SlideShare uma empresa Scribd logo
USO DO SOLO: AGRICULTURA E PECUÁRIA E SEUS IMPACTOS AMBIENTAIS E SOCIAIS Por Guilherme Trevisani e  Gustavo Trevisani Ecogestão-profa Valéria Bolognini
Agricultura é o conjunto de técnicasutilizadas para cultivar plantas com o objectivo de obter alimentos,fibras,energia, matéria-primapara roupas, construções, medicamentos, ferramentas, ou apenas para contemplação estética. Vários exemplos podemos tirar no nosso cotidiano como o homem trabalhando no cultivo de arroz, com carro de Bois, No Campo, Na Indústria, e na nossa própria casa, temos exemplo de agricultura e de pecuária. A quem trabalha na agricultura chama-se agricultor. O termo fazendeiro se aplica ao proprietário de terras rurais onde, normalmente, é praticada a agricultura, e a pecuária ou ambos. O prefixo agro tem origem no verbete latino agru que significa "terra cultivada ou cultivável". A ciência que estuda as características das plantas e dos solos para melhorar as técnicas agrícolas é a agronomia. Fonte: www.wikipédia.com.br
Estrutura do solo Solo é um corpo de material inconsolidado, que recobre a superfície emersa terrestre, entre a litosfera e aatmosfera. Os solos são constituídos d de proporções e tipos variáveis de minerais, gases, água e matéria orgânica. É produto do intemperismo sobre um material de origem, cuja transformação para solo se desenvolve em um determinado relevo, clima, bioma e ao longo de umtempo. O solo, contudo, pode ser visto sobre diferentes ópticas. Para um engenheiro agrônomo, através da edafologia, solo é a camada na qual pode-se desenvolver vidavegetal. Para um engenheiro civil, sob o ponto de vista da mecânica dos solos, solo é um corpo passível de ser escavado, sendo utilizado dessa forma como suporte para construções ou material de construção.
A morte do Mar de Aral é considerado por muitos meios de comunicação e referência, como o pior impacto ambiental da história. O Mar de Aral é um lago terminal alimentado por dois rios principais, (Sirdaria e Amudaria) que forma uma fronteira natural entre o Kasaquistão e o Uzbequistão. Era o quarto maior lago mundial em 1960; hoje, está em vias de desaparecer num pequeno e sujo poço. A destruição do Mar de Aral é um exemplo de como uma tragédia ambiental e humanitária pode ameaçar rapidamente toda uma região. Tal destruição constitui um caso clássico de desenvolvimento não-sustentado. Vale a pena estudá-lo pois, de certa forma, prefigura o que poderá acontecer a nível planetário se a humanidade continua a desperdiçar recursos finitos como a água.
Impactos gerados Para que possamos buscar solução aos problemas do mundo moderno, precisamos conhecer ao menos os maiores impactos causados pela agricultura: atividade de maior impacto no meio-ambiente. Por isso, listamos aqui alguns dos principais problemas causados pela agricultura, em breves explicações, a seguir.  Desmatamento– a derrubada de matas originais que é inevitável devido ao crescimento populacional e o modelo de desenvolvimento adotado por nossa sociedade, vem sendo a causa de grandes impactos ambientais.
Erosão – é a perda de solo causada pelo uso incorreto do solo associado ás chuvas e ventos. Essa perda está retirando todas as camadas superiores do solo, chegando até as rochas, tornando o solo não-agricultável. Além disso, a terra que escorre com as chuvas, soterra rios e lagos, comprometendo sua vazão e qualidade da água Perda de biodiversidade – as espécies formadas durante muitos milhares de anos estão simplesmente desaparecendo com o desmatamento causado pela crescente necessidade de terras para uso na agricultura. Essas espécies poderiam ser usadas na produção de medicamentos no futuro.
Esgotamento da água doce – muito se enganam os que pensam que o consumo doméstico gera os maiores gastos de água. Mais de 60% da água doce é utilizada na irrigação de campos agrícolas, esgotando fontes de água doce. Poluição atmosférica – por mais que a produção de material vegetal capture carbono da atmosfera, o carbono liberado por atividades relacionadas supera a quantidade capturada. Esse carbono é liberado pela queima de diesel dos tratores, produção de fertilizantes e defensivos agrícolas, além da decomposição de restos de cultura agrícola.
Poluição de águas– o uso descontrolado de adubos e defensivos agrícolas vem causando sérios problemas de contaminação de águas por resíduos e materiais deixados no solo, que podem causar problemas inclusive com a eutrofização e contaminação de águas potáveis. Desertificação– O uso inadequado do solo, hoje liderado pela produção de gado e outros animais, vem desgastando os solos de forma espantosa, tornando-os quase totalmente inférteis. Isso vem fazendo com que quase nenhuma planta consiga sobreviver em muitas dessas áreas, tornando-as desertas. Esse processo, infelizmente, é irreversível.
Destruição de mananciais – o avanço da agricultura sobre as matas nativas causa destruição das nascentes, por soterramento, impermeabilização, entre outros fatores.
DESMATAMENTO DAS FLORESTAS NATIVAS
Erosão do Solo O solo é a camada superficial da crosta da terrestre resultante da ação do intemperismo, ou seja, o solo mais é que a rocha decomposta e bem triturada. O conhecimento empírico da fertilidade do solo remonta há milhões de anos.  Os Chineses, por exemplo, há mais de 3.000 a.c. chegaram a dividir suas terras de acordo com a produtividade agrícola. Os romanos, por sua vez, chegaram a classificar os solos em nove tipos. No Brasil e demais países tropicais, a intensidade, o volume e a concentração das chuvas durante o verão acarretam um intenso processo de erosão dos solos, que se torna mais ainda quando se trata de áreas com topografia inclinada ou sem cobertura vegetal. A ação do vento provoca o desgaste do solo. Esse desgaste recebe o nome de erosão. Quando o homem faz desmatamento, queimadas ou terraplanagem, deixa o solo desprotegido e a erosão ataca. A intensiva criação de gado pode produzir erosão. O gado, ao mesmo tempo que se alimenta do capim,
pisa sobre ele e pode diminuir a cobertura vegetal do solo. Solos com pouca ou nenhuma cobertura vegetal podem ser provocar erosão. Assim como o plantio feito de maneira incorreta que torna o solo empobrecido, sujeito à erosão. Para que o solo não se torne improdutivo, os agricultores utilizam a técnica "rotação de culturas" que consiste em alternar o plantio com culturas diferentes retiram diversos nutrientes do solo. Erosão no oeste do rio grande do sul Areia invade cerrado Muitas regiões travam um constante combate contra esse inimigo. Em todo planeta ocorre um fenômeno chamado de desertificação que afeta a vida de todos os seres vivos do planeta. Aproximadamente 16 milhões de pessoas vivem em terra estéril ou semi-estéril.
Na fronteira Oeste do Rio Grande do Sul é a área mais atingida pelo fenômeno da erosão. A erosão dos solos, que afeta mais a África, a Ásia e a América do Sul, devasta a cada ano 25 milhões de toneladas de terra aráveis.  Entre 1960 e 1980, o deserto do Saara cresceu aproximadamente 200 quilômetros para o sul. A destruição das matas agrava o efeito a temperatura da Terra e esgota matérias-primas e causam desertos (solo arenito) uma formação de rocha composta de areia, escassez de minerais, exposição à ação de ventos e de chuva desproporcional, tornando a terra esbranquiçada pela areia.
EROSÃO NOS SOLOS POR MOTIVOS NATURAIS E GEOLÓGICOS.
DESTRUIÇÃO DE MATAS, PELO HOMEM PARA CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS E LOCAIS PARA MORADIA. POLUIÇÃO DE RIOS E CORREGOS INVAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS
USO DO SOLO NA PECUÁRIA
