maiores.
EXERCÍCIOS ISOMÉTRICOS: ESTÁTICO

   É uma força estática de exercício na qual o
    músculo se contrai e produz força sem uma
    mudança apreciável no comprimento e sem
    movimento articular visível.
INFORMAÇÕES GERAIS DA ISOMETRIA

 Devolver resistência muscular localizada à
  fadiga.
 Utilizada também como co-contração.

 Estabilização dinâmica das articulações.

 Previnir ou minimizar atrofia muscular
  quando o movimento articular não é
  permitido.
 Quando se quer um controle neuromuscular
  eficiente.
REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL (R.P.G)




http://t0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRJCok5xIjTuPYgqOZeCNqnACsjEkO8fFtGBVR61eC_RhHGWD4&t=1&us
g=__aXot9vXzqxJ8bEA5-1eb4QflRqw=
INFORMAÇÕES GERAIS DA ISOMETRIA

 Usar uma carga de exercício de 60 a 80% da
  força máxima.
 Manter a contração isométrica por 6 a 10 s.

 Utilize contrações repetidas rápidas e lentas.

 Recomenda-se a contração isométrica em
  vários ângulos da articulação. As melhoras
  de força ocorrem somente no ângulo de
  treinamento.
EXERCÍCIO DINÂMICO: CONCÊNTRICO E
EXCÊNTRICO
   Uma contração muscular dinâmica causa
    movimento articular e excursão do segmento
    corporal à medida que o músculo se contrai
    e encurta (contração concêntrica) ou se
    alonga sob tensão (contração excêntrica).
EXERCÍCIO DINÂMICO COM RESISTÊNCIA
CONSTANTE
 Peso corporal
 Peso livre

 Sistema simples de polia com pesos
EXERCÍCIO DINÂMICO COM RESISTÊNCIA
VARIÁVEL
 A resistência é alterada ao longo da A.D.M.
 Podem ser equipamentos mecânicos ou
  resistências elásticas ou até mesmo
  resistência manual.




http://www.youtube.com/watch?v=MAowF4QJOXY&feature=related
EXERCÍCIO DINÂMICO COM VELOCIDADE
CONSTANTE : ISOCINÉTICO
   A velocidade de encurtamento ou alongamento do
    músculo e a velocidade angular do membro são
    predeterminadas e mantidas constantes por um
    dispositivo limitador da velocidade (dinamômetro
    isocinético).

                          Classificação   Velocidade Angular
                     Isométrico                    0°/s
                     Lento                       30-60°/s
                     Médio                      60-180°/s
                     Rápido                    180-360°/s
                                          Kisner, et al (2005).
PLATAFORMA VIBRATÓRIA




       http://www.youtube.com/watch?v=qAgBzkIXr
EXERCÍCIO COM CADEIAS CINÉTICAS:
ABERTA E FECHADA
 Este termos causam muita confusão e a
  literatura é ambígua ao tratar deste assunto.
 De forma geral, a cadeia aberta é definida
  quando o segmento distal está livre
  realizando o movimento com ou sem
  resistência.
 E a cadeia fechada significa que o segmento
  distal está fixo com ou sem resistência.
CADEIA ABERTA
CADEIA FECHADA
INCONSISTÊNCIAS NA LITERATURA
ABERTA OU FECHADA?
MECANOTERAPIA




    http://www.youtube.com/watch?v=cta4ukZHLbo
POLIAS




         http://www.youtube.com/watch?v=kMszCt2rKn0
HACK MACHINE




       http://www.youtube.com/watch?v=fmIesU8n9Cw
PROFITTER




 http://www.youtube.com/watch?v=-UrdlUbtQ2A&feature=related
MECANOTERAPIA MODERNA
DIAGONAIS DE KABAT MEMBROS SUPERIORES

 D1 flexão: FLEXÃO – ADUÇÃO – ROTAÇÃO
  LAT
 D1 extensão: EXTENSÃO – ABDUÇAO –
  ROTAÇÃO MEDIAL
 D2 flexão: FLEXÃO – ABDUÇÃO –
  ROTAÇÃO LAT
 D2 extensão: EXTENSÃO – ADUÇÃO –
  ROTAÇÃO MEDIAL
DIAGONAIS DE KABAT MEMBROS INFERIORES

 D1 flexão: FLEXÃO – ADUÇÃO – ROTAÇÃO
  LAT
 D1 extensão: EXTENSÃO – ABDUÇAO –
  ROTAÇÃO MEDIAL
 D2 flexão: FLEXÃO – ABDUÇÃO –
  ROTAÇÃO MEDIAL
 D2 extensão: EXTENSÃO – ADUÇÃO –
  ROTAÇÃO MEDIAL

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 anamese
Aula 1 anameseAula 1 anamese
Aula 1 anamese
Fernanda Francalin
 
Hidroterapia introdução - aula 1
Hidroterapia   introdução - aula 1Hidroterapia   introdução - aula 1
Hidroterapia introdução - aula 1
Cleanto Santos Vieira
 
Reabilitação aquática débora marques
Reabilitação aquática débora marquesReabilitação aquática débora marques
Reabilitação aquática débora marques
Debora_Marques
 
Aula Eletroterapia
Aula EletroterapiaAula Eletroterapia
Aula Eletroterapia
Jacqueline Bexiga
 
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivosNocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Op aula 01 - introdução ortese prótese
Op   aula 01 - introdução ortese próteseOp   aula 01 - introdução ortese prótese
Op aula 01 - introdução ortese prótese
eduardo alves medina
 
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em FisioterapiaTestes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Fisioterapeuta
 
Fisioterapia traumato ortopédica
Fisioterapia traumato ortopédica Fisioterapia traumato ortopédica
Fisioterapia traumato ortopédica
Brasil Telecom/OI
 
