SlideShare uma empresa Scribd logo
Aula 22
Verminoses
Muitas parasitoses humanas são causadas por vermes, entre elas
encontramos a teníase, a cisticercose, a esquistossomose, a ascaridíase,
a ancilostomíase, a elefantíase.
Os vermes podem apresentar o corpo achatado (filo dos
platelmintos) ou corpo cilíndrico (filo dos asquelmintos). Observe
abaixo, exemplos de platelmintos e asquelmintos.
Principais parasitoses causadas por
platelmintos:
Teníase
A teníase é causada por tênias (ou solitárias) vermes adultos das
espécies Taenia solium e Taenia saginata, que pertencem à classe
Cestoda; possui o corpo dividido em: cabeça ou escólex, colo e
estróbilos ou proglotes:
• Cabeça ou escólex é a porção anterior destinada a manter a
Taenia presa à parede intestinal.
• Colo é a porção não segmentada, posterior ao escólex,
responsável pela produção dos novos anéis ou proglotes por
estrobilização.
• Estróbio é constituído por vários anéis ( mais ou menos 800). As
proglotes mais próximas do colo são chamadas imaturas; as
proglotes com ovários e testículos desenvolvidos são
denominadas maduras e, no final do corpo do animal,
encontramos as proglotes grávidas, com o útero cheio de ovos.
A Taenia adulta é encontrada no intestino delgado do homem;
destacam-se continuamente do seu corpo as proglotes grávidas,
que são eliminadas com as fezes humanas.
Esse anéis contêm ovos que também são liberados e ingeridos pelo
hospedeiro intermediário (porco ou boi).
Parasitas Hospedeiro
intermediário
Hospedeiro
definitivo
Taenia solium porco homem
homemboiTaenia saginata
Ciclo de vida da Taenia solium
O porco ingere os ovos, e estes, ao atingir o seu estômago, a casca
do ovo é digerida, libertando a larva oncosfera ou hexacanta (6
espinhos). A larva passa para o intestino e cai na circulação sangüínea,
atingindo a musculatura estriada e o sistema nervoso do porco, onde se
transforma em cisticerco (larva). Cada cisticerco tem de 0,5 a 1,0 cm de
diâmetro e o aspecto de um grão de canjica.
O homem desenvolve a doença ao ingerir a carne de porco crua ou
mal cozida, contendo cisticercos vivos.
Cisticercose
É uma doença causada pela presença do cisticerco no sistema
nervoso, provocando sérios problemas neurológicos e até a morte. O
homem adquire essa doença, ingerindo os ovos da Taenia solium.
Esquistossomose ou barriga d’água
É uma doença que atinge, anualmente, cerca de 270 mil pessoas; o
verme causador desta doença é o Shistossoma mansoni. Os vermes
provocam hemorragias, intoxicação e inflamação do cólon, reto
pâncreas, fígado, baço e, geralmente as vítimas apresentam o abdômen
volumoso.
A pessoa doente elimina os ovos do Shistossoma, juntamente com
as fezes; esses ovos atingem o meio ambiente, podendo chegar à água
doce (lagoas, tanques, reservatórios e charcos). Na água, cada ovo
libera uma larva ciliada denominada miracídio, que se locomove
ativamente e penetra no caramujo. No caramujo, o miracídio passa por
transformações, formando o esporocisto. Estes produzem milhares de
novas larvas, as cercárias.
As cercárias deixam o caramujo e podem penetrar ativamente pela
pele do homem, durante banho em rios e lagos.
A penetração das larvas produz irritação cutânea, daí o nome
“lagoas de coceira” dado aos locais infestados por esquistossomo.
Após a penetração das cercárias pela pele, estas caem na circulação
e migram para os vasos sangüíneos viscerais. Machos e fêmeas
acasalam-se e ocorre a postura dos ovos .
Verme Hospedeiro
intermediário
Hospedeiro
definitivo
Shistossoma
mansoni
caramujo homem
Principais doenças causadas por
asquelmintos
Verminoses Profilaxia
Teníase
Evitar comer carne
de porco ou boi
mal cozidas, ou
crua; saneamento
básico.
Ancilostomose ou Amarelão
Esta doença é causada pelo Ancylostoma duodenale e Necator
americanus; esses vermes apresentam dimorfismo sexual; vivem presos
à mucosa intestinal, de onde sugam o sangue e os nutrientes,
provocando uma anemia intensa.
