SlideShare uma empresa Scribd logo
Juliana Rodrigues de Sousa
 Produto do intemperismo.
   A vida - o solo - a atmosfera - a água - as geoformas
      Evoluíram em conjunto; e interagem com a atmosfera e
       condições climáticas, com as águas superficiais e
       subterrâneas e com os ecossistemas.

 Funções:
   Principal  substrato para plantas (crescimento        e
    disseminação);
   Reciclagem e armazenamento de nutrientes e detritos
    orgânicos;
   Controlo do fluxo da água e ação protetora da qualidade
    da água subterrânea;
   Habitat para a fauna do solo.
 Transição
 Profundidade e espessura dos horizontes e camadas
 Cor
 Granulometria etextura
 Estrutura (referente ao tamanho, forma e aspecto das
  partículas agregadas).
 Consistência (a resistência desses agregados).
Um solo possuí camadas horizontais de morfologia
 diferente entre si.
 O – (orgânico e escuro);
 H – (de constituição orgânica, superficial ou não)
 A – (superficial, com bastante interferência do clima e da
    biomassa. É o horizonte de maior mistura mineral com
    húmus).
   E – (eluvial, ou seja, de exportação de material, geralmente
    argilas e pequenos minerais).
   B – (maior concentração de argilas, minerais oriundos de
    horizontes superiores). e
   C - Porção de mistura de solo pouco denso com rochas
    pouco alteradas da rocha mãe.
   R ou D - Rocha matriz não alterada. De difícil acesso em
    campo.
 Diversos tipos de solos ocorrem, não de forma
 aleatória mas segundo padrões, em função do material
 de origem, do clima, do relevo e dos organismos vivos
 que atuam ao longo do tempo.

 Os solos (paisagens) são muitas vezes produzidos pelo
 homem. Ex: Os agricultores desenvolvem solos
 agrícolas. O desenvolvimento urbano, resulta em
 pressões sobre os solos cada vez mais específicas,
 através da alteração da utilização dos solos,
 modificando a infiltração e o escoamento, e das
 alterações climáticas.
 Solos arenosos (areia, entre 2mm e 0,05mm): têm boa aeração e
  capacidade de infiltração de água. No entanto, pouca capacidade de
  retenção de água.


 Solos siltosos (silte, entre 0,05 e 0,002mm): geralmente são muito
  erosíveis.


 Solos argilosos (argila, menor que 0,002mm): menos aerados, no
  entanto, armazenam mais água.


 Latossolo: são profundos, bastante porosos e bem intemperizados.


 Solo lixiviado: Aqueles que a grande quantidade de chuva carrega
  seus nutrientes, tornando o solo pobre.
Etimologia dos termos usados no 1onível categórico do SiBCS
 As diferentes coberturas pedológicas respondem à
 gestão (e à falta de gestão) de várias formas.

 Técnicas são aplicadas a fim de maximizar as
 vantagens naturais ou evitar as dificuldades (irrigar os
 solos secos,drenar os húmidos, fertilizar os pobres, e
 planear fundações de obras).
 Dependendo da cobertura vegetal e do tipo de solo, a
 água é interceptada ou evaporada, infiltrada no solo ou
 perdida através do escoamento superficial (quando
 muito rápido gera inundações, erodindo solos férteis e
 margens dos rios).
 Os solos são parte integrante do:


   Clima:   interferência no ciclo hidrológico, na retenção de
    carbono e na emissão de gases de efeito de estufa.

   Ciclo da hidrológico: elemento de ligação e como sistema
    regulador do ciclo hidrológico global. Também regulam os
    cursos de água e os reservatórios de água subterrânea.

   Ciclos dos nutrientes e dos resíduos:         reciclam os
    nutrientes libertados pela alterações.

   Erosão: acumulação de sedimentos.
 Recurso natural dinâmico, passível de ser degradado em
  função do uso inadequado pelo homem, condição em que o
  desempenho de suas funções básicas fica severamente
  prejudicado, o que acarreta interferências negativas no
  equilíbrio ambiental, diminuindo drasticamente a qualidade
  vida nos ecossistemas, (sistemas agrícolas e urbanos).