Noções do Método Bobath
Noções do Método Bobath Noções do Método Bobath
Manual Tens-Fes Clínico HTM
Manual Tens-Fes Clínico HTMManual Tens-Fes Clínico HTM
Manual Tens-Fes Clínico HTM
AmericanFisio
 
Eletroterapia Resumo
Eletroterapia ResumoEletroterapia Resumo
Eletroterapia Resumo
Danillo Aguiar
 
Fisioterapia Em Traumatofuncional
Fisioterapia Em TraumatofuncionalFisioterapia Em Traumatofuncional
Fisioterapia Em Traumatofuncional
Secretaria Municipal da Cidade do Rio de Janeiro
 
Alongamento muscular
Alongamento  muscularAlongamento  muscular
Alongamento muscular
lcinfo
 
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
FUAD HAZIME
 
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e AnamnesePropedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Nadjane Barros Costa
 
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
Cleanto Santos Vieira
 
Manuseios
ManuseiosManuseios
Ultra som
Ultra somUltra som
Ultra som
Nay Ribeiro
 
364411401 livro-cinesioterapia
364411401 livro-cinesioterapia364411401 livro-cinesioterapia
364411401 livro-cinesioterapia
Andrea Rebelo dos Santos
 
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e MicroondasDiatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
FUAD HAZIME
 

Mais procurados (20)

Aula 1 anamese
Aula 1 anameseAula 1 anamese
Aula 1 anamese
 
Hidroterapia introdução - aula 1
Hidroterapia   introdução - aula 1Hidroterapia   introdução - aula 1
Hidroterapia introdução - aula 1
 
Reabilitação aquática débora marques
Reabilitação aquática débora marquesReabilitação aquática débora marques
Reabilitação aquática débora marques
 
Aula Eletroterapia
Aula EletroterapiaAula Eletroterapia
Aula Eletroterapia
 
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivosNocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
 
Op aula 01 - introdução ortese prótese
Op   aula 01 - introdução ortese próteseOp   aula 01 - introdução ortese prótese
Op aula 01 - introdução ortese prótese
 
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em FisioterapiaTestes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
 
Fisioterapia traumato ortopédica
Fisioterapia traumato ortopédica Fisioterapia traumato ortopédica
Fisioterapia traumato ortopédica
 
Noções do Método Bobath
Noções do Método Bobath Noções do Método Bobath
Noções do Método Bobath
 
Manual Tens-Fes Clínico HTM
Manual Tens-Fes Clínico HTMManual Tens-Fes Clínico HTM
Manual Tens-Fes Clínico HTM
 
Eletroterapia Resumo
Eletroterapia ResumoEletroterapia Resumo
Eletroterapia Resumo
 
Fisioterapia Em Traumatofuncional
Fisioterapia Em TraumatofuncionalFisioterapia Em Traumatofuncional
Fisioterapia Em Traumatofuncional
 
Alongamento muscular
Alongamento  muscularAlongamento  muscular
Alongamento muscular
 
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
 
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e AnamnesePropedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
 
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
 
Manuseios
ManuseiosManuseios
Manuseios
 
Ultra som
Ultra somUltra som
Ultra som
 
364411401 livro-cinesioterapia
364411401 livro-cinesioterapia364411401 livro-cinesioterapia
364411401 livro-cinesioterapia
 
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e MicroondasDiatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
 

Mais de Secretaria Municipal da Cidade do Rio de Janeiro

Microcorrente
MicrocorrenteMicrocorrente
Eletroanalgesia - TENS
Eletroanalgesia - TENSEletroanalgesia - TENS
Diatermia por ondas-curtas e microondas
Diatermia por ondas-curtas e microondasDiatermia por ondas-curtas e microondas
Diatermia por ondas-curtas e microondas
Secretaria Municipal da Cidade do Rio de Janeiro
 
Bases da Eletroterapia
Bases da EletroterapiaBases da Eletroterapia
Slides disfuncoes musculoesqueleticas
Slides disfuncoes musculoesqueleticasSlides disfuncoes musculoesqueleticas
Slides disfuncoes musculoesqueleticas
Secretaria Municipal da Cidade do Rio de Janeiro
 
Variação da temperatura superficial da pele utilizando tres recursos da criot...
Variação da temperatura superficial da pele utilizando tres recursos da criot...Variação da temperatura superficial da pele utilizando tres recursos da criot...
Variação da temperatura superficial da pele utilizando tres recursos da criot...
Secretaria Municipal da Cidade do Rio de Janeiro
 
Avaliação da temperatura superfi cial da pele na aplicação da radiação infrav...
Avaliação da temperatura superfi cial da pele na aplicação da radiação infrav...Avaliação da temperatura superfi cial da pele na aplicação da radiação infrav...
Avaliação da temperatura superfi cial da pele na aplicação da radiação infrav...
Secretaria Municipal da Cidade do Rio de Janeiro
 
Influência de um programa de treinamento físico específico no equilíbrio e co...
Influência de um programa de treinamento físico específico no equilíbrio e co...Influência de um programa de treinamento físico específico no equilíbrio e co...
Influência de um programa de treinamento físico específico no equilíbrio e co...
Secretaria Municipal da Cidade do Rio de Janeiro
 
Fototerapia
FototerapiaFototerapia
Tornozelo pe2
Tornozelo pe2Tornozelo pe2
Biomecanica da marcha
Biomecanica da marchaBiomecanica da marcha
Pelve, quadril e joelho
Pelve, quadril e joelhoPelve, quadril e joelho
Cintura Escapular
Cintura EscapularCintura Escapular
Ombro, Cotovelo, Punho e Mão
Ombro, Cotovelo, Punho e MãoOmbro, Cotovelo, Punho e Mão
Aula Coluna Cinesiologia
Aula Coluna CinesiologiaAula Coluna Cinesiologia
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologiaAula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
Secretaria Municipal da Cidade do Rio de Janeiro
 
