SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
AULAS DE SOCIOLOGIA ENSINO MÉDIO - 3º ANO
• Formas de estratificação social; Mobilidade social.
• Desigualdades sociais;
• Marcadores sociais de diferença: gênero, raça/etnia, sexualidade,
geração e classe.
• Os diferentes modos de produção;
• O trabalho em diferentes sociedades;
• Meios de produção e relações produtivas;
• Trabalho, profissão e identidades laborais
Vamos falar sobre a organização da sociedade em camadas, a estratificação
social. A estratificação social é fruto das desigualdades sociais entre os indivíduos de
uma determinada sociedade, que apresentam disparidades em relação a riqueza, poder,
prestígio e até mesmo em relação a coisas básicas como escolaridade.
Existem três tipos de estratificação social: a econômica: que fundamenta-se na
posse de bens materiais, onde se encontram ricos e pobres. A política baseia-se no
grupo que tem poder e no que não tem poder, ou seja, os grupos dominantes, que
mandam na sociedade. E a estratificação profissional que funda-se nos diferentes graus
atribuídos a cada profissional.
Ao observarmos uma sociedade podemos concluir muitas vezes que os apectos
econômicos são muito mais importantes do que os outros tipos na caracterização dessa
sociedade.Sendo asssim, quando um indivíduo possuí um poder aquisitivo maior,
fatalmente sua posição de poder será valorizada, ele ocupará os melhores cargos e sua
profissão será também mais valorizada dentro da sociedade, verificamos dessa forma, a
desigualdade social.
A hierarquia social divide a sociedade em “estratos” ou camadas mais ou menos
fixas. A divisão em camadas pode ser feita em castas como na Índia, Estamentos como
na Europa ocidental durante a idade média ou em classes sociais como nas sociedades
capitalistas.Em uma sociedade, os grupos ou indivíduos não possuem a mesma posição
nem o mesmo prestígio, não existindo assim, sociedade pura.
Muitos sociólogos apresentaram teorias acerca da estratificação, entre eles Karl
Marx, que foi um dos primeiros a tratar deste problema, para ele, o que determina a
estratificação é o fator econômico.Já Max Weber, em seus estudos, acreditava que não
era apenas o fator econômico, e apresentou três dimensões da sociedade:
Ordem econômica: representada pela classe, que está estratificada de acordo
com suas relações com a produção e a aquisição de bens, é representada pelos
rendimentos, bens e serviços que o indivíduo possuí.
Ordem social (status) : representada pelo estilo de vida, pelo prestígio de honra
desfrutado, em função do consumo de bens.
Ordem política: representada pelo partido, manifestando-se através da
distribuição de poder entre os partidos políticos, ocorrendo a estratificação através da
distribuição de poder entre os membros dos grupos.Para Weber, essas dimensões
possuem estratificação própria.
Para o sociólogo russo Pitirim Sorokin, a estratificação apresenta três formas
dependentes e recíprocas:
Estratificação econômica: divisão entre ricos e pobres através da situação
econômica, manifesta-se de forma concreta no nível de vida, na posse de bens, podendo
surgir nos diferentes tipos de sociedades capitalistas ou socialistas, não importando a
forma de governo ou a organização política.
Estratificação política: a desigualdade política ocorre pela diversidade em
decorrência da distribuição desigual de poder, de autoridade, de prestígio, de honra e de
título.Essa estratificação ocorre independentemente da constituição particular da
sociedade.
Estratificação profissional: na sociedade profissional observa-se diferenças nas
ocupações, fazendo com que o indivíduo ganhe prestígio ou não, dependendo do tipo de
atividade exercida ou do grau hierárquico de sua função.
Melvin Marvin Tumin, sociólogo contemporâneo pensa desigualdade social e
estratificação social como sinônimos, pois para ele a estratificação é compreendida
como a “disposição de qualquer grupo ou sociedade numa hierarquia de posições
desiguais com relação a poder, propriedade, valorização social e satisfação psicológica.”
Tanto na sociedade quanto nos indivíduos, o que importa é como se dá a
distribuição dos bens.Em uma sociedade industrial urbanizada, a distribuição dos bens
se dá de acordo com a posição ou status do indivíduo, sobretudo se ele possuí uma
profissão que lhe garante algum status.A sociedade possuí diversos estratos organizados
hierarquicamente conforme o poder, propriedades, valorização e satisfação psicológica.
Os estratos consistem em status socialmente definidos que recebem cotas
determinadas de poder, propriedade e prestígio. Dessa forma, estrato pode ser definido
como conjunto de pessoas que, em uma determinada sociedade e em dado período, tem
status equivalente ou semelhante, distinto do status dos demais componentes dessa
sociedade.
Hoje existem vários critérios que os pesquisadores utilizam para analisar e
invesigar de forma empírica a divisão social da sociedade e também como ocorre essa
estratificação, também são variados os critérios usados nas investigações para
estabelecer a estratificação, são exemplos: riqueza, educação, prestígio da ocupação,
origem étnica, zonas residenciais etc.
TIPOS DE ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL
Castas – Na Índia, as castas permanecem fortemente enraizadas, apesar de
legalmente não existirem mais. Castas são grupos sociais fechados, os casamentos só
são permitidos entre membros da mesma casta.A estraficação social ocorre na Índia de
maneira rígida e fechada, não oferecendo oportunidade de mobilidade social. Os
sacerdotes e mestres da erudição sacra, são os brâmanes, e ocupam o mais alto grau da
sociedade indiana,em seguida os guerreiros pertecentes à aristocracia militar e também
os governantes denominados xátrias. Em terceiro lugar encontram-se os comerciantes,
os artesãos e os camponeses, denominados vaícias.Os sudras constituem a casta mais
baixa, geralmente fazem trabalhos manuais e realizam atividades servis de toda espécie.
A estratificação social na Índia ajudou a desenvolver o conceito de seres
superiores e inferiores, para os indianos e indianas esse sistema é tão relevante que para
esse povo a evolução do espírito depende da aceitação passiva de se manter nas normas
da casta, com a casta mais baixa servindo a casta superior, aceitando a desigualdade
social.Em 26 de Novembro de 1947 as castas foram abolidas oficialmente por meio de
uma lei contitucional, que dá o direito de igualdade a todos os cidadãos, sendo proibido
qualquer tipo de rejeição na sociedade hindu.No entanto podemos verificar que essa lei
nada significa, principalmente nas pequenas aldeias, onde as castas superiores não
querem perder seus privilégios e as castas inferiores continuam sendo humilhadas e
rejeitadas, além de excluídas, pois não tem acesso a educação, e têm os piores
empregos.
Segundo muitos sociólogos, a diferença de castas ocorre devido ao contato de
raças diferentes em decorrência de conquistas, como no caso da Índia.A palvra casta é
de origem portuguesa, e para os indianos e indianas corresponde a varna, cujo
significado é cor, sendo que a cor das castas superiores é mais clara que a das inferiores.
Estamento ou estrato – O sistema de estamentos vigorou na Europa Ocidental
durante o feudalismo, no período medieval.O estamento é uma sociedade semelhante a
casta, só que um pouco mais aberta.As divisões sociais no estamento são reconhecidas
por leis que estão em geral ligadas ao conceito de honra.Neste tipo de sociedade a
mobilidade social era difícil de ocorrer, mas não impossível como nas sociedades de
castas.
A mobilidade social era possível quando a igreja escolhia pessoas menos
favorecidas economicamente como membros, quando ocorria a libertação de um servo
pelo seu senhor, quando um homem pobre recebia títulos permitidos pelo vassalo, ou
pelo casamento de uma filha de comerciante rico com uma pessoa pertencente a
nobreza. Contudo mesmo sendo relativamente possível a mobilidade social nestas
sociedades dificilmente ocorria.
A nobreza e o alto clero eram os donos das terras e obtinham renda através da
exploração de seus servos.Os nobres exerciam o poder judiciário e ocupavam-se da
guerra e da caça.Os comerciantes apesar de possuírem riquezas, não possuíam poder
como a nobreza. Os artesãos viviam nas cidades reunidos em associações, os
comercinates livres trabalhavam a terra e vendiam os produtos nas cidades, o baixo
clero era de origem pobre e vivia com o povo prestando assistência religiosa.Os servos
trabalhavam a terra, e parte de sua produção era “cedida” para o senhor feudal, por
estarem ligados a terra, os servos mudavam de senhor se a terra passasse para outro
dono.
Os diferentes estamentos dentro da sociedade feudal desenvolveram sistemas de
privilégios e atividades sociais. A classe dominante por estar mais organizada, tratou de
dar continuidade ao sistema e de realizar, de forma tradicional, os deveres que seriam
próprios de cada estamento.Não deixando de haver possibilidades de mobilidade social,
a classe dominante para se manter no poder, teve inicialmente suas atividades voltadas
para serviços de guerra, cargos públicos, propriedade de terra e também serviços ligados
a Igreja, em hipótese alguma realizavam serviços manuais ou do comércio.
Em toda forma de dominação há desigualdade de direitos e privilégios, o que
ocasiona revoltas, agressões e manifestações, contudo os estamentos inferiores do
período feudal não tinham a pretensão de ir contra o sistema estamental superior,
quando se manifestavam era para lutar por igualdade de direitos e privilégios entre si.
Com o surgimento das cidades e o desenvolvimento do comércio, surgiu uma
outra classe: a burguesia, que aos poucos, foi adquirindo poder em relação aos nobres.O
estamento burguês especializou-se em diversos tipos de atividades.Enriquecendo, a
burguesia passou a exigir maior liberdade e participação política, além do rompimento
dos laços com o senhor feudal, para que o comércio pudesse expandir-se cada vez mais.
CLASSES SOCIAIS
Na sociedade capitalista, alguns poucos proprietários são donos dos meios de
produção, e a maioria da população representa a força de trabalho; nessa sociedade
ocorre a desigualdade social.Os proprietários, donos dos meios de produção, possuem a
renda mais alta, os de renda média são os trabalhadores(as) de trabalho qualificado, os
de renda baixa são os trabalhadores(as) de mão de obra não qualificada.
Os donos dos meios de produção são os que gozam de maior prestígio social,
têm mais privilégio e poder. A distribuição de poder baseia-se na posição dos
indivíduos com relação aos elementos da produção.Os que possuem os meios de
produção têm um maior nível de consumo e mais prestígio social que os trabalhadores
(as) que possuem apenas seu trabalho, não desfrutando das mesmas condições dos
donos da produção, vendo-se obrigados(as) a trabalhar para os proprietários recebendo
em troca uma remuneração.
Podemos definir classe social como o grupo de pessoas que apresentam uma
situação ou status social similar com relação aos elementos de produção ou a outros
critérios, sobretudo o econômico.
A sociedade pode ser classificada de acordo com o nível de consumo de seus
membros.Os donos dos meios de trabalho adquirem bens e serviços de luxo, os
trabalhadores (as) que possuem mão de obra qualificada adquirem bens por preços
intermediários, já os trabalhadores(as) de mão de obra não qualificada somente
adquirem bens de primeira necessidade.
Na sociedade capitalista, a classe social está classificada da seguinte forma:
Classe alta – indvíduos com grande poder aquisitivo, são os proprietários do
capital, os grandes industrais, os banqueiros e os grandes comerciantes, além dos
grandes proprietários de terra.
Classe média – indivíduos com renda e poder aquisitivo medianos, pequenos
empresários e microempresários, pequenos comerciantes, pequenos produtores rurais,
profissionais liberais como advogados, médicos, engenheiros, dentistas etc.
Classe baixa – camada de pequeno poder aquisitivo e baixa renda, trabalhadores
com pouca qualificação, comerciantes informais, desempregados, os que vivem com
uma renda inferior e insuficiente para o dia a dia.
Há diversas teorias científicas para definir o conceito de classe social, o
sociólogo norte-americano Gerhard Emmanuel Lenski, afirmou que “durante séculos
houve uma tendência, por parte dos conservadores, de interpretar a classe social como
uma necessidade funcional para a sobrevivência da sociedade.”
Vilfredo Pareto, sociólogo italiano, ao definir classe social e na tentativa de
provar sua necessidade assim como Gaetano Mosca foi mais longe. Para estes
sociólogos, nos modernos sistemas industriais ocorre a circulação de elites; portanto,
não há nenhuma classe dominante permanente.
O termo classe social pode ser definido como um grupo de indivíduos segundo
seu poder aquisitivo.No sistema de castas, por exemplo, a sociedade estava dividida por
camada social.A diferença dos outros grupos, seja do sistema capitalista ou feudal, é que
a possibilidade de mobilidade social é nula, inexistente, a pessoa que nascia na casta
considerada baixa permanecia na mesma, sendo impossível mudar de status por conta
de mudanças em seu poder aquisitivo como ocorre no sistema capitalista.
De acordo com Marx, “as classes sociais estão associadas à divisão do
trabalho.São grupos coletivos que que desempenham o mesmo papel na divisão do
trabalho num determinado modo de produção.” Na visão marxista, em toda sociedade,
não importa se pré-capitalista ou com característica capitalista, a classe dominante
controla direta ou indiretamente o Estado.
No sistema capitalista industrial, a sociedade pode ser classificada em três níveis
diferentes: a classe alta, a classe média e a classe baixa.Nos países subdesenvolvidos,a
classe média é a minoria e a classe baixa é a grande massa da população.A partir dessa
divisão é possível encontrar outras classes:
Classe altíssima – composta por indivíduos que se destacam economicamente
(elite). Ex: Donos de empresas de origem familiar tradicionalmente ricos, banqueiros
etc.
Classe alta – composta por indivíduos que se tornaram ricos por receberem uma
boa remuneração.
Classe média alta – composta por indivíduos com uma remuneração razoável,
como médicos, advogados, dentre outros.
Classe média – composta por indivíduos que recebem uma remuneração
mediana, como gerentes, arquitetos etc.
Classe média baixa - composta por indivíduos que recebem um salário mais
baixo, como secretários, vendedores, recepcionistas etc.
Classe baixa - composta por indivíduos que exercem trabalhos braçais, como
operários, serventes, garis, etc.
Classe abaixo da linha da pobreza – composta por pessoas que não representam
mão de obra especializada, não possuem escolaridade suficiente para o mercado de
trabalho, possuem renda muito baixa ou nenhuma fonte de renda.
No mundo capitalista, quanto mais poder econômico um indivíduo possuí, mais
assume seu papel de classe dominante na sociedade, adequando assim a estrutura social
para a perpetuação da exploração controlando outras classes de poder aquisitivo menor,
para assim manter-se no poder, no controle.
MARCADORES SOCIAIS DE DIFERENÇA
Quando examinamos, fazemos uma análise das sociedades, identificamos
imediatamente a existência de diversidades e desigualdades sociais.Muitas das
diferenças entre os indivíduos são de natureza humana como por exemplo, gênero, cor
da pele, idade, altura etc. Contudo as desigualdades sociais são produto das relações
estabelecidas entre os indivíduos, como vimos anteriormente ao estudarmos classes
sociais e o sistema capitalista, estas rfletem os conflitos de interesses de grupos ou
indivíduos em relação aos outros grupos ou indivíduos que, geralmente, colocam todos
na condição de opressores e oprimidos.
Historicamente vimos que o capitalismo apresenta um grande conflito: a luta
entre burgueses e proletários.No entanto, a história do século XX apresenta outros
conflitos de interesses que vão muito além da divisão da sociedade em classes: conflitos
entre os gêneros (homens e mulheres), adultos e jovens, brancos e não-brancos,
minorias étnicas, heterossexuais e homossexuais.
As mulheres a partir do século XIX, e os jovens e as minorias sexuais, a partir
dos anos de 1960, passaram a demonstrar sua revolta de forma coletiva.No século XX
os negros e outras etnias demonstraram sua força, nas lutas pelos direitos civis nos
EUA, pelo fim do apatheid na África do Sul e pelo fim do racismo, no renascimento do
movimento negro no Brasil e na luta dos palestinos.
Apesar da força social dos movimentos construídos pelos oprimidos, dos
milhões de vidas sacrificadas em nome da igualdade de direitos e da liberdade, a
história desses grupos não é animadora.Sabemos que as condições de trabalho
melhoraram, mas as melhorias foram limitadas aos países imperialistas centrais, e a
grande maioria dos trabalhadores ainda é explorada, de forma semelhante ao século
XIX.A cada dia morre mais seres humanos de fome que no tempo da escravidão.Os
oprimidos ajudaram a fundar partidos, sindicatos e associações, mas a maioria destas
entidades ainda não conseguiu reverter as condições subhumanas dos subjugados da
história.
Muitos indivíduos são submetidos a uma série de discriminações e preconceitos
só pelo fato de pertencerem a uma determinada categoria de pessoas.A opressão, para se
justificar, faz uso de um sistema de idéias a que chamamos de ideologia.
Existem ao menos cinco situações de desigualdade e opressão: de classe, de
gênero, de geração, de raça/etnia e de orientação sexual.
As desigualdades de classe – Como aprendemos, as desigualdes sociais se
formaram em consequência da distribuição desigual de renda, do excedente de riqueza
produzido pelas sociedades. As sociedades agrícolas antigas eram capazes de produzir
uma quantidade de alimentos superior as necessidades, isso proporcionou a uma
pequena camada da população o privilégio de deixar de trabalhar e viver do trabalho
alheio.
As várias classes sociais dominantes se caracterizaram por apropriarem-se, em
modo e em tempos diversos, do excedente de riqueza produzida pelas classes
subalternas.O sistema econômico dominante em cada época se esforça em manter
separadas as classes sociais e reduzir ao mínimo as possibilidades de ascensão
social.Isso ocorre através do sistema escolar, à separação territorial de classes sociais:
Rio de janeiro – Zona Oeste, favelas, subúrbios, zona norte e zona sul, à ideologia etc.
Contudo o sistema capitalista fez da ilusão da ascenção social ou da mobilidade
social um dos pilares de sua ideologia. Hoje, haveriam três classes fundamentais nos
países imperialistas e no Brasil se seguirmos as teorias de Marx: o proletariado, a
burguesia e a pequena burguesia. Mas com a realidade imposta pelo neoliberalismo[1],
encontramos também milhões de indivíduos totalmente excluídos de qualquer relação
social, política e econômica.
As desigualdades de gênero – Desde a
antiguidade várias sociedades mantiveram a supremacia masculina, esta dominação
provocou a esclusão sistemática das mulheres da política, do governo, da literatura, da
arte, com exceção de raros e relevantes momentos. Esta é a exclusão mais sistemática já
praticada na história da humanidade.A herança desta história de dominação masculina