Os ovos ancilosmídeos são eliminados com as fezes; caem em local
úmido e quente, embrionam, liberam as larvas rabditóides, e estas, no
solo, transformam-se em filarióide infestante.
As larvas filarióides penetram no homem de forma passiva
(ingestão de água ou alimento contaminados) ou de forma ativa
(através da pele).
Abaixo, o caminho percorrido pelas larvas, após a penetração no
homem:
No intestino delgado, as larvas passam para o estágio adulto e,
posteriormente, ocorrerá a eliminação dos ovos dos vermes. Essa
parasitose provoca, no hospedeiro, uma anemia intensa.
Filariose ou Elefantíase
Essa doença é causada pela Wuchereria bancrofti, verme cilíndrico,
e transmitida pelos mosquitos do gênero Aedes, Culex.
Ativa Passiva
Pele
‚
Sangue
‚
Coração
‚
Pulmões
‚
Traquéia
‚
Esôfago
‚
Intestino
delgado
Boca
‚
Estômago
‚
Intestino
delgado
Os vermes adultos causam inflamação e obstrução dos vasos
linfáticos, acarretando inchaço, principalmente em pés, pernas, mamas
e na bolsa escrotal.
Os mosquitos ingerem as microfilárias ao sugar o sangue de uma
pessoa infectada. No interior dos insetos, as microfilárias são
transformadas em larvas infectantes e caminham para o aparelho bucal
do mosquito. Ao picar a vítima, o inseto transmite a larva, que atinge o
sistema linfático, recomeçando o ciclo.
Ascaridíase
A ascaridíase é causada pelo Ascaris lumbricóides (lombriga); o
homem adquire a doença quando ingere alimentos contaminados com
os ovos embrionados do verme. Os ovos são digeridos no duodeno e as
larvas são liberadas. Estas caem na circulação sangüínea passando pelo
fígado, coração, pulmões, traquéia, esôfago, estômago e intestino,
ocorrendo a maturação do verme e sua reprodução.
O verme causa, bronquite, complicações pulmonares, convulsões,
cólicas, enjôo, obstrução intestinal.
Enterobíase ou Oxiuríase
A enterobíase é causada pelo Enterobius vermicularis (Oxyuris
vermicularis); esse verme adulto provoca inflamação, náuseas, catarro
intestinal, prurido anal (principal sintoma).
O homem adquire a doença ingerindo os ovos embrionários por
autoinfestação ou heteroinfestação, podendo também ocorrer a eclosão
de larvas no ânus e migração destes para as partes superiores do
intestino.
Ciclo Wuchereria bancrofti
Hospedeiro
intermediário:
mosquito
Hospedeiro
definitivo:
homem
Exercícios
1) (FUVEST) – Na cisticercose, o homem pode fazer o papel de
hospedeiro intermediário no ciclo evolutivo da Taenia solium (tênia).
Isso acontece porque:
a) ingeriu ovo de tênia;
b) andou descalço em terras contaminadas;
c) foi picado por “barbeiro”;
d) comeu carne de porco ou de vaca com larvas de tênia;
e) nadou em água com caramujo contaminado.
2) Colocando-se óleo ou querosene sobre a superfície de depósito
de água estagnada, pode-se contribuir para a diminuição da incidência
de:
a) amarelão;
b) cólera;
c) malária;
d) mal de Chagas;
e) cisticercose.
3) (FUVEST) – Em qual das doenças humanas abaixo o parasita não
necessita de uma hospedeiro intermediário?
a) Filaríase;
b) Malária;
c) Doença de Chagas;
d) Esquistossomose;
e) Amarelão.
4) (FUVEST) – O homem pode adquirir o amarelão:
a) andando descalço sobre o solo úmido;
b) comendo carne de porco mal cozida;
c) por picada de mosquito;
d) nadando em lagoas infestadas de caramujos;
e) respirando ar contaminado.
5) Os agentes causadores da malária, filariose ou elefantíase,
amarelão e esquistossomose são, respectivamente:
a) Ascaris lumbricoides; Ancylostoma duodenale; triatoma sp;
Planorbis sp.
b) Plasmodium vivax; Taenia solium; Dugesia tigrina; Leishmania
donovani.
c) Necator americanus; Trichnella spiralis; Trichonympha sp;
Anopheles sp.
d) Fasciola hepatico; Taenia saginata; Culex sp; Entamoeba
hytolitica.
e) Plasmodium vivax; Wuchereria bancrofti; Ancylostoma
duodenale; Schistossoma sp.
Resolução
Resposta do exercício 1: A
Resposta do exercício 2: D
Resposta do exercício 3: E
Resposta do exercício 4: A
Resposta do exercício 5: E