Fisiologia Renal Prof Vagner Sá Ucb
Fisiologia Renal   Prof  Vagner Sá UcbFisiologia Renal   Prof  Vagner Sá Ucb
Fisiologia Renal Prof Vagner Sá Ucb
Secretaria Municipal da Cidade do Rio de Janeiro
 
A Fisiologia Do Sistema RespiratóRio
A Fisiologia Do Sistema RespiratóRioA Fisiologia Do Sistema RespiratóRio
A Fisiologia Do Sistema RespiratóRio
Secretaria Municipal da Cidade do Rio de Janeiro
 
Fisiologia Cardiovascular Prof Vagner Sá
Fisiologia Cardiovascular   Prof  Vagner SáFisiologia Cardiovascular   Prof  Vagner Sá
Fisiologia Cardiovascular Prof Vagner Sá
Secretaria Municipal da Cidade do Rio de Janeiro
 
Ultra Som
Ultra SomUltra Som

Mais de Secretaria Municipal da Cidade do Rio de Janeiro (20)

Microcorrente
MicrocorrenteMicrocorrente
Microcorrente
 
Eletroanalgesia - TENS
Eletroanalgesia - TENSEletroanalgesia - TENS
Eletroanalgesia - TENS
 
Diatermia por ondas-curtas e microondas
Diatermia por ondas-curtas e microondasDiatermia por ondas-curtas e microondas
Diatermia por ondas-curtas e microondas
 
Bases da Eletroterapia
Bases da EletroterapiaBases da Eletroterapia
Bases da Eletroterapia
 
Slides disfuncoes musculoesqueleticas
Slides disfuncoes musculoesqueleticasSlides disfuncoes musculoesqueleticas
Slides disfuncoes musculoesqueleticas
 
Variação da temperatura superficial da pele utilizando tres recursos da criot...
Variação da temperatura superficial da pele utilizando tres recursos da criot...Variação da temperatura superficial da pele utilizando tres recursos da criot...
Variação da temperatura superficial da pele utilizando tres recursos da criot...
 
Avaliação da temperatura superfi cial da pele na aplicação da radiação infrav...
Avaliação da temperatura superfi cial da pele na aplicação da radiação infrav...Avaliação da temperatura superfi cial da pele na aplicação da radiação infrav...
Avaliação da temperatura superfi cial da pele na aplicação da radiação infrav...
 
Influência de um programa de treinamento físico específico no equilíbrio e co...
Influência de um programa de treinamento físico específico no equilíbrio e co...Influência de um programa de treinamento físico específico no equilíbrio e co...
Influência de um programa de treinamento físico específico no equilíbrio e co...
 
Fototerapia
FototerapiaFototerapia
Fototerapia
 
Tornozelo pe2
Tornozelo pe2Tornozelo pe2
Tornozelo pe2
 
Biomecanica da marcha
Biomecanica da marchaBiomecanica da marcha
Biomecanica da marcha
 
Pelve, quadril e joelho
Pelve, quadril e joelhoPelve, quadril e joelho
Pelve, quadril e joelho
 
Cintura Escapular
Cintura EscapularCintura Escapular
Cintura Escapular
 
Ombro, Cotovelo, Punho e Mão
Ombro, Cotovelo, Punho e MãoOmbro, Cotovelo, Punho e Mão
Ombro, Cotovelo, Punho e Mão
 
Aula Coluna Cinesiologia
Aula Coluna CinesiologiaAula Coluna Cinesiologia
Aula Coluna Cinesiologia
 
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologiaAula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
 
Fisiologia Renal Prof Vagner Sá Ucb
Fisiologia Renal   Prof  Vagner Sá UcbFisiologia Renal   Prof  Vagner Sá Ucb
Fisiologia Renal Prof Vagner Sá Ucb
 
A Fisiologia Do Sistema RespiratóRio
A Fisiologia Do Sistema RespiratóRioA Fisiologia Do Sistema RespiratóRio
A Fisiologia Do Sistema RespiratóRio
 
Fisiologia Cardiovascular Prof Vagner Sá
Fisiologia Cardiovascular   Prof  Vagner SáFisiologia Cardiovascular   Prof  Vagner Sá
Fisiologia Cardiovascular Prof Vagner Sá
 
Ultra Som
Ultra SomUltra Som
Ultra Som
 

Último

Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
rickriordan
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
DelcioVumbuca
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
AmaroAlmeidaChimbala
 

Último (6)

Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
 

Cinesioterapia

  • 2. DEFINIÇÕES  Exercício terapêutico, conceito também expressado pelo termo cinesioterapia, é o treinamento planejado e sistemático de movimentos corporais, posturas ou atividades físicas, com finalidades preventivas e curativas.
  • 3. ASPECTOS DA FUNÇÃO FÍSICA Desempenh o muscular Equilíbrio / controle Resistência postural cardiopulmonar FUNÇÃO estabilidad Mobilidade e flexibilidade Controle neuromuscula r/ coordenação
  • 4. TIPOS DE INTERVENÇÕES COM EXERCÍCIO TERAPÊUTICO
  • 6. DESEMPENHO MUSCULAR http://t2.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRTtb640jPEOT http://t2.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQFz- f1IklJ3yJbYrJdSjGyOMH9RFa2ikPWojsXo6U&t=1&usg=__ g5OgiAgCH8EBhwMSfoz5i9BIFG_psLPyAatSgJQeC7LK4&t=1& UtDwJyA6kJDCfEmL3zNQp8Z8elU= usg=__m8WckXqKK226jLN5YRcTR8cHRA8=
  • 7. ALONGAMENTO E MOBILIZAÇÃO ARTICULAR http://t2.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRhhrKlgPUgAgo http://logon.prozis.pt/images/alongamento.jpg Spp20ka2Enb-9vwZYhTGdsA-W- XEMWged_Ew&t=1&usg=__ASBtvNUcvmYvz3Y6Rt0I2qEw 7Es=
  • 8. CONTROLE NEUROMUSCULAR http://180graus.brasilportais.com.br/viver-mais/o-metodo-bobath- http://corpo-em- leva-qualidade-de-vida-a-criancas-especiais-184082.html movimento.blogspot.com/2009/03/fisioterpai-e-acidente- vascular.html
  • 9. CONTROLE POSTURAL E ESTABILIZAÇÃO SEGMENTAR http://t2.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcSZa86nqhIJkfx7asJh http://4.bp.blogspot.com/_ut8r1RPc- vrsWI_IfGabESlYLNJc88fMnmJeS1UY&t=1&usg=__KImULROs JE/S4MdnAGW01I/AAAAAAAABzs/NeG0gwsPKvM/s320/rpg+- mKtqZNbOFeJrMNqTang= souchard.jpg
  • 10. EQUILÍBRIO E AGILIDADE http://t0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQrWHrIbf3TMfPi_yU http://t1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcSCy-u2h6- kAVpCtxh0EPFHIv5WGxt0JPG8JRWHw7M&t=1&h=204&w=136 3SCn02vcsh7dFJRC_y2g39K- &usg=__S1bA5IIMrAtuCh4-rUy42yKaWCM= 1_xLOK0YbpLw3tR4&t=1&usg=__qOc__EnIuLbiBb-
  • 11. EXERCÍCIO DE RELAXAMENTO http://t1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcTBFiCv7rRkLIALvvY- ePEeCYUkS6MqPnB9Yxcyu06FZ8qqOEI&t=1&usg=__Gw9FPN http://www.dietaebeleza.com/wp- xCnoESodjEFJWi6mxFGmg= content/uploads/2099/08/relaxamento-overball-150x107.jpg
  • 12. EXERCÍCIOS RESPIRATÓRIOS http://t3.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRd9FlVJUj8kOtBW4 NQoPzg3ifwXiYhATbq70ywCa7yvHh8AZs&t=1&usg=___iHIBJs Ez8GJcRCIjqRAXkb3L8Y=
  • 13. TREINAMENTO FUNCIONAL http://t0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcS3JbZDS8_N3bDEd http://t2.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQMkIDGQwzYAW7u siPchtGfP5k8yBVHxBhelZ7KbpcPvnRwww&t=1&usg=__v44cDe cSmIx8lOYTlWP2CMRJ1uhQaQOxDvcv9hvC4&t=1&usg=__0w_ r7DYW65TvJ9bPNsA5Cajk= Eo0AG-ILJ36caXSqIVzhaARo=
  • 15. ALCANÇAR E SEGURAR OBJETOS http://t1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcTWxO3DCECD66LW afk1- http://t3.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQn62X_OC2vI3VZ81 ix4VGeU7oPf0BjwmGMFf8sQmZDKhyc&t=1&usg=__IYTVYz6P gTueFBy59vB6FM3akvQIQ6XTkWUwQEb3c&t=1&usg=__31fu1 yKd9PgixuPg3kgPZgy0= bQl7u1mDeHTYrmgLK4LmYw=
  • 16. LEVANTAR E CARREGAR OBJETOS http://t0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQIuQIgbiySohSZ_2zH2_NJCKQwsg_7bqSWQgsVbD6KeGskqoo&t=1&usg=__ hf5LI7hpeVyKw-6RmLgls68YXfs=
  • 18. CURVAR-SE E INCLINAR-SE http://t0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRmCOQUz06F4Qge1gC- Sr5un6w1jKyvCU3syqgjjm9QVZICGKM&t=1&usg=__ljIvPm5BRYwWFq3YtwhDbSbRJto=
  • 19. RODAR E GIRAR http://www.jogosabertos.pr.gov.br/arquivos/Image/Japs_09_Final http://pilates.guiafitness.com/wp-content/rodar-por-encima- _FB/arremesso_peso_colombo.jpg 300x241.jpg
  • 20. ARREMESSAR E PEGAR http://colunistas.ig.com.br/fabiosormani/files/2010/05/kobe_Ap.jp http://g1.globo.com/Noticias/PlanetaBizarro/foto/0,,19702553- g FMM,00.jpg
  • 21. ROLAR http://4.bp.blogspot.com/_3Lvxu8anRxc/SE_iV9fjFTI/AAAAAAAA Am8/BYgLUaqbfvw/s320/rodanotatame02.JPG
  • 22. FICAR EM PÉ http://t2.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcTRWaCf4py6q7OHd http://4.bp.blogspot.com/_WutMGqbUI4c/S84h1I6z1GI/AAAAAA QM776cjcmqNUuI9L4z45dNIMXwDg76_4VA&t=1&usg=__OhKg AAADQ/wGqpFuj3z1A/s1600/20042010(002).jpg EnMqiyIxbQGusWizKP70y94=
  • 23. AGACHAR-SE E AJOELHAR-SE http://t1.gstatic.com/images?q=tbn:ClBhEgzwZi0AjM:s
  • 25. ANDAR E CORRER http://t0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQexErpJ_sjjl5zmRm _GieEFUMRmHlnHeDLWtCF9BpgWLDOV9I&t=1&usg=__upIOB http://ego.globo.com/Gente/foto/0,,15823118-EXH,00.jpg mkRM9UlN0_khc-ZiILt4mo=
  • 26. SUBIR E DESCER ESCADAS
  • 29. Prof. Vagner Sá - CINESIOTERAPIA AMPLITUDE DE MOVIMENTO (A.D.M)
