SlideShare uma empresa Scribd logo
1) Área degradada:
• Aquela que, após o distúrbio, teve eliminado, juntamente com a vegetação, os
seus meios de regeneração bióticos, como o banco de sementes, banco de
plântulas, chuvas de sementes e rebrota, apresentando baixa capacidade de voltar
ao seu estado anterior.
• Áreas estragadas ou desgastadas, ou seja, áreas que perderam boa parte ou toda
sua capacidade produtiva.
• Redução da quantidade e qualidade da capacidade atual e futura do solo para
produção vegetal.
• Aqueles cujas ações do homem modificaram o ecossistema de tal maneira que
os mecanismos naturais são perdidos e, por isso, há necessidade de nova
intervenção humana para reversão da situação presente.
Degradada – sofreu distúrbios intensos por isso NÃO POSSUI meios de
regeneração natural.
Perturbada - sofreu distúrbios de menor intensidade por isso POSSUI meios
de regeneração natural
A degradação pode ser fruto de:
• Mineração;
• Uso intensivo do solo para fins agropecuários ( herbicidas, salinização
do solo, superpastejo, etc);
• Queimadas consecutivas;
• Desmatamento.
Área degradada:
• menor diversidade de espécies
• ausência de estrutura vegetal
• ausência de solo
• baixíssima ou ausente capacidade de regeneração natural
Área conservada
• maior diversidade de espécies
• maior estrutura vegetal e animal
• presença de solo
• alta capacidade de recuperação natural
A recuperação de áreas degradadas tem por objetivo fornecer ao ambiente
degradado, condições favoráveis a reestruturação da vida num ambiente que não tem
condições físicas, químicas e/ou biológicas de se regenerar por si só. Através de obras
no terreno como a construção de terraços, banquetas, etc., ou ainda, da implantação de
espécies vegetais, podemos conduzir a recuperação de uma área degradada.
2)Poluição e degradação ambiental.
No meio urbano, o simples fato da maior parte das áreas serem desflorestadas já
constitui um sério problema ambiental. No entanto, as cidades acumulam inúmeros
outros problemas ambientais. Os veículos movidos a combustíveis fósseis lançam no ar
toneladas de partículas poluentes, que prejudicam o funcionamento de todos os
ambientes próximos, além de serem a causa de diversos problemas de saúde
para o ser humano. Outro conseqüência do uso de combustíveis fósseis é a formação de
ácidos, a partir dos óxidos de carbono e enxofre, que resultam nas chuvas ácidas. Esse
fenômeno altera de forma negativa os ecossistemas aquáticos, prejudicando a agricultura
e as florestas. Especialistas na matéria há tempo têm advertido o poder público e a
sociedade sobre a necessidade imediata de um re-planejamento do destino de todos os
resíduos sólidos. O modo de vida nas cidades tem gerado sérios problemas em
decorrência do excesso de produção de lixo, que inutilizam e poluem grandes
áreas. A questão dos lixões e o esgotamento dos Aterros Sanitários é um sério problema
para todos os municípios. A preocupação com o destino desses resíduos vem crescendo:
ao invés de causar prejuízos sociais e ambientais o lixo pode gerar lucro. A criação de
cooperativas de “catadores de lixo”, é um exemplo de solução que associa o sustento
econômico de muitas famílias à preservação ambiental. Outro sério problema nos centros
urbanos é o lançamento de esgotos domésticos e industriais considerados
a principal forma de poluição das águas. A advertência dos ecólogos sobre a
necessidade de tratamento adequado também não é recente. Porém, mesmo nos países
ricos, a recuperação de rios começou a acontecer nos últimos anos, sendo que ainda há
muito que se fazer. As indústrias lançam nas águas, diariamente, toneladas de
substâncias que não podem ser decompostas por processos naturais, e que
conseqüentemente acumulam-se nos seres vivos. Os chamados metais pesados. Os
resíduos industriais podem ainda se acumular no solo, tornando extensas áreas
impróprias para a maior parte das atividades humanas.
Segundo pesquisa do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), a Amazônia
perdeu cerca de 17% de cobertura florestal, principalmente nos últimos 50 anos.
Originalmente haviam 4,9 milhões de km² e, no final de 2003 eram 4 milhões de km²
quadrados. Juntos, os biomas Mata Atlântica, Amazônia, Cerrado e a formação florestal
Araucária perderam 3,6 milhões de km². Estes dados colocarão o Brasil no livro dos
recordes, o Guiness Book edição 2005, como o país com o maior índice de
desmatamento do planeta.
Há muito tem se discutido os impactos negativos das atividades agrícolas resultantes
da chamada Revolução Verde. Nesse modelo agrícola, o uso de adubos industriais,
herbicidas e inseticidas tem poluído o ambiente, além de contaminar os alimentos com
substâncias tóxicas. A monocultura, adotada nesse modelo, além de ser dependente de
constantes intervenções geradoras de poluição e erosão do solo, provoca a redução da
biodiversidade local e em muitos casos comprometem o patrimônio genético da
agricultura. Para se ter uma noção da influência da expansão das fronteiras agrícolas na
degradação ambiental, segundo informações do Ministério do Meio Ambiente, 33% da
vegetação do cerrado das nascentes do Rio Xingu e de seus afluentes já foram
destruídas. A bacia do Rio Xingu atravessa dois importantes biomas brasileiros, o
Cerrado e a Floresta Amazônica, com um território de 2,6 mil hectares e o principal
vetor deste ritmo de degradação é o modelo de atividade agropecuária, implantado a
partir da década de 60.
Existem diversas formas ecológicas de trabalharmos a questão da poluição dos
ambientes, uma delas é que os interesses das políticas publicas sejam direcionados para
a questão da poluição ambiental. Muito mais importante que isso, é que a sociedade
reconstrua seu laço de harmonia com a natureza conseguindo viver uma vida de
equilíbrio e respeito com ela.
3)Erosão
O fenômeno de degradação e decomposição das rochas, ou as modificações sofridas
pelo solo devido a variações de temperatura, a ação da água e do vento, é chamado de
erosão.
Erosão Laminar:
Arraste de uma camada muito fina e uniforme do solo, - a forma mais perigosa de
erosão. Uma vez não percebida logo no início, é notada somente quando atinge um grau
elevado, ou seja, após descobrir as raízes das plantas
Erosão Em sulcos:
Erosão que forma valas ou sulcos no terreno, sendo facilmente percebida. Em
estágios mais avançados, favorece o aparecimento de voçorocas.
Problemas causados pela erosão:
• Perda de solo pelo arraste de partículas;
• Assoreamento de nascentes, córregos e rios;
• Contaminação das águas por agroquímicos (agrotóxicos e fertilizantes
químicos) que são arrastados com partículas do solo;
• Desmoronamento de encostas e taludes.
Voçoroca:
A voçoroca, boçoroca ou ravina é um fenômeno geológico que consiste na formação de
grandes buracos de erosão, causados pela chuva e intempéries, em solos onde a
vegetação é escassa e não mais protege o solo, que fica cascalhento e suscetível de
carregamento por enxurradas. Pobre, seco, e quimicamente morto, nada fecunda. A
voçoroca pode ser prevenida com a plantação de árvores na beira dos buracos, que agem
como guarda-chuva do solo contra a chuva e vento, além de evitar que o fluxo da água
leve consigo terra e sedimentos, que são retidos por suas raízes. É um fenômeno
prejudicial, pois destrói terras cultiváveis e colabora para o assoreamento de rios e
entupimento de redes de esgoto, que ficam entulhadas por detritos do solo, facilitando o
processo das enchentes urbanas.
Controle da voçoroca:
Sugerem-se a construção de terraços e bacias de retenção para o ordenamento e
armazenamento da enxurrada formada na parte superior da voçoroca, e barreiras
para reter sedimentos dentro das voçorocas, e algumas no entorno desta, com
paliçadas de bambu e pneus usados.
A importância da mata ciliar
A quantidade de água em contato com o solo é um dos fatores determinantes no
processo de erosão; as margens dos rios são, portanto, extremamente vulneráveis a ela,
o que pode causar danos gravíssimos, como assoreamento e perdas de solo para
agricultura. Na natureza, ao longo dos anos, a instalação de uma vegetação nas margens
dos rios foi fundamental para a estabilização e existência dos leitos: as Matas Ciliares,
assim denominadas pela similaridade da ação exercida pelos cílios na proteção do olho.
Os cursos d’água que apresentam sua mata ciliar íntegra são menos impactados por
agentes externos. Formam longos corredores de vegetação ao longo dos rios
contribuindo para a manutenção da biodiversidade e o equilíbrio dos ecossistemas.
4) Observações necessárias para se iniciar um projeto de recuperação
de áreas degradadas
Estudo dos remanescentes florestais dos locais a serem reflorestados (espécies
nativas);
Levantamento das condições ambientais e as possíveis causas da degradação
(uso de defensivos agrícolas, queimadas, passagem de gado etc);
Escolha do modelo de recuperação, de acordo com os objetivos e características
locais: plantio em linhas, alternado, sistemas agroflorestais;
Escolha das espécies a serem plantadas, tendo como base as características da
vegetação original, no modelo de reflorestamento escolhido e nas características
locais do ambiente (se é mata ciliar ou não, se a área é sujeita a alagamentos
etc).
Escolha das espécies
Num primeiro momento as espécies devem possuir resistência ao ambiente
degradado, além de serem adaptadas ao clima da região.
-Devem ser de fácil propagação.
-Facilidade de se obter sementes.
-Facilidade de se propagar a semente
-Deve possuir crescimento rápido e fornecer cobertura ao solo
-Deve ser uma boa fornecedora de matéria orgânica para o solo
Essas espécies podem ser plantadas através de mudas ou plantadas por sementes
diretamente no campo. (Podemos preparar o terreno e fazer o semeio a lanço, ou na
ponta do facão.) É interessante que tenhamos um viveiro onde possam ser produzidas as
mudas das espécies secundárias e clímax, já que o ambiente degradado pode trazer
dificuldades no estabelecimento das sementes.
Sucessão ecológica:
O processo de instalação lento e gradual de organismos em um determinado local é
chamado de sucessão ecológica. No caso desse processo ocorrer em uma área até então
desabitada, diz-se que ocorre sucessão primária; no caso de instalação de organismos
em uma área que já se constituía como um ecossistema, como, por exemplo, uma área
de mata desmatada ou queimada, dizemos que ocorre sucessão secundária. A sucessão
primária pode ocorrer em rochas inabitadas, em áreas cobertas por lava vulcânica
resfriada ou ainda em telhados antigos. A ausência de nutrientes orgânicos não permite
a sobrevivência de organismos heterótrofos (que não produzem o próprio alimento), e a
escassez de nutrientes inorgânicos dificulta a sobrevivência de autótrofos (que
produzem o seu alimento) de grande porte. Devido à capacidade de síntese de matéria
orgânica e ao pequeno porte os primeiros organismos a se desenvolverem nessas
condições são os liquens, as cianobactérias e os musgos, que são chamados de
organismos pioneiros e constituem, juntamente com os consumidores e decompositores
desses seres, as comunidades pioneiras. Com o passar do tempo, a decomposição de
fezes, tecidos e organismos mortos produz nutrientes inorgânicos, como os nitratos e o
fosfatos, permitindo a sobrevivência de gramíneas, herbáceas, e animais invertebrados e
vertebrados de pequeno porte. Esses organismos constituem as chamadas comunidades
intermediárias ou seres. As comunidades intermediárias ou seres, propiciam o
desenvolvimento das árvores da vegetação “adulta”
(geralmente de ciclo de vida longo), que formam as comunidades clímax. Já o processo
de sucessão secundária ocorre em locais anteriormente povoados, cujas comunidades
saíram do estágio de clímax por modificações climáticas, pela intervenção humana
(como em um terreno desmatado ou queimado), ou pela queda de uma árvore na mata
abrindo uma clareira na floresta. Nesses casos, a sucessão se dá a partir das comunidades
intermediárias (seres), e na ausência de perturbações ambientais – como por exemplo,
queimadas, poluição do ar e do solo, agrotóxicos e novos desmatamentos
– a comunidade pode se desenvolver até atingir o clímax, como descrito para a sucessão
