SlideShare uma empresa Scribd logo
Introdução a Ciência do Solo
Curso de Zootecnia
Prof. Etiane Skrebsky Quadros
Aula 2: Formação dos solos
ROCHA SOLOPROCESSOS
TEMPO
Formação dos solosFormação dos solos
Rochas
Exposição a atmosfera (calor, umidade, chuvas, vento...)
Modificação na composição física e química de minerais:
Intemperismo ou Meteorização
Rocha alterada = Regolito ou manto de intemperização
Solo
Formação dos solosFormação dos solos
Formação dos solosFormação dos solos
Formação dos solosFormação dos solos
Agentes ou fatores de formação dos solos
1. Material de origem (Rocha matriz)1. Material de origem (Rocha matriz)
RochaRocha
Agregado natural, sólido,
multigranular, composto de
1 ou + minerais e/ou
mineralóides.
Minerais preexistentes na
rocha matriz podem ou não
estar presentes na
composição de um solo.
Formação dos solosFormação dos solos
ÍGNEAS ou MAGMÁTICASÍGNEAS ou MAGMÁTICAS:
Formadas pelo resfriamento e solidificação
(cristalização) do magma (lava)
SEDIMENTARESSEDIMENTARES:
Formadas pela deposição de sedimentos e
posterior compressão (cimentação) destes
METAMÓRFICASMETAMÓRFICAS:
Formada por qualquer um dos fatores acima e
modificadas pelo efeito da temperatura e
pressão
Existem 3 grandes famílias de rochas
Formação dos solosFormação dos solos
ÍGNEAS ou MAGMÁTICASÍGNEAS ou MAGMÁTICAS:
O magma é um material pastoso que, há bilhões de anos, deu origem às
primeiras rochas de nosso planeta, e ainda existe no interior da Terra.
Variados princípios são utilizados para a
classificação das rochas ígneas:
- ocorrência, idade,
composição mineralógica, estrutura,
composição química, etc.
Formação dos solosFormação dos solos
Podem ser de 2 tipos:
1) Vulcânicas ou extrusivas
2) Plutônicas ou intrusivas
ÍGNEAS ou MAGMÁTICASÍGNEAS ou MAGMÁTICAS:
Formação dos solosFormação dos solos
Vulcânicas ou extrusivasVulcânicas ou extrusivas: são formadas por meio de erupções vulcânicas, através de um
rápido processo de resfriamento na superfície. Ex: basaltoEx: basalto
No Rio Grande do
Sul, encontramos as
falésias de Torres,
formadas de basalto.
As faixas escuras
das famosas
calçadas de
Copacabana, no Rio
de Janeiro, são
formadas por basalto
Formação dos solosFormação dos solos
Plutônicas ou intrusivas:Plutônicas ou intrusivas: são formadas dentro da terra por meio de um processo lento de
resfriamento. Ex:granitoEx:granito
Formação dos solosFormação dos solos
ÍGNEAS ou MAGMÁTICASÍGNEAS ou MAGMÁTICAS:
Para o pedólogo é importante a sua classificação de acordo com a sílica (teor de silício):
- rochas ácidas: de 65 a 80% de sílica;
- rochas sub-ácidas: de 60 a 65% de sílica;
- rochas sub-básicas: de 55 a 60% de sílica;
- rochas básicas: de 45 a 55% de sílica;
- rochas ultra-básicas: sílica menor do que 45%
Formação dos solosFormação dos solos
Rochas ácidas (granitos/arenitos):Rochas ácidas (granitos/arenitos): Tem coloração clara e dão
origem a solos de constituição arenosa em sua maioria.
Tendem a originar solos mais ácidos
Rochas básicas (calcário/basalto):Rochas básicas (calcário/basalto): Originam solos ricos em
minerais argilosos, cores que variam do bruno ao vermelho.
Tendem a originar solos menos ácidos
Formação dos solosFormação dos solos
SEDIMENTARES:SEDIMENTARES:
Fazem parte de 75% da superfície dos continentes75% da superfície dos continentes, são formadas através do acúmulo de
detritos, que podem ser orgânicos ou gerados por outras rochas.
Classificam-se em:
Detríticas ou clásticas
Químicas
Orgânicas
Formação dos solosFormação dos solos
Detríticas ou clásticasDetríticas ou clásticas - formadas a partir de fragmentos de outras rochas.
Ex: arenito, siltito, argilito, conglomerados
Formação dos solosFormação dos solos
QuímicasQuímicas - formadas a partir de transformações de certos materiais em contato com a
água ou outro tipo de substância.
Ex: sal-gema, estalactites e estalagmites.
Estalactites da gruta de Ispinigoli em
Sardenha, Itália
Sal-gema
Formação dos solosFormação dos solos
OrgânicasOrgânicas - formadas por meio da acumulação e soterramento de matéria orgânica
(resíduos vegetais).
Ex: carvão mineralcarvão mineral
Existem 4 principais de carvão mineral:
turfa, linhito, hula e antracito (em ordem
crescente do teor de carbono). É extraído
do solo por mineração a céu aberto ou
subterrânea.
É utilizado como combustível fóssil para
produzir energia (libera gases tóxicos,
além de CO2 agravando o aquecimetno
global e chva ácida)
Formação dos solosFormação dos solos
Obs: Nos casos onde o material orgânico deixa uma impressão na rocha, o
resultado é conhecido como fóssil
São restos de seres vivos ou evidências de suas atividades biológicas
preservados em diversos materiais
Formação dos solosFormação dos solos
METAMÓRFICAS:METAMÓRFICAS:
Formadas através da deformação de outras rochas, magmáticas, sedimentares e até
mesmo outras rochas metamórficas, devido a alterações de condições ambientais, como a
temperatura e a pressão ou ambas simultaneamente.
Ex: ardósia, quartzito, gnaisse, mármore
Formação dos solosFormação dos solos
ardósia (formada a partir do xisto) quartzito (formado a partir do arenito).
Formação dos solosFormação dos solos
gnaisse (formado a partir do argilito e xisto)
mármore (formado a partir do calcário)
Formação dos solosFormação dos solos
2. Relevo (Topografia)2. Relevo (Topografia)
Influencia na profundidade doInfluencia na profundidade do
solosolo
A medida que a declividade
diminui a sua profundidade
aumenta
Portanto nas áreas mais
declivosas, os solos são
menos desenvolvidos que nas
áreas planas.
Solos de baixada (acúmulo de
água = diferenciação de
horizontes)
Formação dos solosFormação dos solos
A posição topográfica pode afetar
o perfil do solo, principalmente
pelos efeitos da declividade sobre
a drenagem e a erosão.
Formação dos solosFormação dos solos
3. Clima3. Clima
O clima é o fator que desempenha maior
atividade no processo de formação dos
solos.
Atua através de componentes como
temperatura, precipitação, umidade relativa
do ar, vento e suas
variações.
Formação dos solosFormação dos solos
Em regiões frias, com menores
temperaturas, há menor atividade de
microorganismos e consequentemente
menor decomposição.
Nos trópicos úmidos e subtrópicos,
maiores temperaturas e umidades
propiciam maior atividade microbiana,
atuando em maior volume de matéria
orgânica
4. Biosfera (organismos)4. Biosfera (organismos)
Formação dos solosFormação dos solos
5. Tempo5. Tempo A rocha no interior da litosfera
constitui um sistema em equilíbrio,
mas, a partir do momento em
que ela entra em contato com o
meio ambiente, passa a um sistema
instável que, muda continuamente
de características e propriedades.
Quando este novo estágio de
equilíbrio for alcançado, a rocha
primitiva está transformada em um
solo maduro.
Formação dos solosFormação dos solos
Calcula-se que cada centímetro do solo se forma num intervalo de tempo de 100 a 400 anos!
Os solos usados na agricultura demoram entre 3000 a 12000 anos para tornarem-se
produtivos.
O tempo é variável
dependente do
clima, do relevo, da
atividade biológica e
da natureza do
material de origem.
Formação dos solosFormação dos solos
Os solos de formação recente são aqueles pouco evoluídos, nos quais o tempo não foi