se expressa hoje de diversas formas, entre elas: o uso da violência institucionalizada e
doméstica, a legislação discriminante, dependência econômica ao marido e ao pai, além
é claro da coisificação da mulher etc.
Chamamos machismo à ideologia que, através de diversas formas, os homens
justificam a opressão que exercem. Entretanto as características do sistema capitalista
favorecem a inserção da mulher no mercado de trabalho e isso fez com que elas
pudessem sair em parte é claro, do próprio isolamento.
As primeiras revoltas contra a opressão feminina ocorreram no final do século
XIX, a partir dos movimentos pelo voto universal (sufragistas) e daqueles ligados ao
movimento operário.Não podemos esquecer que durante a Revolução francesa as
mulheres foram de extrema importânca para o movimento, inclusive foram as peixeiras
de Paris, em marcha para Versalhes que retiraram rei e rainha do palácio a força, e
também foram as mulheres que foram as ruas reclamando do preço do pão e muitas
outras atrocidades cometidas pelos monarcas deste período Luis XVI e Maria Antonieta.
Essas lutas ganharam maior impulso nos anos de 1960, quando os espaços
conquistados pelas mulheres representaram uma transformação sem precedentes na
própria condição feminina. Mas infelizmente a discriminação persiste e se manifesta
desde piadas até mesmo na legislação contrária ao divórcio que ainda sobrevive em
muitos países, na violência doméstica, na discriminação no local de trabalho etc.Mas as
mulheres aqui no Brasil tiveram uma conquista recente e muito importante: a Lei Maria
da Penha [2]- a lei número 11.340 decretada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo
então presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva em 7 de agosto de 2006; dentre as
várias mudanças promovidas pela lei está o aumento no rigor das punições das
agressões contra amulher quando ocorridas no âmbito doméstico ou familiar. A
lei entrou em vigor no dia 22 de setembrode 2006, e já no dia seguinte o primeiro
agressor foi preso, no Rio de Janeiro, após tentar estrangular a ex-esposa.
As desigualdades de geração – A especificidade da opressão sobre os jovens é
sua transitoriedade.Uma vez adulto, o jovem poderá se transformar em opressor,
esquecendo as próprias condições nas quais viveu como oprimido.Apesar disso os
jovens sempre se rebelaram diante das regras sociais impostas.A sua luta, contudo, foi,
até pouco tempo, escondida e isolada no espaço doméstico. O advento do sistema
escolar de massa fez com que eles se encontrassem, criando espaços coletivos como
manifestações, ocupações, contestações,greves, expressões culturais alternativas.
Habitualmente, os jovens se organizam em associações bem estruturadas, como
grêmios escolares, DCEs, DCAs, centros sociais etc. caracterizadas por um baixo grau
de formalismo ( larga participação etc.). A opressão contra jovens se manifesta hoje na
sociedade através da discriminação no trabalho ( baixos salários, desemprego,
exploração), na limitação dos direitos civis (violência doméstica, etc.). Felizmente este
quadro já vem se modificando a bastante tempo, embora ainda existam algumas
questões a serem examinadas amplamente, como o primeiro emprego, a situação dos
estagiários etc.
A desigualdade racial – Esse tipo de opressão é bem antigo, quando haviam
diversas etnias que guerreavam entre si.Entretanto estes conflitos não ocasionavam
grandes tragédias, como as que ocorreram e ocorrem ainda hoje.Além disso não tinham
como consequência a dominação de uma etnia pela outra.Com a divisão da sociedade
em classes, verificou-se o estabelecimento da condição de escravos para os derrotados.
A palavra escravo tem origem no nome do povo Eslavo, entre o qual na antiguidade se
recrutava o maior número de escravos. Após os grandes impérios submeteram povos
inteiros à escravidão ou ao pagamento de tributos para sustentar os governos
dominadores.
A luta dos povos e etnias oprimidas em determinadas sociedades marcou épocas
e não há perspectivas de sua eliminação no atual sistema capitalista.Em épocas passadas
eram nações dominadas pelo centro econômico europeu ( chineses, indianos, africanos).
Esta opressão consiste frequentemente em sufocar costumes, hábitos sociais e,
por conseguinte, a língua, a religião, a cultura e a história. Em determinadas situações, a
exploração econômica de uma etnia sobre outra se expressa através de discriminações
no mercado de trabalho. Esta opressão sempre provocou reações, como lutas por um
autogoverno ou pela autodeterminação dos povos.Nações e etnias oprimidas como os
palestinos e os negros no Brasil,têm obviamente culturas próprias,elaborando,assim,
suas próprias idéias.
O nacionalismo dos povos oprimidos e a auto-estima dos negros brasileiros não
podem ser confundidos com aquele nacionalismo que oprime ou com o racismo às
avessas, pois estes são também opressores,já que significam, no fundo, a dominação de
um grupo, ou nação sobre os outros.
A desigualdade de orientação sexual - A opressão contra gays e lésbicas se
expressa sob todas as formas socioeconômicas, em todas as sociedades,através da
obrigação de seus membros de aderir a heterossexualidade. Quem se opõe ao padrão de
“normalidade” estabelecido, ou seja, a heterossexualidade sempre é punido ou
considerado portador de uma doença, vítima de discriminação.
Esta discriminação variou de intensidade nas diferentes épocas, mantendo
porém, uma absoluta continuidade, o famoso escritor Oscar Wilde sofreu com a
codenação a partir do parágrafo 175 [3]foi julgado culpado de "práticas estranhas à
natureza" e condenado a dois anos de trabalhos forçados pelo tribunal de Old Baley.A
condição de gay ou lésbica é atacada de forma sistemática pela sociedade. Só o fato de
haver grupos sociais que colocam em discussão a heterossexualidade é visto por muitos
como um atentado.
A discriminação não é obviamente operativa se gays e lésbicas mantiverem na
clandestinidade a própria orientação sexual.É no momento em que se assumem
publicamente que começa a guerra contra eles.Essa discriminação atua em todos os
setores: no local de trabalho, onde, além de correrem o risco de demissão, são
molestados pelos outros trabalhadores (as); na sociedade, que os impede de ter qualquer
posto de comando; na família, em que a declaração de homossexualidade chega a gerar
crises e chantagens de várias naturezas.
A discriminação opera com tal violência, física e psicológica, que o indivíduo
não tem coragem de reconhecer nele mesmo a própria essência de sua orientação sexual.
Porém, se há oprimidos, existem também os opressores.Estes se encontram geralmente
nos heterossexuais,eles encontram uma série de falsas vantagens de natureza quase
exclusivamente psicológica para contribuir com a opressão.
Tornar os homossexuais alvo de chacota e mostrar, em público, o desprezo para
com eles, assegura a própria identidade heterossexual para si mesmo e para os outros,
mantendo assim a participação na “normalidade” sexual dominante.
Concluindo, alguns indivíduos recebem salários menores que outros mesmo
tendo a mesma qualificação profissional, pois os fatores que determinam essa situação
estão nas diversidades de etnia, gênero, orientação sexual e de geração.Ou seja, essas
diferenças entre os indivíduos são transformadas, nas relações sociais, em
desigualdades. Portanto, quando ouvimos piadas, frases discriminatórias sobre
mulheres, judeus, adolescentes, jovens, homossexuais e negros, elas reforçam e refletem
as desigualdades sociais.
Negros e negras não são “incapazes”, “ignorantes”, “primitivos”, “bandidos”,
etc., e que por isso recebem menores salários que os brancos. É o modelo capitalista que
se aproveita da ideologia da inferioridade racial para explorar ainda mais os
trabalhadores e trabalhadoras e extrair mais-valia maior.As mulheres não são inferiores
intelctualmente aos homens, não são apenas objetos, nem todas são fúteis e desatentas,
afinal existem homens com as mesmas características, portanto essas não são
características exclusivas das mulheres e não são gerais, as mulheres possuem raciocínio
lógico, senso de direção, essas afirmações infundadas só servem para reforçar a
dominação masculina.Enfim, no mundo do trabalho, em qualquer profissão, além das
desigualdades de classe, certos indivíduos podem sofrer duas, três, quatro ou cinco
vezes mais exploração e as desigualdades sociais.
ATIVIDADE I
Leia o poema abaixo:
O bicho
Vi ontem um bicho
Na imundície do pátio
Catando comida entre os detritos.
Quando achava alguma coisa,
Não examinava nem cheirava:
Engolia com voracidade.
O bicho não era um cão,
Não era um gato,
Não era um rato.
O bicho, meu Deus, era um homem.
(Manoel Bandeira)
Reflita acerca do poema e relacione com o que aprendemos até aqui.
ATIVIDADE II
1 – Caracterize, compare e dê exemplos de diversidades humanas e
desigualdades sociais
2 - Quais as principais características das cinco desigualdades apresentadas em
nosso texto?
3 – Cite pelo menos três características comuns às cinco desigualdades.
ATIVIDADE III
1 – Você se encaixa em algum tipo de opressão/desigualdade relatada no texto?
2 – Na sua opinião, como é possível a tomada de consciência das opressões da
parte de um indivíduo se este sofre o peso da persuasão ideológica e algumas vezes até
com certa violência?
3 – Quais poderiam ser os mecanismos de luta contra as ideologias machistas,
racistas e homófobas? E contra o preconceito e a discriminação contra jovens e contra a
luta pela melhoria das condições de vida dos trabalhadores?
Os diferentes modos de produção;
Quando falamos em economia, a maioria das pessoas geralmente se entedia e cria uma
imagem de números e cálculos em suas cabeças. Não poderia ser diferente, uma vez que
os telejornais utilizam termos incompreensíveis, inflação, juros, déficit, superávit,
falam muito sobre a queda do índice da bolsa de valores, alta do dólar, parece que nunca
compreenderemos de fato do que trata a economia, contudo entender economia é muito
mais simples do que imaginamos. Podemos definir economia como: “A forma pela qual
o conjunto de indivíduos existentes em uma sociedade participa da produção, da
distribuição e do consumo de seus bens e serviços.”
Quando falamos em bens estamos nos referindo a qualquer coisa ou matéria
produzida pelo homem: automóveis, roupas, sapatos, alimentos, móveis etc.Serviços
referem-se a atividades desenvolvidas pelo homem, tão diversas como uma consulta
médica, o atendimento ao público em um banco, ou em um posto do INSS etc.
Bens e serviços são desenvolvidos pelo homem a partir da sua capacidade física
e intelectual, a qual chamamos de força de trabalho.É através do trabalho que o homem
transforma e domina a natureza, contribuindo para a melhoria da sua qualidade de vida
ou até mesmo para a sua destruição, como por exemplo através da poluição atmosférica
provocada por uma fábrica etc.Todas as vezes em que os elementos da natureza são
apropriados economicamente pelo homem, eles se transformam em recursos naturais.
Assim podemos chamar as árvores (matéria-bruta) que são cortadas em toras (matéria-
prima) para a produção de móveis ( produto final)
Instrumento de produção é qualquer bem utilizado pelo homem na
transformação da matéria prima e produção de outros bens e serviços. Definimos desta
forma as ferramentas de trabalho, as máquinas e equipamentos (instrumentos de
produção diretos), assim como o local de trabalho e a energia elétrica que utilizamos
(instrumentos de produção indiretos), sendo assim as matérias-primas e os instrumentos
de produção formam o conjunto de meios materiais necessários à produção de qualquer
tipos de bens ou serviços; a esses meios materiais chamamos de meios de produção.
Uma das caracterísitcas que vai diferenciar os diversos tipos de sociedades que
se organizaram historicamente é a forma pela qual o homem, através do trabalho,
utilizou os meios de produção que estavam disponíveis em seu meio.A associação entre
o trabalho humano e os meios de produção chamamos de forças produtivas. Cada
sociedade possuí o seu conjunto de forças produtivas.
Um conceito que define a forma pela qual os diversos homens ou agrupamentos
se relacionam entre si em todo processo de produção material existente na sociedade
chama-se: relações de produção.As relações de produção vão determinar, juntamente
com as forças produtivas, a organização e o funcionamento da sociedade como um todo,
estabelecendo as distinções entre os diferentes modos de produção que caracterizam a
humanidade.
MODO DE PRODUÇÃO PRIMITIVO / SOCIEDADES SEM ESTADO
A chamada “ comunidade primtiva” foi a primeira forma de organização social
dos seres humanos quando deixaram de ser nômades e se tornaram sedentários, ou seja,
com a “descoberta” da agricultura e a domesticação dos animais os homens fixaram-se,
pois não precisavam mais sair em busca do alimento e passaram a cultivar a terra e a
criar animais.
Nesse tipo de modo de produção, os homens trabalhavam coletivamente,
repartindo entre si o resultado da pesca, da coleta de frutos e raízes, da caça.Não existia
propriedade privada e as relações de produção eram caracterizadas pela ajuda mútua
entre todos os membros da coletividade.Não existia o Estado, e a sociedade não era
divida em classes sociais, nessas comunidades tem origem a especialização de funções,
ou seja, uns caçam, outros plantam, uns fabricam utensílios, outros cuidam dos rituais
religiosos.
Apesar da utilização do termo “primitivo” por muitos autores ao referirem-se a
essas sociedades, devemos chamar atenção para:
1 - Não devemos considerá-las como atrasadas em relação a outras formas de
organização social.Essa idéia conduziria à adoção de uma teoria evolucionista, como se
um certo tipo de sociedade pudesse suceder a outro tipo através da história, o que não
corresponde a realidade, já que, até hoje, esse modo de produção pode ser encontrado
em tribos existentes na Amazônia, na África e na Oceânia.
2 – Trata-se, na verdade, de sociedades extremamente complexas,
principalmente do ponto de vista da sua cultura, o que foi demonstrado, amplamente por
inúmeras pesquisas realizadas por antropólogos.
3 – Dentro desta forma de classificação existem sociedades distintas entre si sob
o aspecto cultural, o que se reflete na sua forma de organização social.
A idéia de “modo de produção primitivo” está sendo utilizada apenas para
destacar principalmente os elementos econômicos comuns que estão presentes nessas
diferentes sociedades.
MODO DE PRODUÇÃO ESCRAVISTA/ ESCRAVOCRATA
A escravidão não é um fenômeno novo, sua presença é notada nas sociedades
paleo - orientais como Egito e Mesopotâmia. Também de Roma e Grécia nos vêem
relatos da presença, aliás maciça, de cativos nestas civilizações. Variando de caráter ,
sempre se marcou esta prática pela submissão de uma pessoa a outra, tendo nesta
relação uma idéia de posse, fosse temporária, como no Egito ou permanente como em
Roma, o escravo era propriedade de outra pessoa. Suas vontades, desejos, aspirações ,
passavam antes pelo crivo da submissão e da humilhação, uma vez que é inerente ao
homem ser livre.Negamos a idéia de Aristóteles que conforme nos lembra Jaime Pinsky
(1993, p13), entendia como natural à submissão do escravo.O filósofo macedônio se
esquecia, talvez pela abundância de cativos em sua época, da historicidade desta
condição, uma vez que a ninguém é natural a submissão, esta naturalização de uma idéia
cultural embasa a prática discursiva dos defensores de tal sistema, uma vez que nada
fazem além de levar a cabo certas disposições do meio natural que os cerca.
A presença do escravo no Brasil é inerente ao próprio sistema econômico aqui
implantado. Contudo, algumas considerações devem ser feitas. Devemos nos lembrar
que a utilização do escravo deveu-se principalmente a falta de contingente populacional
em Portugal capaz de dar conta da colonização e utilização de forma proveitosa destas
terras, deste modo, o escravo teve de ser feito e trazido ao Brasil por ser elemento chave
da produção.
Todos sabemos que “modo de produção” consiste no conjunto de atividades
econômicas existentes em determinada época, o modo de produção escravista trata-se de
uma atividade econômica não somente utilizada nas colônias portuguesas, as colônias
do sul da chamada Nova Inglaterra (Estados Unidos) também utilizavam a mão de obra
escrava, mas não da mesma forma que Portugal o fazia, como base econômica Portugal
tinha o trafico negreiro, a Virginia , Geórgia, Carolina do Norte e do Sul e Maryland
dedicaram-se ao plantio de produtos tropicais para exportação, como fumo, arroz e
posteriormente algodão, o cultivo era conhecido como plantation, assim como em terras
brasileiras era feito em grandes propriedades, ou seja, latifúndios, sob o regime escravo,
porém não baseavam a sua economia na comercialização de mão de obra escrava, essa
foi a diferença.
Enfim o escravismo aproxima-se mais da escravidão da idade antiga do que da
escravidão patriarcal oriunda da própria África, o africano ao ser separado de sua
sociedade e trazido para o “novo mundo” passaria por um processo de dessocialização,
o que implicou em despersonalização, o que não ocorria na África ao serem feitos
escravos, pois permaneciam em seu âmbito, parcialmente é claro, e não passavam por
este processo de “desafricanização”.
Para os colonizadores, os escravos eram considerados como coisas, e
dificilmente poderiam entender que um cativo possuísse personalidade, alegavam que o
negro não tinha alma. No que tange ao tratamento diferenciado entre negros cativos do
engenho e os urbanos, o fator de semelhança baseava-se na obediência o “ser” obediente
ou “não ser” caracterizava o escravo como um “bom escravo” ou “um mau escravo”
para seu proprietário , e o obediente logicamente valia mais no mercado e esse fator
também definia os seus constantes castigos, já que o escravo obediente aguentava a
rotina desumana de trabalho forçado sem lamentação, falava a língua de seu senhor,
rezava para o Deus do seu senhor e não fugia, mero cativo, o trabalhador escravizado
seria ajustado, “bem ou mal” “ao aparelho de produção por uma combinação mais ou
menos eficaz de violência, agrados, persuasão etc”.
Por muito tempo a historiografia descrevia o escravo como vítima ou como
herói, mas nunca como agente do sistema. Sendo agentes dentro da malha escravista, a
relação entre cativos e os seus senhores variava entre a violência e a barganha, muitas
vezes marcada por uma negociação maliciosa, alguns autores afirmam que era
fundamental para o bom funcionamento do sistema escravista, se os senhores ou barões
cediam e concediam pouquíssimas vezes para melhor controlar, os escravos pediam, e
aceitavam muitas vezes para melhor viver, algo mais do que sobreviver, quando a
negociação falhava ou nem se quer acontecia o resultado eram fugas constantes,
rebeliões, assassinatos, suicídios, ou seja, sem algum tipo de negociação era impossível
o controle desse sistema, ou se perderiam todos os escravos. Essa massa populacional
transferida da África para as colônias não pode ser considerada apenas como força de
trabalho eles também são formadores da sociedade brasileira e não objetos que
ajudaram a construir o Brasil e a enriquecer os portugueses.
O trafico de escravos, a escravidão e a reprodução de cativos na costa africana
podem ser considerados como fatores decisivos na sociedade brasileira exercendo