  • 30. MÚSCULOS SUPERFÍCIE S NERVOS ARTICULAR ES A.D.M VASOS CÁPSULAS FÁSCIAS LIGAMENTO S
  • 31. MEDIDA DA A.D.M - GONIOMETRIA
  • 32. INSUFICIÊNCIA ATIVA E PASSIVA  Ativa: Quando um músculo encurta em sua amplitude máxima, ou seja, esse é o extremo ativo de sua amplitude.  Passiva: quando um músculo é alongado em sua amplitude máxima, ou seja, esse é o extremo passivo de sua amplitude.
  • 33. A.D.M PASSIVA  Movimento dentro da A.D.M livre.  Produzido inteiramente por força externa.  Ocorre pouca ou nenhuma contração.  Pode ocorrer o movimento auto-passivo.
  • 34. A.D.M ATIVA  Movimento dentro da A.D.M livre.  Movimento produzido pela contração ativa dos músculos que cruzam a articulação.  Divididos em ativo-assistido, ativo livre e ativo resistido.
  • 35. INDICAÇÕES DA A.D.M PASSIVA  Tecidos com inflamação aguda.  Quando o paciente não é capaz ou não está autorizado a movimentar ativamente.  Paciente comatoso.  Paciente paralisado.  Manter a mobilidade articular e tecidos adjacentes.  Auxiliar a circulação e dinâmica vascular.  Ajuda a manter a percepção dos movimentos.
  • 36. MOVIMENTO PASSIVO CONTÍNUO (COM) http://t1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcR3GuoyTa9Aal8eXf6 R_ZgFjnBaUiEOBES9qjXzgbDlmlcDXUw&t=1&usg=__wGWtBjA http://t1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcT6P7KhGGpkcOyjP9 9Wj92knfsJkuIpVr4Jl0= RuE3ZcrC0dd_gPi1K6izBWZfGA3qvxwMs&t=1&usg=__sK81aId 4rJ-QxxflQgv9gLNBMPQ=
  • 37. INDICAÇÕES E METAS DA A.D.M ATIVA  Perda de elasticidade fisiológica e contratilidade dos músculos participantes.  Fornecer feedback sensorial provenientes dos músculos em contração.  Fornecer estímulos a integridade dos ossos e dos tecidos articulares.  Favorecer a circulação e prevenir a formação de trombos.  Desenvolver a coordenação e as habilidades motoras para atividades funcionais.
  • 38. PRECAUÇÕES E CONTRA-INDICAÇÕES PARA OS EXERCÍCIOS DE A.D.M  Quando interferirem de modo negativo no processo de cicatrização.  Cuidado com movimentos excessivos, de velocidade inadequada ou errados que podem aumentar a dor e inflamação.
  • 39. A.D.M NOS PADRÕES FUNCIONAIS  Determine qual padrão de movimento é desejado e então mova o membro naquele padrão usando assistência manual, mecânica ou auto-assistida. Este padrões podem ser benéficos para iniciar o ensino de AVD e atividades instrumentais da vida diária.
  • 40. Prof. Vagner Sá - CINESIOTERAPIA ALONGAMENTO
  • 41. MOBILIDADE A.D.M MOBILIDADE FUNCIONAL FUNCIONAL FLEXIBILIDA DE
  • 42. DICA CLÍNICA  A A.D.M necessária para o desempenho de atividades funcionais não significa necessariamente uma A.D.M completa ou “normal”. http://www.concursoefisioterapia.com/2010/05/goniometria-do-quadril.html
  • 43. FLEXIBILIDADE  Capacidade de mover uma ou mais articulações de modo suave e com facilidade ao longo de uma A.D.M sem restrições e indolor.  É determinada pelo comprimento do músculo junto à integridade articular e a extensibilidade dos tecidos moles periarticulares.
  • 44. HIPOMOBILIDADE  Mobilidade restrita causada pelo encurtamento adaptativo dos tecidos moles podendo ocorrer como resultado de vários distúrbios ou situações.
  • 46. CONTRATURA E ENCURTAMENTO  Contratura é definida como o encurtamento adaptativo da unidade musculotendínea e outros tecidos moles que cruzam ou cercam uma articulação e resulta em resistência significativa ao alongamento podendo comprometer as habilidades funcionais. Pode ser irreversível.  Encurtamento é a perda parcial da mobilidade ou flexibilidade. Pode ser reversível.
  • 47. INDICAÇÕES PARA O USO DO ALONGAMENTO  A A.D.M está limitada por perda da extensibilidade dos tecidos moles periarticulares, aderências, encurtamentos ou contraturas.  Antes e/ou após exercícios vigorosos.  Prevenção de lesões musculoesqueléticas.
  • 48. CONTRA-INDICAÇÕES PARA O ALONGAMENTO  Bloqueio ósseo.  Fratura recente em consolidação.  Processo inflamatório agudo ou infeccioso.  Cicatrização aguda do tecido mole.  Dor aguda com o movimento de alongamento.  Hipermobilidade.
  • 49. TÉCNICAS DE ALONGAMENTO  Alongamento passivo (estático, intermitente ou cíclico, balístico)  Alongamento assistido  Auto-alongamento  Alongamento com Facilitação Neuromuscular Proprioceptiva (FNP)  Energia muscular (muscle energy)  Mobilização/manipulação articular  Mobilização com movimento (Mulligan)  Mobilização e manipulação de tecidos moles (massagem transversa, liberação miofascial, pontos gatilhos)  Mobilização neural
  • 50. CURVA SOBRECARGA-DISTENSÃO Kisner C. exercícios terapêuticos. 5ed. (2009)
  • 53. INTENSIDADE DO ALONGAMENTO (FORÇA)  Baixa intensidade por meio de uma carga leve.  Mais eficiente baixa intensidade associado a longa duração.