primária. No entanto, quase sempre os fatores de perturbação ambiental ocorrem,
dificultando e, às vezes, até impedindo
o processo de sucessão natural. O tempo para esse processo acontecer é muito longo,
podendo ultrapassar 60 anos, para alguns tipos de ambientes, mesmo na ausência total
de problemas ambientais. O estudo dos detalhes do processo de sucessão ecológica é,
portanto, fundamental para que possamos auxiliar, de maneira positiva, o processo de
dinâmica do desenvolvimento da vegetação, seja aumentando a velocidade da
recomposição da vegetação ou contornando as perturbações ambientais. Um fator
importante que deve ser sempre levado em consideração é que as espécies arbóreas têm
diferentes necessidades e resistências com relação à luz solar. Algumas espécies só se
desenvolvem com radiação solar direta, durante todo o ciclo de vida – são as árvores
pioneiras. Essas plantas são interessantes para iniciar o processo de recuperação,
gerando sombra para aquelas árvores que necessitam de menos luz. As árvores
predominantes na vegetação adulta (clímax) – chamadas de climácicas – têm
pouquíssima tolerância à luz durante seu desenvolvimento. Um terceiro grupo – o das
secundárias – que necessitam de mais luz que as climácicas, porém, não suportam tão
bem o excesso de luz quanto as pioneiras. As árvores secundárias, em alguns casos, são
subdivididas em grupos, de acordo com sua tolerância à luz (que pode ser maior ou
menor).
• Colonizadoras: Capins, algumas leguminosas herbáceas, plantas espontâneas
diversas.
• Pioneiras: Albizia, Aroeira, Café de bugre, Canafístula, Candeia, Caroba,
Embiruçu, Goiaba, Jacatirão, Paineira, Pata de vaca, Guapuruvú, Sibipiruna,
etc...
• Secundárias: Mulungu, Cinamomo, Ipê-amarelo, Cedro-rosa, Araribá-amarelo ,
Aroeira-vermelha, Grapia , Jacarandá-vermelho, Louro-pardo, Tanheiro, etc,...
• Clímax: Baguaçú, Bicuiba, Canela-preta, Imbuia, Pau-óleo ,Peroba, Sassafrás,
etc...
5) Tipos de plantio:
Modelo I
Modelo de simples instalação, que alterna espécies pioneiras com não pioneiras. A
principal desvantagem é que, enquanto as pioneiras não crescem, as espécies clímax e
secundárias recebem muita luz, ficando temporariamente em situação de estresse.
Uma forma de minimizar o problema é retardar o plantio das climácicas.
Modelo II
Nesse modelo as linhas de plantio alternam primárias e não primárias, dificultando o
procedimento em relação ao modelo anterior. No entanto, a distribuição do
sombreamento tende a ser mais regular, melhorando o desenvolvimento das não-
pioneiras.
Modelo III
Nesse modelo é necessária a separação das pioneiras em dois subgrupos, as de copa
mais densa e as de copa mais rala. É preciso diferenciar as secundárias mais e menos
exigentes de luz. O plantio é pensado para que seja criado um microclima propício para
todos os tipos de plantas. Se bem implementado, tende a ser melhor que os demais,
porém, requer um planejamento e conhecimento das espécies bem mais elaborado.
Na opinião dos administradores da disciplina recuperação de áreas degradadas, o
melhor método de revegetação de uma área seria utilizar os sistemas agroflorestais
(SAFs). Por ser uma tecnologia que se vale da interação e conhecimento de todos
os elementos do sistema ecológico, quando pensamos em recuperar uma área,
estamos pensando em restabelecer toda a diversidade de seres vivos que habitavam
a área, só assim, cremos, ter conseguido fornecer condições propícias ao
restabelecimento da vida.
6) Métodos físicos para auxiliar a recuperação de áreas degradadas:
Terraços verdes
São obras feitas no terreno com o objetivo de nivelar e diminuir o carregamento
de partículas do solo pela chuva. Ao ser construído o terraço, entramos fazendo
o reflorestamento.
Banquetas verdes
São bancos de pedra colocados em curva de nível no terreno, para reduzir o
escoamento das partículas do solo além de reter umidade nessas bancas
formadas. Posteriormente é feito o plantio de reflorestamento sobre a banqueta.
Caneletas
São canais abertos no terreno com o intuito de diminuir a velocidade da água da
chuva, quando esta incidir sobre o terreno. É feita em terreno que apresenta
declividade.
Anexo
Segundo a lei:
Resolução SMA – 47, de 26 de novembro de 2003
Altera e amplia a Resolução SMA 21, de 21-11-2001; Fixa orientação para o reflorestamento heterogêneo
de áreas degradadas e dá providências correlatas. O Secretário de Estado do Meio Ambiente, em
cumprimento ao disposto nos artigos 23, VII, e 225, § 1º, I, da Constituição Federal, nos artigos 191 e 193
da Constituição do Estado, nos artigos 2º e 4º da Lei federal nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, e nos 2º,
4º e 7º da Lei estadual nº 9.509, de 20 de março de 1997, e considerando o contido na Agenda 21 e na
Convenção da Biodiversidade; Considerando a constatação feita pela equipe do Instituto de Botânica,
relacionada ao projeto “Modelos de Repovoamento Vegetal para Proteção de Sistemas Hídricos em
Áreas Degradadas dos Diversos Biomas no Estado de São Paulo” (Políticas Públicas / FAPESP) quanto à
baixa diversidade vegetal das áreas reflorestadas com espécies nativas, nas quais têm sido utilizadas
menos de 33 espécies arbóreas, o que se agrava, ainda mais, quando se verifica que são plantadas
praticamente as mesmas espécies em todo o Estado, independentemente da região, sendo 2/3 (dois
terços) delas, em geral, de estágios iniciais da sucessão, de ciclo de vida curto (15-20 anos), o que irá
levar os reflorestamentos ao declínio em um certo espaço de tempo, como vem sendo observado na
prática; Considerando a necessidade de revisão periódica dos termos contidos na Resolução SMA 21, de
21-11- 2001, tendo em vista o avanço do conhecimento científico e resultados obtidos com sua aplicação
prática; Considerando que a perda da diversidade biológica significa a redução de recursos genéticos
disponíveis ao desenvolvimento sustentável, na forma de madeira, frutos, forragem, plantas ornamentais
e produtos de interesse alimentar, industrial e farmacológico; Considerando que o Departamento Estadual
de Proteção de Recursos Naturais - DEPRN, tem constatado que dentre outras formas de Recuperação
de Áreas Degradadas, os plantios realizados têm apresentado resultados mais satisfatórios a partir dos
critérios técnicos para a escolha e combinação das espécies, estabelecidos na Resolução SMA 21/01,
resolve:
Art. 1º - A recuperação de áreas degradadas exige elevada diversidade, que pode ser obtida com o
plantio de mudas e/ou outras técnicas tais como semeadura direta, indução e/ou condução da
regeneração natural.
§ 1 - O caput deste artigo não se aplica para áreas de recuperação com menos de 1,0 (um) hectare, nas
quais deverão ser utilizadas, no mínimo, 30 espécies.
§ 2 - Respeitando-se as formações de ocorrência, recomenda-se a utilização de espécies ameaçadas de
extinção, e/ou atrativas da fauna associada.
§3 - As espécies escolhidas deverão contemplar os dois grupos ecológicos: pioneiras (pioneiras e
secundárias iniciais) e não pioneiras (secundárias tardias e climácicas), considerando-se o limite mínimo
de 40% para qualquer dos grupos.
§4 - Com relação ao número de indivíduos por espécie, nenhuma espécie poderá ultrapassar o limite
máximo de 20% do total do plantio.
Art. 2º - A recuperação florestal de áreas degradadas nas formações de floresta ombrófila, floresta
estacional semidecidual e savanas florestadas (cerradão), será efetivada mediante o plantio de mudas de,
no mínimo, 80 (oitenta) espécies arbóreas das formações vegetais de ocorrência regional, exemplificadas
na listagem do Anexo a esta resolução, não excluindo espécies levantadas regionalmente.
Art. 3º - Na execução dos trabalhos de recuperação florestal, deverão ser priorizadas as seguintes áreas:
a) as áreas consideradas de preservação permanente pela Lei Federal 4771/65, em especial aquelas
localizadas em nascentes e olhos d’água;
b) de interligação de fragmentos florestais remanescentes na paisagem regional (corredores ecológicos);
c) de elevado potencial de erodibilidade;
Art. 4º - Para formações ou situações de baixa diversidade de espécies arbóreas, tais como: florestas
estacionais deciduais, formações paludosas e de restinga, manguezal, além das áreas rochosas, o
númerode espécies a ser utilizado será definido por projeto técnico circunstanciado, a ser aprovado no
âmbito da Coordenadoria de Licenciamento Ambiental e de Proteção de Recursos Naturais - CPRN,
considerando-sea maior diversidade possível.
Art. 5º - Para projetos de recuperação mediante plantio, o solo deverá ser devidamente preparado,
atentando para as recomendações técnicas de conservação de solo, de calagem e adubação, do controle
inicial de competidores, além de isolar a área dos fatores de degradação.
§ 1 - A manutenção das áreas restauradas deverá ser executada por, no mínimo, 18 meses após o
plantio, incluindo o controle de formigas, capinas e/ou coroamentos, adubação e outros, conforme
avaliação técnica do responsável pelo projeto.
§ 2 - Tendo como objetivo final a recuperação da floresta, será admitida a ocupação das entrelinhas, com
espécies para adubação verde e/ou de interesse econômico, por até dois anos, desde que o projeto utilize
princípios agro-ecológicos.
Art. 6º -Para recuperação de áreas com algum tipo de cobertura florestal nativa remanescente,
recomenda-se:
a) a proteção da área de qualquer ação de degradação;
b) o controle de espécies exóticas ou nativas em desequilíbrio;
c) o adensamento na borda da área, usando espécies de rápido crescimento e boa cobertura;
d) o enriquecimento dessas áreas com espécies finais da sucessão.
Art. 7º - Para a recuperação de áreas degradadas mediante outras técnicas, associadas ou não ao plantio
de mudas, deverá ser apresentado um projeto específico, contendo:
a) avaliação da paisagem;
b) avaliação do histórico de degradação da área;
c) retirada dos fatores de degradação;
d) avaliação dos processos de regeneração natural;
e) aproveitamento do potencial de auto-recuperação.
Parágrafo único- A não presença e/ou expressão deste potencial de auto-recuperação adotar-se-ão as
medidas previstas no artigo 2º.
Art. 8º - A execução dos trabalhos de recuperação florestal deverá observar os seguintes aspectos:
I - O solo deverá ser preparado em consonância com a estratégia de recuperação adotada, atentando
para as recomendações técnicas de conservação de solo, de calagem, adubação e aplicação de matéria
orgânica, com destaque para análise físico-química do solo;
II - Avaliação do potencial de auto-recuperação dessas áreas no que se refere: à presença ou chegada de
propágulos (sementes ou indivíduos remanescentes), oriundos do banco de sementes e da “chuva” de
sementes, dependendo da área - objeto de recuperação e da vizinhança, em função da presença de
remanescentes florestais próximos;
III - Avaliação do histórico e uso atual da área, no que se refere às práticas culturais, como alteração da
drenagem do solo, retirada ou revolvimento periódico do solo, uso de herbicidas e outros;
IV - Em situações onde for observada a regeneração natural de espécies nativas, no pré e pós-plantio,
esta deverá ser aproveitada na recuperação da área, estimulando e conduzindo os indivíduos
regenerantes através de práticas silviculturais;
V - A área de recuperação deverá ser isolada dos fatores de degradação;
VI - Deverá haver controle de formigas cortadeiras e de espécies competidoras indesejáveis,
especialmente gramíneas e cipós;
Conceitos importantes:
Espécie: Conjunto de indivíduos geneticamente e fisicamente semelhantes capazes de
cruzarem entre si, e produzirem descendentes férteis.
Cada espécie possui seu nome popular e seu nome científico.
Goiabeira Psidium guajava
Pau-Brasil Caesalpinia echinata
Abacateiro Persea americana
População: É o conjunto de indivíduos de mesma espécie.
Comunidade:
• Comunidade Biótica: Conjunto de populações diferentes
• Comunidade Abiótica: ambiente físico onde habitam as populações.(clima,
água, tipo de solo,...)
Ecossistema: É o resultado da interação entre a comunidade biótica e a comunidade
abiótica. Visualizado em por rede gigantesca de laços entre os indivíduo entre si e com
o meio físico.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
Giovanna Ortiz
 