influência direta em seu âmbito econômico, social e cultural, alguns historiadores e
sociólogos atribuem ao escravismo colonial a gênese da produção capitalista do Brasil,
sobretudo após a abolição, em particular na referência ao desenvolvimento de quatro
grandes regiões, Rio de janeiro, São Paulo , Sul e Nordeste.
Hoje como se não bastasse todos os acontecimentos anteriores decorrentes da
escravidão, esse crime repugnante ainda continua a ser cometido na sociedade
brasileira, em pleno século XXI , foram descobertas fazendas que estão utilizando
trabalho escravo, o governo federal em parceria com ONGs está procurando grandes
empresas para participar-lhes da situação legal de alguns de seus principais
fornecedores. Foram descobertas inúmeras fazendas que ainda utilizam a mão de obra
escrava, porém hoje a dinâmica utilizada é diferente, com a argumentação mais
elaborada para manterem os “cativos” trabalhando, estas fazendas estão na “lista suja”
do trabalho escravo.
O produto das fazendas escravocratas atuais está em uma pesquisa encomendada
pela secretaria especial de direitos humanos e foi realizada pela ONG Repórter Brasil, o
estudo que conseguiu muito apoio, inclusive da organização internacional do trabalho
revela que há mais de duzentas empresas envolvidas no sistema escravista, só no ano de
2004 ao se iniciar o levantamento haviam noventa e seis fazendas catalogadas, até maio
do ano de 2005 foram cento e cinqüenta e cinco, uma dúvida comum entre os
empresários que foram procurados e muitos leitores da revista época, foi entender a
diferença entre o trabalho degradante e mal remunerado e trabalho escravo, isso porque
a idéia que muitos ainda tem de escravidão esta associada a navios negreiros, correntes,
chibatadas etc, o que não é o caso atualmente, as concepções hoje são bem diferentes,
para ser considerado escravo basta ter restrições de liberdade, além de um serviço
degradante, sem água potável, sem abrigo, sem condições de higiene, os escravos da
atualidade são impedidos de sair por causa de ameaças feitas por jagunços, retenção de
seus documentos e dívidas inventadas pelo aliciador.
As fazendas infratoras atuam em sete setores, principalmente no de carne bovina
para comercialização interna e para exportação, cana de açúcar para produção de álcool,
café para exportação, carvão para siderurgia, soja para produção de óleo de cozinha e
exportação, algodão e pimenta do reino. As fazendas escravocratas atuais ainda podem
prejudicar a exportação de produtos, pois é o suficiente para que qualquer país proponha
uma ordem contra o Brasil na comissão de direitos humanos da ONU.
Os fiscais e as entidades que combatem o trabalho escravo estão preocupados
com as liminares concedidas pela justiça para que algumas fazendas sejam retiradas da
“lista suja”, desde o inicio das investigações dez fazendas já conseguiram sua retirada, a
ultima foi a destilaria Gameleira, no Mato Grosso, que já havia sido flagrada três vezes
com trabalhadores em condições equivalentes a escravidão, até deixar a lista, esta era a
recordista do cadastro com um número de 318 trabalhadores resgatados em um único
dia, imaginem quantos não poderiam ainda estar escondidos? Entre as dezenove
atuações feitas até então pela fiscalização do governo, há retenção de documentos,
jornada de trabalho superior a doze horas, isso faz recordarmos algum outro momento
histórico não é mesmo? Também falta de abrigo para refeições, inexistência de
descanso semanal dentre outras atrocidades como a falta de água potável, presença de
seguranças armados e é claro o espancamento de funcionários como de praxe em todo
sistema escravocrata.
Tudo isso nos leva a refletir que realmente a utilização do trabalho escravo está
relacionada ao capitalismo, pois estes fazendeiros praticam estas atrocidades na busca
incessante por lucros, pois se fossem remunerar decentemente seus funcionários não
conseguiriam obter a quantidade de lucro desejada por eles, assim como todo capitalista
o faz, estamos em pleno século XXI, mas muitas atitudes continuam conservadoras,
preconceituosas e inaceitáveis assim como a dois séculos atrás.
MODO DE PRODUÇÃO FEUDAL/FEUDALISMO
Característico do Japão até o século XVIII e da EUROPA ocidental durante toda
a idade média, o feudalismo era baseado em relações servis de produção, senhores
feudais e servos, e na propriedade do senhor sobre a terra.
Diferente do escravo, o servo poderia trabalhar uma parte da terra do senhor em
seu próprio benefício, mas era obrigado a pagar diversos impostos ao senhor feudal e a
obedecer às leis que eles estabeleciam. Quando o senhor feudal resolvia arrendar a terra
seu servo permanecia como sendo parte do patrimônio, além disso este mesmo servo
devia obediência e satisfação ao senhor feudal, não podiam nem ao menos casar-se sem
autorização do senhor com alguém de outro feudo e no caso de viúvas, estas também só
podiam se casar novamente com alguém da escolha do senhor feudal e no caso de não
desejarem casar-se novamente deviam pagar uma multa ao senhor.
O mesmo em caso de falecimento do chefe da família ocorria, o seu herdeiro
devia pagar uma quantia determinada ao senhor se desejasse permanecer naquele feudo
cuidando de sua terra e em sua moradia, porém vale a pena ressaltar que a terra que
cabia ao servo camponês mal podia ser trabalhada para suprir as necessidades de
subsistência da sua família, pois a terra a ser arada primeiro era a do senhor, a ser
semeada também , a colheita etc, em caso de intempéries a plantação a ser salva
primeiro também era a do senhor, logo entende-se que este servo não passava de uma
espécie de escravo, possuindo apenas nova nomenclatura e uma relação minimamente
diferenciada.
Durante a idade moderna, com a formação dos grandes Estados nacionais
europeus, desenvolveu-se uma fase de transição, na qual conviviam lado a lado diversas
características do feudalismo e novas relações de produção, desenvolvidas por uma
classe social em ascensão, a burguesia, formada por comerciantes que enriqueceram
principalmente a partir das grandes navegações.O conflito entre a velha aristocracia
feudal e os interesses burgueses deram origem às revoluções Inglesas do século XVII e
à Revolução Francesa do século XVIII ( a partir de 1789). A Revolução Francesa é
considerada como o grande marco da história do Ocidente, já que pôs fim à sociedade
estamental, inaugurando a Idade Contemporânea e a hegemonia do modo de produção
capitalista.
MODO DE PRODUÇÃO ASIÁTICO
O modo de produção denominado asiático também existiu na antiguidade,
predominantemente na região da Mesopotâmia, entre os rios Tigre e Eufrates (Hoje,
Iraque), na China e na Índia. Apesar do termo asiático, esse tipo de organização sócio-
econômica também prevaleceu em algumas regiões de outros continentes, como a
África (Egito antigo) e a América (Astecas,no atual México, e os Incas na região dos
Andes).
No modo de produção asiático as terras pertenciam ao Estado, não sendo
propriedade privada das classes sociais dominantes, no entanto o Estado era encarnado
na pessoa do Imperador, fosse ele o Inca Americano ou o Faraó egípcio.Em torno dele,
formavam-se os grupos privilegiados parasitários, como nobres, sacerdotes,
funcionários e guerreiros, que consumiam totalmente o excedente produzido por
escravos e camponeses.A agricultura, base da economia desses Estados, era praticada
por comunidades de camponeses presos à terra, que não podiam abandonar seu local de
trabalho e viviam submetidos a um regime de trabalho compulsório. Na verdade, esses
camponeses (ou aldeões) tinham acesso à coletividade das terras de sua comunidade, ou
seja, pelo fato de pertencerem a tal comunidade, eles tinham o direito e o dever de
cultivar as terras desta.
Todas as comunidades deviam tributos e serviços ao Estado ao qual estavam
submetidas, representado pelas figuras do imperador, rei ou faraó que se apropriavam
do excedente agrícola (produção que supera o consumo imediato), distribuindo-o entre a
nobreza, formada por sacerdotes e guerreiros. Lembrando que este "excedente" era,
freqüentemente, extorquido mais pelas necessidades da "nobreza" do que por realmente
ser um excedente propriamente dito nas comunidades.
Esse Estado todo-poderoso, onde os reis ou imperadores eram considerados
verdadeiros deuses, intervinha diretamente no controle da produção. Nos períodos entre
as safras, era comum o deslocamento de grandes levas de trabalhadores (servos e
escravos) para a construção de imensas obras públicas, principalmente canais de
irrigação e monumentos.
Essa produção de excedentes em benefício do Estado é que proporcionou a
constituição de grandes exércitos e de obras monumentais, tais como pirâmides, templos
e canais de irrigação.
Esse tipo de poder, também denominado despotismo oriental, marcado pela
formação de grandes comunidades agrícolas e pela apropriação dos excedentes de
produção, caracteriza a passagem das sociedades sem classes das primitivas
comunidades da pré-história (modo de produção primitivo) para as sociedades de
classes. Nestas, predominam a servidão entre explorados e exploradores, embora a
propriedade privada ainda fosse pouco difundida.
Guardadas as particularidades históricas, pode-se afirmar que os primeiros
Estados surgidos no Oriente Próximo (egípcios, babilônios, assírios, fenícios, hebreus,
persas) também na América pré-colombiana nas sociedades incas e maias
desenvolveram esse tipo de sociedade. Essas sociedades também podem ser
consideradas sociedades hidráulicas, pois também dominaram técnicas de drenagem e
utilização da força de rios para agricultura. Por fim, a servidão coletiva era o modo de
pagamento para o rei ou faraó pela utilização de suas terras. Outro aspecto que marca o
modo de produção "asiático" é a diferenciação social, onde sacerdotes, servos e reis
possuem funções sociais diferentes. ( Fonte: Wikipédia)
MODO DE PRODUÇÃO CAPITALISTA
Grandes mudanças começaram a ocorrer em toda a Europa independentemente
da vontade daqueles que detinham o poder e a riqueza, a partir do século XV, o
comércio já era a principal atividade econômica na Europa, nesse período, o capitalismo
(mercantil ou comercial) estruturava-se definitivamente a partir da necessidade e do
interesse dos países europeus ou algumas cidades européias em aumentar seu mercado
para além dos limites nacionais e continentais. Essas mudanças ocorreram de forma
gradativa, imperceptíveis para aqueles que viviam naquela época.Começaram a surgir
novos grupos sociais: comerciantes, artesãos e camponeses livres, algo impossível
durante o período feudal pois a dificuldade de mobilidade social era fato.
A partir daí, ocorreu a decadência do feudalismo; a servidão da gleba
(obrigações feudais dos servos) foi substituída pelo trabalho assalariado, e a primazia
dos senhores feudais coube então à burguesia mercantil e ao rei. A ampliação do
comércio internacional consolidou o sistema capitalista dentro de uma sociedade de
classes, na qual, de um lado, surgia e se fortalecia uma burguesia mercantil que, em
aliança com os reis, detinha o poder e a riqueza (capital), e, de outro lado, o proletariado
que, separado do capital e de seus meios de produção, tinha a oferecer sua força de
trabalho em troca de salário.
Foram dois séculos de amadurecimento até a Revolução Industrial (1750). As
inovações técnicas aliadas às riquezas provenientes das áreas colonizadas acabaram por
promover um acúmulo de capital e uma crescente expansão da economia. O capitalismo
se tornou o modo de produção dominante a partir da Revolução Industrial, iniciada na
Inglaterra.
Surgiu, assim, a necessidade de garantir o fornecimento de matérias-primas,
dominar os mercados consumidores e aplicar o capital de maneira segura, aumentando a
capacidade de produzir e, conseqüentemente, os lucros. A riqueza provinha, então, da
capacidade de produzir mercadorias e não mais do comércio.
Assim, o capitalismo industrial provocou a disputa pelas áreas fornecedoras de
matérias-primas, pelos mercados compradores e pelos locais de investimentos seguros,
levando as grandes potências dos séculos XIX e XX (Inglaterra, França, Bélgica, Japão,
EUA e tardiamente Itália e Alemanha) a competir pela dominação política e econômica
do mundo e pela partilha dos territórios asiáticos e africanos[4], de acordo com seus
próprios interesses.
O resultado da competição foi o imperialismo expresso pelo domínio econômico
de uma nação sobre outra, na tentativa de manter o abastecimento de matérias-primas e
os mercados consumidores, o que teve como conseqüências o militarismo, o
nacionalismo, o racismo e a hierarquização das nações.
A partir da Segunda Guerra Mundial, com as potências européias enfraquecidas
e em crise, surgem os EUA como grandes investidores externos, graças ao acúmulo de
capital e a seu crescente poder político-militar. O capitalismo entra em uma nova fase,
financeira ou monopolista, com a expansão de grandes empresas[5], o incessante
acúmulo de capitais em escala mundial, o monopólio e a internacionalização da
produção. Uma das características do modo de produção capitalista são as relações
assalariadas de produção; tais relações baseiam-se na propriedade privada dos meios de
produção, livre concorrência e livre iniciativa (economia de mercado); lucro como
objetivo; presença de duas classes sociais: burguesia e proletariado.
ATIVIDADES – PESQUISE, REFLITA E RESPONDA
1 – Defina “Modo de produção”.
2 – Compare os modos de produção no que diz respeito as relações de produção.
3 – Quais foram as principais modificações, com o surgimento do capitalismo,
na sociedade feudal da Europa?
4 – Qual o papel do Estado no Capitalismo?
5 – Quais as principais características do capitalismo?
6 – Na sua opinião, o capitalismo promove o progresso da humanidade?
7 – Você acha que a competição é um elemento da natureza humana?
8 – Você acha que é uma condição natural da humanidade a divisão entre ricos e
pobres?
9 – Pesquise: Trabalho, profissão e identidades laborais.
10 – Pesquise e reflita: Meios de produção e relações produtivas. Traga suas
ponderações para discutirmos em sala de aula.
Referências bibliográficas
ARENDT, Hannah. A Condição Humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997.
_______________. Crises da República. São Paulo: Perspectiva, 2004.
BOURDIEU, Pierre.O poder simbólico. Tradução de Fernando Tomaz. Rio de Janeiro:
Editora Bertrand Brasil S.A., 1989.
CARRARA,Sérgio…[et al]. Curso de especialização em gênero e
sexualidade/Organizadores: Carrara,Sérgio…[et al]. – Rio de Janeiro: CEPESC;
Brasília, DF : Secretaria especial de políticas públicas para as mulheres, 2010.
CHAUÍ, Marilena. Convite a Filosofia. São Paulo: Ática, 2000.
COSTA, Cristina. Sociologia: Introdução a ciência da sociedade.São Paulo: Moderna, 2005.
CUNHA, Manuela Carneiro da. “Etnicidade” IN: Antropologia do Brasil. SP: Brasiliense,
1987.
ELIAS, Nobert. Introdução a sociologia - título original: What is sociology? – Tradução
Maria Luiza Ribeiro Ferreira – Edições 70: Portugal, 1980.
GIDDENS, A. Sociologia, Porto Alegre: Artmed, 2005.
HALL, Stuart. Da diáspora – identidades e mediações culturais. Belo Horizonte, Editora da
UFMG, 2003.
MARX, Karl. O manifesto do partido comunista. Petrópolis: Editora: VOZES, 2000.
___________. O capital.São Paulo: Nova Cultural, Círculo do livro, 1996.
MORTARI, Claudia. Antropologia cultural e multiculturalismo / Claudia Mortari[et. al.]. -
2ed. - Florianópolis (SC) : UDESC: FAED : CEAD, 2002
OLIVEIRA, de Luiz Fernandes; Costa, da Ricardo Cesar Rocha.Sociologia: o
conhecimento humano para jovens do ensino técnico profissionalizante.1ª Ed.
Petrópolis,RJ: Catedral das letras, 2005.
Sociologia / vários autores. – Curitiba: SEED-PR, 2006. 2ª edição, Governo do Estado do
Paraná.
VASCONCELOS, Ana.Coleção base do Saber: Sociologia.1ª Ed. – São Paulo: Rideel,
2009.
WEBER, Max. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Brasília :
Editora da Universidade de Brasília, 1998, Vol I.
WEBER, Max. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Brasília :
Editora da Universidade de Brasília, 1999, Vol II.
___________. Ensaios de Sociologia. Rio de Janeiro : Guanabara Koogan,
1982.
___________. Sobre a universidade: o poder do Estado e a dignidade acadêmica. São Paulo
: Cortez, 1989.
WEBER, Max. Os Três Tipos Puros de Dominação Legítima. In COHN, Gabriel (org).
Max Weber – Sociologia. São Paulo: Ática, 1982.
WEBIBLIOGRAFIA:
Wikipédia enciclopédia livre / Brasil
< http://pt.wikipedia.org/wiki> . Acesso em 5 de janeiro de 2011.
Cola da web - < www.coladaweb.com/>. Acesso em 5 de janeiro de 2011.
Info escola - <www.infoescola.com>. Acesso em 5 de janeiro de 2011.
<http://www.suapesquisa.com>. Acesso em 5 de janeiro de 2011
<http://www.culturabrasil.pro.br>. Acesso em 5 de janeiro de 2011
[1] Podemos definir o neoliberalismo como um conjunto de idéias políticas e econômicas capitalistas que defende a não
participação do estado na economia. De acordo com esta doutrina, deve haver total liberdade de comércio (livre
mercado), pois este princípio garante o crescimento econômico e o desenvolvimento social de um país.Surgiu na
década de 1970, através da Escola Monetarista do economista Milton Friedman, como uma solução para a crise que
atingiu a economia mundial em 1973, provocada pelo aumento excessivo no preço do petróleo. Características do
Neoliberalismo (princípios básicos): - mínima participação estatal nos rumos da economia de um país; - pouca
intervenção do governo no mercado de trabalho; - política de privatização de empresas estatais; - livre circulação de
capitais internacionais e ênfase na globalização; - abertura da economia para a entrada de multinacionais; - adoção de
medidas contra o protecionismo econômico; - desburocratização do estado: leis e regras econômicas mais
simplificadas para facilitar o funcionamento das atividades econômicas; - diminuição do tamanho do estado,
tornando-o mais eficiente; - posição contrária aos impostos e tributos excessivos; - aumento da produção, como
objetivo básico para atingir o desenvolvimento econômico; - contra o controle de preços dos produtos e serviços por
parte do estado, ou seja, a lei da oferta e demanda é suficiente para regular os preços; - a base da economia deve ser
formada por empresas privadas;
[2] A introdução da lei diz: Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do
art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as
Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre
a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o
Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências.
[3] O Parágrafo 175, conhecido formalmente como §175 StGB e também como "Section 175" na língua inglesa, foi uma
medida do Código Criminal Germânico em vigor de 15 de maio de 1871 a 10 de março de 1994. O Parágrafo 175
considerava as relações homossexuais como crime, sendo que nas primeiras edições também criminalizava as
relações sexuais humanas com animais, conhecidas como bestialidade.
O dispositivo legal sofreu várias emendas ao longo do tempo. Quando os nazistas assumiram o poder em 1935, as
condenações através do Parágrafo 175 aumentaram na ordem de magnitude de 10 vezes.
[4] (neocolonialismo)
[5] (corporações multinacionais, hoje chamadas transnacionais)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?guest6a86aa
 