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA
DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA
DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA
Danillo Rodrigues
 
Giardiase
GiardiaseGiardiase
Giardia
GiardiaGiardia
Aula 6 Teniase E Cisticercose
Aula 6   Teniase E CisticercoseAula 6   Teniase E Cisticercose
Aula 6 Teniase E Cisticercose
ITPAC PORTO
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
Caroline Landim
 
Giardia
GiardiaGiardia
Aula 8 Schistosoma Mansoni 2007 Ok
Aula 8   Schistosoma Mansoni 2007 OkAula 8   Schistosoma Mansoni 2007 Ok
Aula 8 Schistosoma Mansoni 2007 Ok
ITPAC PORTO
 
Gonorreia
GonorreiaGonorreia
Gonorreia
ola334
 
Staphylococcus aureus
Staphylococcus aureusStaphylococcus aureus
Staphylococcus aureus
Lourdes Piedade
 
Ciclos de vida dos vegetais
Ciclos de vida dos vegetaisCiclos de vida dos vegetais
Ciclos de vida dos vegetais
Fabiano Reis
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
KROLZITA
 
Giardíase
GiardíaseGiardíase
Giardíase
bfcamolesi13
 
Arboviroses
ArbovirosesArboviroses
Aula 3 Giardia Lamblia
Aula 3   Giardia LambliaAula 3   Giardia Lamblia
Aula 3 Giardia Lamblia
ITPAC PORTO
 
Aula 8 Trematódios
Aula 8 TrematódiosAula 8 Trematódios
Aula 8 Trematódios
Adila Trubat
 
Tênia - Taenia
Tênia - TaeniaTênia - Taenia
Tênia - Taenia
Mila Fernandes
 
Crescimento de bacteria
Crescimento de bacteriaCrescimento de bacteria
Crescimento de bacteria
unesp
 
estudo da bactéria Escherichia coli
estudo da bactéria Escherichia coliestudo da bactéria Escherichia coli
estudo da bactéria Escherichia coli
Renato Abdoral
 
Ectoparasitas
EctoparasitasEctoparasitas
Ectoparasitas
ericmarins
 
Parasitoses humanas
Parasitoses humanasParasitoses humanas
Parasitoses humanas
Isabella Silva
 

Mais procurados (20)

DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA
DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA
DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA
 
Giardiase
GiardiaseGiardiase
Giardiase
 
Giardia
GiardiaGiardia
Giardia
 
Aula 6 Teniase E Cisticercose
Aula 6   Teniase E CisticercoseAula 6   Teniase E Cisticercose
Aula 6 Teniase E Cisticercose
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Giardia
GiardiaGiardia
Giardia
 
Aula 8 Schistosoma Mansoni 2007 Ok
Aula 8   Schistosoma Mansoni 2007 OkAula 8   Schistosoma Mansoni 2007 Ok
Aula 8 Schistosoma Mansoni 2007 Ok
 
Gonorreia
GonorreiaGonorreia
Gonorreia
 
Staphylococcus aureus
Staphylococcus aureusStaphylococcus aureus
Staphylococcus aureus
 