suficiente para que a ação dos outros fatores os transformassem em
solos amadurecidos.
Formação dos solosFormação dos solos
INTEMPERISMOINTEMPERISMO
FÍSICOFÍSICO
INTEMPERISMOINTEMPERISMO
QUÍMICOQUÍMICO
INTEMPERISMOINTEMPERISMO
BIOLÓGICOBIOLÓGICO
O desenvolvimento do perfil do solo
Formação dos solosFormação dos solos
Intemperismo físico ou desintegração
Desagregação ou fragmentação de rochas (processo exclusivamente mecânicoexclusivamente mecânico, ou seja,
mantém a composição química das rochas)
Agentes físicos da desagregação das rochas: ação térmica da radiação solar, ação
mecânica da água, ação mecânica dos ventos e ação mecânica dos seres vivos
Formação dos solosFormação dos solos
Intemperismo biológico
Não há propriamente dito um intemperismo biológico e sim a ação física e
química desenvolvidas pelos seres vivosseres vivos que contribuem para a destruição
das rochas
Formação dos solosFormação dos solos
Intemperismo químico ou decomposição
Alteração química das rochasAlteração química das rochas, com formação de compostos não existentes no material
original.
Principais elementosPrincipais elementos: oxigênio, água e gás carbônico (atuando isolados ou
concomitantes)
Formação dos solosFormação dos solos
Intemperismo químico ou decomposição
Processos responsáveis pelo intemperismo químico das rochas:
HIDRÓLISEHIDRÓLISE: quebra e substituição de minerais por íons H
OXIDAÇÃO-REDUÇÃOOXIDAÇÃO-REDUÇÃO: modificação da valência de elementos. Ex: Ferro (Fe2+
e Fe3+
)
HIDRATAÇÃOHIDRATAÇÃO: adição de moléculas de água a estrutura dos cristais
DISSOLUÇÃO OU SOLUBILIZAÇÃODISSOLUÇÃO OU SOLUBILIZAÇÃO: dissolução completa dos minerais
CARBONATAÇÃOCARBONATAÇÃO: adição de carbono
Formação dos solosFormação dos solos
SOLOS BRASILEIROSSOLOS BRASILEIROS
Solos tropicais
Formação dos solosFormação dos solos
Formação dos solosFormação dos solos
A rocha alterada pode permanecer no local originando os solos “in situ” ou podem ser
transportadas pela água, vento ou gravidade originando solos transportados. A medida
que se transforma em solo, o material de origem vai se diferenciando em camadas mais
ou menos paralelas denominadas.
Horizontes
Formação dos solosFormação dos solos
Horizontes do Solo
De modo geral, o perfil do solo é formado:
Horizonte O = orgânico
Mistura de material orgânico e mineral. Fonte de nutrientes
Horizonte A, B, C = minerais
Horizonte A = máxima atividade biológica, sujeito a variações
de temperatura e umidade
Horizonte A + B = Solum
Cada horizonte do perfil do solo tem uma cor,
profundidade, conteúdo de MO, características
físicas e químicas diferenciadas.
Formação dos solosFormação dos solos
Formação dos solosFormação dos solos
ELUVIAÇÃO:
Empobrecimento pelo
transporte.
ILUVIAÇÃO:
Acumulação de
materiais como
Horizonte AHorizonte A = Zona de
Eluviação . Perda de
argilo-minerais, Fe e Al
que foram lixiviados para
camadas inferiores
Horizonte BHorizonte B = Zona de
Iluviação. Concentração
de argila, Fe e Al,
acumulação proveniente
do Horiz. A
Formação dos solosFormação dos solos
Formação dos solosFormação dos solos
Horizontes transicionaisHorizontes transicionais
→ Horizontes miscigenados
→ São designados pelas junções de duas
letras (AB, BA, AC, EB, BE, BC)
Horizontes mescladosHorizontes mesclados
→ Contém partes identificáveis porém
misturadas dos horizontes adjacentes
→ Exemplo: (A/B, A/C, E/B, B/C , B/C/R)
Aos símbolos dos horizontes principais são acrescidos sufixos indicando características específicas
Formação dos solosFormação dos solos
Transição: É definida pela nitidez ou contraste de separação
A) Abrupta
→ Quando a faixa de separação é < 2,5cm
B) Clara
→ Variação de 2,5 a 7,5cm
C) Gradual
→ Variação de 7,5 a 12,5cm
D) Difusa
→ Quando a faixa é maior que 12,5cm
Formação dos solosFormação dos solos
Transição: Forma da linha ou faixa de separação:
A) Plana: Quando for praticamente paralela a superfície do solo
B) Ondulada: Quando for sinuosa
C) Irregular: Quando apresentar desníveis mais profundos do que largos
D) Descontínua: Quando não for contínua, apresentando partes de um horizonte dentro do outro
Formação dos solosFormação dos solos
Formação dos solosFormação dos solos
Os processos pedogenéticos:
São reações ou mecanismos de caráter físico, químico ou biológico responsáveis
pelo desenvolvimento completo do perfil e que levam à formação dos horizontes
condicionando a formação dos diversos tipos ou classes de solos.
Todos os solos sofrem os mesmo processos pedogenéticos, entretanto em
diferentes graus e combinações.
Formação dos solosFormação dos solos
São quatro os tipos de processos pedogenéticos:
Formação dos solosFormação dos solos
ADIÇÃOADIÇÃO: Tudo que é adicionado ao solo que não seja proveniente de seu material de
origem. Agentes de adição: chuva, ar, vegetação...
TRANSLOCAÇÃOTRANSLOCAÇÃO (transporte ou redistribuição): Todo o transporte que feito no solo e que
produz acumulações e modificações visíveis. Principal agente é a água.
TRANSFORMAÇÃO:TRANSFORMAÇÃO: Toda modificação química, física ou biológica dos constituintes do
solo. Ex: transformação de minerais primários em secundários.
REMOÇÃOREMOÇÃO (ou perda): Constituintes que deixam o solo, em superfície ou em profundidade.
Formação dos solosFormação dos solos
Os processos pedogenéticos são responsáveis pelo desenvolvimento completo do
perfil e juntamente com os fatores genéticos condicionam a formação de diversos
tipos ou classes de solos.
Pode-se distinguir 5 principais tipos de formação de solo:
podzolização, laterização, calcificação, gleização e salinizaçãopodzolização, laterização, calcificação, gleização e salinização.
Tipos de formação de solos
Formação dos solosFormação dos solos
1. PODZOLIZAÇÃO:1. PODZOLIZAÇÃO: É um processo decorrente da eliminação de bases por lixiviação e do
desenvolvimento de um estado ácido na superfície. Origina solos encontrados sob variadas
condições climáticas, de vegetação e material de origem. Causas: adição e remoção
2. LATERIZAÇÃO:2. LATERIZAÇÃO: Envolve intensa lixiviação e ocorre somente onde a precipitação e maior
que a evapotranspiração (ETP), onde a velocidade de decomposição da matéria orgânica é
rápida. Causas: remoção
ETP
Considera as perdas de água do solo por evaporação eConsidera as perdas de água do solo por evaporação e
transpiração vegetal, processo denominado evapotranspiraçãotranspiração vegetal, processo denominado evapotranspiração
Formação dos solosFormação dos solos
3. CALCIFICAÇÃO3. CALCIFICAÇÃO: Quando há concentração de carbonato de cálcio no solo. Ocorre onde
a precipitação é menor que a evapotranspiração
4. GLEIZAÇÃO:4. GLEIZAÇÃO: Formação do solo sob condições de drenagem imperfeita ou alagamento
completo. Causas: redução
5. SALINIZAÇÃO:5. SALINIZAÇÃO: Típico de clima árido, onde a precipitação é menor que a
evapotranspiração
Formação dos solosFormação dos solos
CONSIDERAÇÕES SOBRE A FORMAÇÃO DOS SOLOSCONSIDERAÇÕES SOBRE A FORMAÇÃO DOS SOLOS
-Formação do Substrato (GEOLOGIAGEOLOGIA): Intemperismo
-Diferenciação dos horizontes (PEDOLOGIAPEDOLOGIA): Formação
de camadas distintas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIOMANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
Geagra UFG
 
Classificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasilClassificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasil
Thamires Bragança
 
Solos
SolosSolos
Microbiologia do solo
Microbiologia do soloMicrobiologia do solo
Microbiologia do solo
Pessoal
 
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGSAula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
Elvio Giasson
 
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05   sistema brasileiro de classificação de solosAula 05   sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
Jadson Belem de Moura
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
Conceição Fontolan
 
Os fatores e processos de formação dos solos
Os fatores e processos de formação dos solosOs fatores e processos de formação dos solos
Os fatores e processos de formação dos solos
Jadson Belem de Moura
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
Giovanna Ortiz
 
Aula 04 preparo do solo
Aula 04   preparo do soloAula 04   preparo do solo
Aula 04 preparo do solo
Willian Passos
 
Morfologia do solo
Morfologia do soloMorfologia do solo
Morfologia do solo
Leandro Araujo
 
Solos
SolosSolos
Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva
Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva
Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva
CBH Rio das Velhas
 
Apresentação aula 9
Apresentação aula 9Apresentação aula 9
Apresentação aula 9
IF Baiano - Campus Catu
 
Aula propriedades solo
Aula propriedades  soloAula propriedades  solo
Aula propriedades solo
Elton Mendes
 
Erosão
ErosãoErosão
Preparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoPreparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e Aplicação
Geagra UFG
 