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHA
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHAATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHA
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHAProf. Noe Assunção
 
Atividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades de sociologia interpretação de textos e chargesAtividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades de sociologia interpretação de textos e chargesAtividades Diversas Cláudia
 
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CIDADANIA- DEMOCRACIA- PARTICIPAÇÃO CIDADÃ - Prof. ...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CIDADANIA- DEMOCRACIA- PARTICIPAÇÃO CIDADÃ - Prof. ...AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CIDADANIA- DEMOCRACIA- PARTICIPAÇÃO CIDADÃ - Prof. ...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CIDADANIA- DEMOCRACIA- PARTICIPAÇÃO CIDADÃ - Prof. ...Prof. Noe Assunção
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à SociologiaAlison Nunes
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeMoacyr Anício
 
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaDarlan Campos
 
Atividade Sociologia
Atividade Sociologia Atividade Sociologia
Atividade Sociologia Maira Conde
 
Aula de sociologia
Aula de sociologiaAula de sociologia
Aula de sociologiapascoalnaib
 
Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Over Lane
 
Atividade de Reflexão 2 - Sociologia -
Atividade de Reflexão 2 - Sociologia - Atividade de Reflexão 2 - Sociologia -
Atividade de Reflexão 2 - Sociologia - Miro Santos
 

Mais procurados (20)

Sociologia Desigualdade Social
Sociologia Desigualdade SocialSociologia Desigualdade Social
Sociologia Desigualdade Social
 
O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?
 
Lista de exercícios (Sociologia)
Lista de exercícios (Sociologia)Lista de exercícios (Sociologia)
Lista de exercícios (Sociologia)
 
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHA
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHAATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHA
ATIVIDADE - CONCEITO DE CULTURA COM JOGO DA CRUZADINHA
 
Atividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades de sociologia interpretação de textos e chargesAtividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades de sociologia interpretação de textos e charges
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CIDADANIA- DEMOCRACIA- PARTICIPAÇÃO CIDADÃ - Prof. ...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CIDADANIA- DEMOCRACIA- PARTICIPAÇÃO CIDADÃ - Prof. ...AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CIDADANIA- DEMOCRACIA- PARTICIPAÇÃO CIDADÃ - Prof. ...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CIDADANIA- DEMOCRACIA- PARTICIPAÇÃO CIDADÃ - Prof. ...
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
 
Instituições sociais
Instituições sociaisInstituições sociais
Instituições sociais
 
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
 
Apostila sociologia - eja fácil
Apostila sociologia - eja fácilApostila sociologia - eja fácil
Apostila sociologia - eja fácil
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
CULTURA E SOCIEDADE
CULTURA E SOCIEDADECULTURA E SOCIEDADE
CULTURA E SOCIEDADE
 
Atividades senso cumum topico 1 e 2 sociologia
Atividades senso cumum   topico 1 e 2 sociologiaAtividades senso cumum   topico 1 e 2 sociologia
Atividades senso cumum topico 1 e 2 sociologia
 
Atividade Sociologia
Atividade Sociologia Atividade Sociologia
Atividade Sociologia
 
Aula de sociologia
Aula de sociologiaAula de sociologia
Aula de sociologia
 
Individuo sociedade
Individuo sociedadeIndividuo sociedade
Individuo sociedade
 
Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1
 
Atividade de Reflexão 2 - Sociologia -
Atividade de Reflexão 2 - Sociologia - Atividade de Reflexão 2 - Sociologia -
Atividade de Reflexão 2 - Sociologia -
 

Destaque

História da sociologia
História da sociologiaHistória da sociologia
História da sociologiaTiago Lacerda
 
Apostila de sociologia 3° ano
Apostila de sociologia 3° anoApostila de sociologia 3° ano
Apostila de sociologia 3° anoAlexandre Quadrado
 
Sociologia planejamento 2015
Sociologia planejamento 2015Sociologia planejamento 2015
Sociologia planejamento 2015Luciane Natural
 
3 ano plano de aula movimentos sociais
3 ano   plano de aula movimentos sociais3 ano   plano de aula movimentos sociais
3 ano plano de aula movimentos sociaisAlessandra Nascimento
 
Apostila de sociologia 2° ano
Apostila de sociologia 2° anoApostila de sociologia 2° ano
Apostila de sociologia 2° anoAlexandre Quadrado
 
Apostila de sociologia - Volume 2 (2° ano do EM)
Apostila de sociologia - Volume 2 (2° ano do EM)Apostila de sociologia - Volume 2 (2° ano do EM)
Apostila de sociologia - Volume 2 (2° ano do EM)Matheus Alves
 
Texto de sociologia 3 ano
Texto de sociologia 3 anoTexto de sociologia 3 ano
Texto de sociologia 3 anoHelan Couto
 
Apostila de sociologia 1° ano
Apostila de sociologia 1° anoApostila de sociologia 1° ano
Apostila de sociologia 1° anoAlexandre Quadrado
 
Apostila de filosofia 3º ano
Apostila de filosofia 3º anoApostila de filosofia 3º ano
Apostila de filosofia 3º anoDuzg
 
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médioApostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médioMARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Sociologia 3º ano EM
Sociologia 3º ano EM Sociologia 3º ano EM
Sociologia 3º ano EM Mayron Picolo
 
Aula o que é trabalho - Prof. Noe Assunção
Aula  o que é trabalho - Prof. Noe AssunçãoAula  o que é trabalho - Prof. Noe Assunção
Aula o que é trabalho - Prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Sociologia 3 s_em_volume_1_professor
Sociologia 3 s_em_volume_1_professorSociologia 3 s_em_volume_1_professor
Sociologia 3 s_em_volume_1_professorValdeavare
 
Geografia do Ensino Médio - EJA-FAMATRI
Geografia do Ensino Médio - EJA-FAMATRI Geografia do Ensino Médio - EJA-FAMATRI
Geografia do Ensino Médio - EJA-FAMATRI Virna Salgado Barra
 
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 01 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 01 do TomaziSlide livro Sociologia ensino médio capitulo 01 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 01 do Tomazipascoalnaib
 
Planejamento anual de sociologia
Planejamento anual de sociologiaPlanejamento anual de sociologia
Planejamento anual de sociologiaSandro Lima
 
Plano de curso sociologia 1 ano
Plano de curso  sociologia 1 anoPlano de curso  sociologia 1 ano
Plano de curso sociologia 1 anoJoão Marcelo
 

Destaque (20)

História da sociologia
História da sociologiaHistória da sociologia
História da sociologia
 
Plano de ensino sociologia
Plano de ensino sociologiaPlano de ensino sociologia
Plano de ensino sociologia
 
Apostila de sociologia 3° ano
Apostila de sociologia 3° anoApostila de sociologia 3° ano
Apostila de sociologia 3° ano
 
Sociologia planejamento 2015
Sociologia planejamento 2015Sociologia planejamento 2015
Sociologia planejamento 2015
 
3 ano plano de aula movimentos sociais
3 ano   plano de aula movimentos sociais3 ano   plano de aula movimentos sociais
3 ano plano de aula movimentos sociais
 
Apostila de sociologia 2° ano
Apostila de sociologia 2° anoApostila de sociologia 2° ano
Apostila de sociologia 2° ano
 
Apostila de sociologia - Volume 2 (2° ano do EM)
Apostila de sociologia - Volume 2 (2° ano do EM)Apostila de sociologia - Volume 2 (2° ano do EM)
Apostila de sociologia - Volume 2 (2° ano do EM)
 
Texto de sociologia 3 ano
Texto de sociologia 3 anoTexto de sociologia 3 ano
Texto de sociologia 3 ano
 
Conteúdo programático de sociologia
Conteúdo programático de sociologiaConteúdo programático de sociologia
Conteúdo programático de sociologia
 
Apostila de sociologia 1° ano
Apostila de sociologia 1° anoApostila de sociologia 1° ano
Apostila de sociologia 1° ano
 
Gislaine, medo
Gislaine, medo Gislaine, medo
Gislaine, medo
 
Apostila de filosofia 3º ano
Apostila de filosofia 3º anoApostila de filosofia 3º ano
Apostila de filosofia 3º ano
 
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médioApostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
 
Sociologia 3º ano EM
Sociologia 3º ano EM Sociologia 3º ano EM
Sociologia 3º ano EM
 