PECUÁRIA SISTEMA DE INTEGRAÇÃO AGRICULTURA & PECUÁRIA Armindo Neivo KichelCesar Heraclides Behling Miranda As áreas de exploração com agricultura e a pecuária de corte no Brasil têm apresentado sintomas sérios de ruptura na sustentabilidade dos recursos naturais. A degradação das pastagens, a queda na produtividade das lavouras, o empobrecimento da fertilidade do solo, ado processo erosivo são sintomas do manejo inadequado que prejudica o meio ambiente.  As tecnologias para a recuperação e manejo sustentável dos solos degradados dos Cerrados, tanto para as áreas de pastagens como de agricultura, visam à melhoria das propriedades do solo, evitando a erosão, como também a quebra do equilíbrio que facilita a ocorrência de pragas, doenças e plantas invasoras e uma maior diversificação das atividades econômicas no meio rural.  Baixa retenção de água no solo e o aumento.
Problemas ambientais causados pela pecuária  O rebanho bovino do Brasil é estimado em cerca de 170 milhões de cabeças de gado ocupando pouco mais de 172 milhões de hectares. Diante desses números, a pecuária tem sido apontada como uma das atividades que mais prejudicam o meio ambiente. As externalidades negativas causadas pela bovinocultura estão correlacionadas com o principal meio de produção adotado no Brasil, o sistema extensivo. Este se caracteriza pelo baixo investimento em formação (principalmente quando a terra adquirida já contém algum tipo de pasto) e manutenção de pastagem.
Este sistema pode gerar: Destruição de ecossistemas ambientais: uma vez que o esgotamento ou a baixa produtividade de determinadas áreas incentiva a expandir seus domínios sobre biomas naturais, destruindo os habitats naturais de várias espécies. Juntamente com outras atividades agrícolas e madeireiras, a pecuária é apontada como um dos principais vetores de expansão da fronteira agrícola, ameaçando biomas como Cerrado e Amazônia; Degradação do solo: resultante do baixo investimento na manutenção de pastagens, podendo inclusive provocar compactação e erosão do solo; Poluição dos recursos hídricos: através da carga de nutrientes (nitrogênio, fósforo, potássio do esterco), hormônios, metais pesados e patógenos carregados para o leito dos rios pela lixiviação do solo.
Emissões de GEE (Gases do Efeito Estufa) Outra externalidade negativa gerada pela atividade pecuária é a emissão de GEE. Com o aumento da preocupação mundial com o aquecimento global, esse assunto tem tomado destaque na mídia. Devido ao grande número de animais existentes no mundo todo, estimativas mostram que o rebanho bovino emite cerca de 9% do total desses gases gerados por ação humana. Essa participação é maior que setores visto como poluidores, como é o caso do setor de transportes. No Brasil, por exemplo, – se forem excluídas as emissões de GEE geradas pelas queimadas e desmatamentos – a pecuária (considerando gado de corte e de leite) torna-se a maior fonte emissora, com mais de 260 mil Gg de CO2eq., o que equivale a mais de 42% das emissões de GEE.
Impacto da Pecuária Bovina no Brasil Um pouco da História- Primeiros impactos no mundo: pastores transformaram florestas em savanas, devido à prática da queimada e pisoteio do gado.- Ocorreu principalmente no Mediterrâneo e Oriente Próximo.- No Brasil causou grande impacto na devastação da Mata Atlântica (hoje só restam 7% da mata original). Impactos da agricultura nas reservas de água doce. Para produzir:- 1 kg carne consome 20.000 litros de água comparar com1 kg arroz consome 4.500 L1 kg trigo consome 1.500 L1 kg batata consome 150 L- um matadouro grande em São Paulo gasta 4.250.000 l/água/dia- uma pessoa que consome 35kg/carne/ano (média brasileira) pode chegar a gastar 700.000 l/água/ano
Impactos na ocupação de terras - 1/3 da produção agrícola mundial vai para o gado.- Ocupa 75% das terras produtivas brasileiras (não adianta confinar o gado, pois o mesmo pode comer 7kg ração para produzir 1kg de carne). Geração de resíduos – a produção animal é uma das maiores causas da geração de resíduos, principalmente devido às fezes animais geradas em animais criados em confinamento. As fezes dos porcos (chamadas de chorume de porco), as fezes de frango (chamadas de cama de frango), entre outras, estão dentre as principais poluidoras de ambientes rurais.
Devastação do Pantanal- Introdução de capim que tem devastado a vegetação local- Fazendeiros e carvoarias: parcerias- Provoca assoreamento dos rios da regiãoSavanas – pode-se dizer que a savana é uma formação vegetal herbácea (ervas) alta, atingindo nalgumas regiões os 2 metros de altura, e “salpicada” de algumas árvores e arbustos.Assoreamento – são os processos erosivos, causado pelas águas, ventos e processos químicos, antrópicos e físicos que desagregam os solos e rochas formando sedimentos que serão transportados. O depósito destes sedimentos constitui o fenômeno do assoreamento. Devastação da Amazônia- Pecuária: principal causa de desmatamento(2º é a soja – veja mais em: http://www.reporterbrasil.org.br/clipping.php?id=50%20- Ocupa um área igual a região sul do Brasil em gado na Amazônia + uma região igual a área do Paraná em pasto abandonado)- Pecuária contribuiu com 80% do total do trabalho escravo na região em 2004 e 62% em 2007.
Charge que mostra o que pode acontecer no futuro da Amazônia por causa do desmatamento.
Desmatamento para o uso do solo na pecuária.
Como seria o bom manejo na pecuária Plantio direto na palha ajuda a reduzir efeito estufa SÃO PAULO - É possível reduzir o impacto do aquecimento global com boas práticas de manejo do solo. É a idéia defendida pelo pesquisador da Embrapa Pecuária Sudeste Odo Primavesi, um dos relatores e revisores técnicos do relatório divulgado no ano passado pelo Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), da ONU.Conforme Primavesi, o trabalho dos cientistas restringiu a causa do aquecimento global apenas à emissão de gases do efeito estufa (GEE), desconsiderando a questão do calor produzido em solos degradados, cujo efeito, segundo ele, representa 50% na emissão de gases. ''O que preocupa é que a pesquisa aponta como causa do aquecimento global os GEE, ignorando a degradação de regiões tropicais e subtropicais'', diz. ''O uso da terra é a variável que falta para os modelos matemáticos que simulam o aquecimento global funcionarem bem. Os GEE e áreas degradadas são idéias complementares, não excludentes.''
Para Primavesi, boas práticas de manejo do solo contribuem para o seqüestro de carbono e, ao mesmo tempo, produzem sombra, umidificam o ar e reduzem o calor. E, com essa redução de calor, o aquecimento global também tem seu efeito diminuído. O sol é o mesmo. As condições do solo é que vão influenciar os efeitos desse calor. ''Como os GEE mantêm o calor irradiado na Terra, a idéia é resfriar o ambiente.''
	Resultados observados em sistemas de integração agricultura & pecuária na Fazenda Remanso, Rio Brilhante, MS, entre 1995 e 1999 Estudou-se, na Fazenda Remanso a validação e transferência de tecnologia de sistemas de renovação de pastagem de Brachiariadecumbens, com troca da espécie para B. brizantha, por meio do cultivo da soja e da aveia; e a recuperação de pastagem de B. brizantha utilizando o plantio direto e convencional de soja e aveia sobre ela.  Foram medidos os resultados referentes aos custos e benefícios das tecnologias, bem como os resultados de alguns impactos sobre os recursos naturais e a capacitação do pessoal envolvido em todos os níveis. Para tal, foram analisados variáveis de solo, planta e animal, os custos e benefícios dos sistemas avaliados.
Plantio direto na palha (interior de São Paulo)
Conservação do solo no Brasil
LINKS PARA PESQUISA: www.usp.com.br www.wikipédia.com www.google.com www.embrapa.com.br www.resistir.info.com.br www.joalf.com.br/erosao/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O uso dos solos 7 ano
O uso dos solos 7 anoO uso dos solos 7 ano
O uso dos solos 7 ano
Professor
 