O ciclo das rochas e a formação do solo.
O ciclo das rochas e a formação do solo.O ciclo das rochas e a formação do solo.
O ciclo das rochas e a formação do solo.
Renata Domingues
 
Corretores da acidez superficial do solo
Corretores da acidez superficial do solo Corretores da acidez superficial do solo
Corretores da acidez superficial do solo
Geagra UFG
 
Solos 4
Solos 4Solos 4

Mais procurados (20)

MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIOMANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
 
Classificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasilClassificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasil
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Microbiologia do solo
Microbiologia do soloMicrobiologia do solo
Microbiologia do solo
 
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGSAula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
Aula sobre "Fatores de formação do solo", Faculdade de Agronomia da UFRGS
 
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05   sistema brasileiro de classificação de solosAula 05   sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
Os fatores e processos de formação dos solos
Os fatores e processos de formação dos solosOs fatores e processos de formação dos solos
Os fatores e processos de formação dos solos
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
 
Aula 04 preparo do solo
Aula 04   preparo do soloAula 04   preparo do solo
Aula 04 preparo do solo
 
Morfologia do solo
Morfologia do soloMorfologia do solo
Morfologia do solo
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva
Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva
Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva
 
Apresentação aula 9
Apresentação aula 9Apresentação aula 9
Apresentação aula 9
 
Aula propriedades solo
Aula propriedades  soloAula propriedades  solo
Aula propriedades solo
 
Erosão
ErosãoErosão
Erosão
 
Preparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoPreparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e Aplicação
 
O ciclo das rochas e a formação do solo.
O ciclo das rochas e a formação do solo.O ciclo das rochas e a formação do solo.
O ciclo das rochas e a formação do solo.
 
Corretores da acidez superficial do solo
Corretores da acidez superficial do solo Corretores da acidez superficial do solo
Corretores da acidez superficial do solo
 
Solos 4
Solos 4Solos 4
Solos 4
 

Destaque

Introdução ao estudo do solo
Introdução ao estudo do soloIntrodução ao estudo do solo
Introdução ao estudo do solo
Diony Odin
 
Solos
SolosSolos
Solos
ceama
 
4º ano A - Reunião coletiva de pais - 1º sem. 2014
4º ano A - Reunião coletiva de pais - 1º sem. 20144º ano A - Reunião coletiva de pais - 1º sem. 2014
4º ano A - Reunião coletiva de pais - 1º sem. 2014
Escola Santi
 
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDASRECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS
mnmaill
 
Agua
AguaAgua
Origem dos solos
Origem dos solosOrigem dos solos
Origem dos solos
Suely Takahashi
 
Solo
SoloSolo
95 orgãos dos sentidos 3
95 orgãos dos sentidos 395 orgãos dos sentidos 3
95 orgãos dos sentidos 3
SimoneHelenDrumond
 
Solos
SolosSolos
984
984984
Classificação dos solos
Classificação dos solosClassificação dos solos
Classificação dos solos
Suely Takahashi
 
Solos
SolosSolos
Solos
Neila
 
Aula 03 ecologia do solo
Aula 03   ecologia do soloAula 03   ecologia do solo
Aula 03 ecologia do solo
Jadson Belem de Moura
 
Solo
Solo Solo
Origem dos solos
Origem dos solosOrigem dos solos
Origem dos solos
Adsson Luz
 
Aula 1 ciencia do solo na agronomia
Aula 1   ciencia do solo na agronomiaAula 1   ciencia do solo na agronomia
Aula 1 ciencia do solo na agronomia
Jadson Belem de Moura
 
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
Col.agro 14.interpretacao da analise do solo
Col.agro 14.interpretacao da analise do soloCol.agro 14.interpretacao da analise do solo
Col.agro 14.interpretacao da analise do solo
gastao ney monte braga
 
Slides ciência do solo
Slides   ciência do soloSlides   ciência do solo
Slides ciência do solo
daianeagricola
 
Solos
SolosSolos

Destaque (20)

Introdução ao estudo do solo
Introdução ao estudo do soloIntrodução ao estudo do solo
Introdução ao estudo do solo
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
4º ano A - Reunião coletiva de pais - 1º sem. 2014
4º ano A - Reunião coletiva de pais - 1º sem. 20144º ano A - Reunião coletiva de pais - 1º sem. 2014
4º ano A - Reunião coletiva de pais - 1º sem. 2014
 
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDASRECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS
 
Agua
AguaAgua
Agua
 
Origem dos solos
Origem dos solosOrigem dos solos
Origem dos solos
 
Solo
SoloSolo
Solo
 
95 orgãos dos sentidos 3
95 orgãos dos sentidos 395 orgãos dos sentidos 3
95 orgãos dos sentidos 3
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
984
984984
984
 
Classificação dos solos
Classificação dos solosClassificação dos solos
Classificação dos solos
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Aula 03 ecologia do solo
Aula 03   ecologia do soloAula 03   ecologia do solo
Aula 03 ecologia do solo
 
Solo
Solo Solo
Solo
 
Origem dos solos
Origem dos solosOrigem dos solos
Origem dos solos
 
Aula 1 ciencia do solo na agronomia
Aula 1   ciencia do solo na agronomiaAula 1   ciencia do solo na agronomia
Aula 1 ciencia do solo na agronomia
 
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
 
Col.agro 14.interpretacao da analise do solo
Col.agro 14.interpretacao da analise do soloCol.agro 14.interpretacao da analise do solo
Col.agro 14.interpretacao da analise do solo
 
Slides ciência do solo
Slides   ciência do soloSlides   ciência do solo
Slides ciência do solo
 
Solos
SolosSolos
Solos
 

Semelhante a Introdução a ciência do solo

Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluiçãoCiências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
elonvila
 
Intemperismo apresentação
Intemperismo apresentaçãoIntemperismo apresentação
Intemperismo apresentação
Luis Aurelio Sanches
 