Aula o que é trabalho - Prof. Noe Assunção
Aula  o que é trabalho - Prof. Noe AssunçãoAula  o que é trabalho - Prof. Noe Assunção
Aula o que é trabalho - Prof. Noe Assunção
 
Sociologia 3 s_em_volume_1_professor
Sociologia 3 s_em_volume_1_professorSociologia 3 s_em_volume_1_professor
Sociologia 3 s_em_volume_1_professor
 
Geografia do Ensino Médio - EJA-FAMATRI
Geografia do Ensino Médio - EJA-FAMATRI Geografia do Ensino Médio - EJA-FAMATRI
Geografia do Ensino Médio - EJA-FAMATRI
 
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 01 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 01 do TomaziSlide livro Sociologia ensino médio capitulo 01 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 01 do Tomazi
 
Planejamento anual de sociologia
Planejamento anual de sociologiaPlanejamento anual de sociologia
Planejamento anual de sociologia
 
Plano de curso sociologia 1 ano
Plano de curso  sociologia 1 anoPlano de curso  sociologia 1 ano
Plano de curso sociologia 1 ano
 

Semelhante a Estratificação social: castas, estamentos e classes

Classes sociais e estratifica
Classes sociais e estratificaClasses sociais e estratifica
Classes sociais e estratificaVitoriaNunes
 
Movimento conflitos sociais e estratificação
Movimento   conflitos sociais e estratificaçãoMovimento   conflitos sociais e estratificação
Movimento conflitos sociais e estratificaçãoWilton Moretto
 
A estrutura social e as desigualdades
A estrutura social e as desigualdadesA estrutura social e as desigualdades
A estrutura social e as desigualdadeskarynnebm
 
Resumo de Mobilidade social e Estratificação
Resumo de Mobilidade social e EstratificaçãoResumo de Mobilidade social e Estratificação
Resumo de Mobilidade social e EstratificaçãoFabio Salvari
 
Desigualdades 2 as formas de estratificação
Desigualdades 2   as formas de estratificaçãoDesigualdades 2   as formas de estratificação
Desigualdades 2 as formas de estratificaçãoJosé Amaral
 
Formas de estratificação: Castas, Estamentos e Classes Sociais
Formas de  estratificação: Castas, Estamentos e Classes SociaisFormas de  estratificação: Castas, Estamentos e Classes Sociais
Formas de estratificação: Castas, Estamentos e Classes SociaisCarlos Danilo
 
IECJ - Cap. 07 - Estrutura, estratificação social e as desigualdades
IECJ - Cap. 07 - Estrutura, estratificação social e as desigualdadesIECJ - Cap. 07 - Estrutura, estratificação social e as desigualdades
IECJ - Cap. 07 - Estrutura, estratificação social e as desigualdadesprofrodrigoribeiro
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação socialWilton Moretto
 
A questão da estratificação social (1)
A questão da estratificação social (1)A questão da estratificação social (1)
A questão da estratificação social (1)Janaína Almeida
 
Classes e formas de estratificação social
Classes e formas de estratificação socialClasses e formas de estratificação social
Classes e formas de estratificação socialGrupo Educacional Opet
 
INSTITUIÇÕES SOCIAIS - CLASSES E DOMINAÇÃO.pptx
INSTITUIÇÕES SOCIAIS - CLASSES E DOMINAÇÃO.pptxINSTITUIÇÕES SOCIAIS - CLASSES E DOMINAÇÃO.pptx
INSTITUIÇÕES SOCIAIS - CLASSES E DOMINAÇÃO.pptxssusere7722f
 
2ano_sociologia.pptx
2ano_sociologia.pptx2ano_sociologia.pptx
2ano_sociologia.pptxczarfilsofo
 
Classes, estratificação e desigualdade_.docx
Classes, estratificação e desigualdade_.docxClasses, estratificação e desigualdade_.docx
Classes, estratificação e desigualdade_.docxYasmimPenteado
 

Semelhante a Estratificação social: castas, estamentos e classes (20)

Classes sociais e estratifica
Classes sociais e estratificaClasses sociais e estratifica
Classes sociais e estratifica
 
Castas, estamentos e classes sociais
Castas, estamentos e classes sociaisCastas, estamentos e classes sociais
Castas, estamentos e classes sociais
 
Movimento conflitos sociais e estratificação
Movimento   conflitos sociais e estratificaçãoMovimento   conflitos sociais e estratificação
Movimento conflitos sociais e estratificação
 
A estrutura social e as desigualdades
A estrutura social e as desigualdadesA estrutura social e as desigualdades
A estrutura social e as desigualdades
 
Resumo de Mobilidade social e Estratificação
Resumo de Mobilidade social e EstratificaçãoResumo de Mobilidade social e Estratificação
Resumo de Mobilidade social e Estratificação
 
Desigualdades 2 as formas de estratificação
Desigualdades 2   as formas de estratificaçãoDesigualdades 2   as formas de estratificação
Desigualdades 2 as formas de estratificação
 
Formas de estratificação: Castas, Estamentos e Classes Sociais
Formas de  estratificação: Castas, Estamentos e Classes SociaisFormas de  estratificação: Castas, Estamentos e Classes Sociais
Formas de estratificação: Castas, Estamentos e Classes Sociais
 
IECJ - Cap. 07 - Estrutura, estratificação social e as desigualdades
IECJ - Cap. 07 - Estrutura, estratificação social e as desigualdadesIECJ - Cap. 07 - Estrutura, estratificação social e as desigualdades
IECJ - Cap. 07 - Estrutura, estratificação social e as desigualdades
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
A questão da estratificação social (1)
A questão da estratificação social (1)A questão da estratificação social (1)
A questão da estratificação social (1)
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
Classes e formas de estratificação social
Classes e formas de estratificação socialClasses e formas de estratificação social
Classes e formas de estratificação social
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
INSTITUIÇÕES SOCIAIS - CLASSES E DOMINAÇÃO.pptx
INSTITUIÇÕES SOCIAIS - CLASSES E DOMINAÇÃO.pptxINSTITUIÇÕES SOCIAIS - CLASSES E DOMINAÇÃO.pptx
INSTITUIÇÕES SOCIAIS - CLASSES E DOMINAÇÃO.pptx
 
2ano_sociologia.pptx
2ano_sociologia.pptx2ano_sociologia.pptx
2ano_sociologia.pptx
 
Aula classes sociais
Aula classes sociaisAula classes sociais
Aula classes sociais
 
Aula classes sociais
Aula classes sociaisAula classes sociais
Aula classes sociais
 
Classes, estratificação e desigualdade_.docx
Classes, estratificação e desigualdade_.docxClasses, estratificação e desigualdade_.docx
Classes, estratificação e desigualdade_.docx
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Sociologia
SociologiaSociologia
Sociologia
 

Mais de MARISE VON FRUHAUF HUBLARD

Portal do professor eleições de um municipio
Portal do professor   eleições de um municipioPortal do professor   eleições de um municipio
Portal do professor eleições de um municipioMARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente
 consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente
consumo e consumismo qual o papel do consumidor conscienteMARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Felicidade sustentável epicuro e_a_felicidade
Felicidade sustentável  epicuro e_a_felicidadeFelicidade sustentável  epicuro e_a_felicidade
Felicidade sustentável epicuro e_a_felicidadeMARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Caderno pedagógico de sociologia sta catarina
Caderno pedagógico de sociologia sta catarinaCaderno pedagógico de sociologia sta catarina
Caderno pedagógico de sociologia sta catarinaMARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos
 Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos
Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicosMARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 

Mais de MARISE VON FRUHAUF HUBLARD (20)

Estatuto do idoso
Estatuto do idosoEstatuto do idoso
Estatuto do idoso
 
Portal do professor eleições de um municipio
Portal do professor   eleições de um municipioPortal do professor   eleições de um municipio
Portal do professor eleições de um municipio
 
consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente
 consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente
consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente
 
Felicidade sustentável epicuro e_a_felicidade
Felicidade sustentável  epicuro e_a_felicidadeFelicidade sustentável  epicuro e_a_felicidade
Felicidade sustentável epicuro e_a_felicidade
 
Animação sobre a segunda guerra mundial
Animação sobre a segunda guerra mundialAnimação sobre a segunda guerra mundial
Animação sobre a segunda guerra mundial
 
Bioética
BioéticaBioética
Bioética
 
Arte e estética
Arte e estéticaArte e estética
Arte e estética
 
A filosofia e seu ensino
A filosofia e seu ensinoA filosofia e seu ensino
A filosofia e seu ensino
 
A filosofia de platão
A filosofia de platãoA filosofia de platão
A filosofia de platão
 
A filosofia e seu ensino
A filosofia e seu ensinoA filosofia e seu ensino
A filosofia e seu ensino
 
A filosofia na educação básica
A filosofia na educação básicaA filosofia na educação básica
A filosofia na educação básica
 
A atitude científica
A atitude científicaA atitude científica
A atitude científica
 
A arte da guerra
A arte da guerraA arte da guerra
A arte da guerra
 
Karl marx (materialismo histórico)
Karl marx (materialismo histórico)Karl marx (materialismo histórico)
Karl marx (materialismo histórico)
 
A tradicao-socratica-na-sala-de-aula
A tradicao-socratica-na-sala-de-aulaA tradicao-socratica-na-sala-de-aula
A tradicao-socratica-na-sala-de-aula
 
Sociologia em Movimento
Sociologia em MovimentoSociologia em Movimento
Sociologia em Movimento
 
Consumo vs consumismo
Consumo vs consumismoConsumo vs consumismo
Consumo vs consumismo
 
Livro de sociologia 2015 sec. xxi
Livro de sociologia 2015   sec. xxiLivro de sociologia 2015   sec. xxi
Livro de sociologia 2015 sec. xxi
 
Caderno pedagógico de sociologia sta catarina
Caderno pedagógico de sociologia sta catarinaCaderno pedagógico de sociologia sta catarina
Caderno pedagógico de sociologia sta catarina
 
Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos
 Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos
Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos
 