Sistemas Agrícolas
Sistemas AgrícolasSistemas Agrícolas
Sistemas Agrícolas
joao paulo
 
Agricultura no Brasil
Agricultura no BrasilAgricultura no Brasil
Agricultura no Brasil
Vanessa Albano
 
Agricultura 2012
Agricultura 2012Agricultura 2012
Agricultura 2012
aroudus
 
Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3
UERGS
 
Relevo
RelevoRelevo
O planeta terra
O planeta terraO planeta terra
O planeta terra
Prof. Francesco Torres
 
Paisagem, espaço e lugar
Paisagem, espaço e lugarPaisagem, espaço e lugar
Paisagem, espaço e lugar
André Luiz Marques
 
O Território Brasileiro
O Território BrasileiroO Território Brasileiro
O Território Brasileiro
André Luiz Marques
 
Origem e formação da terra
Origem e formação da terraOrigem e formação da terra
Origem e formação da terra
karolpoa
 
Aula 01: Água x Recursos Hídricos
Aula 01: Água x Recursos HídricosAula 01: Água x Recursos Hídricos
Aula 01: Água x Recursos Hídricos
Lucas Soares
 
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASILO PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
Anderson Silva
 
Origem e formação do solo
Origem e formação do soloOrigem e formação do solo
Origem e formação do solo
Fabíola Mello
 
Os movimentos da terra
Os movimentos da terraOs movimentos da terra
Os movimentos da terra
Professor
 
Estrutura interna da terra
Estrutura interna da terraEstrutura interna da terra
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Leandro A. Machado de Moura
 