  • 54. DURAÇÃO DO ALONGAMENTO  Tempo de aplicação de um ciclo de alongamento.  Quanto mais curta a duração, maior o número de repetições.  Cipriani (2003) 2 X 30” = 6 X 10”  Roberts (1999) 3 X 15” ≠ 9X 5”  Ideal entre 15 e 60”(30”) para intermitentes.  Ideal 5 a 15 min para estático ou mantido.
  • 55. VELOCIDADE DO ALONGAMENTO  Para garantir relaxamento o alongamento deve ser feito lentamente.  No caso do balístico, um alongamento rápido e forçado com alta velocidade no final da A.D.M é comumente utilizado em praticantes de esportes que necessitam de aumento e manutenção da flexibilidade máxima.  Cuidado com o balístico pois causa maior trauma aos tecidos.
  • 56.
  • 57.
  • 58.
  • 59. POSICIONAMENTOS PARA ALONGAR O ILIOPSOAS Pinheiro IM, et al. Efeitos imediatos do alongamento em diferentes posicionamentos. Fisioter. Mov., Curitiba, v. 23, n. 4, p. 593-603, out./dez. 2010.
  • 61. Prof. Vagner Sá - CINESIOTERAPIA MOBILIZAÇÃO DAS ARTICULAÇÕES PERIFÉRICAS
  • 62. DOR SUBLUXAÇÃ CONTRATUR O AS MECÂNICA ARTICULAR ALTERADA ADERÊNCIA S DEFESA MUSCULAR DERRAME ARTICULAR
  • 63. CONHECIMENTO BÁSICO  O profissional precisa conhecer e ser capaz de examinar a anatomia, a artrocinemática e a patologia dos sistemas neurológico e musculoesquelético.
  • 64. MOVIMENTOS “FISIOLÓGICOS” E ACESSÓRIOS  Fisiológico: são aqueles que o paciente pode fazer voluntariamente (flexão, extensão, abdução, adução, rotações) – osteocinemática.  Acessórios: são aqueles que ocorrem dentro da articulação, porém não podem ser feitos de forma independente pelo paciente. Artrocinemática.
  • 65. MOVIMENTOS DE ARTROCINEMÁTICA  Lei do côncavo e convexo  Rolamento  Deslizamento / translação  Giro  Compressão  Tração / separação
  • 66. REGRA CÔNCAVO-CONVEXO Rolamento - deslizamento
  • 67. TIPOS DE MOVIMENTOS ARTICULARES DA ARTROCINEMÁTICA  Rolamento: um osso rola sobre o outro;
  • 68. Deslizamento: um osso desliza sobre o outro;
  • 69. Giro: um osso gira sobre o outro;
  • 70. Compressão: diminuição no espaço articular entre as partes ósseas;
  • 71. Separação/Tração: separação das superfícies articulares.
  • 74. INDICAÇÕES PARA MOBILIZAÇÃO ARTICULAR  Dor, mecanismo de defesa muscular e espasmo.  Hipomobilidade articular reversível  Falhas de posicionamento e subluxações  Limitação articular progressiva  Imobilidade funcional
  • 75. CONTRA-INDICAÇÕES E PRECAUÇÕES  Hipermobilidade  Derrame articular  Inflamação  Tecidos malígnos  Fratura não consolidada  Artroplastias  Tecido conjuntivo recém formado  Pessoas idosas
  • 78. Para obter um bom preparo físico, os indivíduos precisam participar regularmente de alguma forma de atividade física que utilize grandes grupos musculares e desafie o sistema cardiopulmonar.
  • 79. QUAL O MEU NÍVEL DE PREPARO FÍSICO?  Os níveis de preparo físico podem ser descritos em um contínuo de fraco a superior com base no gasto de energia durante uma empreitada de trabalho físico. Gasto energético VO2 Trabalho Físico
  • 80. O consumo de oxigênio é influenciado pela idade, pelo sexo, pela hereditariedade, pela inatividade e por doenças.
  • 81. CONDICIONAMENTO FÍSICO  É o aumento da utilização de energia do músculo e do sistema cardiopulmonar por meio de exercícios, aumentando a resistência a fadiga, seja de forma localizada ou de forma sistêmica.
  • 82. TREINAMENTO INTENSIDADE DURAÇÃO FREQUÊNCIA ADAPTAÇÃO CARDIOVASCULAR RESISTÊNCIA À FADIGA
  • 83. PRINCÍPIO DA ESPECIFICIDADE  O treinamento depende do princípio da especificidade, ou seja, o indivíduo melhora na tarefa de exercício utilizada no treinamento e pode não melhorar em outras tarefas.
  • 84. PRINCÍPIO DA SOBRECARGA  Sobrecarga é um esforço imposto ao organismo, maior do que aquele regularmente encontrado durante a vida cotidiana.
  • 85. ADAPTAÇÃO  A adaptação resulta em aumento da eficiência do sistema cardiovascular e dos músculos ativos. Ela representa uma variedade de alterações neurológicas, físicas e bioquímicas nos sistemas cardiovascular e musculoesquelético.  O desempenho melhora porque é possível realizar, após o treinamento, a mesma quantidade de trabalho com um custo fisiológico mais baixo.
  • 86. ADAPTAÇÃO  A pessoa com um nível de preparo físico mais baixo terá maior potencial de melhora do que uma com alto nível.
  • 87. PRINCÍPIO DA REVERSIBILIDADE  Os efeitos benéficos do treinamento com exercícios são transitórios e reversíveis. Andréa à esquerda quando competia como fisiculturista e à direita com o corpo mais fitness. http://beleza.terra.com.br/mulher/interna/0,,OI4046885-EI7590,00- Veja+a+transformacao+da+atleta+que+ganhou+musculos+e+depois+afinou+em+um+ano.html