Métodos e técnicas de conservação do solo
Métodos e técnicas de conservação do soloMétodos e técnicas de conservação do solo
Métodos e técnicas de conservação do solo
Girleno Oliveira
 
Recuperacao areas degradadas
Recuperacao areas degradadas Recuperacao areas degradadas
Recuperacao areas degradadas
Alexandre Panerai
 
Aula de Gestão Ambiental - UMC
Aula de Gestão Ambiental - UMCAula de Gestão Ambiental - UMC
Aula de Gestão Ambiental - UMC
proftstsergioetm
 
Aula 6 legislação ambiental
Aula 6 legislação ambientalAula 6 legislação ambiental
Aula 6 legislação ambiental
sionara14
 
Aula 2 Impactos Ambientais
Aula 2 Impactos AmbientaisAula 2 Impactos Ambientais
Aula 2 Impactos Ambientais
Carlos Priante
 
Caatinga
CaatingaCaatinga
Caatinga
Marina Godoy
 
Aula 9 aterro
Aula 9   aterroAula 9   aterro
Aula 9 aterro
Giovanna Ortiz
 
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e SustentabilidadeGestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Milton Henrique do Couto Neto
 
Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.
Carlos Elson Cunha
 
Aula 3 sga qualidade
Aula 3   sga qualidadeAula 3   sga qualidade
Aula 3 sga qualidade
Giovanna Ortiz
 
Agroecologia hoje
Agroecologia hojeAgroecologia hoje
Agroecologia hoje
igor-oliveira
 
Erosões
ErosõesErosões
Sistemas agroflorestais
Sistemas agroflorestaisSistemas agroflorestais
Aula Biodiversidade
Aula BiodiversidadeAula Biodiversidade
Aula Biodiversidade
Plínio Gonçalves
 
Manejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solosManejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solos
Jadson Belem de Moura
 
Eia-rima
Eia-rimaEia-rima
Impactos antrópicos nos ecossistemas
Impactos antrópicos nos ecossistemasImpactos antrópicos nos ecossistemas
Impactos antrópicos nos ecossistemas
solanicandido
 
Aula 14 tratamentos biológicos - 27.10
Aula 14   tratamentos biológicos - 27.10Aula 14   tratamentos biológicos - 27.10
Aula 14 tratamentos biológicos - 27.10
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Meio ambiente e ecologia: conceitos.
Meio ambiente e ecologia: conceitos.Meio ambiente e ecologia: conceitos.
Meio ambiente e ecologia: conceitos.
Roney Gusmão
 

Mais procurados (20)

Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
 
Métodos e técnicas de conservação do solo
Métodos e técnicas de conservação do soloMétodos e técnicas de conservação do solo
Métodos e técnicas de conservação do solo
 
Recuperacao areas degradadas
Recuperacao areas degradadas Recuperacao areas degradadas
Recuperacao areas degradadas
 
Aula de Gestão Ambiental - UMC
Aula de Gestão Ambiental - UMCAula de Gestão Ambiental - UMC
Aula de Gestão Ambiental - UMC
 
Aula 6 legislação ambiental
Aula 6 legislação ambientalAula 6 legislação ambiental
Aula 6 legislação ambiental
 
Aula 2 Impactos Ambientais
Aula 2 Impactos AmbientaisAula 2 Impactos Ambientais
Aula 2 Impactos Ambientais
 
Caatinga
CaatingaCaatinga
Caatinga
 
Aula 9 aterro
Aula 9   aterroAula 9   aterro
Aula 9 aterro
 
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e SustentabilidadeGestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
 
Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.
 