Paisagem cultural e paisagem natural
Paisagem cultural e paisagem naturalPaisagem cultural e paisagem natural
Paisagem cultural e paisagem natural
Instituto Santa Teresa
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
Giovanna Ortiz
 
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
Nefer19
 

Mais procurados (20)

O uso dos solos 7 ano
O uso dos solos 7 anoO uso dos solos 7 ano
O uso dos solos 7 ano
 
Sistemas Agrícolas
Sistemas AgrícolasSistemas Agrícolas
Sistemas Agrícolas
 
Agricultura no Brasil
Agricultura no BrasilAgricultura no Brasil
Agricultura no Brasil
 
Agricultura 2012
Agricultura 2012Agricultura 2012
Agricultura 2012
 
Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3
 
Relevo
RelevoRelevo
Relevo
 
O planeta terra
O planeta terraO planeta terra
O planeta terra
 
Paisagem, espaço e lugar
Paisagem, espaço e lugarPaisagem, espaço e lugar
Paisagem, espaço e lugar
 
O Território Brasileiro
O Território BrasileiroO Território Brasileiro
O Território Brasileiro
 
Origem e formação da terra
Origem e formação da terraOrigem e formação da terra
Origem e formação da terra
 
Aula 01: Água x Recursos Hídricos
Aula 01: Água x Recursos HídricosAula 01: Água x Recursos Hídricos
Aula 01: Água x Recursos Hídricos
 
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASILO PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
 
Origem e formação do solo
Origem e formação do soloOrigem e formação do solo
Origem e formação do solo
 
Os movimentos da terra
Os movimentos da terraOs movimentos da terra
Os movimentos da terra
 
Estrutura interna da terra
Estrutura interna da terraEstrutura interna da terra
Estrutura interna da terra
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
 
Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
Paisagem cultural e paisagem natural
Paisagem cultural e paisagem naturalPaisagem cultural e paisagem natural
Paisagem cultural e paisagem natural
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
 
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
 

Semelhante a Uso do Solo

Desertificação climátic alll
Desertificação climátic alllDesertificação climátic alll
Desertificação climátic alll
Atividades Diversas Cláudia
 
Poluição e agricultura
Poluição e agriculturaPoluição e agricultura
Poluição e agricultura
Denysson Amorim
 
Aula 21 recuperação de áreas degradadas
Aula 21 recuperação de áreas degradadasAula 21 recuperação de áreas degradadas
Aula 21 recuperação de áreas degradadas
Homero Alves de Lima
 
Aula eixo meio ambiente
Aula eixo meio ambienteAula eixo meio ambiente
Aula eixo meio ambiente
Clécio Bubela
 
Desertificação 9g
Desertificação  9gDesertificação  9g
Desertificação 9g
Mayjö .
 
Geografia vol1
Geografia vol1Geografia vol1
Geografia vol1
Blaunier Matheus
 
Solo II
Solo IISolo II
Solo II
SitioEscola
 
Apostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadasApostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadas
Rômulo Magno
 
Apostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadasApostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadas
Dalvino Jose de Moura
 
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
Gilson Nachtigall
 
A Terra E A Humanidade
A Terra E A HumanidadeA Terra E A Humanidade
A Terra E A Humanidade
RAFAELA BARBOSA
 
Litosfera
LitosferaLitosfera
Litosfera
Sandra Alves
 
O problema e as consequências do desmatamento roberto silva
O problema e as consequências do desmatamento roberto silvaO problema e as consequências do desmatamento roberto silva
O problema e as consequências do desmatamento roberto silva
profgilvano
 
Perda e fragmentação de habitats
Perda e fragmentação de habitatsPerda e fragmentação de habitats
Perda e fragmentação de habitats
Grupo2apcm
 
Ifes aula 8-erosão-e_contaminação_dos_solos
Ifes aula 8-erosão-e_contaminação_dos_solosIfes aula 8-erosão-e_contaminação_dos_solos
Ifes aula 8-erosão-e_contaminação_dos_solos
Kéliton Ferreira
 
SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO
SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDOSOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO
SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO
ProfMario De Mori
 
Solo
SoloSolo
Problemas ambientais
Problemas ambientaisProblemas ambientais
Problemas ambientais
Fatima Freitas
 
A DesflorestaçãO
A DesflorestaçãOA DesflorestaçãO
A DesflorestaçãO
mrsrs496
 
Solos de Carbono
Solos de CarbonoSolos de Carbono
Solos de Carbono
Carlos Andrade
 

Semelhante a Uso do Solo (20)

Desertificação climátic alll
Desertificação climátic alllDesertificação climátic alll
Desertificação climátic alll
 
Poluição e agricultura
Poluição e agriculturaPoluição e agricultura
Poluição e agricultura
 
Aula 21 recuperação de áreas degradadas
Aula 21 recuperação de áreas degradadasAula 21 recuperação de áreas degradadas
Aula 21 recuperação de áreas degradadas
 
Aula eixo meio ambiente
Aula eixo meio ambienteAula eixo meio ambiente
Aula eixo meio ambiente
 
Desertificação 9g
Desertificação  9gDesertificação  9g
Desertificação 9g
 
Geografia vol1
Geografia vol1Geografia vol1
Geografia vol1
 
Solo II
Solo IISolo II
Solo II
 
Apostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadasApostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadas
 
Apostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadasApostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadas
 
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
 
A Terra E A Humanidade
A Terra E A HumanidadeA Terra E A Humanidade
A Terra E A Humanidade
 
Litosfera
LitosferaLitosfera
Litosfera
 
O problema e as consequências do desmatamento roberto silva
O problema e as consequências do desmatamento roberto silvaO problema e as consequências do desmatamento roberto silva
O problema e as consequências do desmatamento roberto silva
 
Perda e fragmentação de habitats
Perda e fragmentação de habitatsPerda e fragmentação de habitats
Perda e fragmentação de habitats
 