Último

HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 

Estratificação social: castas, estamentos e classes

  • 1. AULAS DE SOCIOLOGIA ENSINO MÉDIO - 3º ANO • Formas de estratificação social; Mobilidade social. • Desigualdades sociais; • Marcadores sociais de diferença: gênero, raça/etnia, sexualidade, geração e classe. • Os diferentes modos de produção; • O trabalho em diferentes sociedades; • Meios de produção e relações produtivas; • Trabalho, profissão e identidades laborais Vamos falar sobre a organização da sociedade em camadas, a estratificação social. A estratificação social é fruto das desigualdades sociais entre os indivíduos de uma determinada sociedade, que apresentam disparidades em relação a riqueza, poder, prestígio e até mesmo em relação a coisas básicas como escolaridade. Existem três tipos de estratificação social: a econômica: que fundamenta-se na posse de bens materiais, onde se encontram ricos e pobres. A política baseia-se no grupo que tem poder e no que não tem poder, ou seja, os grupos dominantes, que mandam na sociedade. E a estratificação profissional que funda-se nos diferentes graus atribuídos a cada profissional. Ao observarmos uma sociedade podemos concluir muitas vezes que os apectos econômicos são muito mais importantes do que os outros tipos na caracterização dessa sociedade.Sendo asssim, quando um indivíduo possuí um poder aquisitivo maior, fatalmente sua posição de poder será valorizada, ele ocupará os melhores cargos e sua profissão será também mais valorizada dentro da sociedade, verificamos dessa forma, a desigualdade social. A hierarquia social divide a sociedade em “estratos” ou camadas mais ou menos fixas. A divisão em camadas pode ser feita em castas como na Índia, Estamentos como na Europa ocidental durante a idade média ou em classes sociais como nas sociedades capitalistas.Em uma sociedade, os grupos ou indivíduos não possuem a mesma posição nem o mesmo prestígio, não existindo assim, sociedade pura. Muitos sociólogos apresentaram teorias acerca da estratificação, entre eles Karl Marx, que foi um dos primeiros a tratar deste problema, para ele, o que determina a estratificação é o fator econômico.Já Max Weber, em seus estudos, acreditava que não era apenas o fator econômico, e apresentou três dimensões da sociedade: Ordem econômica: representada pela classe, que está estratificada de acordo com suas relações com a produção e a aquisição de bens, é representada pelos rendimentos, bens e serviços que o indivíduo possuí. Ordem social (status) : representada pelo estilo de vida, pelo prestígio de honra desfrutado, em função do consumo de bens. Ordem política: representada pelo partido, manifestando-se através da distribuição de poder entre os partidos políticos, ocorrendo a estratificação através da distribuição de poder entre os membros dos grupos.Para Weber, essas dimensões possuem estratificação própria.
  • 2. Para o sociólogo russo Pitirim Sorokin, a estratificação apresenta três formas dependentes e recíprocas: Estratificação econômica: divisão entre ricos e pobres através da situação econômica, manifesta-se de forma concreta no nível de vida, na posse de bens, podendo surgir nos diferentes tipos de sociedades capitalistas ou socialistas, não importando a forma de governo ou a organização política. Estratificação política: a desigualdade política ocorre pela diversidade em decorrência da distribuição desigual de poder, de autoridade, de prestígio, de honra e de título.Essa estratificação ocorre independentemente da constituição particular da sociedade. Estratificação profissional: na sociedade profissional observa-se diferenças nas ocupações, fazendo com que o indivíduo ganhe prestígio ou não, dependendo do tipo de atividade exercida ou do grau hierárquico de sua função. Melvin Marvin Tumin, sociólogo contemporâneo pensa desigualdade social e estratificação social como sinônimos, pois para ele a estratificação é compreendida como a “disposição de qualquer grupo ou sociedade numa hierarquia de posições desiguais com relação a poder, propriedade, valorização social e satisfação psicológica.” Tanto na sociedade quanto nos indivíduos, o que importa é como se dá a distribuição dos bens.Em uma sociedade industrial urbanizada, a distribuição dos bens se dá de acordo com a posição ou status do indivíduo, sobretudo se ele possuí uma profissão que lhe garante algum status.A sociedade possuí diversos estratos organizados hierarquicamente conforme o poder, propriedades, valorização e satisfação psicológica. Os estratos consistem em status socialmente definidos que recebem cotas determinadas de poder, propriedade e prestígio. Dessa forma, estrato pode ser definido como conjunto de pessoas que, em uma determinada sociedade e em dado período, tem status equivalente ou semelhante, distinto do status dos demais componentes dessa sociedade. Hoje existem vários critérios que os pesquisadores utilizam para analisar e invesigar de forma empírica a divisão social da sociedade e também como ocorre essa estratificação, também são variados os critérios usados nas investigações para estabelecer a estratificação, são exemplos: riqueza, educação, prestígio da ocupação, origem étnica, zonas residenciais etc. TIPOS DE ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL Castas – Na Índia, as castas permanecem fortemente enraizadas, apesar de legalmente não existirem mais. Castas são grupos sociais fechados, os casamentos só são permitidos entre membros da mesma casta.A estraficação social ocorre na Índia de maneira rígida e fechada, não oferecendo oportunidade de mobilidade social. Os sacerdotes e mestres da erudição sacra, são os brâmanes, e ocupam o mais alto grau da sociedade indiana,em seguida os guerreiros pertecentes à aristocracia militar e também os governantes denominados xátrias. Em terceiro lugar encontram-se os comerciantes, os artesãos e os camponeses, denominados vaícias.Os sudras constituem a casta mais baixa, geralmente fazem trabalhos manuais e realizam atividades servis de toda espécie. A estratificação social na Índia ajudou a desenvolver o conceito de seres superiores e inferiores, para os indianos e indianas esse sistema é tão relevante que para esse povo a evolução do espírito depende da aceitação passiva de se manter nas normas da casta, com a casta mais baixa servindo a casta superior, aceitando a desigualdade social.Em 26 de Novembro de 1947 as castas foram abolidas oficialmente por meio de uma lei contitucional, que dá o direito de igualdade a todos os cidadãos, sendo proibido
  • 3. qualquer tipo de rejeição na sociedade hindu.No entanto podemos verificar que essa lei nada significa, principalmente nas pequenas aldeias, onde as castas superiores não querem perder seus privilégios e as castas inferiores continuam sendo humilhadas e rejeitadas, além de excluídas, pois não tem acesso a educação, e têm os piores empregos. Segundo muitos sociólogos, a diferença de castas ocorre devido ao contato de raças diferentes em decorrência de conquistas, como no caso da Índia.A palvra casta é de origem portuguesa, e para os indianos e indianas corresponde a varna, cujo significado é cor, sendo que a cor das castas superiores é mais clara que a das inferiores. Estamento ou estrato – O sistema de estamentos vigorou na Europa Ocidental durante o feudalismo, no período medieval.O estamento é uma sociedade semelhante a casta, só que um pouco mais aberta.As divisões sociais no estamento são reconhecidas por leis que estão em geral ligadas ao conceito de honra.Neste tipo de sociedade a mobilidade social era difícil de ocorrer, mas não impossível como nas sociedades de castas. A mobilidade social era possível quando a igreja escolhia pessoas menos favorecidas economicamente como membros, quando ocorria a libertação de um servo pelo seu senhor, quando um homem pobre recebia títulos permitidos pelo vassalo, ou pelo casamento de uma filha de comerciante rico com uma pessoa pertencente a nobreza. Contudo mesmo sendo relativamente possível a mobilidade social nestas sociedades dificilmente ocorria. A nobreza e o alto clero eram os donos das terras e obtinham renda através da exploração de seus servos.Os nobres exerciam o poder judiciário e ocupavam-se da guerra e da caça.Os comerciantes apesar de possuírem riquezas, não possuíam poder como a nobreza. Os artesãos viviam nas cidades reunidos em associações, os comercinates livres trabalhavam a terra e vendiam os produtos nas cidades, o baixo clero era de origem pobre e vivia com o povo prestando assistência religiosa.Os servos trabalhavam a terra, e parte de sua produção era “cedida” para o senhor feudal, por estarem ligados a terra, os servos mudavam de senhor se a terra passasse para outro dono. Os diferentes estamentos dentro da sociedade feudal desenvolveram sistemas de privilégios e atividades sociais. A classe dominante por estar mais organizada, tratou de dar continuidade ao sistema e de realizar, de forma tradicional, os deveres que seriam próprios de cada estamento.Não deixando de haver possibilidades de mobilidade social, a classe dominante para se manter no poder, teve inicialmente suas atividades voltadas para serviços de guerra, cargos públicos, propriedade de terra e também serviços ligados a Igreja, em hipótese alguma realizavam serviços manuais ou do comércio. Em toda forma de dominação há desigualdade de direitos e privilégios, o que ocasiona revoltas, agressões e manifestações, contudo os estamentos inferiores do período feudal não tinham a pretensão de ir contra o sistema estamental superior, quando se manifestavam era para lutar por igualdade de direitos e privilégios entre si. Com o surgimento das cidades e o desenvolvimento do comércio, surgiu uma outra classe: a burguesia, que aos poucos, foi adquirindo poder em relação aos nobres.O estamento burguês especializou-se em diversos tipos de atividades.Enriquecendo, a burguesia passou a exigir maior liberdade e participação política, além do rompimento dos laços com o senhor feudal, para que o comércio pudesse expandir-se cada vez mais. CLASSES SOCIAIS
  • 4. Na sociedade capitalista, alguns poucos proprietários são donos dos meios de produção, e a maioria da população representa a força de trabalho; nessa sociedade ocorre a desigualdade social.Os proprietários, donos dos meios de produção, possuem a renda mais alta, os de renda média são os trabalhadores(as) de trabalho qualificado, os de renda baixa são os trabalhadores(as) de mão de obra não qualificada. Os donos dos meios de produção são os que gozam de maior prestígio social, têm mais privilégio e poder. A distribuição de poder baseia-se na posição dos indivíduos com relação aos elementos da produção.Os que possuem os meios de produção têm um maior nível de consumo e mais prestígio social que os trabalhadores (as) que possuem apenas seu trabalho, não desfrutando das mesmas condições dos donos da produção, vendo-se obrigados(as) a trabalhar para os proprietários recebendo em troca uma remuneração. Podemos definir classe social como o grupo de pessoas que apresentam uma situação ou status social similar com relação aos elementos de produção ou a outros critérios, sobretudo o econômico. A sociedade pode ser classificada de acordo com o nível de consumo de seus membros.Os donos dos meios de trabalho adquirem bens e serviços de luxo, os trabalhadores (as) que possuem mão de obra qualificada adquirem bens por preços intermediários, já os trabalhadores(as) de mão de obra não qualificada somente adquirem bens de primeira necessidade. Na sociedade capitalista, a classe social está classificada da seguinte forma: Classe alta – indvíduos com grande poder aquisitivo, são os proprietários do capital, os grandes industrais, os banqueiros e os grandes comerciantes, além dos grandes proprietários de terra. Classe média – indivíduos com renda e poder aquisitivo medianos, pequenos empresários e microempresários, pequenos comerciantes, pequenos produtores rurais, profissionais liberais como advogados, médicos, engenheiros, dentistas etc. Classe baixa – camada de pequeno poder aquisitivo e baixa renda, trabalhadores com pouca qualificação, comerciantes informais, desempregados, os que vivem com uma renda inferior e insuficiente para o dia a dia. Há diversas teorias científicas para definir o conceito de classe social, o sociólogo norte-americano Gerhard Emmanuel Lenski, afirmou que “durante séculos houve uma tendência, por parte dos conservadores, de interpretar a classe social como uma necessidade funcional para a sobrevivência da sociedade.” Vilfredo Pareto, sociólogo italiano, ao definir classe social e na tentativa de provar sua necessidade assim como Gaetano Mosca foi mais longe. Para estes sociólogos, nos modernos sistemas industriais ocorre a circulação de elites; portanto, não há nenhuma classe dominante permanente. O termo classe social pode ser definido como um grupo de indivíduos segundo seu poder aquisitivo.No sistema de castas, por exemplo, a sociedade estava dividida por camada social.A diferença dos outros grupos, seja do sistema capitalista ou feudal, é que a possibilidade de mobilidade social é nula, inexistente, a pessoa que nascia na casta considerada baixa permanecia na mesma, sendo impossível mudar de status por conta de mudanças em seu poder aquisitivo como ocorre no sistema capitalista. De acordo com Marx, “as classes sociais estão associadas à divisão do trabalho.São grupos coletivos que que desempenham o mesmo papel na divisão do trabalho num determinado modo de produção.” Na visão marxista, em toda sociedade, não importa se pré-capitalista ou com característica capitalista, a classe dominante controla direta ou indiretamente o Estado.
  • 5. No sistema capitalista industrial, a sociedade pode ser classificada em três níveis diferentes: a classe alta, a classe média e a classe baixa.Nos países subdesenvolvidos,a classe média é a minoria e a classe baixa é a grande massa da população.A partir dessa divisão é possível encontrar outras classes: Classe altíssima – composta por indivíduos que se destacam economicamente (elite). Ex: Donos de empresas de origem familiar tradicionalmente ricos, banqueiros etc. Classe alta – composta por indivíduos que se tornaram ricos por receberem uma boa remuneração. Classe média alta – composta por indivíduos com uma remuneração razoável, como médicos, advogados, dentre outros. Classe média – composta por indivíduos que recebem uma remuneração mediana, como gerentes, arquitetos etc. Classe média baixa - composta por indivíduos que recebem um salário mais baixo, como secretários, vendedores, recepcionistas etc. Classe baixa - composta por indivíduos que exercem trabalhos braçais, como operários, serventes, garis, etc. Classe abaixo da linha da pobreza – composta por pessoas que não representam mão de obra especializada, não possuem escolaridade suficiente para o mercado de trabalho, possuem renda muito baixa ou nenhuma fonte de renda. No mundo capitalista, quanto mais poder econômico um indivíduo possuí, mais assume seu papel de classe dominante na sociedade, adequando assim a estrutura social para a perpetuação da exploração controlando outras classes de poder aquisitivo menor, para assim manter-se no poder, no controle. MARCADORES SOCIAIS DE DIFERENÇA Quando examinamos, fazemos uma análise das sociedades, identificamos imediatamente a existência de diversidades e desigualdades sociais.Muitas das diferenças entre os indivíduos são de natureza humana como por exemplo, gênero, cor da pele, idade, altura etc. Contudo as desigualdades sociais são produto das relações estabelecidas entre os indivíduos, como vimos anteriormente ao estudarmos classes sociais e o sistema capitalista, estas rfletem os conflitos de interesses de grupos ou indivíduos em relação aos outros grupos ou indivíduos que, geralmente, colocam todos na condição de opressores e oprimidos. Historicamente vimos que o capitalismo apresenta um grande conflito: a luta entre burgueses e proletários.No entanto, a história do século XX apresenta outros conflitos de interesses que vão muito além da divisão da sociedade em classes: conflitos entre os gêneros (homens e mulheres), adultos e jovens, brancos e não-brancos, minorias étnicas, heterossexuais e homossexuais. As mulheres a partir do século XIX, e os jovens e as minorias sexuais, a partir dos anos de 1960, passaram a demonstrar sua revolta de forma coletiva.No século XX os negros e outras etnias demonstraram sua força, nas lutas pelos direitos civis nos EUA, pelo fim do apatheid na África do Sul e pelo fim do racismo, no renascimento do movimento negro no Brasil e na luta dos palestinos. Apesar da força social dos movimentos construídos pelos oprimidos, dos milhões de vidas sacrificadas em nome da igualdade de direitos e da liberdade, a história desses grupos não é animadora.Sabemos que as condições de trabalho melhoraram, mas as melhorias foram limitadas aos países imperialistas centrais, e a grande maioria dos trabalhadores ainda é explorada, de forma semelhante ao século XIX.A cada dia morre mais seres humanos de fome que no tempo da escravidão.Os
  • 6. oprimidos ajudaram a fundar partidos, sindicatos e associações, mas a maioria destas entidades ainda não conseguiu reverter as condições subhumanas dos subjugados da história. Muitos indivíduos são submetidos a uma série de discriminações e preconceitos só pelo fato de pertencerem a uma determinada categoria de pessoas.A opressão, para se justificar, faz uso de um sistema de idéias a que chamamos de ideologia. Existem ao menos cinco situações de desigualdade e opressão: de classe, de gênero, de geração, de raça/etnia e de orientação sexual. As desigualdades de classe – Como aprendemos, as desigualdes sociais se formaram em consequência da distribuição desigual de renda, do excedente de riqueza produzido pelas sociedades. As sociedades agrícolas antigas eram capazes de produzir uma quantidade de alimentos superior as necessidades, isso proporcionou a uma pequena camada da população o privilégio de deixar de trabalhar e viver do trabalho alheio. As várias classes sociais dominantes se caracterizaram por apropriarem-se, em modo e em tempos diversos, do excedente de riqueza produzida pelas classes subalternas.O sistema econômico dominante em cada época se esforça em manter separadas as classes sociais e reduzir ao mínimo as possibilidades de ascensão social.Isso ocorre através do sistema escolar, à separação territorial de classes sociais: Rio de janeiro – Zona Oeste, favelas, subúrbios, zona norte e zona sul, à ideologia etc. Contudo o sistema capitalista fez da ilusão da ascenção social ou da mobilidade social um dos pilares de sua ideologia. Hoje, haveriam três classes fundamentais nos países imperialistas e no Brasil se seguirmos as teorias de Marx: o proletariado, a burguesia e a pequena burguesia. Mas com a realidade imposta pelo neoliberalismo[1], encontramos também milhões de indivíduos totalmente excluídos de qualquer relação social, política e econômica. As desigualdades de gênero – Desde a antiguidade várias sociedades mantiveram a supremacia masculina, esta dominação provocou a esclusão sistemática das mulheres da política, do governo, da literatura, da arte, com exceção de raros e relevantes momentos. Esta é a exclusão mais sistemática já praticada na história da humanidade.A herança desta história de dominação masculina se expressa hoje de diversas formas, entre elas: o uso da violência institucionalizada e doméstica, a legislação discriminante, dependência econômica ao marido e ao pai, além é claro da coisificação da mulher etc. Chamamos machismo à ideologia que, através de diversas formas, os homens justificam a opressão que exercem. Entretanto as características do sistema capitalista