Ciclos de vida dos vegetais
Ciclos de vida dos vegetaisCiclos de vida dos vegetais
Ciclos de vida dos vegetais
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Giardíase
GiardíaseGiardíase
Giardíase
 
Arboviroses
ArbovirosesArboviroses
Arboviroses
 
Aula 3 Giardia Lamblia
Aula 3   Giardia LambliaAula 3   Giardia Lamblia
Aula 3 Giardia Lamblia
 
Aula 8 Trematódios
Aula 8 TrematódiosAula 8 Trematódios
Aula 8 Trematódios
 
Tênia - Taenia
Tênia - TaeniaTênia - Taenia
Tênia - Taenia
 
Crescimento de bacteria
Crescimento de bacteriaCrescimento de bacteria
Crescimento de bacteria
 
estudo da bactéria Escherichia coli
estudo da bactéria Escherichia coliestudo da bactéria Escherichia coli
estudo da bactéria Escherichia coli
 
Ectoparasitas
EctoparasitasEctoparasitas
Ectoparasitas
 
Parasitoses humanas
Parasitoses humanasParasitoses humanas
Parasitoses humanas
 

Semelhante a Aula 22 verminoses

Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
Flávio Booz
 
Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)
Bio
 
Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)
Bio
 
Principais verminoses humanas
Principais verminoses humanasPrincipais verminoses humanas
Principais verminoses humanas
Marcos Santos
 
Plano de aula 10
Plano de aula 10Plano de aula 10
Plano de aula 10
familiaestagio
 
Zoo 1 de poríferos a nematelmintos
Zoo 1    de poríferos a nematelmintosZoo 1    de poríferos a nematelmintos
Zoo 1 de poríferos a nematelmintos
aulasdotubao
 
Invertebrados platelmintos e nematelmintos
Invertebrados   platelmintos e nematelmintosInvertebrados   platelmintos e nematelmintos
Invertebrados platelmintos e nematelmintos
NAPNE
 
Filo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - PlatelmintosFilo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - Platelmintos
Carla Brígida
 
Parte escrita dtas causadas por parasitas
Parte escrita dtas causadas por parasitasParte escrita dtas causadas por parasitas
Parte escrita dtas causadas por parasitas
Vanessa Queiroz
 
Aula invertebrados
Aula invertebradosAula invertebrados
Aula invertebrados
Andre Luiz Nascimento
 
Animais invertebrados (mazza)
Animais invertebrados (mazza)Animais invertebrados (mazza)
Animais invertebrados (mazza)
Romualdo Caetano Barros
 
Bloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.ppt
Bloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.pptBloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.ppt
Bloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.ppt
PatriciaZanoli
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
bioblocmb
 
0508 ascaridíase, escabiose, pediculose - rose
0508 ascaridíase, escabiose, pediculose - rose0508 ascaridíase, escabiose, pediculose - rose
0508 ascaridíase, escabiose, pediculose - rose
laiscarlini
 
platelmintes parasitas
platelmintes parasitasplatelmintes parasitas
platelmintes parasitas
Rodrigo
 
008 helmintos
008   helmintos008   helmintos
008 helmintos
Jonatas Barros
 
Filo platelminto
Filo platelmintoFilo platelminto
Filo platelminto
Danie Gongui
 
Teníase
 Teníase Teníase
Teníase
Patynogueira
 
Principais vermes parasitas
Principais vermes parasitasPrincipais vermes parasitas
Principais vermes parasitas
Ercio Novaes
 
Platelminto se Nematelmintos.ppt
Platelminto se Nematelmintos.pptPlatelminto se Nematelmintos.ppt
Platelminto se Nematelmintos.ppt
LussandraMarquez
 

Semelhante a Aula 22 verminoses (20)

Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 
Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)
 
Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)
 
Principais verminoses humanas
Principais verminoses humanasPrincipais verminoses humanas
Principais verminoses humanas
 
Plano de aula 10
Plano de aula 10Plano de aula 10
Plano de aula 10
 
Zoo 1 de poríferos a nematelmintos
Zoo 1    de poríferos a nematelmintosZoo 1    de poríferos a nematelmintos
Zoo 1 de poríferos a nematelmintos
 