 O estudo científico do solo, a aquisição e disseminação de
  informações do papel que o mesmo exerce na natureza e sua
  importância na vida do homem, são condições primordiais
  para sua proteção e conservação, e uma garantia da
  manutenção de meio ambiente sadio e auto-sustentável.
"A água pode existir sem os seres humanos, mas
    nós só conseguimos sobreviver sem água por
                   poucos dias.”

 Alimento número um;
 Um dos elementos essenciais para vida (60% do corpo
  humano)
 Origem da vida no meio aquático (primeiros seres
  vivos, colonização de plantas;
 1,4 bilhões de quilômetros cúbicos:
   97,5 % são águas salgadas ou salobras;
   2,5 % apenas de água doce (70% fixada como gelo, o
    restante como subterrâneas e na superfície).

   Ciclagem entre terra – atmosfera (renovação da água)


   Risco de contaminação (poluição)
 Crescimento populacional  aumento da demanda
 por água
   Recurso é um bem econômico, finito e vulnerável.
    Estima-se que daqui a 30 anos, as fontes de água doce do
    planeta poderão não existirem em quantidades
    suficientes, caso o ser humano não conseguir estabilizar
    o volume de água que consome.
   Diferente de outros recursosa água doce não tem
    substituto .
   Na China, 35% dos poços artesianos já secaram.
   Nos Estados Unidos, 26 estados estão com os lençóis
    freáticos contaminados por produtos químicos.
 A poluição por efluentes, causa a perda da qualidade
 dos mananciais hídricos.

   Afeta a saúde humana tanto diretamente, através do seu
    consumo, como indiretamente, pela utilização da sua
    flora e fauna, como fonte de alimentos.
   A diarréia, que é a principal causa de mortalidade
    infantil no Brasil, a hepatite e a cólera, são doenças
    provocadas pelo uso de água contaminada.
 Nosso país detém 8% de toda a água doce superficial
 do planeta:
   80% estão localizados na Região Amazônica e o restante
    (20%) se distribui desigualmente pelas demais partes do
    país, para atender a 95 % da população brasileira.
   Entretanto, a diversidade da distribuição espacial e
    temporal dessa quantidade de água, bem como a
    degradação da sua qualidade em decorrência da
    urbanização acelerada, desordenada, com processos
    industriais e agrícolas, ainda sem cuidados ambientais
    necessários, comprometem muito a qualidade destas
    águas.
 Problemas em relação a água:
   Quantidade:


   Alocação entre usos competitivos (recreação, energia,
    abastecimento, industria, etc.);
   Manutenção de uma vazão ecológica mínima;
   Geração de energia elétrica;
   Suprimento das populações rurais (Nordeste);
   Gerenciamento das águas subterrâneas (alternativa para
    aumento da disponibilidade).
 Problemas em relação a água:
   Qualidade:


   Precipitações ácidas;
   Poluição de águas subterrâneas (águas residuárias,
    vazamentos combustíveis);
   Poluição por fontes não pontuais;
   Eutrofização dos corpos de água;
 Cultura da seca na região Nordeste:


   As condições físicoclimáticas predominantes na região
    podem, relativamente, dificultar a vida, exigir maior
    empenho e maior racionalidade na gestão dos recursos
    naturais em geral e da água.

   Baixo índice pluviométrica;
  Irregularidade das chuvas;
  Evaporação;
   Altas temperaturas;
   Tipos de solo – retenção de água
 Cultura da seca na região Nordeste:


   Implicações econômicas;
   Aspectos sócio-econômicos;
   Hidrográficos;
   Desenvolvimento de alternativas (irrigação)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Intervenção do homem nos subsistemas terrestres
Intervenção do homem nos subsistemas terrestresIntervenção do homem nos subsistemas terrestres
Intervenção do homem nos subsistemas terrestres
margaridabt
 