Ifes aula 8-erosão-e_contaminação_dos_solos
Ifes aula 8-erosão-e_contaminação_dos_solosIfes aula 8-erosão-e_contaminação_dos_solos
Ifes aula 8-erosão-e_contaminação_dos_solos
 
SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO
SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDOSOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO
SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO
 
Solo
SoloSolo
Solo
 
Problemas ambientais
Problemas ambientaisProblemas ambientais
Problemas ambientais
 
A DesflorestaçãO
A DesflorestaçãOA DesflorestaçãO
A DesflorestaçãO
 
Solos de Carbono
Solos de CarbonoSolos de Carbono
Solos de Carbono
 

Mais de vallmachado

Seminario do trabalho_2010
Seminario do trabalho_2010Seminario do trabalho_2010
Seminario do trabalho_2010
vallmachado
 
Transporte Publico
Transporte PublicoTransporte Publico
Transporte Publico
vallmachado
 
Plano Diretor
Plano DiretorPlano Diretor
Plano Diretor
vallmachado
 
Energias Renováveis
Energias RenováveisEnergias Renováveis
Energias Renováveis
vallmachado
 
Rio Tiete Concluido
Rio Tiete ConcluidoRio Tiete Concluido
Rio Tiete Concluido
vallmachado
 
Rio+Tietê..
Rio+Tietê..Rio+Tietê..
Rio+Tietê..
vallmachado
 
Rio+Tietê..
Rio+Tietê..Rio+Tietê..
Rio+Tietê..
vallmachado
 
UrbanizaçãO e Crescimento Urbano
UrbanizaçãO e Crescimento UrbanoUrbanizaçãO e Crescimento Urbano
UrbanizaçãO e Crescimento Urbano
vallmachado
 
PoluiçãO1
PoluiçãO1PoluiçãO1
PoluiçãO1
vallmachado
 
Mudanças Climáticas
Mudanças ClimáticasMudanças Climáticas
Mudanças Climáticas
vallmachado
 
Energias NãO Renovaveis(WalkléBio)
Energias NãO Renovaveis(WalkléBio)Energias NãO Renovaveis(WalkléBio)
Energias NãO Renovaveis(WalkléBio)
vallmachado
 
Conferencias Do Clima
Conferencias Do ClimaConferencias Do Clima
Conferencias Do Clima
vallmachado
 
A Coleta De Lixo Em Sao Paulo
A Coleta De Lixo Em Sao PauloA Coleta De Lixo Em Sao Paulo
A Coleta De Lixo Em Sao Paulo
vallmachado
 
Pesquisa de dissertação em andamento.
Pesquisa de dissertação em andamento.Pesquisa de dissertação em andamento.
Pesquisa de dissertação em andamento.
vallmachado
 
Do desemprego juvenil a empregabilidade
Do desemprego juvenil a empregabilidadeDo desemprego juvenil a empregabilidade
Do desemprego juvenil a empregabilidade
vallmachado
 
Nossos Velhos
Nossos VelhosNossos Velhos
Nossos Velhos
vallmachado
 
Reformas da Educacao Profissional - anos 1920 a 1980
Reformas da Educacao Profissional - anos 1920 a 1980Reformas da Educacao Profissional - anos 1920 a 1980
Reformas da Educacao Profissional - anos 1920 a 1980
vallmachado
 
Reformas da Educacao Profissional - anos 80 e anos 90
Reformas da Educacao Profissional - anos 80 e anos 90Reformas da Educacao Profissional - anos 80 e anos 90
Reformas da Educacao Profissional - anos 80 e anos 90
vallmachado
 
Parte I - Centralidade do Trabalho no Marxismo Clássico
Parte I - Centralidade do Trabalho no Marxismo ClássicoParte I - Centralidade do Trabalho no Marxismo Clássico
Parte I - Centralidade do Trabalho no Marxismo Clássico
vallmachado
 
Parte II - Descentralidade do Trabalho e Modernidade
Parte II - Descentralidade do Trabalho e ModernidadeParte II - Descentralidade do Trabalho e Modernidade
Parte II - Descentralidade do Trabalho e Modernidade
vallmachado
 

Mais de vallmachado (20)

Seminario do trabalho_2010
Seminario do trabalho_2010Seminario do trabalho_2010
Seminario do trabalho_2010
 
Transporte Publico
Transporte PublicoTransporte Publico
Transporte Publico
 
Plano Diretor
Plano DiretorPlano Diretor
Plano Diretor
 
Energias Renováveis
Energias RenováveisEnergias Renováveis
Energias Renováveis
 
Rio Tiete Concluido
Rio Tiete ConcluidoRio Tiete Concluido
Rio Tiete Concluido
 
Rio+Tietê..
Rio+Tietê..Rio+Tietê..
Rio+Tietê..
 
Rio+Tietê..
Rio+Tietê..Rio+Tietê..
Rio+Tietê..
 
UrbanizaçãO e Crescimento Urbano
UrbanizaçãO e Crescimento UrbanoUrbanizaçãO e Crescimento Urbano
UrbanizaçãO e Crescimento Urbano
 
PoluiçãO1
PoluiçãO1PoluiçãO1
PoluiçãO1
 
Mudanças Climáticas
Mudanças ClimáticasMudanças Climáticas
Mudanças Climáticas
 
Energias NãO Renovaveis(WalkléBio)
Energias NãO Renovaveis(WalkléBio)Energias NãO Renovaveis(WalkléBio)
Energias NãO Renovaveis(WalkléBio)
 
Conferencias Do Clima
Conferencias Do ClimaConferencias Do Clima
Conferencias Do Clima
 
A Coleta De Lixo Em Sao Paulo
A Coleta De Lixo Em Sao PauloA Coleta De Lixo Em Sao Paulo
A Coleta De Lixo Em Sao Paulo
 
Pesquisa de dissertação em andamento.
Pesquisa de dissertação em andamento.Pesquisa de dissertação em andamento.
Pesquisa de dissertação em andamento.
 