Geo tema iv - pp6 - meteorização
Geo   tema iv - pp6 - meteorizaçãoGeo   tema iv - pp6 - meteorização
Geo tema iv - pp6 - meteorização
Rui Magalhães
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosão
Mateus Ribeiro
 
Rochas e solos
Rochas e solosRochas e solos
Rochas e solos
Guilherme Ribeiro
 
Li ci plc0602-proddestresidurb-aula01
Li ci plc0602-proddestresidurb-aula01Li ci plc0602-proddestresidurb-aula01
Li ci plc0602-proddestresidurb-aula01
Vinícius Casimiro
 
Aula 5-quimica da-litosfera_1a
Aula 5-quimica da-litosfera_1aAula 5-quimica da-litosfera_1a
Aula 5-quimica da-litosfera_1a
Cezar Manzini
 
Intemperismo
IntemperismoIntemperismo
Intemperismo
Camila Brito
 
Brozura solos bie
Brozura solos bieBrozura solos bie
Brozura solos bie
Lóide Chivinda
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
1lista exercicios-respostas
1lista exercicios-respostas1lista exercicios-respostas
1lista exercicios-respostas
Davenil Magri
 
1lista exercicios-respostas
1lista exercicios-respostas1lista exercicios-respostas
1lista exercicios-respostas
Davenil Magri
 
Rochas
RochasRochas
Exploração das imagens
Exploração das imagensExploração das imagens
Exploração das imagens
Sandra Marques
 
Minerais e rochas
Minerais e rochasMinerais e rochas
Minerais e rochas
karolpoa
 
Aula 01_Fundamentos do SOLO.pdf
Aula 01_Fundamentos do SOLO.pdfAula 01_Fundamentos do SOLO.pdf
Aula 01_Fundamentos do SOLO.pdf
KauanSousaLima
 
Ciclo das rochas
Ciclo das rochasCiclo das rochas
Ciclo das rochas
odailsoncard
 
Ciclo Das Rochas
Ciclo Das RochasCiclo Das Rochas
Trabalho de mecânica dos solos propriedade das particulas sólidas dos solos
Trabalho de mecânica dos solos   propriedade das particulas sólidas dos solosTrabalho de mecânica dos solos   propriedade das particulas sólidas dos solos
Trabalho de mecânica dos solos propriedade das particulas sólidas dos solos
engenhar
 
Intemperismo
IntemperismoIntemperismo
Intemperismo
Fabrício Almeida
 

Semelhante a Introdução a ciência do solo (20)

Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluiçãoCiências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
 
Intemperismo apresentação
Intemperismo apresentaçãoIntemperismo apresentação
Intemperismo apresentação
 
Geo tema iv - pp6 - meteorização
Geo   tema iv - pp6 - meteorizaçãoGeo   tema iv - pp6 - meteorização
Geo tema iv - pp6 - meteorização
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosão
 
Rochas e solos
Rochas e solosRochas e solos
Rochas e solos
 
Li ci plc0602-proddestresidurb-aula01
Li ci plc0602-proddestresidurb-aula01Li ci plc0602-proddestresidurb-aula01
Li ci plc0602-proddestresidurb-aula01
 
Aula 5-quimica da-litosfera_1a
Aula 5-quimica da-litosfera_1aAula 5-quimica da-litosfera_1a
Aula 5-quimica da-litosfera_1a
 
Intemperismo
IntemperismoIntemperismo
Intemperismo
 
Brozura solos bie
Brozura solos bieBrozura solos bie
Brozura solos bie
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
1lista exercicios-respostas
1lista exercicios-respostas1lista exercicios-respostas
1lista exercicios-respostas
 
1lista exercicios-respostas
1lista exercicios-respostas1lista exercicios-respostas
1lista exercicios-respostas
 
Rochas
RochasRochas
Rochas
 
Exploração das imagens
Exploração das imagensExploração das imagens
Exploração das imagens
 
Minerais e rochas
Minerais e rochasMinerais e rochas
Minerais e rochas
 
Aula 01_Fundamentos do SOLO.pdf
Aula 01_Fundamentos do SOLO.pdfAula 01_Fundamentos do SOLO.pdf
Aula 01_Fundamentos do SOLO.pdf
 
Ciclo das rochas
Ciclo das rochasCiclo das rochas
Ciclo das rochas
 
Ciclo Das Rochas
Ciclo Das RochasCiclo Das Rochas
Ciclo Das Rochas
 
Trabalho de mecânica dos solos propriedade das particulas sólidas dos solos
Trabalho de mecânica dos solos   propriedade das particulas sólidas dos solosTrabalho de mecânica dos solos   propriedade das particulas sólidas dos solos
Trabalho de mecânica dos solos propriedade das particulas sólidas dos solos
 
Intemperismo
IntemperismoIntemperismo
Intemperismo
 

Mais de Rafael Oliveira

GESTÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL
GESTÃO E SANEAMENTO AMBIENTALGESTÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL
GESTÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL
Rafael Oliveira
 
Pdf fernanda candido de almeida
Pdf   fernanda candido de almeidaPdf   fernanda candido de almeida
Pdf fernanda candido de almeida
Rafael Oliveira
 
Art1842
Art1842Art1842
1984 0470-sausoc-25-02-00463
1984 0470-sausoc-25-02-004631984 0470-sausoc-25-02-00463
1984 0470-sausoc-25-02-00463
Rafael Oliveira
 
209 1309-1-pb (1)
209 1309-1-pb (1)209 1309-1-pb (1)
209 1309-1-pb (1)
Rafael Oliveira
 
103 641-1-pb
103 641-1-pb103 641-1-pb
103 641-1-pb
Rafael Oliveira
 
Apresentação projeto de revitalização ambiental na bacia hidrográfica dos có...
Apresentação  projeto de revitalização ambiental na bacia hidrográfica dos có...Apresentação  projeto de revitalização ambiental na bacia hidrográfica dos có...
Apresentação projeto de revitalização ambiental na bacia hidrográfica dos có...
Rafael Oliveira
 