DEGRADAÇÃO DO SOLO NO BRASIL: CAUSAS, CONSEQÜÊNCIAS E SOLUÇÕES
DEGRADAÇÃO DO SOLO NO BRASIL: CAUSAS, CONSEQÜÊNCIAS E SOLUÇÕES DEGRADAÇÃO DO SOLO NO BRASIL: CAUSAS, CONSEQÜÊNCIAS E SOLUÇÕES
DEGRADAÇÃO DO SOLO NO BRASIL: CAUSAS, CONSEQÜÊNCIAS E SOLUÇÕES
Hipólito Murga
 
Intervenção do Homem nos Subsistemas Terresres
Intervenção do Homem nos Subsistemas TerresresIntervenção do Homem nos Subsistemas Terresres
Intervenção do Homem nos Subsistemas Terresres
guestdbe434
 
Impactos humanos na geosfera
Impactos humanos na geosferaImpactos humanos na geosfera
Impactos humanos na geosfera
Jorge Coelho
 
A importância dos solos
A importância dos solosA importância dos solos
A importância dos solos
Simone Roese Allgayer
 
Trab. Geo2 (2)..
Trab. Geo2 (2)..Trab. Geo2 (2)..
Trab. Geo2 (2)..
Victória de Matos
 
Geografia o ciclo da agua na natureza e a importancia da preservacao dos ma...
Geografia   o ciclo da agua na natureza e a importancia da preservacao dos ma...Geografia   o ciclo da agua na natureza e a importancia da preservacao dos ma...
Geografia o ciclo da agua na natureza e a importancia da preservacao dos ma...
Gustavo Soares
 
Ppt 16 A Terra, Um Planeta úNico A Proteger IntervecçãO Do Homem CatáSt...
Ppt 16   A Terra, Um Planeta úNico A Proteger   IntervecçãO Do Homem   CatáSt...Ppt 16   A Terra, Um Planeta úNico A Proteger   IntervecçãO Do Homem   CatáSt...
Ppt 16 A Terra, Um Planeta úNico A Proteger IntervecçãO Do Homem CatáSt...
Nuno Correia
 
Solo II
Solo IISolo II
Solo II
SitioEscola
 
Ciências
CiênciasCiências
Ciências
João Duarte
 
áGua doce 9f
áGua doce 9fáGua doce 9f
áGua doce 9f
Mayjö .
 
Introdução Limnologia
Introdução LimnologiaIntrodução Limnologia
Introdução Limnologia
LCGRH UFC
 
Terra planeta agua
Terra planeta aguaTerra planeta agua
Terra planeta agua
Adriana Gomes Messias
 
H2o
H2oH2o
Slides Grupo 1
Slides Grupo 1Slides Grupo 1
Slides Grupo 1
nacirbertini
 
Impactos ambientais
Impactos ambientaisImpactos ambientais
Impactos ambientais
Victor Ygor
 
6377042 a-intervencao-do-homem-nos-subsistemas-terrestres-
6377042 a-intervencao-do-homem-nos-subsistemas-terrestres-6377042 a-intervencao-do-homem-nos-subsistemas-terrestres-
6377042 a-intervencao-do-homem-nos-subsistemas-terrestres-
Rafael Duarte
 
Ge amb
 Ge amb Ge amb
Ge amb
Viviane Porto
 
Apostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadasApostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadas
Dalvino Jose de Moura
 
Diversidade e sustentabilidade
Diversidade e sustentabilidadeDiversidade e sustentabilidade
Diversidade e sustentabilidade
Adriana Gomes Messias
 

Mais procurados (20)

Intervenção do homem nos subsistemas terrestres
Intervenção do homem nos subsistemas terrestresIntervenção do homem nos subsistemas terrestres
Intervenção do homem nos subsistemas terrestres
 