Aula 3 sga qualidade
Aula 3   sga qualidadeAula 3   sga qualidade
Aula 3 sga qualidade
 
Agroecologia hoje
Agroecologia hojeAgroecologia hoje
Agroecologia hoje
 
Erosões
ErosõesErosões
Erosões
 
Sistemas agroflorestais
Sistemas agroflorestaisSistemas agroflorestais
Sistemas agroflorestais
 
Aula Biodiversidade
Aula BiodiversidadeAula Biodiversidade
Aula Biodiversidade
 
Manejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solosManejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solos
 
Eia-rima
Eia-rimaEia-rima
Eia-rima
 
Impactos antrópicos nos ecossistemas
Impactos antrópicos nos ecossistemasImpactos antrópicos nos ecossistemas
Impactos antrópicos nos ecossistemas
 
Aula 14 tratamentos biológicos - 27.10
Aula 14   tratamentos biológicos - 27.10Aula 14   tratamentos biológicos - 27.10
Aula 14 tratamentos biológicos - 27.10
 
Meio ambiente e ecologia: conceitos.
Meio ambiente e ecologia: conceitos.Meio ambiente e ecologia: conceitos.
Meio ambiente e ecologia: conceitos.
 

Destaque

Embrapa - curso de recuperação de áreas degradadas
Embrapa -  curso de recuperação de áreas degradadasEmbrapa -  curso de recuperação de áreas degradadas
Embrapa - curso de recuperação de áreas degradadas
GAVOLUNTARIA
 
Manual de recuperação de áreas degradadas
Manual de recuperação de áreas degradadasManual de recuperação de áreas degradadas
Manual de recuperação de áreas degradadas
Diogo Brodt
 
Modelo prad
Modelo pradModelo prad
Modelo prad
Lilian Mascarenhas
 
Aula 06 auxiliar de mineração mineração e (meio ambiente) ll
Aula 06 auxiliar de mineração mineração e (meio ambiente) llAula 06 auxiliar de mineração mineração e (meio ambiente) ll
Aula 06 auxiliar de mineração mineração e (meio ambiente) ll
Homero Alves de Lima
 
Prad da nascente e app do córrego do latão
Prad da nascente e app do córrego do latãoPrad da nascente e app do córrego do latão
Prad da nascente e app do córrego do latão
Danielle Rocha
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
Bianca Morais
 
Manual recuperação áreas degradadas
Manual recuperação áreas degradadasManual recuperação áreas degradadas
Manual recuperação áreas degradadas
Jorge Henrique Silva
 
Mata ciliar, como agir?
Mata ciliar, como agir?Mata ciliar, como agir?
Mata ciliar, como agir?
Jonas Da Rosa
 
Conservação e recuperação de areas degradas
Conservação e recuperação de areas degradasConservação e recuperação de areas degradas
Conservação e recuperação de areas degradas
UERGS
 
Projetos agrossilvipastoris
Projetos agrossilvipastorisProjetos agrossilvipastoris
Projetos agrossilvipastoris
Exagro
 
Recuperação de áreas
Recuperação de áreas Recuperação de áreas
Recuperação de áreas
UERGS
 
Gesso
GessoGesso
Gesso
zetec10
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
03 2006 muito bom usando
03 2006 muito bom usando03 2006 muito bom usando
03 2006 muito bom usando
Viviane Barbosa
 
Curso de Recuperação de Áreas Degradadas
Curso de Recuperação de Áreas DegradadasCurso de Recuperação de Áreas Degradadas
Curso de Recuperação de Áreas Degradadas
Guellity Marcel
 
Minicurso áreas degradadas mata ciliar
Minicurso áreas degradadas mata ciliarMinicurso áreas degradadas mata ciliar
Minicurso áreas degradadas mata ciliar
Sebastião Nascimento
 
FORROS: GESSO, MADEIRA, PVC E FIBRA MINERAL, GESSO ACARTONADO E DIVISÓRIAS LEVES
FORROS: GESSO, MADEIRA, PVC E FIBRA MINERAL, GESSO ACARTONADO E DIVISÓRIAS LEVESFORROS: GESSO, MADEIRA, PVC E FIBRA MINERAL, GESSO ACARTONADO E DIVISÓRIAS LEVES
FORROS: GESSO, MADEIRA, PVC E FIBRA MINERAL, GESSO ACARTONADO E DIVISÓRIAS LEVES
ph2moreira
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 07 de ciências humanas e suas tecnologias
Aula 07 de ciências humanas e suas tecnologiasAula 07 de ciências humanas e suas tecnologias
Aula 07 de ciências humanas e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Conteúdo programático ciências, humanas e suas tecnologias (1)
Conteúdo programático ciências, humanas e suas tecnologias (1)Conteúdo programático ciências, humanas e suas tecnologias (1)
Conteúdo programático ciências, humanas e suas tecnologias (1)
Homero Alves de Lima
 

Destaque (20)

Embrapa - curso de recuperação de áreas degradadas
Embrapa -  curso de recuperação de áreas degradadasEmbrapa -  curso de recuperação de áreas degradadas
Embrapa - curso de recuperação de áreas degradadas
 
Manual de recuperação de áreas degradadas
Manual de recuperação de áreas degradadasManual de recuperação de áreas degradadas
Manual de recuperação de áreas degradadas
 
Modelo prad
Modelo pradModelo prad
Modelo prad
 
Aula 06 auxiliar de mineração mineração e (meio ambiente) ll
Aula 06 auxiliar de mineração mineração e (meio ambiente) llAula 06 auxiliar de mineração mineração e (meio ambiente) ll
Aula 06 auxiliar de mineração mineração e (meio ambiente) ll
 
Prad da nascente e app do córrego do latão
Prad da nascente e app do córrego do latãoPrad da nascente e app do córrego do latão
Prad da nascente e app do córrego do latão
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
 
Manual recuperação áreas degradadas
Manual recuperação áreas degradadasManual recuperação áreas degradadas
Manual recuperação áreas degradadas
 
Mata ciliar, como agir?
Mata ciliar, como agir?Mata ciliar, como agir?
Mata ciliar, como agir?
 
Conservação e recuperação de areas degradas
Conservação e recuperação de areas degradasConservação e recuperação de areas degradas
Conservação e recuperação de areas degradas
 
Projetos agrossilvipastoris
Projetos agrossilvipastorisProjetos agrossilvipastoris
Projetos agrossilvipastoris
 
Recuperação de áreas
Recuperação de áreas Recuperação de áreas
Recuperação de áreas
 
Gesso
GessoGesso
Gesso
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 5
 
03 2006 muito bom usando
03 2006 muito bom usando03 2006 muito bom usando
03 2006 muito bom usando
 
Curso de Recuperação de Áreas Degradadas
Curso de Recuperação de Áreas DegradadasCurso de Recuperação de Áreas Degradadas
Curso de Recuperação de Áreas Degradadas
 
Minicurso áreas degradadas mata ciliar
Minicurso áreas degradadas mata ciliarMinicurso áreas degradadas mata ciliar
Minicurso áreas degradadas mata ciliar
 
FORROS: GESSO, MADEIRA, PVC E FIBRA MINERAL, GESSO ACARTONADO E DIVISÓRIAS LEVES
FORROS: GESSO, MADEIRA, PVC E FIBRA MINERAL, GESSO ACARTONADO E DIVISÓRIAS LEVESFORROS: GESSO, MADEIRA, PVC E FIBRA MINERAL, GESSO ACARTONADO E DIVISÓRIAS LEVES
FORROS: GESSO, MADEIRA, PVC E FIBRA MINERAL, GESSO ACARTONADO E DIVISÓRIAS LEVES
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Aula 07 de ciências humanas e suas tecnologias
Aula 07 de ciências humanas e suas tecnologiasAula 07 de ciências humanas e suas tecnologias
Aula 07 de ciências humanas e suas tecnologias
 