Do desemprego juvenil a empregabilidade
Do desemprego juvenil a empregabilidadeDo desemprego juvenil a empregabilidade
Do desemprego juvenil a empregabilidade
 
Nossos Velhos
Nossos VelhosNossos Velhos
Nossos Velhos
 
Reformas da Educacao Profissional - anos 1920 a 1980
Reformas da Educacao Profissional - anos 1920 a 1980Reformas da Educacao Profissional - anos 1920 a 1980
Reformas da Educacao Profissional - anos 1920 a 1980
 
Reformas da Educacao Profissional - anos 80 e anos 90
Reformas da Educacao Profissional - anos 80 e anos 90Reformas da Educacao Profissional - anos 80 e anos 90
Reformas da Educacao Profissional - anos 80 e anos 90
 
Parte I - Centralidade do Trabalho no Marxismo Clássico
Parte I - Centralidade do Trabalho no Marxismo ClássicoParte I - Centralidade do Trabalho no Marxismo Clássico
Parte I - Centralidade do Trabalho no Marxismo Clássico
 
Parte II - Descentralidade do Trabalho e Modernidade
Parte II - Descentralidade do Trabalho e ModernidadeParte II - Descentralidade do Trabalho e Modernidade
Parte II - Descentralidade do Trabalho e Modernidade
 

Último

As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 

Último (20)