DEGRADAÇÃO DO SOLO NO BRASIL: CAUSAS, CONSEQÜÊNCIAS E SOLUÇÕES
DEGRADAÇÃO DO SOLO NO BRASIL: CAUSAS, CONSEQÜÊNCIAS E SOLUÇÕES DEGRADAÇÃO DO SOLO NO BRASIL: CAUSAS, CONSEQÜÊNCIAS E SOLUÇÕES
DEGRADAÇÃO DO SOLO NO BRASIL: CAUSAS, CONSEQÜÊNCIAS E SOLUÇÕES
 
Intervenção do Homem nos Subsistemas Terresres
Intervenção do Homem nos Subsistemas TerresresIntervenção do Homem nos Subsistemas Terresres
Intervenção do Homem nos Subsistemas Terresres
 
Impactos humanos na geosfera
Impactos humanos na geosferaImpactos humanos na geosfera
Impactos humanos na geosfera
 
A importância dos solos
A importância dos solosA importância dos solos
A importância dos solos
 
Trab. Geo2 (2)..
Trab. Geo2 (2)..Trab. Geo2 (2)..
Trab. Geo2 (2)..
 
Geografia o ciclo da agua na natureza e a importancia da preservacao dos ma...
Geografia   o ciclo da agua na natureza e a importancia da preservacao dos ma...Geografia   o ciclo da agua na natureza e a importancia da preservacao dos ma...
Geografia o ciclo da agua na natureza e a importancia da preservacao dos ma...
 
Ppt 16 A Terra, Um Planeta úNico A Proteger IntervecçãO Do Homem CatáSt...
Ppt 16   A Terra, Um Planeta úNico A Proteger   IntervecçãO Do Homem   CatáSt...Ppt 16   A Terra, Um Planeta úNico A Proteger   IntervecçãO Do Homem   CatáSt...
Ppt 16 A Terra, Um Planeta úNico A Proteger IntervecçãO Do Homem CatáSt...
 
Solo II
Solo IISolo II
Solo II
 
Ciências
CiênciasCiências
Ciências
 
áGua doce 9f
áGua doce 9fáGua doce 9f
áGua doce 9f
 
Introdução Limnologia
Introdução LimnologiaIntrodução Limnologia
Introdução Limnologia
 
Terra planeta agua
Terra planeta aguaTerra planeta agua
Terra planeta agua
 
H2o
H2oH2o
H2o
 
Slides Grupo 1
Slides Grupo 1Slides Grupo 1
Slides Grupo 1
 
Impactos ambientais
Impactos ambientaisImpactos ambientais
Impactos ambientais
 
6377042 a-intervencao-do-homem-nos-subsistemas-terrestres-
6377042 a-intervencao-do-homem-nos-subsistemas-terrestres-6377042 a-intervencao-do-homem-nos-subsistemas-terrestres-
6377042 a-intervencao-do-homem-nos-subsistemas-terrestres-
 
Ge amb
 Ge amb Ge amb
Ge amb
 
Apostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadasApostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadas
 
Diversidade e sustentabilidade
Diversidade e sustentabilidadeDiversidade e sustentabilidade
Diversidade e sustentabilidade
 

Semelhante a Solo

Hidrologia
HidrologiaHidrologia
Hidrologia
lipemodesto
 
Revisão de prova de geografia 1º ano
Revisão de prova de geografia 1º anoRevisão de prova de geografia 1º ano
Revisão de prova de geografia 1º ano
eunamahcado
 
Fisica-Quimica 11º ano «Agua»
Fisica-Quimica 11º ano «Agua»Fisica-Quimica 11º ano «Agua»
Fisica-Quimica 11º ano «Agua»
Filipe Leal
 
Mat geo 3ºem_usos_da_água_13-09-13
Mat geo 3ºem_usos_da_água_13-09-13Mat geo 3ºem_usos_da_água_13-09-13
Mat geo 3ºem_usos_da_água_13-09-13
daniboy7lag
 
Apostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadasApostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadas
Rômulo Magno
 
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
Gilson Nachtigall
 
Sobrexploração e poluição da Água Doce
Sobrexploração e poluição da Água DoceSobrexploração e poluição da Água Doce
Sobrexploração e poluição da Água Doce
19.9D.Pedro0809
 