Conteúdo programático ciências, humanas e suas tecnologias (1)
Conteúdo programático ciências, humanas e suas tecnologias (1)Conteúdo programático ciências, humanas e suas tecnologias (1)
Conteúdo programático ciências, humanas e suas tecnologias (1)
 

Semelhante a Aula 21 recuperação de áreas degradadas

Apostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadasApostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadas
Rômulo Magno
 
Apostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadasApostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadas
Dalvino Jose de Moura
 
Poluição e agricultura
Poluição e agriculturaPoluição e agricultura
Poluição e agricultura
Denysson Amorim
 
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
Gilson Nachtigall
 
1º trab de educação ambiental
1º trab de educação ambiental1º trab de educação ambiental
1º trab de educação ambiental
FernandaVieira31
 
09 02-49-apostilaparaadisciplinamcs
09 02-49-apostilaparaadisciplinamcs09 02-49-apostilaparaadisciplinamcs
09 02-49-apostilaparaadisciplinamcs
JHONATA LEMOS
 
Solo
SoloSolo
Perda e fragmentação de habitats
Perda e fragmentação de habitatsPerda e fragmentação de habitats
Perda e fragmentação de habitats
Grupo2apcm
 
Uso do Solo
Uso do SoloUso do Solo
Uso do Solo
vallmachado
 
Geografia vol1
Geografia vol1Geografia vol1
Geografia vol1
Blaunier Matheus
 
Desmatamento 2 C
Desmatamento 2 CDesmatamento 2 C
Desmatamento 2 C
Maria Teresa Iannaco Grego
 
1650
16501650
1650
Pelo Siro
 
Catástrofes
CatástrofesCatástrofes
Catástrofes
Cristina Vitória
 
Ifes aula 8-erosão-e_contaminação_dos_solos
Ifes aula 8-erosão-e_contaminação_dos_solosIfes aula 8-erosão-e_contaminação_dos_solos
Ifes aula 8-erosão-e_contaminação_dos_solos
Kéliton Ferreira
 
A formação dos solos
A formação dos solosA formação dos solos
A formação dos solos
Estude Mais
 
Problemas ambientais
Problemas ambientaisProblemas ambientais
Problemas ambientais
Fatima Freitas
 
Sustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambientalSustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambiental
-
 
DESMATAMENTO
DESMATAMENTODESMATAMENTO
DESMATAMENTO
Juliana Moura
 
Aula para o Turma de 7 ano iv unidade Problemas Ambientais
Aula para o Turma de 7 ano iv unidade Problemas AmbientaisAula para o Turma de 7 ano iv unidade Problemas Ambientais
Aula para o Turma de 7 ano iv unidade Problemas Ambientais
Nazael Araujo Pessoa
 
Mata atlântica
Mata atlântica Mata atlântica
Mata atlântica
professorjoseca
 

Semelhante a Aula 21 recuperação de áreas degradadas (20)

Apostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadasApostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadas
 
Apostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadasApostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadas
 
Poluição e agricultura
Poluição e agriculturaPoluição e agricultura
Poluição e agricultura
 
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
 
1º trab de educação ambiental
1º trab de educação ambiental1º trab de educação ambiental
1º trab de educação ambiental
 
09 02-49-apostilaparaadisciplinamcs
09 02-49-apostilaparaadisciplinamcs09 02-49-apostilaparaadisciplinamcs
09 02-49-apostilaparaadisciplinamcs
 
Solo
SoloSolo
Solo
 
Perda e fragmentação de habitats
Perda e fragmentação de habitatsPerda e fragmentação de habitats
Perda e fragmentação de habitats
 
Uso do Solo
Uso do SoloUso do Solo
Uso do Solo
 
Geografia vol1
Geografia vol1Geografia vol1
Geografia vol1
 
Desmatamento 2 C
Desmatamento 2 CDesmatamento 2 C
Desmatamento 2 C
 
1650
16501650
1650
 
Catástrofes
CatástrofesCatástrofes
Catástrofes
 
Ifes aula 8-erosão-e_contaminação_dos_solos
Ifes aula 8-erosão-e_contaminação_dos_solosIfes aula 8-erosão-e_contaminação_dos_solos
Ifes aula 8-erosão-e_contaminação_dos_solos
 
A formação dos solos
A formação dos solosA formação dos solos
A formação dos solos
 
Problemas ambientais
Problemas ambientaisProblemas ambientais
Problemas ambientais
 
Sustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambientalSustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambiental
 
DESMATAMENTO
DESMATAMENTODESMATAMENTO
DESMATAMENTO
 
Aula para o Turma de 7 ano iv unidade Problemas Ambientais
Aula para o Turma de 7 ano iv unidade Problemas AmbientaisAula para o Turma de 7 ano iv unidade Problemas Ambientais
Aula para o Turma de 7 ano iv unidade Problemas Ambientais
 
Mata atlântica
Mata atlântica Mata atlântica
Mata atlântica
 

Mais de Homero Alves de Lima

Aula 01 curso de administração de hotel
Aula 01 curso de administração de hotelAula 01 curso de administração de hotel
Aula 01 curso de administração de hotel
Homero Alves de Lima
 
Livro completo de administração de empresa
Livro completo de administração de empresaLivro completo de administração de empresa
Livro completo de administração de empresa
Homero Alves de Lima
 
Sumulando uma prova do enem
Sumulando uma prova do enemSumulando uma prova do enem
Sumulando uma prova do enem
Homero Alves de Lima
 
Simulado de matemática e suas tecnologias
Simulado de matemática e suas tecnologiasSimulado de matemática e suas tecnologias
Simulado de matemática e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Simulado de linguagens, códigos e suas tecnologias
Simulado de linguagens, códigos e suas tecnologiasSimulado de linguagens, códigos e suas tecnologias
Simulado de linguagens, códigos e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Simulado de ciências humanas e suas tecnologias
Simulado de ciências humanas e suas tecnologiasSimulado de ciências humanas e suas tecnologias
Simulado de ciências humanas e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Simulado de ciências da natureza e suas tecnologias
Simulado de ciências da natureza e suas tecnologiasSimulado de ciências da natureza e suas tecnologias
Simulado de ciências da natureza e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Caderno de ecercícios de redação
Caderno de ecercícios de redaçãoCaderno de ecercícios de redação
Caderno de ecercícios de redação
Homero Alves de Lima
 
Aula 02 redação
Aula 02 redaçãoAula 02 redação
Aula 02 redação
Homero Alves de Lima
 
Aula 01 redação
Aula 01 redaçãoAula 01 redação
Aula 01 redação
Homero Alves de Lima
 
Conteúdo programático redação
Conteúdo programático redaçãoConteúdo programático redação
Conteúdo programático redação
Homero Alves de Lima
 
Caderno de exercícios de matemática e suas tecnologias
Caderno de exercícios de matemática e suas tecnologiasCaderno de exercícios de matemática e suas tecnologias
Caderno de exercícios de matemática e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Aula 09 de matemática e suas tecnologias
Aula 09 de matemática e suas tecnologiasAula 09 de matemática e suas tecnologias
Aula 09 de matemática e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Aula 08 de matemática e suas tecnologias
Aula 08 de matemática e suas tecnologiasAula 08 de matemática e suas tecnologias
Aula 08 de matemática e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Aula 07 de matemática e suas tecnologias
Aula 07 de matemática e suas tecnologiasAula 07 de matemática e suas tecnologias
Aula 07 de matemática e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Aula 06 de matemática e suas tecnologias
Aula 06 de matemática e suas tecnologiasAula 06 de matemática e suas tecnologias
Aula 06 de matemática e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Aula 05 de matemática e suas tecnologias
Aula 05 de matemática e suas tecnologiasAula 05 de matemática e suas tecnologias
Aula 05 de matemática e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Aula 04 de matemática e suas tecnologias
Aula 04 de matemática e suas tecnologiasAula 04 de matemática e suas tecnologias
Aula 04 de matemática e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Aula 03 de matemática e suas tecnologias
Aula 03 de matemática e suas tecnologiasAula 03 de matemática e suas tecnologias
Aula 03 de matemática e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Aula 02 de matemática e suas tecnologias
Aula 02 de matemática e suas tecnologiasAula 02 de matemática e suas tecnologias
Aula 02 de matemática e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 

Mais de Homero Alves de Lima (20)

Aula 01 curso de administração de hotel
Aula 01 curso de administração de hotelAula 01 curso de administração de hotel
Aula 01 curso de administração de hotel
 
Livro completo de administração de empresa
Livro completo de administração de empresaLivro completo de administração de empresa
Livro completo de administração de empresa
 
Sumulando uma prova do enem
Sumulando uma prova do enemSumulando uma prova do enem
Sumulando uma prova do enem
 
Simulado de matemática e suas tecnologias
Simulado de matemática e suas tecnologiasSimulado de matemática e suas tecnologias
Simulado de matemática e suas tecnologias
 