Invertebrados platelmintos e nematelmintos
Invertebrados   platelmintos e nematelmintosInvertebrados   platelmintos e nematelmintos
Invertebrados platelmintos e nematelmintos
 
Filo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - PlatelmintosFilo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - Platelmintos
 
Parte escrita dtas causadas por parasitas
Parte escrita dtas causadas por parasitasParte escrita dtas causadas por parasitas
Parte escrita dtas causadas por parasitas
 
Aula invertebrados
Aula invertebradosAula invertebrados
Aula invertebrados
 
Animais invertebrados (mazza)
Animais invertebrados (mazza)Animais invertebrados (mazza)
Animais invertebrados (mazza)
 
Bloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.ppt
Bloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.pptBloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.ppt
Bloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.ppt
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 
0508 ascaridíase, escabiose, pediculose - rose
0508 ascaridíase, escabiose, pediculose - rose0508 ascaridíase, escabiose, pediculose - rose
0508 ascaridíase, escabiose, pediculose - rose
 
platelmintes parasitas
platelmintes parasitasplatelmintes parasitas
platelmintes parasitas
 
008 helmintos
008   helmintos008   helmintos
008 helmintos
 
Filo platelminto
Filo platelmintoFilo platelminto
Filo platelminto
 
Teníase
 Teníase Teníase
Teníase
 
Principais vermes parasitas
Principais vermes parasitasPrincipais vermes parasitas
Principais vermes parasitas
 
Platelminto se Nematelmintos.ppt
Platelminto se Nematelmintos.pptPlatelminto se Nematelmintos.ppt
Platelminto se Nematelmintos.ppt
 

Mais de Jonatas Carlos

Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Jonatas Carlos
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Jonatas Carlos
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Jonatas Carlos
 
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23   modernismo no brasil - 1ª faseAula 23   modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Jonatas Carlos
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugal
Jonatas Carlos
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européia
Jonatas Carlos
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 17 parnasianismo
Aula 17   parnasianismoAula 17   parnasianismo
Aula 17 parnasianismo
Jonatas Carlos
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
Jonatas Carlos
 
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Jonatas Carlos
 
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Aula 13   realismo - naturalismo em portugalAula 13   realismo - naturalismo em portugal
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Jonatas Carlos
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Jonatas Carlos
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Jonatas Carlos
 
Aula 09 romantismo
Aula 09   romantismoAula 09   romantismo
Aula 09 romantismo
Jonatas Carlos
 
Aula 08 arcadismo no brasil
Aula 08   arcadismo no brasilAula 08   arcadismo no brasil
Aula 08 arcadismo no brasil
Jonatas Carlos
 

Mais de Jonatas Carlos (20)

Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
 
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23   modernismo no brasil - 1ª faseAula 23   modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugal
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européia
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
 
Aula 17 parnasianismo
Aula 17   parnasianismoAula 17   parnasianismo
Aula 17 parnasianismo
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
 
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
 
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Aula 13   realismo - naturalismo em portugalAula 13   realismo - naturalismo em portugal
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
 
Aula 09 romantismo
Aula 09   romantismoAula 09   romantismo
Aula 09 romantismo
 
Aula 08 arcadismo no brasil
Aula 08   arcadismo no brasilAula 08   arcadismo no brasil
Aula 08 arcadismo no brasil
 

Último

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 

Último (20)