Poluição e agricultura
Poluição e agriculturaPoluição e agricultura
Poluição e agricultura
Denysson Amorim
 
Aula 21 recuperação de áreas degradadas
Aula 21 recuperação de áreas degradadasAula 21 recuperação de áreas degradadas
Aula 21 recuperação de áreas degradadas
Homero Alves de Lima
 
A terra vista como planeta azul
A terra vista como planeta azulA terra vista como planeta azul
A terra vista como planeta azul
Diogo Batista
 
Alteracoesnahidrosfera
AlteracoesnahidrosferaAlteracoesnahidrosfera
Alteracoesnahidrosfera
Necterra Espaço Dietético
 
Sustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambientalSustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambiental
-
 
DESTRUIÇÃO DA HIDROSFERA.docx
DESTRUIÇÃO DA HIDROSFERA.docxDESTRUIÇÃO DA HIDROSFERA.docx
DESTRUIÇÃO DA HIDROSFERA.docx
ssuser3bcdae
 
Aula 06 água
Aula 06   águaAula 06   água
Aula 06 água
Lucas Barbosa
 
A água
A água A água
A água
Maggie1996
 
Kelly trabalho água 2 1
Kelly trabalho água 2 1Kelly trabalho água 2 1
Kelly trabalho água 2 1
Conceição Rosa
 
Regiões hidroconflitivas
Regiões hidroconflitivasRegiões hidroconflitivas
Regiões hidroconflitivas
Atividades Diversas Cláudia
 
A questão da Água
A questão da ÁguaA questão da Água
A questão da Água
neusaazevedo
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula1 Aguas Subterrâneas
Aula1 Aguas SubterrâneasAula1 Aguas Subterrâneas
Aula1 Aguas Subterrâneas
Huxlei Nascimento
 

Semelhante a Solo (20)

Hidrologia
HidrologiaHidrologia
Hidrologia
 
Revisão de prova de geografia 1º ano
Revisão de prova de geografia 1º anoRevisão de prova de geografia 1º ano
Revisão de prova de geografia 1º ano
 
Fisica-Quimica 11º ano «Agua»
Fisica-Quimica 11º ano «Agua»Fisica-Quimica 11º ano «Agua»
Fisica-Quimica 11º ano «Agua»
 
Mat geo 3ºem_usos_da_água_13-09-13
Mat geo 3ºem_usos_da_água_13-09-13Mat geo 3ºem_usos_da_água_13-09-13
Mat geo 3ºem_usos_da_água_13-09-13
 
Apostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadasApostila de areas degradadas
Apostila de areas degradadas
 
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
 
Sobrexploração e poluição da Água Doce
Sobrexploração e poluição da Água DoceSobrexploração e poluição da Água Doce
Sobrexploração e poluição da Água Doce
 
Poluição e agricultura
Poluição e agriculturaPoluição e agricultura
Poluição e agricultura
 
Aula 21 recuperação de áreas degradadas
Aula 21 recuperação de áreas degradadasAula 21 recuperação de áreas degradadas
Aula 21 recuperação de áreas degradadas
 
A terra vista como planeta azul
A terra vista como planeta azulA terra vista como planeta azul
A terra vista como planeta azul
 
Alteracoesnahidrosfera
AlteracoesnahidrosferaAlteracoesnahidrosfera
Alteracoesnahidrosfera
 
Sustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambientalSustentabilidade ambiental
Sustentabilidade ambiental
 
DESTRUIÇÃO DA HIDROSFERA.docx
DESTRUIÇÃO DA HIDROSFERA.docxDESTRUIÇÃO DA HIDROSFERA.docx
DESTRUIÇÃO DA HIDROSFERA.docx
 
Aula 06 água
Aula 06   águaAula 06   água
Aula 06 água
 
A água
A água A água
A água
 
Kelly trabalho água 2 1
Kelly trabalho água 2 1Kelly trabalho água 2 1
Kelly trabalho água 2 1
 
Regiões hidroconflitivas
Regiões hidroconflitivasRegiões hidroconflitivas
Regiões hidroconflitivas
 