Simulado de linguagens, códigos e suas tecnologias
Simulado de linguagens, códigos e suas tecnologiasSimulado de linguagens, códigos e suas tecnologias
Simulado de linguagens, códigos e suas tecnologias
 
Simulado de ciências humanas e suas tecnologias
Simulado de ciências humanas e suas tecnologiasSimulado de ciências humanas e suas tecnologias
Simulado de ciências humanas e suas tecnologias
 
Simulado de ciências da natureza e suas tecnologias
Simulado de ciências da natureza e suas tecnologiasSimulado de ciências da natureza e suas tecnologias
Simulado de ciências da natureza e suas tecnologias
 
Caderno de ecercícios de redação
Caderno de ecercícios de redaçãoCaderno de ecercícios de redação
Caderno de ecercícios de redação
 
Aula 02 redação
Aula 02 redaçãoAula 02 redação
Aula 02 redação
 
Aula 01 redação
Aula 01 redaçãoAula 01 redação
Aula 01 redação
 
Conteúdo programático redação
Conteúdo programático redaçãoConteúdo programático redação
Conteúdo programático redação
 
Caderno de exercícios de matemática e suas tecnologias
Caderno de exercícios de matemática e suas tecnologiasCaderno de exercícios de matemática e suas tecnologias
Caderno de exercícios de matemática e suas tecnologias
 
Aula 09 de matemática e suas tecnologias
Aula 09 de matemática e suas tecnologiasAula 09 de matemática e suas tecnologias
Aula 09 de matemática e suas tecnologias
 
Aula 08 de matemática e suas tecnologias
Aula 08 de matemática e suas tecnologiasAula 08 de matemática e suas tecnologias
Aula 08 de matemática e suas tecnologias
 
Aula 07 de matemática e suas tecnologias
Aula 07 de matemática e suas tecnologiasAula 07 de matemática e suas tecnologias
Aula 07 de matemática e suas tecnologias
 
Aula 06 de matemática e suas tecnologias
Aula 06 de matemática e suas tecnologiasAula 06 de matemática e suas tecnologias
Aula 06 de matemática e suas tecnologias
 
Aula 05 de matemática e suas tecnologias
Aula 05 de matemática e suas tecnologiasAula 05 de matemática e suas tecnologias
Aula 05 de matemática e suas tecnologias
 
Aula 04 de matemática e suas tecnologias
Aula 04 de matemática e suas tecnologiasAula 04 de matemática e suas tecnologias
Aula 04 de matemática e suas tecnologias
 
Aula 03 de matemática e suas tecnologias
Aula 03 de matemática e suas tecnologiasAula 03 de matemática e suas tecnologias
Aula 03 de matemática e suas tecnologias
 
Aula 02 de matemática e suas tecnologias
Aula 02 de matemática e suas tecnologiasAula 02 de matemática e suas tecnologias
Aula 02 de matemática e suas tecnologias
 

Último

Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
Deiciane Chaves
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
y6zh7bvphf
 

Último (20)

Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
 

Aula 21 recuperação de áreas degradadas

  • 1.
  • 2. 1) Área degradada: • Aquela que, após o distúrbio, teve eliminado, juntamente com a vegetação, os seus meios de regeneração bióticos, como o banco de sementes, banco de plântulas, chuvas de sementes e rebrota, apresentando baixa capacidade de voltar ao seu estado anterior. • Áreas estragadas ou desgastadas, ou seja, áreas que perderam boa parte ou toda sua capacidade produtiva. • Redução da quantidade e qualidade da capacidade atual e futura do solo para produção vegetal. • Aqueles cujas ações do homem modificaram o ecossistema de tal maneira que os mecanismos naturais são perdidos e, por isso, há necessidade de nova intervenção humana para reversão da situação presente. Degradada – sofreu distúrbios intensos por isso NÃO POSSUI meios de regeneração natural. Perturbada - sofreu distúrbios de menor intensidade por isso POSSUI meios de regeneração natural A degradação pode ser fruto de: • Mineração; • Uso intensivo do solo para fins agropecuários ( herbicidas, salinização do solo, superpastejo, etc); • Queimadas consecutivas; • Desmatamento. Área degradada: • menor diversidade de espécies • ausência de estrutura vegetal • ausência de solo • baixíssima ou ausente capacidade de regeneração natural Área conservada • maior diversidade de espécies • maior estrutura vegetal e animal • presença de solo • alta capacidade de recuperação natural
  • 3. A recuperação de áreas degradadas tem por objetivo fornecer ao ambiente degradado, condições favoráveis a reestruturação da vida num ambiente que não tem condições físicas, químicas e/ou biológicas de se regenerar por si só. Através de obras no terreno como a construção de terraços, banquetas, etc., ou ainda, da implantação de espécies vegetais, podemos conduzir a recuperação de uma área degradada. 2)Poluição e degradação ambiental. No meio urbano, o simples fato da maior parte das áreas serem desflorestadas já constitui um sério problema ambiental. No entanto, as cidades acumulam inúmeros outros problemas ambientais. Os veículos movidos a combustíveis fósseis lançam no ar toneladas de partículas poluentes, que prejudicam o funcionamento de todos os ambientes próximos, além de serem a causa de diversos problemas de saúde para o ser humano. Outro conseqüência do uso de combustíveis fósseis é a formação de ácidos, a partir dos óxidos de carbono e enxofre, que resultam nas chuvas ácidas. Esse fenômeno altera de forma negativa os ecossistemas aquáticos, prejudicando a agricultura e as florestas. Especialistas na matéria há tempo têm advertido o poder público e a sociedade sobre a necessidade imediata de um re-planejamento do destino de todos os resíduos sólidos. O modo de vida nas cidades tem gerado sérios problemas em decorrência do excesso de produção de lixo, que inutilizam e poluem grandes áreas. A questão dos lixões e o esgotamento dos Aterros Sanitários é um sério problema para todos os municípios. A preocupação com o destino desses resíduos vem crescendo: ao invés de causar prejuízos sociais e ambientais o lixo pode gerar lucro. A criação de cooperativas de “catadores de lixo”, é um exemplo de solução que associa o sustento econômico de muitas famílias à preservação ambiental. Outro sério problema nos centros urbanos é o lançamento de esgotos domésticos e industriais considerados a principal forma de poluição das águas. A advertência dos ecólogos sobre a necessidade de tratamento adequado também não é recente. Porém, mesmo nos países ricos, a recuperação de rios começou a acontecer nos últimos anos, sendo que ainda há muito que se fazer. As indústrias lançam nas águas, diariamente, toneladas de substâncias que não podem ser decompostas por processos naturais, e que conseqüentemente acumulam-se nos seres vivos. Os chamados metais pesados. Os resíduos industriais podem ainda se acumular no solo, tornando extensas áreas impróprias para a maior parte das atividades humanas. Segundo pesquisa do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), a Amazônia perdeu cerca de 17% de cobertura florestal, principalmente nos últimos 50 anos. Originalmente haviam 4,9 milhões de km² e, no final de 2003 eram 4 milhões de km² quadrados. Juntos, os biomas Mata Atlântica, Amazônia, Cerrado e a formação florestal Araucária perderam 3,6 milhões de km². Estes dados colocarão o Brasil no livro dos recordes, o Guiness Book edição 2005, como o país com o maior índice de desmatamento do planeta. Há muito tem se discutido os impactos negativos das atividades agrícolas resultantes da chamada Revolução Verde. Nesse modelo agrícola, o uso de adubos industriais, herbicidas e inseticidas tem poluído o ambiente, além de contaminar os alimentos com substâncias tóxicas. A monocultura, adotada nesse modelo, além de ser dependente de constantes intervenções geradoras de poluição e erosão do solo, provoca a redução da biodiversidade local e em muitos casos comprometem o patrimônio genético da agricultura. Para se ter uma noção da influência da expansão das fronteiras agrícolas na degradação ambiental, segundo informações do Ministério do Meio Ambiente, 33% da vegetação do cerrado das nascentes do Rio Xingu e de seus afluentes já foram destruídas. A bacia do Rio Xingu atravessa dois importantes biomas brasileiros, o Cerrado e a Floresta Amazônica, com um território de 2,6 mil hectares e o principal vetor deste ritmo de degradação é o modelo de atividade agropecuária, implantado a partir da década de 60.
  • 4. Existem diversas formas ecológicas de trabalharmos a questão da poluição dos ambientes, uma delas é que os interesses das políticas publicas sejam direcionados para a questão da poluição ambiental. Muito mais importante que isso, é que a sociedade reconstrua seu laço de harmonia com a natureza conseguindo viver uma vida de equilíbrio e respeito com ela. 3)Erosão O fenômeno de degradação e decomposição das rochas, ou as modificações sofridas pelo solo devido a variações de temperatura, a ação da água e do vento, é chamado de erosão. Erosão Laminar: Arraste de uma camada muito fina e uniforme do solo, - a forma mais perigosa de erosão. Uma vez não percebida logo no início, é notada somente quando atinge um grau elevado, ou seja, após descobrir as raízes das plantas Erosão Em sulcos: Erosão que forma valas ou sulcos no terreno, sendo facilmente percebida. Em estágios mais avançados, favorece o aparecimento de voçorocas. Problemas causados pela erosão: • Perda de solo pelo arraste de partículas; • Assoreamento de nascentes, córregos e rios; • Contaminação das águas por agroquímicos (agrotóxicos e fertilizantes químicos) que são arrastados com partículas do solo; • Desmoronamento de encostas e taludes. Voçoroca: A voçoroca, boçoroca ou ravina é um fenômeno geológico que consiste na formação de grandes buracos de erosão, causados pela chuva e intempéries, em solos onde a vegetação é escassa e não mais protege o solo, que fica cascalhento e suscetível de carregamento por enxurradas. Pobre, seco, e quimicamente morto, nada fecunda. A voçoroca pode ser prevenida com a plantação de árvores na beira dos buracos, que agem como guarda-chuva do solo contra a chuva e vento, além de evitar que o fluxo da água leve consigo terra e sedimentos, que são retidos por suas raízes. É um fenômeno prejudicial, pois destrói terras cultiváveis e colabora para o assoreamento de rios e entupimento de redes de esgoto, que ficam entulhadas por detritos do solo, facilitando o processo das enchentes urbanas. Controle da voçoroca: Sugerem-se a construção de terraços e bacias de retenção para o ordenamento e armazenamento da enxurrada formada na parte superior da voçoroca, e barreiras para reter sedimentos dentro das voçorocas, e algumas no entorno desta, com paliçadas de bambu e pneus usados.
  • 5. A importância da mata ciliar A quantidade de água em contato com o solo é um dos fatores determinantes no processo de erosão; as margens dos rios são, portanto, extremamente vulneráveis a ela, o que pode causar danos gravíssimos, como assoreamento e perdas de solo para agricultura. Na natureza, ao longo dos anos, a instalação de uma vegetação nas margens dos rios foi fundamental para a estabilização e existência dos leitos: as Matas Ciliares, assim denominadas pela similaridade da ação exercida pelos cílios na proteção do olho. Os cursos d’água que apresentam sua mata ciliar íntegra são menos impactados por agentes externos. Formam longos corredores de vegetação ao longo dos rios contribuindo para a manutenção da biodiversidade e o equilíbrio dos ecossistemas. 4) Observações necessárias para se iniciar um projeto de recuperação de áreas degradadas Estudo dos remanescentes florestais dos locais a serem reflorestados (espécies nativas); Levantamento das condições ambientais e as possíveis causas da degradação (uso de defensivos agrícolas, queimadas, passagem de gado etc); Escolha do modelo de recuperação, de acordo com os objetivos e características locais: plantio em linhas, alternado, sistemas agroflorestais; Escolha das espécies a serem plantadas, tendo como base as características da vegetação original, no modelo de reflorestamento escolhido e nas características locais do ambiente (se é mata ciliar ou não, se a área é sujeita a alagamentos etc). Escolha das espécies Num primeiro momento as espécies devem possuir resistência ao ambiente degradado, além de serem adaptadas ao clima da região. -Devem ser de fácil propagação. -Facilidade de se obter sementes. -Facilidade de se propagar a semente -Deve possuir crescimento rápido e fornecer cobertura ao solo -Deve ser uma boa fornecedora de matéria orgânica para o solo Essas espécies podem ser plantadas através de mudas ou plantadas por sementes diretamente no campo. (Podemos preparar o terreno e fazer o semeio a lanço, ou na ponta do facão.) É interessante que tenhamos um viveiro onde possam ser produzidas as mudas das espécies secundárias e clímax, já que o ambiente degradado pode trazer dificuldades no estabelecimento das sementes.
  • 6. Sucessão ecológica: O processo de instalação lento e gradual de organismos em um determinado local é chamado de sucessão ecológica. No caso desse processo ocorrer em uma área até então desabitada, diz-se que ocorre sucessão primária; no caso de instalação de organismos em uma área que já se constituía como um ecossistema, como, por exemplo, uma área de mata desmatada ou queimada, dizemos que ocorre sucessão secundária. A sucessão primária pode ocorrer em rochas inabitadas, em áreas cobertas por lava vulcânica resfriada ou ainda em telhados antigos. A ausência de nutrientes orgânicos não permite a sobrevivência de organismos heterótrofos (que não produzem o próprio alimento), e a escassez de nutrientes inorgânicos dificulta a sobrevivência de autótrofos (que produzem o seu alimento) de grande porte. Devido à capacidade de síntese de matéria orgânica e ao pequeno porte os primeiros organismos a se desenvolverem nessas condições são os liquens, as cianobactérias e os musgos, que são chamados de organismos pioneiros e constituem, juntamente com os consumidores e decompositores desses seres, as comunidades pioneiras. Com o passar do tempo, a decomposição de fezes, tecidos e organismos mortos produz nutrientes inorgânicos, como os nitratos e o fosfatos, permitindo a sobrevivência de gramíneas, herbáceas, e animais invertebrados e vertebrados de pequeno porte. Esses organismos constituem as chamadas comunidades intermediárias ou seres. As comunidades intermediárias ou seres, propiciam o desenvolvimento das árvores da vegetação “adulta” (geralmente de ciclo de vida longo), que formam as comunidades clímax. Já o processo de sucessão secundária ocorre em locais anteriormente povoados, cujas comunidades saíram do estágio de clímax por modificações climáticas, pela intervenção humana (como em um terreno desmatado ou queimado), ou pela queda de uma árvore na mata abrindo uma clareira na floresta. Nesses casos, a sucessão se dá a partir das comunidades intermediárias (seres), e na ausência de perturbações ambientais – como por exemplo, queimadas, poluição do ar e do solo, agrotóxicos e novos desmatamentos – a comunidade pode se desenvolver até atingir o clímax, como descrito para a sucessão primária. No entanto, quase sempre os fatores de perturbação ambiental ocorrem, dificultando e, às vezes, até impedindo o processo de sucessão natural. O tempo para esse processo acontecer é muito longo, podendo ultrapassar 60 anos, para alguns tipos de ambientes, mesmo na ausência total de problemas ambientais. O estudo dos detalhes do processo de sucessão ecológica é, portanto, fundamental para que possamos auxiliar, de maneira positiva, o processo de dinâmica do desenvolvimento da vegetação, seja aumentando a velocidade da recomposição da vegetação ou contornando as perturbações ambientais. Um fator importante que deve ser sempre levado em consideração é que as espécies arbóreas têm diferentes necessidades e resistências com relação à luz solar. Algumas espécies só se desenvolvem com radiação solar direta, durante todo o ciclo de vida – são as árvores pioneiras. Essas plantas são interessantes para iniciar o processo de recuperação, gerando sombra para aquelas árvores que necessitam de menos luz. As árvores predominantes na vegetação adulta (clímax) – chamadas de climácicas – têm pouquíssima tolerância à luz durante seu desenvolvimento. Um terceiro grupo – o das secundárias – que necessitam de mais luz que as climácicas, porém, não suportam tão bem o excesso de luz quanto as pioneiras. As árvores secundárias, em alguns casos, são subdivididas em grupos, de acordo com sua tolerância à luz (que pode ser maior ou menor).