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 

Aula 22 verminoses

  • 1. Aula 22 Verminoses Muitas parasitoses humanas são causadas por vermes, entre elas encontramos a teníase, a cisticercose, a esquistossomose, a ascaridíase, a ancilostomíase, a elefantíase. Os vermes podem apresentar o corpo achatado (filo dos platelmintos) ou corpo cilíndrico (filo dos asquelmintos). Observe abaixo, exemplos de platelmintos e asquelmintos.
  • 2. Principais parasitoses causadas por platelmintos: Teníase A teníase é causada por tênias (ou solitárias) vermes adultos das espécies Taenia solium e Taenia saginata, que pertencem à classe Cestoda; possui o corpo dividido em: cabeça ou escólex, colo e estróbilos ou proglotes: • Cabeça ou escólex é a porção anterior destinada a manter a Taenia presa à parede intestinal. • Colo é a porção não segmentada, posterior ao escólex, responsável pela produção dos novos anéis ou proglotes por estrobilização. • Estróbio é constituído por vários anéis ( mais ou menos 800). As proglotes mais próximas do colo são chamadas imaturas; as proglotes com ovários e testículos desenvolvidos são denominadas maduras e, no final do corpo do animal, encontramos as proglotes grávidas, com o útero cheio de ovos. A Taenia adulta é encontrada no intestino delgado do homem; destacam-se continuamente do seu corpo as proglotes grávidas, que são eliminadas com as fezes humanas. Esse anéis contêm ovos que também são liberados e ingeridos pelo hospedeiro intermediário (porco ou boi). Parasitas Hospedeiro intermediário Hospedeiro definitivo Taenia solium porco homem homemboiTaenia saginata
  • 3. Ciclo de vida da Taenia solium O porco ingere os ovos, e estes, ao atingir o seu estômago, a casca do ovo é digerida, libertando a larva oncosfera ou hexacanta (6 espinhos). A larva passa para o intestino e cai na circulação sangüínea, atingindo a musculatura estriada e o sistema nervoso do porco, onde se transforma em cisticerco (larva). Cada cisticerco tem de 0,5 a 1,0 cm de diâmetro e o aspecto de um grão de canjica. O homem desenvolve a doença ao ingerir a carne de porco crua ou mal cozida, contendo cisticercos vivos. Cisticercose É uma doença causada pela presença do cisticerco no sistema nervoso, provocando sérios problemas neurológicos e até a morte. O homem adquire essa doença, ingerindo os ovos da Taenia solium.
  • 4. Esquistossomose ou barriga d’água É uma doença que atinge, anualmente, cerca de 270 mil pessoas; o verme causador desta doença é o Shistossoma mansoni. Os vermes provocam hemorragias, intoxicação e inflamação do cólon, reto pâncreas, fígado, baço e, geralmente as vítimas apresentam o abdômen volumoso. A pessoa doente elimina os ovos do Shistossoma, juntamente com as fezes; esses ovos atingem o meio ambiente, podendo chegar à água doce (lagoas, tanques, reservatórios e charcos). Na água, cada ovo libera uma larva ciliada denominada miracídio, que se locomove ativamente e penetra no caramujo. No caramujo, o miracídio passa por transformações, formando o esporocisto. Estes produzem milhares de novas larvas, as cercárias. As cercárias deixam o caramujo e podem penetrar ativamente pela pele do homem, durante banho em rios e lagos. A penetração das larvas produz irritação cutânea, daí o nome “lagoas de coceira” dado aos locais infestados por esquistossomo. Após a penetração das cercárias pela pele, estas caem na circulação e migram para os vasos sangüíneos viscerais. Machos e fêmeas acasalam-se e ocorre a postura dos ovos . Verme Hospedeiro intermediário Hospedeiro definitivo Shistossoma mansoni caramujo homem
  • 5. Principais doenças causadas por asquelmintos Verminoses Profilaxia Teníase Evitar comer carne de porco ou boi mal cozidas, ou crua; saneamento básico.