As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 

Uso do Solo

  • 1. USO DO SOLO: AGRICULTURA E PECUÁRIA E SEUS IMPACTOS AMBIENTAIS E SOCIAIS Por Guilherme Trevisani e Gustavo Trevisani Ecogestão-profa Valéria Bolognini
  • 2. Agricultura é o conjunto de técnicasutilizadas para cultivar plantas com o objectivo de obter alimentos,fibras,energia, matéria-primapara roupas, construções, medicamentos, ferramentas, ou apenas para contemplação estética. Vários exemplos podemos tirar no nosso cotidiano como o homem trabalhando no cultivo de arroz, com carro de Bois, No Campo, Na Indústria, e na nossa própria casa, temos exemplo de agricultura e de pecuária. A quem trabalha na agricultura chama-se agricultor. O termo fazendeiro se aplica ao proprietário de terras rurais onde, normalmente, é praticada a agricultura, e a pecuária ou ambos. O prefixo agro tem origem no verbete latino agru que significa "terra cultivada ou cultivável". A ciência que estuda as características das plantas e dos solos para melhorar as técnicas agrícolas é a agronomia. Fonte: www.wikipédia.com.br
  • 3. Estrutura do solo Solo é um corpo de material inconsolidado, que recobre a superfície emersa terrestre, entre a litosfera e aatmosfera. Os solos são constituídos d de proporções e tipos variáveis de minerais, gases, água e matéria orgânica. É produto do intemperismo sobre um material de origem, cuja transformação para solo se desenvolve em um determinado relevo, clima, bioma e ao longo de umtempo. O solo, contudo, pode ser visto sobre diferentes ópticas. Para um engenheiro agrônomo, através da edafologia, solo é a camada na qual pode-se desenvolver vidavegetal. Para um engenheiro civil, sob o ponto de vista da mecânica dos solos, solo é um corpo passível de ser escavado, sendo utilizado dessa forma como suporte para construções ou material de construção.
  • 4. A morte do Mar de Aral é considerado por muitos meios de comunicação e referência, como o pior impacto ambiental da história. O Mar de Aral é um lago terminal alimentado por dois rios principais, (Sirdaria e Amudaria) que forma uma fronteira natural entre o Kasaquistão e o Uzbequistão. Era o quarto maior lago mundial em 1960; hoje, está em vias de desaparecer num pequeno e sujo poço. A destruição do Mar de Aral é um exemplo de como uma tragédia ambiental e humanitária pode ameaçar rapidamente toda uma região. Tal destruição constitui um caso clássico de desenvolvimento não-sustentado. Vale a pena estudá-lo pois, de certa forma, prefigura o que poderá acontecer a nível planetário se a humanidade continua a desperdiçar recursos finitos como a água.
  • 5. Impactos gerados Para que possamos buscar solução aos problemas do mundo moderno, precisamos conhecer ao menos os maiores impactos causados pela agricultura: atividade de maior impacto no meio-ambiente. Por isso, listamos aqui alguns dos principais problemas causados pela agricultura, em breves explicações, a seguir. Desmatamento– a derrubada de matas originais que é inevitável devido ao crescimento populacional e o modelo de desenvolvimento adotado por nossa sociedade, vem sendo a causa de grandes impactos ambientais.
  • 6. Erosão – é a perda de solo causada pelo uso incorreto do solo associado ás chuvas e ventos. Essa perda está retirando todas as camadas superiores do solo, chegando até as rochas, tornando o solo não-agricultável. Além disso, a terra que escorre com as chuvas, soterra rios e lagos, comprometendo sua vazão e qualidade da água Perda de biodiversidade – as espécies formadas durante muitos milhares de anos estão simplesmente desaparecendo com o desmatamento causado pela crescente necessidade de terras para uso na agricultura. Essas espécies poderiam ser usadas na produção de medicamentos no futuro.
  • 7. Esgotamento da água doce – muito se enganam os que pensam que o consumo doméstico gera os maiores gastos de água. Mais de 60% da água doce é utilizada na irrigação de campos agrícolas, esgotando fontes de água doce. Poluição atmosférica – por mais que a produção de material vegetal capture carbono da atmosfera, o carbono liberado por atividades relacionadas supera a quantidade capturada. Esse carbono é liberado pela queima de diesel dos tratores, produção de fertilizantes e defensivos agrícolas, além da decomposição de restos de cultura agrícola.
  • 8. Poluição de águas– o uso descontrolado de adubos e defensivos agrícolas vem causando sérios problemas de contaminação de águas por resíduos e materiais deixados no solo, que podem causar problemas inclusive com a eutrofização e contaminação de águas potáveis. Desertificação– O uso inadequado do solo, hoje liderado pela produção de gado e outros animais, vem desgastando os solos de forma espantosa, tornando-os quase totalmente inférteis. Isso vem fazendo com que quase nenhuma planta consiga sobreviver em muitas dessas áreas, tornando-as desertas. Esse processo, infelizmente, é irreversível.
  • 9. Destruição de mananciais – o avanço da agricultura sobre as matas nativas causa destruição das nascentes, por soterramento, impermeabilização, entre outros fatores.
  • 11. Erosão do Solo O solo é a camada superficial da crosta da terrestre resultante da ação do intemperismo, ou seja, o solo mais é que a rocha decomposta e bem triturada. O conhecimento empírico da fertilidade do solo remonta há milhões de anos. Os Chineses, por exemplo, há mais de 3.000 a.c. chegaram a dividir suas terras de acordo com a produtividade agrícola. Os romanos, por sua vez, chegaram a classificar os solos em nove tipos. No Brasil e demais países tropicais, a intensidade, o volume e a concentração das chuvas durante o verão acarretam um intenso processo de erosão dos solos, que se torna mais ainda quando se trata de áreas com topografia inclinada ou sem cobertura vegetal. A ação do vento provoca o desgaste do solo. Esse desgaste recebe o nome de erosão. Quando o homem faz desmatamento, queimadas ou terraplanagem, deixa o solo desprotegido e a erosão ataca. A intensiva criação de gado pode produzir erosão. O gado, ao mesmo tempo que se alimenta do capim,
  • 12. pisa sobre ele e pode diminuir a cobertura vegetal do solo. Solos com pouca ou nenhuma cobertura vegetal podem ser provocar erosão. Assim como o plantio feito de maneira incorreta que torna o solo empobrecido, sujeito à erosão. Para que o solo não se torne improdutivo, os agricultores utilizam a técnica "rotação de culturas" que consiste em alternar o plantio com culturas diferentes retiram diversos nutrientes do solo. Erosão no oeste do rio grande do sul Areia invade cerrado Muitas regiões travam um constante combate contra esse inimigo. Em todo planeta ocorre um fenômeno chamado de desertificação que afeta a vida de todos os seres vivos do planeta. Aproximadamente 16 milhões de pessoas vivem em terra estéril ou semi-estéril.
  • 13. Na fronteira Oeste do Rio Grande do Sul é a área mais atingida pelo fenômeno da erosão. A erosão dos solos, que afeta mais a África, a Ásia e a América do Sul, devasta a cada ano 25 milhões de toneladas de terra aráveis. Entre 1960 e 1980, o deserto do Saara cresceu aproximadamente 200 quilômetros para o sul. A destruição das matas agrava o efeito a temperatura da Terra e esgota matérias-primas e causam desertos (solo arenito) uma formação de rocha composta de areia, escassez de minerais, exposição à ação de ventos e de chuva desproporcional, tornando a terra esbranquiçada pela areia.
  • 14. EROSÃO NOS SOLOS POR MOTIVOS NATURAIS E GEOLÓGICOS.
  • 15. DESTRUIÇÃO DE MATAS, PELO HOMEM PARA CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS E LOCAIS PARA MORADIA. POLUIÇÃO DE RIOS E CORREGOS INVAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS
  • 16. USO DO SOLO NA PECUÁRIA