A questão da Água
A questão da ÁguaA questão da Água
A questão da Água
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Aula1 Aguas Subterrâneas
Aula1 Aguas SubterrâneasAula1 Aguas Subterrâneas
Aula1 Aguas Subterrâneas
 

Mais de Gerdian Teixeira

Boleto metodista
Boleto metodistaBoleto metodista
Boleto metodista
Gerdian Teixeira
 
Portal connectei apresentação
Portal connectei   apresentaçãoPortal connectei   apresentação
Portal connectei apresentação
Gerdian Teixeira
 
Aprentação connectei
Aprentação connecteiAprentação connectei
Aprentação connectei
Gerdian Teixeira
 
Aprentação connectei
Aprentação connecteiAprentação connectei
Aprentação connectei
Gerdian Teixeira
 
Plantões
PlantõesPlantões
Plantões
Gerdian Teixeira
 
Desing dos plantões
Desing dos plantõesDesing dos plantões
Desing dos plantões
Gerdian Teixeira
 
Jornal do josue
Jornal do josueJornal do josue
Jornal do josue
Gerdian Teixeira
 
Apresentação cecitec digital
Apresentação  cecitec digitalApresentação  cecitec digital
Apresentação cecitec digital
Gerdian Teixeira
 
Painel extensão
Painel extensãoPainel extensão
Painel extensão
Gerdian Teixeira
 
Etapas de pesquisa
Etapas de pesquisaEtapas de pesquisa
Etapas de pesquisa
Gerdian Teixeira
 
Abnt 2011
Abnt 2011Abnt 2011
Abnt 2011
Gerdian Teixeira
 
Abnt2011
Abnt2011Abnt2011
óTimo elaborando um_artigo_cientifico
óTimo elaborando um_artigo_cientificoóTimo elaborando um_artigo_cientifico
óTimo elaborando um_artigo_cientifico
Gerdian Teixeira
 
Como elaborar projetos científicos
Como elaborar projetos científicosComo elaborar projetos científicos
Como elaborar projetos científicos
Gerdian Teixeira
 
Ensino da lingua portuguesa
Ensino da  lingua portuguesaEnsino da  lingua portuguesa
Ensino da lingua portuguesa
Gerdian Teixeira
 
Literatura infantil
Literatura infantilLiteratura infantil
Literatura infantil
Gerdian Teixeira
 
Raiz
RaizRaiz
Introdução1
Introdução1Introdução1
Introdução1
Gerdian Teixeira
 
Formas das plantas
Formas das plantasFormas das plantas
Formas das plantas
Gerdian Teixeira
 
Folhas
FolhasFolhas

Mais de Gerdian Teixeira (20)

Boleto metodista
Boleto metodistaBoleto metodista
Boleto metodista
 
Portal connectei apresentação
Portal connectei   apresentaçãoPortal connectei   apresentação
Portal connectei apresentação
 
Aprentação connectei
Aprentação connecteiAprentação connectei
Aprentação connectei
 
Aprentação connectei
Aprentação connecteiAprentação connectei
Aprentação connectei
 
Plantões
PlantõesPlantões
Plantões
 
Desing dos plantões
Desing dos plantõesDesing dos plantões
Desing dos plantões
 
Jornal do josue
Jornal do josueJornal do josue
Jornal do josue
 
Apresentação cecitec digital
Apresentação  cecitec digitalApresentação  cecitec digital
Apresentação cecitec digital
 
Painel extensão
Painel extensãoPainel extensão
Painel extensão
 
Etapas de pesquisa
Etapas de pesquisaEtapas de pesquisa
Etapas de pesquisa
 
Abnt 2011
Abnt 2011Abnt 2011
Abnt 2011
 
Abnt2011
Abnt2011Abnt2011
Abnt2011
 
óTimo elaborando um_artigo_cientifico
óTimo elaborando um_artigo_cientificoóTimo elaborando um_artigo_cientifico
óTimo elaborando um_artigo_cientifico
 