Anlisedeartigosderevisoeelaboraodeartigoscientficos 12734719191355-phpapp02
Anlisedeartigosderevisoeelaboraodeartigoscientficos 12734719191355-phpapp02Anlisedeartigosderevisoeelaboraodeartigoscientficos 12734719191355-phpapp02
Anlisedeartigosderevisoeelaboraodeartigoscientficos 12734719191355-phpapp02
Rafael Oliveira
 

Mais de Rafael Oliveira (8)

GESTÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL
GESTÃO E SANEAMENTO AMBIENTALGESTÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL
GESTÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL
 
Pdf fernanda candido de almeida
Pdf   fernanda candido de almeidaPdf   fernanda candido de almeida
Pdf fernanda candido de almeida
 
Art1842
Art1842Art1842
Art1842
 
1984 0470-sausoc-25-02-00463
1984 0470-sausoc-25-02-004631984 0470-sausoc-25-02-00463
1984 0470-sausoc-25-02-00463
 
209 1309-1-pb (1)
209 1309-1-pb (1)209 1309-1-pb (1)
209 1309-1-pb (1)
 
103 641-1-pb
103 641-1-pb103 641-1-pb
103 641-1-pb
 
Apresentação projeto de revitalização ambiental na bacia hidrográfica dos có...
Apresentação  projeto de revitalização ambiental na bacia hidrográfica dos có...Apresentação  projeto de revitalização ambiental na bacia hidrográfica dos có...
Apresentação projeto de revitalização ambiental na bacia hidrográfica dos có...
 
Anlisedeartigosderevisoeelaboraodeartigoscientficos 12734719191355-phpapp02
Anlisedeartigosderevisoeelaboraodeartigoscientficos 12734719191355-phpapp02Anlisedeartigosderevisoeelaboraodeartigoscientficos 12734719191355-phpapp02
Anlisedeartigosderevisoeelaboraodeartigoscientficos 12734719191355-phpapp02
 