  • 17. PECUÁRIA SISTEMA DE INTEGRAÇÃO AGRICULTURA & PECUÁRIA Armindo Neivo KichelCesar Heraclides Behling Miranda As áreas de exploração com agricultura e a pecuária de corte no Brasil têm apresentado sintomas sérios de ruptura na sustentabilidade dos recursos naturais. A degradação das pastagens, a queda na produtividade das lavouras, o empobrecimento da fertilidade do solo, ado processo erosivo são sintomas do manejo inadequado que prejudica o meio ambiente. As tecnologias para a recuperação e manejo sustentável dos solos degradados dos Cerrados, tanto para as áreas de pastagens como de agricultura, visam à melhoria das propriedades do solo, evitando a erosão, como também a quebra do equilíbrio que facilita a ocorrência de pragas, doenças e plantas invasoras e uma maior diversificação das atividades econômicas no meio rural. Baixa retenção de água no solo e o aumento.
  • 18. Problemas ambientais causados pela pecuária O rebanho bovino do Brasil é estimado em cerca de 170 milhões de cabeças de gado ocupando pouco mais de 172 milhões de hectares. Diante desses números, a pecuária tem sido apontada como uma das atividades que mais prejudicam o meio ambiente. As externalidades negativas causadas pela bovinocultura estão correlacionadas com o principal meio de produção adotado no Brasil, o sistema extensivo. Este se caracteriza pelo baixo investimento em formação (principalmente quando a terra adquirida já contém algum tipo de pasto) e manutenção de pastagem.
  • 19. Este sistema pode gerar: Destruição de ecossistemas ambientais: uma vez que o esgotamento ou a baixa produtividade de determinadas áreas incentiva a expandir seus domínios sobre biomas naturais, destruindo os habitats naturais de várias espécies. Juntamente com outras atividades agrícolas e madeireiras, a pecuária é apontada como um dos principais vetores de expansão da fronteira agrícola, ameaçando biomas como Cerrado e Amazônia; Degradação do solo: resultante do baixo investimento na manutenção de pastagens, podendo inclusive provocar compactação e erosão do solo; Poluição dos recursos hídricos: através da carga de nutrientes (nitrogênio, fósforo, potássio do esterco), hormônios, metais pesados e patógenos carregados para o leito dos rios pela lixiviação do solo.
  • 20. Emissões de GEE (Gases do Efeito Estufa) Outra externalidade negativa gerada pela atividade pecuária é a emissão de GEE. Com o aumento da preocupação mundial com o aquecimento global, esse assunto tem tomado destaque na mídia. Devido ao grande número de animais existentes no mundo todo, estimativas mostram que o rebanho bovino emite cerca de 9% do total desses gases gerados por ação humana. Essa participação é maior que setores visto como poluidores, como é o caso do setor de transportes. No Brasil, por exemplo, – se forem excluídas as emissões de GEE geradas pelas queimadas e desmatamentos – a pecuária (considerando gado de corte e de leite) torna-se a maior fonte emissora, com mais de 260 mil Gg de CO2eq., o que equivale a mais de 42% das emissões de GEE.
  • 21. Impacto da Pecuária Bovina no Brasil Um pouco da História- Primeiros impactos no mundo: pastores transformaram florestas em savanas, devido à prática da queimada e pisoteio do gado.- Ocorreu principalmente no Mediterrâneo e Oriente Próximo.- No Brasil causou grande impacto na devastação da Mata Atlântica (hoje só restam 7% da mata original). Impactos da agricultura nas reservas de água doce. Para produzir:- 1 kg carne consome 20.000 litros de água comparar com1 kg arroz consome 4.500 L1 kg trigo consome 1.500 L1 kg batata consome 150 L- um matadouro grande em São Paulo gasta 4.250.000 l/água/dia- uma pessoa que consome 35kg/carne/ano (média brasileira) pode chegar a gastar 700.000 l/água/ano
  • 22. Impactos na ocupação de terras - 1/3 da produção agrícola mundial vai para o gado.- Ocupa 75% das terras produtivas brasileiras (não adianta confinar o gado, pois o mesmo pode comer 7kg ração para produzir 1kg de carne). Geração de resíduos – a produção animal é uma das maiores causas da geração de resíduos, principalmente devido às fezes animais geradas em animais criados em confinamento. As fezes dos porcos (chamadas de chorume de porco), as fezes de frango (chamadas de cama de frango), entre outras, estão dentre as principais poluidoras de ambientes rurais.
  • 23. Devastação do Pantanal- Introdução de capim que tem devastado a vegetação local- Fazendeiros e carvoarias: parcerias- Provoca assoreamento dos rios da regiãoSavanas – pode-se dizer que a savana é uma formação vegetal herbácea (ervas) alta, atingindo nalgumas regiões os 2 metros de altura, e “salpicada” de algumas árvores e arbustos.Assoreamento – são os processos erosivos, causado pelas águas, ventos e processos químicos, antrópicos e físicos que desagregam os solos e rochas formando sedimentos que serão transportados. O depósito destes sedimentos constitui o fenômeno do assoreamento. Devastação da Amazônia- Pecuária: principal causa de desmatamento(2º é a soja – veja mais em: http://www.reporterbrasil.org.br/clipping.php?id=50%20- Ocupa um área igual a região sul do Brasil em gado na Amazônia + uma região igual a área do Paraná em pasto abandonado)- Pecuária contribuiu com 80% do total do trabalho escravo na região em 2004 e 62% em 2007.
  • 24. Charge que mostra o que pode acontecer no futuro da Amazônia por causa do desmatamento.
  • 25. Desmatamento para o uso do solo na pecuária.
  • 26. Como seria o bom manejo na pecuária Plantio direto na palha ajuda a reduzir efeito estufa SÃO PAULO - É possível reduzir o impacto do aquecimento global com boas práticas de manejo do solo. É a idéia defendida pelo pesquisador da Embrapa Pecuária Sudeste Odo Primavesi, um dos relatores e revisores técnicos do relatório divulgado no ano passado pelo Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), da ONU.Conforme Primavesi, o trabalho dos cientistas restringiu a causa do aquecimento global apenas à emissão de gases do efeito estufa (GEE), desconsiderando a questão do calor produzido em solos degradados, cujo efeito, segundo ele, representa 50% na emissão de gases. ''O que preocupa é que a pesquisa aponta como causa do aquecimento global os GEE, ignorando a degradação de regiões tropicais e subtropicais'', diz. ''O uso da terra é a variável que falta para os modelos matemáticos que simulam o aquecimento global funcionarem bem. Os GEE e áreas degradadas são idéias complementares, não excludentes.''
  • 27. Para Primavesi, boas práticas de manejo do solo contribuem para o seqüestro de carbono e, ao mesmo tempo, produzem sombra, umidificam o ar e reduzem o calor. E, com essa redução de calor, o aquecimento global também tem seu efeito diminuído. O sol é o mesmo. As condições do solo é que vão influenciar os efeitos desse calor. ''Como os GEE mantêm o calor irradiado na Terra, a idéia é resfriar o ambiente.''
  • 28. Resultados observados em sistemas de integração agricultura & pecuária na Fazenda Remanso, Rio Brilhante, MS, entre 1995 e 1999 Estudou-se, na Fazenda Remanso a validação e transferência de tecnologia de sistemas de renovação de pastagem de Brachiariadecumbens, com troca da espécie para B. brizantha, por meio do cultivo da soja e da aveia; e a recuperação de pastagem de B. brizantha utilizando o plantio direto e convencional de soja e aveia sobre ela. Foram medidos os resultados referentes aos custos e benefícios das tecnologias, bem como os resultados de alguns impactos sobre os recursos naturais e a capacitação do pessoal envolvido em todos os níveis. Para tal, foram analisados variáveis de solo, planta e animal, os custos e benefícios dos sistemas avaliados.
  • 29. Plantio direto na palha (interior de São Paulo)
  • 31. LINKS PARA PESQUISA: www.usp.com.br www.wikipédia.com www.google.com www.embrapa.com.br www.resistir.info.com.br www.joalf.com.br/erosao/