  • 7. favorecem a inserção da mulher no mercado de trabalho e isso fez com que elas pudessem sair em parte é claro, do próprio isolamento. As primeiras revoltas contra a opressão feminina ocorreram no final do século XIX, a partir dos movimentos pelo voto universal (sufragistas) e daqueles ligados ao movimento operário.Não podemos esquecer que durante a Revolução francesa as mulheres foram de extrema importânca para o movimento, inclusive foram as peixeiras de Paris, em marcha para Versalhes que retiraram rei e rainha do palácio a força, e também foram as mulheres que foram as ruas reclamando do preço do pão e muitas outras atrocidades cometidas pelos monarcas deste período Luis XVI e Maria Antonieta. Essas lutas ganharam maior impulso nos anos de 1960, quando os espaços conquistados pelas mulheres representaram uma transformação sem precedentes na própria condição feminina. Mas infelizmente a discriminação persiste e se manifesta desde piadas até mesmo na legislação contrária ao divórcio que ainda sobrevive em muitos países, na violência doméstica, na discriminação no local de trabalho etc.Mas as mulheres aqui no Brasil tiveram uma conquista recente e muito importante: a Lei Maria da Penha [2]- a lei número 11.340 decretada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo então presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva em 7 de agosto de 2006; dentre as várias mudanças promovidas pela lei está o aumento no rigor das punições das agressões contra amulher quando ocorridas no âmbito doméstico ou familiar. A lei entrou em vigor no dia 22 de setembrode 2006, e já no dia seguinte o primeiro agressor foi preso, no Rio de Janeiro, após tentar estrangular a ex-esposa. As desigualdades de geração – A especificidade da opressão sobre os jovens é sua transitoriedade.Uma vez adulto, o jovem poderá se transformar em opressor, esquecendo as próprias condições nas quais viveu como oprimido.Apesar disso os jovens sempre se rebelaram diante das regras sociais impostas.A sua luta, contudo, foi, até pouco tempo, escondida e isolada no espaço doméstico. O advento do sistema escolar de massa fez com que eles se encontrassem, criando espaços coletivos como manifestações, ocupações, contestações,greves, expressões culturais alternativas. Habitualmente, os jovens se organizam em associações bem estruturadas, como grêmios escolares, DCEs, DCAs, centros sociais etc. caracterizadas por um baixo grau de formalismo ( larga participação etc.). A opressão contra jovens se manifesta hoje na sociedade através da discriminação no trabalho ( baixos salários, desemprego, exploração), na limitação dos direitos civis (violência doméstica, etc.). Felizmente este quadro já vem se modificando a bastante tempo, embora ainda existam algumas questões a serem examinadas amplamente, como o primeiro emprego, a situação dos estagiários etc. A desigualdade racial – Esse tipo de opressão é bem antigo, quando haviam diversas etnias que guerreavam entre si.Entretanto estes conflitos não ocasionavam grandes tragédias, como as que ocorreram e ocorrem ainda hoje.Além disso não tinham como consequência a dominação de uma etnia pela outra.Com a divisão da sociedade em classes, verificou-se o estabelecimento da condição de escravos para os derrotados. A palavra escravo tem origem no nome do povo Eslavo, entre o qual na antiguidade se recrutava o maior número de escravos. Após os grandes impérios submeteram povos inteiros à escravidão ou ao pagamento de tributos para sustentar os governos dominadores. A luta dos povos e etnias oprimidas em determinadas sociedades marcou épocas e não há perspectivas de sua eliminação no atual sistema capitalista.Em épocas passadas eram nações dominadas pelo centro econômico europeu ( chineses, indianos, africanos). Esta opressão consiste frequentemente em sufocar costumes, hábitos sociais e, por conseguinte, a língua, a religião, a cultura e a história. Em determinadas situações, a
  • 8. exploração econômica de uma etnia sobre outra se expressa através de discriminações no mercado de trabalho. Esta opressão sempre provocou reações, como lutas por um autogoverno ou pela autodeterminação dos povos.Nações e etnias oprimidas como os palestinos e os negros no Brasil,têm obviamente culturas próprias,elaborando,assim, suas próprias idéias. O nacionalismo dos povos oprimidos e a auto-estima dos negros brasileiros não podem ser confundidos com aquele nacionalismo que oprime ou com o racismo às avessas, pois estes são também opressores,já que significam, no fundo, a dominação de um grupo, ou nação sobre os outros. A desigualdade de orientação sexual - A opressão contra gays e lésbicas se expressa sob todas as formas socioeconômicas, em todas as sociedades,através da obrigação de seus membros de aderir a heterossexualidade. Quem se opõe ao padrão de “normalidade” estabelecido, ou seja, a heterossexualidade sempre é punido ou considerado portador de uma doença, vítima de discriminação. Esta discriminação variou de intensidade nas diferentes épocas, mantendo porém, uma absoluta continuidade, o famoso escritor Oscar Wilde sofreu com a codenação a partir do parágrafo 175 [3]foi julgado culpado de "práticas estranhas à natureza" e condenado a dois anos de trabalhos forçados pelo tribunal de Old Baley.A condição de gay ou lésbica é atacada de forma sistemática pela sociedade. Só o fato de haver grupos sociais que colocam em discussão a heterossexualidade é visto por muitos como um atentado. A discriminação não é obviamente operativa se gays e lésbicas mantiverem na clandestinidade a própria orientação sexual.É no momento em que se assumem publicamente que começa a guerra contra eles.Essa discriminação atua em todos os setores: no local de trabalho, onde, além de correrem o risco de demissão, são molestados pelos outros trabalhadores (as); na sociedade, que os impede de ter qualquer posto de comando; na família, em que a declaração de homossexualidade chega a gerar crises e chantagens de várias naturezas. A discriminação opera com tal violência, física e psicológica, que o indivíduo não tem coragem de reconhecer nele mesmo a própria essência de sua orientação sexual. Porém, se há oprimidos, existem também os opressores.Estes se encontram geralmente nos heterossexuais,eles encontram uma série de falsas vantagens de natureza quase exclusivamente psicológica para contribuir com a opressão. Tornar os homossexuais alvo de chacota e mostrar, em público, o desprezo para com eles, assegura a própria identidade heterossexual para si mesmo e para os outros, mantendo assim a participação na “normalidade” sexual dominante. Concluindo, alguns indivíduos recebem salários menores que outros mesmo tendo a mesma qualificação profissional, pois os fatores que determinam essa situação estão nas diversidades de etnia, gênero, orientação sexual e de geração.Ou seja, essas diferenças entre os indivíduos são transformadas, nas relações sociais, em desigualdades. Portanto, quando ouvimos piadas, frases discriminatórias sobre mulheres, judeus, adolescentes, jovens, homossexuais e negros, elas reforçam e refletem as desigualdades sociais. Negros e negras não são “incapazes”, “ignorantes”, “primitivos”, “bandidos”, etc., e que por isso recebem menores salários que os brancos. É o modelo capitalista que se aproveita da ideologia da inferioridade racial para explorar ainda mais os trabalhadores e trabalhadoras e extrair mais-valia maior.As mulheres não são inferiores intelctualmente aos homens, não são apenas objetos, nem todas são fúteis e desatentas, afinal existem homens com as mesmas características, portanto essas não são características exclusivas das mulheres e não são gerais, as mulheres possuem raciocínio
  • 9. lógico, senso de direção, essas afirmações infundadas só servem para reforçar a dominação masculina.Enfim, no mundo do trabalho, em qualquer profissão, além das desigualdades de classe, certos indivíduos podem sofrer duas, três, quatro ou cinco vezes mais exploração e as desigualdades sociais. ATIVIDADE I Leia o poema abaixo: O bicho Vi ontem um bicho Na imundície do pátio Catando comida entre os detritos. Quando achava alguma coisa, Não examinava nem cheirava: Engolia com voracidade. O bicho não era um cão, Não era um gato, Não era um rato. O bicho, meu Deus, era um homem. (Manoel Bandeira) Reflita acerca do poema e relacione com o que aprendemos até aqui. ATIVIDADE II 1 – Caracterize, compare e dê exemplos de diversidades humanas e desigualdades sociais 2 - Quais as principais características das cinco desigualdades apresentadas em nosso texto? 3 – Cite pelo menos três características comuns às cinco desigualdades. ATIVIDADE III 1 – Você se encaixa em algum tipo de opressão/desigualdade relatada no texto? 2 – Na sua opinião, como é possível a tomada de consciência das opressões da parte de um indivíduo se este sofre o peso da persuasão ideológica e algumas vezes até com certa violência? 3 – Quais poderiam ser os mecanismos de luta contra as ideologias machistas, racistas e homófobas? E contra o preconceito e a discriminação contra jovens e contra a luta pela melhoria das condições de vida dos trabalhadores? Os diferentes modos de produção; Quando falamos em economia, a maioria das pessoas geralmente se entedia e cria uma imagem de números e cálculos em suas cabeças. Não poderia ser diferente, uma vez que os telejornais utilizam termos incompreensíveis, inflação, juros, déficit, superávit, falam muito sobre a queda do índice da bolsa de valores, alta do dólar, parece que nunca compreenderemos de fato do que trata a economia, contudo entender economia é muito mais simples do que imaginamos. Podemos definir economia como: “A forma pela qual o conjunto de indivíduos existentes em uma sociedade participa da produção, da distribuição e do consumo de seus bens e serviços.” Quando falamos em bens estamos nos referindo a qualquer coisa ou matéria produzida pelo homem: automóveis, roupas, sapatos, alimentos, móveis etc.Serviços
  • 10. referem-se a atividades desenvolvidas pelo homem, tão diversas como uma consulta médica, o atendimento ao público em um banco, ou em um posto do INSS etc. Bens e serviços são desenvolvidos pelo homem a partir da sua capacidade física e intelectual, a qual chamamos de força de trabalho.É através do trabalho que o homem transforma e domina a natureza, contribuindo para a melhoria da sua qualidade de vida ou até mesmo para a sua destruição, como por exemplo através da poluição atmosférica provocada por uma fábrica etc.Todas as vezes em que os elementos da natureza são apropriados economicamente pelo homem, eles se transformam em recursos naturais. Assim podemos chamar as árvores (matéria-bruta) que são cortadas em toras (matéria- prima) para a produção de móveis ( produto final) Instrumento de produção é qualquer bem utilizado pelo homem na transformação da matéria prima e produção de outros bens e serviços. Definimos desta forma as ferramentas de trabalho, as máquinas e equipamentos (instrumentos de produção diretos), assim como o local de trabalho e a energia elétrica que utilizamos (instrumentos de produção indiretos), sendo assim as matérias-primas e os instrumentos de produção formam o conjunto de meios materiais necessários à produção de qualquer tipos de bens ou serviços; a esses meios materiais chamamos de meios de produção. Uma das caracterísitcas que vai diferenciar os diversos tipos de sociedades que se organizaram historicamente é a forma pela qual o homem, através do trabalho, utilizou os meios de produção que estavam disponíveis em seu meio.A associação entre o trabalho humano e os meios de produção chamamos de forças produtivas. Cada sociedade possuí o seu conjunto de forças produtivas. Um conceito que define a forma pela qual os diversos homens ou agrupamentos se relacionam entre si em todo processo de produção material existente na sociedade chama-se: relações de produção.As relações de produção vão determinar, juntamente com as forças produtivas, a organização e o funcionamento da sociedade como um todo, estabelecendo as distinções entre os diferentes modos de produção que caracterizam a humanidade. MODO DE PRODUÇÃO PRIMITIVO / SOCIEDADES SEM ESTADO A chamada “ comunidade primtiva” foi a primeira forma de organização social dos seres humanos quando deixaram de ser nômades e se tornaram sedentários, ou seja, com a “descoberta” da agricultura e a domesticação dos animais os homens fixaram-se, pois não precisavam mais sair em busca do alimento e passaram a cultivar a terra e a criar animais. Nesse tipo de modo de produção, os homens trabalhavam coletivamente, repartindo entre si o resultado da pesca, da coleta de frutos e raízes, da caça.Não existia propriedade privada e as relações de produção eram caracterizadas pela ajuda mútua entre todos os membros da coletividade.Não existia o Estado, e a sociedade não era divida em classes sociais, nessas comunidades tem origem a especialização de funções, ou seja, uns caçam, outros plantam, uns fabricam utensílios, outros cuidam dos rituais religiosos. Apesar da utilização do termo “primitivo” por muitos autores ao referirem-se a essas sociedades, devemos chamar atenção para: 1 - Não devemos considerá-las como atrasadas em relação a outras formas de organização social.Essa idéia conduziria à adoção de uma teoria evolucionista, como se um certo tipo de sociedade pudesse suceder a outro tipo através da história, o que não
  • 11. corresponde a realidade, já que, até hoje, esse modo de produção pode ser encontrado em tribos existentes na Amazônia, na África e na Oceânia. 2 – Trata-se, na verdade, de sociedades extremamente complexas, principalmente do ponto de vista da sua cultura, o que foi demonstrado, amplamente por inúmeras pesquisas realizadas por antropólogos. 3 – Dentro desta forma de classificação existem sociedades distintas entre si sob o aspecto cultural, o que se reflete na sua forma de organização social. A idéia de “modo de produção primitivo” está sendo utilizada apenas para destacar principalmente os elementos econômicos comuns que estão presentes nessas diferentes sociedades. MODO DE PRODUÇÃO ESCRAVISTA/ ESCRAVOCRATA A escravidão não é um fenômeno novo, sua presença é notada nas sociedades paleo - orientais como Egito e Mesopotâmia. Também de Roma e Grécia nos vêem relatos da presença, aliás maciça, de cativos nestas civilizações. Variando de caráter , sempre se marcou esta prática pela submissão de uma pessoa a outra, tendo nesta relação uma idéia de posse, fosse temporária, como no Egito ou permanente como em Roma, o escravo era propriedade de outra pessoa. Suas vontades, desejos, aspirações , passavam antes pelo crivo da submissão e da humilhação, uma vez que é inerente ao homem ser livre.Negamos a idéia de Aristóteles que conforme nos lembra Jaime Pinsky (1993, p13), entendia como natural à submissão do escravo.O filósofo macedônio se esquecia, talvez pela abundância de cativos em sua época, da historicidade desta condição, uma vez que a ninguém é natural a submissão, esta naturalização de uma idéia cultural embasa a prática discursiva dos defensores de tal sistema, uma vez que nada fazem além de levar a cabo certas disposições do meio natural que os cerca. A presença do escravo no Brasil é inerente ao próprio sistema econômico aqui implantado. Contudo, algumas considerações devem ser feitas. Devemos nos lembrar que a utilização do escravo deveu-se principalmente a falta de contingente populacional em Portugal capaz de dar conta da colonização e utilização de forma proveitosa destas terras, deste modo, o escravo teve de ser feito e trazido ao Brasil por ser elemento chave da produção. Todos sabemos que “modo de produção” consiste no conjunto de atividades econômicas existentes em determinada época, o modo de produção escravista trata-se de uma atividade econômica não somente utilizada nas colônias portuguesas, as colônias do sul da chamada Nova Inglaterra (Estados Unidos) também utilizavam a mão de obra escrava, mas não da mesma forma que Portugal o fazia, como base econômica Portugal tinha o trafico negreiro, a Virginia , Geórgia, Carolina do Norte e do Sul e Maryland dedicaram-se ao plantio de produtos tropicais para exportação, como fumo, arroz e posteriormente algodão, o cultivo era conhecido como plantation, assim como em terras brasileiras era feito em grandes propriedades, ou seja, latifúndios, sob o regime escravo, porém não baseavam a sua economia na comercialização de mão de obra escrava, essa foi a diferença. Enfim o escravismo aproxima-se mais da escravidão da idade antiga do que da escravidão patriarcal oriunda da própria África, o africano ao ser separado de sua sociedade e trazido para o “novo mundo” passaria por um processo de dessocialização, o que implicou em despersonalização, o que não ocorria na África ao serem feitos escravos, pois permaneciam em seu âmbito, parcialmente é claro, e não passavam por este processo de “desafricanização”. Para os colonizadores, os escravos eram considerados como coisas, e dificilmente poderiam entender que um cativo possuísse personalidade, alegavam que o