  • 7. • Colonizadoras: Capins, algumas leguminosas herbáceas, plantas espontâneas diversas. • Pioneiras: Albizia, Aroeira, Café de bugre, Canafístula, Candeia, Caroba, Embiruçu, Goiaba, Jacatirão, Paineira, Pata de vaca, Guapuruvú, Sibipiruna, etc... • Secundárias: Mulungu, Cinamomo, Ipê-amarelo, Cedro-rosa, Araribá-amarelo , Aroeira-vermelha, Grapia , Jacarandá-vermelho, Louro-pardo, Tanheiro, etc,... • Clímax: Baguaçú, Bicuiba, Canela-preta, Imbuia, Pau-óleo ,Peroba, Sassafrás, etc...
  • 8. 5) Tipos de plantio: Modelo I Modelo de simples instalação, que alterna espécies pioneiras com não pioneiras. A principal desvantagem é que, enquanto as pioneiras não crescem, as espécies clímax e secundárias recebem muita luz, ficando temporariamente em situação de estresse. Uma forma de minimizar o problema é retardar o plantio das climácicas.
  • 9. Modelo II Nesse modelo as linhas de plantio alternam primárias e não primárias, dificultando o procedimento em relação ao modelo anterior. No entanto, a distribuição do sombreamento tende a ser mais regular, melhorando o desenvolvimento das não- pioneiras. Modelo III Nesse modelo é necessária a separação das pioneiras em dois subgrupos, as de copa mais densa e as de copa mais rala. É preciso diferenciar as secundárias mais e menos exigentes de luz. O plantio é pensado para que seja criado um microclima propício para todos os tipos de plantas. Se bem implementado, tende a ser melhor que os demais, porém, requer um planejamento e conhecimento das espécies bem mais elaborado.
  • 10. Na opinião dos administradores da disciplina recuperação de áreas degradadas, o melhor método de revegetação de uma área seria utilizar os sistemas agroflorestais (SAFs). Por ser uma tecnologia que se vale da interação e conhecimento de todos os elementos do sistema ecológico, quando pensamos em recuperar uma área, estamos pensando em restabelecer toda a diversidade de seres vivos que habitavam a área, só assim, cremos, ter conseguido fornecer condições propícias ao restabelecimento da vida. 6) Métodos físicos para auxiliar a recuperação de áreas degradadas: Terraços verdes São obras feitas no terreno com o objetivo de nivelar e diminuir o carregamento de partículas do solo pela chuva. Ao ser construído o terraço, entramos fazendo o reflorestamento. Banquetas verdes São bancos de pedra colocados em curva de nível no terreno, para reduzir o escoamento das partículas do solo além de reter umidade nessas bancas formadas. Posteriormente é feito o plantio de reflorestamento sobre a banqueta.
  • 11. Caneletas São canais abertos no terreno com o intuito de diminuir a velocidade da água da chuva, quando esta incidir sobre o terreno. É feita em terreno que apresenta declividade. Anexo Segundo a lei: Resolução SMA – 47, de 26 de novembro de 2003 Altera e amplia a Resolução SMA 21, de 21-11-2001; Fixa orientação para o reflorestamento heterogêneo de áreas degradadas e dá providências correlatas. O Secretário de Estado do Meio Ambiente, em cumprimento ao disposto nos artigos 23, VII, e 225, § 1º, I, da Constituição Federal, nos artigos 191 e 193 da Constituição do Estado, nos artigos 2º e 4º da Lei federal nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, e nos 2º, 4º e 7º da Lei estadual nº 9.509, de 20 de março de 1997, e considerando o contido na Agenda 21 e na Convenção da Biodiversidade; Considerando a constatação feita pela equipe do Instituto de Botânica, relacionada ao projeto “Modelos de Repovoamento Vegetal para Proteção de Sistemas Hídricos em Áreas Degradadas dos Diversos Biomas no Estado de São Paulo” (Políticas Públicas / FAPESP) quanto à baixa diversidade vegetal das áreas reflorestadas com espécies nativas, nas quais têm sido utilizadas menos de 33 espécies arbóreas, o que se agrava, ainda mais, quando se verifica que são plantadas praticamente as mesmas espécies em todo o Estado, independentemente da região, sendo 2/3 (dois terços) delas, em geral, de estágios iniciais da sucessão, de ciclo de vida curto (15-20 anos), o que irá levar os reflorestamentos ao declínio em um certo espaço de tempo, como vem sendo observado na prática; Considerando a necessidade de revisão periódica dos termos contidos na Resolução SMA 21, de 21-11- 2001, tendo em vista o avanço do conhecimento científico e resultados obtidos com sua aplicação prática; Considerando que a perda da diversidade biológica significa a redução de recursos genéticos disponíveis ao desenvolvimento sustentável, na forma de madeira, frutos, forragem, plantas ornamentais e produtos de interesse alimentar, industrial e farmacológico; Considerando que o Departamento Estadual de Proteção de Recursos Naturais - DEPRN, tem constatado que dentre outras formas de Recuperação de Áreas Degradadas, os plantios realizados têm apresentado resultados mais satisfatórios a partir dos critérios técnicos para a escolha e combinação das espécies, estabelecidos na Resolução SMA 21/01, resolve: Art. 1º - A recuperação de áreas degradadas exige elevada diversidade, que pode ser obtida com o plantio de mudas e/ou outras técnicas tais como semeadura direta, indução e/ou condução da regeneração natural. § 1 - O caput deste artigo não se aplica para áreas de recuperação com menos de 1,0 (um) hectare, nas quais deverão ser utilizadas, no mínimo, 30 espécies. § 2 - Respeitando-se as formações de ocorrência, recomenda-se a utilização de espécies ameaçadas de extinção, e/ou atrativas da fauna associada. §3 - As espécies escolhidas deverão contemplar os dois grupos ecológicos: pioneiras (pioneiras e secundárias iniciais) e não pioneiras (secundárias tardias e climácicas), considerando-se o limite mínimo de 40% para qualquer dos grupos. §4 - Com relação ao número de indivíduos por espécie, nenhuma espécie poderá ultrapassar o limite máximo de 20% do total do plantio. Art. 2º - A recuperação florestal de áreas degradadas nas formações de floresta ombrófila, floresta estacional semidecidual e savanas florestadas (cerradão), será efetivada mediante o plantio de mudas de, no mínimo, 80 (oitenta) espécies arbóreas das formações vegetais de ocorrência regional, exemplificadas na listagem do Anexo a esta resolução, não excluindo espécies levantadas regionalmente. Art. 3º - Na execução dos trabalhos de recuperação florestal, deverão ser priorizadas as seguintes áreas: a) as áreas consideradas de preservação permanente pela Lei Federal 4771/65, em especial aquelas localizadas em nascentes e olhos d’água; b) de interligação de fragmentos florestais remanescentes na paisagem regional (corredores ecológicos); c) de elevado potencial de erodibilidade; Art. 4º - Para formações ou situações de baixa diversidade de espécies arbóreas, tais como: florestas estacionais deciduais, formações paludosas e de restinga, manguezal, além das áreas rochosas, o númerode espécies a ser utilizado será definido por projeto técnico circunstanciado, a ser aprovado no âmbito da Coordenadoria de Licenciamento Ambiental e de Proteção de Recursos Naturais - CPRN, considerando-sea maior diversidade possível. Art. 5º - Para projetos de recuperação mediante plantio, o solo deverá ser devidamente preparado, atentando para as recomendações técnicas de conservação de solo, de calagem e adubação, do controle inicial de competidores, além de isolar a área dos fatores de degradação. § 1 - A manutenção das áreas restauradas deverá ser executada por, no mínimo, 18 meses após o plantio, incluindo o controle de formigas, capinas e/ou coroamentos, adubação e outros, conforme avaliação técnica do responsável pelo projeto. § 2 - Tendo como objetivo final a recuperação da floresta, será admitida a ocupação das entrelinhas, com espécies para adubação verde e/ou de interesse econômico, por até dois anos, desde que o projeto utilize princípios agro-ecológicos.
  • 12. Art. 6º -Para recuperação de áreas com algum tipo de cobertura florestal nativa remanescente, recomenda-se: a) a proteção da área de qualquer ação de degradação; b) o controle de espécies exóticas ou nativas em desequilíbrio; c) o adensamento na borda da área, usando espécies de rápido crescimento e boa cobertura; d) o enriquecimento dessas áreas com espécies finais da sucessão. Art. 7º - Para a recuperação de áreas degradadas mediante outras técnicas, associadas ou não ao plantio de mudas, deverá ser apresentado um projeto específico, contendo: a) avaliação da paisagem; b) avaliação do histórico de degradação da área; c) retirada dos fatores de degradação; d) avaliação dos processos de regeneração natural; e) aproveitamento do potencial de auto-recuperação. Parágrafo único- A não presença e/ou expressão deste potencial de auto-recuperação adotar-se-ão as medidas previstas no artigo 2º. Art. 8º - A execução dos trabalhos de recuperação florestal deverá observar os seguintes aspectos: I - O solo deverá ser preparado em consonância com a estratégia de recuperação adotada, atentando para as recomendações técnicas de conservação de solo, de calagem, adubação e aplicação de matéria orgânica, com destaque para análise físico-química do solo; II - Avaliação do potencial de auto-recuperação dessas áreas no que se refere: à presença ou chegada de propágulos (sementes ou indivíduos remanescentes), oriundos do banco de sementes e da “chuva” de sementes, dependendo da área - objeto de recuperação e da vizinhança, em função da presença de remanescentes florestais próximos; III - Avaliação do histórico e uso atual da área, no que se refere às práticas culturais, como alteração da drenagem do solo, retirada ou revolvimento periódico do solo, uso de herbicidas e outros; IV - Em situações onde for observada a regeneração natural de espécies nativas, no pré e pós-plantio, esta deverá ser aproveitada na recuperação da área, estimulando e conduzindo os indivíduos regenerantes através de práticas silviculturais; V - A área de recuperação deverá ser isolada dos fatores de degradação; VI - Deverá haver controle de formigas cortadeiras e de espécies competidoras indesejáveis, especialmente gramíneas e cipós; Conceitos importantes: Espécie: Conjunto de indivíduos geneticamente e fisicamente semelhantes capazes de cruzarem entre si, e produzirem descendentes férteis. Cada espécie possui seu nome popular e seu nome científico. Goiabeira Psidium guajava Pau-Brasil Caesalpinia echinata Abacateiro Persea americana População: É o conjunto de indivíduos de mesma espécie. Comunidade: • Comunidade Biótica: Conjunto de populações diferentes • Comunidade Abiótica: ambiente físico onde habitam as populações.(clima, água, tipo de solo,...) Ecossistema: É o resultado da interação entre a comunidade biótica e a comunidade abiótica. Visualizado em por rede gigantesca de laços entre os indivíduo entre si e com o meio físico.