Introdução a ciência do solo

  • 1. Introdução a Ciência do Solo Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros
  • 2. Aula 2: Formação dos solos ROCHA SOLOPROCESSOS TEMPO
  • 3. Formação dos solosFormação dos solos Rochas Exposição a atmosfera (calor, umidade, chuvas, vento...) Modificação na composição física e química de minerais: Intemperismo ou Meteorização Rocha alterada = Regolito ou manto de intemperização Solo
  • 6. Formação dos solosFormação dos solos Agentes ou fatores de formação dos solos 1. Material de origem (Rocha matriz)1. Material de origem (Rocha matriz) RochaRocha Agregado natural, sólido, multigranular, composto de 1 ou + minerais e/ou mineralóides. Minerais preexistentes na rocha matriz podem ou não estar presentes na composição de um solo.
  • 7. Formação dos solosFormação dos solos ÍGNEAS ou MAGMÁTICASÍGNEAS ou MAGMÁTICAS: Formadas pelo resfriamento e solidificação (cristalização) do magma (lava) SEDIMENTARESSEDIMENTARES: Formadas pela deposição de sedimentos e posterior compressão (cimentação) destes METAMÓRFICASMETAMÓRFICAS: Formada por qualquer um dos fatores acima e modificadas pelo efeito da temperatura e pressão Existem 3 grandes famílias de rochas
  • 8. Formação dos solosFormação dos solos ÍGNEAS ou MAGMÁTICASÍGNEAS ou MAGMÁTICAS: O magma é um material pastoso que, há bilhões de anos, deu origem às primeiras rochas de nosso planeta, e ainda existe no interior da Terra. Variados princípios são utilizados para a classificação das rochas ígneas: - ocorrência, idade, composição mineralógica, estrutura, composição química, etc.
  • 9. Formação dos solosFormação dos solos Podem ser de 2 tipos: 1) Vulcânicas ou extrusivas 2) Plutônicas ou intrusivas ÍGNEAS ou MAGMÁTICASÍGNEAS ou MAGMÁTICAS:
  • 10. Formação dos solosFormação dos solos Vulcânicas ou extrusivasVulcânicas ou extrusivas: são formadas por meio de erupções vulcânicas, através de um rápido processo de resfriamento na superfície. Ex: basaltoEx: basalto No Rio Grande do Sul, encontramos as falésias de Torres, formadas de basalto. As faixas escuras das famosas calçadas de Copacabana, no Rio de Janeiro, são formadas por basalto
  • 11. Formação dos solosFormação dos solos Plutônicas ou intrusivas:Plutônicas ou intrusivas: são formadas dentro da terra por meio de um processo lento de resfriamento. Ex:granitoEx:granito
  • 12. Formação dos solosFormação dos solos ÍGNEAS ou MAGMÁTICASÍGNEAS ou MAGMÁTICAS: Para o pedólogo é importante a sua classificação de acordo com a sílica (teor de silício): - rochas ácidas: de 65 a 80% de sílica; - rochas sub-ácidas: de 60 a 65% de sílica; - rochas sub-básicas: de 55 a 60% de sílica; - rochas básicas: de 45 a 55% de sílica; - rochas ultra-básicas: sílica menor do que 45%
  • 13. Formação dos solosFormação dos solos Rochas ácidas (granitos/arenitos):Rochas ácidas (granitos/arenitos): Tem coloração clara e dão origem a solos de constituição arenosa em sua maioria. Tendem a originar solos mais ácidos Rochas básicas (calcário/basalto):Rochas básicas (calcário/basalto): Originam solos ricos em minerais argilosos, cores que variam do bruno ao vermelho. Tendem a originar solos menos ácidos
  • 14. Formação dos solosFormação dos solos SEDIMENTARES:SEDIMENTARES: Fazem parte de 75% da superfície dos continentes75% da superfície dos continentes, são formadas através do acúmulo de detritos, que podem ser orgânicos ou gerados por outras rochas. Classificam-se em: Detríticas ou clásticas Químicas Orgânicas
  • 15. Formação dos solosFormação dos solos Detríticas ou clásticasDetríticas ou clásticas - formadas a partir de fragmentos de outras rochas. Ex: arenito, siltito, argilito, conglomerados
  • 16. Formação dos solosFormação dos solos QuímicasQuímicas - formadas a partir de transformações de certos materiais em contato com a água ou outro tipo de substância. Ex: sal-gema, estalactites e estalagmites. Estalactites da gruta de Ispinigoli em Sardenha, Itália Sal-gema
  • 17. Formação dos solosFormação dos solos OrgânicasOrgânicas - formadas por meio da acumulação e soterramento de matéria orgânica (resíduos vegetais). Ex: carvão mineralcarvão mineral Existem 4 principais de carvão mineral: turfa, linhito, hula e antracito (em ordem crescente do teor de carbono). É extraído do solo por mineração a céu aberto ou subterrânea. É utilizado como combustível fóssil para produzir energia (libera gases tóxicos, além de CO2 agravando o aquecimetno global e chva ácida)
  • 18. Formação dos solosFormação dos solos Obs: Nos casos onde o material orgânico deixa uma impressão na rocha, o resultado é conhecido como fóssil São restos de seres vivos ou evidências de suas atividades biológicas preservados em diversos materiais
  • 19. Formação dos solosFormação dos solos METAMÓRFICAS:METAMÓRFICAS: Formadas através da deformação de outras rochas, magmáticas, sedimentares e até mesmo outras rochas metamórficas, devido a alterações de condições ambientais, como a temperatura e a pressão ou ambas simultaneamente. Ex: ardósia, quartzito, gnaisse, mármore
  • 20. Formação dos solosFormação dos solos ardósia (formada a partir do xisto) quartzito (formado a partir do arenito).
  • 21. Formação dos solosFormação dos solos gnaisse (formado a partir do argilito e xisto) mármore (formado a partir do calcário)
  • 22. Formação dos solosFormação dos solos 2. Relevo (Topografia)2. Relevo (Topografia) Influencia na profundidade doInfluencia na profundidade do solosolo A medida que a declividade diminui a sua profundidade aumenta Portanto nas áreas mais declivosas, os solos são menos desenvolvidos que nas áreas planas. Solos de baixada (acúmulo de água = diferenciação de horizontes)
  • 23. Formação dos solosFormação dos solos A posição topográfica pode afetar o perfil do solo, principalmente pelos efeitos da declividade sobre a drenagem e a erosão.
  • 24. Formação dos solosFormação dos solos 3. Clima3. Clima O clima é o fator que desempenha maior atividade no processo de formação dos solos. Atua através de componentes como temperatura, precipitação, umidade relativa do ar, vento e suas variações.
  • 25. Formação dos solosFormação dos solos Em regiões frias, com menores temperaturas, há menor atividade de microorganismos e consequentemente menor decomposição. Nos trópicos úmidos e subtrópicos, maiores temperaturas e umidades propiciam maior atividade microbiana, atuando em maior volume de matéria orgânica 4. Biosfera (organismos)4. Biosfera (organismos)
  • 26. Formação dos solosFormação dos solos 5. Tempo5. Tempo A rocha no interior da litosfera constitui um sistema em equilíbrio, mas, a partir do momento em que ela entra em contato com o meio ambiente, passa a um sistema instável que, muda continuamente de características e propriedades. Quando este novo estágio de equilíbrio for alcançado, a rocha primitiva está transformada em um solo maduro.
  • 27. Formação dos solosFormação dos solos Calcula-se que cada centímetro do solo se forma num intervalo de tempo de 100 a 400 anos! Os solos usados na agricultura demoram entre 3000 a 12000 anos para tornarem-se produtivos. O tempo é variável dependente do clima, do relevo, da atividade biológica e da natureza do material de origem.