Como elaborar projetos científicos
Como elaborar projetos científicosComo elaborar projetos científicos
Como elaborar projetos científicos
 
Ensino da lingua portuguesa
Ensino da  lingua portuguesaEnsino da  lingua portuguesa
Ensino da lingua portuguesa
 
Literatura infantil
Literatura infantilLiteratura infantil
Literatura infantil
 
Raiz
RaizRaiz
Raiz
 
Introdução1
Introdução1Introdução1
Introdução1
 
Formas das plantas
Formas das plantasFormas das plantas
Formas das plantas
 
Folhas
FolhasFolhas
Folhas
 

Solo

  • 2.  Produto do intemperismo.  A vida - o solo - a atmosfera - a água - as geoformas  Evoluíram em conjunto; e interagem com a atmosfera e condições climáticas, com as águas superficiais e subterrâneas e com os ecossistemas.  Funções:  Principal substrato para plantas (crescimento e disseminação);  Reciclagem e armazenamento de nutrientes e detritos orgânicos;  Controlo do fluxo da água e ação protetora da qualidade da água subterrânea;  Habitat para a fauna do solo.
  • 3.
  • 4.  Transição  Profundidade e espessura dos horizontes e camadas  Cor  Granulometria etextura  Estrutura (referente ao tamanho, forma e aspecto das partículas agregadas).  Consistência (a resistência desses agregados).
  • 5. Um solo possuí camadas horizontais de morfologia diferente entre si.
  • 6.  O – (orgânico e escuro);  H – (de constituição orgânica, superficial ou não)  A – (superficial, com bastante interferência do clima e da biomassa. É o horizonte de maior mistura mineral com húmus).  E – (eluvial, ou seja, de exportação de material, geralmente argilas e pequenos minerais).  B – (maior concentração de argilas, minerais oriundos de horizontes superiores). e  C - Porção de mistura de solo pouco denso com rochas pouco alteradas da rocha mãe.  R ou D - Rocha matriz não alterada. De difícil acesso em campo.
  • 7.  Diversos tipos de solos ocorrem, não de forma aleatória mas segundo padrões, em função do material de origem, do clima, do relevo e dos organismos vivos que atuam ao longo do tempo.  Os solos (paisagens) são muitas vezes produzidos pelo homem. Ex: Os agricultores desenvolvem solos agrícolas. O desenvolvimento urbano, resulta em pressões sobre os solos cada vez mais específicas, através da alteração da utilização dos solos, modificando a infiltração e o escoamento, e das alterações climáticas.
  • 8.  Solos arenosos (areia, entre 2mm e 0,05mm): têm boa aeração e capacidade de infiltração de água. No entanto, pouca capacidade de retenção de água.  Solos siltosos (silte, entre 0,05 e 0,002mm): geralmente são muito erosíveis.  Solos argilosos (argila, menor que 0,002mm): menos aerados, no entanto, armazenam mais água.  Latossolo: são profundos, bastante porosos e bem intemperizados.  Solo lixiviado: Aqueles que a grande quantidade de chuva carrega seus nutrientes, tornando o solo pobre.
  • 9. Etimologia dos termos usados no 1onível categórico do SiBCS
  • 10.
  • 11.  As diferentes coberturas pedológicas respondem à gestão (e à falta de gestão) de várias formas.  Técnicas são aplicadas a fim de maximizar as vantagens naturais ou evitar as dificuldades (irrigar os solos secos,drenar os húmidos, fertilizar os pobres, e planear fundações de obras).
  • 12.  Dependendo da cobertura vegetal e do tipo de solo, a água é interceptada ou evaporada, infiltrada no solo ou perdida através do escoamento superficial (quando muito rápido gera inundações, erodindo solos férteis e margens dos rios).
  • 13.  Os solos são parte integrante do:  Clima: interferência no ciclo hidrológico, na retenção de carbono e na emissão de gases de efeito de estufa.  Ciclo da hidrológico: elemento de ligação e como sistema regulador do ciclo hidrológico global. Também regulam os cursos de água e os reservatórios de água subterrânea.  Ciclos dos nutrientes e dos resíduos: reciclam os nutrientes libertados pela alterações.  Erosão: acumulação de sedimentos.