  • 6. Ancilostomose ou Amarelão Esta doença é causada pelo Ancylostoma duodenale e Necator americanus; esses vermes apresentam dimorfismo sexual; vivem presos à mucosa intestinal, de onde sugam o sangue e os nutrientes, provocando uma anemia intensa. Os ovos ancilosmídeos são eliminados com as fezes; caem em local úmido e quente, embrionam, liberam as larvas rabditóides, e estas, no solo, transformam-se em filarióide infestante. As larvas filarióides penetram no homem de forma passiva (ingestão de água ou alimento contaminados) ou de forma ativa (através da pele). Abaixo, o caminho percorrido pelas larvas, após a penetração no homem: No intestino delgado, as larvas passam para o estágio adulto e, posteriormente, ocorrerá a eliminação dos ovos dos vermes. Essa parasitose provoca, no hospedeiro, uma anemia intensa. Filariose ou Elefantíase Essa doença é causada pela Wuchereria bancrofti, verme cilíndrico, e transmitida pelos mosquitos do gênero Aedes, Culex. Ativa Passiva Pele ‚ Sangue ‚ Coração ‚ Pulmões ‚ Traquéia ‚ Esôfago ‚ Intestino delgado Boca ‚ Estômago ‚ Intestino delgado
  • 7. Os vermes adultos causam inflamação e obstrução dos vasos linfáticos, acarretando inchaço, principalmente em pés, pernas, mamas e na bolsa escrotal. Os mosquitos ingerem as microfilárias ao sugar o sangue de uma pessoa infectada. No interior dos insetos, as microfilárias são transformadas em larvas infectantes e caminham para o aparelho bucal do mosquito. Ao picar a vítima, o inseto transmite a larva, que atinge o sistema linfático, recomeçando o ciclo. Ascaridíase A ascaridíase é causada pelo Ascaris lumbricóides (lombriga); o homem adquire a doença quando ingere alimentos contaminados com os ovos embrionados do verme. Os ovos são digeridos no duodeno e as larvas são liberadas. Estas caem na circulação sangüínea passando pelo fígado, coração, pulmões, traquéia, esôfago, estômago e intestino, ocorrendo a maturação do verme e sua reprodução. O verme causa, bronquite, complicações pulmonares, convulsões, cólicas, enjôo, obstrução intestinal. Enterobíase ou Oxiuríase A enterobíase é causada pelo Enterobius vermicularis (Oxyuris vermicularis); esse verme adulto provoca inflamação, náuseas, catarro intestinal, prurido anal (principal sintoma). O homem adquire a doença ingerindo os ovos embrionários por autoinfestação ou heteroinfestação, podendo também ocorrer a eclosão de larvas no ânus e migração destes para as partes superiores do intestino. Ciclo Wuchereria bancrofti Hospedeiro intermediário: mosquito Hospedeiro definitivo: homem
  • 8. Exercícios 1) (FUVEST) – Na cisticercose, o homem pode fazer o papel de hospedeiro intermediário no ciclo evolutivo da Taenia solium (tênia). Isso acontece porque: a) ingeriu ovo de tênia; b) andou descalço em terras contaminadas; c) foi picado por “barbeiro”; d) comeu carne de porco ou de vaca com larvas de tênia; e) nadou em água com caramujo contaminado. 2) Colocando-se óleo ou querosene sobre a superfície de depósito de água estagnada, pode-se contribuir para a diminuição da incidência de: a) amarelão; b) cólera; c) malária; d) mal de Chagas; e) cisticercose. 3) (FUVEST) – Em qual das doenças humanas abaixo o parasita não necessita de uma hospedeiro intermediário? a) Filaríase; b) Malária; c) Doença de Chagas; d) Esquistossomose; e) Amarelão. 4) (FUVEST) – O homem pode adquirir o amarelão: a) andando descalço sobre o solo úmido; b) comendo carne de porco mal cozida; c) por picada de mosquito; d) nadando em lagoas infestadas de caramujos; e) respirando ar contaminado. 5) Os agentes causadores da malária, filariose ou elefantíase, amarelão e esquistossomose são, respectivamente: a) Ascaris lumbricoides; Ancylostoma duodenale; triatoma sp; Planorbis sp.
  • 9. b) Plasmodium vivax; Taenia solium; Dugesia tigrina; Leishmania donovani. c) Necator americanus; Trichnella spiralis; Trichonympha sp; Anopheles sp. d) Fasciola hepatico; Taenia saginata; Culex sp; Entamoeba hytolitica. e) Plasmodium vivax; Wuchereria bancrofti; Ancylostoma duodenale; Schistossoma sp. Resolução Resposta do exercício 1: A Resposta do exercício 2: D Resposta do exercício 3: E Resposta do exercício 4: A Resposta do exercício 5: E