  • 28. Formação dos solosFormação dos solos Os solos de formação recente são aqueles pouco evoluídos, nos quais o tempo não foi suficiente para que a ação dos outros fatores os transformassem em solos amadurecidos.
  • 29. Formação dos solosFormação dos solos INTEMPERISMOINTEMPERISMO FÍSICOFÍSICO INTEMPERISMOINTEMPERISMO QUÍMICOQUÍMICO INTEMPERISMOINTEMPERISMO BIOLÓGICOBIOLÓGICO O desenvolvimento do perfil do solo
  • 30. Formação dos solosFormação dos solos Intemperismo físico ou desintegração Desagregação ou fragmentação de rochas (processo exclusivamente mecânicoexclusivamente mecânico, ou seja, mantém a composição química das rochas) Agentes físicos da desagregação das rochas: ação térmica da radiação solar, ação mecânica da água, ação mecânica dos ventos e ação mecânica dos seres vivos
  • 31. Formação dos solosFormação dos solos Intemperismo biológico Não há propriamente dito um intemperismo biológico e sim a ação física e química desenvolvidas pelos seres vivosseres vivos que contribuem para a destruição das rochas
  • 32. Formação dos solosFormação dos solos Intemperismo químico ou decomposição Alteração química das rochasAlteração química das rochas, com formação de compostos não existentes no material original. Principais elementosPrincipais elementos: oxigênio, água e gás carbônico (atuando isolados ou concomitantes)
  • 33. Formação dos solosFormação dos solos Intemperismo químico ou decomposição Processos responsáveis pelo intemperismo químico das rochas: HIDRÓLISEHIDRÓLISE: quebra e substituição de minerais por íons H OXIDAÇÃO-REDUÇÃOOXIDAÇÃO-REDUÇÃO: modificação da valência de elementos. Ex: Ferro (Fe2+ e Fe3+ ) HIDRATAÇÃOHIDRATAÇÃO: adição de moléculas de água a estrutura dos cristais DISSOLUÇÃO OU SOLUBILIZAÇÃODISSOLUÇÃO OU SOLUBILIZAÇÃO: dissolução completa dos minerais CARBONATAÇÃOCARBONATAÇÃO: adição de carbono
  • 34. Formação dos solosFormação dos solos SOLOS BRASILEIROSSOLOS BRASILEIROS Solos tropicais
  • 36. Formação dos solosFormação dos solos A rocha alterada pode permanecer no local originando os solos “in situ” ou podem ser transportadas pela água, vento ou gravidade originando solos transportados. A medida que se transforma em solo, o material de origem vai se diferenciando em camadas mais ou menos paralelas denominadas. Horizontes
  • 37. Formação dos solosFormação dos solos Horizontes do Solo De modo geral, o perfil do solo é formado: Horizonte O = orgânico Mistura de material orgânico e mineral. Fonte de nutrientes Horizonte A, B, C = minerais Horizonte A = máxima atividade biológica, sujeito a variações de temperatura e umidade Horizonte A + B = Solum Cada horizonte do perfil do solo tem uma cor, profundidade, conteúdo de MO, características físicas e químicas diferenciadas.
  • 39. Formação dos solosFormação dos solos ELUVIAÇÃO: Empobrecimento pelo transporte. ILUVIAÇÃO: Acumulação de materiais como Horizonte AHorizonte A = Zona de Eluviação . Perda de argilo-minerais, Fe e Al que foram lixiviados para camadas inferiores Horizonte BHorizonte B = Zona de Iluviação. Concentração de argila, Fe e Al, acumulação proveniente do Horiz. A
  • 41. Formação dos solosFormação dos solos Horizontes transicionaisHorizontes transicionais → Horizontes miscigenados → São designados pelas junções de duas letras (AB, BA, AC, EB, BE, BC) Horizontes mescladosHorizontes mesclados → Contém partes identificáveis porém misturadas dos horizontes adjacentes → Exemplo: (A/B, A/C, E/B, B/C , B/C/R)
  • 42. Aos símbolos dos horizontes principais são acrescidos sufixos indicando características específicas
  • 44. Transição: É definida pela nitidez ou contraste de separação A) Abrupta → Quando a faixa de separação é < 2,5cm B) Clara → Variação de 2,5 a 7,5cm C) Gradual → Variação de 7,5 a 12,5cm D) Difusa → Quando a faixa é maior que 12,5cm Formação dos solosFormação dos solos
  • 45. Transição: Forma da linha ou faixa de separação: A) Plana: Quando for praticamente paralela a superfície do solo B) Ondulada: Quando for sinuosa C) Irregular: Quando apresentar desníveis mais profundos do que largos D) Descontínua: Quando não for contínua, apresentando partes de um horizonte dentro do outro Formação dos solosFormação dos solos
  • 46. Formação dos solosFormação dos solos Os processos pedogenéticos: São reações ou mecanismos de caráter físico, químico ou biológico responsáveis pelo desenvolvimento completo do perfil e que levam à formação dos horizontes condicionando a formação dos diversos tipos ou classes de solos. Todos os solos sofrem os mesmo processos pedogenéticos, entretanto em diferentes graus e combinações.
  • 47. Formação dos solosFormação dos solos São quatro os tipos de processos pedogenéticos:
  • 48. Formação dos solosFormação dos solos ADIÇÃOADIÇÃO: Tudo que é adicionado ao solo que não seja proveniente de seu material de origem. Agentes de adição: chuva, ar, vegetação... TRANSLOCAÇÃOTRANSLOCAÇÃO (transporte ou redistribuição): Todo o transporte que feito no solo e que produz acumulações e modificações visíveis. Principal agente é a água. TRANSFORMAÇÃO:TRANSFORMAÇÃO: Toda modificação química, física ou biológica dos constituintes do solo. Ex: transformação de minerais primários em secundários. REMOÇÃOREMOÇÃO (ou perda): Constituintes que deixam o solo, em superfície ou em profundidade.
  • 49. Formação dos solosFormação dos solos Os processos pedogenéticos são responsáveis pelo desenvolvimento completo do perfil e juntamente com os fatores genéticos condicionam a formação de diversos tipos ou classes de solos. Pode-se distinguir 5 principais tipos de formação de solo: podzolização, laterização, calcificação, gleização e salinizaçãopodzolização, laterização, calcificação, gleização e salinização. Tipos de formação de solos
  • 50. Formação dos solosFormação dos solos 1. PODZOLIZAÇÃO:1. PODZOLIZAÇÃO: É um processo decorrente da eliminação de bases por lixiviação e do desenvolvimento de um estado ácido na superfície. Origina solos encontrados sob variadas condições climáticas, de vegetação e material de origem. Causas: adição e remoção 2. LATERIZAÇÃO:2. LATERIZAÇÃO: Envolve intensa lixiviação e ocorre somente onde a precipitação e maior que a evapotranspiração (ETP), onde a velocidade de decomposição da matéria orgânica é rápida. Causas: remoção ETP Considera as perdas de água do solo por evaporação eConsidera as perdas de água do solo por evaporação e transpiração vegetal, processo denominado evapotranspiraçãotranspiração vegetal, processo denominado evapotranspiração
  • 51. Formação dos solosFormação dos solos 3. CALCIFICAÇÃO3. CALCIFICAÇÃO: Quando há concentração de carbonato de cálcio no solo. Ocorre onde a precipitação é menor que a evapotranspiração 4. GLEIZAÇÃO:4. GLEIZAÇÃO: Formação do solo sob condições de drenagem imperfeita ou alagamento completo. Causas: redução 5. SALINIZAÇÃO:5. SALINIZAÇÃO: Típico de clima árido, onde a precipitação é menor que a evapotranspiração
  • 52. Formação dos solosFormação dos solos CONSIDERAÇÕES SOBRE A FORMAÇÃO DOS SOLOSCONSIDERAÇÕES SOBRE A FORMAÇÃO DOS SOLOS -Formação do Substrato (GEOLOGIAGEOLOGIA): Intemperismo -Diferenciação dos horizontes (PEDOLOGIAPEDOLOGIA): Formação de camadas distintas