  • 14.  Recurso natural dinâmico, passível de ser degradado em função do uso inadequado pelo homem, condição em que o desempenho de suas funções básicas fica severamente prejudicado, o que acarreta interferências negativas no equilíbrio ambiental, diminuindo drasticamente a qualidade vida nos ecossistemas, (sistemas agrícolas e urbanos).  O estudo científico do solo, a aquisição e disseminação de informações do papel que o mesmo exerce na natureza e sua importância na vida do homem, são condições primordiais para sua proteção e conservação, e uma garantia da manutenção de meio ambiente sadio e auto-sustentável.
  • 15.
  • 16. "A água pode existir sem os seres humanos, mas nós só conseguimos sobreviver sem água por poucos dias.”  Alimento número um;  Um dos elementos essenciais para vida (60% do corpo humano)  Origem da vida no meio aquático (primeiros seres vivos, colonização de plantas;
  • 17.  1,4 bilhões de quilômetros cúbicos:  97,5 % são águas salgadas ou salobras;  2,5 % apenas de água doce (70% fixada como gelo, o restante como subterrâneas e na superfície).  Ciclagem entre terra – atmosfera (renovação da água)  Risco de contaminação (poluição)
  • 18.  Crescimento populacional  aumento da demanda por água  Recurso é um bem econômico, finito e vulnerável. Estima-se que daqui a 30 anos, as fontes de água doce do planeta poderão não existirem em quantidades suficientes, caso o ser humano não conseguir estabilizar o volume de água que consome.  Diferente de outros recursosa água doce não tem substituto .  Na China, 35% dos poços artesianos já secaram.  Nos Estados Unidos, 26 estados estão com os lençóis freáticos contaminados por produtos químicos.
  • 19.  A poluição por efluentes, causa a perda da qualidade dos mananciais hídricos.  Afeta a saúde humana tanto diretamente, através do seu consumo, como indiretamente, pela utilização da sua flora e fauna, como fonte de alimentos.  A diarréia, que é a principal causa de mortalidade infantil no Brasil, a hepatite e a cólera, são doenças provocadas pelo uso de água contaminada.
  • 20.  Nosso país detém 8% de toda a água doce superficial do planeta:  80% estão localizados na Região Amazônica e o restante (20%) se distribui desigualmente pelas demais partes do país, para atender a 95 % da população brasileira.  Entretanto, a diversidade da distribuição espacial e temporal dessa quantidade de água, bem como a degradação da sua qualidade em decorrência da urbanização acelerada, desordenada, com processos industriais e agrícolas, ainda sem cuidados ambientais necessários, comprometem muito a qualidade destas águas.
  • 21.  Problemas em relação a água:  Quantidade:  Alocação entre usos competitivos (recreação, energia, abastecimento, industria, etc.);  Manutenção de uma vazão ecológica mínima;  Geração de energia elétrica;  Suprimento das populações rurais (Nordeste);  Gerenciamento das águas subterrâneas (alternativa para aumento da disponibilidade).
  • 22.  Problemas em relação a água:  Qualidade:  Precipitações ácidas;  Poluição de águas subterrâneas (águas residuárias, vazamentos combustíveis);  Poluição por fontes não pontuais;  Eutrofização dos corpos de água;
  • 23.  Cultura da seca na região Nordeste:  As condições físicoclimáticas predominantes na região podem, relativamente, dificultar a vida, exigir maior empenho e maior racionalidade na gestão dos recursos naturais em geral e da água.  Baixo índice pluviométrica; Irregularidade das chuvas; Evaporação;  Altas temperaturas;  Tipos de solo – retenção de água
  • 24.  Cultura da seca na região Nordeste:  Implicações econômicas;  Aspectos sócio-econômicos;  Hidrográficos;  Desenvolvimento de alternativas (irrigação)