  • 88. DESCONDICIONAMENTO SÍNDROME DO IMOBILISMO  Com o repouso prolongado no leito ocorre o descondicionamento e seus efeitos são vistos com frequência no paciente que teve uma enfermidade aguda extensiva ou uma condição crônica de longa duração.
  • 89. EFEITOS DA SÍNDROME  Diminuição da massa muscular  Diminuição da força  Diminuição da função cardiovascular  Diminuição volume sanguíneo total  Diminuição volume plasmático  Diminuição volume do coração (miocárdio)  Diminuição tolerância ortostática  Diminuição da tolerância ao exercício  Diminuição da densidade mineral óssea
  • 90. GASTO DE ENERGIA  As atividades podem ser classificadas como leves, moderadas ou intensas. A energia gasta é computada a partir da quantidade de oxigênio consumido.  As unidades usadas para quantificar o gasto de energia são quilocalorias e METs.
  • 91. “O indivíduo mediano engajado em tarefas cotidianas normais gasta de 1800 a 3000 kcal por dia. Atletas envolvidos em treinamento intenso usam mais de 10.000 kcal por dia.
  • 92. TRABALHO LEVE  Gasto energético de 1,6 a 3,9 METs.  Caminhar a 1,6 km/h ou 1.0 mph.
  • 93. TRABALHO INTENSO  Requer de 6,0 a 7,0 METs.  Correr a 8,0 km/h ou 5 mph.
  • 96. PRECAUÇÕES PARA O PROGRAMA DE EXERCÍCIOS AERÓBICOS  Monitorar o pulso cardíaco FCmáx=(220- idade).  A pressão sistólica não deve ultrapassar 220 mmHg.  A pressão diastólica não deve ultrapassar 120 mmHg.  A respiração não deve ser trabalhosa – dispnéia.
  • 97. DEVO PARAR O EXERCÍCIO IMEDIATAMENTE SE:  Aparecer angina progressiva.  Diminuição significativa na pressão sistólica em resposta ao aumento na carga de trabalho.  Atordoamento, confusão, palidez, cianose, náuseas ou insuficiência circulatória periférica.  Aumento excessivo da pressão arterial.  Desejo do indivíduo de parar.
  • 98. O PROGRAMA DE EXERCÍCIOS Período de Aquecimento Aumentar temperatura Preparar o corpo, prevenir lesões Período de Exercício Aeróbico Treinamento contínuo Treinamento intervalado Período de Desaquecimento Desacelerar os sistemas Prevenir lesões ou isquemias
  • 99. EXEMPLO DE UM CASO DE REABILITAÇÃO CARDÍACA  O Sr. Smith é diagnosticado como portador de coronariopatia de um vaso e encaminhado para a reabilitação cardíaca.  O paciente usa nitroglicerina conforme a necessidade para aliviar a angina.  O paciente irá frequentar a reabilitação cardíaca três vezes por semana durante 8 a 12 semanas.  O paciente se exercitará com uma intensidade mais baixa do que seu limiar de angina.  Essa intensidade será inicialmente estabelecida em 60 a 65% de sua Fcmáx ou 50% de sua VO2máx.  Ele se exercitará 3 X por semana por 20 a 40 minutos, dependendo da sua tolerância.
  • 100. Prof. Vagner Sá CONCEITOS BÁSICOS NO TREINAMENTO DE FORÇA
  • 101. TREINAMENTO DE FORÇA - CONCEITOS BÁSICOS-EXERCÍCIOS SERIADOS •Ficha de prescrição – é o planejamento das atividades (ordem de execução dos exercícios, séries, carga, número de repetições, etc) •Técnica de execução – é a forma como deve ser realizado o movimento. São observadas as posições do corpo do paciente em relação ao aparelho/equipamento, a posição inicial e final do movimento, no ângulo e velocidade estabelecida) •Ordem de execução – é a seqüência em que o s exercícios foram programados e que devem ser seguida rigorosamente. •Exercício – é o movimento a ser realizado, deve ser mais conhecido pelos termos técnicos do que pelos “apelidos”. P. ex. Flexão de cotovelos = “rosca bíceps” •Carga – é a resistência oferecida à contração muscular •Série- Grupo de repetições desenvolvidas de forma contínua, sem interrupções, chamado de “sets”.
  • 102. TREINAMENTO DE FORÇA Repetição- é um movimento completo do exercício (ação concêntrica + ação excêntrica) Velocidade- é a velocidade que o movimento deve ser realizada. P. ex fase concêntrica 2 seg + fase excêntrica 2 seg, sem intervalos entre as fases=0 seg. Intervalo – é o tempo de repouso entre as séries(sets), entre os exercícios ou ainda entre o nº de passadas do caso do treinamento de força em circuito Passadas – é o número de vezes que a seqüência do programa deverá ser repetida Sessão de treino – é a realização de todos os exercícios programados( seqüência, carga, velocidade)
  • 103. TREINAMENTO DE FORÇA •Volume de Treinamento •nº máximo de sessões por semana/mês/ano •pode também ser estabelecida pela soma total de peso levantado p. ex 3 séries de 10 rep 45kg = 30x45= 1350kg •Normalmente é verificado pelo número de séries realizadas por sessão de treino (de 10 a 15 –iniciantes, 15 a 20 intermediários e avançados até 25)
  • 104. TREINAMENTO DE FORÇA •Intensidade •Gera hipertrofia ou ganho de resistência muscular • é o indicativo do % de carga a ser utilizado