  • 12. negro não tinha alma. No que tange ao tratamento diferenciado entre negros cativos do engenho e os urbanos, o fator de semelhança baseava-se na obediência o “ser” obediente ou “não ser” caracterizava o escravo como um “bom escravo” ou “um mau escravo” para seu proprietário , e o obediente logicamente valia mais no mercado e esse fator também definia os seus constantes castigos, já que o escravo obediente aguentava a rotina desumana de trabalho forçado sem lamentação, falava a língua de seu senhor, rezava para o Deus do seu senhor e não fugia, mero cativo, o trabalhador escravizado seria ajustado, “bem ou mal” “ao aparelho de produção por uma combinação mais ou menos eficaz de violência, agrados, persuasão etc”. Por muito tempo a historiografia descrevia o escravo como vítima ou como herói, mas nunca como agente do sistema. Sendo agentes dentro da malha escravista, a relação entre cativos e os seus senhores variava entre a violência e a barganha, muitas vezes marcada por uma negociação maliciosa, alguns autores afirmam que era fundamental para o bom funcionamento do sistema escravista, se os senhores ou barões cediam e concediam pouquíssimas vezes para melhor controlar, os escravos pediam, e aceitavam muitas vezes para melhor viver, algo mais do que sobreviver, quando a negociação falhava ou nem se quer acontecia o resultado eram fugas constantes, rebeliões, assassinatos, suicídios, ou seja, sem algum tipo de negociação era impossível o controle desse sistema, ou se perderiam todos os escravos. Essa massa populacional transferida da África para as colônias não pode ser considerada apenas como força de trabalho eles também são formadores da sociedade brasileira e não objetos que ajudaram a construir o Brasil e a enriquecer os portugueses. O trafico de escravos, a escravidão e a reprodução de cativos na costa africana podem ser considerados como fatores decisivos na sociedade brasileira exercendo influência direta em seu âmbito econômico, social e cultural, alguns historiadores e sociólogos atribuem ao escravismo colonial a gênese da produção capitalista do Brasil, sobretudo após a abolição, em particular na referência ao desenvolvimento de quatro grandes regiões, Rio de janeiro, São Paulo , Sul e Nordeste. Hoje como se não bastasse todos os acontecimentos anteriores decorrentes da escravidão, esse crime repugnante ainda continua a ser cometido na sociedade brasileira, em pleno século XXI , foram descobertas fazendas que estão utilizando trabalho escravo, o governo federal em parceria com ONGs está procurando grandes empresas para participar-lhes da situação legal de alguns de seus principais fornecedores. Foram descobertas inúmeras fazendas que ainda utilizam a mão de obra escrava, porém hoje a dinâmica utilizada é diferente, com a argumentação mais elaborada para manterem os “cativos” trabalhando, estas fazendas estão na “lista suja” do trabalho escravo. O produto das fazendas escravocratas atuais está em uma pesquisa encomendada pela secretaria especial de direitos humanos e foi realizada pela ONG Repórter Brasil, o estudo que conseguiu muito apoio, inclusive da organização internacional do trabalho revela que há mais de duzentas empresas envolvidas no sistema escravista, só no ano de 2004 ao se iniciar o levantamento haviam noventa e seis fazendas catalogadas, até maio do ano de 2005 foram cento e cinqüenta e cinco, uma dúvida comum entre os empresários que foram procurados e muitos leitores da revista época, foi entender a diferença entre o trabalho degradante e mal remunerado e trabalho escravo, isso porque a idéia que muitos ainda tem de escravidão esta associada a navios negreiros, correntes, chibatadas etc, o que não é o caso atualmente, as concepções hoje são bem diferentes, para ser considerado escravo basta ter restrições de liberdade, além de um serviço degradante, sem água potável, sem abrigo, sem condições de higiene, os escravos da
  • 13. atualidade são impedidos de sair por causa de ameaças feitas por jagunços, retenção de seus documentos e dívidas inventadas pelo aliciador. As fazendas infratoras atuam em sete setores, principalmente no de carne bovina para comercialização interna e para exportação, cana de açúcar para produção de álcool, café para exportação, carvão para siderurgia, soja para produção de óleo de cozinha e exportação, algodão e pimenta do reino. As fazendas escravocratas atuais ainda podem prejudicar a exportação de produtos, pois é o suficiente para que qualquer país proponha uma ordem contra o Brasil na comissão de direitos humanos da ONU. Os fiscais e as entidades que combatem o trabalho escravo estão preocupados com as liminares concedidas pela justiça para que algumas fazendas sejam retiradas da “lista suja”, desde o inicio das investigações dez fazendas já conseguiram sua retirada, a ultima foi a destilaria Gameleira, no Mato Grosso, que já havia sido flagrada três vezes com trabalhadores em condições equivalentes a escravidão, até deixar a lista, esta era a recordista do cadastro com um número de 318 trabalhadores resgatados em um único dia, imaginem quantos não poderiam ainda estar escondidos? Entre as dezenove atuações feitas até então pela fiscalização do governo, há retenção de documentos, jornada de trabalho superior a doze horas, isso faz recordarmos algum outro momento histórico não é mesmo? Também falta de abrigo para refeições, inexistência de descanso semanal dentre outras atrocidades como a falta de água potável, presença de seguranças armados e é claro o espancamento de funcionários como de praxe em todo sistema escravocrata. Tudo isso nos leva a refletir que realmente a utilização do trabalho escravo está relacionada ao capitalismo, pois estes fazendeiros praticam estas atrocidades na busca incessante por lucros, pois se fossem remunerar decentemente seus funcionários não conseguiriam obter a quantidade de lucro desejada por eles, assim como todo capitalista o faz, estamos em pleno século XXI, mas muitas atitudes continuam conservadoras, preconceituosas e inaceitáveis assim como a dois séculos atrás. MODO DE PRODUÇÃO FEUDAL/FEUDALISMO Característico do Japão até o século XVIII e da EUROPA ocidental durante toda a idade média, o feudalismo era baseado em relações servis de produção, senhores feudais e servos, e na propriedade do senhor sobre a terra. Diferente do escravo, o servo poderia trabalhar uma parte da terra do senhor em seu próprio benefício, mas era obrigado a pagar diversos impostos ao senhor feudal e a obedecer às leis que eles estabeleciam. Quando o senhor feudal resolvia arrendar a terra seu servo permanecia como sendo parte do patrimônio, além disso este mesmo servo devia obediência e satisfação ao senhor feudal, não podiam nem ao menos casar-se sem autorização do senhor com alguém de outro feudo e no caso de viúvas, estas também só podiam se casar novamente com alguém da escolha do senhor feudal e no caso de não desejarem casar-se novamente deviam pagar uma multa ao senhor. O mesmo em caso de falecimento do chefe da família ocorria, o seu herdeiro devia pagar uma quantia determinada ao senhor se desejasse permanecer naquele feudo cuidando de sua terra e em sua moradia, porém vale a pena ressaltar que a terra que cabia ao servo camponês mal podia ser trabalhada para suprir as necessidades de subsistência da sua família, pois a terra a ser arada primeiro era a do senhor, a ser semeada também , a colheita etc, em caso de intempéries a plantação a ser salva primeiro também era a do senhor, logo entende-se que este servo não passava de uma espécie de escravo, possuindo apenas nova nomenclatura e uma relação minimamente diferenciada.
  • 14. Durante a idade moderna, com a formação dos grandes Estados nacionais europeus, desenvolveu-se uma fase de transição, na qual conviviam lado a lado diversas características do feudalismo e novas relações de produção, desenvolvidas por uma classe social em ascensão, a burguesia, formada por comerciantes que enriqueceram principalmente a partir das grandes navegações.O conflito entre a velha aristocracia feudal e os interesses burgueses deram origem às revoluções Inglesas do século XVII e à Revolução Francesa do século XVIII ( a partir de 1789). A Revolução Francesa é considerada como o grande marco da história do Ocidente, já que pôs fim à sociedade estamental, inaugurando a Idade Contemporânea e a hegemonia do modo de produção capitalista. MODO DE PRODUÇÃO ASIÁTICO O modo de produção denominado asiático também existiu na antiguidade, predominantemente na região da Mesopotâmia, entre os rios Tigre e Eufrates (Hoje, Iraque), na China e na Índia. Apesar do termo asiático, esse tipo de organização sócio- econômica também prevaleceu em algumas regiões de outros continentes, como a África (Egito antigo) e a América (Astecas,no atual México, e os Incas na região dos Andes). No modo de produção asiático as terras pertenciam ao Estado, não sendo propriedade privada das classes sociais dominantes, no entanto o Estado era encarnado na pessoa do Imperador, fosse ele o Inca Americano ou o Faraó egípcio.Em torno dele, formavam-se os grupos privilegiados parasitários, como nobres, sacerdotes, funcionários e guerreiros, que consumiam totalmente o excedente produzido por escravos e camponeses.A agricultura, base da economia desses Estados, era praticada por comunidades de camponeses presos à terra, que não podiam abandonar seu local de trabalho e viviam submetidos a um regime de trabalho compulsório. Na verdade, esses camponeses (ou aldeões) tinham acesso à coletividade das terras de sua comunidade, ou seja, pelo fato de pertencerem a tal comunidade, eles tinham o direito e o dever de cultivar as terras desta. Todas as comunidades deviam tributos e serviços ao Estado ao qual estavam submetidas, representado pelas figuras do imperador, rei ou faraó que se apropriavam do excedente agrícola (produção que supera o consumo imediato), distribuindo-o entre a nobreza, formada por sacerdotes e guerreiros. Lembrando que este "excedente" era, freqüentemente, extorquido mais pelas necessidades da "nobreza" do que por realmente ser um excedente propriamente dito nas comunidades. Esse Estado todo-poderoso, onde os reis ou imperadores eram considerados verdadeiros deuses, intervinha diretamente no controle da produção. Nos períodos entre as safras, era comum o deslocamento de grandes levas de trabalhadores (servos e escravos) para a construção de imensas obras públicas, principalmente canais de irrigação e monumentos. Essa produção de excedentes em benefício do Estado é que proporcionou a constituição de grandes exércitos e de obras monumentais, tais como pirâmides, templos e canais de irrigação. Esse tipo de poder, também denominado despotismo oriental, marcado pela formação de grandes comunidades agrícolas e pela apropriação dos excedentes de produção, caracteriza a passagem das sociedades sem classes das primitivas comunidades da pré-história (modo de produção primitivo) para as sociedades de classes. Nestas, predominam a servidão entre explorados e exploradores, embora a propriedade privada ainda fosse pouco difundida.
  • 15. Guardadas as particularidades históricas, pode-se afirmar que os primeiros Estados surgidos no Oriente Próximo (egípcios, babilônios, assírios, fenícios, hebreus, persas) também na América pré-colombiana nas sociedades incas e maias desenvolveram esse tipo de sociedade. Essas sociedades também podem ser consideradas sociedades hidráulicas, pois também dominaram técnicas de drenagem e utilização da força de rios para agricultura. Por fim, a servidão coletiva era o modo de pagamento para o rei ou faraó pela utilização de suas terras. Outro aspecto que marca o modo de produção "asiático" é a diferenciação social, onde sacerdotes, servos e reis possuem funções sociais diferentes. ( Fonte: Wikipédia) MODO DE PRODUÇÃO CAPITALISTA Grandes mudanças começaram a ocorrer em toda a Europa independentemente da vontade daqueles que detinham o poder e a riqueza, a partir do século XV, o comércio já era a principal atividade econômica na Europa, nesse período, o capitalismo (mercantil ou comercial) estruturava-se definitivamente a partir da necessidade e do interesse dos países europeus ou algumas cidades européias em aumentar seu mercado para além dos limites nacionais e continentais. Essas mudanças ocorreram de forma gradativa, imperceptíveis para aqueles que viviam naquela época.Começaram a surgir novos grupos sociais: comerciantes, artesãos e camponeses livres, algo impossível durante o período feudal pois a dificuldade de mobilidade social era fato. A partir daí, ocorreu a decadência do feudalismo; a servidão da gleba (obrigações feudais dos servos) foi substituída pelo trabalho assalariado, e a primazia dos senhores feudais coube então à burguesia mercantil e ao rei. A ampliação do comércio internacional consolidou o sistema capitalista dentro de uma sociedade de classes, na qual, de um lado, surgia e se fortalecia uma burguesia mercantil que, em aliança com os reis, detinha o poder e a riqueza (capital), e, de outro lado, o proletariado que, separado do capital e de seus meios de produção, tinha a oferecer sua força de trabalho em troca de salário. Foram dois séculos de amadurecimento até a Revolução Industrial (1750). As inovações técnicas aliadas às riquezas provenientes das áreas colonizadas acabaram por promover um acúmulo de capital e uma crescente expansão da economia. O capitalismo se tornou o modo de produção dominante a partir da Revolução Industrial, iniciada na Inglaterra. Surgiu, assim, a necessidade de garantir o fornecimento de matérias-primas, dominar os mercados consumidores e aplicar o capital de maneira segura, aumentando a capacidade de produzir e, conseqüentemente, os lucros. A riqueza provinha, então, da capacidade de produzir mercadorias e não mais do comércio. Assim, o capitalismo industrial provocou a disputa pelas áreas fornecedoras de matérias-primas, pelos mercados compradores e pelos locais de investimentos seguros, levando as grandes potências dos séculos XIX e XX (Inglaterra, França, Bélgica, Japão, EUA e tardiamente Itália e Alemanha) a competir pela dominação política e econômica do mundo e pela partilha dos territórios asiáticos e africanos[4], de acordo com seus próprios interesses. O resultado da competição foi o imperialismo expresso pelo domínio econômico de uma nação sobre outra, na tentativa de manter o abastecimento de matérias-primas e os mercados consumidores, o que teve como conseqüências o militarismo, o nacionalismo, o racismo e a hierarquização das nações. A partir da Segunda Guerra Mundial, com as potências européias enfraquecidas e em crise, surgem os EUA como grandes investidores externos, graças ao acúmulo de capital e a seu crescente poder político-militar. O capitalismo entra em uma nova fase,
  • 16. financeira ou monopolista, com a expansão de grandes empresas[5], o incessante acúmulo de capitais em escala mundial, o monopólio e a internacionalização da produção. Uma das características do modo de produção capitalista são as relações assalariadas de produção; tais relações baseiam-se na propriedade privada dos meios de produção, livre concorrência e livre iniciativa (economia de mercado); lucro como objetivo; presença de duas classes sociais: burguesia e proletariado. ATIVIDADES – PESQUISE, REFLITA E RESPONDA 1 – Defina “Modo de produção”. 2 – Compare os modos de produção no que diz respeito as relações de produção. 3 – Quais foram as principais modificações, com o surgimento do capitalismo, na sociedade feudal da Europa? 4 – Qual o papel do Estado no Capitalismo? 5 – Quais as principais características do capitalismo? 6 – Na sua opinião, o capitalismo promove o progresso da humanidade? 7 – Você acha que a competição é um elemento da natureza humana? 8 – Você acha que é uma condição natural da humanidade a divisão entre ricos e pobres? 9 – Pesquise: Trabalho, profissão e identidades laborais. 10 – Pesquise e reflita: Meios de produção e relações produtivas. Traga suas ponderações para discutirmos em sala de aula. Referências bibliográficas ARENDT, Hannah. A Condição Humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997. _______________. Crises da República. São Paulo: Perspectiva, 2004. BOURDIEU, Pierre.O poder simbólico. Tradução de Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil S.A., 1989. CARRARA,Sérgio…[et al]. Curso de especialização em gênero e sexualidade/Organizadores: Carrara,Sérgio…[et al]. – Rio de Janeiro: CEPESC; Brasília, DF : Secretaria especial de políticas públicas para as mulheres, 2010. CHAUÍ, Marilena. Convite a Filosofia. São Paulo: Ática, 2000. COSTA, Cristina. Sociologia: Introdução a ciência da sociedade.São Paulo: Moderna, 2005. CUNHA, Manuela Carneiro da. “Etnicidade” IN: Antropologia do Brasil. SP: Brasiliense, 1987. ELIAS, Nobert. Introdução a sociologia - título original: What is sociology? – Tradução Maria Luiza Ribeiro Ferreira – Edições 70: Portugal, 1980. GIDDENS, A. Sociologia, Porto Alegre: Artmed, 2005.
  • 17. HALL, Stuart. Da diáspora – identidades e mediações culturais. Belo Horizonte, Editora da UFMG, 2003. MARX, Karl. O manifesto do partido comunista. Petrópolis: Editora: VOZES, 2000. ___________. O capital.São Paulo: Nova Cultural, Círculo do livro, 1996. MORTARI, Claudia. Antropologia cultural e multiculturalismo / Claudia Mortari[et. al.]. - 2ed. - Florianópolis (SC) : UDESC: FAED : CEAD, 2002 OLIVEIRA, de Luiz Fernandes; Costa, da Ricardo Cesar Rocha.Sociologia: o conhecimento humano para jovens do ensino técnico profissionalizante.1ª Ed. Petrópolis,RJ: Catedral das letras, 2005. Sociologia / vários autores. – Curitiba: SEED-PR, 2006. 2ª edição, Governo do Estado do Paraná. VASCONCELOS, Ana.Coleção base do Saber: Sociologia.1ª Ed. – São Paulo: Rideel, 2009. WEBER, Max. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Brasília : Editora da Universidade de Brasília, 1998, Vol I. WEBER, Max. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Brasília : Editora da Universidade de Brasília, 1999, Vol II. ___________. Ensaios de Sociologia. Rio de Janeiro : Guanabara Koogan, 1982. ___________. Sobre a universidade: o poder do Estado e a dignidade acadêmica. São Paulo : Cortez, 1989. WEBER, Max. Os Três Tipos Puros de Dominação Legítima. In COHN, Gabriel (org). Max Weber – Sociologia. São Paulo: Ática, 1982. WEBIBLIOGRAFIA: Wikipédia enciclopédia livre / Brasil < http://pt.wikipedia.org/wiki> . Acesso em 5 de janeiro de 2011. Cola da web - < www.coladaweb.com/>. Acesso em 5 de janeiro de 2011. Info escola - <www.infoescola.com>. Acesso em 5 de janeiro de 2011. <http://www.suapesquisa.com>. Acesso em 5 de janeiro de 2011 <http://www.culturabrasil.pro.br>. Acesso em 5 de janeiro de 2011 [1] Podemos definir o neoliberalismo como um conjunto de idéias políticas e econômicas capitalistas que defende a não participação do estado na economia. De acordo com esta doutrina, deve haver total liberdade de comércio (livre mercado), pois este princípio garante o crescimento econômico e o desenvolvimento social de um país.Surgiu na década de 1970, através da Escola Monetarista do economista Milton Friedman, como uma solução para a crise que atingiu a economia mundial em 1973, provocada pelo aumento excessivo no preço do petróleo. Características do Neoliberalismo (princípios básicos): - mínima participação estatal nos rumos da economia de um país; - pouca intervenção do governo no mercado de trabalho; - política de privatização de empresas estatais; - livre circulação de capitais internacionais e ênfase na globalização; - abertura da economia para a entrada de multinacionais; - adoção de medidas contra o protecionismo econômico; - desburocratização do estado: leis e regras econômicas mais simplificadas para facilitar o funcionamento das atividades econômicas; - diminuição do tamanho do estado,
  • 18. tornando-o mais eficiente; - posição contrária aos impostos e tributos excessivos; - aumento da produção, como objetivo básico para atingir o desenvolvimento econômico; - contra o controle de preços dos produtos e serviços por parte do estado, ou seja, a lei da oferta e demanda é suficiente para regular os preços; - a base da economia deve ser formada por empresas privadas; [2] A introdução da lei diz: Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências. [3] O Parágrafo 175, conhecido formalmente como §175 StGB e também como "Section 175" na língua inglesa, foi uma medida do Código Criminal Germânico em vigor de 15 de maio de 1871 a 10 de março de 1994. O Parágrafo 175 considerava as relações homossexuais como crime, sendo que nas primeiras edições também criminalizava as relações sexuais humanas com animais, conhecidas como bestialidade. O dispositivo legal sofreu várias emendas ao longo do tempo. Quando os nazistas assumiram o poder em 1935, as condenações através do Parágrafo 175 aumentaram na ordem de magnitude de 10 vezes. [4] (neocolonialismo) [5] (corporações multinacionais, hoje chamadas transnacionais)