  • 105. Treinamento de Força Períodos de descanso n Entre as séries de exercícios, determinados pelos objetivos p. ex aumentar a força muscular máxima, cargas pesadas e de 3 a 6 rep por série e intervalo de vários minutos ( + de 2). n entre as sessões de treinos, pelo menos um dia. n a dor muscular tardia pode ser um bom indicador de que o organismo ainda necessita de mais repouso.
  • 106. TREINAMENTO DE FORÇA Teste Muscular Manual Grau 0 – Ausência de contração muscular , plegia. Grau 1 – Contração visível ou palpável, ausência de movimento. Grau 2 – Contração, movimento articular quando da ausência da força da gravidade. Grau 3 – Contração, movimento articular, vence a gravidade, não vence força externa. Grau 4 – Contração, movimento articular, vence a gravidade, vence pequena força externa. Grau 5 – Força normal.
  • 107. Prof. Vagner Sá EXERCÍCIOS COM RESISTÊNCIAS
  • 108. INTRODUÇÃO  Os tipos de exercícios resistidos escolhidos para um programa de treinamento dependem de muitos fatores, como a causa e a extensão dos comprometimentos primários e secundários, déficits no desempenho muscular, estágio de regeneração dos tecidos, a condição das articulações, habilidades gerais, disponibilidade de equipamentos e obviamente os objetivos e propostas funcionais.
  • 109. EXERCÍCIO COM RESISTÊNCIA MANUAL  Técnica útil nos estágios iniciais, quando o músculo é fraco e pode vencer uma resistência mínima (grau 4) ou moderada.
  • 110. EXERCÍCIO COM RESISTÊNCIA MECÂNICA  Aplicada por equipamentos ou aparelhos mecânicos.  Em geral é usada em regimes específicos de exercícios resistidos. Útil quando é necessário aplicar quantidades de resistência maiores.
  • 111. EXERCÍCIOS ISOMÉTRICOS: ESTÁTICO  É uma força estática de exercício na qual o músculo se contrai e produz força sem uma mudança apreciável no comprimento e sem movimento articular visível.
  • 112. INFORMAÇÕES GERAIS DA ISOMETRIA  Devolver resistência muscular localizada à fadiga.  Utilizada também como co-contração.  Estabilização dinâmica das articulações.  Previnir ou minimizar atrofia muscular quando o movimento articular não é permitido.  Quando se quer um controle neuromuscular eficiente.
  • 113.
  • 114. REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL (R.P.G) http://t0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRJCok5xIjTuPYgqOZeCNqnACsjEkO8fFtGBVR61eC_RhHGWD4&t=1&us g=__aXot9vXzqxJ8bEA5-1eb4QflRqw=
  • 115. INFORMAÇÕES GERAIS DA ISOMETRIA  Usar uma carga de exercício de 60 a 80% da força máxima.  Manter a contração isométrica por 6 a 10 s.  Utilize contrações repetidas rápidas e lentas.  Recomenda-se a contração isométrica em vários ângulos da articulação. As melhoras de força ocorrem somente no ângulo de treinamento.
  • 116. EXERCÍCIO DINÂMICO: CONCÊNTRICO E EXCÊNTRICO  Uma contração muscular dinâmica causa movimento articular e excursão do segmento corporal à medida que o músculo se contrai e encurta (contração concêntrica) ou se alonga sob tensão (contração excêntrica).
  • 117.
  • 118. EXERCÍCIO DINÂMICO COM RESISTÊNCIA CONSTANTE  Peso corporal  Peso livre  Sistema simples de polia com pesos
  • 119. EXERCÍCIO DINÂMICO COM RESISTÊNCIA VARIÁVEL  A resistência é alterada ao longo da A.D.M.  Podem ser equipamentos mecânicos ou resistências elásticas ou até mesmo resistência manual. http://www.youtube.com/watch?v=MAowF4QJOXY&feature=related
  • 120. EXERCÍCIO DINÂMICO COM VELOCIDADE CONSTANTE : ISOCINÉTICO  A velocidade de encurtamento ou alongamento do músculo e a velocidade angular do membro são predeterminadas e mantidas constantes por um dispositivo limitador da velocidade (dinamômetro isocinético). Classificação Velocidade Angular Isométrico 0°/s Lento 30-60°/s Médio 60-180°/s Rápido 180-360°/s Kisner, et al (2005).
  • 121. PLATAFORMA VIBRATÓRIA http://www.youtube.com/watch?v=qAgBzkIXr
  • 122. EXERCÍCIO COM CADEIAS CINÉTICAS: ABERTA E FECHADA  Este termos causam muita confusão e a literatura é ambígua ao tratar deste assunto.  De forma geral, a cadeia aberta é definida quando o segmento distal está livre realizando o movimento com ou sem resistência.  E a cadeia fechada significa que o segmento distal está fixo com ou sem resistência.
  • 126. MECANOTERAPIA http://www.youtube.com/watch?v=cta4ukZHLbo
  • 127. POLIAS http://www.youtube.com/watch?v=kMszCt2rKn0
  • 128. HACK MACHINE http://www.youtube.com/watch?v=fmIesU8n9Cw
  • 131. DIAGONAIS DE KABAT MEMBROS SUPERIORES  D1 flexão: FLEXÃO – ADUÇÃO – ROTAÇÃO LAT  D1 extensão: EXTENSÃO – ABDUÇAO – ROTAÇÃO MEDIAL  D2 flexão: FLEXÃO – ABDUÇÃO – ROTAÇÃO LAT  D2 extensão: EXTENSÃO – ADUÇÃO – ROTAÇÃO MEDIAL
  • 132. DIAGONAIS DE KABAT MEMBROS INFERIORES  D1 flexão: FLEXÃO – ADUÇÃO – ROTAÇÃO LAT  D1 extensão: EXTENSÃO – ABDUÇAO – ROTAÇÃO MEDIAL  D2 flexão: FLEXÃO – ABDUÇÃO – ROTAÇÃO MEDIAL  D2 extensão: EXTENSÃO – ADUÇÃO – ROTAÇÃO MEDIAL